Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

11 Novembro 2011 | 03h06

Bola sete

O ministro Carlos Lupi, do Trabalho, que está "sinucado" de bico, ao ser questionado se se sente a bola da vez, respondeu, com razão, que "só se for a bola sete, que é a bola que dá a vitória". Até agora já foram encaçapados seis ministros. Portanto, o sétimo (bola preta) será o próprio.

YOSHITOMO TSUJI

y.ts@hotmail.com

São Paulo

*

Legado

Todos os ministros que saíram até agora sob acusação de corrupção eram do governo Lula e foram empurrados goela abaixo da presidenta por ele - inclusive o que só sai abatido a tiros, Carlos bola sete Lupi. Caberia aqui o velho bordão do futebol "em time que está ganhando não se mexe"?

GATTAZ GANEM

gattaz@globo.com

Carapicuíba

*

A próxima vítima

Sem dúvida alguma, a próxima vítima da faxina da presidenta é o ministro Carlos Lupi, do PDT. Depois de ser desafiada e do puxão de orelhas de Dilma por causa do excesso de verbalização do ministro, sua saída é questão de tempo.

ARNALDO LUIZ DE OLIVEIRA FILHO

arluolf@hotmail.com

Itapeva

*

Falastrão

Diante de um microfone, é só dar a corda que o ministro Lupi se enforca sozinho.

JORGE MANO

jrmano@yahoo.com

São Bernardo do Campo

*

Sem fôlego

ONG de amigão do Lula recebeu do Ministério do Trabalho injeção de "oxigênio" no valor de R$ 24 milhões em oito anos, apresentando pouquíssimo resultado. Por essa e outras razões semelhantes o brasileiro que paga pesados impostos anda sem fôlego!

SILVANO CORRÊA

scorrea@uol.com.br

São Paulo

*

Oposição

Afinal, a oposição vai ou não combater o loteamento político das organizações do Estado (federais, estaduais e municipais)? As indicações para cargos de confiança e em comissão ocorrem também nos Estados onde impera a oposição. Quando a oposição em suas campanhas se declarará contra isso? Na Constituição deveria ser eliminada a permissão de indicação para tais cargos e ser proposta legislação exigindo recrutamento adequado para órgãos estatais e punição dos infratores. Quando contaremos com partidos que persigam, com propostas, o aperfeiçoamento democrático do País e se obriguem à seleção de candidatos? Temos partidos ou quadrilhas de chupins do Estado?

DARCY ANDRADE DE ALMEIDA

dalmeida1@uol.com.br

São Paulo

*

USP

Greve

Cumprimento o Estado pelo excelente editorial A desocupação da Reitoria (9/11, A3). Sou engenheiro civil formado pela Escola Politécnica da USP, turma de 1948. Após difícil exame vestibular, estudei na prestigiosa Poli, pois meu saudoso pai não tinha condições financeiras para pagar uma faculdade particular. Devo meu sucesso profissional à querida Poli! Tenho consciência de que devolvi à sociedade o muito que dela recebi, pagando meus estudos com prestação de serviços técnicos sem remuneração. No meu tempo de Poli, de manhã tínhamos aulas teóricas e à tarde, aulas de projetos. Tenho certeza que esse método de ensino sério, conduzido por dedicados professores, vários deles meus prezados amigos, ainda continua. Aluno da Poli não faz greve! No futuro vai construir pontes, barragens, grandes edifícios, estradas, redes de altas-tensões, equipamentos eletrônicos, etc. Enfim, trabalhos que exigem competência profissional e responsabilidade. Nosso Código de Ética Profissional estabelece em seu artigo 2.º: "Considerar a profissão como alto título de honra e não praticar nem permitir a prática de atos que comprometam a sua dignidade". É assim que se forma um engenheiro, desde os bancos escolares. Do exposto, concluo dizendo que a minoria de baderneiros que ameaçam com greve não representa os milhares de estudantes da USP, que desejam estudar para no futuro melhor servirem à sociedade. Os arruaceiros fazem greve porque não pagam mensalidade! Nós, contribuintes, que pagamos, com escorchantes impostos, as despesas da USP, exigimos que esses baderneiros sejam expulsos. Eles que vão fazer greve em faculdades particulares, se é que seus pais estão dispostos a pagar sem que os filhos frequentem as aulas. Em seu lugar seriam convocados estudantes carentes que estão fora dos cursos superiores porque seus pais não têm condições financeiras para eles frequentarem as caras faculdades particulares. Jovens carentes, procurem a USP, estão sobrando vagas!

BRAZ JULIANO

bjuliano@uol.com.br

São Paulo

*

Quem perde?

Se os alunos fazem greve, quem perde? Ao que eu saiba, professores e funcionários continuarão a ganhar seus salários... Realmente, a USP está ruim na qualidade do ensino. Nem o óbvio esses tapados conseguem entender! Ou fumaram muita erva e queimaram o cérebro? "Dã, vamos fazer greve, assim a gente perde o ano e esses PMs aprendem a não se intrometer na nossa boca de fumo!".

MARCUS COLTRO

marcuscoltro@hotmail.com

São Paulo

*

Anarquia

Estudantes anarquistas, futuros políticos. Um deles pode até chegar a ser presidente do Brasil.

VAGNER RICCIARDI

vbricci@estadao.com.br

São Paulo

*

BERLUSCONI

O fim de uma era

Finalmente a Itália vai se livrar da "República do Bunga-Bunga" do primeiro-ministro Silvio Berlusconi, depois de mais de dez anos no poder, rodeado por escândalos sexuais e sociais, corrupção e até mesmo conexões com a Máfia. Agora os italianos têm a chance de mostrar ao mundo - com seu próximo primeiro-ministro - que não são como o seu atual líder. Quem viver verá.

SÉRGIO ECKERMANN PASSOS

sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

Novo ritmo

*

E os mercados acionários estão fazendo Bunga-Bunga...

ALEXANDRU SOLOMON

alex101243@gmail.com

São Paulo

*

ALMOÇO GRÁTIS

Os recentes acontecimentos na Europa são uma preciosa síntese da famosa frase do economista americano Milton Friedman de que "não existe almoço de graça". É o que estão, tardiamente, percebendo vários países mediterrâneos da Europa "morena". Quanto ao Brasil e à "presidente" Dilma, vamos aguardar que acordemos a tempo de nos conscientizarmos de que não existem atalhos para o Primeiro Mundo e de que precisamos aumentar a renda com poupança interna, e não apenas com consumo. Não podemos entregar nosso futuro na dependência do capital externo captado a custa de juros elevados e aumento da dívida pública interna, lastreada por reservas internacionais que apenas servem de garantia para nos fazer reféns de um perverso círculo vicioso. As melhores coisas da vida podem ser grátis para as pessoas, mas nunca para os países.

Roberto Castro Rios rios.roberto@bol.com.br

São Paulo

*

DESPERTANDO

O emblemático movimento "Ocupem Wall Street" de Nova York que caminha para Washington, no sentido de pressionar o Congresso Americano a eliminar o alívio fiscal dado a ricos, é sintomático. Mostra que os 99% que fazem parte da minoria silenciosa acordaram do sono abúlico em relação ao 1% que detém o poder no comando das decisões da economia global desde sempre e em crise sistêmica desde 2008. O que vai resultar dessa postura de nosso tempo, só o futuro dirá.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

JOIO E TRIGO

Apesar da dívida da Itália ter superado os 100% do seu PIB, eu, como investidor, não me preocuparia. Mesmo com a crise que, atualmente, assola a União Europeia, está muito fácil separar o trigo do joio. Países economicamente viáveis, de um lado, irrecuperáveis, do outro.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

REBAIXADA

A Europa estava  na corda bamba bem antes da criação do euro e agora  a única saída é um calote geral de todos os países, o rebaixamento para a segunda divisão, onde se encontram países como o Brasil e Índia, e começar tudo de novo, com mais garra, mais seriedade e principalmente a fiscalização do povo que paga as contas. Uma empresa ou um país só chegam ao fundo do poço quando administrados por amadores ou inescrupulosos com o dinheiro que não lhes pertence, uma especialidade dos políticos brasileiros que acabou contaminando o restante do planeta. Será bom para a Europa olhar o mundo não por cima, mas de igual para igual. Muitos perderão com a crise europeia e muitos trilhões de euros desaparecerão da economia mundial sem fazer a mínima diferença, pois estão nas mãos de especuladores que vivem apenas dos juros e da desgraça alheia. A nobreza pode estranhar, mas churrasco na laje já é atração turística no Rio de Janeiro, então por que não adotar o costume?

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

FALÊNCIA GREGA

Tudo está fazendo nós acreditarmos nas declarações da monarca inglesa, disse ela: "O socialismo só existe enquanto tiver dinheiro dos outros para gastarem".  A situação econômica atual da Grécia está confirmando suas declarações. Os gregos gastam nababescamente com toda a volúpia socialista o que encontram, liquidaram todos os recursos recebidos da Comunidade Européia, e hoje, desesperadamente querem mais. Salvem os alérgicos ao trabalho! Este é um dilema crônico de quebra-cabeça dos Europeus... O que fazer? Dar mais dinheiro para eles esbanjarem com tantos funcionários inúteis? Tem funcionário público sem ser do 1º escalão que tem até 50 motoristas. Até eu duvido disso!

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@yahoo.com.br

São Paulo

*

NOEL ROSA ATUAL

Com dívida superior a R$ 1,7 trilhão, com que “roupa” vai Dilma à festa que a Grécia convidou?

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

MINISTROS...

Enquanto a Grécia perde seu primeiro ministro, o Brasil está prestes a perder seu sétimo!

Fábio Duarte de Araújo fabionyube@visualbyte.com.br 

São Paulo

*

DECLARAÇÃO DE AMOR

É uma verdadeira vergonha, o ministro do Trabalho, Carlos Lupi (PDT), depois de se envolver em “malfeitos” junto com os seus assessores, afirmou que só deixaria o Ministério “a bala”... Que lindo! Depois que percebeu não ter agradado à presidente com a “besteira” que falou, agora até faz declarações de amor, o que é inédito na história do País.  São fatos inusitados e surpreendentes a que temos assistido no atual (des)governo. O que não se faz para permanecer no cargo e dar sequência aos “malfeitos”, de comum acordo com o seu partido, que lhe deu todo o apoio? Que mediocridade!

 

Maria Teresa Amaral mteresa0409@estadao.com.br

São Paulo

*

APELAÇÃO

"Eu te amo". Isso lembra marido flagrado pela esposa com as calças arriadas.

 

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

LOBO MAU, O RETORNO

Quem estudou Latim sabe que lupi é o genitivo de lupus – o lobo. Pelo noticiário, provavelmente o Lobo Mau. Ou o Lobobão? Já a presidente é do PT, cuja cor é o vermelho, como a Chapeuzinho. No conto de Perrault, o lobo também era pretensioso. Embora os livros infantis não o registrem, certamente duvidou, como nosso Lupi, que Chapeuzinho o defenestrasse. Não sei bem quem seria a vovó engolida pelo lobo (aceitam-se sugestões) nessa versão brasiliense da velha lenda, mas ao final, quem mata o lobo é um lenhador. Ou seja, alguém íntimo das árvores, dentre as quais, na França, onde se passa a história original, uma das mais comuns é o Carvalho.  

 

Gil Cordeiro Dias Ferreira gil.ferreira@globo.com

Rio de Janeiro

*

LUPI DECLARA AMOR A DILMA

Não dá para deixar de fazer um paralelo dessa declaração com a conversa que o Lobo Mau (Lupi) jogou para cima da Chapeuzinho Vermelho (Dilma), pouco antes de tentar devorá-la.

Afinal de contas, o Lupi é a cara do Lobo Mau e tem o caráter muito parecido.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

MACHÃO

O homem diz que só sai a bala, e ainda diz que é duro de roer. A presidenta vai continuar refém de mais um?

 

Marcos Antonio Scucuglia sasocram@ig.com.br

Santo André

*

DURO DE ROER?

Até que enfim um ministro a quem Lula vai aplaudir: Carlos Lupi. Com as frases “Sou osso duro de roer” e “Só saio a bala”,  e por “duvidar” que Dilma vá tirá-lo do Ministério, mostra que tem a casca grossa que o ex-presidente Lula aconselhou que tivessem os ministros anteriormente denunciados. É, vamos ver de que jeito ficará esse osso após a enxurrada de denúncias que vem ocorrendo nas últimas horas!

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

A BALA

"Só saio a bala". Esta frase, muito ouvida, e pouco usada, não foi dita por algum chefe de Estado pressionado para deixar o cargo, mas sim, pelo ministro do Trabalho, Carlos Lupi, nomeado para o cargo pela presidente da República do Brasil, Dilma Rousseff. Este é o retrato frio e cruel do que acontece nos bastidores da tal base política que sustenta o governo. É inacreditável. Um ministro diz em alto e bom som que duvida que a presidente da República o demita do cargo, e que, se isso acontecer, ele só sai à bala. O mesmo fanfarrão avisa que se for posto na rua, à bala ou não, o seu partido, PDT, que arrendou o Ministério do Trabalho, não vai mais apoiar a base governamental. Aos poucos estão colocando a presidente Dilma Rousseff num beco sem saída. E isto é um péssimo negócio para a nossa democracia.

Wilson Gordon Parker wgparker@oi.com.br

Nova Friburgo (RJ)

*

ABALADO

Não precisa sair baleado, se sair abalado já está bom.

Ary Nisenbaum aryn@uol.com.br                  

São Paulo

*

PODER

Presidente Dilma, já que a senhora tem o poder de nomear e demitir, não é um retrocesso manter Lupi no cargo?

 

Franciscvo Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

O DESCONTENTAMENTO DE DILMA

Um olhar sobre o lulopetismo, que pariu Dilma e empurrou-a goela abaixo de todos nos, indica que Dilma não esta descontente com as estripulias de seus ministros, os "dilmaloprados" que grassam como tiririca (sem trocadilho...) na Esplanada. Esta preocupada com o risco de desmonte da base aliada, que tem descaradamente avalizado o plano de poder do lulopetismo, em troca de favores que só não beneficiam o povo brasileiro. Se não pelas denuncias, a falta de decoro do Sr. Lupi já seria o bastante para a demissão; que não veio, diante da iminência de votação da DRU e ora justificada por um "momento de estresse" pela companheira Gleisi. Falta-lhe a sensibilidade de estadista para notar que estressado esta o povo brasileiro, que paga a conta da bandalheira e de agentes públicos falastrões, indignos de representá-lo. Ou, a nos outros, sobra ingenuidade ao imaginar que a Sra. Dilma poderia estar preocupada conosco... Por falar em Gleisi, ela explicou o episódio de sua nebulosa demissão pela Itaipu Binacional, a véspera da necessária desincompatibilização? "Nunca antes neste país" um governo mereceu tanto uma blitz popular pela transparência! Falando nisso, por andam os "dilmaloprados" Palocci (reincidente), Nascimento, Rossi, Novais e Orlando? Há algum procedimento em curso para apuração de suas responsabilidades?

Saulo Vieira Tortelli saulo_tortelli@msn.com

Sao Paulo

*

A PRESIDENTE PRECISA MOSTRA QUEM É QUE MANDA

Quando pensamos que já havíamos escutado de tudo eis que veio as bravatas dos caciques do PDT em reunião da executiva do partido em Brasília para discutir as decisões a serem tomadas em relação a reportagem da Veja. É estarrecedor e lamentável escutar uma frase tão grosseira e chula de um ministro contra um governo que queira ou não, foi eleito democraticamente pelo voto popular. Com essa atitude o ministro Carlos Lupi e o líder de seu partido na câmara, Giovanni Queiroz, que fez um desafio ao palácio do planalto em tom ameaçador afirmando que o ministro já prestou todos os esclarecimentos possíveis, "prestou mesmo"? E que, se Lupi tiver de deixar o cargo, o PDT saíra do governo, da base aliada. Quanto ao ministro, vomitou a seguinte frase dizendo que só deixa o cargo se for "abatido a bala", disse também, "que antes de carregarem o caixão dele, ele ainda vai carregador muitos caixões, como se o cargo fosse vitalício e não transitório. É bom lembrar que a reportagem da revista "Veja" desta semana afirma que servidores e ex-servidores do ministério do trabalho estariam envolvidos num esquema de cobrança de propina que variava entre  5% e 15% das ONGs  que reverteria recursos para o caixa do PDT, e para o bolso de espertalhões do partido. O que o ministro Carlos Lupi, e caciques do seu partido precisam entender é que a presidente Dilma Rousseff é a chefe, foi a aleita democraticamente para nomear e demitir qualquer ministro ou funcionário que tenha cargo de confiança no governo. O que fizeram foi total falta de respeito com a autoridade da presidente, que com certeza não pode e nem deve aceitar pressão de quem quer que seja para mantê-lo no cargo, principalmente alguém envolvido com corrupção e desvio de dinheiro público. O que não pode é a presidente agir só quando é pressionado pela imprensa ou pela sociedade civil através das redes sociais. Vamos acabar com essa corja Dilma, lugar de corrupto, e ladrão do dinheiro do povo é na cadeia. Não é verdade. Com essas ameaças do ministro do Trabalho, Carlos Lupi, ele vai acabar levando um tiro de misericórdia da presidente Dilma Rousseff que parece não ser conivente como foi seu antecessor com escândalos e corrupção de companheiros.

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

AUTORIDADE EM XEQUE

Carlos Lupi, com pesadas denuncias de irregularidades em seu ministério, disse que só deixa o ministério se for abatido a bala, e que duvida que a Dilma, o demita! O indicado do PDT, queridinho do Lula, através dessa sua declaração ameaça a autoridade da presidente. E mesmo sabendo que infelizmente o padrão moral da maioria dos ministros nesta era petista tem sido este, Dilma precisa dar uma resposta firme à sociedade, colocando no olho da rua este filho político do Brizola... Caso contrário a já difícil governabilidade vai para o espaço!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

ROMPENDO COM O PASSADO

Até quando Dilma Rousseff ficará refém das escolhas de seu antecessor? Já foram seis ministros indicados por Lula a caírem por corrupção e pelo que tudo indica mais um está a caminho, dessa vez o do trabalho. Se Dilma não sofresse tantas influências de seu patrono, provavelmente escolheria melhor sua equipe, usando apenas seu feeling. Na pior das hipóteses poderia errar escolhendo um ou outro ministro sem a qualificação necessária para o cargo, mas por inexperiência. Ate quando a presidente aceitará pagar pelo erro dos outros, maculando sua imagem? Ate quando nossos impostos servirão para abastecer ONGs fajutas?  Será que o preço da gratidão com seu antecessor esta acima de sua noção de certo e errado? Minha duvida: Quando Dilma começara a governar por si mesma, rompendo os laços com o passado?

Peter Cazale pcazale@uol.com.br

São Paulo

*

AO DEIXAR O CARGO...

Receberá o ministro do trabalho o aviso prévio, ou será demitido por justa causa?

Amâncio Lobo lobo@uol.com.br

São Paulo

*

REGREDIMOS

Se vivêssemos numa sociedade razoavelmente educada, com um mínimo "basicão", iríamos pedir para a presidente Dilma retirar do cargo este ministro que está em um partido que se diz democrata trabalhista, e apenas por sua fala na imprensa, se fosse um funcionário meu... e de certa forma é, pois, é do Brasil, eu demitiria na hora que ele disse: "Daqui só saio abatido a bala, e das boas que sou osso duro de roer", pelo amor de Deus, do jeito que está indo, me parece que até os anos 80 o mundo foi para a frente, brigamos com o mau, com a violência, vivíamos quebrando opressores, pedíamos paz e amor, agora estamos involuindo, pessoas grossas, mal educadas, vereadores, prefeitos estúpidos, deputados, agora está a baixaria no alto escalão, ou se exige um mínimo de decência ou se tornará insuportável ver e ouvir estas figuras que a gente querendo ou não, nos representam, por isso vou insistir na minha "reza": vamos exigir eleições livres, e não obrigatórias, vai ser milhares de vezes melhor para a gente, estes políticos vão ter de nos dar muito motivo para perder o dia por eles, vamos exigir a democracia de fato que tanto apregoam, eleições, um direito do cidadão, fora a obrigação, este é um resquício patético de autoritarismo.

Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

*

PROVAS

O ministro do trabalho Carlos Lupi (PDT) disse que a sua declaração  de que só deixaria o cargo "abatido a bala" não era um desafio à presidente Dilma Rousseff e que estava somente desafiando a onda de denuncismo atualmente no Brasil. Na verdade o "denuncismo" a que o ministro se referiu  foram provas mais que suficientes para a sucessão de demissões de vários ministros nos últimos meses. Se denúncias  sem provas não são suficientes como afirma Carlos Lupi, por que o coordenador geral do ministério do trabalho Anderson Alexandre dos Santos foi demitido? Na cidade de Campinas somente a omissão do prefeito diante do esquema de corrupção foi suficiente para a declaração do impeachment pela Câmara Municipal.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

ONDAS

Talvez o Sr. Carlos Lupi não percebeu que a onda do denuncismo seja consequência da onda de corrupção e (des)governo!

Flávio Cesar Pigari falvio.pigari@gmail.com

Jales

*

REMEDIANDO

O ministro Carlos Lupi agora tenta remediar, dizendo que quando falou que só sairia do cargo abatido a bala, não estava desafiando a presidente Dilma. Bem, se estava ou não, não vem ao caso. O que sei é que qualquer presidente de pulso e sério o teria demitido por Diário Oficial, ou seja, tomaria conhecimento da sua exoneração vendo-a publicada no veículo oficial do governo, nem comunicação prévia haveria. E tem mais, deveria ser acrescido, no ato de exoneração, "...a bem do serviço público".

Panayotis Poulis  ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

O MINISTRO QUER BALA

Ministro Carlos Lupi, o senhor teve seu comentário altamente repercutido na mídia disse: "Só saio a bala"! Pois não será por falta delas que o senhor deixará de sair! Estou enviando um saco de balas de três quilos, doces, Sr, Ministro! O senhor não definiu o tipo de bala que tanto gosta, portanto, tomo a liberdade de enviá-las! Infelizmente, são docinhos simples, adquiridos em qualquer mercado, mas tenho uma receitinha da minha avó, mais "light", que é uma delícia! Com elas, o senhor não terá problemas com diabetes e, aliás, não sei se o senhor fuma, mas com elas substituindo o cigarro, muitos da família até conseguiram abandonar o vício de gastar dinheiro em coisas que não devem e que fazem mal à saúde, também, não é? Senhor ministro, permita-me uma observação sobre o seu segundo comentário, aquele que diz que o senhor ainda há de segurar a alça de vários caixões antes de sair! Ótimo, então lanço aqui a campanha: vamos mandar balas ao ministro Lupi – em caixas, caixotes e caixões todos com alças... para que ele mesmo as carregue! Será mai fácil e o senhor não demorará tanto para carregar, com o número de "assessores" que tem! Então, vamos coletar balas ao ministro, para podermos enviar ao Sr. Lupi! Os docinhos vão lhe ajudar muito em sua decisão, que, pode crer, é a única saída! Começo hoje mesmo a receita da minha querida avozinha, não se preocupe, mas como sou assalariada e pagadora de impostos altíssimos, por sinal, não tenho como bancar tudo! Tenho certeza que o povo brasileiro vai ajudar!

Lígia Bittencourt ligialbc@uol.com.br

São Bernardo do Campo

*

MAIS UM NA ALÇA DA MIRA

Ministro Lupi diz que para tirá-lo do ministério só “abatendo a bala”. Que grosseria, Sr. ministro! Este tipo de linguajar normalmente é usado em brigas de bandidos por pontos de venda de drogas. Quanto à ameaça de seu partido, de deixar a base aliada do governo, se eu fosse a Dilma diria: Vá tarde, quem têm o PDT como base aliada não precisa de mais inimigos. 

João Batista Piovan jb@reunidaspiovan.com.br

Osasco

*

OLHA A BALA!

A arrogância do ministro Carlos Lupi o faz esquecer-se que a Exma. Sra. presidente já foi guerrilheira e – creio eu – deve ter ótima pontaria.

 

Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

ESTADO PROFISSIONAL

Excelente artigo A democracia da competência (10/11, A2), de José Serra. A profissionalização das organizações do Estado (federal, estaduais e municipais) é essencial para que as mesmas se tornem eficazes, eficientes e combatam a corrupção. Para que isto aconteça é necessária a eliminação na Constituição da permissão para indicação para cargos de confiança e em comissão nas organizações do estado, e legislação proibindo as indicações e punindo os infratores. Se o PSDB adotar a bandeira pregada por Serra. Teremos um partido diferenciado: Hoje a pergunta que fica é se temos Partidos ou Quadrilhas de Chupins do Estado?

Darcy Andrade de Almeida dalmeida1@uol.com.br

São Paulo

*

‘A DEMOCRACIA DA COMPETÊNCIA’

 

Quer dizer então que o ex-governador de São Paulo José Serra quer nos convencer com o artigo de ontem (10/11) que o PSDB não fez trocas de cargos, igual ao PT e a todos os outros partidos? Políticos brasileiros realmente acham que o povo tem memória curta.

Leonardo Albuquerque burning_br@yahoo.com

Brasília

*

FORA, AGNELO!

 

Como é que é? Quer dizer então que Agnelo Queiroz vai tentar sustentar que os R$ 5 mil que o lobista da União Química depositou em sua conta era o pagamento de empréstimo? Será que ele pensa que todo mundo é idiota? Tenha a santa paciência! Respeite a inteligência da população, governador, pegue o chapéu e vá embora! Mas vamos então, só pra efeito de raciocínio, admitir a absurda hipótese. Como é que um agente público, exatamente aquele que é responsável pela concessão de certificado para novos medicamentos na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), empresta dinheiro pra lobista de laboratório que está pleiteando  certificação? E a coincidência das datas? No mesmo dia em que o dinheiro caiu na conta de Agnelo, 25 de janeiro de 2008, a União Química obteve da Anvisa um certificado sem o qual não poderia participar de licitações nem registrar novos medicamentos. Fora, Agnelo!

 

Rodrigo Borges de Campos Netto rodrigonetto@rudah.com.br

Brasília

*

O MALANDRO E O GOVERNADOR

Pouco importa qual das versões seja a verdadeira. Admitamos que seja a do governador Agnelo Queiroz. Emprestou R$ 5 mil a um homem sem caráter, que dá mais de uma versão para um único fato. Empréstimos são feitos a amigos ou na forma de agiotagem. Admitamos, ainda, a primeira hipótese. Por suas amizades, podemos tirar as conclusões sobre o caráter, também, do governador.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

A PORTA DA RUA É SERVENTIA DA CASA

O governador Geraldo Alckmin declarou que os marginais que depredaram o patrimônio público da Universidade de São Paulo (USP) precisam de uma aula de democracia.  Já que a autoridade máxima do Estado tem tal entendimento sobre a anárquica situação, deveria aproveitar e estender tal palestra aos pares em ofício desses meliantes que estão encarcerados em presídios, para que em rebeliões oportunas não destruam o patrimônio público e nem façam uso de drogas naquele local, que em última análise também é patrimônio do Estado. Afinal, trata-se de similaridade de fatos e atos praticados ao mesmo rigor, e assim mesurados pela prática de delinquência de uma mesma casta. Precisam na verdade de vergonha na cara e consciência cívica. Em ver o fato aos acontecimentos, necessitamos que nossas autoridades legitimem o nosso Estado de Direito e acolham-se em ações e obrigações intrínsecas ao cargo que quiseram ao se elegerem. Pulso firme, e determinação! Estamos fartos de discursos e de embromação do que se fez e fará e nada acontece. Respeite-se a força pelo direito à cidadania, além do respeito que assiste aos contribuintes que superam em larga escala o direito da força empregada por esses baderneiros, alienados e apopléticos membros da marginalia que se diz elite intelectualizada. Os que se manifestarem em desacordo com a imputação de pena de expulsão da entidade, além de ressarcimento dos prejuízos aos envolvidos, que as autoridades lhes indique o caminho expresso no título deste artigo. E isto serve a qualquer servidor ou aluno.

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

A SOCIEDADE ESTÁ FARTA

Será que os privilegiados estudantes da USP não compreendem de que se trata?   Que fumando maconha em público estão dando um exemplo muito negativo para milhares de jovens.  Que, ao comprar drogas de traficantes ou seus intermediários, estão cooperando para que mais e mais meninos pobres virem "volantes" – vendendo sua infância a troca de roupas de grife e/ou drogas? Que estão incentivando toda uma estrutura sórdida que inclui assassinatos, sequestros de menores, desespero de pais e mães de crianças carentes, que não têm como proteger seus filhos mudando para bairros de classe média? 

 

Irene G. Freudenheim irene.margarete@terra.com.br

São Paulo 

*

EPISÓDIO HILARIANTE

Na quarta feira, assistimos a um episódio hilariante, que demonstra o que os radicais esquerdistas são capazes de fazer por sua ideologia. No meio da manhã, um portal de notícias alardeava o sumiço de um dos estudantes da USP, por acaso o diretor da UNE. Segundo seu pai, Heitor Cláudio Silva, trotkista histórico, o rapaz teria sido visto, pela última vez, conversando com um policial que fazia a desocupação da reitoria invadida. Depois disso, não o encontraram mais. A sugestão era evidente: a PM de São Paulo sequestrara o rapaz. O pai mobilizou o sempre presente senador Eduardo Suplicy, além do Jornal Hoje, da rede Globo, que, sem checar as informações, tratou de fazer a “denúncia”, em tons dramáticos. Pouco depois do almoço, talvez dando-se conta de que a farsa não se manteria em pé, principalmente por estar brincando com a melhor polícia do Brasil, o Sr. Heitor “encontrou” seu filho: estava na casa de sua mãe! Que pai é este, que esquece por mais de 24 horas de procurar pelo filho no lugar mais óbvio, ou que sequer comunica o “sumiço” do filho à mãe? É evidente que se tentou armar um escândalo onde não havia nada, para comprometer o governo de São Paulo. O episódio serviu para mostrar a falta de qualquer limite dessa gente na sua ânsia pela tomada do poder, além de expor à luz do dia um canal de imprensa irresponsável e conivente com expedientes vis e desonestos.

 

M. Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

ORIENTAIS

Sabe-se que uma boa parcela dos estudantes da USP é constituída de descendentes de orientais. No entanto, não se viu nenhum deles na baderna promovida pelos bagunceiros. Isso, para nós, descendentes de japoneses, é motivo para comemorar.

José Kawazoe kwz@uol.com.br

São Paulo

*

TRÁGICO

Aos estudantes da USP que querem se drogar, sugiro que, após cumprirem suas atividades curriculares, claro, se dirijam à cracolândia, no centro da cidade. Lá, não há repressão policial, o local está ocupado há anos, e a justiça nunca decretou reintegração de posse. E pelo visual dos detidos da USP que vi na TV, os atuais ocupantes do local nem vão notar que chegaram novos usuários. Seria cômico, se não fosse trágico.

 

Haroldo Lopes aluisantos@yahoo.com.br

São Paulo

*

NOVOS TEMPOS

Estudar na USP é motivo de orgulho, é emblemático, um privilégio, a exemplo de tantas escolas publicas. Assim como há os sem-teto, sem emprego surge agora os Sem Reitoria. Mas Reitoria é para pessoas preparadas, cultas, de Carreira. Estas pessoas, crianças, como disse uma mãe, bateram em porta errada. Desorientados? Seguramente agiram a contragosto dos pais que, a esta hora se envergonham, padecem! Ideologias radicais, apologia à desordem, fanatismos não se adequam aos princípios da academia, onde se aprimora conhecimentos, pesquisas e onde se convive com urbanidade, ideais nobres e civilidade. Como se viu nas imagens não são tão jovens. Se sentem "estranhos no ninho", incompatíveis com a Comunidade Acadêmica e descontentes com seus estudos gratuitos é democrático que procurem escolas pagas.   Poderiam ser úteis fazendo obras sociais.  Prejuízos materiais serão resolvidos... de alguma forma. Filosofia, Letras, História, como, onde e quem serão contemplados com seus ensinamentos, é de repensar este investimento público. A invasão foi pensada, ostensiva, mascarada. Sem máscaras, seria prudente conhecê-los,   ciente de que pleitearão funções públicas, vagas na política...

Paulo Vaz de Lima avacanoeiro@hotmail.com

Limeira

*

USP

Qual a diferença dos estudantes da USP e do Movimento do Sem Terra (MST)? Será a instrução? Que país é esse? A USP é a maior Universidade da América do Sul! Que sociedade nos reserva o futuro?

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

*

A CONDENÁVEL INVASÃO DA REITORIA DA USP

 

Durante os anos difíceis da ditadura militar no Brasil por diversas vezes estudantes capitaneados pela União Nacional dos Estudantes (UNE) condenaram e se revoltaram contra a invasão do campus da USP e de outras universidades no país. O falecido coronel Erasmo Dias então Secretário da segurança pública em SP comandou invasão ao campus da PUC em SP num episódio deprimente. Talvez esteja neste aspecto um dos grandes erros da ditadura militar, que com sua truculência matou a renovação de futuras lideranças estudantis. Hoje temos a falência da UNE que vive da esmola de verbas federais e jamais voltou a formar alguma liderança desde a década de oitenta. E nem sequer participa do debate sobre a educação e seus projetos em todo país.

Entretanto, em SP assistimos um episódio lamentável, onde a truculência, a intransigência e a defesa de interesses mesquinhos e ignóbeis ficam acima dos interesses da maioria dos estudantes da USP. Depois de dois assassinatos de jovens estudantes a comunidade estudantil exigiu a presença da polícia militar para auxiliar na segurança do campus da USP junto ao governo paulista.  Depois de muita discussão, foi firmado um convênio entre a Administração da USP e o governo estadual para que fossem efetuadas rondas no campus pela PM. Tudo corria tranquilamente até que alguns alunos foram flagrados consumindo drogas dentro do campus da universidade. A PM tentou prende-los e levá-los a uma delegacia para que fossem tomadas as medidas legais. Entretanto, os alunos infratores conseguiram se esconder dentro das salas de aula e não puderam ser presos.  Começava então um episódio que se arrasta há alguns dias onde alunos que defendem a liberação da maconha e não querem a polícia no campus contra a lei. Eles invadiram como sempre a sede da Reitoria da USP, quebrando equipamentos, sujando tudo e mostrando a nossa sociedade que é preciso haver uma reavaliação de para quem estamos pagando com nossos impostos para estudarem na melhor Universidade da América do Sul. Que tipo de alunos a USP está formando para amanhã ingressarem no mercado de trabalho? Que tipo de cidadão tem medo da polícia e coloca a maconha à frente dos seus interesses? Quem são estes alunos? Onde estão seus pais? Qual a razão da USP não expulsar estes meliantes que por trás do discurso surrado da liberdade de ir e vir escondem o desejo latente de impunidade para o uso e o tráfico de drogas? Quem são os traficantes que abastecem os alunos da melhor e maior universidade do país? Perguntas que precisam ser respondidas pelo reitor, o governador, os pais dos alunos, bem como todo conjunto da sociedade brasileira. Basta de maus exemplos, chega de impunidade. O campus de uma universidade é sagrado desde que seja utilizado para finalidades acadêmicas e em prol do saber e da ciência, quando ao contrário é franqueado a bandidos travestidos de estudantes precisa ser revisto e limpo.

Rafael Moia Filho Twitter: @rafamfilho

Bauru

*

ENCAPUZADOS DA USP

Enquanto uns alunos da USP estudam, seus colegas encapuzados/desocupados rebelam-se à custa do dinheiro público, sendo mantidos por mamães e papais, que lhes enviam pacotes de cerveja e sei lá mais o quê, enquanto durar a ocupação do prédio de Filosofia. Quando eu soube da notícia de mais um "protesto" no campus, pensei que fosse por algo mais sério. Não, o motivo é que os filhinhos de papai querem curtir seu baseado numa boa, sem serem incomodados pela polícia. Que tal protestar por algo que valha a pena? Transporte, moradia, violência contra mulheres, estupro (inclusive, da parte de algum colega), assédio sexual, violência no trote, discriminação por orientação sexual? Se os "rebeldes" sem causa são tão valentes assim, que tal mostrar as caras, assumir seus atos? Ah! Não devem ser tão adultos para tanto. Foi-se o tempo em que se protestava de verdade, pondo em risco a própria vida, dando o sangue, por algo que valesse realmente a pena.

 

Renata Rodrigues  huppertt@ibest.com.br

São Paulo

*

MELHOROU? ‘SOY CONTRA!’

 

A baderna armada por pseudo estudantes na USP,  que por si só não dizia nada pois a única reivindicação destes seria a saída da PM do campus da universidade e a saída do atual  reitor diga-se de passagem que na sua gestão a universidade melhorou a sua classificação no ranking mundial ocupando no momento a 169º  colocação, anteriormente ocupava a 232º, interessante que nada se diz sobre isto e segundo o jornalista José Neumanne no seu artigo de 9/11 demonstra  que todos os índices de criminalidade no campus caíram, e estes  rebeldes sem causa no momento querem agora tirar da maioria dos estudantes o direito de ir e vir, decidindo numa assembléia de uma minoria uma greve , isto é ninguém  pode estudar enquanto a greve durar, é mole!

 

Albert Henry Hornett hornettalbert@hotmail.com

São Paulo

*

ESTUDANTES, NÃO, TERRORISTAS

 

Há de se reconhecer e valorizar o movimento estudantil no desenvolvimento democrático do Brasil. Quando são organizados, os estudantes conseguem mobilizações importantes e o grito de alerta sempre ecoa com bons resultados comunitários. Mas, nos últimos anos, o que temos vivenciado e assistido não reflete o verdadeiro e legítimo movimento estudantil. Estão muito mais para um grupo de terroristas, criados nos becos escuros dos partidos políticos contrários aos contras. Nas Universidades Públicas Brasileiras esses sequazes de Guevara encontram condições propícias para se multiplicarem. Adentram nos cursos considerados fáceis por pouca procura, sobretudo nas ciências humanas, vivem uma graduação, depois uma pós-graduação e mais adiante outra graduação. Em síntese: são predadores do dinheiro público por dez anos consecutivos, vivendo em moradia estudantil e comendo quase de graça nos restaurantes universitários. Encontram à disposição salas para reuniões, alegando que o espaço é público. Fazem festas para comemorar o nada e o inútil, fumam maconha por quase todo o campus e deixam o cabelo e barba crescerem para homogeneizar o fenótipo de guerrilheiros. Desafiam as Leis, alegando perseguição da polícia e exigindo liberdade à contravenção. Em nada produzem ao país. Não são capazes de criar algo que melhore a vida do homem. Não possuem capacidade e até mesmo vontade para inovar com qualquer tecnologia ou aprendizado. São hematófagos, mal cheirosos e arrogantes.  Em média têm 30 anos de idade, homens e mulheres, o que certamente nos leva a questionar quem são, de fato, esses encapuzados? Chamar esses pequenos baldados de estudantes é uma afronta aos decentes discentes de nosso país. O verdadeiro estudante brasileiro tem família, princípios, disciplina, idéias e ideais. Essa frívola tribo que fez da USP uma notícia policial indesejada, não pode ser chamada de movimento estudantil. São alienados e fúteis, criados com a garapa amarga do ódio e induzidos por militantes de ultra-esquerda de partidos políticos e sindicatos de macarronadas, cujos "líderes" se esqueceram de acordar e não enxergam que o Brasil já é outro, bem diferente dos tempos da ditadura. Um bando de preguiçosos que querem a mídia como emblema de existência. É uma espécie em extinção. É só uma questão de tempo. Destruir o patrimônio público e impedir as pessoas de bem e trabalhadoras de ir e vir já são suficientes para enviar esses nocivos bandidos para o lugar que lhes é peculiar na origem embrionária: a cadeia.

 

Wilmar Marçal, ex-reitor da Universidade Estadual de Londrina wilmar@uel.br

Londrina

*

SEGURANÇA – USP X METRÔ

O Metrô de São Paulo é um dos lugares mais seguros da cidade. Nem sempre foi assim. Antigamente, havia frequentemente roubos à mão armada a bilheterias. Muitos funcionários guardam até hoje traumas por terem ficado sob a mira de bandidos. De alguns anos para cá, não houve um roubo sequer de bilheteria. A solução foi bem simples: bilheterias blindadas. Mais. Por dia, circulam 4 milhões de pessoas pelo sistema metroviário. Isso significa que um a cada cinco habitantes da região metropolitana de São Paulo. E ainda assim, o Metrô é um lugar onde a criminalidade é proporcionalmente irrisória. E nenhum segurança do Metrô usa armas de fogo. Por quê? Porque a segurança do Metrô faz trabalho preventivo, de presença, porque há um sistema de monitoramento centralizado, há reuniões com a supervisão todos os dias e estratégias são reelaboradas constantemente. A diferença entre a insegurança na USP e a segurança no Metrô de São Paulo não é a presença ou não da PM. A diferença é que o Metrô investe em segurança, ao passo que a reitoria da USP criou um fato consumado de insegurança para chantagear a opinião pública pela presença da PM. E muita gente de bem caiu nessa armadilha. Suas preocupações são sinceras, mas a solução que defendem não resolverá o problema. Aliás, o agravará. Pois, antes tínhamos a violência dos bandidos. Agora teremos mais a da PM.

Fernando Ferrone fernandocorrea1981@yahoo.fr

São Paulo

*

BOMBAS

Bombas nucleares é um armamento que país nenhum deveria ter, pelo seu conhecido poder de destruição. Então por que essa perseguição atual apenas com o Irã, que ainda está tentando conseguir produzir uma, fato inclusive negado por suas autoridades? Israel pode ter quantas bombas quiser. Os seus vizinhos nem pensar? Que política desigual é essa? Aliás, Rússia e EUA estavam negociando uma redução desses armamentos, só que muito lentamente. E não dá para acreditar que avancem nessa questão, sobretudo se a iniciativa depender dos EUA, país egoísta, ganancioso e fanático por operações militares.

Habib Saguiah Neto saguiah@mtznet.com.br

Marataízes (ES)

*

IRÃ

 

Tomei conhecimento pela mídia que a impostura no Oriente Médio, chamada Israel, pretende atacar o poderoso Irã. Façam-me rir, senhores sionistas! Pensam que a República Islâmica do Irã é a pequena e frágil Palestina, onde vocês fazem o que querem?      Enganados estão, pois o Irã é enorme, populoso, e tem armamento de última geração também.

 

Fernando Faruk Hamza botafogorio@bol.com.br

Rio de Janeiro

*

NEYMAR FICA

O craque Neymar Santos Jr. (mar e Santos no próprio nome!) fez mais um golaço ao resistir aos milhões de euros oferecidos pelo futebol europeu para continuar jogando no Santos, encantando sua torcida (e a dos times adversários) com seu repertório de lances e jogadas espetaculares. O vistoso futebol brasileiro – pentacampeão mundial – pode e deve reter por aqui seus craques em idade produtiva (bem como repatriar alguns que jogam no exterior),lucrando com patrocínios,cotas de televisão e merchandising de produtos licenciados,ao invés de simplesmente exportar jogadores como matéria prima bruta. O presidente do Santos F.C., Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, marca um tento extraordinário ao driblar e derrotar as pretensões dos times espanhóis que guerreavam entre si pelo jovem craque da Vila Belmiro. Está mais do que na hora dos clubes nacionais gerirem seu maior patrimônio – os craques – com visão profissional de marketing, em lugar do amadorismo e bandidagem que ainda imperam nos bastidores do futebol bom de bola verde-amarelo. Golaço do Santos, que merece ser ovacionado de pé. Santástico!

 

J.S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

AMOR E RECONHECIMENTO

Parabéns a Neymar e a sua família, vocês demonstraram seu amor e reconhecimento pelo Clube e pelo Brasil e exemplo de que o dinheiro não compra tudo.

Alvarez Aguiar alvarez.atib@hotmail.com

São Paulo

*

BRASIL BOMBANDO

A União Europeia e os EUA estão falidos. A economia brasileira está boa, mas precisa melhorar. Mão de obra estrangeira está vindo para o Brasil. E povo brasileiro está feliz. Surgiu uma nova classe média. Por isso que Neymar ficou no Brasil.

 

Paulo Dias Neme profpauloneme@terra.com.br

São Paulo

*

NOTÍCIA BOA

Que bom! Neymar fica! A única boa notícia do ano.

Adriano Julio de Barros Vicente de Azevedo adrianojbv@uol.com.br

São Paulo

*

VALIDADE

Neymar fica até 2014. O ministro do Trabalho, Lupi, até quando?

Miguel Politi Miguel.Politi@uol.com.br

São Paulo

*

BRASIL NO PAN DE GUADALAJARA

Com relação ao artigo Brasil, potência esportiva (Rubens Barbosa, Estado, 8/11), a frase "o desempenho fraco da representação brasileira nos Jogos Pan-Americanos é um sinal de alerta. Ainda há tempo para o planejamento e o desenvolvimento de um programa de apoio efetivo para preparar atletas para os Jogos Olímpicos de 2016" está completamente errada, tendo em vista que a participação do Brasil em Guadalajara foi a melhor fora do País na história dos Pans.  Um absurdo uma afirmação sem fundamento algum como essa num jornal de credibilidade!

Paulo Cezar de Souza Junior pcsj2006@gmail.com

Rio de Janeiro

*

BOM EXEMPLO

Este evento no Rio que culminou com a prisão do traficante “Nem”, demonstrou que a policia aprendeu muito com a instalação do UPP no Morro do Alemão, no qual foi permitida a fuga de dezenas de bandidos no dia da tomada da citada área, porque prestes ao inicio de uma UPP na Rocinha, criminosos foram cercados com antecipação, e alguns dos seus principais membros que controlam o tráfico no local foram capturados. Resultado significativo desta preventiva ação repetindo foi a prisão deste criminoso de alta periculosidade e dos mais procurados pela polícia do Rio, o “Nem”, que ao ser flagrado no porta malas de um veiculo supostamente de uma embaixada, ainda tentou subornar os policiais com um milhão de reais. Felizmente, além do sucesso dessa operação, esses militares recusaram oferta do crápula citado, dando um exemplo digno de honestidade e honradez a todos nós, e principalmente aos muitos lotados na nossa policia civil ou militar que têm sido cúmplices dos bandidos...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

ESTARDALHAÇO

Inacreditável a ostentação ou estardalhaço (como queira) que a polícia em conjunto com a impressa está fazendo em cima da prisão do traficante “famoso” António Bonfim Lopes (vulgo Nem). O governo tem autonomia e poder para isso, e nós, cidadãos, o direito de cobrar, aliás, isso demonstra a inversão de valores decorrente da falta de autoridade e incompetência de uma polícia que devia ser séria. O meu elogio: embora seja “dever” de todo policial honesto não aceitar propina, cumprimento os policiais que não aceitaram o suborno.

Benedito Raimundo Moreira br_moreira@terra.com.br  

Guarulhos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.