Fórum dos Leitores

MANIFESTAÇÕES

O Estado de S.Paulo

14 Março 2015 | 02h04

Passeata convocada

Gostaria de entender se essa manifestação de ontem foi contra ou a favor da corrupção na Petrobrás, contra ou a favor do governo Dilma, contra ou a favor da reforma política. Afinal, contra ou a favor de quê? Parece com os discursos da nossa presidenta: nunca dizem algo inteligível.

SUELY SABBAG

ssbbag@hotmail.com

São Paulo

Coerência sindical

Manifestação em favor da Petrobrás. Claro, Dilma falhou com Pasadena, Abreu e Lima e deixou uma organização criminosa se apoderar da Petrobrás. Manifestação em defesa da democracia. Esta significa cumprir a lei, e não como fez Dilma, que gastou demais e mandou mudar a Lei de Diretrizes Orçamentárias. Manifestação em favor do financiamento público de campanhas eleitorais. Considerando a quantidade de empreiteiras envolvidas na Operação Lava Jato e que contribuíram para a campanha de Dilma, faz todo o sentido querer só financiamento público. As centrais sindicais foram muito coerentes, contra Dilma.

CARLOS DE OLIVEIRA AVILA

gardjota@gmail.com

São Paulo

Diferenças

A manifestação das pessoas que trabalham e pagam impostos para sustentar os planos de "benefícios" do governo federal (Mais Médicos, Bolsa Família, etc.) será no domingo, justamente porque trabalham durante a semana. Já manifestação convocada pelo PT pode ser feita a qualquer dia e qualquer hora...

MARCELO L. Z. BERNABE

zbernabe@hotmail.com

São Paulo

O 'fora, Dilma'

Se todos os brasileiros que perderam o emprego de janeiro até agora aderirem ao movimento de amanhã, com certeza a manifestação será um sucesso. Acorda, gigante, e vamos lutar por um Brasil melhor. Encontramo-nos nas ruas. Até domingo.

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

O que nos resta?

Não confiamos nos parlamentares acusados na lista (de Janot) e que se dizem injustiçados, não confiamos na omissão surpreendente de algumas pessoas altamente suspeitas e que deveriam constar dessa lista, não confiamos nem mesmo nos responsáveis pela própria lista. Não confiamos nos delatores que querem suas penas diminuídas. Não confiamos nos partidos políticos que defendem tão somente seus interesses pessoais ou partidários. Não confiamos nos juízes comprometidos com esses partidos políticos para julgar seus oponentes, não confiamos nos juízes que se apropriam indevidamente dos bens dos réus para uso próprio. Não confiamos em conluios, conversas e encontros secretos entre pessoas que deveriam estar acima de todo esse enredo sórdido com a isenção de quem é justo e imparcial. Não confiamos em quem nos governa depois de nos pespegar dezenas de mentiras, de garantias e promessas, fazendo exatamente o contrário, pensando que todas as falcatruas valeriam os jantares de Brasília. O que nos resta? Uma sensação de orfandade. Temos de crescer sozinhos e por nossa conta. A passeata de amanhã, dia 15, será o nosso primeiro passo. A partir daí poderemos andar, correr e, quem sabe, voar.

REGINA ULHÔA CINTRA

regina.cintra@yahoo.com.br

São Paulo

Manifestantes x militantes

A sociedade, por mais que se prepare para suas manifestações legítimas, não pode menosprezar a capacidade dos militantes pagos, que se beneficiam de toda a podridão que está ocorrendo no País. A organização Black Bloc não é um bando de baderneiros irresponsáveis, eles são militantes muito bem treinados para sufocar com atos violentos as manifestações pacíficas. A tarefa dessa "facção" é provocar distúrbios generalizados com quebradeiras, incêndios em diversos pontos da cidade, provocando ações policiais. E o resto todos sabemos: os grupos pacíficos dividem-se e por temerem por sua vida as pessoas se dispersam. Juntando-se aos black blocs os ditos "movimentos sociais", fica completa a famigerada tropa de choque que um infeliz pseudodemocrata já ameaçou pôr nas ruas, sob as ordens do "comandante" Stédile. Todos os analistas (?) afirmam que o Brasil está longe de uma guerra civil, só que não consultaram os interessados na implantação de um sistema ditatorial e corrupto que, para não apearem do poder, não estão nem aí se correr sangue entre irmãos. É o poder pelo poder e está acabado! Para eles, nomeações suspeitas, compra de parlamentares, cooptação de líderes estudantis (que saudades da velha UNE!), conluio com os bandidos "provedores de recursos", vale tudo! Vamos fazer a leitura correta do que as ruas nos apresentarão amanhã para não cairmos nas armadilhas armadas pelo "grupo de apoio do governo". Eu, com os meus 74 anos, estarei lá. Não aguentamos mais. Basta!

ROGÉRIO AMIR RIZZO

rizzomoreno@superig.com.br

São Paulo

PETROLÃO

Gabrielli na Câmara

Assim como uma maçã podre contamina todo o barril, o PT contamina toda a Nação, subvertendo a lógica, ridicularizando a ética, caçoando da moral, invertendo a razão e, ecoando o velho Ruy, faz os homens de bem sentirem vergonha de ser honestos. O ex-presidente da Petrobrás repetiu várias vezes o bordão segundo o qual ele não acredita ter havido corrupção institucionalizada na Petrobrás, justificando que nem a auditoria nem a contabilidade jamais detectaram esses roubos. Ora, isso só atesta a esculhambação dos controles administrativos da Petrobrás; e os auditores e contadores da Petrobrás não pegaram porque foram escolhidos a dedo pelo Lula com a missão precípua de não auditar nem contabilizar... É por isso que o Gabrielli pôde dizer com a maior cara de pau o que ele disse. Estarrecedor é que não apareceu nenhum parlamentar oposicionista para contraditá-lo!

FABIO M. DE BARROS FARIA

fabio.faria3@gmail.com

Santana de Parnaíba

Petropropinoduto

É impressionante o sr. José Sérgio Gabrielli querer sustentar que os casos de corrupção na Petrobrás só a polícia poderia detectar. Ora, se somente um dos envolvidos declara ter desviado US$ 95 milhões, como uma equipe tão cara como o corpo técnico e, principalmente, diretivo da Petrobrás não conseguiu perceber esses "pequenos" excessos nos pagamentos às empreiteiras participantes? Como pode ter o cinismo de insistir que os pagamentos das propinas se deram fora da Petrobrás e, portanto, não poderiam ser detectados. O curioso é que, como o senador Lindbergh (PT-RJ) declarou, ele se dirigiu à Petrobrás para pedir os R$ 2 milhões de sua campanha. E recebeu de empreiteiras? Como, então, se davam tais liquidações financeiras?

MARCELO FALSETTI CABRAL

mfalsetti2002@yahoo.com.br

São Paulo

*

Gostaria de entender as manifestações de ontem, 13 de março: “a favor” da Petrobrás por trabalhadores? Deveria ter sido “contra” o PT, o PMDB e o PP, os partidos que a denegriram.

Tânia Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

PROTESTOS ‘EM DEFESA DA PETROBRÁS’

Os desocupados do Movimento dos Sem Terra (MST) e da Central única dos Trabalhadores (CUT), sustentados com dinheiro público, se manifestam nos dias de semana, em pleno horário de trabalho. As pessoas de bem que precisam trabalhar durante a semana para sustentar milhões de vagabundos marcaram sua manifestação para amanhã, domingo.

João Carlos A. Melo jca.melo@yahoo.com.br

São Paulo

*

BOLSA PASSEATA

Este governo não é nada criativo. Acabou de criar o Bolsa Passeata. Assim é fácil!

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

DEFENDÊ-LA DE QUEM?

A tropa de choque do governo, orientada por Lula, fez manifestação, ontem, em defesa da Petrobrás. Vejam só, que ridículo: “defender a Petrobrás”. Ora, defender de quem? A empresa foi roubada e falida quando sua diretoria foi entregue a ladrões escolhidos a dedo por este governo de corruptos e corruptores.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com 

São Paulo

*

A IDENTIDADE DO VILÃO

Desvendada a identidade de Fabricio Melgaço nos últimos capítulos da novela “Império”, não será oportuno desvendar Lula no petrolão?

Regina Moretti Ferrari ferrari@tavola.com.br

Santana de Parnaíba

*

TEMPOS DIFÍCEIS

Que tempos vivemos no Brasil! País governado, legislado e julgado pelo que há de pior na sociedade. Gente corrupta, vagabunda e picareta no poder. Nossa presidente é uma figura medíocre, fantoche de uma organização criminosa. Nossa oposição política é formada por bobocas vaidosos e medrosos. O funcionalismo púbico é, em geral, dirigido por gente incompetente e os servidores públicos hoje em dia só têm a função mesmo de votar no que está aí. Muita gente perdeu a noção das coisas e acha que quem tem carro, casa e conforto, é porque o governo “deu”. A maior crise do País é a falta de liderança decente e de exemplos positivos, pilares de sustentação de uma sociedade desenvolvida e democrática.

 

André Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas

*

PASSEATAS DE SEXTA-FEIRA

A CUT, parasita do PT e deste desgoverno Dilma, foi às ruas levando gente que nem sabe o motivo de estarem lá. Ridículo. Na verdade, essas pessoas nem sabem em quem votaram e o que está acontecendo no Brasil.

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

INÊS É MORTA

Muito estranho, para mim, pipocarem no Brasil todo manifestações pela proteção da Petrobrás. Depois da casa invadida, só resta chamar a polícia.

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

*

GOLPISTAS NÃO

A maior façanha do PT não foi desmontar a máquina governamental e burocrática, recriando um monstrengo descoordenado e repressor em seu lugar, mas instalar no consciente popular a ideia de que a manifestação dos grupos que protestam indignados, vaiando ou batendo panelas contra governantes cínicos e corruptos, é formada por golpistas que querem o terceiro turno das eleições ou por pessoas “mal educadas”, enquanto relativizam os próprios crimes e se colocam num patamar acima de qualquer suspeita, arrotando moralidade e ética, condutores da consciência patriótica e realizadores da justiça social. Quem quiser inovação nos protestos, venha para o dia 15/3, quando falaremos por nós mesmos e não precisamos de representação política e nem partidária, tampouco de militantes armados e destruidores dos bens públicos. Somos da paz e lutamos pelo retorno da decência, da ordem e do progresso.

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

*

DILMA VAIADA NA FEICON

Será que os montadores, eletricistas, faxineiros, etc.  que  trabalharam na montagem da Feira da Construção Civil (Feicon) esta semana, em São Paulo, representam a elite paulistana?

Silvio Leis silvioleis@hotmail.com

São Paulo

*

SEM CONDIÇÕES

Uma presidente da República vaiada e  hostilizada  pela maioria do povo brasileiro não se pode dar ao luxo de continuar governando uma nação.

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo 

*

DOMINGO, 15 DE MARÇO

Nos idos de março romanos, sobre os quais um vidente preveniu o grande César, constataremos que o Brasil possui o maior contingente de ricos do mundo, incomparável com os Estados Unidos, a Alemanha e os países nórdicos da Europa. E, mais que isso, ricos valentes, porém um tanto quanto desatinados, porque irão às ruas para dizer a um governo que os faz ricos insólitas necedades. Mas, se preferimos a sanidade mental, veremos que o governo petista e seu partido distorcem (aliás, desde seu nascimento) a significação dos acontecimentos. Tanta gente rica e feliz não trocaria um plácido domingo por movimento de rua de efeitos imprevisíveis.

 

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

VOU PARA A RUA

Se ir para as ruas para combater a corrupção é ser “coxinha”, eu sou “um cento de coxinhas”. Se ir para as ruas para lutar e combater esta classe política suja, corrupta, inútil e cara é ser “pig”, eu sou “pig”, “pog”, “pug” e tudo mais. Se ir para as ruas para lutar contra esta Justiça lenta e corrupta é ser direitista, eu poso afirmar que já nasci direitista, em 15 de novembro de 1933, às 14h22. Comentários  de um brasileiro que sofre com a falta de educação,  justiça, saúde e segurança no País. Aconteça o que acontecer, amanhã, dia 15 de março, irei para as ruas junto com milhões de brasileiros para exigir dos Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário do Brasil respeito com os nossos direitos e necessidades. Chega de nos considerar idiotas.  

 

Leônidas Marques  leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

PROTESTO E TOLERÂNCIA

Ministros criticam “ódio” e pedem tolerância nas ruas. Isso porque têm memória curta e se esqueceram de quem foi o responsável por implantar e induzir a população a ter tal sentimento. Não há necessidade de dar o nome dele, né não? Contudo, vou mencioná-lo para os menos esclarecidos: é o “cara”, tanto que arregimentou o “exército do Stédile” para defender o governo Dilma.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

O MST AMEAÇADOR

 

Depois de um ligeiro silêncio, a imprensa tem dado notícias sobre o MST às quais ninguém tem dado importância, porque o assunto banalizou. No dia 5 deste mês, o MST invadiu um centro de pesquisa em Itapetininga (SP) e destruiu milhares de mudas geneticamente modificadas que estavam em experiência científica há mais de 14 anos. Prosseguindo na mobilização, no dia 10 deste mês o movimento promoveu, em 19 Estados, ocupação de terras, prédios públicos e agências bancárias, trancou rodovias e ocupou uma multinacional israelense na capital gaúcha. Pode ser impressão minha ou erro de observação, mas estou começando a acreditar que o MST vem se preparando para copiar o Estado Islâmico (Exército Islâmico), cujo objetivo é a intensa e diabólica vontade de destruir. O MST, da “salvação” tupiniquim, pelo que se tem visto, é uma organização integrada por grupos organizados destinada à prática de desordem em ações violentas contra a ordem social. O MST sempre espera a melhor hora para atacar, como o faz o Estado Islâmico. Aqui, o MST objetiva proclamar seu “califado”, procurando a sua organização ocupar o território nacional, carregando sua bandeira “pela reforma agrária e pela justiça social”. A ação, para alcançar esse objetivo, se orienta no sentido de destruir, como o faz o Estado Islâmico quando destrói estatuas históricas e sítios arqueológicos. Essa organização já ultrapassou fronteiras, para se alastrar por toda a América Latina. Para alcançar esse objetivo a Venezuela enviou um grupo ao Brasil que está promovendo aulas de socialismo e de estratégia de luta armada, tudo com apoio do PT a estes bolivarianos, em vários acordos, a maioria firmada em Guararema, Estado de São Paulo. Com esse treinamento fornecido pela Venezuela de Nicolás Maduro, o MST prepara uma revolução socialista, que é o seu objetivo desde 1984, quando foi criado, mobilizando-se para invadir terras cultivadas, inicialmente, para depois implantar o Governo Bolivariano do Brasil. Como disse Lula, o MST de Stédile e de Rainha é o seu braço armado pronto para enfrentar os inimigos.

 

Flavio Cesar de Toledo Pinheiro flaviopinheiro.adv@uol.com.br

São Paulo

*

ÓDIO, SIM, DE BARRIGA CHEIA OU VAZIA

Ódio contra a roubalheira, ódio contra o aparelhamento desmedido, ódio contra a repressão à liberdade de expressão, ódio contra a manipulação do STF, ódio contra o estelionato eleitoral, ódio contra a desonestidade intelectual e o cinismo, ódio contra as urnas eletrônicas manipuladas, ódio contra os que destruíram os dois maiores empreendimentos do Brasil – a Petrobrás e o Proálcool –, ódio à política bilionária secreta do BNDES de desenvolvimento de outros países de ditadores do Foro de São Paulo com dinheiro que poderia desenvolver o Brasil e os brasileiros, ódio à ideologia de fortalecimento bilionário do caixa do partido a qualquer preço, ódio ao apoio incondicional a organizações criminosas como as Farc e o violento MST, mas, sobretudo, amor ao Brasil, ao futuro e ao povo brasileiro das classes A a Z.

 

Olimpio Alvares olimpioa@uol.com.br

Cotia

*

O DIABO

A manifestação de amanhã não é ódio nem golpe da elite branca. Fizeram “o diabo” para ganhar a eleição. Agora, o diabo que os carregue.

Lucia Melchert luciamelchert@gmail.com

São Paulo

*

EFEITO DOMINÓ

A presidente Dilma Rousseff está por um fio e seu vice, Michel Temer, também está na corda bamba, pois seu partido (PMDB) tem apoiado os mandos e desmandos do governo petista, que levaram o Brasil ao caos total. Portanto, ambos devem cair abraçados.  Os sucessores imediatos, Eduardo Cunha, presidente da Câmara, e Renan Calheiros, do Senado, ambos do PMDB também, ao que tudo indica, têm vida curta no trono presidencial por terem sido citados na Operação Lava Jato, e Renan com um agravante, um passado nada recomendável. Aí, no vácuo, aparece o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski, que cuidará dos destinos da Nação. Meu Deus... Cazuza, alguma dúvida de que país é este?

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

MANOBRA NO STF

É o cúmulo da desfaçatez, para não dizer outra coisa, esta manobra do governo lulopetista de fazer com que o jovem ministro Dias Toffoli passe a integrar a 2.ª turma do Supremo Tribunal Federal (STF), para julgar os envolvidos no magno escândalo do petrolão. Lembramos que este jovem ministro recebeu o cargo como recompensa por seus serviços prestados ao PT e, ainda agora, acaba de se reunir com a presidente Dilma (com explicação inaceitável e até ridícula). Além disso, não nos esqueçamos de que o atual presidente da Corte, Ricardo Lewandowski, no julgamento do mensalão, chegou a “trocar a toga pela beca”, na defesa dos envolvidos, especialmente quanto a José Genoino. Onde vamos parar com este Judiciário? Deus nos salve!

 

Antonio L. S. Carvalho alucarvalho@uol.com.br

São Paulo

*

JUDICIÁRIO QUE ENVERGONHA

O Brasil é um país democrático? Sim, é. O Brasil tem instituições de Estado? Sim, tem. Elas funcionam? Muito mal. Por quê? Pois estão contaminadas e aparelhadas pelo PT. O Poder Executivo, o Legislativo e, pasmem, também o Judiciário estão aparelhados pelo PT. O senhor Toffoli era advogado do PT e de Zé Dirceu, assim, deveria ter-se declarado impedido de assumir vaga no STF, mas estamos no Brasil... Agora pediu para julgar os políticos envolvidos no escândalo da Petrobrás, e foi prontamente atendido. Que lisura haverá em seu julgamento, se já foi beijar a mão da presidente Dilma? O Judiciário também está aparelhado e me envergonha.

Jorge E. Gonella Zambra jorgegonella@hotmail.com

São Paulo

*

REFORÇO

Com mais este centroavante, Dias Toffoli, no STF, como reforço, certamente só os empreiteiros serão processados e ficarão presos, e os verdadeiros responsáveis pela roubalheira na Petrobrás serão condenados, como os do mensalão, como ladrões de galinhas ou de pequenos furtos, e rapidinho vão para casa, como no caso de José Dirceu, José Genoino e Cia.   

Arcangelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

*

QUE DEDICAÇÃO!

O ministro Toffoli, por seus grandes serviços ao PT, foi guindado à mais alta Corte da Justiça brasileira. Agora, vendo os escândalos da Petrobrás e temendo que seus colegas não agissem com a devida justiça, pediu transferência para julgar os antigos colegas envolvidos na roubalheira da Petrobrás. O povo pode ser burro de carga, mas não é imbecil!

João Carlos Ângeli j.angeli@terra.com.br

Santos

*

PERPLEXIDADE

Qualquer um que já foi convocado para ser jurado sabe muito bem que estão impedidos de julgar quem tenha tido qualquer negócio com o acusado ou a vítima, ou seja, amigo íntimo ou inimigo capital das partes envolvidas. Então, não consigo deixar de ficar perplexo em ver Dias Toffoli julgando o caso da Operação Lava Jato. Esse ministro paraquedista até pouco tempo atrás era advogado do PT, e continua “companheiro até a morte” da quadrilha. Sem dúvida, o Brasil não é um país sério.

 

Luciano Nogueira Marmontel automat_br@ig.com.br

Pouso Alegre (MG)

*

SEM ISENÇÃO

O ministro do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli acaba de trocar de turma e vai comandar o julgamento do petrolão. Sua história e comportamento como ministro não são dos melhores: aprovado pelo Congresso Nacional como ministro do Supremo, não atendia a nenhuma das duas exigências aos candidatos ao cargo máximo do Judiciário – notório saber e reputação ilibada. Seu comportamento no julgamento do mensalão mostrou claramente sua tendência em inocentar seus antigos companheiros de partido, o PT. E, logo após a mudança de turma no Supremo, foi se encontrar com a presidente da República e dois ministros ligados ao PT. Não dá para acreditar. Ele não tem isenção suficiente para julgar um processo do porte do petrolão, em que seu partido está atolado até o pescoço.  Infelizmente, o forno da pizza já foi ligado.

 

Celso Battesini Ramalho leticialivros@hotmail.com

São Paulo

*

IMORAL OU AMORAL

Fico numa tremenda dúvida entre os dois termos imoral ou amoral. A diferença de entendimento das duas palavras qualquer de nós sabe qual é. Vejam estes dois casos ímpares de imoralidade ou amoralidade. Assisti, esta semana, ao depoimento de Pedro Barusco, ex-funcionário da Petrobrás. Não consigo qualificá-lo. A simplicidade com que discorreu sobre as duas fases do propinório é de espantar. Esse cara é imoral ou amoral, ou simplesmente psicopata? Não é possível que um cara destes dentro de alguns meses esteja livre, leve e solto. Também esta semana o ministro do STF Dias Toffoli pediu para trocar de turma no Supremo, indo para a segunda turma, para poder participar do julgamento do petrolão. Todos sabemos que esse processo vai longe. Em 2016, ele deverá assumir a função de presidente da turma, substituindo o ministro Teori Zavascki. Pasmem, no mesmo dia em que mudou de turma, Toffoli foi conversar com Dilma Rousseff. De que falaram? Talvez sobre o Estádio Mané Garrincha, que está sem função e poderia ser transformado num parque de distração para os presos da Papuda... Não sei o que são. Amorais? Talvez. Qual a impressão que fica? Fingem que foi uma visita de cortesia. Que país, que cinismo, que vergonha. Não dá. Essas coisas todas debito na conta do sr. Lula, que, ao banalizar tudo, quebrou os parâmetros de  moral e de ética.

Jose J. Rosa jjrosa1945@yahoo.com.br

São Paulo

*

MINHA CONSCIÊNCIA

“Isso traz um acirramento também na base da sociedade”, assim se manifestou o ministro Dias Toffoli em entrevista ao “O Globo” publicada em 22/10/2014. Presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na ocasião, ele reconhecia o espelhamento das más ações quando perguntado sobre o acirramento da campanha presidencial que então acontecia. Agora, propondo-se a comandar o julgamento correspondente à Operação Lava Jato, repete a atitude de desconsiderar fatores subjacentes que remetem à delicada questão de impedimento, atitude essa que ecoa para a base da sociedade. O ministro deveria, sim, se preocupar com ações que possam implicar percepção de insegurança aos cidadãos, muito mais neste momento crítico em que a sociedade busca afirmar as suas instituições. Essa insegurança se justificaria pela constatação da repetição, uma vez que o ministro também desconsiderou a questão do impedimento quando do julgamento do mensalão, e também como relator de ações do Banco Mercantil do Brasil no STF, conforme matéria publicada pelo “Estadão” em 29/8/2013. Não me ocorre que o cidadão deva cobrar permanentemente que o ministro tenha sido nomeado para o STF após um histórico de advogar para o PT e assessorar a Casa Civil no primeiro governo petista, penso que devemos torcer permanentemente para o bom desempenho daqueles em cargos públicos. Porém, está na consciência de todos os brasileiros que a Operação Lava Jato é o momento crítico para afirmação das nossas instituições, em oposição aos objetivos do regime pelo qual trabalha o PT, agora agindo de forma jamais vista. Como ex-eleitor do presidente Lula, tenho hoje essa consciência.

 

William Soares Muniz wmuniz@globo.com

Rio de Janeiro

*

QUEM NOS DEFENDERÁ?

O espírito de corpo da Câmara dos Deputados foi demonstrado na quinta-feira, na CPI da Petrobrás, sem nenhuma cerimônia e com toda a cara de pau que lhes é peculiar. Todos os pares participantes do circo defenderam com fervor o já (para eles) inocente Eduardo Cunha, sem nem mesmo saberem o teor do que estavam defendendo. Este fato e a indicação de Toffoli para julgar o petrolão no STF foram dois assuntos que me causaram náusea e uma desesperança total com o futuro do País. Brasileiros, procurem o caminho de Cumbica, porque esse é o bando que manda neste país. Quem será que vai nos defender desse bando, para não dizer outra coisa?

 

Armando Favoretto Junior afjsrf@ig.com.br

São José do Rio Pardo

*

CPI

Seria cômico, se não fosse trágico. A recepção calorosa de boa parte dos integrantes da CPI da Petrobrás ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha, foi patética. Verdadeira aula de teatro do absurdo. Num momento em que o País clama por um mínimo de seriedade, a CPI, não a Comissão Parlamentar de Inquérito, mas o Curso de Politicagem Intensivo, mais uma vez subestima a inteligência do povo e anuncia a próxima pizza.

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

O DEVER DE CUNHA E RENAN

Cunha e Renan, assim como qualquer outra pessoa que exerça função pública sobre a qual paire alguma suspeita de qualquer origem, deveriam ser imediatamente afastados de seus cargos e seus salários, congelados, assim como seus poderes, até que a inocência seja provada. Vamos esperar sentados que eles se afastem por vontade própria. Eles não têm dignidade a zelar.

Clarice Rosenthal claricerosenthal@terra.com.br

Barueri

*

REFINARIA PREMIUM 1

A grande maioria dos políticos brasileiros merece todo o repúdio do povo esclarecido, mas existem exceções que devem ser enaltecidas, e para minha agradável surpresa conheci nos debates da CPI da corrupção na Petrobrás a deputada federal maranhense Eliziane Gama. Caso o querido Estado do Maranhão tivesse tido governadores com sua fibra, dedicação e amor, o Estado do Maranhão seria o melhor e mais próspero Estado da União, pois recursos humanos e naturais não faltam ao Maranhão, falta apenas ser governado por pessoas probas e competentes. Como cidadão brasileiro paulista, fiquei emocionado com o questionamento da deputada Eliziane Gama ao sr. Sérgio Gabrielli sobre o descaso com o povo maranhense e brasileiro no desperdício de R$ 2,1 bilhões na fracassada construção da Refinaria Premium 1, que só serviu para propaganda enganosa de Lula. O depoimento arrogante e pretensioso do sr. Sérgio Gabrielli, de que esta situação é normal em projetos de construção de refinarias, é revoltante para qualquer cidadão de bem e, principalmente, para os brasileiros do Maranhão que acreditaram nesta farsa petista da construção da Refinaria Premium 1, transferiram-se com toda a família e investiram todas as suas esperanças numa vida melhor. Parabéns, deputada.

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br

São Vicente

*

BRASIL E VENEZUELA, TUDO A VER

 

Guardadas as devidas medidas e proporções, há um quê de semelhança na forma de enfrentamento das crises por que passam Brasil e Venezuela. Em terras tupiniquins, ministros de Dilma – como Cardozo e Wagner – procuram deslegitimar os protestos contra o governo, imputando a uma elite branca, desalmada, destiladora de “ódio”,  supostos atos de “intolerância” – que é como veem os protestos anti-Dilma – já que não se conforma com o fato de  “que muita gente progrediu” nos últimos 12 anos. O governo aproveita (claro) para jogar a culpa de tudo em São Pedro e numa tal “crise externa” que insiste em pegar no pé de Brasil, Venezuela e Argentina.  Como aqui, Nicolás Maduro também procura deslegitimar os que protestam na Venezuela contra a inflação, a violência, a escassez, o desgoverno, etc., chegando a cassar mandatos exercidos por desafetos do chavismo e a criminalizar todos os que se atrevem a criticar as políticas desastrosas do Palácio de Miraflores, prendendo, mesmo sem mandado judicial e com acusações vagas e desprovidas de provas, figuras expressivas da oposição, como Leopoldo López e Antonio Ledezma, este último prefeito de Caracas. Aproveita (claro) para também  jogar a culpa num inimigo externo, no caso, os imperialistas “ianques”, chegando ao ridículo de mobilizar a nação e a ordenar exercícios militares de “defesa” – contra uma imaginária agressão de uma superpotência militar que, se de fato quisesse, em poucos minutos reduziria a Venezuela a escombros mesmo utilizando apenas as armas convencionais de seu sofisticado arsenal militar. No mais, o governo Dilma fala de boca cheia em “democracia” e “tolerância”, mas  apoia, com suas ações e omissões, o regime tirânico e liberticida de Caracas.

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

NÃO PRECISA EXPLICAR...

Vá entender estes bolivarianos. Enquanto Cuba, matriz, estreita relações com os Estados Unidos, o venezuelano Nicolás Maduro, filhote de ditador, mas indispõe com eles e se afasta deles? Movimento orquestrado?

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São  Paulo

 

*

DIREITOS  HUMANOS

 

Descartado nas últimas eleições pelos eleitores de São Paulo, Eduardo Suplicy não conseguiu ser recebido pela presidente Dilma Rousseff, mas descolou uma boquinha como secretário de Direitos Humanos do companheiro prefeito da capital paulista, Fernando Haddad. Em horário de trabalho, participou da libertação do homicida Cesare Battisti, que permaneceu apenas 7 horas detido na carceragem da Polícia Federal na quinta-feira. Normalmente lento, desta vez Suplicy foi um azougue.

 

Hélio de Lima Carvalho hlc.consult@uol.com.br

São Paulo

*

BATTISTI E SEU PADRINHO

Não basta expulsar o italiano do Brasil. Seria exemplar o degredo para o nosso pai dos pobres e desvalidos com cinco opções: Venezuela, Irã, Cuba, Estado Islâmico ou Guiné Equatorial.

 

Helena Rodarte Costa Valente   helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

CESARE BATTISTI

Os brasileiros honestos dependem de seu trabalho para viver, morar, se alimentar. Pergunto: quem se preocupou em dar a este assassino Cesare Battisti, condenado à prisão perpétua num país sério, a liberdade de viver aqui sem dar satisfações a ninguém? E o dinheiro que permite a esse indivíduo morar em Embu das Artes com sua família vem de onde? Seria mais um pouco do que já se roubou da Petrobrás ou de nossos impostos pagos com tanto sofrimento?

Aldo Bertolucci accpbertolucci@terra.com.br

São Paulo

*

TALVEZ?!

Talvez seja melhor deixar Cesare Battisti por aqui e talvez seja melhor deixar Henrique Pizzolatto por lá! Talvez seja melhor assim! Talvez?!

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

BRASIL VULNERÁVEL

Será que a sra. Dilma “Vaiada” Rousseff vai solicitar ao Morgan Stanley que demita o “ousado e pessimista” analista que afirmou ser o glorioso Brasil o país mais vulnerável dentre os emergentes? Que saudades do nosso glorioso ministro lácteo, hostilizado num hospital da elite que faz panelaço “financiado” pela oposição. Fosse ele ainda o ocupante da vaga do valente Joaquim Levy e estaríamos ouvindo comentários como “este analista está equivocado”, “estão apostando contra o Brasil”, “cresceremos 3% este ano”, entre outras frases alvissareiras...

Renato Amaral Camargo natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

*

PRODUTIVIDADE

Em tempos do cólera, isto é, de ir para a rua protestar, é bem-vindo o artigo de Claudio de Moura Castro sobre a produtividade dos nossos operários da construção civil (“As profundezas da improdutividade”, 12/3, A2). Bem-vindo porque positivo, na medida em que mostra um problema bem concreto e como enfrentá-lo com eficiência. Não de longe e com programas e projetos chamativos, bons de marketing e de votos, mas que em nada diminuem o que está ruim e ainda desperdiçam dinheiro e horas de trabalho públicos. Não é a nossa presidente a culpada dos desperdícios da construção civil, mas ocupa um cargo do qual se espera que se empenhe em melhorar a qualidade da mão de obra brasileira. Esse cargo é exigente, pede muito de seu ocupante, seja ele quem for. Não permite que se deixe desatendida uma necessidade evidente e persistente, com a desculpa de que se está acudindo a outras também urgentes. Ser presidente não é para qualquer um, muito menos para quem tenha como prioridade manter-se no poder ou manter o próprio partido no poder. A reforma política poderia, nesse sentido, prever seis anos de mandato sem direito à reeleição para os cargos executivos e em particular a Presidência desta República.

Luiz R. de Barros Santos luizroberto.santos@gmail.com

São Paulo

*

MOBILIDADE EM SÃO PAULO

Nosso maravilhoso prefeito Fernando Haddad sentou-se à frente de sua bola de cristal e vaticinou a extinção do transporte individual (em 30, 40 anos?). Antecipou-se ao futuro e, seguindo o exemplo de sua companheira presidente, priorizou as pedaladas. São faixas exclusivas, mesmo fora do horário de pico, e com uso quase nulo, durante os dias úteis. As consequências óbvias são os congestionamentos que duplicaram, o estresse de motoristas e passageiros, o aumento da poluição e o desperdício de combustível, violência, dificuldades em emergências, perda de negócios, empregos e arrecadação. Nas próximas eleições, provavelmente “o automóvel” derrubará o poste. Que falta fazem à nossa cidade prefeitos do quilate de um Faria Lima, Figueiredo Ferraz, Olavo Setubal, Prestes Maia.

André C. Frohnknecht caxumba888@gmail.com

São Paulo

*

DESMATAMENTO

Só em janeiro deste ano já foram desmatados 169% a mais da Floresta Amazônica, que antigamente era (ironicamente) chamada de “rain forest”. Ô, governanta! Será que não tem ninguém aí, no mini-ministério, que se toque em achar que a tal da crise da água é por conta dessa bruta ilegalidade?

Hermann Grinfeld hermann.grinfeld@yahoo.com.br 

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.