Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

17 Abril 2015 | 02h03

Como nunca antes...

Uma associação que tem dois presidentes (José Genoino e José Dirceu), um secretário-geral (Silvinho 'Land Rover') e dois tesoureiros (Delúbio Soares e João Vaccari Neto) presos, em duas ações penais e em apenas cinco anos, não é um partido político, é, sim, uma associação criminosa, ou seja, uma facção.

EUGÊNIO IWANKIW JUNIOR

iwankiwjr@hotmail.com

Curitiba

Tesoureiro para o PT

Procura-se pessoa obediente, simpática, com prática anterior, que saiba mentir. Salário em aberto, boa residência, assistência médica e jurídica. Único problema: fatalmente será preso. Mas aí será endeusado pelo patrão e terá pagamento de multas para redução de pena, a pena reduzida a um terço...

CIRO BONDESAN DOS SANTOS

cirobond@hotmail.com

São José dos Campos

Foragida

O líder do PT na Câmara, deputado Sibá Machado (AC), afirma de forma enfática que a prisão de João Vaccari Neto foi política. Ora, se foi política, por que a cunhada de Vaccari se evadiu e é considerada foragida pela Polícia Federal? Quem nada deve precisa fugir? Com a palavra o nobre deputado petista.

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

A casa caiu, a cunhada sumiu. Perguntar não ofende: ela tem ou não tem culpa no cartório?

MOISES GOLDSTEIN

mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

'Sou, mas quem não é?'

Duro, mas duro mesmo é saber da indignação do governador do Piauí ao se manifestar sobre a prisão de Vaccari: "Que partido não foi financiado assim? Se a Polícia Federal começar a prender por isso, quem vai sobrar?". Estamos de fato no fundo do poço.

MAURO LACERDA DE ÁVILA

lacerdaavila@uol.com.br

São Paulo

Demorou!

A chamada "prisão política" do tesoureiro do PT João Vaccari Neto, no curso das investigações da Lava Jato, está atrasada em pelo menos oito anos. Tendo em vista que desde 2007 o Ministério Público vinha investigando o escândalo da Bancoop, as 8.500 famílias prejudicadas têm o direito de se sentir um pouco vingadas, se bem que indiretamente. A Bancoop merece da Polícia Federal o completo restabelecimento das investigações, até mesmo um desses nomes bacanas que eles inventam, pois ajudou a financiar a campanha de Lulla em 2002 e tem lances estranhos, como a morte de três ex-diretores da cooperativa num único acidente automobilístico. Gente envolvida profundamente nas nebulosas transações, como o ministro Ricardo Berzoini e Freud Godoy, estão flanando por aí, graciosamente, e seria bom começarem a se preocupar.

NESTOR R. PEREIRA FILHO

rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

Barbas de molho

Com a prisão de João Vaccari Neto, o segundo tesoureiro do PT a ter esse privilégio, e as evidências de que o dinheiro do PeTrolão irrigou a campanha de dona Dilma, Edinho Silva deve pôr as barbas de molho. Periga sobrar para ele uma parte do latrifúndio. Dona Dilma talvez tenha de promover mais uma mudança "pontual" em seu Ministério.

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

Próxima operação

A nova fase da Lava Jato terá o sugestivo número 13. Sugiro à Polícia Federal um nome totalmente adequado: Operação Frutos do Mar. Pois, apesar de todo o sucesso policial, até agora está faltando alguém atrás das grades. Se não for eliminada a causa raiz, o problema continuará!

FRANCISCO PAULO URAS

francisco.uras@uras.com.br

São Paulo

A Lava Jato e o 'messias'

Está chegando... Oremos!

SERGIO CORTEZ

cortez@lavoremoveis.com

São Paulo

TERCEIRIZAÇÃO

Conquistas históricas

É patético, irônico até, vermos o sr. Lula pedir a Dilma Rousseff que defenda as conquistas históricas da classe trabalhadora. Justamente a ela, que rasga a Constituição nos demais itens da Ordem Social, entre eles saúde, educação, ciência e tecnologia, meio ambiente e, quase caindo fora da Carta Magna, índios.

CAIO QUINTELA FORTES

caioqf4@hotmail.com

São Paulo

Cuba em perigo

O projeto de lei em apreciação no Congresso prevê que órgãos públicos não podem terceirizar atividades-fim. Se isso for aprovado, significará o fim do contrato de terceirização de médicos feitos pelo Ministério da Saúde com Cuba via Opas, a laranja. Não há outra interpretação plausível, visto que mais terceirização que essa é impossível.

WILSON SCARPELLI

wiscar@terra.com.br

Cotia

Imposto de Renda

Temos até o dia 30 deste mês para prestar contas ao leão da Receita Federal. Sobre os médicos cubanos, quem vai pagar o imposto, o próprio médico ou o governo cubano? Pois eles ganham mais de R$ 10 mil mensais.

MIGUEL POLITI

miguel.politi@uol.com.br

São Paulo

Contra isso que está aí

Não há nada de errado na terceirização, é apenas legalização. Minha posição é a seguinte: se o PT é contra, então eu sou a favor; e se os petistas forem a favor, serei sempre contra. Quer entender o meu raciocínio? Simples, tudo o que o PT defende é por motivos eleitoreiros, populistas ou corruptores.

MOÁS L. DE ALBUQUERQUE

moasalb@hotmail.com

Londrina (PR)

PERESTROIKA

Venezuela e Brasil

Não há surpresa nas previsões de crescimento negativo do Brasil e da Venezuela para 2015. Já era esperado. Aliados na ideologia, esse resultado é típico dos regimes autoritários de esquerda. Cúpula abastada e corrupta, eficiência péssima e, como consequência, economia destroçada. A Venezuela, em fase mais avançada, "cresce" -7% e o Brasil, na fase inicial, -1%. A continuarmos com este governo do PT, chegaremos lá. E precisaremos de uma perestroika. Socorro, Mikhail Gorbachev!

MANOEL SEBASTIÃO A. PEDROSA

link.pedrosa@gmail.com

São Paulo

A PRISÃO DE JOÃO VACCARI NETO

João Vaccari Neto se afasta da tesouraria do Partido dos Trabalhadores (PT) após ter sido preso pela Polícia Federal. Para ocupar o cargo de tesoureiro do PT, o nome de Delúbio Soares é forte candidato, pela sua notória experiência em arrecadação para campanhas.

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br 
São Vicente 

*
ABRIGO PARTIDÁRIO
 
Não dá para acreditar no que o presidente nacional do PT, Rui Falcão, diz. Vejam o que declarou recentemente: “Se algum filiado do PT, comprovadamente, estiver envolvido em ilícitos, em atos de corrupção, não continuará no nosso partido”. Lembram-se do mensalão? Figuras destacadas do PT foram apenadas, mas nenhum deles foi banido do partido.

Humberto Schuwartz Soares  hs-soares@uol.com.br 
Vila Velha (ES)

*
TESOUREIROS

Primeiro Delúbio Soares, agora Vaccari Neto... O PT sempre enganou os inocentes e bobinhos. Haja prisão para acomodar os companheiros. Pelo menos este foi preso e não levantou o punho cerrado nem deu sorrisos de escárnio, como Dirceu, Genoino, etc., como se houvesse algo a comemorar.

Carlos R. Gomes Fernandes  crgfernandes@uol.com.br 
Ourinhos 

*
ANÚNCIO

Procura-se ladrão, comprovadamente esperto, para assumir cargo de tesoureiro de um grande partido.

Valdemar W. Setzer vwsetzer@ime.usp.br
São Paulo

*
DIFÍCIL DE PROVAR

Parece que a ficha ainda não caiu, nem para a imprensa nem para a população. A prisão do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, remete o PT para as barras da lei e para a sua extinção. Será muito difícil de comprovar a isenção do partido diante dos atos de corrupção e que este dissimulado está praticando esses crimes por iniciativa própria. É evidente que não está. Certamente, abre-se a perspectiva real de chegar, por provas ou por conclusão óbvia, àquele que fez tudo isso sozinho. Será preciso, agora, chegar aos mandantes. Mas, independentemente disso, o partido já está moralmente extinto e, posteriormente, com base na lei, o será de fato.

Manoel Sebastião de Araújo Pedrosa link.pedrosa@gamil.com 
São Paulo

*
SALVE-SE QUEM PUDER?

O PT achou que conseguiria blindar seu tesoureiro, João Vaccari Neto, pelos serviços prestados aos membros do partido. Não conseguiu. E agora? Salve-se quem puder?

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*
TRATADO A PÃO DE LÓ

A Operação Lava Jato denuncia o “desvio” perpetrado pelo tesoureiro do PT. Será mesmo que o “desvio” só tinha um endereço? Os cofres do PT? Bem, recomendo ao pessoal dos “camarotes” tratarem muito bem o tal tesoureiro, pois, se ele resolver “recitar”, vai ser o caos.

J.Perin Garcia jperin@uol.com.br  
São Paulo

*
ABANDONO

João Vaccari Neto que se segure no pincel, porque provavelmente o PT vai retirar a escada...

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 
Jandaia do Sul (PR)

*
JUNTOS

Lula disse: “Na dúvida, fico com o ‘cumpanhero’ Vaccari”. Acabaram as dúvidas. Lula, pode ficar com o “cumpanhero” Vaccari lá, em Curitiba...
 
José Roberto Niero jrniero@yahoo.com.br
São Caetano do Sul

*
PEIXES GRAÚDOS

Agora, que a rede se estende aos peixes graúdos, os tubarões deste mar de lama, e já não era sem tempo, sinto que os “ex-entes” e as “entas” começarão, quem as tiver, a colocar as barbas de molho. Que aí tem coisa, ah, como tem!
 
Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br
São Paulo

*
A ÚLTIMA CARTA

Penso que a maior preocupação do PT não é mais abafar os escândalos, pois, como todos nós sabemos, basta lembrar a desfaçatez com que todas as denúncias foram até aqui tratadas: rechaçadas com ironias e absoluta certeza da impunidade. Hoje o PT conta apenas com a lealdade canina, ou ameaçada, dos que meteram as mãos na latrina e fizeram uma lavadinha mal feita. O mau cheiro vai longe! O aparelhamento na Justiça é público e notório, e talvez seja essa a última carta que restou para ser oferecida aos que ficarem mudos ou “dementes”, os que vão ao encontro de doleiros e não se lembram qual foi o motivo da “visita”. O Brasil virou um manicômio.

Rogério Amir rizzomoreno@superig.com.br
São Paulo

*
SEGURANÇA MÁXIMA

O governo do Estado de São Paulo deveria disponibilizar um dos presídios de segurança máxima situados no oeste do Estado exclusivamente para “hospedar” a cúpula do governo federal, a cúpula do Partido dos Trabalhadores (PT) e demais ratazanas que continuam sendo arrastadas de suas tocas, em bandos, pela Polícia Federal. Assumo publicamente o compromisso financeiro de providenciar quatro bandeiras gigantes do PT para afixar em cada guarita.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com 
São Paulo

*
PRESOS E À VONTADE

Perguntar não ofende: se Fernandinho Beira-Mar e Marcola controlam, do interior de suas respectivas celas, milhares de bandidos, aqui fora, por que João Vaccari Neto não tem o direito de continuar a controlar os bandidos do PT, do interior da sua?
  
Celso Vicente Fiorini celsofiorini@ig.com.br 
São Paulo 

*
PERDÃO

Até quando, sr. Vaccari, iria zombar de nós? Até quando  teremos de esperar o PT pedir desculpas aos seus eleitores? A Igreja Católica já pediu desculpas pela Inquisição, a Alemanha já se retratou sobre os campos de concentração... o que falta ao PT para vir a público, de joelhos, lamentar seus erros?
  
Jorge Peixoto Frisene jpfrisene@zipmail.com.br 
São Paulo 

*
IMPEACHMENT

Vaccari é o tesoureiro do PT que recebeu dinheiro sujo, para ele e para campanhas eleitorais do partido. A presidente eleita é do PT. A presidente eleita também é a mesma que autorizou as tais “pedaladas fiscais”; é a mesma que disse que o País ia às mil maravilhas, mas que na verdade não ia; é a mesma que fechou os olhos para a corrupção na Petrobrás, deixando a empresa quase falimentar; e é a mesma que é desclassificada repetidamente pelas ruas como líder do País. Oras, o que é mais necessário para que se concretize o seu impeachment?

José E. Zambon Elias zambonelias@estadao.com.br 
Marília

*
‘ALEA JACTA EST’

“A sorte está lançada.” Dilma, a escolha é sua: impeachment ou renúncia? A escolha pode ser, ainda, sua.
 
Ulysses Fernandes Nunes Jr. Ulyssesfn@terra.com.br 
São Paulo

*
INTELECTUAIS

O teor do artigo “O amarelo e o playboy”, da lavra do competente professor Eugênio Bucci (15/4, A2), só serviu para comprovar a tese de que pessoas brilhantes nem sempre produzem teses brilhantes. Ao abordar as manifestações do último domingo na Avenida Paulista e rotular, de forma singela, seus participantes como “playboys”, o olhar do professor denotou um viés míope, característico dos integrantes da esquerda festiva do País, que já teve como ícone o seu declarado amigo Caio Graco Prado, e hoje encontra guarida numa ala de encastelados professores universitários. 

Waldir Albieri albieri@gta.com.br
São Paulo

*
CARTA A EUGÊNIO BUCCI

Meu caro Eugênio Bucci, li seu artigo “O amarelo e o playboy” (16/4, A2). Como o sr., também cursei as Arcadas (1983-1987), mas seguramente o sr. não se lembrará de mim, já que, à época, eu não participava do “movimento estudantil” nem tinha tempo para a política do Centro Acadêmico XI de Agosto, que o sr. presidiu. Naqueles tempos, além da faculdade, eu já pegava no batente e não me sobrava tempo para mais nada. Para completar, casei-me em 1984 e assumi ainda mais compromissos, que se juntaram aos profissionais e acadêmicos. Recordo-me de haver ido à Praça da Sé marcar presença no ato pelas Diretas-Já. Não me lembro de ter usado amarelo, mas recordo-me de que muitos, em nossa centenária Academia, usavam um pequeno broche confeccionado em tecido, parecido com o da campanha contra a aids, tingido na cor amarela, com a palavra “já” nele inscrita, significando o apoio da São Francisco à campanha pelas Diretas-Já. Tinha tudo que ver com o momento político de nossa pátria pró volta dos civis ao poder em eleições diretas e limpas (as de nossa “democracia” de agora, dizem alguns, estão sob suspeição por conta da forma eletrônica de apuração dos votos procedida com software venezuelano e sob a tutela de um Tribunal Superior Eleitoral presidido por um ministro sem qualquer credibilidade). Todavia, naqueles idos, se bem me recordo, a cor vermelha predominava no chamado “movimento estudantil” do qual o sr. participava, e, em particular, no XI de Agosto que o sr. então presidia, o que muito me entristecia. Quem não seguia o evangelho do atraso marxista não tinha espaço no “movimento” naqueles tempos; o Muro ainda não havia caído – só foi ao chão em 1989 – e muitos de nossos colegas (não sei quanto ao sr.) ainda deliravam com a utopia socialista. Eu, no meu canto, via as coisas com muita clareza – e, sobretudo, tristeza. Com os dois pés no chão, sabia da “furada” que aquela doutrina nefasta – vocalizada nos centros acadêmicos – representava e o tempo só se incumbiu de fortalecer minhas convicções contrárias àquela pregação. Hoje, continuo vendo as coisas como elas são. As pessoas se cansaram e têm medo das invectivas do PT contra nossas liberdades democráticas. Por causa disso, têm ido às ruas pedir “Fora Dilma” e “Fora PT”. O sr. parece sugerir, em seu texto, que ir às ruas gritar “Fora Dilma” não é fazer política “de gente grande”. Será mesmo? Se for, data venia, discordaria. O sr. escreve que a democracia se tece com partidos, não contra todos os partidos. Diz em seu texto que não se pode “cuspir nos políticos”. Tudo bem, concordo. Institucionalmente falando, o sr. está correto. Mas, não sei se lhe avisaram, os partidos e os políticos (todos!) há muito deixaram de ter a representatividade que deles se espera. Nosso quadro partidário é uma sopinha de letras que nada significam para nós, o público pagante de elevados impostos. Enquanto isso, as pesquisas estão aí revelando que as Forças Armadas são a instituição mais bem avaliada, ao passo que a classe política é a pior vista pela população. Motivos para isso há que haver, concorda? Enquanto os militares mantêm e até ampliam seu prestígio, todos os partidos seguem desmoralizados e são pouco ou nada confiáveis aos olhos do povo. A própria oposição – por alguns chamada de “oposicinha”, pela pusilanimidade com que marca sua atuação no Parlamento –  não se sente confortável de ir às ruas juntar sua voz com a do povão, porque teme ser hostilizada,  acusada de oportunismo por pegar indevida carona no movimento “Fora PT”, que é espontâneo e generalizado, haja vista as últimas pesquisas de opinião pública. Logo, meu caro Eugênio, não há muito o que fazer, até porque os próprios partidos sentem-se muito pouco à vontade de participar do movimento. “Cuspiram” tanto no povo que, agora, estão vendo o seu cuspe voltando contra si. É a lei da ação e da reação... Sabem que “não são bem-vindos”. Por que as coisas chegaram a esse ponto em nosso país? Por que tantos estão a pedir – embora seguramente constrangidos por causa do patrulhamento que a mídia faz –  a “volta” dos militares? Sei lá. Sugiro que o sr., que  faz a análise da conjuntura, tente explicar por que razão aumenta o número dos que começam a ver a solução castrense como alternativa a “tudo isso que está aí”. Quem sabe consegue? De meu turno, já antecipo que fiz a minha parte: vesti minha camiseta amarela, que, como o sr. mesmo agora reconhece, nunca foi coisa de “playboy”; participei dos dois atos na Avenida Paulista, gritei “Fora PT”, engrossei os panelaços  e, depois de tudo, não me vejo, como o sr. parece sugerir, atuando “na base da birra infantil”. Até porque já passei dos 60, vejo o Planalto preocupado com os desdobramentos do movimento e está lhe dando a devida importância. Em outras palavras: o Planalto não parece concordar com sua avaliação de que tudo não passa de infantilidades. Sabe o governo do PT muito bem a força que as ruas têm. Ingênuo, meu caro Eugênio,  é quem acha que esses políticos que estão aí, auxiliados por gente suspeita incrustrada em instituições totalmente carcomidas por cupins, senão aparelhadas pelo PT, darão alguma solução à crise econômica, política e institucional que ora se desenha – crise essa criada pelos próprios políticos, vinque-se! Que Deus nos ajude. Receba um forte abraço de seu anônimo colega de bancos acadêmicos.
 
Silvio Natal silvionatal49@gmail.com 
São Paulo

*
MANIFESTAÇÕES DIÁRIAS

As manifestações de rua dos sindicatos e dos “ditos movimentos sociais” acabaram de tal forma banalizadas que praticamente viraram diárias. Na maioria das vezes, essas manifestações são conduzidas por poucas dezenas de pessoas que, sob o pretexto da garantia constitucional de “livre manifestação”, interrompem vias urbanas e estradas rodoviárias, violando outra garantia constitucional: “o direito de ir e vir”, bem como vandalizam bens públicos e privados. Além de infernizar a vida de milhões de cidadãos trabalhadores, esses movimentos trazem graves prejuízos à já debilitada economia brasileira. Como de costume, o apoio do governo petista a estes ilícitos é o principal motivo desta verdadeira epidemia de manifestações. Está mais do que na hora de criar leis especificas regulamentando o assunto, de modo a acabar que minorias imponham sua vontade à grande maioria.

Luigi Petti luigirpetti@gmail.com 
São Paulo

*
A FRACA OPOSIÇÃO

A situação atual dos petralhas & associados seria o sonho de qualquer oposição mais ou menos séria em qualquer país levemente democrático no mundo. No entanto, aqui, em Bananalândia, o PSDB perde tempo e espaço com muxoxos e tertúlias sonolentas, conjecturas e “análises” tardias. Assim não dá!

Ricardo C. T. Martins rctmartins@gmail.com 
São Paulo

*
AÉCIO NEVES

Aécio Neves não deve perder o bonde da História. Não deve voltar as costas para o povo, que não aguenta mais tanta corrupção, incompetência, hipocrisia e mentira. Que ele assuma essa bandeira, empolgue de vez a liderança da oposição e faça o que o povo espera dele: que lute, dentro da lei, para nos aliviar de Dilma e do PT, que nos oprimem no governo. Que restabeleça a nossa esperança, ouça as ruas e inicie o processo de impeachment.

Paulo T. Sayão psayaoconsultoria@gmail.com 
Cotia

*
MÉRITOS

Em cerimônia de celebração ao Dia do Exército, em Brasília, a presidente Dilma Rousseff entregou medalha de condecoração ao presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha. A pergunta que fica para nós é: quais seriam os méritos para alguém alçar tal condecoração? Isso considerando os desentendimentos entre estes dois personagens, principalmente por Dilma ter feito o possível e o impossível para que Cunha não chegasse a esse cargo e também por o deputado fazer parte dos políticos elencados, entre outros, como envolvidos na Operação Lava  Jato.
 
Leila E. Leitão
São Paulo

*
PMDB OU PT, QUAL É O PIOR?

A incompetência e corrupção PTralha levou o País a uma grave crise econômica, com altos índices de inflação, desemprego e crescimento negativo. O ministro Joaquim Levy (o único de fora do ninho) está tentando fazer uma reforma fiscal para melhorar essa condição. Aí vem a bancada do PMDB e diz que a aprovação desse projeto depende da indicação de cargos do segundo escalão. Essa informação deveria estar em letras garrafais na primeira página do jornal, com os nomes de todos os pleiteantes. Que Congresso é este que usa um assunto extremamente importante como barganha?

Ricardo Nobrega cnc.eng@terra.com.br
São Paulo

*
INVESTIGAÇÃO NA TRANSPETRO

A Operação Lava Jato deve investigar as denúncias feitas pela mídia sobre a diretoria financeira da Transpetro. Não basta ter retirado somente o diretor-pastor Rubens Teixeira, suspeito de corrupção, toda a estrutura criada pelo mesmo deve ser substituída. A corrupção é uma doença que se alastra e, quando se tem a suspeita do envolvimento da cabeça, provavelmente o corpo já foi contaminado. Suspeita-se de que o esquema segue o modelo universal que é aplicado em igrejas, onde os líderes locais devem atingir metas de faturamento definidas pelas sedes centrais.
 
Hosana Martins martinshosana2015@bol.com.br 
São Paulo

*
SERVIÇO COMPLETO

A Operação Lava Jato só vai completar, de fato, o ótimo serviço que está prestando à Nação quando o principal responsável (Lula) por todos estes escândalos for indiciado. 
 
Sergio Diamanty Lobo diamanty18@gmail.com
São Paulo

*
QUEBRADA

Como sempre, nosso ex-presidente Lula tem toda razão: a Petrobrás não vai quebrar, já quebrou.

Jair Freire assim.soja@gmail.com 
São Paulo

*
NOVA FASE

Faltam apenas duas fases para o fim da Operação Lava Jato. A 13.ª será o apocalipse da atual forma da política brasileira. Quando todos os nomes envolvidos no esquema de corrupção forem divulgados, não importando valores em reais ou dólar que desviaram, serão fechadas as porteiras da política para essa gentalha. Infelizmente, o quanto foi roubado e onde está o dinheiro nunca saberemos. A única certeza é de que o julgamento de todos os envolvidos pode levar até uma década e os inúmeros recursos podem levar à prescrição dos delitos e à absolvição dos “condenados”. A conta será paga pelo povo, a única fonte de renda segura do atual governo. Levantaremos a Petrobrás, o BNDES, os Correios, a Eletrobrás e pagaremos a propaganda enganosa, nojenta, de todos os partidos, nos rádios e nas TVs. Estamos cansados e não podemos, com os protestos, sequer tirar um vereador do cargo, pois a lei não permite. Obrigam-nos a votar, pois nosso voto é precioso, mas não permite um referendo para remover da política o lixo que lá apodrece.

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br
Osasco 

*
JOÃO PAULO CUNHA

Espero que o ex-deputado João Paulo Cunha tenha usado a prisão, em razão do envolvimento no caso do mensalão, não somente para escrever poesias, e sim para reflexões sobre suas atitudes e as de seu partido.

Hilmar Januário da Silva hilmar@conflan.com 
São Paulo

*
O CARF E A PERDA DE R$ 19 BILHÕES

Sou empresário há 30 anos e garanto que meu relato poderá ser confirmado pela grande maioria dos empresários brasileiros. Estão divulgando que as empresas brasileiras lesaram os cofres públicos em R$ 19 bilhões em multas não pagas em razão da corrupção do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). A conclusão imediata e fácil é de que os empresários são vilões que estão roubando do povo dinheiro que poderia ser usado na construção de escolas, casas populares, etc. Vamos aos fatos:  na origem desse evento está um fiscal despreparado ou mal intencionado (ou ambos), que visita sua empresa e, usando uma interpretação equivocada e tendenciosa da legislação, lavra uma multa por um valor absurdo e indevido. A empresa recorre a seus advogados, e começa aí o custo para demonstrar a injustiça da punição. Frequentemente, o fiscal reconhece o erro, mas afirma não poder fazer nada, visto que o auto já foi lavrado. Em alguns casos, até indica um colega, obviamente remunerado, para preparar a defesa. A empresa começa, então, a viver o temor de ter de arcar com aquela multa, normalmente em valores acima de sua capacidade de pagamento, além dos custos com advogados. O processo continua andando, até que chega a uma instância superior, que no limite é o Carf, a última chance de a empresa tentar demonstrar sua inocência. Neste momento, a empresa ou o seu advogado são procurados por um intermediário, que garante a absolvição, ou seja, o cancelamento da multa mediante o pagamento de um determinado valor. Dilema, o que fazer? Todos os argumentos e justificativas, racionais e jurídicos, para a defesa já foram esgotados. Esse julgamento é o definitivo. O valor da multa, se confirmado, pode quebrar a empresa. Alguns confiam na Justiça e repudiam o achaque, outros cedem. Esse relato causa surpresa a alguém? Duvido. De uma coisa podemos estar certos: este valor de R$ 19 bilhões é muito superior àquele que seria realmente devido se as multas fossem justas e aplicadas corretamente. E, se a multa é justa, o empresário tende a pagar. Nossa legislação fiscal é terrível, complicada, dúbia, e as empresas podem errar sem que isso necessariamente caracterize má-fé. Haveria muito menos corrupção nos órgãos fiscalizadores e uma parcela dos alegados R$ 19 bilhões poderia estar sendo usada para construir escolas, casas populares, etc. 

Alberto E. Nogueira Barreto alberto.barreto@columbiati.com.br 
São Paulo

*
TERCEIRIZAÇÃO

Lula, PT e sindicatos foram contra a privatização das teles, mas, após ser aprovada, a privatização gerou melhoria dos serviços de telefonia fixa e móvel e gerou muitos empregos. Lula, PT e sindicatos foram contra o Plano Real, mas, após ele ser aprovado, a renda do brasileiro melhorou, o País cresceu e muitos empregos foram gerados. Atualmente, Lula, PT e sindicatos estão contra a aprovação do Projeto de Lei 4.330/2004, que regulamenta a terceirização de funcionários em empresas. Daqui a dez anos, os brasileiros perceberão que, novamente, Lula, PT e sindicatos estavam errados. Mas o pior vai ser Lula reivindicar a paternidade da terceirização, em razão de o projeto ter sido aprovado durante o governo de Dilma Rousseff. E muitos irão acreditar, pois brasileiro é tão burrinho...

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br 
Americana

*
UM NOVO MINISTRO PARA O STF

A presidente Dilma indicou para ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Edson Fachin, outro notório representante do PT e do MST. Vamos dizer o quê? Simplesmente que, embora o PT tenha sido elevado aos mais altos cargos do País dizendo ouvir o “povo”, não está nem aí. Na passeata do domingo 12/4, só se viam cartazes pedindo “impeachment de Dias Toffoli”, outro petista histórico, defensor dos mensaleiros e que deverá fazer parte do julgamento da Operação Lava Jato, que julgará “petistas”, no STF. O PT pode até estar morrendo, mas vem deixando suas crias espalhadas pela Justiça, até aposentadoria aos 75 anos. Outra lei que precisamos mudar. Os ministros do STF deveriam ser escolhidos por seus pares, e não pelos presidentes da República, porque governos passam, mas a Justiça fica.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 
São Paulo

*
TERRA DE ALIENADOS

Como é possível pensar que o País vai melhorar com o Legislativo e com o Executivo que temos em Brasília e lá foram postos pelo esclarecido eleitorado nacional? A cada dia temos uma esperança e duas ou mais decepções. Quando estávamos começando a imaginar que as coisas fossem melhorar com a adoção da terceirização trabalhista, eis que a câmara dos deputados (com minúsculas, por favor) exclui as estatais da mudança. Quando tínhamos a vã esperança de melhorar o nível ético e moral do STF, eis que o Executivo e o Legislativo “mandam” para a Corte, como substituto do impoluto Joaquim Barbosa, alguém com aparentes ligações com as quadrilhas petistas e as máfias cutistas. E há gente que imagine que o País aguente até 2018. Não somos uma terra de otimistas, somos uma terra de alienados.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br 
Campinas

*
REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL
 
Dilma Rousseff alegou que a redução da maioridade penal para 16 anos, em debate na Câmara dos Deputados, é um retrocesso. Retrocesso, na verdade, é ouvir suas falas vazias, muitas vezes despidas de nexo. Seria de bom alvitre, pelo cargo que ocupa, que a nossa presidente pensasse muito antes de fazer pronunciamentos aberrantes. 
  
Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br 
São Paulo

*
RETROCESSO

Dona Dilma: “A maioridade aos 16 anos é grande retrocesso”. Não, presidente, “grande retrocesso” são os 12 anos de governo petista.

Vidal dos Santos vidal.santos@yahoo.com.br 
Vinhedo 

*
GOVERNO DILMA

A presidente do Brasil acha que aprovar a redução da idade criminal é um retrocesso. Logo ela, que terceirizou a própria governança. Retrocesso é tê-la como presidente da República.

Washington B. Estoyanoff wa.botella@me.com 
São Paulo

*
A ‘RAINHA’ DO BRASIL

Durante todos os anos em que eu acompanho a política no Brasil, e não foram poucos, não me recordo de ter assistido a um fenômeno como o atual, em que a população sai às ruas pedindo a substituição da presidente reeleita recentemente. A presidente Dilma Rousseff, em pouco tempo, transformou-se numa espécie de rainha da Inglaterra, pois perdeu a credibilidade por inteiro. Usufrui da pompa e da circunstância, mas quem decide mesmo são os congressistas do PMDB e seus aliados. Ainda existem pessoas que insistem em dizer que as passeatas por todo o País são realizadas por pessoas que não se conformam em ter perdido a eleição de outubro de 2014, mas a realidade é que a propaganda enganosa decidiu de fato a eleição, como disse o amoral João Santana, mas de nenhuma maneira serve para governar um país, principalmente com uma corrupção avassaladora. Conseguiu escamotear a triste realidade do País e o governo medíocre da presidente Dilma. Mas, uma vez reeleita, a realidade econômica do País e as maracutaias que correram soltas desde 2003 cobram o seu preço e a população está justamente revoltada, pois sabe que foi ludibriada. Entretanto, enganam-se aqueles que propõem o impeachment da presidente, que só poderia ocorrer se fosse enquadrada em crime de responsabilidade, implicará ainda entregar os Três Poderes ao PMDB, sendo que o último presidente eleito por esse partido não nos traz boas recordações. Mais equivocados estão os que pedem a volta dos militares. Quem vivenciou aquele período do governo militar sabe muito bem que não é uma boa, visto que se tornou uma ditadura repressora, cujos sucessivos presidentes cometeram erros econômicos grotescos, como o desmanche da malha ferroviária e as construções de usinas hidrelétricas mal localizadas como a de Balbina, no Amazonas, e a de Itaipu, no Paraná. A primeira, até hoje considerada um desastre, por ter ocupado uma área de floresta de 2.380 km2 e com baixa produção de energia. A segunda, cuja localização foi escolhida a dedo para também inundar terras paraguaias apenas por decisão monocrática do presidente da época, inundando em consequência a maior queda d’água do mundo em volume, o Salto de Sete Quedas. Em ambos os casos, as mesmas poderiam ter sido substituídas por um sistema de barragens menores, cujo aproveitamento total seria maior e as áreas alagadas, menores. E em Itaipu não precisaríamos ter inundado terras do Paraguai. Os governos petistas cometeram erros semelhantes, priorizando usinas hidrelétricas na Amazônia, sem um estudo mais apurado do seu impacto ambiental e todos os custos envolvidos, desprezando as alternativas das usinas eólicas e solar. Também adotou uma política errada em relação ao álcool combustível, provocando o fechamento de inúmeras usinas produtoras. Em minha opinião, é melhor deixar a presidente tal como a rainha da Inglaterra, e continuar pressionando-a, e ao Congresso Nacional, para que realize as reformas necessárias.  

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br 
São Paulo

*
INDÚSTRIA DA MENTIRA

Dilma, Lula e o PT parecem não aprender nunca. A propaganda política deles, veiculada na mídia atualmente, é a maior mentira, enganação pura, típica da propaganda enganosa em seu sentido mais amplo, geral e irrestrito. Basta de tanta falsidade e de tentativas vãs de iludir o povo brasileiro. Quando não puderem ou souberem responder aos legítimos anseios, calem-se!

Iracema M. Oliveira mandarino-oliveira@uol.com.br 
Praia Grande

*
ÓDIO AO PT

Não poderia ser mais sem sentido, para não dizer idiota, a campanha paga que o partido corruPTo veicula na TV. Justifica suas ações para não ser odiado exatamente pelo que a sociedade e a Justiça já o condenaram, e assim continua, ultimamente na bandalheira que promoveu na Petrobrás a partir de 2003. Disfarçou-se de ético, enquanto medíocre por opção usando da hipocrisia, do cinismo e da mentira nas contínuas enganações, como se não bastassem as da campanha eleitoral à reeleição de Dilma, cujos resultados ora vivenciamos. Pior que o ódio é a repulsa ao partido, seus dirigentes e aos seus cúmplices pelo mal que causaram ao País.
 
Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br
São Paulo

*
RATO POR LEBRE

Não bastasse a roubalheira, o PT mente tanto que até na TV a propaganda do partido tenta vender RATO por lebre...

A.Fernandes standyball@hotmail.com
São Paulo

*
PRESIDENTE VENDEDOR

Uma dúvida: o senhor Lula era presidente da República vendedor da construtora ou vendedor da construtora presidente da República?
 
Leda Terezinha Marchiori ledamarchiori@live.com 
São Paulo

*
DEFESA NACIONAL

Interessante o artigo do sr. Rubens Barbosa, publicado em 14/4 (página A2), sobre os impactos negativos da falta de verbas para as Forças Armadas, no tocante à segurança nacional. Entretanto, alguns aspectos importantes para o cidadão que paga impostos deixaram de ser abordados. O que nos interessa, cidadãos, é a defesa de nossas fronteiras, litoral e território, pelas nossas Forças Armadas. Isso pode e deve ser feito com armas convencionais, fabricadas aqui e ainda podendo ser exportadas. Nossos aviões, por exemplo, são ótimos para essas missões. Não precisamos de modernos submarinos (inclusive atômicos) nem de aviões supersônicos. As primeiras aeronaves desse tipo, suecas, estão sendo adquiridas por US$ 4,6 bilhões, e a transação, para variar, está sendo investigada pelo STF, para verificar os habituais desvios. O difícil será encontrar inimigos contra quem usar essas poderosas armas, já que, por exemplo, a Argentina está fraca e o Paraguai virou país de brasiguaios. O submarino nuclear (e os outros) são para vigiar desvios subaquáticos do nosso petróleo submarino? A Petrobrás em risco não financeiro? Esses dólares seriam bem-vindos na aquisição de armamento nacional e no pagamento digno aos militares que se arriscam. Se sobrar, para a saúde, a educação, as estradas, as rodovias, os portos (não o de Cuba), etc. Oremos.

Nelson Carvalho nscarv@gmail.com
São Paulo

*
BOMBA!

O Brasil tem um Ministério da Defesa cuja chefia, no reinado da esquerda, é atribuída a um “paisano”. E os paisanos que por lá passaram não têm apresentado condições mínimas para liderar essa importante atividade. É óbvio que essa escolha está ligada ao perene estado de revanche contra os militares. A ojeriza da esquerda pelos militares é notória. O embaixador Rubens Barbosa, que é membro do Conselho Superior de Defesa da Fiesp, escreveu importante artigo (14/4, A2), uma denúncia sobre o estado deplorável de nossas Forças Armadas, com equipamentos insuficientes, obsoletos e em estado precário. Planos de modernização, ampliação e reequipamento são atingidos por “contingenciamento”, ou postergados, nas três Forças. Na minha impressão, deve haver o intuito de desprestigiar as Forças Armadas. Suspeito de que haja um dedo do Foro de São Paulo aí. É muito descaso com um setor tão importante quanto a defesa nacional. Penso que o Congresso Nacional deveria se envolver com essa matéria, com urgência.

Mario Helvio Miotto mariohmiotto@gmail.com 
Piracicaba

*
DEFESA DO PARTIDO

Alguém precisa informar ao ministro Jaques Wagner pessoalmente que o cargo de ministro da Defesa é do Brasil. E não da defesa do PT... Pessoalmente, porque não sei se ele sabe ler.

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com 
São Paulo
 
*
MINISTÉRIO DO TURISMO

O inútil Ministério do Turismo virou moeda de troca na terceirização do governo Dilma. Desta vez foi o ex-deputado Henrique Alves (PMDB-RN), derrotado na eleição para governador em seu Estado, o premiado com o ministério. O objetivo da nomeação será maior conquista de votos de seu rebelde partido integrante da base do governo. Portanto, mais um ministro que não tem o menor pudor ao aceitar ser o objeto do escambo.
 
Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br
São Paulo

*
A CUBANIZAÇÃO DAS AMÉRICAS

O povo cubano merece a liberdade. Isso é essencial para sair da idade das trevas políticas. Fidel Castro negara, no início de sua gestão, que era comunista. Mas revelou-se pouco depois alinhando-se à então União Soviética. Seus ideólogos o doutrinaram para a coletivização bolchevique por meio do marxismo- leninismo. Sua dependência levou à crise dos mísseis dos anos 1960. Mais tarde, aplicaram na nascente ditadura as ideias de outros ideólogos. No final dessa década, Regis Debray influenciou os Castro. Cuba interveio em vários países com sua “ideologia revolucionária”, levando-os a conflitos múltiplos com regimes autoritários em reação aos Allende, Jango, Perón (?) e outros. O que Cuba oferece agora é a miséria do seu povo, a escassez de tudo e um turismo suspeito e muito caro. Culpam os Estados Unidos pelo embargo. Grande parte disso é verdadeira. Mas temos a influência deletéria de Cuba em alguns países como Venezuela, Equador, Bolívia, Argentina, e tem se infiltrado no Brasil pelas Farc e, agora, pelo programa Mais Médicos, tendo este último sido infiltrado de comissários do Partido Comunista cubano com militares infiltrados aproveitando-se da pusilanimidade dos governos desses países. Para arrematar, o “pacifismo” cubano tem milhares de “assessores militares” na segurança pessoal de Nicolás Maduro. Esse pequeno país exporta um produto especial para a esquerda latino-americana, que é sua ideologia totalitária e baseada num marxismo-leninismo enfeitado pelo gamscismo. José Dirceu e seus correligionários o idolatram. Dilma os afaga e autorizou três voos da Gol semanalmente para o “paraíso cubano”. Barack Obama vai dar atestado de bons antecedentes aos castristas assassinos e relevar os “paredóns” em que milhares de cubanos foram “justiçados”. Onde está a mídia liberal para relatar esses fatos, com a exceção de poucos órgãos independentes, como o “Estadão” e alguns menores? É a esquerdização da América em curso. Que Deus tenha pena de nós.

Paulo Roberto Farat prfarat@gmail.com 
Praia Grande

*
EPIDEMIA DE DENGUE

A epidemia de dengue em muitas cidades e Estados brasileiros deveria envergonhar seus principais mandatários. Em especial quando ela ocorre no Estado mais rico e cobrador de impostos da Nação: São Paulo. Não adianta dizer que a culpa é do povo, quando professores estão em greve e as escolas, fechadas. Não adianta culpar o povo quando o poder público não exerce com rigor e competência a devida fiscalização. Não adianta culpar o povo quando o atendimento dos prontos-socorros e dos hospitais está sobrecarregado e não há médicos e medicamentos. A culpa é de quem governa e não supre a educação, a informação e o atendimento médico.
 
Rafael Moia Filho rmoiaf@uol.com.br 
Bauru

*
CONVÊNIOS MÉDICOS

Novamente as mensalidades dos convênios médicos, já absurdamente caras, ficarão mais caras ainda, comprometendo mais da metade do orçamento da grande maioria das famílias brasileiras. Estamos reféns deles. A saúde pública é de lamentar e a dos convênios, um pouco menos ruim, embora esteja muito aquém do seu custo. Se ficar, o bicho pega, se correr, o bicho come. Enquanto isso, nossas autoridades da saúde assistem a tudo de maneira complacente e omissa.

Elias Skaf eskaf@hotmail.com 
São Paulo

*
FUTEBOL BRASILEIRO

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF), federações e alguns clubes são contra alguns pontos da medida provisória que reescalona as dívidas dos clubes do País. Era esperado. Este reescalonamento contém benesses como abater multas e juros. E quais pontos eles combatem: a obrigatoriedade da participação dos atletas nas decisões e no regulamento das competições, criação de um departamento de futebol feminino, obrigatoriedade de manter em dia os compromissos fiscais, trabalhistas e o pagamento dos salários e de direitos de imagem, entre outros. Até aí, me parece justo. Não podem esquecer que eles devem à União. Não podem cantar de “galo”. Trata-se de uma via de mão dupla. Ninguém é obrigado a nada. Quem não quer o refinanciamento, tudo bem, não precisa aderir e, consequentemente, não tem de se sujeitar a nada. Fica a bagunça que está. Mas, se quer o benefício, tem de dar algo em troca. Só concordo com a CBF na questão de a medida provisória interferir no mandato dos dirigentes. O governo não deve interferir nisso.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 
Rio de Janeiro

*
ROMÁRIO X CBF

O irado senador Romário seria mais isento, imparcial e verdadeiro se abrisse mão da imunidade parlamentar quando insulta e calunia seus desafetos, como faz agora, atirando toda sua imensa amargura e ressentimento contra o presidente eleito e empossado da CBF, Marco Polo Del Nero, e também contra José Maria Marin, que deixou o cargo. Jogar as patas contra a honra alheia, escondido atrás de instrumento jurídico que o deixa intocável, é cômodo e soa como covardia. Francamente. 

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com 
Brasília

*
DEL NERO NA CBF

É por causa de cartolas como Marco Polo Del Nero, novo presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que o futebol brasileiro vive profunda decadência, com clubes quebrados, pouco público nos estádios, bagunça, violência e desorganização. São os grandes responsáveis pelo humilhante Alemanha 7 x 1 Brasil na Copa de 2014. O Bom Senso F.C. tem toda razão de combatê-los e de defenestrá-los. Pobre futebol brasileiro, grande apenas dentro das quatro linhas pelo talento de seus jogadores. Fora delas, é um completo desastre.
 
Renato Khair renatokhair@uol.com.br  
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.