Fórum dos Leitores

ELEIÇÃO 2012

O Estado de S.Paulo

16 Março 2012 | 03h08

Prefeitura paulistana

Assim se pronunciou o pré-candidato do PT: "A palavra de Lula terá uma força extraordinária nesta campanha". E eu que pensava que para pretender o cargo de prefeito de uma das maiores cidades do mundo fosse necessário ter competência, firmeza de propósitos, honestidade de princípios, dedicação total aos problemas urbanos e isenção quanto a interesses político-partidários...

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

Estrelinha cadente

Mas, afinal, quem é o candidato petista à Prefeitura, Lula? Quem carece de tanto apoio assim, sem luz própria, nem deveria apresentar-se como opção ao eleitor. Péssima opção, aliás. Tão ruim que até a sua colega com dodói no cotovelo hesita em prestigiá-lo.

FLAVIO MARCUS JULIANO

opegapulhas@terra.com.br

São Paulo

*

Associações

Haddad associa Kassab a Maluf e Pitta. E Haddad? Só pode ser associado a Erundina e Marta...

LUIZ DIAS

lfd.silva@bol.com.br

São Paulo

*

PANES

Investigação profunda

Os incidentes com os trens da CPTM e do Metrô de São Paulo estão aumentando a cada dia. Na campanha eleitoral de 2010, incidentes com pessoas na linha, botões de emergência sendo acionados, paralisando as composições, eram rotina. Bastou sair o resultado do pleito e tudo voltou à normalidade. O que vem ocorrendo atualmente é muito sincronizado, são defeitos em cascata que estrangulam toda a operação Metrô/CPTM. As Polícias Civil e Federal devem investigar esses incidentes antes que ocorram mortes por sabotagem ou terrorismo. Se comprovada a sabotagem, cabe à polícia chegar aos mandantes. Abram o olho, isso não é normal!

LUIZ RESS ERDEI

gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

USINA DE JIRAU

Vandalismo

Muito oportuna a reportagem (13/3) que trata das ações judiciais relativas à apólice de seguro contratada para as obras de construção da Usina Hidrelétrica de Jirau. Trata-se de uma questão relevante para a autonomia do mercado brasileiro e para a soberania da Justiça nacional. Nesse sentido, é importante ressaltar que o laudo de conclusão do inquérito policial que apurou as responsabilidades da ocorrência apontou, fundamentado em provas evidenciais, que os atos de vandalismo foram promovidos por um grupo de bandidos infiltrados entre os trabalhadores de Jirau. Não houve revolta de trabalhadores e o canteiro de obras foi evacuado por ordem direta da Secretaria de Segurança do Estado de Rondônia. Para acatar tal decisão a Camargo Corrêa promoveu uma desmobilização temporária do projeto, a maior já registrada no âmbito empresarial brasileiro, adotando todas as medidas que asseguraram a integridade física de seus funcionários.

MARCELLO D'ANGELO, diretor de Comunicação do Grupo Camargo Corrêa

verena.ferreira@grupomaquina.com

São Paulo

*

ARQUIVO PÚBLICO

Obras, danos e acidente

Reportagens sobre as obras no Arquivo Público do Estado apresentam incorreções e a esse respeito prestamos os seguintes esclarecimentos. Em 18/2 houve um princípio de incêndio, logo contido por funcionários, no 4.º andar, depósito 4C, causado por um curto-circuito. O incidente atingiu quatro estantes com exemplares do Diário Oficial (do qual existe outra cópia) e do Correio Paulistano (com cópia em microfilme). Os danos ao acervo foram mínimos, a documentação original será integralmente recuperada e não haverá perda de informação. Na reportagem se afirma erroneamente que foram danificados "cadastros de famílias do acervo do Memorial do Imigrante" e "exemplares do extinto periódico O Paiz". Nenhum documento do acervo do Memorial do Imigrante sofreu dano pelo incidente. Os registros de imigrantes - fichas de estrangeiros e livros da hospedaria - estão em outros depósitos e as listas de bordo de navios, em outro prédio. Já os exemplares do jornal O Paiz estão guardados no depósito 1A, três andares abaixo do ocorrido. Também é falsa a informação sobre um segundo foco de incêndio. Dessa maneira, o incidente, felizmente, não acarretou nenhum prejuízo à memória pública paulista. Sobre as imagens divulgadas: 1) A foto sob o título Acervo amontoado mostra, na verdade, documentos em processo de embalagem provisória para transferência para o novo edifício. Cabe salientar que no interior das caixas a documentação está envolta em polipropileno corrugado ou plástico-bolha, materiais neutros e condizentes com as normas de acondicionamento para acervos dessa natureza. 2) A segunda imagem (Solda) mostra reformas estruturais nos corredores do bloco A, atividade já suspensa até a realocação dos funcionários. c) Na foto Documentos à vista, a documentação não se encontra no depósito 4C. Além disso, está atualmente em tratamento técnico. A cobertura com lonas foi uma medida tomada pelo Centro de Preservação para proteger a documentação da poeira provocada pelas reformas no edifício. Essa medida não afeta as condições de temperatura e umidade do ambiente e, portanto, não implica o aparecimento de fungos ou em qualquer outro dano ao acervo, como diz o jornal. Quanto à ameaça de animais, o Arquivo Público passa por dedetizações a cada três meses. Verificada a necessidade de novas dedetizações nesse intervalo, a empresa contratada pode ser chamada, o que tem sido feito nos casos de relatos de animais na área das obras. Não foi relatada a presença de animais em áreas de guarda de acervo. Em 21/1 um funcionário contratado pela empresa responsável pelas obras sofreu um acidente de trabalho quando operava uma grua, e não quando carregava "um grande volume de documentação histórica", como diz a reportagem. A empresa está prestando assistência ao funcionário.

CARLOS DE ALMEIDA PRADO BACELLAR, coordenador do Arquivo Público do Estado

vcristo@sp.gov.br

São Paulo

N. da R. - As explicações do Arquivo Público foram contempladas nas reportagens. Em relação aos documentos danificados, foram publicadas as duas versões - dos funcionários e da diretoria. Já quanto ao funcionário que caiu no fosso do elevador, o próprio coordenador da instituição, Carlos Bacellar, confirmou à reportagem que naquele dia ele estava ajudando na transferência do material histórico de maneira excepcional, ao contrário do que diz a carta.

*

A SAIA JUSTA DE DILMA

O PR já deu a senha à presidente Dilma: ou ela afaga o partido com cargos e outros mimos, ou eles viram as costas. A saia justa está em pleno desenvolvimento. Depois de jogar areia no ventilador os deputados e senadores do PR ficam à espreita aguardando que seja emitido algum sinal proveniente do Palácio do Planalto. Como ponderou Fernando Collor, seu impeachment deu-se por não compactuar com o Congresso. Lá no século passado, a coisa se deu assim mesmo. Quem não se lembra de Lula candidato, quando gritava aos quatro cantos do país, que no Congresso só havia picaretas e que uma vez eleito, iria moralizar Brasília? Os que sobreviveram aos ataques do boquirroto Lula estão vendo que não foi nada disso que aconteceu. Ao chegar ao poder Lula se deparou com as cobras criadas, Sarney, Renan, Jucá e teve de ceder para poder governar. Há poucos dias orientou sua criatura a fazer o mesmo e parece que ela resolveu se rebelar. De lá para cá o que estamos vendo é o conluio entre os parlamentares. Todos têm o discurso na ponta da língua só votam a favor do Brasil. Não sabia que bolso de parlamentar tinha Mudado de nome.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

BOICOTE

A atitude do PR em não mais apoiar o governo, proibindo seus sete senadores de votar a favor de projetos governamentais, mostra muito bem nosso nível político composto por pessoas "corruptas" e "desonestas". Pois, mesmo que os projetos pudessem favorecer a população (o que duvidamos muito), vão boicotar, pelo fato de não terem sido atendidos nos seu "interesses", "benefícios" e "vantagens". Ou seja, no meio dessa "corja" política e "suja" impera a famosa lei do "ou dá ou desce"!

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

CENAS DA POLÍTICA

Brasília definitivamente não é lugar para amadores. Dilma Rousseff e as ministras Gleisi Hoffman e Ideli Salvatti mais parecem um trio de ovelhinhas desamparadas e cercadas por uma alcateia de lobos famintos prestes a devorá-las.

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

PARTIDOS REUNIDOS

Como sabemos, os partidos políticos brasileiros, os da situação e da oposição, jamais se unem, ou se uniram, para pensar o Brasil, trabalhar para que tenhamos um bem comum, a gente saudável e protegida, o povo confiante. No entanto, estão neste momento, lá em Brasília, reunidos e unidos ao redor da mesa, dentro da mesma gamela, para dar fuga e liberar os comparsas de fichas sujas e contas reprovados para as próximas eleições. Principalmente aqueles que tiveram suas continhas rejeitadas. Cabe agora a quem de direito, paladinos da moralidade e da justiça, barrá-los mais uma vez. Isso, se não têm as togas misturadas às fichas e às contas. Mas, como também sabemos, fecha-se uma porta, eles roem outras duas para continuar dentro. Desgraçados!

Achel Tinoco achelltinoco@yahoo.com.br

Salvador

*

O SÍRIO DECIDE

Bastou internarem o apedeuta por uma semana e D. Dilma se atrapalhou toda...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

GOVERNO DILMA

A foto de Dilma com as mãos sobre os olhos é enigmática ou sintomática? A resposta virá se duas novas fotografias, tampando os ouvidos e a boca, forem divulgadas.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

FALASTRONA

O deputado federal Paulo Pereira (PDT -SP) afirmou que a presidente Dilma Rousseff era de falar pouco e estava parecendo a rainha da Inglaterra (2/3, A4). Se por falar pouco está causando tanta dificuldade para chegar a um entendimento com o Congresso Nacional, a saída da presidente Dilma é ser "falastrona", e seguir o exemplo do ex-presidente Lula, que é mestre nesse particular.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

INFERNO ASTRAL

No futebol quando um técnico escala mal e não tem bom relacionamento com os jogadores, o que normalmente gera impaciência na torcida, e prejuízo ao clube, é sempre demitido por falta de competência. Na política, os eleitos para cargos majoritários no Brasil, como prefeitos, governadores e presidente, raramente perdem seus cargos, porque estes têm até a cumplicidade dos eleitores e da população em geral, que aceitam passivamente as excrescências praticadas pelos nossos dirigentes contra as nossas instituições. Na atual conjuntura, a Dilma, se fosse técnica de futebol, por muito escalar mal (vocação petista), sem critérios técnicos e exigência de civilidade de seus colaboradores nos quase 40 ministérios, e aliado à falta de bom relacionamento com a equipe, já estaria por justiça fora do Palácio do Planalto! A presidente, pelo seu desajuste emocional, e reduzida capacidade de administrar, está gerando uma crise sem precedentes de identidade com o nosso Parlamento, o que vai custar muito caro ao País. E isso acontece não por causa da nossa insignificante oposição, mas por insanidade política dos próprios membros do PT, que querem ter absoluta cadeira cativa neste condomínio chamado Brasil... Meu Deus, que falta que faz a torcida do futebol no seio político!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

QUE GOVERNO?

O artigo de segunda-feira escrito pelo historiador Marco Antonio Villa (Governo? Que governo?, A2) é uma análise extremamente real e objetiva do que acontece nestes dias no Brasil. Enquanto uma grande quantidade de jornais, revistas e de comentaristas políticos insiste em dizer que a presidente Dilma dá primazia à gestão sabemos que esta é uma afirmação inverídica e que se destina a perpetrar uma imagem de grande gestora que foi inventada pelo ex-presidente Lula e que tem sido divulgada com a intenção de obliterar a verdade. Fosse essa a realidade não estaríamos com tantos problemas com a nossa tão deficiente infra estrutura que continua ínfima e não que não nos dá nenhuma esperança de se tornar eficiente. Fosse a presidente a grande gestora de que tantos louvam não teríamos esta vergonhosa taxa de crescimento e muito menos nossas indústrias estariam na situação de falta de crescimento e de sofrimento como estão. Fosse as promessas de campanha de verdade, agora já no 2º ano de seu governo as creches prometidas (6427) já estariam sendo entregues. Para isso o ministério da Educação teria que entregar 178 creches por mês e 5 diariamente. Até agora quantas foram entregues? Parece que nenhuma. E por aí vai, a quantidade de coisas que não funcionam me levaria a escrever laudas e laudas, portanto basta só apontar o que há de pior: o ministério que a presidente insiste em impingir aos brasileiros repleto de representantes de partidos e coligados da mais alta incompetência. Sendo assim se pergunta, do mesmo jeito que o ilustríssimo historiador perguntou: governo, que governo?

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

*

DILMA E O CONGRESSO

Na linguagem mais vulgar, e é a que é mais cotidiana, a presidente escanteou dois puxa-sacos, no caso o Sr. Candido e o companheiro Jucá. Talvez ela não saiba, que muito mais por ideologia do que cargo, puxa-saco é duro de largar do pé e ela arrumou uma sarna pra se coçar.

Mário Bezerra Costa mario.bezerra@ig.com.br

Santa Fé do Sul

*

INACREDITÁVEL

Essa é boa, o novo presidente eleito do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Carlos Ayres Britto, por pouco tempo, já que será aposentado compulsoriamente em novembro/2012, quando completará 70 anos. Falou ao Estadão/ESPN que é militante da Constituição federal, será que algum dos ministros não é? Confirmou também garantindo que o julgamento sobre o mensalão irá ocorrer com toda imparcialidade, estranho não seria o mesmo que chover no molhado? Há processos que são julgados com parcialidade? Mas não disse por que até agora não foi julgado e muito menos quando será julgado? Era melhor que não tivesse dito nada, com todo o respeito, é inacreditável!

Luiz Dias lfd.silva@bol.com.br

São Paulo

*

FUSCA

Ayres Brito na presidência do STF? Nunca antes na história deste país dirigir um fusquinha em campanhas eleitorais foi tão regiamente recompensado!

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

São Carlos

*

POUPADORES LESADOS

Perguntar não ofende: quando é que os órgãos julgadores vão dar uma resposta ao povão sobre as ações dos poupadores lesados? Com a palavra, o STJ, o STF e a mídia, que está muda, cega...

José Carlos Gonçalves da Cunha cunhag@uol.com.br

São Paulo

*

O DEVIDO PROCESSO LEGAL

A eminente ministra Eliana Calmon, Corregedora do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em suas oportunas manifestações, prega sempre que os delinquentes infiltrados em todos os Poderes da República precisam ser punidos. Agora, em recente palestra na OAB do Distrito Federal, insiste em que os que se encontram no topo da pirâmide precisam ser realmente punidos e nem devem contar com foro privilegiado. Sem dúvida que a ministra está com a razão, porque o privilégio do foro leva, quase sempre, à impunidade, além de transparecer uma desigualdade enorme no processo de luta pela justiça. Entretanto, é bom lembrar à corajosa ministra que todos das diversas escalas ou segmentos da pirâmide social devem ter a oportunidade de lutar pelos seus direitos, contando sempre com o devido processo legal. Desde juízes acusados de corrupção ou malfeitos até componentes e integrantes dos demais Poderes da República merecem punição pelos delitos cometidos, mas todos eles, no entanto, devem ter seus respectivos direitos de defesa resguardados e protegidos, à forma constitucionalmente prevista, sob pena de transformarmos nossa tenra democracia em regime medieval de vinditas, de processos sumários e de acertos de contas, o que seria lamentável e incabível.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

MAIS UMA CACETADA

Eliana Calmon faz criticas a bandidos com foro privilegiado. Ela disse: a corrupção e á impunidade deveria começar pelo "ápice da pirâmide". Será que é preciso ela dizer mais alguma coisa?

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

A PROPÓSITO...

Valho-me deste espaço que o Estadão democraticamente nos concede para lançar, desde já, o nome de Eliana Calmon, corregedora do CNJ como candidata à Presidência da República nas próximas eleições. Mulher, culta, inteligente, visceralmente honesta, inimiga implacável de qualquer tipo de corrupção... quem melhor do que ela para assumir o comando do nosso Brasil? Quem?

Attilio Cerino attiliocerino@yahoo.com.br

São Paulo

*

TOGADOS CONTRA RUY

Ninguém desconhece que Dilma Rousseff foi partícipe da luta armada nas refregas pós-1964. Por sua militância nas ações clandestinas em prol dos movimentos comunistas da época foi presa e cumpriu pena de pouco mais de dois anos em princípio dos anos 1970. Evidentemente de alguém nessas condições – alguém como ela que, há poucas semanas, esteve em Cuba, país que idolatra e cujo regime têm como modelo – não se pode esperar qualquer isenção de ânimo quando o assunto vertente for "contestação armada ao regime de 1964", o qual representou a antítese do comunismo. Nada obstante, é a ela, Dilma, que caberá apontar os Sete Sábios da República que terão sobre seus ombros a tarefa de dar palavra final sobre qual foi a Verdade (sic) nos idos do ciclo militar. Isso, de per si, afronta o senso comum. É situação digna de Kafka. Agora, sai a notícia de que 130 juízes da Associação de Juízes para a Democracia, em manifesto, pedem "pressa" a Dilma; querem saber logo quem serão os Sete Sábios escolhidos para trabalhar na tal Comissão da Verdade. Causa espécie tal manifesto de natureza judicial. Juiz deve ser isento, imparcial – pressupostos para que exerça a judicatura. Se à presidente – a mais alta magistrada da Nação – falta categoricamente isenção, que não se dizer de juízes que, de antemão, se pronunciam por agilidade na apresentação dos tais nomes que integrarão a Comissão da Verdade? Parece-me claro o viés ideológico dessa parte da toga que anseia em fazer sua particular "justiça" sobre delitos aos quais a Lei de Anistia, de 1979, reservou o cabal esquecimento. Nunca será demais lembrar as palavras de Ruy Barbosa sobre o tema da Anistia. Diz ele: "A anistia, na opinião dos jurisconsultos, cancela o delito, vai extinguir na sua fonte, faz desaparecer a sua ideia, é o esquecimento pleno, é o profundo silêncio decretado pelos poderes do país sobre fatos, cuja memória é de interesse ao governo que desapareça; as restrições, pelo contrário, opondo-se substancialmente ao espírito dessa medida, renovam a memória dos fatos, entretêm um elemento agitador e privam a anistia do seu caráter benfazejo (...) O perdão, sim, pela sua natureza, pressupõe o arrependimento do criminoso, o abandono das armas de luta. A anistia, pelo contrário, é um ato político pelo qual se faz esquecer o delito cometido contra a ordem, o atentado contra as leis e as instituições nacionais". Não seria demais lembrar que o STF já se manifestou pela validade da Lei de Anistia (que decretou o esquecimento dos fatos imputados a ambos os lados em luta). O que esses tais pretendem agora é, como dizia Ruy, "renovar a memória dos fatos" e colocar um elemento agitador, bem em sintonia com a ideologia que professam. Lamentável.

Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br

São Paulo

*

O SAUDÁVEL CAMINHO DO MEIO

Em meio a esse mal estar existente onde um dos lados quer punição a militares por acontecimentos passados, enquanto esses, denunciam o revanchismo ideológico de membros do atual governo , o que preocupa mesmo é a quebra da lei, de uma lei aceita por ambos os lados que anistiou em 1979 todos envolvidos sem exceção. Esse é um precedente perigoso em um país que já conheceu no passado uma ditadura de direita e no presente flerta com ditadores de esquerda.

Amâncio Lobo Amancio lobo@uol.com.br

São Paulo

*

A RECONCILIAÇÃO MAIS DISTANTE

De um lado, uma brilhante jornalista e profunda conhecedora de economia, ex-presa política, que obviamente puxa a brasa para a sua sardinha; parece, pelo que fala e escreve, que odeia civilizadamente os militares; recebe o apoio de alguns procuradores do ministério público federal e de um falastrão da Comissão da Anistia, além de outras personalidades com interesse no assunto. O que eles querem, afinal? Identificar os torturadores do regime militar, levá-los a julgamento, jogá-los no cárcere. E mais: querem também que sejam presas e julgadas as autoridades da época, que deram ordens para que os ratos de porão agissem à revelia da lei. Mas que lei? Do outro lado, os militares da ativa e da inatividade, ludibriados pelas promessas de "esquecimento do passado", como se isso fosse possível. Ora, parece até infantil que tenham acreditado nas palavras de quem "perdeu a guerra" e há muito tempo está ditando as regras no Brasil. É querer demais que quem foi torturado vá se esquecer do "pau de arara", se até hoje não esqueci daqueles que me deram trotes idiotas na Escola Naval... Porém, cadê as provas dos malfeitos dos ratos de porão? Talvez os personagens dessa discussão não estejam dando a devida atenção a coisas simples, arraigadas no espírito das leis e no espírito da caserna: a lei da Anistia, gostem ou não, é imutável, já o disse o Supremo Tribunal Federal; e a Comissão da Verdade está sendo distorcida, mal conseguiu vir ao mundo depois de um parto difícil, perdendo-se os interlocutores em bate-bocas intermináveis, afastando-se do objetivo: buscar a verdade. Por ora, estão buscando apenas a vingança. Quanto à caserna, enganam-se aqueles que apostam na divisão das Forças Armadas e jogá-las contra a sociedade civil. As recentes pesquisas de opinião pública atestam a credibilidade delas. Assim, o jeito, então, é aguentar o blá blá blá sem fim, com cada lado tentando usar as armas mais terríveis da retórica.

Augusto Cesar Geoffroy, capitão de mar e guerra (reformado) augustogeoffroy@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

*

RECORDAR

O grupo de José Genoino prendeu um filho do Antônio Pereira, um senhor humilde, que morava nos confins da picada de Pará da Lama, a 100 quilômetros de São Geraldo, no Araguaia. O filho dele era um garoto de 17 anos. Os companheiros do José Genoino pegaram o rapaz e o esquartejaram. Cortaram primeiro uma orelha, na frente da família, no pátio da casa do Antônio Pereira; cortaram a segunda orelha; o rapaz urrava de dor; a mãe desmaiou. Eles continuaram, cortaram os dedos, as mãos, e no final deram a facada que matou João Pereira. O MPF pretende denunciar esta gente? Será que o tal Major Curió, que estava ali para combatê-los, e a quem o MPF quer denunciar, cometeu alguma barbaridade ao menos parecida com a que eles cometeram?

M. Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

A RECÍPROCA É VERDADEIRA

Os senhores procuradores da República querem processar o Major Curió alegando que crimes de sequestro não prescrevem. Gostaria de saber dos mesmos como fica a situação de D. Dilma e outros guerrilheiros que na época sequestram o embaixador do Estados Unidos?

Antonio Ranauro Soares antonioranauro@bol.com.br

Sete Lagoas (MG)

*

PROCURADORES

Esses procuradores, que foram fotografados dando entrevista a respeito da sua tentativa de burlar a Lei da Anistia, estavam loucos por um holofote e por alguns minutos de fama, o que acabaram conseguindo, tendo suas fotos e nomes publicados em jornais. Nada além disso, e nada mais do que isso, eles conseguirão.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

DEGRADAÇÃO

Pelo andar da carruagem não demora muito para a sede do PT ser o ministério da Justiça e a nossa Constituição virar papel higiênico.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

BRASIL QUASE DITADURA

A Human Rights Watch dos EUA, está fomentando o governo Dilma e o Ministério Público Federal, para ir a caça dos torturadores da ditadura militar, mas a organização americana defensora dos Direitos Humanos no mundo, está mal informada. No governo Lula nunca se desrespeitou tanto os Direitos Humanos: abrigo a terrorista, deportação sumária de atletas cubanos depois que pediram asilo, apoio ao Irã e outras ditaduras na ONU, tentativa de calar a imprensa e outras inúmeras violações de acordos e leis internacionais. Será que tudo isso não está nos arquivos da Human Rights Watch?

José Francisco Peres França josefranciscof@uol.com.br 

Espírito Santo do Pinhal

*

A COMISSÃO DA VERDADE E A OUTRA FACE DO REGIME MILITAR

Investigar e processar ex-militares do regime de exceção é violar a lei de anistia e decisão proferida pela unanimidade dos Ministros do STF, muitos deles perseguidos pela ditadura, em nome do pragmatismo de não passar ralador em feridas sicratizadas, ainda que essas cicatrizes contiuem a abalar a psique das vítimas. Coisa completamente é a Comissão da Verdade, que tem a ver com a História, talvez o ramo do conhecimento mais distorcido, principalmente em nossas escolas básicas. A verificação dos famigerados "decretos-secretos", noticiados pelo Estado (A 8, 11/3), demonstrará, também, a outra face dos governos militares: a usurpação do Estado para fins particulares, o nepotismo, a corrupção e a miséria ética que grassou no seio castrense no poder, lição para quem ainda considera que ditadura pode construir valores morais.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

POUSO SUAVE X DESPRESSURIZAÇÃO

A China viu seu crescimento econômico cair de 10,3% (2010) para 9,2% (2011), um pouso suave, sem dúvida. O Brasil viu sua economia desabar de 7,5% (2010) para 2,7%, uma despressurização brutal. Por esses números conclui-se que o Brasil é muito mais vulnerável que a China. Nosso país é fortemente atrelado as economias ricas, desenvolvidas, hoje em crise. E o mercado interno, com tantos incentivos não foi suficiente para garantir maior crescimento do PIB? Nosso magro desempenho já era esperado! Fala-se do custo Brasil há décadas, falta de infraestrutura, poupança insuficiente para financiar o crescimento econômico, juros altos... Nós sabemos o que é bom e necessário para o pais. O que falta é vontade política para colocar o país no lugar que ele merece estar. Talvez o grande erro foi o PT segurar tanto tempo a política de privatizações. Ora, o governo não tem como investir, não tem poupança para tanto. Mesmo se tivesse, é sabidamente um mal administrador, portanto inadequado para gerenciar os padrões atuais de crescentes mudanças. Nosso país terá que correr atras do prejuízo acelerando a modernização de sua infraestrutura, implantando uma politica industrial agressiva, incentivando o mercado interno, investindo pesadamente na educação; do contrario, nossa próxima geração debaterá saídas para novas crises que poderiam ser evitadas, se tivéssemos corrigido nosso rumo em tempo. Precisamos pensar no Brasil e no seu povo com mais atenção!

José Darci Farias Bressan beiraltelhas@gmail.com

São Paulo

*

A VOLTA DO VELHO PROTECIONISMO

A edição de quarta-feira do jornal trouxe três contrapontos muito interessantes. As opiniões lucidas de Sardenberg e Celso Ming, e a cantilena das velhas múmias da Fiesp protagonizada por Paulo Skaf. Desde quando comecei a trabalhar no final da década de 70 que a choradeira é a mesma. Reserva de mercado, restrições cada vez maior a importação, crítica aos juros, ao câmbio, ou seja querem o consumidor brasileiro de volta as velhas carroças da era pré Collor e aos computadores movido a lenha. Qual pais do mundo não gostaria de trocar de lugar com o Brasil? Acredito que até a China. Celeiro do mundo. Maior produtor mundial de alimentos. Futuro produtor de petróleo. Estamos no caminho de sermos uma das maiores potências desse século. A indústria devia parar com a choramingas de décadas, arregaçar as mangas e investir em design, tecnologia, branding, joint ventures, ou seja ir para luta como fez o agronegócio, como bem relatou Celso Ming. A recente manipulação cambial saudada pelos míopes da Fiesp só fez encarecer o custo dos empréstimos, que lá fora saem a preço de banana, e aqui dentro vai tudo para o governo, o maior tomador. E o que dá ter um reduto de nababos, que nada mais são do que sobrenomes a dar palpite toda hora. Vão trabalhar meus amigos.

Jose Severiano Morel Filho zzmorel@uol.com.br

Santos

*

INDÚSTRIA DESENGANADA

Excelentes medidas do Sr. Mantega e D. Dilma para desvalorizar o real. Conseguiremos assim, proteger e manter indefinidamente a nossa (deles), não competitiva indústria, totalmente ineficiente e desatualizada. Mais alguns anos e ela pode sumir. Parabéns!

Ulysses Fernandes Nunes Junior twitter: @Ulyssesfn

São Paulo

*

DEFINHANDO

A indústria brasileira está definhando, de janeiro até agora teve resultados decepcionantes, resultados esses que não foram causados por ela, mas pela omissão desse governo e dos anteriores. E, mesmo assim, o governo federal não tem nenhum plano firme e abrangente destinado a atacar com coragem as reformas que fortificariam as empresas, evitando desempregos e gerando riquezas e crescimento para o País.

Carlos Iunes canhoba12@gmail.com

Bauru

*

AUMENTO DO PIB. IMPORTANTE?

O que nos adianta passar a Inglaterra no PIB? Um país grande como o nosso deve ter volumes mais elevados de produção além disso, a população daquele país é menos de 20% da nossa. O que interessa mesmo para o povo brasileira são a renda per capita que lá é 5 vezes maior do que aqui e principalmente o IDH onde encontramo-nos entre os 10 piores, em 84º lugar. O fato é que nosso PIB melhorou porque os outros pioraram mas, se formos falar em melhoras reais e importantes, devemos considerar que levaremos décadas para atingir o ODH Inglês, à menos que nosso governo resolva promover as reformas necessárias e para as quais tem condições, como uma enorme maioria no Congresso. Precisamos crescer sem inflação e para isso as reformas são imprescindíveis. O Brasil está numa "janela demográfica" excepcional, há mais pessoas trabalhando do que dependentes os aposentados e crianças. Em 20 anos essa janela estará fechada e teremos perdido a oportunidade única de avançar. China e Índia crescem muito mais do que nós sem inflação porque suas taxas de investimentos atingem 40% enquanto a nossa não passa de 19%. Será que este governo nos fará "perder o bonde" outra vez?

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

O PAÍS DOS IMPOSTOS

O Impostômetro em 13.03 já registrava de impostos pagos pelas empresas e pessoas físicas o valor de R$ 318, bilhões, em apenas 73 dias. Projetando-se para os 366 dias de 2012, chegaremos à R$ 1,6 trilhão, no entanto a educação e saúde tiveram uma redução na verba destinada no orçamento do corrente ano. Enquanto extrapolam nas despesas com a Copa, mas "país rico é país sem pobreza", não é mesmo?

Maria Teresa Amaral mteresa0409@estadao.com.br

São Paulo

*

BRASIL, FUTURA GRÉCIA

O governo quer resolver nossos problemas barateando o real (mas não a carga tributária) e encarecendo o dólar. Começou baixando a Selic. O real problema é rolar o déficit público: precisa empréstimos para rolá-lo e, para isso, tem que pagar juros altos, atraindo o interesse tanto de investidores externos como des bancos brasileiros que tomam empréstimos no exterior vendem as moedas ao governo e lhe emprestam o resultado da operação, ganhando muito. Enquanto o governo não racionalizar seus gastos, reduzindo o número de ministérios e colocando nos cargos só pessoas com currículo e ficha limpa, não políticos, os custos de folha de pagamento, aposentadorias públicas, malfeitos impunes, emendas parlamentares, ONGs, obras superfaturadas e os irracionais gastos com Copa, Olimpíada e “trem balela”, que o ex-gabão causou, vai caindo pela escada, como a Grécia.

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

*

SALÁRIO DOS PROFESSORES

Como professor e presidente de uma entidade de classe, o Centro do Professorado Paulista (CPP) – reafirmo que a data para reajuste deve ser 1º de março, nossa data-base, estabelecida em lei do próprio Executivo e prevista na Lei Complementar 836/97. Quero a alteração da LC número 1.143/2011 que transfere para julho o cálculo dos valores dos vencimentos e salários e a absorção escalonada da Gratificação por Atividade do Magistério -GAM. O CPP quer que todos os integrantes do Magistério tenham direito: à manutenção de seu poder de compra, o direito de exercer a cidadania e desfrutar dos seus bens: cultura, lazer, educação, entre outros; a uma política salarial que valorize todo o magistério, os da ativa e os aposentados; à análise e proposição de um plano de reposição salarial com a participação das entidades representativas da categoria e do governo. Um plano que concretize nossas reivindicações, que concretize políticas que afirmem, na prática, o respeito do governo aos profissionais da educação; uma carreira sem limite máximo de rendimentos, com consequente ampliação de níveis e a diminuição do tempo exigido de interstício entre as promoções; promoção/evolução na carreira por critérios que contemplem titulação, tempo de serviço, experiência, desempenho, atualização e aperfeiçoamento profissional. Atribuição de maior peso aos títulos adquiridos por concurso público; evolução pelas vias acadêmica e não acadêmica, assegurando critérios idênticos para as classes (docente e suporte pedagógico); valorização do tempo de serviço como componente evolutivo, em forma a ser instituída. Sempre defendemos a categoria em todos os fóruns possíveis. Nessa luta, sempre estivemos junto às entidades que representam os profissionais da educação. Sempre que precisamos recorremos ao Judiciário para fazer valer nossas conquistas, para nós essa é também uma forma de luta. Continuaremos a lutar ao lado das entidades que representam a categoria, por uma escola pública de qualidade acessível a toda a população. Continuaremos a lutar ao das entidades que representam os profissionais da educação em defesa da valorização, do salário e carreira dignos para todos, aqueles que estão na ativa e os aposentados. Só haverá escola pública de qualidade, no Brasil, com salário digno, carreira valorizada, respeito aos profissionais da educação e às suas entidades representativas.

José Maria Cancelliero assessoriajp@cpp.org.br

São Paulo

*

CEGUEIRA

“Piso é um valor constante, atualizável pela inflação. Para que não haja nenhuma dúvida, o piso é uma grande conquista, pela qual me empenhei muito como ministro da Educação. A opinião de Mercadante é totalmente furada, do ponto de vista jurídico, e não tem respaldo na realidade jurídica do País nem nas relações federativas”, disse Genro (Estadão 11/3). Será que o "médium" de Lula está operando sem que se saiba? A cegueira política de alguns acerca de outros parece estar sendo curada! Ou seria apenas uma questão de momento oportuno, e a "catarata" logo se instala novamente, oportunisticamente? Pena o mesmo não estar ocorrendo no PSDB!

José Jorge Ribeiro da Silva jjribeiros@yahoo.com.br

Campinas

*

A PRESIDÊNCIA DA CBF

Se foi ótima a renúncia e fuga de Ricardo Teixeira da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o mesmo não se pode dizer sobre a presidência da entidade passar a ser ocupada por José Maria Marin. Trocamos seis por meia dúzia. Marin foi vice governador de Paulo Maluf no governo paulista. Quando presidiu a FPF (1982/88) o futebol paulista viveu a pior fase de sua história, com os clubes enfraquecidos e sem títulos. Sem falar no recente e grotesco episódio da entrega de medalhas na final da Copa SP de Juniores, quando ele 'embolsou' uma medalha que seria entregue aos atletas. Não podemos ficar reféns de gente como Teixeira e Marin. O futebol brasileiro tem problemas estruturais e precisa ser democratizado e profissionalizado, ser tratado com seriedade, ética e competência por gente do ramo e não por aproveitadores que apenas usam o futebol em seu benefício pessoal. É preocupante pensar que Marin poderá ficar no comando da CBF até 2015. Pobre futebol brasileiro.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

SÓ SE A MEDALHA APARECER

O "affair" rebeldes versus nova presidência da CBF, leia se José Maria Marin, somente começará a se desfazer de fato e surgir algum diálogo para futuras negociações, se devolverem a medalha. Se a medalha não aparecer, não adianta insistir e fim de papo.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

AINDA RICARDO TEIXEIRA

Se alguém desavisado imaginou que a substituição no comando da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) significa mudança de conduta e, principalmente, que vão prosseguir com rigor as apurações nas graves denúncias que pesam sobre Ricardo Teixeira, enganou-se redondamente. O novo presidente da entidade, o paulista José Maria Marin foi logo anunciando que sua administração é de continuidade ao "projeto moderno e exemplar" de seu antecessor. Mas nem precisava elogiar. Basta puxar pela memória quem é Marin. Ex-deputado Estadual da antiga Arena (partido de sustentação do regime militar), ex-governador biônico no início dos anos 80 – indicado pela ditadura e não fruto de eleições diretas – Marin construiu sua carreira no malufismo. Com o declínio do malufismo em São Paulo, a volta das Diretas-Já, Marin embrenhou-se em outros caminhos. Foi presidente da Federação Paulista de Futebol entre 1982 e 1988, além de ter chefiado a delegação brasileira na Copa do Mundo do México em 1986. Mas não precisaríamos ir tão longe. Em janeiro deste ano, câmaras de tevê o flagraram surrupiando medalha que seria entregue a um atleta campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior. Como é o mais velho membro como vice-presidente da CBF na região Sudeste lhe coube o novo cargo até 2014. Havia outras opções melhores? Saiba o leitor que na linha sucessória da CBF em caso de impedimento de Marin, assumiria um dos filhos de José Sarney, que comanda o futebol da região Norte. E assim vai a cartolagem do futebol. Mas, o que mais desperta a atenção na estrutura do futebol é a longevidade dos seus dirigentes. Genro do ex-todo poderoso mandatário da FIFA, João Havelange, também acusado de envolvimento em esquemas de propina, Teixeira estava há 29 anos a frente da CBF. E disse abertamente se "c..." para a as denúncias da imprensa. Mas não é só no futebol que os cartolas se perpetuam em federações e confederações. Em outros esportes é comum o presidente completar Bodas de Prata e alguns até Bodas de Ouro. Os cargos possuem grande magnetismo, sobretudo por oferecer chances de ótimos negócios. Como terminar com essa farra? Os poderes constituídos em quaisquer países (governos e justiça comum) são proibidos de intervir nas confederações, sob risco de sofrerem desfiliação das Fifas da vida. O único caminho que sobra é a pressão da imprensa e dos torcedores. Desde o ano passado, Ricardo Teixeira sofreu manifestações públicas de torcedores e agora resolver se afastar da CBF. No entanto, sua saída foi negociada. A Fifa vai arquivar as denúncias de corrupção do escândalo da extinta ISL, onde Teixeira foi acusado de receber propina. Restam ainda as denúncias do superfaturamento do amistoso Brasil e Portugal, pago com dinheiro público do governo do Distrito Federal (leia-se Roberto Arruda, DEM). Para este caso não sabemos o final. Pois para se livrar desse incômodo, Teixeira e sua família rumaram para a Miami, à cidade paradisíaca dos EUA onde moram centenas de corruptos e ex-corruptores do Brasil. Não a toa o bairro em que se concentram chama "Boca Raton".

Ricardo L. Carmo Ricardo@sindjorsp.org.br

São Paulo

*

A FIFA TEM RAZÃO

E, pensar que , por tanto menos que isto tudo que estamos assistindo, nosso país e qualquer outra republiqueta pelo mundo afora, sem falar nas grandes nações cheias de tradições e seriedade, promoveram guerras, revoltas, golpes, traições, assassinatos mil, revoluções maiores e menores, sempre tendo em vista a honra, a decência e o instinto de sobrevivência frente a um inimigo vil, sujo e corrupto. Que triste fim do nosso Brasil, acochambrado entre partidinhos políticos inexpressivos, com minutos na TV a vender feito grãos , com gentinha inexpressiva que rouba e briga para poder roubar mais do colega. Que mesquinharia chula, esta gestão petistinha, que acabou por chafurdar na lama maldita da pseudoideologia dos criminosos organizados, o nosso país, antes varonil, nesta festa de arromba que só pode se mexer se tomar um pé na bunda. Haja vista a fuga do Teixeira, por rebarba do pontapé bem dado.

Ronaldo Parisi rparisi@uol.com.br

São Paulo

*

MEIO A MEIO

Acho razoável que o governo brasileiro atenda às exigências da Fifa, para serem implementadas exclusivamente durante o período dos jogos da Copa do Mundo. Concordo com a Lei Geral da Copa que venha a autorizar a venda de bebidas alcoólicas nos estádios, desde que não interfira no teor do projeto de lei aprovado em caráter definitivo pela Comissão de Constituição Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado que exige teor zero de álcool a quem dirigir.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

A BOLA DA COPA

Está aberta a votação para a escolha do nome da bola da Copa de 2014. Gostaria de apresentar minha sugestão: O melhor nome é bola mesmo. Pode ser que os "gringos" não entendam, mas com certeza os políticos, dirigentes da CBF e as empreiteiras saberão muito bem a que se refere o nome. Ou não estamos no Brasil?

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

CAOS EM SÃO PAULO

Uma falha de vez em quando, é até normal e aceitável... Mas tanta falha ao mesmo tempo no Metrô e na CPTM em São Paulo chama a atenção e pelo visto tem origem certa: militância colocando o kit PT em ação. Afinal, eles são funcionários normais... não trazem escrito na testa a filiação. Mas tem o poder de trazer o caos à cidade inteira e quem paga o pato, além da população? A gestão tucana. Se houvesse uma investigação séria... talvez chegassem aos verdadeiros culpados!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

FALHAS NO METRÔ E NA CPTM

Difícil estar enganada. Com tantos e sincronizados defeitos apresentados pelos trens da CPTM e Metrô em São Paulo nessa quarta-feira, só pode ser sabotagem. Como sempre acontece em São Paulo em ano eleitoral, vem com o DNA certo! Os já conhecidos métodos de guerrilha usados pelo PT, mesmo prejudicando milhões de trabalhadores sempre tem um fim. Tomar São Paulo das mãos da oposição para completar o controle do Brasil. Tomara que os paulistas e paulistanos não caiam nessa arapuca muito bem coordenada pelos petralhas e coligados.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

PREFEITO

Tenho lido em cartas nos jornais, por muitos leitores que o "pior" prefeito que São Paulo já teve é o Kassab. Discordo, o povo tem mesmo memória curta, o pior prefeito de todos os tempos foi o Pitta. Então vamos reforçar o recado ao Haddad, não adianta falar mal de Kassab, nós já sabemos de tudo, trate de falar o que pretende fazer pela cidade e como, é o mínimo que se espera de um candidato, caso contrário parece falta de criatividade, o que se confirma na atuação dele como o pior ministro de Educação que o País já teve.

Francisco da Costa Oliveira fco.paco@uol.com.br

São Paulo

*

BASTA!

O Ministério Público Estadual (MPE) denunciou 35 acusados de envolvimento na chamada máfia da merenda. O grupo ainda é acusado de corromper políticos e funcionários públicos, além de lavar o dinheiro da organização criminosa. São tantas as denúncias sobre crimes de fraudes e corrupção que lesam os serviços de Saúde, Transportes, Educação etc., cujas consequências são fatais para o pobre e infeliz povo brasileiro, refém dessas quadrilhas e da falida justiça. O povo precisa deixar de levar bandeiras aos campos de futebol e levantar uma bandeira única, em prol da moralização e da justiça, exigindo penalidades severas para quem comete esses crimes, que ceifam indiretamente, a vidas de milhares de brasileiros, prejudicando inclusive, as próximas gerações, num verdadeiro crime contra a humanidade! Precisamos dar uma basta, utilizando o poder que emana do povo! O poder de dizer não! O poder de escolher o que é bom para todos nós!

José Carlos Costa policaio@gmail.com

São Paulo

*

A PNRS E A POSSÍVEL VOLTA DA TAXA DO LIXO

Na gestão de Marta Suplicy surgiram as taxas, que por sinal ela (Marta) só não foi reeleita exatamente por causa destas taxas: luz, motoboys e a do lixo. Evidentemente que ninguém quer pagar mais taxa, porém o que mais revolta os contribuintes não só a questão pagar mais uma taxa e sim saber como o dinheiro arrecadado será usado corretamente. O principal erro naquela ocasião foi cobrar taxa de luz onde não havia luz, cobrar taxa de lixo onde não havia coleta de lixo, sem contar com a taxa para os motoboys. Só que agora o cenário e diferente, pois em 2014 entra em vigor a Política Nacional de Resíduo Sólido (PNRS). E vai proibir o uso de lixão e também tem a questão da logística reversa onde a responsabilidade será compartilhada entre o consumidor, fornecedor e o fabricante. E os recursos para transportar ou até mesmo construir tantos outros aterros que certamente será necessário construir. Este transporte do lixo de nossas casas até o aterro sanitário não é nada barato. Com tantas despesas não vejo alternativa a não ser uma nova taxa para ser utilizado em novos centros de triagem que possam acomodar os resíduos recicláveis, investir em mais aterros sanitários e no transporte dos mesmos.

Paulo Rodrigues de Moura paulorodriguesmoura@hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.