Fórum dos Leitores

ARRUAÇA DA APEOESP

O Estado de S.Paulo

25 Abril 2015 | 02h04

Vandalismo

Há alguns dias vimos, chocados, cenas do Estado Islâmico destruindo estátuas sumérias e ontem, na primeira página do Estadão, um bando de vândalos arrombando a maravilhosa porta de um edifício tombado. Assim como o PT, por meio de sua presidente Dilma Rousseff, é pelo uso da diplomacia com o Estado Islâmico, parece ser coerente ao planejar sua "pátria educadora" à moda desses extremistas.

JULIA PACHECO DE CASTRO

juliapcastro@gmail.com

São Paulo

Pátria educadora?

Depois de assistir aos atos de selvageria e vandalismo praticados por pessoas aparentemente transtornadas, não consigo imaginar algo de proveitoso, qual a didática e que matérias escolares esses professores, se é que o são, podem transmitir em sala de aula. Se eles forem educadores, não vejo boas perspectivas para nosso tão explorado país.

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

Quebra-quebra

Fiquei chocado com a foto de professores tentando arrombar, com um aríete improvisado, a porta de acesso da Secretaria da Educação. Esse edifício, datado de 1894, foi projetado por Francisco de Paula Souza e Ramos de Azevedo, tendo sido tombado pelo patrimônio histórico (Condephaat) por se tratar de um dos mais importantes marcos urbanísticos de São Paulo. Foi durante mais de 80 anos sede do Caetano de Campos, escola pública da mais alta qualidade, onde, entre outros, estudaram Sérgio Buarque de Holanda, Mário de Andrade e Cecília Meireles. Na própria foto do Estadão dá para notar o belíssimo trabalho de artesanato da porta arrombada. Enquanto a educação for tocada por líderes sindicais ligados à CUT e ao PT que nunca leram um livro e para os quais a cultura é coisa de elite reacionária, falar de "pátria educadora" chega a ser uma piada de mau gosto.

LUIGI PETTI

luigirpetti@gmail.com

São Paulo

Tresloucados

Tenho visto com preocupação as cenas de vandalismo praticadas por professores em greve, em São Paulo e em outros Estados. Sei o que é ser professor, pois pratiquei a profissão por algum tempo. Na maioria eles são mal remunerados, não são valorizados, não têm incentivos para o desenvolvimento profissional nem equipamentos didáticos adequados e em quantidade suficiente, sem falar em escolas caindo aos pedaços e outras mazelas. Mas nada disso justifica tal vandalismo, com certeza insuflado por sindicatos pelegos. Preocupa-me deixar meus netos nas mãos desses poucos tresloucados.

LUIZ FRANCISCO ASSIS SALGADO

salgado@grupolsalgado.com.br

São Paulo

Baderneiros

É triste ver os professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo sendo usados como massa de manobra de baderneiros que têm como objetivo "quebrar a espinha do governador", e não as questões realmente afetas ao magistério. Creio que seria demonstração de sabedoria a constituição de uma comissão de alto nível, própria de professores, para tratar desses assuntos. Com sabedoria os professores poderão sensibilizar a opinião pública e pressionar o governo no atendimento de suas reivindicações. Mas não creio que isso esteja nos planos da CUT.

CARLOS EDUARDO STAMATO

dadostamato@hotmail.com

Bebedouro

Educadores manipulados

Nessa mesma escadaria e porta de entrada da sede da Secretaria da Educação, anos atrás o então governador Mário Covas, já seriamente doente, foi covardemente agredido por facínoras da mesma estirpe que queriam entrar à força no saudoso Instituto de Educação Caetano de Campos. Infelizmente, essa bandidagem continua a mesma. Pobres alunos e pobres funcionários ordeiros da educação de São Paulo.

JOSÉ PIACSEK NETO

buubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

Vergonha e desalento

A Apeoesp, o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo, é uma das facções dos "exércitos" do Lula. Mascarados e agindo com violência, "professores" tentaram invadir e destruir a secretaria. Parados há 40 dias, todavia, eles não se importam em deixar alunos sem aula, querem é tumultuar, como fazem os sem-terra do "exército do Stédile". Como professor, sinto-me envergonhado e desalentado com a atitude de cidadãos que, escalados para ensinar, se comportam como vândalos. Tudo isso é muito triste.

JOSÉ ROBERTO DE JESUS

zerobertodejesus@gmail.com

Capão Bonito

EXÉRCITO BRASILEIRO

Ação humanitária

Cidade atingida por tornado pede ajuda do Exército; 1 mil estão desabrigados foi a manchete de 22/4 (A12), relatando que militares foram designados para o socorro às vítimas do tornado que castigou Xanxerê (SC), dois dias antes. Já na edição de 17/4, ao lado da matéria Haddad pede ajuda do Exército contra dengue (A17), outra informava que São Paulo e mais dez cidades do interior haviam solicitado 630 militares para ajudar no combate à dengue - 30 deles foram para "Lins, "que vive situação epidêmica", onde "foram recebidos com aplausos pelos moradores". É por situações como essas que resolvi escrever um livro contando o lado não militar do Exército: suas ações pela cultura, pelo patrimônio histórico, ensino, meio ambiente, pesquisa, saúde e assistência humanitária. Temos de nos orgulhar de nossa Força Terrestre, com seu lema "braço forte, mão amiga", e o projeto, que está no Centro de Comunicação Social do Exército, agora seguirá para o Ministério da Cultura para que possa ser autorizado a receber os benefícios da Lei Rouanet, de incentivo fiscal à cultura.

CARLOS C. ABUMRAD

sintoniatotal@uol.com.br

São Paulo

Haddad e a dengue

Há muitos anos vejo a "estratégia" de combate à dengue ser a visita de agentes municipais a residências em áreas infectadas. Há muitos anos vejo também o número de casos de dengue crescer na cidade de São Paulo, no Estado e no País. Agora que novamente se veem manchetes sobre o caráter epidêmico da doença, vejo novamente a aplicação da "estratégia" de visitas de agentes municipais a residências. Sempre aprendi que esperar que medidas ineficazes deem resultado se repetidas continuamente é acreditar que mágicas acontecem. Agora se espera que os soldados do Exército acompanhando os agentes mudem os resultados. Preparação para futura propaganda ou simples ignorância de crer que a repetição desta vez vai funcionar?

ANTONIO CLAUDIO LELLIS VIEIRA

lellisvieira@gmail.com

São Paulo

_____________________________


PROFESSORES EM GREVE

Perguntar não ofende: em que faculdade de Educação desta "Pátria Educadora" estudaram estes baderneiros ditos profissionais da Educação que, na tarde de quinta-feira, tentaram invadir a Secretaria da Educação de São Paulo? Será que eles sabem o significado da palavra educação? Obs.: com muito orgulho sou mãe de uma professora.

Marlene S. Luize madriluize@gmail.com

São Paulo

*

DESEDUCAÇÃO

Professores estaduais em greve há mais de 30 dias resolveram mostrar como deseducam os nossos jovens. Os professores que tentaram invadir o prédio da Secretaria de Educação na quinta-feira são professores de quê? De vandalismo e depredação, que aprenderam com manifestantes do MST, da CUT, do PT? A que ponto chegamos! O Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) disse que foi uma manifestação espontânea dos "professores". Alguém acredita? São alguns os que denigrem uma categoria tão importante para o futuro do País. Os salários destes profissionais serão melhores no dia em que conseguirmos que 594 congre$$istas, que pouco ou nada fazem, tiverem os seus salários reduzidos. O nosso país vive um triste momento de degradação e deformação moral inaugurado pelo PT. Nós, cidadãos de bem e patriotas, precisamos dar um "basta" a tudo i$$o. Precisamos valorizar os que merecem.


Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

MAL EDUCADOS

São chocantes as imagens de alguns "professores" tentando arrombar os portões do lindo prédio que abriga a Secretaria da Educação de São Paulo. Com professores assim, creio que será melhor o analfabetismo, porque a pergunta que fica é: como esses indivíduos, que, quero crer, não representam a classe, pretendem educar seus alunos, se eles mesmos não têm a menor noção de educação e respeito? Agora resta aos cidadãos que pagam seus salários aguardarem que sejam responsabilizados na forma da lei.

Vera Bertolucci veravailati@uol.com.br

São Paulo

*

VANDALISMO

É inconcebível admitir que os marginais que estampam a foto de capa do "Estadão" de ontem sejam professores estaduais. Lembraram-nos dos black blocs: depredando a sede da Secretaria de Educação e com os rostos cobertos. Por mais que os professores tenham razão em suas reivindicações, eles a perdem perante a população ao permitirem que seu sindicato se alie a indivíduos desclassificados. Pobres de nossos jovens, pobre do futuro de nosso país.

Gilberto Farina farinagr@gmail.com

Itatiba

*

ATITUDE MEDIEVAL

Aqueles que deveriam educar nossos jovens e crianças são vistos como povos da idade média com seus aríetes tentando arrombar as portas da Secretaria da Educação. Imaginem o rastro de destruição que teriam deixado, caso estes bárbaros conseguissem adentrar o prédio. Gente que se utiliza de hábitos e métodos medievais deve ser repelida como tal, ou seja, com a sempre corretiva "borrachada" da tropa de choque da Polícia Militar.

Frederico d'Avila fredericobdavila@hotmail.com

Buri

*

LIVREM-SE DA CUT

Não é desta forma que os professores vão conseguir aumento salarial. Depredação de patrimônio público não é obra de professor, ainda mais vestidos com camisas vermelhas. Por que o sindicato dos professores (Apeoesp) é ligado à CUT? Há razão de ser nisso? Quando os trabalhadores liderados pela CUT fazem greve, por acaso algum professor vai engrossar as fileiras dos grevistas? Aí é que está o grande erro dos professores. Agora, estando os professores em greve, liderados pela CUT, na frente vai o batalhão de choque, quebrando tudo, fazendo ameaças e, no fim, quem leva a culpa são os professores. É chegada a hora de refletirem sobre o que estão fazendo e verem quem realmente está interessado na defesa deles. Enquanto houver greve, com a liderança da CUT, certeza tenham de que o governo nada fará. São 40 dias parados e já está na hora da eventual retirada, com o já conhecido pedido: "O governo não desconta os dias parados e voltamos a trabalhar". Isso já é praxe. Portanto, acredito que, se quiserem conseguir algum aumento, alguma melhoria, livrem-se da CUT e alguma coisa conseguirão.

José Caetano zedobekue@terra.com.br

Santa Fé do Sul

*

TERCEIRIZAÇÃO E PEDALADA

O senador Renan Calheiros, presidente do Senado, afirmou cinicamente: "Não vamos permitir pedalada contra o trabalhador", ao falar sobre o projeto de terceirização discutido e aprovado no Congresso, que foi enviado ao Senado. E contra o País pode, sr. presidente?

Walter Lúcio Lopes wll@uol.com.br

São Paulo

*

SEM ACORDO

Não há acordo, mesmo entre os supostos especialistas em Recursos Humanos, geralmente teóricos professores universitários, sobre a conveniência para os trabalhadores da recém-aprovada (na Câmara) lei da terceirização. De fato, não há nenhuma evidência de que os empregos vão aumentar (por que isso ocorreria?) e de que os salários não iriam cair (se não caírem, o custo ficará mais alto para a contratante, tendo de remunerar também o lucro da empresa terceirizada). O que invariavelmente confundem é a contratação de serviços especializados de outras empresas (terraplanagem é sempre mencionada nos exemplos de construtoras) com terceirização de mão de obra, coisa bem diferente.

Ademir Valezi adevale@gmail.com

São Paulo

*

COISA DE MOLEQUE

O presidente do Senado e o presidente de Câmara dos Deputados resolveram, por pura birra, engavetar os projetos que vierem de um para o outro. Vide "Estadão" (24/4, B4). É ou não é coisa de moleque?

Sérgio Barbosa sergiobarbosa@megasinal.com.br

Batatais

*

FISCALIZAÇÃO

Se terceirizar as dívidas que estão imputando a todos os brasileiros via impostos, prometo fiscalizar o seu cumprimento!


Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

INVESTIMENTOS?

Dilma Rousseff convocou ministros para definir investimentos... Com que dinheiro, "presidenta"? Com o nosso, é lógico! Por que não convoca uma reunião para cortar gastos, reduzir ministérios e mandar todos os funcionários que ocupam cargos sem serem concursados para a iniciativa privada? Quer começar a governar depois de 52 meses? A dica é essa. Aproveite a sugestão, porque hoje estou de bom humor. Amanhã vou passear no disco voador e conhecer Brasília, a Ilha da Fantasia, o buraco negro da economia mundial. Todo dinheiro que entra nos seus cofres desaparece sem deixar vestígios. Chocante!

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

COMO ENTENDER?

Diante de uma economia totalmente desmontada - que, por sinal, está dando muito trabalho ao ministro Joaquim Levy para colocá-la nos trilhos -, pedindo para que o povo pague a conta dessa desfiguração cheia de "pedaladas" irregulares, Dilma Rousseff, de joelhos diante do Congresso Nacional, sancionou o aumento desmedido de quase 300% no valor do Fundo Partidário, dinheiro que abastece os partidos políticos. Como acreditar nas medidas de contenção de despesas diante dessa verdadeira falta de zelo institucional? Todos os dias nos surpreendemos com as proezas dos desgovernos petistas.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

RELES OPORTUNISTAS

Como se já não bastasse a roubalheira desenfreada existente em vários órgãos do governo federal, agora temos de engolir as decisões de um Parlamento desaforado, que em plena crise econômica do País se dá ao desplante de querer triplicar a verba destinada ao custeio dos partidos políticos, por meio de uma emenda ao Orçamento da União, de autoria do senador Romero Jucá, do PMDB. Isso depois de o presidente do Senado afirmar que o Executivo deveria reduzir o número de ministérios para 20, no que ele, aliás, tem toda razão. A presidente foi obrigada a nomear o economista Joaquim Levy como ministro da Fazenda, que tem a espinhosa tarefa de adotar um rigoroso ajuste fiscal, que vem exigindo grandes sacrifícios da população com milhares de trabalhadores demitidos e uma inflação que corrói os nossos salários mês a mês. Pois bem, pressionada pela base aliada, a presidente sancionou a lei orçamentária com a citada emenda "esperta". Enquanto a população vai empobrecendo para corrigir as lambanças efetuadas em nome de um projeto de poder do PT, os partidos políticos vão se apoderando cada vez mais de polpudas verbas do Tesouro Nacional. A presidente perdeu definitivamente a moral de governar o Brasil, pois cada vez mais fica patente que se tornou apenas um joguete nas mãos de políticos detentores de mandatos, que obviamente não têm nada de estadistas. São reles oportunistas.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

REFÉM

A presidente Dilma, com o aumento irreal ao fundo partidário, mostra como ela está refém dos políticos sem compromisso com o País.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

FUNDO PARTIDÁRIO

O governo da presidente "criatura" diminuiu verbas do Orçamento federal em setores essenciais como educação, saúde, saneamento básico e investimento, mas, mas ao mesmo tempo, aprovou a triplicação da verba para os partidos políticos, de R$ 289 milhões para R$ 868 milhões! Também aumentou a verba individual dos deputados, que passa para R$ 12 milhões cada - multiplicada por 513, essa despesa totaliza R$ 6,156 bilhões anuais. Em vez de aumentar a verba partidária, por que o "Cambalacho Nacional" não aprova leis com regras mais rígidas para evitar o nascimento de novos partidos a cada eleição? O que tem a dizer o ministro da Fazenda sobre esses absurdos, ele que corta como navalha afiada verbas de itens mais necessários e anuncia medidas que aumentam impostos, sempre com um sorrisinho mais que hipócrita?

Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo

*

NO MERCADO

O Bolsa Família arrebanha o eleitorado; o Fundo Partidário garante a base aliada. Da lojinha de R$ 1,99 ao País de todos, a mesma mercadoria: comprados e vendidos...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

BARBARIDADE

Partidos e sindicatos deveriam ser como igrejas, ou seja, financiados diretamente por seus membros, não com impostos, afinal, até eu que sou mais bobo quero lançar um partido, uma seita. Já estamos cheios destes vampiros do inferno nos roubando. Um mínimo de respeito não peço aos perdidos, mas a Justiça que nos livra destes bandidos não permita esta barbaridade que a presidente não vetou.

Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

*

'UM GOVERNO PARA ESQUECER'

Lúcido e profundo o artigo de Fernando Gabeira (24/4, A2). Mais de 200 milhões de brasileiros não merecem aguardar até 2018 para esquecer este desgoverno. O tempo urge e até quando vai perdurar a esperança do país do futuro?

Antonio Claudio Salce claudiosalce@papirus.com

Indaiatuba

*

'LIBERTAS QUAE SERA TAMEN'


Tenho esperança de que a corrupção, a derrama de impostos e, sobretudo, a concentração de poderes na Presidência da República tenham o condão de provocar as mesmas reações ocorridas nos fins do século 18, entre as quais a Inconfidência Mineira e a independência dos EUA, com o seu fantástico federalismo. Seria, mesmo que tardia, com três séculos de atraso, um avanço na organização do Estado: o recall do presidencialismo americano, o parlamentarismo, a descentralização dos poderes... ideias que hoje já estão nas ruas.

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br

São Paulo

*

OS RAIVOSOS DO PT

Pois é, o PT sentiu o golpe da multidão na rua. Tanto assim que, no próximo congresso do partido, estão propondo as coisas que sempre quiseram, mas que deram uma pausa para que Lula tivesse chance de ganhar, como ganhou, a eleição de 2002. Em 1964, o povo saiu às ruas e pediu a intervenção militar, frustrando o golpe que as esquerdas preparavam. Elas não querem se frustrar novamente, pois sempre esconderam as verdadeiras intenções da implantação de um regime totalitário e bem à esquerda. As coisas começam a ficar mais claras agora, basta ler as teses que estão sendo apresentadas - ver no site do PT - para o quinto Congresso do partido, previsto para maio. Coisas como controle total da mídia e até a privatização da Rede Globo, a não incriminação dos movimentos sociais e a desmilitarização da polícia estão lá e encaixam-se perfeitamente bem nos objetivos bolivarianos previstos no Foro de São Paulo. Até o PMDB, tradicional aliado fisiológico, está sendo descartado para essa nova fase. Vamos esperar para ver no que vai dar. Mas uma coisa é certa: essa minoria retrógada e raivosa com o sucesso dos países mais avançados, onde a meritocracia, o Estado mínimo e a responsabilidade fiscal balizam a estabilidade e o desenvolvimento, não vai se conformar com a necessidade de utilizar métodos clássicos conservadores para estancar a sangria das contas publicas, retomar o desenvolvimento e, principalmente, acabar com a corrupção. Isso será a derrota final de tudo quanto propuseram até agora e, evidentemente, o fim do PT.

Miguel Pellicciari mptengci@uol.com.br

Jundiaí

*

A PORTA DO INFERNO


Os brasileiros não podem alegar desconhecimento sobre o estado pré-revolucionário instalado neste 2015. Registra-se a data para que fique este aviso como um amigo chamamento à razão. Instala-se na consciência popular um desatinado desequilíbrio emocional e avançado desajuste psíquico como premonição ao medo do desconhecido. Desgoverno e desmedida luta dos ambiciosos pela oportunidade de ascensão ao poder é espaço aberto que um povo aturdido e inocente oferece aos ambiciosos que sonham locupletar-se desse vazio moral. O enganoso atendimento à saúde atingirá absoluta falta de cuidados com essa área social. Nesse caso, seria de se esperar alguma atitude do decantado grupo de direitos humanos. Rondam-nos a falta d'água e o encarecimento da alimentação. Carece a Nação de, ao menos, exemplos de dignidade de seus supostos condutores. A indignidade soa como fator de sucesso. A ganância acirra os malfeitores, ferindo a consciência nacional. Incha o desequilíbrio entre a criminalidade e a aplicação das leis. Fere a todos o desrespeito aos valores sociais. A escola existe cambaleante em todos os graus. O professor vive vilipêndio marcante. Delinquentes usam os partidos políticos como casamata de seus crimes, afogando seus estatutos e suas diretrizes. Há excesso de hipocrisia e desenfreada corrupção, que levam a todos, sobretudo os jovens, a uma explosiva indignação. A revolta desponta. As instituições, às quais caberia a defesa da dignidade e o respeito à ordem social, às leis e à guarda da Carta Magna, sucumbem em funéreo silêncio. Por maldade, ignorância ou interesses escusos todos esses índices de tragédia poderão terminar em louca revolução, sem armas e sem líderes. Será o caos. Se é isso o que desejam, o campo está livre e não há guardas na porta desse inferno.


Arnold Fioravante advocaciaafioravante@uol.com.br

São Paulo

*

RETORNO DIFÍCIL

Ao invés de alvíssaras, o que se assomam no noticiário do dia a dia são, em verdade, evidências da crise que se instalou em nosso país. Por mais correções que se façam, julgo dificílimo o retorno à estabilidade social, econômica e política de nossa Nação. Por onde andará, "em que céus, em que terras", nosso líder salvador? Clamamos nós, do povo, que se apresente e que, intimorato, nos conduza na busca por dias melhores. Ó, como clamamos por líderes!


Cleiton Cavalcanti d'Almeida cleitondalmeida@uol.com.br

Recife

*

QUE BELO ESTRAGO!


Balanço da Petrobrás admite que a petroleira, sob o tacão do partido dos trambiqueiros, perdeu R$ 6 bilhões com corrupção em 2014. Mais que isso: o prejuízo da estatal, sob os desmandos da administração do PT, no ano de 2014, foi de R$ 21 bilhões, o maior desde 1991 (Collor), quando a estatal perdeu pouco mais de R$ 1 bilhão em valores atualizados. Não bastasse, a perda com a reavaliação de ativos monta a R$ 44,6 bilhões. Será que li direito? R$ 44,6 bilhões? Para finalizar: o endividamento da empresa é, hoje, o maior do mundo entre as petroleiras. Nada menos que R$ 310 bilhões - relativos ao final do ano de 2014. Lembrando que esse endividamento é majoritariamente em dólar e, de lá para cá, o dólar subiu. Não esquecendo, ainda, que neste ano a empresa ampliou ainda mais seu endividamento, pegando empréstimos com a China e com bancos oficiais brasileiros. Ou seja: hoje (abril) o endividamento da Petrobrás supera os R$ 310 bilhões. Alguém aí tem noção do que sejam R$ 310 bilhões? A relação entre o endividamento da Petrobrás e sua capacidade de geração de caixa (Ebitda) é, hoje, de 4,7 vezes. A própria Petrobrás admite que a relação "adequada" seria de 2,5 vezes. Para efeito de comparação, a Exxon (empresa privada), maior petroleira do mundo, apresentou alavancagem de... 0,48 em 2014. Isso é, grosso modo, 1/10 da alavancagem da Petrobrás, empresa rebaixada pela agência Moody's em nível especulativo por causa desse descalabro. Aliás, o próprio País corre o risco de ser rebaixado, dados os precários fundamentos macroeconômicos que amarga, com déficits e desajustes de tudo que é lado. É, simplesmente, inacreditável o estrago que o PT fez e continua a fazer ao Brasil.


Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

E PASADENA?

Pelo que vimos na publicação e nos comentários do balanço da Petrobrás de 2014, o caso Pasadena é um caso que "passadenada", pois parece que esqueceram o assunto ou o omitiram, por razões óbvias.

Nilson Soares da Silva nilson.ssilva@uol.com.br

Conchas

*

ALVOROÇO

Todo este alvoroço para analisar o balanço anual da Petrobrás, que estava atrasado. Mas como é que ficou o balanço referente ao terceiro trimestre, que não pôde ser auditado e que gerou tanta celeuma?

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

VERGONHA NACIONAL

Com o governo do PT, nossa querida estatal de petróleo, que no passado, desde a sua fundação com o saudoso ex-presidente Getúlio Vargas e com o movimento "O Petróleo é Nosso", teve tantas glórias, conquistas e inúmeros motivos de orgulho nacional, passou a ser gerida e aparelhada por uma quadrilha criminosa e de incompetentes. E, como resultado de tantos malfeitos, falcatruas, maracutaias e roubos, tivemos esta semana, com a publicação do balanço anual auditado, o péssimo, amargo e inconcebível resultado de um prejuízo astronômico e imensurável de R$ 21,6 bilhões. Só de corrupção o prejuízo foi de R$ 6,19 bilhões, no período compreendido entre 2004 a 2012, ou seja, período do governo petista. Quando o PT esteve disputando as eleições, sempre acusou as oposições, inclusive o PSDB, de querer privatizar a Petrobrás, afirmando ainda que, se o governador de São Paulo (Geraldo Alckmin, José Serra ou Aécio Neves) fosse eleito para presidente, além de privatizá-la, também iria mudar o nome da empresa para Petrobrax, tratando uma mentira escabrosa como se verdade fosse, agindo no "modus operandi" do ministro da informação nazista Joseph Goebbels. Que nosso povo, que dizem ter memória curta, não se esqueça das palavras insensatas, imponderáveis e intoleráveis da senhora Dilma Rousseff, de que a Petrobrás, apesar de tudo, continua forte, firme e de pé. Aliás, gostaria de lembrar a esta senhora que a Petrobrás foi colocada de joelhos sob o seu comando, sob a sua administração e sob a sua responsabilidade, e que agora, lamentavelmente, implora por um tiro de misericórdia ou de um salvador da pátria que a tire deste estado deplorável, sofrível e vergonhoso em que se encontra.

Luciano de Paoli lpaoli@uol.com.br

São Paulo

*

RESPONSABILIDADE

Será que o PT não foi o responsável pelos prejuízos da corrupção na Petrobrás? Mas, sim, o Dalai Lama, o papa ou Madre Tereza de Calcutá?

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com

Campinas

*

AGILIDADE JUDICIAL

Na linha de que um crime jamais pode compensar, o implacável juiz Sérgio Moro, da Justiça Federal do Paraná, condenou esta semana, por supostos crimes de lavagem de dinheiro e organização criminosa, 7 dos envolvidos nos desvios de recursos da Refinaria Abreu Lima (PE), como se investiga na Operação Lava Lato. Inclusive o ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef, que, mesmo optando pela delação premiada, não tiveram refresco e vão passar parte de sua pena trancafiados em algum presídio do País. E ainda devem pagar, somente pelos desvios da refinaria de Pernambuco, uma multa de R$ 18,64 milhões, a favor da Petrobrás. A esses valores se juntam também recursos a serem repatriados (se tiverem) do exterior e bens apreendidos destes corruptos. Ou seja, essa é uma pequena amostra do que poderá ocorrer com os empresários, diretores da Petrobrás, doleiros e políticos que roubaram as nossas estatais, diga-se, com a anuência do governo petista, sob a liderança de Lula e de Dilma. Azar daqueles que resistem em não colaborar com as investigações, porque, além dos bens confiscados, das multas salgadas, etc., as penas certamente serão pesadas! E nós, que sempre reclamamos da morosidade do Judiciário brasileiro, agora, para nossa satisfação, o juiz Sérgio Moro, com a competente colaboração do MPF e da Polícia Federal, dá mostra de que é possível agilizar o Judiciário.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

OPÇÃO


Caro leitor, peço que se sinta como se fosse João Vaccari Neto, tesoureiro do PT preso na Operação Lava Jato. O que você faria? Pense bem antes de responder. Se abrir o bico, pode virar um Celso Daniel, e, se ficar calado, pode mofar na prisão como Delúbio Soares. É difícil, se correr o bicho pega, se ficar o bicho come. Qual foi a sua opção?

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

A FAMÍLIA VACCARI

Gostaria de saber se a sra. Marice Correa de Lima, cunhada do sr. João Vaccari Neto, tesoureiro do PT, tem um emprego formal e qual seria. Além disso, sua ida ao Panamá, para um congresso, suas férias na Costa Rica e os depósitos mensais que fazia na conta corrente da esposa do sr. Vaccari eram pagos por quem, por ela própria ou por nós, por meio das propinas da Petrobrás? Com a palavra, a família Vaccari.

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

*

TESOURARIA

O "Vacca" que ri está bem próximo de chorar. Com as filmagens obtidas pela Lava Jato, de sua cunhada depositando dinheiro na conta de sua mulher, as coisas não caminham bem. Será que a família toda irá bater com os costados no xadrez? Aguardemos.

Iracema M. Oliveira mandarino-oliveira@uol.com.br

Praia Grande

*

A EXTRADIÇÃO DE PIZZOLATO


A Justiça italiana concedeu a extradição de Henrique Pizzolato, condenado no Brasil por crimes financeiros no processo do mensalão. É de esperar que o Brasil conceda, agora, a extradição ou deportação para a Itália do condenado por crimes de sangue Cesare Battisti, até agora acobertado por Lula e apaniguado por seu amigo Eduardo Suplicy.


Hélio de Lima Carvalho hlc.consult@uol.com.br

São Paulo

*

CONTINUAMOS NO TERCEIRO MUNDO

A extradição do Pizzolato demonstra que o País está submetido por seus governantes a uma ideologia retrógrada, criminosa e em que os fins justificam os meios, que prima pelos equívocos nas relações externas e que a Itália agiu sabiamente ao livrar-se de um cidadão desonesto e que nada teria a contribuir com a sua sociedade.


Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

DESCONTO DESNECESSÁRIO

Henrique Pizzolato terá o tempo de prisão na Itália descontado da pena que irá cumprir no Brasil. Creio que o tempo que ele irá permanecer preso no Brasil será tão curto que nem seria necessário desconto.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

JUSTIÇA SEM POLÍTICA

A decisão do governo italiano de extraditar Henrique Pizzolato sem envolver o caso de Cesare Battisti nas suas considerações mostra bem o grau de civilidade e imparcialidade jurídica daquele país. É clara demonstração de que é possível, sim, fazer justiça sem necessariamente politizar os fatos. Algo absolutamente impensável, segundo a tônica lulopetista de não dar ponto sem nó.

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

O HOLOCAUSTO DO POVO ARMÊNIO

O Brasil reconhece o Holocausto judeu, mas não reconhece o Holocausto armênio. Talvez o governo da Armênia não tenha condições políticas (nem econômicas, certamente) de exigir dos países o reconhecimento do genocídio de seu povo perpetrado pelos turcos do Império Otamano. A Armênia, além de cristã, é paupérrima e é vigiada pela Rússia. E não conta nem com a História, nem com a literatura, nem com o cinema, nem com a mídia, nem com a propaganda. E também não conta, principalmente, com "filmes" da época do massacre. E está combinado (entre muitos países) que não se deve cobrar da Turquia o seu reconhecimento do Holocausto armênio, pois a Turquia é um país muçulmano e nenhum país quer se indispor com países muçulmanos. No dia 24 de abril de 2015 completou-se um século do Holocausto armênio. O Brasil não reconhece o Holocausto armênio, mas não me proíbe de, respeitosamente, homenagear o povo armênio.

Ney José Pereira neyjosepereira@yahoo.com.br

São Paulo

*

A EPIDEMIA DE DENGUE

Os americanos já aconselham os seus sobre a epidemia de dengue no Brasil, indicando formas de proteção para os que aqui virão. É bom que saibam até onde chegou a saúde pública no País, onde o lulopetismo está mamando por mais de 12 anos. Assim, as revoltas populares não são justas?

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL

Realmente, sra. Miriam Alves ("Estadão", 24/4, A18), a senhora tem razão, a saúde no Brasil está abandonada, mas a saúde de Cuba, Bolívia e Venezuela deve estar melhor, com nossas verbas doadas pelos petralhas.


Dirceo Campora dircampora@.gmail.com

São Paulo

*

CANABIDIOL

Finalmente a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), após impor tantas exigências, regras e normas para conseguir importar o Canabidiol, um medicamento derivado da maconha, comprovadamente testado e eficiente para o tratamento de doenças neurológicas graves, finalmente o liberou. Acredito que a preocupação dela era que fosse comercializado como droga, mal sabe ela a quantidade de maconha que entra no País por terra, ar e mar...

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

FUTEBOL E ARBITRAGEM ANTIÉTICA

Que incrível coincidência: foi só Eurico Miranda voltar a comandar o Vasco da Gama para as arbitragens voltarem a favorecer o clube e a prejudicarem os adversários. Em 17 jogos, foram 8 pênaltis a favor do Vasco. Na semifinal contra o Flamengo, a vitória veio de um pênalti completamente inexistente. É revoltante ver o futebol perder para as más arbitragens e para os cartolas antiéticos. Se é assim, melhor nem jogar e entregar logo a taça para o Eurico Miranda. O Botafogo que trate de se precaver e botar as barbas de molho.


Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo 

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.