Fórum dos Leitores

BRASIL

O Estado de S.Paulo

31 Março 2012 | 03h07

Marolinha...

Os preços para assistir à Copa e à Olimpíada serão maiores que na Inglaterra e na África do Sul. Protecionismo aos idosos, deficientes e estudantes, com cotas, não esconde os impostos e juros mais altos do mundo. A economia brasileira já é a quinta ou sexta do mundo, mas estamos em 102.º lugar na avaliação do ensino secundário mundial, só à frente de Etiópia e Afeganistão. A marolinha da crise do capitalismo vem acompanhada da maior seca no Nordeste em mais cem anos, e sem o padim Ciço, Lampião e Maria Bonita, enquanto no Sul, o maior volume de chuva dos últimos 40 anos. SOS para a Amazônia, municípios com água demais. Marolinha só no conforto de São Bernardo...

CARLOS Y. TAKAOKA

cy.takaoka@hotmail.com

São Paulo

URUGUAI E MALVINAS

Um bom exemplo

Surpreendentemente, o Uruguai demonstra sensatez e independência, diferenciando-se da maioria dos países do Mercosul, da Alba e, em especial, da Argentina, ao comparar o cerco comercial às Ilhas Malvinas organizado por Cristina Kirchner ao embargo econômico imposto pelos EUA a Cuba. O chanceler Luís Almagro afirmou que seu país não concorda com o bloqueio comercial argentino às ilhas, considerando essa atitude uma violação dos direitos humanos de seus habitantes. Respaldados pelo presidente José Mujica, 19 empresários uruguaios foram ao arquipélago em fevereiro para explorar possibilidades comerciais e, ao retornarem, confirmaram que, cansados das barreiras comerciais argentinas para produtos uruguaios, decidiram escolher um novo destino para suas mercadorias - as Malvinas. Desafinado da grande maioria da esquerda latina alinhada com Hugo Chávez e Cristina Kirchner, o governo Mujica exibe bom senso ao não compactuar com governos populistas que fazem coro contra os grandes enquanto criam todas as dificuldades para os vizinhos. Esse é o exemplo de um ex-guerrilheiro preso e torturado pelo regime militar que deveria ser seguido por Dilma Rousseff, que cobra da classe empresarial brasileira aquilo que é de sua responsabilidade, proteger a nossa economia, deixando de lado a ideologia.

PETER CAZALE

pcazale@uol.com.br

São Paulo

VISITA DO PAPA A CUBA

Pergunta 'tiririca'

Se fosse menos individualista, o comuna ditador Fidel Castro não teria perguntado: "O que faz um papa" no Vaticano? Se me perguntasse, eu teria respondido: "Reza pela tua alma, seu herege!".

MOUSSA SIMHON

pacenge@gmail.com

São Paulo

Injustiça

Estranha a observação da leitora sra. Beatriz Campos (Bento XVI e o regime cubano), publicada no Fórum dos Leitores de quinta-feira, sobre a atenção da Igreja Católica Apostólica Romana para com Cuba, seu regime autoritário e o povo que sofre naquele país. A Igreja sempre acompanhou, com preocupação, a situação dos países que viveram ou vivem em regimes comunistas, ou algum outro regime autoritário, até porque a própria Igreja foi perseguida por eles. Cuba já havia sido visitada pelo papa João Paulo II em 1998. Dois anos antes, em 1996,o mesmo papa recebeu Fidel Castro no Vaticano. Em ambas as ocasiões o papa condenou a ditadura comunista cubana, apelando para que as liberdades individuais fossem respeitadas na ilha. Mais recentemente, a Igreja Católica empreendeu grande esforço no diálogo com o governo cubano para a libertação de presos políticos da ilha. Esse esforço trouxe resultados satisfatórios e dezenas de pessoas puderam, finalmente, retornar ao seio de suas famílias. É injusto, portanto, a sra. Beatriz Campos acusar a Igreja Católica de míope diante do deficitário regime cubano.

RAFAEL ALBERTO, secretário de Comunicação da Arquidiocese de São Paulo

rafael@arquidiocesedesaopaulo.org.br

São Paulo

PRISÕES MILITARES

Convite e sugestão

Tendo servido ao Exército durante 40 anos sem nenhuma punição, mas conhecendo as "prisões militares" existentes dentro dos quartéis, concito o sr. Alexandre Barros (Controle civil das prisões militares, 29/3, A2) a esquecer o episódio sem importância da sua juventude e visitar qualquer prisão, em qualquer quartel de sua escolha. Tenho certeza que mudará os seus conceitos. Sugiro o próximo artigo: Controle civil nas prisões civis.

PAULO ROBERTO DA SILVA GOMES

pauloroberto65@hotmail.com

Brasília

NOVA CAMPANHA

Divisor de águas

Foi com enorme satisfação que acompanhamos, na noite do último domingo, a estreia da nova campanha publicitária de O Estado de S. Paulo na TV aberta. No ano em que completa seu 137.º aniversário, o jornal, que também foi pioneiro no jornalismo online, mostra que a pura e simples adesão às plataformas tecnológicas não pode mais ser considerada um fator determinante para quem busca ter, de fato, uma atitude inovadora. Nesse contexto, o novo filme institucional do Grupo Estado deve ser entendido como um divisor de águas, num cenário em que muitos, talvez por inércia ou ausência de criatividade, ainda preferem usar, em suas estratégias de marketing, a já ultrapassada máxima de que o "futuro" é, apenas, digital. O Grupo Estado inova ao apontar que é preciso ir além do apelo fácil das novas mídias e lembra que uma marca como a do Estadão só obteve grande valor porque foi construída, em mais de um século de história, em praticamente todas as mídias jornalísticas disponíveis - inclusive, e por que não dizer, principalmente no papel. Com isso a referida campanha deixa claro para a sociedade que o produto impresso continuará sendo, por longo período, uma referência em termos de seriedade, compromisso e credibilidade. Assim, como representantes da Associação Brasileira da Indústria Gráfica, devemos dizer que nos tocou profundamente ver as rotativas do Estado, a todo o vapor, lado a lado com modernos equipamentos tecnológicos. Consideramos que deva ser essa a postura da indústria da comunicação, seja impressa, eletrônica ou digital, diante das mudanças tecnológicas de nossos dias. Os nossos mais sinceros parabéns!

FABIO ARRUDA MORTARA, presidente da Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf Nacional), LEVI CEREGATO, presidente da Associação Brasileira da Indústria Gráfica Regional São Paulo (Abigraf-SP), e REINALDO ESPINOSA, presidente da Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica (ABTG)

presidencia@abigraf.org.br

São Paulo

 

LULA DE VOLTA

Nem bem recebeu a notícia de sua "cura", Lula já começou a destilar veneno. O lobo perde o pelo (ou o cabelo), mas não perde o vício. Em vez de se preocupar em tornar conhecido o seu poste candidato, já começou a atacar o candidato Serra. Sem sombra de dúvida, não foi o tratamento que curou o câncer dele. Foi o veneno de sua própria língua que matou o tumor. Que Deus nos proteja e nos livre deste carma novamente. Cuidado, Lula, o escorpião também morre envenenado com seu próprio veneno.

Maria Eloiza Rocha m.eloiza@gmail.com

Curitiba

*

A BOA POLÍTICA

Seria bom e, por conseqüência, conveniente que Lula fizesse bom uso da sua ainda debilitada voz, a única (mas única messsmo) ferramenta que nele parece ainda funcionar – e que, por milagre, o Criador lhe conservou – para praticar a política dos severos. Ou seja: a boa política! Não a política dos destemperados que, quase sempre, são inoportunos, mal educados e, por isso mesmo, inconvenientes. Seria ótimo se ele seguisse o exemplo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que, dia desses, embora tendo sido sempre agredido insistentemente pelo presidente de honra do PT (grande honra!), foi até o Hospital Sírio-Libanês para desejar-lhe, sorridente e solidariamente, mas severo, pronto restabelecimento. Mal liberado dos seus tratamentos contra o câncer que lhe acometeu a laringe, mas que ainda lhe aflige, sem mais nem menos e, ao que me conste, sem razões que o levassem a tanto, eis que o boquirroto ex-presidente informa-nos, catedraticamente, que "Serra é um político de ontem com ideias de anteontem" (sic Lula). Se assim fosse – ou se assim é –, calculem então quais são as classificações das ideias e dos ideais de seu mestre, guru, tutor e ídolo, o insano Fidel Castro, cujos exemplos(!) o nosso papagaio palrador prega e deblatera pelo mundo afora. Não bastasse isso, acrescenta ainda aos seus comentários a respeito do cubano, a beleza dos falidos princípios comunistas e leninistas-marxistas, aos quais o PT oferece o conforto de todas as mordomias: casa, mesa, banho roupa lavada e cama. E pensar que tais princípios os próprios russos – desde Mikhail Gorbachev e Boris Iéltsin até Vladimir Putin, nos dias de hoje – relegaram ao ostracismo. Eu sempre disse que as ideias de Lula não são de "ontem" e nem de "anteontem". Simplesmente não existem. Sua ex-excelência defende teorias e ideais que... "o vento levou"! Cristão, criado sob a pálio do trinômio "Liberdade, Igualdade e Fraternidade", saúde e vida longa são meus melhores e sinceros desejos ao senhor Luiz Inácio Lula da Silva. Mas, por favor, que ele deixe-nos em paz: vá praticar suas perorações na sede do Partido dos Trabalhadores, lá na Rua Silveira Martins, 132, em São Paulo. Eis aqui um princípio latino, para meditação de todos nós: "Agere, non loqui" (Agir, não falar).

João Guilherme Ortolan guiortolan@gmail.com

Bauru

*

POPULISMO À VISTA

Ao Lula, meus votos de muita saúde! Mas só de saber que o ex-presidente está liberado para a atividade política, dá-me um frio no estômago. Porque neste período em que se ausentou para importante tratamento de saúde, mesmo convivendo com o drama diário da corrupção e outras mazelas crônicas que ocorrem nas nossas instituições, pelo menos com relação a nossa presidente Dilma as nossas críticas são centradas pela falta ou excesso de dosagem na condução da política econômica. Ou pelos atrasos nas obras! Ou, ainda, pela sua falta de traquejo político com o Congresso. Mas jamais como faz o Lula do uso de um populismo e demagogia próprios para um botequim de terceira... E, para nossa sorte, neste mesmo momento foi possível até aprofundar debates em questões vitais para nossa economia como medidas contra a desindustrialização, etc.! E o Lula, oportunista que é, e com saudade de estar na mídia, com a sua possível volta ao cenário político, talvez tentará nos convencer de que a aprovação da venda de bebidas alcoólicas nos estádios em 2014 será ótima para o País (porque quem fez esta besteira de prometer à Fifa esta solução foi exatamente o ex-metalúrgico). Ou, ainda, vá influir para que a Dilma atenda a todos os pedidos excrescentes dos congressistas em troca de apoio... O certo é que vem muito besteirol por aí...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

 

São Carlos

*

CONSOLO

Para aqueles que se entristeceram com a perda do humor de Chico Anísio e Millôr, um consolo: com a rentrée de Lula o Brasil volta a ser o país piada, já começando com sua frase "volto...para o Brasil continuar crescendo...". Há, há, há!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

 

São Paulo

*

O PREDILETO

O homem ainda se acha predileto de Deus que o curou mas deixou de curar tantos outros que não têm Sírio Libanês para tratamento!

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

*

O SÍRIO E O SUS

A recuperação de Lula de um câncer super agressivo numa região tão delicada vem nos mostrar o quanto um tratamento de primeira linha e com atendimento imediato ao diagnóstico, como foi proporcionado a ele, deveria ser dado a todos os brasileiros, que Lula tanto afirma considerar e que ficam a mercê de um serviço como o Sistema Único de Saúde (SUS) em longas filas de espera. Quem sabe agora, depois do "susto", essa situação degradante seja por ele considerada. Essa também é uma forma de lutar pelo crescimento do Brasil, como é o objetivo explicitado pelo ex-presidente após constatar a remição da doença.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

LULA SEM CÂNCER

Que bom que Lula sarou. E que ótimo seria se todos os pacientes com câncer recebessem o mesmo tratamento.

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com.br

Bauru

*

DÁ PARA ACREDITAR?

Noticiaram que o ex-presidente apresenta condição de ausência de "sinais" da doença, mas o Dr. Artur Katz, oncologista do Sírio Libanês, explica que o diagnóstico para determinar a cura do câncer leva cinco anos, só para 2.017. Que dureza... Então ainda não liberaram o palanque, o fumo e a bebida, assim não há quem aguente, dá pra acreditar?

Luiz Dias lfd.silva@bol.com.br

São Paulo

*

MENTE POSITIVA

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso é um homem tão otimista que, após visitar o ex-presidente Lula, os médicos anunciaram que Lula estava curado. Esperamos que ele se utilize dessa mesma força para eleger José Serra para a Prefeitura de São Paulo.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

LADAINHA

O ex-presidente Lula foi tratado num dos hospitais mais modernos do País, a parte triste é que no seu governo, além de institucionalizar a corrupção através do mensalão e da impunidade, o outro legado é a volta de doenças, antes já erradicadas, como a tuberculose, a sífilis e algumas que já tínhamos esquecido. E agora disseram para ele que está curado, começa a ladainha de sempre, critica Serra, vai percorrer o Brasil, etc. Certamente, Lula subirá no palanque e dirá que nem o câncer o conseguiu derrotar.

José Francisco Peres França josefranciscof@uol.com.br

 

Espírito Santo do Pinhal

*

LULA E HADDAD

Quando a boneca Emília, do Sítio do Pica-Pau Amarelo, engoliu a pílula falante, disparou a matraquear como louca, pois estava com o estoque de conversas cheio até as tampas! O mesmo está a acontecer com Lula agora... que mal destravou a fala, em jejum de conversa há tantos meses, se pôs a bombardear o candidato Serra com tanto afã que periga emperrar o órgão falador. Olha lá, Lula, vá com "menas sede ao pote", como você mesmo diria tempos atrás. Marta Suplicy já mandou o Haddad gastar sola para deslanchar a campanha. Agora, para você poupar sua garganta e sua saúde, só falta aconselhá-lo a suar a camisa...

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

GENÉRICO

Comparado com Dilma, Haddad é um poste, ou melhor, um ponto de ônibus e Dilma, uma torre de alta tensão. Se o PT tem esperança de que Lula, com as limitações que o tratamento de saúde lhe impõem, vai realizar algum milagre, é melhor se conformar com uma derrota no primeiro turno, de goleada. O que pode ajudar são as críticas de Marta Suplicy a Fernando Haddad, dizendo que Haddad que gaste sola de sapato em sua própria campanha. Talvez por vingança parte da população vote no PT apenas por ser totalmente contra Marta.

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

PT QUER TURBINAR HADDAD

Quem sabe conseguem, se usarem o método recomendado pelo secretário-geral da Fifa: "um bom pé no traseiro"...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

 

São Paulo

*

DOCE ILUSÃO

Engana-se muito quem espera ou acredita que Marta Suplicy vá ajudar Fernando Haddad na sua campanha para prefeito em São Paulo. Talvez sim, se tiver uma chance poderá passar com um rolo compressor por cima, para aniquilá-lo de vez. Quem viver verá!

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

MARTA E HADDAD

Parece que os petistas estão chegando ao desespero. Mandar "trabalhar" é demais.

Ariovaldo Batista ariobva06@hotmail.com

 

São Bernardo do Campo

*

MARTA SUPLICY

A manchete saiu na primeira página do Estadão de 29/3, quando, no texto da chamada, ela diz que está sendo pressionada pelo PT e pelo Planalto para socorrer Fernando Haddad. E avaliou que o partido erra em lhe cobrar ajuda. Não sou filiado a nenhum partido, mas já votei no Lula, no Fernando Henrique, no Serra, no Alckmin, inclusive na Marta, e até gosto dela, mas, agora, não concordo com suas afirmações. Quem ela vai ajudar na campanha? José Serra ou Chalita?

Olympio F. A. Cintra Netto ofacnt@yahoo.com.br

São Paulo

*

PROPOSTA PARA A ELEIÇÃO

Pode até ser que Fernando Haddad não consiga acabar com a cobrança da taxa da inspeção veicular, mas em tempos de eleição, o eleitor gosta de quem aparentemente joga do lado dele. Nesse sentido, os petistas são mestres em fazer demagogia, justo eles que na gestão Marta Suplicy arrumaram a taxa do lixo, da iluminação e tiveram como ajudante ninguém menos que o candidato deles hoje, Fernando Haddad. Em São Paulo, todos os motoristas estão insatisfeitos com a inspeção veicular, a qualidade do ar não melhorou e os carros velhos continuam a infernizar o trânsito já caótico da cidade. De concreto, o PT agrada o eleitor prometendo acabar com a inspeção veicular, outro ponto a atacar é o lixo reciclável, projeto abandonado por Kassab. O horário político ainda não começou, mas o PT promete fazer barulho e os demais candidatos o que vão propor para ganhar a Prefeitura de São Paulo?

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

CORPORATIVISMO SENATORIAL

Inverossímil! O senador Álvaro Dias (PSDB/PR) começa a ensaiar bem levemente a defesa do senador Demóstenes Torres (DEM/GO), querendo misturar Waldomiro Diniz, mensalão e outra coisas mais nesse tema atual. É bem verdade que esses casos anteriores são também verdadeiros escândalos, mas este caso, atualíssimo, não entra em méritos anteriores, caríssimo senador Álvaro Dias. É uma cachoeira de fatos.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

RAPIDEZ

Evidentemente, a decepção com Demóstenes Torres é enorme, não deixa dúvidas sobre a sua relação com Carlinhos Cachoeira, mas agora vejo agilidade para provar a sua contaminação com o bandido. Mas e o Waldomiro Diniz? E o Zé Dirceu? E a Quadrilha? Esses foram flagrados há muito tempo, então vamos agilizar pela ordem, no mínimo para ser justo de fato.

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

QUAL É A ACUSAÇÃO?

Ainda não consegui entender de qual crime o senador Demóstenes Torres, do DEM, é acusado. Ele tem relações de amizade com um dito ex-contraventor, que dispõe até, pasmem, de vereadores na Assembleia de Goiânia para defender seus interesses, a tal "bancada do Cachoeira". Mas esta amizade configuraria crime? Realmente, não deu para entender nada. Ser amigo de alguém nunca foi crime no Brasil. Repito a pergunta: Demóstenes Torres é acusado de quê?

M. Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

PUROS

Fiquei emocionado ao ver alguns senadores reagindo contra o Demóstenes Torres e pedindo até a cassação de seu mandato. Com razão, o Senado não pode ter um membro poluindo ambiente tão puro. Cambada de cínicos!

Laércio Zanini arsene@uol.com.br

Garça

*

PAÍS SEM SORTE

A vida sempre falava todo homem tem seu preço, sempre discordei desta generalização. Hoje tenho dúvidas, diante de tanta corrupção, conchavos e vendas da própria consciência, tenho dúvidas, morreu o ícone da política, do senado, considerado por muitos uma figura ímpar, um modelo, um espelho para tantos. Não é mais, fumaceou, desapareceu, e as gravações revelam, falam em milhões, e o senador queimou sua ética, rasgou sua honra e decepcionou aos poucos brasileiros que ainda tinham uma esperança no combate aos maus políticos. Não somente ele, mas já contaminou o DEM seu partido, como líder. Além de ter um preço, mostrou seu lado bandido, juntando-se a esta quadrilha. Este país não tem sorte.

Eugênio Iwankiw Junior iwankiwjr@hotmail.com

Curitiba

*

QUEM TE VIU E QUEM TE VÊ

Oh! Quantas vezes temi pela saúde do Demóstenes Torres, "paladino" da ética e da legalidade, esbaforido pela obesidade, esbravejando da tribuna do senado contra a corrupção petista.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

NATURAL

Para o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), a amizade com o contraventor Carlinhos Cachoeira é a coisa mais natural do mundo. Seguindo os mesmos valores éticos, qual o problema se, amanhã, a presidente Dilma Rousseff trocar telefonemas com o Fernandinho Beira-Mar?

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

 

Campinas

*

HONESTIDADE

Interessante o sentimento expresso pelo leitor Kaled Baruche, de Belo Horizonte, na carta publicada na edição de 28/3, intitulada O Brasil pede transparência. É lamentável o que ocorre em nosso País. Não temos mais em quem confiar. Essa do senador Demóstenes Torres pegou a todos os brasileiros que acompanham a política de surpresa, pois víamos nele um dos ícones da moralidade. Tomara que tudo não passe de engano, o que parece estar longe de ser. O Brasil não precisa de políticos que digam ser honestos, mas que sejam realmente de fato e de direito honestos e sem foguetório. Morei por quinze anos na cidade de São José do Rio Preto, interior paulista, ou seja de 1979 a 1994. Era voz corrente naquela cidade e região que o ex-prefeito Manoel Antunes era um dos políticos mais honestos do Brasil. Realmente era um político diferenciado cuja lisura e honestidade eram autenticadas por todos que conviveram social ou politicamente com ele. Ali tudo era transparente. Uma raridade no meio político. Do jeito que a coisa está no Brasil e se ainda for político, deve estar pensando com seus botões na frase secular de Rui Barbosa: "Ter vergonha de ser honesto". Hoje em dia a honestidade está banalizada. O que vale ser honesto neste país de norte a sul? Nada. Tem até menos valor do que os desonestos. Triste realidade!

Alencar Manfredi de Barros amanfredidebarros@yahoo.com

Vila Velha (ES)

*

EMBLEMÁTICA

Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, foi contratado por Demóstenes Torres para defendê-lo nesse decepcionante caso (para nós, que acreditávamos na honestidade de princípios dele) do envolvimento do senador com o contraventor Cachoeira. Nada mais emblemática do que essa contratação do advogado de vigaristas poderosos para mostrar o tamanho da confusão em que Demóstenes se meteu, pois em Brasília corre o ditado: quando a casa cai, o negócio é chamar o Kakay.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

TELHADO DE VIDRO

Vento que venta lá venta cá. Esta frase era muito usada quando se julgava de forma severa, tendo telhado de vidro Em todos os casos de corrupção envolvendo os ministros de Dilma Rousseff, a oposição (PSDB e DEM) caía de pau sobre os defenestrados malfeitores até que deixassem os cargos. Tudo em nome da moral, da decência e da ética na política. Agora se vê que o DEM, pelo seu líder no senado, fazia apenas figuração enquanto protagonizava com o empresário do ramo de azar, Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, um relacionamento que causou constrangimento ao presidente do DEM, senador José Agripino (DEM-RN) com a presença de Demóstenes na liderança do partido, diante das denúncias da Operação Monte Carlo, da Polícia Federal. O advogado do senador, Antonio Carlos de Almeida Castro, disse que o denunciado tinha amizade com Cachoeira, mas desconhecia as atividades do empresário. O senador Demóstenes Torres deveria estar mais atento ao dito popular: ''Diga-me com quem andas, e eu te direi quem és''. O senador já renunciou ao cargo de líder do partido no senado enquanto a oposição fica chamuscada nesse episódio.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

DEMÓSTENES X CACHOEIRA

Relativamente às gravações da Polícia Federal na Operação Monte Carlo e o envolvimento do senador Demóstenes Torres com o contraventor Carlinhos Cachoeira, um fato me chamou atenção. Num dos trechos da gravação divulgado por Veja, Cachoeira fala com a mulher de Demóstenes, Flávia, que comemora a obtenção de sua carteira da OAB: "A conquista aí é nossa" Tô com a vermelha no bolso, 32.650, pode arrumar cliente aí pra mim (...) Tô com a vermelhaça no bolso (...) Um detalhe antes mesmo de colar grau, Flavia passou no caça níqueis exame de ordem com... Nota máxima! 10! Gabaritou a prova de 2ª fase. Como se vê caça-níqueis atrai caça-níqueis. Agora estou entendendo porque esse pálido Senador foi o Relator que rejeitou e arquivou a PEC nº01/2010 do nobre Senador Giovane Borges – PMDB-AP, que pretendia banir do nosso ordenamento jurídico a máquina de arrecadação, o caça-níqueis Exame de Ordem, feito para reprovação quanto maior reprovação maior o faturamento. Abocanha R$ 72,6 milhões por ano, gerando fome desemprego (num país de desempregados) e doenças psicossociais, verdadeiro o mecanismo de exclusão social (bullying social). A privação do emprego é um ataque frontal aos direitos humanos. "Assistir os desassistidos e integrar na sociedade os excluídos. Segundo Martin Luther King "Na nossa sociedade, privar um homem de emprego ou de meios de vida, equivale, psicologicamente, a assassiná-lo."

Vasco Vasconcelos vasco.vasconcelos@brturbo.com.br

Brasília

*

CORRUPÇÃO DESMASCARADA

No passado um editorial de jornal impresso era capaz de derrubar ministros, prefeitos e até o presidente. Atualmente as denúncias são filmadas e são explicadas pelos corruptos de forma que até uma criança consegue entender. Intrigante saber que nenhuma investigação e punição dos culpados é levada adiante, assim entendemos que a corrupção está instalada e atuando completamente impune no Brasil.

Daniel Marques danielmarquesvgp@gmail.com

Virginópolis (MG)

*

COMO ESQUECER?

A presidente Dilma retorna de Nova Délhi, Índia, onde participou da reunião dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), para estar presente no país na inesquecível data de 31/3/1964, como esquecer...

Luiz Dias lfd.silva@bol.com.br

São Paulo

*

MILITANTES DE CUEIRO

Pela cara dos manifestantes que cercaram militares da reserva gritando "tortura, assassinato, não esquecemos 64", eles nem sonhavam nascer à época da ditadura militar. Mas quem viveu as agruras de "64", com bombas explodindo em lugares públicos, ameaça de bombas em aeronaves deixando passageiros e tripulação sem saber se chegariam ao destino, sequestros e luta armada, sabe que o Exército pode até ter se excedido, mas nada além do que o grupo armado nos impunha à época. Os militares tanto protegeram, que no Brasil o futuro já chegou, enquanto Cuba o exemplo que nossos "guerrilheiros" queriam nos impor está atrasada 50 anos. Será que essa parte da história os "militantes de cueiro" ficaram sabendo? Mas vamos lá. Se quiserem justiça, que devolvam tudo que receberam pela "lei da anistia" e vamos colocar nos tribunais todos. Militares e guerrilheiros. Aí, sim, poderemos esquecer "64"! Ou então que nos mate a todos que vivemos a verdadeira história.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

ELES QUE VENHAM

Como todo cidadão de bem, sempre fui obediente à lei e à ordem. Como soldado, além disso, sempre fui subordinado à hierarquia e à disciplina, mas, a continuar a intimidação, como ocorreu na Cinelândia (Rio de Janeiro) nas portas do Clube Militar, onde homens e mulheres livres foram agredidos porque exerciam seu direito de opinião, de debate e de comemoração, o que restará a fazer, além de encarar a luta? Afinal, foi para a luta que os soldados foram treinados. Eles que venham!

Paulo Chagas pchagas58@gmail.com

Brasília

*

AS CIRCUNSTÂNCIAS ERAM OUTRAS

Pedindo licença e tomando de empréstimo a charge de anteontem do Chico Caruso, o Brasil cada vez mais empobrece intelectualmente. Após perdas irreparáveis como Chico Anysio e agora Millôr Fernandes, o País mergulha numa defasagem que vai de encontro aos discursos do Clube Militar do Rio de Janeiro e ao lobby de cada dia dos políticos. Onde já se viu comemorar o golpe de 1964? Devemos ter consciência de que a população à época aceitou e queria a implantação da ditadura, mas também a de se realçar que as circunstâncias eram outras e que a sociedade aprendeu um pouco. Resguardemos nossa sanidade e inteligente contra a corrupção e interesse individual. Homenageemos Chico e Millôr cuidando do país que eles maximizaram e divulgaram positivamente ao mundo.

Pedro Beja Aguiar pedrobejaaguiar@gmail.com

Rio de Janeiro

*

REVISIONISMO HISTÓRICO

O revisionismo histórico é uma das marcas registradas dos comunistas. Nos horários políticos gratuitos (para eles, não para nós) de duas quintas-feiras seguidas – 22/3 e 29/3 – respectivamente o minúsculo PCB e o PCdoB celebraram seus supostos 90 anos de criação, mencionados também nos sites de ambos, pretendendo, cada qual, ser o mais antigo partido brasileiro. Mas não é bem assim. Aos fatos: 1) Em 25 de março de 1922, Astrojildo Pereira e outros fundaram o Partido Comunista do Brasil – Seção Brasileira da Terceira Internacional Comunista (PCdoB-SBTIC), naturalmente vinculado à União Soviética, então ainda dirigida por Lenin (Vladimir Ilitch Ulianov); 2) Em 1949, a China tornou-se comunista, sob Mao Tsé Tung, e aliou-se à URSS na exportação de revoluções comunistas pelo mundo; 3) Em 1956, já sob a batuta de Kruschev, o Partido Comunista da União Soviética (PCUS) realizou seu XX Congresso e emitiu resolução "abandonando a luta armada" (que voltaria a ser exportada, através de Cuba, alguns anos depois) e adotando a "via pacífica" (leia-se subversão) para a conquista do poder em países não-comunistas; 4) Com essa resolução, a China, que persistiu no estímulo às revoluções armadas, afastou-se da URSS, o que provocou cisões nos Partidos Comunistas de todo o mundo; 5) No Brasil, em 1962, os comunistas se dividiram formalmente: um grupo, liderado por Luiz Carlos Prestes, permaneceu fiel à URSS e adotou a sigla PCB; outro passou a filiar-se à China e ficou com a sigla original – trata-se do atual PCdoB; 6) Mais tarde, Luiz Carlos Prestes se afastou da direção do PCB (então com Giocondo Dias) e criou uma dissidência denominada "Ala Prestes"; 7) Em 1976, com a morte de Mao Tsé Tung, a China parou de exportar revoluções, e o PCdoB passou a se filiar ao Partido do Trabalho da Albânia; 8) A queda do Muro de Berlim, em 9/11/1989, e a subseqüente dissolução do bloco comunista formado pela URSS e seus satélites promoveram mudanças radicais nesse quadro; 9) O PCB original, criado em 1922, é hoje o PPS de Roberto Freire; essa nova denominação foi adotada em 1992; um pequeno grupo que se considera "autêntico" conseguiu manter a sigla PCB... Só rindo... 10) Portanto, nem o minúsculo PCB, desprovido de qualquer expressividade, nem o atual PCdoB têm qualquer coisa ver com a agremiação que teria feito 90 anos em 2012; o PCdoB é apenas uma dissidência surgida em 1962, que se filiou à China e à Albânia, e completou há cinco dias 50 anos de sucessivas derrotas – como, por exemplo, a do Araguaia e a de Orlando Dias no Esporte. E como se não bastassem tais revisionismos históricos, ainda se dizem – como nos programas citados – paladinos da democracia, mas não explicam que o significado dessa palavra, em seus dicionários, nada tem a ver com a concepção clássica que embasou as revoluções americana e francesa; trata-se, isso sim, da ditadura do partido único, que até hoje tiraniza tantos povos, mesmo depois que o mundo civilizado a lançou ao lixo da História em 9/11/1989, com a queda do Muro de Berlim. Iludem os incautos dizendo que "pegaram em armas para lutar contra a ditadura militar", quando foi o contrário – em 1935, em 1964 e nos anos 70, eles é que pegaram em armas para impor uma ditadura comunista ao Brasil, o que foi impedido pelos militares. Inconformados com a derrota na arena, querem a revanche no tapetão. Mas muitos brasileiros desinformados insistem em exumar essa ideologia, como se viu anteontem, 29/3/2012, no Centro do Rio de Janeiro, quando jovens que desconhecem a História, brandindo bandeiras do PCB e do PC do B, deixaram bem claro qual é seu entendimento de "democracia", insuflados que foram por seus ideólogos, os quais, ao que tudo indica, não apareceram por lá.

Gil Cordeiro Dias Ferreira gil.ferreira@globo.com

Rio de Janeiro

*

COMISSÃO DA VERDADE

Acompanho os leitores clássicos do Estadão se manifestando ferozmente contra a Comissão da Verdade no Fórum. Com isso, só posso concluir que a Comissão está no caminho certo.

Fábio Aulísio faulisio@hotmail.com

São Paulo

*

CONTROLE CIVIL DAS PRISÕES MILITARES

Em resposta ao artigo do PHD Alexandre Barros publicado quinta-feira no Estadão (A2), desejo dizer o seguinte: 1) citar os Estados Unidos como exemplo de controle das prisões militares chega ao hilário, pois é sabido que em Guantánamo (Cuba) há uma prisão militar onde ficam civis terroristas (muito certo), prisão bem dura. 2) Hitler realmente usou entidades que não pertenciam ao exército alemão, as medonhas Gestapo (civis) e as SS que cometeram as maiores barbaridades, e neste dois casos desconhece-se se alguma ministroide foi fiscalizar o terror ali realizado. 3) Não é verdade, e é até ofensivo dizer que as Forças Armadas Brasileiras não participaram em cem anos de uma guerra, e que a Força Expedicionária foi simbólica, pois participamos com uma Divisão completa (sabe o que é?) e tivemos perto de quatro mil baixas. 4) Há dias as Forças Armadas foram chamadas para impedir o avanço da criminalidade no Rio de Janeiro e estabelecer a segurança na Baia, onde Policiais se rebelaram (com justiça). 5) Se for estabelecida uma comissão da verdade deve ter a participação dos dois lados, isto é dos agentes da lei e dos terroristas, pois ambos fizeram violência, e é importante conhecer o §2º do Artigo 1º da Lei da Anistia. Finalmente, senhor Barros, hoje as Forças Armadas têm um ministro civil, que nem sei se foi reservista, e não há qualquer rebelião, e também na paz é necessária uma Força que possa proteger o Brasil contra bandidos, traficantes, sabotadores, e também corruptos que infestam este país.

Roberto Banhara Dias Cardoso rbdc@terra.com.br

São Paulo

*

SEM RANÇO OU REVANCHISMO

A mágoa do articulista Alexandre Barros em seu texto é, no mínimo, pessoal,vamos por pontos: 1)Desde sua criação, o serviço militar obrigatório, já acolheu centenas de milhares de jovens a serviço da Pátria. Qual será o numero de recrutas que como o articulista se insurgiram contra as ordens dos superiores? 2) A missão constitucional das Forças Armadas é clara e só os medíocres não alcançam a letra da lei. Lembro que para derrubar tal preceito, em uma democracia, é preciso através dos votos mudar a lei. 3) No atual estágio da nossa democracia, o mesmo que possibilitou que ex-terroristas em nome de uma "revolução" contra o governo vigente,assaltassem bancos,explodissem bombas e matassem civis inocentes, ocupem hoje a Presidência da Republica, são ministros de Estado, deputados e senadores, todos eles eleitos pelo voto popular. Por derradeiro lembro que as Forças Armadas são comandadas por um civil ministro da Defesa, os militares são Comandantes de Força. Lembro também que a anistia proclamada serve para todos. E sem ranço ou revanchismo não se fala mais nisto!

Caio Plínio Aguiar Alves de Lima caioplinio@gmail.com

 

São Paulo

*

ESTUDO EQUIVOCADO

São Paulo: 1/4 da área construída é dos carros, porque não há transporte público adequado à demanda e à qualidade esperada (C3, 21/3). Ainda mais, quem faz empreendimentos é responsável pelo tráfego por ele gerado e pela consequente incomodicidade aos vizinhos e à região. São Paulo precisa, sim, copiar Tókio que só permite a aquisição de carro a quem comprova ter onde guardá-lo e que, ainda, oferece transporte público decente à população. O Sr. Hamilton França Leite Júnior, diretor do Sindicato da Habitação (Secovi) e responsável pela pesquisa da Poli, pleiteia a redução dos estacionamentos para usar os terrenos em equipamentos públicos. Tal redução dos estacionamentos poderia ser utilizada para obter terrenos escassos para construir mais apartamentos e escritórios na cidade – congestionando-a ainda mais? O entrevistado compara São Paulo com Nova York e Los Angeles; ora, vejamos, no estágio e na velocidade atual da construção do metrô paulistano, serão necessários mais de 70 anos para atingir o nível de transporte público existente nas cidades de Londres, Berlin, Nova York e Los Angeles citadas na página. O autor também cita a tal da cidade compacta, promovida no planejamento estratégico SP2040 da prefeitura, onde tem tudo no bairro e onde não se entra nem se sai – ou seja, guetos onde só se anda de bicicleta custeada pelo munícipe, o que interessa a quem? Portanto, com base na entrevista concedida pelo autor do estudo em apreço, só posso sugerir à Poli-USP, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, que faça um estudo de interesse do paulistano: tal estudo deve propor e conseguir a urgente construção de redes de metrô, bondes e outros meios de transporte públicos adequados ao porte da cidade; tal estudo deve dimensionar as necessidades dessa rede ao porte da população atual e futura; durante a implantação efetiva da rede, poder-se-á analisar alguns casos de reduções paulatinas de vagas de garagens residenciais obrigatórias – o que será viável em uns 50 anos, considerando os perfis das gestões atuais da cidade e da região metropolitana.

Suely Mandelbaum, urbanista suely.m@terra.com.br

São Paulo

*

ESTRELA CADENTE?

Pelo andar da carruagem – ou, digamos, de seu bólido – o piloto Felipe Massa parece estar com os dias contados na F1. Há anos na categoria, e com carros competitivos à mão, o máximo que o brazuquinha chegou foi a vice, perdendo, na ocasião, para Lewis Hamilton em Interlagos – no Brasil. Sua temporada de 2011 foi desastrosa, do tipo "para esquecer". Começou 2012 com otimismo, mas... continua na mesma toada de 2011 – senão pior. Nem se diga que o carro "é o culpado". Mesmo com as coisas longe do ideal, Fernando Alonso – como ele da Ferrari – lidera o mundial de pilotos (!) enquanto Massa exibe ‘zero’ pontos na tabela. Até novatos, como Sergio Peres, Bruno Senna, Kamui Kobayashi, Jean-Eric Vergne, Nico Hulkenberg e Daniel Ricardo estão à sua frente na pontuação, sendo que o mexicano Peres está com 22 pontos, em 5º no mundial, dirigindo uma... Sauber! O mexicano lembra Ayrton Senna, no tempo em que estava na inexpressiva Toleman, mas já dava trabalho aos grandes. Tudo faz crer que Massa seja estrela cadente. Ou reage e prova – à Ferrari e a si mesmo – que tem condições de seguir no ‘circo da F1’ ou seguramente não o veremos mais dirigindo carros de ponta e disputando as primeiras posições no "grid".

Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br

São Paulo

*

PILOTO DE ENTREGA

O comercial mostrando o piloto Felipe Massa dirigindo uma camionete de entrega não poderia ser mais realista. Atualmente ele está mais para motorista de entrega mesmo.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

BILHETE AZUL

Felipe Massa continua na Ferrari devido ao bom desempenho financeiro que o banco Santander vem obtendo no Brasil. Caso contrário, já teria recebido o bilhete azul.

Luiz Bianchi luizbianchi@uol.com.br

São Paulo

*

PRÊMIO DA FERRARI

Alonso, por sua vitória, ganhou uma Ferrari último tipo. Enquanto isso, Massa vai poder usar um Fiat 500.

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

 

São Paulo

*

CHICO ANYSIO E O PT

Foi tão grande a tristeza da maior parte do povo brasileiro, em razão do falecimento do nosso melhor, maior humorista e comediante do país, Chico Anysio, entretanto o PT comemorava com alegria o funesto acontecimento... Lembram o tempo que Chico Anysio ficou "encostado" na TV que sempre trabalhou? Pasmem, o motivo foi devido, fazendo um dos seus múltiplos personagens, ter chamado o Lula de "cara de pau", que é o próprio, não acham? Com certeza a emissora de TV é petista ou estava agradando, alguém duvida? Será que foi coincidência ou censura do PT?

Maria Teresa Amaral mteresa0409@estadao.com.br

São Paulo

*

CHICO E MILLÔR

Ao se encontrarem no céu, Chico cumprimentou o recém-chegado, lembrando frase de sua autoria feita lá na Terra: "No Brasil de hoje, os cidadãos têm medo do futuro. Os políticos têm medo do passado.", ao que Millor respondeu, repetindo uma das suas, criada no mesmo planeta, ao recordar um certo final de governo: "Sir Ney, ao deixar o governo, não deixou pedra sobre pedra, ou só deixou podre sobre podre?" A inteligência brasileira foi castigada ao ver-se privada, no espaço de uma semana, destes dois gênios criativos.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

 

Rio de Janeiro

*

MILLÔR FERNANDES

O País não apenas perde a genialidade, mas um de seus mais íntegros cidadãos. Millôr foi inigualável em seu trabalho como escritor, dramaturgo, cronista e, sobretudo, humorista refinado. Mas, o que me impressionou mais neste homem foi o elevado caráter ético-moral, não deixando a cretinice manchar a sua honra e a de seus ideais. Mesmo que inimigo da ditadura militar, soube reconhecer a lisura e a honestidade dos presidentes militares, enfatizando e louvando que não se aproveitaram da situação para a prática do nepotismo e do enriquecimento ilícito, o que é muito comum nos atuais detentores do poder político do País. Ademais, posicionou-se com muita propriedade em relação a essa indecorosa avalanche de indenizações que aqueles que lutaram contra a ditadura reivindicaram e recebem, dizendo: "A luta armada não deu certo e eles agora pedem indenização? Então eles não estavam fazendo uma rebelião, mas um investimento". Que o passamento deste gênio seja motivo de reflexão para muita gente por aí, que ao se beneficiar indevidamente, onera os custos orçamentários da União, que não está dando conta de arcar com as aposentadorias de gente honrada e que realmente contribuiu com sua força de trabalho, consumiu sua juventude, para o desenvolvimento do País.

Nei Silveira de Almeida neizao1@yahoo.com.br

Belo Horizonte

*

SAUDADE

Sem Millôr ficou pillôr.

Ney José Pereira neyjosepereira@yahoo.com.br

São Paulo

*

DE LUTO DE NOVO

Millor, fantástico no O Cruzeiro, no Pasquim, na Veja, traduzindo Shakespeare, faz parte da minha infância, da minha juventude e da minha maioridade. Perda inquestionável, nosso mundo inteligente, irônico e seriíssimo está acabando, estamos sem nossos irmãos, sem nossos pais, sem nossos líderes, olho para os lados e viro a cabeça, não tem para quem dedicar atenção. A criatividade, a excelência, a dignidade e o exemplo a seguir estão indo embora. O mercado está lotado de idiotas, burros, safados e analfabetos, preço alto a pagar, saudades da literatura, do humor, da sabedoria e da criatividade, nossa mãe. Estou de luto de novo.

Ronaldo Parisi rparisi@uol.com.br

São Paulo

*

HOMENAGEM

Nova perda de outro gênio das palavras, da mordacidade, do humor: Millôr Fernandes. Minha homenagem a ele é com uma de suas frases, tão necessária nestes nossos dias de Brasil: "Se você agir sempre com dignidade, pode não melhorar o mundo, mas uma coisa é certa: haverá na Terra um canalha a menos".

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

AVISO PRÉVIO

Millor não morreu, só pediu demissão.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.