Fórum dos Leitores

EGITO

O Estado de S.Paulo

13 Outubro 2011 | 03h05

Muçulmanos x cristãos

Os distúrbios que ocorrem estes dias no Egito, entre muçulmanos e cristãos coptas, nada mais são do que a consequência, amplamente prevista, da queda de ditadores dos países árabes. Organizações muçulmanas fundamentalistas, sem controle e ávidas pelo poder, perpetuam a sua histórica e cruel perseguição aos cristãos do Oriente. Se o Ocidente estimulou e apoiou a deposição dos ditadores, em nome das liberdades democráticas, não pode agora abandonar tais países à sua sorte e permitir a instalação não de ditadores, mas de ditaduras religiosas, como se viu no Irã. E está mais do que na hora de o Brasil assumir uma posição mais clara a respeito dessa questão.

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

*

SÍRIA

Promessa injustificável

A presidente Dilma, discursando na Turquia, prometeu, como tal, portanto, em nome do Brasil, "adotar posição mais dura em relação à violência na Síria. E qual é essa posição mais dura? Mandar força militar para lá? E nós, brasileiros, ficaremos como estamos, violentados, abandonados à nossa própria sorte, principalmente em termos de segurança pessoal, citadina, domiciliar, e continuaremos, por força de quadrilhas de bandidos, de sequestradores que agem em arrastão, roubando e matando a torto e a direito, obrigando-nos a sermos prisioneiros em nossas próprias casas, impedindo-nos de irmos a qualquer estabelecimento comercial, a restaurante com amigos, para não sermos massacrados? E o seu governo, com quase um ano no poder, não tomando nenhuma providência que venha pôr fim a este tremendo caos, a esta violência ao nosso direito de ir e vir livremente como cidadãos, numa omissão culposa? É contra tudo isso que a senhora deve adotar uma posição "mais dura" e urgente. Siga o adágio popular: Mateus, primeiro os meus, depois os teus.

ANTONIO BRANDILEONE

abrandileone@uol.com.br

Assis

O roto e o rasgado

A sra. Dilma Rousseff diz que a violência na Síria é inaceitável. Ora, sra. presidente, e a violência sofrida pelo brasileiro... É aceitável? Creio que sim, pois ninguém faz absolutamente nada para mudar a nossa realidade. Somos assaltados todos os dias por uma das maiores cargas tributárias do planeta, por políticos inescrupulosos (a maioria) que roubam e são inocentados por seus comparsas, estamos no topo da lista de homicídios por falta de um Código Penal condizente com a nossa realidade, e a sra. presidente se indigna com a situação escabrosa de outrem? Por favor! Essa situação lembra a historinha do macaquinho e seu rabinho.

ELAINE NAVARRO

elainenavarro.pa@hotmail.com

São Paulo

*

VERGONHA E BRIOS

Importação

Precisamos, nós, brasileiros, importar urgentemente a vergonha na cara e os brios que têm nossos irmãos árabes do Egito, do Iêmen, da Síria, da Líbia e de outros. Não é uma incitação a pegar em armas. O brasileiro não é dado a esse tipo de atitude. É mobilização para deflagrar moralidade, algo que estamos perdendo a referência do que é. Se é que tivemos um dia. Até quando vamos, pacificamente, ver o dinheiro de nossos impostos se tornar riqueza desse bando de políticos que nos assaltam todos os dias? Até quando vamos ver essa "Justiça" ser omissa e parcial com os "amigos do poder"? Importação urgente!

A. FERNANDO FERREIRA

rdseg@terra.com.br

São Paulo

*

PASSEIOS

Democracia sarneyana

Segundo José Sarney, não há nada de mais em enfiar a mão no nosso bolso e pagarmos viagens para ele passear nas suas propriedades, pois isso seria um avanço da democracia brasileira. O pior é que não há nenhuma reação dos brasileiros. Nossa oposição e os eleitores estão hipnotizados e encantados pela serpente?

JOSÉ ALBERTO DE PAIVA

alpai12@yahoo.com.br

São Paulo

*

CORRUPÇÃO NO AMAPÁ

Esclarecimento

A reportagem Fraudes no Amapá já desviaram pelo menos R$ 1 bilhão dos cofres públicos (9/10, A4) fala do inquérito final da Operação Mãos Limpas da Polícia Federal (PF) sem mencionar, em uma única linha, o nome dos chefões do esquema de rapinagem que se instalou no Estado do Amapá entre 2003 e 2010, o ex-governador Pedro Paulo Dias, candidato à reeleição em 2010, e o ex-governador e candidato a senador Waldez Góes, ambos detidos pela PF na ocasião e ambos ligados ao senador José Sarney (PMDB-AP). Detalhista ao extremo ao descrever a operação da PF, a reportagem omite o fato de que o então candidato e atual governador Camilo Capiberibe foi o único dos candidatos a denunciar o esquema e a apoiar decididamente a ação da PF. Mais grave: a reportagem, fazendo ilações sobre a atuação de Camilo Capiberibe quando este era deputado estadual e sobre atividades públicas de alguns de seus parentes, induz o leitor a pensar que o governador fazia parte do esquema montado por seus adversários políticos, quando, na verdade, ele sempre esteve na linha de frente do combate a essas práticas e a seus representantes. De acordo com a PF, o esquema desviava recursos da União que eram repassados à Secretaria de Educação do Estado do Amapá, provenientes do Fundeb e Fundef. A maioria dos contratos firmados pela Secretaria de Educação não respeitava as formalidades legais e beneficiava empresas previamente selecionadas. O mesmo esquema era executado em outros órgãos públicos - Tribunal de Contas do Estado, Assembleia Legislativa, prefeitura de Macapá, Secretarias de Estado de Justiça e Segurança Pública, de Saúde, de Inclusão e Mobilização Social, de Desporto e Lazer e no Instituto de Administração Penitenciária. Todo esse esquema foi montado durante os governos Waldez Góes e Pedro Paulo Dias. As acusações sobre abusos supostamente cometidos pelo governador quando ele era deputado estadual devem ser investigadas - embora, é preciso ressaltar, não tenha havido nenhuma ilegalidade no uso de verbas da Assembleia Legislativa. Mas comparar esses supostos abusos com a gigantesca máquina de desvios e corrupção instalada no Estado do Amapá pelos aliados do senador José Sarney é ofender a inteligência do leitor. Ainda mais publicado num veículo como O Estado de S. Paulo, que tem sido vítima da perseguição implacável do último coronel brasileiro.

CLÁUDIO CAMARGO, Ex Libris Comunicação Integrada, Assessoria de Imprensa do governo do Amapá

ccamargo@libris.com.br

São Paulo

 

*

MEIA-ENTRADA

 

Parece não ser surpresa para muita gente o fato do governo brasileiro concordar com algum compromisso com terceiros e depois simplesmente alterá-lo. Leva o assunto para o jeitinho brasileiro que nada mais vem a ser do que desrespeitar a Lei ou o acordado. É que se nota com a aceitação os termos colocados pela FIFA para o campeonato mundial de 2014. Os termos foram aceitos e agora se levanta a celeuma de que itens ali constantes ferem a legislação brasileira. Mas o que me leva a tomar o tema é lembrar a natureza da existência da meia-entrada, ou seja, a cobrança de 50% do preço da entrada normal para espetáculos de lazer. A origem de tal adoção no mercado é a intenção de fazer com que os jovens possam participar de tais eventos de maneira que os “viciem” e que na idade adulta, uma vez acostumados, passem a ser consumidores usuais. De início a concessão era feita de forma liberal pelo promotor do evento. Com o passar dos tempos os políticos viram no procedimento uma forma de angariar a simpatia dos futuros eleitores e começaram a obrigar os empresários a conceder o benefício. Esquecida a origem a concessão foi ampliada para outros serviços públicos, notadamente o transporte de todas as espécies. Outro esquecimento é de que alguém tem que pagar pela redução imposta. A esperteza de alguns já calculam que com a meia-entrada o “prejuízo” será de milhões, numa conta em que calculam o dobro da venda estimada de meia entrada. Para mim isso é uma falácia. Se o preço aumenta haverá uma redução do número dos usuários. Elementar lei da elasticidade de preços na economia. Menos para o sal.

Hélio Mazzolli mazzolli@terra.com.br

Criciúma (SC)

*

RESQUÍCIO PAROQUIAL

Meia-entrada em cinemas, espetáculos, etc. é resquício paroquial que mostra que o Brasil ainda apresenta alguns óbices à globalização... Bem como seus impostos  extraterrestres...

 

Carlos Jose Benatti cjbenatti@globo.com

São Paulo

*

OS SEM MEIA-ENTRADA

               

A recente aprovação pela Câmara dos Deputados do projeto de lei que cria o Estatuto da Juventude e que será apreciado no Senado impõe um importante debate a respeito do direito ao pagamento de meia-entrada para estudantes de até 29 anos de idade, em eventos culturais e esportivos. A aprovação do referido Estatuto cria, indiretamente, um segmento minoritário da sociedade, intitulado por este articulista como Os Sem Meia-Entrada, cidadãos da faixa etária de 30 a 59 anos de idade. Este segmento minoritário e discriminado da sociedade, além de não possuir  o  direito a pagar metade dos ingressos em cinemas, shows, teatros e eventos esportivos,  subsidiam o ingresso para estudantes de até 29 anos e cidadãos com mais de 59 anos de idade, pagando um valor bastante superior ao que poderiam pagar, no intuito de patrocinar o desconto de 50% no valor dos ingressos destes eventos culturais e esportivos. Infelizmente, as leis de meia-entrada de nosso país afastam uma parcela significativa de cidadãos dos cinemas, shows e teatros, devido ao valor do ingresso, que certamente seria inferior se não houvesse a obrigatoriedade da meia-entrada, que, na sua maioria, beneficiam jovens e idosos da classe média e alta da população, que são os maiores frequentadores dos meios culturais. Se os EUA copiassem nossa lei, o jovem milionário americano, Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, com seus 27 anos, teria direito ao desconto de 50% no valor dos ingressos, bastando para isto,  apenas  estar cursando uma pós-graduação, mestrado ou doutorado. Não é a toa que a Fifa não quer saber de ingressos pela metade dos preços nos jogos da Copa do Mundo no Brasil, único país do mundo que obriga a concessão de desconto de 50% nos ingressos, para estudantes e idosos. Na realidade, atrás do direito à meia-entrada, esconde-se um milionário comércio de venda de carteiras estudantis, arrecadado por diversas entidades estudantis que também, com esta significativa receita, patrocinam diversos partidos políticos. Urge que esta minoria silenciosa da população, Os Sem Meia-Entrada, cidadãos da faixa etária de 30 a 59 anos, protestem e não aceitem passivamente serem os patrocinadores da farra da meia-entrada, caridade feita com chapéu alheio, ou melhor,  com o seu chapéu. Ou alguém ainda acredita em lanche de graça?

Ricardo Difini Leite, presidente da Federação Nacional das Empresas Exibidoras Cinematográficas assessoriadecomunicacao@pandafilmes.com.br

São Paulo

*

COPA NA TV

A Fifa, na administração Blatter, tem feito de tudo para transformar a Copa do Mundo num evento de comércio, e não esportivo, tirando toda a graça e magia que cercaram-na durante muitos anos. A ganância da entidade é tanta que eles praticamente obrigam os países sede a aceitar suas condições, como por exemplo patentear marcas relacionadas ao mundial e proibir qualquer veiculação de imagens por televisões que não tenham comprado os direitos. Porém, o cúmulo do descalabro na minha opinião é a exigência veemente de que sejam suspensas as meias entradas para idosos e estudantes. Como estudante, ainda que em 2014 provavelmente eu não o seja, fico estarrecido com tal imposição, como se o sucesso econômico da copa dependesse de se cobrar ingressos inteiros de todos. Ainda que acordos tenham sido fechados, qualquer entidade que realizar qualquer evento no Brasil ou em qualquer outro país deve se submeter às leis locais, que são soberanas. E se o consumo de bebidas alcoólicas for proibido no Qatar, como é em muitos países árabes vizinhos, então a Fifa vai contrariar a identidade cultural e religiosa local, vai cancelar a copa de 2022? Declarações como a do prefeito do Rio, dizendo que "as cidades sede sabiam das condições da Fifa quando aceitaram ser sedes da Copa, e estas deve ser seguidas" deixa evidente como o Rio de Janeiro na última década se prostituiu politicamente para receber eventos de projeção mundial. Outra: onde está a UNE numa hora dessas? Faliu? O direito adquirido dos estudantes é sagrado! Se ninguém se manifestar e lembrar do poder político da juventude, seremos tachados novamente de República de Bananas (ou República DOS bananas!). Se tudo der certo veremos nos estádios de 2014 um público semelhante ao visto nos (poucos) jogos da seleção brasileira em território nacional: um público elitizado, que nunca foi a um campo de futebol, mal sabe quem está jogando, e que vai mais para passear do que para torcer, enquanto o verdadeiro torcedor, que sustenta seu time comparecendo aos estádios vai ver pela televisão.

 

Gustavo Henrique de Morais Reia gustavoreia@ig.com.br

Jundiaí

*

BURACO

Se a meia-entrada for aprovada, fará um grande buraco no bolso do governo?

Cícero Sonsim c-sonsim@bol.com.br 

Nova Londrina (PR)

*

GERAÇÃO CANGURU

É uma grande demagogia a aprovação do Estatuto da Juventude na Câmara dos Deputados, assegurando a meia entrada para estudantes de até 29 anos em espetáculos esportivos culturais e em passagens. Como “não existe almoço grátis”, essa conta será repassada para todos aqueles que têm entre 30 e 59 anos, que terão que pagar um preço exorbitante e inflado pela 'inteira'. É o tipo de atitude paternalista do Estado que em nada contribui para que os jovens conquistem sua autonomia, independência e emancipação. Com 21 anos de idade, a pessoa já é adulta e não deveria mais precisar desse tipo de privilégio. Com 29, então, nem pensar. A decadente e passiva UNE virou mera fazedora de carteirinhas. A meia entrada (ou mesmo gratuidade) deveria ser assegurada para as pessoas pobres e sem recursos e não para a juventude acomodada e super protegida dos dias de hoje. Vivemos na época da chamada 'geração canguru', que ao invés de 'ir pro mundo' como acontecia nos Anos 60/70/80, agora prefere usufruir das mordomias e comodidades da casa dos seus papais e mamães.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br 

São Paulo

*

MEIA ENTRADA É COMO MEIA CAMISINHA

Um dia o papa Bento XVI falou, com relação à Aids: ”A camisinha não é solução do problema, mas parte do problema”. Claro que o papa foi execrado por aqueles que tudo sabem. Sem eu ser um seguidor do papa, fiquei, no entanto, pensativo, ciente de todas as falsidades e omissões sobre essa doença. Quando assisti a um filme de distribuição de camisinhas durante um culto de domingo em África do Sul entendi. O que iria fazer esse cidadão com uma simbólica camisinha durante o resto da semana? São as falsas soluções: duas horas a mais de aula do Sr. Haddad para nosso triste ensino público, camisinha na escola para gravidez indesejada, meia-entrada para os idosos, auto-elétrico para poluição, milhares de estudantes brasileiros no exterior da nossa presidente para nosso ensino superior. Iludir, iludir, fingir para nada de verdade fazer.

Milan Trsic cra61@iqsc.usp.br

São Carlos

*

A FIFA E O GOVERNO BRASILEIRO

A Fifa está pressionando nosso governo  para  romper algumas  leis que  beneficiam  partes de nossa  população. Segundo dizem foi um acordo  para que a copa viesse  ao Brasil. E nosso governo parece que aceitou  estas imposições, isso porque o ex-presidente Lula com sua mania de grandeza,não se importou com nossa soberania , nem com os custos altíssimos que vão  mais uma vez  prejudicar  nossa sofrida população. É uma organização privada, internacional, pisando em nossa soberania, com a complacência dos governos. Quando  era com o FMI, que  emprestava  dinheiro ao Brasil, para tentarmos sair do sufoco, era, na opinião  do PT, atentado a nossa soberania. E agora, é o quê? Megalomania tem limites. Ou será que tem outros interesses escusos no meio? Será que é pão e circo para o povo? Educação, saúde, segurança, infraestrutura, etc. ficam  para as calendas gregas.

 

Everardo Miquelin everardo.miquelin@ig.com.br 

São Paulo

*

BOBAGENS

É uma grande bobagem esta polêmica entre o governo e a Fifa sobre meia-entrada para idosos, bobagem mesmo, e demagogia, todos sabemos que estes governos, desde FHC não respeitam os idosos e nem o estatuto, vejam os aposentados, são tratados como cidadãos de segunda classe, seus direitos praticamente não existem, são logrados constantemente pelo ministério onde são praticados todos os tipos de fraudes, portanto, esta polêmica não justifica, principalmente que pelos preços que serão praticados, até a meia-entrada estará fora do alcance não só dos idosos, mas também da grande maioria da população, esta copa não será para brasileiros pobres e sim para estrangeiros e classe rica, o resto vai ver pela TV. Chega de papo furado, pois o mal já está feito mesmo, copa do mundo no Brasil é que é a maior bobagem, o resto são consequências de atos de governos irresponsáveis.

 

Jose Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

BOAS INTENÇÕES

Ao indicarem o filho de Renan Calheiros (PMDB-AL), o deputado Renan Filho (PMDB-AL), para presidir a comissão especial da Lei Geral da Copa, fica evidente o envolvimento dos "cartolas" e "políticos" com interesses em comum no evento. Sem dúvidas nós referimos a interesses para o melhor resultado do evento. Juntaram a fome com a vontade de comer.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

O SILÊNCIO DOS FAVORECIDOS

O PT (Partido dos Trambiqueiros) cala o povo com sua esmola do Bolsa-Família e outras esmolas. Por conta desse silêncio cresce a corrupção praticada por membros desse partido, a segurança do povo se escoa pelos ralos, a saúde se transforma em figuração do medo e a educação e transformada em chacota até mesmo por estudantes. E uma vergonha que o governo assista o baixo índice de aprovação nas provas da OAB e nada faça para corrigir esse problema que se agravou neste governinho petista. Enquanto isso a nossa Doutora em economia sai pela Europa dando espetáculos de burrice ao falar sobre economia. Precisamos aprender a votar para não permitir que a Fifa interfira em leis aprovadas por nosso Congresso e que a nossa “ex-heroína dos seqüestro” de o seu veto para favorecer a interferência externa em nossa pátria.

Antonio Ranauro Soares antonioranauro@bol.com.br 

Sete Lagoas (MG)

*

BEBIDAS ALCOÓLICAS NA COPA

Liberar bebidas alcoólicas nos estádios sendo na Copa ou não é uma das maiores ignorâncias das nossas autoridades. Já temos conflitos demais sem a bebida podemos imaginar o que pode acontecer? Além do que não temos tanta polícia assim para evitar conflitos inclusive com tantos turistas de países que gostam de beber e muito? Acho que estamos como de costume indo na contra mão do correto e certo e também sendo constrangidos pela Fifa que acredito deve ter muito mais a explicar do que exigir venda de bebidas  alcoólicas num espetáculo que já motiva sem nenhum aditivo extra.

Asdrubal Gobenati asdrubal.gobenati@bol.com.br 

Rio de Janeiro

*

O RIO NA COPA

Esta é cidade da Olimpíada e da Copa: hotéis de luxo, na orla de Copacabana, com comidas estragadas ou vencidas. É isso aí. Vergonhoso. Que dirão lá fora?

Panayotis Poulis ppoulis@yahoo.com.br 

Rio de Janeiro

*

DIRCEU E A REFORMA POLÍTICA

José Dirceu, num artigo intitulado Reforma Política, publicado em diferentes jornais, busca defender a  reforma política proposta pelo deputado Henrique Fontana (PT/RS), a qual, por falta de suficiente apoio e por excesso de desconfiança dos próprios aliados do governo, acabou sendo arquivada. Dirceu começa querendo mostrar que os que não aprovaram a "prenda" petista são aqueles que, na verdade, não querem reforma alguma... porque, segundo ele, dizer-se que esta reforma só beneficiava o PT era um contrassenso, visto que o PT cresceu e muito sob o atual sistema político. Sim, cresceu muito... com bolsas, cotas e promessas fielmente cumpridas de corrupção garantida por total impunidade. Mas cresceria muito mais caso a proposta de Fontana fosse aprovada, cresceria tanto que o PT acabaria por engolir partidos aliados e oposicionistas... seria , de fato, o partido único, tal qual o PRI do México, como chegou a nos advertir um dia Jefferson Perez quando nos  alertava sobre os perigos do aparelhamento do Estado Petista. Portanto a defesa que Dirceu faz desta proposta indecente...é inconsistente e só pode cair no vazio! A necessidade de se realizar uma profunda reforma política no Brasil depende do tanto de tempo que o PT vai conseguir se manter no poder sem ajuda de "reformas"... porque fazer-se uma reforma de tal importância com o PT dirigindo os cordéis... não dá... seria um risco que não vale a pena pagar para ver!

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

CORRUPÇÃO

Neste tsunami de corrupção, com o PT na crista da onda, e  José Dirceu no leme, tendo  Lula de capitão, quem não fosse corrupto passaria por otário, entre os pares.

Conrado de Paulo conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

*

POLÍTICA E POLITICALHA

Pudemos tomar ciência do aforismo do ex-ministro da Casa Civil e membro do Diretório Nacional do PT – Sr. José Dirceu, pela imprensa,  acerca do que chama “de falácia do aparelhamento e o papel do Estado”. O tema é oportuno por várias questões que se reproduzem no cenário político nacional; isto há muito tempo e não só nos governos do PT. O Sr. Dirceu fundamenta seu discurso em estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) que interpreta o tamanho e ocupação do Estado, fato este que não deixa de ser subjetivo. O que é discutível é onde o Estado deva atuar; e no Brasil com uma carga fiscal, tal qual nos países da Europa Ocidental e que oferecem bem-estar social, nós obtemos na prática, um Estado que presta serviços caros e de péssima qualidade. Não é para menos, os Governos se elegem e a si agregam os “cumpanheiros”, o nepotismo impera, há lugares garantidos em altos cargos para a fidúcia da base aliada, e que no presente governo é substancialmente fisiológica; haja visto a mutação de ministros em tão pouco tempo de mandato e quem indica a cargos tão relevantes nem é a presidência. A incompetência na gestão pública é notável. No mais, a lógica do Sr. Dirceu ali exposta, não suporta um exame maior, pois como bom petista tudo que decorre e discorre versa por comparar ao governo anterior (FHC); e se encontraram as coisas em estado lamentável quando assumiram, seja em qual campo for e que denominaram de “herança maldita”, na gestão pública certamente nada melhor o fizeram. Não importam divagações sectárias; estas nada produzem e já deixou farta a verdadeira opinião pública que precisa respirar e raciocinar. A verdade deve pairar acima das obscuridades da politicalha. Para divisar o verdadeiro tamanho que se deseja do Estado, tal qual o também tamanho da meritocracia, sem os magnânimos privilégios de Cortes e Poderes que ora assombram a opinião pública, não podemos nos ater a preceitos acanhados das práticas vulgares. Há ainda de se rejeitar aqueles que se colocam acima das leis, escorraçando-os da vida pública, pois estes fazem do Estado o que querem e quando querem. São as manchetes do dia a dia. Diante deste axioma, isto é, verdades incontestáveis, que perda de tempo é essa em discutir se há ou não falácia no aparelhamento do Estado? É claro que há por qualquer governo e notadamente do PT; vejamos: pelo visto o mensalão não é uma bagagem embaraçosa ao senhor José Dirceu, é um caso revelador e que nos apresentou um autêntico processo da atuação de um Poder sobre outro. A sanção sofrida com a cassação do mandato dele decorreu pela dominação da vontade de outrem para decidir da forma que ele, ou seu mandante quisesse a favor de interesses próprios, e não da nação. Ele não aparelhou, ele praticou “justiça a seu modo e dentro da sua moral alinhada à ética de seu partido”, e acha isso normal. Podemos definir como uma organização situada em alto Poder Republicano, passível do exercício de pressão em defesa de interesses próprios e sobre os poderes públicos e seus membros, a fim deles obter decisões condescendas a esses interesses. Estão acima das leis e dos interesses públicos? Partidos políticos, e até essa base governista nitidamente fisiológica, e que ora se apresenta pode ser rotulada como grupo de pressão como aquele que era exercido no mensalão e atuava até contra interesses institucionais. Em toda encenação política há a dissimulação onde estampam objetivos moralizadores, trata-se da técnica de mascarar o que há de concreto aos interesses dessas hordas, até exibindo valores supostamente desinteressados como moralidade, direitos da família etc., mas no fundo buscam resguardar vantagens inconfessáveis. Assim, projetos de lei não caminham propositadamente no Congresso, e rendem continuadamente dividendos pela esperança de que os parlamentares vendem a cada eleição pelo discurso de que irão aprová-los. Ilusão, mentira descarada. Todo governo é o retrato dos seus governantes, portanto essa discussão de aparelhamento do Estado é inócua, pois todo Governo é suficientemente imoral para aparelhá-lo; a questão é de que alguns são de estirpe mais desregrada do que outros, assim como foi o PT. No mais se trata de discurso vazio e besteirol do discursivo político a dar sustentação e aparição na mídia de quem sustenta que o mensalão – o maior golpe contra a institucionalidade do país nunca existiu. Em verdade, o que se estampa é o passado imutável, e o presente, ambos farão nosso futuro numa linha de tendência; e ao que nos deparamos agora é diante de um Poder dominante nitidamente fisiológico que assalta todos os cantos da gestão pública, num prodigo da sordidez e de um desregramento sem precedentes. Não há instituição que não seja achincalhada em qualquer nível, em qualquer autarquia ou órgão que seja. Acumulam-se denúncias de corrupção, prevaricação, nepotismo, negociatas, enfim toda ordem de crimes. Nomes em altíssimos escalões, cargos de confiança, indicações meramente políticas, eis ai o Estado aparelhado que o Sr. José Dirceu chama de miragem e que são alvos de denúncias. Serão estas também miragens, como dizem ser o mensalão? Esta é a discussão que importa : a moralidade na gestão pública. Dentre os muitos legados que Rui Barbosa nos deixou há uma expressão que bem se aplica àquilo que o artigo do Sr. José Dirceu busca transmitir em suas entrelinhas: “Política e politicalha não se confundem, não se parecem, não se relacionam uma com a outra. Até se se negam e se repulsam mutuamente. A política é a higiene dos países moralmente sadios. A politicalha é a malária dos povos de moralidade estragada”.

                   

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

PARA BOM ENTENDEDOR

Para o honorável e outrora "grande ladrão" (segundo o "cara"), presidente do Senado, José Sarney, a crítica do roqueiro Dinho Ouro Preto com a música Que País é Este? dedicada  ao senador no Rock in Rio, foi injusta. Afinal de contas no seu (dele) governo contribuiu-se para "a maior liberdade de expressão que já se teve no País"; afirmou, ainda, que foi o maior defensor do Estadão (sob censura, por obra e graça do filhinho), no regime militar.  Terminou a entrevista ao jornal Zero Hora, de Porto Alegre, lembrando, sutilmente, que o pai do roqueiro, diplomata Afonso Ouro Preto, foi nomeado embaixador quando era presidente  Portanto, o "honorável", como "não" oligarga, pretende a reverência de todas as gerações do ex-diplomata, ou estamos enganados?  Para bom entendedor meia palavra... basta!

Aparecida Dileide Gaziolla rubishara@uol.com.br

São Bernardo do Campo

*

EI, SARNEY!

As afirmações despudoradas e contraditórias, a respeito do uso do helicóptero do governo do Maranhão, do mau brasileiro José Sarney ferem a dignidade até do mais torpe dos indivíduos.

 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

MAIS UMA DO SENADOR

Na maior cara de pau, José Sarney, aquele da censura, diz que usar o helicóptero do governo do Maranhão para ir à ilha particular dele é um sinal de respeito e agradecimento pelos trabalhos prestados ao Brasil? Tremendo enganador, pois nem um hospital de ponta o Estado dele tem. Ele pode vir a São Paulo e os conterrâneos vão para o cemitério. Só no Brasil mesmo, e ninguém faz nada, pois são todos farinha do mesmo saco sem fundo.

Jani Baruki janibaruki@bol.com.br

Belo Horizonte

*

O QUE O BRASIL TEM A OFERECER

Ao se justificar pelo uso de um helicóptero da Polícia Militar para passear com sua família, o senador Sarney demonstra que sua única preocupação com homem público é saber o que o Brasil tem a oferecer a ele, a sua família e a seus apaniguados. É lamentável que um homem público na sua posição e na sua idade não tenha a menor ideia do que seja ser um cidadão.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

 

*

FRAUDES NO AMAPÁ

Um dos mais novos Estados do Brasil, Amapá, (politicamente dominado pelo rei do Maranhão) antigo território federal como, Acre, Rondônia e Roraima, mostram que até hoje suas sobrevivências estão vinculadas a ajuda financeira que lhes são proporcionadas pelos estados que produz, se mantêm e ainda garante a manutenção dos improdutivos; pelo menos para a sua sobrevivência e manter aberto os cofres públicos para os políticos fazer a festa brasileira da corrupção, como há alguns anos vem ocorrendo neste estado, com prisões de autoridades pertencentes aos Três Poderes do Estado, do Tribunal de Contas e também da prefeitura de Macapá, pelo desvio, até agora, de R$ 1 bilhão, conforme inquérito apurado pela Operação Mãos Limpas da Polícia Federal. É mais um rombo bilionário que a nossa falta de justiça certamente não fará retornar aos cofres públicos. E, pelo contrário, estão querendo abrir mais dois cofres no Estado do Pará, com a criação de mais dois novos estados que proporcionarão oportunidades de enriquecimento de maus políticos e mais despesas para os estados produtivos pagarem.

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@yahoo.com.br

São Paulo

*

QUE REPRESENTANTE...

Não é pelo Amapá que Sarney é senador? Hum...

 

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

OS PRATOS

 

A única saída possível e imediata para as questões da corrupção no  poder e do poder, estaria na aplicação prática da "Lei da Ficha Limpa", mas os caras-sujas parecem ter mais força do que se imagina. A coisa não anda e se anda é devagar, com muitas vistas, a perder de vista, de vergonha e de paciência. A maioria dos doutos senhores está preocupada com as teorias do Direito e pouco enxerga da justiça ou da injustiça em que se enreda. A maioria deles está preocupada com os baixos salários que percebe, mas não tem sensibilidade para perceber a miséria em que vive a maioria do povo e, na hora de julgar contra o governo ou contra o poder, faz vistas grossas, enquanto verte suas lágrimas de crocodilo gordo e bem alimentado, chorando de pratos cheios.

Décadas estudando, militando entre pratos de balanças e não percebem que o desequilíbrio deles é o mal do mundo.

 

Carlos Delphim Nogueira da Gama Neto carlosgama@conjeituras.com.br

Santos

*

NÓS NÃO SOMOS OS PALHAÇOS. PALHAÇOS SÃO ELES

Nosso povo vem caminhando firme e forte, não só na direção da democracia, mas principalmente na direção de gerar recursos para o BRASIL, decolar de uma vez por todas, tem sido uma luta enorme, não é verdade?  Muitos que politicamente sempre se posicionaram contra nossas tentativas, discordando e anarquizando, criando mais dificuldades ainda, para a luta do povo, se apoderaram dos resultados alcançados pelo povo, como se fossem seus, na maior cara dura, pois politicamente sempre se posicionaram contra o Brasil, num oportunismo matreiro. Estrategicamente já se percebe a intenção clara de distorcer a verdadeira razão do sucesso de nossos recursos, para enganar a população e mostrar algo que não existiu (vejam a fala da Presidente, dando receita, de algo que não foi à verdadeira razão de nosso sucesso). Nosso povo por alegria, por ser do bem, não se dando conta, acabam por dar perolas a porcos, aceitando que assumam como pai de um filho, que o rejeitou, enquanto estava sendo gerado. Alguns de nós apresentam-se, como se estes políticos nos fizessem de palhaços, mas a verdade, não é essa não, por que: nós não somos os palhaços.  Palhaços são eles. Nós agora estamos determinados, tiraremos estes “mal feitores” ou corruptos mesmo. Sabemos que nosso país precisa dos estimados R$ 80 bilhões anuais, que estão desaparecendo maldosamente, de nossos cofres todos os anos. Esta é nossa próxima meta, vamos persegui-la, até modificarmos as atitudes, se preciso, haveremos de mudar a todos, um a um. Agora é chegada a hora, dos políticos, que colocam os interesses dos brasileiros na frente, dos seus interesses pessoais, partidários e corporativos em qualquer dos Três Poderes. Chega, basta, fim.

 

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

*

‘DOUTOR LULA’

Muito oportuno o artigo Doutor Lula, de autoria de Ricardo Vélez Rodríguez, publicado no Estadão em 10/10. diz o articulista: “O título de Doutor Honoris Causa concedido à Lula pela prestigiosa Casa de Estados Sciences Po, em Paris, ou é uma piada, ou fruto da tremenda ignorância do que se passa no nosso país”. Está coberto de razão. Em um passado não muito remoto, os títulos de Doutor Honoris Causa eram outorgados apenas à pessoas ilustres e diferenciadas, como cientistas, filósofos, letrados ou estadistas. Atualmente, a coisa descambou de tal maneira, que estes títulos são outorgados sem o menor critério, a tal ponto que, o próprio Lula se vangloria de ter recebido maior número de títulos do que Fernando Henrique Cardoso. Isso, sim, é uma piada.

Adolfo Zatz dolfizatz@gmail.com

Santos

*

AS VANTAGENS DO NOSSO DOUTOR

Excelente o artigo Doutor Lula, escrito por Ricardo Vélez Rodríguez. Conseguiu escrever quase tudo sobre esse "Deus brasileiro". Faltou ainda escrever que o "cara" tentou (a ainda tenta), com algum sucesso, a colocar: pobres, contra ricos; não estudados, contra aqueles que estudaram; brasileiros de outras regiões do país, contra os das regiões sudeste e sul (principalmente contra paulistas); negros e pardos, contra brancos; etc., etc.,etc. Usando o dinheiro público, atingiu grande parte da população, seja com massacrantes campanhas publicitárias de seu governo, seja com as "bondades" já conhecidas, como: bolsa família, bolsa ditadura, bolsa pescador, bolsa reclusão, bolsa UNE, bolsa MST, etc., etc., etc. Fala sempre contra as "elites", se esquecendo que elite não aquele estudou e trabalhou durante bastante tempo e ganha cerca de R$ 3 mil, ou um pouco mais,  por mês. Se forem somadas os mais de R$ 4 mil que ele recebe da bolsa ditadura, a aposentadoria como ex-metalúrgico, pensão como ex-presidente, seu salário passa facilmente de R$ 20 mil por mês. Além das vantagens como ex-presidente, como seguranças pagas com dinheiro público (várias) durante 24 horas, inclusive quando em viagens ao exterior, quando ainda fatura alto com as suas "milagrosas" palestras. Esse não é da elite? Viva o "nosso" Doutor.

Éllis A. Oliveira elliscnh@estadao.com.br

Cunha

*

SENSATO

Parabéns ao Dr. Ricardo Vélez Rodríguez, cujo artigo diz com extrema sensatez e realidade o engodo por que passa o sociedade brasileira, a mercê dos arroubos do ex-presidente que se vangloria, e consegue manipular esse nosso povo, por meio de uma verbalização populista, digna de um grande marqueteiro. Infelizmente conseguiu silenciar os sindicatos e até a UNE que, outrora, se manifestava contra atitudes danosas dos nossos governantes,e que  hoje se cala, pois com certeza deve receber verbas que satisfaz seus lideres. Outros brasileiros, jornalistas ou não, deveriam engrossar o coro do Dr. Ricardo.

Luiz Carlos Zacari zacari@uol.com.br

São Paulo

*

PAGAMENTO AO FISCO

Pelos cálculos de um honesto fiscal da Receita Federal o cidadão Luiz Inácio Lula da Silva terá que declarar e pagar ao Fisco em torno de R$ 2 milhões, até então, pela dinheirama que está a receber de espertalhões empresários que foram beneficiados durante o seu governo; os mesmos inventaram a manobra disfarçada de devolver em espécie ao Lula, sem serem pegos na tramoia, através das "palestras" inexpressivas que o apedeuta está executando. Alguém, em sã consciência realiza  que o ex-presidente tem algo para ensinar além de truques de prestidigitação? Há como conferir!

Leila E. Leitão

São Paulo

*

COFRE

O PT emitiu nota em apoio à ministra Iriny Lopes. A calcinha da Gisele não tem compartimento prá transporte de valores.

 

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

AGRESSÕES

Muito boa a reportagem sobre a briga da ministra com a propaganda, mas da série perguntar não ofende: qual a maior agressão, a propaganda de lingerie da maravilhosa Gisele ou as enormes filas de mulheres grávidas ou carregando no colo seus bebês para serem atendidas pelo SUS?

 

Wilson Lino  wiolino@yahoo.com.br

São Paulo

*

É NATURAL

Dona Iriny se esqueceu de quando usou seu próprio charme, daí seus filhos? Desde que as espécies precisam de parceiros para se reproduzir existem as fêmeas, cientes do desejo dos machos, os conquistam, de uma forma ou de outra. A propaganda criticada é brilhante, neste aspecto, e esperamos que seja mantida.

 

André C. Frohnknecht anchar.fro@hotmail.com

São Paulo

*

FBAP

A Secretaria de Políticas para Mulheres da Presidência da República pretende se transformar num censor de comerciais e novelas de TV. A ministra está ''sugerindo'' a TV Globo que mude o enredo da novela Fina Estampa porque a personagem da atriz Dira Paes apanha regularmente do marido. Se a ministra tem pouco a fazer que o faça de forma produtiva para defender as mulheres. Quantas mulheres são espancadas, estupradas e assassinadas a cada minuto no Brasil? Quantos homens são severamente punidos? A lei que protege a mulher está mais para Mário da Penha. Se a moda pega, o anúncio de  na TV poderia ser assim: ''E agora com vocês, mais um capítulo da novela ''Festival de Besteiras que Assola o País'' (FBAP), autoria dos titulares das Secretarias de Ações Sociais do governo. É Thanatos tomando o lugar de Eros.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

PAPELÃO DO GOVERNO

Ministra Iriny, o papel do governo não é se intrometer dessa maneira na publicidade de uma empresa privada, especialmente pelos motivos que a senhora alega. Se as consumidoras não gostarem dela, por qualquer razão, elas simplesmente rejeitarão o produto anunciado. Não precisam ser tuteladas pelo governo, inclusive porque o governo não tem competência para tal. A lógica econômica prevalece e a livre iniciativa ajusta esse tipo de questão. Quer fazer algo pelas mulheres? Combater o sexismo retrógrado e ultrapassado? Vou dar uma sugestão que está dentro da competência do governo: Lute para acabar com as pensões vitalícias para as "filhas solteiras" de militares e outros grupos de funcionários públicos e de autarquias. Essa excrescência que pesa sobre o orçamento dos governos, portanto é paga pelos contribuintes, é muito mais sexista, humilhante e daninha do que qualquer propaganda.

Renato Gentile Rocha rerocha65@gmail.com

São Paulo

*

SODOMA E GOMORRA

 

Só faltava essa. Depois das novelas, cujas cenas em determinados  instantes   nos causam constrangimentos  diante de nossos filhos, agora querem bordelizar o Brasil. É inadmissível essa pretensão do governo em  querer distribuir “camisinhas” nas escolas. Antigamente as zonas do meretrício ficavam bem distante do centro  das cidades. Hoje, essa modernidade mercenária, espúria e antifamília que só pensa em consumismo e dinheiro quer transformar nossas escolas em prostíbulos. O Brasil é considerado o país mais religioso do mundo. Só se for em quantidade, porque em qualidade o nível é baixíssimo. Onde estão  os padres, pastores  e bispos? Não há um juiz, um promotor público, um ministro da alta corte do judiciário para por cobro a essa pouca vergonha? Nada peço aos políticos, pois deles só podemos esperar demagogia e blá , blá, blá. A família  está em franca queda moral e ninguém faz nada. Deus por favor, volte a ser brasileiro, porque se depender dos homens que estão no poder,  daqui a pouco o Senhor terá que agir como agiu em Sodoma e Gomorra.

 

Helio Gonçalves Nogueira hgonalvesnogueira@yahoo.com

São Paulo

*

POBRE AMÉRICA LATINA!

Pobre América Latina, bolivariana, cumpanheirista, fisiológica, corporativista e na contramão das regiões desenvolvidas do mundo. Esse solitário 178º lugar obtido pela Universidade de São Paulo (USP) entre as 200 melhores universidades do mundo é uma triste evidência disso. Essa colocação deveria ser motivo de séria reflexão pelo povo latino americano, que continua votando por votar, elegendo desqualificados, e nada fazendo para reverter essa curva descendente que os encaminha para o fundo do poço.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

MAIS CONFIANÇA

A USP foi engrandecida em geral por estar níveis a frente das outras Universidades Brasileiras, o que é um feito relevante e uma verdade. Pena que ninguém se lembrou de dizer que também é lá um dos índices mais elevados de assaltos e roubos que nenhuma cabeça pensante resolve. Que tal usar toda essa inteligência e astúcia para melhorar essa parte obscura da Universidade, assim iríamos juntar o útil ao bastante agradável e confiável.

Anibal Vilari anibalvilari@bol.com.br

São Paulo

*

NOBEL BRASILEIRO

Causa melancolia a notícia de que o Brasil é absolutamente inexpressivo em todas as categorias do Prêmio Nobel. Os demais países do BRIC e alguns da América Latina já foram agraciados. Qual seria a causa? Discriminação contra os brasileiros? Avaliação injusta? Ou nossa excelente produção intelectual, em determinados setores, é insuficiente para plasmar uma ampla inteligência da qual emirja um laureado? Como todos sabem, já passou da hora de uma profunda revolução educacional em nosso país. E não nos parece que o Ministério da Educação (MEC) esteja no rumo correto.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

VIDEOAULAS

Meu nome é Maria Eduarda Guelfi, moro em Avaré interior de São Paulo e estou no terceiro colegial. Leio todos os dias o jornal e por meio dele que entrei em contato com as videoaulas oferecidas aos alunos que irão prestar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Estou muito agradecida pela oportunidade que estão dando, a mim e a tantos jovens, de poderem rever a matéria em uma data perto do exame. Espero que - com isso e com os meus estudos por fora - consiga uma boa nota, para que eu finalmente possa entrar em uma faculdade de Jornalismo!Estou muito confiante e muito empolgada! Mais uma vez, obrigada jornal O Estado de S. Paulo e ao grupo Positivo.

Maria Eduarda Guelfi madu_236@hotmail.com

Avaré

*

CRIME ORGANIZADO NO NORDESTE

Novidade que o crime organizado tenha migrado para o Nordeste desde 2002. Há quase nove anos que temos um governo leniente e bonzinho com os bandidos. Apenas São Paulo onde a população começou a exigir punição que o governo local tomou providência construindo penitenciárias e bandidos trancafiados. Os que conseguiram fugir, migraram para o nordeste onde a impunidade comanda, apesar do "cara" incessantemente ter prometido verbas e construções de Penitenciárias Federais que não saíram do papel. Incrível que esse mesmo povo que hoje vive assombrado com a bandidagem, continua votando na continuidade desse desgoverno que por falta de penitenciárias sancionou projeto de lei que colocará nas ruas mais de 200 mil criminosos. Cada cabeça sua sentença já que a opção da maioria do povo nordestino foi pelo voto "Bolsa Família", negligenciando a governabilidade e responsabilidade com o cidadão de bem.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

UMA NOTÍCIA DE ESTARRECER

Esta é uma noticia para estarrecer até mesmo,  o  cidadão menos esclarecido. Os 93 ministros do  STF, STJ, TST, TSE e STM têm nada menos que 1.211 agentes de segurança e vigilantes para garanti-los em Brasília. Enquanto isso, a Policia Federal (PF) vai tendo  que se contentar com uma quantidade bem  menor de seguranças para garantir a vigilância à quase 16 mil quilômetros de fronteiras. Ficou claro que, o  tráfico e o contrabando que entram pelas nossas fronteiras é só mais um detalhe para os Poderes Constituídos de nossa Pátria. Mais um disparate que empurram goela abaixo do povo. Precisamos acordar.

 

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

SEGURANÇA NO PARQUE JABAQUARA

Sou morador do Parque Jabaquara na zona sul de São Paulo há quase 40 anos e estou muito triste ao ver o quanto o nosso bairro e a nossa cidade está sendo abandonada quanto à segurança.  Só no decorrer deste semestre, ladrões entraram na vizinhança, vizinhos receberam ligações de sequestro, acordamos com pessoas pedindo socorro na rua às 6h da manhã, jovens traficam e curtem drogas abertamente na praça próxima ao Colégio Vilalva, jovens bebem a tarde neste mesmo lugar se enganando e cabulando aulas, há assaltos na entrada e na saída de casa. Aonde vamos parar? Durante uma recente batida policial na Rua Alberto Leal, via de mão única, achei estranho ver um rapaz com uma moto passando

entre os carros na contramão, mas quando cheguei no final do primeiro quarteirão e vi os policiais, vi o porquê que ele estava tomando aquela atitude. Então, por favor, ao fazerem batida policial nesta rua, o que é um bom local, porque é uma grande via de escoamento na região, o façam na metade do 1o. quarteirão, porque o elemento surpresa irá funcionar. Solicito aos moradores que rezem bastante e às autoridades que tomem as devidas providências!

Priuz R. Dhubal

São Paulo

*

SUSPEITOS DE AGRESSÃO

Mais uma vez nos deparamos com um ataque a homossexuais na região da Paulista. E, desta feita, não há a “desculpa” ridícula dos gays “ofenderem” com a sua imagem ou seus atos e sequer a outra desculpa dos agressores pertencerem  a grupos  sabidamente transgressores. Por que razão esses jovens aparentemente “normais” se viram com o direito de atacar o casal gay? Por considerarem que o mundo é o seu quintal e deve ser regido de acordo com a estreiteza de seu julgamento? A questão para nós que somos pais, avós, tios, professores, comunicadores é: que valores estamos passando para as nossas crianças e adolescentes para que eles cresçam e se transformem em monstros capazes de ferir aqueles que não julgam seus iguais? Cansamos de ouvir que não se educa com palavras mas com exemplos. Enquanto olharmos com crítica, preconceito e desdém para  esse grupo da humanidade (tão igual e, inúmeras vezes, superior a nós) estaremos alimentando esses horrores com os quais somos obrigados a conviver.

Ivany Yara de Medeiros ivanyaram@yahoo.com.br

São Paulo

*

QUARTEL ISOLADO

Para quem já morou em São Paulo e aprendeu a amar essa cidade de primeiro mundo, são de uma tristeza imensa as notícias da mídia e os comentários de moradores que convergem para um mesmo ponto: a péssima administração do prefeito Kassab. Ele simplesmente não se preocupa com a cidade. Emprega a maior parte de sua energia na formação de um partido político, sem nenhuma identidade ideológica e desvinculado das aspirações da classe média trabalhadora, a qual se diz representar. A administração propriamente dita da cidade foi deixada para uma equipe de assessores, composta, em sua maioria, por oficiais reformados da Polícia Militar. Aliás, isto retrata o que é a Prefeitura hoje: um quartel totalmente afastado da sociedade civil.

 

Renato Consolmagno consolmagno@terra.com.br

Belo Horizonte

*

VALETS, MUITO BARULHO POR NADA

Todos sabem que os valets deixam os carros na rua. O valet, em São Paulo, é só um "procurador de vaga" para o cliente do estabelecimento em que trabalha. Basta atentar para o fato de que não há tantos estacionamentos assim próximos às áreas que concentram restaurantes e casas noturnas. Onde as pessoas imaginam que os valets estacionam seus carros, então? Ora, mesmo que não é de São Paulo sabe que este é um serviço que visa apenas poupar o cliente da muito chata procura de um lugar para estacionar ou de caminhar duas ou três quadras, dependendo de onde, finalmente, se encontre uma vaga. É muito barulho por coisa nenhuma!

 

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

ÁREAS CONTAMINADAS

Mandar fechar o Shopping Center Norte, o Lar Center e lojas do Carrefour e do Decathlon é fácil, quero ver mandar desocupar os 35 blocos da Singapura da Avenida Zaki Narchi. Lá o bicho pega.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

GREVE DOS BANCÁRIOS

Moro (e trabalho) no começo da Av. Paulista e hoje, 27 de setembro, dia de greve dos bancários, tem uns poucos gatos pingados fazendo piquete na porta da agência do Bradesco, que estão desde 9h, fazendo discurso, tocando rap o tempo todo. Geeeente! Admito o direito de eles fazerem greves embora isto me atrapalhe. Mas eles não tem o direito de  encher o saco de todos que moram e trabalham nas redondezas! Em vez de conseguir apoio das pessoas eles afastam qualquer possibilidade de conquistar simpatizantes pela causa! 

Sofia Luri Kubo sofia2011@uol.com.br

São Paulo

*

FALTA DE LUZ

As publicidades que foram veiculadas na TV-Rádio-Jornais muito bem feitas, pena que sejam enganosas, tudo em decorrência do último apagão - conforme comentário que constou no portal "opinião" online do Fórum dos Leitores do Estadão de 12/6/2011. O verão nem chegou e as chuvas dessa estação também não, no entanto em 1/10 (sábado) por volta das 21h., choveu e ventou pouco, coisa 5h10, no entanto a luz apagou por quatro vezes, retornando em seguida, para posteriormente ficarmos sem luz até às 23h45. Em 8/10 (também sábado) por volta das 17h, choveu por 30 minutos e ventou, ficamos sem luz até às 20h10. O atendimento telefônico continua tão ruim quanto antes das propagandas enganosas, mentirosas. Na primeira ligação, depois das intermináveis e repetitivas gravações, fomos atendidos por Marcos, a quem comunicamos o local da falta de luz, depois de respondermos uma série infindável de perguntas que nos fez, não basta o endereço, bairro, imediações, cidade, estado, país, etc., etc., querem saber muito, para que a ligação fique bem extensa, com isso atendem menos consumidores e reclamações, é o que deduzimos. Daí ficamos aguardando na linha, até cair a ligação, uma "estratégia" por demais deselegante, com isso perdemos nada menos de 40 minutos... Que eficiência? Nos anúncios divulgam que instalaram mais linhas telefônicas e colocaram mais atendentes, é verdade? Não parece. Ligamos novamente, depois de ouvirmos a maçante gravação, tudo de novo, nos atendeu a Lana, repetimos todos os dados, novamente, quando nos informou ter havido um problema com um transformador e que a previsão do retorno da luz estava programada para às 20h; esta segunda ligação demorou por volta de 15 minutos, cujas ligações fizemos por celular, já que quando falta luz, também ficamos sem telefone fixo, internet e TV a cabo (NET/Embratel), é a modernidade! Mas as contas dos serviços temos pago em dia, salvo quando não se consegue uma segunda via, por outros meios, devido a greve dos Correios que perdura por 25 dias (em 8/10), reclamar a quem? A incompetência está se generalizando e a corrupção aumentando. Ficamos imaginando um temporal, uma ventania de 80 a 100 km/h., ainda bem que não temos tornados, tufões, daí nem pensar em energia elétrica? Até quando vamos continuar convivendo com as constantes faltas de luz, e principalmente no Planalto Paulista (CEP 04067-031)? Daí a Aneel, que não fiscaliza nada, multa a AES-Eletropaulo, enquanto o nosso ministro de minas e energia, Edison Lobão, deve estar apurando e fazendo uma a boa "faxina" nos cofres do ministério, agora virou moda. Recordando: moro no mesmo local a quase 50 anos, nunca ficamos sem luz por tanto tempo e frequente. Sou do tempo da revista "O Cruzeiro", criada por Assis Chateaubriand, e lembrei da charge do "amigo da onça"? Coincidência não? Perceberam?

 

Luiz Dias lfd.silva@uol.com.br

São Paulo

*

A GREVE CONTINUA

Pelo tempo que  já  dura a greve dos carteiros, estou pensando seriamente em adquirir uma frota de pombos-correio.

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

PLANOS VERÃO E BRESSER

A 4ª turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) acaba de decidir, de forma abrupta, prescrição de cinco anos das ações dos Planos Verão e Bresser. Isso contraria várias jurisprudências que dão ganho de causa aos poupadores. Mais uma vez, a população brasileira se vê alijada de seus direitos de maneira estranha e muito suspeita. E mais uma vez, o poder econômico dita as regras e prejudica milhões de pessoas que tiveram seu rendimento retido pelos bancos. A prescrição só deve ocorrer, quando se é dado um prazo para o cidadão e este prazo veio muito tempo depois dos cinco anos decididos pelo STJ.

Elias Skaf eskaf@hotmail.com

São Paulo

*

ÉTICA E DESACELERAÇÃO ECONÔMICA

Segundo o último relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), nosso Brasil varonil, apresenta a pior perspectiva de desaceleração econômica. Em agosto 2011, o relatório mostrou que nossa situação é a mais trágica, entre 39 países avaliados. Conseguimos superar a Índia! E hoje ouvi a surpreendente declaração de Guido Mantega: “Estamos todos, muito preocupados com a desaceleração da China.” Este homem é uma piada! Prezado leitor, todas as economias do mundo estão em desaceleração econômica, com a honrosa exceção do Japão, mas o Brasil varonil é o segundo que mais desacelera, conforme a OCDE. (com índice medido entre agosto2010 e agosto 2011).  Perdemos apenas para a Índia! Este é o Brasil real! O Brasil com greves de bancários causando um transtorno danado e sem perspectiva nenhuma de acabar! Com greves de correios insistindo em prejudicar o povo que encara filas e mais filas para honrar compromissos! Com greves de professores onde educação só é prioridade em palanques! Um Brasil real, onde antas políticas enchem o peito para ensinar velhas raposas, como resolver seus problemas econômicos e impasses sociais. E fazer isso lá no velho mundo? Puxa quanta audácia? Vou parodiar o rei de Espanha: “Por que no te calas!” Vamos ensinar o quê e para quem? Nós, um país que deve até os tubos e separa quase um terço de seu PIB, só para pagamento de juros de dívida. Nós, um país de impostos mais altos do mundo, onde a infraestrutura é caos, onde educação é desastre, onde corrupção é institucionalizada, onde condecoram e premiam e estufam a guaiaca (dinheiro grosso, meu prezado) de vis ex-terroristas que só criaram confusão e desordem, onde homens que deveriam fazer valer as leis passam por cima destas mesmas leis, vilipendiando e desonrando a justiça. Onde ministros do STJ enterram provas da Operação Boi Barrica, para salvar a famiglia Sarney? Onde polícia mata juíza que luta para fazer valer a lei? Ora, tenham dó! Completo 63 anos dentro de alguns dias e nunca vivi um período onde tantas nulidades, tantos iníquos, tantos ladrões, tantos neófitos, tantos analfabetos, deitam e rolam e seguem suas vidas como num mar de rosas. Também prenúncio de fim dos tempos? É possível. Beeeem possível! Estes homens não entendem o que é ser decente! Por isso, saliento que o comportamento ético sempre beneficiará a nós mesmos. Agir com ética e humildade e respeito a seu interlocutor, não é concessão aos outros, antes é um presente, uma dádiva a você mesmo. Ao realizarmos uma ação benéfica ao nosso próximo, sempre tranqüilizamos nosso espírito e agradável sensação de bem estar se apodera de cada um de nós. Princípios foram criados para serem observados e consolidados, em nossa vida e em nosso espírito. Isso é fundamental, se você almeja ser um real vencedor! Ética é um destes princípios! Lamentavelmente tão incipiente e tão carente em nossos homens públicos!

João Antonio Pagliosa joaoantoniopagliosa@gmail.com

Curitiba

*

PAÍS LEVADO AO RIDÍCULO

Em oito anos e meio de governo petista vi muitas coisas ridículas ( para não falar das imorais). Mas ultimamente a coisa desandou. Começa com essa mulher travestida de ministra na Secretaria de Política para a Mulher. Ela parece não ter assessoria. Antes de falar ou tomar qualquer atitude deveria ser mais cautelosa, afinal ela é uma voz oficial e representa a posição do Estado. Seus comentários e conduta sobre cenas de novela interferem na liberdade de expressão, o que a sociedade não aceita. Prefiro ser otimista e acreditar que ela esteja apenas querendo uma parceria com Agnaldo Silva em "Fina Estampa" da Rede Globo. Dando sequência ao circo dos horrores, executivos do Bank of America/Merrill Lynch, fugindo do Stress de Wall Street resolveram vir ao Brasil e contratar um palhaço para, como minha avó dizia, "desanuviar". Pagaram R$ 250 mil ao nosso ex presidente, distraíram-se bastante e no final deram boas gargalhadas quando o ilustre palestrante declarou que "mesmo com nove dedos fez muito mais do que Steve Jobs e Bill Gates. Fala sério, nós merecemos isso?

 

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

DEMOCRACIA DIRETA

A matéria Protestos de ‘indignados’ se espalham (9/10, B17) revela que entre as reivindicações do “Occupy Wall Street” há a substituição do sistema representativo por uma forma de democracia direta. De fato, enquanto as ditaduras perdem força, as democracias representativas também já não satisfazem. A corrupção, a incompetência e a impunidade estão se generalizando e um novo modelo de estado mínimo e maior participação direta da população nas decisões se faz necessário. Os instrumentos para isso já existem, e as oportunidades estão surgindo. Precisa-se, urgentemente, de novos líderes e novos caminhos...

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

CHOCAR O OVO DA SERPENTE

Então, chega-se a um impasse. Não culpem mais a mídia, os políticos, os cientistas, intelectuais, jornalistas caso eles estejam escondendo alguma coisa. Muito menos as religiões, seitas ou grandes corporações. O mundo que se revela é feito de mentiras e fachadas de néon. Pode soar um tanto clichê, mas o lema de Francis Bacon (XVI) “saber é poder” é tão plausível quanto perceptível, e para alguns a situação é inquietante. Aqueles que detêm um grau de conhecimento devem escolher entre transmitir e iluminar as mentes ou obscurecê-las pela coerção e persuasão. O problema maior é equilibrar estes opostos. Imagina uma corda, que com o tempo você vai afrouxando, e chega a um momento que ela mesma acaba lhe enforcando. Assim, criou-se o mundo. Desde os tempos remotos vêm ocorrendo opressão, dominação, exploração com as mais variadas justificativas, sejam religiosas, políticas ou de simplesmente superioridade tecnológica, que, todavia, imprime a noção do “saber”. E se for para chocar o ovo quem melhor senão o Estado? Se não for assim, a luta social continuará, porque ela estimula o individualismo, a concorrência, a cobiça, as ambições particulares, permitindo uma guerra perpétua por glória e fama, em detrimento da causa comum, ou, nacional. Você se vê feliz por ter “saído da caverna”, enquanto que outros, que irão sustentar a sua felicidade, seguirão na obscuridade cavernosa. Temeroso você não os liberta, porque destas cobras uma pode ser venenosa.

Luiz Fabiano Alves Rosa www.politicaemilitarismo.blogspot.com

Curitiba

*

A FALTA DE DEMOCRACIA NA ONU

Não há como negar-se o anacronismo da disposição da Carta da Organização das Nações Unidas segundo a qual um único veto manifestado por país integrante de seu "núcleo duro" - o Conselho de Segurança - inviabiliza uma Resolução, não obstante sua composição consubstanciada em cinco membros permanentes e dez renovados por biênios. Se o sistema correspondeu às necessidades de equilíbrio geopolítico do momento em que foi instituído, houve profundas mudanças internacionais que, na atualidade, não mais justificam que um único país iniba ações desejadas pela comunidade mundial. Não há democracia no seio da ONU.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

ORIENTE MÉDIO

No Oriente Médio, a coisa já ultrapassou qualquer limite da ignorância e da maldade humana, as matanças de cristãos, a proibição de religiões contrarias as seitas locais, o Egito um retrocesso atrás do outro, pedem democracia para que? voltar a idade da pedra? "Uga-Uga", e no Irã, aquele presidente louco, manda dar chibatadas em mulheres e elas toleram, os homens do país toleram? Onde está a dignidade humana?

Roberto Moreira Da Silva rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

*

PEDIDO AOS DEPUTADOS

 

Excelências, tomo a liberdade para escrever-lhes e pedir respeitosamente a vossa colaboração para sanar um problema que causa tanto transtorno as pessoas e que dá para  corrigir com uma simples ação: Trata-se de penalidade administrativa contida no CTB que determina a apreensão do veículo que tiver o licenciamento atrasado. Inúmeras ocorrências dessa natureza são registradas diariamente, trazendo sérios transtornos e constrangimentos (com famílias - ora saindo em férias, ora socorrendo alguém enfermo, ora saindo a passeio com crianças e pessoas idosas) as quais são paradas e desavisadamente tem seus veículos recolhidos ao pátio, quando, alem de todo o dissabor, precisa ir ao banco pagar o licenciamento, aguardar sua emissão - que em média demora uma semana, - pagar guincho, pátio e pedágios para ter o veículo liberado, o que importa em gastos no mínimo de R$ 600+ multa gravíssima c/7 pontos. Tudo isso, senhores deputados, resolver-se-ia  com uma simples emissão do boleto referente ao licenciamento em seus respectivos calendários, nos moldes do IPVA ou um simples lembrete. Os governos por si, jamais tomariam essa medida no sentido de melhorar a vida das pessoas, pois feriria frontalmente parte de suas receitas advindas das multas aplicadas em face do corriqueiro esquecimento de quem possui veículos. Servidores inteligentes existem em todas as repartições públicas, mas não para melhorar a vida dos atribulados contribuintes, pois ao contrário, já teriam adotado o procedimento que este missivista solicita a V. Excelências.

 

José de Souza e Silva jss51souza@gmail.com

Cajamar

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.