Fórum dos Leitores

O PAPA EM CUBA

O Estado de S.Paulo

29 Março 2012 | 03h04

Sonho de liberdade

No paraíso comunista até as boas-vindas do povo a Bento XVI foram controladas pelo poder central, Fidel e Raúl Castro. A presença dos cubanos em missas campais mais parece uma manifestação de medo de contrariar um pedido da família proprietária da ilha, que quer passar uma impressão de normalidade ao mundo, como relata a corajosa blogueira Yoani Sánchez. Em regimes totalitários até as emoções são controladas pelo Estado. Já a realidade dos que não aceitam o credo comunista dos irmãos Castro é outra: ameaças, prisões, telefones mudos e para os mais teimosos, o paredón. Na Cuba de Fidel a fé é permitida desde que primeiro no regime. O papa devia ter aproveitado sua passagem por Cuba e lembrar a Fidel o destino que têm as grandes almas na eternidade e o que está reservado para os que levaram ao fuzilamento as que sonharam com a liberdade.

PAULO R. KHERLAKIAN

paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

*

Bento XVI e o regime cubano

Curioso só agora um papa, Bento XVI, líder da Igreja Católica, na qual a maioria dos latinos mantém devoção, vir a público dizer que o modelo político adotado em Cuba pelos irmãos Castro "não funciona". Ou a Igreja é míope e só olha para países que lhe interessam, ou andou dormindo durante longos 50 anos, porque, além de totalmente fora da modernidade mundial, os hermanos Castro até hoje mantêm a população aprisionada no cabresto ao retrógrado regime comunista. A ilha da fantasia há muito desmoronou e apenas agora a Igreja Católica ouviu o lamento de seu rebanho de fiéis cubanos?

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

LIGAÇÕES PERIGOSAS

Demóstenes x Cachoeira

Agora é o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), segundo o noticiário, envolvido com Carlinhos Cachoeira. E, rápido, vemos o senador Walter Pinheiro (PT-BA) esbravejando na TV, revoltado com tal envolvimento. Até parece que o mensalão do PT não existiu. Quem nãos os conhece que os compre.

ADILSON LUCCA SABIA

adilsonsabia@gmail.com

São Paulo

*

E Pimentel?

É de uma hipocrisia ímpar a reação da politicalha petista em Brasília, vociferando para a Procuradoria-Geral da República por rapidez no encaminhamento do processo envolvendo o senador Demóstenes Torres. Pena essa petralhada não fazer o mesmo com o processo do mensalão ou exigir igual cobrança quanto ao ministro Fernando Pimentel, que parece ter culpas maiores no cartório. Cambada de cínicos! Faz lembrar o tempo em que eram oposição...

LAÉRCIO ZANNINI

arsene@uol.com.br

Garça

*

Condenado por antecipação

Mais uma decepção, mais um político que se enrosca com picaretas. O senador Demóstenes Torres era uma das últimas vozes da oposição. Mesmo se nada de concreto vier a ser provado contra ele, já está irremediavelmente desmoralizado. Os brasileiros honestos, que trabalham e pensam estão decepcionados, mas ninguém afirmou que todos são honestos até que se prove o contrário nem se espera que o processo legal termine para que se considere o senador culpado. Ao contrário, todos já o julgaram e condenaram, ao contrário do que muitos dizem sobre os que são da situação e foram apontados como corruptos. Esses até hoje bradam inocência total, mesmo os que foram apanhados com a boca na botija ou com dólares na cueca. Os que defendem os corruptos do partido que governa continuam defendendo seus amigos, impedem a convocação de CPIs e o despejo dos ministros ladrões. Demóstenes já foi condenado pelos que o elegeram e como não tem uma tropa de choque para garantir sua impunidade só lhe resta pedir desculpas a seus eleitores ultrajados e ir para casa.

MARIA TEREZA MURRAY

terezamurray@hotmail.com

São Paulo

*

Pesos diferentes

Não vou defender o senador Demóstenes Torres - se fez, tem de pagar -, só quero traçar um parâmetro entre DEM e PT. O senador José Agripino declarou-se incomodado com a situação e que seu partido exige apuração, mas se esqueceu de acrescentar que o DEM não é o PT, que tudo esconde e defende. Enquanto, para o PT, é um escândalo tal ocorrência de envolvimento com contraventores, quantas centenas de denúncias não foram feitas, e engavetadas, contra deputados e senadores do PT? Demóstenes não pode ter ligações com a contravenção, mas o PT pode ter ligações "legais" com o tráfico e as Farc via Foro de São Paulo? Cadê a lógica petista? Mas o imperador falou e está falado, é ele que manda.

JOÃO ROBERTO GULLINO

jrgullino@oi.com.br

Petrópolis (RJ)

*

Ética

Parabéns ao DEM, por agir rápido em suas ações em favor da ética e moral na política brasileira.

ANTONIO DE SOUZA D'AGRELLA

antoniodagrella@yahoo.com.br

São Paulo

*

MINISTÉRIO DA CULTURA

Dedo na ferida

Finalmente alguém põe o dedo na ferida. Excelente o artigo A velha luta entre o talento e a tutela (28/3, A2), do jornalista José Nêumanne, que explica o que os manifestos contra Ana de Hollanda, ministra da Cultura, não esclarecem em seus textos empolados e herméticos, que talvez nem os signatários tenham compreendido, mais interessados nos cargos do que nas soluções. São, no mínimo, deselegantes os ataques proferidos exatamente por quem ocupou o cargo antes de Ana de Hollanda, e do mesmo partido. Como disse um militante cultural de larga experiência, tudo não passa de um "auê" de fogo amigo que mais parece um "anauê"...

MARTIN CEZAR FEIJÓ

com.martin@faap.br

São Paulo

*

GÊNIOS

Morte de Millôr

Dos quatro gênios universais que o Rio de Janeiro produziu no século 20 - Heitor Villa-Lobos, Tom Jobim, Millôr Fernandes e Oscar Niemeyer -, somente este último está vivo. Na sua área, porém, Millôr é o maior da História (provavelmente também futura). Um país que teve um Millôr Fernandes não precisa invejar um Steinberg ou Bernard Shaw.

JÚLIO MEDAGLIA, maestro

medaglia-maestro@uol.com.br

São Paulo

*

MILLÔR FERNANDES

Alguém lá em cima está de mau humor. Pô, levar Chico Anysio e Millôr Fernandes em menos de uma semana... Que sacanagem!

Gilberto Martins Costa Filho marcophil@uol.com.br

Santos

*

INIGUALÁVEL MILLÔR

 

O genial Chico nos deixou mais de 200 personagens. O magistral Millôr nos deixa milhares de frases antológicas. “Quer dizer que aquilo não era ideologia, era investimento”? foi seu comentário sobre as “indenizações” da bolsa-ditadura e “se você agir sempre com dignidade, pode não melhorar o mundo, mas uma coisa é certa: haverá na Terra um canalha a menos” bem demonstram a falta que ele fará.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

PATRONO

Políticos mandarão rezar Missa do Sétimo Dia para o imortal Justo Veríssimo?

Moacyr Castro jequitis@uol.com.br

Ribeirão Preto

*

FRUSTRAÇÃO

Dizem que a Natureza é sábia, porém saber da morte de Millôr Fernandes, um dos maiores cérebros que este país produziu, é uma frustração enorme. Teria sido um competente  ministro da Cultura, sem concorrentes, se coubesse a um ser inteligente tê-lo escolhido.

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

São Paulo

*

2012, AS ELEIÇÕES SEM FICHA SUJA

 

Faltam seis meses e alguns dias para as próximas eleições. Com certeza, esta será uma eleição muito diferente de todas as já ocorridas. É a primeira depois do efetivo vigor da lei da Ficha Limpa, que foi sancionada em 4 de junho de 2010, mas não se aplicou ao pleito daquele ano, no qual reconhecidos ficha sujas puderam se candidatar e eleger. As recentes definições judiciais da Ficha Limpa vão impedir, pela primeira vez, que políticos condenados por tribunais, com contas rejeitadas e até com prestação de contas de campanhas anteriores pendentes possam se candidatar. Espera-se uma verdadeira limpeza e – mais do que isso – uma boa prévia para 2014, quando os fichas-sujas nacionais e estaduais de 2010 finalmente terão também de se submeter à lei moralizadora. Parece estarmos no caminho certo. A imprensa tem investigado e denunciado os desmandos e levado à indignação popular. Entidades respeitadas se mobilizam para o avanço da legislação – exemplo do projeto Ficha Limpa – e o resultado só poderá ser o aperfeiçoamento das instituições. A Justiça tem dado grandes passos ao regulamentar leis e procedimentos que, na ausência de Executivo e Legislativo, passaram engavetados por mais de duas décadas, pois são, na maioria, decorrentes da Constituição promulgada em 1988. O momento é de esperança. Com a nova ordem estabelecida, espera-se que os prefeitos, vice-prefeitos e vereadores a serem eleitos em outubro sejam potencialmente melhores do que os atuais. E que nada seja feito ou tentado para evitar que em 2014 e em todas as futuras eleições brasileiras os errantes não sejam mantidos no lado de fora...

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

PLANALTO E PT MOBILIZADOS POR HADDAD

A excelente matéria publicada ontem (28/3) no Estadão sobre a candidatura de Fernando Haddad merece um comentário: para quem desfrutou por nove anos dos prazeres de Brasília e das benesses do governo Lula, e pouco ou quase nada sabe dos problemas de São Paulo, não há ajuda que lhe permita chegar ao cargo de prefeito da maior cidade da América Latina. Mais: quem se mostrou incompetente na gestão da Educação no País e acabou por jogá-la no lixo ao publicar e gastar dinheiro público com a tal "cartilha" da língua portuguesa falada no Brasil (nóis vai, nóis fumo, etc.), com o "kit gay" e tantas outras idiotices menores (e maiores) não conseguirá se eleger. Mais ainda: repararam que a palavra "corruPTo" contém duas letrinhas que mostram o DNA do partido ao qual o candidato pertence?

Flávio Rivero Rodrigues flaviorivero@estadao.com.br

Pindamonhangaba

*

ILUSÃO

PT e Planalto se mobilizam para tentar ajudar Fernando Haddad na sua campanha para prefeito em São Paulo. Estão contando com o apoio da senadora Marta Suplicy e de seu colegiado político para socorrer o candidato. Em sã consciência e conhecedores que somos dos políticos envolvidos nessa tarefa, alguém acredita na possibilidade de eles auxiliarem? Esse é o verdadeiro tiro saído pela culatra dado pelo Lula em favor de seu pupilo.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

RELATIVISMO IMORAL

Quando Haddad diz que seus adversários fomentam intolerância sexual ao se posicionarem contra o kit gay criado durante sua gestão no Ministério da Educação, ele próprio já está fomentando intolerância contra um segmento que pensa e sente de forma diferente esta questão.  E quem garante que os donos da verdade são os que defendem teorias diversas, todas contidas dentro do manual do politicamente correto? Quem garante que essa escravidão ao "politicamente correto" levará o mundo a um patamar moral melhor que o de hoje? O mesmo que critica a palmada pedagógica paternal defende a liberdade do assassino cruel, mas primário que legalmente pode esperar seu julgamento livre, leve e solto por aí. O mesmo que defende a demarcação de reservas indígenas e aos quilombolas defende a invasão e ocupação de propriedades privadas pelo MST. Essa oscilação de valores que sempre se acomodam aos interesses ideológicos e partidários destes que ocupam o poder revela um relativismo imoral. Portanto, Haddad revela em sua afirmação este relativismo moral, na visão dele uns podem ser intolerantes (no caso ele), mas outros não!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

ESTALO DE CONSCIÊNCIA

Haddad precisa de um estalo de consciência quando afirma que seus “adversários fomentam intolerância sexual” ao se manifestarem contra o famoso kit gay criado no Ministério da Educação em sua gestão. Na realidade aquele projeto foi de tremendo mau gosto, execução e didática rasteira. Um assunto tão espinhoso e novo para a sociedade deveria ter sido exaustivamente estudado por especialistas no assunto, comparado e acertado da melhor forma possível para que não provocasse efeitos contrários. Pode crer que, se a presidente Dilma não tivesse barrado o kit gay, sua apresentação teria sido desastrosa do ponto de vista educacional e com certeza o ex-ministro nem estaria concorrendo à Prefeitura da maior cidade do Brasil. Melhor ficar calado! 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

O LENINISTA CHORÃO

Haddad faz manha e diz que teme perder para a intolerância. Quanto cinismo! O maior incitador do ódio entre classes, "raças" e gêneros é o PT, que usa o "dividir para conquistar" como método. O PT semeia ódio e dele se alimenta. Como bom esquerdista, Haddad cumpre à risca o mandamento de Lênin: “Acuse os adversários do que você faz, chame-os do que você é!”

 

M. Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

DIPLOMACIA DOMÉSTICA

Somente uma personalidade de envergadura moral e ética política como Fernando Henrique Cardoso tem gabarito e peso para fazer uma visita ao restabelecimento da saúde do ex-presidente Lula. O julgamento político e humano ficará a cargo dos experts do assunto. Na minha opinião, de simples eleitor, foi uma faca de dois gumes, mas quem sai ganhando é o doente. É só esperar e conferir.

Aloisio Arruda De Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

*

DESANIMADOR

No momento em devia convocar reunião dos caciques de seu partido para mostrar coesão e dar rumo à campanha de José Serra, vai visitar Lula.  É de desanimar!

 

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

*

CRISTÃO

Se o ex-presidente Fernando Henrique quer parecer um bom cristão, ele deveria juntar suas orações às das pessoas decentes que se querem ver livres logo dos crápulas da política, antes que eles consigam causar mais prejuízos ao País.

José Benedito Napoleone Silveira nenosilveira@aim.com

Campinas

*

DEMÓSTENES TORRES

Demóstenes Torres já deu um primeiro passo e se afastou da liderança do DEM no Senado. O próximo passo é renunciar ao cargo de senador e sair com alguma dignidade, se é que isso ainda é possível. Como diria o Roberto Jefferson: “Sai daí, Demóstenes!”.

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

JOGO DO BICHO

Caso o Supremo Tribunal Federal (STF) abra um inquérito específico para investigar doações que o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) recebeu do bicheiro Carlinhos Cachoeira, não será mera coincidência que vá parar nas mãos do ministro Gilmar Mendes para examinar, uma vez que sua enteada, Ketlin Feitosa Ramos, ocupa um cargo de assessora parlamentar no gabinete do senador.

Conrado de Paulo conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

*

DIFERENTES, PORÉM IGUAIS

O silêncio de Demóstenes Torres diante das acusações que lhe são feitas reforçam a sensação de que há realmente algo a esconder. Lamentavelmente, era um dos poucos que ainda pareciam honestos e coerentes no Congresso Nacional. Para salvar sua reputação, só vindo a público para esclarecer, sem ressalvas, todos os aspectos do fato denunciado.

Ricardo Salles controle@endireitabrasil.com.br

São Paulo

*

UMA NOVA LEI

Demóstenes Torres nem chega a ser uma decepção, é apenas mais um no rol de raposas que nós, o povo, contratamos para tomar conta do (nosso) galinheiro. Assim como nos batemos pela Lei da Ficha Limpa, urge que nos movimentemos pela Lei da Vergonha na Cara, porque não é mais possível aturar os “desmentidos” cheios de verborragia dramática dos políticos flagrados em grandes negociatas, enriquecimentos ilícitos, relações escusas. Precisamos varrer esse tipo de gente dos governos nacionais, temos de fazer uma faxina geral neste país.

 

Doca Ramos Mello ddramosmello@uol.com.br

São Sebastião

*

CACHOEIRA

Espero que a cachoeira não leve de roldão o nome, para mim impoluto e virtuoso, do senador Demóstenes Torres (DEM-GO) e que ele não se afogue nas águas barrentas da corrupção. Sua vida política e sua conduta no Senado são paradigmas, modelos e padrão de um homem, moralmente sem mácula. Seu curriculum vitae (carreira de vida) qualifica-o pessoal e profissionalmente como um justo. Esta é sua maior defesa na Justiça.

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

*

O PODER

O poder não transforma um "sangue bom" em tranqueira. O poder faz apenas que o tranqueira deixe de ter medo de ser safado. O problema não é o poder, estúpido! É o estúpido que assume o poder, por voto ou não, como fica claro com o senador Demóstenes.

Sérgio Barbosa sergiobarbosa@megasinal.com.br

Batatais

*

DEMÓSTENES

Não tem jeito. Um dia mocinho, no outro, bandido...

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

DEMÓSTENES, O GRANDE

 

Segundo o Aurélio, Demóstenes foi um político e um admirável orador de Atenas, Grécia. Adquiriu notável talento oratório. Adotou um partido patriótico e foi o infatigável adversário de Felipe da Macedônia. Não foi submisso a esse. Suicidou-se ingerindo veneno. Seu estilo era um primor de concisão e pureza. Foi um grande homem que fez história e não decepcionou seu povo, ao contrário do nosso Demóstenes (Cachoeira), que era um político em cujos discursos moralistas acreditávamos. Decepção!

 

Mauro Roberto Ziglio mrziglio@hotmail.com

Ourinhos

*

OU CEGO OU BURRO

Depois da denúncia contra Demóstenes Torres, chega-se à conclusão de que não existe o mais ou o menos corrupto entre os políticos brasileiros. Fica claro que o cargo ou o mandato são meros instrumentos para que o político se aproxime da chance de locupletar-se com o dinheiro alheio, seja ele público, privado, legal ou ilegal. As funções administrativas, legislativas ou executivas servem apenas como um imã para atrair as inúmeras oportunidades. O político que não enriquecer no primeiro mandato sempre será taxado de cego ou de burro, nunca de honesto...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

A HONESTIDADE DO SENADOR

Nem tudo o que reluz é ouro.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

QUEDA NA CACHOEIRA

A canoa do senador Demóstenes Torres (DEM-GO) segue rio abaixo, em águas barrentas e caudalosas, e está prestes a cair e se espatifar nas pedras da perigosa cachoeira que entrou em seu curso. Pelo visto, o encalacrado politiqueiro não conseguirá remar contra a traiçoeira corrente, e a ardilosa cachoeira há de engoli-lo juntamente com outros canoeiros abusados que certamente surgirão nesse rio de águas turvas, onde bóiam também um fogão, uma geladeira e um celular habilitado em Miami.

 

Túllio Marco Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

*

DEMÓSTENES E CACHOEIRA

Parece que a podridão não tem fim.

 

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com

Bauru

*

QUEDAS D’ÁGUA CRISTALINAS

Imaginem, senhores, se fosse um senador do PT, envolvido em alguma "queda d’àgua" qualquer, e o senador Demóstenes Torres, do DEM, emitindo suas "cristalinas" defesas em nome da moralidade. Imaginem só!

 

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

CINISMO

Impressionante o cinismo de parte de nossos parlamentares em Brasília, que se queixam e lamentam as tímidas tentativas de se reduzir os privilégios financeiros que têm, como é o caso de um senador, após o cancelamento que acabou com o 14.º e o 15.º salários aos parlamentares dizendo que tinha “pena daqueles obrigados a viver com R$ 19 mil líquidos com a estrutura que temos aqui”. Somente uma profunda reforma política, a mãe de todas as reformas, porá fim a esses descalabros na gestão pública nacional.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

MILAGRES

 

Sempre se diz que os milagres acontecem. Vamos pagar para ver se o milagre da extinção do l4.º e l5.º salários no Congresso acontece de verdade.

 

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

COITADINHOS

 

Pena, caro ($) senador Cyro Miranda (PSDB-GO) é dos milhões de brasileiros que dependem do salário mínimo, que nem mesmo basta para a alimentação e que são obrigados a encarar enormes filas no INSS, para consultas médicas. Pena, sr. senador, é dos professores que recebem míseros salários para dar educação aos nossos filhos, base fundamental para a grandeza de uma nação. E, se para o senhor, o corte das regalias, ainda não aprovadas,  do 14.º e 15.º não  lhes farão falta, por que então não abriu mão,  como seis outros  parlamentares já o fizeram? Pena é de todos nós brasileiros que arcamos com pesados encargos, para sustentar uma classe totalmente desacreditada e não mais merecedora de nossos esforços.

 

Sérgio Dafré sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

ENFIM!

Desembargadores e juízes de primeiro grau em atividade do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP)  receberão auxílio-alimentação no valor de R$ 29 (vinte e nove reais) retroagindo a 14 de abril de 2006, perfazendo um total de R$ 40.000 (quarenta mil reais) de atrasados para cada magistrado. Como sobreviveram todos estes anos sem o referido auxílio? Demorou, mas vão receber!

Antonio Roberto Kortz Abujamra aabujamra@uol.com.br

Itu

*

INJUSTIÇA NA JUSTIÇA

O presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, Ivan Sartori,  determinou que o Estado pague a juízes auxilio-alimentação  retroativo a 2006. Além de os juízes já terem se alimentado desde então usando recursos próprios, certamente ele não têm ideia de quanto os paulistas terão de trabalhar e suar, para gerar os R$ 145 milhões em impostos que serão destinados a esses pagamentos. Para os juízes a vida é cada vez mais fácil, alguém cria uma nova lei em seu benefício. Para o cidadão comum, a vida continua  “dura”.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

A REDUÇÃO DO IPI

O governo, numa tentativa em que se percebe um tom de preocupação, anunciou a prorrogação da redução de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para vários produtos visando ao aumento de consumo pela população, lançando, assim, uma boia salva-vidas para a indústria, vítima da concorrência externa, segundo os empresários. É óbvio que a providência do governo, como qualquer boia salva-vidas,  tem caráter emergencial e pontual, quando se sabe que as verdadeiras raízes do problema, ou seja, a enorme carga tributária, a supervalorização do real e a infraestrutura cara e deficiente são, dentre outros, alguns dos fatores que devem merecer do governo uma atenção redobrada e urgente. Espera-se que na pouco divulgada e inédita passeata de protesto no Rio Grande do Sul, reunindo trabalhadores e empresários da indústria, o foco principal seja a união de esforços visando à solução, no mais curto espaço de tempo, desses problemas reais, não a adoção de medidas paliativas de curto alcance. A situação é grave e, se nada de fundamental for feito, voltaremos a ser colônia, com economia baseada em exportação de produtos primários. 

Paulo Roberto Gotaç  prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

O PLANO VOLÁTIL

A recente reunião da presidente Dilma com um grupo de empresários brasileiros se justifica no sentido de criar um clima de confiança no futuro da economia brasileira. Na vida real não consigo encontrar indícios de que novas atitudes do governo federal que levem a modificação de planos empresariais. Eu só passarei a acreditar que os juros fixados pelo Banco Central (BC) para premiar os tomadores dos seus títulos e do Tesouro Nacional ao nível do que ocorre no mundo quando o governo alterar a remuneração da caderneta de poupança. A partir daí se abre o caminho para a desvalorização do real, trazendo o câmbio a uma taxa que restabeleça a competitividade internacional da indústria brasileira. Politicamente parece-me que o quadro não indica que tal se consiga no curto prazo porque alteração da remuneração da poupança precisa ser aprovada pelo Congresso Nacional. Não acredito que seja possível antes das eleições de outubro convencer aquela maioria do toma lá e dá cá. Ela se mantém ansiosa de liberação de verbas para os seus currais e a disponibilidade de cargos para os seus correligionários derrotados nas urnas. A cada mês que passa as indústrias estão perdendo encomendas no mercado externo porque é muito perigoso vender abaixo do custo. Até é possível operar com vendas pelo custo porque se sair do mercado será doloroso tentar a volta quando o câmbio melhorar. Também existem os custos fixos para a manutenção de centros de distribuição (CD) no exterior, instalados para a conquista de clientes. O seu fechamento praticamente elimina a sua volta porque os clientes não terão mais confiança no abastecimento. Mas, como andam dizendo que a presidente Dilma tem a coragem de promover mudança porque conta com grande apoio popular, é possível que se ilumine nessas decisões realistas. Enquanto isso os planos estratégicos das empresas continuarão em debate entre os seus executivos e investidores.

Hélio Mazzolli mazzolli@terra.com.br

Criciúma (SC)

*

A DESCOBERTA DO ÓBVIO

Santa ingenuidade dizer que da reunião com Dilma os empresários chegaram à conclusão de que os custos industriais retiram a competitividade dos produtos brasileiros porque pagam impostos em excesso, o preço da energia elétrica é recorde mundial e a infraestrutura logística é precária. Há anos os empresários reclamam disso e obviamente nenhum deles chegou a essa conclusão agora. Dilma também sabe, principalmente porque por anos foi responsável pela energia elétrica e pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), em ambos os casos deixando tremendamente a desejar em performance. Coisa que todos sabem e já sabiam antes dessa reunião. E sabem o que vai acontecer como consequência? Nada, porque a finalidade da reunião foi apenas dizer abobrinhas conhecidas e tirar o foco da crise política. O (sub)desenvolvimento industrial deve continuar com medidas pueris de suspensão do IPI e alguma proteção a quem gritar mais alto com o respectivo ministro.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo

*

TSUNAMIS

Para o governo a culpa da retração de nossa indústria é da Angela Merkel, que segundo a presidente Dilma fez um "tsunami" monetário mantendo o real valorizado. Curioso observar que o euro também se manteve valorizado, inclusive em relação ao real. Mas nosso governo, que vai fazendo acertos e desacertos na economia para ver se alguma coisa dá certo, não vai ao ponto: o custo Brasil! Temos uma das maiores taxas de impostos, os salários custam muito aos empresários e nossos trabalhadores não têm muitas recompensas pelo que é pago, nossa infraestrutura encarece exportações, e a culpa da Merkel e do yuan desvalorizado, fácil culpar os outros, duro é fazer bem feito.

 

Francisco da Costa Oliveira fco.paco@uol.com.br

São Paulo

*

BODE EXPIATÓRIO

 

Os empresários que foram à reunião com Dilma e Mantega que se cuidem, pois a maneira de governar de Dilma (PT) é sempre assim: há "problemas",  coloca  a culpa nos outros ou passa a "batata quente" para a frente. Exemplos não faltam: Bebidas na Copa de 2014?  A Fifa que vá discutir com os Estados. Problemas com deputados, senadores e de  crescimento ? "Convida" os empresários e diz que eles têm de pressionar  os políticos que ajudam e investir mais. Pegar no pesado, negociar, não faz parte do governo Dilma (PT). E ainda dão ibope a ela(es)!

 

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

INCOMPETÊNCIA É COISA SÉRIA

Dilma pediu ajuda dos empresários para resolver o problema do PIB. Eduardo Paes pede ajuda dos cariocas para solucionar a falta de hotéis para os congressistas da Rio+20. Com Lula fora de combate, em breve veremos o Fernando Haddad pedindo ajuda aos universitários do Silvio Santos, para tentar alavancar a sua candidatura que ele não consegue fazer sair do chão.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

CHEGOU A HORA DO IMPOSTO SINDICAL

Eu gostaria de lembrar aos trabalhadores em geral, e com carteira de trabalho assinada, que neste mês de março, será "descontado o imposto sindical", que equivale a um dia de trabalho. Essa "doação" compulsória anual, é uma herança da época de Getúlio Vargas (1937) e tem possibilitado o surgimento de quatro novos sindicatos por semana. Em 2008 eram 9.077 sindicatos no País e, em novembro de 2011, chegou a 9.859 (6/11, A3). Os sindicatos não prestam contas ao Tribunal de Contas da União (TCU),  pois o ex-presidente Lula vetou essa obrigatoriedade e, assim, com honrosas exceções, a criação de um sindicato transformou-se num grande negócio. Há necessidade de fazer uma reforma sindical urgentemente seguindo os padrões da Organização Internacional do Trabalho, que desvincula o sindicato do Estado (27/2, B9). Até quando a presidente Dilma Rousseff irá ignorar essa "comedeira sindical"?

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

A VISITA DO PAPA A CUBA

A bem da verdade, o papa não tem muito recado a dar ao mundo. Não existe ainda regime político e de governos compatíveis com o sistema capitalista de produção, que se tornou propriedade feudal dos hoje denominados capitalistas, em particular, os banqueiros. O sistema tem como base a dupla ancestral do cacique divino e o pajé representantes de "deus", agora, o dinheiro. É claro que, visitando Cuba como se estivesse visitando uma favela nas grandes cidades, é evidente a falha do poder público em tudo, mas isso também acontece nas nações capitalistas tidas como "avançadas e civilizadas". Simples, ainda prevalece no mundo inteiro o sistema tribal nas nações comunistas e tribais mesmo, ou feudal nas nações civilizadas, De Administração E Governo. Qualquer proposta papal, que no fundo é artífice do sistema feudal, que prudentemente ficou na retaguarda, seria a condenação pura e simples da politicagem global que se pratica no mundo inteiro. Nem isso o pontífice teve a coragem de expor. Apoiou-se na demagogia dos direitos humanos, como se os pobres do mundo inteiro tivessem algum direito que se reserva aos ricos e bandidos.

 

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

O PAPA EM CUBA

Em pleno território cubano, rezar pelos privados de liberdade me parece uma piada “papal” de extremo mal gosto.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

GUERRA ENTRE TORCIDAS

Morre o segundo ferido em briga de torcidas. Na minha  opinião, é a impunidade que impulsiona essa  espécie de vandalismo.

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

TORCIDAS VIOLENTAS

Como a impunidade rola solta em nosso país, não é de se estranhar os inúmeros confrontos entre torcidas violentas, organizadas para o "crime", usando o nome dos times de futebol, para extravasarem a violência, o vandalismo, o banditismo e os seus instintos perversos e criminosos para matar os seus semelhantes, torcedores ou não, de eventuais times adversários. A violência é tão descontrolada que brigam com os seus próprios companheiros e torcedores do mesmo time, pelo simples prazer de causar lesões corporais aos outros. As leis penais são "frouxas" elaboradas e aprovadas para beneficiar os próprios interessados em transformar o País numa "batalha campal", daqueles que preferem "o quanto pior, melhor"! Pela inoperância das nossas autoridades vão acabar com mais um lazer do brasileiro. Realizar um jogo noturno de futebol com início às 21h50/22h00. já é mais um convite à violência das torcidas... E a$ autoridade$ corrompida$ aceitam tudo.

 

Luiz Dias lfd.silva@bol.com.br

São Paulo

*

NADA MUDA! ATÉ QUANDO?

 

É imprescindível neste momento de comoção, que as autoridades civis e militares de um basta na violência que vem imperando entre as "torcidas uniformizadas", não só da gaviões da fiel e da mancha alviverde, mas todas elas. Esse pessoal em grande maioria tem demonstrado que não são torcedores mas bandidos infiltrados nas torcidas para praticar todo tipo de delitos e crime além do envolvimento com uso de todos os tipos de drogas. Ninguém contesta que Corinthians e Palmeiras tenham feito um clássico digno de suas tradições, domingo (25/3) no estádio do Pacaembu. Porém como corintiano não tenho dúvida de que a vitória alvinegra foi justíssima, até pela superioridade do timão no segundo tempo, mas o alviverde vendeu caro a derrota, mesmo porque estava invicto no paulistão em mais de 20 partidas sem derrota. Ou seja, a história desse famoso duelo foi valorizado por jogadores e técnicos. No entanto, lamentavelmente mais uma vez tivemos confrontos violentos entre torcedores, que deixaram dois morte e duas pessoas gravemente feridas. O "encontro" teria sido articulado pelas redes sociais, com isso,  barras de ferro, fogos de artifícios e armas de fogo foram usadas pelos "torcedores?" E apreendidas pela policia. Só as autoridades incompetentes que são não se anteciparam para coibir o encontro dos vândalos na Avenida Inajar de Souza, Zona Norte de São Paulo. Porque na Inglaterra a justiça conseguiu acabar com hooligans, e aqui não se consegue fazer nada para acabar essa baderna em quase todos os jogos? Mesmo porque no sábado usuários no Twitter e Facebook, comentaram que havia uma briga na manhã de domingo. Segundo torcedores de uma das "desorganizadas", o confronto foi "revanche" de uma briga que aconteceu em agosto do ano passado e culminou na morte do corintiano Douglas Karin Silva, encontrado com parte do corpo deformado no Rio Tietê. Há muito tempo as torcidas organizadas deveriam estar extintas. O que tem causado esse tipo de problema, não tenho nenhuma dúvida em afirmar que é a impunidade que impera em todos os setores do país, e claro, o futebol está inserido. Enquanto os políticos e diretores dos times privilegiarem essas facções criminosas inclusive com ingresso mais baratos, ou gratuitos vai persistir a baderna e a violência, além de ocuparem os melhores lugares nos estádios. Se as pessoas esquecem o que o que é civilidade, que a força da lei impeça que criminosos covarde comentam novas mortes. E que o futebol possa ser desfrutado por pessoas que conseguem apreciar bons momentos de lazer sem selvageria. Mais dois jovens estão mortos! E quantas ficarão presas? quem será punido exemplarmente? A sociedade não aguenta mais as atitudes vazias de sempre e o torcedor de bem esta cada vez mais longe dos estádios. É lamentável que essa bandalheira continue acontecendo no país que vai sediar uma Copa do Mundo em dois anos!

Turíbio Liberatto Gasparetto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

FUTEBOLA

O retorno das torcidas uniformizadas aos clubes e a criação da Delegacia Especial de Eventos Futebolísticos (28/3, E2) são uma saída inteligente e oportuna para o esforço e mobilização que devem ser empenhados em prol do fim da violência dentro e fora dos estádios. Às vésperas de sediar a Copa do Mundo de 2014, o Brasil não pode assistir ao vandalismo praticado pelas torcidas organizadas sem tomar atitude enérgica e preventiva que ponha fim aos atos de barbaridade que ocorrem a cada jogo e enfrentamento das diferentes bandeiras. É um jogo difícil e um adversário perigoso, mas tem de ser jogado e enfrentado com a máxima urgência. Cartão vermelho e expulsão de campo para a violência e o jogo sujo. Fairplay e paz no futebol!

 

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

OS DITAMES DA ESQUERDA

O cronista esportivo Antero Greco, do Estadão, matou a pau (com o perdão da expressão) em seu artigo Até quando? (26/3, E2). O tema foi o conflito entre torcidas de times de futebol, que utilizam o esporte e o clube para o qual torcem como bandeiras de hordas de guerreiros que vão ao estádio como se estivessem indo a uma batalha, não no sentido figurado mas literal do termo:  aniquilar o inimigo,  de preferência a tiros.  O problema, contudo, é bem maior que “simples” guerras de torcidas (aspas necessárias).  Esse resultado dramático que vimos é o produto  acabado de toda uma filosofia canhestra que, ao condenar o que supostamente seria uma “direita arbitrária” (dos idos do regime militar) sempre procurou compensar as coisas e “amaciar”  para os delinquentes de todos os naipes, vistos como socialmente oprimidos. Assim, seria lícito ao MST depredar, incendiar, matar reses, etc.; a invasão de propriedades no meio urbano, igualmente, é legitimada e ai de quem levantar bandeira contra isso: estará fazendo a apologia dos “direitistas” que querem “criminalizar a pobreza”.  A ideia, então, foi  – e continua a ser ! – abrandar as leis penais, vistas como socialmente injustas.  Sob essa ótica, o delinquente é sempre associado ao “pobre”, que luta pela sobrevivência e, vez por outra, cai no ilícito, supostamente “vítima da exploração capitalista”. A matriz de tudo é ideológica.  É o que pensam PT, PC do B e outras siglas de esquerda que estão no mando. Deve, então, pelo que poderíamos chamar de “atenuante ideológica”,  o pobre ser social e adredemente absolvido de todos os seus crimes.  Como, todavia,  a lei vale para todos, seu afrouxamento é a senha para a barbárie, seja do “pobre” seja de grupos de torcidas mas também de gangues como “skin heads” e outras que pregam a “caça” a homossexuais, etc. Ou seja: todos ficam sujeitos a uma lei... branda ! As consequências dessa leniência vimos e continuaremos a ver, enquanto a ordem pública e o rigor no combate ao crime não for desideologizado. Enquanto isso não ocorrer, continuaremos a ser testemunhas de todo tipo de absurdo, sem nada podermos fazer a respeito.

 

Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br

São Paulo

*

RIVALIDADE

Na crônica de domingo, 25 de março, Antero Greco, perfeito como sempre, faz a colocação exata do que é a rivalidade entre a torcida de duas equipes. São 10h30  da manha, antes do jogo. Sou Palmeirense (nasci em 1937, portanto sob a chama do Palestra).  Uma raiva pela derrota para qualquer outro time, não ultrapassa o final do jogo. Mas, perder para aquele time,  deixa a cerveja choca, endurece a mussarela, nos tira o sono. Durante a semana que terrível esforço para fingir esportividade “  Teu time jogo melhor, mereceu a vitória “ mas nossa  alma grita “vocês compraram até a avó do juiz, só ele não viu o pênalti”. Verdade? Mentira? A imagem de HD está errada  e pronto. Esse  espinho nos  incomoda 24 horas por dia, até o próximo jogo, onde nossas vitória amacia o pão dormido e suaviza o vinho meio azedo. E, o melhor, sabemos que eles estão passando pelo que nós passamos. E aí é que reside a base da rivalidade. Eu acho, e é uma opinião sem nenhuma base cientifica, que há uma similaridade entre Palmeiras e o outro time  e a rixa entre árabes e judeus. Ambos nasceram na mesma casa, ambos tiveram o mesmo pai e se separaram com raiva,  inconformados  com a ruptura. Um  mero  campeonato ou um poço de petróleo jamais causaria essa briga.

Ivanil  Mattédi jacynil@globo.com

São Paulo

*

TORCIDA

Inúmeros desses torcedores paulistas de torcidas organizadas vão aos estádios para brigar e até matar, não torcer e vibrar por seus times. Esse último episódio envolvendo torcedores de Palmeiras e Corinthians é uma prova disso. Dá arrepios na gente ver a imagem mostrada na TV daquela montoeira de barras de ferros e porretes recolhidos pela polícia. Como deixam entrar nos estádios com esse “arsenal” é que não tem explicação.

Habib Saguiah Neto saguiah@mtznet.com.br

Marataízes (ES)

*

BANDO DE DEPREDADORES ORGANIZADOS

Torcidas organizadas são o preâmbulo, parece-me, da formação de um bando, no mínimo, de depredadores. Atualmente, parece-me, representam coisa pior: há crimes de morte entre o confronto de torcidas, inclusive confronto a título de desforra. Proibir o ingresso de uma torcida organizada no estádio, é coisa de difícil execução sobretudo no que se refere à identificação do torcedor organizado que seja violento. Mas, como atitude preliminar, uma fiscalização mais intensa nos portões do estádio é possível. Afinal, quem entra tem de apresentar o ingresso e para tanto existem os fiscais. Estes, então, respaldados em policiais militares presentes, poderão impedir o ingresso de pessoas portadoras de armas (considerem-se as fotos publicadas hoje nos jornais), de fogos de artifício e outros objetos que possam ferir. Impedir o ingresso dessas pessoas que resistirem a entregar suas “armas” e, inclusive, serem detidos e encaminhados à Delegacia mais próxima, é legal em todos os sentidos. Isso é um começo para evitar lesões corporais leves e graves e gravíssimas e, também, evitar a morte. E periodicamente uma visita às sedes das torcidas organizadas seria de bom proveito, com as possíveis responsabilização dos dirigentes é claro pelos matérias encontrados e apreendidos.

Pedro Luís de Campos Vergueiropedrover@matrix.com.br

São Paulo

*

CRIMES E CRIMINOSOS

Não é a toa que as torcidas uniformizadas sejam hoje reconhecidas como grupos terroristas da pior qualidade, nem que sejam impunes, aliás, como qualquer criminoso nesta santa terra, nem mesmo que sejam apenas policiados por cima e de longe, tal qual o STF trata os políticos carregados de sujeira, golpes e que tais. Tudo isso é o Brasil construído pelo petismo oportunista, este peso pseudoideológico que corrói a infraestrutura subterraneamente e às claras a cultura e a educação. O flagrante dado aos juristas de carreira, também atolados de gestos imorais é apenas outra falange deste dedão falso e maligno que preenche a Mao torpe do mandatário e ideólogo desta fase  suja na historia brasileira, corrói, suborna e corrompe como nunca se viu nesta nação, quiçá no mundo. Não há cadeia para todos que as merecem. A revolução do povo brasileiro devera substituir todos os funcionários públicos regozijados, de todos os políticos de carreira malvada e de todos os sangue sugas de plantão, travestidos de força da iniciativa privada que nada mais são que a pulga do rato. O pior, é que nem candidato à altura do repudio existe, senão outros meros imitadores, com apelos aqui e ali, pela via da religião, pela via da falsa oposição e pela via do oportunismo, ainda que retardatário. O País segue órfão, a primavera brasileira terá de vir de casas, escritórios e indústrias seguramente particulares.

Ronaldo Parisi rparisi@uol.com.br

São Paulo

*

‘MEU PRIMO RAUL’

Muitas pessoas ou alguns grupos podem não apreciar Roberto DaMatta como antropólogo. Mas, como escritor, não se lhe podem imputar quaisquer deslizes! Mais uma vez: que brilhante escritor e que crônica sensível (28/3). Parabéns.

Ayda Connia de Souza aydars@terra.com.br

Poa (RS)

*

A GUERRA DO CONTESTADO NO ‘ESTADÃO’

Cumprimento o jornal O Estado de S. Paulo pelo conjunto de matérias e ações sobre o centenário do movimento do Contestado. A importante reportagem dos jornalistas Leonencio Nossa e Celso Júnior fez um incomum e rigoroso processo de pesquisa, incluindo extensos acervos documentais do Arquivo Histórico do Exército. Os depoimentos colhidos, de gente marcada pela tragédia e pela dor, mostram aspectos dramáticos deste conflito que abalou o planalto meridional brasileiro no início do século 20.

Paulo Pinheiro Machado, coordenador do curso de História na Universidade Federal de Santa Catarina pmchado@mbox1.ufsc.br

Florianópolis

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.