Fórum dos Leitores

COPA 2014

O Estado de S.Paulo

22 Outubro 2011 | 03h05

Festa no Itaquerão

Ridícula a explosão de júbilo dos srs. Alckmin e Kassab com a escolha da cidade de São Paulo para a abertura da Copa. Na hora em que o povo perceber que vai ficar longe do evento (ingressos caríssimos) e que o custo final das obras - à custa do meu, do seu, do nosso minguado dinheirinho - foi muito maior que o anunciado, beneficiando alguns poucos, certamente vai dar o troco em 2014, nas eleições. É só aguardar.

MAURÍCIO LIMA

mapeli@uol.com.br

São Paulo

Politicagem

Deprimente a foto do governador e do prefeito puxando o saco, digo, votos na festinha do Itaquerão, principalmente sabendo que nós, contribuintes, vamos pagar essa conta indecente. Será que eles não têm vergonha de tanta falsidade? A política é nojenta, mas tudo tem limite. Ou não?

RICARDO GUERRINI

ricguerrini@hotmail.com

São Paulo

Pose na Cracolândia

Por que o prefeito e o governador não vão também posar para fotos na Cracolândia? Ah, entendi, posar no Itaquerão rende votos, na Cracolândia, não. Pobre País! Quando aprenderemos a cobrar nossos direitos?

FRANCISCO JOSÉ CARDIA

fra.cardia@hotmail.com

São Paulo

Segundo Tempo

Ao sr. ministro do Esporte: por que o Itaquerão decola e o programa Segundo Tempo não sai do chão (batido)? Será que existem mais corintianos do que crianças carentes no Brasil?

FLÁVIO CESAR PIGARI

flavio.pigari@gmail.com

Jales

Fifa

A Copa do Mundo de Futebol é da Fifa, que manda e desmanda, não tem o evento como esporte, mas como atividade comercial, visando a elevados lucros. O país-sede deve arcar com as despesas de organização e a Fifa, só contabilizar seus lucros, tanto que os ingressos começarão a ser vendidos em dólar, via internet, um ano antes do início dos jogos. Se mantidas as normas aplicadas na África do Sul, na última etapa de vendas serão postos à disposição ingressos para as cadeiras atrás do gol, em reais - serão poucos lugares. Os preços dos ingressos serão incompatíveis com a realidade do torcedor brasileiro e os idosos e estudantes terão dificuldades para adquiri-los. Quanto aos estádios, acredito que os custos finais serão superiores aos previstos, dadas as despesas com mão de obra adicional e horas extras, além de possíveis reivindicações de aumentos salariais. Os estádios para abertura do evento e para realização dos jogos foram definidos em função do maior lucro que a Fifa possa conseguir. Ao Brasil restará o ônus e aos brasileiros, mais dívidas, enquanto a Fifa fica com o bônus e sem nenhuma responsabilidade por nosso futuro.

TORQUATO FERNANDO LIMA

torquato.lima@gmail.com

Brasília

Desorganização

A continuarem como estão os preparativos para a Copa no Brasil - e se em Guadalajara, com os Jogos Pan-Americanos, o México é "campeão em desorganização" -, sem dúvida, nós seremos considerados "recordistas mundiais".

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

CORRUPÇÃO

Indignação geral

Estou indignado com o comportamento das autoridades deste país. A sra. presidente retornou de mais um tour e disse que estão fazendo o apedrejamento moral do ministro do Esporte. A sra. governadora do Estado mais pobre do País estatiza a fundação de um senador eleito por outro Estado, que está coalhado de denúncias de corrupção. Está cada vez mais difícil viver num país de infindável corrupção e pouca vergonha!

LUÍS SÉRGIO DE C. VILARINHO

vilarinho@metrosp.com.br

São Paulo

Lixão

Usando a linguagem futebolística, o ministro Orlando Silva está prestigiado, mas... O partidão já deve ter outro para substituí-lo à altura. Enquanto isso, no palácio, a faxineira continua esperando a mídia trazer mais lixo para ela ver se o recicla ou o manda para o lixão dos malfeitos.

ALBERTO B. C. DE CARVALHO

albcc@ig.com.br

São Paulo

Péssima faxineira

A presidente é daquelas faxineiras a quem é preciso mostrar onde está a sujeira e literalmente exigir que seja removida. Além de tudo, tem tendência a varrer para debaixo do tapete, como fazia o "cara", e acaba deixando que outra sujeira fique no lugar. Não faz faxina sem ser exigida.

WILSON SCARPELLI

wiscar@estadao.com.br

Cotia

Heranças malditas

De tanta roubalheira, tanta picaretagem, tanta corrupção, tanta farra das ONGs, tanta impunidade, tanta imoralidade - heranças malditas do governo Lula -, e lembrando que neste governo já caíram quatro ministros por corrupção e um quinto está prestes a cair, a sociedade brasileira não está aguentando mais. Logo, logo, quem cai é a presidente...

JOSÉ WILSON DE LIMA COSTA

jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

Legado

É verdade que o ex-presidente Lula, bancando e ampliando políticas iniciadas na gestão FHC, que ele tanto adora execrar, colaborou, sim, para que um número considerável de famílias deixasse a pobreza e passasse à classe média. Esse talvez seja um dos seus poucos méritos. De resto, o que mais ele deixou? Vamos ver: é ou não é verdade que as estradas federais em ruínas são herança de Lula? Que a persistência da baixa qualidade das escolas da rede pública é também herança dele? Igualmente, a continuidade da carga tributária escorchante? E ainda, claro, o número aparentemente sem fim de falcatruas que vicejam nestes mais de oito anos e meio de PT - estão aí os seus antigos ministros Antônio Palocci, Wagner Rossi, Alfredo Nascimento e Orlando Silva, entre tantos outros companheiros envolvidos em tantos outros escândalos, que não me deixam mentir - é ou não é herança de Lula?

HENRIQUE BRIGATTE

hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

 

TIRO DE MISERICÓRDIA

Esta informação exclusiva do Estadão, de que a mulher de Orlando Silva, Anna Cristina Lemos, recebeu por meio de uma ONG também criada por gente do PC do B R$ 43, 5 mil afundou de vez as pretensões do ministro de continuar na pasta.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

RENOVAÇÃO DE CONVÊNIO

O Estadão de quinta-feira (20/11) publica na primeira página, em destaque, que o Ministério do Esporte renovou convênio fantasma até 2012. Renovar quer dizer dar nova vida ao que já existe e está se findando, portanto, coisa concreta, e não que não existe, como bem qualificou o jornal, como uma operação fraudulenta (fantasma). No caso em tela, trata-se de uma entidade de fachada, uma ONG ligada ao Ministério do Esporte destinada a proteger crianças pobres na prática dos esportes, principalmente no futebol, dando-lhes todo o equipamento necessário e inclusive construindo campos para o exercício deste esporte. Ocorre, porém, que esse convênio não saiu do papel, como mostra e fala por si só a foto na página do jornal. De 2009 até hoje, este programa nem sequer iniciado foi. Que vergonha! E o "ilustre ministro" continua no cargo, vociferando no Congresso que é inocente das acusações que lhes são impostas e que irá processar céu e terra por calúnia. O que o ministro quer é que se renove o segundo para o terceiro tempo dessa ONG, para continuar a roubalheira. E o pior é que a presidente Dilma de tudo isso estando a par, continua deixando operar livremente essa nefanda oligarquia. Será que não existe, entre os brasileiros, um, como diziam os latinos ("concursus delinquentium"), para acabar com este concurso de delinquentes?

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

*

PROVAS

Se não havia provas contra Orlando Silva, agora as há. As fotos publicadas pelo Estadão (20/10, A4) mostram a corrupção ao vivo e em cores. O campo de futebol que não existe é o pêlo, basta puxar que aparece o camelo!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

ESTAMOS NOS ESPECIALIZANDO

Neste festival de acusações em torno da roubalheira no Ministério do Esporte, a cabeça do cidadão começa a ficar zonza. Apesar de já estarmos acostumados a ler e analisar grandes roubalheiras, em cada uma delas sempre existe uma novidade. Isso é bom, porque o brasileiro vai pegando as novas modalidades de assalto aos cofres públicos. Pesquisamos na imprensa as principais reportagens sobre o assunto. Os dois artistas principais da roubalheira no Ministério do Esporte, o ministro Orlando Silva e o policial militar João Dias Ferreira, cheiram muito mal. Os dois me lembram os artistas principais do quase arquivado processo do "mensalão", que foram as figuraças do delator Roberto Jefferson e José Dirceu, suposto chefe da quadrilha. Nessas histórias de horror nós vamos descobrindo que os ministérios são ocupados de alto a baixo pelos partidos políticos que apoiam o governo. Na roubalheira do Ministério dos Transportes, doado ao PR, só tinha funcionário do partido. Agora, no Ministério do Esporte, doado ao PCdoB, a mesma coisa. Todo mundo defende com unhas e dentes os chefões que estão lá em cima. Parece que a presidente Dilma já deu o primeiro passo, pois ela passou a comandar o Ministério do Esporte. O resto deverá seguir o ritual de sempre: muda-se o ministro e alguns ladrões, mas o ministério continuará a pertencer ao partido proprietário do mesmo. Ninguém será preso, ninguém devolverá o dinheiro, e nós, os grandes otários, vamos esperar ansiosamente a próxima roubalheira. Como já disse lá em cima, estamos fazendo mestrado e doutorado sobre táticas de como assaltar os cofres públicos. Pensando bem, esse conhecimento nunca vai servir para nada, porque o cidadão comum, otário e honesto, nunca vai ser indicado por partido nenhum para algum cargo do primeiro ou segundo escalão em algum ministério.

Wilson Gordon Parker wgparker@oi.com.br

Nova Friburgo (RJ)

*

E CONTINUA A DESAPROPRIAÇÃO

Em sendo confirmado o "affair" ministro do Esporte, Orlando Silva (PC do B), mais ONG para repasse de numerário para os interessados, é de afirmar realmente que comunismo bom é o comunismo com dinheiro dos outros. Em tempos outros esse butim era denominado "desapropriação". E o pior é que continua.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

ORLANDO SILVA

Não acredito em tudo o que dizem. Sempre foi um homem acima de qualquer suspeita. Refiro-me ao cantor.

Nelson Carvalho nscarv@gmail.com

São Paulo

*

REINCIDENTE

E Orlandinho Tapioca (lembram-se do cartão corporativo?), hein?! Quem diria...

Gilberto Martins Costa Filho pindorama@estadao.com.br

Santos

*

PANO RÁPIDO

É difícil acreditar que o procurador-geral da República vá levar em frente o pedido de investigação no Ministério do Esporte e também nos indícios de desvio de dinheiro do programa Segundo Tempo quando da gestão do atual governador de Brasília, que tudo nega, mas no noticiário da TV ele, o governador, estava com fisionomia do gato que engoliu o canário. Não dá para esquecer que, poucos dias antes da defenestração do ministro da Casa Civil, o procurador divulgou nota dando conta de que não havia qualquer mácula na conduta do então ministro. Pano rápido!

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

DE NOVO!

Um novo escândalo, desta vez é o ministro do Esporte, segundo a revista Veja. A presidente havia se colocado a favor do ministro. Aí cabe uma pergunta: De todos os que foram afastados, pouco se vê falar deles, se foram condenados ou absolvidos, porque a nossa justiça é lenta e antiquada. E eles continuam ganhando o gordo salário de quando estavam na ativa? Aí é o gasto em dobro, não é não?

Isael Coleone isael.coleone@itelefonica.com.br

Indaiatuba

*

QUEM SERÁ QUE PAGA A CONTA?

Vá a um site de busca. Digite: como criar uma ONG. Em segundos você terá todos os passos, de maneira didática, inclusive com modelos de estatutos e de atas. Em poucos dias esta ONG estará apta para receber doações e "contribuições" dos governos. O resto é história.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS

A grande maioria das ONGs, que são grupos sociais sem fins lucrativos e recebem recursos federais, foram criadas em áreas onde o Estado não consegue realizar atendimento à população menos favorecida. Para tornar o controle mais eficiente dessas entidades o governo federal deveria passar essa responsabilidade urgentemente às prefeituras das cidades onde as ONGs estão realizando o seu trabalho social. Deixar o controle dessas entidades para o sobrecarregado Tribunal de Contas da União e a fiscalização do Ministério Público Federal, como está sendo feito atualmente, haverá sempre problemas na prestação de contas bem como desvio de dinheiro público.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

ONGs e PCdoB

Se a direita protege os ricos, quem é o afilhado da esquerda?

Helena Rodarte Costa Valente helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

MAIS UMA CARGA

Somos novamente sacrificados por mais um escândalo, desta vez no Ministério do Esporte. As acusações que pesam sobre o ministro Orlando Silva são gravíssimas e exigem uma apuração rigorosíssima, pois mais uma vez, contrariados, temos que afirmar enfaticamente que nosso dinheiro não é capim. Após a ocorrência de tantos desmandos na esfera pública ainda temos que ter a paciência para suportar o palavrório inócuo do nosso ex-presidente falastrão, quando acusa a imprensa livre de nosso país de "imprensa golpista". Aí de nós se não contássemos com os inestimáveis serviços dela. Estaríamos perdidos. Nunca antes na história deste país... não há necessidade de mais nada afirmar, ao não ser pedir o obséquio a alguns pseudo-moralistas de plantão que parem com essa conversa mole de regulação da mídia.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

MINISTROS CORRUPTOS

Como perguntar não ofende, gostaria que a nossa presidente informasse onde ela foi buscar, ou quem teria indicado os caras que compõem seu ministério. Pelo andar da carruagem, até o final do seu mandato (se conseguir se manter até lá), não vai sobrar nenhum dos atuais ministros para contar o que aconteceu. Nunca na história deste país, se viu tantos ministros corruptos como no governo do PT que aí está.

Adolfo Zatz dolfizatz@gmail.com

São Paulo

*

GOVERNO LULA

Após mais um escândalo no ministério do governo Dilma, chego à conclusão de que nunca antes neste país houve um governo tão corrupto e leniente quanto o de Luiz Inácio da Silva, vulgo, Lula.

Celso Luiz Dutra celsold@terra.com.br

Santana de Parnaíba

*

A ÁGUA

Agora é a vez do ministro do Esporte ver o seu nome envolvido em corrupção - o que não é fato novo no governo do PT... Acho que é a água que eles tomam que está contaminada com o tal vírus da corrupção. Como já disse o "cara", o Brasil tá...

Carlos Roberto Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

*

ESCÂNDALOS

Estou com pena da presidente Dilma.

Olympio F.A.Cintra Netto ofacnt@yahoo.com.br

São Paulo

*

PROVIDÊNCIAS

Dona Dilma, mais corrupção, agora no Esporte. Faxina de verdade ou a "sujeira" vai pra baixo do tapete?

Eduardo Augusto de Campos Pires eacpires@terra.com.br

São Paulo

*

CARTÃO

Nesse 2° tempo, tudo indica que vai ter expulsão.

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

ESCOLHAS

Não sou petista, que quando na oposição torciam para quanto pior melhor. Estou torcendo para que a possível escolha da presidente, desta vez, seja acertada e que a ministra Gleisi desincumba-se de forma competente e ilibada na gerencia dos assuntos da Copa, porque quando ela deixou a Casa Civil na mãos de D. Erenice, deu no que deu.

Aluizio d'Avila puppyb@terra.com.br

São Paulo

*

VASSOURA NELES

Pelas acusações que fazem os membros do Ministério do Esporte entre si, parece que todos eles, de mamando a caducando, sem exceção, rezam a Deus de mãos dadas com o diabo! Fico imaginando a roubalheira desse pessoal em ações ligadas à Copa do Mundo. Vassoura neles e na Copa, Dilminha.

Orivaldo Tenorio de Vasconcelos prof.tenorio@uol.com.br

Monte Alto

*

AMOR BANDIDO

Recentemente, a presidente em exercício (?!?) disse que a prioridade do seu governo não é a faxina da corrupção, mas acabar com a pobreza. Alguns de seus amados ministros estão levando a prioridade ao pé da letra, procurando acabar com a pobreza (deles) rapidinho.

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

São Paulo

*

TRANSPARÊNCIA NO MINISTÉRIO

Às vésperas de sediar os dois maiores eventos esportivos do planeta - Copa de 2014 e Olimpíada de 2016 -,o Brasil não pode admitir qualquer dúvida sobre o desempenho do Ministério do Esporte aos olhos do mundo. Se provadas, as graves acusações de recebimento de propina e desvios de verbas envolvendo o ministro Orlando Silva e o Programa Segundo Tempo vão acabar em cartão amarelo ou vermelho?

J.S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

UM QUALIFICATIVO PARA O MINISTRO, POR FAVOR

O Distrito Federal (DF) é o retrato do Brasil dos últimos anos: a família Roriz - que em trio trabalha unida, o mensaleiro Arruda e, agora, o Agnelo, parceiro para o bem ou para o mal do Orlando Silva, o ministro que foi acusado de montar um esquema de desvio de verbas do Programa Segundo Tempo, criado para estimular a prática esportiva em crianças e adolescentes carentes... Esse ministro, acusado de praticar esse ato ignóbil, se diz comunista e tenta desviar a atenção de si chamando o parceiro que o denunciou de bandido e desqualificado. Do que devemos, então, chamar o ministro, quando se fica sabendo que a sua Pasta assinou convênio de R$ 911 milhões com o Instituto de Desenvolvimento de Crianças e Adolescentes em Novo Gama (DF), que isso serviu como propaganda eleitoral do PCdoB em 2010, mas que tudo não passou de mais um golpe, porque essa entidade é de fachada, foi denunciada pelo jornal O Estado de S. Paulo em fevereiro deste ano e, apesar das denúncias, o governo prorrogou o contrato com esta entidade até 2012? Até quarta-feira, nada tinha sido feito no local, o Segundo Tempo prometido ficou para as calendas. Do que mesmo devemos chamar o ministro?

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

O ACUSADOR

O acusador do ministro Orlando Silva até agora não mostrou provas do que afirmou à Veja e ao Estadão. Será que ele se lembrou do que aconteceu com Celso Daniel e Toninho do PT, e ficou temeroso?

Carlos E. Barros Rodrigues carlosedleiloes@terra.com.br

São Paulo

*

CANTORES DESAFINADOS

As denúncias contra o ministro do Esporte, mais para verdades do que calúnias, colocam em confronto os ''cantores'' ''João Dias'' e ''Orlando Silva''. O primeiro não arriscaria a sua pele se não estivesse fortalecido por provas substanciais, Orlando Silva já recebeu de forma simbólica o cartão amarelo, quando a presidente Dilma assumiu as rédeas da negociação com a Fifa e da tramitação da Lei Geral da Copa. Sinal de que o cartão vermelho está próximo. Orlando Silva está fora da Copa e da Olimpíada, tendo dado a sua contribuição para a conquista da Taça da Corrupção. Dilma não vê com bons olhos a aproximação do ministro com Ricardo Teixeira, presidente da CBF. Como está escrito no Eclesiastes: ''Nada há de novo debaixo do sol''. Apenas mais um dos quarenta.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

DE MÃOS ATADAS

Não é difícil concluir que, se a Polícia Federal e os demais órgãos que controlam os atos do governo levassem a ferro e fogo todas essas gravíssimas denúncias de improbidade que vemos diariamente na mídia envolvendo autoridades, certamente haveria um tumulto tão grande que, com certeza, afetaria a governabilidade. Assim como ocorre com a justiça no que diz respeito a absurda impunidade que ocorre hoje em todo o País. No caso, não haveria cadeia suficiente para todos os criminosos.

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

ABUSO DE PODER

Passados quase nove anos, o que temos assistido desse governo é que roubam a vontade aos partidos de coalisão. Só não me encham o saco, esse é o pensamento do grande mentor, Sr.Lula da Silva.

Maria José da Fonseca fonsecamj@ig.com.br

São Paulo

*

RAPINAGEM

Mais R$ 900 mil surrupiados pelas garras da corrupção. E ainda querem nos sacrificar com a instituição de mais um imposto. É para rir ou chorar?

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

MARTIN LUTHER KING

O sábio ativista Martin Luther King proferiu certa vez uma frase que cai bem no Brasil atual. Ei-la: O que mais preocupa não é o grito dos violentos, dos corruptos, dos desonestos, dos sem caráter, dos sem ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons.

José Domingos Bosnardo jbosnardo@ig.com.br

Campinas

*

'REFORMA' MINISTERIAL

Novo e eficiente método: cinco já caíram! Quantos mais cairão? Sobrará algum?

Jorge de Azevedo Pires jorpires@uol.com.br

Ribeirão Preto

*

UM NOME PARA O ESPORTE

Um nome que a presidenta Dilma não deve esquecer em substituição ao atual ministro do Esporte é o de Carlos Arthur Nuzman. É do ramo, há muitos anos lidando com o vôlei (e o vôlei é o que é por causa do Nuzman) e seguramente sério e probo. Um idealista que não se mete em falcatruas. Oxalá esse nome seja lembrado.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

FUNDAÇÃO SARNEY

Como há políticos que só visam ao interesse próprio - o povo eleitor é só um detalhe -, melhor exemplo em destaque é o do nosso tetra presidente do Senado, por que será? A governadora do Estado do Maranhão, sua filha, Roseane Sarney (PMDB), enviou na "surdina" e em regime de urgência projeto de lei que prevê a estatização da Fundação Sarney, prá quê? O projeto de lei n.º 259/11 estabelece a criação da Fundação da Memória Republicana Brasileira, de "direito público e duração ilimitada", vinculada a Secretaria de Educação, cujo patrono será o tetra, uma merecida homenagem, não acham? A controversa lei ainda inclui no orçamento do governo do Estado, o mais importante, as despesas da Fundação, precisa explicar? O objetivo "sorrateiro" é mão inversa do mundo moderno e atual, estatizar? Com certeza para favorecer e agradar seu pai, o mui digno, probo e imortal dono dessa Fundação, quanto vai custar para o Estado, pouco importa, que lindo? Dos 42 deputados estaduais do Estado do Maranhão, apenas 38 estavam presentes, dos quais 30 (trinta) votaram a favor e 8 (oito) contra, funcionou bem o "mensaranhão", a lei foi aprovada. O povo maranhense já pode comemorar mais uma "maracutaia oficial"?

Maria Teresa Amaral mteresa0409@estadao.com.br

São Paulo

*

SARNEY IMORTALIZADO

A filha Roseana Sarney, governadora do Maranhão, quer imortalizar o pai à custa do contribuinte. Com projeto de lei enviado à Assembleia Legislativa do Estado, com requinte nunca visto nem na monarquia, ela pretendia que a Fundação Sarney fosse bancada pelo Estado do Maranhão, onde exige que a indicação seja feita a cargo do patrono, ou dos seus herdeiros. Mais uma vez o clã Sarney quer, com dinheiro público, continuar recebendo dinheiro do povo para usar em suas questões pessoais.

Esta família é um "câncer" para o Maranhão e o Amapá (Estado que o elegeu senador). O povo brasileiro tem que tirá-los do poder por força das urnas, ou quaisquer outros meios, pois eles manipulam as demais autoridades dos Três Poderes, para obter vantagens. Haja visto o caso do Judiciário impedir que o Estadão publique notícias sobre o sr. Fernando Sarney (filho de Sarney) por mais de 800 (oitocentos dias). O Brasil precisa de novas lideranças, temos de renovar os políticos que estão hoje no poder.

Faça um político trabalhar, não vote nele. Por um Brasil onde o dinheiro público seja usado na saúde; educação e segurança, não para enriquecimento de políticos e maus empresários.

Icaro Martins de Oliveira icaro_cafe@hotmail.com

Osasco

*

FICOU NO AR

Com a estatização da Fundação José Sarney, aquela sobre a qual o impoluto senador nunca teve qualquer ingerência, ficam no ar as seguintes questões: parte daquele dinheiro que veio da Petrobrás e que foi aparecer na conta pessoal de um fulano qualquer lá, vai virar mais um precatório do governo do estado? Ou a "famiglia" conseguiu truncar aquele caso também? Com a palavra o Ministério Público (como se adiantasse alguma coisa).

José Benedito Napoleone Silveira nenosilveira@aim.com

Campinas

*

SARNEY

Que vergonha ter como senador/político uma figura patética, cômica e, por que não, comedora do nosso dinheiro. Pobre Brasil, quando poderá se ver livre destes imortais corruptos?

Marco A. Torre marco.torre@hotmail.com

São Paulo

*

SARNEYBRÁS

Qual será o fim disso? Sarney detona a tudo e a todos, depois do passeio de helicóptero, agora vem com a Sarneybrás? E nós, os otários ou tontos, pagando tudo para V. Excia. Estatizou a Fundação Sarney no Maranhão, seu rico feudo, onde não existe nenhunzinho hospital digno para seus conterrâneos. Em prazo recorde, apesar de num passado recente terem se constatado fraudes no valor de mais de um milhão e trezentos mil reais? Como esses números, para político, são dinheiro de pinga, a Controladoria-Geral da União precisa ir a fundo investigar a tudo e a todos e punir, se for o caso, quem estiver grampeando algo? Não podemos mais conviver com tanta canalhice e ainda faz censura?

Jani Baruki janibaruki@bol.com.br

Belo Horizonte

*

O CAIXA É DELES

Nossos caboclos do interior têm muitos ditados e frases que definem com total clareza situações da vida cotidiana. Uma delas é aquela citada quando alguém com a idade começa a dar sinais de "loucura" e aí se diz "fulano confirmou"! Esse é o caso da estatização da Fundação Sarney. Tal providência confirmou o que muita gente já sabe "o caixa do Maranhão (e em muitas outras situações, o do Brasil) fazem parte do patrimônio da família Sarney, que nunca podemos esquecer: "não são pessoas comuns". Que Deus não só abençoe o Brasil, mas que o proteja.

Carlos Antônio Barros de Moura carlos@barrosdemoura.com.br

São Paulo

*

QUE AMARGUEM O FRACASSO

É inacreditável a capacidade que a "famiglia Sarney" tem para criar novos "negócios" a serem sustentados por nós, povo brasileiro. A última é a fundação que não tem dinheiro para se manter, portanto deve ser estatizada, segundo a filha. Quem não tem competência, não se estabelece, portanto já está mais que na hora de fechar. Se não conseguiram dar um destino filantrópico e nobre a ela, no Estado mais pobre e mais necessitado do País, que é o Maranhão, então qual a razão de continuar existindo? Se é questão de culto a personalidade, que vendam um dos muitos e valiosíssimos imóveis que possuem (cuja origem é desconhecida) e mantenham-na. Se não têm espírito público para criar uma Fundação como a FHC ou a Bill Clinton Foundation, só resta amargar o fracasso.

Gladys Castanho glad-is@ig.com.br

São Paulo

*

O PODEROSO SARNEY

Após a aprovação da estatização da Fundação José Sarney no Maranhão, só falta a obtenção da canonização do próprio José Sarney. Quanto mais impostos teremos que pagar para bancar esta fundação, que será apenas mais um ralo a sugar o dinheiro público. Enquanto isso a saúde, educação e segurança vão continuar uma m. Que saudades do FHC, que em seu governo aprovou a Lei da Responsabilidade Fiscal, lei esta que foi rasgada pelo governo anterior (Lulla) e pelo atual governo (Dillma). Não demora muito e nos transformaremos em uma Grécia. Depois que o país quebrar por causa de tanta roubalheira, não vai adiantar sair protestando. A hora é agora: dia 15/11/2011, vamos sair juntos em passeata e mostrar a nossa força, pois juntos poderemos mudar o rumo deste país.

Maria Carmen Del Bel Tunes Goulart carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

A HORA DO TROCO

Mais uma ferroada de marimbondo de fogo levará o sofrido povo maranhense. O culto a uma inútil personalidade, que teve um enorme sucesso na vida, sem nada deixar de positivo para o Estado, para o Pais, nem exemplo para a sociedade, custará um bom dinheiro, caso o projeto de estatização da "importantíssima" Fundação seja aprovado sem alarde e com urgência. Será que o povo maranhense não pode censurar a atitude da governadora, da mesma forma que o Estadão foi tratado pelo clã?

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

São Paulo

*

PRÊMIO VLADIMIR HERZOG

Gostaria de fazer alguns comentários sobre a mensagem da deputada Luiza Erundina, de quem sou admirador, publicada pelo Estadão (Fórum dos Leitores, 20/10). A tão falada Comissão da Verdade pode se mostrar uma armadilha. A "verdade histórica" não existe, ela é diferente em cada cabeça. O que a Comissão vai revelar é apenas uma versão que vai depender das pessoas que nela vão estar. Não tenhamos, portanto, ilusões com "verdade histórica". "Fazer justiça aos que lutaram pela democracia", que me perdoe a deputada, é uma distorção muitas vezes praticadas por aqueles que dão a sua versão dos fatos. Aqueles que lutaram não pretendiam nenhuma democracia. Pretendiam, sim, uma outra ditadura. Aqueles que ainda estão entre nós, ainda sonham com a sua ditadura. Tenho medo da Comissão da Verdade. Não se tem a menor ideia do seu resultado. Se pacificador ou acirrador dos ânimos.

Celso Battesini Ramalho leticialivros@hotmail.com

São Paulo

*

COMUNISTAS

Na carta publicada pelo Estadão, a ex-prefeita Erundina afirma "faça justiça aos que lutaram e se sacrificaram pela democracia em nosso país". Eu afirmo, e provavelmente com a concordância de mais de 180 milhões de brasileiros, a luta de uns e outros, entre os quais Vladimir Herzog, era para a implantação do comunismo no Brasil, comunismo este que em nenhum país foi uma democracia e que graças aos militares não aconteceu.

Ronaldo José Neves de Carvalho rone@roneadm.com.br

São Paulo

*

CABO ANSELMO

O Sr. Fausto Macedo, no texto "ele quer entregar mais nomes", esqueceu-se de mencionar um trecho da entrevista do cabo Anselmo, quando ele se refere a Cuba, onde foi enviado para treinamento de guerrilha, e constatou a miséria em que aquele povo vivia, citou que quando um pobre coitado conseguia um pouco de café, passava o pó várias vezes, até se tornar chafé. Constatou também que o país vivia uma ditadura brutal, sem nenhuma liberdade individual, talvez tenha sido um dos poucos a perceber que nosso país poderia se encaminhar para aquele triste fim. Quanto à "Comissão da Verdade", se ele for convocado, poderá falar qual lado foi pior, em assassinatos, tortura, roubos e sequestros, e dar nomes aos bois.

Oswaldo Bocci oswaldobocci@terra.com.br

São Paulo

*

MORTE DE KADAFI

Na Líbia morre Muammar Kadafi, com quem Lula já esteve próximo. Será que ele vai ao enterro?

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

PRÓXIMOS CAPÍTULOS

Primeiro foi Yasser Arafat (Palestina), depois Saddam Hussein (Iraque) e agora Muammar Al-Khadafi (Líbia). Quem será o próximo líder árabe que os EUA desejam matar ou ver morto pelos seus prepostos? Será Bashar Al-Assad (Síria)? Vamos aguardar os capítulos que virão nessa sangrenta novela norte-americana. Salam!

Fernando Faruk Hamza botafogorio@bol.com.br

Rio de Janeiro

*

O POVO REAGE, SIM!

Mas não o brasileiro, que há muito é submisso aos desmandos e corruptos dentro das nossas instituições! Falo da sociedade líbia, que com coragem impar, e depois de 40 anos de humilhação derruba literalmente e para sempre o déspota, amigo de Lula e do petismo, o Muamar Kadafi. Logicamente que o ideal não seria seu assassinato. Esse crápula deveria viver enjaulado apodrecendo numa cadeia isolado do mundo, para sentir na pele os mesmos horrores que ele fez por décadas com seu próprio povo. Parabéns ao povo líbio pelo alto grau de civismo! Oxalá a democracia seja instalada por lá! E com os possíveis erros e acertos, o povo jamais deixe de ter vós...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

PRIMAVERA SANGRENTA

A primavera árabe pode ser considerada a mais sangrenta, consumindo bilhões de dólares. As alianças entre os ditadores e países desenvolvidos cessou e eles foram entregues à própria sorte, agora, resta saber se os governos farão uma transição que alcance a democracia. Bilhões serão necessários para a reconstrução destas nações, além disso, há um grande vazio de poder, e a lacuna, por certo, não será preenchida logo. Ao que tudo indica, os países grandes perderam os seus interesses em manter os feudos e abandonaram qualquer proposta de continuidade, fazendo com que as coalizões dominassem e matassem os seus ditadores. Enquanto serviam foram usados, depois, descartados, agora a população e a sociedade devem renascer das cinzas correndo para alcançar soberania, autonomia e nenhuma interferência do exterior, é a lição que fica.

Carlos Henrique Abrao abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

KADAFI

Gostaria de mandar minhas condolências para o ex-presidente Lula pela perda do seu "irmão" e "amigo" Kadafi (conforme suas declarações), morto pelas forças revolucionárias.

Godofredo Soares caetano.godofredo@terra.com.br

São Paulo

*

FALTAM QUATRO

Agora só faltam quatro amigos do cara: Chávez, Fidel, Ahmadinejad, e Kim Jong Il

Amâncio Lobo Amancio lobo@uol.com.br

São Paulo

*

A QUEDA DO DÉSPOTA

A queda de mais um déspota era esperada. Quantos ainda restam? Somente na América Latina há uns cinco que merecem o mesmo fim. Pobre povo sofrido! Kadafi encerra um capítulo de violência na Líbia, depois de ter destruído aquele país e a vida de tantas pessoas inocentes. O monstro terá de acertar as contas onde não existe corporativismo, nem CCJ pra inglês ver e muito menos foro privilegiado.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

LIXO HOSPITALAR

O Brasil virou um império do lixo descartável de europeus e norte-americanos. O sintoma disso é a frouxidão moral das autoridades brasileiras que se mostram incompetentes para controlarem qualquer tipo de acesso às nossas fronteiras secas, molhadas e aéreas. Os descartes de lixos dos porcalhões internacionais, a entrada de imigrantes ilegais, a infiltração de armas para o narcotráfico parecem fazer da nossa Nação a Rainha da Sucata do planeta. Será que estamos desgovernados e sem autoridade?

Leon Diniz leondinizdiniz@gmail.com

São Paulo

*

BOBOCA

Sim, eu me considero um boboca, pois eu achava o fim do mundo a importação de pneus usados. E não é que tinha bandidos importando lixo hospitalar? Só um bobo para ficar preocupado com sucata, quando coisas invisíveis, tipo bactéria, podem me matar.

Sérgio Barbosa sergiobarbosa@megasinal.com.br

Batatais

*

INVESTIGAR E PUNIR

Situação absurda, decorrente da ambição desmedida de pessoas que não têm nenhum respeito pela vida. O Estadão noticiou em sua edição de 18 de outubro (A18) a existência de importação de lixo hospitalar dos EUA, chegando em contêineres ao Porto de Suape, Pernambuco, identificados em sua documentação como "tecidos de algodão com defeito". Documentação falsa, tratava-se, na verdade, de lençóis sujos, seringas, cateteres, luvas e, sabe-se mais o que, no meio daquele lixo hospitalar. O que é feito desses "tecidos de algodão com defeito"? Na verdade o que está chegando ao país é "panos sujos e contaminados", descartados por vários hospitais americanos. E o seu destino entre nós? Será que o individuo que faz a importação recicla o material e o coloca, em seguida, no mercado? Se assim for, provavelmente, teremos lençóis sendo utilizados em hotéis da região, toalhas de mesa em restaurantes, panos de pratos em residências e até panos que servirão para a confecção de roupas em comunidades carentes. Pode ser, também, que esses "panos contaminados" e outros "objetos", estejam sendo fornecidos a hospitais, centros de saúde e pronto atendimentos da região. Isso é crime. A Polícia Federal tem de investigar e o governo federal, através do Ministério da Saúde, tem de adotar providências enérgicas.

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

É FALTA DE CARÁTER OU DE LEI RÍGIDA?

A tal da lei seca criada para o trânsito hoje funciona só no papel e nas propagandas, o que tem prevalecido na maioria dos casos de embriaguez é a impunidade. O sistema processual no Brasil é uma calamidade as vezes demora uma eternidade para que alguém que cometeu um crime no trânsito seja punido, isso quando são, que em muitas vezes fala mais alto a fama e o poder econômico do criminoso. Para se ter uma idéia de como esse fato vem se repetindo, um dia após familiares de vítimas de atropelamento por motoristas embriagados terem feito marcha pedindo punição maior para esse tipo de delito, no domingo, três pessoas que estavam em um ponto de ônibus no Itaim Bibi foram atingidas por um Honda Civic. Segundo a policia, os feridos, dois homens e uma mulher, estavam em estado grave e o motorista não tinha carteira de habilitação, além de apresentar sinais de embriaguez. A jovem e um dos rapazes estavam noivos, com casamento marcado para fevereiro. O casal que teve fraturas múltiplas nas pernas, aguardavam condução para voltar para casa após trabalhar durante a noite em uma casa noturna da região. Como resultado da irresponsabilidade, o rapaz pode perder a perna. O caso remete a impunidade. Existe a lei seca e fiscalização. Porém, falta e responsabilidade em quem dirige alcoolizado. Entrevista com jovens em baladas veiculada na TV mostra irresponsabilidade e a certeza de que nada acontece caso sejam presos. "Meu carro tem freio ABS e airbag, por isso, corro menos perigo em caso de colisão; Não sou pego pela fiscalização. No Brasil acontece coisas inacreditáveis comparado com outros países. Aqui enquanto alguns estão presos por roubar fraldas e margarina, outros acabam com a vida de inocentes dirigindo alcoolizados e, caso sejam julgados culpados, a pena é mínima, as vezes a punição é prestação de serviço voluntário ou com a entrega de cestas básicas para entidades, o que é uma piada. Pelo menos 11 acidentes semelhantes ocorreram nos últimos meses. O que falta acontecer para que uma atitude mais drástica e enérgica seja tomada. A sociedade precisa reagir a essa barbaridade que acontece no trânsito, que mata mais do que a maioria das guerras...

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

JOGOS PANAMERICANOS 2011

Assisti, na noite de 14/10, à transmissão da abertura dos Jogos Panamericanos que estão sendo realizados na cidade de Guadalajara. Uma festa que deve ter sido magnífica, pena que a emissora que detém os direitos de transmissão não tenha deixado ver o desfile de entrada das delegações, insistindo em nos brindar com sua câmera exclusiva com evoluções pouco emocionantes da delegação brasileira. O espetáculo musical também deve ter sido muito bom, pena que os empolgados narradores estiveram sempre falando em cima das apresentações, quando não cortando para a apresentação (dos mesmos) atletas na Vila Panamericana ou pior ainda em comerciais. Nunca imaginei ter que dizer o seguinte: ah, que saudade do Galvão Bueno!

Armando Taddei Junior taddei.junior@gmail.com

São Paulo

*

AMADORISMO

Não sei o que está pior: as transmissões e mancadas da TV brasileira ou a organização dos jogos. Ambas num amadorismo absurdo! Quanta incompetência!

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@ig.com.br

São Paulo

*

LAPSO NO PAN

Na transmissão do evento, o ufanismo é recorde, a tal ponto do narrador esquecer que ganha quem vence.

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

BRIGUINHA RIDÍCULA

Com essa briguinha ridícula da Globo x Record, o Bom Dia Brasil não informou o resultado do jogo de vôlei Brasil x Cuba. Até quando isso vai perdurar?

Valter Gali vgali@concili.com.br

São Paulo

*

DESCLASSIFICAÇÃO

A quase desclassificação do nadador Leonardo de Jesus de sua medalha de ouro, por ter o nome de um patrocinador na sua touca, parece mostrar que os dirigentes e acompanhantes da delegação brasileira foram tomar tequila ao invés de cuidar dos atletas! Como podem, os atletas não serem informados desta regra hiperdivulgada que é a proibição de mostrar nome de patrocinador nos seus equipamentos nas provas, sob pena de serem desclassificados? Depois a culpa é dos organizadores por falha de controle! Quem agradece é o patrocinador pela divulgação.

Jacques Pennewaert jacques.pennewaert@terra.com.br

São Paulo

*

BADMINTON

Como irmão do técnico da seleção brasileira de badminton, Luís Martin, venho manifestar minha alegria e de toda família, pela conquista da medalha de bronze no Pan-Americano de Guadalajara, por Daniel Paiola, sendo o primeiro pódio na história do badminton do Brasil no Pan, no individual. Parabéns, Daniel, atletas, técnico que tão bem representaram nosso país nesse esporte pouco conhecido aqui e possibilitando sua maior divulgação. Fica aqui nossa homenagem e reconhecimento por todo esforço, que acompanhamos de perto. É hora de comemorar a vitória e desejar cada vez mais sucesso!

Marco Antônio Coutinho Martin adv.mmartin@yahoo.com.br

Campinas

*

DEPUTADO ROMÁRIO

No dia 18/10 à noite, o jogador Romário comentava um jogo da seleção brasileira feminina ao vivo pela TV. Terça-feira. Vossa excelência não deveria estar "trabalhando" em Brasília? Gosto muito de Romário como jogador de futebol, mas o que é certo é certo. Chega de votar em alguém só porque é jogador, cantor ou humorista. Vamos votar direito, gente!

Ricardo Marin s1estudio@ig.com.br

Osasco

*

DESABAFO

Esse email é um desabafo de um indivíduo que ainda acredita em cidadania. Gostaria de falar sobre o descaso, a ineficácia e a falta de humanidade que caracteriza a área de Recursos Humanos nas grandes empresas e consultorias. Sou formado em Psicologia (2009), natural de Santos, tenho 28 anos e desde novembro do ano passado resido em São Paulo. Considero-me essencialmente sonhador, idealista e romântico em relação à vida. Posso citar aqui também, como marcante em minha personalidade, o gosto por mitologia e religiões em geral e certa inclinação a artes (em especial o canto) e a causas ambientais. Durante a faculdade, sempre fui um aluno interessado, alguém que valorizou o momento universitário, o que de fato foi um divisor de águas para mim. Experimentei na vida acadêmica tudo que considerei relevante, desde um bom relacionamento com a maioria dos professores até exercer a função representante de sala, por dois anos consecutivos. Consegui meu primeiro estágio não-curricular logo no segundo ano, em uma consultoria de recursos humanos. Confesso que não me encontrei e no ano seguinte, já iniciava outro estágio na área socioambiental, pela Prefeitura Municipal de São Vicente. Meu Trabalho de Conclusão de Curso consistiu em um relevante estudo bibliográfico sobre os aspectos simbólicos e arquetípicos envolvidos na relação homem-Natureza. Bem, me formei cheio de expectativas e autoconfiança, mas não demorei a perceber a enorme incompatibilidade entre o caminho que estava construindo a partir da faculdade e o mercado de trabalho tal como ele é. Diante de tal constatação e ainda ligado ao espírito universitário, montei um grupo de estudos com alunos do primeiro ano. Em contrapartida, tive que me submeter a um emprego como vendedor de loja, função que eu já havia exercido antes da faculdade. Em meados de julho de 2010, após já enviar uma quantidade considerável de currículos a vagas de psicólogo que recebia por e-mail, cujo retorno nunca tive, resolvi, com o inventivo de um amigo, fazer um vídeo em que trato, de forma humorada e crítica, justamente sobre a questão da dificuldade que muitos encontram em conseguir um emprego em sua área de formação. Acabei com isso descobrindo uma nova paixão: o audiovisual. Comecei então a fazer outros vídeos para o meu canal, nos quais pude, além de brincar com diversos temas e distrair-me, desenvolver um lado ativista, especificamente no que diz respeito à causa LGBT. Sim, sou homossexual. Ainda mantenho meu videoblog e no decorrer de todos esses meses pude aperfeiçoar-me nas técnicas e edição de vídeo e sou muito elogiado por isso. Juntamente, comecei a escrever um romance, que publico em um blog e que agora será revisado e editado por um amigo-leitor estudante da USP. Isso significa que ano que vem terei meu primeiro livro publicado! Mas, voltando a minha situação profissional em 2010, um sonho que sempre tive foi morar em São Paulo, por motivos diversos. Percebendo que nada mudava em minha vida, resolvi largar o emprego e ir, com a cara e a coragem, atrás do meu sonho. Fiquei hospedado na casa dos pais de um amigo, com quem hoje divido o kit net onde moro. Logo no primeiro mês consegui um emprego. Adivinhem? Como vendedor novamente! Estava insatisfeito, pois eu não tenho perfil para vendas, exclusivamente por não me sentir à vontade em abordar uma pessoa sem que necessariamente ela queira ser abordada e por não concordar com o sistema de metas pessoais que, a meu ver, tem como resultado a rivalidade e a discórdia entre colegas de trabalho. Assim, perdi as contas do número de peregrinações que fiz à Rua Barão de Itapetininga, já com certa descrença em arrumar um emprego como psicólogo. Eu apenas queria um emprego em que entrasse, sentasse em minha mesa, fizesse as tarefas que me eram confiadas e às 18h pudesse voltar para a casa. Queria meus sábados de volta! Não me nego a trabalhar de sábado, domingos e feriados, desde que seja algo que realmente me faça feliz! Embora eternamente apaixonado pela Psicologia, comecei a pensar em outras possibilidades e a vida em São Paulo me fez resgatar uma ideia que tinha quando criança, trabalhar com games. As noticias que eu tinha eram que o mercado na área de games está crescendo e eu me senti motivado a fazer o curso de Game Design de certa universidade. Começaria do zero, já que nunca mexi em programas gráficos, mas acabei descobrindo cursos que poderia fazer e que me capacitariam tanto para trabalhar com games, como para aperfeiçoar meus vídeos e por que não, trabalhar na área audiovisual. Eu não estava dividido e não estou. Considerar que posso trabalhar com uma gama de profissões que vai das ciências humanas à área de games não faz de mim uma pessoa sem foco, como alguns me disseram, tentando me desencorajar, mas me torna versátil e capaz de me realizar em diversas ocupações. Mas tudo esbarrava na questão financeira. Com o que ganhava, não poderia pagar curso algum. Procurei o RH da universidade em que desejava estudar, a fim de manifestar meu desejo de trabalhar no local e assim conseguir uma bolsa. Mas a equipe do departamento sequer teve o interesse de ver o meu rosto, limitando-se a uma boa dispensada pelo telefone. Concluí que eles não estão muito interessados em políticas sociais, não priorizam profissionais interessados em cursar na própria universidade, tampouco estimulam o ensino.

Mas a atitude do RH desta universidade não é muito diferente das dezenas de agências de emprego com quem tenho travado contato. Hoje estou desempregado. Tive que fazer um acordo com meu último chefe, pois já estava muito endividado pelo baixo salário. Ele me mandou embora e assim pude regularizar momentaneamente minha situação. Tinha uma proposta em vista, de ser credenciado como psicólogo a um convênio, mas não obtive resultados e por enquanto, estou vivendo com meu seguro desemprego. Essa semana fiz a última peregrinação pelas agências de emprego e vejo que meu currículo não tem valor algum. Minha experiência com estágios é inválida e minha falta de experiência em outras áreas mostra que estou fadado a passar o resto da minha vida trabalhando com vendas. A área de Recursos Humanos me parece estar longe do que eu considero humano. Tratam de vagas como algo engessado, uma descrição fechada em que tentam te encaixar e definir através de conceitos limitados. Toda vez que entro em uma agência, sinto falta de um: "Boa tarde! Sente-se! Vamos falar sobre suas habilidades! Vamos ver de que forma suas habilidades podem ser úteis no mercado de trabalho." E quando eu falo em perceber habilidades, não me refiro a experiências anteriores, a descrições de funções realizadas. Nada disso denota necessariamente talento. Eu falo de ver o indivíduo de forma integra, acolher! Acho engraçado que haja tantos psicólogos em RH e muitos se esqueçam de um principio básico da função do psicólogo: o acolhimento. Tudo é baseado em um jogo de interesses, porque todas as vezes em que fui "valorizado" por um profissional de RH, ficou claro que precisavam preencher aquela vaga absurda que ninguém aceita ou aquelas de grande rotatividade, como o bendito telemarketing. Currículos não são capazes de mostrar a humanidade e a sensibilidade do ser que está ali procurando emprego. Por algum motivo, os profissionais de Recursos Humanos evitam cada vez mais o contato. A informatização do envio de currículos dificulta mais ainda, já que você sequer tem a chance de mostrar a cara e mesmo que você seja super competente, nunca será chamado se não tiver o currículo engessado aos moldes da descrição da vaga.

Analisando de forma mais sistêmica, me pergunto que mercado de trabalho é esse que o homem criou, no qual ele mesmo não é mais prioridade. Tudo é centrado em conceitos dos quais nos tornamos escravos. Todos nós nos tornamos escravos de procedimentos que impedem expressões espontâneas. Vejo profissionais de RH, por exemplo, dando dicas de como se comportar em uma entrevista. Isso é um absurdo! Eles não querem conhecer o indivíduo na entrevista! O objetivo é verificar se o sujeito é capaz de vestir a máscara que a empresa deseja. E mesmo que ele tenha que se fragmentar por inteiro para tal, isso não importa! Não acredito mais em Recursos Humanos. Não tenho motivos para acreditar em sua eficiência frente à peça mais vulnerável do sistema: o desempregado. Gostaria de saber se alguém será capaz de me provar o contrário. Muitos que lerem isso poderão simplesmente concluir que eu não passo de um lunático, idealista. Na verdade, sinto que o mercado vê meu idealismo como um defeito ou, melhor dizendo, uma deficiência. Então, se sou deficiente, quero reivindicar minha acessibilidade. Quero cotas nas empresas para pessoas idealistas, espontâneas e com talentos que vão além das experiências com registro na carteira profissional. Quero um emprego digno de alguém que fez cinco anos de faculdade! Aliás, em uma palavra eu posso resumir tudo que estou buscando, minha dignidade!

Leandro Zagui leandrozalm@gmail.com

São Paulo

*

'ICMS E TENSÕES FEDERATIVAS'

Em virtude do claro equívoco constante da LC 24/75, ou seja, exigir a unanimidade dos votos para aprovação, deixaram de ser aprovados inúmeros projetos que beneficiariam regiões afastadas dos grandes centros e carentes de políticas de desenvolvimento. Espero que rapidamente o PLS 85/2010 (corrigindo a citação) seja aprovado e passe a vigorar a vontade da maioria, democraticamente, como prevê a nossa Constituição. Se eventualmente for empregado o conceito que norteia também as decisões do Senado Federal, ou seja, 3/5 (três quintos) dos votos, também teremos a vontade da maioria. Cabe destacar que o incentivo fiscal é prática mundial, amplamente acatada pela OMC. No Brasil está faltando apenas regulamentar a prática, utilizando como parâmetro o PIB de cada estado, o IDH, entre outros indicadores que deixam claro que realmente persiste a desigualdade neste país de dimensões continentais. Para citar apenas um exemplo, avaliemos a falta de infra estrutura básica, como saneamento, estradas, portos, aeroportos, energia, etc. Como convencer os acionistas de um grupo empresarial a investir no interior do Maranhão ou Piauí, se não forem oferecidos incentivos fiscais? Os Estados da Região Sudeste precisam ter visão global de desenvolvimento. Gerar empregos nas regiões carentes significa entre outras virtudes, diminuir as correntes migratórias, reduzir a poluição, criar novos mercados. Conceitos já assimilados na União Européia, por exemplo. Estamos falando de sustentabilidade. De longo prazo.

Antonio Carlos Moro ac.moro@adialbrasil.com.br

São Paulo

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.