Fórum dos Leitores

FICHA LIMPA

O Estado de S.Paulo

05 Dezembro 2011 | 03h07

Pedidos de vista

O ministro Dias Toffoli tornou-se um fator de retardo de vários processos que tramitam na Suprema Corte. Agora o dr. Toffoli pediu vista do processo da Ficha Limpa - como já ocorre desde setembro de 2010 com todas as ações judiciais referentes às poupanças lesadas pelos planos econômicos das eras Sarney e Collor. Todos esses pedidos de vista só têm em vista atrasar, retardar todos esses processos, que ora lesam os poupadores, ora beneficiam políticos corruptos - que existem em abundância no Brasil. Por outro lado, o Supremo Tribunal agiu de maneira célere na hora de anistiar um terrorista assassino que, agora, desfruta toda a liberdade no País. Estranho, não?

BORIS BECKER

borisbecker@uol.com.br

São Paulo

*

Nunca antes...

... na História deste país se viu a mais alta Corte com tanta dificuldade para aprovar um projeto de iniciativa popular com o objetivo de iniciar o processo de moralização na política. Do jeito que as coisas vão, é de pensar na substituição da palavra povo na Constituição federal por outra que melhor defina o trato que lhe estão dando os três Poderes da República!

JOSÉ CARLOS COSTA

policaio@gmail.com

São Paulo

*

Explicação

A Lei da Ficha Limpa foi feita pelo povo porque aqui a Justiça não funciona, pois foi ela que criou a impunidade existente. Desde logo se verificou que o STF coloca entraves a essa lei. E continua a buscar "escapes" para políticos criminosos. O que motiva os ministros do STF a agirem assim, dado que o Brasil segue com elevadíssimo índice de corrupção, que não atinge somente políticos, mas os três Poderes, e em grande escala? A sociedade gostaria de ter uma explicação dos srs. ministros, se é que merecemos deixarem momentaneamente de lado a sua meritíssima arrogância.

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

Vagareza

A polêmica em torno da Ficha Limpa não tem razão de ser. A menos que o Supremo esteja em dúvida sobre a representatividade da bandidagem, que vota e elege seus pares e tem direito de se fazer representar no Congresso. Será esse o motivo? Se for, é bom lembrar que são os cidadãos de bem, e não os bandidos - eleitores ou eleitos -, que pagam essa conta, com os escorchantes impostos que são obrigados a recolher, mesmo doentes, aposentados ou até depois de mortos. Essa parcela da população está muito descontente com a vagareza da Suprema Corte nesse assunto. E o eleitor esclarecido, também.

ADILA COSTA FERREIRA

adila.costa@globo.com

Rio de Janeiro

*

Inelegibilidade

É muita cara de pau, mas muita mesmo, os corruptos tentarem alegar inconstitucionalidade da Lei da Ficha Limpa por supostamente ferir o princípio da irretroatividade. A Constituição limita-se a proibir a retroatividade da lei penal e, evidentemente, a inelegibilidade não constitui pena.

CONRADO DE PAULO

conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

*

CORRUPÇÃO

Presente de Natal

A presidente Dilma Rousseff perde oportunidades e tempo, que são preciosos, para limpar o País, tão infiltrado pela corrupção. Tantas são as evidências de má conduta no Ministério do Trabalho e as mentiras e grosserias do ministro Carlos Lupi, e ela ainda hesita em exonerá-lo... O que é mais importante, presidente, a base aliada, que durante seu primeiro ano de mandato só trouxe corrupção e desonra ao seu governo, ou os 55 milhões de brasileiros que puseram a senhora no Planalto? Por enquanto, estão acreditando que a senhora está disposta a fazer a faxina que tanto se propala. Brincadeira com dinheiro público não tem perdão. Aproveite o fim de ano para nos dar esse presente.

SERGIO EDUARDO STEMPNIEWSKI

sergueistemp@uol.com.br

São Paulo

*

Brasil hoje

Estamos criando uma geração de crianças e jovens que acham que o crime vale a pena...

CARLOS JOSE BENATTI

cjbenatti@globo.com

São Paulo

*

GESTÃO KASSAB

Verticalização

Gostaria de saber quais são os critérios técnicos e de qualidade de vida que a Prefeitura utiliza para permitir o que estão fazendo com as Vilas Pompeia e Romana. São prédios e mais prédios com 25, 30 andares, sobrecarregando uma infraestrutura viária de 50, 60 anos atrás. Estão transformando esses bairros, outrora tranquilos para viver, em verdadeiros problemas de toda espécie: poluição total, ruas estreitas com grande movimento de autos, falta de locais para estacionar, perigo para caminhar e atravessar as ruas, falta de energia constante, etc. Para piorar, a CET inventou as tais rotatórias, que ninguém respeita, dificultando a travessia de pedestres.

VITOR DE JESUS

vitordejesus@uol.com.br

São Paulo

*

No limiar da honestidade

Gilberto Kassab, logo que herdou o cargo do ex-prefeito José Serra, com suas atitudes agressivas e pedantes evidenciou quem era, ou seja, uma pessoa dissimulada e falsa. Inteligente, tomou algumas atitudes de impacto que levaram o povo a acreditar que ele seria um bom prefeito. Ledo engano. Passou a nova gestão cuidando de sua vida política e de seus agregados, gastando o dinheiro do povo, de forma às vezes irresponsável, sem executar as obras necessárias para a cidade, como, por exemplo, os piscinões programados e creches. Atitudes de impacto têm sido tomadas, como contra camelôs irregulares, para chamar a atenção. É importante realçar que ele procurou, no pouco tempo que lhe sobrava para comandar a Prefeitura, cancelar e renegociar os grandes contratos, como os de merenda escolar, limpeza pública, manutenção dos relógios e marcadores de temperatura, etc. E desengavetou o seu grande negócio, que é a medição dos níveis de poluição dos veículos emplacados em São Paulo, negociando com a Controlar a exploração dos munícipes. Está muito claro para os paulistanos que é mais uma falcatrua realizada no limiar da honestidade, com sua habitual prepotência e dissimulação. Na eleição de 2012 o cidadão paulistano não deve esquecer todas essas atitudes do sr. Kassab.

HUMBERTO AFONSO FREITAS

humberto_freitas@uol.com.br

São Paulo

*

TRISTE RELATÓRIO DO UNICEF

Dados publicados em relatório do Fundo das Nações Unidas para Crianças (Unicef) sobre os jovens e adolescentes brasileiros são chocantes. Divulga-se que 20% dos jovens brasileiros entre 15 e 17 anos está fora da escola. E mais, continua o relatório, que 661 mil casas são sustentadas por jovens entre 15 e 19 anos, e outras 113 mil por meninos e meninas com idade entre 10 e 14 anos! A pobreza extrema aumentou entre esses jovens (17,6%), enquanto o País diminuiu este índice entre a população em geral. Em média, 11 adolescentes são mortos assassinados por dia no Brasil.

O que vemos, então, para o futuro de nosso país sempre chamado erroneamente de país do futuro? Legiões de pessoas que, com sua infância e juventude compromentidas, não têm como se tornarem cidadãos possíveis. Há 68,4% de analfabetismo entre os meninos. Onde esteve o governo lulopetista nestes anos todos que não fez nada para melhorar esse cenário, pelo contrário, piorou o que encontrou? Onde fica o enriquecimento de um país, se ele não cuida dos seus jovens? Será que só alguns números da economia bastam para que se proclame toda hora a excelência do governo de Lula, agora continuado pelo da sra. Dilma? Esses dados o governo não estimula a divulgação, nem mesmo os discute, prefere apelar para que se consuma mais, endividando aqueles que agora têm emprego, mas que não têm garantia de poder continuar nos próximos anos com a situação mundial tão perigosa. E ainda querem nos fazer crer que temos ministros capazes, como o da Educação, que pretende governar uma cidade tão diversa e difícil como São Paulo, mas que não conseguiu fazer com que a educação no Brasil tenha melhorado e atingido os jovens da camada mais necessitada da população. Nunca poderemos nos transformar num país rico e desenvolvido, se não cuidamos das crianças e dos jovens. A falta de vergonha, de ética, de competência e de princípios que estamos vivendo é a causa dessa situação perigosa.

 

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

*

EXPECTATIVA DE VIDA

A expectativa de vida do brasileiro passa para 73,4 anos. Comemorem, mas lembrem-se, foi publicado pelo IBGE, é oficial e, se é oficial, entra no calculo da aposentadoria. Resultado: vai viver mais com menos.

 

Roberto Castiglioni rocastiglioni@hotmail.com

Santo André

*

EFEITO NA PREVIDÊNCIA

Com a divulgação da expectativa de vida dos brasileiros, ainda significativamente aquém dos países desenvolvidos, nota-se o quão é gritante é o efeito do fator previdenciário no Brasil. Ele foi implementado como um instrumento que desestimularia a precocidade ao requerimento da aposentadoria dos trabalhadores da iniciativa privada. O seu efeito se anula; ou seja, deixa de vilipendiar o valor inicial dos benefícios do “novo aposentado” no interstício de tempo que se coadune com a relação em que se somando o tempo de contribuição e idade de um homem chega-se praticamente ao numeral cem. Em outras palavras isto ocorre ao intervalo entre alguém que complete 40 anos de contribuição e atinja 60 anos de idade, até quem atingir pouco mais de 64 anos de idade com 35 anos de contribuição. Dirão os pseudosexperts em Previdência no Brasil – tal qual na Europa! Mentira. Lá, assim como em quase toda OCDE, com 40 anos de contribuição, e independente da idade do cidadão, a aposentadoria é concedida integralmente. Os limites, quando adotados por lá, a idade mínima raramente passa dos 62 anos, e isto apenas para integralidade dos direitos, na maioria dos países ela se define em 60 a 62 anos para integralidade dos benefícios. Grande parte dos países convive com a fórmula 95, ou estão se ajustando também a sua aplicação às mulheres. Isto, como opção à fixação da idade mínima, e que versa pela soma da idade com tempo de contribuição e deve resultar no numeral no 95, permitindo a aposentadoria com qualquer idade que seja e de forma plena ao valor do benefício. No Brasil tanto aos homens como às mulheres resulta entre 99 e 100, pela fórmula de calcular supracitada. As mulheres para eliminarem a incidência do fator deverão situar-se num interstício de tempo entre 36 anos de contribuição e 63 anos de idade a 30 anos de contribuição e 68 anos de idade. A magnânima diferença ou dosagem exagerada aplicada por essa política insólita e vergonhosa de FHC e mantida por Lula, está em que nos países que tem fixado a idade mínima em 60 a 62 anos como na Europa, e que tem servido de suporte aos defensores do fator, aqui no Brasil, é que a expectativa de vida, por lá supera os oitenta anos, além de a assistência médica ser considerada de alto nível, praticamente gratuita até mesmo no fornecimento de medicamentos. Em suma existe Seguridade Social. Aqui, apesar de Lula dizer que o SUS “está perto da perfeição”, e ele nem sequer se trata lá, o que é uma contrapropaganda ao que o governo ora faz nas rádios, e a nossa expectativa de vida (média) é de 69,7 anos aos homens e às mulheres é de 77,3 anos, o que modifica completamente toda a história.             

      

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

IDOSOS E A DOENÇA DE ALZHEIMER

 

Segundo o IBGE, estima-se que no Brasil, até 2020, 13% da população será de idosos. A população brasileira está envelhecendo e já é possível constatarmos isso observando as ruas, praças, restaurantes, hospitais, postos de saúde, espaços de lazer, transporte e serviços públicos das cidades brasileiras. Aumenta-se o número de idosos e, também, o número de ocorrência das doenças crônicas não transmissíveis próprias dessa faixa etária, como é o caso da doença de Alzheimer. A doença de Alzheimer é uma realidade que atinge a todos, indiscriminadamente: do Gigante Adilson (Maguila) que nasceu em 1958, e ficou famoso como boxeador até a pequena Alice que nasceu em 1926, e nunca foi famosa como empregada domestica e dona de casa. A doença de Alzheimer é a causa mais comum de demência no idoso, sendo a responsável por 50 a 60% dos casos de demência nesta população. É uma doença neurodegenerativa que se inicia geralmente com a perda de memória, acompanhada de outros sintomas cognitivos. Para o gigante Maguila, assim como para a pequena Alice, a demência traz como consequência a perda da capacidade funcional, exigindo mais cuidados e, esses, cada vez mais complexos. Tem um grande impacto negativo econômico direto e indireto nas sociedades, incluindo o custo dos serviços e a qualidade de vida dos indivíduos e famílias. Reconhecer a presença de um parente com Doença de Alzheimer na família gera tensões constantes, pois o cuidar acarreta sobrecarga física, financeira e emocional à vida de todos os envolvidos. Confundida com o processo de envelhecimento, as alterações de memória vão se tornando cada vez mais evidentes. A família passa a perceber que se trata de um processo crônico, degenerativo e que tende a piorar. Na fase intermediária da doença, as alterações de comportamento apresentadas pelos idosos causam grande impacto emocional aos cuidadores. Com a evolução do quadro, aumenta a dificuldade no desempenho das atividades de vida diária, e, consequentemente a dependência dos idosos. Novos desafios, identidades, papéis e situações são postos aos familiares com as quais ainda precisam aprender a lidar. Idosos com demência possuem déficit da memória e da capacidade de planejar condutas adequadas. Portanto, para as atividades instrumentais os idosos tornam-se mais dependentes inicialmente do que para as atividades básicas da vida diária. Quanto aos cuidados é preciso ter clareza do tipo e da quantidade de ajuda que ele precisa. Por vezes, é necessária a composição de uma rede de apoio familiar e de suporte social, várias pessoas auxiliando em diferentes tipos de cuidado. O cuidado, nesses casos, não pode ser unilateral, a família de um idoso com Alzheimer também precisa de apoio adequado, pois, além dos impactos acima citados, o maior de todos talvez esteja na perda lenta da pessoa a quem se ama, na degeneração da história da própria família. Com a memória do idoso, não vão embora apenas as suas recordações pessoais; vai-se embora o tempo de toda uma geração; perde-se a história da família e os laços de tempo que a constituíram. Quem tem o privilégio de conviver com um idoso na família sabe disso. Sabe do prazer de ouvir velhas histórias, de aprender como eram os tempos passados e de conhecer melhor tio fulano ou a prima beltrana quando pequenos. Sabe do encanto de repetir, já adulto, os sabores da infância naquele café moído com cravo ou no bolo de fubá. Mas, principalmente, sabe da alegria de reconhecer-se naquela pessoa e ser por ela reconhecida e se sente especial por isso. A doença de Alzheimer, portanto, ao degenerar a memória e o comportamento do idoso, degenera junto a alma de sua família e apaga um pedaço da história da sociedade. Aqueles que investigam essa doença e aqueles que tratam dos que por ela são acometidos precisam se lembrar disso. Pois, do gigante e famoso Maguila os registros de seus feitos, de certa forma, poderão recuperar sua memória e emprestá-la para as suas novas gerações. Mas, da pequena e desconhecida Alice, quem saberá?

 

Reginaldo de Souza Silva reginaldoprof@yahoo.com.br

Salvador

*

DIVÓRCIOS

 

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que de 2007 a 2010 o número de divórcios no país aumentou. Creio que isso é reflexo da liberdade e independência financeira feminina. Todo divórcio, sempre há os feridos! As mulheres de uma forma geral, quando traídas ou abandonadas, conseguem rapidamente e, em muitas vezes sem sofrimento, continuar a vida naturalmente. Contudo, os homens sofrem e demoram em se reencontrar emocionalmente. Por isso os “machos” que se acham os pegadores e que tudo pode; se cuidem! As mulheres não são mais da época da vovó ou da mamãe, as “Amélias” e submissas são coisas do passado. O poder de fogo feminino é indescritível. Reflexão: A fidelidade ou monogamia está igual fóssil de dinossauro, difícil de encontrar!

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

*

SOCIEDADE EM TRANSFORMAÇÃO

A avalanche de divórcios não é derivada de transformações psicológicas e sociais do povo brasileiro, como, por exemplo, exacerbação do egoísmo, segundo disse alguém. Essa propensão esbarrava em dificuldades institutucionais. Com a possibilidade desconstituição do casamento por escrituras públicas e redução de prazos, óbices à livre manifestação das vontades, estas se materializaram. Nenhum problema, quando não há filhos. Fora disso, uma desorganização familiar, que precisa ser muito bem administrada, é inevitável, para a qual nossa população não tem preparo educacional e cultural.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

INFLAÇÃO E CREDIBILIDADE

O IBGE com essas novas mudanças de cálculo no índice que mede inflação, tentando camuflá-la, está caindo em meu índice de credibilidade.

 

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

REDUÇÃO DO IPI

Se o governo quisesse realmente incentivar as montadoras instaladas no Brasil, não deveria ligar a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) somente ao índice de nacionalização. Deveria também, atrelar esta redução, diretamente ao volume de exportação, principalmente fora do Mercosul. Desta maneira estaria fomentando a evolução do produto e preservando a competitividade destas montadoras.

 

Ulysses Fernandes Nunes Junior twitter: @Ulyssesfn

São Paulo

*

BRINCADEIRA

Agora que os carros japoneses, coreanos e chineses, entraram no mercado brasileiro trazendo todos os itens de série, não tem essa conversa de acessório para cobrarem mais, as montadoras, aqui instaladas desde a década de 50, fabricando carroças, começam a veicular comerciais oferecendo seus carros com sensor para isso, sensor para aquilo, etc. Bom seria se colocassem sensor para caras de pau ou sem vergonhas. Isto é o que foram durante anos. E o governo ainda os protege aumentando a alíquota de importação. Brincadeira.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

GEOPOLÍTICA DO PARÁ

O desmembramento do estado do Pará, , fazendo nascer mais dois estado na federação, o estado de Tapajós e o estado de Carajás,  nada mais é do que um projeto geopolítico do Partido dos Trabalhadores visando o aparelhamento político da federação com a adição no Congresso de mais 6 senadores e 16 deputados federais, numa região onde o PT e aliados levam ampla vantagem eleitoral, por força do assistencialismo bolsista que algema o voto nativo.Por força da criação da estrutura administrativa dos estados, cargos políticos surgirão aos borbotões,Assembléias Legislativas, Tribunais de Contas, sem considerar que haverá uma febre de criação de novas prefeituras, atreladas a esse sorvedouro inútil de verbas que são os vereadores da Câmaras Municipais.É evidente que tudo deve estar armado para que saia como planejado, então por que um plebiscito se o Congresso irá referendá-lo e enviado à presidente Dilma para sancioná-lo o vetá-lo (?).O custo desse ''parto'' custará a princípio R$5 bi por ano.Estados e municípios que como tantos outros terão a sua sobrevivência dependendo do Fundo de Participação da União. Desse jeito não há imposto que chegue.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

TAPAJÓS E CARAJÁS

 

Estranho o silêncio na mídia sobre o plebiscito do dia 11 de dezembro. Uma análise preliminar concluiu que faltam recursos financeiros para que os dois pretendidos estados se mantenham administrativamente. Caso a divisão seja feita, mais uma vez a Nação deverá arcar com os custos para manutenção de onerosas estruturas.

 

Euclydes Rocco integraarq@uol.com.br

São Paulo

*

PUBLICIDADE

Quer maior prova de que a divisão do Pará não deve ser coisa boa para o Brasil? Basta saber que é Duda Mendonça quem comanda a campanha publicitária. É preciso mais, sabendo que foi ele o maior responsável pela eleição de Lula?

Conrado de Paulo conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

*

CASCA GROSSA

Chegamos ao ridículo de ver uma constituída e competente Comissão de Ética da Presidência (aceita na estrutura), além de descartada pela presidenta, gagá por cafajestice verbal de um deputado, ser agora convocada pelo julgado a prestar esclarecimentos sobre a decisão; é uma total inversão de valores.

Realmente cascas grossas exigem balas fortes. Nossa xerife continua refém.

Luiz A. Bernardi luizbernardi@uol.com.br

São Paulo

*

INFELIZ DECLARAÇÃO DE AMOR

A Presidente Dilma disse que, aos sessenta e três anos, avó zelosa e satisfeita, não é mais cativada por declarações de amor, o que demonstra a canhestrice do homem que só deixa à bala um ministério. Se tivesse lido Carlos Drummond de Andrade,  ele saberia que há dois momentos da vida, a infância e a velhice, em que somos conquistados por uma caixa de bombons.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

AMOR PLATÔNICO NÃO IRÁ SALVAR

Bem, agora que a comissão de ética publica da presidência da república recomendou a exoneração imediata do ministro do trabalho Carlos Lupi, por decisão unânime, decidindo ainda aplicar uma advertência ao ministro pelo fato das explicações dadas terem sido "insatisfatórias". Ele não conseguiu comprovar quem pagou o aluguel da aeronave, King Air em vôo ao Maranhão, o que a presidente Dilma está esperando para demiti-lo da pasta? A presidente Dilma Rousseff agora só teria duas coisas a fazer: ou exonera Carlos Lupi da pasta de trabalho e emprego, ou dissolve a comissão de ética pública do Palácio do Planalto. Agindo assim temos que concordar com o que disse o presidente da força sindical, deputado Paulo Pereira da Silva que afirmou que a comissão de ética do Palácio do Planalto é integrada por "gagás e velhinhos retardados" que perseguem o tal ministro. No dia 17/11 em sabatina no senado o ministro não convenceu nem os congressista da base aliada presente ao depoimento no senado. O ministro Carlos Lupi é um daqueles personagens que se deixar o cargo hoje, daqui a uma semana ninguém mais se lembrara dele, nem mesmo seu amor platônico, a presidente Dilma como ele havia dito semanas atrás tentando se livrar da guilhotina. Nossos ministros são muito "sensíveis". Carlos Lupi, o que está na corda bamba para cair, dias atrás na maior cara de pau declarou: "Dilma, eu te amo!". Agora foi a vez de Mário Negromonte, das cidades chorar diante das câmeras, ao dizer perseguido pela imprensa por ser nordestino, e não sulista. Confesso que vendo as senas pela TV quase fui as lágrimas... De certo é que vamos precisar de muito óleo de peroba, o ainda ministro do trabalho já havia alegado que estão com preconceito contra ele por causa de sua religião, agora, após denúncias de superfaturamento em obra da copa o quase demissionário ministro das cidades vem com essa de que a imprensa "do sul" está com preconceito por ele ser "nordestino" na verdade não seria pelo fato de a imprensa já estar de saco cheio de tanto ter de cobrir fatos escabrosos de corrupção e desvio de recursos público, super faturamento de obras. Só podemos lamentar o fato de Carlos Lupi ainda continuar na pasta do trabalho depois de tudo. Cá entre nós: O cidadão que contou aquele montão de mentiras e fez aquelas estripulias toda, que está sendo denunciado por ser empregado fantasma da câmara dos deputados de 2000 a 2006, por criar sindicatos fajutas, por desviar dinheiro da pasta para ONGs picaretas e a despeito de tudo isso permanece ainda á testa do ministério. É o responsável pela divulgação dos dados sobre desemprego no país, número de trabalhadores com carteira assinada, etc.? Você acredita? Só tem uma explicação a presidente Dilma Rousseff se tornou cúmplice desse laranja, dessa herança maldita deixada por seu antecessor e padrinho político, Luiz Inácio Lula da Silva. A continuar assim os ministros desse governo, precisaremos renovar o estoque de lenços e de óleo de peroba do país. Estou sensibilizado com os nossos tão ilibados ministros, os que estão aí, e os que já se foram, esse é o Brasil pais do futuro. Há pelo menos 50 anos ouso essa frase...

Turíbio Liberatto Gasparetto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

SÓ NA CONVERSA, NÃO

O deputado tucano Fernando Francischini (PR) protocolou na sexta-feira uma ação popular na 5ª Vara Cível da 4ª Região da Justiça Federal, do Paraná, contra a presidente Dilma Rousseff, contra o ministro Carlos Lupi (Trabalho) e contra a União, solicitando a devolução integral dos valores auferidos pelo fanfarrão Lupi. Isso não pode ficar só na conversa via internet ou outro meio de comunicação. Basta com a corrupção desenfreada.

Anibal Vilari anibalvilari@bol.com.br

São Paulo

*

QUALIDADE DA OPOSIÇÃO

Com todo o respeito ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, mas para o Brasil e para o mundo é muito mais importante saber do futuro do euro, um dos nossos maiores parceiros comerciais, que do PSDB haja vista a "qualidade" da nossa oposição encabeçada por este partido.

Roberto Saraiva Romera robertosaraivabr@gmail.com

São Bernardo do Campo

*

SERIEDADE, SUOR E SORTE

À revista New Yorker, Lulla disse que o Brasil teria quebrado se Elle não tivesse mudado as "políticas de FHC". De fato, trabalhou tanto criando o Real que até adoeceu. Felizmente, deu sorte:- quimioterapia, sem contra-indicações ou efeitos colaterais, funciona à contento mesmo e até em mentirosos compulsivos.

 

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

FUTURO INCERTO

Finalmente FHC (Fernando Henrique Cardoso) reconhece as incertezas dentro do PSDB (um futuro indefinido).Nada mudou por lá.Indecisão é exatamente o mesmo que "ficar em cima do muro".

 

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

DIPLOMA DE JORNALISMO

Por 65 votos a 7 o Senado aprovou projeto de Lei, que só permite a prática do jornalismo, a quem tem diploma de jornalismo. É um atentado a liberdade de expressão. Espero que esse projeto de Lei antidemocrático, não seja sancionado pela presidenta Dilma Rousseff. Ela que tanto sofreu com a ditadura de 1964. Era das trevas.

 

Paulo Dias Neme profpauloneme@terra.com.br

São Paulo

*

CURSO DE JORNALISMO

Nada mais sem propósito que exigir diploma de jornalismo para escrever em jornais ou na imprensa em geral, jornalistas podem sair "especializados" em redigir, mas a maioria dificilmente terá um amplo conhecimento sobre o que irá escrever. Por exemplo, para fazer matérias sobre um conflito em algum país é preciso conhecer profundamente História, muitas vezes ter mais especializações em política, geografia, sociologia, entre outras. Jamais um curso de jornalismo que nos foi criado numa ditadura, dará a competência necessária aos profissionais que precisamos. Talvez sirva para governos que se pretendem manipuladores, e profissionais corporativistas, mas como fonte de informação, um desastre.

 

Francisco da Costa Oliveira fco.paco@uol.com.br

São Paulo

*

CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA

Pergunta no ar sobre a ação em julgamento no Supremo Tribunal Federal (1/12, A29) acerca da liberação da classificação indicativa de idade pelas emissoras de televisão e rádio:menores de idade podem e devem assistir as notícias absurdas de violência e corrupção que grassam no País,transmitidas diuturnamente Brasil afora?!

 

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

MORDAÇA SUTIL

Nunca é demais voltarmos ao tema – controle da mídia –, pois devemos manter vivo o nosso repúdio ás reiteradas tentativas do comuno-populismo de impedir a liberdade de se denunciar as incontáveis bandalheiras em que se acham envolvidos os políticos brasileiros. “Marco regulatório, “ferramentas eficazes de inclusão social e defesa da comunicação e cultura nacionais” são alguns dos eufemismos que os ansiosos e conhecidos coatores de plantão têm usado, reiteradamente, para mascarar seus propósitos, como lembra Dora Kramer (A6, 29/11). Se ainda não atingiram oficialmente seu objetivo, na prática já conseguiram, engenhosamente, a repressão almejada. Calaram o Estadão, por via judicial cuja decisão final se arrasta no STJ. Mordaça sutil!

Arnaldo Amado Ferreira Filho amado1930@gmail.com

São Paulo

*

A LUTA DE JOSÉ DIRCEU PARA CALAR A IMPRENSA

Calma, Zé Sem Pingo! A imprensa só está corrigindo teu "erro ortográfico".

Edna Merendi Lopes tetemerendi@gmail.com

Campinas

*

AVISO PRÉVIO

Começam a surgir discussões sobre a aplicação da nova Lei do Aviso Prévio. Com o perdão de todos os congressistas que a aprovaram e do Supremo Tribunal Federal (STF) que a regulamentou, a nova Lei do Aviso Prévio tornou-se inconstitucional. Explico: o inciso XXI do artigo 7º da Constituição diz "aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, sendo no mínimo de trinta dias". O STF estabeleceu, sem erro, o índice de proporcionalidade, que arbitrou em três dias por ano trabalhado, mas legislou de maneira errônea ao alterar o conceito dos trinta dias, de um mínimo constitucional para uma parcela fixa que deve ser adicionada ao calculado com base no índice de proporcionalidade. Com esse erro, o aviso prévio deixou de ser proporcional ao tempo de serviço como reza a Constituição, passando a ser desproporcional, começando com 33 dias por ano de serviço no primeiro ano, passando por 9 dias por ano de serviço no quinto, 6 no décimo, 5 no décimo quinto, etc. formando uma curva assintótica que não era certamente o espírito que os constituintes tinham em mente...

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

CICLOVIA DE MOEMA

O assunto já foi motivo de noticiário, todavia, não se deu muita importância. Penso que foi tratado de maneira errada ou talvez depreciado. A tal ciclovia não se resume na indignação da lojista de cliente milionários. Aquilo é uma verdadeira afronta ao povo de São Paulo, à dignidade do cidadão, digo, administrado e contribuinte. O urbanista Ricardo Corrêa, encarregado da empreita deve ter tirado a idéia de Afuá, uma pequena cidade do Pará, precisamente na Ilha do Marajó. Quanto a CET nem se fala, ali é "amém" ao administrador pois sua missão primordial é multar como de fato tem feito e principalmente ali em Moema, nas Avenidas Aratãs e Iraí. Implantaram um sistema já falido, sem pesquisa, aos moradores. Ora, o prefeito não é dono das ruas e nem da cidade. Me pergunto: porque? Para que e para quem? Se os destinatários da medida, os "privilegiados" c iclistas não usam. Moro na Avenida Aratãs e já observei por mais de duas horas aquela faixa vermelha. Não vi um ciclista sequer. A faixa está servindo para entregadores de água de um comércio existente no meio da citada Avenida que descem na contramão e à alguns carroceiros que coletam lixo reciclável. Dali há pouco, em razão das regras impostas, aparecem os servidores da CET e passam a lavrar suas multas. Estreitaram a pista de rolagem de veículos criando uma situação de perigo incessante para pedestres e motoristas. Se não de Afuá, o urbanista quis copiar alguns sistemas existentes na Europa, mas passou ao largo disso. Nossa educação e nossa cultura não nos permitem. Lá a coisa funciona. Não se estreitaram as avenidas, estreitaram a calçada onde um casal continua passando normalmente. Até aí tudo bem. Mas numa cidade igual São Paulo, onde o trânsito é tão caótico isso é inaceitável. As Avenidas Rouxinol e Aratãs são vias de trânsito inte nso, alternativas e estão sempre carregadas. Esse ato (impensado, imagino) do administrador é uma verdadeira afronta aos artigos 5º e 37 da Constituição Federal e reclama imediata reparação por parte da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e Social. Gastou-se dinheiro público, criou-se situações de perigo contínuo para pedestres, motoristas, ciclistas, motociclistas e carrocistas... Por outro lado, não só o Ministério Público, o cidadão também tem à sua mão o instrumento da ação popular, prevista na Lei nº 4717/65 (Art. 1º..Qualquer cidadão será parte legítima  para pleitear a anulação ou a nulidade de atos lesivos ao patrimônio da União, do Distrito Federal, dos Estados e dos Municípios, de entidades autárquicas...). Se o intuito era beneficiar o ciclista que usa a bicicleta para trabalhar que se fizesse essa via ou se transformasse São Paulo em Ufuá, nas grandes avenidas que realmente são vias de acesso às quatro zonas da cidade : Leste, Oeste, Norte e Sul. Aliás, diga-se de passagem, que o ciclista é o que menos respeita o cidadão ou o pedestre principalmente, salvo os profissionais que usam o veículo escorreitamente. Agora o restante só anda nas calçadas e não respeitam nenhum sinal de trânsito. Na calçada atropelam as pessoas isso quando não ocupam o espaço de três pessoas, pois andam com as pernas abertas e em "ziguezague". Quando param no farol atrapalham o pedestre porque não descem da bicicleta, ficam fazendo círculos na faixa de travessia até que o farol abra novamente. Bem, a faixa vermelha está lá sem uso e atrapalhando, criando perigos para quem quiser conferir. Movimento? Só de "marronzinhos" e blocos de multas. Não é possível que o senhor prefeito, um homem que se mostra culto, letrado e viajado tenha aquiescido, concordado com esse projeto.Passa da hora do cidadão buscar os seus direitos, a reparação à lesão a esses mesmos direitos individuais ou coletivos através da magistratura, do Estado-juiz, que ainda, neste país, representa a verdadeira garantia dessa reparação.

Alcimar Luiz de Almeida alcimardealmeida@uol.com.br

São Paulo

*

GARUPA DE MOTO

É quase como se mandar tirar o sofá da sala para acabar com a traição da mulher, mas se a polícia do Rio não consegue impedir esses lamentáveis e constantes assaltos feitos por duplas de bandidos em motocicleta, não resta outra saída a não ser proibir o uso de motocicleta com garupa, da mesma forma que está sendo feito em São Paulo. Certamente, esse crime de saidinha de banco iria ser reduzido drasticamente.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro 

*

RODOVIAS E PEDÁGIOS

Enquanto alguns se queixam de que os pedágios e os custos para ter um automóvel estão ficando caros demais, eu torço para que fiquem mais caros ainda, pois depois do cigarro o que mais mata os paulistanos e muitos cidadãos de grandes cidades são os carros, ou por poluição ou por acidentes violentos .Sem contar que está cada vez mais difícil se locomover em São Paulo, o automóvel a cada dia se torna um transtorno na vida de todos, dos que tem e dos que como eu não querem ter. Londres já cobra pedágio para entrar no centro da cidade. O que se deveria era exigir das autoridades mais agilidade no Metrô e corredores d ônibus, e não facilitar a vida dos carros, 7 milhões São Paulo é overdose.

 

Francisco da Costa Oliveira fco.paco@uol.com.br

São Paulo

*

O PT PODE

Dia 28 do mês de novembro, a presidente Dilma assinou a primeira concessão de um aeroporto para a iniciativa privada. Esta notícia deveria passar despercebida não fosse um governo do PT que sempre classificou como uma heresia qualquer concessão à iniciativa privada, mas o PT pode! Em outras palavras, com o rabo entre as pernas este partido reconhece a sua incapacidade administrativa e a má gestão da coisa pública nas áreas mais críticas! Assim, aos poucos, o PT vem se tornando neoliberal, um fato tão execrado por seus próceres mais estremados mas que, constrangidos, permanecem num “silêncio respeitoso” perante a falência de seus argumentos ideológicos! Com as concessões que vierem, virão igualmente os “pedágios” ou a cobrança do capital investido com os lucros, juros e correções absolutamente legítimos, ou alguém acredita que as empresas vão trabalhar de graça? Mas o PT pode! E sabem por que o PT pode? Porque o PT é o dono da verdade e se ele falar que pode, pode!

Eugênio José Alati eugeniojosealati@yahoo.com.br

Campinas

*

NO POPULAR

Governo lança cartilha para caos aéreo!  A dúvida é se vai ser utilizada a forma culta ou a norma popular defendida por um livro adotado pelo MEC, em caso de reclamação. Exemplo: nóis estamos cansados de esperar os avião, cadê os responsável pelos avião que não avoa? Um governo minimamente sério tomaria as providências nescessárias para que não se estabeleça o caos nos aeroportos e não editar uma cartilha de instruções de como agir diante do inevitável, pois os aeroportos não têm a mínima estrutura para suportar a demanda. Já que a cartilha é inevitável, a instrução número um é: se for viajar, não utilize avião, use o carro, ônibus ou fique em casa. O País que tem um governo como esse não precisa de guerra ou de crise econômica, ele é a própria desgraça da Nação.

 

Luiz Ess Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

LEI É LEI

A lei da oferta e da procura é uma realidade secular e seria ingenuidade de minha parte tentar contestá-la. Ocorre que, em certas ocasiões, a tal lei é aplicada abusivamente. É o que está acontecendo agora, no episódio em que a empresas aéreas se preparam para iniciar 2012 com bilhetes mais caros, conforme noticiou o Estadão (B13, 29/11). Os aumentos das tarifas devem

se concentrar em horários de pico e nas compras realizadas às vésperas dos voos. Ora, não é nesses momentos que os aviões viajam lotados e, portanto, com seus custos operacionais otimizados? E não é também o que acontece com certos produtos cujos custos de fabricação diminuem à medida que sua produção aumenta? Mas a economia é perversa e o lucro adicional fica no bolso do fabricante, independentemente da demanda. Como dizia

o macaco Sócrates, personagem vivido pelo ator Orival Pessini,

no programa humorístico da Globo, Planeta dos Homens: não precisa explicar; eu só queria entender. 

 

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

REFERÊNCIA

Já repararam que nesses últimos anos temos liderado o ranking dos países mais caros do mundo em: "metrôs", "pedágios", "combustíveis", "taxas", "tributos", "impostos", "juros", e "políticos corruptos". Ou seja, seremos uma referência mundial como deseja o governo, porém "referência negativa".

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

VIZINHOS DE AEROPORTOS

No mundo inteiro as áreas de entorno de aeroportos são consideradas de segurança nacional. Menos no bagunçado Brasil onde são invadidas, contando com a complacência da lei.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

CALÇADAS MELHORES PARA TODOS

Quanta falta de calçadas em bom estado nos deparamos a todo momento. Para pessoas sem problemas de locomoção, barreiras ambientais passam despercebidas. Falta de acessos em prédios públicos e privados e em calçadas, falta de ônibus urbano adaptados ou em número mínimo, banheiros sem espaço para a entrada de cadeirantes não são obstáculos para pessoas que se dizem normais e sem problemas. De acordo com a Lei, em um prazo de 5 anos todos os prédios deveriam estar adaptados mas este é o Brasil que não respeita o próximo. Enquanto isso não acontece, muiiiiiiiiitos deficientes enfrentam obstáculos para realizar tarefas simples como ir ao banheiro ou atravessar uma simples rua. Onde estão os direitos iguais? Onde estão os políticos para realizarem uma vida melhor para a sua população?

Compartilhem e Vamos Cobrar Melhores Condições de Vida para Todos Nós que precisamos de pelo menos calçadas no mesmo nível para podermos nos locomover se cairmos em abismos.

Ricardo Rangel ricardorangel@ipk.org.br

São Paulo

*

PRÉDIOS MAIS ALTOS NA FARIA LIMA

Está tramitando na Câmara de São Paulo, em processo de urgência, projeto de lei que possibilitará a construção de prédios mais altos na Av. Faria Lima, que recheará os cofres da cidade em aproximadamente R$ 2 bilhões a R$ 3 bilhões. Além do impacto no trânsito na área será que os ansiosos vereadores que estão lutando para aprovar essa lei pensaram nos aviõezinhos que têm na Av. Faria Lima rota para pouso no Aeroporto de Congonhas? Fizeram estudo junto a Infraero também? Pode até crescer para o lado, mas para cima será que pode? Foi feito estudo sobre aviões passarem lambendo esses prédios cada vez mais altos? A conferir!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

A GULA DO MERCADO IMOBILIÁRIO

Como se a região da Faria Lima já não estivesse com sua densidade populacional esgotada; como se o trânsito daquela região já não fosse caótico em seus horários de pico; está tramitando na Câmara Municipal de São Paulo em regime de urgência um projeto de lei que permitirá a construção de torres ainda mais altas na citada região. O lado "bom": os cofres da Prefeitura vão receber cerca de R$ 3 bilhões. Certamente os bolsos dos edis também receberão generosos "presentes natalinos "das construtoras e incorporadoras interessadas... Como, estou dizendo inverdades? Estou pressupondo? Ora, quem não os conhece que os compre. O lado ruim: numa cidade que nasceu na desordem, e só recentemente tenta ordenar seu crescimento através de um Plano Diretor, este projeto é um retrocesso e um absurdo. São Paulo tem que conter a gula do mercado imobiliário. O nosso futuro está em jogo!

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

CIDADE SUJA

Agora que Gilberto Kassab já conseguiu seu único intento nestes anos todos como alcaide que foi a "afundação" de um partido político para fazer alianças espúrias com pt's e outras aberrações, vemos o que restou do seu tão propalado projeto "Cidade Limpa".

São Paulo nunca esteve tão suja, mal conservada, mal tratada, mal sinalizada, com um transporte coletivo de péssima qualidade, ruas sem asfaltamento desde a era Martha, buracos por todos os lados, calçadas que são uma verdadeira vergonha, iluminação pública vexatória, etc. Agora, comprar radares para multar, ah, para isto nunca faltaram verbas. Vamos multar, arrecadar, espoliar os contribuintes! Sinalização de qualidade. oras bolas, para quê? Semáforos inteligentes, porquê? Recapeamento digno de nossas ruas e avenidas, nem pensar. Vamos cobrar as taxas da irregular Controlar! Faz muito bem o PSDB de impor a cabeça de chapa para s próximas  eleições municipais! O que deseja Kassab? Apropriar-se da Prefeitura de São Paulo ad eternun? O que fez Kassab realmente por São Paulo nestes anos todos? Caso alguém possa ter condições de me mostrar, ficarei eternamente grato. Onde moro existiam duas linhas que ligavam a região à Praça Ramos de Azevedo, sabe o que a bela administração Kassab fez? Extinguiu uma delas e mudou o itinerário da outra fazendo com que minha região não tivesse mais conexão direta ao centro de São Paulo! Essa é a maneira Kassab de administrar uma cidade das dimensões de São Paulo. Cooptou vereadores, deputados estaduais, federais e senadores para seu partido; alguns destes até já votei, porém de agora em diante podem esquecer de meu voto!

Quem trai seus eleitores perde a confiança destes e não merece mais ser eleito. Que sirva de lição a quem se deixou levar pelo canto da sereia.

Boris Becker borisbecker@uol.com.br

São Paulo

*

COMÉRCIO DE ARMAS NA ROCINHA

E o ex-presidente da Associação dos Moradores da Rocinha, preso por ligação com o tráfico, tendo, inclusive, vendido uma arma de uso exclusivo das forças armadas, é assessor no gabinete da vereadora Andrea Gouvea Vieira. Provavelmente ou vai dizer que não sabia, o que será difícil de acreditar, ou dirá que não acredita, que conhece o ex-presidente da Associação, que tudo não passa de engano, etc., etc., É assim mesmo. Não esqueçam que estamos em véspera de eleições municipais, e os vereadores fazem de tudo, dão emprego para qualquer um, se associam com qualquer um, para garantirem sua reeleição.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

RIO LOS ANGELES E O RIO TIETÊ

Cabe desfazer os falsos mitos que assombram São Paulo há 80 anos. Nossas vias marginais montam a coluna dorsal do sistema viário da cidade, e suas obras de ampliação, são prioridades que já deveriam ter sido executadas. Muitas críticas e muitas explicações foram dadas, por pessoas que tentam entender os problemas técnicos que enfrentamos, porém não encontrei nenhum artigo que me explicasse quais as verdadeiras causas das nossas enchentes. Acredito que a impermeabilização do solo conta muito pouco. Conhecendo a mecânica dos fluidos com suas forças hidráulicas encontramos o gargalo da drenagem, como diria meu mestre Takudi Tanaka. Na cidade de Los Angeles na Califórnia, eles tinham um problema crônico de enchentes como acontece na cidade de São Paulo. As autoridades perceberam que o Rio Los Angeles, era na verdade, não um simples rio mas sim um enorme vertedor de milhares de contribuições pluviais. Quando chovia forte o Rio Los Angeles se tornava um grande rio e com uma vazão enorme, ao contrário do que era normalmente, apenas um pequeno córrego. Ele foi canalizado nos anos 40. O canal com 80 km tem uma seção enorme e boa profundidade, sua base variando de oitenta metros até cento e vinte metros no fim do canal. Eles perceberam que para as águas não provocarem enchentes na cidade, essas águas deveriam ser retiradas da cidade rapidamente, e na maior quantidade possível. Usam o canal do Rio Los Angeles, com o leito quase seco, como palco de filmagens de diversos filmes, sempre em cenas de perseguição. O Exterminador do Futuro com sua moto foi nesse canal e Transformers podemos ver o canal, metade com água e metade seco. Mas durante o período de chuvas, o canal que foi projetado com acentuada declividade, faz a grande correnteza chegar a 50 Km/h, para realmente transportar aquele volume de água para fora da cidade rapidamente. Numa ocasião uma betoneira trabalhava descarregando concreto no canal, quando a água veio era em tão grande quantidade que a betoneira foi arrastada e acabou batendo numa pilastra da ponte sobre o canal. Os dois trabalhadores foram esgatados por helicóptero, após terem subido em cima da caçamba. Muitas pessoas talvez suicidas ao caírem no canal, não foram salvas. A velocidade da água é muito forte. Mas funciona muito bem. A cidade de Los Angeles nunca mais teve inundações.

Em São Paulo ocorre justamente o contrário. Em 1929 a Light provoca grandes enchentes e desapropria muitas áreas. A Light simplesmente constrói uma barragem no Rio Tietê, para a fabricação de energia na usina de força no Rio Pinheiros, ao lado da Av. Luiz Carlos Berrini. Desapropriavam grandes áreas, lotes alagadiços próximos aos rios para construir suas instalações de força. O Rio Pinheiros que antes desaguava no rio Tietê, saindo da cidade sem nenhum represamento, atualmente teve a sua direção invertida. Toda a água de chuva que cai na cidade é recolhida e dirigida para a Represa Billings, posteriormente descendo para a Usina de Força Henry Borden, situada no Cubatão, que sustenta de eletricidade as industrias de base da região, inclusive o pólo petroquímico. Na época não existia Itaipú e somente as águas da Represa Billings não eram suficientes para gerar energia sem as contribuições do Pinheiros e do Tietê. Então o que acontece. O volume monstruoso de água dos afluentes do Tietê, como o Tamanduatei, Aricanduva e dezenas de outros, ao chegar na barragem da confluencia Tiête e Pinheiros, é desviado para a subida contrária do Pinheiros, para abastecer a Billings e a Usina Henry Borden. Além da água não sair da cidade ela fica lentamente circulando. Vem da zona sul pelo Tamanduateí, percorre a zona central pelo Tietê e volta para a zona sul pelo Pinheiros. A água com pouca velocidade faz a festa dos pernilongos. Águas recolhidas nas cabeceiras do Rio Tamanduatei na região sul da cidade, percorre dezenas de quilometros, sendo forçado a voltar para a mesma zona sul numa velocidade mínima. Parece que desejam inundações. Imagine então chovendo 70 mm/h como aconteceu recentemente, foram 70 litros de água da chuva por metro quadrado de terreno, dentro da nossa cidade pode precipitar um volume de 50 milhões de metros cubicos de chuva.

Autoridades reclamam do lixo, porém o lixo prejudica apenas o giro das turbinas das usinas. Plantar arvores somente vai atrapalhar a movimentação das dragas em obras do leito do rio, pois o Rio Tietê precisa ser dragado todo ano. Os lagos do Parque Ecológico do Tietê feitos há vinte anos, o assoreamento já acabou com quase tudo. Para resolver esse problema de uma vez por todas, o Rio Pinheiros deveria voltar para o seu curso natural, eliminando a Barragem da Traição e liberando suas águas para um canal tipo Los Angeles por cinqüenta ou sessenta quilometros. O atual nível da raia olimpica na USP, estaria 2 m acima do nível que ficaria o canal do Pinheiros. Ia tirar dos paulistanos esse transtorno que leva algumas vidas todos os anos, que são as enchentes causadas pela barragem e acidentes com carros ao cair no rio. O antigo Rio Los Angeles hoje é um canal que transporta suas águas com velocidade assombrosa. Não tem assoreamento. Não precisa dragar e as chuvas carregam realmente seus detritos . Funciona. A duplicação da Marginal não afeta em nada a drenagem das chuvas paulistanas, e assim como estão pavimentando mais áreas para fluir melhor o trânsito, deveria existir um canal que realmente transportasse a água para fora de São Paulo. A grande desculpa das autoridades é o lixo jogado no rio. Mas o Tietê não é um rio, é uma represa com barragem. Bobagem relacionar Los Angeles que tem um canal totalmente concretado, com nossa cidade com um represamento para produzir energia que ocasiona inundações todo ano. Morei na Barra Funda metade da minha vida e sei o que passamos, com perdas materiais e com o perigo de doenças. Os responsáveis vão dizer que controlam a vazão do rio para transportar imensa quantidade de esgoto para os mananciais de água potável. São Paulo merece mais do que obras paliativas e inúteis.

Pedro Antonio Cardoso piparoda@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.