Fórum dos Leitores

GRILAGEM

O Estado de S.Paulo

14 Dezembro 2011 | 03h08

Liberdade anunciada

Marcos Valério foi solto pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Quando foi encarcerado, seu semblante mostrava tranquilidade, sem a menor preocupação, certo de que seria solto. A prova se confirma. Sem comentários.

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

EDUCAÇÃO

Lei da Palmada

Agora os "picaretas" do Congresso querem nos dizer como devemos educar nossos filhos. Logo eles, um bando de mal-educados? Dizem que a palmadinha prejudica as crianças. E roubar dinheiro de merenda escolar? E desviar dinheiro da educação?

DORIVAL MUNHOZ JUNIOR

junhaomunhoz@terra.com.br

Curitiba

*

Responsabilidades

Caros congressistas, na minha opinião, cabe aos pais decidir se o caso é para palmada e cabe às autoridades coibir e punir os abusos. Uma coisa é certa: a educação precisa de maior incentivo, mais seriedade.

MANUEL JOSÉ FALCÃO PIRES

manuel-falcao@ig.com.br

São Paulo

*

PRIVATIZAÇÕES

Não li e não gostei

O livro A Privataria Tucana, de Amaury Ribeiro Jr., contém denúncias gravíssimas sobre irregularidades nas privatizações feitas durante o governo de Fernando Henrique Cardoso. Das duas opções que nos foram apresentadas nas últimas administrações públicas federais, qual é a menos ruim: privatizar empresas públicas deficitárias e torná-las lucrativas - ainda que milhões de reais eventualmente acabem em bolsos indevidos - ou aparelhar as empresas públicas deficitárias com uma legião de "cumpanheiros" incompetentes, que permanecem mamando milhões indefinidamente nas tetas dessas estatais?

VICTOR GERMANO PEREIRA

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

CORRUPÇÃO

Institucionalizada

Corrupção sempre houve no Brasil. A diferença é que nos dias de hoje ela "corre solta", como disse o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

NILSON OTÁVIO DE OLIVEIRA

noo@uol.com.br

São Paulo

*

CRACK

Esclarecimento

Parabéns pela lucidez do editorial O plano contra o crack (12/12, A3), que mostra o vaivém da postura federal e o baixo impacto da proposta apresentada no mundo real, sem deixar de saudar a importância dessa mobilização do governo. Em relação a São Paulo gostaria de esclarecer que as internações involuntárias vêm sendo feitas rotineiramente. Das 2.180 citadas no editorial, 152 foram involuntárias, sendo 85 de menores de 18 anos. Todas atendendo aos protocolos clínicos e à legislação. A cidade de São Paulo também foi pioneira na contratação de vagas de internação nas comunidades terapêuticas, a partir de chamadas públicas e condicionada a rigorosa avaliação técnica. Hoje temos 250 vagas contratadas, a um custo médio de R$ 2 mil/mês por paciente, inteiramente custeadas pelo Tesouro Municipal, pois nem sequer eram reconhecidas pelo SUS. É uma daquelas anomalias bem brasileiras. A Anvisa, órgão do Ministério da Saúde (MS) que regulamenta a fiscalização dos serviços de saúde, avalia que 60 mil pessoas estão internadas em comunidades terapêuticas, acessíveis a qualquer um que possa custeá-las, mas marginalizadas pelo MS como alternativa de tratamento. Claro que todo o cuidado é necessário e já tivemos de denunciar uma das clínicas contratadas, devidamente fechada. A estranheza do editorialista e de seus interlocutores na avaliação do plano talvez se deva ao fato de que ele avança na indução de ações que vão depender de outras esferas, Estados e principalmente municípios, mas fica inerte nas ações que só ele poderia desempenhar. O ministério fala em aplicar R$ 4 bilhões "até 2014", mas Estados e municípios terão de aplicar, no mínimo, outros R$ 4 bilhões para que as coisas saiam do papel. Os consultórios de rua, por exemplo, vão virar realidade apenas nos municípios que aderirem ao programa e complementarem seus custos operacionais. A equipe proposta - médico, psicólogo, assistente social, enfermeiro, agente comunitário, além dos custos da "van-consultório" - não custará menos de R$ 50 mil por mês e o subsídio do MS será de R$ 18 mil. Cada uma das nossas 27 equipes do programa Saúde nas Ruas custa R$ 60 mil/mês e elas passarão a receber o subsídio federal, o que é ótimo, pois nosso custo baixa para R$ 42 mil/mês por equipe. Talvez o governo federal, e o Ministério da Saúde em particular, devesse concentrar-se no que só ele pode fazer: liderar o debate técnico-político para construir um consenso em relação ao tratamento dos dependentes, ajustando a legislação se necessário. Declarar-se a favor da internação involuntária é um "não fato", pois ela já existe e mesmo onde é aplicada, superando todos os entraves, como aqui, tem efeitos limitados pela tolerância ao abandono de tratamento, pela alta reincidência e pela abundância de oferta de drogas, principalmente do crack, cujo aumento de produção tem acompanhado o aumento de consumo, mantendo os preços estáveis há mais de cinco anos. Enfim, o tema é apaixonante, até porque o crack é um "perigo real e imediato" que não devemos menosprezar.

JANUÁRIO MONTONE

januariomontone@prefeitura.sp.gov.br

São Paulo

*

BOAS-FESTAS

O Estado agradece e retribui os votos de feliz Natal e próspero ano-novo de Afam, Antonio Carlos Pannunzio, Antonio José Gomes Marques, Atelier Comunicação Empresarial, Beno Marcio Karlik, Bludeni Advocacia, Carla Emilia Brunet Lopes, Carlos Vogt, Dalton Penezzi, Dario Albuquerque Passarella, Elaine, Rafael e Pedro Sicoli, Equipe do 2.º Juizado da 1.ª Vara Cível da Comarca de Pelotas (RS), Equipe Sertha Brindes, Fabio Porchat - ALA, Gaudêncio Torquato, Gilberto Natalini, Gilberto Paiva, Glórya Ryos, Grupo Itapemirim, GuimaQual Consultoria Ltda., Hildo Daniel, Ideia Design, Instituto Aço Brasil, Irene Maria Dell'Avanzi, JM Assessoria Empresarial, Jornal Alumiar, José Augusto de Almeida Neto, José 'Buba' Piacsek Neto, José Ruy Veloso Campos, Luiz Felipe Dias Farah, Maxpress, Migalhas, Miguel Ruggiro, Milton Monti, Liliana e equipe, Nice e Eduardo Zago, Osmar S. Maciel, Paulinho Girão, Professor Senna, Rossana Chiavassa, Ruth de Souza Lima e Hellmeister, Thomas Schmall - Volkswagen do Brasil, União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Vanessa Mastro e Virginia Andrade Bock Sion.

*

PRENÚNCIO

Marcos Valério foi beneficiado com uma liminar concedida pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) e foi solto da cadeia. Este mineiro testa de ferro do PT no caso do mensalão demonstrou também ter vocação para grilar terras na Bahia, motivo da prisão. Ou seja, no crime, atua em todas as áreas. E, ao contrário do esperado, está livre e solto. Será que essa decisão do STJ é um prenúncio do resultado que poderá ocorrer no Supremo, a favor dos mensaleiros?!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

MARCOS VALÉRIO

O STJ, por meio de um ministro mineiro, acaba de soltar o conterrâneo Marcos Valério, não tendo encontrado motivação para o decreto de sua custódia cautelar. O enraizamento com a prática delituosa parece ser uma constante, e enquanto não for julgado o mérito do habeas corpus, o paciente poderá aguardar em liberdade na expectativa que igual sorte lhe resulte no demorado caso do mensalão. A impunidade compensa a criminalidade.

Yvette Kfouri Abrao abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

IMPUNE

É de notório saber: conivente impunidade é responsável pela corrupção que tomou conta da Nação.

Roberto Twiaschor  rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

LULA E O MENSALÃO

Fernando Henrique Cardoso disse que a queda do ex-presidente Lula no mensalão criaria uma fenda no País que duraria décadas. Talvez por isso ele tenha colaborado para pôr uma venda nos olhos do povo e da Justiça, que talvez dure para sempre...

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

FENDA-SE!

FHC disse que ele e Lula  foram os dois presidentes que ficaram mais tempo à frente do governo - como se tempo de permanência e qualidade de governo fossem condições obrigatòriamente coexistentes. Declarou também   que Lula  é um dos marcos da história do Brasil, decisivo ao dissipar o mensalão e que "derrubar do poder um líder sindical e popular, ainda que legalmente tenha todos os argumentos, acabaria criando uma fenda no País que poderia durar anos". Se a dita oposição assim se expressa, ainda que legalmente se tenha todos os argumentos, "fenda-se" a lei!

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

São Paulo

*

ESTRAGO

Quem sou eu para discordar de FHC, mas, na opinião dele, derrubar um líder sindical e popular, pelo escândalo do mensalão  acabaria criando uma fenda no País que poderia durar anos... por isso ele discordava que Lula fosse deposto, mas eu acho que o cara deveria ter sido deposto, pois o estrago do PT no governo vai durar décadas.

  

Carlos Roberto Gomes Fernandes  crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

*

O APARELHAMENTO DO STF

Assim os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) são escolhidos. O Executivo indica e o candidato é sabatinado  pelos senadores, num ritual que beira as mais bisonhas pantomimas. Essa sabatina no Senado consiste em algumas loas e boas-vindas, importando mais que o sabatinado é protegido pelo mecenas do Supremo. Já houve indicação do Planalto em que um juiz foi reprovado em mais de um concurso público e mesmo assim transformou-se em ministro do Supremo. Assim como a jabuticaba, esse processo só existe no Brasil. No próximo ano está previsto o julgamento do mensalão. Essa forma de escolha do ministro é viciada. Todos, ou a maioria dos que lá estão foram indicados por Lula e Dilma; o Senado tem maioria absoluta do governo. No ano previsto para o julgamento outros ministros se aposentarão, e com o tribunal algemado por Lula e Dilma, José Dirceu e Delúbio, e mais os bucaneiros arrolados no processo já estão preparando a festa. O mensalão será transformado em piada, segundo o chefe do mensalão. O caldeirão da Memeia vai ferver, a varinha mágica da Maga Patológica vai emitir raios e trovões, o Monte Calvo estará em festa. Resultado não inverossímil: Dirceu e Delúbio se tornarem ministros.''Desgraçado o país em que o sabre da violência quebra a espada da justiça'' (adágio popular).

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

SEM CLIMA

Contudo especialistas discutirem que a Lei Ficha Limpa só foi julgada quanto ao princípio da anualidade – que proíbe a mudança de regra a menos de um ano das eleições -, e que portanto poderá ocorrer punição quanto ao mérito da probidade e moralidade dos suspeitos de corrupção, que tenham a culpabilidade comprovada, parecem ignorar o fato de  que sete dos 11 ministros do STF foram escolhidos por Lula, e este garantiu que o mensalão  jamais existiu? Será que os escolhidos teriam 'clima'  para discordar do ex-presidente?

Conrado de Paulo conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

*

NOVA MINISTRA

O editorial A nova ministra do Supremo (Estadão, 11/12, A3) é mais uma das noticias que mostram o esculacho que o Lulla e PT transformou o STF. O STF passou a ser como time de várzea onde o importante é atender ao dono do campinho  e da bola, se não ninguém joga! Libertar o terrorista assassino italiano, procrastinar com o processo mensalão até a prescrição e negligenciar a necessidade do “ficha limpa”  fazem parte do toma-lá-dá-cá estabelecido entre o STF e o PT. De vez em quando jogam para a plateia, como foi com caso da aprovação urgente-urgentíssima do casamento entre homossexuais. Será que o STF não vai  assumir sua grandeza de time da divisão “super” especial ou preferirá continuar atuando como timeco de várzea?

 

João Cesar Ribeiro cesar@iamm.com.br

São Paulo

*

NEM O STF ESCAPA

Registra o Estado  (11/12, A3) a precária bagagem jurídica da nova ministra do Supremo em matéria de Direito Civil, Penal e Processual, aliás confessada pela própria. Sua única credencial é ser simpática aos pontos de vista do partido que ocupa atualmente o Poder Executivo; que, certamente, tem como favas contadas  o  voto favorável nas questões de seu (ou dos amigos)  interesses políticos imediatos. Tal como acontece com o  recente ministro, o sr. Dias Tófolli, especialista em sentar-se sobre processos de grande relevância através de pedidos de vista e sobrestamentos. O processo sobre os expurgos dos Planos Econômicos corre o risco de ficar três anos servindo de almofada a S. Excia. Novidade? Nenhuma! Continua em vigor o princípio geral do Lula e do lulismo, na sua face perversa de "desculpar os malfeitos e exaltar a ignorância". Nem o STF escapa. 

Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br

São Paulo

*

TURMA DAS BOLINHAS

Dilma está inaugurando o país da "turma das Bolinhas", que substituiu a "turma dos Bolões", dando continuidade ao novo país do "nunca dantes"!

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

TRIBUNAL DESMORALIZADO

Pela sabatina a que foi submetida na Comissão de Constituição e Justiça do Senado federal, ficou provado e comprovado que a juíza Rosa Maria Weber, indicada pela presidente Dilma Rousseff para preenchimento de vaga no STF, embora integrante do Tribunal Superior do Trabalho, e pelas suas respostas às perguntas dos membros da aludida comissão de que, por trabalhar só na área do Direito do Trabalho,  conhece pouco sobre  matéria do Direito Civil, do Direito Penal e dos respectivos processos, e mesmo que  sua indicação tenha sido aprovada por 19 votos da situação, contra 3, repito, ficou patenteado que  ela não preenche um dos requisitos básicos que o artigo 101 da Carta Magna exige, "notável saber jurídico". Essa indicação causou até insatisfação entre os ministros mais antigos da Suprema Corte. Senhora presidente Dilma, Vossa Excelência tem todos os motivos para não pisotear nossa lei magna, desmoralizando nossa mais alta corte de justiça. Deveria tê-la homenageado, não nomeando a indicada.

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

*

MAIS IMORAIS

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem oito dos onze ministros, indicados pelos governos do PT. Magistrados do Superior Tribunal de Justiça (STJ) fazem farra junto a José Sarney, tetra presidente do Senado. Os Desembargadores dos Tribunais de Justiça (TJ), pelo menos os de São Paulo, têm salários médios duas vezes superiores ao teto nacional para servidores públicos que é de R$ 26,7 mil. Dezenas de contracheques são superiores a R$ 80 mil e há casos em que o valor supera R$ 100 mil. Dá para entender perfeitamente por que a Justiça brasileira não pune nenhum bandido, tanto do Legislativo como do Executivo. Eles conseguem ser mais imorais.

 

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

MAGISTRATURA COMPROMETIDA

Como pode o (a) presidente indicar um ministro para o STF, se este pode vir a ter de julgar uma ação impetrada contra o presidente da República? Acontece com a ministra Rosa Weber o  que aconteceu com o ministro Dias Tófoli, que só foi eleito por ter assessorado a direção do PT durante 20 anos? Experiência zero para ambos. Antes, o presidente indicava juristas, advogados consagrados e professores. Na era Lula, o nível caiu e os conchavos aumentaram. Então somos obrigados a engolir notícias como a de que juízes driblam teto constitucional e salários passam de R$ 50 mil...

Carlos R. G. Fernandes crgfernandes@uol.com.br

São Paulo

*

SALÁRIOS DOS JUÍZES

Muito interessante esta reportagem dos juízes e como eles fazem para driblar a Constituição, ganhando salários além dos permitidos por lei. Ganham quatro vezes mais que o presidente da República. Eles, que deveriam mostrar com o próprio comportamento a obediência às leis. Se eles não obedecem, por que nós obedecermos? Até poderiam ganhar mais que o presidente, desde que a justiça estivesse sendo feita no País, que todos as tivessem a tempo ou em muitos casos só se faz justiça após a morte do interessado, desde que não houvesse tanta demora nos julgamentos e que todos os brasileiros se sentissem seguros com esta Justiça. Aqui os Francenildos da vida estão penando enquanto os mensaleiros estão festejando. Você tem medo de denunciar, pois quem acaba condenado ou perde é quase sempre quem denuncia.  Bem, Brasil é o Brasil e os Juízes fazem como Cipiao, o Africano que dizia: Façam o que eu falo e não o que eu faço.

Ciro Bondesan dos Santos cirobond@hotmail.com

São Paulo

*

GASTANÇA DESENFREADA

É preciso urgente tomar providencias e cortar a gastança desenfreada que temos com juízes, deputados, senadores, funcionários públicos aposentados com salários polpudos. Isso tudo e mais a corrupção que está fora de controle, antes que aconteça o que já aconteceu com alguns países da comunidade europeia, que estão cortando até papel higiênico. Ou vamos esperar que a Argentina ou Venezuela venha nos dizer quais providencia temos que tomar? Ou quem sabe até a China. Quem sabe! Juízo, autoridades! Senão vamos capotar lá adiante.

 

Isael Coleone isael.coleone@itelefonica.com.br

Indaiatuba

*

MAGISTRADOS

Como é que você conserta  um país,  se aqueles pagos para aplicar suas leis são os primeiros a usar conhecimentos e cargos, para se aproveitar das vergonhosas  brechas existentes na podre legislação brasileira e engordar seus holerites ?

 

Laércio Zanini arsene@uol.com.br

Garça  

*

PARA LADRÕES DE GALINHA

O que esperar de um país onde os magistrados burlam a própria Lei, em beneficio pessoal? E depois, brasileiros comuns – ou os que trabalham de verdade –, desejam que deputados que praticaram ilícitos e já condenados, cumpram pena, isto já é demais! Na cadeia, somente para os que furtam, margarina!

Edivelton Tadeu Mendes etm_mblm@ig.com.br

São Paulo

*

POBRE DE QUEM ACREDITA

Da série me engana que eu gosto. Levantamento feito pelo jornal O Estado de S. Paulo mostra que desembargadores da Justiça não estão cumprindo a lei que estabelece o teto nos vencimentos. Há alguns que receberam mais de R$ 600 mil mensais, e a maioria recebe o dobro estabelecido em lei, com o Estado do Rio liderando estes descumprimentos. Vem cá. Para quê serve a lei?  Não precisam responder. Pobre povo que acredita. Acordem.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

LEIS MORTAS

As denúncias de irregularidade no comportamento de vários segmentos sociais, principalmente a classe política, motiva críticas e não poderia ser diferente. Afinal de contas, trata-se da corrupção e uso de forma inadequada do dinheiro público. E eis que surge a denúncia de que  magistrados em alguns Estados brasileiros usam de vários artifícios para receber rendimentos acima do teto constitucional. A quem cabe a investigação de tais casos? E como exigir explicações adequadas  sobre tais irregularidade? Estes fatos repercutem negativamente numa categoria que tem muita responsabilidade na discussão e aplicação da legislação vigente.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

GREVE

A greve dos funcionários da Justiça Federal, iniciada em 29/9 e que já conta com a adesão de 14 Estados, deve se arrastar indefinidamente pois trata-se de "greve remunerada". O direito de greve é constitucional no Brasil porém nunca é considerada a segurança jurídica para prevalecer o direito da população brasileira que é altamente prejudicada em confronto com o direito de uma minoria cujo objetivo é aumento salarial.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

O BRASIL E AS DROGAS

Lançado com estardalhaço o novo programa contra as drogas, em especial o crack, peca por alguns detalhes. Que atitude o governo brasileiro tomará contra a Bolívia, sem "magoar" o companheiro Evo Morales, que teve a área plantada aumentada e que cerca de 80% da cocaína consumida no Brasil vem de lá? O governo tem certeza que conseguirá profissionais de saúde, que aceitarão trabalhar por baixos salários, além do risco envolvido no atendimento na rua? Terá sido mais uma fantasia federal?

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

JOGANDO PARA A TORCIDA

Mais um plano apresentado pela presidente Dilma e o PT, dessa vez para o crack e para as drogas em geral, compromisso de sua campanha eleitoral em 2010, quando prometeu atacar este problema. Acho que é mais uma jogada de marketing, a presidente ficou oito anos no governo Lula e ainda deixou para resolver um problema dessa natureza com promessas em campanha política? É uma pena, lamentável e subestimar a inteligência do brasileiro.

Eduardo Araújo Barreto eduardo.barreto2009@hotmail.com

Osasco

*

CRACOLÂNDIAS BRASILEIRAS

Só um governo débil, em todos os níveis federativos, pode conviver com 29 cracolândias espalhadas pelos principais centros urbanos e destacadamente no sudeste desenvolvido. A droga circula com extrema facilidade pelas ruas, como se fossem uma mercadoria qualquer. As autoridades têm receio de não saber responder às crises de abstinência? Adotem medidas preliminares de natureza hospitalar e, em seguida, erradiquem esse comércio insano por meio da repressão. Há momentos históricos e problemas determinados para os quais um único remédio é eficaz: energia estatal.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

NOVA HIPÓTESE

O pesquisador Francisco Bastos, da Fiocruz, nunca viu nada no mundo parecido com a cracolândia de São Paulo; para explicar, faltou verificar a hipótese de pesquisa faltante e analisar os interesses dos especuladores imobiliários em degradar áreas para depois comprá-las na bacia das almas. A ausência de resultados dos serviços demonstra que a prefeitura faz de conta que oferece serviços de assistência e de limpeza nessas regiões? Por que Kassab e Police Neto do PSD aprovam a concessão urbanística para sanar área dita degradada pelo crack, e, cujo resultado será maximizar os lucros dos agentes imobiliários? Agora, já temos 29 grandes cracolândias, dispersas por 17 capitais, para a alegria dos especuladores imobiliários e grileiros.

 

Suely Mandelbaum  suely.m@terra.com.br 

São Paulo

*

MAPA DAS CRACOLÂNDIAS

Cracolândia (Estado, capa,11/12): que absurdo, que dó, que droga!

 

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

CRACOLÂNDIA LITORÂNEA

A propósito das cracolândias, quando é que a Secretaria Nacional Antidrogas e a da Pesca se preocuparão com o avanço da descarada disseminação do crack nos munícipios litorâneos e áreas portuárias do nosso aprazível litoral? Comunidades pesqueiras e tripulações de barcos de pesca estão sendo contaminadas pela ordinária e nefasta droga em substituição à maconha, fato que intranquiliza armadores de pesca e gera insegurança ao tráfego marítimo. O País carece de efetiva política nacional de pesca e assistimos seus profissionais e familiares minguando por falta de assistência técnica e social, inclusive, gerando inúmeras vitimas do HIV, em decorrência da decadência de costumes. Sindicatos da pesca e colônias de pescadores não escondem a realidade.

Ney de Araripe Sucupira ney.sucupira@uol.com.br

Cananéia

*

ATAQUE AO TRÁFICO

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, está certo, quando diz que é uma "epidemia" o uso de crack por 800 mil brasileiros! Está na hora de combater os traficantes. Julgá-los com todo rigor da lei. Quem faz tráfico comete crime hediondo.

 

Paulo Dias Neme profpauloneme@terra.com.br

São Paulo

*

EPIDEMIA

Realmente, o crack virou epidemia nacional, ou melhor, sem controle. Nossos governantes precisam é tomar medidas mais enérgicas no combate ao tráfico. Quanto à recuperação de viciados através de palestras, de pastores, padres, reuniões, etc., tudo é balela, não passa de hipocrisia barata, talvez  a aplicação do ECA na íntegra resolva em parte o problema.

 

Arnaldo Luiz de Oliveira Filho arluolf@hotmail.com

Itapeva

*

JUVENTUDE PERDIDA

Fantástica e extremamente oportuna, senão, um pouco tardia, a iniciativa de se combater o crack, que durante os últimos anos do governo Lula aumentou consideravelmente. Sem uma política de vigilância nas fronteiras á época, tudo que poderia manter o povo entorpecido passou por via aérea, terrestre e aquática. A "herança maldita", pode-se dizer, está aí. Juventude perdida! Polícia na luta contra seus próprios parceiros de corporação! E políticas sociais apenas para reeleger aos "craques" que se entocam em Brasília. Esses "experts" do marketing em causa própria, jamais verdadeiramente voltado para solucionar problemas comuns, deveriam estar internados na primeira clínica anticrack do País. O vício no poder descomprometido com quem os elege, os torna dependentes da pior droga do mundo, que os insensibiliza e abrutalha além do egoísmo e sarcasmo para com as instituições e o próximo.

José Jorge Ribeiro da Silva jjribeiros@yahoo.com.br

Campinas

*

DIREITO DE FICAR?

 

Todos têm o direito de "ir e vir", mas o direito de "ficar" não, ficar em praça pública, morando  debaixo da ponte, no centro das cidades, nos parques, nos locais aonde deveríamos passear com nossos filhos para que eles visitem locais históricos e culturais, não, então realmente alguma política tem de ser feita para retirar pessoas que usam locais públicos para morar, fumar crack e praticarem todos os tipos de crime, vivendo como "vira latas", deixando sua sujeira. Temos que cuidar com muito carinho esta situação, pois realmente tem pessoas que precisam de nossa ajuda, com política séria e não de esmola e pessoas que merecem é cadeia.

 

Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com

São Paulo

*

GENTE ANIMADA

Lamentável ler a respeito da propagação das drogas em nosso país, principalmente o uso do crack, que já abrange 90% dos municípios brasileiros. Agora nossa mandatária Dilma Rousseff decidiu investir R$ 4 bilhões no combate às drogas, montante que se fossem gastos há alguns anos, pressuponho que os resultados teriam sido bem mais favoráveis, embora no Brasil a impressão que temos é de que dinheiro público nunca faltará, prova disso é o montante que o governo acabou de gastar em propagandas, transportes de urnas e outras bobagens no intuito de dividir  o  Estado do Pará, que acabou dando em nada, como tantas outras invenções que, na cabeça de alguns políticos, iria mudar o Brasil. À  transposição das águas do Rio São Francisco, que pelo visto o tempo irá provar que o que restará será somente concretos e dinheiro jogado no lixo. O famoso trem-bala, que tanto se comentou na época das campanhas presidenciais da "presidenta" Dilma Rousseff, continua no papel. O que ainda prospera é o ânimo de nossa gente, que mesmo com juros de 400% ao ano – que é o que muitos cartões de crédito cobram – continua gastando a rodo como se o mundo fosse acabar em 2012...

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

DISCRIMINAÇÃO

A discriminação ou preconceito é proibido por lei, mas fizeram a redução do imposto para os produtos da linha branca e agora informam que também reduzirão o imposto para os produtos eletro-eletrônicos, da mesma forma que fizeram com os automóveis, essas reduções atingem diretamente e principalmente as pessoas físicas, coincidentemente os eleitores, objetivando como sempre o voto, as eleições estão perto. Por isonomia todas as atividades deveriam receber o mesmo benefício, sem qualquer discriminação, impostos menores e créditos bancários com maiores prazos e juros reduzidos. A discriminação configura o desrespeito as leis e principalmente a legislação eleitoral, será que não caracteriza "estelionato" eleitoral? Ou no país dos "espertos" e da impunidade, vale tudo?

 

Luiz Dias lfd.silva@uol.com.br

São Paulo

*

INADIMPLENTES

Índice de calote sobe pelo 10.° mês seguido. Os inadimplentes devem arrolar nas suas defesas às "orientações", "estímulos" e "induções" para continuarem comprando e gastando por "ordens", "sugestões" e "comandos" do governo. Agora, a melhor opção é mudar o local de cobrança dos débitos assumidos, para o Planalto em Brasília.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

PROMETEU

Cadê o iPhone brasileiro que o ministro Aloizio Mercadante prometeu para o Natal? Nunca antes neste país se prometeu tanto e se fez tão pouco. Precisamos ver o Natal de que ano? Mas a verba para a propagando está sobrando.

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

VACAS GORDAS E MAGRAS

Os anos de vacas gordas acabaram. A prova disso é a desaceleração do crescimento da nossa economia. O Brasil precisa urgentemente de um “José” para aconselhar a faraó Dilma que será necessário poupar e parar com o desperdício para enfrentar os anos de vacas magras que teremos pela frente. Alguém que lhe diga para acabar com alguns Ministérios, para colocar gente extremamente competente nos que restarem e, principalmente, para acabar com a corrupção no Brasil. Senão, todo o recente ganho será perdido.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro 

*

INSUSTENTÁVEL

Excelente o artigo do professor Werneck Vianna no Estado de 10/12 (A2). Análise lúcida da atual conjuntura político-econômica, tanto no nível doméstico, quanto no internacional, ajuda a entendermos o processo de globalização – conceito muito citado e pouco compreendido – ao apontar seus efeitos concretos sobre a vida nacional dos povos. Espero que sua interpretação dos movimentos da presidente Dilma Rousseff esteja correta, pois o atual modelo de governo é eticamente insustentável.

Mário Mauá Chaves Ferreira mmaua@uol.com.br

São Paulo

*

A BOLA DA COPA DE 2014

Li várias sugestões para o nome da bola da Copa de 2014. Na minha opinião, por entender que a bola é o acessório mais importante do jogo, pois sem ela não existe nada, sugiro que o nome a ser dado, seja obrigado, pois representará o sentimento de todos aqueles e olhem que não serão poucos, que vão enriquecer por conta da Copa no Brasil e nada mais óbvio que reverenciem quem lhes deu esta chance.

Maurício Lima mapeli@uol.com.br

São Paulo

*

NOME ADEQUADO DA BOLA

 

Se a intenção é homenagear o Osmar Santos, por que não usar outra expressão sua, "chulipa", mais adequada ao sofrido povo brasileiro, já que chulipa significa "chute nas nádegas"...?

 

Carlos Renato Napoleone crnapoleone_50@itelefonica.com.br

Agudos

*

FEITA PARA CHUTAR

O nome da bola para a Copa? Não aceitarão, mas o mais adequado, para mim, seria "ministro", que não se pode parar de "chutar". Pimentel no olho alheio é colírio.

 

André C. Frohnknecht anchar.fro@hotmail.com

São Paulo

*

A ESTRELA DA FESTA

É dispensável qualquer elucubração para dar nome à bola da Copa do Mundo de Futebol; Corrupção é o melhor substantivo a nominar a estrela da festa, pois nada melhor para qualificar a vida pública nacional e tudo que envolve esse torneio.   

Paulo Renato Campana prcampana@gmail.com

Campinas

*

PINGUÇA

Já que as bebidas alcoólicas foram liberadas durantes os jogos da Copa, deve-se aproveitar a oportunidade para homenagear nossa bebida nacional: a cachaça, e denominar a bola com um de seus sinônimos. Que tal canjebrina, birita, manguaça, marvada, gengibirra? Sugiro consulta popular para escolher o melhor nome da bola pinguça.

Flávio José Rodrigues de Aguiar rsd100936@terra.com.br

Resende (RJ)

*

CORRUPÇÃO

Não importa o nome que a CBF ou FIFA derem à bola na Copa a ser realizada no Brasil. Tal qual o futuro estádio do Corinthians já foi batizado pelo povo de Itaquerão; a bola deveria ser alcunhada popularmente de corrupção e sem mais piadas em torno de apelidos que mereçam explicações. O nome deve ser direto e que revele a tragédia que assola a vida pública nacional. Um nome de fácil compreensão e correlação idiomática a todos que estão assistindo o Brasil naquela ocasião – corruption (inglês); korruption (alemão); corrupción (espanhol); corruzione (italiano). 

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

PARA LEMBRAR

O nome da bola deveria ser: etica

Rovail Mazzo rovailm@terra.com.br

São Paulo

*

‘MARACUTAIA’

Na próxima Copa de 2014, em se tratando de Brasil, o nome da "bola", eu já escolhi: maracutaia!

Eduardo Augusto de Campos Pires eacpires@terra.com.br

São Paulo

*

CORRENDO SOLTA...

Em nome da bola... Como a propina continua correndo solta nos preparativos para a Copa de 2014, ouso sugerir que o nome da bola a ser utilizada seja "jabá", uma vez que sem propina nada acontece nesta terra, ainda abençoada por Deus (até quando não sabemos!).

 

Antonio Manoel Gonzales Sotello tomsotello@gmail.com

São José do Rio Preto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.