Fórum dos Leitores

ECONOMIA

O Estado de S.Paulo

24 Novembro 2011 | 03h05

Aprovação da DRU

Talvez o amplo desconhecimento da sociedade sobre o que exatamente significa mais uma vez a aprovação da Desvinculação das Receitas da União (DRU) justifique a apatia de não protestar com veemência contra tamanho despropósito. Diante das maiores taxas de juros do mundo, o Brasil - no caminho de ser também o maior arrecadador de tributos do planeta, sem a adequada contrapartida na aplicação dos recursos arrecadados em infraestrutura e demais melhorias para a população - fica obrigado a apenas gastar tais receitas desvinculadas para uma suposta redução da dívida pública, desvinculando, com isso, a parcela da arrecadação das destinações constitucionais para saúde, educação, segurança, etc., cenário um tanto sombrio de uma digna tirania do mercado.

RENATO WIESER

renato_wieser@yahoo.com.br

Juiz de Fora (MG)

*

Quem quer dinheiro?

A Câmara dos Deputados já aprovou a DRU - 20% da arrecadação. É muito dinheiro! Agora só falta o Senado confirmar, ou seja, não falta mais nada, pois com certeza será sacramentada. E a presidente pode continuar gastando à vontade. O Impostômetro atingiu ontem R$ 1,3 trilhão, confirmando que o Brasil é mesmo o país dos impostos, sem controle nem retorno. O aumento do preço dos alimentos eleva a inflação semanal, ajudando a esvaziar um pouco mais o bolso do cidadão. Mas como o Banco Central informa que a inadimplência atinge o pior nível dos últimos dois anos, e vai liberar mais crédito para ativar a economia, então, gente, bola pra frente. Quem quer dinheiro?

LUIZ DIAS

lfd.silva@uol.com.br

São Paulo

*

Reservas e dívidas

Muito oportuno o editorial Reservas e gastança (22/11, A3). Afinal, de nada vale manter reservas de US$ 350 bilhões se o custo (serviço) das dívidas interna e externa supera em muito os rendimentos que tais reservas oferecem. Há muito tempo cuidando de orçamentos públicos e privados, sei, por experiência, que o que dá efetivo valor e reconhecimento a uma economia - pública ou privada - não é o valor do patrimônio nela contido (inclusive reservas) nem sua receita, mas um saudável e permanente superávit original (após o pagamento do serviço da dívida) aliado a um fluxo de caixa saudável. Isso vale para empresas e governos.

JOSÉ E. BARBOSA GONÇALVES

etuley@uol.com.br

Ribeirão Preto

*

CORRUPÇÃO

Desvio de verbas

Com tantos escândalos de desvio de milionárias verbas públicas, indago: o brasileiro vai continuar passivamente a arcar com a pesadíssima carga tributária que lhe é imposta e ajuda a alimentar, incessantemente, essa lama fétida da corrupção? As astronômicas cifras desviadas jamais retornarão aos cofres públicos? Até quando o Judiciário e outros responsáveis pelo assunto vão ser omissos a respeito? Que país é este?

EURICO BUZAGLO

eurico_buzaglo@uol.com.br

São Paulo

*

Mentiras e politicagem

Roberto DaMatta escreve (D12). Dora Kramer (A6), Rolf Kuntz (B8) e José Nêumanne (A2), idem. E nada, absolutamente nada muda! A presidente Dilma Rousseff - "presidida", nas palavras de Dora Kramer - é refém de seus aliados (aliados?). O PDT agarra-se com unhas e dentes ao Ministério do Trabalho (seu feudo!) e procura manter Carlos Lupi no cargo, embora já totalmente desacreditado. E nós assistimos a esse circo, atônitos!

JOÃO U. STEINBERG

justeinberg@terra.com.br

São Paulo

*

O escudo

Parece que o ministro do Trabalho não sai mesmo. Escudado atrás de uma simples caixa de fósforos, o ministro controla uma legião de "rabos de palha".

CARLOS D. N. DA GAMA NETO

carlosgama@conjeituras.com.br

Santos

*

MEMÓRIA

Dom Pedro II e o Líbano

A Associação Cultural Brasil-Líbano e a comunidade líbano-brasileira comemoram os 135 anos da visita do imperador dom Pedro II ao Líbano. O monarca lá permaneceu de 11 a 15/11/1876, procedente da Grécia, no navio Aquila Imperial, acompanhado de sua esposa, dona Tereza Christina Maria, e de uma comitiva de aproximadamente 200 pessoas. Percorreu o país dos cedros a cavalo, tendo à frente a bandeira verde-amarela. De Beirute escreveu ao diplomata francês Joseph de Gobineau, que ficara em Atenas: "A partir de hoje, começa um mundo novo. O Líbano ergue-se diante de mim, com seus cimos nevados, seu aspecto severo, como convém a essa sentinela da Terra Santa". Grande admirador da cultura árabe, dom Pedro II chegou a estudar a língua com um arabista alemão. O imperador encontrou-se com vários intelectuais vinculados às ciências e às artes, como o gramático Ibrahim al-Yazigi, que lhe ofereceu livros em árabe, com dedicatória - os quais se encontram no Museu Imperial de Petrópolis -, e o professor Cornelius Van Dyck, da Universidade Americana de Beirute, de quem assistiu a uma aula, ao lado de Nami Jafet, um dos pioneiros da emigração libanesa para o Brasil. Depois de visitar o patriarca da Igreja Maronita, Boulos Mass'ad, em Bkerke, dirigiu-se às cidades de Chtaura e Zahle. No dia seguinte, visitou os templos de Baco, Júpiter e Vênus em Baalbek. Durante a viagem muito incentivou o fluxo emigratório para o Brasil. Desde então a história da comunidade líbano-brasileira está entrelaçada com o desenvolvimento do País nos últimos 130 anos. Não faltam exemplos do elo afetivo entre os dois países. Em 1808, quando dom João VI chegou ao Rio com a família real, o libanês Elias Antonio Lopes ofereceu-lhe sua casa como residência, mais tarde conhecida como Paço de São Cristóvão - onde nasceu dom Pedro II - e, hoje, como Quinta da Boa Vista, onde se encontra o Museu Nacional. Essa história consta nos arquivos da Biblioteca Nacional de Portugal. Calcula-se que existam atualmente cerca de 8 milhões de libaneses e descendentes no Brasil, o maior número de imigrantes do Líbano no mundo. Sua presença é notável nos diversos setores de atividade: são médicos, artistas, esportistas, intelectuais, empresários, políticos... Todos participando do crescimento do País, lado a lado com brasileiros natos e imigrantes de outras partes do mundo, e assim contribuindo para a formação e o engrandecimento da Nação brasileira.

LODY BRAIS, presidente da Associação Cultural Brasil-Líbano

brasil.líbano@gmail.com

São Paulo

*

COMISSÃO DA VERDADE

Não existe nada mais sólido do que o passado. Por mais que tentemos afastá-lo, ele sempre volta. E agora volta com força, com a lei que criou a Comissão da Verdade, para apurar os crimes cometidos durante os anos de chumbo. Mas o tribunal já nasce capenga e impotente, pois deverá apurar os delitos, sendo-lhe vedado puni-los, o que frustra, de antemão, as milhares de vítimas da ditadura que esperam por Justiça. Na realidade, a verdade nem precisa ser apurada, pois já é do conhecimento de todos a trama urdida na Operação Condor, que derrubou o presidente Goulart e destruiu a democracia no Brasil, a explosão  do Rio Centro, o assassinato e a tortura de presos políticos e a demissão de professores por delito de opinião. A malfadada Lei da Anistia, promulgada por um Congresso biônico e sem representatividade, de nada vale, até porque os crimes de tortura, frequentes naquele período tenebroso, são imprescritíveis e ainda passíveis de serem julgados pelos tribunais internacionais. Esperávamos um Nuremberg e vão nos servir uma "pizza". A verdade já a sabemos. Esperamos por Justiça.

 

Arsonval Mazzucco Muniz arsonval.muniz@superig.com.br

São Paulo

*

MEIA-VERDADE

 

A repercussão negativa e o patrulhamento de segmentos da esquerda à opinião de José Genoíno de que “colocar ex-preso político (na Comissão da Verdade) não vai dar certo” dá a dimensão do que será esse grupo de trabalho, que deverá ser composto, em tese, para levantar as violações aos direitos humanos no período 1946-1988 de  forma “pluralista e sem revanchismos”.   O discurso é esse  – politicamente correto como sempre – mas até as colunas do Alvorada sabem que o que se quer mesmo  é levantar os excessos  de apenas uma das partes do conflito que marcou os anos do ciclo militar. Dificilmente alguém dessa comissão estará verdadeiramente preocupado em esclarecer algo de “antes” de 1964 e tampouco levantar os muitos “malfeitos” dos grupos armados de orientação leninista que queriam, à todo custo, e com métodos violentos e anti-democráticos, derrubar um governo, que, se foi  autoritário,  gozou,  por bom tempo  – especialmente nos anos do chamado “milagre econômico” –   de ampla sustentação  popular,  para nos  impor uma ditadura comunista, com a consequente extinção do direito de propriedade e o sepultamente definitivo do que, no País,  havia sobrado de estado “de direito” e liberdades individuais.    Nesse embate, muitos dos que, à época, foram às armas para nos impor o socialismo marxista-leninista (e levaram a breca) querem, hoje, além das polpudas indenizações da chamada “bolsa-ditadura” que já recebem,  a desforra pelo revés sofrido,  sob o argumento de que "lutavam pela democracia" e querem  “levantar a verdade dos fatos”.  Essa tal comissão seria muito honesta e verdadeira se reconhecesse, no capítulo primeiro de seu relatório final, que o objetivo único da “luta armada” que travaram nos chamados “anos de chumbo”  era o de impor, goela abaixo da nação,  um estado marxista-leninista ao Brasil.  O resto é conversa mole  para boi dormir.

Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br  

São Paulo

*

LEI DA ANISTIA

Se a Lei da Anistia fosse revogada, como pleiteiam alguns, e a comissão formada agisse com absoluta isenção, talvez nossa presidente acabasse presa (entre outras figuras de nossa política atual).

 

André C. Frohnknecht anchar.fro@hotmail.com

São Paulo

*

A ÉTICA DA VERDADE

Talvez parecesse mais coerente uma Comissão da Verdade para apurar crimes cometidos pela ditadura militar se muitos dos identificados como vítimas não tivessem sido ressarcidos com polpudas indenizações e vários deles não tivessem sido, nos dias de hoje, acusados e processados pela  Justiça por graves delitos de caráter ético, participado de episódios de triste lembrança como o mensalão, tipificado como 'quadrilha' pelo próprio MPF ou o caso Bancoop, só para citar outro lamentável crime contra o povo. Há também os que fizeram parte da história à época como 'herois' mas habituaram-se a mentir compulsivamente ao levar toda e qualquer sujeira para "debaixo do tapete" como se a mentira fosse um meio para justificar não importa o fim desde que beneficie a seus interesses. Companheiros desses heróis de antes, quando pegos com a boca na botija, chegam a encenar de dar inveja aos melhores atores da nossa dramaturgia ao simular o que não podem negar. Fica constrangedor ver muitos dos que choraram ao ser instalada essa Comissão da Verdade, fazerem parte de uma farsa ética que só por Deus dá para conviver e engolir. Apurar crimes e restabelecer a verdade é necessário sem dúvida para que não mais se repitam. Mas num país de várias éticas, qual delas servirá de referência para a escolha dessa tal Verdade? A que mais convém a um determinado grupo ou a ética que pune a todos de forma justa e exemplar?

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

*

MENTIRAS

Diante da instalação da Comissão da Verdade, estão circulando na internet declarações de pessoas envolvidas e outras que visitaram os locais das pseudotorturas que declaram que a "tortura" nunca aconteceu, é pura imaginação criada por pessoas – hoje muitas no governo – para enganar a população e obter benefícios – sabemos quanto e o quanto – com a invenção de fatos dignos de factoides de quinta.

 

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@ig.com.br

São Paulo

*

DOIS LADOS

Eu não consigo acreditar que seja realmente a Verdade. Para mim, será, sim, a comissão do revanchismo, pelo fato do Partido dos Trabalhadores não ter coragem de realmente apurar e apresentar publicamente a verdade. Vão apurar a verdade dos dois lados, ou um dos lados pode ficar impune dos diversos crimes cometidos, principalmente contra inocentes que nada tinham a ver com a turbulência política da época?

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@yahoo.com.br

São Paulo

*

SEM RESPOSTAS

A presidente Dilma, quando da assinatura da criação da comissão da verdade, disse que não pode deixar que a verdade se corrompa, e a corrupção vigente, como fica? Será que só ficaremos na apuração da "verdade" apenas até 2002, e de 2003 para cá, quando a corrupção e a mentira campearam, isto não fere os "direitos humanos"? Como vai ficar? Ou desviar verbas públicas, inclusive da saúde, não fere os direitos humanos? Quantos morreram na chamada "revolução"? Quantos morreram em virtude da roubalheira atual? Quantas pessoas morreram nas filas dos hospitais, nas estradas abandonadas, na falta de saneamento básico, no trânsito caótico, na impunidade tão criminosa como o próprio crime? Na tal comissão da verdade os crimes dos atuais detentores do poder serão investigados? Ou matar civis e militares em serviço e até fora dele não é crime? São muitas perguntas que, com certeza, não serão respondidas.

 

Antonio Carlos Pereira acpereira1939@com4.com.br

Batatais

*

PASSADO NEGADO

Em 2008, em discurso no parlamento israelense, a chanceler alemã Angela Merkel pediu desculpas pelo genocídio de judeus na Segunda Guerra. Embora não resolvesse o ressentimento, os traumas e a raiva dos parentes dos que pereceram e dos sobreviventes, foi um reconhecimento oficial dos excessos cometidos pelo governo da época. Um ato digno. Aproveitando a instauração da Comissão da Verdade, nossos militares bem que poderiam ter a hombridade de reconhecer os excessos cometidos durante a ditadura através do famigerado terrorismo de estado, e pedir desculpas às vítimas de torturas e parentes de desaparecidos, como um gesto inicial para colocar a Verdade às claras e aliviar a tensão. Não faz mais sentido continuar negando o passado ou tentar justificar o injustificável.

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

ANISTIA

Uma Resolução da ONU diz que o povo pode se voltar armado contra a ditadura. Não há nenhuma outra Resolução dizendo que o golpista pode se autoanistiar na cara dura. Acho que, outros países da América do sul foram mais honestos, mais jutos, botando na cadeia aqueles que, no poder, mataram, torturaram, golpearam as instituições democráticas. Nós sabemos o mal que a chamada Canalha de 64 (como disse Millôr Fernandes)  fez ao Brasil. Os maiores antros de corrupção da história com seqüelas até hoje, ninhos de escorpiões que geraram Maluf, ACM, Cesar Maia et caterva, todos ricos e impunes. A nossa justiça de araque, de elite, amoral também.  A corrupção financiou a revolução, como financia ainda o nosso capitalhordismo americanalhado made in Samparaguai do Pinóquio de Chuchu e as privatarias, privatizações-roubos. O medo do comunismo criou monstros. Não queremos revanchismos, queremos justiça, ética, transparência. Sabemos do historial de um militarismo incompetente, corrupto, violento e senil no próprio processo histórico brasileiro. Todos devem ser julgados. Acabar realmente com os salários de marajás dos militares e dos presunçosos membros da magistratura incompetente também. Passar a história a limpo, vai doer, porque uma sociedade amoral e hipócrita bancou o golpe. Pior, grande parte da mídia esteve aliado a ele. Quem for sujo que se suje mais ainda. Está escrito. E quem for limpo apóie uma Comissão da Verdade que ouça a todos, e que um fórum internacional via ONU dê a sentença para todas as patentes envolvidas, colocando a disponização  do poder público (para ser usado no Fome Zero) todos os bens dos herdeiros dos sentenciados militares e civis ligados ao golpe militar que enlutou e enojou a história do país, hoje, após a Era Lula, caminhando para ser uma potência emergente que precisa ser passada a limpo.

Silas Correa Leite poesilas@terra.com.br

Itararé

*

ÓDIO E REVANCHISMO

Sancionada a Comissão da Verdade pela presidente Dilma Rousseff, enfim chegará à tona os misteriosos lances que culminaram com o assalto a mansão de Adhemar de Barros. Essa comissão, se é mesmo da verdade, sem costuras e remendos, ''como a túnica de Cristo'', descerrará o pano de mistério daqueles que participaram do assalto a mão armada. Quais foram os ''cumpanheiros'' que participaram, qual o valor roubado e a quem foi a fiel depositária dos milhões. Interessa-nos não só as violências cometidas pelas forças de repressão contra uma aventura utópica, desvairada e apátrida, como também o que se cometia do lado sem farda. A Comissão da Verdade pode perfeitamente servir à história da Nação, desde que não seja impregnada de ódios recolhidos, de revanches adormecidas. Com exceção da roubalheira institucionalizada, do sucateamento de toda a infra-estrutura do país, ainda estamos vivendo num estado democrático de paz social. Se não tiverem vara comprida, diz o ditado, ''não mexam com a onça''.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

PREOCUPAÇÕES HOJE

Com tantos crimes acontecendo atualmente, sequestros, roubos a banco, desaparecimento de pessoas, torturas e insegurança, muito pior do que nos tempos que esta Comissão da Verdade insiste em procurar os culpados, na verdade não faz sentido tudo isto e nem a intromissão da ONU em assuntos internos e de soberania do povo Brasileiro, portanto, acho que deveriam se preocupar com coisas de maior importância e que nos afetam no momento e não ficar revirando o passado inutilmente e sem resultados práticos e importantes.

 

Jose Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

AVANÇO DEMOCRÁTICO

A Comissão de Verdade e Acesso a Informações Públicas sancionadas pela presidente Dilma são um grande avanço democrático. No Chile e na Argentina todas as pessoas que se valeram da ditadura para assassinar e torturar foram punidas. O Brasil tardiamente fará o julgamento dos sanguinários, que contribuíram com a ditadura que começou em 1964. Anistia para bandidos jamais.

 

Paulo Dias Neme profpauloneme@terra.com.br

São Paulo

*

HIPOCRISIA

O festival de hipocrisias continua na república sindicalista do Brasil. Li e vi fotos e vídeos da cerimônia onde foi sancionada a Comissão da Verdade. Teve beijinhos e lágrimas de jacaré. Se realmente quisessem ter feito algo digno e sério em favor da história do país, poderiam ter dado outra conotação ao evento, convidando para participar da cerimônia o outro lado da medalha, porque verdade só existe uma. Porém o que se viu nessa pantomima foi um encontro de "cumpadres", uma verdadeira confraria entre os beneficiários do bolsa-ditadura, neo gigolôs do governo, de pseudoguerrilheiros, de assaltantes de banco, de puxa-sacos, bajuladores a espera de migalhas da atual justiça brasileira que, por conta de mentiras exaustivamente repetidas e três falsos testemunhos se tornaram verdades e, consequentemente, fontes de benefícios, de ladrões de cofres, além de jovens estrategicamente mal informados sobre a verdadeira verdade. Estavam presentes também os três comandantes militares, acredito que por força de ofício. Ainda sou otimista, não quero pensar em conivência. Postados na segunda fila, eles não manifestaram nenhuma reação como facilmente se constata em fotos e vídeos, diferentemente da fila do gargarejo onde muitos entusiasticamente aplaudiam as verdadeiras mentiras proferidas pela chefe, enquanto aguardavam telefonema do advogado Luiz Eduardo Greenhalgh, patrono do bolsa-ditadura, lhes informando ser o mais novo beneficiário dessa excrescência criada por esse governo corrupto e paga com o dinheiro público, nosso dinheiro. Alô hipócritas!  saibam que os familiares de militares e civis mortos pelos covardes pseudoguerrilheiros de esquerda, representados na cerimônia pelo sr. José Genoino, estão vivos e merecem respeito. É triste ver um país que tem tudo para ser grande entregue a essa gente sem escrúpulos, adeptos do nunca antes nesse país, do eu não sabia e do eu não me lembro. Além da notória desmoralização interna, onde o governo constituído não passa de mero cumpridor de ordens dadas por um semianalfabeto, há muito fora do poder, agora, e como se não bastasse, estão permitindo a ingerência de organismos internacionais na legislação do país. A Organização das Nações Unidas (ONU) "não aceita" e quer a revogação da Lei da Anistia encorajada que está por alguns funcionários do governo, muito "patriotas" e unilateralmente, defensores dos direitos humanos. Dá para acreditar a que ponto chegamos? Isso para não falar que a International Federation of Association Football (Fifa) há muito já dá as ordens na casa de mãe Joana. Afinal dona Dilma, somos uma nação soberana ou uma república de bananas? Não envergonhe o Brasil dos Brasileiros com letra maiúscula.

 

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

TRANSPARÊNCIA

Está instalada a comissão. Escolhidos os participes, só faltará reabrir a investigação do obscuro desaparecimento de Dana de Teffé.

 

Ulysses Fernandes Nunes Junior Ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

DICAS PARA A COMISSÃO

Como não tivemos, nesses últimos 15 anos, corrupção, assassinatos, desvios de conduta, assédios, torturas filmadas e mostradas, tudo sem penalizações ou devoluções do produto do roubo, encontra tempo nosso governo para criar a Comissão da Verdade, nós pagadores de impostos aguardamos serenamente e esperançosos de que pessoas de conduta ilibada, probas, sérias, venham a formatar tal comissão (em que meio encontrá-las?), é o mínimo que se espera, estudar fatos do passado, onde pessoas que se travestiram de falsos democratas, quando na verdade tentavam implantar no país um ditadura comunista, devidamente e fartamente instruídos em países vermelhos ,a comissão deve saber disto,que todos os assassinos, violadores, sequestradores, matadores de inocentes em aeroportos, guaritas de quartéis, todos estes que hoje já foram regiamente indenizados, diferentes dos mortos e seus familiares,que nada ou migalhas recebem ou receberam, por isso precisamos de uma comissão isenta, desprovida de revanchismo unilateral que tem sido observado nestes últimos anos, lembrem-se de quem solta o foguete deve segurar a vara, ninguém fez nada sem saber o mal que estavam cometendo, quem é barbaramente torturado "morre" ou fica muito marcado, os nossos sequer possuem um arranhãozinho, possuem muito dinheiro fácil, isto sim, chega de indenizações, países vizinhos estipularam 50mil como a maior indenização, as nossas chegam a milhões,e milhares por mês, o que é pior, o estado está penalizado demais para suportar ainda mais o que vem por ai, nas comissões julgadoras tudo que os comunistas fizeram foi perdoado, entendido, no entanto os agentes do governo  sempre foram considerados errados e exagerados, ai então mais uma deixa para a comissão da verdade, deixado escrito por quem estava do lado dos comunistas, de como eram suas instruções e de quem as dava; "Mário Lago, comunista até a morte, ensinava:  "quando sair da cadeia, diga que foi torturado, sempre."  A pior coisa que podia nos acontecer naqueles "anos de chumbo" era não ser preso. Como assim, todo  mundo ia preso e nós não?  Ser preso dava currículo, demonstrava que éramos da pesada, revolucionários ‘perigosos’, ameaça ao regime, comunistas de verdade!  Sair dizendo que tínhamos apanhado, então! Mártires, heróis, cabras bons". Ficar nos dias de hoje assistindo Jáder Barbalhos, Renans Calheiros, Sarneys, Romeros Jucás da vida dando as cartas e formatando as nossas leis fica esquisito demais.

Julio Jose de Melo julinho1952@hotmail.com

Sete Lagoas (MG)

*

MEIA

Resta-nos ao menos a coerência: no País das meias-palavras, da meia-entrada e da meia-calabresa, nada mais justo que a Comissão da Meia Verdade.

 

Percy de Mello Castanho Junior presidencia@clubedoscompositores.com.br

Guarujá

*

A ÉTICA DO PDT

Num país que acabou de criar com pompa e circunstância a Comissão da Verdade, somos obrigados a engolir a frase do deputado federal (PDT-PA) Giovani Queiroz: "Não tem nenhum deslize moral ou ético que justifique a saída do Lupi do ministério". Paulinho da Força Sindical arrematou com esta: "Se as pessoas incomodadas (referindo-se a Reguffe, Taques e Cristovam Buarque) são tão éticas que não podem conviver com o Lupi deveriam pedir para sair (do PDT)". Infelizmente eles não saíram... E é com gente deste tipo que a ministra Dilma faz acordos e alianças. O governo do PT jamais terá direito a um certificado de aprovação moral e ética do tipo ISO.

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

QUEM MANDA?

A final : quem decide a nomeação ou demissão de ministros? É a presidente ou são os partidos?

Iracema M. Oliveira mandarino-oliveira@uol.com.br

Praia Grande

*

O 4º COMPANHEIRO

Fiquei estarrecido quando li que a executiva do PDT isola éticos do partido para dar sobrevida a Lupi. Num acerto prévio com o Palácio do Planalto, em vez de discutir agora a conveniência da saída de Carlos Lupi do Ministério do Trabalho e Emprego, a Executiva Nacional do PDT se reuniu para passar o rolo compressor em cima dos chamados "éticos do partido" que defendem o afastamento imediato do ministro, e aprovar uma nova manifestação pública de apoio a ele. O deputado Paulinho da Força (SP) pediu que os descontentes deixem o PDT. E mais: Paulinho foi ao Palácio do Planalto para um encontro com o ministro Gilberto Carvalho. O Palácio consultou o PDT sobre a situação de Lupi no partido e recebeu a garantia de que ele (Lupi) conta com o apoio e maioria absoluta dos companheiros. "O Gilberto perguntou como estava o partido em relação a Lupi e eu respondi: você acha que a gente vai fazer reunião para não dar apoio a Lupi? (...) Depois da visita ao Planalto, Paulinho da Força, radicalizou o enfrentamento com os parlamentares que defendem a saída imediata do ministro. (alegando que o partido é de companheiros e que os que pedem a saída não estão sendo companheiros). Exmo. senador Cristovam Buarque; primeiro quero registrar que o fato de "terem passado o rolo compressor sobre seu mandato", do senador Pedro Taques e do deputado Reguffe, é motivo de que V. Excelências tenham a certeza absoluta que estão no caminho certo, e que o "Ministro" Lupi e seus "companheiros" estão na trilha errada que muito envergonha a nação. Vale portanto, excelência, endurecer o jogo, outros partidos os acolherão se recidirem cometer o suicídio de os expulsar. Vale ressaltar que se V. Exas não endurecerem o jogo, firmando posição, os "companheiros" vão tratá-los como personas non gratas. E imagine o motivo: Por julgá-los éticos e portanto destoarem da maioria dos companheiros. Exmo. senador Cristovam Buarque; o PDT diminuiu de tamanho nos últimos dias, e com o endurecimento do jogo das últimas horas (por via transversa) ficou anão. Analise o absurdo da declaração do deputado Paulinho "Você acha que a gente vai fazer reunião para não dar apoio a Lupi?" Ora! Isso é um acinte à ética e à Instituição. Pior quando o interlocutor dá guarida a esse tipo de postura. Porque é claro que deu guarida, pois o deputado voltou com "todo gás", firmando fileira contra os que pediam uma postura mais adequada e responsável, e até sugerindo à porta da saída. Exmo. senador; não se sinta acuado.Mesmo que estejam tentando acuá-lo e submetê-lo ao rigor dos malfeitos que castigam a boa ética e agridem à sociedade. Se outros partidos não convidarem V. Exa. e os outros dois que firmaram posição idêntica, endureçam o jogo assim mesmo! Em último caso, fiquem sem partido, mas levem consigo à ética como companheira (essa, sim, vale manter). Aliás, eles nem sentirão falta quando o trio sair e levarem consigo (quatro), pois o 4.º (quarto) é justamente à ética. Será uma ação educativa e exemplar.

Alírio Cavalcanti aliriocavalcanti@ig.com.br

Salvador

*

‘AFINAL, QUEM TEM MEDO DA MENTIRA?’

O jornalista José Nêumanne (23/11, A2) está quase certo, apenas olha a ponta do iceberg, e foi por isso que o Titanic afundou. A mentira é típica do homem "adâmico", quando inventou ou sistema de "governo do cacique e do pajé", cuja religião é mentir para governar. O "religioso" impõe ao povo um "rei deus", cuja teoria está num "deus rei", daí que as sociedades humanas foram fundadas nessa trilogia da mentira: um religioso, um deus rei, e um deus rei! E isso funciona até hoje, mas exuberante nas nações tribais, como o Brasil, e menos nas nações mais democráticas, onde as leis são leis, e não ... ora leis! Daqui a pouco vamos erguer nova estátua ao "padinho Lula" lá em Garanhuns, para que os "romeiros" tenham mais um a quem pedir milagres! Claro que estátua custa dinheiro, e os cofre públicos estão ainda aí para isso!

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

ESTADO DA ARTE DA INCOMPETÊNCIA

Eis uma síntese do grau de incompetência do governo Dilma: o estado da arte. A presidente lidera uma gestão que vai ficando marcada como o grande primado da inépcia, da falta de zelo e da interrupção administrativa. Dilma é a gerentona de um PAC fictício, no qual grande parcela das obras prometidas não será entregue dentro do prazo, nas palavras das próprias autoridades. E olha que para um governo petista admitir algo negativo sobre si próprio é uma dureza, hein! Obras não andam, projetos não andam, nem mesmo a tal faxina anda - Lupi não foi demitido e, no entanto, seu ministério é tão corrupto quanto os demais cujos chefes, atenção!, se demitiram (Dilma não demitiu ninguém). Esse é o governo Dilma: o estado da arte da incompetência.

 

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

*

‘PASSAMOS’

"Esses moços, pobres moços, ah se soubesse o que eu sei ..." cantava Lupi, o compositor das dores humanas. São versos de Lupiscinio Rodrigues, que era mais gaucho do que Brizola. Viva o Lupi, diziam todos ao ouvir as canções, pois naquela época Lupiscínio era o Lupi. Agora há outro Lupi, mais famoso, que trata todos os brasileiros como "pobres moços". Temos outro famigerado Lupi que não entoa canções, mas se diz valente, veraz, e é ministro do Trabalho. Os que pagamos impostos e os que não pagam somos, mesmo, "pobres moços" junto com a verdade e o erário público, e aguentamos a valentia, a mentira, a confusão de quem só sai a bala. Antes da honestidade, ostentamos a macheza ministerial. "Não passavam aquilo que já passei" cantava Lupiscinio Rodrigues, mas nós, que precisamos de ministros honestos, estamos passando. Passamos.

 

Virgilio Egydio Lopes Enei mareduzo@gmail.com

São Paulo

*

COMPETÊNCIA MINISTERIAL

Quando expostos ao público, tentando dar explicações sobre sua área, nos deparamos com ministros titubeantes, despreparados, mal informados, absolutamente sem competência para ocupar cargos tão importantes. Daí compreendemos que a roubalheira de seus comandados deve na verdade passar de baixo de seus olhos sem ao menos ser notada, tal a turbulência que deve rolar por suas cabeças tentando digerir os fatos que, sem uma mínima luz de competência, devem gerar isso sim uma baita enxaqueca.

J. Treffis jotatreffis@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

A IMAGEM DE JOSÉ SARNEY

O incomum, Sarney, o câncer mais maléfico da política brasileira, que não satisfeito em tornar sua terra natal Maranhão,  o estado mais pobre do Brasil,   levou a corrupção, o atraso e a pobreza também ao Amapá, acaba de contratar  uma empresa de consultoria para melhorar a sua imagem e o mais nobre, usando dinheiro público. Isto significa que nós, eu e você pagaremos a conta. A empresa deve ser mágica, pois para melhorar essa imagem só fazendo outra e nós não merecemos tamanho castigo. Para esse indivíduo que perdeu o significado da palavra dignidade duas frases providenciais: O lobo perde o pelo, mas não perde a vergonha nem o vício  e caixão não tem gaveta.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

INDECENTE

Impossível ser mais indecente que usar R$ 24 mil de verba pública para pagar a Prole Consultoria em Marketing, visando a melhorar sua própria imagem. Com essa atitude, Sarney demonstra que não vê limites para seu cinismo de raposa velha. 

Conrado de Paulo conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

*

MOSTRAR O QUE NÃO É

José Sarney (PMDB-AP) paga assessoria com verba indenizatória que é legal por sinal. À Prole Consultoria em Marketing para obter um diagnóstico do que deve fazer para melhorar a avaliação da sua carreira. Caso se confirme esta empresa achar de fato um caminho o que achamos bastante difícil, que o leve atingir seus objetivos, ela deveria ser indicada pela sua perspicácia a prestar serviços para a mesma finalidade ao "Marcola", "Nem", "Élias Maluco", "Beira-Mar" e etc. Que por sinal seriam muito mais bem pagos.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

CONSELHO

Em vez de desperdiçar R$24 mil de verba do Senado para pagamento de diagnóstico e projeto de comunicação "para melhorar sua imagem pública" (23/11, A10), dou, inteiramente grátis, melhor conselho ao presidente do Senado, José Sarney: recolha-se! O País, penhorado, lhe será grato.

 

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

MELHORE A REALIDADE

Senador José Sarney, aceite o meu conselho: não perca o seu tempo nem gaste o nosso dinheiro no esforço inútil de tentar melhorar a sua imagem. Melhor seria, nesse ocaso de sua vida, tentar melhorar não a imagem, mas a realidade do seu sofrido e infeliz Maranhão, que tudo lhe deu, e nada recebeu em troca.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro 

*

SINAL

Sarney quer melhorar sua imagem. Que use o Maranhão como antena.

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

SÓ SE...

Desista, Jose Sarney! Nada irá melhorar sua imagem junto ao público esclarecido deste país. Talvez retirar-se da política, deixar de fazer atos secretos no Senado, deixar de usar dinheiro e helicópteros públicos para fins privados e fazer alguma coisa boa por nossos irmãos do Maranhão. Aí, quem sabe...

Tereza Sayeg tereza.sayeg@gmail.com

São Paulo

*

PRECISA DIZER MAIS?

José Sarney achou interessante melhorar sua imagem pública envolvida até os últimos fios do seu bigode em falcatruas administrativas e para tanto contratou uma empresa de consultoria que foi paga, acreditem se quiser, por nós! O verdadeiro dono do Brasil caquético, usa dinheiro público para melhorar sua imagem desgastada pelos escândalos em que ele e seu clã se envolveram em todos esses anos a frente da política. Mas vale um recadinho ao senador Sarney: para apagar seus escândalos, antes de tudo precisa apagar o Maranhão do mapa do Brasil. O Estado mais pobre e miserável do país é memória viva do que representa "sua péssima administração" e tem o clã Sarney como donos feudais. Precisamos dizer mais?

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

FIM DO REINADO SARNEY?

 

Na última sexta-feira, Dilma sancionou a lei de acesso à informação, acabando com o sigilo eterno e Sarney teve a sua primeira derrota. Agora, só falta um juiz acabar com a censura que o Estadão vem sofrendo há quase 900 dias, para que mais verdades venham ã tona. Coragem, juiz, o povo quer saber o que está sendo escondido.

 

Maria Carmen Del Bel Tunes Goulart carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

IMPUNIDADE

No país da impunidade o que poderíamos esperar, o Consêlho Nacional de Justiça (CNJ) invocou até a Lei Orgânica da Magistratura Nacional (LOMAN) para que fossem retiradas as iniciais dos mais de 60 juízes processados pela Corregedoria, ainda bem? Seria muito constrangedor para os envolvidos, não acham? A Associação dos Magistrados do Brasil (AMB), também queixou-se e não mais constarão nem as iniciais, quem tiver a curiosidade de acompanhar os 1.353 processos, vão perder tempo e se frustrarão. Conformem-se, como os trâmites judiciais são céleres nem se preocupem, jamais saberemos as decisões e muito menos os nomes dos sentenciados, se houver... Isso que é transparência! 

 

Luiz Dias lfd.silva@uol.com.br

São Paulo

*

CNJ

A matéria Sem julgamento, ações contra juízes prescrevem mostra a indiscutível necessidade do CNJ, infelizmente o corporativismo no Judiciário é muito forte mas esperamos que a vontade popular e o bem público vençam esta "guerra". Eliana Calmon tinha razão existem bandidos de togas, assim como corruptos, trambiqueiro e escravista de toga.

Roberto Saraiva Romera robertosaraivabr@gmail.com

São Bernardo do Campo

*

ESTILOS DE MULHERES

 

A ministra Eliana Calmon merece servir de exemplo para todos os magistrados brasileiros. Cumprindo, com altivez e competência, a sua árdua missão de Corregedora Nacional, do CNJ, não se esquiva de relatar fatos ao país, tomando as providências necessárias. A presidenta Dilma, no entanto, já deixa a desejar quando derivou para a omissão no caso do Ministro do Trabalho, que não mais tem condições de permanecer como ministro, em respeito ao povo deste país. No entanto, sabem ambas as mulheres e senhoras respeitáveis que a opinião do povo é muito mais importante que a dos colegas ou políticos de plantão. Ninguém fica para a história compactuando com safadezas e atos de corrupção e de indignidade. A novela da governabilidade não convence mais ninguém. Não há que se falar em crueldade, mas em senso de cumprimento do dever e da ética, em nome de mandatos altamente importantes.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

MAIÚSCULA

Parabéns à ministra Eliana Calmon, é de gente assim que a nossa justiça precisa!

 

Gustavo Guimarães da Veiga gjgveiga@hotmail.com

São Paulo

*

PRESCRIÇÃO

O CNJ divulgou que, sem julgamento, inúmeras ações movidas contra juízes prescrevem nas Corregedorias dos Tribunais estaduais. É mais um triste retrato do corporativismo, espírito de corpo e da impunidade que imperam nas Corregedorias estaduais do Judiciário. Há ações de 2009 contra magistrados, sem julgamento, que irão prescrever. Tal demora beneficia os maus juízes, que cometem irregularidades, arbitrariedades, abusos e crimes, aumentando ainda mais o descrédito da população no Judiciário. Para piorar, vemos o presidente do STF, Cesar Peluso, defender publicamente a atuação das Corregedorias estaduais e o esvaziamento do CNJ. Peluso deveria ler os sábios conselhos de Rui Barbosa aos futuros juízes, no seu belo 'Oração aos Moços', de 1920, ainda atualíssimo.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

DESPREZO

Prescrição de ações contra juízes é menosprezo à sociedade.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

JUÍZES CRIMINOSOS

Emissores de cheques sem fundos, atropeladores, exploradores de trabalho escravo. Juízes, a quem o estado brasileiro cobriu com a dignidade da toga. É comum a prescrição, segundo a corregedora Eliana Calmon. Sabemos que esses fatos ocorrem, em geral, nos mais distantes rincões do Brasil, em que a magistratura se confundiu na história com o coronelismo. O importante é que fossem dados os nomes a esses crápulas, até mesmo para preservar os que honram a representação do povo. E, com certeza,  essas elites pútridas não compartilham com os delinquentes comuns a justa severidade dos cárceres.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

JUÍZES SOB SUSPEITA

A Corregedoria Nacional de Justiça, principal órgão de fiscalização do Poder Judiciário e ligado ao Conselho Nacional de Justiça, alvo freqüente de ataque e achaque daqueles que deveriam ser os primeiros a prestigiá-lo – desavergonhados magistrados brasileiros, inclusive ministros do Supremo Tribunal Federal -, investiga o enriquecimento suspeito de 62 juízes. É pouco? Sim, mas se for levada a cabo seriamente, a medida já será um bafejo de transparência sobre este feudo dominado e contaminado por uma verdadeira rede de dinastias – e seus agregados - promiscuamente imiscuídas e amalgamadas no próprio Judiciário, no Ministério Público e na Advocacia. Esta roda de influência pérfida e nefasta, a que se somaram venais de outras castas, contribuiu decisivamente para a criação, ao longo do tempo e na ausência de devido controle social, de uma realidade paralela na Justiça Brasileira em que distribuir justiça, que implica fazê-lo com segurança e certeza, celeridade e efetividade, é o que menos importa. Nela coexistem gerações de nefelibatas e sanguessugas que decidem o futuro das pessoas nas intimidades do lar e de confrarias, ditando rumos e andamentos processuais conforme lhes convém ou interessa... Se o monitoramento constante e criterioso é fundamental para garantir o máximo de rendimento, lisura e imparcialidade na prestação jurisdicional, não menos o é o desmantelamento desses organismos patogênicos de operadores ligados direta ou indiretamente à Justiça. Como? Impondo-se um limite claro e objetivo à formação de redes familiares e confreiras: uma cláusula de barreira diante da qual os integrantes em grau próximo da mesma família, parentes e afins, estejam impedidos de pertencer, concomitantemente e durante quarentena, aos quadros da organização da Justiça, em sentido amplo. No Estado Democrático de Direito, quando se trata de zelar para que a cada um seja dado e garantido aquilo que é seu, o interesse público concreto deve impor-se inexoravelmente ao hipotético direito de alguém de seguir os passos de um ascendente, descendente ou colateral, diante do mero risco de valer-se disso para angariar simpatias, facilidades e preferências de qualquer natureza. No mais, quantos magistrados aceitariam firmar, como condição para o exercício do poder judicante, o compromisso irrevogável e irretratável de utilizar exclusivamente os serviços públicos, extensivo a seus parentes e afins em grau próximo?

Saulo Vieira Tortelli saulo_tortelli@msn.com

São Paulo

*

NOVO CÓDIGO PENAL

Uma só andorinha não faz verão, nos cidadãos honestos, temos que dar apoio a Calmon, e contar com o apóia da mídia em ações do CNJ, infelizmente a gente deixou por muito tempo estes que se acham acima da lei fazerem o que queriam, pra tudo tem um limite, devemos aplaudir os honesto, mais pelo que parece nem todos os são, esse negocio dos três poderes serem independente esta na hora de acabar, um deveria investigar o outro, nos cidadãos honestos deveríamos exigir um novo código penal, leis mais severa, para poder punir não só com aposentadoria mais devolução do dinheiro aos cofres públicos, e ate apreensão de patrimônio elícitos, para isso a Receita Federal tem que ter carta branca, para poder ir ate onde que for necessário junto com a Polícia Federal. 

Anderson Aparecido dandersonaparecido@yahoo.com

Hortolândia

*

BANDIDOS OU AUTORIDADES

Cumprimento o delegado Jorge Barbosa Pontes pelo  excelente artigo Bandidos travestidos  de autoridade (22/11, A2). Gostaria de adicionar um  detalhe importante. Ha 35 anos sou intérprete simultâneo de conferências do Departamento de Estado, tendo sido emprestado a várias agências do governo americano entre as

quais a CIA e outras agências policiais. Durante a ditadura militar participei como intérprete  de aulas dadas por agentes policiais americanos para policiais brasileiros, que visavam obter confissões de presos sem matá-los com torturas. Entre as melhores e mais eficientes técnicas, sem dúvida estavam  aquelas

recomendadas  no artigo do Sr. Jorge Barbosa Pontes acima.  Mas quero observar também que acima da chamada "imunidade total" altamente eficiente e mais humana dada aos criminosos em troca  de valioso testemunho  e colaboração, está aquilo recomendado pelos meus  professores  e colegas de sociobiologia (e prêmios Nobel da matéria, tais como os  Dres.Carl Sagan, Dr. Konrad Lorenz, Robert Ardrey e vários outros cientistas de  comportamento) que é  muito mais correto, sobretudo no  caso do Brasi,l onde  a neurótica ética puritano protestante  ainda não tomou conta da maioria dos brasileiros – conforme ocorre nos Estados Unidos – que seja eliminada completamente essa tola batalha contra as drogas, quaisquer que elas sejam. As drogas, tais como a  cocaína, heroína ou mesmo a inútil maconha, são efeito e não causa. Os drogados procuram as drogas porque necessitam dela e sua proibição  produz exatamente o efeito contrário; cria

o  crime, a corrupção e provoca também  a chamada "overdose" daqueles que a procuram nos locais escondidos e portanto sem assistência medica. Além do que esvaziariam  as prisões, dariam tratamento controlado e grátis nos hospitais,  acabariam com a corrupção de policiais, economizaria milhões aos cofres públicos e impediria que os malandros da religião mandassem milhões de dólares para os Estados Unidos

Giudicelli Junior giudicellijunior@bol.com.br

Santos

*

COM A BOLA, O CONGRESSO NACIONAL?

Jorge Barbosa Pontes foi bem claro no seu “Bandidos travestidos de autoridade”. Ao referir-se a “uma malha, um verdadeiro colchão de conforto, que diversos agentes públicos corruptos, das três esferas e nos três Poderes, vêm fornecendo a peso de ouro”, se limita exemplificar “um policial, um desembargador ou um deputado que se vende ao crime”, como se os verdadeiros traidores não tivessem acesso ao núcleo duro do governo atual, que joga pesado, a ponto de eliminar preventivamente potenciais “candidatos” a uma eventual imunidade total. Se a bola ficar com o Congresso Nacional, tenho certeza de que será mantido o estado atual das coisas. Parafraseando a corregedora nacional de Justiça, dona Eliana Calmon, essa situação escandalosa só vai mudar quando o Sargento Garcia prender o Zorro e, também,  o índio Tonto.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

DISPOSIÇÃO

Estaria o Congresso Nacional disposto a elaboração de leis para concessão de imunidade total aos traficantes que delatassem os agentes públicos corruptos? (Estadão, A2, 22/11).

Anízio Menuchi amenuchi@uol.com.br

Praia Grande

*

A ORIGEM DA CRIMINALIDADE

Brilhante a exposição do delegado Pontes sobre a verdadeira causa da criminalidade disseminada no País e, em especial, no Rio de Janeiro. A adoção de mecanismos de delação premiada, como propõe o Delegado com base em experiências bem sucedidas em outros países, levaria inegavelmente a uma redução na corrupção de agentes públicos que dá suporte ao crime. Mas é, porem, muito frustrante a conclusão do texto do delegado: "Com a bola, o Congresso Nacional". Afinal, a realidade atual nos ensina ser esta a ultima instituição da qual se pode esperar qualquer iniciativa de combate a corrupção.

Lazar Krym lkrym@terra.com.br

São Paulo

*

CRIME ORGANIZADO

Muito se comenta  quando assunto se refere  ao   crime organizado que instalou-se em nosso País...Mesmo que muitos dos crimes são ordenados de dentro dos presídios,não podemos nos esquecer que alguns  desses crimes são orquestrados de dentro de gabinetes governamentais,assim sendo,nossas autoridades terão muito mais dificuldades não só para localizar os larápios  como para colocá-los atrás  das grades, até porque as  CPIs que poderiam facilitar , há  maioria das  que são instaladas, o próprio tempo se encarrega de transformá-las  em fumaça,e o que é pior, passado algum tempo, os acusados  aparecem  na telinha de nossas TVs fazendo as mesmas promessas de outrora no qual não será novidade nenhuma se no próximo pleito eleitoral  vencem as eleições e continuarão dirigindo os rumos de nossa Nação, aonde  muitos que assaltaram os cofres públicos tem a ousadia  de aparecerem em público vestindo camisetas com dizeres  que os dignifiquem e os coloca na posição de  verdadeiros "santinhos"...

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

VERDADE NUA E CRUA

O Anuário Brasileiro de Segurança Pública divulgou uma pesquisa em que o Distrito Federal lidera o índice de roubos no País.  Já que falamos do DF, que é o berço dos três poderes da República, que tal incluir também nesses números as roubalheiras da classe política...  Só o tamanho dos desvios de recursos nas pastas de cinco ministros já demitidos, nesta gestão Dilma, e somando-se a estes, o do Trabalho, de Carlos Lupi, já seria uma catástrofe! Justiça seja feita: um grande legado petista...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

IMBATÍVEL

Nas estatísticas de roubos totais do Brasil e quiçá do mundo; Brasília nem deveria constar  pois é  "ó concur". Imbatível.

 

Antonio Oliveira aoaboliveira@gmail.com

Rio de Janeiro                   

*

QUANTOS AINDA VÃO TER DE MORRER?

Não tem jeito, a lei de trânsito deve ser modificada de maneira radical para que os irresponsáveis sejam devidamente punidos exemplarmente até para que outros pensem duas vezes ao sentar em frente ao volante alcoolizado. Lamento não ter sido possível participar da caminhada no Parque do Ibirapuera organizada pela união em defesa pelas vítimas de violência (UDVV), que colheu assinaturas para um petição pública com a pretensão de mudar o código de trânsito brasileiro. Não tem como deixar de se indignar com os inúmeros casos envolvendo motoristas alcoolizados ou irresponsáveis. Dia após dia tragédias no trânsito tomam conta dos noticiários. Em sua maioria ocasionada pela mistura fatal: álcool e direção. Outros, por pura irresponsabilidade e falta de civismo para com os cidadãos, como o que foi noticiado na última semana, um professor de Jiu-Jítsu morreu após ser atropelado em frente a casa da namorada. O atleta estava na calçada, possivelmente usando um telefone público "orelhão", quando o Audi A3 de uma empresária o acertou. Detalhe: A condutora irresponsavelmente estava disputando racha em via pública com outro empresário, que dirigia um potente carro esportivo "Camaro", a motorista e seu companheiro no delito apresentavam sinais possíveis de embriaguez. No último fim de semana em Araçariguama, interior de São Paulo. Uma adolescente de, 16 anos pegou escondido o carro da família e atropelou um idoso e uma criança de 4 anos que foi levada em estado grave para o hospital e teve de amputar uma perna. Dias antes em 22/10, na Marginal Pinheiros um veículo em alta velocidade dirigido por um cidadão embriagado atropelou três garis que faziam manutenção na via pública e matando dois, deixando um gravemente ferido.  O mais triste além de assistir a tudo isso inerte é saber que nossos representantes não usam o poder que possuem para mudar nossa  legislação tão branda, e a dor da vítima, deixando que o "STF" Supremo Tribunal Federal legisle por eles. Que os nossos 594 congressistas apáticos e preguiçosos acordem, a iniciativa do povo brasileiro já mostrou ter força para tirar de sena políticos vagabundos que só pensam em tirar vantagens do cargo que o exerce para si, companheiros e familiares. No ano passado, foi sancionada a lei, ficha limpa, que continua mofando em uma gaveta do STF, por ineficiência dos nossos parlamentares, fruto do movimento de assinaturas de mais de 4 milhões de pessoas, que pediram a proibição de candidatura de políticos com condenação na justiça. Isso prova cabalmente que não precisamos esperar por ações dos nossos legisladores congressistas. Já dizia a canção: "quem sabe faz a hora, não espera acontecer" de Geraldo Vandré, musica que virou hino contra a ditadura militar. Como sabemos: A imunidade é o sentimento que comanda todo tipo de desmando!

Turíbio Liberatto Gasparetto  turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

GCM E O BICO

A medida do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, publicada neste jornal ( C7, 18/11) de pagar uma gratificação (bico) em uma "Operação Delegada" similar a da PM, para os guardas civis metropolitanos (GCM) atuarem nos grandes Eventos municipais nos horários e dias de suas folgas, na certa deve ter agradado a Corporação. Muito bem ponderou o Prefeito, ja que manter efetivos  específicos para esses  eventos que  são  episódicos, seria um   rombo no Orçamento. Contudo, a Prefeitura contratar bico de 10 mil PM a um custo estimado de 100 milhões, quando tem  uma GCM que pode atuar no Trânsito, como acontece na maioria das cidades do 1º Mundo, não é muito lógico. A propósito, não tenho visto nas ruas da cidade esses milhares policiais da Operação Delegada que tem um custo anual muito parecido ao dispêndio da GCM.

José Ávila da Rocha peseguranca@yahoo.com.br

São Paulo

*

LULA E O CÂNCER

É lamentável que grande parte da mídia brasileira faz questão de enfocar o tratamento de primeiro mundo dado ao câncer de Lula e não enfoca o câncer dos cidadãos brasileiros tratados pela rede pública do Sistema Único de Saúde (SUS). Será que a mídia considera que os cidadãos, aposentados velhos e crianças não mereceriam um tratamento igual? Por que tanta bajulação?

 

Alberto Nunes albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

*

IDEIA MELHOR

Já que todo mundo está sugerindo ao Lula, para que ele vá se tratar na rede pública de saúde (SUS), acho que eu tenho uma ideia melhor. Vai se tratar em Cuba, como fez seu amigo Hugo. Vai pra lá! A gente paga.

Carlos Eduardo Stamato dadostamato@hotmail.com

Bebedouro

*

TRISTE PENAL

Vendo as imagens de Lula chegar ao Hospital Sírio Libanês, amparado por seu fotografo oficial, Ricardo Stucker, me ocorre a frase de Santo Agostinho: “O orgulho e a soberba são as fontes de todas as fraquezas, porque são estas as fontes de todos os vícios”. Para que o fotógrafo?

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

ENGENHEIROS EXPERIENTES

 

É notória a necessidade de profissionais para a engenharia em todas as atividades, como de petróleo, de transportes (rodoviária, ferroviária e naval) bem como de edificações. Anos de recessão levaram à migração dos engenheiros para outras opções. Agora, com a volta ao desenvolvimento, seria lógico um retorno maior à atividade desses engenheiros experientes e detentores de um conhecimento tecnológico, de um saber que não pode ser adquirido de um dia para uma noite. Isso, parece que não vem acontecendo de uma forma coerente e competente. Nesta época de retorno ao crescimento,o Brasil não pode continuar perdendo para uma aposentadoria, diga-se "compulsória a partir dos 50 e poucos anos", muitos profissionais que não conseguiram aplicar uma parcela importante do seu conhecimento. Experiência e conhecimento são patrimônios e valem muito. Para ilustrar, seguem três rápidos exemplos objetivos de tecnologias e práticas construtivas dominadas por profissionais de mais tempo de estrada: 1-Enfrentar , na Bahia, o super expansivo solo massapê, quase inviável sem um profundo conhecer. 2- Saber projetar e dosar , em São Paulo, camada de base de pavimentos em misturas com solos lateríticos com menores custos que os das britas graduadas. 3-Terraplenar com categoria e economia nas mineiras Alterosas, fazendo cortes seguros e aterros estáveis , sabendo onde e quando utilizar taludes de inclinações mais rigorosas. Exemplos que valem dinheiro e economia para o contribuinte. É saber fazer mais por menos. É fazer o recurso público render. É a tecnologia junto à capacidade gerando prosperidade. Posto isso, vale uma reflexão entre as grandes empresas da construção, os órgãos públicos contratantes e os profissionais e selecionadores dos recursos humanos. Algo precisa ser pensado e implementado. É preciso ação, não pode ficar na locução. Engenheiros experientes, estamos prontos, no aguardo e ao dispor para a atuação como gestores, consultores, profissionais liberais e/ou no quadro fixo funcional, a depender dos níveis e necessidades dos serviços. Assim,  esperamos colaborar,  avançar e inovar na construção do progresso para  um Brasil , sempre, melhor.

 

Paulo Cesar Bastos, engenheiro civil paulocbastos@bol.com.br

Salvador

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.