Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

08 Novembro 2011 | 03h06

O Brasil tem pressa

Mais um caso de corrupção, agora no Ministério do Trabalho! Creio que tenha chegado a hora de a presidente Dilma fazer uma reunião com o pessoal do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) e exigir que eles terminem o mais rápido possível os sistemas que permitirão controlar as verbas públicas e, detectando desvios, reduzir drasticamente os casos de corrupção. Agindo assim, Dilma dará também atenção às reclamações do seu ministro-chefe da Controladoria-Geral da União (CGU), sr. Jorge Hage. O Brasil tem pressa e a presidente tem de tomar medidas efetivas e eficazes para, rapidamente, sanear seu governo, dando-lhe condições para poder governar.

JOSÉ CARLOS COSTA

policaio@gmail.com

São Paulo

*

ONGs x ministérios

Que existem maracutaias no Ministério do Trabalho, disso poucos duvidam, uma vez que aquilo lá está dominado por sindicalistas, que são nada mais, nada menos que os mentores, criadores e organizadores dessas ONGs que em sua esmagadora maioria têm uma finalidade única: avançar no dinheiro público em benefício desses vampiros. Acho que Lupi só está ministro, mas, como de hábito, vai resistir até que aquele pedido particular para se mandar seja feito ao pé do seu ouvido.

ADEMAR MONTEIRO DE MORAES

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

Cara de pau

Gente, é muita cara de pau desse pessoal. Após denúncia, Carlos Lupi pede investigação da Polícia Federal. Outra vez. Chega, né? O brasileiro não é trouxa, não.

MAURÍCIO LIMA

mapeli@uol.com.br

São Paulo

*

'Modus operandi'

A presidente Dilma, agora, diante do sexto caso suspeito de corrupção em seu governo, com o ministro Carlos Lupi, já ensaia o antigo modus operandi. Primeiro, vão-se os dedos, e não os anéis, ou seja, demitiram-se o mais rapidamente possível assessores que deveriam ter sido demitidos antes, por seus antecedentes. Depois, quando continuam e se aprofundam as denúncias, é feita uma visita ao palácio, onde o ministro é convocado a se explicar à imprensa e ao Congresso, e ainda surgem novos fatos e as coisas não ficam bem explicadas. No próximo ato entra o presidente Lula defendendo o ministro e culpando a imprensa, sempre disposta a difamar, em qualquer deslizezinho, os pobres ministros e seus partidos ávidos. Por último, o gran finale: o ministro pede demissão (de livre e espontânea vontade) e é organizada uma cerimônia de desagravo em que todos dizem que foi uma injustiça e que ele deverá provar sua inocência. Com isso o ex sai mansamente, sem atirar em ninguém.

MÁRCIO M. CARVALHO

mmcoak@hotmail.com

Bauru

*

Nomeação de ministros

Enquanto a escolha de ministros estiver condicionada às malditas alianças com bases aliadas, continuaremos assistindo a um escândalo atrás do outro. Partidos políticos sobrevivem de dinheiro, principal combustível para a corrupção, e cabe aos ministros abastecer suas legendas. É preciso uma tomada de consciência. Ministros deveriam ser apartidários. Quem terá a coragem de levantar essa bandeira?

MARIA ELOIZA ROCHA SAEZ

m.eloiza@gmail.com

Curitiba

*

Remédio amargo, mas eficaz

O ministro Gilberto Carvalho desabafa: "Estou cansado de administrar crises do primeiro escalão". É só parar de varrer a sujeira para debaixo do tapete da impunidade e terminar a faxina que o ministro terá merecido descanso.

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

Palavra de ordem

O artigo Corrupção e poder (6/11, A2), do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, de cristalina análise, só merece o nosso aplauso. É, no entanto, incompreensível a tímida, para não dizer medrosa, conclusão de que "as oposições não se devem omitir. Podem lutar no Congresso por uma lei..." Lei? Só isso? Que palavra de ordem teria para o nosso PSDB?

JOAQUIM PINHÃO

jpinhao@hotmail.com

Rio Claro

*

EDUCAÇÃO

Deficiências e privilégios

Se o Brasil realmente almeja evoluir no mundo atual e criar boas oportunidades de carreiras para os jovens, é preciso rever os valores e o sistema educacional vigentes no País. Totalmente de acordo com o artigo Choque de realidade (3/11, B2), de Ana Maria Diniz. Extremamente oportuno, vai direto aos problemas de deficiências de nossa educação, com clareza e elegância. Ao contrário do discurso oficial deste e do último governo e dos comentários e artigos chapa-branca, a verdade é que estamos, ano a ano, cada vez mais distantes de outros países neste mundo globalizado, com os quais disputamos oportunidades. Lamentável é que, com todas as deficiências da educação, o País tenha ainda de conviver com cenas grotescas, para não dizer ridículas, de ocupação da USP por um bando de privilegiados que deveriam ceder as suas vagas gratuitas àqueles que realmente quisessem estudar a sério.

RENATO DE REZENDE PIERRI

renato.pierri@cerp.com.br

São Paulo

*

Menores de idade

Dois adolescentes (de 16 e 17 anos) acusados de praticar 32 sequestros relâmpagos no Butantã foram "apreendidos" pela polícia e encaminhados à Fundação Casa. No entender dos que fazem as leis do País, o caso não é tão preocupante, pois os jovens ainda estão com a personalidade em formação. Quando completarem 18 anos e já tiverem sua personalidade formada, eles deixarão de fazer coisas erradas - malfeitos, como diria a presidente da República -, procurarão trabalho e uma escola noturna para estudar.

EUCLIDES ROSSIGNOLI

euros@ig.com.br

Itatinga

*

DEFICIENTES FÍSICOS

Direitos

Concordo com o leitor sr. Orivaldo T. de Vasconcelos (7/11) quanto à renovação da isenção de impostos a que nós temos direito. Minha deficiência também é permanente e comprovada.

PETER WOLFF

peterwolff@ig.com.br

São José dos Campos

*

CORRUPÇÃO NO TRABALHO

 

Chegaram a vez e a hora do Ministério do Trabalho entrar para o Livro Nacional da Corrupção. Propinas envolvem assessores do ministro Carlos Lupi. E o caso, mais uma vez, precisa ser devidamente apurado, contando o povo deste país, porém, com a eficiência da Polícia Federal, sempre pronta a expor ao público os corruptos da oportunidade. Toda essa tarefa de limpeza e faxina facilitará, por certo, o trabalho da presidente, por ocasião da reforma ministerial, prometida para janeiro de 2012. O mar em que se navega na República está enfurecido e perigoso, mas pode ser o barco conduzido com segurança. O povo dá apoio à navegadora-chefe.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

‘DURO DE ROER’

Durante os últimos anos do governo Lula, os Ministérios foram distribuídos entre os partidos que lhe davam sustentação. Seus ministros sempre atuaram com a certeza da impunidade. Dilma herdou alguns desses ministros e o hábito generalizado de que roubar dinheiro público era coisa normal, desde que, supostamente, fosse por uma boa causa. Por isso, Wagner Rossi, pouco antes de ser defenestrado, falou: ”estou firme como uma rocha”. Orlando Silva, antes de ser forçado a entregar o cargo, disse: “sou indestrutível”. Agora, vem o ministro Carlos Lupi declarar: “morro, mas não jogo a toalha” e “sou osso duro de roer”. Depois de tantas quedas de ministros poderosos, Lupi ainda não entendeu que Dilma não é Lula. Vamos esperar para ver.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

NO LIMITE DA PACIÊNCIA

Que país é este, meu Deus! Toda semana vejo notícia do envolvimento de políticos com corrupção e desvio de dinheiro público. Parece até que esta sobrando dinheiro nos cofres do governo para que tantos ratos de palito e gravata continuem roubando dinheiro desse povo sofrido. Só para se ter uma ideia do tamanho dessa conta reportagem da revista Veja de outubro aponta que a corrupção surrupiou dos cofres públicos no último ano aproximadamente R$ 85 bilhões, dinheiro que daria para erradicar a miséria no país, ou construir 241 km de metro, o que tiraria milhares de carros das vias públicas das grandes cidades e reduziria o trânsito caótico que temos hoje. Agora foi a vez do ministro do trabalho, Carlos Lupi, pasta comandada pelos caciques do (PDT). Reportagem da revista veja desta semana revela que o assessor especial Anderson Alexandre dos Santos, coordenador geral de qualificação, ou seja, pessoa da inteira confiança do ministro Lupi, é acusado de ser operador do esquema de achaque as ONGs que tinham contrato com a pasta. O ministro se defende das acusações dizendo que "não compactua com nenhum tipo de desvio de recursos públicos", ou seja: dinheiro do povo sendo roubado, cá pra nós, alguém confia nas palavras do ministro vacilão Carlos Lupi? É muita canalhice dessa gente desprovida de ética e responsabilidade. Esse é o esquema: primeiro o ministério contrata entidades para dar cursos de capacitação, e depois assessores exigem propina que variava de 5% a 15% para que voltassem a receber recursos. Esse filme já está virando seriado, e o pior é que ninguém está preso, muito menos devolveu o dinheiro roubado. Para quem não está lembrando a sigla ONG é formada pelas primeiras letras de expressão organização não governamental. Trata-se, em sua origem, de entidades criadas por particular, mantida por particulares empenhadas em cuidar de carências que os governos normalmente ignoram nas áreas da saúde, da educação, do meio ambiente e da cultura, entre outras. E da essência das ONGs não dependerem do governo. No Brasil vem ocorrendo o contrário, os espertalhões descobriram as tetas gordas e fartas do governo, descaracterizaram-se, perderam a alma, quando se tornaram dependentes dos governos. Há de fato, muitas ONGs sérias, que cumprem suas missões humanitárias, sociais e culturais com base apenas em doações de particulares, em recursos obtidos com sorteios, gincanas, espetáculos e outras promoções. O que não é o caso dessas criadas por pessoas ligadas a sindicatos e partidos políticos que tem um só objetivo que é o de encher os cofres de seus partidos políticos e de lideranças partidárias inescrupulosos, aventureiros, aproveitadores e corruptos. Na realidade, são OGs, ou organizações governamentais, arapucas armadas por espertalhões que sempre acham um jeito de arrancar nacos do dinheiro público. Será que dessa vez a presidente Dilma Rousseff vai esperar os próximos capítulos da imprensa para afastar da pasta de trabalho e emprego essa gente canalha e corrupta? A paciência da sociedade civil anda no limite presidente!

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

CAÇA AOS MINISTROS

Ao que parece o termo “caça às bruxas” sofre, nos Ministérios comandados pelo PT, outra interpretação, o de caça aos ministros.

A vez e a hora – ao que tudo indica – é do ministro do Trabalho, Carlos Lupi, que segundo denúncias de atos movediços e não transparentes a verdade, pousa sobre responsabilidade do mesmo, e, alguns de seus comandados, levianas e arbitrárias ações. E novamente, são as acusações, por repasses de verbas mediante cobranças das “propinasinhas” que, já historicamente, viabilizam, com aprovações, as mesmas. Essa coisa de ONG, Organização Não Governamental, no Brasil, já poderia ter sofrido mutação em seu âmago de intenção e iniciais, por exemplo. Em vez de ONG é só extinguir a consoante N, ou seja... OG, Organização Governamental, e, isso para institucionalizarmos as tais verbasinhas, desvios, repasses e outros artifícios – extraídos dos 43% de impostos pagos por nós, vitimados que o somos pelas urnas.

Cecél Garcia cecelgarcia@msn.com

Santo André

*

A BOLA DA VEZ

Demorou mas chegou a vez do bufão Carlos Lupi – ministro do Trabalho – "herança maldita" recebida pela Ducheff do seu antecessor. Mais algumas denúncias e ele tombará, pena que assim como seus colegas, nada lhe acontecerá, apenas deixara de ser manchete dos jornais, e passando mais alguns dias  tudo ficará esquecido, infelizmente. O próximo da fila será o queridinho de Lula. Mas, para não sair como seus coleguinhas, por falcatruas, sairá mesmo por "incompetência" diante de tantos erros que cometeu enquanto  ministro da Educação, e como Lula "gamou" pela figurinha, ainda irá ganhar um prêmio, já que agora o caminho estará livre para ser o candidato, pois o "sempre candidato", aquele senador, que vive cantando música de Bob Dylan, ao invés de defender o povo de São Paulo, fez as firulas de sempre e "pressionado" retirou sua grande candidatura. Lindinho do Lula, um aviso: aqui é a terra dos trabalhadores, e não dos enganadores.

Agnes Eckermann agneseck@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

FALANDO SOZINHA

Afinal, não foi a própria Sra. Dilma que escolheu seu próprio Ministério? Como ela pode ter errado tanto? Não é possível que sete de seus ministros tenham sido demitidos em menos de um ano de governo, sempre por corrupção! Agora é o Trabalho! Por que ela não começa tudo de novo e não chama o padrinho Lula para ajudá-la? Pena que o padrinho agora não pode falar muito, pois acometido de câncer na laringe. Que se recupere o mais breve possível, senão dona Dilma vai ficar falando sozinha...

Carlos Takaoka cy.takaoka@hotmail.com

São Paulo

*

LUTADOR

Carlos Lupi, encurralado pela imprensa, e a oposição que pede sua demissão, porque jorram denúncias de práticas de ilícitos em seu ministério, saiu com essa afirmação: “alguns nascem para acovardar. Outros para lutar. É o meu caso, topo lutar. Vou até o fim”! Falou, falou, mas não explicou nada! Caso típico de quem tem culpa no cartório! Assim recheado de falácias e sem crédito algum, também reagiram os outros cinco ministros denunciados, lógico, sempre pela imprensa, e por corrupção, somente nestes últimos dez meses de mandato de Dilma, e que tiveram o mesmo destino, ou seja, a porta da rua...  E este para ser também o caminho reservado para o falastrão Lupi! É o mínimo que a presidente deve fazer...  De preferência rápido!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

CULINÁRIA MINISTERIAL

Êpa! No Ministério do Trabalho Panella no fogo pode fritar ministro.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

CANSAÇO

Gilberto Carvalho se diz cansado de tanta crise, enquanto mais um caso de corrupção em ministério é localizado (7/11, A6). E nós contribuintes, xará, imagine o cansaço de pagar impostos escorchantes e ter a certeza do desvio... Que se dane o seu cansaço!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

COITADINHO

O Sr. Gilberto Carvalho, ganhando salário de ministro e com todas as mordomias, está cansado de crise. Coitadinho. Imagine quem ganha salário mínimo...

Ricardo Marin s1estudio@ig.com.br

Osasco

*

IRADOS

Gilberto Carvalho não deveria se sentir cansado de tantas denúncias de corrupção já que fez parte do governo anterior oito anos e até agora todos os ministros acusados de corrupção que caíram eram herança maldita do governo Lula. Como "pombo correio" que foi do ex-presidente, daqueles que fica buzinando no ouvido do chefão tudo que acontecia nos bastidores palacianos, tem culpa da enxurrada de roubos que pipocam hoje, porque não fez seu papel como deveria. Pelo contrário, costurou por trás e fez tudo para abafar denúncias. Agora terá como ministro do governo Dilma, aguentar todo podre descoberto pela mídia investigativa sem direito a prerrogativas e cansaço, porque nós brasileiros que financiamos essa canalhada não estamos apenas cansados, estamos "iradíssimos".

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

CASTRAÇÃO NO CONGRESSO

Deputados têm reclamado do presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), que não cumpre o regimento da Câmara, não despacha requerimentos, impede consultas de parlamentares sobre as contas do governo junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), impede a instalação das Comissões Parlamentares de Inquérito (pela primeira vez em 36 anos não há CPI numa legislatura) e outras atitudes, eliminando assim a possibilidade da oposição ou qualquer parlamentar ter informações sobre a União, proceder investigações, enfim , exercer sua responsabilidade constitucional de fiscalizar o governo. É uma gravíssima,  anti democrática e anti constitucional “blindagem” do executivo, justificada por alguns como defesa da aliança parlamentar entre PT, PMDB, PR, PCdoB, PDT e aliados com o intuito de proteger a “divisão dos interesses” de cada um desses partidos no governo. Reduzem assim, a possibilidade de envolvimento dos novos ministros e partidos nas aparentemente fundadas suspeitas de corrupção que envolvem o grupo político. Já encontram-se sob acusações os Ministérios do Trabalho e o da Educação. Como a corrupção consegue essa façanha de paralisar o congresso? A que ameaças são submetidos os deputados inconformados com a situação? Porque não reagem? São as perguntas que os eleitores devem ter sobre seus candidatos eleitos.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

BLINDAGEM TOTAL

Como se não bastasse a blindagem que o Supremo Tribunal Federal (STF) impôs sobre 152 autoridades suspeitas de cometer crimes ao garantir sigilo às suas identidades, num evidente tratamento privilegiado que contradiz a cláusula pétrea de nossa Constituição que garante que todos os cidadãos são iguais perante a lei...agora fico sabendo que o presidente da Câmara dos Deputados, o deputado Marcos Maia do PT/RS em seus 9 meses de mandato vem usando de manobras nada democráticas, conseguindo esvaziar o poder constitucional dos deputados de fiscalizar ações do governo, e assim impedindo que fossem abertas CPIs. Justamente num ano em que 6 ministros já caíram por suspeita de desvio de verbas cometidas em suas pastas para beneficiar os cofres de seus partidos. Ao mesmo tempo que o governo impede a  investigação de seus desmandos, o Senado aprova a criação da Comissão da Verdade para investigar atos de violência acontecidos há mais 30 anos durante o governo militar, provocados em decorrência de ações terroristas contra o governo constituído , cometidas por muitos destes que hoje estão em altos cargos do governo... A "transparência" petista é algo digno de nota...e parece que daqui para frente  vai ficar valendo o ditado: "faça o que eu mando, e não faça o que faço"! Só não sei se dá para suportar... o que vocês acham?

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

CPIS NA CÂMARA

A notícia de 7/11 deste conceituado jornal (A4), sobre o bloqueio que o nobre presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, vem impondo de forma arbitraria contra  a implantação de CPIs contra denuncias formuladas por seus colegas é mais uma forma de se tentar acobertar possíveis irregularidades que campeiam  por setores da sociedade brasileira. Falo especificamente do registro da CPI do Banespa que foi apresentada na Câmara Federal em 2 de março deste ano pelo Deputado Nelson Marquezelli (PTB) SP sendo a mais antiga e que até o momento o nobre Presidente da Casa a mantém engavetada por motivos desconhecidos para nós mas com certeza de total interesse para as hostes do PT. Essa CPI poderia trazer à luz da verdade as reais condições em que o Banespa foi vendido a preço simbólico ao Santander com inquestionável prejuízo à nação brasileira e aos 15 mil aposentados do Banespa que sofrem até hoje as conseqüências dessa venda ainda não totalmente esclarecida.

Alfredo Vaz Netto alfredovaz@terra.com.br

São Paulo

*

TEMPOS DIFÍCEIS E DESCONCERTANTES

Para quem ainda não percebeu estamos vivendo num clima de ditadura disfarçada proporcionada principalmente pelo PT. Na Câmara dos deputados o senhor Marco Maia, deputado do PT, disfarça e em conivência do Executivo impede que toda e qualquer CPI seja realizada, mesmo as que têm o numero de assinaturas necessárias. Na contramão das benesses democráticas, para ajudar, o STF blinda "autoridades" suspeitas de cometer crimes, impondo sigilo de suas identidades indo contra as normas constitucionais, como se as mesmas pertencessem a uma casta superior; com exceção louvável do ministro Celso de Melo. Além de uma montanha de transgressões muito bem ocultadas dos cidadãos pagantes que se deparam a todo o momento, com maracutaias nas hostes governamentais das quais a maioria dos homens públicos têm conhecimento, mas, só aparecem quando a independente Imprensa divulga. Tempos difíceis e de enorme desconserto.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

CAMPINAS DE LUTO

 

A cidade de Campinas sempre foi referência no País. Por sua força industrial, pelas faculdades, pelos intelectuais, etc. Mas ultimamente os escândalos envolvendo os principais políticos “campineiros” em corrupção estão deixando a população descrente a tudo e quase todos. O prefeito Hélio foi cassado, não sabia de nada, nem do sumiço do amor da sua vida, a esposa. O vice Demétrio foi preso no aeroporto quando voltava de viagem. Com a cassação do mandato de Hélio assumiu Demétrio, que posteriormente também foi cassado pelos vereadores. O presidente da Câmara, o vereador Serafim, assumiu o executivo, que por sua vez ficou 15 dias no “poder”. O Tribunal de Justiça (TJ-SP) reconduziu Demétrio ao cargo.  Nestas mudanças de “poder”, a inércia administrativa se estabeleceu de vez em Campinas, ainda mais que o ano que vem tem eleições. Neste desmando de poder, meus sinceros sentimentos!  Campinas está de luto político.

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

*

A MAGISTRATURA E AS EMPRESAS

Sou advogado na cidade de São Paulo, e quero parabenizá-los pelo brilhante editorial que abordou a equivocada relação entre a magistratura e as empresas tanto públicas quanto privadas (O lazer dos juízes e a imagem da Justiça, 7/11, A3). Atuo numa demanda contra o Banco do Brasil, mais precisamente, pasmem, um despejo por falta de pagamento, e realmente é um absurdo verificar que o Réu patrocina eventos para os que têm o dever de julgá-lo com imparcialidade. Apenas para ilustrar a realidade fática dos que se atrevem a advogar contra o Banco do Brasil, explicito que nas ações de despejo por falta de pagamento o recurso de apelação tem apenas efeito devolutivo, ou seja, não suspende a execução da sentença. No entanto a 30ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, contrariando o artigo 58 da Lei do Inquilinato, recebeu recurso de apelação do Banco do Brasil com efeito suspensivo, mesmo sendo patente que o Banco alega ter depositado aluguéis em contas encerradas. O que seria de nós sem a imprensa "livre" e sem o tão atacado Conselho Nacional de Justiça?!

Anderson Henrique de Souza  anderhenri@adv.oabsp.org.br

São Paulo

*

BOM DEMAIS

Isto é Brasil.  Aproximadamente 300 juízes com acompanhantes,  puderam contar com o apoio de estatais como o Banco do Brasil e a Companhia Hidrelétrica de São Francisco (Chesf) para veranear em Porto de Galinhas (PE). Para aqueles que ainda não sabem, essas estatais bancaram parte dos  jogos  da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra). Foram cinco dias do tá bom demais, em resorts à beira-mar de Pernambuco. Acorda, povo brasileiro.

 

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

MAGISTRATURA, REALIDADE E AMOR À PRIMEIRA VISTA

Assim que juízes e seus próximos estiverem obrigados a utilizar os serviços públicos, imediata e impreterivelmente, a magistratura brasileira estará casada com a realidade – sem noivar, namorar, paquerar e sequer com ela flertar... Sendo-lhe fiel, amando-a e respeitando-a, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença... E serão felizes para sempre, ungidos com as bênçãos da sociedade!

Saulo Vieira Tortelli saulo_tortelli@msn.com

São Paulo

*

OS SEGREDOS ESTATAIS

A absoluta ignorância da sociedade brasileira sobre os negócios bilionários do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) – tema abordado, mais uma vez, por editorial de O Estado – não se resume ao citado órgão. Esse desconhecimento abrange as atividades de todos os órgãos públicos brasileiros, estatais e paraestatais. A partir do regime militar de exceção, o mal da hipertrofia do poder executivo, fenômeno que nele teve origem,  pouco foi combatido. A lógica é a de que fiscalização não interessa a nenhum governo. Conclusão: vivemos numa República precariamente conhecida e, logo, sob um regime democrático capenga. O poder emana do povo, em seu nome é exercido, mas, de preferência, sob segredo.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

SIMPLIFICAÇÃO TRIBUTÁRIA

Cumpre-nos cumprimentar o Estadão e o Dr. Everardo Maciel, pelo artigo publicado ontem página B2,  intitulado: A Batalha pela simplificação Tributária. Pagar impostos no Brasil, não é tarefa fácil ante a  brutal carga tributária a que somos submetidos; Porém arcar com as dificuldades burocráticas até mesmo em pagar, apurar e informar os impostos e outros são tarefas hercúleas, na qual empresas e pessoas físicas não raro incorrem em erros involuntários, que acarretam em pesadas multas e mais demandas burocráticas. Livros, guias, formulários, declarações, uma legislação que se altera seis vezes por hora, segundo o IBPT, e que não é sistematizada a cada alteração, levando os contribuintes a uma pesquisa remissiva de incisos, parágrafos e alíneas sem fim. O custo da burocracia representa conforme o porte da empresa metade ou mais do valor pago em tributos. A burocracia é a saúva da competitividade nacional e do empreendedorismo. Ou acabamos com ela ou ela acabará com o Brasil.

Marco Aurélio Sprovieri Rodrigues msprovieri@sincoeletrico.com.br

São Paulo

*

INFORMAÇÕES ALARMANTES

Os meios de comunicação estão dramatizando a crise na União Europeia. Valores absolutos de dívidas de países membros, distorcem a gravidade de situações peculiares. Por exemplo: em relação ao PIB de cada país, a dívida da Grécia pode ser considerada astronômica, enquanto a da Itália, ou Espanha, uma meleca.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

CRISE MUNDIAL

Parte vital do Hemisfério Norte – EUA, Europa e Japão – está com os bolsos furados e à beira da falência: recessão grave, desemprego crescente, perspectivas sombrias e nuvens negras à frente. O mar revolto prenuncia jornada perigosa e risco de naufrágio. Os Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) terão que papel nesse conturbado início de novo século? Quem viver verá.

 

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

CONSELHO ARGENTINO

A Grécia para sair do imbróglio que está envolvida na questão de como pagar a sua dívida com a União Europeia deveria pedir conselhos à  Argentina. Ninguém entende melhor que os argentinos para dar um calote na dívida externa e continuar de vento em popa na economia, como dizem as notícias. Só assim a Grécia poderá continuar levando a vida com as aposentadorias

precoces, curtindo a saborosa culinária bem como dançando e cantando à vontade e não esquecer logicamente a "quebra de pratos" no final.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

CRISE MUNDIAL

Excelente o artigo do professor Ives Gandra Martins publicado na sexta-feira (A2). Enquanto levas de intelectuais burocratas desconversam sobre as reais causas da crise, apontando os culpados de sempre – capitalismo, ganância dos bancos, falta de controles mais rígidos etc. –, o professor aponta o óbvio: a multiplicação burocrática transformou o estado em "carga tão onerosa sobre o povo que este mal pode sustentá-lo". Evidentemente, se os estados primassem pela austeridade e eficiência, os bancos teriam que dirigir sua "ganância" para outros setores, produtivos, o que beneficiaria de fato a sociedade.

 

Fernando Gramani Hipólide fghip@ig.com.br

São Paulo

*

FUNDAÇÃO SARNEY

A notícia passou meio despercebida, mas eu percebi! A Fundação Sarney virou estatal? Mas ele nem morreu ainda! Quer dizer que o contribuinte vai pagar para manter sabe lá Deus o que,e de que forma. Quem vai "gerenciar" e fiscalizar os "gastos" dessa inutilidade? Espero que o Sr. Mario Macieira, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Maranhão, leve adiante o pedido de inconstitucionalidade de tal bobagem,levada a cabo pela Ilustríssima Assembleia.

Ricardo Guerrini ricguerrini@hotmail.com

São Paulo

*

ATÉ QUANDO

Qual é o limite entre a segurança e a notícia? A cobertura jornalística pode ser mais importante que a preservação da vida de um repórter. Há algum tempo presenciamos uma bronca no ar no Jornal Nacional cobrando o colete salva-vidas do repórter que estava em zona de combate. Esse alerta valeu? Na Globo acredito que sim. Até quando vidas serão postas em risco eminente em troca do realismo,do sensacionalismo barato dos programas policias. Infelizmente, o cinegrafista da Band Rio não está mais entre nós, sendo mais uma vítima do seu profissionalismo. Urge um debate mais sério sobre esse tema para que não venhamos novamente a este espaço lamentar a perda de outro profissional. Com a palavra as redes de comunicação.

Renato Queiroz Telles Arruda renato@rigelmoveis.com.br 

São Paulo

*

FRACASSO

Rio de Janeiro, "cidade maravilhosa" e da "bandidagem", onde será realizada a Olimpíada 2016. Está cada vez pior, perigosa, incontrolável e mais violenta. Continuando desta forma esse evento mundial tão esperado poderá se tornar um verdadeiro fracasso.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

TEOREMA DE PITÁGORAS

A Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) é um evento louvável e merece o nosso irrestrito apoio! Um comercial “chapa branca” veiculado nas TV aberta sobre a OBMEP começa afirmando: “Grécia antiga: Aqui foi criado o Teorema de Pitágoras”. A frase possui pelo menos dois problemas: um de ordem mais abstrata, mas que “choca os ouvidos”, e outro factual. O abstrato: nem todos os matemáticos concordam que “os teoremas são criados”, ao contrário, na sua maioria eles acreditam que os “teoremas são descobertos”, um debate antigo entre 'construtivistas' e 'platônicos', sem trégua prevista. O factual: o chamado “Teorema de Pitágoras” era largamente usado na Mesopotâmia, antes mesmo dos pitagóricos o terem adotado! Ou seja, o comercial da TV, que faz apologia a Matemática, parte de uma afirmativa frágil e facilmente falsificável. Coisa que a Matemática, na voz de seus estudantes e estudiosos, abomina... Uma pena!

Maria Terezinha Santellano mtsantellano@yahoo.com.br

São José dos Campos

*

VICIADOS EM CRACK OCUPAM A RUA HELVÉTIA

A notícia é alarmante e representa a própria falência do Estado brasileiro, que não é capaz de impedir esta verdadeira barbárie em plena cidade de São Paulo, uma das maiores metrópoles do planeta. Não é possível que um grupo de pessoas ocupe impunemente qualquer espaço público, ainda mais por viciados em entorpecentes. Os viciados devem ser imediatamente retirados do local e encaminhados à clínicas de tratamento, além de treinamento profissional, para que possam, afinal, serem reintegrados à sociedade. Assim, a área pública poderá ser devolvida aos demais cidadãos. É o que deve ser feito.

Francisco Antonio Bianco Neto franciscoabianco@uol.com.br

São Paulo

*

MULTAS

O sr. Gilberto Kassab é useiro em achar formas para multar os paulistanos. É um prefeito multador. Mas será que o cidadão não tem o direito de multar o prefeito ou a prefeitura? A situação da rua Helvetia é uma aberração que não tem justificativa e nada está sendo feito para que aquela anomalia vergonhosa seja combatida. Que "cidade limpa" é essa, sr. Kassab? Infelizmente o "prefeito" está ocupado como seu PSD, e no momento a cidade deve ficar de lado com seus probleminhas não é mesmo? Haverão outras eleições...

 

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

CRACOLÂNDIA

Sempre lemos e ouvimos comentários sobre a cracolândia, e quase sempre repetem um "mantra" que a Prefeitura só faz projetos para desocupar a área sem se preocupar com esta gente.

A maioria dos críticos são políticos membros de associações que se dizem e "direitos humanos", entre outros. Mas nunca ouvi deles uma solução, um projeto de como tirar estas pessoas que estão sem condições de decidir por si mesmas dado seus estado de degeneração pelas drogas. Quando se fala em internação compulsória ouvem-se gritos de espanto. ONGs? Estas nunca soube se participam para atenuar a situação desta gente, mas sei sim que  recebem dinheiro público como os político e  associações de "direitos humanos",que nada tem ajudado para resolver, apenas criticam. Que tal fazer algo de que de fato ajude esta gente, as autoridades e todos nós, já que são bem remunerados para tal?

 

Francisco da Costa Oliveira fco.paco@uol.com.br

São Paulo

*

BADERNOCRACIA

Democracia que me foi ensinada é um regime que promove a liberdade,mas com direitos e deveres do cidadão. No nosso país o que está surgindo é um novo regime: a "badernocracia". Na política só corrupção e impunidade,na sociedade invasões,e agora mais essa: viciados em crack acampam e fecham rua de São Paulo,próximo de pontos turísticos da cidade. Onde estão as autoridades? Cadê o governo? Fazendo acordos,Campanhas políticas visando aos interesses partidários ou próprios? E os projetos sociais? O proletariado sofre com essa situação,mas do jeito que a baderna anda,logo atinge a elite. Só ai vão tomar providências, agilizar projetos? Alguma coisa tem que ser feita e agora,amanhã será tarde demais.

           

Therezinha Stella Romualdo there.stella@hotmail.com

Santos

*

VICIADOS EM CRACK

 

Acho um absurdo, não temos, nenhuma política pública de contenção ao Vicio destes seres humanos em pior degradação da vida. Sou Psicólogo Clínico, atuei em uma das melhores clínicas particulares deste país. Estou cansando da hipocrisia, de alguns, dizendo que o viciado, deve procurar espontaneamente o tratamento. Como é sabido, a droga em si, não importa qual, já altera a personalidade do individuo. Quanto mais o Crack e a outras drogas misturadas. Hipocrisia dizer que "tadinho, ele deve ir espontaneamente", como alguém iria procurar ajuda espontaneamente, se perdeu totalmente a responsabilidade sobre a própria vida! Como achar que um dependente químico vai procurar ajuda, se nem entende mais quem ele é? Para quê, precisar da justiça para tirar? (este vai, este não vai) se compete tal ato ao profissional de saúde, médicos, psicólogos e assistentes sociais. De que serve dizer, Ah! não temos lugares para colocá-los, isso não é problema nosso!. Será que mesmo que este último argumento fosse pequeno, será que mesmo assim não estaria melhorando um pouco a vida desses que nem sabem mais quem são?  Outra isso, é política higienista! Não, higienista é outra coisa, isso é omissão dos poderes públicos de fazerem cumprir a lei. "Utilização de droga é cadeia ou internação". Então se higienista conforme alguns é tirá-los das ruas para colocá-los em clínicas para dependência química, passando por todos os processos que devam passar e salvar a vida destes moribundos e de suas famílias, (infelizmente), então eu sou higienista sim. Pois não vou me calar diante de tanta baboseira que tenho escutado ou lido!

 

Maurício Avellar de Azevedo Marques mzlmauricio@yahoo.com.br

São Paulo

*

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Maioria votou a favor de desocupar prédio na FFLCH, mas manifestantes invadiram reitoria após assembleia (Estado, 2/11) .Afinal de contas, o que pretendem os "alunos" dessa renomada escola paulista? São inteligentes suficientemente para passar num dos mais seletivos exames vestibulares, e, depois de aceitos, não ouvem suas consciências e nem se dão conta de que a anarquia promovida, os coloca como inconsequentes, baderneiros e como massa de manobra de alguma ideologia não bem explicada. Como já foi dito antes, a liberdade de pensamento e livre expressão, não justifica agressões ou depredações do ambiente onde vivem para o estudo e seus benefícios. E mais, que custa ao estado, investimentos oriundos do bolso de cidadãos que sonham em ver a USP entre as cem melhores instituições educacionais. Mas, as "federais", onde a greve come solta, parecem estar influindo na mentalidade amorfa da juventude que inverte padrões e princípios (se é que os teve). Não creio que professores dessa universidade estejam apoiando a tais alunos. Mas, caso estejam, a eles pergunto: com que intenção se deixam levar pela destruição e não pela preservação do que já existe de bom? E se pretendem algo melhor, porque não dialogar e promover meios legais para obtenção de mudanças, que, com provas e documentação, pode-se alcançar? Até diria, procurem o Ministério Público com evidências inegáveis, e tudo se resolve em benefício do povo cansado de pagar pelo que não recebe. O Estado mais abastado deste país, merece uma Universidade digna de sua projeção, modelo para todo o Brasil. Alunos e professores, sem invasões e depredações, busquem documentação que denuncie  o que de fato está ocorrendo em todos os departamentos dessa entidade. Esta seria a atitude inteligente e digna de universitários, e não de universi-otários!

José Jorge Ribeiro da Silva jjribeiros@yahoo.com.br

Campinas

*

ESTUDANTES?

Já que se trata de uma Escola, gostaria que fosse feita uma "chamada"dos invasores da USP para ver quantos estudantes há lá e se os há.

Cléa Correa cleacorrea@uol.com.br

São Paulo

 

*

O SILÊNCIO DA APEOESP

Antes de qualquer julgamento, gostaria de deixar claro para todos e todas que não pertenço a nenhum partido político nem atuo em correntes sindicais. Milito sim por uma educação autônoma e libertadora, uma educação que possa promover a cidadania das gerações que se formam nas escolas públicas. Neste ano, o governo federal encaminhou para debate na Câmara dos Deputados o Plano Nacional de Educação (PNE). Embora seja um assunto de grande relevância, pouca ou quase nenhuma mobilização houve por parte da Apeoesp. Lembro a todos aqueles, que vão gastar alguns minutos lendo esse manifesto,  que esse plano promoverá para os próximos anos a privatização parcial do sistema de ensino. Entre as vinte metas do plano, encontra-se a implantação da escola em tempo integral. De fato, esse é um dos pontos que podem promover uma educação de qualidade. Mas talvez a única coisa que o governo não tenha pensado é que as escolas hoje não têm estruturas nem para atender o mínimo necessário. Há falta de bibliotecas, laboratórios e professores, principalmente de Física, Química e Biologia. Segundo esse plano, a escola em tempo integral terá as atividades complementares com atuação de parcerias com ONGs (Fundação Itaú, Fundação Airton Senna, Sesi etc.), que reproduzirão o que já acontece na cidade de São Paulo na área da saúde, com a implantação das Organizações Sociais no governo do prefeito José Serra. Nesse caso, as Organizações Sociais ficam com aproximadamente 70% do orçamento público da saúde. É isso que o Plano Nacional de Educação orienta na meta número seis. Nas metas seguintes, o projeto  busca estabelecer a evolução do Ideb nas escolas, a utilização do Pisa como parâmetro de qualidade – como se esse programa, ligado a OCDE, pudesse estabelecer critérios de qualidade para nossa educação – aproximar o rendimento médio do profissional do magistério com os demais profissionais com escolaridade equivalente. No entanto, o PNE não deixa claro o que deve ser feito com os governos estaduais que não cumprirem essa meta. Enfim, pode-se perceber que há uma série de questões colocadas no PNE, pelo Governo Federal, sobre as quais entidades ligadas ao magistério tem-se omitido. Não deve ser muito difícil para ninguém do magistério fazer a seguinte pergunta: Por que a Apeoesp não coloca em seus comunicados um chamamento  sobre o PNE? Uma entidade sindical que tem como propósito defender uma categoria não pode se eximir de uma discussão como essa. É legitimo que toda entidade sindical se ligue  a um ou outro partido político (embora não devesse), a um ou outro governo. O que não pode é esconder da categoria um debate sobre educação. O título deste manifesto não foi colocado à toa. É na realidade a expressão mais clara e sincera de educadores que veem na educação pública a única forma de corrigir ou, pelo menos minimizar, a distância que existe entre o público e o privado.

Eugênio Borges de Carvalho eugenio.carvalho@yahoo.com.br

São Paulo

*

O CRIME AO VOLANTE E A PREVIDÊNCIA

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que criminaliza o ato de dirigir embriagado, deverá salvar muitas vidas. Ao contrário da fiança, que liberta até dos que causaram danos e mortes, a nova postura desencoraja os que insistem em beber e sair com o automóvel. Mas, na contramão, o ministro Garibaldi Alves, da Previdência Social, embarca pela via demagógica, indo pessoalmente protocolar a ação onde cobra do causador de um acidente a indenização e as pensões que o INSS vem pagando à viúva da vítima. Na prática seu propósito, não funcionará, pois dificilmente um motorista que causa acidente teria condições econômicas para pagar indenização e pensão e, provado isso, o juiz jamais o condenaria ao pagamento. Quanto ao INSS, como seguro social, tem a obrigação de cobrir as indenizações e pensões aos seus segurados, independente da motivação de sua morte ou invalidez. Se estivesse realmente interessado na desoneração dos cofres previdenciários, em vez de procurar criar mais um ônus para os motoristas, o ministro buscaria a fórmula de retirar do INSS o peso das aposentadorias e benefícios àqueles que não contribuíram como os perseguidos políticos, trabalhadores rurais, idosos e outros imprevidentes e desvalidos. Por razões humanitárias, todos esses têm o direito de receber algo que lhe garanta um mínimo de dignidade no fim da vida. Mas isso é uma obra social que deveria ser paga pelo Tesouro Nacional e jamais com o dinheiro das contribuições recolhidas pelos trabalhadores, que têm a finalidade de custear o pagamento dos aposentados regulares e nada mais. É por causa do ônus dos beneficiários não contribuintes que todo trabalhador brasileiro aposentado hoje se sente estelionatado em seus direitos...

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

BEBEU, DIRIGIU, ASSUMA!

          

Uma lata de cerveja, um cálice de vinho, uma dose de pinga ou uísque, basta isso! Entenda a lei: Quem for flagrado com uma dosagem superior a 0,2 decigramas de álcool por litro de sangue pagará multa de R$. 957,00 receberá sete pontos na carteira de motorista e terá suspenso o direito de dirigir por um ano. Segundo o artigo 306 do Código de Trânsito Brasileiro, se a dosagem de álcool no sangue superar 0,6 dg/l – o que equivale a duas latinhas de cerveja, por exemplo – a infração será considerada CRIME, os infratores serão presos em flagrante e as penas poderão variar de seis meses a três anos de cadeia, sendo afiançáveis, mas sem isentá-los de culpa. Para se ter uma ideia mais clara, bastam apenas dois bombons com recheio de licor que já são bastantes para um resultado positivo no exame. De que formas são feitos os testes? De três maneiras: diretamente com o auxílio de um bafômetro; por exame de sangue, ou ainda exame clínico que indiquem sinais de embriaguez. Testes que só poderão ser realizados por policiais rodoviários, agentes de trânsito e policiais militares. Caso não exista bafômetro no local o motorista suspeito pode ser levado a se submeter a exame clínico. Ainda que a Constituição assegure a cada um dos cidadãos que ninguém é obrigado a gerar provas contra si, havendo recusa da parte do motorista em se submeter aos testes, a lei considera que o testemunho dos agentes autorizados tem força de prova perante o juiz. Atentem que um copo de cerveja ou um cálice de vinho leva seis horas para ser eliminado do organismo. Se for cachaça ou uísque ou qualquer outra bebida de teor mais elevado de álcool a demora é bem maior - talvez até 24 horas após ser consumida. Vale a pena correr o risco e dirigir antes de passado esse período? E agora? É decisão final do Supremo Tribunal Federal – STF: Quem dirige alcoolizado pratica crime, é detido e a pena situa-se entre seis meses a três anos, independente de que tenha ou não vitimado alguém. Atentem bem para isso! Traduzindo: basta dirigir alcoolizado que já se incorre em crime! Sim, é porque ao beber o motorista assume o risco de acidentar ou matar alguém. E tem mais: O governo federal já entrou na Justiça para que quem atropele alguém arque com todas as despesas que seriam de conta do INSS. Apenas reforçando: o álcool, apesar de inexplicavelmente permitido e aceito socialmente, por vezes estimulado por artistas famosos que buscam apenas auferir lucros ao promoverem essas bebidas e até por pais inconsequentes, é tão ou mais danoso à sociedade quanto qualquer outra droga considerada pesada, ilícita. A escolha é sua, mas arque com as consequências e desta vez é pra valer! Ótimo!

José Hildeberto Jamacaru de Aquino hildebertoaquino@yahoo.com.br

Russas (CE)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.