Fórum dos Leitores

VAZAMENTO DE ÓLEO

O Estado de S.Paulo

23 Novembro 2011 | 03h05

Aqui, não

Milhões de litros de óleo derramados de forma irresponsável no Campo de Frade pela norte-americana Chevron e o governo federal anuncia que vai autuá-la em R$ 50 milhões e que outras duas multas no valor de R$ 100 milhões poderão ser aplicadas à empresa. Estamos assistindo a mais um factoide! A Chevron vai recorrer e o caso ficará nos tribunais por anos e anos, como no Equador, onde a mesma Chevron é processada pela contaminação na selva amazônica há 18 anos e a disputa está sendo travada por dois poderosos escritórios de advocacia nos EUA. Até agora, nada, e o prejuízo ficou estabelecido e instituído. Arrogância, prepotência e, principalmente, ganância: é o que aos poucos será, inexoravelmente, revelado. Portanto, é um caso de polícia e antes mesmo de tão somente autuar - com o rigor da lei -, vamos provocar a nossa honrada e proba Polícia Federal (PF) para mostrar ao mundo - sobretudo aos EUA - que aqui, no Brasil, não se brinca com coisa séria.

JOSÉ EDUARDO VICTOR

je.victor@estadao.com.br

Jaú

*

Perguntar não ofende...

Se o vazamento no poço perfurado pela Chevron tivesse acontecido com a Petrobrás, haveria investigação imediata e profunda da PF e da ANP?

RENATO CONSOLMAGNO

consolmagno@terra.com.br

Belo Horizonte

*

Explicações da ANP

A ANP deve explicar como nunca controlou - aliás, jamais teve o controle - esse enorme vazamento e ainda acreditou nas mentiras da Chevron, que lembram xaveco. No Brasil temos tantos controles e nenhum deles funciona... Infelizmente, quase sempre temos atrás disso a corrupção, e agora ficou mais claro do que nunca. Como podemos ficar vendo passivamente a matança da nossa fauna marinha? E ainda, logo, logo, as nossas praias vão estar imundas, sujas de óleo! Quem vai pagar por isso? E quanto? R$ 50 milhões é valor de pinga para a Chevron.

ASDRUBAL GOBENATE

asdrubal.gobenati@bol.com.br

Rio de Janeiro

*

Isso basta?

Multa de R$ 50 milhões para Chevron não representa absolutamente nada. Para que sirva de exemplo, a empresa precisa ser banida do Brasil. Outros fatos devem ser rigorosamente apurados. Dentre eles, destaco a responsabilidade da ANP, do seu presidente ao técnico responsável pela aprovação do plano de contenção. Alegar que trabalharam com informações falsas é incompetência ou favorecimento (corrupção).

JOÃO BATISTA PIOVAN

jb@reunidaspiovan.com.br

Osasco

*

CORRUPÇÃO

Multa para os mentirosos

O governo federal aplicou multa de R$ 50 milhões à Chevron por mentir. Vai aplicar a mesma multa ao ministro Carlos Lupi e a todos os políticos? Seria uma boa forma de reduzir os impostos!

CESARE MOROSINI

cesare@listasinternet.com.br

Guarulhos

*

Haja sabão!

Em tempos passados, as mães passavam sabão na língua do filho que mentisse. Hoje, quanto sabão seria necessário em Brasília?

EDUARDO MENEZES SERRA NETTO

decimoserranetto@uol.com.br

São Paulo

*

Picaretagem

Presidente Dilma, não se engane: a maioria dos políticos que a apoiam não vale nada. Parafraseando Lula, são todos picaretas.

GILBERTO LIMA JUNQUEIRA

glima@keynet.com.br

Ribeirão Preto

*

COMISSÃO DA VERDADE

Avanço democrático

Ao contrário do que afirmam alguns leitores neste Fórum, a criação da Comissão da Verdade é um importante avanço democrático e da construção da cidadania e da justiça no Brasil. Obviamente, não se trata de revanchismo ou vingança. Ao contrário. Tortura, assassinatos e violações dos direitos humanos cometidos pela ditadura militar não podem ficar impunes e são imprescritíveis. Vale a lição: quem não conhece a História está condenado a repetir eternamente os erros do passado. Queremos um Brasil justo, digno e solidário para todos. Não adianta querer empurrar o lixo para debaixo do tapete e fazer como avestruz, que enfia a cabeça no buraco. É preciso encarar a verdade e acertar as contas com o passado para que possamos seguir em frente de cabeça erguida, com liberdade e justiça.

RENATO KHAIR

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

Lembrete adequado

Diante do teor de cartas publicadas ontem no Fórum dos Leitores a respeito da instalação da Comissão da Verdade, considero adequado lembrar a seus signatários, e a tanta gente que ignora situações, ou faz de conta que as ignora, que integrantes de grupos revolucionários foram caçados pela polícia de repressão política naqueles anos e a grande maioria deles foi presa, torturada, processada, condenada e cumpriu pena. Isso quando não foram assassinados. Ou seja, do ponto de vista legal, inclusive da legalidade em vigor durante a ditadura militar, esses militantes cumpriram suas penas. Já os torturadores...

VICENTE ALESSI FILHO

valessi@valessi.com.br

São Paulo

*

MINISTÉRIO PÚBLICO

Aumento para vereadores

Em relação à matéria Vereadores terão dois aumentos até 2013 (18/11), a Procuradoria-Geral de Justiça esclarece que não auxiliou a Câmara Municipal de São Paulo na elaboração de nenhum projeto porque é vedada ao Ministério Público a consultoria ou assessoria jurídica a órgãos públicos. Informa, ademais, que mantém e manterá sua posição a respeito do assunto, constante de ação direta de inconstitucionalidade em trâmite no Tribunal de Justiça de São Paulo, inclusive sobre os temas correlatos, na linha do entendimento dos tribunais.

FERNANDO GRELLA VIEIRA, procurador-geral de Justiça do Estado de São Paulo

josepacola@mp.sp.gov.br

São Paulo

N. da R. - Em nenhum momento a reportagem diz que foi o procurador-geral quem ajudou a elaborar o projeto. Cita apenas o presidente da Câmara, José Police Neto (PSD), que diz ter costurado o projeto do novo aumento com o Ministério Público Estadual.

*

SEM ESCRÚPULOS

Diz o Estadão: “Governo incentivará crédito, mesmo com brasileiro endividado. Trabalhadores nunca deveram tanto assim como nunca comprometeram parcela tão grande dos salários para quitar dívidas, mostram números”. Trata-se da mais absoluta insensibilidade e falta de escrúpulos. Já vimos o desastre que aconteceu com os aposentados e o crédito consignado, empurrado de qualquer jeito, sem maiores esclarecimentos, dinheiro para gente ingênua e desinformada. Só mesmo depois que muitos idosos ficaram à míngua, com sua renda de aposentadoria completamente comprometida com os bancos, é que se tomou alguma medida de proteção contenção. Depois veio Lula e sua campanha “comprem, comprem”, ajudado pelos bancos, que forneceram cartões de crédito como bananas na feira, até para quem não os queria. Mais uma vez, poucos entendiam no que estavam se metendo. Acreditaram nele, gastaram o que não poderiam gastar. Hoje estão completamente endividados, e a inflação crescente só faz piorar o problema. Todavia, o governo insistirá de novo para que se endividem ainda mais. O governo petista pouco se importa com o bem-estar das pessoas e quer apenas faturar.

 

M. Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

ÀS COMPRAS!

O governo Dilma está parecendo pai e mãe que exploram crianças nos sinais de trânsito. Ficam de lado estimulando a petição, esperando ansiosos para abocanhar o soldo. A mesma coisa está fazendo o governo. Mesmo com as famílias endividadas além do limite, o governo sai incentivando que continuem a gastar, porque para fechar as contas seu lucro virá com a arrecadação de impostos sobre o consumo. Bobos daqueles que caírem no "conto do vigário governo" para que saiam às compras gastando sem pensar, porque o resultado da compra – impostos – o governo irá arrecadar, mas quem ficará com dívidas nos cartões de crédito, no cheque especial, com credores nos calcanhares tirando o sono e a estabilidade no emprego será o pobre incauto brasileiro.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

OS TEMPOS MUDARAM!

No passado, não se via na casa de pessoas humildes uma geladeira nova, um fogão de seis bocas ou microondas. Hoje, graças à enorme distribuição de renda iniciada em governos anteriores, mas amplamente executada pelo ex-presidente Lula e a atual presidenta Dilma, já se observam esses eletrodomésticos figurando na cozinha dos mais pobres. O Brasil está mudando para melhor! O desemprego ainda é alto, todavia os esforços para dar renda ao povo são muito grandes. Nas cidades do interior do Nordeste, é considerável o número de indústrias que se instalam, algumas oriundas até de outros países. Vive-se uma "verdadeira transformação econômica" na geografia dos brasileiros. Não se precisa mais ir sofrer no Sudeste para "ganhar a vida". Aqui, em Caruaru, e em Pernambuco, o governo da presidenta Dilma tem quase 80% de aprovação, o que certamente será decisivo nas eleições do ano que vem. Obrigado, presidenta!

 

Adriano Henrique de Oliveira adriano.ah@bol.com.br

Caruaru (PE)

*

AMEAÇA

Carlos Hamilton Araújo, diretor de Política Econômica do Banco Central, ao afirmar que “percebe-se que o endividamento das famílias cresce, mas o comprometimento da renda tem se mantido”, omite que esse comprometimento “mantido” beira, perigosamente, o limite, não permitindo incremento da poupança interna, cujos resgates continuam superando os depósitos nas cadernetas de poupança, ameaçando a estabilidade inflacionária e o crescimento autossustentável.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

DÍVIDA E IMPOSTOS

Irresponsável, inadmissível prenúncio de um grande desastre: FHC deixou o governo com quase R$ 700 bilhões de dívida e, oito anos depois, o fenômeno (Lula) entregou o governo para a Dilma com R$ 1 trilhão e 500 bilhões aproximadamente, um pouco a mais que o dobro, com a orgia dos juros é estimado para este ano um pagamento de quase R$ 200 bilhões para pagar o serviço da dívida. É lógico que não teremos dinheiro para a educação, saúde, infraestrutura, etc., etc. Diante desse resultado desastroso e de 39 ministérios, o que nos espera: mais impostos?

 

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

*

ESQUECERAM O SPREAD

Dilma está atacando a Selic, incentivando o crédito, etc., tudo para garantir o crescimento, mas estão se esquecendo de um item fundamental, que é o astronômico, inexplicável, imoral e inconstitucional (a Constituição de 1988 não permite agiotagem superior a 12% ao ano) spread bancário sobre as taxas de juros extorquidas do espoliado consumidor brasileiro.

 

Luiz Henrique Penchiari luiz_penchiari@hotmail.com

Vinhedo

*

LUCRO DOS BANCOS

Mais uma vez, o setor de bancos é o que mais lucra no País, com lucros absurdos, 17% superior ao do ano passado. Ficou bem acima dos setores produtivos como o de mineração, mesmo tendo nele a poderosa Vale. Será que o governo não está vendo que alguma coisa está muito errada, para permitir que empresas que atuam apenas na prestação de serviços ganhem tanto dinheiro?

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro 

*

PETROBRÁS

Lucro da Petrobrás cai 42% no trimestre. Ninguém vai ser demitido? Ninguém vai dar satisfação aos acionistas sobre essa queda absurda, no momento em que os preços do petróleo estão altos? Numa empresa privada, toda a diretoria seria substituída. Esse é o jeito PT de administrar.

 

Sergio Michilin ser.michilin@hotmail.com

Osasco

*

CADA POVO TEM O(A) GOVERNANTE QUE MERECE

A julgar por quase um ano de mandato de Dilma Rousseff à frente do principal cargo do País, devemos temer (sem trocadilho) pelos próximos que estão por vir. Registro que torço para estar enganado, pelo bem do Brasil, mas os fatos falam por si. Escalada por Lula para lhe suceder, apenas porque era a única que havia sobrado incólume dentro do núcleo duro do PT pós mensalão, mesmo que logo depois sua inseparável assessora por anos a fio, Erenice Guerra, fosse flagrada com lama até o pescoço em intensos negócios familiares na Casa Civil, a então ministra-candidata precisou apenas subir nas costas do palanqueiro presidente e a bordo “Air Lula One”, sair por aí contando lorotas e fazendo uma promessa nova por dia. Na campanha eleitoral enfrentou um adversário de carisma equivalente ao de uma múmia, com um marqueteiro de araque e correligionários que dispensavam inimigos. Não foi nada difícil vencer a eleição mais barbada desta pequena trajetória da nova democracia nacional, ainda mais contando com a Petrobrás, Eletrobrás, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Correios e todas as outras estatais e ministérios fazendo campanha subliminar pró-governo em todos os tipos de mídias. Até a Receita Federal, única instituição pública que funciona no Brasil por motivos óbvios, foi aparelhada em favor do poste ambulante. A surra ficou com cara de covarde espancamento em praça pública. Aonde o IDH no Brasil é comparável ao do Haiti e Uganda, as urnas registraram 90% a favor dos mestres da manipulação e lavagem cerebral tupiniquins. É lamentável que o ineditismo da primeira mulher presidente fique marcado pelo fato incontestável de que esta não chegou lá com suas próprias pernas, e sim por influência de um homem que colocou todo o Estado Nacional a serviço do seu projeto de poder vitalício. Que as próximas presidentes não queimem tantas etapas como Dilma, afinal, um(a) presidente não pode ser pré-fabricado(a) em dois anos só com base em técnicas de marketing. O próprio Lula perdeu três eleições consecutivas para finalmente atingir semelhante objetivo. Sem uma história própria que lhe legitimasse ser Presidente do Brasil e sem mérito para tão prestigiosa glória pessoal, desejada e cobiçada, porém, jamais alcançada por tantos outros, alguns verdadeiros merecedores, que por acasos do destino, não lá chegaram, Dilma Rousseff não tinha, nem tem ainda, acumulado suficiente bagagem política e emocional para o serviço descomunal que é governar o maior país da América Latina, e isto, a despeito de quanto às pesquisas, no mínimo suspeitas, possam lhe dar de aprovação, vai ficando cada vez mais cristalino. Também pelas escolhas mal feitas para seu Ministério, por ter se submetido a tudo que Lula lhe impôs, porque não consegue se relacionar com o Congresso Nacional, especialmente com a sua base arrendada, mas fundamentalmente, porque não sabe ou não tem coragem de tomar uma decisão solitária. Tergiversa, vacila, desmoraliza-se gradativamente, ainda não para as massas, mas perante os seus subordinados mais próximos, que no máximo lhe cultivam medo, por seus já folclóricos pitos em público. Uma atitude reprovável em qualquer ambiente, o que dirá no Palácio do Planalto. A insegurança presidencial, dissimulada na mística da gerentona implacável, já apresenta intensos efeitos colaterais com a falta de uma liderança real, no recorde absoluto de quedas de ministros de Estado em tão pouco tempo, “coincidentemente” todos apadrinhados pelo sucessor, na máquina federal crivada de corrupção, nas obras que não andam ou não saem do papel, literalmente emPACadas pela ineficiência de um governo tomado por militantes corruptos e incompetentes que nunca produziram sequer um prego na vida, mas agora tem em mãos, mais de um trilhão de reais para gastar ao ano (ou 37% do PIB), arrecadados em impostos de um povo que só sai às ruas de quatro em quatro anos, e só, se a seleção canarinho estiver jogando bem, aliás, analisando por este aspecto, só podemos chegar a uma triste conclusão: “Cada povo tem o(a) governante que merece”.

Sandro Ferreira sandroferreira94@hotmail.com

Ponta Grossa (PR)

*

NOTA DO BRASIL

A Standard & Poor's (S&P) aumentou a  nota do Brasil de BBB- para BBB. Chegou bem atrasada a promoção se for considerar a situação dos países europeus. A Espanha teve sua nota rebaixada de AA para AA- por causa do mau estado de suas contas, a Itália foi rebaixada de A+ para A,  embora sua dívida seja equivalente a 120% do PIB.  A Irlanda precisou da ajuda da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI) para não quebrar e sua nota é BBB+.  A dívida do Brasil corresponde a 55% do PIB e a nota continua abaixo dos países europeus em crise? No meu modesto modo de entender a classificação de notas dadas pela  Standard & Poor's não vejo nenhuma coerência nos critérios  e também não há nenhum motivo para comemorar a nota do Brasil. Nem Freud explica essa mágica.  Pelo visto quem precisa ser avaliada é a agência Standard & Poor's.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

A ECONOMIA SINSITRA

Sob o título Pobreza versus pobreza extrema (Estado, 21/11), o economista Fabio Giambiagi, do BNDES, traça a perfeita apologia decisória que o Poder Público é guindado em suas decisões. Coloca seu pensamento sobre a necessária escolha de prioridades pela gestão pública, dada à capacidade finita de recursos tomados da sociedade a título de carga tributária. Afinal, em que investir, quanto, onde e quando. Giambiagi cita que a economia é chamada de “ciência sinistra da escassez” – essa é a economia dele, talvez em sua visão de maior personagem na questão. As Ciências Econômicas, de muitos outros, versa pela busca da prosperidade de uma nação. Não há nada de sinistro nisso. Talvez seja na tese do economista do BNDES por ser contra os aumentos reais ao salário mínimo, alegando que o governo deveria poupar estes recursos para reduzir a pobreza extrema do país; ou seja, pessoas que sequer tem a renda de um salário mínimo. “Pelo cheiro da brilhantina se conhece a gafieira” - dizia o bom malandro, e Giambiagi nada mais quer do que atacar o RGPS. Já é um velho conhecido e representante do clientelismo rentista que ganha muito com a precarização da Seguridade Social (Saúde e Previdência). Contudo tem razão sobre a definição de prioridades, mas não a que “sinistramente coloca”: - tirar de quem tem pouco para dar a quem tem menos. No Brasil isso nem é cabível. Há o que tirar de um Estado perdulário em sua gestão incompetente, dando privilégios bisonhos a quem é cliente do Poder. O próprio BNDES, onde atua Giambiagi, é um instrumento que funciona subsidiado pelo Tesouro (o povo), enriquecendo alguns empresários nacionais, financiadores de campanhas políticas; e até fazendo obras em países vizinhos, como a Transcocaleira na Bolívia. No Brasil, produzimos combustível (álcool) e exportamos com subsídios – são as renúncias previdenciárias que entram a débito da Seguridade Social e que de qualquer parte do mundo, o nosso é o maior Regime Orçamentário capaz de distribuição de renda e limitação da pobreza. Antes disso, por que não produzir mais alimentos aos miseráveis? Também poderia aludir: fazer a Copa do Mundo de futebol ou ter a disposição o que se investe em 13 anos no saneamento básico no Brasil? Fazer a Olimpíada ou urbanizar as favelas cariocas? Não foi o governo Lula que decidiu isso, e todo povo irá pagar por muito tempo? E agora, surge nas colunas do Estadão, em mais uma investida do “cavaleiro do apocalipse” (e sinistro), querendo que os que os 80% da população; pobres e classe média, trabalhadores e aposentados da sociedade civil que devem arcar de alguma forma na distribuição de renda para acabar com a miséria. Lembrando que são estes que proporcionalmente são os mais escorchados pelo fisco. Talvez não tenha ocorrido ao sinistro economista, que tão apenas os 10% mais ricos do país possuem 44% da riqueza nacional. Nem mesmo e quando sempre fala de Previdência, lembra que tão apenas 980 mil ex-servidores públicos darão este ano R$ 52 bilhões de déficit ao Tesouro; ou seja, colocam na conta do povo; para que uma minoria (0,5% da população) viva num privilégio indecente e que já é um escárnio aos outros 27 milhões de atendidos pelo RGPS. Mais do que isso, trata-se de 2/3 do Orçamento da Saúde Pública para os outros 99,5% da população brasileira. Tudo isso sem contar com as mirabolantes estimativas que a corrupção rouba e mata neste país. Certamente o Estadão encontraria melhores análises e colunistas aqui, no Fórum, do que alguns como o supracitado, e que acha que estamos no país das maravilhas, todos apadrinhados pelo beneplácito do BNDES, da politicalha e continuamente dispostos a ouvir a mesma cantilena apocalíptica da falta de recursos e não da incompetência de um Estado gerido para atender ao clientelismo.  

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

TRATAMENTO DIFERENCIADO

O Ministério do Planejamento anunciou na segunda-feira que o salário mínimo vai subir 14% a partir de janeiro de 2012, passando para R$ 622, e, com o novo piso, os vencimentos de 19 milhões de aposentados e pensionistas do INSS. Entretanto, os 7 milhões que ganham mais que o mínimo vão ser reajustados em apenas 6,5%. Uma injustiça flagrante. Contribuíram com mais e vão receber menos? É por isso que os que se aposentaram com o teto de dez salários mínimos hoje percebem cinco salários. Mas em 1992, governo Collor, o PT, liderado por Lula, conseguiu derrubar no Supremo, por 9 votos a 2, a diferença de tratamento que hoje aceita como legítima.

 

Francisco Pedro do Coutto pedrocoutto7@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

*

APOSENTADOS

Com a previsão do governo em elevar o mínimo a R$ 622,73, continua a política "suja" e "desleal" de estipular o porcentual "miserável" de aumento para os aposentados, que tanto fizeram por este país, trabalhando honestamente para fazer com que chegasse ao ponto em que chegou e sustentando esses políticos corruptos – nos roubando e enriquecendo cada vez mais, porém impunes. Essa corja é imune perante a justiça brasileira que é "cega", "surda", "muda", "incompetente" e "parcial" quando lhe interessa. Nós, contudo, nos distanciaremos ainda mais na comparação do nosso rendimento, com o número de salários mínimos por ocasião da nossa aposentadoria inicial.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

GRADUALISMO

O aumento de 14% no salário mínimo, em 2012, é grande demais para não gerar inflação e pequeno demais para criar a estabilidade de uma nova dinâmica econômica. Para isso, o mínimo tinha de ser igual à “produtividade-padrão” da economia, coisa de umas quatro vezes o atual. Dizem que isso quebraria o País. Diziam o mesmo do fim da escravidão. Depois da proibição do tráfego negreiro, em 1850, ainda se passaram 50 anos até a abolição da escravatura. A delonga atrasou o País nuns cem anos: ficamos com os efeitos nocivos de uma situação mal resolvida, sem colher os benefícios da nova ordem. De São Paulo, terra do trabalho assalariado, nasceu o Brasil moderno, que até hoje estaríamos esperando brotar da “evolução” dos canaviais escravagistas do Nordeste. Entre 1940, ano de sua implantação no Brasil, e 2000, o valor real do salário mínimo reduziu-se a 30% do inicial. Dentro da política de recomposição em curso, os 14% de aumento de 2012 levarão o valor real do salário mínimo a próximo do seu pico histórico, quase os mesmos R$ 677 equivalentes de... 1959! Bota gradualismo nisso.

 

Rogério Antonio Lagoeiro de Magalhjães lagorog@uol.com.br

Teresópolis (RJ)

*

QUEBRA DO SIGILO

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) quebra o sigilo bancário, telefônico e fiscal das personalidades "impolutas" do Esporte, Agnelo Queiroz, PT (ex-Esporte, ex-Anvisa e atual governador de Brasília) e Orlando Silva, PCdoB (ex-ministro do Esporte), será que é apenas para mostrar à opinião pública que serão investigados? Que tal investigar também os amigos, os parentes mais próximos e contas dos partidos, já que ambos não têm nada de ingênuos para permitirem ou deixarem provas contra si próprios, não acham? Em razão da impunidade e enorme demora dos atos jurídicos, não vai cair no esquecimento ou ficar no sigilo eterno?

 

Maria Teresa Amaral mteresa0409@estadao.com.br

São Paulo

*

CONTA OUTRA, AGNELO!

 

Quer dizer então que Agnelo continuará insistindo na ridícula defesa de que os R$ 5 mil que o lobista da União Química depositou em sua conta era o pagamento de empréstimo? Será que ele pensa que todo mundo é idiota? Tenha a santa paciência! Respeite a inteligência da população, governador. Pegue o chapéu e vaza! Mas vamos então, só pra efeito de raciocínio, admitir a absurda hipótese. Como é que um agente público, exatamente aquele que é responsável pela concessão de certificado para novos medicamentos na Anvisa, empresta dinheiro pra lobista de laboratório que está pleiteando  certificação? E a coincidência das datas? No mesmo dia em que o dinheiro caiu na conta de Agnelo, 25 de janeiro de 2008, a União Química obteve da Anvisa um certificado sem o qual não poderia participar de licitações nem registrar novos medicamentos. Isso pra não falar que ele é investigado no STJ, pelos escândalos no Ministério do Esporte (que foi onde tudo começou) e está, inclusive, com seus bens indisponíveis. Agora, com a quebra dos sigilos fiscal, bancário e telefônico, talvez cheguemos à verdade! Só não entendo é o tratamento leniente que a imprensa tem dado a fato tão grave.

 

Rodrigo Borges de Campos Netto rodrigonetto@rudah.com.br

Brasília

*

DUPLA DINÂMICA

O procurador-geral da República, independentemente de quem foi indicado, é honesto e gosta muito do Brasil. Mandou abrir investigações para verificar as contas do Grande Orando Sempre (Orlando Silva), do Agnelo Queiroz o outro santo do Pau oco. Espero que essa investigação vá fundo e descubra todas as falcatruas dos dois e, por tabela, dos partidos que representam, pois muita água rolou debaixo dos olhos dos dois e ninguém nunca neste país tinha visto isso. Ou fingiu que não viu? Chega de mamar na teta da vaca do Estado e prejudicar muita gente honesta que precisa viver com decência, mas esses aproveitadores e alguns mais não deixam, por tanta corrupção.

Antonio Jose Justino anjogoma@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

*

DIRCEU, A FAVOR DA CORRUPÇÃO

Afinal, o que José Dirceu quis dizer ao afirmar para a juventude do PT que os movimentos contra a corrupção se resumem numa “luta moralista contra a corrupção”? Porventura estaria defendendo uma tese contrária, isto é, a de que seria necessário “uma luta imoral a favor da corrupção”? E foi aplaudido por um auditório com palavras “contra o golpe das elites”! O que faz supor que somente as elites são contra a corrupção e de que aqueles jovens do PT são a favor da corrupção! Ou houve uma grande confusão, ou ficou provado que o mentor do mensalão é a favor da corrupção!

Eugênio José Alati eugeniojosealati@yahoo.com.br

Campinas

*

EM PALPOS DE ARANHA

No louvável processo de faxina iniciado, a presidente Dilma encontrou uma pedra em seu caminho.  Seu dilema é: ceder à pressão do PDT, e à opinião pública, e demitir o ministro Carlos Lupi, em nome da governabilidade, ou, para resguardar sua autoridade, ter de engolir o ministro indigesto (lembram-se do Zagalo?).  Eis a questão!

Décio Celidonio decioml@uol.com.br

Atibaia

*

SUBSERVIÊNCIA

Se dona Dilma não tem voz ativa e resolveu acatar a ordem de seu criador e manter o “cumpanhero” Lupi no feudo do PDT, apesar de toda a lambança com o dinheiro público desviada por ONGs e para os cofres do partido – dinheiro que falta à educação, saúde, infraestrutura, etc. –, dinheiro desviado especialmente da saúde em Rondônia, pelo mesmo partido do qual o tal sinistro (s mesmo!) é o presidente de fato, pergunta-se: por que dona Dilma (já que acatou a ordem) não exige a devolução de todo o dinheiro desviado? Será que ela vai se contentar com a devolução de míseros R$ 1.736,90, recebidos a título de diárias da viagem feita ao Maranhão pelo abjeto cidadão?  Por que tanta subserviência?

Aparecida Dileide Gaziolla rubishara@uol.com.br

São Bernardo do Campo

*

CONTA DE MENTIROSO

Quanto aos ministros herdados, dona Dilma demitiu um, depois outro, depois mais um, depois mais outro e chegou ao sétimo. Dona Dilma cansou. Sete é conta de mentiroso, sete é conta de Lupi. Dona Dilma vai deixar para janeiro...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

BALAS DE PRATA

É gozação acreditar neste Sr. Lupi, que ainda está ministro, quando afirma "só saio a bala". Seria o caso de se pensar que para estes tipos de vampiros, só mesmo balas de prata... Um caro que pode sair barato diante da incompetência e dos desmandos criminosos estabelecidos neste país. Será que ele pensa que a Sra. presidenta, e muitos de nós, somos de sua alcateia?

Lila Cajsa lilacajsa@uol.com.br

Brasília

*

SÓ NÃO VÊ QUEM NÃO QUER

Aos que olham para a política e os políticos desta terra varonil – sob o céu cor de anil deste imenso Brasil – com os olhos de ver e não apenas os de enxergar, "tá na cara" que Lupi continua lá onde está porque sabe coisas cabeludas. Não somente a respeito do modus operandi de Lula, seu patrono, mas também de Dilma que, creiam, compactuou não só com tudo o que ocasionou o quiproquó que ora acontece e outros que já aconteceram, como também com tudo o que está por vir. Mesmo porque, dentro de seu próprio PDT, há muitos que querem ver o ministro pelas costas. Sinceramente, é preciso muita força de vontade (mesmo porque eu seria convenientemente censurado pelo jornal) para, a respeito do ex-presidente e de sua atual sucessora, deixando de utilizar minha aflorada veia poética, prosseguir nas convidativas, singelas e fáceis rimas, para "terra varonil e céu cor de anil deste imenso Brasil", expressões que usei acima para, leve, lépido e solto, iniciar estas minhas mal traçadas linhas... O bel-par presidencial não ficará livre do lobo mau tão facilmente, creiam... Só se... Deixa pra lá! Afinal, sobre certos eventos no ABC e em Campinas, tenho – e temos todos – razões para divagar. A presidente não acha? Outrossim, porque e para que o "melhor presidente que este país já teve" teria que salvar o bigode, que nas quimioterapias normalmente cai(afinal é pelo também!), se apenas um fio deles, que deveria selar compromissos empenhados, não servirá absolutamente para nada. Basta, já, o bigodudo ministro Mercadante, que renunciou irrevogavelmente à liderança do governo de Lula na Câmara para, depois, instado pelo próprio Lula, "desrenunciar"! Para Luiz Inácio, faltar com a palavra é fácil e... normal. Para que tanta frescura, né?! Aliás, brincar com os desígnios do Criador para enriquecer seu marketing pessoal, inclusive confiante exageradamente na medicina – embora trate-se, no caso, de uma das melhores praticadas em todo o mundo –, é, antes de mais nada, desprezar a religiosidade plural nata no sofrido povo brasileiro. O bom ânimo é fator essencial na cura. Mas o exagero, de per si, é prejudicial e, algumas vezes, aético. Quanto à presidente, lembro-a que não foi para isso que “Estela”, “Luiza”, “Patrícia” e “Wanda”, seus codinomes, foi presa, torturada, quase morta e enjaulada nos malditos porões dos anos de chumbo impostos a este país pela despudorada ditadura militar. Recomponha-se, presidente, e siga o caminho que o Criador lhe traçou e que prescinde, perfeitamente, das más companhias que V. Exia. tem frequentado. Ainda há bastante tempo para a moralização deste país que, quer queira ou não, a senhora, mesmo que inadvertidamente, ajudou a jogar no lugar comum do desregramento e da falta de patriotismo; do desperdício e do sumiço de verbas por ralos previamente abertos nos escaninhos das conexões intergovernamentais.  Eu e muitos brasileiros temos certeza que, pelo seu passado, a senhora é uma patriota exemplar.  Mas nada, nada mesmo, lhe aconselha ou dá permissão para proceder como S.Exia. já procedeu e ainda hoje procede, presidente.  Tenha dó...  Mostre ao mundo todo o que o brasileiro, um cadinho de raças e cores belas e variadas, pode, deve e sabe fazer! Convenhamos que ele nem era um dos seus. Naquele tempo ele negociava greves e foi detido por incitá-las, perante uma ditadura ainda mais irresponsável. Dê-se ao trabalho de ler "O que sei de Lula", do excelente José Neumanne. Sabemos, agora, que seus desígnios eram outros: os que, hoje em dia, ele esteve e ainda está, a toda hora, a demonstrar: "o pudê! Apenasmente, o pudê". Termino distorcendo uma trova que fiz para uma exposição de telas de Walter Mortari, um grande pintor desta cidade, quando do centenário de minha amada Bauru: "Um belo cesto de frutas / flores silvestres, mil cores! / São troféus de suas lutas / oh... Brasil (Bauru) de meus amores!" Tenho dito.

 

João Guilherme Ortolan guiortolan@gmail.com

Bauru

*

ADIÓS!

O futuro ex-ministro Lupi está mais perdido que cachorro que cai de mudança. Está na hora de a presidente Dilma entoar: Adiós, mi lupito querido!

 

Emerson Luiz Cury emersoncury@gmail.com

Itu

*

SÓ SE PEDIR DEMISSÃO

Pensando bem, começo até a entender as dificuldades pelas quais está passando a presidente Dilma Rousseff, diante das cobranças pela demissão do boquirroto Carlos Lupi, mais um dos ministros aloprados herdados da gestão Lula. Afinal, os "imbróglios" nos quais Lupi está metido, são praticados por quase todos os nazipetralhas, e aliados por conveniências, que estão "mamando nas tetas da viúva", desde o primeiro mandato do "ex-sapo barbudo". Na verdade, essas "armações" criadas para favorecer "empresários generosos", seja em troca de mordomias, de "ajudinhas financeiras" para campanhas eleitorais ou de "otras cositas más", passaram a ser, segundo o "modo petista de governar", tratados como meras estratégias de trabalho, tido por muitos "cumpanhêros" como sinal de "esperteza política". Em suma, se não pode demitir Lupi por ser mentiroso, pois a mentira virou marca registrada das gestões petralhas, desde o momento em que Lula, fazendo caras e bocas, declarou que não tinha conhecimento das maracutaias urdidas dentro do Palácio do Planalto, por alguns dos seus mais íntimos assessores, imediatamente após vir à tona o "Escândalo do Mensalão", e não pode defenestrar o ministro por conta dos seus "malfeitos", por uma questão de "isonomia", resta, tal como aconteceu com os outros "maracuteiros", esperar que Lupinho, em uma crise de "vergonhite aguda", peça demissão do cargo. Caso contrário, sem coragem cívica para "peitar" o ministro, Dilma Rousseff vai continuar "pianinho"...

 

Júlio Ferreira julioferreira.net@gmail.com

Recife

*

POSTE

A presidente Dilma, que sob a escusa da “governabilidade”, continua aceitando as “lambanças” praticadas em todos os níveis da sua administração, pelas forças herdadas do governo anterior, confirma ser um mero “poste” erigido pela Ligth do ABC.

 

Caio Augusto Bastos Lucchesi cblucchesi@yahoo.com.br

São Paulo

*

METRÔ DE SAO PAULO X MINISTRO DO TRABALHO

O presidente do Metrô caiu porque não se deu conta de possível falha grave no processo licitatório. Ele é o chefe, ele responde pela gestão dos recursos. Não deveria ser assim no Ministério do Trabalho? E, no Metrô, há indícios, já as ONGs são fato documentado!

 

Carmine Maglio Neto carminemaglio@yahoo.com.br

São Paulo

*

CHEGA DE FARSA!

A principal causa da imensa corrupção existente no Brasil é fruto da incompetência, da falta de interesse e de honestidade da justiça. A pior imagem que se vê no país atualmente não é a do Ministro demitido, do funcionário preso nem do governo conivente, é a da justiça emporcalhada por uma conduta vergonhosa. Como para eles não existe mais "honra", muitos políticos no Brasil não se incomodam em ser vistos como corruptos. Assim também são alguns juízes. Estes têm suas próprias leis e proteções – de que o cidadão comum não se pode beneficiar – seus próprios tribunais – com suas regras especiais mais condescendentes do que as dos tribunais comuns – e não são julgados por juízes – como o cidadão comum – mas, por amigos ou companheiros, não vão para a cadeia – como o cidadão comum – suas penas são demissão com proventos integrais. Ainda que aqui funcionem o Tribunal de Contas da União, a Procuradoria Geral de União, outros órgãos e especialmente a imprensa, vigora essa escandalosa imensa corrupção. Mesmo assim e por ser de responsabilidade da justiça, políticos corruptos e "colarinhos brancos" não são presos, dinheiro do erário roubado não é recuperado e só 5% dos funcionários públicos desonestos recebe punição judicial. Em grande parte a culpa da situação descrita é da falta de honestidade de muitos, mas também, do corporativismo e ainda agravado pelo fato de que, dentre os integrantes desse poder muitos são indicados por pessoas que no futuro eles terão que eventualmente julgar. Ficha limpa é necessária em países onde a justiça é totalmente descompromissada com a nação.

 

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

POLÍTICOS CORRUPTOS E SUAS FAMÍLIAS

 

Sabemos há muito que uma corja enorme de políticos corrompe suas próprias famílias – seus filhos, esposas, netos, etc. Será possível que os parentes desses políticos e empresários, e tristes advogados que defendem essa rapinagem não têm vergonha de seus parentes corruptos, corruptores, usurpadores da contribuição que todos fazemos para melhorar o nosso maravilhoso país? As famílias desses indivíduos que são a escória do país não sentem vergonha ao olhar no espelho? A postura cristã nos ensina que devemos ter pena desses pobres infelizes que destroem a própria vida. Mas o abuso deles chega a um ponto quase insuportável!

 

Alberto Carmo lennon@netpoint.com.br

São Paulo

*

ATENÇÃO DESVIADA

Teria sido visto na basílica de Aparecida um Sr. de nome Lupi agradecendo ao santo Chevron.

 

Harry Rentel harry@citratus.com.br

Vinhedo

*

FATO CONVENIENTE

Quem está gostando da novela Chevron é a presidente Dilma, pois os fatos verdadeiros, graves da realidade do Ministério do Trabalho, por conveniência ou problemas de mando, estão relegados.

Iracema M. Oliveira mandarino-oliveira@uol.com.br

Praia Grande

*

MULTA É MIGALHA

 

As dimensões do vazamento de óleo no Campo de Frade são absurdas e não vão recolher o petróleo; é muito fino, diz a Chevron. O presidente do Ibama, Curt Trennepohl, disse nesta segunda-feira acreditar que tenha cessado o vazamento de petróleo no Campo de Frade, operado pela Chevron, porém pode haver afloramentos ainda durante três a quatro dias. Trennepohl confirmou a multa de R$ 50 milhões imposta pelo instituto à petrolífera e disse que outra multa também poderia ser aplicada.

Acontece que R$ 50 milhões para uma empresa do porte da Chevron é uma migalha. Para perfurar apenas um poço de petróleo são gastos pelo menos R$ 1 bilhão, para um furo apenas,  multas de 50 milhões é uma piada. A empresa já disse que não tem como recolher esse óleo. Carlos Minc anunciou também que a Procuradoria-Geral do Estado do Rio vai entrar com ação civil pública cobrando da Chevron reparação por danos causados à biodiversidade marinha e aos ecossistemas costeiros. O valor da indenização pode chegar a R$ 100 milhões, o dobro da multa a ser aplicada pelo Ibama. Não é suficiente! Até quando vão arrebentar com a natureza?  Levará mais de mil anos para voltar o que era o ecossistema! Não tem dinheiro que pague mais esse ‘acinte’.

 

Eduardo Zago jeduardozago@ig.com.br 

Mauá

*

IRREVERSÍVEL

A pena pecuniária imposta à Chevron, de US$ 50 milhões, quase nada para uma empresa desse porte, de qualquer modo não é nosso exclusivo caminho. O governo federal brasileiro tem o dever incontornável de adotar de imediato um conjunto plural e aperfeiçoado de medidas prudenciais, não importa o custo, para que nosso oceano não se deteriore com uma mancha irreversível de óleo do pré-sal, mas cedo ou mais tarde. Lembremos da pergunta infantil da filha de Barack Obama quando o Golfo do México era a maior tragédia mundial: papai, quando o senhor vai conseguir fechar aquele buraco?

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

MANCHA DE ÓLEO

É preciso rigor absoluto do governo na apuração do vazamento de mentiras e de milhares de litros de óleo no litoral fluminense provocado pela empresa petrolífera Chevron. A verdade, manchada de óleo, deve vir à tona com o esclarecimento por completo dos porquês e comos deste condenável (e evitável) acidente. O mar brasileiro "está para peixe", é depositário de gigantescas reservas de petróleo do pré-sal e não é a casa-da-mãe-joana! Quem polui suas águas, danificando o meio ambiente, deve ser penalizado por negligência, irresponsabilidade e banimento do mar territorial verde-amarelo-azul (e limpo).

 

J. S. Decol  decoljs@globo.com

São Paulo

*

DESPREPARO

Ouvindo anteontem um depoimento do diretor da Chevron no Brasil, ele deixou escapar que essa empresa, uma das maiores do mundo em termos de prospecção de petróleo, não estava aparelhada, aqui no Brasil, com material para conter o tipo de acidente que ocorreu.  Um absurdo.  Além do mais, demoraram muito para comunicar o acidente e para iniciar os trabalhos para diminuir o impacto do acontecido. A Petrobrás deveria revisar todos os contratos efetuados com empresas do gênero, e colocar pessoas eficientes na avaliação dos trabalhos. Afinal, é nossa maior empresa e o maior cabide de empregos do Brasil. Que tal colocar gente capacitada no lugar de gente que ganha horrores para nada fazer?

 

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

VENDEDOR DE ILUSÕES

Perdem tempo discutindo os royalties do pré-sal, quando não temos nem a capacidade de multar empresas que cometem erros graves como este da Chevron. Como no álcool, o pré-sal não passa de balela do vendedor de ilusões Lula.

 

Jose Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

FOTÓGRAFO PESSOAL

Lula retorna ao hospital para dar sequência ao tratamento quimioterápico acompanhado por sua esposa (compreensível) e por seu fotógrafo pessoal. Fotógrafo?

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

EXPLORANDO A DOENÇA

 

Houve crítica geral às pessoas que usaram a doença do ex-presidente Burla (ele ainda é) para descarregar suas decepções com esse político que conseguiu fazer o governo mais corrupto da nossa história, mas cadê os críticos agora, nessa exploração política da sua doença feita pelo próprio, procurando mostrá-lo como invencível, que nem o câncer pode com ele, como essa de se mostrar raspando cabelo e barba? Pura propaganda política. E, se morrer amanhã, o que espero não antes de um dia prestar contas de seus oito anos de governo corrupto, provavelmente será considerado santo, e em Garanhuns será erigida uma estátua sua e haverá romarias ao local.

 

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

Garça

*

MARISA E A BARBA

É muito marketing em cima da doença. Cruzes!

 

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

RUBOR

Agora, o fato de o ex-presidente estar sem barba nos permitirá tirar uma grande dúvida que sempre pairou no ar. Será que ele fica vermelho quando surgem descobertas sobre as bandalheiras de seus companheiros, ou será que ele não fica por considerar que malfeito faz parte da arte de governar, estilo faça o que eu mando se não eu conto?

Geraldo Siffert Junior siffert18140@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

SILÊNCIO

Os amigos e seguidores do cara ficaram indignados com a manifestação de muitos sugerindo que ele fosse tratar sua doença no maravilhoso, para ele, SUS. Tudo bem, mas e agora, por que a turma está calada ao ver o cara explorar ao máximo a sua doença, inclusive usando a seleção brasileira de futebol?

Maurício Lima mapeli@uol.com.br

São Paulo

*

DEMAGOGOS

Tocante a cartinha ‘ingênua’ que Lula recebeu de Sarkozy: ‘Caro Lula, ao saber de sua doença, pensei que seu destino é lutar sempre. Lutar pela democracia, pela justiça, por seu povo, pelos pobres, pela África, pela grandeza do Brasil. Lutar contra as adversidades que tanto surgiram em seu caminho. Agora, é preciso pensar um pouco em você e lutar por você mesmo. Um abraço amigo, Nicolas, Sarkozy’. Bom, pensar um pouco mais em si próprio nem vai ser preciso; ele já está bilionário, mesmo!  De duas, uma: ou Sarkozy é um só um falso ingênuo ou,  o que é pior, tão demagogo  como o nosso ex-presidente.

Conrado de Paulo conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

*

AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR

O editorial do Estadão de segunda-feira (A3) trata de um tema da mais alta relevância para o futuro do Brasil: a avaliação do ensino superior. A experiência internacional atesta que apenas por meio de mecanismos de avaliação é possível aprimorar o ensino em qualquer nível e tanto mais no terceiro grau. A impressionante expansão da educação superior no país, nas últimas décadas, precisa ser acompanhada de um aprimoramento da formação universitária. Sem isso, as pretensões de diminuir as desigualdades sociais e de fomentar o aumento de renda da população estarão fadadas ao fracasso.

Pedro Paulo A. Funari, professor titular e coordenador do Centro de Estudos Avançados da Unicamp www.gr.unicamp.br/ceav

Campinas

*

ENADE

A propósito da matéria Nenhum curso de Medicina alcança o conceito máximo (18/11, A20), entendo que se confunde o conceito geral das instituições, que inclui todos os cursos, com o conceito de cada curso, mas é de justiça destacar que os Cursos de Medicina e Ciências Farmacêuticas da Faculdade de Medicina do ABC obtiveram conceito 5 no Enade 2010, agora divulgado. No site da instituição está publicada uma análise dessa classificação.

 

Sueli Caramello Uliano scaramellu@terra.com.br

São Paulo

*

SUBESTIMAR JAMAIS

Engraçado esse Ministério da Educação (MEC), tira a autonomia de 70 cursos universitários brasileiros e quer proporcionar "uma verdadeira moleza" para formandos em medicina humana em Cuba, que comprovadamente uma ínfima minoria conseguiu passar nos exames a eles, formandos em medicina de Cuba, submetidos. Dois pesos e duas medidas? O candidato à prefeitura paulistana e atual ministro da Educação vai ter de explicar esse negócio direitinho aos paulistanos, caso contrário lá se irão muitos votos. Muito cuidado, ministro, os paulistanos são esclarecidos e não devem ser subestimados.

 

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

NO ENSINO FUNDAMENTAL

As crianças já têm de aprender desde o ensino fundamental a fazer pesquisa. O progresso tecnológico, científico, etc., o sucesso vem com a pesquisa. A Universidade deve preparar homens brilhantes.

 

Paulo Dias Neme profpauloneme@terra.com.br

São Paulo

*

LINHA 5 DO METRÔ

Com a paralisação das obras de ampliação da linha 5 do  metrô paulistano sob suspeita de fraude, não há dúvida de que os adversários políticos do governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, estão tentando solapar o seu programa quadrienal de governo, que prevê algumas obras concluídas até o final do seu mandato em 2014. Se foram constatadas irregularidades nos contratos com as empresas responsáveis pela execução do mencionado trecho, nada mais certo que sejam punidas, mas não com medidas drásticas que prejudicam inexoravelmente a população da zona sul, que carece há anos de um transporte decente.

 

José Millei elymillei@hotmail.com

São Paulo

*

MMDC

Uma década é passada, desde a aprovação pela Assembleia de São Paulo de um projeto que concede uma pensão "decente" aos últimos heróis da Revolução Constitucionalista de 32. Portanto, o assunto nada tem que ver com a eleição do próximo prefeito, nem com os temores do sr. Lafayette Pondé Filho (Estado, 16/11). Salvo esse equívoco, é louvável o respeito demonstrado pelo leitor com relação aos que repousam no Obelisco do Ibirapuera e, principalmente, por esse diminuto contingente de centenários sobreviventes da epopeia. Participamos de sua indignação contra o repouso eterno do projeto na gaveta governamental.

Ary Canavó, ex-presidente da Sociedade Veteranos de 32 equitacracional@uol.com.br

São Paulo

*

INJUSTIÇA

O caderno Olímpico de esportes aquáticos comete uma tremenda injustiça, ao deixar de mencionar Manoel dos Santos, medalha de bronze na Olimpíada de Roma em 1960 na prova de 100m nado livre; detalhe: ele virou em primeiro e por não dominar a técnica da virada da época, teve de se contentar com o bronze. Um ano depois em 1961 ele bateu o recorde mundial da modalidade com o tempo de 53"6. Numa época de poucos ídolos, foi presença inesquecível, menos para o caderno.

 

Alexandru Solomon alex101243@gmail.com

São Paulo

*

CABE LEMBRAR...

Embora eu também admire Weissmüller, Spitz e Biondi, citados na matéria Para Lembrar do Esportes Especial de 20 de novembro, causou-me espanto o fato de a coluna mencionar Manuel dos Santos apenas de passagem e, ainda mais, esquecer totalmente o feito de outro nadador brasileiro, José Sylvio Fiolo, recordista mundial dos 100 m peito em 1968.

Carola Dobrigkeit Chinellato dobrigkeit@gmail.com

Campinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.