Fórum dos Leitores

FICHA LIMPA

O Estado de S.Paulo

17 Fevereiro 2012 | 03h05

Aprovada no STF

Demorou, mas, enfim, a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu pela aprovação da Lei da Ficha Limpa para as eleições de 2012. É o mínimo que a sociedade brasileira esperava, e uma decisão tardia, pois já deveria ter sido tomada nas últimas eleições. Não se admite que políticos ficha-suja ocupem cargos eletivos no Brasil. Queremos viver num país onde prevaleçam a ética, a moral e a honestidade tanto na política como na vida em geral.

RENATO KHAIR

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

Novos tempos

Desta vez, nem aquela redação dúbia colocada no texto da lei pelo senador Francisco Dornelles (PP-RJ) atrapalhou a aplicação da Ficha Limpa. Parabéns aos ministros do STF que votaram com o povo. Foram votos pela democracia e pela moralidade no nosso país. O Brasil penhoradamente agradece o início de novos tempos nas nossas eleições.

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

Pergunta que não cala

Ao não validar a Ficha Limpa, um ministro do STF estaria validando a ficha suja?

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

CARNAVAL

Bloco dos Fujões

Os jornais mostraram ontem a rigidez dos políticos: bateram seu ponto direitinho, como bons funcionários, e voaram para o aeroporto. Brasília não serve para fins de semana, imaginem no carnaval... Dá-lhe, país da Copa!

MAURICIO VILLELA

mauricio@dialdata.com.br

São Paulo

*

Ponto eletrônico

Pensava-se que a semana parlamentar seria de três dias apenas, mas durante o período carnavalesco é de dois dias somente. A grande maioria improdutiva do Congresso Nacional simplesmente bate seu ponto, recebe o próprio jetom e vai descansar na terra natal. Enquanto isso, na Terra Brasilis falta tudo, desde organização, infraestrutura, política pública e, notadamente, o fim da corrupção. Sugeriria que fosse instalado o ponto eletrônico no Congresso e que nossos representantes comprovassem a jornada de oito horas, como todo trabalhador brasileiro, e se comprometessem à apresentação de projetos de lei que viessem ao encontro da sociedade. A Casa parlamentar é muito grande, são mais de 500 deputados, e uma tênue margem de liderança é que dá as cartas, os demais simplesmente acompanham suas legendas e não se importam com a moralidade, só com os seus vencimentos.

CARLOS HENRIQUE ABRÃO

abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

Caráter aético

Muito oportuna a reportagem do Estado sobre o Bloco dos Fujões. Ela mostra de maneira inequívoca o caráter aético de representantes do povo. Pobre Brasil!

ROBERTO PEREIRA DA FONSECA

roberfon@uol.com.br

São Paulo

*

ELEIÇÃO MUNICIPAL

Frustrante

O acordo Gilberto Kassab-PT ou o eventual retorno de José Serra representam mais uma vez, e muito bem, a mesmice cansativa e lamentável da política brasileira. Os intragáveis conluios e conchavos entre alhos e bugalhos em época de eleições não passam de um paupérrimo rodízio de moscas a que nos acostumamos a assistir e a engolir há décadas. É frustrante a carência de políticos novos, com ideias novas, com carisma e entusiasmo.

VICTOR GERMANO PEREIRA

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

Beijo da morte

Os tucanos deveriam descolar-se de vez do "pior prefeito que São Paulo já teve". O apoio dele ao candidato petista é o beijo da morte, por isso comemorem. A propósito, quero ver se a militância do PT vai ter coragem de andar pela periferia da cidade na companhia de Kassab. Duvido!

ADEMAR MONTEIRO DE MORAES

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

Sonolência tucana

O PSDB definha a olhos vistos e insiste em não aprender com as lições que a vida custosamente proporciona. A eleição passada que o diga. E o filme se repete: enquanto o PT já está com a campanha eleitoral na rua a todo o vapor, os social-democratas "patinam" com candidaturas sem a consistência que o momento requer, e o outeiro se fazendo de difícil. Acordem, piciformes!

CARLOS FERNANDO BRAGA

cafebraga@yahoo.com.br

São Paulo

*

Superado

Será que José Serra ainda não acordou? Sua atitude só vai atrapalhar ainda mais o PSDB e prejudicar sensivelmente os demais candidatos. Além de um verdadeiro desrespeito aos paulistas que o elegeram, Serra abandonou o barco e ainda deixou no lugar o Kassab, que dispensa comentários.

LAERT PINTO BARBOSA

laert_barbosa@iog.com.br

São Paulo

*

Prévias do PSDB

A possibilidade do lançamento da candidatura à Prefeitura do sr. Serra, com o consequente cancelamento das prévias, seria total falta de respeito dos dirigentes tucanos aos filiados e, principalmente, aos quatro pré-candidatos. Nada contra o sr. Serra, muito ao contrário. Mas entrar no ônibus com ele andando e ainda querer sentar-se na janelinha não dá, né?

JOSÉ RENATO NASCIMENTO

jrnasc@gmail.com

São Paulo

*

(IN)SEGURANÇA PÚBLICA

Arrastões

Arrastões em prédios de bairros nobres de São Paulo voltaram a ser frequentes nas últimas semanas. Se a polícia investigasse esses crimes com a mesma veemência com que investiga assassinatos, seguramente as quadrilhas seriam desmanteladas rapidamente. Não é possível a população não ter segurança nem dentro de casa. Não faz sentido as autoridades se darem por satisfeitas com redução desta ou daquela estatística em relação a anos anteriores. A meta deve ser sempre zero.

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

*

FICHA LIMPA APROVADA

O deputado federal Valdemar da Costa Neto (PR-SP) conseguiu escapar desse processo em que ele era acusado de compra de votos e corrupção eleitoral, com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de mandar arquivar o inquérito que apurava o crime, por falta de provas. Não escapará, porém, do processo do mensalão, em que ele é réu por corrupção passiva, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Pode ir se despedindo da vida parlamentar, pois com a Lei da Ficha Limpa, não haverá Tiririca algum para conseguir que ele se eleja outra vez. E já que, aprovada a Lei da Ficha Limpa, não vai mais adiantar recorrer indefinidamente de sentenças para continuar com condições de se eleger a cargos públicos, como irão se virar os políticos malufes e barbalhos?

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro 

*

O QUE VALE É O VOTO

Passo importante para o início da reforma política, a aprovação da constitucionalidade da Lei da Ficha limpa  não representará ganho  real, enquanto o eleitor presentear, com assustadoras margens de votos, cidadãos com condutas nitidamente voltadas ao individualismo e ao fisiologismo político partidário, sem vínculo com o bem comum, verdadeiros farejadores das fissuras de um sistema eleitoral completamente envenenado. É necessário que a sociedade sinalize aos detentores do poder, com veemência, que a verdadeira reforma política  é a educação e os convença a transformá-la em objetivo de estado permanente e não em mero caça-votos mediante a exibição de conquistas artificiais. Enquanto não houver obstinação nesse sentido, continuaremos a engalfinhar-nos pela aprovação espasmódica de leis momentaneamente necessárias mas de pouco significado para a obtenção da verdadeira cidadania.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

INDEFINIÇÕES

 

Um partido político para ser atuante e combativo é necessário que seja unido, agregado e apto a conciliar eventuais disputas internas. Infelizmente não é o que ocorre com o PSDB no momento, diante da indecisa atitude de José Serra em relação à disputa da prefeitura de São Paulo no ano em curso. Por que Serra não se define de vez? Indefinições do PSDB sobre candidaturas são inconvenientes e por evidente nada mais fazem do que facilitar a disputa em prol dos adversários.

 

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

O INSENSÍVEL JOSÉ SERRA

Que ninguém se iluda com a possibilidade do Sr. José serra se candidatar a prefeito de São Paulo para nos livrar do PT. Tá na cara que ele não está nem aí com a Voz do Brasil!

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

DEU BRANCO

O PSDB parece que não aprende mesmo. Ridícula a postura de ficar implorando para o Serra ser candidato. Se o partido não apresentar um candidato novo, acho que muita gente como eu vai votar em branco. Serra já cansou.

José C. de Melo Reis jcelid@uol.com.br

São Paulo

*

PRÉVIAS

 

1) Estamos a oito meses da maior eleição do País, quando vão ser eleitos mais 5 mil prefeitos e mais de 50 mil vereadores, e o PSDB continua desunido, como sempre; 2) o partido resolveu realizar uma prévia (já tem 4 candidatos) para indicar o candidato do partido, o prazo para inscrição já terminou e José Serra não se inscreveu; 3) agora, uma ala do partido, mais particularmente Geraldo Alckmin, governador de São Paulo, quer anular a prévia para que José Serra se candidate e a briga continua; 4) acontece que Serra tem uma rejeição muito grande – mais de 30% – e tem outras pretensões, como ser candidato a presidência em 2014.  Se vencer a eleição, aqui, vai ter que sair, mais uma vez, entes de terminar o mandato; 5) Serra já afirmou várias vezes que não seria candidato a prefeito, assim como já disseram FHC e Gilberto Kassab, seus amigos particulares, e não seria, politicamente correto, agora, dividir o partido; 6) e quem garante a vitória de José Serra na eleição de outubro de 2012?

Olympio F.A. Cintra Netto ofacnt@yahoo.com.br

São Paulo

*

PRESIDÊNCIA OU PREFEITURA

José Serra deveria desistir de candidatar-se à Presidência da República, pois não tem "punch" para derrotar o PT. Faço votos de que se candidate a prefeito e salve São Paulo do petismo.

Flávio José Rodrigues de Aguiar flavio.daguiar@gmail.com

Resende (RJ)

*

COM CAROÇO, SEM CAROÇO

O Sr. José Estrela Serra vai ou não ser candidato à Prefeitura Paulistana? Para o alto tucanato, não só paulistano ou paulista, mas brasileiro em geral é um alívio se decidir pelo sim.Agora para a turma da estrela dourada, o PT, o caldo engrossou e é bem capaz de se não bem mexido, criar caroço. A impressão até agora para a turma da estrela dourada era que esse caldo estava no ponto, estava chegando, mas não é bem isso, pois o fogo parece fraco.

 

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

TRAIÇÃO

O tal Serra, que tanto o governador insiste em querer como candidato a prefeito, não é aquele que traiu o voto dos paulistanos e entregou o município de mãos beijadas ao Kassab? É memória curta ou falta de imaginação!

Frederico Fontoura Leinz fleinz@terra.com.br

São Paulo

*

PS(+-)DB

O que se viu ou vê no PSDB, antes e agora, é uma repulsão mútua e exacerbada, entre Alckmin e Serra. O chamamento insistente, de Alckmin para Serra na prefeitura, é o beijo da morte. Parece que tudo começou quando Serra minou (e muito) a candidatura de Alckmin à Presidência, contra Lula. O PSDB só voltará a ser uno, quando um dos dois, ou os dois saírem do partido. Só não vê quem não quer.

 

Ulysses Fernandes Nunes Junior twitter: @Ulyssesfn

São Paulo

*

PÍLULAS DE HADDAD

Haddad: "Eu levo em consideração o compromisso que as pessoas assumem publicamente"... e com esta frase o ex-ministro da Educação alfineta Serra sobre suposta quebra de compromisso com seus eleitores paulistanos ao se candidatar à Presidência em 2004.  Demagogicamente Haddad não considera que ao assumir um ministério por quase oito anos  e – ao deixá-lo – ter apresentado um resultado final tão abaixo da crítica, ele tenha descumprido um compromisso também assumido publicamente. Haddad é uma prova viva de que quem não tem competência não deveria se estabelecer. Já o Serra, em apenas dois anos muito produtivos deixou sua marca de excelência e melhor que tudo, deixou saudades! Para coroar sua fala junto aos aliados Haddad afirma que prefere disputar a eleição com Serra... interpretando às avessas a fábula da raposa e das uvas. É a maneira petista de menosprezar adversário de peso. Que bom... porque paradoxalmente esta sua atitude demonstra a preocupação que tem de enfrentar este adversário. Mas a safra tucana de pré-candidatos é tão boa que qualquer um deles tem condições de um caldo em Haddad.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

DISPENSA

Chega, Serra. Vá para casa.

 

Marcelo Almeida malmeida.persona@gmail.com

Taboão da Serra

*

DUPLA QUE NOS ENVERGONHA

Estamos bem de candidatos à prefeitura de São Paulo, uma dupla que nos envergonha. Chalita candidato do (PMDB-SP), o vira casaca, fez autoplágio de sua tese para obter um segundo título.  Que feio, um ex-secretário da Educação, que deveria dar o exemplo, usar desses expedientes para se promover! Com que cara ficarão os alunos que seguiram os passos exigidos pela Universidade, obedecendo todas as regras quando sabem que Chalita burlou o sistema? Fernando Haddad (PT-SP), candidato fabricado por Lula, usou avião da FAB para transportar seus familiares e justifica que não está errado, mas não é bem assim. A lei diz que o uso de jatinhos da FAB é regulamentado por decreto federal (4.244/2002). O texto prevê o transporte de ministros, além de outras autoridades, para agendas oficiais ou no deslocamento para casa. Não há nada no texto sobre a extensão desse benefício a parentes ou conhecidos das autoridades. Diante desse descalabro convém colocarmos nossas barbas de molho, pois muitas denúncias estão por vir e em tempos de eleição tudo será varrido para baixo do tapete. A conferir.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

MILAGRES DO MARQUETEIRO

O PT já está contratando o marqueteiro que transformou Lula em um candidato palatável, fez em Dilma uma transformação de gerentona sem graça em angelical dama plastificada e quer fazer o milagre de eleger um ex- ministro da Educação trapalhão em prefeito da cidade com o maior PIB do País. Vai precisar de muita artimanha, pois a São Paulo tem verdadeira ojeriza pelos petralhas mesmo porque, por aqui, o PT tem como estigma a fama de ruim em governar, mas que dá um baile em marketing falacioso. Já tivemos duras experiências com Marta e Erundina.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

CHALITA CHIBATA

O pré-candidato à prefeitura de São Paulo pelo PMDB, Gabriel Chalita, concluiu seu primeiro mestrado em 1994; em 1997 um outro, mas com a mesma tese da de 1994, ou seja, ele fez um plágio de si mesmo, além de demonstrar preguiça para a pesquisa. Já o pré-candidato pelo PSDB, Bruno Covas Filho (olha a hereditariedade) disse que isso pouco importa para o cargo de prefeito. Claro que não. Só um pequeno desvio de caráter! E também comprova que os dois são amigos, apesar de um ser do PMDB e outro do PSDB, e rivais na disputa pelo cargo. Ou seja, tanto faz! Como no final do livro Revolução dos Bichos: "não dá mais para saber quem é homem e quem é porco".

Luiz Fabiano Alves Rosa www.politicaemilitarismo.blogspot.com

Curitiba

*

ERRO DE KASSAB

O prefeito de São Paulo, Sr. Gilberto Kassab, cometeu o maior erro de sua carreira política ao fundar o PSD.  Seu novo partido está cogitando uma coligação com o PT. Na comemoração de aniversário dos 32 anos do PT, os petistas deram a maior vaia no Kassab, que estava presente como convidado. Isso significa que ele (Kassab) é uma pessoa não grata para o partido PT. Se o prefeito Kassab, não tivesse abandonado seu partido, poderia em 2014, ser candidato a vice de Serra para governador de São Paulo ou o vice de Aécio para presidente da República. Agora, meu caro Kassab, você deixou passar o “trem da alegria” e, por favor, não tente se candidatar a nenhum posto político em 2014, pois o PT já deu seu recado: não vai te apoiar! Eles estarão trabalhando para seus candidatos: Lula para presidente e Haddad para governador, com, provavelmente, José Dirceu e Marta Suplicy, respectivamente, para vices. Não espere nem por ministério.

 

Valdy Callado valdypinto@hotmail.com

São Paulo

*

PT, O ADOLESCENTE VELHO

Nos 32 anos de vida do PT, 23 foram gastos vendendo um sonho, que muitos de nos compramos. Os nove restantes são o troco em corrupção e pesadelos que embrulhados levamos para casa todos os dias!

 

Mara Fonseca Chiarelli mara.chiarelli@ig.com.br

Mogi Guaçu

*

IDEOLOGIA?!

 

O PT = PMDB + PSC + PC do B + PDT + PSB + PR + PTC + PTN + PRB + PSD: 32 anos de vida e tudo pelo poder!

 

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

PT

32 anos de PT, ideologia envelopada, feudalismo estampado.

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

                   

*

CARADURISMO

Em política, tudo é possível. Inclusive, ser mostrado ao lado dos adversários. A foto de capa do Estadão de sábado mostra-nos o caradurismo de Gilberto Kassab ao lado de ferrenhos adversários durante todos estes anos. Lamentável o que vimos,  remetendo-nos a  entender que em política devemos estar bem próximos dos opositores, independente da ética e da moral. Vale tudo.

 

Marcos Antonio Scucuglia sasocram@ig.com.br

Santo André

 

*

CAPA DO ‘ESTADÃO’ DE 11/2

Uma das melhores fotos de quadrilha, quase completa que vi nos últimos tempos, merece menção honrosa.

 

Károly J. Gombert gombert@terra.com.br

Vinhedo

*

KASSAB

Kassab, qual é a sua afinal?

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

SAPO NA FESTA DAS AVES

As comemorações dos 32 anos de fundação do PT tiveram como ponto apoteótico a retumbante vaia que o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, travestido de vermelho, foi recebido pela elite petista. Oportunista de primeira hora, o prefeito encarna, para São Paulo a figura do traidor da Inconfidência, Joaquim Silvério dos Reis. Presença patética estava na festa, tal qual o sapo que foi na festa do céu escondido na viola do urubu. Deu um autêntico ''tiro no pé'', desagradando governo e oposição. Nas fotos das solenidades, nota-se no semblante do prefeito um total desconforto por ser um ''peixe fora d água'', uma espécie desconvidada. A presidente Dilma Rousseff, dedicada aluna de seu ''criador'' não poderia deixar de marcar a sua presença sem um pérola verborrágica petista. Disse que o ano de 2012 deverá ser marcado também pela atuação da Comissão da Verdade, onde o PT, junto com a sociedade, deverá estar empenhado ''no resgate de nossa memória da luta pela democracia durante o período da ditadura militar''. Ouvir isso é melhor do que ser surdo. Onde Kassab deve ser jogado, na pedra ou na água?

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

COMPANHEIROS

Maquiavel dizia em O Príncipe, obra prima de seu Manual de Política, que os fins justificam os meios. Ao subir ao palco na comemoração de aniversário de 32 anos do PT, em Brasília (10/2), o prefeito paulistano foi anunciado pelo mestre-de-cerimônias como "O companheiro Gilberto Kassab". "Companheiro"?!

 

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

DE MÃOS DADAS

De fato, não deve ser agradável acordar de mãos dadas com Kassab, mas para os petistas isso não é nada demais. Afinal, há não muito tempo Lula beijou a mão de Jader Barbalho que, inclusive, já foi algemada.

Leão Machado Neto lneto@uol.com.br

São Paulo

*

REUNIÃO DELES

Jamais, em tempo algum, pensei votar em Marta... mas vendo a foto de capa de hoje... até que posso! Pobre pátria a minha!

 

Jacy Lori Ártico Mattédi jacymattedi@globo.com

São Paulo

*

ALIANÇAS

Kassab: diz-me  que andas com o PT que te direi o que és.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

INDIGNADOS

Parte do PT e a senadora Marta Suplicy criticam a possível coligação com Gilberto Kassab como se ainda fossem o PT do século passado, pseudo último bastião da ética. No entanto, unir-se à Maluf, Sarney, Jucá, Calheiros, Collor, Barbalho... pode. Tudo normal. Resta aos eleitores de São Paulo rejeitar essa união bizarra, pois o prefeito da cidade abandonou o município em nome do seu novo partido. Provém que ainda existe espaço para indignação no Brasil.

Sandro Ferreira sandroferreira94@hotmail.com

Ponta Grossa (PR)

*

FUTURO PRESENTE

Lula será vice de Aécio. Considerando as idas e vindas da política atual, a manchete poderia ser essa dentro em pouco tempo. A política não tem mais conteúdo ideológico. Tem “marketing”. Os políticos não são eles mesmos, são moldados para fotografarem melhor, terem uma voz calibrada, darem uma impressão de  honestos, éticos, patriotas. E são lançados, como os músicos,  uma mercadoria. Se agradar, valerá mais. Agora mesmo Haddad está sendo “repaginado”. Sua figura não está boa para prefeito. Há, também, o lado  comercial. Kassab pode levar um percentual de votos para o PT se esse partido der o lugar de vice. Mas o PSDB também tem a mesma oferta só que não dá lugar de vice, esse lugar é do DEM, o que ajudará a tirar votos do PMDB. Há ainda a negociação de quem apoiará quem, no segundo turno, isso vale pontos. Quem apóia a democracia,  fará reforma na Cracolância ou melhorará o sistema de transportes, não interessa. Isso será objeto dos discursos de campanha seguindo a necessidade? Não, a orientação do marketing diferentes das necessidades reais, senão prometeriam esgotos. Quanto aos pequenos partidos resta negociar quanto dão pelos seus parcos minutos na TV e o acréscimo para aparecer fotografia no programa.  Nem falar que chegamos ao ponto de ter uma Lei da Ficha Limpa, pois a corrupção graça “feia” no país e não temos justiça para coibi-la. Mas isso também não entra na campanha.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

LULA NÃO LARGA O OSSO

 

O que leva um homem  doente, que premiado pelas circunstâncias de uma época chegou a presidência da República de um país, exerceu  dois mandatos tidos como os mais corruptos da história deste e mesmo indo para a doce vida com   aposentadorias  (duas) e direito à segurança federal para sempre, não querer "largar o osso" como hoje faz o Lula, que  inclusive usa sua doença para efeito de propaganda ? Câncer, a doença, em primeiro momento foi avaliada como grave mas bastaram poucas aplicações para uma redução de seus efeitos em 75 %, o que leva a questionar se os médicos não superestimaram sua gravidade inicial  ou então,   fazem o mesmo com o sucesso do tratamento.  Porque em vez de querer posar em eternas manchetes mostrado como o "capo"  político que manda na presidente Criatura, sua invenção e que até para ir ao banheiro pede licença a ele, não esquece tudo que passou no cargo como o constrangimento e medo da chantagem de  um Sarney ou, humilhações  a que foi submetido como aquele "beija-mão" no Jáder Barbalho ? Porque não esquece tudo e vai curtir a vida pescando no Riacho Grande seus lambaris de 50 grs. e como todo bom pescador,  "papear" dizendo  que são tilápias de 2 quilos ? Se fizesse isso, faria um bem ao país porque  sua influencia é como um "câncer" . Mas seria um milagre esperar isso de alguém que provavelmente ainda em vida será homenageado com estátua em Pernambuco sua terra natal e servirá  de romaria para fanáticos analfabetos. Podem estar certos, ele competirá com o Padre Cícero.

 

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo  

*

KASSAB E O INSTITUTO LULA

Kassab é de fato criativo, tira uma cracolândia e coloca outra no lugar.

 

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

CRACOLÂNDIA E O FILHO DO BRASIL

Em 2010 para concorrer ao Oscar, em detrimento ao filme Tropa de Elite (este com público recorde), todos os jurados da Cinematéca do Brasil votaram para representar o Brasil no filme Lula, o filho do Brasil (este com número inexpressivo de espectadores). No Memorial Lulla na cracolândia, por tudo que esse homem não fez por São Paulo só os  PeTistas de plantão devem prestigiar a inauguração de mãos dadas ao Kassab.

 

Wilson Lino  wiolino@yahoo.com.br

São Paulo

*

QUANTA HUMILDADE E CARIDADE!

Os missivistas do Fórum dos Leitores eletrônico de 16/2/2012   Tullio Marco Soares Carvalho  (O crime e a advocacia) e  Claudio Amaral  (Em defesa do indefensável) não gostaram das manifestações populares contra o criminoso confesso Lindemberg Alves e sua advogada de defesa  Ana Lúcia Assad.  Mas antes dessas manifestações populares contra o  “inatacável” par, a muitos não haviam agradado as palavras desrespeitosas, de menosprezo,  da advogada contra a juíza do tormentoso e propositadamente atormentado julgamento.  A televisão, entre seus inúmeros defeitos, tem o mérito de nos permitir ter diante de nossos olhos, em “carne e osso”,  um envolvido em disputas, em problemas, sem os adornos de disposições teóricas de Direito e Jurisprudência. Dra. Ana Lúcia Assad, dias atrás, em rápida aparição foi bastante elucidativa em gestos e atitudes! Os caminhos teatrais que a advogada vem abrindo ao caso são de causar inveja a todos os criminalistas do País, ao PT e congêneres, e ao MST.  Ainda ontem (16/2/2012, Estado, página C3), com o título convidativo de Análise, traz considerações favoráveis ao réu, de duas figuras conhecidíssimas de nossa Imprensa: Primeira – Luiz Flávio Gomes – jurista: “Penso que os jurados vão acabar acolhendo tudo o que ele falou (o réu) porque apresentava sinceridade”. Segunda – Guido Palomba – psiquiatra forense: Depois de se divertir com palavras do réu, propositadamente mantido em silêncio meses a fio por sua advogada – para um golpe impressionante de contrição pública –, diz ele, psiquiatra: “Para mim, isso de fato aconteceu na perspectiva dele. Não é um bandido contumaz ou uma pessoa perversa.  As circunstâncias o levaram a fazer o que fez.” Cabe perguntar ao Estado se acreditam os jornalistas que em toda disputa, em toda controvérsia, deve a Imprensa ouvir os dois lados, as duas partes, onde estão “as análises” dos que veem Lindemberg e a advogada Ana Lúcia Assad tais quais os viram os manifestantes populares ora execrados por nossos dois missivistas acima citados.  Haverá assim defesa melhor do que esta, montada no jornal paulista da mais “ampla e irrestrita” aceitação e credibilidade em nosso Estado?  Foi comovente seu título da página C1, demonstrativo de humildade, extrema caridade, arrependimento puro: Lindemberg fala pela 1ª vez, admite ter atirado em Eloá e pede perdão. Ao missivista Sr. Túllio, que lembrou o jurista uruguaio Eduardo Couture (advocacia “uma árdua fadiga posta a serviço da justiça”), lembro, com mais raízes na realidade, de quem não é jurista, do pensador espanhol Miguel de Unamuno: Lo propio y característico de la abogacía, en efecto, es poner la lógica al servicio de una tesis que hay que defender, mientras el método rigurosamente científico, parte de los hechos, de los datos que la realidad nos ofrece para llegar o no llegar a una conclusion.  (...) La abogacía supone siempre una petición de princípio, y sus argumentos todos son ad probandum. (...) Para el teólogo, como para el abogado, el dogma, la ley, es algo dado, un punto de partida que no se discute sino en cuanto a su aplicación y a su mas recto sentido. (Miguel de Unamuno – Del sentimiento trágico de la vida . 11ª ed. Madrid, Espasa-Calpe, 1967, p.74). O espetáculo há de prosseguir, e nossa Imprensa, nossos meios de comunicação áudio-visual hão de se referir ao  “caráter polêmico que ele encerra”, graças não apenas aos interesses em causa – cuja magnitude as populações realmente desconhecem – como ao bom empenho de teatralização por esses nossos meios, que afinal vivem disso também.

Claudio M.Chaves claudiochaves@brasilereformaagraria.com

Piracicaba

*

MINISTRO SOB SUSPEITA

A presidente Dilma Rousseff está contrariada com os integrantes da Comissão de Ética Pública, visto que resolveram investigar o ministro Fernando Pimentel, e pretende trocá-los. Sugiro que ela faça as substituições, nomeando estas ilibadas pessoas: José Dirceu, Delúbio Soares, Marcos Valério, José Genoino, João Paulo Cunha e até o Palocci, porque não? Aí sim a coisa ficaria boa (para ela é claro).

 

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

TIRANDO O BODE DA SALA

Dona Dilma, ao trocar cinco integrantes da Comissão de Ética Pública da Presidência, resolverá todos os seus problemas. A partir no meio do ano não haverá mais nem desmandos nem corrupção nos seus 24 ministérios, nove secretarias e seis órgãos com status de ministério.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

MINISTÉRIO DILMA

Parece que dona Dilma continua tendo dificuldades com seu ministério, praticamente todo herdado de seu padrinho Lula. Agora é o homem do dinheiro – o ministro da Fazenda. A demissão ou não de ministros por corrupção de ministros, não interessa ao povo brasileiro. O que interessa é se esse dinheiro vai ou não  voltar aos cofres da União, e se essa gente vai ou não para a  cadeia.

 

Carlos  Yoshikazu Takaoka cy.takaoka@hotmail.com

São Paulo

*

QI DE ALTO BORDO

Da forma com que o fato se apresenta, fica impossível Guido Mantega dar explicações sobre o ex-presidente da Casa da Moeda. Daí a operação abafa comandada pelo Planalto e pelos parlamentares da situação.

Iracema M. Oliveira mandarino-oliveira@uol.com.br

Praia Grande

*

CASA DA MOEDA: UM PALCO DE DESMANDOS

O desvio de função da Casa da Moeda do Brasil, uma empresa pública criada há 300 anos com o objetivo de fabricar a moeda do país, é o que tem causado tantas transgressões publicadas nas últimas semanas pela imprensa nacional. Uma empresa pública tem necessidade de priorizar a alta lucratividade? Que preço a população paga por essa inversão de valores?  Até o ano de 2007, a Casa da Moeda do Brasil possuía um lucro irrisório, o que se justifica, já que sua função não era multiplicar lucros. A partir desse ano, o Ministério da Fazenda e a Casa da Moeda criaram o Sistema de Controle de Produção de Bebidas (Sicobe), que fixaram o pagamento de R$0,03 por embalagem produzida, independente do volume, tipo de produto ou valor. A cobrança dos R$0,03 penaliza o fabricante regional e vem liquidando as empresas ano após ano. Da mesma forma, o desvio do papel social da contribuição do PIS e da Cofins para os cobres da Casa da Moeda não tem nenhuma justificativa plausível. E por que o Ministério da Fazenda não se manifesta a respeito do Sicobe? Por que insiste em cobrar o serviço dos fabricantes de bebidas ao invés de arcar com os custos do sistema?  A única certeza que se tem é, além do enorme ônus que o pagamento do Sicobe tem gerado para as pequenas empresas de bebidas, todo o processo de contratação do Sicobe é uma incógnita: não há licitação e as suspeitas de pagamento de propina ao ex-presidente da Casa da Moeda, Luiz Felipe Denucci, fazem do Sistema algo ainda mais duvidoso. Há necessidade de uma empresa pública penalizar os pequenos empresários brasileiros em troca de lucro? O que é mais benéfico para a sociedade: o investimento dos impostos na área social e o mantimento das empresas regionais ou o enriquecimento dos cofres públicos? É hora de uma reflexão profunda e da mudança realmente acontecer.

Fernando Rodrigues de Bairros, presidente da Associação dos Fabricantes de Refrigerantes do Brasil (Afrebras) assessoria@afrebras.org.br

Guarapuava (PR)

*

CASA DA MOEDA

Novamente sugiro que as investigações na "Casa da Moeda", comecem nos seis primeiros meses do governo Lula. Ali nasceu a cobra, o pais estava tão embevecido com as eleições, que não prestou a devida atenção sobre o que se fazia e refazia na "Casa da Moeda". O PT dançou e rebolou. Querem ver?

                                                                                                  

Celia Henriques Guercio Rodrigues celitar@hotmail.com                                                                 

Avaré

*

DE MALANDROS E MANÉS

Por mero descuido, desta vez José Nêumanne, em seu artigo Dilma, Wagner e Alckmin no mesmo barco, a lei (A2, 15/2), equivocou-se ao afirmar que "no jogo sujo da política, contudo, princípios e valores têm sido substituídos por oportunismo e desfaçatez"(sic).  Equivocou-se, sim, porque, no pós-Lula, via de regra e não de exceção, o oportunismo e a desfaçatez é que têm sido, efetivamente, os princípios elementares e valores basilares da política pátria.  Hoje, no cerne do poder, cultiva-se a premissa tosca de que "malandro é malandro e Mané é... Mané"!(Bezerra da Silva). Neste caso, o fato de Alckmin ter entrado de carona no mesmo barco dos outros dois – e no artigo de Nêumanne, também – reflete claramente, além de sua candura, a sua condição de..."Mané", o que o difere dos demais.  Porém, a simples mas proveitosa leitura do seu livro O que sei de Lula forneceu-me subsídios mais que suficientes para desconsiderar o lapso de memória do insigne jornalista, razão pela qual foi fácil perceber e sentir, de cabo a rabo, a inversão a que acima me referi.

 

João Guilherme Ortolan guiortolan@gmail.com

Bauru

*

SAÚDE E SORTE

Novamente em Brasília e no Hospital Santa Lúcia, desta vez, morre o filho caçula do presidente da Embratur, Flávio Dino, o jovem Marcelo com 13 anos, com quadro de crise asmática, sob alegação de demora no atendimento, mesmo motivo alegado quando da morte por enfarte do secretário de recursos humanos do ministério do planejamento, Duvadier Paiva Ferreira. A polícia do Distrito Federal ficou com a obrigação de investigar o infausto acontecimento, da mesma forma que a presidente determinou a investigação, em fins de Janeiro, da morte do secretário. Ficam duas perguntas no ar, a primeira: se o atendimento fosse pelo SUS seria diferente? A segunda: os cidadãos brasileiros que morrem pela falta de atendimento pelo SUS, também têm a sua morte investigada? Há emergências médicas, por melhor que seja o hospital, mesmo assim não se tem um final feliz, mas no SUS... É uma questão de sorte. 

 

Luiz Dias lfd.silva@bol.com.br

São Paulo

*

FRASES DE EFEITO

Em sua última estada em Cuba, a presidente Dilma, acompanhada de seu assessor – aquele do gesto grotesco na televisão – fez alusão aos telhados de vidro, dando ênfase a Guantánamo. Agora, com viagem programada para 9 de abril aos EUA, em encontro com o presidente Obama, provavelmente dirá: "Gostei muito de cuba-libre." Será uma boa entrança diplomática.

Lígia Maria Venturelli vtcolombo@hotmail.com

São Paulo

*

DILMA COM OBAMA

Vamos torcer para que a presidenta Dilma, na sua visita a Barack Obama em abril, não siga novamente o seu “inventor” e não use a mesma tese que defendeu em Cuba, para os direitos humanos, no caso do programa nuclear iraniano: "Quem atira a primeira pedra tem telhado de vidro"...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

IRÃ

Obama quer ouvir Dilma sobre o Irã. Nos assuntos de alta relevância, de fato, devia ouvir o Lulla!

José Carlos Degaspare degaspare@uol.com.br

São Paulo

*

E O BRASIL ACREDITOU

Mesmo vivendo a era da comunicação a jato o governo do Irã levou 90 dias para responder a última proposta de diálogo feita pela diplomacia européia. Insiste na idéia de varrer o estado de Israel e os judeus do mapa. E mesmo assim quer que acreditemos que o enriquecimento de urânio é tão somente para fins medicinais.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

SÍRIA – DESINTERESSE, MEDO OU COVARDIA?

Na cidade e Estado de Sao Paulo, está a mais rica e maior comunidade de imigrantes e seus descendentes da cidade de Homs na Síria. Até agora não vimos nenhum manifesto de protesto contra a matança e destruição que o exercito de Bashar Al Assad está praticando contra seus parentes e sua cidade mãe.

Será por desinteresse, medo, covardia ou apoio a ditadura do mesmo?

Assaad Zaidan azaidan@terra.com.br

São Paulo

*

CRIMES CONTRA JORNALISTAS

A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) tem toda a razão quando pede urgência na tramitação do Projeto de Lei 1.078/2011, que propõe que a apuração dos crimes contra jornalistas seja federalizada, fazendo com que a investigação sobre esses crimes seja feita de forma isenta, e sem a influência de poderes locais. Dessa forma, a apuração de crimes contra jornalistas passaria a ser de responsabilidade da Polícia Federal. Certamente, a sociedade brasileira verá com bons olhos a aprovação dessa, e de qualquer outra medida que vise proteger jornalistas no exercício de sua profissão, sabendo que uma imprensa livre para fazer o seu trabalho é a nossa principal garantia de uma verdadeira democracia.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro 

*

REPRODUÇÃO ASSISTIDA

Certas coisas simplesmente não se podem fazer. Não quero ferir Maria Vitória, mas ela não teria nascido se os pais soubessem da sua doença na fase embrionária. Deduzo isso porque foi o destino de 15 irmãos seus. E Maria Clara não teria nascido se tivesse talassemia ou se, mesmo livre da doença, não fosse compatível com a irmã. Salvar Maria Vitória é um imperativo, sem dúvida, mas os fins não justificam os meios. Lamento que os médicos não invistam em pesquisas para tratamentos eticamente corretos.

Sueli Caramello Uliano scaramellu@terra.com.br

São Paulo

*

REPRODUÇÃO, BIOÉTICA E DIREITO HUMANO

O nascimento do bebê concebido por seleção genética para servir células-tronco e curar a irmã de cinco anos, que sofre de uma doença rara, reabre a crucial discussão sobre processo reprodutivo, bioética e o direito do ser humano. Desde que a ciência começou a se interessar pela área da reprodução humana, muitos questionamentos foram levantados. A reprodução assistida é – hoje – uma realidade. Casais sem a possibilidade de filhos encontram na ciência o meio de gerá-los. A geração de um ser com a finalidade de socorrer a outro, é a novidade. Há que se tomar todo cuidado para evitar que esse indivíduo doador seja encarado apenas como doador; ele tem de ser visto como um indivíduo tão importante e normal quanto os demais. Cultivar sua diferença pode ser um risco e, até, causar-lhe futuros problemas sociais e psicológicos. O momento é de júbilo para a competente classe científica. Mas a sociedade tem de se preocupar e buscar, com toda pressa, a segurança de que o uso do avanço científico não será desvirtuado. Os próprios especialistas, suas entidades representativas, governo e parlamentares têm de se mobilizar para dotar o país de leis e regulamentos capazes de garantir o uso da ciência apenas para o bem e a ética e jamais para a substituição do ciclo natural.

            

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

CÉLULAS-TRONCO

Os benefícios resultantes de qualquer pesquisa científica e suas aplicações devem ser compartilhados com a sociedade como um todo e, no âmbito da comunidade internacional, em especial com países em desenvolvimento. (Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos). A aprovação da Lei de Biossegurança, mais propriamente o artigo 5º, que trata das pesquisas com células-tronco embrionárias, foi um grande passo rumo a um país com mais possibilidades científicas, tecnológicas, médicas e econômicas. Tal aprovação foi um caso emblemático de mobilização social, que teve início no mês de janeiro do ano de 2003, quando a mídia – um elemento de extrema significância no processo democrático – ainda não havia tomado conhecimento de que este assunto, células-tronco, pudesse adentrar na esfera política brasileira. Muito embora tateando por acessar um universo ainda desconhecido, centenas de familiares e pessoas afetadas pelas mais diversas patologias, genéticas ou adquiridas, iniciaram ações para que as pesquisas com células-tronco embrionárias fossem aprovadas no Brasil. Porque se a maneira de se pesquisar, se a ciência em si, não era de conhecimento desta população, a esperança era uma velha companheira, colada em seus corpos, mentes e corações desde um diagnóstico, um acaso, um acidente automobilístico, um acidente genético, uma bala mirada, uma bala perdida encontrada nas costas de alguém. A esperança era, e é, uma língua conhecida e dominada por possivelmente mais de 25 milhões de brasileiros; e as palavras células-tronco e cura ficaram, nos últimos oito anos, muito próximas neste idioma. Suspendendo todos os aspectos políticos, jurídicos e econômicos – suspendendo-os e não os eliminando - que compuseram todo o processo da aprovação da Lei de Biossegurança, foi, em grande medida, a mobilização da sociedade civil que fez com que esta lei fosse aprovada. Contudo, e é este o tema central sobre o qual devemos nos debruçar, esta população guerreira, foi abandonada. O assunto “pesquisas com células-tronco” foi minguando e esta escassez contribuiu para que algo grave e efervescente tivesse início: a oferta de cura e tratamentos não aprovados pela comunidade científica. O termo vulgar, charlatanismo, é forte, mas seu significado - exploração da credulidade pública, inculcando ou anunciando cura por meio secreto ou infalível – precisa ser evidenciado para que possa ser combatido. Estejamos atentos, entretanto, que a situação atual é muito delicada; a força de vontade de tantas pessoas tem origem na fragilidade em que se encontram, pela deficiência, pela doença, pela finitude evidenciada. A esperança é o que move e isso deve permanecer. Toda situação de adoecimento comporta uma possibilidade de esperança, sempre; e quando efetivamente não a houver, o paciente haverá de inventá-la, não cabendo ao psicólogo nenhuma intervenção retificadora em nome de uma presumível realidade. Essa esperança deve ser mantida. (SIMONETTI, 2005, p.125). Foram a esperança e o inconformismo que deram coragem, criatividade e fizeram de um país católico um local repleto de possibilidades científicas. O tabu se desfez, mas a prática da enganação ganhou espaço. Nas comunidades de pacientes na internet pede-se dinheiro para ir à China, à Ucrânia. Somente a informação e o atendimento psicossocial poderão propiciar às pessoas com deficiência mais qualidade de vida, a migração a tratamentos inexistentes é muito mais complexo que um problema econômico, além de ser, evidentemente, um problema de saúde pública. Proponho que falemos sobre o tema, proposta justificada pela relevância social e porque a falta de informações é, em última análise, um violação à Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos.

                                 

Andréa Bezerra de Albuquerque andreabalb@gmail.com

São Paulo                           

*

ARRASTÃO EM HIGIENÓPOLIS

O ultimo arrastão no bairro de Higienópolis, ocorrido ontem na rua Sergipe,  teve características cinematográficas. Na calada da noite, apoiados por dois carros blindados, uma horda de bandidos invadiu o edifício residencial e foi assaltando, apartamento por apartamento, sem encontrar qualquer resistência. O arrastão vai se tornando rotina no bairro, ocorrendo um por semana. Na ausência do poder público, proponho que se arme a cidadania, pois a defesa do  lar é direito inalienável de qualquer cidadão.  Vamos iniciar uma campanha pelo armamento da população, em defesa da tradição, família e propriedade.

 

Arsonval Mazzucco Muniz arsonval.muniz@superig.com.br

São Paulo                                       

*

VERÍSSIMO

Poesia pura a tirinha Família Brasil de domingo, 12/2/2012. Avó que sou, fiquei com os olhos marejados ao ver traduzidos de forma tão singela os sentimentos de avô pelo neto e vice-versa. Luis Fernando Veríssimo é leitura obrigatória e prazerosa nos domingos de minha família.

Jane Araújo janemaria.araujo@gmail.com

Brasília

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.