Fórum dos Leitores

VIOLÊNCIA

O Estado de S.Paulo

30 Novembro 2011 | 03h07

Motorista linchado

O ato de selvageria praticado por cerca de 20 jovens, ao espancarem até a morte, por engano, motorista de ônibus idoso, no domingo, em Sapopemba, revela, em última análise, o total descrédito da Justiça praticada pelo Estado, perante o povo. Aliás, a incompetência estatal já começa ao se constatar que a polícia, num caso grave e urgente como esse, demorou 15 minutos para chegar ao local da tragédia, ou seja, quando o crime já tinha sido consumado.

MARCELO DE LIMA ARAUJO

marcelodelimaaraujo@yahoo.com.br

Mogi das Cruzes

*

GESTÃO KASSAB

Controlar

Convênio da Prefeitura com o Detran permitiu à Controlar o acesso ilegal a dados sigilosos de milhões de donos de veículos. Essa é a acusação do Ministério Público Estadual (MPE), que não só vê fraude e improbidade administrativa na manutenção do convênio, como pede sua ruptura. O que mais podemos esperar do nosso alcaide, que só se preocupa com as alianças do seu partido e com o PT? São Paulo agora não interessa mais, Kassab já conseguiu seus obscuros e estranhos objetivos.

ANIBAL VILARI

anibalvilari@bol.com.br

São Paulo

*

Desapropriação

Sem maiores comentários, é publicamente conhecida a situação da inspeção veicular e da irregularidade do contrato de 1996, "ressuscitado" em 2008 pela Prefeitura (29/11, C1). O Judiciário, entre outras medidas liminares, a par de manter o serviço em funcionamento, determinou que a Prefeitura promova nova licitação, dentro de 90 dias, para a contratação desse serviço (ou, se preferirem, para exploração dessa atividade). Ora, ainda que tudo se faça com boa-fé, o resultado é possível: quem tem as instalações é a Controlar, que levará inegável e inevitável - e provavelmente legal - vantagem (além do know-how), quase impossível de evitar, quando o ideal seria equalizar as possibilidades de eventuais concorrentes. Por isso, só há uma solução correta e isenta (ainda mais agora que o Estado de ontem noticia que a Controlar teve acesso indevido aos cadastros do Detran): a Prefeitura desapropriar a empresa Controlar e pôr em licitação a concessão da exploração do serviço de inspeção veicular, como uso do equipamento, possibilitando a igualdade de competição, desde que não haja nenhuma cláusula editalícia favorecedora. O interesse da população no combate à poluição automotiva justifica o gasto com a desapropriação. Com o tempo, a concessão reembolsará os gastos do poder público, já com o pagamento do bônus inicial pelo vencedor da licitação e pela participação porcentual na tarifa a ser cobrada pela inspeção.

WALLACE DE OLIVEIRA GUIRELLI, procurador aposentado do Tribunal de Contas do Estado

rmagalhaes@tce.sp.gov.br

São Paulo

*

RODOVIAS PAULISTAS

Contratos de concessão

Quando é que o Ministério Público vai checar os contratos de concessão das rodovias paulistas? É preciso acabar com essa grande indústria de arrecadação em que se transformou o automóvel para o Estado de São Paulo.

ANGELO ANTONIO MAGLIO

angelo@rancholarimoveis.com.br

Cotia

*

CONTROLE DA MÍDIA

A imprensa livre e o PT

Muito boa a coluna Em pedra dura (29/11, A6), de Dora Kramer. Com a desculpa de que não haverá controle de conteúdo, pretende o PT promover interferência na mídia, obviamente, com o intento de que ela seja mais conveniente aos interesses do partido. Trata-se de iniciativa e de posição do PT, e não do governo Dilma, mesmo porque a presidenta está sendo coerente com as declarações que fez no início de seu governo. Sem dúvida que a imprensa brasileira está seguindo, sob o aspecto de conteúdo, o caminho certo, porque é a única fonte confiável para que o povo saiba o que acontece nas entranhas da coisa pública. E isso não interessa aos partidos políticos, porque a maioria deles se abastece com os resultados dos "malfeitos" cometidos por seus indicados. E se o conteúdo da mídia fosse controlado, que seria da verdade? Ficaria na dependência das conveniências...?

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

CORRUPÇÃO

Dita as cartas

As atitudes iniciais nos encheram de esperança de que a criatura pudesse desapontar o criador. Que frustração!

NILSON OTÁVIO DE OLIVEIRA

noo@uol.com.b

São Paulo

*

Silêncio

Dilma nunca disse uma única palavra sobre o mensalão e a ficha limpa. Por que será, hein?!

CONRADO DE PAULO

conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

*

Decência

Acho que entendi tudo errado o que o PT falava no tempo em que era oposição. Entendi que Lula e seus companheiros de partido e de sindicatos diziam que queriam fazer um Brasil mais decente...

EUCLIDES ROSSIGNOLI

euros@ig.com.br

Itatinga

*

Transparência

Somente a transparência total nos livrará da corrupção.

RENZO ORLANDO

renzoorlando@uol.com.br

São Paulo

*

PODER LEGISLATIVO

Prazo de validade

O Conselho de Ética (!) e Decoro (!) Parlamentar da Câmara dos Deputados decidiu que crimes cometidos até cinco anos antes da posse do criminoso perdem a validade. Esse é o Legislativo que qualquer republiqueta de bananas merece.

NELSON PENTEADO DE CASTRO

pentecas@uol.com.br

São Paulo

*

História política

Sólon, que viveu muitos séculos antes da nossa era cristã, portanto, há mais de 2 mil anos, foi quem, sozinho, redigiu toda a legislação da Grécia. Daí ser ele até hoje chamado de "pai da democracia". Suas leis inspiram a maioria das leis que vigoram até hoje no mundo inteiro, admirável! Como é possível que o nosso Congresso, com mais de 600 legisladores, produza tanta insensatez?

GERARD BANNWART

ggjb87@gmail.com

São Paulo

*

DENUNCISMO

Eis a volta do verdadeiro denuncismo sem justa causa. O PT parece ressuscitar seu modus operandi de tentar desqualificar seus adversários políticos com fins escusos. Já vivemos essa historia no tempo do PSDB no governo, quando um tal funcionário do Ministério Público (MP) fazia denúncias vazias a toda hora, mas o tempo se incumbiu de desmoralizá-lo, e hoje permanece no ostracismo. Essa investida sobre Gilberto Kassab já é manobra manjada. Fiquemos de olhos bem abertos, a Prefeitura de São Paulo merece. Fora, "trapalhões".

 

Leila E. Leitão leilaelston@uol.com.br

São Paulo

*

UM TIRO, DOIS ALVOS

Que maravilha! Os articuladores desta farsa contra Kassab tentam nos provar que a Controlar é desnecessária porque só existe inspeção veicular na cidade de São Paulo. Se fosse assim, até hoje não teríamos a obrigação do cinto de segurança nos veículos valendo para todo o Brasil... só porque começou em São Paulo. Muito bem, um juiz sequestrou os bens de Kassab, do secretário Eduardo Jorge, do Meio Ambiente, e de 19 empresários e empresas... Nada contra. Mas quando é que um juiz vai se mover para sequestrar os bens de Palocci, Vacarezza, Wagner Rossi, Genoíno, Delúbio, João Paulo Cunha etc... hein? Direto e reto: esta ação contra Kassab não passa de uma tentativa de inviabilizar uma possível aliança de seu partido com o PSDB, já visando à campanha de 2012 para a Prefeitura de São Paulo. Mais uma vez, por vias tortas os petistas tentam atingir seus fins!

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

‘MODUS OPERANDI’

Kassab é processado. Pelo tamanho da artilharia, percebe-se nitidamente as digitais de um certo partido por trás das “denúncias”. O modus operandi não muda nunca.

 

M. Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

ABERRAÇÕES

Mais uma vez, vem a público, trazido pelo MP, conluio entre a CCR, empresa constituída pelas grandes empreiteiras através de sua integrante Controlar e os governos Estaduais e do município de São Paulo para acessar o bolso do contribuinte paulista seja de que modo for, agora através da prestação de serviços ilegais (permitir o acesso a dados sigilosos) por parte do Detran-SP à citada empresa com  a intermediação da Municipalidade paulistana. Já temos aberração semelhante com a tal "fiscalização fotográfica" em rodovias "exploradas" pela máfia da CCR (MP vamos verificar o equilíbrio econômico/financeiro do contrato? Não parece viável que com a economia como esta e com a valorização do real ante o dólar os pedágios da CCR aumentem mais que a inflação o que causa desequilíbrio no contrato em detrimento do cidadão, pois o retorno financeiro do projeto original tem grande probabilidade de ter sido artificialmente aumentado para locupletar as burras da empresa e de seus diretores) onde ou polícias rodoviários o se acomodam em sedes da CCR, gerando o tal conluio, ou a Empresa fiscaliza o trânsito sem ter legalidade para isso. Quando teremos o devido disciplinamento deste poço de maracutaias denominada CCR, quando os governantes vão proceder de forma escorreita nos Estados onde atua a CCR, revisando rigorosamente suas concessões não permitindo verdadeiros atos de "lesa cidadão" como o pedágio que surgiu de alteração da praça inicial na rodovia Castelo Branco (SP 280), onde sob o beneplácito do governo estadual foi modificado o acesso original ao Rodoanel para dadivar a CCR (Via Oeste) com um pedágio escorchante para se transitar por 6 km, em área urbana para se acessar dito Rodoanel? Com a palavra, o MP.

Reinaldo Jose Barbosa Liam barbosalima_br@yahoo.com.br

Guarulhos

*

COM A PULGA ATRÁS DA ORELHA

O Ministério Público disse  que o contrato  da prefeitura com a Empresa Controlar é uma farsa, porém Gilberto Kassab diz não ter medo de ser cassado... Será?

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

INSPEÇÃO VEICULAR

A despeito das recentes noticias sobre as irregularidades na contratação da empresa Controlar para execução de inspeção veicular, nada se disse sobre irregularidades sob o ponto de vista técnico, onde também a responsável peca por adoção de critérios errôneos e sem observação das normas estabelecidas para aferição dos níveis de emissão e de ruído. Quanto às emissões, no momento da inspeção os supostos técnicos responsáveis obrigam que os veículos mantenham-se ligados, em marcha lenta, antes da medição, o que a compromete, pois naquela condição a baixa lubrificação do motor faz com que haja acumulo de óleo, o qual é queimado junto com o combustível, e intercalam altas acelerações levando à queima irregular do mesmo, obviamente adverso à combustão regular do motor a explosão em marcha de cruzeiro. Em respeito a ruído, a medição é efetuada em local diverso, porém próximo aos postos de medição de emissões, onde estão de quatro a oito veículos em funcionamento continuo, e o mais grave, que o teste é feito com o veículo parado, contrario ao exigido pela norma ABNT ISO 362-2009, a qual determina que o teste deva ser feito em condições normais de rodagem urbana ou em estradas entre 50 e 70 Km/h, além das normas ABNT 9714 e 8433. O parâmetro aparentemente adotado remonta à especificação do fabricante do veiculo a qual é aferida com o veiculo sobre dinamômetro rodante que simula o mesmo em movimento nas velocidades acima referidas. A aceleração do motor com o veículo parado nas mesmas rotações quando em rodagem é bem diferente daquelas. Além do mais não se pode admitir que um carro esporte, um caminhão de alta tonelagem emitem ruído de volume similares, o que demonstra que o parâmetro praticado é insustentável.

Geraldo C. Meirelles gmeirelles@prmurray.com.br

São Paulo

*

KASSAB X SANTA CASA

Kassab e seus sócios alegam que “salvaram” 250 vidas com a inspeção ambiental em 2010.  Pergunto com os R$ 1,2 bilhão anuais arrecadados, quantas vidas teria salvado a Santa Casa de Misericórdia? 25 mil?

Gattaz Ganem gattaz@globo.com

Carapicuíba

*

CONTROLAR

Gilberto Kassab insiste em afirmar e argumentar que a contratação da Controlar é "legal". Gostaria de saber se alguém pudesse imaginar a possibilidade dele mencionar que tenha sido "ilegal". Portanto, à população da cidade de São Paulo só posso dizer: tomem!

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

INSPEÇÃO VEICULAR, UM BOM NEGÓCIO

Não sei se foi correta a escolha da Controlar,desde quando começou este projeto, tem que se investigar. Agora que é um bom negocio, é só observar, falei com um cidadão sobre isto, quando passei pela inspeção. Deve existir uma briga muito grande nos bastidores para tomarem este negocio para si.

 

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

*

OVOS DE OURO

Estava na cara que havia algo estranho na relação entre o governo do Estado, Prefeitura e a Controlar... A Controlar dá tanta grana que foi comprada pela CCR (Camargo Correia), a maior doadora nas campanhas para o governo do Estado e Prefeitura.

Antonio Carlos Ciccone cicconeac@hotmail.com

São Paulo

*

EMPENHO DO MP

O acontecido com a Controlar é o óbvio. Aliás, previ essa situação, há um bom tempo, aqui neste Fórum. Só não entendo porque há dez anos faço denúncias sobre a  concessão de rodovias do Estado de São Paulo, hoje propriedade, em grande parte da mesma CCR, e não consigo, mesmo após muita insistência, uma dedicação efetiva do Ministério Publico sobre a questão.

Orivaldo Tenorio de Vasconcelos professortenorio@uol.com.br

Monte Alto

*

PSD

Desconhecia que o dinheiro que gasto com a inspeção veicular estaria  financiando a criação de partido político.

Carlos Alberto Duarte carlosalberto@ibg.com.br

São Paulo

*

AS TAXAS

Lá e cá, já se sabia o que o Kassab fazia.

 

Mara Fonseca Chiarelli mara.chiarelli@ig.com.br

Mogi Guaçu

*

CONTAMINAÇÃO NA BACIA DE CAMPOS

O governo não tratou o problema do vazamento de petróleo na bacia de Campos provocado pela empresa Chevron como a situação exigia e com certeza continuará empurrando com a barriga o problema como se nada tivesse acontecido. Aplicando multas de baixíssimo valor que compensará aos outros exploradores continuarem sem criar sistemas eficientes de prevenção de acidentes. Todos nós sabemos que qualquer gasto extra implicará a redução de lucros das empresas exploradoras e somente uma política séria exercida pelo governo brasileiro que doa no bolso das empresas resultará em atitudes que inibam ao máximo acidentes. Enquanto atitudes sérias não vêm do Governo Federal desejo de coração que todo o peixe consumido em Brasília venha da área atingida, porque a contaminação nos peixes e moluscos será iminente proporcionando grande perigo a saúde dos consumidores brasileiros.  

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

PIZZA

A Chevron declarou culpa no vazamento do óleo em Campos e ficou demonstrada a total falta de condições para conter o mesmo. Assumiu a culpa e pediu desculpas. Foi multada pela ANP, num valor que nem cosquinha faz em sua conta bancária, e agora pede para a ANP reconsiderar a multa. Sinceramente, alguém acredita, piamente, que isso vá dar em alguma coisa? Acreditam em Papai Noel também?

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CHEVRON X PETROBRÁS

Se todo o rigor usado contra a Chevron, uma das maiores exploradoras de petróleo do planeta, se estendesse também a Petrobrás,  o povo brasileiro saberia entender melhor porque nossa estatal há anos anda no vermelho, sem mesmo ter  perfurado poços a grandes profundidades. Será que a presidente Dilma anda consultando seu admirador venezuelano Hugo Chávez para proibir a gigante americana de atuar em nossa águas?

Peter Cazale pcazale@uol.com.br

São Paulo

*

RISCO E FISCALIZAÇÃO

A informação de que a ANP aplica apenas 63% do pequeno valor previsto para fiscalizar as atividades de exploração e produção de petróleo é extremamente preocupante. Sabendo-se que há alto risco de vazamento em tal atividade em nossa Amazônia Azul, o mar que nos pertence – principalmente no pré-sal, com profundidades de 6 a 7 quilômetros da superfície –, é imprescindível que tal fiscalização tenha verbas adequadas e totalmente utilizadas, para se minorar os riscos que essa atividade possui, evitando-se assim tragédias ambientais de grande monta em nosso litoral ,que pode atingir desde o Espírito Santo até Santa Catarina.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

A HORA DOS ESPECIALISTAS

O acidente com o poço de petróleo da Chevron, na Bacia de Campos, pode ser considerado de pequenos danos a natureza, se comparado ao acidente ocorrido no Golfo do México. Aparentemente o vazamento foi estancado e agora começa a novela sem fim com o objetivo de identificar o culpado e determinar a punição. Uma multa de 50 milhões já foi aplicada e agora estão estudando uma multa na esfera cível que pode atingir a cifra de 20, 30, 50 bilhões de dólares, quantia que será determinada por "especialistas" que farão um estudo sobre a quantidade de baleias que possivelmente podem ter passado pela região e não ter se alimentado, portanto alguns animais emagreceram, mas quanto? Houve redução no número de crustáceos chamados krill na região? Qual foi a redução porque cada cardume pesa em média 20 milhões de toneladas. Quantos morreram? E o plâncton, como foi afetado? A verdade é que no Brasil não temos especialistas e equipamentos que possam fazer uma análise e produzir um laudo minimamente confiável sobre este acidente. Vai ser tudo no chutômetro, a Chevrom vai recorrer, ninguém será punido ou pagará multa e a ameaça vai pairar no ar. Cuidado, no Brasil as punições para quem não respeita as leis de proteção ambiental têm consequências terríveis – como começar a rir e não parar mais! São essas pequenas pessoas, pequenos especialistas, pequenos legisladores que fazem do Brasil um gigante tão pequeno...

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

QUESTÃO AMBIENTAL

O grande mal que assola e impede uma discussão séria da questão ambiental é a ousadia e o abuso sem fiscalização, de uma das partes, e o exagero e a falta de racionalidade, da outra.

 

Ulysses Fernandes Nunes Junior twitter: @Ulyssesfn

São Paulo

*

SÓ CONVENIÊNCIAS

Quando do recém vazamento de óleo na perfuração de um poço pela Chevron, na Bacia de Campos, os petistas afoitamente quase que expulsaram a empresa do País (esquecendo até que a Petrobrás é sócia dela) por um desastre ambiental que não se mostrou tão grave assim! Mas, para manter no cargo gente da laia de um Carlos Lupi, que entre outras ilicitudes já denunciadas também foi funcionário fantasma na Câmara de 2000 a 2006, e agora o Mário Negromonte, da fraude em obra para Copa de 2014, a própria presidente Dilma e o PT dão as costas para a Nação, como se os estragos éticos que estes estão cometendo fossem insignificantes...   Por essas e outras que, as nossas instituições nesta era petista, perderam sua essência ética e dos bons costumes! E sabe Deus, quais ainda os malfeitos que nos esperam até 2014...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

BOFETADA ESTRIDENTE

Qualquer análise menos profunda nos leva a uma conclusão. Existe total similaridade entre os bandidos Barba Negra, Lancaster, Cavendish, Morgan e, mais recentemente, o bucaneiro das telas, Jack Sparrow. Todos os citados, em épocas diferentes, foram os mais temidos ladrões que aterrorizavam os sete mares. A mentira, a dissimulação, a covardia, tem sido a marca inata desse governo que, numa democracia autêntica em que os três poderes tivessem sua independência, não estaria acontecendo a zona política atual. Bucaneiros modernos se instalaram no governo. Uns, denunciados, se demitiram. Não perderam seus cargos políticos, não devolveram o produto da pilhagem. Enquanto isso, nota-se que não há coragem da presidente, que está ocupando a cadeira apenas como fiel depositária para a volta do molusco. Uma frase lapidar do deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) traduz a situação atual: “O ministro (Lupi) fica porque ele quer ficar, e porque a presidente quer que ele fique”. Isso é uma estridente bofetada no rosto dos brasileiros e uma certidão autenticada da incompetência que governa 190 milhões de brasileiros. Exército sucateado, intimidado pela ''Comissão da Verdade'', Executivo abduzindo Legislativo e Judiciário, a oposição tropeçando nas suas próprias incoerências. Gente, o elástico está se esticando.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

ESPÍRITO NATALINO

Não adianta insistir, Dillma só demite ministro corrupto que confesse expressamente e reconheça firma. Em sua concepção, são mais puros que as vestais. Papai Noel existe.

José G. Oliveira mandarino-oliveira@uol.com.br

Praia Grande

*

JACA

Presidente Dilma, quando é que a jaca (pesadão) vai cair?

Paulo Cesar Zorzenon

Ipeúna

*

AVISO PRÉVIO

Incrível o que acontece com o ministro Carlos Lupi. À medida que crescem os relatos de seus "malfeitos" (corrupção e roubalheira, no vernáculo popular) a presidente Dilma declara que vai esperar a reforma ministerial do próximo ano para removê-lo do Ministério. Jamais em alguma empresa privada, algum acusado (com provas robustas) de roubo ou desvio de dinheiro recebeu um "aviso prévio" tão longo  deixando ao acusado o uso pleno do ministério do trabalho para, segundo suas conveniências prover alguns acertos, convênios e sabe-se lá o que mais. Em outras palavras, o ministro Carlos Lupi tem ainda 90 dias para providenciar a sua  "Indenização" e seu "Fundo de Garantia" para as próximas eleições ou sua aposentadoria financeira. Só mesmo nesse (des)governo carente de talentos e de caráter.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

MAR DE LAMA

Após tantas denúncias de corrupção, envolvendo inclusive a FAB, fica bem claro o motivo que levou o ministro Lupi a declarar em tom desafiador: "saio só a bala". É evidente que uma afronta dessa só é feita quando se tem conhecimento do mar de lama que envolve o entorno... todos, de cima para baixo, estão coniventes e usufruindo das facilidades e falcatruas que existem no setor público. Fica evidente também a falta de poder da presidente Dilma. Do jeito que as coisas vão, não existe eleição que vá resolver!

 

José Carlos Costa policaio@gmail.com

São Paulo

*

PINÓCHIOS

Os governos do PT mais parecem uma oficina do Geppetto, aquele criador do Pinochio, pois de A a Z só tem mentirosos e cara de pau. 

 

Carlos Roberto Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

*

ARTISTA

O "cara" é demais, além de interpretar ó Pinóquio, ainda faz muito bem o papel do Gasparzinho, o fantasminha "camarada" (da Dilma né). Aliás, será que só com "currículos" como esses se ganha um cargo como ministro neste governo?

 

Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca

*

INDIGESTO

Com a nova denúncia de que o sr. Carlos Lupi teria sido funcionário fantasma da Câmara dos Deputados entre os anos 2000 e 2006, haverá risco de um surto de enjôo estomacal na sociedade brasileira e a implantação do projeto "Bolsa Náuseas" será muito bem-vindo para se adquirir remédios mais em conta.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

TRANSLÚCIDOS

Mantendo ministro um funcionário-fantasma, Dilma demonstra na escolha a transparência dos mesmos.

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

LUPI, FANTASMA NA CÂMARA

A impressão que resta depois de reveladas as maracutaias do seu ministério, as falcatruas da sua história e o total despreparo demonstrado em suas justificativas, é a de que o governo federal foi tomado de assalto por um bando de desqualificados, que através da força e da chantagem, continuam se mantendo no poder, em detrimento das pessoas de bem, que se sentem incapazes de direcionar o país no caminho da decência e da ética.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

LIXO ACUMULADO

Dilma Rousseff não mostra interesse em acabar com o assalto ao dinheiro público, senão teria escolhido ministros melhores, reduzido e não aumentado o número de ministérios. EUA, Alemanha e França têm 15 ministérios; o Chile, 20; e a Índia, 13. Por que o Brasil precisa de 38? Metade do País não dispõe de água e esgoto tratados e a saúde pública é um desastre. Não tem faxina nenhuma e o lixo não para de se acumular. Lupi que o diga.

Carlos Iunes carlosiunes@bol.com.br

Bauru

*

REFORMA MINISTERIAL

Uma dona-de-casa foi à feira e comprou diversas laranjas na barraca de um feirante velhaco, mas que era amigo seu. Ao chegar em casa, depois de repassá-las para a fruteira, percebeu que algumas delas estavam bolorentas e podres. Após muita vacilação, as frutas imprestáveis foram descartadas pela dona-de-casa e jogadas na lixeira. Exceto duas, que foram mantidas na fruteira, em decorrência do seguinte pensamento absurdo, da claudicante administradora do lar: “vou resguardar essas duas laranjas podres e, mesmo com a possibilidade da podridão se espalhar pela fruteira, eu só vou descartá-las quando comprar novas laranjas, daqui há algum tempo.” Que o perspicaz leitor tente encaixar, nessa “história das laranjas”, a presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula, os encalacrados ex-ministros do governo Dilma e os atuais, especialmente o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, e o das Cidades, Mário Negromonte e, por fim, a reforma ministerial prevista para 2012.

 

Túllio Marco Soares Carvalho

Belo Horizonte

*

OSCAR AO MINISTRO

Ver o ministra das Cidades, Mario Negromonte, chorando e dizendo ser vitima de discriminação por que é nordestino é bem o feitio desta administração. Na verdade ele deveria receber um Oscar pela sua atuação como ator! Para o PT e seus comparsas, tudo que a imprensa denuncia é discriminação contra os nordestinos ou por parte das “elites”. Vamos para com esta historia irresponsável , que o Lula sempre utiliza, de jogar nosso povo uns contras outros, o povo esta unido para acabar com a corrupção, seja lá de quem for ou de que estado for. Este ministro  roubou 200 milhões de habitantes e tem de pagar pelo seu crime, não perdendo só o cargo, mas devolvendo seus bens para a nação investir em educação, saúde e segurança. MP trabalhe e coloque mais este corrupto atrás das grades e vamos processá-lo por declarações irresponsáveis e racistas!

Luiz Claudio Zabatiero zabasim@ig.com.br

São Paulo

*

PRECONCEITOS

Diante da acusação feita aos sulistas, por discriminarem os ministros e que tais do Norte e Nordeste, tomo a liberdade de ora em diante, de chamar Negromonte de "afrosecendentemonte"... Quem sabe clareia as ideias e ideais, não?

José Jorge Ribeiro da Silva jjribeiros@yahoo.com.br

Campinas

*

CORRUPTOS

Sou do Sul (Paraná) e afirmo, categoriacamente, ao Sr. ministro Negromonte que nós sulistas não temos preconceito algum dos nortistas e/o nordestinos, o que temos mesmo é repúdio e ódio dos corruptos. Será que agora o Sr. ministro entende o motivo do "preconceito"? Ah! estou triste pelo vosso "choro", ministro!

 

Gilberto Jordão gilbertojordao@onda.com.br

Maringá (PR)

*

DOR DE COTOVELO

Mais uma vez destila-se o ódio gerado pela inveja e a dissimulação (Negromonte chora e ataca... e Wagner vê ciúme da Bahia, 26/11, A4). Sr. quase ex-ministro das Cidades, por promover "mal-feitos"( mal-feitos só os fazem os malfeitores...): os sulistas não tem preconceito contra nordestinos, senão não estariam, ha séculos, gerando riquezas para todo o Brasil e vê-las dilapidadas, quando repassadas pelo governo federal, principalmente nos esgotos da corrupção e da ladroagem dos sucessivos governantes do Nordeste que mantêm os seus cidadãos pobres cativos de suas esmolas. Aqui, mais ao sul do Brasil, nós não toleramos é safadeza. Para o governador e quase ex-ministro baianos: o que vocês no seu estado nunca fizeram, pois só tem capacidade para meter a mão em recursos (governantes) e chorar miséria (povo), sabem quem está fazendo? Não?! Basta abrir o Estadão de 26/11 (página B30) e constatar: Migrantes sulistas..., enquanto a "prefeitura" do lugar só propicia aos agricultores estradas de barro e produção de artesanato (...) que não se vende. Aprendam com os sulistas  que  migraram  para  a  Bahia para desenvolver o lugar , não para pedir e viver de esmolas. Chega de cuspir no prato em que sempre comeram.

Ricardo Hanna ricardohanna@bol.com.br

São Paulo

*

CRIATIVIDADE

Ministro Negromonte merece ganhar o prêmio Pinóquio de criatividade, ao explicar que aumento de custo  de obra pública, no montante de  R$ 800 milhões deve-se a opiniões divergentes de técnicos de seu ministério.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

EU TENHO PRECONCEITO!

Eu sou mesmo preconceituoso, e daí, sr. ministro Negromonte?! Mas não tenho em absoluto preconceito algum contra negros, gays, nordestinos, estrangeiros, corintianos (risos) ou qualquer tipo de pessoa boa e honesta, com uma única exceção: corruptos!

Desses eu quero distância e os desprezo com todas as minhas forças. Qual o problema? Vestiu a carapuça?!

 

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

São Carlos

*

CHORO

Pobre Brasil com tanta desfaçatez de nossos políticos, e assim noticiado em outra irregularidade (A4 Estadão 26/11/11), agora a justificativa  é o preconceito contra os nordestinos. Se o ministro das Cidades, Mario Negromonte está cônscio de sua probidade e moralidade pública, porque "llorar"?

 

Anízio Menuchi amenuchi@uol.com.br

Praia Grande

*

CORRUPÇÃO, POLÍTICOS E RELIGIÃO

“Nenhum Estado é por si só moral e nenhum partido está imune à corrupção pela graça divina” (FHC). A mídia religiosa deve estar atenta ao uso impróprio da religião por políticos inescrupulosos, revendo seus princípios originais que é o de resgatar os valores ético morais da família, pregando a fé, evangelizando e afastar a ideia de que visa somente o lucro. A TV Católica Canção Nova estreou neste começo do mês de novembro um programa chamado “Justiça e Paz” apresentado pelo Deputado Edinho Silva, presidente do PT Estadual, tendo como convidado especial o Deputado Gabriel Chalita (pertenceu ao PSDB, PSB e atualmente no PMDB), que já tem programa na Canção Nova. A mídia católica, em geral, precisa se proteger da manipulação da religião por políticos, não confiáveis, que estão apenas buscando dividendos eleitorais, clientela eleitoral, escondendo-se sob o manto protetor da religião. As igrejas evangélicas pentecostais, a exemplo da Igreja Universal do Reino de Deus, do bispo Edir Macedo, Marcelo Crivella (PRB), são potências empresariais, no campo da mídia eletrônica. As igrejas cristãs têm que separar os políticos corruptos dos políticos íntegros, dotados de religiosidade e de fé verdadeira, porque estes não praticam a corrupção. A realização dos políticos não pode ser o sucesso fácil, nem os ganhos materiais e o poder, mas sim a vontade de servir ao povo com justiça e recusar a injustiça. Até Jesus foi tentado pelo diabo que lhe ofereceu todos os reinos do mundo em troca da sua adoração, que foi expulso por Deus. Que Deus nos proteja da corrupção.

Cleiton Rezende de Almeida cleiton_rezende@uol.com.br

Araraquara

*

VLT X BRT

Embora com atraso, não entendi a crítica do leitor Sr. Manoel S. de Araújo Pedrosa (Fórum dos Leitores, 25/11) em relação à reportagem do Estadão mencionando irregularidades no Ministério das Cidades, especificamente sobre as adulterações no projeto sobre transporte coletivo em Cuiabá, visando a Copa de 2014. O leitor defende veementemente o Projeto do veículo leve sobre trilhos (VLT) em relação a uma via de ônibus (BRT). Na minha opinião, a reportagem não  faz comparações entre os 2 sistemas de transporte viário. A reportagem fala sobre adulteração de documentos que, inicialmente previa o sistema BRT, para VLT, com custo adicional de mais de R$ 700 milhões. Esses R$ 700 milhões adicionais, facilmente vai dobrar ao término da obra.

Portanto, menciona, além da adulteração de documentos, superfaturamento de obra. Quem vai pagar essa roubalheira é o povo. O VLT, mesmo sendo um sistema de transporte coletivo mais moderno, pode não ser adequado para determinadas cidades, em função de sua densidade demográfica, volume de veículos particulares em circulação e limitações de orçamento da Cidade ou do Estado. Falar em VLT, por exemplo, em cidades da Amazônia, é totalmente absurdo, mesmo sendo um sistema mais moderno que o BRT. A reportagem menciona custos de construção de um sistema VLT em algumas cidades no Exterior.

Por exemplo, na cidade de Lyon (França), o custo de implantação foi de US$ 18,9 milhões/km linear. O custo do VLT em Cuiabá que está sendo empurrado para a população, contrariando projeto inicial, está orçado em US$ 40 milhões/km linear. É mais que o dobro! Estamos falando de uma cidade da Europa cuja mão de obra é pelo menos 4 vezes maior que a do Brasil! É em relação essa roubalheira que a reportagem chama a atenção, além da adulteração de documentos. O povo brasileiro não deve aceitar esses políticos corruptos e deve botar para a rua todos eles. Não é correto que o dinheiro que o povo recolhe via pagamentos de diversos tributos seja utilizado com a finalidade de enriquecer meia dúzia de empreiteiras, mediante superfaturamento e para abastecer políticos desonestos via caixa 2.

Yoshimi Shimamoto yoshimi_shima@yahoo.com.br

São Paulo

*

VEÍCULO LEVE SOBRE TRILHOS

Quando eu estava estudando Engenharia os professores me ensinaram que o Engenheiro é aquele que faz por um dólar quando os outros fazem por US$ 5. Este principio era válido naquele tempo em que não existia PT, PMDB, PP et caterva. Hoje tem um novo fator a se considerar- o caixa dois, invenção dos citados partidos.

Ronald Martins da Cunha ronald.cunha@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

O CRIME NO BRASIL COMPENSA...

Os legisladores e as autoridades brasileiras administram a política criminal às avessas, em relação a de outros países, onde, a desordem, os pequenos delitos e as contravenções são consideradas as responsáveis pelos grandes crimes. É o que está acontecendo no Brasil. Aqui se fala em esvaziar as cadeias, usando a filosofia do perdão de pequenos delitos. Ao contrário, o rigor na punição tem como conseqüência direta o temor por parte dos bandidos. Sabendo que seriam presos pelo tempo que a lei determinar, os bandidos ficariam inibidos da prática criminal. A partir do dia 5 de julho, a Lei 12.403/2011 beneficiou os bandidos que praticarem furtos simples, formação de quadrilha, porte de arma de fogo, apropriação indébita, ato obsceno em local público. Além destes, beneficiou o homicídio culposo no trânsito, cárcere privado, contrabando, armazenamento e transmissão de fotos de pornografia de criança, receptação, violação de direito autoral, bigamia, falsidade de atestado médico, resistência à prisão, desacato, corrupção de menores, comercialização de produtos agrotóxicos sem origem, destruição de bem público, entre outros. Diante disso, as portas para os crimes violentos ficaram escancaradas. E o crime no Brasil compensa. Somam-se ainda a progressão de pena e indultos de Natal, ano-novo e Dia das Mães etc. De acordo com a estatística, nos Estados Unidos 2 milhões e 300 mil encontram-se atrás das grades. A política criminal tem de ser modificada urgentemente, caso contrário o povo de bem não poderá sobreviver no Brasil. Não é soltando bandido para esvaziar as cadeias que irá solucionar o problema criminal. Punição severa é que inibe o crime, pois o bandido irá pensar mais de uma vez se o crime irá compensar. A s leis soltam os bandidos para que continuem praticando mais crimes e os mais violentos.

Antônio Dias Neme antonio.neme@superig.com.br

São Paulo

*

MOTORISTA LINCHADO

Não vai ser fácil para nossas autoridades chegarem aos responsáveis pela barbárie perpetrada, contra o infeliz motorista (29/11, C4). Razões estritamente sociais, é que não permitirão o devido zelo, na condução das investigações policiais. Primeiramente pelo número de irracionais que participaram do crime, segundo, pela decantada "diferença entre classes sociais" – se assim podemos chamar – dos jovens participantes da reunião funk, entre bebidas e drogas, conforme relato dos vizinhos. Esta é a realidade da quase totalidade das nossas cidades, jovens oriundos de uma periferia desprovida de espaços próprios para entretenimentos, deslocam-se para outros pontos das cidades, para infernizar a vida de moradores, transeuntes e comerciantes desses locais. A ferida social está escancarada, mas quem pagou com a própria vida, esta insólita manifestação desumana, aguarda no além, a justiça, que aqui, agora, é quase impossível.

Aloisio Arruda De Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

*

MOTO BRANCA E COLETE PRÓPRIO

A Prefeitura de São Paulo acaba de anunciar, pela enésima vez, algumas medidas para tentar organizar a atividade dos motoboys.

Porém, lamento informar que isso também não vai funcionar, muito embora seja o ideal. Afinal, é preciso muito mais do que retirar as mochilas, mudar a cor das placas, instalar baús e usar capacetes e cores para tentar, minimamente, ordenar o tráfego caótico dos motoboys na capital. E não podemos nos esquecer de muitos motociclistas, com suas máquinas poderosas, que transformaram nossas ruas, avenidas e estradas em pistas de corrida. Antes de qualquer coisa seria necessário encontrar um meio de obrigar a grande maioria dos motociclistas que circulam pelas nossas cidades a fazer duas coisas absolutamente básicas : respeitar os demais cidadãos e as leis. Estes itens, sim, é que estão em falta no momento, porque o desrespeito é total e nada nem ninguém consegue fazer qualquer coisa a respeito. Só isso já seria suficiente e traria grande tranquilidade à população. Será que os motoqueiros não podem ser obrigados a trafegar regularmente, respeitando as leis de trânsito e os demais motoristas? Será que a fiscalização não pode fazer nada para dar conta deste problema? Será que os motoqueiros, tirando as exceções de sempre, deixarão um dia de ser os fora-da-lei? São as perguntas que ficam no ar.

Francisco Antonio Bianco Neto franciscoabianco@uol.com.br

São Paulo

*

PEDESTRES DESPREPARADOS

Caro prefeito Gilberto Kassab, venho por meio desta dizer-lhe que temos elogiado tudo o que o Sr. tem feito por São Paulo. Só estamos contra uma coisa: a lei das faixas de pedestres, porque os pedestres não estão ainda preparados para este tipo de lei. Eles estão abusando demais. Na Avenida Paulista, o sinal fecha para eles, mas eles não obedecem e, achando-se donos da cidade, atravessam. Eu, que sou motorista há 40 anos e nenhum acidente deixei acontecer, mesmo trabalhando na cidade mais complicada do mundo, de 12 a 16 horas por dia, tomei umas multas injustas e pergunto: O que vamos fazer numa cidade com milhares de faixas, sem o boneco vermelho e verde para o pedestre? Qual é a segurança que vamos ter parados altas horas da noite numa faixa? Porque neste horário podemos ser iscas para assaltos ou sequestros. Qualquer cidadão paulistano, em Campinas, que eu conheço bem, vê que as câmeras de sinal são desligadas, isso para evitar assaltos. Pois bem, prefeito, eu queria que o senhor viesse ver o que fazem os pedestres no cruzamento da Avenida Paulista com a Rua Augusta. Nós não sabemos como trabalhar, porque só vimos o CET de talão na mão, olhando para nós, essa é a verdadeira realidade. Pedimos socorro em nosso favor. Teria o maior prazer em lhe encontrar pessoalmente para que o senhor pudesse ver a grandeza da minha intenção. Poderei dar-lhe alguns palpites, se o senhor permitir. Pedestres também são motoristas, então será que isso também não vai pesar para eles? Quero sua ajuda e fico grato pela atenção.

Getúlio Nunes Vieira

São Paulo

*

NATAL SEM ÁLCOOL

Estamos próximos ao quarto natal da Lei 11.705 de 19 de junho de 2008 – Lei Seca. Podemos comemorar sua eficácia, mesmo que contida pela, relativamente tímida, verba destinada a essa campanha. Relativamente pequena, em face do bem tutelado ser a vida, pois o trânsito mata! Pela primeira vez houve uma grande repercussão acerca da direção alcoolizada. Essa lei já está de parabéns só de propagar a reflexão do povo brasileiro sobre um tema de tão grande relevância, provocando a elevação do nível de consciência individual, ainda que através da polêmica que veio à baila em relação ao seu cumprimento. Após o primeiro choque da implantação, hoje, já estamos acostumados e cientes das sanções impostas àqueles que insistem em cometer o crime de beber e dirigir. Isso criou um ambiente propício ao novo projeto que tramita no congresso para tornar a lei mais efetiva e rigorosa com a “tolerância zero”, onde qualquer teor alcoólico será considerado crime. Atualmente a criminalização só ocorre quando excede 0,6 ml/l de sangue ou 0,3 mg/l de ar alveolar pulmonar, entretanto abaixo disso já está passivo de procedimentos administrativos como aplicação de multa e retenção da habilitação. A queda no numero de acidentes auferido pelo Registro Nacional de Acidentes e Estatísticas de Trânsito (Renaest), bem como a sensível diminuição nos gastos com a saúde segundo o Sistema Único de Saúde (SUS), do Ministério da Saúde, demonstram a necessidade do rigor na Lei e continuidade na fiscalização, pois sem esta ultima a Lei é apenas um pedaço de papel. Alguns argúem o fato da obrigatoriedade, o que é natural, pois seria inviável o convívio em sociedade se não houvesse algo capaz de conter as paixões humanas exacerbadas, fazendo prevalecer a máxima de que o direito de um acaba quando começa o do outro. Lembremo-nos que o Estado tomou para si a tutela das pretensões resistidas e, por isso, o Direito é coercitivo devendo assim permanecer. Alguns indivíduos alegam, no momento em que é fiscalizado, a frase: “ninguém é obrigado a produzir provas contra si mesmo”, neste caso, só ratifica a tese de que está sob a influência de álcool, do contrario, realizando o teste, não faria prova alguma. Podemos comparar ao homem que se nega a realizar teste de DNA, há muito tempo a lei presume paternidade em caso de recusa. Com efeito, não há em toda a Constituição Federal essa vedação expressa, sendo então mera interpretação extensiva do princípio da presunção de inocência e do Pacto de São José da Costa Rica, que por sinal é desprovida da força constitucional dada pela emenda nº45, vez que aprovada, pelo congresso, em dois turnos, por três quintos dos votos dos respectivos membros. O que mais se assemelha a isso é o art. 5º, II, da nossa carta magna de 1988, que diz: “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”. Está muito claro que a coação a que o referido artigo repudia é aquela feita ilegalmente. Insta observar que a constituição deve ser lida como um todo, um só espírito, norteada pelos princípios basilares, entre eles a supremacia da sociedade e o direito à vida. Outros aduzem estar sendo privado do seu direito de ir e vir. Ora, a lei não proíbe beber nem dirigir, mas sim, a combinação de ambos. O que fica retido é o veículo, que, salvo melhor juízo, não admite cerceamento de liberdade – trata-se de objeto inanimado. Vamos torcer por um Natal sem a perda de parentes pelo álcool este ano. Não podemos continuar temendo sair e não mais voltar, principalmente em período festivo. O legislador ao elaborar e citada lei, cumpriu o seu papel constitucional, preocupando-se com aquilo que a Carta Magna mais protege – a vida, e, se conseguirmos, através da fiscalização, legitimada pela “Lei Seca”, retirar de circulação um veículo que seja, guiado por um motorista embriagado, salvando tão-somente uma vida, já valeu todo esforço. Uma vida não tem preço e não é substituível, ela é única e pode ser a nossa.

Adalton Araújo Dórea dal_milico@hotmail.com

São Paulo

*

COMITÊ DA COPA 2014

Ronaldo Fenômeno presidirá o Comitê Organizador da Copa de 2014. Dará outro show de competência dessa vez sabendo escolher pessoas sérias e honestas para mais essa que será outra grande jornada sua. Sucesso, Ronaldo, milhões de pessoas acreditam em seu trabalho, tenha certeza disso.

 

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

POBRE FUTEBOL

Lamentável que a CBF tenha chamado Ronaldo 'Fenômeno' para o Comitê da Copa do Mundo de 2014, no Brasil, e Andres Sanchez para ser 'diretor de seleções'. É o tipo do convite comprometedor e que deveria ser recusado. A CBF do eterno 'cartola' Ricardo Teixeira virou sinônimo de corrupção e bagunça. Teixeira é acusado da prática de fraudes, crimes e enriquecimento ilícito pela imprensa internacional. Ronaldo corre o sério risco de comprometer sua imagem e de se desmoralizar ao se associar a essas pessoas. Triste ver o futebol brasileiro ser conduzido por dirigentes desse tipo. Pobre futebol brasileiro, tão rico dentro de campo e tão pobre fora dele.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

INTELECTUAIS

Sr. André Sanchez, diga-me com quem tu andas, e eu direi quem tu és...

 

Geraldo Macias Martins maciasfilho@hotmail.com

Catanduva

*

NA BALANÇA DOS GASTOS

O que pode ser mais útil para o povo brasileiro? Os políticos discutem a construção de transporte público em Cuiabá, implantar um sistema de linha rápida de ônibus (BRT) com custo de R$ 489 milhões ou um sistema de veículos leves sobre trilhos (VLT) de custo estimado de R$ 1.2 bilhÃO, enquanto em São Paulo todos aceitam sem qualquer questionamento, e com imensas renúncias fiscais, a construção de mais um estádio de futebol no valor de R$ 1 bilhão. Isto sim é um grande exemplo de gestão de gastos.

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br

São Paulo

*

CAMPEÃO

O Corinthians é o campeão Miojo Lamen: campeão por 3 minutos...

Delcio da Silva delcio796@terra.com.br

Taubaté

*

ALEGRIA ALVIVERDE

Como a ferramenta alviverde broxou, seu prazer será conseguir com a alheia.

Laercio Zannini

São Paulo

*

COMO SE INCOMODAM

Além de não ganhar nada – faz tempo –, o time é ridículo e medíocre, falta todo tipo de recurso, mas diz que vai dar R$ 20 mil para cada um dos seus jogadores ganhar o último jogo do Brasileirão. Vai jogar dinheiro fora, houve-se que tem "mala branca" por aí, oferecendo R$ 1 milhão só para o Flamengo empatar com o Vasco. Assim sendo o Timão pode até perder, mesmo assim será o campeão. O que era verde, agora é amarelo (amadureceu), cuidado... Pode apodrecer. Como se incomodam com o Timão, enquanto isso a sua torcida cresce e a dos incomodados desaparece, pena?  

 

Luiz Dias lfd.silva@uol.com.br

São Paulo

*

EURO EM CRISE

A zona do euro é um balaio de gatos,uma ilusão de ótica como uma miragem no deserto.Países totalmente distintos em termos histórico-culturais,econômicos e sociais,entre outras distintas características,'obrigados' a usar a mesma moeda como um novo Esperanto,numa opção ao dólar americano.A resultante desta engenharia financeira frágil e mal calculada só poderia ser a crise que se alastra como vírus sem imunizante,derrubando economias de países que há dez anos viviam à plena carga.A criação do euro foi como escalar uma seleção de futebol misturando a esmo jogadores da Primeira,Segunda e Terceira Divisão,que têm em comum tão somente o mesmo uniforme.O entrosamento é nulo,as jogadas não acontecem,as tabelas dão em nada e a bola não encontra o gol. O euro já era!

 

J. S. Decol  decoljs@globo.com

São Paulo

*

RI MELHOR

Embora com muita miséria o Brasil está bem. O que não estão bem são as economias Européia e norte-americana. Um dia é da caça outro dia é do caçador. Quem ri por ultimo ri melhor.

 

Paulo Dias Neme profpauloneme@terra.com.br

São Paulo

*

ELEIÇÕES NO EGITO

Após um longo e tenebroso período ditatorial, egípcios foram às urnas. Na primeira eleição após 30 anos de ditadura de Hosni Mubaraka, os egípcios formaram longas filas na porta dos locais de votação, com longa espera para votar. No Egito o voto não é obrigatório e mesmo sendo num dia normal, o comparecimento às urnas foi maciço. Vamos esperar que o Egito não troque seis por meia dúzia, tirando um ditador e colocando outro em seu lugar, o mesmo perigo que corre seriamente o povo da Líbia. Vamos aguardar as consequências e o tempo nos dará a resposta do que ocorrer no continente dos ditadores.

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@yahoo.com.br

São Paulo

*

‘GRAND FINALE’

Em clima de tranquilidade que surpreendeu muitos observadores internacionais, o espírito da Praça Tahrir  foi transladado para as urnas, pelas quais onze agremiações partidárias, num espectro que vai do centro à extrema-esquerda, competem pelo Parlamento egípcio. A possibilidade de fundamentalistas islâmicos ou militantes marxistas-leninistas conquistarem maioria é remota. O provável é que prevaleçam as correntes democráticas e do socialismo liberal e pluralista. Sem dúvida, um grand finale para a primavera árabe no Egito, principalmente pela defenestração da antiga e corrupta casta militar.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

VIOLÊNCIA NA SÍRIA

Como é difícil para o mundo livrar-se de canalhas. O que merece esse tirano sírio Bashar Assad, que tortura e mata, inclusive crianças? Prisão perpétua é o que merece esse fascínora desalmado. Urge uma mobilização internacional através da ONU, no sentido de afastá-lo definitivamente do poder. O Tribunal Internacional Penal terá legitimidade para julgá-lo e  aplicar-lhe as penas que lhe são merecidas.

 

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.