Fórum dos Leitores

ELEIÇÃO MUNICIPAL

O Estado de S.Paulo

22 Fevereiro 2012 | 03h06

Hesitação

Não há mais plateia para o "ser ou não ser" de José Serra.

FAUSTO FERRAZ FILHO

faustoferrazfilho@hotmail.com

São Paulo

*

Torcendo contra

Ou o PSDB se define e se une num denominador comum ou poderemos considerar a falência total do partido. Neste momento crítico por que passa, deveriam os tucanos, em vez de se digladiarem, nomear alguém forte e de peso para gerenciar, ditar regras e normas a serem seguidas, evitando, assim, conflitos desnecessários entre os poucos que restam. Sem dúvida, o maior beneficiado pela atual situação, e assistindo ao desfecho de camarote, é o PT.

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

Redundantes

Ao ler (20/2, A4) a entrevista do deputado federal Arnaldo Madeira (PSDB-SP), cheguei à conclusão de que quem atrapalha a atuação e o desenvolvimento desse partido são os próprios tucanos. Total e completa redundância.

JOSÉ PIACSEK NETO

bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

Nau sem rumo

Em 14/10/2009 a coluna Procura-se a oposição, de Celso Ming (B2), e em 16/11 do mesmo ano o editorial Oposição sem rumo (A3) resumiram, tristemente, o silêncio que domina os que poderiam abrir os olhos do povo brasileiro para a queima de dinheiro público e a divulgação sempre sensacionalista de conquistas inexistentes ou a apropriação indébita de feitos anteriores. E agora, em 19/2/2012 leem-se os conflitantes Tales Ab'Sáber (J4) e Sérgio Guerra (A6). A oposição hiberna há nove anos em berço esplêndido sobre os louros do Plano Real e da estabilização econômica, período em que se esqueceu de que o povo não tem memória nem, digamos, inteligência para rechaçar oportunistas, mentiras, conversa mole e alegorias carnavalescas pinoquianas. Como o sr. Ming escreveu com propriedade, "a oposição não tem discurso, não tem opinião e não tem nada a propor". Após 28 meses, com líderes hesitantes, a oposição está passiva, despreparada, nem sabendo que críticas fazer nem fazendo um movimento de renovação, porque parece satisfeita e saciada com a fragilidade moral na Câmara dos Deputados e no Senado. Oposição, apareça - viva, de preferência - antes que seja tarde!

FLAVIO MARCUS JULIANO

opegapulhas@terra.com.br

São Paulo

*

Sérgio Guerra

Sr. Sérgio Guerra, sutil e débil é a atuação do PSDB, que nem sequer sabe fazer oposição, muito menos articulação política - diga-se: eleições na capital paulista.

ROGÉRIO PROENÇA RIBEIRO

roger_fani@hotmail.com

Araras

*

PSDB

Quando meus filhos eram ainda menores de idade, costumava dizer-lhes: quem é inteligente aprende com a experiência dos outros e quem tem inteligência normal aprende com a própria experiência; agora, quem é burro, nem com a própria experiência. Parece-me que o PSDB se enquadra bem neste último caso.

RICHARD OCAÑA ZANGARI

rozangari@gmail.com

Londrina

*

Trio de ferro tucano

Essa briga tucana pela Prefeitura paulistana servirá apenas para facilitar a vitória do Lula, que emplacará mais uma criatura dele no poder, no caso, da cidade com o terceiro maior PIB do País. Por que os candidatos tucanos à indicação não apoiam totalmente alguém que já tem experiência com o trato do Município e parece ser ficha-limpa, o sr. Andrea Matarazzo? Serra, Fernando Henrique Cardoso e Geraldo Alckmin deveriam deixar todas as diferenças de lado e formar um trio de ferro com poder suficiente para formar uma proteção a esse administrador que conhece bem São Paulo. Os demais postulantes não têm chances, principalmente o neto de Mário Covas, que pensa ser um êmulo do avô, mas nem de longe lembra essa figura que tanta falta faz ao PSDB. Que esse trio esqueça 2014 e lute a ferro e fogo por São Paulo, perdendo o medo desse "tranqueira" que manda no País, porque falta apenas o nosso Estado para enfeitar a sua coroa de maior coronel político. Se não se unirem, o mistificador Burla levará de primeira a Prefeitura paulistana e, feito isso, amanhã será o Estado, podem crer!

LAÉRCIO ZANINI

arsene@uol.com.br

Garça

*

Puro-sangue

José Serra-Andrea Matarazzo, chapa puro-sangue tucano para recuperar São Paulo!

J. S. DECOL

decoljs@globo.com

São Paulo

*

(Im)prefeito

Se eu fosse o PSDB, recusaria o apoio do Kassab. Sua administração como (im)prefeito foi um desastre, sua cotação entre os paulistanos é abaixo de zero e quem for apoiado por ele perderá a eleição. Deixem o abacaxi para o PT.

MÁRIO A. DENTE

dente28@gmail.com

São Paulo

*

Ovada

Será o Kassab tudo isso que o PT acha? Quem vota é o povo! Já esqueceu a ovada do mês passado?

ULYSSES F. NUNES JUNIOR

ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

Kassab

Afinal, quem é Gilberto Kassab? O mais novo "animal político" do conturbado cenário do poder, tal qual fascinante cortesã, dirige seu olhar a quem lhe acenar com as melhores ofertas para atingir seus objetivos na cadência eleitoral. Dono de um partido postiço, já foi visto negociando apoio com o PT, lançando confusão nas hostes do PSDB. Jura que Serra é seu guru e nem pensa em deixar de apoiá-lo. Exibe show de cores que dariam inveja ao mais mimético dos camaleões: declara que não apoia nem é oposição ao governo. Com a quase certeza da vitória, prossegue em sua corrida e passa pelos concorrentes, que quando descobrem o que está acontecendo já ficaram para trás. E ganha cada vez mais bajuladores, que se espantam com sua celeridade e sua determinação de chegar. Será essa a face do novo político brasileiro? Que Deus nos proteja.

PAULO ROBERTO GOTAÇ

prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

CARNAVAL 2012

Mais um ano e há confusão nas apurações das escolas de samba. O que os organizadores esperam para tirar os vândalos da disputa? Em minha opinião, torcidas de futebol, como a Gaviões da Fiel, não deveriam participar do carnaval. Só devem participar de competições aqueles que sabem perder. É o caos.

 

Mohamed Abdalla Kilsan  kilsanabdalla@terra.com.br 

São Paulo

*

VANDALISMO

Ah! Se o Brasil perder a Copa de 2014...

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

IMAGEM ARRANHADA

Não saber perder é o mesmo que não dever participar e desrespeitar os concorrentes. Por essas e por outras que o Brasil está na situação de violência em que se encontra. Ninguém respeita ninguém e muito mais os perdedores não sabem o que isso é. E colocar fogo nos carros alegóricos das outras escolas é vergonhoso e lamentável. As autoridades precisam e devem tomar providências urgentes, pois isso desmerece todo o trabalho feito durante o ano. A imagem do carnaval de São Paulo, tão elogiada ultimamente, foi para o espaço. Vândalos no carnaval precisam e devem ser excluídos, como feito na Inglaterra com os hooligans. E basta!

Anibal Vilari anibalvilari@bol.com.br

São Paulo

*

FALTA EDUCAÇÃO

Qual será a punição para o vandalismo praticado contra o patrimônio público e de outras escolas? Mais uma vez prova-se o que faz a falta de educação num país.

Lucia Helena Flaquer lucia.flaquer@gmail.com

São Paulo

*

CARNAVAL E POLÍTICA

Misturaram carnaval com política, só podia dar no que deu, bagunça generalizada na apuração do desfile em São Paulo, uma vergonha, para um país que sediará uma Copa do Mundo brevemente, endeusaram demais uma pessoa que oficializou o roubo neste país, onde agora não se prende fraudadores, desviadores de verbas públicas, só prendem pobres, na acepção da palavra, ganhou-se notoriedade em pesquisas distribuindo a deus dará bolsas, o que dá dignidade ao homem é o trabalho, suado, cansado recebe um salário e olha altivamente para sua família,bolsas são coisas de comunistas travestidos de democratas, afinal endeusam Fidel, Chávez, Ahmadinejad, entre outros, exageraram demais para talvez retribuir  quem financiou o desfile, degradante, o mundo todo estará vendo estas barbáries protagonizadas por pessoas desprovidas de caráter, que não sabem perder, nesta data no cidade de São Paulo e nós, brasileiros, perdemos, e muito, não se deve misturar carnaval com política, coisas apaixonantes que podem dar no que deu, esperem mais um pouco para verem o que o governo Lula plantou neste país, depois disto, glorifique-o.

Julio Jose de Melo julinho1952@hotmail.com  

Sete Lagoas (MG)

*

GAVIÕES

No carnaval paulista a Gaviões da Fiel homenageou o companheiro Gavião 1º, o maior predador dos impostos.

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

*

O CAOS NO DNIT

A reportagem (Fábio Fabrini, 19/2, A4) sobre o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), que administra R$ 15 bilhões e é vinculado ao Ministério dos Transportes, é uma simples amostra do caos em que se encontra muitos  outros setores do governo federal, onde as empreiteiras " deitam e rolam". Faltam funcionários qualificados como topógrafos, engenheiros, contadores, fiscais para fiscalizar as obras, auditores internos e  tem até 131 datilógrafos em atividades. Conforme o  auditor Tarcísio Gomes de Freitas, da Controladoria Geral da União (CGU) , o setor não tem condições de tocar o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e a contratação de novos funcionários ainda está sendo avaliada. É bom lembrar que esse caos administrativo, vem desde o governo do ex-presidente Lula e, nenhum “cumpanhero” teve a coragem de vir a público e mostrar à sociedade essa realidade, e como os impostos  que a população paga (34% ou 35% do PIB) estão sendo extraviados.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

NÃO TEM JEITO

O Dnit é a imagem e semelhança do PT. Ou, do partido que só impressiona pelo impulso da propaganda populista e demagógica... Esta matéria do Estadão (19/02/12) sobre a incapacidade do Departamento de Infraestrutura de Transportes (Dnit) de supervisionar obras, principalmente do PAC, comprova o  porque da ineficácia administrativa que vive o governo federal nestes últimos nove anos! E esta constatação não esta sendo denunciada pela oposição!  Um próprio servidor da empresa e auditor do CGU, Tarcísio Gomes de Freitas, é que diz que o Dnit é uma autarquia falida, porque não tem pessoal suficiente e capaz de acompanhar o grande número de obras pelo País. Enquanto o Dnit tem apenas 2.695 funcionários para supervisionar obras em 27 Estados e mais o DF, somente o governo do Estado de São Paulo tem no Departamento de Estradas de Rodagem 3,8 mil servidores. Na realidade estudos confirmam que, o Dnit para dar conta desta sua estafante tarefa precisaria de 6.861 funcionários. Ou seja, quase que o triplo do atual. Mas, destes 2.695 funcionários lotados na empresa, além de excessivos números de porteiros, encontramos 131 datilógrafos contratados, em plena era da informática... E apenas 10 técnicos de estradas e 8 especialistas responsáveis para avaliar a qualidade do material e serviços utilizados nas mais de mil obras existentes no País. Precisa mais?!

E é isso que dá a Dilma se comportar mais como presidente do Lula ou do PT, do que do Brasil...  

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

DEPARTAMENTO NACIONAL DA INCÚRIA TOTAL

O Estado (A4, 19/2) registrou o descalabro trágico no Dnit, encarregado de coordenar e fiscalizar as obras de infraestrutura rodoviária do PAC. O Brasil levará, nesse ritmo, no mínimo meio século para ser coberto de uma malha rodoviária, até lá provavelmente superada por outros meios de transporte. São Paulo, como é cediço, é o único Estado em que as estradas se aproximam do primeiro mundo, tanto em extensão geográfica como em qualidade e segurança. Talvez uma parceria entre a União e o Estado de São Paulo possa encerrar métodos significativos de superação da inanidade administrativa das cavernas relatadas pela matéria. O PT, contudo, teria de dar a mão à palmatória.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

SÓ PROPAGANDA

No meio dos feriados de carnaval a imprensa divulga uma informação sobre a falência estrutural do Dnit e, consequentemente, a incapacidade desse departamento de fiscalizar as obras do governo principalmente as do PAC o filho desestruturado da Dilma. Essa notícia deveria ser repetida às escancaras durante muitos dias para que o povo tivesse a oportunidade de avaliar o modo torto do PT governar. Muita propaganda e pouca responsabilidade administrativa. E pensar que Dilma cuida deste assunto muito antes de chegar à presidência. Nove anos jogados às lixeiras por falta de comando e de muita corrupção.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

VOANDO BAIXO

Nesta quarta-feira de cinzas muitos políticos estão de volta a Brasília (DF). Para muitos, seus pensamentos já estão fixados no feriadão da Semana Santa.

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

EM FAVOR DOS TRAFICANTES

Os congressistas legislam para o bem do povo ou em defesa dos interesses de um segmento da população que vive do tráfico de drogas? Porque uma proposta do governo federal a ser enviada até o final do ano para o Congresso defende que pequenos traficantes cumpram pena em liberdade. O que eles definiram por "pequeno traficante" já acabou por mudar até o método de atuação dos marginais que desde algum tempo não portam mais que pequenas quantidades de drogas por vez e andam desarmados para se caracterizarem como usuários – caso sejam abordados pela polícia. Não importa que no final do dia tenham vendido grandes quantidades de drogas e causado mal a milhares de pessoas... os angelicais que constituem a maioria deste Congresso sob a batuta do PT serão levados a votar em prol destes "pequenos traficantes". Não é preciso ser um expert no assunto para se perceber que com esta decisão eles favorecerão o aumento do tráfico de drogas e o número de viciados. O que nós, da população, queremos é endurecimento da lei para os criminosos e os legisladores quem relaxá-la ainda mais para depois gozar da nossa cara!  Resta perguntar: por quê?

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

ESTÍMULO ÀS DROGAS

O Senado publica uma resolução que facilita e estimula o tráfico de drogas, para os pequenos traficantes, que não vão mais para a prisão, devem cumprir penas alternativas, em liberdade. A decisão foi tomada a pedido do Supremo Tribunal Federal (STF). A razão é porque entendem que a pena de prisão deve ser exclusiva para quem causa graves riscos à sociedade, mas que de acordo com a Lei 12.403, também não ficam presos, então quem vai para a cadeia? Disse um jurista: "a prisão pode ser uma escola do crime para pequenos traficantes e sem antecedentes", pelo visto o objetivo é deixar as cadeias vazias, é mais "barato", já que passaram a ser "escolas do crime". Enquanto isso os cidadãos humanos direitos permanecerão "presos" em suas casas, trabalho a mercê dos "bandidos". A impunidade vem sendo "banalizada" há algum tempo, o negócio é acabar de vez com as "cadeias" e por consequência a redução dos processos criminais. Como sempre, o povo que se lixe.

 

Luiz Dias lfd.silva@bol.com.br

São Paulo

*

CONGRESSO LIBERA PEQUENO TRAFICANTE

Os chefões do tráfico têm agora um motivo a mais para pular muito no carnaval. Uma resolução do Congresso dará liberdade ao pequeno traficante. É agora que crianças cada vez mais jovens serão aliciadas pelo tráfico. As formiguinhas vão se multiplicar e os pais não precisam mais se preocupar porque mesmo traficando, os filhos não irão para a cadeia. Em vez dos filhos nas esquinas pedindo esmolas e vendendo balinhas, por que não traficar? Rende mais e é assegurado pela lei. Começam vendendo pequenas trouxinhas aos oito anos. Aos dez poderão ter seu próprio negócio para sustentar seu vicio. Aos doze estarão assaltando e aos 14 trarão nas costas tanta experiência que terão know how para ser chefão da droga. Quem quererá trabalhar honestamente para ganhar salário mínimo? Ninguém! Realmente com um Congresso assim, o que o povo pode esperar para proteger nossas futuras gerações?

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

FURTO DE ENERGIA ELÉTRICA

Li na edição de 20/2/2012 que os furtos de energia elétrica, no Brasil, montam R$ 7 bilhões. Sou engenheiro eletricista aposentado pela Eletropaulo há 19 anos. No fim de minha careira naquela empresa, após sofrer um enfarto, meu chefe retirou-me da funções que exercia e passei a fazer-lhe assessoria técnica. Uma de minhas funções era traduzir os artigos das revistas técnicas que a Eletropaulo importava para o seu acervo. Estas traduções eram então encaminhadas aos demais engenheiros. Não me lembro bem, mas uma concessionária dos Estados Unidos testou com sucesso em uma de suas cidades um novo sistema de medição. No local de consumo, em vez de medidores de energia foram instalados transdutores, um para cada fase. Os pulsos gerados por estes transdutores eram transmitidos por fibra ótica a um computador central. O consumidor ou cliente como gostava a Eletropaulo tratar seus consumidores, pela internet, obtinha os valores de seus débitos e os liquidava pela mesma via, suas contas. Isto reduziu a zero os furtos e trouxe uma enorme economia para a concessionária evitando emitir contas. O consumidor inadimplente era automaticamente desligado. Eu creio que dado o montante dos furtos, justifica uma implantação deste sistema no Brasil.

Ronald Martins da Cunha ronald.cunha@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

BANDA LARGA E O ATRASO

Outro dia numa matéria sobre velocidade da banda larga oferecida pelas operadoras vi que a totalidade dos usuários não está satisfeitos. E não é para estarem mesmo. Um cágado é mais rápido que a velocidade que oferecem. Mas a culpa disso é o percentual mínimo estabelecido pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que obriga as operadoras a oferecem 10% da velocidade divulgada, ou seja, se a operadora fala em 10 mega, tem que oferecer 1 mega, e assim por diante. E o restante, perguntará o usuário? Não são obrigados. Reclame com o Papa. Em 2012 a agência elevará para 20%, grande aumento. Continuará uma m... O pior é que os aumentos mínimos na velocidade a serem oferecidos pelas operadoras continuarão sendo insignificantes. Nem daqui a 20 anos terão de oferecer a velocidade integral. Ora, para que fizeram a privatização? Esta é a privatização modelo PSDB? E ainda aplaudem esta m...? Portugal, com toda a crise econômica que atravessa, usa a fibra ótica.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

PRIVATIZAÇÕES

Fala-se que a privatização dos três maiores aeroportos do Brasil no começo do mês, além de ter sido uma enorme contradição dentro da bandeira estatizante que o PT sempre carregou desde a sua formação, marcou o reconhecimento da administração petista de que a modernização não é possível sem as privatizações. Porém todos se esquecem, que Lula desde o início do seu primeiro mandato, sutilmente transformou seu governo num governo essencialmente privatizante. Lula privatizou ou particularizou, ou melhor, entregou mesmo, para cada um de seus aliados, para cada um de seus 38 ministros ou para cada um dos “cumpanheiros” mais chegados, uma estatal ou uma instituição do país, permitindo que o aliado, o ministro ou o chegado, usassem e abusassem do modo que melhor lhes conviesse daquele bem público. Infelizmente D. Dilma como excelente discípula que é, continua com a mesma prática, sem mexer numa única vírgula.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

PACIENTE INCOMUM

Vendo a foto de Lula indo embora, depois de quase uma semana internado no Sírio-Libanês, li que ele recebeu mais de 31 pessoas para reuniões, inclusive a presidente Dilma que ficou lá por mais de 3 horas, para discutir as mudanças no seu ministério. É um absurdo o hospital permitir que se faça de suas instalações uma extensão do comitê do PT. Tudo tem limite! Afinal, o sr. Lula não é dono do hospital, ou durante seu governo deu "presentinhos", para a entidade hospitalar? Será que os nobres médicos não sabem o que é ética, como o cardiologista Roberto Kalil, que mais parece porta-voz de Lula, do que um integrante do corpo médico do hospital. Penso que o Conselho Federal de Medicina deveria agir mostrando aos médicos do hospital Sírio-Libanês, que ainda existe ética médica, ou o regulamento do Sírio-Libanês é só para os doentes "comuns", já que dá nojo ver os salamaleques da equipe médica que adora aparecer nas fotos junto com o seu paciente "incomum"?

Agnes Eckermann agneseck@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

HOSPITAL-COMITÊ

Sou médico e cumpro todos os conceitos determinados pela ética que rege a classe. Portanto, acho muito estranho que um hospital, mesmo pertencendo à iniciativa privada, seja transformado em comitê eleitoral do partido político do governo com direito a fotógrafos e cineastas particulares na equipe. Em hospital, no máximo se discute ciência, e não política, como temos visto. Principalmente essa política suja que se pratica hoje. As fotos que saem do hospital Sírio-Libanês enojam qualquer cidadão minimamente esclarecido. Com a palavra, o Conselho Federal de Medicina (CFM) e o Conselho Regional de Medicina (CRM). Afinal, a ética médica é para ser seguida por todos os médicos.

 

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

ATAQUE OU DEFESA?

O Irã sempre teve na retórica e na pratica tem como meta de sua política externa a destruição do estado de Israel. Durante as ultimas décadas o Irã desenvolveu tecnologia nuclear com mísseis para obter uma arma atômica que pudesse colocar sua retórica em pratica, todo o mundo sabe disto só o Lula que acreditou no contrario. Ahmadinejad e seus aiatolás são loucos fanáticos, capazes de iniciar uma guerra para destruir o estado israelense e ainda alvos americanos e de quem mais chegar perto. Israel tem e já provou em outras oportunidades como em Entebe e no Irã forças capazes de perpetrar um ataque cirúrgico contra as instalações e aparentemente o fará. O que se discute é se tem este direito ou não?  Na minha opinião, a resposta é simples, se soubermos que alguém vai nos matar e a toda nossa família e tivermos através de um ataque meios para impedirmos isto o que estamos fazendo, seria um ataque ou uma defesa?

Márcio M. Carvalho mmcoak@hotmail.com

Bauru 

*

TUDO OU NADA

 

A ameaça israelense de atacar o Irã antes que "seja tarde demais" para alguns é uma decisão precipitada. O sonho de Ahmadinejad é destruir Israel, ou ele pode ser o executor do sonho de Ali Khamenei, o que pode ser a pior das hipóteses, pois o presidente é considerado impulsivo, desequilibrado em suas declarações e Khamenei raramente se manifesta, demonstra estar com o poder nas mãos e são suas as decisões que devem ser temidas, mas o que se sabe sobre elas é um pouco do que o presidente vocifera. O Conselho de Segurança da ONU não tem poder algum sem os votos da China e da Rússia para tentar frear o Irã em sua rápida escalada rumo à bomba e a mínima influência sobre Israel, que pode atacar a qualquer momento. A única saída seria a parceira inimaginável dos EUA, Rússia e China para conscientizar o Irã de que a bomba pode ser fabricada, pode ser lançada contra Israel, e, no mesmo instante, Israel lança centenas de suas bombas sobre o Irã, transformando tudo em pó. Todos perdem! Um conflito generalizado pode determinar o fim de vários países da região e um triste recomeço para todo o planeta. A hora é agora! EUA China e Rússia unidos podem salvar o planeta. China e Rússia não podem pensar em assistir de camarote a uma guerra nuclear imaginando que a arquibancada vai resistir.

 

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

IRÃ

Que palhaçada é essa de ser permitido a Israel ter a bomba atômica, e o Irã ser proibido disso? Israel não é melhor que o Irã, assim como Washington não é melhor que Moscou. Fez bem Ahmadinejad de suspender a venda de petróleo à Inglaterra e França, em troca do embargo da União Européia. Contudo não ser a favor de que alguém seja apedrejada até a morte, por ter cometido adultério, é inconcebível proibir o Irã de ter a bomba, pelo simples fato de não se alinhar com a política dos EUA. 

Conrado de Paulo conrado.paulo@uol.com.br 

Bragança Paulista

*

TEMOR DE QUE O IRÃ ‘SE BLINDE’

Cada vez se entende menos de guerras. Todo o mundo sabe que a melhor maneira de matar um tatu ou um formigueiro é tampar a boca. Será que a usina iraniana a 90 metros abaixo não tem boca por onde se entra e se sai?

 

Arioaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

ISRAEL, UMA VIAGEM AO VIETNÃ DO ORIENTE MÉDIO

Com o possível ataque de Israel ao Irã, Israel corre sério risco confiando mais nos outros do que em si mesmo. Israel pensa em atacar o Irã confiando no seu padrinho político e financeiro, os Estados Unidos, por que razão tanto apoio americano? Simples: os israelenses que moram nos Estados Unidos são responsáveis por 1/3 do PIB americano, daí vem à resposta da enxurrada de grana dos Estados Unidos para Israel e também a vista grassa para o programa nuclear Israelense, pois tal país tem a bomba atômica, se Israel pode porque o Irã não pode? Os visinhos de Israel: No norte faz fronteira com o Líbano a nordeste com a Síria a sudoeste com o Egito Como podemos observar Israel está cercado de inimigos dos quais já tomou terras. Se Israel tivesse a mesma demarcação da época que foi criado em 1947 com a bênção do diplomata Brasileiro Oswaldo Aranha que presidiu a ll Assembléia da ONU que resolveu pela partição da Palestina, isso provavelmente não estaria acontecendo, hoje.  Num possível ataque ao Irã Israel pode esta contando com os obsoletos sistemas de vigilância dos espaços aéreos dos seus visinhos, porém com um simples telefonema para a Rússia ou a China em troca de um bom contrato de exploração de petróleo tal país terá total condição de vigiar seu espaço aéreo e assim complicando os planos de Israel. Sem contar que Israel não tem a simpatia dos grupos terroristas, Al Qaeda, Hamas e Hezbollah estes dois últimos bem próximos de Israel. E se os três resolverem se unir contra Israel num possível ataque de Israel ao Irã Daí pode ter certeza Israel pode ter comprado uma passagem para o Vietnã do Oriente Médio.

Paulo Rodrigues de Moura paulorodriguesmoura@hotmail.com

São Paulo

*

A EUROPA DE JOELHOS

Os EUA e o continente europeu são regiões onde reina a hipocrisia, e quem não o é em um regime democrático? Vejamos o caso da Síria. O pomposo ditador Bashar Assad (que se duvidar acabará num buraco, como Saddam e Kadafi), já massacrou, por baixo, mais de seis mil cidadãos sírios (a imprensa está proibida de cobrir o conflito); por muito menos os EUA invadiram o Iraque em 2003, mentindo ao mundo sobre as Armas de Destruição em Massa (ADM), e depois nem ao menos deram explicações alguma à ONU, que não passa de uma entidade fantoche dos EUA, para explicar o saldo da guerra que durou quase 10 anos e que matou mais de cem mil civis iraquianos. Quem é mais terrorista, Bin Laden, que matou alguns americanos ou os EUA, que mataram mais de cem mil? Outro detalhe, quando Israel assassina cientistas nucleares do Irã se diz que é o modus operandi para frear a tecnologia nuclear do inimigo, mas quando Irã retalia, é acusado de terrorista. O povo escolhido por Deus é intocável. Em relação a Síria ninguém toma uma providência, porque, ao contrário do Iraque, Síria tem relevantes amigos. E navios de guerra do Irã já estão afundados no mediterrâneo. E, por isso, EUA têm medo, como também seu cão raivoso do Oriente, Israel, país dotado de bombas atômicas, mas nunca declaradas à ONU, cujo órgão AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) nunca pediu explicações ao Estado sionista. Sobre o velho continente Europeu: Cabe ao Irã tomar providências em relação ao velho e arrogante continente Europeu. A Europa depende de gás (da Rússia) e petróleo do Oriente Médio, basta fechar essas torneiras para sufocar a Europa, e, de forma irônica, voltar as sanções, como eles adoram de aplicar, contra eles mesmos. A Europa é um continente que só tem topete em tempos atuais. Agora, com a crise do capitalismo os assolando era o momento de subjugá-los economicamente. Eles têm a tecnologia, mas não a matéria prima. O que eles farão, outro imperialismo colonialista? Pois que venham. PS: As ilhas Malvinas é um exemplo do desespero Europeu. Ali eles controlam o Atlântico Sul, conseguem uma ponte para a Antártida e ainda uma travessia para o Oceano Pacífico. Não podemos permitir isso.

Luiz Fabiano Alves Rosa www.politicaemilitarismo.blogspot.com

Curitiba

*

ERRO ESTRATÉGICO

A ascensão da China à posição de 2ª potência mundial mostra claramente o erro de nossa política externa. Com base ideológica da esquerda e do PT, o governo brasileiro prioriza a aproximação com países sem significância econômica como Cuba, Venezuela, Irã e hostiliza os norte-americanos. Com isso, somos obrigados a 4h de filas para obter visto americano e muitos dos nossos produtos de exportação tem restrições de entrada nos Estados Unidos. Enquanto o pragmatismo chinês obteve acesso integral àquele país, o Brasil ideológico, nem tem acesso amplo aos seus “mercados amigos”. O antiamericanismo, doença contagiosa imposta aos sul-americanos por Simon Bolívar deveria ser tratada e extirpada pelo Itamaraty, se quisermos chegar a ser potência mundial.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

LUÍS VICENTE LEÓN

Referente à entrevista com o Sr. Luís Vicente León (20/12), sobre as eleições primárias na Venezuela, penso que Hugo Chávez depois de sentar-se no trono e experimentar o sabor do poder, fará tudo para aí continuar e se o caminho para manipular o eleitorado é pelo medo, assim o fará, afinal como diz o ditado “quem nunca comeu melado, quando come se lambuza”. Soubemos ainda recentemente por outro jornal que uma rádio estatal controlada por Chávez, divulga que Henrique Caprilles representa o “sionismo internacional que vai destruir o planeta”. Para quem acompanha a trajetória de Hugo Chávez, os ataques antissemitas dirigidos ao seu opositor não são novidade, já no início de seu primeiro mandato houve depredação de sinagogas, por fim o rompimento das relações com Israel. Muitos dos intelectuais e empresários judeus estão deixando a Venezuela, quem tem condições abandona o país. Para Chávez é fácil manipular a opinião pública, ele detém ao controle das mídias, mesmo assim esperamos mesmo que haja chances para que Henrique Caprilles possa derrotá-lo.

Aída Gliksman de Shor 5555@uol.com.br

São Paulo

*

FICHA LIMPA

O leitor Cícero Sonsim aqui no Fórum  dos Leitores, edição de 20 do corrente, externa sua desconfiança com relação ao rigor da lei denominada de “Ficha limpa”. Tal como ele, sou totalmente descrente da mesma. Cito um exemplo; O ex-prefeito de São José do Rio Preto (SP), hoje deputado federal Edinho Araújo, teve as suas contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas  do Estado. A câmara municipal acatou o parecer do tribunal dada a clarividência dos fatos. O judiciário de primeira instância apelou para um perito que misteriosamente pôs por terra os pareceres dos técnicos daquele tribunal afeitos diariamente em análises de contas de prefeituras e câmaras municipais. Conseguiu a liminar e se candidatou a deputado. Aguarda-se o julgamento em segunda instância que certamente irá para as calendas.   Agora vem o mais grave, esse mesmo prefeito quando no exercício do cargo, deu aumento em uma obra de 31 por cento, quando a inflação do ano foi de 4 por cento. Em decorrência disso, o prefeito já está condenado em segunda instância, mas ao que consta, ele não será alcançado, pois ele foi condenado por uma lei de iniciativa popular. Isto é uma aberração! Quem o condenou foi o judiciário. Absurdo, a lei da Ficha limpa a rigor não  vai barrar mesmo todos os fichas sujas. Já começa acobertando, como no caso, quem não cuidou com atenção do dinheiro público. De Gaulle tinha razão: o Brasil francamente  não é um país sério.

 

Carlos Pacheco Galves carlospachecoaalves@yahoo.com.br

Americana

*

CONSCIÊNCIA LIMPA

Manifestos de satisfação com a aprovação da "ficha limpa" surgem por todo o Brasil, o que é ótimo. Porem espero que o político não só tenha a ficha mas a "consciência limpa".

 

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

E AGORA?

Finalmente, após a validação da Ficha Limpa, poderemos responder: Onde estão os brasileiros?

 

Mara Fonseca Chiarelli mara.chiarelli@ig.com.br

Mogi Guaçu

*

FICHA LIMPA E REFORMA POLÍTICA

A constante e impressionante avalanche de denúncias de maus feitos com o dinheiro público que abundam diariamente na mídia, é tristemente emblemática.Urge que sanemos tal vulnerabilidade ética que possuímos, e para tanto, só uma Reforma Política que já teve seu início com a Lei da Ficha Limpa, necessitando agora de seu aprofundamento.Pressionar nossas lideranças públicas e privadas em tal sentido em ano eleitoral, é obrigação de todo o cidadão de bem e eleitor deste país.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

A HORA DOS PLANOS

Parabéns aos Juízes do STF que deram seus votos favoráveis à aprovação da Ficha Limpa já para estas eleições e pêsames aos que contra votaram! São coniventes com políticos alcoviteiros e ilícitos. Agora só falta aprovarem a liberação dos Processos retidos nas mãos do juiz Dias Tóffoli desde setembro de 2010 referentes às poupanças lesadas pelos planos econômicos das eras Sarney e Collor de Mello.

Boris Becker borisbecker@uol.com.br

São Paulo

*

PENEIRANDO

Parece-me que há pretendentes a prefeito de São Paulo com ficha suja e/ou ocorrências policiais por atos condenáveis. Será que o paulistano está tão desinformado assim, uma vez que a ficha limpa está valendo? Quando será que este inteligente eleitor vai parar de engolir malandros para administrar uma cidade de tamanha importância?

 

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

São Paulo

*

‘QUANTO DEVE GANHAR UM JUIZ?’

No segundo artigo do jornalista Carlos Alberto Sanderberg referente a Quanto deve ganhar um juiz? (20/2, B2), entre outros argumentos oferecidos por excelentíssimos juízes, os togados referidos pela excelentíssima juíza Eliana Calmon, Sardenberg responde àqueles que "Reclamam de que não têm FGTS" , "Lógico que não, pois não podem ser demitidos.", diríamos nós, ainda que sejam pegos com a "a boca na botija", por exemplo, o caso "Lalau" e muitos outros , eles são afastados de suas funções togadas e, inacreditavelmente, ainda que por justíssimas causas, malversação do  dinheiro público, corrupção por cifras milionárias, etc.,etc., são punidos, não por "FGTS pois não podem ser demitidos" mas, porque, se pudessem ser demitidos, não teriam direito porque estariam sendo por justa causa, são aposentados, com salários integrais com diversos penduricalhos já incorporados aos salários. Um movimento pela internet ou por listas de adesão que ofereceram à ministra Eliana Calmon, um CNJ pleno, poderiam mudar estas situações ? Valeria tentar, acredito. Em tempo: quem saberia listar os tais "penduricalhos"...

 

Moysés Friedheim m.friedheim@uol.com.br

São Paulo

*

'PRECISAMOS DE ENGENHEIROS INOVADORES'

Quando era estudante, nos anos 60, via meu pai batalhar diariamente em prol da tese de valorização da pauta de exportações do Brasil, ele que foi um dos maiores experts em Comércio Exterior de sua época, tendo ocupado cargos de direção na Cacex do Banco do Brasil, na Copeme (Companhia de Promoção à Exportação do Estado de São Paulo) e no Banespa, além de ter sido um dos autores do primeiro currículo de um curso de Comércio Exterior no Brasil (Fesp de São Paulo) e colaborador frequente de O Estado de S. Paulo. Como eu gostaria muito de ver o esforço dele surtir o efeito que desejava, achei muito importante e oportuna a entrevista, na edição de hoje, com o Professor Roberto Leal Lobo, que foi reitor da USP.  Suas idéias me parecerem bastante alinhadas com a tese defendida pelo Reitor do ITA Carlos Américo Pacheco, de que a inovação tecnológica é  uma agenda decisiva para o Brasil. Concordo com ele que os nossos engenheiros precisam se tornar mais inovadores, porém não são só eles. Muitas de nossas lideranças têm também que ser mais inovadoras, saindo de uma certa “acomodação” em torno dos ganhos gerados com as riquezas naturais ou produtos primários que, há 512 anos, geram a maior parte das receitas do país. A primeira conclusão que se poderia tirar para essa “acomodação” é a de que nosso povo é pouco aberto à inovação. Entretanto, na empresa multinacional em que fiz carreira e em várias filiais brasileiras de empresas globais, com as quais tenho tido contato, o que percebo é que as equipes brasileiras costumam estar entre as mais avançadas (e comprometidas) na implementação de seus programas mundiais de mudança, de excelência ou de inovação. Os brasileiros não são, portanto, resistentes às novas idéias ou formas de trabalhar. Como ouvi recentemente em uma palestra do ilustre empresário e ex-ministro Osíris Silva, salvo honrosas e exemplares exceções, os produtos de nossa pauta de exportações valem muito menos, por tonelada, do que os de muitas outras nações, sendo que algumas dessas nações eram, até há pouco tempo, menos desenvolvidas do que o Brasil. Precisamos começar a valorizar mais esses produtos antes que sejam enviados para o exterior. E o momento atual, em que o nosso país está em estado de graça aos olhos do mundo (Copa, Olimpíada, Pré-Sal), nunca foi tão propício para o Brasil dar uma guinada, inserindo com determinação educação de qualidade e inovação entre as suas maiores prioridades estratégicas. Parabéns a O Estado de S. Paulo pela iniciativa desta matéria.

Carlos Cardoso Cardoso.axxions@uol.com.br

São Paulo

*

ACIDENTE NA PRAIA

É chegar o verão e a TV colocar matérias  abordando o tema de  praias lotadas  de freqüentadores brincando nas águas rente a areia, mas correndo o risco de ser atingidos por jet skis velozes,  pilotados por pessoas exibicionistas que em algumas ocasiões até tirando rachas contra outras máquinas. Mesmo com essas reportagens advertindo sobre este risco, os órgãos com responsabilidade e direito em proibir e fiscalizar tais atitudes, não  tomam providencias necessárias como estabelecer bóias limites demarcando a distancia que um jet ski ou outros veículos náuticos devem manter da divisa com a areia, colocando  policiais equipados com lanchas velozes para fiscalizar, identificar, multar  e deter esses exibicionistas. Aquilo que as tevês previram, sábado dia 19, mais uma vez aconteceu quando um moleque irresponsável de 14 ou 15 anos de idade pilotando uma dessas maquinas, atropelou e matou uma menina de três anos de idade que brincava  na praia. Feito o desastre, abandonou o Jet ski no local correndo para uma residência próxima onde se refugiou e  desapareceu logo após. Duro é ver no dia seguinte,  um advogado dizendo-se representante da família,  vir à tevê já com  versão pronta  do fato,  onde com sua experiência tentará minimizar responsabilidade dos país e do moleque alegando possível defeito da máquina.  Se esse moleque vivesse em alguns países, seria identificado e não escondido,  criminalizado e condenado a uma cadeia dura por muito tempo. Aqui isso não acontecerá, porque nossas leis protegem aqueles  que podem pagar advogados caros  e talvez a penalização será um retiro em alguma clinica de repouso, com diagnóstico de qualquer doença psicológica feito por médicos também caríssimos. Só isso. Algumas medidas que podem mudar essa situação: a lei penalizar o responsável pelo menor com cadeia e também pagar uma indenização alta à  família da criança como nesta tragédia, o criminoso não importando sua menoridade,  pegar cadeia e não tratamentos em clinicas. Os órgãos do município, estado e federação, que detém reponsabilidade e direitos em fiscalizar os usos das águas como no caso, também devem ser obrigados a indenizar a família. Isso seria o correto, mas, passado o momento de impacto, apenas a família ficará com a triste lembrança.

 

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo 

*

‘FATALIDADE’

“Foi uma fatalidade”, diz advogado de garoto que dirigia o jet ski. Ainda de acordo com o advogado, Maurimar Bosco Chiasso, o adolescente de 14 anos, “por curiosidade”, decidiu ligar o jet ski. “Ao acionar o jet ski ele caiu e o jet ski se projetou, indo embora para praia, pegando a menininha”. Segundo o Dr. Maurimar, o garoto está recolhido numa clínica de repouso em Mogi das Cruzes, onde a família mora, acompanhado de uma psicóloga porque está muito abalado. Enquanto isso, Grazielly repousa para sempre.  E o advogado Maurimar espera que a justiça seja feita e o jet sky seja recolhido ao pátio da polícia portuária e de preferência desmontado para não sair matando mais ninguém por ai.  Maurimar, me poupa...

Jatiacy Silva jatiacy@estadao.com.br

Guarulhos

*

MARVADA PINGA

Xico Graziano, com a verve literária que lhe é peculiar, nos brinda, literalmente, com seu artigo Cachaça boa, “marvada” pinga (Opinião, 21/2). Cabe dizer que deve-se, na cachaça artesanal, avaliar a quantidade de cobre presente, material usado nos alambiques, como relatado pelo articulista, sendo que grupos sérios de pesquisa investigam os limites em que este metal pode estar contido no aperitivo. Lembremos também que no lançamento do Proalcool nos anos 70 vingou uma música que questionava que "pondo pinga no motor, vai faltar pro eleitor", bem contemporânea nesses dias de ressaca política.

Adilson Roberto Gonçalves priadi@uol.com.br

Lorena

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.