Fórum dos Leitores

CRIME ORGANIZADO

O Estado de S.Paulo

02 Novembro 2011 | 03h05

Começar do zero

É mais do que lamentável ter a plena certeza de que estamos desprotegidos e despreparados ante todo e qualquer tipo de organização ilegal e contraestatal. O último exemplo, que apenas confirma a certeza que todos os brasileiros têm, é o limite a que chegou a sobrevivência do deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL-RJ). Ser político e honesto, lutar pelos direitos do cidadão (lembrando que político também é cidadão, ou deveria ser) e combater a ilegalidade, hoje em dia, não é mais cabível no Brasil. E o deputado Freixo é exatamente o exemplo que capta todas essas características. Por ser o tipo de homem que precisamos, e cada vez mais imploramos para que surja aos borbotões, o deputado terá de viajar para a Europa por tempo indeterminado para que não esteja na primeira página dos jornais com a manchete dizendo ter sido encontrado morto. A solução para nossa situação é comprarmos, todos, uma passagem apenas de ida com Marcelo Freixo para algum lugar da Europa e começar do zero.

PEDRO BEJA AGUIAR

pedrobejaaguiar@gmail.com

Rio de Janeiro

EDUCAÇÃO

Violência contra professores

Na reportagem Violência contra os docentes deixa marcas (30/10, A24), diz a socióloga Miriam Abramovay: "Os professores estão pouco preparados para receber alunos do século 21". Concordo plenamente, porque, como professora, não recebi preparo para ser assistente social, policial, psicóloga e babá. Fui preparada para ser educadora e sei muito bem qual é o meu papel dentro da educação. É o aluno que precisa se adaptar, saber o seu lugar dentro da escola. Ele não quer ser aluno. Não consigo exercer plenamente o meu papel de educadora por causa da estrutura da educação, em que, atrás de mesas burocráticas, se ditam teorias e conceitos pedagógicos muito bonitos, mas que, na prática, não resolvem.

LAURA C. DALTRINO

lauradaltrino@ig.com.br

Bragança Paulista

Triste marca

Li a matéria sobre a violência contra os docentes e esse fato é uma marca muito triste na nossa sociedade. Venho de uma família em que a arte de ensinar está no sangue. Minha mãe e minhas tias são de uma geração em que o professor tinham status, além de ser mais bem remunerado, e o respeito ao mestre era incontestável, tanto pelos alunos quanto pelos pais. Mas, infelizmente, a próxima geração não continuará nessa arte, dados os problemas citados na reportagem. Hoje o professor não tem mais aquele status nem autoridade dentro da sala. E nas escolas públicas tudo é nivelado por baixo. Já ouvi várias vezes de pais que educação se aprende na escola. Não, na escola somos educados academicamente e temos as noções básicas de cidadania. O verdadeiro cidadão forma-se em casa. É lá que aprendemos a respeitar o próximo e a ter respeito pelo mestre, que muitas vezes ensina por amor, pois não há nada mais valioso que ver o aluno progredir e se tornar uma pessoa de sucesso. Porém está faltando o básico, a educação que vem de casa, a que forma cidadãos. Sem ela não importa que o aluno seja do século 21 e a escola, do século 18. Em ambos os casos precisamos da educação que vem de casa.

LUÍS C. COCITO GUIMARÃES

luiscocitoguimaraes@gmail.com

São Bernardo do Campo

Pulso firme

A bem da verdade, família desestruturada ou desajustada produz entes que procuram inserir-se em qualquer meio da forma que aprendem e vivenciam em casa: quase sempre com violência verbal ou física. Inserido na sala de aula, esse fato tem no professor - mais ainda naquele que cobra atividades - seu alvo preferido. Mas o pior de tudo, a inversão de valores, é que grande número de ideólogos sociais procura culpar, até por falta de preparo - mas o docente não foi aprovado em concurso público? -, o agredido, em lugar de punir o agressor, o aluno. A violência, em especial a agressão física, que cresce exponencialmente na sociedade, tem de ser tratada não com contemplação, mas com pulso firme, pelas autoridades. Agir com pulso firme, nesses casos, é a diferença para o menor no dia do amanhã!

EDIVELTON TADEU MENDES

etm_mblm@hotmail.com

São Paulo

Enem

Vi no Estado a foto de estudantes candidatos às provas do Enem no Ceará, onde se lê: "O Enem é um circo, mais nós não somos palhaços". Parece que os problemas do Enem são consequência do mau ensino generalizado, pois chegar às portas da universidade sem saber a diferença entre mas e mais é o fim da picada. Só arranjando um "jeitinho" para se sair bem.

HOOVER AMERICO SAMPAIO

hoover@mkteam.com.br

São Paulo

Confronto na USP

Quer dizer, então, que na visão de uns poucos estudantes da USP a Polícia Militar deve combater no câmpus apenas os delitos que lhes convêm (roubo, furto, latrocínio, sequestro) e fazer vista grossa para os delitos que esses mesmos estudantes querem praticar livremente (uso de drogas, ações de vandalismo...)? A lei é para todos e, como bem mencionou o Estadão, esses poucos alunos não podem confundir "território livre de ideias" com "território livre das leis". Lamentável!

NIVALDO SILVA

ouvidoriaativa@gmail.com

São Paulo

SAÚDE PÚBLICA

Atendimento vergonhoso

Com todo o respeito, gostaria de dizer ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso - que tanto admiro e em quem sempre votei, como também no PSDB - que concordo plenamente com sua mensagem divulgada pelo Estadão segundo a qual o momento não permite e muito menos justifica críticas a Lula por estar recebendo tratamento especial e diferenciado num dos melhores hospitais da América Latina, neste momento tão difícil de sua vida. Rezamos e torcemos por seu pronto restabelecimento, ignorando atitudes ou ideais políticos. Mas a reivindicação da população não é a de ser atendida no Hospital Sírio-Libanês, onde Lula está se tratando, e sim ter um atendimento, no mínimo, humano e digno em qualquer hospital com condições adequadas, que o governo tem por obrigação nos oferecer, por ser nosso direito. Para que não ocorra essa vergonhosa situação de o povo morrer na fila aguardando atendimento durante cinco a seis horas diariamente e ter de esperar mais de um ano para marcar uma cirurgia. Vergonha!

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

PERDIDO NO ESPAÇO

Não bastasse mais uma decepção com vazamentos da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), no Ceará, a justiça, ao determinar que 13 questões do exame de 2011 fossem anuladas para os mais de 4 milhões de estudantes que participaram, o Ministério da Educação achou a decisão judicial correta, dando um fim a polemica, mas, depois de algumas horas volta atrás e deve recorrer no TRF. Esta era petista é uma verdadeira "casa de noca", ou seja, uma balbúrdia total. Ninguém se entende! A não ser para defender negociatas e os muitos camaradas vis... Sinceramente, não só as nossas fronteiras precisam ser investigadas! Mas, principalmente, Brasília...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

EXAME OU VEXAME?

Enem, um vexame de exames pela terceira vez consecutiva. Também será pela quarta e tantas quantas forem a se manter a equipe de gestores do MEC que entende que escrever errado está certo; que 11-7=3, que distribuir cartilhas e vídeos de homossexualismo é o ideal; enfim, enquanto a nação continuar a tolerar a absurda incompetência que assola a nomeação nos chamados cargos de confiança no Brasil.

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

CREDIBILIDADE ABALADA

Há 40 anos, eu era um dos responsáveis pela entrega das provas da Fuvest. Como a empresa encarregada pelo transporte da prova era séria e os responsáveis pelas provas eram sérios também, nunca houve problema algum. Hoje, o Ministério Público está pedindo a anulação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) por causa de vazamento da prova. Tudo começou diante da confirmação de que numa escola do Ceará algumas questões da prova tinham sido apresentadas aos estudantes em teste simulado. Soube-se depois que numa escola de Minas Gerais os alunos tiveram conhecimento prévio de uma questão de Matemática. Eu pressuponho que está faltando seriedade, até porque já é o terceiro ano consecutivo que há problemas com o Enem e, o que é pior, com essas trapalhadas do Ministério da Educação, quem acaba pagando é a sociedade, pois o dinheiro que paga de impostos acaba indo para a lata do lixo.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

INEPTO

Mais um vazamento no Enem prova que o Inep é inepto.

Sergio S. de Oliveira marisanatali@netsite.com.br

Monte santo de Minas (MG)

*

ENEM COM HADDAD

Se o ministro quiser ser candidato a prefeito, é melhor pular do barco rápido, antes que seja o próximo a se apeado.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

E NEM VEM, QUE NÃO TEM

Esse moleque do ministro Fernando Haddad, que errou pela terceira vez o Enem, é, ou pretende ser, prefeito de São Paulo. É evidente que a maior cidade da Nação, que não tolera incompetentes, vai lhe dar a resposta necessária, tão forte que o padrinho sentirá na face, tenho certeza.

Ronaldo Parisi rparisi@uol.com.br

São Paulo

*

TROPEÇO NO ENEM

Digníssimo Sr. Fernando Haddad, ministro da Educação, o Enem está tropeçando no despreparo dos seus próprios fiscais e mais uma vez houve vazamento de resultado das provas. Com este funcionamento das provas, o que poderemos esperar da educação brasileira e desse ministro que tem ambição de ser prefeito de São Paulo?

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@yahoo.com.br

São Paulo

*

FIASCO MAIS QUE ANUNCIADO

Chamar de incompetentes e irresponsáveis essa gente que comanda a área da educação no Brasil é elogiá-los. Como país emergente, que vai aos poucos afirmando seu desenvolvimento, desde a estabilidade de sua moeda com o Plano Real, o Brasil sabe do futuro que lhe espera a curtíssimo prazo, mas somente com a valorização da educação é que será possível acordar de vez. Agora será que é isso que estamos fazendo? Vejamos então, os mais de 5 milhões de estudantes que prestaram o Enem em 2011 que foram mais uma vez surpreendidos com a noticia do vazamento do exame. Porta de entrada para a universidade e obrigatoriedade em programas de financiamento estudantil, o Enem é motivo de ansiedade antes e depois da prova. Ter o sonho do diploma de nível superior baseado no exame virou pesadelo para os estudantes nas últimas edições, e neste ano não foi diferente. Agora porque isso está acontecendo? A resposta todos sabemos. O Brasil não poderá mais continuar apenas como uma promessa em berço esplêndido, sendo gerido por pessoas incompetentes. Para que isso mude todos os esforços da sociedade devem serem mobilizados. Surpreendentemente as explicações dadas até agora para os estudantes que correm o risco de ver mais uma vez as provas canceladas, foi a de que dez dias antes do Enem um colégio em Fortaleza realizou simulado com 13 questões idênticas ás que caíram na prova. O juiz da 1ª vara da justiça federal do Ceará, Luiz Praxedes Vieira da Silva, deu prazo para que o instituto nacional de estudos e pesquisas educacionais (Inep), responsável pelo exame nacional, se manifeste sobre a ação civil proposta pelo ministério público do Ceará, que pede a anulação das provas deste ano. O que deve acontecer ainda nesta semana, só lembrando que este é o terceiro ano consecutivo em que há problemas no Enem. Pensando bem esse tal de Enem tem sido um fiasco que tem como responsáveis pessoas incompetentes como é o caso do ministro da educação Fernando Haddad, e ainda querem fazer duas edições anuais. Que me perdoe o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por quem tenho simpatia, respeito e orado para que se recupere o mais breve possível do câncer detectado em sua laringe, mas não da para engolir seu protegido na pasta de educação. Dizem que perguntar não ofende, o que a presidente Dilma Rousseff está esperando para tirar esse ministro incapaz de gerir a pasta de educação o incompetente Fernando Haddad, será que Lula está interferindo para sua permanência num ministério como é o da educação que deveria ser a menina dos olhos da presidente, já que a educação em outros países sempre foi o ponto de partida para se modernizar e desenvolver.

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

A GENIALIDADE DO ENEM

Novamente este ano, para não quebrar a sua triste coerência, o exame do Enem apresentou um problema que poderá, em tese, acarretar a anulação do exame. Foi constatado depois das provas, que 14 questões das que compunham o Caderno de Exame, tinham vazado e eram do prévio conhecimento dos alunos do Colégio Christus de Fortaleza no Ceará. E a explicação do ministro da Educação é de dar nó na mente dos menos avisados. Segundo suas declarações em entrevista exclusiva ao Estado, a culpa é dos professores do citado colégio que colocaram essas questões no simulado que realizaram para os seus alunos dez dias antes do exame do Enem. E o ministro explica. "Hoje sabemos que essa escola foi sorteada para o pré-teste de 2010. E o material divulgado pela escola é a reprodução fiel de 2 dos 36 cadernos de pré-testes aplicados em outubro de 2010" e continua "É o mecanismo pelo qual eu consigo atribuir a cada questão um grau preciso, numérico, de dificuldade. A TRI (Teoria da Resposta ao Item, modelo matemático usado no Enem) pressupõe o pré-teste, para que provas diferentes sejam comparáveis entre si, aplicáveis até em dias diferentes. É praticamente uma prova por indivíduo". E a reportagem esclarece: Nesses pré-testes, elas são respondidas por grupos de 600 a mil estudantes para definir o seu grau de dificuldade. Mas o banco de questões do Enem tem menos de 50%, 6 mil ante os 15 mil a 20 mil que seriam necessários. Portanto a conclusão obvia é de que o Enem utiliza questões utilizadas no pré-teste para compor os cadernos de questões do exame propriamente dito. Então, o ministro acusa os professores do Ceará de copiar e distribuir questões do Enem porque tinham o compromisso de manterem o sigilo. E os alunos que fizeram as provas do pré-testes, não poderiam ter decorado as mesmas e anotado posteriormente? É evidente que com tal sistemática jamais será possível garantir o sigilo das provas do Enem e vai ficando claro porque esse exame apresenta problemas todos os anos e chega a ser surreal o ministro vir a público acusar os professores do Ceará. E a solução proposta pelo ministro também não tem nenhum nexo, pois com certeza muitos mais alunos além daqueles do colégio de Fortaleza tiveram conhecimento prévio das questões, já que o pré-teste abrangeu outras escolas do País. E o que me revolta é saber que o ex-presidente Lula quer nos enfiar goela abaixo esse ministro como nosso prefeito. Deveria seguir o próprio conselho que ousou dar ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso de que como "ex" deveria ir para casa cuidar dos netos. Seria coerente fazer o mesmo no lugar de ficar metendo a sua colher na eleição alheia, já que nunca aqui morou e tem todo o seu histórico político na cidade de São Bernardo do Campo. Nós, paulistanos, precisamos dar um basta à mania dos caciques políticos do País de nos empurrarem seus postes como nosso prefeito e negarmos o nosso voto para s candidatos que pretendem usar a cadeira de prefeito de São Paulo como banco de espera até as próximas eleições gerais para presidente ou governador. José Serra adotou essa prática e deu no que deu. O ministro que não consegue administrar o exame do Enem com certeza não vai conseguir administrar a maior cidade do País.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

BRASIL FEDERATIVO

Incrível que questões como as do Enem e a vergonhosa distribuição de dinheiro no varejo a ONGs e prefeituras (como quer agora o PC do B) não despertem nos governos estaduais um movimento pela descentralização de Poderes. O Brasil - em todos os sentidos - é grande demais para essa arcaica centralização administrativa. A coisa se agrava e aparece com mais destaque em situações como a presente em que a mediocridade e o "malfeito" se sobrepõem ao mérito e à ética.

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br

São Paulo

*

ESTUDANTES DO BRASIL

Quando se veem cartazes de protestos de estudantes secundaristas cearenses em que se lê que O Enem é circo mais os alunos não são palhaços e, pior ainda, os de universitários da USP com os dizeres Policiais não são trabaliadores..., além de pérolas como colocar num mesmo saco de drogas a maconha, o açúcar e o sexo, concluo que algo está muito mais errado do que o aceitável. Dinheiro suado dos impostos, ao contrário do que imagina o porta-voz dos guerrilheiros uspianos que, aos 30 anos ainda diz que "Tem muitos estudantes dispostos a resistir. A entrada da PM no campus viola a autonomia universitária", não deve ser empregado em barricadas e depredações de bens da sociedade. Autonomia universitária deveria se limitar a assistir aulas, fazer a lição de casa e tocar a vida, formando-se aos 21 e deixando vaga aos que efetivamente querem estudar, promover o país e produzir, nem que seja só para si. A foto da capa do Estadão (29/10) mais parece cena do morro do Alemão ou do Querosene em dia de confronto do que algo relativo à maior e melhor universidade do País. Lamentável!

William White whitewilliam@estadao.com.br

São Paulo

*

PROTESTOS NA USP

Os estudantes da Universidade de São Paulo (USP) que enfrentaram os policiais militares para impedir a prisão de três colegas que estavam fumando maconha leva a algumas reflexões. O cidadão deve ter assegurado o direito de fazer a bobagem que quiser, até consumir drogas, mesmo que isso prejudique a sua saúde. Mas não pode ser impedida a ação policial, que está cumprindo a lei em relação às drogas. E o incidente leva ainda a algumas reflexões, ou seja, os "viciados" que foram "protegidos pelos seus colegas estão fazendo que curso? E depois de formados, durante o exercício das suas funções vão estar em perfeitas condições ou os "baseados" serão consumidos como estímulo? A área estudantil universitária não apenas da USP deveria ser levada a discutir estas questões com segmentos públicos e privados que lidam com o problema das drogas. Não dá para ser aceito passivamente que uma pessoa se submeta às ordens de quem faz da venda de drogas o seu meio de sobrevivência. . A discussão em alto nível pode levar a adoção de medidas para diminuir o consumo de drogas. E influir decisivamente para assegurar a tranquilidade que a comunidade precisa. Não basta esperar apenas as ações policiais, a comunidade precisa agir.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

NOMEADO?

Quem é o gerente do tráfico na Cidade Universitária da USP? Foi nomeado ou concursado? Os que protestam pelo direito de sustentar o crime organizado, além de viciados, são cúmplices.

E as autoridades, também?

Moacyr Castro jequitis@uol.com.br

Ribeirão Preto

*

CIDADELA DA CANNABIS SATIVA

A Polícia Militar poderia criar em suas fileiras um Bope e a respectiva UPP, como no Rio de Janeiro, para combaterem o crime na Cidade Universitária da conceituada Universidade de São Paulo, já que alguns estudantes parecem emulados pelas comunidades cariocas. A medida deve ser abreviada, pois logo teremos ali, além das drogas, armamento e soldados do trafico; ou antes que criem um território independente. Vestibular disputado por milhares de estudantes, enquanto poucos deles, além de não cumprirem com seus deveres, ocupam lugar de outros que realmente gostariam de fazê-lo.

José G. Oliveira mandarino-oliveira@uol.com.br

Praia Grande

*

OS ESTUDANTES REBELDES DA USP

Durante a baderna na USP, as imagens veiculadas pelas TVs me impressionaram pela violência dos estudantes sobre os policiais. Mas uma coisa me chamou a atenção: havia um senhor de idade, cabelos grisalhos, que apareceu em diversas tomadas, segurando o braço de um estudante que estava com a cabeça encoberta por um agasalho ou manta. Ele praticamente encabeçava a turba com um ar de muita determinação: seria ele um dos professores uspianos que adoram promover sedições dentro do campus, incitando os alunos contra a reitoria? Até quando vamos ver a USP tomada por uma camarilha provecta que insiste numa doutrina que caiu de podre junto com o muro de Berlim, e o que restou dela, ao ser transplantada para a América do Sul, virou um ideário próprio para uso de bandidos? Nada do que reivindicam estes estudantes tem sustentação, só serve aos interesses dos traficantes de droga que não querem perder seu espaço de venda por causa da presença da Polícia Militar no campus. Estes estudantes demonstram , mais do que alienação ideológica, serem parcos de caráter, de responsabilidade, de consciência cívica... uns verdadeiros cérebros de ameba já cozidos pelo uso de drogas.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

USP - IMPUNIDADE

Não é fácil ingressar na USP, e muita gente que quer de fato estudar e ter uma oportunidade na vida não consegue acessar essa Universidade. Infelizmente uma minoria lá entra para criar confusão e perturbar o ambiente em prejuízo da maioria que tem por objetivo um futuro melhor. Isso que lá acontece, não é democracia coisa nenhuma, e somente ocorre por falta de um código de conduta disciplinar, que deveria estabelecer limites, para que baderneiros não utilizem a USP como palanque político. Mas como vivemos num país em que a "impunidade" é soberana, principalmente no mundo político, os efeitos colaterais ruins vão surgindo em hospitais, escolas, etc. A Polícia Militar lá está para proteger os estudantes contra marginais, e por isso merece respeito e deve continuar presente, mesmo que os arruaceiros sejam contrários a isso. E com certeza os contribuintes nao concordam em custear a permanência desses vândalos dentro da USP.

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

Sao Paulo

*

PCdoB NA USP

O pessoal do PC do B deve achar que os brasileiros são uns néscios, incapazes de compreender o que quer que seja. Pois estão redondamente enganados, uma vez que todo mundo já percebeu a manobra que eles tentam na USP, mobilizando seus "estudantes" e sindicalistas trogloditas para criar um factóide, na esperança de desviar a atenção da opinião pública da roubalheira desenfreada que eles, os "comunistas" (pobre Karl Marx!), promoveram no Ministério dos Esportes. Espero que o Governo Paulista, a Reitoria da USP e o pessoal decente daquela universidade não caiam nessa armadilha dos partidários de Mao (líder maluco, que nem a própria China Comunista aguentou). Aliás, está mais do que na hora de botar pra fora da universidade essa camarilha fajuta, que há anos domina a política estudantil e sindical da USP, causando enormes prejuízos para a universidade. Fora da USP, PC do B!

Renato Pires repires@terra.com.br

Ribeirão Preto

*

IMPASSE NA UNIVERSIDADE

É deprimente se deparar na primeira página do Estadão, em pleno sábado, de manhã logo cedo, com jovens universitárias de rostos cobertos, num "modelito" típico estilo bandido/terrorista. Sem entrar no mérito da questão do impasse ou mesmo do direito ou não do protesto, é lamentável e desestimulante ver jovens, que estudam em instituições mantidas pelo erário e que se preparam para construir um País melhor, agirem desta forma. A despeito dos arroubos da juventude, gente, esse tempo já passou! Quem está certo de estar fazendo a coisa certa não precisa ter vergonha nem medo do que faz, portanto não haveria porque esconder-se.

Aroldo Fuschini fuschini@terra.com.br

Araras

*

ENVERGONHADOS

É muito triste verificar que a prestigiada Universidade de São Paulo tenha sido palco de uma manifestação dos caras encobertas, como mostrou a matéria PM diz que não sai da USP e alunos prometem manter ocupação de prédio (29/10, C1). Encobertas de vergonha por estar defendendo privilégios inaceitáveis: a liberdade para o crime correr solto no Campus como se via tempos atrás... ou coisas piores! Antes as manifestações por lá não eram de algazarra e ninguém se envergonhava de mostrar a cara. Já está na hora de ver movimentos em prol da transparência e de outras virtudes dos verdadeiros regimes democráticos que é o que prezam os regulamentos da USP.

José Elias Laier joseeliaslaier@gmail.com

São Carlos

*

CAOS

A realidade da USP é caótica: uma terra sem lei, onde os docentes não tem pulso para coibir a montanha de ilegalidades que essa corja de estudantes profissionais cometem. Festas dentro das Unidades regadas a cerveja e maconha, vandalização das instalações, Grêmios e DCA com CNPJ privados instalados dentro das Unidades, patrulhamento dos colegas, ocupações de áreas físicas inteiras em nome do território livre (?), tudo isso apoiado num discurso mofado antiprivatista, antiqualquer diretor de plantão, anticapitalismo (!) monitorados por partidos nanicos que acreditam que a ditadura do proletariado resolve tudo. Enquanto isso essa militância ocupa espaços por oito, dez anos, impedindo que outros possam ocupá-las para atividades mais substantivas. A palavra de ordem na USP deveria ser: cumpra-se a lei. Seria profilático.

Augusto Francisco Paulo afpaulo@usp.br

São Paulo

*

ESTUDANTES?

Normalmente, os mentores desses protestos são "estudantes profissionais". Moram na USP (de graça) e não terminam nenhum curso. São, sempre, ligados a algum partido e/ou sindicato, e pretendem apenas criar o confronto. O fato de a PM estar na Universidade é mais uma motivação para eles. A maconha é contravenção. Está nas leis do País. O que podemos esperar destes elementos? Eles não são a USP. São baderneiros profissionais.

Geraldo Roberto Banaskiwitz geraldo.banas@gmail.com

São Bento do Sapucaí

*

FAZENDO ESCOLA

Pelas imagens dos estudantes da Faculdade de Filosofia da USP escondendo o rosto para não serem identificados, parece-me que o crime e a bandidagem fizeram escola. Ou será o contrário?

Luiz Carlos G. Pannunzio giotto.pan@gmail.com

São Paulo

*

IRRESPONSÁVEIS E IMATUROS

O protesto dos estudantes da USP, querendo expulsar a Polícia do campus, só porque flagraram "amiguinhos" consumindo drogas é algo inconcebível. Estamos falando da elite intelectual deste País. Não consigo concatenar palavras para exprimir minha opinião e indignação com esta tremenda irresponsabilidade e imaturidade destes jovens. A única coisa que possa dizer para externar meu pensamento é o seguinte: "Pare o mundo que eu quero descer".

Sérgio Roberto da Costa sergiorobertocosta@ig.com.br

São Paulo

*

ESTUDANTES OU REVOLUCIONÁRIOS?

Alguns estudantes não querem a Polícia na USP, porque três foram flagrados fumando maconha. Não estão preocupados com a segurança que a Polícia dá à nossa custa. Sugiro à direção que expulse todos os revoltosos e os papais, que não souberam educar os filhinhos, que paguem uma escola privada.

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

*

CAUSA FÚTIL OU MOTIVO TORPE

Enquanto a corrupção assola o País por todos os quadrantes, os dispendiosos estudantes da USP se ocupam em desafiar e a descumprir a lei e a ordem em defesa da futilidade de alguns viciados, incentivados muitas vezes por veteranos estudantes profissionais. Que é o seu objetivo? Que se restaure a falta de segurança no local como antes, reduto de assaltos e de criminalidade em nome de alguns poucos viciados? A Segurança e ordem no local reivindicada e apoiada pela maioria dos estudantes bem intencionados. Estes estudantes não teriam uma causa melhor para reivindicar? Senão a corrupção que corre solta embaixo de nossos narizes, que sintam pelo menos o que está acontecendo em Wall Street e nas praças da União Européia pela mudança no sistema da especulação financeira internacional espalhada pelo 1% dos ricos que detêm o poder sobre os bancos, e geraram a quebradeira mundo a fora, prejudicando o restante de 99% da população mundial remediada que vai pagar a conta sem ter nada a haver com isso!

Sebastião Pereira jardins@oadministrador.com.br

São Paulo

*

PREOCUPADOS

Que tristeza... Pelo visto, a única preocupação dos estudantes da USP é onde fumar seu "cigarrinho em paz".

Celia Mendes Di Martino cmendes_18@hotmail.com

São Paulo

*

MAMANDO

Sou ex-aluno da USP e há muito que os cursos e alunos da FFLCH são conhecidos no campus como párias. Com notas de corte ridiculamente baixas, são utilizados por formandos de outras unidades como forma de estender a experiência USP, ter uma carteira de estudante ou proporcionar para qualquer analfabeto essa mesma oportunidade, tudo "na faixa". Que eles fiquem brincando de ocupação como brincam de ser universitários. Afinal, quem sabe dessa forma os acadêmicos de 30 anos consigam somar mais alguns meses aos 8 anos que em média eles levam para se formar por lá. Nadando no CEPEUSP, comendo de graça no bandejão do CRUSP, mamando nas tetas do Estado... grandes contestadores do "status quo"... Quem devia ocupar essa unidade era a sociedade, para acabar com esse desperdício do dinheiro público!

Luiz Carlos do Canto Pereira Jr. luiz.canto.jr@gmail.com

São Paulo

*

QUEBRA-QUEBRA

Esses são os cidadãos e os futuros "nível universitário" que a USP está formando: se unem para defender uma atitude hoje ilícita no país, mas não estão nem aí para corrupção, falta de ensino de qualidade, falta de segurança de qualidade, falta de um sistema de saúde de qualidade, falta de um cidadão de qualidade. Forma cidadãos que defendem a impunidade... Por essas e outras é que somos a nação que somos... A culpa é nossa...

Antonio Carlos antoniocarlosalv@gmail.com

São Paulo

*

VIOLÊNCIA NO TRÂNSITO

A Rio-Santos é estrada sem duplicação, com limites de velocidade de 60 km/h, caindo para 40 km/h, mas jamais passando dos 80 km/h. O tráfego nunca é pequeno. Mesmo assim, alguns motoristas, diante da frequente faixa contínua ou dos veículos na direção contrária, com a faixa pontilhada, tentam coagir a gente a exceder a velocidade encostando seu veículo ao nosso. Mesmo que a gente ultrapasse um pouco a velocidade máxima permitida, a pressão dos muito apressados se mostra quase agressiva, pois quase colidem com a traseira do veículo à sua frente. Ninguém ignora que a segurança do trânsito impõe distância entre os veículos, sempre pressuposto o limite da velocidade. A absurda pressão que muitos motoristas põem em prática, fungando no cangote do veículo que trafega com segurança, quanto à velocidade, traduz abusiva imprudência, de que podem resultar previsíveis tragédias, se houver brusca freada do veículo da frente. Note-se que a Rio-Santos tem o sério inconveniente de súbitas lombadas, nem sempre bem avisadas. No meu caso, até aproveito a redução imposta por tais obstáculos para deixar que os motoristas afoitos ultrapassem e só retorno à pista quando os apressadinhos avançam, o que traz algum alívio, mesmo de pouca duração, quanto à pressão referida. Inútil observar que a atitude de motoristas que agem absurdamente, pressionando os outros motoristas, manobrando com grande perigo, trafegando no acostamento, desenvolvendo velocidades exageradas forma o quadro geral do nosso terceiro mundo, com toda sua corrupção. Claro que a truculência no trânsito, tão generalizada, espelha a corrupção geral, que não se exaure nos abusos contra o patrimônio público e até o particular. De certo modo, a ameaça ou violência contra a pessoa se mostra ainda mais grave do que a corrupção limitada ao patrimônio.

José Raimundo Gomes da Cruz jrgcruz@uol.com.br

São Paulo

*

PUXÃO DE ORELHA

Observem o surrealismo desse quixotesco governo de resultados e aparelhamento político.A senhora presidente Dilma Rousseff resolveu punir severamente as ONGs envolvidas no escândalo do ministério dos Esportes. E o faz da forma mais violenta e medieval, só comparada as seções que ela própria protagonizou nos DOI-CODI da época da repressão. Deveria cancelar esses contratos, todos viciados e com uma única intenção: o incentivo ao esporte da gatunagem . Ocorre que esses mal cheirosos contratos foram generosamente suspensos por 30 dias e logo serão liberados para que a farra se restabeleça. Esse é o preço que o governo tem que pagar para manter a maioria no Congresso.

Para o pessoal do Partido dos Trabalhadores (PT) e a turma da coalizão vale parodiar Caetano Veloso, da MPB: "não existe pecado do lado de baixo do Equador".

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

PISADA NA BOLA

A presidente Dilma Rousseff vinha "toureando" bem os casos de corrupção no seu governo, mas pisou feio na bola ao nomear Aldo Rebelo para o Ministério do Esporte. Não basta apenas trocar o "Ali Babá" e deixar os quarenta ladrões nos seus devidos cargos. Essa história de loteamento de um ministério para um determinado partido é uma das maiores imbecilidades da política brasileira. Ao colocar no comando do ministério novamente um integrante do mesmo partido que tanto desfalcou o país nos últimos anos, a presidente parece acreditar em um "milagre" nos convênios que serão firmados até a Copa e a Olimpíada. Para fora com todos já deveria ser a palavra de ordem para moralizar o Ministério do Esporte!

Rodolfo C. Bonventti rbonventti@superig.com.br

São Caetano do Sul

*

ESPORTE

Será que Aldo que já não era verde, está maduro para o Esporte?

Se ele mantiver a mesma postura, uma coisa é certa: os gramados dos estádios só terão gramas artificiais!

Mara Fonseca Chiarelli mara.chiarelli@ig.com.br

Mogi Guaçu

*

PROFISSIONAIS

O novo ministro do Esporte, Aldo Rebelo, quer profissionais do mercado para sua pasta, como sugestão pelo perfil do ministério: Mustafá Contursi, Alberto Dualib e Eurico Miranda.

Roberto Saraiva Romera robertosaraivabr@gmail.com

São Bernardo do Campo

*

MINISTÉRIO TEM DONO

Para bom entendedor já deu para perceber que ministério tem "dono", sai um corruPTo do PT entra outro, sai um corruPTo do PR entra outro, saem dois corruPTos do PMDB entram outros dois, em 26.10 saiu o corruPTo do PCdoB e já indicaram outro, donde se conclui que os ministérios são a melhor forma de disfarçar o "mensalão", é "roubalheira" consentida... Que ideia, hein? Os ministros cujos ministérios ainda não foram investigados permanecem, enquanto isso o povo continua sendo enganado e na mer.., como afirmou o ex-presidente. Que criatividade... Agora ministério tem "dono"! Cada qual faz o que quer com o dinheiro público. Será que essa é uma das razões da ineficiência e inexistência da oposição? Dos cinco ministérios onde houveram desvios, superfaturamentos, improbidades, fraudes, corrupções os valores foram ou serão recuperados? Ou fica por isso mesmo?

Luiz Dias lfd.silva@uol.com.br

São Paulo

*

TERCEIRO TEMPO

Realmente hoje podemos chamar o PC do B de materialistas, não segundo Karl Marx mas sim segundo o Agnelo hoje petista e depois Orlando que inaugurou a era do desvio de verba comunitária participativa. Onde um porcentual da verba liberada volta para financiar o partido. Agora pegam o que sobrou (se sobrou) de credibilidade com Aldo Rebelo que tem a missão impossível de fazer uma omelete sem quebrar os ovos ou de manter o esquema Agnelo com os comunistas do B, e moralizar o ministério. Isso é o resultado de um ex-partido ideológico onde a ideologia foi e a fisiologia ocupou o lugar, mas ainda pode-se dizer que em um partido comunista se rouba para o bem comum naturalmente. O que fica ainda mais fora da casinha é a propaganda onde o presidente do partido usa óleo de peroba e diz que as acusações do passado se mostraram falsas como se pudesse ganhar o jogo no terceiro tempo, já que o segundo tempo deu no que deu.

Márcio M. Carvalho mmcoak@hotmail.com

Bauru

*

NÃO VAI PARAR

A presidente Dilma já demitiu 5 ministros pertencentes ao legado do homem que nunca sabia de nada. Nunca antes neste país houve tanta corrupção, tantos escândalos como no período de 2003 para cá. Tenham certeza de que não irá parar por aí. Semana passada terminamos com a demissão do santo do pau oco Orlando Silva, com aquela carinha angelical afirmando que está sendo injustiçado e vai provar sua inocência.Agora entra o Sr. Aldo Rebelo, o homem que é contra o estrangeirismo, e daqui para frente o esporte da multidão (futebol) terá algumas alterações. Ex: gol será substituído por meta (vamos gritar metaaaaaaa); pênalti será pena, já temos tiro de canto, guarda metas, zagueiro (antes alf), impedimento (antes offside), e por aí vai. Lembrete: O Aldo vai acabar com as ONGs e enviará o dinheiro para investimento no Esporte, para os Estados e prefeituras. Mais um dinheiro sendo transferido de um ralo para uma boca de lobo.

José Saez jsaez2007@gmail.com

Curitiba

*

ENTREVISTA

Senti-me indignado ao ler a entrevista com o Sr. Aldo Rebelo, do PC do B e novo ministro do Esporte, publicada pelo Estadão em 28/10/2011 (A4). Quem este senhor pensa que nós somos? Um bando de imbecis desinformados? Ridículas suas respostas, para não dizer mentirosas. Sr. Rebelo, sinceramente o Sr. me faz sentir saudades da época em que os comunistas comiam criancinhas, pois pelo menos deixavam nossos bolsos em paz.

E aproveito para te lembrar: hoje, de comunistas autênticos, só restaram Fidel Castro e Oscar Niemayer.

Paulo Sérgio Pecchio ppecchio@terra.com.br

São Paulo

*

FARINHA

Saiu o ministro-tapioca, entrou o ministro-mandioca.

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

FUNDO DO POÇO

Conforme informações altamente divulgadas pelo Estadão e a imprensa em geral, tudo leva a crer e comprovar em envolvimento corrupto da mesma maneira em que se envolveu o ex-ministro do Esporte Orlando Silva (PCdoB). Do atual governador do Distrito Federal Agnelo Queiroz (PT), ocasião que foi ministro do Esporte, recebendo propina de R$ 256 mil. Ou seja, com a corrupção implantada na política atingimos o fundo do poço no País, não é?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

DEVOLUÇÃO

Li no corajoso Estadão que a ONG Pra Frente Brasil, sob o comando da gringa argentina Karina Rodrigues, recebeu do governo federal nos últimos sete anos o montante de R$ 28 milhões de reais; e os petistas de plantão, incluindo o sr. Guido Mantega et caterva, vêm a público solicitar mais dinheiro do contribuinte brasileiro para auxiliar na saúde, na Copa do Mundo e nas aposentadorias. É imoral tal pedida. E é imprescindível que os órgãos de imprensa que não dependam de verbas federais (vide o Grupo Mesquita/Estadão) continuem batendo forte nesse assunto até que "la gringa" devolva aos cofres brasileiros o que recebeu de forma indevida. E que a mesma retorne à Argentina o mais rápido possível, local de onde nunca deveria ter saído.

Antonio Milton Moraes amiltonm@gmail.com

São Paulo

*

PIADA

O deputado carioca do PSOL Marcelo Frouxo (só no nome) está saindo do País por causa da ameaça de milícias cariocas a ele e a sua família. Que país é este? Um antro de roubalheira e corrupção? Onde está o Cabral, que só tem olhos para os royalties? Isso, como diz o Boris, é uma vergonha.

Antonio Jose Justino anjogoma@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

*

NÓS OU ELES?

Gostaria de dizer ao Sr. Henrique Hunger Filho (Ética na política, 31/10), que vê em nós, eleitores, pela pouca politização, memória curta, os grandes culpados pela roubalheira que ocorre em todos os setores da administração pública, que sua visão é, antes de tudo, um diagnóstico. Faltou indicar-nos a medicação. A minha consistiria em cursos intensivos de educação política, moral e cívica, com professores indicados pela Unesco, com defesa de tese, mestrado e doutorado - para todos. Mas, considerando que o número de políticos e candidatos é muitíssimo menor que o de eleitores, sugiro - inclusive para economia de dinheiro público - que essa educação comece por eles, não por nós.

Hermínio Silva Júnior hsilvajr@terra.com.br

São Paulo

*

REPÚBLICA POSSÍVEL

O artigo do professor Marco A. Vila (República destroçada, 30/11 A2) é muito didático em relação a esmiuçar como nossa República vem sendo vilipendiada todos os dias, ameaçando nossa Democracia. Porém, senti falta no seu artigo que apontasse que a piora e deterioração da nossa República nestes últimos 8 anos, foi provocada pelo governo Lula, que foi useiro na defesa sistemática destes transgressores e corruptores. Acho que Dora Kramer (30/11, A10) nos dá mais esperança que "coalizões partidárias não precisam sempre obedecer à lógica da transgressão" e assim "consertar é possível a República destroçada".

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

'BOCA DO INFERNO'

Simplesmente brilhante o texto do professor Marco Antonio Villa. Esse texto deveria ser distribuído, analisado e debatido em todas as escolas públicas e particulares do País. Ele retrata, como ninguém, a realidade atual dos nossos políticos e governantes e, por extensão, a impunidade que grassa nesse meio. É uma pena que pouquíssimos eleitores tenham acesso ao "Estadão" e à mídia escrita em geral,para se conscientizarem da nossa realidade ali descrita. Parabéns ao ilustre professor, nosso novo "Boca do Inferno" da atualidade.

Marco Antonio R. Nunes nunesmarcelao1@ig.com.br

Pindamonhangaba

*

'REPÚBLICA DESTROÇADA'

Nossos parabéns ao professor Villa pelo excelente artigo República Destroçada, que retrata com perfeição a triste realidade da política brasileira. E também ao O Estado de S. Paulo pela hombridade em dar guarida a textos desse teor.

Luiz Edmundo de Magalhães e Nicia Wendel de Magalhães lemag27@terra.com.br

São Paulo

*

COMBALIDOS

Parabéns, professor e historiador Marco Antonio Villa, pela pertinência de seu artigo publicado na edição do dia 30 de outubro do O Estado de S. Paulo. Infelizmente ele traduz fidedignamente a caótica situação ética e moral existente em nosso pobre país (minúsculo mesmo)! Eu tinha esperança de que meus filhos encontrassem um "país" melhor, mas infelizmente nao há mais tempo para eles, talvez, pelo grau e enraizamento da corrupção atualmente existente, nem para a geração subsequente! A história não mente, quase nunca! Um dia chegaremos lá! Mas não sem antes pagarmos um preço muito caro para isso, vide Revolucao Francesa! O terreno atualmente existente em nosso "país" é exatamente o mesmo daqueles tempos na França, se não for até pior! Parabéns, professor! Pena que sejamos uma minoria combalida totalmente sem poder de reação.

Miguel Hueb ig.med@hotmail.com

São Paulo

*

BADERNA

Irremediavelmente nosso país está órfão, em todos os seguimentos de conduta e obrigações;na vivência comunitária,na ética política,na moralidade de nossos administradores e no mais grave de todos os problemas: a educação de nossas crianças,com a repercussão lá na frente, com os jovens que serão amanhã,nossos dirigentes,distribuídos pelos Três Poderes da República.Como assistir e aceitar que adolescentes,ditos estudantes de nossas escolas,continuem a barbarizar seus professores e diretores,jovens universitários travestidos de "terroristas islâmicos lembrando Munique", reagindo com extrema violência, contra uma autoridade legitimamente constituída, dentro do seu espaço comum, para protegê-los contra a bandidagem geral e dos maus costumes? Uma coisa leva à outra, passamos as mãos nas cabeças das crianças nas creches, no fundamental, no médio e faculdades, levando assim uma parcela da juventude julgar-se dona de suas verdades ideológicas e dos bens públicos? Nossas autoridades não devem em momento algum, abrir precedentes, no castigo a ser imposto para esta minoria de pseudoestudantes, funcionários sindicalistas e outros. O futuro do nosso país está atrelado na educação de nossas crianças e adolescentes,mas que seja na base do amor e do pulso firme. Com a palavra, os pais e os responsáveis pelo estatuto vigente.

Aloisio Arruda De Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

*

NADA MUDA

O professor historiador se perde na própria história. Os sistemas de governos de hoje são os mesmos da era de Adão e Eva, representados pela dupla do "cacique e do pajé". Os pajés de pouco tempo atrás eram os religiosos, que transformavam o cacique num deus, que podia fazer o que quisesses, porque afinal era "deus". Os pajés de hoje são os chamados cientistas políticos e econômicos, que adotaram o novo "deus" chamado dinheiro. Os caciques continuam os mesmos, filhos de deuses, e é evidente que sem dinheiro, não há reis nem rainhas nem sequer presidentes ou caudilhos de nada. A pajelança de hoje é exatamente igual à da época dos faraós ou dos romanos. Uma elite bastarda, instruída, imoral e antiética defende a "religião" de que a plebe existe para sustentar essa elite nas suas orgias, desperdícios e vícios. É essa á história política da humanidade, que apenas agora parece começar a mudar, por força da informação que não escolhe mais elites nem plebe. Fica faltando apenas a educação, que é responsabilidade da família, que o os regimes comunistas destruíram, e o mundo capitalista encampou na preguiça dos pais em transferirem a educação para as escolas, cuja função deveria ser "informar" e não "educar"! A desculpa "capitalista" é que hoje o "casal" precisa trabalhar, e não tempo para dedicar aos filhos! E estamos aí com uma juventude se afundando nas drogas, porque lhe parecem melhor do que seus próprios país!

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

REPÚBLICA BUFA

República destroçada, leitura obrigatória nas escolas do Brasil. Leitura de cabeceira da presidente Dilma Rousseff. Para ler várias vezes. No Congresso Nacional a leitura deveria preceder, invariavelmente, a todas as Seções Plenárias como um catecismo de formação moral e brasilidade. Leitura obrigatória até os "tiriricas" saberem interpretar o texto (nada pessoal). Parlamentares, postados em seus lugares, ouviriam atentos e respeitosamente. Longe das balburdias rotineiras que tem servido de mau exemplo nas escolas públicas do ensino no Brasil. República bufa - síntese da realidade nacional.

Augusto Luiz Degani augustodegani@hotmail.com

São Paulo

*

A DOENÇA DE LULA E O 'RECALQUE'

Muito infeliz a manifestação de apoio do ex-presidente (A12) ao chamar os manifestantes de recalcados. Também não vi as manifestações, mas é perfeitamente compreensível, uma vez que as pessoas comuns têm de enfrentar filas para conseguir um tratamento no Sistema Único de Saúde (SUS), que poderia, sim, dar o mesmo tratamento do Sírio-Libanês, caso não houvessem tantos desvios de verbas públicas durante a gestão dos dois ex- presidentes, e continuam cada vez mas escandalosos na atual gestão. Mães que perdem filhos, irmãos que perdem irmãos, filhos que perdem os pais não são recalcados, Sr. ex-presidente, são pessoas que como eu pagam seus impostos para vê-los confiscados por verdadeiros bandidos travestidos de políticos.

Maria Benedita Claret Alves Fortunato mbclaret@ig.com.br

São Paulo

*

DOBRE A LÍNGUA

Sr. Fernando Henrique Cardoso, nos últimos dois anos o Sr. tem aparecido na imprensa com ideias e opiniões que estão mais para jogadas políticas mescladas de hipocrisias (defendendo descriminalização da maconha) do que para um sentimento sério e digno de ser ouvida e lida por uma faixa social que entende o que lê. Eu sou médico e conhecendo minha área de atuação, mesmo não sendo funcionário público tenho condições de tecer críticas à saúde pública no Brasil. Não é absolutamente nada parecido com que apregoava Luiz Inácio Lula da Silva. O sistema de saúde pública no Brasil foi atacada por ONGs fajutas, verdadeiras quadrilhas, que desviam verbas, enchem o cofre dos partidos políticos e a conta corrente de bandidos. Aproveitando o momento quero afirmar que o sistema de saúde não precisa de mais dinheiro, precisa de competência gerencial e menos ladrões no pedaço. Existe nas redes sociais um movimento para que o ex-presidente realize o tratamento de seu câncer na rede pública de saúde. Eu vejo essas manifestações mais como uma crítica ao atual sistema do que um tentativa de agressão ao paciente. Porém o Sr. classificou os adeptos dessa ideia como sendo pessoas "recalcadas". Sr. Fernando Henrique Cardoso, não sou uma pessoa recalcada, sou um profissional liberal, apartidário, sem pretensões políticas, sem rabo preso, não faço parte de nenhuma quadrilha oficial, nem sou neo frequentador dos porões palacianos, e mais, tendo moral e ética suficientes para dizer o que quero e assumir a responsabilidade por tudo o que eu digo. Por favor, dobre sua língua.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

SUS

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, explicou via Twitter, diante dos comentários na internet de que o ex-presidente Lula deveria ser atendido pelo Sistema Único de Saúde (SUS), que "os médicos que tratam do ex-presidente Lula também tratam no SUS". Diante disso, e também via Twitter, enviei-lhe a seguinte pergunta, e aguardo resposta: Sr. ministro, em quais hospitais a equipe que atende o ex-presidente Lula no tratamento do seu câncer, segundo o Sr., atende pelo SUS?

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

PALAVRAS DO MINISTRO

O ministro da Saúde falou que os médicos que atendem o Lula também atendem o SUS: Só no "Postinho" do Sírio-Libanês? Engana-me que eu gosto.

Ângelo de Agostini angedemari@gmail.com

Campinas

*

'I HAVE A DREAM'

Lula é diagnosticado com tumor maligno na laringe. Sua condição, todavia, lhe permite ótimo atendimento e até um bom prognóstico de cura com tratamentos ultramodernos e sofisticados no Hospital Sírio-Libanês - um dos melhores da rede privada. Boa sorte para ele. Igual sorte, todavia, não tem a esmagadora maioria do povo brasileiro, obrigado a enfrentar filas desumanas para atendimento na rede pública do SUS, esquecida durante os 8 anos de seu desgoverno. Como sonhar ainda não paga imposto, e parafraseando Martin Luther King, diria agora: I have a dream! Sonho em ver o dia em que os políticos sejam obrigados a passar, nas adversidades, pelas mesmas vicissitudes do povo que dizem governar.

Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br

São Paulo

*

A OPORTUNIDADE

Dizem que o cigarro e a bebida provocaram o câncer de laringe do ex-presidente. Pode até ser, mas acredito que esse é um sinal dos céus: o ex-metalúrgico, usou indevidamente a capacidade que lhe foi atribuída - a comunicação fácil - para ludibriar, enganar e extorquir a esperança de milhões de pessoas, inclusive idosos e crianças, para atingir o poder e nele se perpetuar, chegando até a se comparar a Jesus Cristo, em diversas ocasiões, no auge da megalomania. A oportunidade de redenção é dada a todos: o ex-tudo tem a oportunidade em mãos. È só agarrá-la! Mas será que a sua presunção vai permitir? Será que esquece que aqui se faz e que aqui se paga?

Aparecida Dileide Gaziolla rubishara@uol.com.br

São Bernardo do Campo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.