Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

02 Abril 2015 | 06h03

A confiança acabou

Pesquisa CNI/Ibope confirma que 74% dos brasileiros não confiam na presidente Dilma Rousseff, cuja avaliação chegou ao fundo do poço. Em sã consciência, só lhe resta a renúncia, para não ficar pior. Os brasileiros não aguentam mais as mentiras dos petistas. O cidadão brasileiro já confunde a mentira e a corrupção com a presidente e com o PT. De nada adianta o ex vir agora dizer que está "indignado" com a corrupção no Brasil. É ser muito cara de pau, ninguém acredita mais nas suas frases de efeito, que não passam de asneiras. A confiança acabou!

LUIZ DIAS

lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

80% reprovam o governo Dilma. Falam a voz e o bolso do povo.

EDUARDO A. DELGADO FILHO

e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

A briga pelo pão

A crise em que o País está atolado mostra o autoritarismo de Lula de inventar um "poste" para lhe suceder. O "estilo Dilma" de governar é caracterizado pela soberba reacionária de acreditar que sabe tudo e não ouvir ninguém. Dilma fez promessas sobre tudo, até sobre um improvável plebiscito para tratar de reforma política. Para se reeleger prometeu o que podia e o que não podia. Mentiu, como teve de admitir depois. Durante a campanha prometeu festa e vida boa. Está pintando o contrário. A frustração é consequência natural das falsas promessas, pois em casa onde falta pão todos gritam e ninguém tem razão.

CARLOS IUNES

carloiunes@gmail.com

Bauru

CORRUPÇÃO

O 'indignado'

Como pode Lula dizer que está indignado com a corrupção, com o seu PT no centro do furacão? Indignado fico eu ao ler que Lula diz que Dilma combate a corrupção incansavelmente. Talvez seja uma mentira de 1.º de abril contada no dia 31 de março.

CLAUDIO TUSCO

ctusco@yahoo.com

Brasília

A quem o sr. Lula pensa que engana? No passado ele estava indignado com o mensalão, depois declarou que nunca existiu. Agora se diz indignado com a corrupção na Petrobrás. Pergunta ao sr. ex-presidente: o futuro vai também provar que a corrupção na Petrobrás nunca existiu?!

ELIE KONDI

elikondi@yahoo.com.br

São Paulo

Dia da mentira

Do sr. Rui Falcão, presidente do partido corruPTo, em auto-homenagem: "Faço um chamado a nós sairmos da defensiva, enfrentarmos de cabeça erguida aqueles que nos atacam, porque é impensável que a gente possa ser acusado de corrupção". Bem a propósito, no dia da mentira.

MARIO COBUCCI JUNIOR

maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

Propina express

João Vaccari Neto, tesoureiro do PT, conforme delação premiada, recebia propina com comodidade, na sede do próprio partido! Eles sempre se superam... Aguardemos, que virão mais e mais descobertas sobre a bandalheira do petrolão.

JOÃO GUILHERME RIBAS

jonnyribas@gmail.com

São Paulo

'Moch'

Curiosa a foto da página A8 do Estadão de ontem. Vaccari estava carregando uma mochila?

RICARDO SANAZARO MARIN

s1estudio@ig.com.br

Osasco

MAIORIDADE PENAL

Famílias enjauladas

"Cadeia não conserta ninguém", diz ministro do Supremo Tribunal Federal. Nesse caso, proponho que enjaulemos ainda mais as famílias para se defenderem de marginais, malfeitores e outros burladores da lei.

JOSÉ SERGIO TRABBOLD

jsergiotrabbold@hotmail.com

São Paulo

Preconceito

A respeito da opinião de Mara Renata Ferreira no debate acerca da eficiência da proposta de diminuir a maioridade penal (1.º/4, A16), é bom esclarecer-lhe que as leis não existem para pôr ninguém na cadeia. Elas existem para inibir que as pessoas cometam crimes. Se educação bastasse, não haveria criminosos com diploma... Essa linha de raciocínio condescendente assume que o alvo da lei serão os pobres e incultos. O que escancara o seu preconceito!

LUIZ CARLOS DO C. PEREIRA JR.

luiz.canto.jr@gmail.com

São Paulo

Só infratores

"Abrimos caminho para diminuir os direitos de todos os adolescentes" - declaração equivocada de dona Maria do Rosário (deputada federal pelo PT-RS) sobre a maioridade penal. Portanto, eu a "corrijo": somente os adolescentes criminosos é que terão a maioridade penal reduzida. Não incluo aí os meus filhos, nem os meus netos, nem qualquer outro adolescente da minha família, porque não são infratores, muito menos criminosos. E penso que essa é a posição de quem não tem na família esse tipo de infelicidade.

REGINA CÉLIA RADUAN ARINI

reginaraduan@yahoo.com.br

São Paulo

Foco

Por que o enfoque é na idade, e não na gravidade do crime? Há estudantes entrando na faculdade até com 14 anos. O "Champinha", pelo crime hediondo que praticou, não pode conviver em sociedade.

REGINA MORETTI FERRARI

ferrari@tavola.com.br

Santana de Parnaíba

TIM

Esclarecimento

Com o título Partido Progressista e TIM fazem parte da lista de investigados na Receita (1.º/4, B1), o Estado vinculou a TIM a um caso grave de suspeita de corrupção no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). A TIM é integrante do Novo Mercado da BM&F Bovespa e atua com máximo nível de transparência e governança. A empresa é citada na manchete de página sem que haja na matéria nenhuma informação sobre as supostas irregularidades, os valores envolvidos ou detalhes que justifiquem tal tratamento, o que afeta colaboradores, acionistas e parceiros da operadora. A TIM refuta veementemente qualquer prática indevida em qualquer instância administrativa ou judicial, reitera desconhecer qualquer informação oficial sobre tais questionamentos e expressa toda a sua indignação.

MARIO GIRASOLE, diretor de Assuntos Regulatórios, Institucionais e Relações com a Imprensa

mgirasole@timbrasil.com.br

São Paulo

1.º DE ABRIL

Em 2002 a dívida interna do Brasil era de R$ 640 bilhões; em 2008, R$ 1,4 trilhão e em 2014 chegou a R$ 2,2 trilhões. Os juros pagos pela dívida interna giram em torno de R$ 250 bilhões por ano. Os contribuintes pagam cada vez mais impostos e os governos dos últimos 12 anos aumentam a dívida a cada ano. A total incompetência administrativa está reinando em Brasília. Ontem foi dia 1.º de abril, mas, infelizmente. os dados são reais.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br
Rio de Janeiro

*
O “Estadão”, baseado no depoimento de sete horas no Senado, do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, para adotar novas medidas para garantir o superávit prometido, titulou sua reportagem de ontem publicando: “Levy não descarta novos impostos ou alta de alíquotas”. Será que essa afirmação do ministro fazendário não passa de “blague” de 1.º de abril, para alegria geral do povo sofredor?

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br
Assis

*
REPULSA AO PT

O ex-ministro do Trabalho Almir Pazzianotto, em artigo publicado neste 1.º de abril (A2), expõe aos leitores do “Estadão”, de forma sintética, todos, absolutamente todos os desarranjos que o governo petista vem provocando aos brasileiros, a ponto de vir perdendo antigos parceiros e colaboradores, que não caberia aqui citá-los, por falta de espaço. E, por incrível que pareça, a presidente Dilma Rousseff, com sua teimosia e, talvez, despreparo, a tudo e a todos faz ouvidos moucos. A esperança está nas ações dos movimentos de rua, principalmente o que ocorrerá no próximo dia 12 de abril, que acabem por sensibilizá-la a tomar as providências que o povo espera, dentre elas, a sua renúncia.

Carlos Rolim Affonso profrolim@globo.com
São Paulo

*
VERDADES?

Dona Dillma diz que “imprensa livre é pedra fundamental da democracia”. Todavia, como ella prometeu na campanha de 2014 que não mexeria nos benefícios dos trabalhadores nem que a vaca tussa, e a vaca verdadeiramente tossiu, podemos esperar atentos a “democratização da mídia”, tão sonhada pelo PT, que por certo será implantada pelo novo ministro das Comunicações, Edinho Silva . Aliás, o 1.º de abril, cairia muito bem como Dia Nacional da Mentira Presidencial, em louvor a dona Dillma .

Antônio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com 
Taubaté

*
FALA, NÃO ESCUTO; ESCREVE, NÃO LEIO

Dilma declara que “a liberdade de expressão é a grande conquista da redemocratização”, porém, mantém o “Estado” há 2.011 dias sob censura.

Raul S. Moreira raulmoreira@mpc.com.br 
Campinas

*
A PIADA DO ANO

O Partido dos Trabalhadores (PT), conseguiu transformar o dia 1.º de abril, tradicionalmente consagrado, o dia da mentira, no dia da piada. Vejam o que disse o presidente da “quadrilha”, o sr. Rui Falcão. “Faço um chamado a nós sairmos da defensiva, enfrentarmos de cabeça erguida aqueles que nos atacam, porque é impensável que a gente possa ser acusado de corrupção”. Realmente. sr. Falcão, agora não tenho mais a menor dúvida, corrupto e ladrão sou eu.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com
São Paulo

*
CALOTE À VISTA

A doação de R$ 60 milhões ao governo da Bolívia para a reforma de uma usina térmica é mais um ato de irresponsabilidade deste governo brasileiro petista, que faz conchavos com o Congresso Nacional para a aprovação do ajuste fiscal, que vai sobrecarregar ainda mais o povo brasileiro com impostos, já escorchantes, para tirar o País do fundo do poço. Esse é o castigo para o senhor Evo Morales, que, em 1.º de maio de 2006, estatizou os ativos da Petrobrás, invadindo a refinaria da empresa na Bolívia com o exército e com chantagens, obrigou a petroleira a pagar royalties altíssimos pelo gás que lá explorava. E as doações do governo brasileiro parece que não vão parar por aí. O Brasil quer construir uma hidrelétrica binacional na divisa entre os dois países, projeto antigo discutido entre os dois governos. Ora, se um país não tem dinheiro para comprar equipamentos para transformar a produção de seu gás em energia elétrica, como vai entrar numa obra dessa magnitude? É calote na certa, como fez o falecido Hugo Chávez, então presidente da Venezuela, com a refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco. Fez um “acordo” de compadre com o ex-presidente Lula e seu país não pagou um tostão pela obra, hoje orçada em mais de US$ 20 bilhões, deixando a Petrobrás literalmente a ver navios. 

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com 
Jundiaí

*
A PERFUMARIA DO GOVERNO

Uma arte dos petistas é de fato “perfumar” balanços. A Petrobrás “perfumada” perdeu R$ 80 bilhões; o BNDES, que financiou toda a velhacaria do governo, perdeu só R$ 2 bilhões com investimentos em ações da Petrobrás. Nem Maluf transformou a mentira em verdade, como fazem os petistas. Parece que o mestre se transformou em aluno.

Ariovaldo Batista arioba06@ho6mail.com
São Bernardo do Campo

*
A PETROBRÁS NOS TRIBUNAIS

“Ação contra Petrobrás nos EUA inclui Graça e Gabrielli” (“Estadão”, 31/3, B1). Se forem condenados, vão “malufar” ou “petralhar”, tanto faz. Serão procurados pela Interpol, sujeitos a serem presos em qualquer lugar do mundo, exceto no País das Maravilhas. Cadê a Alice?

José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br 
São Caetano do Sul 

*
AUMENTO PARA DIRETORES DA PETROBRÁS

Abro o computador e a primeira notícia que vejo no site do “Estadão” é o destaque dado ao aumento de 13% que a Petrobrás pede para seus diretores, quando a empresa vive uma situação quase falimentar. Não sei quantos dos atuais diretores conviveram e souberam de todos estes anos de assalto aos cofres da empresa, mas de algo tenho certeza: fosse numa empresa privada, em vez de aumento salarial, a diretoria receberia um belo pé no traseiro. 

Laércio Zannini spettro@uol.com.br 
São Paulo

*
INCENDIÁRIOS

A impressão gerada é a de que os executivos da Petrobrás são incendiários, ao fornecer combustível para as manifestações próximas nas ruas brasileiras. Apesar de seus já altos salários e de os de outros profissionais brasileiros, como os professores, se distanciarem deles por uma imensa bocaina – característica do Brasil heterogêneo e injusto –, no centro de uma crise da empresa e do País eles fazem uma reivindicação de 13% de acréscimo a seus salários. O nonsense pode ser desculpado entre categorias profissionais simples, porém arrepia e nos faz indagar quais são os motivos reais quando ele parte de executivos experimentados e privilegiados.
  
Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br 
São Paulo

*
LAVA JATO É FICHINHA

Se na Operação Lava Jato as investigações apontam desvios de R$ 10 bilhões da Petrobrás, agora a Polícia Federal descobre um novo esgoto da corrupção petista, desta vez envolvendo conselheiros da Receita Federal, que podem ter causado um prejuízo para o erário de R$ 19 bilhões, ou quase o dobro do apurado na Lava Jato. A propina de 1% a 10% supostamente recebida por servidores públicos que fazem parte do Conselho de Administração de Recursos Fiscais (Carf), ligado ao Ministério da Fazenda, era em razão do cancelamento de multas milionárias das grandes empresas. Entre elas, lamentavelmente bancos como o Bradesco e o Safra e empresas do porte de Gerdau, Camargo Correia, Ford e até a Petrobrás. Ou seja, esta nova Operação Zelotes, da Polícia Federal, depois das excrescências de um mensalão e da Operação Lava Jato, nos dá a certeza absoluta de que o PT, sob os auspícios de Lula, somente assumiu o poder no intuito de montar quadrilhas para desviar recursos em todas as esferas do poder. Uma podridão que não cessa e infesta nossas instituições. 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com
São Carlos

*
CORRUPÇÃO

Só está faltando desviarem as impressoras da Casa da Moeda. Este é o Brasil de hoje.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*
DEUS É BRASILEIRO

O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que já vinha empacado por incompetência e superfaturamento apontado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), agora, com 38% no corte de verbas, empacará de vez! A “presidenta gerenta incompetenta” Dilma no fundo deve estar aliviada com a previsão de crescimento econômico “zero” para este ano. Já pensou se o Brasil estivesse crescendo míseros 2%? Empacaria o Brasil de vez, por falta de infraestrutura. Deus é brasileiro, sim.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 
São Paulo

*
CRESCIMENTO ECONÔMICO

Ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse que a alta de 0,1% do produto interno bruto (PIB) do País em 2014 foi uma “boa surpresa”. Por favor, alguém me empreste o Rivotril?!

Eduardo A. Delgado Filho e.delgadofilho@gmail.com 
Campinas

*
ATO DE FÉ

O economista Márcio Pochmann resumiu a visão de mundo petista: a crise, na verdade, é “momento ótimo”, negando toda e qualquer aceitação dos fatos. E ainda prevê “medidas arrojadas” quando, na realidade, a inapta presidente não consegue nem nomear ministros e juízes. Militância é mesmo um ato de fé.

Rodrigo Syrto Rodrigo rodrigosyrto@gmail.com 
São Paulo

*
REVISÃO

Sinceramente, não entendo toda esta preocupação com o nosso PIB estar devagar quase parando. Seu crescimento ter sido praticamente zero em 2014 e a certeza de que cairá este ano não importam, isso passa.  O IBGE, como virou hábito, irá fazer uma “revisão metodológica” e, lá por 2017, seremos informados de que o País cresceu muito no ano passado e neste também, é só ter paciência. Se esse instituto fosse responsável pelo futebol mundial, os 7 a 1 na Copa do Mundo já teriam sido revistos.

Mario Silvio mario_silvio@hotmail.com   
São Paulo

*
VALEU A PENA?

Diante do que vem acontecendo e ainda poderá acontecer (por exemplo, a mutilação do ajuste fiscal pelo Congresso Nacional), o ministro Joaquim Levy – inteligente que é – talvez já se esteja perguntando se valeu a pena deixar o ambiente de trabalho austero e produtivo criado pelo calvinismo de Amador Aguiar para se tornar ministro da Fazenda. Em Brasília, é obrigado a trabalhar, salvo raras exceções, com gente medíocre, inescrupulosa, apenas ávidas por poder, a quem se juntam os contumazes malfeitores (segundo a presidente Dilma) das altas esferas político-administrativas. Ao ministro nem sequer socorre a condição criada pelo maior poeta português, Fernando Pessoa, no seu célebre poema “Mar Português”: “Tudo vale a pena / Se a alma não é pequena”. E estes de Brasília nem pequena nem nenhuma alma têm. Tomara que não, mas ao sr. Joaquim Levy poderá só restar o perigo e o abismo que Deus ao mar deu.

Elias da Costa Lima preussen@uol.com.br
São Paulo

*
O CONFLITO FAZENDA-PLANALTO

O ministro da Fazenda, que aceitou o cargo por acreditar que pode ajudar a resolver os problemas do País, diz verdades que provocam a irritação de Dilma, que, por sua vez, manda seu escudeiro (não tão fiel) Aloizio Mercadante transmitir o recado de sua insatisfação pelas coisas ditas (30/3, A4). No dia seguinte, Levy é obrigado a vir a público para se justificar, dizendo que suas palavras foram mal interpretadas ou foram tiradas do contexto. Isso por continuar acreditando em que pode ser útil à Nação. Pior se resolver ir embora. O que ele disse nós todos sabemos que é verdade: Dilma Rousseff nem sempre é eficaz. Senhor ministro, fique o tempo que ficar na Fazenda, quando, no futuro, for recompor o seu currículo, diga apenas que foi ministro durante certo tempo. Não mencione que foi ministro do governo Dilma. E mantenha a altivez.

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com
Santo André 

*
DESEJO GENUÍNO
 
Meu caro ministro Joaquim Levy, eu também acho que a presidente Dilma tem um desejo genuíno de acertar, mas, como ambos sabemos, de boas intenções o inferno está cheio e, ao fim e ao cabo, os projetos de nossa mandatária terminam sempre dando com os burros n’água. Lá atrás, ela também teve o mesmo desejo genuíno de fazer de sua lojinha de R$1,99 um sucesso no varejo, e... quebrou. Quando foi executiva da Petrobrás, também quis “genuinamente” acertar, mas deu sinal verde para a aquisição de uma refinaria sucateada em Pasadena, nos EUA, pela bagatela de R$ 1,3 bilhão – cerca de 20 vezes o seu valor, pendurando o prejuízo na “conta do Abreu”, além de estranhamente não se ter dado conta da existência de um esquema bilionário de desvios na estatal, que fez reduzir a pó seu valor de mercado. Hoje, malgrado essa sucessão épica de malogros, Dilma Rousseff está na Presidência da República também procurando acertar, conforme o senhor mesmo dá testemunho, enquanto o País patina na corrupção, na inflação e na estagnação econômica, precisando de maquiagens para “crescer” 0,1% em 2014 e já na expectativa de uma recessão em 2015. Pelo conjunto da obra, estimo que o desejo genuíno do povo brasileiro seja, hoje, o de vê-la pelas costas. Forte abraço e até o dia 12 de abril!
 
Silvio Natal silvionatal49@gmail.com 
São Paulo

*
CREDIBILIDADE

Dilma e Levy não disseram o que disseram. Fica o dito pelo não dito, com aval do Benedito. Credibilidade é isso aí...

A.Fernandes standyball@hotmail.com  
São Paulo
 
*
DESDITO

A sra. Dilma disse que o ministro Levy foi mal interpretado quando afirmou que ela não executa bem as tarefas pertinentes à economia. Segundo ela, o que realmente ele disse é que “o Brasil está em pleno crescimento, o PT é o melhor governo desde o descobrimento do Brasil, não há inflação, os níveis de aprovação de seu governo ultrapassam 100% e, finalmente, deu plena garantia da existência do Papai Noel e do Coelhinho da Páscoa”. Oremos!

Sergio Cortez cortez@lavoremoveis.com.br  
São Paulo

*
VERDADE E CASTIGO

Dilma, de nada adianta ficar irritada com as críticas do ministro Joaquim Levy. Quem fala a verdade merece castigo?
  
Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br  
São Paulo

*
EFICAZ OU EFETIVO?

Se o ministro Levy não consegue conter sua incontinência oral, em mais um surto de sincericídio explícito, somos obrigados, a contragosto, a aceitar mais um puxão de orelhas da sra. Dilma Rousseff.

José Carlos Vendramini Fleury zkfleury@uol.com.br 
São Paulo

*
SINCERAMENTE

Até quando Dilma vai aturar o “sincericídio” do ministro Joaquim Levy? Até quando Joaquim Levy vai aturar as broncas públicas de Dilma? As apostas estão abertas. 

J. S. Decol decoljs@globo.com 
São Paulo

*
MINISTRO DE GOVERNO

Sr. Joaquim Levy, se quiser continuar no cargo, pare de dizer verdades. O sr. está a serviço do partido do Pinóquio e a sua superiora nunca erra, aliás, o PT segue e quer um Brasil bolivariano, apoia e financia a Venezuela e outras “democracias” que têm líderes com objetivos já sabidos e uma verdade, digamos, muito particular.
 
Airton Moreira Sanches moreira.sanches@uol.com.br 
São Paulo

*
FRITURA

O ministro Joaquim Levy por acaso já está entrando em processo de fritura?  O homem não pode falar nada coerente que já magoa a presidenta...

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com 
São Paulo

*
PICUINHAS

A falta de planejamento e de planos faz deste governo um reality show. Avaliações pessoais como a do ministro Levy se tornam manchete, enquanto fatos concretos, como o torpedeamento pelo Congresso de projetos econômicos relevantes a serem implementados, ficam obscurecidos neste contexto. Nós, como cidadãos, temos de manter o foco para que se implementem as realizações necessárias, as correções do rumo econômico. Esse é o ponto central da questão. Devemos evitar que picuinhas e vantagens políticas pessoais sejam priorizadas num momento de fragilidade da condução do País pelo Executivo.

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br 
Indaiatuba

*
JOAQUIM LEVY SUPERESTIMADO

Parece que todo mundo resolver endeusar o ministro Joaquim Levy, o novo salvador da Pátria. O tal ajuste fiscal que ele propõe nada mais é que um grande aumento de impostos e uma grande diminuição de benefícios sociais. No país mais corrupto, incompetente e ineficiente do mundo, certamente existem muitas outras formas de ajustar as contas do governo, como, por exemplo, extinguir metade dos ministérios, repatriar dinheiro da corrupção, diminuir sistematicamente as tantas ineficiências como o absurdo desperdício de água tratada, exigir produtividade de todo o funcionalismo público, inclusive dos parlamentares, etc. O Brasil é o país que mais cobra impostos no mundo, tem o governo mais inchado do planeta, oferece os piores serviços à população e o novo ministro só sabe oferecer mais impostos e piores benefícios. Joaquim Levy pode ir direto para a lata de lixo da história. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 
São Paulo

*
CADÊ A ‘CARTA AO POVO BRASILEIRO 2’?

No tempo de Lula havia Antonio Palocci, indicado como ministro da Fazenda, cuja lucidez apontava para Henrique Meirelles, que abriu mão de um mandato de deputado federal mais bem votado em Goiás para assumir o Banco Central. Só Deus sabia, na ocasião, o valor da multa estipulada por ele em contrato de blindagem, caso os petistas resolvessem fritá-lo. Nem que vendessem a Petrobrás inteira daria para pagá-lo. Neste ano, depois de demonizarem a dona Neca Setubal, do Itaú, amiguinha de Marina Silva, correram atrás de Luiz Carlos Trabuco, do Bradesco, que, embora não tenha aceitado sua indicação para ministro da Fazenda, espertamente liberou o seu subordinado, Joaquim Levy, para substituí-lo. Eu, particularmente, confio em Levy, desconfio um pouco de Nelson Barbosa e repudio o capacho Alexandre Tombini. Agora só nos cabe esperar por um “impeachment” de dona Dilma, porque, em quatro anos, equipe nenhuma, nem de super-heróis tucanos, conseguirá tirar o Brasil do abismo. Sorte que Aécio Neves perdeu a eleição, senão estaria entregue à matilha faminta da esquerda, criada a pão de ló pelo Foro de São Paulo.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

*
‘TEM SAÍDA’

Muito eloquente e convincente o artigo de Amir Khair “Tem saída” (“Estadão”, 29/3), condenando os juros Selic de 12% a13% ao ano e os do mercado (55% a 110%) – os mais altos do mundo – como um dos principais geradores da crescente instabilidade econômica do País. Essa política, mais do que controladora da inflação, a estimula. O industrial, na situação atual, está mais do que relutante para investir na capacidade produtiva, mais ainda tendo de arcar com esses anormais juros que pesam sobre o passivo (normal) da empresa e aumentam o custo dos seus produtos. Como ao mesmo tempo o governo está estimulando o consumo, motiva um desequilíbrio de demanda/oferta, principal origem da inflação. O seu persistente avanço, apesar do simultâneo acréscimo da Selic, comprova que a sua política para frear a inflação é não apenas inoperante, mas gera um círculo vicioso com nocivos efeitos na economia nacional.

Pablo L. Mainzer plmainzer@hotmail.com 
São Paulo

*
‘O GRANDE CULPADO’

Não poderíamos deixar de cumprimentar o jornal pelo magnífico editorial de segunda-feira “O grande culpado”. Nunca antes neste país um editorial foi tão claro e direto, atribuindo a culpa a quem de fato a tem. Com sua amoralidade e desfaçatez, o ex-presidente deixou um legado de destruição política, econômica, institucional e da moral brasileira. Destruição de tamanha monta que, creio, décadas serão necessárias para restabelecê-las. Damos graças que o sonho maior de tolher a imprensa livre não foi consumado, embora a todo instante a ameaça venha à tona, e podem os brasileiros saber quem é de fato o artífice de todas as mazelas: grande culpado!

Marco Aurélio Sprovieri Rodrigues msprovieri@sincoeletrico.com.br
São Paulo

*
O GOVERNO E O CONGRESSO

O Congresso Nacional, percebendo a fragilidade do governo Dilma, que virou refém do Parlamento, agora quer decidir tudo. Quer ser Executivo, Judiciário, enfim, quer ser tudo. Agora quer dar a última palavra sobre as dívidas dos Estados e municípios com a União. Sem entrar no mérito da questão, essa interferência de um poder em outro não é boa. A rigor, na atual conjuntura, quem está sendo Executivo é o Legislativo. O Executivo está sem moral nenhuma. Está prostrado ante os interesses, até pessoais, do Congresso. Isso é um perigo para a democracia. Não há governabilidade. Essa situação nos remete à conclusão de que, se o Brasil tivesse um regime parlamentarista, o gabinete já teria caído, já teria havido novas eleições, indicado o novo primeiro-ministro e o novo gabinete. Num espaço de três meses, estava tudo resolvido e o País, retomando seu rumo. Como o regime é presidencialista, só cabem o impeachment ou a renúncia da presidente Dilma. E, neste caso, estaremos trocando seis por meia dúzia, pois o vice é do PMDB, que está com a faca e o queijo na mão. Pobre Brasil.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 
Rio de Janeiro

*
DE ALIADOS A OPOSITORES

PMDB: Piratas Mudando De Barco...

César Garcia cfmgarcia@gmail.com 
São Paulo

*
TRAGÉDIA

Sabem a diferença que há entre o governo e Congresso brasileiros e o copiloto Andreas Lubitz, que derrubou o avião da Germanwings? Nenhuma. O copiloto derrubou um avião e o governo e o Congresso vão derrubar uma Nação! 

Arcangelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com 
São Paulo

*
MENOS LEGISLATIVO

Maior participação da sociedade na vida política só ocorrerá com o fim da filiação obrigatória a partido para disputa de cargo eletivo, proporcional ou majoritário, e pelo remanejamento de parte da verba do Fundo Partidário para o fundo dos candidatos sem partido.

Marcos Abrão m.abrao@terra.com.br 
São Paulo

*
MACAQUICE

Lula e seus luláticos pretendem proscrever os partidos políticos. Proscrevem-se os partidos políticos porque eles foram corrompidos? Acaso o meio dessa proscrição será o Ato Institucional número 13, o AI-13? Frente Ampla é “copiraite” do udenista Carlos Lacerda. Acabou na tragédia da deposição de Jango. Desta vez será a farsa? Copiar o Uruguai (paraíso fiscal) ou o Chile (cobre dos milicos) é uma macaquice latino-americana, mas uma macaquice. Em vez da reforma política, uma malandragem política.

Ney José Pereira neyjosepereira@yahoo.com.br  
São Paulo

*
O BRASIL NÃO MERECE

O pior de tudo é não poder apontar na base governista (PT, PMDB e os partidos de aluguel) um único nome que resgate a credibilidade do Congresso Nacional. A oposição não sabe se grita “pega ladrão” ou se terceiriza o que é sua obrigação para o povo nas ruas. No dia 15 de março, o Brasil não foi para a rua, quem foi foram os paulistas, brancos, negros, ricos, pobres desempregados e desenganados. Só a união nacional salva o País, inclusive os que recebem o Bolsa Família, porque em algum momento vai faltar verba para os 40 milhões de eleitores bolsistas, e aí, como a vaca já foi para o brejo há muito tempo, toda a boiada vai atrás e o País vira uma Venezuela, um pouco maior, em tudo!

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br 
Osasco

*
PONTO FINAL

Conforme noticiado, a Executiva do PT e 27 diretórios do partido lançaram na segunda-feira (30/3) um manifesto em defesa do desacreditado governo da presidente Dilma. Num cenário de estagnação econômica do País, baixo índice de aprovação popular da presidente Dilma, sem apoio político no Congresso, briga interna do próprio governo – conforme o vazamento de documento da Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom) –, a melhor solução será a presidente Dilma Rousseff entregar o cargo ao vice, Michel Temer, e ponto final.  

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com 
Campinas 

*
ATENTADOS

Em relação aos “atentados” sofridos por sedes do PT nas cidades de Campinas e São Paulo, espero que as “otoridades públicas” cumpram com seu papel constitucional, investigando todas as possibilidades de autoria, inclusive a de que os atos aloprados possam ter sido cometidos por petralhas, na ânsia de desviar o foco dos acontecimentos. Na tarde de segunda-feira, escutando um debate promovido pelo radialista Aldo Vilela, na CBN Recife, com a participação de duas lideranças petralhas em Pernambuco, o ex-deputado federal Fernando Ferro e o presidente do PT no Recife, Oscar Barreto, foi claramente levantada a possibilidade de que os tais atentados fossem crimes de ódio, praticados pela direita, com os petista chegando ao ridículo de fazer comparações com os atos de perseguição aos judeus cometidos na Alemanha nazista (haja imaginação e cinismo...). O fato é que estes petralhas, depois que entraram em “queda livre”, perderam a noção do ridículo.   

Júlio Ferreira julioferreira.net@gmail.com 
Recife 

*
O PT ATACADO?

Peço permissão para utilizar este espaço para manifestar a minha perplexidade com os fatos noticiados por este prestigioso jornal. No “'governo” atual estão todos preocupados com o partido, o Brasil não existe para eles. E o Brasil está sendo vilipendiado, destruído! Se o PT está sendo “atacado” e seu presidente fala em “aniquilamento” do partido, e o ex-presidente pede ajuda à “militância”, em nenhum lugar vejo a preocupação, uma única palavra ou ação no sentido de melhorar o País – educação, saúde, água, segurança, etc. Só existe o PT, como uma obsessão, uma fixação, um olhar doentio sobre a realidade. E, quando alguém fala a verdade, ainda pode levar um “pito” da presidente. Além de bons marqueteiros, em Brasília são necessários bons psiquiatras... 

Priscila de Aquino e Ferro pyscynahh@gmail.com 
São Paulo 

*
VOLTA ÀS ORIGENS

Em reunião do diretório do PT, chegaram à conclusão de que devem voltar às origens, mesma orientação em dia anterior dada por Frei Betto, em entrevista ao “Estadão”. Nisso concordamos. Devolvam o produto do roubo, retirem da estatais e de outras empresas sindicalistas desprovidos de conhecimento na área com salários astronômicos (os da Petrobrás, com R$ 120 mil/mês, querem 13% de aumento) e anulem as aposentadorias milionárias de simpatizantes a “cumpanheiros” com tempo inexpressivo para tal. Como vemos, são coisas assim que paulatinamente quebram o País, além, é claro, de nosso BNDES repassar bilhões a comunistas de maneira sigilosa, em detrimento de investimentos em nossas rodovias, aeroportos e hospitais, que estão sucateados, sem médicos, aparelhos e medicamentos. O País montado pelo PT é o País da mentira e de milhares gastos com marqueteiros para orientar seus mandatários sobre o que o povo quer ouvir.

Julio Jose de Melo julinho1952@hotmail.com 
Sete Lagoas (MG)

*
LEMBRANDO O PASSADO

Em 2 de abril de 1964, na coluna “Notas & Informações”, o “Estadão” assim resumia, num dos parágrafos da nota “O significado maior de uma vitória”: “Na realidade, porém, o significado do dia 1.º de abril é muito mais profundo e complexo. Antes do mais, o triunfo alcançado está a dizer-nos que, finalmente, a democracia brasileira venceu a ditadura sob cujas estruturas a Nação vegetava”. Há necessidade de mais clareza ou seria necessário desenhar?

Clênio Falcão Lins Caldas clenio.caldas@gmail.com 
São Paulo

*
O MPF E O COMBATE À CORRUPÇÃO

Sobre o editorial “Proposta indecente” (31/3, A3), não li, nas páginas deste prestigioso jornal, informações suficientes que permitissem ao leitor leigo entender a crítica lançada contra a proposta do Ministério Público Federal (MPF), por uma mudança na prática de nossos tribunais que anulam processos por entender, “a priori”, que uma prova é ilícita. As provas não são ilícitas de per si. Necessário é que se conheça a sua forma de produção. Essa é que poderá viciar ou não a referida prova. Por outro lado, de uma prova, posteriormente considerada ilícita, os fatos que ela revelaria acabam sendo demonstradas por outros meios, de sorte que não haveria razão para anular todo o processado. O caso investigado na denominada Operação Castelo de Areia, anulada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), decisão esta mantida pelo Supremo Tribunal Federal (STF), versava por fatos agora esmiuçados na Operação Lava Jato. Entenda-se, a interpretação de nossas cortes superiores, que redundou em nulidade de todo o processado, permitiu que o esquema criminoso continuasse perpetrando, por outros tantos anos, gravíssimos dano à coisa pública e à sociedade. Isso é que me parece indecente.

Ana Lúcia Amaral anamaral@uol.com.br 
São Paulo

*
PRECATÓRIOS

O prefeito Fernando Haddad reclamou da determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) que o obriga a pagar as dívidas dos precatórios da Prefeitura até o ano de 2020. Este prefeitinho meia tigela, fabricado pela presidente Dilma, não passa, em minha modesta opinião, de um sujeito desprovido de bons sentimentos, que ignora a situação de muitos velhinhos doentes credores dos precatórios da Prefeitura de São Paulo, cuja maioria morre antes de ver a cor do dinheiro referente a seus créditos por ações ganhas. 

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com
São Paulo

*
TIRO CONTRA OS APOSENTADOS

Remédios sendo reajustados em torno de 7,5% são mais um “tiro” contra os aposentados. Parece que estão se esquecendo de que eles também compõem o universo de cidadãos brasileiros.
 
Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com
Bauru

*
CINTO APERTADO

O Brasil é o único país onde o governo resolve sua incapacidade de administrar, a roubalheira e a corrupção provocadas por ele mesmo aumentando os preços para a população pagar a conta. Por exemplo: crise na Petrobrás? Aumenta-se o preço do combustível. Crise na energia elétrica? Aumenta-se a conta de luz. Crise na Sabesp? Aumenta-se o custo da água. Crise no governo? Aumentam-se tributos, taxas, impostos, etc. Agora em caso de crise para o assalariado, aposentado, pensionista faz-se o quê? Só há uma solução: baixando seu nível de vida cada vez mais, reduzindo o consumo de alimentação, medicamentos, vestuário e esquecendo qualquer tipo de diversão ou distração.  

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 
São Paulo

*
RESJUSTE DA APOSENTADORIA

Aposentados de todo o Brasil, segurem-se no pincel, porque Dilma Rousseff já tirou a escada.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com  
Jandaia do Sul (PR)

*
ATÉ QUANDO?

Finalmente entendi o motivo de este governo prejudicar tanto a nós, aposentados: seus membros nunca trabalham ou trabalharam um mínimo e nunca dependerão da aposentadoria. Seu líder é o maior exemplo disso: além de não trabalhar não estudou e, na sua “escola da vida”, só aprendeu a aperfeiçoar a arte de corromper o País. Para completar, implantou as bolsas que beneficiam pessoas que não mereciam e nada fizeram (contribuíram) para ter esse direito. Está criando dependentes futuros que, além de não produzirem nada, criam uma situação complicada. Até onde o Brasil (trabalhador) terá condições de sustentá-las?

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com 
São Paulo

*
MAIS UMA ENGANAÇÃO

Após anunciar grande aperto na concessão de benefícios sociais, entre eles pensões por morte e auxílio-doença, o governo quer mudar o fator previdenciário, com a fórmula 85/95 (soma da idade com o tempo de serviço; 85 para as mulheres e 95 para os homens). A fórmula, bem como o limite de valores para aposentadoria, não são e certamente não serão aplicadas para o Poder Legislativo (políticos), o Executivo (governo) e o Judiciário (juízes). Bacana (para eles), não? Corte de ministérios? Puro teatro. Uma maquiagem basta! Conta hoje com 39 ministérios com custo superior a R$ 400 bilhões por ano e algo em torno de 113 mil apadrinhados, e salários de R$ 214 bilhões, equivalente a quatro vezes o ajuste fiscal pretendido. Agora, com tantas críticas em relação à quantidade de ministérios, o governo divulga nova notícia: corte de três miniministérios (que de ministério não têm nada), trocando somente os status de ministérios para secretarias, sem redução de pessoal. Estes miniministérios, assim como tantos outros, foram criados para servir de moeda de troca para apoio ao governo, sendo que 1/3 desse total (13) seria mais do que suficiente para dar suporte à administração federal. Mais uma enganação do desgoverno Lula/Dilma.

José Carlos Alves jcalves@jcalves.net
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.