Fórum dos Leitores

ELEIÇÕES 2012

O Estado de S.Paulo

04 Novembro 2011 | 03h06

Prévias no PT

Lembro-me de que, durante os mais de 20 anos a que pertenci ao PT, tínhamos de fazer prévias para tudo. Até candidatura a vereador numa cidadezinha tinha de passar por um debate. O candidato tinha de ter um histórico de lutas. E hoje... O partido afirmava que a verdadeira democracia exigia debates constantes. Que impor candidaturas era de uma violência inaceitável. Que isso só era usado pelo regime militar. Agora o Lula, desprezando todo o partido, impõe a candidatura do ministro trapalhão da Educação, Fernando Haddad, para a Prefeitura de São Paulo. Cadê a democracia, PT? O pior de tudo é que até a Marta Suplicy abriu mão da disputa a pedido do grande líder. Será que não existe mais ninguém no PT com alguma autonomia? Todos falam a mesma coisa: "Ouço e obedeço"! Quem imaginou um dia que o PT chegaria a isso?

JOSÉ MILTON GALINDO

galindo52@hotmail.com

Eldorado

*

Só pode ser isso

Depois de eleger uma competente desconhecida, Lula quer provar ao mundo que consegue eleger um conhecido incompetente.

VICTOR GERMANO PEREIRA

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

Haddad

Para a cidade cujo prefeito só se preocupa com a criação de novo partido nada mais apropriado que o ministro que nem sequer consegue fazer um Enem decente.

ROBERTO SARAIVA ROMERA

obertosaraivabr@gmail.com

São Bernardo do Campo

*

Marta fora da jogada

A exemplo do que fizeram com a Marta, será que se fossem feitos pedidos reiterados para o Lula desistir de se candidatar para um cargo a favor de outra pessoa ele sairia do páreo?

M. DO CARMO Z. LEME CARDOSO

zaffalon@uol.com.br

Bauru

*

Tucanos na gaiola

Tudo indica que a corrida para a Prefeitura de São Paulo na eleição de 2012 já começou e será bastante acirrada. Enquanto o PT e o PMDB já estão testando seus pré-candidatos, como sempre o PSDB não se define e continua com os seus possíveis candidatos tucanos engaiolados. Nesta altura é fundamental também fazer o jogo dos adversários.

JOSÉ MILLEI

elymillei@hotmail.com

São Paulo

*

USP

Quem paga os prejuízos?

Nada mais simbólico da incrível invasão da Reitoria da USP do que a foto estampada na primeira página do Estadão de ontem, de um "revolucionário" vestido com blusa da marca americana (imperialista?) GAP e usando óculos Ray-ban. Ela mostra que esses jovens são mesmo baderneiros e nem mesmo a sua ideologia é verdadeira. Destroem bens públicos pagos com o dinheiro de todos nós e acham que a polícia não deve fazer nada. Quem invade e quebra coisas alheias é criminoso. O que deveria ser feito depois de desalojá-los do lugar onde nunca deveriam estar é fazê-los pagar pelo prejuízo, pois os consertos necessários não podem sair de verba da universidade, que é sustentada pelos impostos que todos nós pagamos - inclusive os mais pobres - em detrimento de outras destinações. Que eles paguem pelos danos causados a todos em nome de uma ideologia ultrapassada e baderneira.

MARIA TEREZA MURRAY

terezamurray@hotmail.com

São Paulo

*

Ocupação do câmpus

A ditadura no Brasil ficou tão distante do nosso dia a dia como o Sol está do nosso planeta, mas os "ex-tudantes" de alguns cursos na USP ainda estão vendo fantasmas. Eles precisam atualizar-se em História, Geografia e até em noções de Direito. Parabéns à grande maioria intelectualizada que enche de orgulho o povo paulista e dignifica a Universidade de São Paulo, apoiando a segurança (presença da PM) no câmpus.

JORGE PEIXOTO FRISENE

jpfrisene@zipmail.com.br

São Paulo

*

Caras encobertas

É muito triste verificar que a tão prestigiada Universidade de São Paulo vem sendo palco de manifestações dos "caras-encobertas", como mostra a matéria A ocupação na USP vai afetar bolsas e convênios (3/11, C4). As caras são encobertas de vergonha por estarem defendendo privilégios inaceitáveis, como a liberdade para o crime correr solto no câmpus, ou coisas piores! O mais triste mesmo é o fato de a Congregação da Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas (FFLCH) ter dado apoio a essa aberração, e não àquela manifestação dos que mostraram a cara ao defender direitos democráticos.

JOSÉ ELIAS LAIER

joseeliaslaier@gmail.com

São Carlos

*

Manifestações estudantis

Fiz política estudantil nos anos 60 e 70, e nem sempre da forma mais correta. Entretanto, naquela época nunca escondemos o nosso rosto, no melhor estilo de quadrilheiros do tráfico. E olhem que haveria muitos mais motivos para isso! Certos ou errados, os estudantes de então tinham orgulho de suas ações e não se fantasiavam de bandidos.

LUIGI PETTI

luigi.petti@oas.com

São Paulo

*

Totalitarismo stalinista

Gostaria muito que esses estudantes que estão protestando contra a presença da PM na USP pudessem viver em algum país de regime comunista, como Cuba, Coreia do Norte ou até Venezuela, e tentassem protestar contra qualquer coisa que seus governos não permitem - ou seja, nada, pois lá não pode haver manifestações contra nada, exceto os EUA! Eles deviam agradecer por viverem numa democracia, pois, se quiserem tentar o diálogo, conseguirão. Mas impor ideias, como querem, é coisa de totalitaristas stalinistas, demolida no Muro de Berlim.

FRANCISCO DA COSTA OLIVEIRA

fco.paco@uol.com.br

São Paulo

*

BEBIDA NO TRÂNSITO

Decisão acertada

Cumprimentos ao STF - Dirigir bêbado é crime, confirma STF (3/11) - por decisão que não poderia ter sido mais acertada. Correta do ponto de vista jurídico, responsável do ponto de vista social.

RUBENS BELFORT JR. E JOSÉ LUIZ GOMES DO AMARAL, professores da Unifesp

São Paulo

*

FUX E A DECISÃO DO STF

Dirigir bêbado é crime, decidiu o Supremo Tribunal Federal (STF). Muito bom! Pena que um motorista alcoolizado que provocar mortes no trânsito responda por homicídio culposo, e não doloso, quando há intenção de matar, desde o voto do Exmo. ministro Luiz Fux, que determinou que quem mata no volante de um veículo, estando alcoolizado, não tinha intenção de matar, porque a bebida alterou seu sentido de julgamento. O álcool, então, deixou de ser agravante, para se tornar atenuante. Pena mesmo que o Exmo. ministro Fux não entendeu o fato de que o motorista que ainda vai beber sabe, antes de encher a cara, que vai dirigir e pôr a vida dos outros em risco, mas o faz assim mesmo, assumindo o risco de matar. Assim, gente como aquele secretário do governo do Rio de Janeiro, responsável pela morte de um ciclista por estar dirigindo embriagado, livrou-se de penas maiores e mais severas. Como diz o dito popular, cabeça de juiz e bumbum de bebê são assim mesmo. Nunca se sabe o que vai sair delas.

 

M. Cristina R. Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

ARMA PESADA

A decisão do STF merece nosso aplauso. O fulano que bebe e sai dirigindo consente que a qualquer momento possa matar ou ferir alguém, é o mesmo que andar armado sem ser autorizado. O carro na mão de um indivíduo embriagado tem o potencial de uma arma pesada.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

CAMINHO LIVRE

A pedido de Lula, por intermédio de Dilma, a senadora Marta Suplicy (PT-SP) abandonou a ideia de ser candidata à Prefeitura de São Paulo em 2012. Disse a presidente Dilma que Marta foi a melhor prefeita que São Paulo já teve. Cabe, aqui, uma pergunta: Se foi a melhor, por que não se reelegeu? Por outro lado, Marta desocupou o caminho para Fernando Haddad, o ministro do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem funciona...). Conforme noticiado, a doença de Lula impediu a queda de Haddad. Resta saber se os cidadãos paulistanos vão aceitar no comando da maior cidade do País um cidadão que não tem capacidade para aplicar um simples exame nacional.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

PREFEITURA 2012

Não aprovo o modo como o ex- presidente Lula está conduzindo a eleição para a Prefeitura de São Paulo, forçando goela abaixo o nome do ministro da Educação, Fernando Haddad, em detrimento da pré-candidatura de Marta Suplicy (PT-SP), líder nas pesquisas de intenção de votos. Não entendo como as várias correntes do PT não se rebelam contra essa atitude do Lula. O certo seria uma grande eleição dentro do partido para indicar o candidato da legenda.

Olympio F.A. Cintra Netto ofacnt@yahoo.com.br

São Paulo

*

GENUFLEXÃO

De Marta, explicação é somenos. O mais importante foi o "amém".

 

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

BONECOS

A candidatura Haddad à Prefeitura de São Paulo mostra que está em plena produção a fábrica de bonecos do PT.

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

UNE SOB SUSPEITA

Já que Dilma Rousseff autorizou uma fiscalização séria sobre as Organizações Não Governamentais (ONGs), não podemos esquecer a União Nacional dos Estudantes (UNE), ligada ao PCdoB, e o alto valor das verbas liberadas para essa instituição, que recebeu mais de R$ 42 milhões para construir um prédio no Rio de Janeiro, mas a obra não saiu do papel. Além disso, ainda tem mais R$ 12 milhões a receber, para quê? Onde se mexe, uma nova e péssima novidade aparece. É muito dinheiro envolvido para isso ficar em branco. Vamos, sim, auditar tudo sem tempo para reclamações e desculpas esfarrapadas.

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

MANEIRAS DE ROUBAR

Há uma infinidade de maneiras de roubar o dinheiro público: por intermédio de ONGs que recebem repasses fraudulentos em milhões; por venda superfaturada como a nossa refinaria da Petrobrás vendida à Bolívia; o pagamento de 360 milhões ao Paraguai anualmente; o perdão de dívidas a países sob condições não explicadas; os financiamentos para obras em países governados pelos amigos socialistas-comunistas; os cartões corporativos; as obras superfaturadas sem licitação pública; etc. Enfim, existe uma infinidade de maneiras de sangrar o erário para benefício de poucos em detrimento da maioria. Veja as condições do Sistema Único de Saúde (SUS) neste país – o fim da saúde pública. Veja o que é gasto em obras para campos de futebol por causa da Copa do Mundo. Este governo é realmente muito pobre em administrar a coisa pública, porque permite que as piores e as mais nojentas maneiras de desviar recursos públicos sejam possíveis.

 

Alberto Nunes albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

*

‘TRAVAS À CORRUPÇÃO’

O artigo Travas à Corrupção, de Suely Caldas (30/10, B2) faz uma análise geral da corrupção no País. Os fatos têm mostrado que a corrupção existe em todo e qualquer país, porém, quando a esperteza passa do limite tolerável precisa-se frear essa imoralidade. Sempre é bom lembrar que prefeitos do PSDB, PMDB, PT, PDT também foram beneficiados com recursos do Programa Segundo Tempo do PC do B. Conforme estudos de cientistas políticos, a obrigatoriedade dos governos estaduais prestarem contas à população através os sites na internet como licitações, contratos, convênios e os gastos em geral, iriam ajudar muito para frear a corrupção, sem esquecer o financiamento de campanhas eleitorais, logicamente.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

FIFA X BRASIL

Jérôme Valckle, dirigente da Federação Internacional de Futebol (Fifa), diz que o Brasil não vai vencer a federação – que está fazendo imposições para a Copa que, agora, o Planalto  não está  aceitando. Os absurdos custos da Copa 2014 só interessam ao sapo barbudo, e não aos contribuintes. Que interesses e negociatas haverá por trás disso? Onde há "contratos" com empreiteiras, tem... Ainda é tempo de desistir dessa burrice.

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

*

CAPITULAÇÃO

 

Após a afirmação do secretário-feral da Fifa, Jérôme Valcke, de que "o Brasil não vai vencer a Fifa", de duas, uma: ou a Fifa já pede seu assento na ONU, como uma nova e poderosa Nação, ou o Brasil, como uma reles colônia, entregue suas armas...

 

Renato Consolmagno consolmagno@terra.com.br

Belo Horizonte

*

EMERGENTES EM SOCORRO DA GRÉCIA

Ouvi uma notícia de deixar nossos cabelos arrepiados. Se a Grécia sair do bloco da União Europeia, provavelmente receberá ajuda dos países emergentes, entre eles o Brasil. Que eu saiba, colocar dinheiro em país quebrado, cuja metade da população mama nas tetas do Estado, é fria. Que tal fazer também um referendo se nós, brasileiros, somos a favor de ajudar a Grécia? Precisamos colocar o governo petralha com os pés no chão. A inflação de volta, economia desacelerando e desemprego rondando, e ainda vamos ajudar país falido? Só falta a megalomania vencer a lógica!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

COMBINAÇÃO EXPLOSIVA

O colapso da economia da Grécia com certeza provoca impactos nas bolsas de valores. O mais chocante deste fato é a transmissão tendenciosa de muitos meios de comunicação, torcendo para que os gregos paguem as dívidas restantes, e sem precisar do referendo democrático.  Nessas reportagens, os jornalistas do nosso planeta nunca entrevistam os cidadãos gregos, que participam das manifestações. Enquanto isso, Israel procura aliados militares e deseja entrar em conflito com o Irã; e assim o mundo desvia sua atenção: uma Terceira Guerra Mundial fica cada vez mais próxima para aquecer uma economia, onde até as manifestações contra Wall Street são manipuladas.   

 

Ricardo Chacur cabecascaninas@gmail.com

São Paulo

*

GRÉCIA

Ainda bem que foi atenas um susto...

Ary Nisenbaum aryn@uol.com.br                  

São Paulo

*

UNIÃO EUROPEIA

O ideal seria uma União Europeia Sênior e uma União Europeia Junior, cujos Estados-membros competissem, quadrienalmente, entre si, para se classificarem de acordo com o seus desempenhos. Os quatro últimos classificados do grupo sênior seriam rebaixados para o grupo junior e os quatro primeiros colocados do grupo junior ascenderiam ao grupo sênior. Regras de conduta diferenciadas orientariam os governos de ambos os grupos.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

POLARIZAÇÃO

Sinceramente, não entendo toda esta polêmica envolvendo nosso ex-presidente Lula e o Sistema Único de Saúde (SUS). Não foi ele que, durante oito anos, polarizou todas as discussões como se só houvesse pobres x ricos, analfabetos x letrados, Nordeste x Sudeste, entre tantas outras visões radicais? Agora é interessante fazer parte da (z)elite e ser atendido numa ilha de referência hospitalar paulistana, entre vários outros e ter biópsia realizada no exterior? Apesar de termos "quase excelência" no SUS, como nunca se viu antes na história deste país. País este que era governado por um demagogo e populista, que na hora h recorre ao que há de bom e melhor, haja visto os passaportes diplomáticos para os filhos, apesar de ter tido que queria tirar o povo da m..., etc., etc. e etc. Como diria Robin para o Homem Morcego, "Santa incoerência Batman"!

 

Renato Amaral Camargo natus@estadao.com.br

São Paulo

*

ORGULHO E INCÚRIA

Lula passou oito anos se vangloriando de que fora o primeiro operário sem diploma a chegar à Presidência da República e com isso capitalizou o voto das pessoas mais simples. Mas, quando se tratou de sua garganta, imitou os endinheirados, os diplomados, os intelectuais e foi se tratar no hospital mais caro do Brasil! Assim, deixou os metalúrgicos, os companheiros do MST e os catadores de lixo nas filas do SUS entregues à incúria daquele órgão. Primeiro os meus, Mateus!

Eugênio José Alati eugeniojosealati@yahoo.com.br

Campinas

*

PROPAGANDISTA

Lula, propagandista do SUS, na hora do vamos ver vai para hospital particular.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

DEFESA DOS QUE CRITICAM

É pouco provável que esta carta seja publicada, mas, considerando o editorial A volta por cima (3/11, A3), quero defender os que se tem manifestado nas mídias e redes sociais criticando o atendimento privilegiado dado ao ex-presidente Lula quando descobriu que tinha um câncer na laringe.  Não creio que os que eles tenham "mentalidades encardidas" ou "recalques".  Vejo as seguintes razões para tanta insatisfação: pagamos impostos pesadíssimos, de Primeiro Mundo, (inclusive a contribuição em cascada chamada CPMF) para que a saúde pudesse ser melhorada e, nos oito anos do governo Lula, pouco foi feito; foram muitos os "arroubos autocongratulatórios" de Lula, entre os quais o de afirmar que faltava pouco para a saúde atingir a perfeição – tripudiando em todos os que sofrem a realidade das filas do SUS; se Lula ganhou muito dinheiro no cargo, e em conferências altamente remuneradas, esse dinheirama teve sua origem, principalmente, no bolso dos sacrificados contribuintes; além de pagarmos muito para o governo, somos obrigados a ter convênios particulares (caríssimos, ou não confiáveis), pois a rede pública de saúde continua péssima; o fato de Lula "jogar limpo" com a informação de sua grave doença não é mérito mas sim esperteza, pois já se confirmou nos casos José Alencar e Dilma, que o eleitor decide mais pelo coração do que a razão e o "simpático lutador contra terrível doença" ganha piedade, mais apoio e popularidade; e finalmente, o câncer é uma doença assustadora e terrível, mas é muito difícil encontrar alguém que não tenha perdido amigo ou parente para ela (eu mesmo perdi avô e pai). Deus queira que não, mas todos estamos sujeitos a ter essa doença.  Se tivéssemos um Sistema Único de Saúde (SUS) correspondente ao muito que já contribuímos para isso no governo Lula (e anteriores, para sermos justos), aí sim todos os brasileiros poderiam, em igual situação, dar "a volta por cima", e não só sr. Lula da Silva!

 

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

*

‘A VOLTA POR CIMA’

Quem escreveu o editorial da edição do dia 3/11, com o título A volta por cima, se referindo ao ex-presidente Lula, foi muito infeliz ao dizer que as pessoas que expressam suas opiniões nas rede sociais, cartas a jornais, etc., sejam de “mentalidades encardidas” e que não sabem distinguir o certo do errado quando se mostram indignadas com o estágio no qual se encontra a saúde pública no Brasil. Muitos desses cidadãos, certamente irritados, dizem que o ex-presidente Lula deveria, sim, ser tratado num hospital do SUS para ele saber o que é bom para a tosse. O editorialista deve ser uma pessoa muito bem informada, posto que escreve para um jornal  da categoria de O Estado de S. Paulo. Logo, ele dever saber também que, não fosse a inércia e a complacência com que o Sr. Lula tratou as graves denúncias de improbidades dentro do governo, passando a mão na cabeça dos envolvidos que roubaram  milhões e milhões de reais e publicadas diariamente nesse jornal, certamente hoje o Brasil, com a riqueza que tem,  seria o melhor lugar do planeta para se viver e não a Noruega, como saiu publicado nesse mesmo jornal.

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

CANONIZAÇÃO

O editorial A volta por cima critica os que sugerem que Lula se trate pelo SUS. Embora isso não seja propriamente um desrespeito, o que o País de fato necessita não é baixar o atendimento do Lula para o nível do SUS, mas sim elevar o padrão do SUS para atendimento de toda a população! Nesse sentido, e já que Lula resolveu adotar a transparência total, muito contribuiria estendê-la para o combate à corrupção que, segundo a Veja, já custa o dobro do que seria necessário para, quem sabe, elevar o SUS ao padrão dos bons hospitais. Bastaria que Lula revelasse o que sabe sobre o mensalão e, talvez, aí sim, mereceria a "canonização" que sua doença pode lhe render, como conclui o editorial...

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

AO PÉ DA LETRA

Lamentável a reação de quase indignação por parte de importantes setores da imprensa – incluindo os editorialistas do Estadão – por causa das manifestações de milhares de brasileiros que vêm sugerindo ao ex-presidente Lula que trate seu câncer no SUS. Parece até que não existe mais o direito de confrontar uma pessoa contra suas próprias palavras – afinal, pelo que eu saiba, no Brasil ainda vivemos num regime democrático (apesar dos quase nove anos de PT no poder). É claro que a ideia não é para ser levada ao pé da letra, afinal, todos que dão a sugestão sabem muito bem que isso não vai acontecer – Lula tem condições financeiras de procurar cuidados nos hospitais mais caros do mundo. Além disso, ele tem todo direito de se internar onde acredita que terá mais chances de se recuperar – algo pelo qual todos os brasileiros decentes devem torcer para que ocorra. O que ele não pode, e já se cansou de fazer, é usar palanques oficiais para espalhar aos quatro cantos que nosso sistema público de saúde é de "excelente qualidade", quando a maioria esmagadora da população brasileira, que não tem nem nunca terá condições de ser atendida no Sírio-Libanês, sabe que isso é uma rematada mentira.

 

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

*

É REVOLTA

A sugestão de internautas, para Lula se tratar no SUS, pode ser considerada "torpe" e vista como "recalque". Mas, na sua essência é algo muito mais simples, sério, justo e autêntico: é revolta, e sentimento de traição. Revolta por o Lula humilde e depositário das esperanças de todos humildes não ter retribuído a confiança recebida. Não ter aperfeiçoado o sistema de saúde, o saneamento básico e a educação para o povo. Retribuiu apenas com a Bolsa-Família. É sentimento de traição, por este humilde, com a riqueza amealhada com a tributação dos humildes agora se movimentar em outra esfera. Não esqueçamos: os recursos de que Lula dispõe para seu regozijo e seu tratamento são subtraídos do povo brasileiro, o mesmo que utiliza o SUS.

Ottfried Kelbert okelbert@terra.com.br

Capão Bonito

*

PERFEIÇÃO

Não foram os ex-presidentes José Sarney, Itamar Franco, Fernando Collor e Fernando Henrique Cardoso que disseram que o Sistema Único de Saúde (SUS) estava perto da perfeição. Foi Lula que, em abril de 2006, em Porto Alegre, fez a seguinte afirmativa: “Eu acho que não está longe da gente atingir a perfeição no tratamento de saúde neste país”. O povo não está questionando o ex-presidente Lula pela preferência pelo Hospital Sírio-Libanês, apenas desejando para ele o melhor para o tratamento da sua saúde – o SUS. Um recadinho para o ex-presidente FHC: quem deseja o SUS para Lula não é recalcado, idiota e muito menos hipócrita. Tá?

 

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

A MENTIRA DESCOBERTA

A revolta das pessoas que questionam o fato de Lula não escolher o SUS, e sim o Sírio-Libanês para se tratar, não está na mesquinhez das pessoas, e sim na mentira que se apresentou em sua nudez plena: Lula não disse a verdade quando apregoou as maravilhas do sistema de saúde no Brasil. Foi tudo uma farsa, uma fraude, uma mentira. Esta é a razão dessa onda de revolta: decepção, desencanto, tristeza. Daí para a revolta é um pulo. Que isso sirva de exemplo para todos os políticos. As pessoas estão cada vez mais informadas. E sabem cobrar também.

Regina Ulhôa Cintra reginaulhoa@uol.com.br

São Paulo

*

INCOMUNS

Talvez deva ser encarada como normal a reação do público que convida Lula a se tratar no SUS, mesmo quanto à desconfiança de que seu tratamento 'vip' possa estar sendo pago com o dinheiro público. Afinal, quem tantas vezes confundiu o público com privado até quando tirou férias em dependências da Marinha brasileira, já como ex-presidente, pode mesmo levantar tais suspeitas. De mais a mais, a situação da Saúde no país, mostrada em diversas reportagens ultimamente, sobretudo no JN, contrasta com tanto luxo diante da triste precariedade da assistência para milhões de brasileiros que, muitas vezes, vêm a falecer antes do tratamento a que teriam direito. Por outro lado, descaso teve o Sr. Lula da Silva, quando durante a campanha presidencial, numa postura de total desprezo por aqueles que não podem pagar convênios privados, mencionou estar o SUS beirando à perfeição. Ou era ironia ou era indiferença diante do sofrimento do povo. Afinal, quem fala o que quer, ouve o que não quer. Assim, não são as manifestações nas redes sociais que merecem críticas severas, senão o permanente hábito do próprio ex-presidente de fazer marketing de si mesmo. Parece que neste país, somente os 'incomuns' têm direito a tudo, inclusive de fazer e falar o que querem. Aos 'comuns' exige-se que baixem a cabeça diante de qualquer situação que lhes pareça absurda pelo contraste com a realidade brasileira. Tenha dó! Estamos numa democracia onde opiniões podem e devem ser respeitadas, agradem ou não.

 

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

*

O CARANGUEJO SE DESTACA

O que há em comum entre o câncer de José Alencar, Dilma e Lula e o câncer da ninguenzada é que, naqueles, o tratamento é diferenciado, com maiores possibilidades de cura, enquanto estes, ao ingressarem na rede de atendimentos do SUS, já carregam no seu prontuário uma cópia do atestado de óbito como rotina de trabalho. Seria uma incoerência, um desrespeito a autoridade desses pacientes, se, pelas suas posições, não fossem tratados como são. A revolta do povo é que a rede do SUS não trata os seus pacientes como gente. Os jornais noticiam diariamente os fatos calamitosos que ocorrem nos hospitais e nos postos de atendimento. Tudo mal que essas pessoas têm o CPF diferenciado, mas da maneira como a saúde é tratada no Brasil, o que se vê é um circo de horrores. Estamos diante de dois tipos de câncer: o das ''zelites'' e o da ''ninguenzada''. Entra fundo musical com Beth Carvalho (MPB): “e o povo como está? Tá com a corda no pescoço...”.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

LULA, FHC E O SUS

Com o perdão da palavra, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso não tem nada de defender o também ex-presidente Lula das sugestões de internautas que o recomendam de se tratar no SUS. Se o próprio petista já disse, muitas vezes, que o SUS é ótimo, que tenha então coerência tratando-se aí, ou cale-se para sempre. Tais protestos, na verdade, são uma forma de desmascarar políticos demagogos, que já tiveram a sua chance de governar o País, mas nunca melhoraram, como deveriam, o SUS. Ninguém tem culpa do que tem Lula ou quer que ele realmente padeça. É que se vê, numa situação igual a esta, uma grande oportunidade de revelar o deboche que praticam com o povo, que é mal atendido e morre nas filas da saúde pública, uma cruel realidade, muito mais do que quaisquer críticas via redes sociais, absolutamente virtuais e nada mortais...

José Eduardo Zambon Elias zambonelias@estadao.com.br

Marília

*

DEMAGOGIA

É muito raro (ou deveria ser) que alguém sinta prazer com a doença alheia. Agora, fazendo-se de vítimas (como é sua praxe), “lulistas” estão se apresentando indignados, reclamando da “crueldade” de cidadãos brasileiros que têm sugerido ao ex-presidente Lula tratar seu câncer pelo SUS. É uma piada de mau (péssimo) gosto ou, na verdade, desafio a uma reflexão séria? Por que o sofrimento de milhões de brasileiros cancerosos junto ao SUS não ofende aos sensíveis “lulistas”? Não é correto dizer que Lula, que fez uma carreira vociferando contra “privilégios da elite”, ajuntou-se, afinal, à “elite médica” brasileira? Vem à lembrança o calvário e morte do sociólogo Florestan Fernandes em 1985, vítima de doença renal: petista, exigiu tratamento no Hospital do Servidor Público em São Paulo, chegando de madrugada para pegar bom lugar na fila. Não era um demagogo.

 

Jorge João Burunzuzian burunlegal@hotmail.com

São Paulo

*

EX-PRESIDENTE LULA E AS BENESSES

O ex-presidente Lula, hoje um cidadão comum, como todos nós, usufrui das vantagens de pertencer ao grupo de oportunistas e salafrários, que, neste momento, domina o Brasil e se beneficia disso. Enquanto, nós, pobres brasileiros, não temos condições econômicas para utilizar de atendimento, médico, diferenciado e de alta tecnologia, ele, em vez de ser atendido pelo SUS, como disse o Ministro da Saúde, está confortavelmente, instalado numa suíte, especialmente, preparada para ele no Hospital Sírio-Libanês e está tendo um dos melhores serviços médicos do mundo, no tratamento do câncer. Isso é uma demonstração discriminatória e injusta com relação a maioria da população do Brasil, que tem disponível um péssimo e vergonhoso atendimento medico pelo SUS. É assim, como esse atendimento médico, que gera discriminação e ódio e que a presidente Dilma, vai esperar que o povo peça, de joelhos ou talvez já estendidos no chão, solicite a criação de um novo imposto para a saúde. Isso é uma vergonha...

Carlos Alberto Ramos Soares de Queiroz soaresqueiroz@hotmail.com

São Paulo

*

DE FIGUEIREDO A LULA

No início da década de 1980, quando o Brasil vivia os "anos de chumbo da ditadura militar", instalada em 1964, e recrudescida após a publicação do AI-5, o então general-presidente, após ser sofrer um infarto, optou por fazer uma operação cardíaca na "Cleveland Clinic", em Cleveland, Ohio, Estados Unidos da América. Na época, esses mesmos esquerdopatas que hoje ficam tão ofendidos quando alguns brasileiros cobram do presidente Lula a necessidade de que ele faça o tratamento do seu câncer através do SUS, como forma de valorizar a medicina estatal, ao invés de buscar os confortos e mordomias disponibilizadas pelo luxuosíssimo Hospital Sírio-Libanês, ficavam indóceis com a viagem de Figueiredo, achando que o general-presidente deveria prestigiar a cardiologia brasileira, operando-se em São Paulo. É impressionante como essa mesma camarilha, que antes achava natural contestar a opção pessoal de Figueiredo, hoje, na ânsia de "puxar o saco" de Lula, ficam dando uma de sensores, tentando tolher o direito de opinião de alguns cidadãos que estão simplesmente fazendo o que eles fizeram, em 1983, demonstrando que os esquerdopatas brasileiros, apesar de adorarem fazer o "papel de pedra", ficam indóceis quando são "escalados" para fazer o "papel de vidraça". O fato é que, depois que chegaram ao "puder", acostumado-se à Lei de Gerson, aquela que determina a necessidade de levar vantagem em tudo, o lema de vida desses "camaradas" passou a ser: "pimenta nos olhos dos outros é refresco".

 

Júlio Ferreira julioferreira.net@gmail.com

Recife

*

EXEMPLO

Também assim como muitos sou crítico de muitas atitudes de Lula, reconheço alguns avanços, mas desejo que o mesmo se recupere rapidamente, até porque chutar cachorro morto é covardia. Apenas gostaria de vê-lo dar o exemplo e se tratar no SUS que ele inclusive recomendou a Barack Obama como modelo de saúde pública.

Roberto Saraiva Romera robertosaraivabr@gmail.com

São Bernardo do Campo

*

NÃO RESISTI

 

Minha filha, quando quebrou o braço na escola, teve de fazer uma cirurgia. O plano de saúde demorou algumas horas para liberar a autorização. Uma senhora acidentada aqui, no mercado aberto, perto da minha casa, de 68 anos, está no hospital há sete dias gritando de dor e a cirurgia não foi autorizada pelo SUS até o momento. Se Lula fizesse tratamento pelo SUS, teria feito os mesmos exames? Teria sido tão rápido o início do tratamento? Infelizmente não. Nossos políticos deveriam utilizar os mesmos recursos que oferecem a nós brasileiros, não? Escola pública, tratamento médico pelo SUS, transporte coletivo, tratamento dentário (ou ausência dele)...

 

Ojaine Carol www.aspaan.org.br

São Paulo

*

A GUERRA NA USP

No campus da capital da Universidade de São Paulo (USP), a "guerra" continua. Será que os futuros doutores daquela conceituada Universidade  não sabem que, para  que aquele local  seja  um lugar  sagrado, deve estar rigorosamente sobre os "olhos da lei? Embora muitos baderneiros acreditam que a (USP) seja a casa da mãe Joana, aquela entidade  é mantida com dinheiro que pagamos de impostos.

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

PRIMEIRA LIÇÃO: RESPEITO À MAIORIA

Algo que, se os pais ou os professores não verbalizam, a vida ensina: saber perder, sempre, em todos os campos de projeção da vida humana. Se a maioria, em assembléia, decidiu pela desocupação do prédio da História e Geografia da USP, as minorias radicais não dispunham da alternativa, obviamente incompatível com um ato de força ainda mais ousado: a ocupação da Reitoria. Por mais que a falta de perspectivas - em especial no futuro mercado de trabalho – insuflem os jovens, ávidos de mudanças sociais, é necessário aprender, na Academia, o significado subordinante das práticas democráticas.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

A DEMOCRACIA E OS ESTUDANTES

 

O limite exato imposto pela verdadeira democracia é o respeito ao direito de todos os próximos. E a Justiça é o termômetro para determinar sempre a permanência desse corolário. Relembrando que estudante não é classe, mas candidato a uma classe, então, devem todos ser treinados para o respeito à democracia, a fim de que estejam aptos quando integrarem a classe escolhida. Não se podem conceber atos de invasão em próprios de universidade (como é o caso da USP), e muito menos desrespeito a votações democráticas para resoluções de problemas internos. As medidas judiciais devem ser propostas e, por certo, servirão de ensino e de aula de postura para os violadores da lei. Se forem socialistas, devem estudar o princípio da legítima defesa de Hegel!

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

ESTUDANTES VÂNDALOS

Alunos que mais parecem membros de uma facção criminosa, com os rostos cobertos, encapuzados, assim são os "estudantes" que invadiram a reitoria da USP. Não considero que tais vândalos merecessem continuar na melhor universidade do País... Simplesmente deveriam ser expulsos da instituição, já que não querem obedecer às regras e, pior, querem impor suas regras desregradas a toda a universidade. Mantê-los como estudantes da USP é oferecer pérolas a porcos. Que abram vagas para estudantes que entendam a dádiva que é estudar na USP. Fora com eles!

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

NÃO FALTAM CAUSAS

Vemos na mídia as manifestações, na USP, de alguns alunos a favor dos usuários de drogas. O que os jovens não veem é que há tantas coisas erradas que acontecem nas universidades contra o que reivindicar, não só a liberdade de se matar com as drogas, mas principalmente a respeito do direito de todos de estudar numa universidade de qualidade, sem corrupções, superfaturamento de obras, acabar com as fraudes, principalmente nos casos de concursos para contratações de professores sem qualificação, aumento de mais de 800% a 3.000% de cargos de assessores e comissionados, substituição de servidores concursados por funcionários terceirizados, a maioria com baixa qualificação, sem contar com algumas que contrataram frotas particulares de carros de última geração, gastando o dobro, tudo isso está levando a uma péssima qualidade de ensino, péssimos orientadores que vão levar a formação de piores professores e pesquisadores. Isso não está acontecendo só com a USP, mas com a Unesp e, principalmente, com a Unicamp, muitos servidores e docentes acham que as universidades não tem muito mais tempo como publica. Tudo isso levará ao fim das universidades públicas, isso tudo poderá acontecer em menos de duas décadas, pois a sementes da destruição já foram lançadas e estão sendo cultivadas.

Anderson Aparecido dandersonaparecido@yahoo.com

Hortolândia

*

PM NA USP

Na verdade acham essa minoria de maconheiros travestidos de estudantes da USP que estão acima da lei. Se no País fumar maconha é crime, de outra forma não poderia ser dentro do campus da USP. Deve, sim, a Polícia Militar ser mantida dentro do campus, pois aquele espaço não pertence a estas pessoas, mas sim é um bem do povo paulista e, a maioria do povo não fuma maconha e nem transgride a lei. E mais. Se querem fumar maconha, que o façam dentro de suas casas, e não em espaço público, pois ninguém é obrigado a conviver com este tipo de coisa. São maus exemplos que jamais devem ser seguidos. É uma pena que o Estado esteja custeando os "estudos" destas pessoas, pois se assim é, gasta muito mal o dinheiro público.

 

Nilson A. C. Monico advcarreira@uol.com.br

Presidente Venceslau

*

O QUE QUEREM?

Ao ler reportagem publicada no Estadão de 1.º de novembro na página C6 do caderno Cidades/Metrópole, fiquei estarrecido: vi uma foto de um protesto contra a presença da PM no campus da USP (mais uma vez atrapalhando o trânsito) com estudantes portando faixas associando a polícia com o nazismo, pedindo o fim das perseguições políticas (?!), afirmando que a PM mata e a maconha não, além de uma réplica gigante de um baseado de maconha. O que querem estes estudantes? Será que eles acham que ainda vivemos na ditadura militar dos anos 60 e 70? É um imenso absurdo o que estes falsos estudantes fazem. Será que já ocorreu a eles a idéia de usar a USP para estudar? Em tempo: aí da polícia se reprimir a manifestação e prender algum aluno por apologia às drogas: seria pretexto para mais uma manifestação contra a repressão policial que não permite o direito à livre expressão. Esquecem estes estudantes que o uso de maconha é crime e que a PM não faz mais que obrigação em coibir crimes dentro da USP e dar proteção à comunidade universitária. Apesar de tudo sou otimista e acredito que este grupo representa uma minoria e que a maioria se preocupa principalmente em estudar.

Sérgio Kocinas sergio.koc@hotmail.com

São Paulo

*

MEDO DE SEGUIR A LEI

Apenas eu estou chocado com o absurdo desta situação da USP? Alunos (ou talvez traficantes fantasiados de alunos) cometem crimes, promovem tráfico de drogas, todos mascarados como os bandidos que são. Se realmente acreditassem no que fazem, não teriam medo em mostrar o rosto. Pior é ver que a Congregação da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) se põem no papel grotesco de dizer que lutou para garantir que os alunos não fossem punidos e de repudiar a atuação da PM! Por que tanto medo de seguir a lei? Porque permitir que o tráfico e consumo de drogas continue impune e zombando da Lei descaradamente, escondido atrás de uma cortina de fumaça? Espero que o governador tenha o bom senso de tomar as drásticas medidas necessárias.

Renato Rea Goldschmidt http://renatorea.blogspot.com/

São Paulo

*

ONDE O MORAL É ILEGAL

Palavras de um dos defensores da ocupação: "não é por causa da maconha, mas pelo princípio". Vamos nos enveredar pelo princípio então. Consumir maconha é proibido em Manaus, em Rio Branco, em Fortaleza, Cuiabá, Rio de Janeiro, São Paulo e em todo lugar que se considere território brasileiro, ou seja, na USP também é. Assim, o que se pode dizer dos policiais que "enquadraram" os três estudantes que estavam consumindo maconha é que eles estavam simplesmente cumprindo a lei, exercendo a função pela qual são pagos. Por isso, o que poderia existir de motivo para reclamações seria se os policiais tivessem abordado os estudantes de forma truculenta, o que não aconteceu. O que está acontecendo é uma inversão de imputar o crime à PM, e não aos usuários da droga. Nesse sentido, o "princípio" defendido pelos indignados invasores começa na ilegalidade, na margem das leis que, moralmente certas ou não isso é outro debate, regem o Estado democrático de direito brasileiro. Outro fundamento constitucional, que deveria funcionar na prática, é o de igualdade jurídica, o famoso "todos são iguais perante a lei". 

Assim sendo, qualquer cidadão brasileiro, independente de variáveis (teoricamente), que consumar alguma prática ilegal deve sofrer punições perpassadas pelos devidos órgãos do Estado, melhor dizendo, toda pessoa que consumir drogas ilícitas, por lei, está cometendo uma infração passível de punição. Portanto, a indignação dos estudantes quanto à atitude da PM e a sua presença na Cidade Universitária só tem uma explicação razoável: privilégios. Como já foi dito, não houve truculência da PM, eles apenas cumpriram seu desígnio. Não há então outra explicação senão aquela de que aqueles estudantes querem um tratamento diferenciado do restante da sociedade. Me pergunto qual é a diferença deles para um consumidor comum de maconha na periferia, que tem que conviver dia a dia com a repressão policial. A tão falada autonomia uspiana não pode significar a criação de um espaço em que uma classe de privilegiados seja isenta da lei e a sua consequente fiscalização de cumprimento. Aliás, para que fique claro, ser aprovado na Fuvest não implica em um passe livre constitucional. Então o "princípio" defendido é ilegal e hipócrita. Por fim, o ato de invadir a administração da FFLCH, que nada tem a ver com o ocorrido, é tão precipitado e infantil que somente prejudicará os estudantes da faculdade e em de nada servirá senão para piorar a já horrível imagem que toda a sociedade tem das Ciências Humanas em geral, principalmente da FFLCH. Não quero aqui debater se deve ou não ser legalizada a maconha. Quanto à presença da PM no campus, fico em cima do muro até entender que tipo de autonomia se pretende, ficando claro que condeno veementemente a idealização de autonomia como independência jurídica. Não acho que seja possível, como os estudantes rebelados pregam, coibir a criminalidade sem auxílio dos órgãos competentes nessa função, ou seja, a Polícia.

Marcos Paulo Rossetti Candeloro marcos.candeloro@usp.br

São Paulo

*

USP – CLASSIFICAÇÃO

Notícia diz que a USP está classificada em 38.º entre 100 universidades. Foi uma festa. Observando os bandidos travestidos de estudantes que estão na FFLCH, é uma surpresa estar nesta posição. Deveria estar em último. Pior é a ironia. Vejam só. FFLCH. A filosofia nasceu do desejo de saber, da indagação. É a mãe de todas as ciências. Letras tem por finalidade o estudo do meio de comunicação que nos difere dos seres irracionais. A língua, a gramática e suas aplicações. As Ciências Humanas (antropologia, sociologia, etc.), tem por finalidade compreender o desenvolvimento humano e suas inter-relações. O que se observa ali, é a falta de tudo isso. Aqueles não são estudantes, são bandidos, nada mais. Estão encapuzados, agressivos. O que estão esperando para expulsá-los? Em qualquer universidade do planeta, já estariam na cadeia ou na rua. Dizem que são socialistas, maoístas. Na China de Mao, seriam fuzilados. Uma pergunta: A USP não pertence ao Brasil? É um outro país? Uma outra nação? A Constituição da República Federativa do Brasil não se aplica ali? O Código Civil Brasileiro não vale em seus campus? O Código Penal Brasileiro não tem validade dentro de seus muros? É uma terra sem lei? Sim, porque para a polícia entrar dentro da Cidade Universitária e aplicar a lei, foi necessário a assinatura de um convênio. Estou ficando louco. Não entendo mais nada. O certo virou errado e o errado virou certo.

 

Sérgio Michilin ser.michilin@hotmail.com

Osasco

*

FERIADO NA CRACOLÂNDIA

A única coisa que funcionou em São Paulo no Dia de Finados foi a cracolândia? Realmente, o Brasil tem problemas muito mais sérios e importantes do que a Copa do Mundo. Só as nossas autoridade competentes não querem saber disso, pois o problema da cracolândia não rende votos. Até quando vamos assistir a essa vergonha de farrapos humanos se transformando em vermes, como zumbis, enquanto sua família sofre sem nada poder fazer, sem ajuda de ninguém?

Antonio Jose Justino anjogoma@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

*

CULPADOS FORAM OS SACIS

Na noite de 29 de outubro uma violenta tempestade provocou nas regiões de Piracicaba e Campinas uma devastação, com enormes prejuízos materiais, de serviços públicos e infelizmente até mesmo ceifando vidas. Em meio ao caos, todos procuram justificativas, culpados pela falta de resposta imediata dos órgãos competentes, razões que justifiquem o desarranjo climático etc.

Mas o fato é que estes tipos de eventos são cíclicos e tendem a acontecer de tempos em tempos nos mesmos lugares, com mais ou menos intensidade, assim como os terremotos, inundações, secas e tsunamis em outras regiões do globo. Por mais que as autoridades e prestadores de serviços públicos queiram, é impossível preveni-los de forma adequada e eficiente. Resta apenas a capacidade de resposta para gerenciar a crise advinda de tais situações que com certeza nunca será a contento para quem perdeu um bem, um parente ou amigo, ou mesmo quem ficou horas ou dias sem energia elétrica, água ou outro serviço essencial ao conforto humano. Quase nunca neste caos são lembrados os esforços individuais e de equipe dos profissionais que se dedicam para reconstruir redes e serviços interrompidos, desobstruindo incansavelmente as vias para que trânsito volte a fluir, prestando socorro e solidariedade aos mais prejudicados ect. O que importa é arrumar culpados. Para os maldosos e imaturos os culpados são os “políticos”, para os políticos da oposição foram os “governantes”, os meteorologistas culpam a uma frente fria vinda do sul que teria encontrado com uma massa de umidade e calor e assim vai... Eu pelo meu lado tenho em tese que foram os Sacis Pererê, posto que o “desarranjo” começou na cidade de Piracicaba, que é largamente conhecida pela preservação dos valores e personagens da nossa cultura popular. Pois bem, na tarde daquele dia Piracicaba sediou uma conferencia de sacis, que se reuniram com o intuito de organizar o dia do saci instituído por Lei Estadual como sendo o dia 31 de outubro. Depois das deliberações saíram em disparada todos os sacis em direção a Campinas onde deveriam pegar avião ou ônibus com destino as suas cidades de origem, provocando no trajeto os estragos já mencionados. Alguns foram designados para dirigirem-se a Brasília onde foram vistos no dia 31 de outubro, na posse do ministro Aldo Rebelo que por ser um grande defensor da sacizada, como Deputado Federal apresentou projeto de Lei para que o dia do saci fosse institucionalizado nacionalmente. Brincadeiras a parte, quero deixar registrado minha solidariedade àqueles que por ventura foram seriamente afetados pela tempestade e um muito obrigado, para todos aqueles profissionais, servidores públicos ou da iniciativa privada, que estiveram ou ainda estão engajados para que nossas cidades voltem à normalidade.

José Geraldo Pires de Almeida carioca13@uol.com.br

Sumaré

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.