Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

12 Outubro 2011 | 03h03

Engabelação

Dilma Rousseff planeja agora utilizar o marketing para nos iludir cada vez mais e dessa forma fazer com que a população vire a página da "faxina", utilizando-se do fator memória curta. Os programas anunciados envolvem iniciativas para deficientes e crianças, combate às drogas, reformas de presídios, etc. Ora, tudo isso é obrigação do governo e já deveria estar concluído há tempo, em face da situação a que se deixou chegar. Ou seja, são ações e atitudes manipuladas e divulgadas, na companhia de Lula, só para inglês ver.

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

Página virada, não

A mensagem da presidente Dilma traz o recado subliminar de que o combate à corrupção está encerrado no Brasil. Tratar-se-ia de uma "página virada", que dará lugar à dedicação do tempo governamental ao desenvolvimento e ao combate à miséria. Obviamente, não é esse o sentido, mas melhor seria uma declaração dos objetivos acompanhada de que sua persecução seria feita sem prejuízo de um combate implacável à corrupção, políticas que não se excluem. No mínimo, os corruptos, que voltam a animar-se, permaneceriam assustados.

AMADEU R. GARRIDO DE PAULA

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

Mais oxigênio na fogueira

Deixa ver se eu entendi. Para mostrar à população que não está somente combatendo a corrupção deslavada, "herança bendita", a madrasta do PAC vai "investir" R$ 14 bilhões em obras? Ou seja, vai dar chance para a tigrada se digladiar por mais esse "dinheirinho"...? É isso mesmo?! Será que teremos "investimentos" no Amapá e no Maranhão? Minha Nossa Senhora Aparecida!

RENATO CAMARGO

natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

Procissão e passeata

Que beleza ver 2 milhões de católicos fervorosos na procissão do Círio de Nazaré! Ótimo ver centenas de milhares de pessoas na passeata do orgulho gay! A pergunta que fica: quantos desses participarão hoje das passeatas de protesto contra a corrupção que marca nossa Lulândia como um dos países mais corruptos do mundo? Uns 10 %? Nem isso, creio.

LAÉRCIO ZANNINI

arsene@uol.com.br

Garça

Pra frente, Brasil

Conforme as notícias na mídia, grupos planejam para hoje, feriado de 12 de outubro, manifestações anticorrupção em vários Estados. Boa atitude. Espero que ocorram em clima de tranquilidade, sem violência. Não está em jogo disputa de poder nem idealismo de esquerda ou de direita, como no passado. O que se deseja é a moralização do País. O fim das roubalheiras divulgadas pela imprensa. É um protesto em prol do Brasil. Um bom exemplo a ser seguido é o dos caras-pintadas. O objetivo é um ataque à classe política em geral e tem como bandeiras o fim das votações secretas no Congresso Nacional, a validação da Lei da Ficha Limpa e a transformação da corrupção em crime hediondo. Gostaria que fosse incluído outro item importante para o País: a apuração de desvios e malversações de dinheiro público nos últimos dez anos. Este tópico é de suma importância. Uma boa pedida também é exigir o fim do terrível foro privilegiado. O brasileiro está ficando responsável a ponto de exigir os seus direitos de forma legal e pacífica.

NEY MACIEL BRABO

ney.brabo@ig.com.br

Santos

Acredite, se quiser

A estimativa de desvios da ordem de R$ 1 bilhão no Amapá, apurada no inquérito final da Operação Mãos Limpas da Polícia Federal, dá por si só a dimensão do descalabro que são os desvios de verbas públicas no Brasil. Se um Estado pobre e com pouco mais de 600 mil habitantes se permite esse grau de corrupção, o que se dirá de outros onde imperam as ratazanas. E com esse pano de fundo dona Dilma crê que o povo de seu país em breve se convencerá da necessidade de mais tributos, para aumentar o ralo por onde se esvaem os recursos destinados à saúde pública. Dá para acreditar?

SILVIO NATAL

silvionatal49@yahoo.com.br

São Paulo

Epidemia

O Estado do Amapá, um dos mais novos do Brasil, em lugar de optar por um sistema de transparência na política, preferiu aderir à corrupção generalizada que infesta todo o País. Parece que a epidemia tomou conta de vez e nenhum governo escapa aos seus aliciamentos. E a nós, o povo, só resta ficar a postos, vendo a bandalheira passar... Em tempo: não é esse o Estado representado pelo ilustre senador José Sarney? Com ele, a palavra.

RUTH DE SOUZA L. HELLMEISTER

rutellme@terra.com.br

São Paulo

*

CENSURA

Crítica de Dinho

A Nação brasileira está acordando! Como nos anos 60, volta a força da música a incomodar as oligarquias geradoras da corrupção que nos assola. O velho lobo ficou balançado. Sempre no seu estilo "toma lá, da cá", fazendo-se de vítima que quer o troco quando dá. Saravá, Dinho Ouro Preto! Use a sua voz. Outros haverão de segui-lo.

LUCIA HELENA GARCETTI RIBEIRO

luciagarcetti@hotmail.com

Franca

Mordaça

Tentam amordaçar o Estadão, agora querem calar a corregedora nacional de Justiça... E la nave và.

ROSALVO LOPES DA SILVA

rosalvo.lopes@terra.com.br

São Paulo

*

ESCLARECIMENTO

Bolsa-Família

No artigo Doutor Lula (10/10, A2), Ricardo Vélez Rodríguez tece comentários baseados em falsas premissas sobre o Programa Bolsa-Família. Não há nenhum indício de que "as pessoas largam os empregos" para receberem os benefícios do Bolsa-Família. Ao contrário, os últimos dados do IBGE apontam que 72% dos beneficiários em idade adulta trabalham. Porém a maioria dessas ocupações é precária e de baixa remuneração. Para essas famílias o benefício serve como complementação de renda. Os beneficiários do Bolsa-Família integram o público prioritário das ações de inclusão produtiva do Plano Brasil Sem Miséria.

RENATO HOFFMANN, coordenador Ascom/MDS

joao.mendes@mds.gov.br

Brasília

 

*

UM BRASIL PARA AS CRIANÇAS

Uma vez, disseram-me que havia neste país imensas e exuberantes matas verdes que oxigenavam todo o frágil planetinha. Disseram-me que os rios eram translúcidos e cheios de vida, espelhando o azul do céu e o sorriso das crianças. Disseram-me que tínhamos riquezas incalculáveis nas minas e nos mares, capazes de abastecer a todos. Disseram-me que o solo era bom e dele qualquer semente brotaria para dar comida em todas as mesas. Disseram-me que aqui havia um povo alegre e próspero, formado por gente de toda parte, que queria apenas viver em paz com todos os povos do mundo. Disseram-me que aqui era a terra de heróis, ou seja, homens e mulheres de todas as raças que construíram este país gigante no tamanho, na hospitalidade, na fé e na alegria de viver, em meio a tantas cores e músicas, danças e expressões, comidas e cheiros – e eu acreditei!

Acreditei, mas o tempo me faz chorar diante da realidade. As matas são queimadas. Os rios poluídos. A fauna dizimada. As riquezas enriquecem a uns poucos. A produção agrícola não chega ao prato de milhões de brasileiros. E esse povo, de tantos heróis, se arrasta mendigando esmolas pelas ruas, nas cidades e nos campos. Por um “milagre”, ainda somos gigante nas fronteiras internacionais. Porém, infelizmente também somos gigantes na desigualdade social, na exploração do trabalho infantil, no desrespeito aos direitos humanos, na discriminação, na violência, no uso de drogas, no consumo de bebidas alcoólicas, na prostituição, na impunidade... Um país gigante na falta de oportunidades de trabalho, no ensino de baixo nível, no atendimento hospitalar precário, nos salários insuficientes, na pornografia... Gigante na alienação social e ideológica, disseminada pela mídia e também pelo comércio da fé... Gigante na proliferação miserável do vírus da corrupção que contagia milhares de políticos, empresários, funcionários públicos, militares, trabalhadores, comerciantes, estudantes, donas-de-casa... Ah, Brasil, onde estão os que te amam? Que estão fazendo os que cantam o teu Hino e beijam tua Bandeira? Que tipo de país tu serás para as novas gerações? O que comemoraremos nesse Dia das Crianças? Que presente daremos àquelas que no silêncio da noite são violentadas justamente por quem deveria protegê-las? O que presentearemos às que nas salas de aula não aprendem a pensar? O que daremos às meninas e meninos que nas igrejas-negócios não vivenciam a fé; àquelas que passam horas diante do vídeo e já não sabem mais brincar nem se relacionar com outros humanos?... Talvez alguém esteja pensando em bolas, bonecas, sorvetes, videogames, brinquedos com controle remoto, ida ao shopping ou um sanduíche. Porém, tudo isso jamais substituirá as verdadeiras lições formadoras do caráter e da personalidade, como a fé em Deus, o conhecimento da História, a construção coletiva da Ética, o enraizamento do Civismo, a prática da Solidariedade e o respeito a toda vida planetária. Lições estas que deveriam ser aprendidas em casa, na escola e na igreja. Um Brasil para as crianças precisa por em prática as tantas leis que já existem. Eu e você precisamos verdadeiramente cuidar dos filhos desta Pátria. Somente assim teremos adolescentes, jovens e adultos comprometidos com o bem-estar pessoal, coletivo e ambiental. Um Brasil que faça valer os direitos das crianças em ações cotidianas. Já chega de ausência dos pais, de promessas de políticos, de verborragia acadêmica e de discurso religioso que impedem o compromisso pela melhoria da qualidade de vida. Espero que este ano tenhamos um melhor Dia das Crianças. Ainda é possível acreditar na Pátria Amada!

Moisés Selva Santiago moisessantiago@correios.com.br

Porto Velho

*

‘CARPE DIEM’

Enquanto se discutem técnicas de expurgo, manifestações ou expedientes socorristas contra a imoralidade que assola o “país da corrupção escancarada”, o auxílio à dignidade nacional se atrasa pela inoperância cívica. O desalinho ético, e desrespeitoso de um ministro de Estado declarando publicamente: “não me importa a opinião pública”, demonstra o estágio putrefato que assola os Poderes republicanos e aduz a total desfaçatez à força popular que adulam, mas tem em seu íntimo como omissa, acabrunhada e até covarde. Tais desígnios, e como nunca o foi, trazem tantos e quantos infortúnios ao que a nação arca pela magistral incompetência e pela falta de ética na gênese dos homens públicos brasileiros. Assistimos a um festival de patifarias. Os vínculos entre a formulação de um estado de legalidade a escabrosas situações, não importando a moralidade, atam os delituosos do mesmo nível de responsabilidade e baixeza de caráter. Um acoberta o outro, ou até o inocenta em Cortes formais. A moral passou a ser subjetiva para legisladores e nas altas Cortes do país onde se amontoam processos ao vil interesse de “poucos”. Mesmo assim, o corporativismo togado se insurge quando “molestado” por vagar sem produzir ao que minimamente poderia se esperar. A classe média se compraz no “TER, e não no SER”; deixam seu ego com os agiotas. Os moços, moças, estudantes não fazem jus a atributos próprios da jovialidade em revolucionar e inovar, estão entregues ao peleguismo de carreira. São parvos, poucos são os que pensam no futuro e sabedores da porta estreita, e dos limites da sábia destra que os aguardam. O povo, já inconsciente dos limites da decência, caminha sob a orientação dos versados guardiães do populismo fisiológico que tomou todos os Poderes de assalto. São eles as fontes de referência àquilo que seja um bom futuro aos incautos. Que país é este? Uma nau sem rumo e ao sabor dos ventos! Em verdade aqui estamos, pois este é o nosso lugar, é o nosso momento e o nosso merecimento. São nossas provas e que nos envidam a fazer ressurgir no povo os caráteres da moral, da liberdade, da ordem e do civismo e respeito às leis que é por onde prosperam os Estados e a honra das nações e das famílias. Será inútil nossa passagem pela vida se não a fizermos valer a pena, e sem a perpetrarmos em evolução nos bons propósitos. Nosso destino tem apenas dois selos herméticos, um que se abre quando aqui chegamos com nossa veste carnal e outro que nos vale quando em espírito, despojados dessa veste, partimos para a pátria espiritual. No interstício de tempo ali marcado, que não se pode predefinir por um calendário, mas pode-se ao fim dele mensurá-lo em conteúdo e qualidade daquilo que nele foi feito em prol do próximo. Aqui se consagra o maior ensinamento do Evangelho de Cristo, neste senso da espiritualidade transcende-se a tudo e faz–se verdadeiro o respeito ao convívio entre os homens. Durante o transcurso nos cabe o livre arbítrio, nada que não possamos querer ou fazer, tal qual ninguém poderá se evadir da saída quando o destino lhe asseverar o fatal e derradeiro momento. É um breve trajeto dentro da eternidade de nossas almas, em que possa pesar contrariedades e as crueldades dos homens como estes que dirigem o país; porém, o mal afligido sempre há de ser menor que o bem que possamos fazer e perpetrar, basta que queiramos. Basta que cada membro desta geração, valha-se de seus corações e mentes em produzir a este país o mais fiel desejo e doravante se pautar pela tarefa de mudar os destinos da nação, plantando um futuro melhor, deixando assim um legado virtuoso aos que nos seguirão. Como? Com aquilo que possuímos e que dinheiro algum pode comprar. É a hora das responsabilidades. O MAL é apenas a ausência do BEM! Tal qual a escuridão é a ausência da luz; jamais a escuridão se sobrepõe a luz quando esta persiste, assim também ocorre com o BEM em relação ao MAL. Façam valer suas vidas, um dia após outro como se fosse hoje o último – Carpe diem.

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

12 DE OUTUBRO

Neste dia 12 de outubro, no espelho do dia da padroeira do Brasil, comemoramos também o dia das crianças. Essas criaturas, que Jesus já nos chamava a atenção para com elas (Deixai vir a mim as criancinhas e não as impeçais, Luc.18,16). As crianças bem nascidas, culturalmente bem educadas e encaminhadas para um futuro pródigo não nos preocupam tanto quanto as que, desprovidas do mínimo amor necessário, proliferam por este país afora. O Brasil como um todo é um país maravilhoso, mas incompetente para tratá-las com as necessidades mais prementes. É nesse vácuo entre classes que nos lembramos das crianças abandonadas, dos adolescentes infratores, das mães sofridas, das noites mal dormidas e das necessidades materiais insuficientes, na maioria das vezes. Pela pátria sofrida com a corrupção endêmica, pela falta de fé pública nas instituições, nos desperdícios incomensuráveis de valores que serão gastos nas aventuras Copa e Olimpíada, pelos hospitais mal equipados, pela educação mambembe e segurança "insegura" é que clamamos a Nossa Senhora Aparecida que interceda por nós e clame ao Pai para que o mesmo continue a ser "um Deus brasileiro".

Aloisio Arruda De Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

*

DIA DE PROTESTOS

O senador Pedro Simon (PMDB-RS) convocou a sociedade a sair as ruas nessa quarta-feira para protestar contra a corrupção que assola nosso país. Embora eu pressuponha que o senador tenha razão, acredito que muitos que o ouviram inflamado quando fazia a convocação, talvez não imagina que esse mesmo Pedro Simon, já está na política brasileira a mais de meio século, e, grande parte desse período sempre atuou no alto escalão de nossa política.

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

DIGNIDADE NA POLÍTICA

 

No nosso país a esmagadora maioria dos habitantes é gente honesta que trabalha, produz, paga o que deve ao governo e procura viver em paz. Neste mesmo país os representantes do povo, salvo honrosas exceções, cuidam principalmente de seus interesses particulares usando os instrumentos da corrupção, da concussão associadas a uma infinidade de artimanhas delituosas e ao descaso daqueles que deveriam fiscalizar e garantir ética e transparência. Lamentamos os cada vez mais freqüentes casos de corrupção. Conhecemos seu alto custo, mas temos que admitir que a culpa é nossa. Para devolver dignidade a política e melhorar o País, precisamos aprender a dizer basta aos desonestos. Precisamos aprender a pensar bem em quem votar. Aprender a votar a favor da legitimidade procurando abrir os olhos das pessoas pouco informadas, das classes menos favorecidas que são as mais fáceis de ser iludida com promessas dificilmente cumpridas. Espero que a parte sadia do país que representa a maioria possa levantar  sua voz  e as bandeiras da  moral, da  ética e da dignidade.

 

Franco Magrini framagr@ig.com.br

Cachoeira Paulista

*

PACOTE ANTIFAXINA DE DILMA

Para fazer com que os cidadãos se esqueçam da necessidade premente de se faxinar o ambiente político, da urgência de saneamento moral na máquina de seu governo, Dilma vai lançar um pacote de programas turbinados com investimentos que somam quase R$ 14 bilhões até o final de  sua gestão... e administrados em doses homeopáticas para ser continuamente absorvido pela população, já que, a cada duas semana será divulgada uma ação de impacto. Só que a população não se deixará mais enganar, mesmo porque,  no meu entender... está muito evidente que Dilma colocou mais R$ 14 bilhões para ser distribuído entre os 40 ministérios onde se alojam as tais feras corruptas  e tão gulosas de dinheiro...corruptos que conhecem bem a senha de acesso ao tesouro. O "abre-te sésamo" da história de Aladim, hoje  é  o "toma lá dá cá" de Dilma, de Lula, ou de ambos. Portanto, a expectativa é a de que tudo continue igual ou pior até o fim do governo de Dilma... pois ela precisa destes corruptos para dar continuidade ao seu governo, e os corruptos precisam da impunidade para sobreviver a qualquer governo. Por isso, hoje vamos às ruas exigir faxina? Não dá mais prá segurar... explode, coração!

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

ESCOLHA DE SOFIA

Em vez de faxinar a casa, Dilma prefere pagar propina aos ratos.

 

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

BRASIL E BÉLGICA

A Bélgica passou por um período de quase 500 dias sem governo e finalmente chega a um acordo político. Aquele país manteve sua vida cotidiana, sua credibilidade  e suas instituições em operação.

Aqui no Brasil, quanto mais governo ( e coisa pública), mais corrupção, ineficiência e bandalheira. Chegamos a situação limite em que qualquer declaração, promessa ou explicação de políticos , membros de governo e do judiciário e funcionários públicos não merece mais crédito. Não há liderança com moral para a vida pública e parece que não teremos tais figuras para os próximos anos e assim, não temos em quem votar. Fim do mundo? Ainda não, mas caminhamos para uma situação perigosa, de quebra total da confiança no país. Que surja logo, de dentro da população e seus movimentos, uma nova geração de gente de bem para "tocar" o país  e, principalmente resgatarmos os valores do trabalho, ética e respeito às leis.

 

André L. O. Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas

*

ANO ELEITORAL

Gilberto Kassab, que em 2012 terá um orçamento invejável, anunciou que irá transformar São Paulo num verdadeiro canteiro de obras. Até aqui tudo bem, não fosse o fato de ser ano eleitoral. Mas cabe perguntar ao prefeito se estas obras que ele pretende iniciar serão terminadas, pois grande parte das obras iniciadas pela atual gestão estão abandonas. A gestão de Kassab tem como marco o início das obras, mas não as conclusões destas. Abandonado está o Parque Linear de Itaquera (há anos em construção), o córrego na Rua Bartolomeu Ferrari (que teria 90 dias para conclusão, e que, no entanto há mais de 60 dias está parado), as praças de São Paulo que se tornaram verdadeiros lixões, escolas abandonadas, ruas sem asfalto, outras asfaltadas sem a recuperação asfáltica necessárias. Problemas na saúde, etc...

Não seria mais prudente, Sr. prefeito, terminar as obras já iniciadas?

Mário Grego mariogrego@uol.com.br

São Paulo

*

PARTIDOS DE QUEM?

Findou no último dia 7 de outubro o prazo para as filiações partidárias aos que no ano que vem, pretendem se lançar candidatos na eleição proporcional ou na majoritária. A exatos 365 dias do primeiro turno de 2012, todos puderam acompanhar o intenso troca-troca de postulantes há cargos públicos nas esferas municipais de todo o país, até os últimos minutos úteis da sexta-feira passada. A “janela de transferência partidária” ficou parecendo o Campeonato Brasileiro de Futebol, quando até o meio do torneio, atletas podem ser contratados para jogar no exterior e vice-versa. No futebol já não é uma prática muito louvável, já que o jogador deveria ter compromisso com o seu time de origem, mas razões econômicas fazem com que haja interesse tanto dos clubes quanto dos jogadores nessa transação. Agora, na política?! Dada a proporção que tomou essa “orgia partidária” praticada no Brasil, esse fato só não espanta mais, porque já vivemos no país dos absurdos desde sempre, e devemos estar anestesiados com tanta canalhice. Nesta terra vemos políticos pular de partido em partido, ao sabor de suas conveniências pessoais, sem que se sinta obrigado a dar uma mera satisfação aos seus eleitores, e pior, sem nenhuma sombra de caráter ideológico ou programático na transferência. Tudo é feito apenas por interesses eleitorais urgentes ou para sair da incômoda oposição e aderir à situação de plantão. Chegamos ao extremo de ver criado o primeiro partido do mundo, que “não é de esquerda, nem de centro e nem de direita”, o PSD, conforme seu criador, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, o definiu. E olha que esse dinossauro “de ficção” já nasce como o quarto maior partido do país em bancada no Congresso Nacional. Uma aberração do nosso tempo. Exigir ideologia de um político brasileiro parece tão absurdo quanto se exigir honestidade. O que deveria ser exceção virou regra no país onde “José Sarney é um incomum”. Hoje em dia no Brasil, as maneiras mais fáceis de ficar milionário são fundando um banco, uma igreja ou um partido político. A democracia vem sendo judiada por aqueles que só veem na política, a sua oportunidade de ascensão socioeconômica, e não uma ação efetiva em prol do coletivo, da sua comunidade. É claro que eles também fazem muita caridade com chapéu alheio, na pior característica do velho clientelismo, para manter grandes estratos da sociedade dependentes de suas ações. Muitos enxergam e tratam pessoas como se fossem manadas. Nesse caldeirão de letras que virou o quadro partidário nacional, onde daqui a pouco vai faltar alfabeto para tantas siglas, está faltando democracia partidária, renovação de quadros e mais realismo do que os cidadãos verdadeiramente estão precisando. O Brasil tem potencialidades que todos estamos cansados de ouvir, mas existe um obstáculo que persiste em atrasar a nação, e não é só corrupção, mas a princípio, a falta de comprometimento dos políticos com o seu povo. Depois de eleitos, eles desaparecem e saem da realidade, egos já inchados se aplumam ainda mais, e a população acaba esquecida pelos “tantos afazeres”, como CPI’s inúteis, estudos franciscanos para se aumentar a arrecadação, criação de leis anacrônicas, buffets à francesa, reuniões em palácios, votações secretas, cafezinhos, entrevistas, férias, diárias, jetons...

Sandro Ferreira sandroferreira94@hotmail.com

Ponta Grossa (PR)

*

HENRIQUE MEIRELLES NA DISPUTA

Kassab está achando que vai dar um golpe de mestre, com a provável candidatura do sr. Henrique Meirelles à prefeito de São Paulo. Com a transferência do domicilio eleitoral de Goiás para São Paulo, Kassab espera que o sr. Meirelles seja o candidato do PSD nas eleições municipais de 2012. Em primeiro lugar, condeno a transferência de residência dele, assim como de Bruno Covas, por entender que são oportunistas. Eles não conhecem  nossa megalópole, um por ser da cidade de Santos, e o sr. Meirelles  por apenas conhecer o trajeto do hotel para o aeroporto e vice versa, quando muito  outros locais em que foi conduzido quando aqui esteve, principalmente como presidente do Banco Central. Não desmerecendo-o, foi um executivo do Banco de Boston por longos anos, conhece o mercado financeiro como poucos, apesar de sua formação em engenharia, pela nossa Escola Politécnica/ USP. Mas querer ser prefeito de São Paulo vai uma longa distância. Primeiro que não conhece nossa cidade, nem sabe onde ficam Capão Redondo, Jardim Angela, Grajau, São Matheus, Itaim Paulista e tantos outros bairros de nossa periferia, nem sabe do que esses moradores necessitam. Sua fala é muito técnica e pernóstica, difícil para a compreensão da  grande massa, terá muito que aprender nesse aspecto. E tenho certeza que ficará em palpos de aranha caso consiga esse cargo, pois falta-lhe traquejo para lidar com as  excelências da Câmara Municipal,  que são muito "expertas". São Paulo tem candidato, muito melhor do que o sr. Meirelles, pessoa que já provou que conhece, e sabe como poucos como administrar nossa cidade, pois trabalhou nas duas ultimas gestões do sr. Serra e Kassab, trata-se do Sr. Andrea Matarazzo. É uma pena que seu partido não reconheça os serviços prestados por esse  excelente gestor, e que o governador Alckmin  se faz de cego, preferindo pagar sua dívida de gratidão com a família de um  ex-governador.

Agnes Eckermann agneseck@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

COMPETÊNCIA DUVIDOSA

 

Muito nos surpreende a pretensão de Henrique Meirelles de   pretender postular à prefeitura de São Paulo, pelo PSD, partido de Kassab. É inquestionável a competência de Meirelles mostrada  quando presidente do  Banco Central       durante a era Lula. Na verdade é um homem adistrito à área de finanças, destarte de competência duvidosa para o enfrentamento dos grandes problemas que assolam a cidade de São Paulo, metrópole de imensas proporções. O desejo de poder é mesmo um sentimento do qual muitos homens não escapam. É mesmo um sentimento inebriante.

 

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

HENRIQUE MEIRELLES

Gilberto Kassab acertou na mosca.

Olympio F.A. Cintra Netto ofacnt@yahoo.com.br

São Paulo

*

BOA EXPERIÊNCIA

Henrique Meirelles provável candidato à Prefeitura de São Paulo? Até que seria uma boa experiência ter um grande executivo no comando da cidade, um gestor de peso e respeitado internacionalmente. Meirelles teria força e disposição para encarar mudanças necessárias encalacradas em qualquer parte da política nacional?  Com certeza para colocar a administração de São Paulo nos mesmos níveis das grandes metrópoles mundiais, precisará de muita garra, disposição e força, porque os obstáculos serão muitos. No entanto até que parece uma opção diferente entre os outros prováveis candidatos. Mas, ter pretensão de governar a maior cidade do país é uma coisa e Meirelles tem um longo caminho até chegar lá. A começar falando a língua do povo para ser eleito.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

BEM FEITO

Já dá para visualizar o próximo prefeito de São Paulo e o sucessor da Dilma Rousseff em 2018. Bem feito ao PSDB. Bem feito ao Aécio Neves, bem feito ao Alckmin e bem feito ao presidente do PSDB, que mais parece uma barata tonta.

Clézio D.l Goulart clezio_goulart@yahoo.com.br

São Paulo

*

MAIS DO MESMO

Se o Partido dos Trabalhadores, criado por homens que diziam estar comprometidos com idéias e ideais, sob a premissa de que seria uma legenda diferente das até então existentes, posicionando-se como intransigente defensora da honra, da moral e da ética na vida pública, virou esse "balaio de gato" que aí está, repleto de novos ricos, que fizeram da política um mero instrumento para acúmulo de fortunas, imagine-se o que ocorrerá com esse tal PSD, um partido que já nasce sob o signo do oportunismo político e eleitoral. Se os petralhas, com toda aquela sua antiga pose de "honestidade total e absoluta", deixaram-se transformar em verdadeiros "gigolôs de verbas públicas", abrindo mão de forma descarada, daquela conversa mole de que não roubavam e não deixavam roubar, o que podemos esperar de um partido formado tal e qual um colcha de retalhos, juntando homens sem qualquer compromisso ideológico, que resolveram montar uma nova legenda, tão cartorial quanto as demais, única e exclusivamente para resolver pendências eleitoreiras. É triste, mas é verdade! Esse tal PSD, já nasce com o estigma do "arrumadinho", cooptando para seus quadros qualquer tipo de político que esteja disposto a participar dessa empreitada eleitoreira que visa acomodações de lideranças em relação aos futuros pleitos. Alguém tem dúvidas de que não é esse "partidinho feito nas coxas", que já nasce com o feitio "coronelianista", não tem nada que preste para acrescentar ao já apodrecido processo eleitoral praticado nesse Brasil Tiririca? É apenas mais um...

 

Júlio Ferreira julioferreira.net@gmail.com

Recife

*

PSD

Só muda a embalagem. Os ingredientes são os mesmos.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

PAULISTANOS, RESISTAM

O apetite de poder pelos petistas é de uma voracidade pantagruélica. A Prefeitura de São Paulo, mais uma vez, passou a ter prioridade tal qual a conquista do último bastião de uma cidadela até então inexpugnável. Marta, Haddad, Meirelles, entre mais de uma dúzia de pré-candidatos,estes, sem nenhuma chance de chegar ao cargo, para felicidade de São Paulo.Haddad e Martha  pretendem apoio do ex-presidente e de Dilma. Uma autêntica cizânia, uma guerra intestina que transforma o partido do governo em um saco de gatos com um cachorro dentro. Se a economia  vai de trem-bala, a política, vai montada num cágado sedado. Martha quer a Prefeitura de São Paulo ou a presidência do Senado.É o ciclo das Luluzinhas no poder. São Paulo é a locomotiva do Brasil e sempre fará prevalecer o seu lema: non ducor duco.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

HESITAÇÃO

Por duas vagas a mais, passaram o PSDB prá trás... continuem assim "estrategistas" do partido de oposição. Continuem com essa hesitação, churrasqueando as vaidades na fogueira. Com nomes valorosos, como Andrea Matarazzo e Pedro Malan nos seus quadros, esperam o quê?

 

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

São Paulo

*

VAMOS MUDAR AS MOSCAS

O senador Aécio Neves (PSDB-MG), em recente entrevista disse: "Se for a vontade do partido, estarei pronto para disputar com qualquer candidato do campo do PT, seja Lula ou Dilma". Analisando as brigas internas desse partido que já duram oito anos, chaga-se facilmente à conclusão de que a cúpula partidária só visa interesses fisiológicos, ambições e vaidades pessoais, o que justifica plenamente as vergonhosas e consecutivas derrotas para um PT, que, pelo menos na última eleição, foi às urnas sem nenhuma proposta séria de governo, levava na bagagem um rastro de corrupção jamais visto na República e ainda apresentou como candidata uma mulher que nunca recebeu um voto, passou pela iniciativa privada administrando uma loja de R$1.99, que faliu, e só era conhecida de Luiz Inácio Lula da Silva... foi eleita. Com relação ao pretenso candidato, eu gostaria que ele assumisse oficialmente o cargo de provedor do acervo de Tancredo Neves. Assim poderia melhor curtir a família, dirigir embriagado pelas ruas de Ouro Preto, com carteira de habilitação vencida, em veículo com documentação irregular, e se negar a fazer o teste do bafômetro. Estaria em casa.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

PROJETO PARA O PAÍS

Os líderes do PT tentam esvaziar a ressurreição de Aécio dizendo que os tucanos não têm projeto para o País. De fato o PSDB não tem nada que se pareça com o projeto do PT: implantar uma ditadura de esquerda através de uma revolução gramscista... que aliás já se faz notar pela destruição gradual das instituições democráticas. Ave, Aécius!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

AÉCIO

Enquanto a gente sonha acordado, a esta altura do campeonato, PT e PSDB devem estar acertando detalhes sobre como embrulhar a classe média, já que a elite e os bolsistas-família estão no papo. Depois, é só rachar os ministérios, meio a meio.

Conrado de Paulo conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

*

O OCASO PROVÁVEL DO PT

O projeto de poder de vinte anos do PT deve morrer na praia. Ou mais precisamente, nas montanhas de Minas Gerais. Se o candidato for Lula, o tema de Aécio será a obesidade do Estado derivada da gordura dos companheiros que o aparelharam. Se for Dilma, o tempo tirá ao jovem carismático e que sorveu as principais habilidades do avô, quais as justas críticas que merecerá seu governo. O Brasil merece recompor-se da tragédia de Tancredo, em busca do tempo perdido.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

CANDIDATO

O senador Aécio Neves (PMDB-MG) declarou que pretende concorrer à Presidência da República em 2014. Quando governador de Minas o Aécio Neves com um projeto de sua autoria efetivou 98 mil funcionários não-concursados (Estadão 6/11/07). Mais recentemente em abril deste ano ele cometeu uma inflação no trânsito no Rio de Janeiro por dirigir alcoolizado, se recusou a fazer o teste do bafômetro, foi multado e teve a carteira CNH apreendida por estar vencida. Será que dá para confiar como candidato a presidente da República?

Edgard  Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

AÉCIO DÁ A LARGADA

Como bom mineiro que é Aécio Neves, em sua entrevista ao Estadão (9/10/11), se apresenta a três anos do pleito como possível candidato do PSDB, a Presidência da República. Se para muitos essa discussão é precipitada e surpreendente, para o PT, não deixa de ser uma saia justa, porque foi encurralado a se defender. E um possível silêncio do Lula, ou da Dilma, sobre o assunto, será configurado como um nocaute político. O ex-governador de Minas, não está sozinho nesta empreitada. Certamente gente graúda dos principais partidos hoje aliados do PT deu sinal verde para que Aécio peitasse os alojados no Planalto. E com isso as eleições municipais de 2012, certamente ganham um novo contorno, e muitos assuntos nacionais prioritários, como saúde, educação, infra-estruturar, etc., e jamais resolvidos pelo petismo em quase nove anos no poder, estarão sendo antecipados, para o bem da Nação. É bom lembrar que o PSDB, enquanto governo federal, asfaltou áreas sociais, como o Bolsa-Escola (hoje Bolsa-Família), colocou 97% das crianças nas escolas, criou o Real, debelando a inflação, introduziu Lei de Responsabilidade fiscal, privatizações, saneamento do setor bancário, e muito mais.  Ou seja, um currículo a dar inveja, principalmente ao PT, mas por falta de civilidade pública se nega a reconhecer avanços institucionais de seus antecessores. Até o mensalão o lulismo não reconhece como obra do petismo, mesmo com os seus quadrilheiros denunciados no Supremo...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

JOVEM TALENTOSO

Só Aécio, jovem talentoso, idealista, corajoso e  carismático, poderá derrotar a dinastia petista e  completar o sonho e ideal planejado de JK, com a efetiva reforma agrária e o "slogan": "5 anos de  agricultura e 50 anos de fartura".

João Rochael jrochael@ibest.com.br

São Paulo

*

NOVO PRESIDENTE

Se houver de fato uma luz no fim do túnel para reabilitar e ressuscitar o PSDB em benefício do Brasil. Acreditamos chamar-se Aécio Neves. Já está mais do que na hora de trabalharem a seu favor. Para que possamos moralizar essa corja política que se instalou no país. A qual podemos compará-la a uma pocilga lotada de porcos famintos e insaciáveis.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

MADUROS

Uma colocação do senador Aécio Neves, na entrevista publicada no Estadão me chamou a atenção: "o PSDB amadureceu o suficiente para ver que ou vamos unidos de verdade, ou não teremos êxito." Curioso sr. Aécio, agora que o senhor entende ser a sua vez, fala em amadurecimento e união de verdade, pois em 2006 e recentemente em 2010 esta união não existiu, em especial em seu estado Minas Gerais, não é mesmo?

Maurício Lima mapeli@uol.com.br

São Paulo

*

JOHNNIE WALKER

A entrevista de Aécio Neves ao Estado deve sido após uma noitada do senador no Rio de Janeiro, declarações pífias, sem consistência, e, quem tinha dúvidas não tem mais, Aécio é um político/playboy, que não pode  ser presidente do Brasil.        

José Francisco Peres França josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

*

CHEGA DE UFANISMO IDIOTA

O artigo do sr. Pedro Malan, ex-ministro da Fazenda no governo FHC (Encruzilhadas, nossas e de outros, 9/10, A2), mostra com toda clareza o que aconteceu quando houve a renegociação da dívida externa brasileira que acabou no Plano Brady, tudo o que foi preciso para que as negociações dessem certo. Com toda a sua experiência ele não deixa de  nos esclarecer que um país como o Brasil, onde temos déficit de todo tipo de serviço ao povo (saneamento, transporte, segurança, educação, saúde), não pode pensar em ser quem vai dar conselhos a outros países, que tem suas deficiências muito menos prementes que as nossas. O que temos de sobra aqui é corrupção, impunidade, mentira, tentativas de censura de todo tipo. Chega do discurso ufanista/lulista e vamos olhar nosso próprio rabo, ou será que a presidente e seus ministros moram num país onde todas as reais necessidades do povo já foram preenchidas?

 

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

*

ALHOS E BUGALHOS

Por que o movimento dos "indignados", que ganhou notoriedade na Espanha, se espalhou para o Chile e agora ocupa Wall Street, não comoveu multidões no Brasil?  José Roberto de Toledo levanta esta questão e tenta respondê-la em sua coluna (A10-10/10). Nela compara pesquisas feitas no Brasil e Chile e conclui que a razão para a diferença entre os dois países é econômica, como se aqui vivêssemos no melhor dos mundos. Os jovens chilenos reivindicam  mais investimentos na Educação. Aqui, será que  a qualidade da Educação oferecida, por si, não seria motivo para que os estudantes saíssem às ruas pedir por si e por seus irmão menos favorecidos?  O que o colunista deixou de apreciar é o fato de que a UNE, que deveria conclamar os jovens por ideais de justiça,  ficou inteiramente indiferente aos destinos do país, cooptada (até eles!) por polpudas verbas nessa era lulopetista. O mesmo se pode dizer dos sindicatos. E não imagine o Sr. Toledo que o povo mais pobre esteja satisfeito com o aumento disparado da inflação, com a Saúde precária que os trata sem um mínimo de dignidade, com a baixíssima qualidade da Educação que lhes impede de sonhar com um futuro melhor, afora a absoluta falta de Segurança, sem me estender quanto ao Saneamento que os fragiliza ainda mais. Teria a insatisfação destes milhões de brasileiros pobres e submissos, como se expressar em passeatas? Como(!), se o acesso destes à informação é mínimo, sem contar o temor de perda de bolsas de todo tipo? Além disso, carecem de recursos pessoais para decodificar seu sofrimento, ao contrário do que acontece no Chile, onde  o catalisador das insatisfações está nas mãos de movimentos da esquerda, craque em mobilizar gente, quando os governos lhe são antagônicos. Não comparemos entretanto a situação do Chile e Brasil, sequer com o que ocorre nos USA e Espanha, ambos passando por crises a que jamais estiveram submetidos antes. Vivenciassem eles o que ocorre aqui no Brasil, já teriam saído às ruas há muito tempo e berrado aos quatro ventos contra essa corrupção nefasta que aqui corre solta e a impotência que toma conta dos espíritos diante da impunidade e da força dos poderosos de plantão.

 

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

*

NEGOCIANDO COM OS TURCOS

No governo do Lula, o Brasil teve somente prejuízos quando fez negócios com os países indígenas da América do Sul, Bolívia, Paraguai, Equador e Venezuela, agora o que podemos esperar de negócios com a Turquia? Alguém já fez algum negócio com turcos e teve alguma vantagem? Duvido! A  Europa está em crise e nós nunca saímos dela, pois a nossa crise é de competência.

 

Jose Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

DILMA NA BULGÁRIA

Do noticiário sobre a visita (B4, 6/10) da presidente à Bulgária, várias passagens merecem observações: "Estejam seguros de que o Brasil é opção segura caso sejam afetados pela redução de parceiros tradicionais," Em outro momento o noticiário da conta que "em 2011, o comércio (entre os dois países) não chegou sequer a 50 milhões de Euros. Penso que um pouco mais do que custou a viagem. 2."Mas foi a crise da dívida que permitiu a Dilma dar uma lição de como a estratégia de austeridade, resgates do FMI e cortes de salários não funcionará. Insistem nas velhas ideias". Aqui, na "superpotência", na "moita", os proventos do INSS, tem sido sistematicamente reajustados abaixo da inflação. Aposentei-me em janeiro de 91, com 100% do benefício. Passados 10 anos meu provento, atualizado, não chega a 50% do valor inicial. 3.Desconheço etiqueta diplomática, mas parece ser óbvio que um interprete deveria ter sido providenciado para uma "conversa familiar", pois a viagem teve como fundamento os laços de sangue com aquela nação. Portanto visita de interesse da presidente. E as primas, não conseguiram trocar uma palavra com a semicompatriota.

Mario Helvio Miotto mhmiotto@ig.com.br

Piracicaba

*

O BRASIL DA ALEGRIA

 

Enquanto aqui não recebemos nossas correspondências porque o governo não tem comPeTência para resolver os problemas internos, nossa presidenta enche o trem da alegria para fazer turismo familiar visitando a escola onde estudou seu pai às nossas custas. Agora, somos o Brasil da Bulgária!

 

José Alberto de Paiva alpai12@yahoo.com.br

São Paulo

*

HIPOCRISIA

Disseram que não dá para ajudar a Bulgária porque lá há muita corrupção.E agora,nosso governo  disse na ONU que a Venezuela tem "desafios" a enfrentar já que não se garante os Direitos humanos sem liberdade de expressão e Judiciário independente. Primeira constatação: até que enfim o governo petista se manifestou contra às atitudes do ditador venezuelano. Segunda constatação:é o roto falando do rasgado,já que nesse governo petista ,há ampla corrupção que assola todos os níveis do Estado  além de decisões judiciais que impedem a divulgação na mídia de atos de corrupção de graúdos. Vide o caso do Estadão...

José Eduardo Zambon Elias zambonelias@estadao.com.br

Marília

*

NOBEL PARA TOMBINI E MANTEGA

Se Sargent e Sims ganharam o Prêmio Nobel de 2011 por seus estudos sobre juros e inflação. Em breve, Guido Mantega e Alexandre Tombini ganharão também, por sua atuação ao reduzir a taxa de juros em pleno momento em que a meta da inflação está chegando ao seu teto. E Tombini garante que a meta será cumprida...

Roberto Saraiva Romera robertosaraivabr@gmail.com

São Bernardo do Campo

*

INFLAÇÃO

A espera para vermos o índice de inflação encolher para aquém do teto da meta cruzará possivelmente a fronteira gregoriana. Nossa fotografia de Réveillon pulando sete ondas de 1% cada  pende mais para realismo do que para catastrofismo. Mais preocupante é  perceber que o grau de envolvimento da consultora itinerante com a solução da crise das dívidas soberanas da União Europeia,  o equacionamento dos  problemas criados pelos loiros de olhos azuis, e com equilíbrio planetário de maneira geral, possa reduzir o envolvimento do governo com essa picuinha oposicionista que é cuidar da nossa inflação. Presidenta, contrariamente ao que lhe sussurram seus conselheiros, um pouco de inflação é como um pouco de Aids.

 

Alexandru Solomon alex101243@gmail.com

São Paulo

*

AMIR KHAIR E OS SABOTADORES

Amir Khair faz parte do grupo que, hoje, atribui a alta taxa de juros aos sabotadores do mercado financeiro. E, amanhã, atribuirá a inflação fora do controle aos sabotadores da indústria e do comércio.

Marcelo Guterman margutbr@gmail.com

São Paulo

*

NOBEL DA PAZ

Fiquei muito contente, que o prêmio Nobel da Paz foi concedido a três mulheres, que são a iemenita  Tawakkul Karman e as liberianas Leymah Gbowee e Ellem Johnson Sirleal. A mulher não é objeto sexual. Ela tem valor, que geralmente é reprimido. Estamos em pleno século 21 nada de menosprezo a mulher. Ela tem capacidade de ocupar qualquer  posto de importância.

 

Paulo Dias Neme profpauloneme@terra.com.br

São Paulo

*

LULA GANHARÁ UM NOBEL?

 

Começou a distribuição do Prêmio Nobel desta temporada com a mídia registrando as personalidades agraciadas com o mesmo. Neste mundo torto de valores, não duvido sobrar algum para o Lula.

 

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo

*

COMISSÃO DA VERDADE?

A maioria do povo brasileiro não gostou da indicação de Aloysio Nunes, para a comissão da verdade, pois a maioria da população se lembra dele nas eleições, como o candidato que apoiou o Serra e que não conseguiu explicar, os 300 mil que recebeu do Paulo Preto, suspeito de corrupções nas obras do Rodoanel de São Paulo. Se ele até hoje não disse a verdade, como que um deputado vai receber dinheiro para compra ou reforma da casa, sem se importar de quem veio e como veio, como que a nação pode confiar numa comissão da verdade dirigida por ele?

Anderson Aparecido dandersonaparecido@yahoo.com

Hortolândia

*

COMISSÃO DA (IN)VERDADE

Em seu artigo Em jogo, a História publicado no jornal O Globo de 10/10, e reproduzido com destaque no Portal Vermelho, do PCdoB, a ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, afirma textualmente: "A Câmara dos Deputados aprovou (...) a Comissão da Verdade, para investigar as violações de direitos humanos cometidas pelo Estado brasileiro entre 1946 e 1988" (grifos nossos). Desculpe-me, Ministra, mas não é bem isso que o Projeto diz. Reproduzo parcialmente seu artigo primeiro, extraído de um site do mesmo jornal: Fica criada (...) a Comissão Nacional da Verdade, com a finalidade de examinar e esclarecer as graves violações de direitos humanos praticadas no período fixado no art. 8º do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, a fim de (...)" (grifos nossos). Como se vê, Sra. Ministra, não são apenas as violações "praticadas pelo Estado brasileiro", como a Sra. escreveu, mas todas as violações, o que pode ser constatado em outros Artigos do Projeto. Vale dizer, incluem-se aí as praticadas pelas muitas organizações subversivas de orientação soviética, cubana, trotskista, chinesa, anarquista ou lá o que seja, que pegaram em armas (desde 1935) para impor uma ditadura comunista no Brasil, e não, como apregoam amiúde seus remanescentes, "para resistir à ditadura".  Para tanto, adestraram-se no exterior, redigiram manuais de guerrilha, assaltaram, seqüestraram, mataram, lançaram bombas e assim por diante, até serem anistiados e ressarcidos financeiramente. Nada daquilo constituiu violação de direitos humanos? Concordo plenamente com seu último parágrafo - "O que está em jogo é a garantia do direito à memória, o legado do conhecimento e a responsabilidade de evitar que violações de direitos humanos como essas voltem a ocorrer" - mas acrescento: para ambos os lados! Prefiro chamar de equívoco esse escorregão da ministra, em respeito ao princípio da presunção de inocência. Melhor não acreditar que sua primeira manifestação pública sobre essa discutível Comissão da Verdade tenha trazido, logo nas palavras iniciais, uma inverdade.

 

Gil Cordeiro Dias Ferreira gil.ferreira@globo.com

Rio de Janeiro

*

PIADA SEM GRAÇA

Cumprimento o professor Dr. José de Souza Martins pelo artigo publicado no jornal O Estado de S. Paulo sobre a crise moral que avassala nosso país. Corrupção em Brasília, caos no trânsito, desrespeito com pedestres e ciclistas... Até onde iremos nesta luta de todos contra todos? Sabiamente dizia madre Teresa de Calcutá: "se tememos uma criança no ventre de sua mãe, o que nos impedirá de nos matarmos uns aos outros?". Parabéns, professor.

 

Edison Minami edison.minami@hotmai.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.