Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

04 Abril 2015 | 02h04

Fim da linha

Um governante pode conviver com Congresso desfavorável, taxa de inflação elevada, retração econômica, escândalos de corrupção e uma lista infindável de mazelas. Mas se igualar a Sarney é o fim da linha.

MARCO DULGHEROFF NOVAIS

marcodnovais@hotmail.com

São Paulo

Avaliação

Falta incluir na avaliação "abaixo da crítica". Com certeza o índice seria negativo!

ROBERT HALLER

robelisa1@terra.com.br

São Paulo

Mão na consciência

Com o resultado da última pesquisa só resta à presidente dizer: "Se é para o bem de todos e felicidade geral da Nação, estou pronta! Digam ao povo que não fico".

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

Taxa de reprovação

Convenhamos, não é só o desgoverno Dilma, são os anos de desgoverno petista. Lula recebeu do governo Fernando Henrique Cardoso um suculento pirulito e entregou a Dilma só o palito. Essa, sim, uma herança maldita.

ANTONIO S. RAMOS

toninhoramos47@gmail.com

Atibaia

Virtudes petistas

O PT reelegeu a presidente Dilma com quase 52% dos votos. Passados três meses da nova posse o governo petista tem apenas 12% de aprovação, segundo a mais recente pesquisa do Ibope. O PT nem precisava dessa avaliação para ver jogado no ridículo o manifesto preparado pelos 27 diretórios estaduais e avalizado pelo ex-presidente Lula e pelo presidente nacional da legenda, Ruy Falcão. O PT não sofre por suas virtudes, mas pela falta delas.

ABEL PIRES RODRIGUES

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

Eletrobrás e Petrobrás

Desde 11 de setembro de 2012, quando foi editada - com muita fanfarra - a medida provisória (MP) que alterou o sistemas de concessão do setor elétrico e reduziu (de forma eleitoreira) as tarifas, as ações da Eletrobrás desabaram. Aos números. As ações preferenciais valiam R$ 18,64 no dia da edição da MP e no fechamento do pregão de quarta-feira valiam somente R$ 6,80 - perda de 63,5%. As ações ordinárias valiam R$ 12,28 em 11/9/2012 e no fechamento do pregão de 1.º/4 valiam R$ 5,76, queda de 53,1%. A propósito, pior que o desempenho da Eletrobrás só a ação ordinária da Petrobrás, que no mesmo dia valia R$ 9,58, ou seja, perdeu 67,4% desde 27/9/2010, data da "maior capitalização já realizada em todos os tempos", feita na gestão de José Sérgio Gabrielli. Dilma e seu mentor depois me perguntem por que esse índice de desaprovação, tá?

JOSÉ ROBERTO PALMA

palmajoseroberto@yahoo.com.br

São Paulo

Crise energética

Como todo brasileiro honesto pagador de impostos, sou bombardeada com a inútil propaganda para economizar energia elétrica. Inútil, porque sou eu quem paga a conta e, na verdade, não pago o meu consumo de energia, mas impostos embutidos; assim, mesmo que economize ao máximo, o valor não muda, porque ou se aumentam ou se criam mais impostos. Daí vem a notícia estapafúrdia de que o Brasil vai gastar R$ 60 milhões para reformar e doar à Bolívia uma usina térmica. O governo Dilma está pisoteando o brasileiro, maltratando-o e fazendo descaso dele. Não precisamos - nem queremos - de uma presidente que age contra seu próprio povo e sempre a favor dos "hermanos".

GLÓRIA ANARUMA

gloria.anaruma@gmail.com

Jundiaí

Quantos bilhões o governo já "emprestou" a países como Cuba, Bolívia, Venezuela, etc., enquanto a saúde e a educação andam a pão e água no Brasil?

LUIGI VERCESI

luigiapvercesi@gmail.com

Botucatu

Aos amigos, tudo

Então, em meio a reformas para o ajuste fiscal e crise energética, o governo federal gastará R$ 60 milhões para reformar uma usina térmica e doá-la à Bolívia... Pelo jeito, deve estar sobrando dinheiro. Ah, mas quando se fala dos nossos impostos a grana do governo parece estar muito curta. Isso sem comentar as dívidas perdoadas de ditadores africanos no primeiro mandato da presidente Dilma, que somam cerca de US$ 900 milhões. Aos ditadores africanos e amigos bolivarianos, tudo. Aos filhos da mãe Dilma, mais impostos!

CAIO SOARES

caio_soares7@hotmail.com

São Paulo

Legalidade e lógica

Além de imoral, essa doação de R$ 60 milhões à Bolívia é legal? No meio de tamanha crise hídrica e energética que o Brasil enfrenta, por que doar o suado dinheiro do contribuinte a outro país? Que lógica há nisso?

M. DO CARMO Z. LEME CARDOSO

mdokrmo@hotmail.com

Bauru

Sacrifícios só do povo?

Como convencer o povo brasileiro a fazer sacrifícios por causa dos ajustes propostos pela Dilma, diante da caótica situação da nossa economia, se assistimos ao desgoverno doar R$ 60 milhões à Bolívia para uma usina térmica e, ainda por cima, aumentando as verbas para gastar com a publicidade mentirosa? Como acreditar que o governo esteja bem-intencionado?

LEILA E. LEITÃO

São Paulo

Aumento de impostos

Quem não votou no PT deveria ter desconto.

RICARDO FREITAS

freitas@icbpacking.com.br

São Paulo

Levy, o articulador político

A nova função de Joaquim Levy, ministro da Fazenda, como articulador político do desgoverno Dilma mostra que para conduzir um país não é preciso pertencer a nenhum partido, precisa é ser competente, ter coragem, argumentos sólidos e moral. Tudo isso falta aos políticos que nos representam, basta ver como agem à frente dos ministérios. São todos católicos, em cada negociação levam um terço...

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

SÁBADO DE ALELUIA

Trinta dinheiros

Hoje é dia de malhar o Judas. E no Brasil nunca foram vistos tantos Judas juntos como agora...

VIRGÍLIO MELHADO PASSONI

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

O PROJETO DO PT

O Partido dos Trabalhadores (PT) divulgou, com o aval de seu presidente, Rui Falcão, manifesto no qual diz “estar sob forte ataque” a legenda fundada por Lula. Diz ele: “Não toleram que, pela quarta vez consecutiva, nosso projeto de País tenha sido vitorioso nas urnas”. É impressionante como essa gente tem a cara de pau de (ainda) falar em País. Qualquer descerebrado já conseguiu ver que o PT não possui “projeto” algum para o Brasil, senão o de perpetuar-se no poder à custa de bolsas e adjutórios aos despossuídos, e aquele arremedo demagógico que vendeu nas últimas eleições é o oposto do que hoje faz Dilma Rousseff, responsável pela terceira menor taxa (!) de crescimento do PIB brasileiro em todo o período republicano. O “projeto” lulopetista – que cuida mais dos interesses do partido que do País – está afundando o Brasil e obrigando Dilma a fazer um “ajuste” econômico (para corrigir erros de seu próprio governo), chamando para pagar a conta a classe trabalhadora que o PT imagina representar. Logo, equivoca-se o PT ao dizer que seu “projeto de País” foi vitorioso. Como pode ser vitorioso um partido que afunda nossa economia, jogando a culpa em São Pedro e numa (já inexistente) “crise internacional”? A vitória do PT – diga-se duvidosa para muitos por causa do sistema venezuelano (!) responsável pela apuração eletrônica – foi obtida à custa de um desavergonhado estelionato eleitoral que agora faz o povo sair às ruas a protestar. Melhor faria o PT se, ao invés de manifestos sem pé nem cabeça, calçasse as sandálias da humildade e fizesse um bom mea culpa por “tudo isto que está aí”, obra de seu projeto de poder.

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com    

São Paulo

*

INACREDITÁVEL

 

Não dá para acreditar no que o presidente do PT, Rui Falcão, diz. Veja o que declarou recentemente: “Se algum filiado do PT, comprovadamente, estiver envolvido em ilícitos, em atos de corrupção, não continuará no nosso partido”. Lembra do mensalão? Figuras destacadas do PT foram apenadas, mas nenhum deles foi banido do partido.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

DEFESA

O PT usa tática de bandido para se defender dos delitos que vem praticando. Nega tudo, não viu, não sabe. Com relação às doações para as campanhas eleitorais, o mantra que sai da boca de todos os petistas é “os recursos são doações declaradas à Justiça Eleitoral”. Só que dinheiro roubado e esquentando continua sendo dinheiro roubado, e a gangue petista nunca questionou dos doadores a origem do dinheiro que jorra nas contas petistas? Na realidade, o lugar perfeito para a cambada é a cadeia.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

A LEI SOU EU

 

Interessantes todas estas denúncias, sejam da CPI ou não: as acusações de depoentes sobre dinheiro sendo entregue a João Vaccari Neto em frente à sede do partido do PT; os 10% destinados ao partido; a compra superfaturada de Pasadena; o investimento no porto de Cuba; e os desvios de Abreu e Lima. Como eles podem achar que o povo é bobo, quando o seu Falcão diz que o dinheiro é lícito? Pois não adianta usar o PCdoB para dizer que a desigualdade diminuiu, para encobrir as denúncias e falcatruas. Por tudo isso é que o povo voltará às ruas, exigindo explicações do sr. Lula e da sra. Dilma, e isso não será um impeachment, mas, sim, democracia, pois até agora é tudo legal e eles são santos! Os culpados somos todos nós, por esta situação de desespero nas montadoras, com demissões em massa; pelos estudantes carentes sem chances de financiamento; pelas donas de casa assustadas com os preços e contas; com a educação estagnada; com o comércio e a construção civil, que muito empregam, imobilizados. Então nós não queremos desestabilizar, nós queremos soluções para que o Brasil comece a andar, pois jamais um governo pode parar um país que é tão grande e é inaceitável um PIB negativo por tanto tempo.

 

Nelson Scatena nelson.scatena@hotmail.com

São José dos Campos

*

O ‘ELES’ DE LULA

Gostaria de dizer ao sr. Luiz Inácio Lula da Silva que não admito, como milhões de brasileiros, ser referida com o impessoal pronome “eles” quando nos dirige acusações de sermos traidores do Brasil  por não apoiarmos as diretrizes e orientações que ele e seu partido nos impõe como verdades incontestes e que nos levaram a esse estado deplorável de calamidade econômica, ética e política. Nós, milhões de brasileiros, somos “eles” com muita honra, pagamos nossos impostos, trabalhamos, honramos nossos compromissos. Recusamos sermos reduzidos a um ser metafísico, transcendente, nebuloso. Ou a uma mera figura de retórica, se é que ele sabe o que isso significa.

Regina Ulhôa Cintra reginaulhoa13@outlook.com 

São Paulo

*

PORTA DOS FUNDOS

O ex-deputado e ex-líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza, que tudo indica de cândido não ter nada, pois é um dos investigados na Operação Lava Jato, disse: o governo precisa “baixar a bola” e procurar uma saída para a crise política e econômica. Afirmou isso em 31/3, na sede dos bancários em São Paulo, onde estavam presentes Lula e companhia “bela” – só faltou a presidente Dilma Rousseff, para completar a panela que cozinhou a Petrobrás. Pois bem, ex-deputado, a primeira sugestão é utilizar a portas dos fundos, cabisbaixos e envergonhados por terem deixado o Brasil nesta lástima, sem eira nem beira, pobretão de tudo. Tenho certeza de que ninguém irá se lastimar por não ter dado o último adeus. A segunda sugestão são as saídas de emergência, antes que o “circo” pegue fogo, e bem depressa, porque o pavio já está aceso. Por falar em circo, os fotógrafos captaram, nesta mesma reunião, uma imagem hilária (“Estado”, 1/4, A6: o ex-presidente Lula, rindo à toa, de posse de uma camiseta onde se lia “A Petrobrás é nossa”. Alguém tem alguma dúvida por que é que os circos estão em extinção? A concorrência é bruta! 

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

CHEGA DE BRAVATAS

O ex-presidente Lula afirma que “o PT não pode ficar acuado diante dessa agressividade odiosa” e “é impensável que a gente possa ser acusado de corrupção”. Lula e Dilma fariam um enorme favor ao PT e ao Brasil se prestassem depoimento voluntário tanto à CPI da Petrobrás quanto ao juiz Sergio Moro para esclarecer a suposta participação do PT no escândalo da estatal. Uma ação corajosa como essa poderia redimir o PT, muito mais do que as bravatas de sempre.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

TEMPOS BICUDOS 

Tristes reflexos da era petista! O presidente da Camargo Corrêa, Dalton Avancini, vai de tornozeleira eletrônica para casa. Lógico que Avancini, não saiu com essa indumentária de uma joalheria famosa, ou de uma loja de grife somente permitida a raros brasileiros endinheirados. O presidente da Camargo Corrêa, foi solto depois de passar 136 dias preso na Polícia Federal do Paraná, graças a um acordo de delação premiada, e pagamento de multa de R$ 5 milhões, já que a empresa que administra, entre tantas outras, está também envolvida até o pescoço na Operação Lava Jato.  Que não venha agora Lula, que se lixou para ética nas nossas instituições, arrotar por aí que jamais em tempo algum tantos empresários corruptos foram presos como nesta era petista! Porque, como cúmplice das quadrilhas formadas na Petrobrás, outras estatais e até nos fundos de pensão, Lula, com seu PT, cooptou esses empresários para desviar sem dó recursos dos contribuintes.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

CINISMO E IMPRUDÊNCIA

É inacreditável que nossos péssimos dirigentes se mantenham tão cínicos e agindo tão imprudentemente. A diretoria comprovadamente incompetente e corrupta da arruinada Petrobrás pede aumento de 13% (dobro da inflação oficial) para seus diretores, como verdadeiro acinte em momentos tão complexos de um país mais que desmoralizado política e economicamente. Agora o impoluto Palocci volta a participar da cúpula do PT para oferecer suas “importantes” contribuições, mesmo estando citado na Operação Lava Jato. O cidadão comum tem a convicção e certeza que o Brasil sucumbiu a imoralidade oficial.

João Batista Pazinato Neto Pazinato51@hotrmail.com

Barueri

*

CARA DE PAU

Senhores, fica difícil de acreditar na cara de pau dos executivos da Petrobrás confirmando-se a notícia de que, foi proposto um “aumentinho” em seus parcos salários só de 13%, tendo em vista a perspectiva de não terem bônus (certamente por notáveis serviços prestados)!

Marcelo Falsetti Cabral mfalsetti2002@yahoo.com.br

São Paulo

*

GOVERNO INCOERENTE

O governo do PT, além de incompetente, é de uma incoerência ímpar. O governo vem alardeando a todos os meios que a culpa da corrupção na Petrobrás é de FHC, que no seu governo através de decreto, simplificou as licitações na Petrobrás, e que isso deu acarretou desmandos e a corrupção ao longo dos 12 anos de petistas no governo. O próprio FHC declarou em entrevista mais de uma vez, que o decreto foi para dinamizar o crescimento da Petrobras e que o PT no governo durante os 12 anos nada fez em contrario, visto que poderia revogar tal decreto, mas por conivência com a corrupção e com seu projeto de perpetuação no poder (necessidade de fundos) deixou a coisa correr e nada fez. Agora vem o governo petista e consegue evitar que a Câmara votasse regime de urgência para o projeto que susta tal sistema simplificado. Portanto, é de perguntar qual é a deste governo petista? A simplificação do sistema de licitação é bom ou não? Facilita ou não a corrupção? O governo do PT quer o quê? Continuar falando mal do decreto, mas utilizá-lo para continuar com a gatunagem?

Fernando Pastore Junior fernandopastorejr@gmail.com

São Paulo

*

O BALANÇO DA PETROBRÁS

“Petrobrás não incluirá perdas da Lava Jato no balanço” (“Estadão”, 2/4). Novamente o jeitinho brasileiro. Quem será chamado para executar o balanço da petroroubalheira? Será com pedaladas ou contabilidade criativa? Isso porque não vai ficar pedra sob pedra.

Moises Goldstein moisesgoldstein1@gmail.com

São Paulo

*

SÓ NÃO VÊ QUEM NÃO QUER

A Petrobrás, maior empresa do Brasil, chegou ao ponto a que chegou por causa do PT, só não vê quem não quer. Agora, informa-se que a Vale vai assumir a Petrobrás. Que absurdo! Tenho vergonha de ser brasileiro... Apenas roubos e mais roubos, e tudo continua igual. Ninguém faz nada para acabar com isso. E povão que se lasque!

José de Arimatéa de Andrade aetamira@outlook.com

São Paulo

*

EMPRÉSTIMO DA CHINA

Será que, se a Petrobrás não pagar o empréstimo de US$ 3,5 bilhões, o banco chinês “executa a hipoteca”? Tomara que, desta vez, o Conselho de Administração tenha lido o contrato.

 

Odair Dalcico odairdalcico@ig.com.br

São Paulo

*

ATOS

 

O que será que dona Dilma e assessores da Petrobrás ofereceram como garantia aos chineses pelo empréstimo de US 3,5 bilhões? Espero que não tenham cometido nenhum ato “falho”.

 

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

O FUNDO DO POÇO

Em 2009, no auge da alta das ações, o valor de mercado da Petrobrás chegou a incríveis US$ 310 bilhões. Cinco anos depois, vale apenas US$ 39 bilhões, numa megadesvalorização de inacreditáveis 87,5%! Em meio aos reflexos negativos provocados pelo escandaloso esquema de lavagem de dinheiro, cartelização e assalto descarado aos seus cofres, patrocinado pelo PT e por partidos da base aliada, a maior estatal brasileira detém hoje o vergonhoso e humilhante título de ser a petroleira mais endividada do mundo. Contra fatos e números não há argumentos, pois não?

J. S. Decol  decoljs@globo.com

São Paulo

*

AJUSTE FISCAL

O economista Mansueto Almeida fez um cálculo onde mostra que 85% dos recursos do ajuste fiscal com os quais o governo conta para obter o superávit primário serão bancados pela população. Então vai melhorar, já que sempre bancamos 100% para sustentar essa corja política corrupta nos assolando, escorchando e roubando nos últimos 12 anos.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

AUSTERIDADE

Impor austeridade à administração das contas públicas: os crimes comprovados e em investigação desqualificam o governo para o exercício de sua função. Impedem qualquer crédito de confiança para as medidas ora necessárias. Há a imposição da austeridade apenas ao cidadão brasileiro, esbulhado na era petista e ora obrigado a se sacrificar novamente. Não há honestidade nem sinceridade no governo. A única solução efetiva, para iniciar um processo de saneamento das contas públicas, é a saída da presidente e seu partido do Executivo Nacional.

Ottfried Kelbert okelbert@outlook.com

Capão Bonito

*

REMENDO

Ajuste fiscal é “remendo” do desajuste fiscal anterior. Falar em economia de alto coturno para dona Dilma é como falara em teoria da relatividade para aluno de jardim da infância. É como carroceiro falar em como se dirige um Fórmula 1.

Ariovaldo Batista arioab06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

CORTE DE GASTOS

Além de eventual, mas quase certo aumento de impostos, não se fala em diminuição do número de ministérios, não se fala em diminuição de cargos de confiança, não se fala em corte quase que por completo do uso (abusivo?) de cartões de crédito corporativos no governo, não se fala no corte de viagem de jatinhos fretados por ministros e funcionários do alto escalão por aviões de carreira, em viagens nacionais e internacionais de uma verdadeira caravana de “desnecessários” a essas viagens, etc., etc. Disso ninguém fala nada, mas que ficam assustados quando o povo vai às ruas, aí ficam. É bom começarem a dar exemplos de austeridade e um mínimo de patriotismo, caso contrário o próprio povo resolve essa parada. Só discurso e Joaquim Levy convencendo os senadores não duram muito. Já, já vai dar confusão.

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

O ÔNUS

O chamado ajuste fiscal é matéria tão complexa que até economistas especialistas no assunto vivem divergindo sobre ela. Quanto a nós, simples consumidores e pagadores de impostos, o que esperamos é que as autoridades diminuam o máximo possível o ônus a pagar por eventuais erros cometidos no passado. Oremos.

José de A. Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

SUGESTÃO

Durante anos o governo administra mal a economia do país, não “enxerga” e assim permite que sejam desviados bilhões em corrupção. Para tentar corrigir a situação econômica do País, implanta um pacote de ajustes fiscais que somente aumenta as tarifas de serviços de energia, combustíveis e impostos. Como sempre a conta é paga pelo povo. E o governo não contribuirá com nada? Poderia dar sua cota de sacrifício e reduzir as despesas da máquina pública excessivamente inchada com a cumpanheirada nomeada em todas as áreas do serviço público.  Sugestão para a reforma política: que tal reduzir para 200 deputados o total da câmara e 40 senadores devidamente distribuídos proporcionalmente à população do estado de origem.

Marco Bingre marco.bingre@terra.com.br

São Paulo

*

VAQUINHA

Na prática, Joaquim Levy está pedindo ao Congresso Nacional que obrigue o povo brasileiro a “fazer uma vaquinha” para cobrir o trilionário rombo das contas públicas, provocado pelo governo irresponsável de Dilma Rousseff.

Roberto Twiaschor  rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

TRISTE PREVISÃO

As constantes insatisfações de Dilma em relação às declarações de Joaquim Levy demonstram a inflexibilidade dela. Ela não tem o mínimo de senso para o cargo. Falta-lhe humildade, saber ouvir, delegar, confiar.

 

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com

São Paulo

*

PACIÊNCIA

Sinceramente não entendo toda esta preocupação com o nosso PIB estar devagar quase parando. Seu crescimento ter sido praticamente zero em 2014 e a certeza de que cairá este ano não importam, isso passa. O IBGE, como virou hábito, irá fazer uma “revisão metodológica” e lá por 2017 seremos informados de que ele cresceu muito no ano passado e neste também, é só ter paciência. Se o esse instituto fosse responsável pelo futebol mundial, os 7 a 1 ,já teriam sido revistos.

Mario Silvio mario_silvio@hotmail.com  

São Paulo

*

DELÍRIO LEGISLATIVO

O deputado federal Wadson Ribeiro, do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), protocolou projeto de lei que propõe que vire crime pedir o retorno dos militares ao governo. Alega ele que o período do governo militar “foi o mais obscuro da história da política brasileira”. Esse período teve o mérito de impedir que uma planejada ditadura do proletariado fosse imposta e que, a exemplo da Rússia e de Cuba, entre outros, fosse promovidas execuções aos milhares, milhões, de adversários políticos. Acrescenta ele: “Não é normal gente pedir ditadura e achar isso democrático. Isso se equipara a fazer apologia ao nazismo, ao fascismo ou à escravidão”. Esqueceu de incluir o comunismo, que em nada é melhor que as correntes citadas, e que é a sua apologia, com pretensões a democracia.

Mario Helvio Miotto mariohmiotto@gmail.com

Piracicaba

*

APOLOGIA À DITADURA

Ao deputado do PCdoB autor do projeto tornando crime a apologia à ditadura militar (“Estadão”, 1/4, A6) , tenho a dizer: deputado, este ranço com que o sr. se insurge contra os militares e contra os milhões de pessoas que os defendem mostra bem o seu DNA político. A agremiação a que o sr. pertence arrasta o estigma dos comunistas desde o lastimável episódio ocorrido em 27 de novembro de 1935, quando o   seu PCdoB insurgiu na calada da noite contra  militares dormindo em seus quartéis, um deles   pertinho de nós, o então 3.º RI na Praia Vermelha, Rio de Janeiro. Houve ali um banho de sangue. O sr.  sabe por que tal aconteceu? Simplesmente para dar um golpe nacional e introduzir o comunismo no Brasil. Graças a Deus a sua agremiação foi derrotada. Porém, na década de 60, vocês voltaram tentando golpear novamente a nação brasileira e outra vez se deram mal. Tiveram até a participação de João Goulart, presidente da República e de seu cunhado Leonel Brizola, então governador do Rio Grande do Sul. Ambos tentaram insubordinar os sargentos das Forças Armadas contra seus oficiais e, a um passo do golpe, o general Mourão Filho, num rasgo de coragem e de absoluto patriotismo, partiu com o seu Exército rumo ao Rio de Janeiro e iniciou-se então o contragolpe revolucionário. As Forças Armadas destituíram o Jango e fizeram o  marechal Humberto de Alencar Castelo Branco presidente do Brasil. Durante esse período, sr. deputado, o Brasil prosperou muito em todas as áreas. Só não agradou aos amantes do caos, da justiça preguiçosa, dos apologistas da filosofia do “quanto pior melhor” e dos fabricantes de miséria, para dela se locupletarem com seu voto, alimentando um deplorável projeto de poder, mantido com dinheiro público, como está à mostra pela Operação Lava Jato. Saiba mais: os governos militares não usurparam o Brasil. Ao contrário, a título de reduzir gastos, aumentaram em cinco anos o serviço militar e aboliram as promoções concedidas ao militar transferido para a reserva. Também não legislaram em causa própria, saíram dos governos do jeito que entraram. Em contrapartida, Fernando Henrique Cardoso instituiu para si o status e vencimentos de presidente da República em caráter vitalício, extensivamente aos demais. Lula, “o patrono dos pobres”, incrementou a mordomia aumentando os privilégios e vive por aí arrogando-se de estadista.

Vicente Muniz Barreto dabmunizbarreto@hotmail.com

Cruzeiro

*

POLÊMICA

O deputado federal Wadson Ribeiro (PCdoB-MG) não deve ter o que fazer. Propôs uma lei polêmica: criminalizar qualquer cidadão que peça o retorno do regime militar. É, com deputados assim, temos mais é de pedir mesmo a volta dos militares.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

SANTA CASA – PASSADO, PRESENTE E FUTURO

Milito na Santa Casa há cerca de 58 anos. Estudante na Escola Paulista de Medicina, frequentava as reuniões e visitas da Primeira Medicina de Homens da Santa Casa de São Paulo sob a direção do saudoso professor Oscar Monteiro de Barros, a quem posteriormente tive que operar após um acidente. Orgulho-me de pertencer a uma instituição que tinha e tem em seus quadros homens com H maiúsculo, de grande valor pessoal. Entre estes estão o provedor da época Dr. Christiano Altenfelder Silva e Emílio Athié brilhante cirurgião. Essas pessoas foram responsáveis por fundar a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa e tornar o hospital uma referência no atendimento no Brasil. A faculdade acompanhou a rápida evolução da medicina: com o surgimento da via laparoscópica, através do Departamento de Cirurgia, tornou-se a primeira escola do país a ensinar a nova técnica para alunos e residentes, além dos médicos do corpo clínico e de inúmeros professores titulares de todo o país. A faculdade forma excelentes médicos com residência de primeira qualidade. Criaram-se cursos de pós-graduação e concursos de livre-docência e professor titular. De repente, o corpo clínico se surpreende com uma crise que não dependeu dos médicos e sim de problemas de administração sobre os quais não tiveram participação. A Santa Casa tem hoje uma dívida enorme e está ameaçada. Essa situação ameaça ferir o valor e a grandeza de nossa querida Santa Casa. É necessário que haja uma reação do hospital e do corpo clínico para que se busque uma solução urgente para salvar uma entidade tão importante e com uma história que orgulha todos os brasileiros. Senhores, não podemos afundar por uma crise, por pior que seja. A Santa Casa é muito grande.

Fares Rahal, livre docente, professor titular do Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas de São Paulo

São Paulo

*

TEMPURÁ

Que tal falarmos de coisas boas e, por um dia, esquecer que Dilma emprestou R$ 80 milhões para  a Bolívia, que serão perdoados, assim como  os empréstimos para Argentina, Panamá, Cuba, Venezuela, Costa Rica, Venezuela, Peru, Angola e Moçambique que nunca foram pagos. Esquecer Graça Foster, Delúbio, Vaccarezza, mensalão, Lava Jato e PT? Há vários séculos, três mercadores portugueses embarcaram num junco no Sião (atual Sri Lanka) com destino à ilha de Sang Juang (Pré Macau), onde faleceu São Francisco Xavier. A determinada altura da viagem, em face de um terrível furacão, o junco naufragou na praia de Nishimura Ko, Ilha de Tanegashi. Imediatamente, os habitantes locais lançaram ao mar 12 barquinhos e salvaram os 3 portugueses e a tripulação. Pasmem, no ano de 1543. Os portugueses, restabelecidos, comeram camarões e peixe, o que chamou a atenção de um habitante do local chamado Koku, que perguntou em kanji ao chinês capitão do junco por que é que eles não estavam comendo carne. A resposta veio a seguir: não comemos carne porque somos cristãos e estamos na semana das têmporas. A partir desta data o gostoso prato passou a chamar-se tempurá.

Arlindo Oscar Araújo Gomes da Costa araujodacosta@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.