Fórum dos Leitores

AEROPORTOS

O Estado de S.Paulo

08 Fevereiro 2012 | 03h08

Privatizações do PT

Parece incrível, mas é verdade. Há seis anos a oposição (PSDB) perdeu covardemente as eleições para o PT por falta de discurso em defesa das óbvias privatizações feitas em seu governo. Agora o PT - que demonizou as privatizações e ganhou as eleições por isso - o faz com toda a garra e vontade nos aeroportos. Por enquanto são três, mas em pouco tempo muitos outros virão. E agora, Geraldo? E agora, José? E agora, Fernando? Dizem que em boca fechada não entra mosca, mas fechar demais causa perdas irreparáveis!

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

Ainda tabu?

Quando Fernando Henrique Cardoso privatizou a Telebrás, havia menos de 20 milhões de telefones instalados e quem quisesse um pagava o equivalente a R$ 5 mil por uma linha telefônica. Hoje temos mais de 240 milhões de linhas instaladas, que são instrumento de trabalho essencial para muitos profissionais de todos os níveis. E ainda é tabu falar em privatização? Tem razão aquele ditado que diz que contra a burrice os deuses lutam em vão...

ALDO BERTOLUCCI

accpbertolucci@terra.com.br

São Paulo

*

Até de graça...

O PT não vai dizer nada sobre esta privatização de aeroportos, como disse e criticou as privatizações feitas no governo Fernando Henrique? Naquela época eu já achava que, mesmo que as privatizações fossem feitas pelo valor de R$ 1, ou até de graça, já seria lucro para o Estado, pois acabariam com os cabides de empregos e com a corrupção de políticos desonestos. Agora, só não vão gostar os funcionários pendurões, políticos que perderão suas boquinhas e sindicalistas, todos acostumados ao dolce far niente.

ALVARO SALVI

alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

Coerência

Quero ver agora o PT manter a sua tão propalada coerência e descer a lenha na "privataérea".

ARY NISENBAUM

aryn@uol.com.br

São Paulo

*

De cara limpa

Quanta coerência! Quando o governo do PT privatiza, é positivo. Quando outros governos o fazem, é negativo. Vou experimentar deixar a minha barba crescer e ficar igual aos barbichinhas do PT. Aí, quem sabe eu entenda como eles pensam. Acorde, Brasil, faça a sua barba diariamente e fique com a cara limpa.

CAMILLO FERREIRA

camillo.ferreira@ig.com.br

São Paulo

*

Assombração

O PT, que já se havia apropriado da estabilização da economia, da responsabilidade fiscal, das metas de inflação, etc., feitas durante o governo do PSDB, demoniza por conveniência, até hoje, as privatizações do governo FHC. Agora tenta mudar o nome das privatizações dos nossos aeroportos para concessões. O que vemos é que a privatização não é mais uma assombração para o PT, que já não poderá usá-la contra os seus opositores. Nada como um dia após o outro... Pena que a memória do nosso povo seja curta!

TANIA TAVARES

taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

Incapacidade gerencial

Depois de privatizar muitos dos ministérios e secretarias de forma disfarçada, o PT reconhece a sua incapacidade gerencial e privatiza aeroportos. Já é um avanço. Pelo menos os aeroportos não serão mais cabides de empregos para os petinchas (esperamos).

WILSON SCARPELLI

wiscar@estadao.com.br

Cotia

*

Atraso

O leilão dos aeroportos foi um sucesso. Mas por que ninguém lembra que essa privatização parcial está vindo com, pelo menos, 20 anos de atraso? Se o PSDB e o PT tivessem feito isso antes, não estaríamos vivendo o caos aeroportuário de hoje e não passaríamos vergonha na Copa de 2014. Bilhões não teriam sido roubados e bilhões teriam sido arrecadados!

LUIZ E. MAGALHÃES

lemaga@gmail.com

São Paulo

*

(IN)SEGURANÇA PÚBLICA

Bagunça na Bahia

Por onde andarão aqueles petistas dos direitos humanos, comandados por conhecido senador?

MILTON BULACH

mbulach@gmail.com

Campinas

*

Veneno

A greve da Polícia Militar (PM) na Bahia está fazendo o PT experimentar o próprio veneno.

JOSÉ ROBERTO CICOLIM

jrobcicolim@uol.com.br

Cordeirópolis

*

Sugestão

Dona Dilma, não seria o caso de estornar os US$ 550 milhões destinados a Cuba e transferi-los para a Bahia? Assim o governador Jaques Wagner poderá dar aumento aos PMs em greve e a Bahia terá carnaval em paz. Cuba pode esperar mais um pouco...

TOSHIO ICIZUCA

toshioicizuca@terra.com.br

Piracicaba

*

LULA E A AGU

Prevaricação

Na ação de improbidade em que Lula é acusado de ter enviado cartas de empréstimo do BMG a segurados do INSS, evidenciando propaganda política (7/2, A9), vemos que mais uma vez o cidadão está sendo enganado. Segundo o Estadão, Lula está sendo defendido pela Advocacia-Geral da União (AGU). Acontece que Lula é ex-presidente e, por outro lado, o acusado . Assim sendo, não pode ser defendido pela AGU, tanto porque a acusação parte do procurador-geral da República. Caberia ser defendido como cidadão comum, por advogado particular. Assim, há evidente falha que deve ser reparada, sob pena de prevaricação ou uso indevido da AGU.

CLAUDIO MAZETTO

cmazetto@ig.com.br

Salto

*

Mensalão

"Até as pedras sabem" do mensalão e da propaganda do BMG (7/2, A9). Só o Lula não sabia... GILBERTO DIB

gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

AEROPORTOS PRIVATIZADOS

Que bacaninha: agora os beneficiários dos fundos de pensão das estatais Banco do Brasil, Petrobrás e Caixa (Previ, Petrus e Funcef) já têm um aeroporto para chamar de seu, apesar do ágio de 347% na média.  Que esperteza desse governo para meter a mão nos fundos de pensão: serão R$ 24,5 bilhões para o governo distribuir entre os apaniguados e suas ONGs a fundo perdido!  Sem contar os inúmeros cargos a serem distribuídos entre afiliados e quetais. Em ano eleitoral, quando os governistas querem fazer o maior número possível de prefeituras, visando ao pleito de 2014, é um grande negócio... para elles, não?!

Aparecida Dileide Gaziolla rubishara@uol.com.br

São Bernardo do Campo

*

FUNDOS DE PENSÃO

Afinal, a quem pertencem os fundos de pensão? Se os funcionários públicos pensavam que eram os donos, depois dessa "privatização" meia boca dos aeroportos, em que o governo se apossou da dinheirama quase toda, periga que num futuro bem próximo os mesmos que esperam pelo bom rendimento de seus fundos para uma aposentadoria digna podem cair na mesma sina dos aposentados do INSS. A se confirmar, o governo do PT será acusado de ser o grande usurpador do dinheiro alheio. Mais uma pecha a ser atribuída ao “modo petista de governar”. As evidencias são muitas e levam os mais atentos a essa perspectiva.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

ELES QUE SE ENTENDAM

Já nos anos 90 os fundos de pensão eram alvo da ganância do governo federal que sempre olhava com inveja seu primo rico que nadava em dinheiro. Como não poderia deixar de ser, há nove anos o PT foi aos poucos se apossando deles e o governo Dillma se apossou de vez na privatização dos principais aeroportos do país com ágios estrondosos. O governo dirá: Viu? Como nossa privatização não é como a “deles”? Pois o tempo dirá. Coitados dos funcionários públicos que esperam que seus Fundos de Pensão rendam o suficiente para uma aposentadoria digna e não caiam na sina dos aposentados do INSS que o governo, grande usurpador, divide com todos os descamisados do país. O risco desse investimento é enorme, o retorno incerto e duvido que em sã consciência todos os funcionários públicos que participam desses Fundos gostariam de apostar seu futuro. Ainda mais com um sócio que “ganhou” 49% das ações (Infraero), balofo, inerte, ineficiente e que não pode ser demitido. Mas como é papo entre funcionários públicos X funcionários públicos eles devem se entender não é?

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

BELEZA DE LEILÃO

Aposte e ganhei, que os aeroportos iriam ficar nas mãos do governo! Fundos de pensão, Previ, Funcef, Petros e a construtora OAS, em parceria com a estatal sul-africana (quem?). A festa será grande, com farta distribuição de cargos, muitos funcionários, é lógico, e o "ágio médio" de 347%, muito acima do previsto pelos bem informados, renderá um bom dinheiro. Como o governo é um "grande gestor", quem vai pagar toda a gastança e o sensacional ágio, serão os palhaços de sempre,isto é, nós!

Eduardo Augusto de Campos Pires eacpires@terra.com.br

São Paulo

*

MÁ AVALIAÇÃO

O ágio nas privatizações tão elevado foi graças a real falta de capacidade de avaliar do atual governo. Que, aliás, sempre se diz contra a privatização. E, em especial, só utilizou grande parte do dinheiro de fundos de pensão.

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@ig.com.br

Campinas

*

PRIVATIZAÇÕES PETISTAS

Depois de demonizar as privatizações ocorridas em governos anteriores, o PT, através do presidente da Câmara, deputado Marco Maia, vem declarar que a privatização dos aeroportos é um avanço e que esse investimento privado no setor vai fazer com que sobrem mais recursos para a saúde, para a educação, investimentos em infraestrutura e outras áreas para o País. Discurso inteiramente incoerente, pois as vencedoras do leilão terão à sua disposição dinheiro público barato do BNDES, fazendo com que esse “investimento privado” seja apenas pra inglês ver. O verdadeiro motivo, que não deixa de ser um bom motivo, é que o governo petista assumiu a sua total incompetência para administrar aeroportos, e não viu outra saída que não a de pedir ajuda a quem entende do riscado. Especialmente, agora, com a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016 batendo na nossa porta.  

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro 

*

TORCIDA

Com o ótimo  resultado  do leilão de concessão dos aeroportos de Brasília, Guarulhos e Viracopos, a presidente Dilma Rousseff acabou contrariando  o   ex-presidente Lula, que sempre foi  contra a privatização de aeroportos. Como a Infraero participará com 49 % no capital da nova empresa,  poderá ocorrer divergências com as empresas nacionais e multinacionais, pois não será fácil conviver com os "hábitos estatais". Torço para que haja uma maior participação do setor privado em                   outras áreas estratégicas do governo federal, pois com a privatização teremos uma melhor eficiência administrativa, e toda a sociedade sairá ganhando.                                                                     

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

DEMOROU

A privatização dos aeroportos brasileiros, independentemente da Copa e outros eventos de peso, precisava  ser feita o mais rápido possível. Os serviços hoje são péssimos e os subcontratados ou permissionários de serviços quase escalpelam os bolsos dos ditos consumidores. Em Congonhas existe um tal de FLY CAFE que, pasmem, cobra R$ 3,00 um copo de água de 250 ml. Está mais caro do que whisky importado. Por essas e por outras os serviços e o atendimento precisam ser, sim, privatizados, algo que o PT já deveria ter feito, pois nessa área mostrou uma incompetência master e uma corrupção na Infraero sem precedentes. Podíamos terminar dizendo em alto e bom som: PT, quem te viu e quem te vê privatizando. Isso era a maior arma usada nas eleições pelo ex-presidente Lula. O cara?

Jani Baruki janibaruki@bol.com.br

Belo Horizonte

*

NOVOS TEMPOS

Será que Lula considera a privatização dos aeroportos como um dos efeitos da herança maldita de FHC?  E onde está José Dirceu, que ainda não vociferou contra essa privatização? Justo Veríssimo, explica!

José Carlos da Silva Carapeto jccarapeto@yahoo.com.br

Matão

*

O NEOLIBERALISMO DO PT

 

Um dos fundamentos para o PT denominar o PSDB de Partido neoliberal foram as necessárias privatizações realizadas no governo FHC, aliás, muito criticadas, também, porque suprimiram muitas vagas de trabalho para filiados do PT, diminuindo, assim, a renda mensal do Partido. Entretanto, para informação nacional, o PT, também, ingressa no neoliberalismo, com a privatização dos aeroportos de Guarulhos, em São Paulo, Viracopos, em Campinas, também no estado de São Paulo, e em Brasília. Doravante, veremos outras, porque D. Dilma precisa demonstrar a sua capacidade gerencial e, com a máquina aparelhada como está, fica difícil. Em resumo, o PT apanhou os planos de governo do PSDB e este, também, apanhou muitas ideias dos governos militares. Então, tudo se copia ou se transforma, mas criar é que são elas...!

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

CUSTO X BENEFÍCIO

Enfim, uma privatização aceitável. Ficou em casa e ainda capitalizou o governo. Resta ver o custo x benefício no futuro.

 

Rogério Proença Ribeiro roger_fani@hotmail.com

Araras

*

SEM DINHEIRO

A 1ª parcela do leilão dos aeroportos de Brasília, Guarulhos e Viracopos só  será paga em meados de 2013. E é bem capaz de ainda darem moeda podre ou se financiarem no BNDES. Compram sem dinheiro. É uma maravilha. Todos compram de boca. Pagar na hora que o leiloeiro bate o martelo ninguém paga.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

INCOMPETÊNCIA PELA COMPETÊNCIA

Com a chegada do setor privado nos aeroportos, a sociedade vai ganhar muito em todos os aspectos, principalmente com novos postos de trabalho, pois os critérios de agora em diante serão técnico e não mais políticos, pois tem muita gentinha na política há muito tempo apenas contribuindo cada vez mais para denegrir as imagens das estatais, patrimônio dos brasileiros que sempre são loteado para estes incompetentes que jamais deveriam estar onde estão. Não sei como foi o contrato de concessão. Se é total ou se parcial o direito de explorar essas unidades, o certo seria total, pois seria muito humilhante o setor privado e o setor público  trabalhando um ao lado do outro. Outra questão é os outros aeroportos menores que dão prejuízo e se for a leilão certamente não haverá interessados, pois todos quem sempre o melhor.

Paulo Rodrigues de Moura paulorodriguesmoura@hotmail.com

São Paulo

*

AEROPORTOS ‘BRASILEIROS’

 

Minhas dúvidas e perplexidades só têm aumentado com relação à política governamental com relação aos aeroportos nacionais. Inicialmente foi a desmilitarização do controle de voo, sem levar em conta que nossos aeroportos têm dupla utilização, civil e militar. Agora, a privatização (parcial) e desnacionalização dos aeroportos mais importantes, ficando a estatal Infraero administrando os menos rentáveis e até os deficitários. Ou seja, aliena-se o filé mignon e mantêm-se os cortes de segunda. Nos aeroportos privatizados, a Infraero será acionista minoritária, mas, seguramente, continuará "carregando o piano". Os argumentos não têm a mínima consistência: 1.  Copa do Mundo, Olimpíada: em Viracopos não haverá competições esportivas! 2. Necessidade de aporte de recursos privados: o País tem recursos para construir 12 (doze) estádios para a Copa, mas não tem para ampliar 3 (três) aeroportos? E o BNDES não vai financiar os novos concessionários? 4. Necessidade de experiência internacional: temos condições de fabricar e exportar aviões, mas não sabemos fazer obras de construção civil? Tudo isso sob um governo dos trabalhadores brasileiros.

Roldão Simas Filho rsimas@aos2.com.br

Brasília

*

CHAPA-XADREZ

Grupo português em shopping centers, grupo espanhol em rodovias, grupo argentino e sul-africano em aeroportos... Cadê os alemães, os ingleses, os  norte americanos, os franceses e os japoneses? Será que eles não confiam na independência dos nossos fundos de pensão?

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

GREVE NA BAHIA

Um clima de insegurança tomou conta de Salvador. Saques e mortes por todos os lados. A população está em desespero por falta de policiamento. A greve é justa? Quem sabe? O fato é que enquanto o governo demora em negociar com os grevistas a situação só piora. O governo petista da Bahia tem problemas de sobra para resolver, mas o holofote dos petistas está focado na operação Pinheirinho, em São José dos Campos (SP). Por que será que os petistas não enxergam o vandalismo que está ocorrendo na Bahia? E por que o senador Suplicy, homem tão corajoso, não vai pessoalmente conversar com os baderneiros na Bahia? Ficar blasfemando nos microfones do Senado, sobre a operação Pinheirinho, escondido atrás da imunidade parlamentar é tarefa fácil, difícil é conter uma população insatisfeita.  Vamos senador, coragem, enfrente uma população ensandecida com seu discursinho apalermado e verá o que é violência. Pare de chutar cachorro morto.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

BAHIA

Será que o cangaço voltou?

Fernando de Mattos Barretto fmbar@terra.com.br

São Paulo

*

CIRCO DOS HORRORES

A Bahia de Caymmi e de tantos outros brasileiros notáveis vive momentos de grande anarquia. Na bela Salvador, essa greve estranha dos policiais deixa um rastro de mais de 50 assassinatos praticados em tempo recorde, além de saques ao comércio, assalto a bancos, etc., etc. O caloroso povo baiano angustiado assiste ao reflexo cristalino da impunidade no País. No regime democrático a greve responsável é um dos seus pilares. Mas em Salvador, pelos relatos da imprensa, os policiais estão comandando esta carnificina, que deve ser debitada na conta do governador Jaques Wagner do PT, que nestes últimos dias esteve mais preocupado em salvar a pele do ministro Negromonte, ou de visitar escolas de samba no Rio, do que cuidar da sua Bahia, ou dialogar com os policiais. Lembram: de triste memória, quando em 2006 em São Paulo, os integrantes da facção criminosa, PCC, alarmaram todo estado atacando policiais e cidadãos deixando uma marca de horror?! E a cúpula do PT, próximo a eleição deste mesmo ano, irresponsavelmente se insurgiu contra o governador paulista?! E agora, dona Dilma, Lula, o que dizer desta greve travestida de bandidagem debaixo da inércia do governador Wagner?! A diferença é uma só! Enquanto em São Paulo, os investimentos em segurança são imensos, e a taxa de assassinatos caiu para 10,5 por 100 mil habitantes, infelizmente na querida Bahia, atinge a 61 mortes por 100 mil. E em oito anos de governo do PT no Estado, nada, absolutamente nada foi feito para minorar estas estatísticas.

Não se governa com demagogia, populismo, falta de ética e alta corrupção com vem fazendo o petismo. Governar exige alta capacidade de cidadania  das autoridades consagrando o bem comum. E na equação petista só cabe o resultado que assistimos indignados em Salvador... Pura incompetência!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

O PT E A FARDA

É de conhecimento público que os petistas nunca gostaram dos homens fardados (Polícia e Forças Armadas). Infelizmente a população da Bahia está sofrendo com a situação de anarquia e violência que tomaram conta das cidades daquele Estado, pela intransigência do ex-sindicalista e agora governador Jacques Wagner. E o pior, está fazendo com que duas forças acabem se confrontando, o que é um risco terrível. Tomara a população perceba a incompetência desses políticos que nunca souberam administrar nada, a não ser organizar barricadas e greves violentas.

 

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

O QUE É O QUE É

A presidência declarar que foi uma barbárie a ação policial no Pinheirinho (SP), onde ninguém morreu, foi uma precipitada aberração. Não qualificar as 93 mortes em Salvador (BA) e os graves distúrbios em outras cidades baianas, será uma aberração ou uma barbárie? Por que Suplicy não vai palpitar em Salvador? Aqui, em São Paulo, ninguém o chamou.

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

São Paulo

*

DIREITOS HUMANOS

Os direitos dos hermanos dos PeTralhas convocaram o prefeito e demais otoridades de São José dos Campos para explicar a “barbárie” lá cometidas, quero saber se também irão convocar as otoridades de Brasília para explicar o espancamentos e a morte de uma criança que estava em gestação que foi assassinada por um policial ao dar um pontapé em uma grávida fazendo a mesma abortar,e se vão convocar o governador da Bahia (dos PeTracas),que quando deputado federal fez vaquinha para arrecadar fundo pros grevistas (PMs),e agora como governador desse estado mando a policia do “poste “ espancar os grevistas,ou será que os PeTracas podem tudo e para a oposição a “LEI”...

Delcio da Silva delcio796@terra.com.br

Taubaté

*

BAGUNÇA NA BAHIA

A greve dos PMs na Bahia, que transformou a região num ambiente de desordem urbana comparável às revoltas no Egito e na Síria, deve despertar na consciência da população baiana, especialmente a de Salvador, um tremenda sentimento de nostalgia em relação aos tempos de Antônio Carlos Magalhães. Sob o comando de ACM, a Bahia era um estado com baixo índice de criminalidade, acolhia os turistas sem medo de assalto e punia bandidos. Não era um primor de político, como se sabe, mas em casos assim o homem aplicava a política de tolerância zero. A Bahia hoje é um estado governado pelo PT. Eis aí um fato a ser questionado pela oposição, que não tem poder de mobilização como o partido da estrelinha em relação aos episódios envolvendo o Pinheirinho e a Cracolândia.     

Sérgio Luiz Corrêa seluco@uol.com.br

Santos

*

ONDE ESTÁ ELE?

Onde está o Sr. Gilberto de Carvalho, para falar em “praça de guerra” na Bahia, como fez no caso da desocupação do Pinheirinho? Onde está ele, quando tanques e tropas do exército, helicópteros e tropa de choque, ocupam as ruas de Salvador, do petista Jaques Wagner? Oportunistas e demagogos cínicos são assim mesmo. Desaparecem, quando o problema é no seu quintal.

 

M. Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

SEGURANÇA PÚBLICA – ÉTICA

Nos acontecimentos da Bahia, entre os envolvidos, só bandidos mostraram ter alguma ética:- não responsabilizaram ninguém.

 

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

COMPETÊNCIA ENGANOSA

O estarrecedor número de mortos na Bahia desde que a greve da polícia militar baiana começou não só evidencia um lado horripilante da sociedade brasileira como também mostra que o socialismo defendido pelo partido que governa há quase 10 anos o país e que também governa o estado da Bahia não funciona e não é eficiente para fazer valer os direitos e os deveres dos cidadãos.

Fosse mesmo bom o que o PT prega aos 4 cantos não haveria ainda no Brasil tanta desigualdade e tanta falta de princípios. A propaganda mostra uma presidente eficiente e que cobra os seus auxiliares e que tem grande aceitação pela população. A verdade que vivemos é bem outra, ministros caem às pencas não sem antes serem acusados dos mais torpes golpes efetuados pelas suas equipes de confiança. As notícias nos jornais que saem ao lado das louvações à presidente que gerencia com qualidade são conflitantes com a lógica. O Minha Casa, Minha Vida não anda, as obras da transposição do Rio São Francisco estão paradas e rachadas, o programa UCA (Um Computador por Aluno) é um insucesso (não sem antes gastar milhões), das mais de 6 mil creches prometidas na campanha eleitoral nenhuma foi ainda inaugurada, etc., etc., etc. Esse país de sonho que querem nos fazer crer que existe na verdade está muito longe de sequer ser cogitado. A matança na Bahia nos mostra que estamos caminhando para uma situação incontrolável, onde nem a vida humana é respeitada. Onde estão a eficiência e competência tão cantadas?

 

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

*

NEOCARLISMO DO PT E A GREVE DA PM DA BAHIA

 

O desrespeito ao trabalhador militar traz à tona neste país uma realidade de insatisfação e discordância no interior dos quartéis. Diuturnamente, policiais militares que deveriam garantir a segurança de seus cidadãos não são respeitados e valorizados. Há algum tempo, as associações representativas de oficiais e praças das Policias Militares dos Estados, a exemplo da Bahia, vem alertando a sociedade sobre o clima de insatisfação generalizada que permeia toda a Corporação, sobretudo no desrespeito aos direitos deste profissional, materializados na PEC 300, a qual Governadores não tem dado a devida importância. Na Bahia, a categoria reivindica o cumprimento da lei 7.145 de 1997, cujos benefícios nunca foram pagos, a gratificação por atividade policial (chamada GAP 5), incorporação da gratificação ao salário, regulamentação do pagamento de auxílio acidente e adicionais de periculosidade e insalubridade. Infelizmente, o governo do Partido dos Trabalhadores se recusa a acatar o que prevê a legislação e os pleitos da categoria, que inclui o cumprimento da lei da anistia e a criação do código de ética e de uma comissão para discutir o plano de carreira dos PMs. Os policiais baianos recebem o salário base, equivalente ao salário mínimo e a GAP 3, que somam mensalmente cerca de R$ 2.300. Em toda a Bahia, há um contingente de 31.869 policiais. Na capital, esse número é de 10.712 e os demais são distribuídos nos 416 municípios. Até o momento mais de 25 mil PMs aderiram à greve por tempo indeterminado em todas  as cidades, onde se intensificam os arrastões e o estado de sítio da população. O paradoxo é que, esses mesmos policiais, que hoje fazem sua paralisação, recebem o mesmo remédio que aplicam na reprimenda a outros movimentos de outras categorias de trabalhadores e estudantes. As principais reivindicações são: criação de uma Mesa Permanente de Negociação, com representantes das Associações de Oficiais e Praças; reajuste linear de 17,28% retroativo a 2007; revisão no valor do Auxílio Alimentação; pagamento da diferença de GAP; implantação da GAP IV e V para ativos, inativos e pensionistas; atualização do valor do Honorário de Ensino congelado há mais de uma década; pagamento da URV; mudanças no Plano de Carreira; Regime Próprio de Previdência, conforme dispõe a CF/88; implantação do Subsídio, previsto no § 4º do art. 39 da CF/88; isonomia salarial entre os integrantes das Polícias Civil e Militar, conforme o art. 47 da Constituição Estadual; e melhores condições de trabalho. O que a população baiana espera deste Governo é ter um serviço de qualidade, com policiais em todas as cidades zona urbana, rural e periferias das cidades. Para isto é necessário a valorização e o reconhecimento do trabalho dos policiais militares; a abertura imediata de negociação com os representantes das Associações. Nossos políticos que em sua grande maioria não são dignos, sérios e nem éticos não querem uma Polícia (militar, civil e bombeiros) séria e digna. Mas, em pleno século 21 na capital baiana e cidades do interior vivenciamos mais uma etapa do desrespeito ao cidadão trabalhador militar. Uma corporação centenária, uma das poucas instituições que está 24h no ar. Neste momento, os PMs ocupam as ruas, a Assembléia Legislativa e os quartéis para protestar, para demonstrar ao governo que para colocar a sua vida em risco os salários, as condições de trabalho e de relacionamento com o governo não são dignas. Senhor governador, políticos, coronéis e demais oficiais a qual se atribui a responsabilidade pela segurança, perguntem aos seus comandados: Há Orgulho em ser Policial Militar? Demonstrem a cada membro da tropa que esta é uma profissão digna, que muitos deram a sua própria vida e continuam a fazê-lo para garantir a tranqüilidade e segurança de todos. Não permita que Policiais Militares e bombeiros sejam tratados como cachorros e bandidos de forma ultrajante com a chamada “Força Nacional” e Exército. “O compromisso com a lei e com a ordem e a manutenção da paz e da segurança de toda sociedade dependerá de profissionais sérios, homens e mulheres de bem, pais e mães de família que sabem perfeitamente do seu papel e responsabilidade”. Infelizmente, o governador da Bahia nunca foi exemplo, se distancia das tropas, vivendo nos gabinetes de Brasília. Segurança pública é direito de todos e a população das cidades do interior está cansada de pagar a conta quando em períodos de carnaval e festas vê parte de seu efetivo deslocado para Salvador.

 

Reginaldo de Souza Silva reginaldoprof@yahoo.com.br

Salvador

*

TURISMO E AMADORISMO

As regiões de turismo de nosso país poderiam ser as mais rentáveis do mundo se houvesse pelo setor público e privado investimentos no setor. O que se nota é que assim como muitos outros setores deste país o turismo também faz parte do sistema "movimento abdominal dianteiro" mais conhecido como "empurrar com a barriga". Milhares de quilômetros de praias quase sempre poluídas por esgotos e lixo por parte de muitos moradores que fazem da praia um grande cesto de lixo. Nossos aeroportos não suportam uma demanda maior de passageiros e logo começa a vergonha nacional, as filas intermináveis, o caos aéreo aterrissado, nossas estradas esburacadas não prestam para os turistas conhecerem nosso país tão bonito em tantos lugares. Que amadorismo é este em um setor tão vital para o conjunto da economia? Porém a maior perda de rendas através do turismo talvez seja na parte de segurança pública. As grandes cidades não oferecem segurança para eles que sempre são alvos de assaltos e violências e quando voltam para sua pátria sacodem a poeira da nossa terra. Na Bahia antecedendo o carnaval, a Polícia Militar em greve por salários, o que é muito justo pois estão emprestando a vida deles para a segurança de todos os cidadãos, é mais uma prova que o turismo é mesmo de amador. Por estes e muitos outros motivos muitos brasileiros, menos eu que não tenho o tal do dólar, seguem com suas famílias para os famosos EUA e Europa além de Espanha e Portugal para gastarem suas economias com segurança, com respeito e não ficar nas praias lindas brasileiras com submarinos humanos boiando ao seu lado ou mesmo nos bailes de carnaval tendo suas carteiras surrupiadas e sendo vítimas de arrastões em pleno carnaval. O turismo sexual é mais um flagelo nacional e a vergonha não pára por ai porque um país como a França que é menor que a Bahia recebe 15 vezes mais turista que todo o Brasil, é mais uma vez o Brasil perdendo para a França de goleada. Para se provar a calamidade que é o turismo brasileiro é só deixar um turista inglês em muitos restaurantes sozinho e quando ele chamar o garçom: Come here! talvez o garçom responda: Se já comeu e quer rir, fique à vontade. Afinal a gente pode ser ignorante e burro, mas a gente tem educação. Brasil, um país sem miséria é um país sem desperdícios de seus recursos.

Manoel José Rodrigues  manoel.poeta@hotmail.com

Alvorada do Sul (PR)

*

SENADOR DE UM SÓ PROJETO

O Senador Suplicy (suplício e/ou Simplício, sem querer ofender a memória do comediante) ex-lutador de boxe, que eventualmente pode ter tido o cérebro danificado, fez questão de levar ao Senado Nacional suspeitas sobre o trabalho de nossa Gloriosa Policia Militar na desocupação realizada por ordem judicial em São Jose dos Campos – Pinheirinho – SP. O que o mesmo oportunista tem a pronunciar na Tribuna do Senado a respeito dos acontecimentos no Estado da Bahia, desgovernado por seu PT, assim como para o Brasil. País com índice de deficiência intelectual de 70% ou seja eleitores do Chacrinha (Lula e sua corriola). Conselho grátis, se você não for funcionário público, não se aposente, pois viverá miseravelmente. Mas se tiver oportunidade para ganhar dinheiro tem como opção: ser banqueiro, abrir uma Igreja Evangélica (qualquer seita) ou fazer parte da cúpula do PT, neste caso terá direito a impunidade, mas se não seguir as regras pode ser assassinado.

 

Sérgio Reck Garcia sg.reck@globo.com

São Paulo

*

SEM NEXO E BARATO

O Senador Eduardo Suplicy (PT/SP) tomou as dores do pessoal do Pinheirinho de São José dos Campos/SP quando da desocupação da área por medida judicial, onde uma moça "diz" ter sido abusada por PMs. O caso está sendo investigado e existem inúmeras contradições nos depoimentos e, portanto, é necessário uma investigação mais apurada para conclusões à respeito.O Senador Suplicy só tomou as dores dessa moça, pois o governo de São Paulo é do PSDB e portanto oposição.Se eventualmente fosse do PT, ficaria caladinho e nem tomaria conhecimento do fato.Apenas para lembrar, sempre que pode fazer oposição barata e aparecer, sempre fez. Lembram se daquele casal de bandidos canadenses que raptaram o empresário Abílio Diniz? Pois então lá estava ele e sua então mulher, Marta, na porta do Carandiru (hoje um presídio que nem existe mais) fazendo barulho danado, para a extradição desses facínoras, o que foi posteriormente feito, daqueles malandros canadenses.Foi aí uma tentativa de aparecer, barata e sem nexo, ainda por cima comendo sanduíches sentados na calçada (do lado de fora) do presídio Lamentavelmente,nós paulistas continuamos a colocar políticos desse naipe na câmara alta do nosso Brasil.

 

José Piacsek Ento bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

OS DESEQUILÍBRIOS DE SUPLICY

Que culpa tem o Estado de São Paulo ter um senador por tanto tempo como Eduardo Suplicy, com claras demonstrações de desequilíbrio emocional? Talvez o caso dele seja psiquiátrico, ou então dos eleitores que vem votando nesse cidadão que nada produz para São Paulo e muito menos para o país. Por várias vezes já pagou vexame incompatível com o cargo que inutilmente ocupa... Já foi passar fim de semana no Carandirú com os inocentes presos, aparições humilhantes em Tvs e rádios, já viajou para o exterior com a namorada e despesas paga pela câmara, agora não teve o menor pudor em levantar falsa acusação de estupro no caso Pinheirinho, onde a militância petista capotou na curva e não conseguiu emplacar as meticulosas mentiras devidamente preparadas com fins políticos. No momento que se tornou necessário sua interferência, acovardou, não intercedendo pela maldosa e desrespeitosa extradição dos boxeadores cubanos. Onde Suplicy estava? Além da enorme despesa dada anualmente para lhe manter nesse cargo, o que senador Suplicy faz para o Brasil e Estado de São Paulo?

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@yahoo.com.br

São Paulo

*

MENTIRA COMPRADA

O caso do senador Suplicy é de psiquiatria o que o impediria de exercer o cargo. Quer dizer que alguém inventa uma mentira, sem comprovação – de que houve estupro na invasão de Pinheirinho – e ele acredita e bota a boca no trombone para a imprensa? Aí há que se questionar – quem é que deve ser processado – quem inventou uma mentira ou quem a divulgou? Enquanto ele sobe nas tamancas contra o governador Alckmin dá as costas e fecha os olhos para a barbárie (palavra tão ao gosto de Da. Dilma) que ocorre em Salvador sob a administração incompetente do governador petista Jacques Wagner. O sr. Suplicy deveria se lembrar que só Lula tem o direito de mentir e falar sandices sem ser contestado por ninguém, uma vez que tem o corpo fechado por algum babalorixá (ou pelo menos, tinha).

João Roberto Gullino jrgullino@oi.com.br

Petrópolis (RJ)

*

DEMOCRACIA E DISCURSO

 

O “caso Pinheirinho”, como ficou conhecido através da mídia nacional e que marcou o início de 2012, se tornou um de tantos outros casos emblemáticos que, pela repercussão gerada em termos políticos e sociais, servem para ilustrar o verdadeiro estado de desordem discursiva e democrática em que vive a sociedade brasileira e daquilo que se poderia chamar de “democracia às avessas”: vale para uns, mas não vale para outros – e cada qual tenta se equilibrar na balança dos discursos e do jogo de interesses políticos e partidários. A antiga expressão latina Dura lex, sed lex (a lei é dura, porém é a lei) nos traz à memória o conceito e os fatos em questão. No que se refere ao cumprimento da lei, referente ao caso da ação da Polícia Militar (PM) para a retirada de aproximadamente 5 mil famílias do grupo MST na desocupação no interior paulista, da área pertencente ao ex-megaespeculador Naji Nahas, em São José dos Campos (SP), surgem vozes veementes como a do senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB) na defesa de que a lei é a lei e deve ser cumprida, logo “uma ordem judicial deve ser respeitada e cumprida para que se preserve o Estado de Direito”. No entanto, o mesmo argumento e o mesmo cumprimento da lei não parecem valer no caso dos mais de 200 mil professores da rede estadual de ensino de São Paulo, quando a Secretaria de Educação do Estado de SP, na disputa acirrada entre Governo e professores, tem permanecido inerte fazendo “cara de paisagem” e insistindo em descumprir a sentença do juíz Luiz Fernando Camargo de Barros Vidal, que entendeu a aplicação da lei favorável aos professores, no que diz respeito ao cumprimento da Lei Nacional do Piso e da instituição de 1/3 da jornada de trabalho destinada à formação docente, planejamento de aulas, preparação e correção de atividades, como um dos esforços voltados para a melhoria da qualidade do ensino da Educação paulista. Neste caso, nem se aplica a lei, nem ela parece ser dura, e o Governo, contraditoriamente, discursa no sentido oposto à sua proposta política de colocar a Educação deste Estado entre uma das melhores do mundo até 2024. A teoria, portanto, de que “a lei é dura” é bela aos olhos do público, mas por baixo do tapete da democracia e das discussões políticas e sociais a prática nos mostra que a mesma lei vale para um e não parece se aplicar ao outro. Ricardo Eugênio Boechat afirmou recentemente que em casos como o do Pinheirinho e outros casos, o que se assiste na verdade são os políticos brasileiros tirarando o maior proveito político possível da situação e dos restos mortais do cadáver. José Nêumanne (Civilização e barbárie na ocupação do Pinheirinho, 1/2/2012, A2) defendeu o conceito de barbárie, salientando que há muitos outros casos em que este conceito se aplica, mas que no caso Pinheirinho a barbárie é a “a omissão das autoridades” na questão das políticas de habitação e moradia no país, rebatendo, assim, as críticas da presidente Dilma Rousseff à operação da PM e às medidas tomadas pelo governo paulista. O nó da questão é que a crítica da presidente cabe quando lhe convém e esquece que foi durante o mandato, em 2002, da então prefeita de São Paulo, Marta Suplicy, que os mesmos ocupantes das terras do Pinheirinho também haviam sido expulsos pela PM da área conhecida como Parque dos Príncipes, bairro que fica na divisa das cidades de São Paulo e Osasco, e foi formado através de loteamento das terras, na época, pertencentes à família dos Matarazzo, também ligada aos Suplicy, e quem lá reside hoje são os da família Mercadante, todos do seu Partido dos Trabalhadores (PT). Vale lembrar ainda que os Mercadantes foram recentemente alvos de uma ação judicial por alteração irregular e inconstitucional de estatuto e formação de uma Associação de Moradores daquele bairro,  a APRPP. A importante questão que se faz é se “a lei e os discursos são tão duros assim no Brasil que se aplicam à base de borrachadas em professores, estudantes, sem-tetos, pinheirinhos, mas não se aplicam no caso dos desvios de verbas aos milhares de desabrigados pelas enchentes em alguns Estados brasileiros, nem se aplica ao caso do STF e das corregedorias que, não funcionam quando se trata de investigar os próprios pares, nas próprias palavras do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), tampouco se aplicam aos “príncipes” e autoridades que comandam o Brasil?”

 

Emanuel Angelo Nascimento emanuellangelo@yahoo.com.br

São Paulo

*

CONFLITO NA SÍRIA

A  Síria está em destaque na ONU. É uma situação que  mostra uma ação parcial de um organismo que poderia influir de forma decisiva para a paz mundial. mas que  não está cumprindo o seu papel. As posições de suas várias comissões variam de acordo com a influência exercida por alguns potências. Ao anunciar   que se preparavam para invadir o Iraque, os norte-americanos  receberam da ONU uma determinação para que isso não acontecesse. E que não foi respeitada. A ocupação permanece, mais de 100 mil pessoas foram mortas e o assunto não   é  nem citado pela imprensa internacional. Como aceitar então agora a  sobre a Síria? Se houvesse efetivamente a intenção de uma solução, a pressão deveria ser no sentido de promover negociações na busca de um entendimento entre as partes beligerantes  Com esses procedimentos. A ONU perde muito de sua influência, o que é motivo de muita preocupação.

 

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

São Paulo

*

CHÁVEZ E OS CRIMES NA SÍRIA

Hugo Chávez aplaudiu os absurdos vetos da China e da Rússia à resolução da ONU destinada a adotar medidas voltadas para a cessação dos atos de violência oficial na Síria, que já provocaram mais de sete mil mortes. Em manifesto ato falho, o decadente caudilho venezuelano afirmou tratar-se, a política da Organização das Nações Unidas, de "esquizofrenia do imperialismo", doença ideológica que se soma a seu precário estado de saúde.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

VETO DA RÚSSIA E DA CHINA

Para o secretário-geral da ONU, o veto da Rússia e da China enfraquece a ONU. Israel não cumprir nenhuma decisão da ONU e os EUA vetarem a criação do Estado da Palestina, depois de 60 com eles vivendo em campos de concentração não abala. Estranho, não?

João Carlos Macluf jcmacluf@delta.inf.br

São Paulo

*

INTERVENÇÃO ARMADA

A Síria é um país instável, tem laços com Irã, com o Hamas nos territórios palestinos e apoia o Hezbollah no Líbano. Qualquer alteração política neste país as consequências são imprevisíveis para a região. Mas, diferentemente do caso da Tunísia e do Egito, a família Assad, deste 1971 no poder, tem ao seu lado a lealdade do Exército. O foco rebelde é a cidade de Hama, que em 1982 contou 10 mil mortos quando o povo ousou desafiar o pai do atual mandatário, e em  Homs; fala-se de combates nos arredores da capital, Damasco. No momento a ONU tenta pressionar o regime sírio com sanções e pede a saída do ditador Bashar Assad. Porém, países como China e Rússia são contra tais arrochos econômicos, e nem se cogita uma intervenção militar, como ocorreu na Líbia. Agora, a questão militar. O exército sírio é como um galho diretamente fincado ao tronco político e econômico do país. A minoria xiita alauita no poder pertence ao partido nacionalista pan-arábico Baath, o mesmo do sunita Saddam Hussein, enforcado no Iraque depois da invasão dos EUA. O Partido mais a família Assad regem a Síria desde 1963. Esses ingredientes e a lealdade do Exército tornam as coisas bem mais complexas, e os resultados são pessimistas. Duas opções. O mundo assistirá ao massacre arquitetado pelo regime contra os revoltosos até que haja uma trégua, talvez com reformas políticas brandas, isto é, sem ganhos concretos para os opositores. Ou, num cenário mais inquieto, os rebeldes da maioria sunita derrubarão o ditador, algo improvável sem ajuda externa, e cantarão vitória sobre mortos e feridos. Todavia, a revolução deve se acentuar ao verem a necessidade de fuzilar a cúpula militar e oficiais diretos fiéis e cúmplices do regime de Assad, e esticar os paredões até onde alcançar a contaminação sectária alauita no Exército.

Luiz Fabiano Alves Rosa www.politicaemilitarismo.blogspot.com

Curitiba

*

TERCEIRO MUNDO

A chefe da diplomacia da União Europeia Catherine Ashton, vai perder tempo, Dilma Rousseff, não vai apoiar uma resolução para por fim, ao regime do tirano Bashar Assad,  na Síria. Será que a  "chanceler" não estudou o histórico da diplomacia brasileira nos últimos nove anos? Com uma política antiamericana e antissemita e defendendo ditadores mundo à fora imitando Lula, Dilma, é devedora da elite médica paulista, portanto fará vista grossa, e, também para o Itamaraty a guerra fria continua. O Barão de Rio Branco um admirador dos EUA deve estar virando no caixão.

José Francisco Peres França josefranciscof@uol.com.br  

Espírito Santo do Pinhal

*

A FRANÇA E O POVO ARMÊNIO

O Parlamento Francês decidiu "criminalizar o genocídio contra o povo da Armênia em 1915, crime imprescritível de lesa-humanidade. Os sobreviventes Armênios foram forçados a emigrar para o Brasil, Argentina, França, EUA, Canadá, entre outros; para se salvarem das atrocidades cometidas pelos turcos.

Este genocídio, serviu a Hitler que o invocou para "justificar" o Holocausto do povo judeu, referindo-se à impunidade do governo turco-otomano: "Quem se lembra do massacre dos Armênios". Os que negam o genocídio armênio ofendem a memória de um milhão e meio de vítimas, massacradas em 1915, com requintes de crueldade.

 

Rubens Q. M. Costa rubensquintao@hotmail.com

Santos

*

MASSACRE DOS ARMÊNIOS

Após tanto se falar e discutir sobre o massacre de 1,5 milhão de armênios pelos turcos (que também já massacraram centenas de milhares de gregos, curdos e outros povos) porque não começamos a falar sobre indenização e sobre a independência dos territórios armênios e curdos que estão sob poder da Turquia, bem como sobre o direito de retorno dos refugiados.

Alexandre Matone amatone@ig.com.br

São Paulo

*

MINISTÉRIO DAS CIDADES

Ao que parece,  Dilma trocou seis por meia dúzia.    Esse novo ministro tem também uma ficha não muito louvável. Tem duas emissoras de rádio  em nome de laranjas,  e o endereço oficial dessas emissoras é o do escritório do ministro. Vai gostar de coisas erradas  e  nomear ministros sem consultar em outras plagas, Dona Dilma "presidenta". Chega de fichas sujas.

 

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

IMPOSSÍVEL

O nobre ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, tem rádios em nome dos seus empregados, ou seja, laranjas da casa. Será que a presidenta Dilma não vai conseguir ficar livre desse maldita herança de candidatos a ministros sem o envolvimento em falcatruas? Será que em Brasília, se gritar pega ladrão, meu irmão, não vai sobrar um? A coisa está difícil, para não dizer impossível. Troca-se seis por meia dúzia e ainda os partidos ficam cheios de razão. Ou seja, vergonha na cara e verdade são atitudes que em Brasília não existem? Qual será o fim disso, o Guiness de troca de ministros de um governo em menos tempo? Apelar para quem se os partidos da chamada base só tem base na corrupção e na lei do famigerado Gerson? Meus sinceros pêsames, presidenta, o seu antecessor deixou a sua base minada e não tem como reverter isso.

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

POSTURA REPUBLICANA

A presidente Dilma exigiu ‘postura republicana’ do novo ministro da pasta das Cidades. O que significa republicano? Monarquista ele não parece. Pesquisando o verbete “república” no Houaiss,  é possível encontrar 6. Uso: informal. associação em que há muita desordem. No Aurélio   6. Fam.  Associação, agremiação, onde impera a desordem.  Se for isso...  De fato, o que se exige , ainda de acordo com o dicionário Houaiss é: 1. forma de governo em que o Estado se constitui de modo a atender o interesse geral dos cidadãos... isso não é pedir demais.

Alexandru Solomon alex101243@gmail.com

São Paulo

*

EX-DETENTOS

Pelo menos no quesito recuperação de ex-detentos, o governo Dilma tem se esmerado de forma elogiável. Para o cargo de ministra da Secretaria das Mulheres, será nomeada a socióloga Eleonora Menicucci, colega de cela da presidente, na ditadura militar. Controvertida, como a maioria dos petistas, a nova ministra defende a prática do aborto. A recuperação de ex-detentos deveria ser uma atitude marcante do governo petista e não somente daqueles que enfrentaram a ordem legal, na tentativa de ''avermelhar'' esse verde,amarelo, azul e branco de que tanto nos orgulhamos.Esse é o governo do compadrio onde a meritocracia  sempre cedeu lugar ao acomodação de um ''cumpanheiro'' ou daqueles que estiveram algumas horas ou dias ''guardados'' pelas forças de repressão. Não há bem que sempre dure, nem mal que não tenha fim. Maktub, como dizem os árabes, ''está escrito''.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

O MUNDO É DAS MULHERES

A afirmação jocosa de que "o mundo é das mulheres", hoje, está comprovada à saciedade: elas verdadeiramente ocupam espaços que antes não lhes eram facultados. Em programas de TV elas dominam em novelas e como repórteres. Mas, muito mais importante são as suas participações na vida política do mundo, não só como governantes de países como o nosso Brasil, cujo presidente é do sexo feminino (senhora Dilma Rousseff, que tem em seu governo um ministério próprio para elas). Também  nações como a Argentina, Chile, Alemanha são governadas por elas. Existem outras em cargos importantes, como a presidente do Fundo Monetário Internacional (FMI), a corregedora nacional do Judiciário brasileiro, a secretária americana Hilary Clinton, etc., que honram sua feminilidade. O que é interessante de tudo isso é que, aqui, premonitoriamente, na década de 30 existia  uma canção popular cantada pelo saudoso intérprete Henrique F. Domingues, apelidado de "almirante", de onde destaco um verso que vem a calhar: Gosto e me enrosco por ouvir dizer, que a parte mais fraca é a mulher, mas o homem com toda a fortaleza, desce da nobreza e faz  o que ela quer.

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.