Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

15 Abril 2012 | 03h07

No Conselho de Ética

Adivinhem qual foi o real motivo da visita do senador Demóstenes Torres ao Conselho de Ética. Simples: foi - "ao pé do ouvido" - informar aos seus nobres componentes que, se não julgarem direitinho o processo por quebra de decoro parlamentar, vai borrifar água da "cachoeira" em todos eles. Logo, é mais um julgamento que vai acabar em pizza, desta feita, sabor abobrinhas.

JOÃO BATISTA PIOVAN

jb@reunidaspiovan.com.br

Osasco

Recado dado

Demóstenes meio que invadiu ameaçadoramente o Conselho de Ética, como quem diz: "Olhem bem, excelências, vocês poderão ser eu amanhã".

JOSÉ MARQUES

seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

Cupim

A salvação do Brasil não está no petróleo, nem no etanol, nem nas urnas, nem em nada já falado. A solução é simples e barata: um pequeno inseto, o cupim. Basta espalhar na Câmara e no Senado para acabar com essa quantidade de políticos caras de pau que infestam a vida pública. Só como um pequenino exemplo, Demóstenes jurou inocência, mas pediu anulação das provas.

VANDERLEY JORDÃO

vanjord@ig.com.br

São João da Boa Vista

Redenção

Senador Demóstenes, agora que está no mato sem cachorro, redima-se: traga a lume todas as falcatruas do governo do apedeuta-mor e seus sequazes, no caso Cachoeira. Além de amenizar a sua desgastada imagem pública, deixará à mostra que esse grupelho, que há anos engana a Nação, ajeita a gravata atolado na lama.

JOSÉ ROBERTO DA ROCHA

robertorocha.adv@gmail.com

Cubatão

Diferença & semelhança

A diferença entre os bandidos de Brasília e os do resto do País está no traje. A semelhança é que todos subestimam e lesam o cidadão de bem.

ZÁRIO DIVINO GONÇALVES

zario.repet@ig.com.br

São Paulo

CPI

Belo trabalho o da Polícia Federal nos grampos em cima de Carlinhos Cachoeira. O assunto vem inquietando demais os políticos em Brasília, pois quanto mais se futuca, mais envolvidos em corrupção e maracutaias aparecem. Alguns querem CPI. Só que CPI com a única finalidade de demonstrar atitude não vale nada, como já ocorreu com muitas outras. Desta vez, com a abrangência que o caso revelou, é preciso ação de verdade. Mas, se depender do PT, envolvido até o pescoço no mensalão - também atendido por Cachoeira -, o assunto não vai muito longe. A esperança é Dilma não pensar assim.

HABIB SAGUIAH NETO

saguiah@mtznet.com.br

Marataízes (ES)

Jargão ultrapassado

Esse jargão político de que se sabe como uma CPI começa, mas não como termina pode ter sido verdade nos tempos de Ulysses Guimarães, nunca nesse governo do toma lá dá cá. Agora, pode-se não saber por que ela começa, mas todos sabem como termina: em pizza.

RICARDO D. DE CAMPOS SALLES

dauntsalles@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

Final previsto

Não será com condenação ou absolvição, ou melhor, pizza, que é o resultado mais comum. Acontece que a aprovação da CPI foi exageradamente rápida, com apoio da maioria (PT e PMDB), visando exclusivamente vantagens na eleição de outubro. Hoje sabemos que contou com a aprovação imediata de Lula. Além disso, a CPI seria útil para que a sociedade e a imprensa não ficassem insistindo nos resultados do processo do mensalão, para provar o que o ex-presidente sempre afirmou: "Eu não sabia" ou "nunca existiu". Mas o volume de denúncias e provas atinge gente alta da maioria e poderá, sim, prejudicar os interesses dos que a aprovaram. Mas estejamos descansados, já dá para perceber o resultado final. Estamos escolados no assunto. Para completar, as palavras do governador de Goiás: "Todos os políticos do Estado tiveram contatos com o Cachoeira". Não sobra um, meu irmão...

PLÍNIO ZABEU

pzabeu@uol.com.br

Americana

Podem esperar

Estamos em ano eleitoral, então podemos esperar greves, denúncias, problemas no metrô e nos transportes em geral, etc. CPI mista, escolha o sabor: quer de mussarela, rúcula...? Pois, pelo andar da carruagem, ninguém será devidamente punido, visto que nesse pacote estão figurinhas carimbadas de todos os partidos e, com toda a certeza, o governo não vai querer que casos como mensalão, Bancoop, Ministérios da Pesca e dos Esportes, Casa da Moeda e outros tantos, devidamente parados, venham à tona, o que é realmente lamentável.

JOSÉ FERNANDEZ RODRIGUEZ

rodriguez1941@gmail.com

Santos

MUSEUS

Propaganda antecipada

O culto à personalidade explícito, contido na ideia de um "museu" na cidade de São Paulo destinado à guarda dos prodígios de um político enquanto ainda apto a se candidatar, haverá de ser considerado propaganda antecipada pelo TSE, invalidando a cortesia feita com o chapéu dos paulistanos pelo alcaide de plantão.

CAIO AUGUSTO BASTOS LUCCHESI

cblucchesi@yahoo.com.br

São Paulo

Implosão

Será que o outro "museu Lula", em São Bernardo do Campo, vai mostrar a implosão - perda de empregos, fuga de indústrias - que ele causou na época em que era sindicalista nessa cidade?

LAERT PINTO BARBOSA

laert_barbosa@ig.com.br

São Paulo

CÂMARA MUNICIPAL

Verba astronômica

É inacreditável! A Câmara Municipal paulistana elevou a verba de gabinete de cada vereador para R$ 106.452,03 mensais! Em que mundo nossos políticos vivem?

CLELIA HELENA LUNA V. N. AIDAR

cleoaidar@hotmail.com

São Paulo

   

"O Parlamento brasileiro não vive de legislar, vive de se livrar"

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI / SÃO PAULO, SOBRE CORRUPÇÃO

fransidoti@gmail.com

"Pela numerologia da corrupção, se Agnelo Queiroz é o 01, qual será o número do ‘cara’,

o pai do mensalão?"

CARLOS ROBERTO GOMES FERNANDES / OURINHOS, IDEM

crgfernandes@uol.com.br

 

 

VOCÊ NO ESTADÃO.COM.BR

 

TEMA DO DIA

 

Dilma pede cautela com CPI do Cachoeira Pedido foi feito a Lula. Presidente discorda do PT, que quer usar CPI para se vingar do mensalão

TOTAL DE COMENTÁRIOS NO PORTAL: 350

 

"O Lula está doido para ver o circo pegar fogo. Quando era presidente, ele tinha pavor de CPI, agora, é um incentivador."

SILAS SILVEIRA

"Se ocorrer, essa CPI sairá fora de controle depois de ser iniciada. Acho que a presidente Dilma está sendo prudente."

JORGE SOUZA

"Vai ser aí que Lula e Haddad perderão a Prefeitura de São Paulo. Paulista não gosta de PT e não atura corruptos."

FABIO FIGUEIREDO

 

 

 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

JUROS X LUCROS DOS BANCOS

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) diz que os bancos privados não têm espaço para a redução dos juros e pedem ao governo uma redução dos tributos, citaram o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), justamente o imposto que repassam aos clientes tomadores de empréstimos, além das inúmeras tarifas. O setor financeiro - tão criticado pelo PT antes de se elegerem - durante os (des)governos do partido, se beneficiou e muito. Os bancos agora reclamam do quê? Intere$$e$ são intere$$e$... O setor bancário é uma atividade privilegiada, tem tido enormes lucros, mas pelo visto querem mai$ e mai$. O spread bancário é elevado, basta para isso comparar a taxa que pagam para captação de valores e a taxa que cobram nos empréstimos, com garantias, que são de acordo com os riscos de possível inadimplência. E ainda querem uma redução de tributos? Precisam de redução de tributos e de juros menores diversos tipos de atividades do comércio, indústria e prestadores de serviços que trabalham no "sacrifício" e com "lucrinhos" vergonhosos. Será que o governo vai rever a tributação desses setores? É chegado o momento de o setor financeiro e, principalmente, o setor bancário reduzir as taxas de juros, e mesmo assim continuarão com lucros estratosféricos, em razão das diversas e elevadas tarifas cobradas dos seus clientes, que dizem ser determinação do Banco Central. Será verdade?

Luiz Dias lfd.silva@bol.com.br

São Paulo

*

SÓCIOS DO PROCON?

A Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil, que já prestam péssimo atendimento aos seus correntistas, aguardam uma enxurrada de novos clientes, atraídos pela iniciativa do governo de baixar juros e por seu apelo de que todos se mudem para estes bancos estatais. Qual será o novo status dos clientes? Sócios do Procon?

Lizete Galves Maturana lizete.galves@terra.com.br

Jundiaí

*

SPREAD

O ministro Guido Mantega critica duramente os bancos privados pela sua resistência em reduzir a taxa de juros ao consumidor e, assim, em última análise, diminuir também sua margem de lucro. E o governo, ministro, fará a sua parte? Reduzirá o IOF que abocanha boa parte do nosso dinheiro? Abrirá mão de uma parte do seu "lucro"?

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

JUROS ABUSIVAMENTE IMORAIS

Hoje recebi o extrato de meu cartão de crédito de uma das quatro principais bandeiras. Por sorte não precisei usar financiamento. As taxas de financiamento informadas no extrato são de 407,34% ao ano (financiamento das compras) a 444,07% ao ano (financiamento de saques). Isso é 100 vezes a nossa taxa de inflação anual ou 50 vezes a taxa básica de juros praticada pelo Banco Central. Parece muito, não é? Lembro-me das taxas tabeladas praticadas pelos bancos no começo dos anos 80 que eram de 21% ao ano para captação e de 24% ao ano para aplicação num cenário de inflação pior do que o de hoje. O spread era de 3% ao ano, com acréscimo de 14,5% sobre a taxa de captação dos bancos. E os lucros dos bancos eram, então, mais do que satisfatórios. No momento em que o governo, com os custos sendo suportados pelo contribuinte, reedita seu pacote de bondades favorecendo o consumidor no preço de alguns duráveis em cerca de 10%, é crível o preço destes ser onerado em mais de 400% em caso de financiamento? Não está na hora de o governo estabelecer regras que vinculem a taxa máxima de aplicação das instituições financeiras à taxa de juros praticadas pelo BC? Ou vamos continuar com esta orgia em que os bancos são os maiores beneficiados da política de estimular o consumo interno financiado, como forma de tentar manter o nível da atividade econômica? Num mercado oligopolizado em que 7 ou 8 bancos detêm 90% do mercado, somente sendo ingênuos vamos esperar que eles farão algum movimento de baixa da taxa de juros. Está na hora de o governo intervir e dar um basta nesta pornográfica prática de cobrança de juros abusivamente imorais!

Guilherme Ribeiro Filho ogorofo@uol.com.br

Cotia

*

AMEAÇA LAMENTÁVEL

Provavelmente os bancos cederão. Irão baixar os juros. Não é possível resistir a uma ameaça como a feita em 12/4 pelo ministro Mantega em nome do governo. É tola a forma como o ministro acusa os bancos de reduzirem o crédito, como se isso fosse uma decisão favorável a eles, ou seja, reduzir seu próprio faturamento sem que existam motivos extremamente importantes para isso. Os bancos querem apenas que o governo faça a sua parte já que 2/3 do "spread" bancário só poderão ser reduzidos por atos do governo, ou da presidente Dilma e do ministro Mantega. É extremamente elevado o "spread" brasileiro de 31%, um dos maiores do mundo, enquanto o do Chile é 3%. Certamente a redução é viável, mas a questão é que, sendo o governo responsável pela maior parte do "spread" ou seja, pelos impostos que nele incidem e também da legislação sobre inadimplência (riscos) e que poderia melhorar (como foi feito com carros e imóveis), por que o governo recusa-se a cooperar? É bom lembrar que entre 2004 e 2010 o governo aumentou essa tributação em 47%, enquanto a parte que corresponde ao lucro dos bancos subiu no mesmo período 0,7%, segundo dados do BC. Fica a impressão que o governo deseja criar um novo culpado pelos seus problemas, como foi o tsunami, por exemplo. Não considera ainda que é um risco empreender num país que não tem planejamento a longo prazo, o que obriga empresários a enfrentarem os riscos com altos lucros em prazos curtos.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

A GUERRA DOS BANCOS

Após a queda nas taxas de juros dos bancos públicos, as instituições privadas apresentam as suas exigências. Na guerra entre bancos privados e governo pela redução dos juros, o setor financeiro apresentou ontem uma lista de mais de 20 propostas para reduzir a taxa de suas operações e disse que, agora, a "bola" está com o Ministério da Fazenda. Como o ministro da Fazenda não é o Neymar, e não tem tanta habilidade para driblar, os coitadinhos dos banqueiros ouviram do governo a promessa de que os pedidos serão analisados, mas que, independentemente de qualquer ação oficial, os bancos privados têm, sim, espaço para reduzir os juros e ainda continuar ajudando financeiramente as campanhas políticas. A consultoria Economática informa que em 2011 as companhias: Petrobrás e Vale, juntas, tiveram um crescimento de 9%, contra 14,48% das instituições bancárias privadas.

Benone Augusto de Paiva benone2006@bol.com.br

São Paulo

*

INCENTIVO

A última bondade do governo é a promessa da redução dos juros por parte dos bancos oficiais. Anunciada com pompa e circunstância como uma salvaguarda de proteção do emprego a ser conseguido pela manutenção do consumo do mercado interno. Na vida real o governo está procurando que o povo continue a comprometer a sua renda do futuro, fazendo novas compras no presente. O governo também pode estar mirando na possibilidade do povo refinanciar as suas dívidas com juros mais baixos. O inusitado é que não houve alteração no Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e nem modificação nas regras do depósito compulsório. Fatores que influem decididamente na formação do preço do juro. O que o governo deseja é que os juros caiam pela redução do "spread" bancário. A diferença entre o preço que é pago na captação e o preço cobrado no empréstimo, ai incluído inclusive os tributos. Em outras palavras: ordem para reduzir o lucro dos bancos. Os grandes bancos privados que operam no Brasil têm uma política austera na concessão de crédito, tanto em qualquer análise têm apresentado um escore acima da média mundial. Eu não acredito que irão acompanhar os bancos do governo na linha de redução dos prêmios. Em todo caso sempre é possível as pessoas inteligentes mudarem de opinião. Só os fanáticos é que não o fazem. Mas aí é um problema privado deles. Eu ainda continuo na minha velha concepção que o crescimento sustentável da economia somente será possível com a exportação. E isto está emperrado pela valorização excessiva do Real decorrente da altíssima taxa de juros paga pelo Tesouro Nacional em comparação com as taxas de outras nações. Além não se ver uma caminho saudável para o câmbio, também é inútil esperar mudanças na legislação trabalhista. Eu considero que não precisa criar uma nova Lei. Basta alterar a legislação atual para que prevaleça os acordos entre patrão e empregados. Hoje não valem. Vale o que está na Lei.

Hélio Mazzolli mazzolli@terra.com.br

Criciúma (SC)

*

NINGUÉM DOBRA OS BANCOS

Não deixam de ser divertidos os verbos utilizados pela Febraban, representante dos bancos privados, na reunião no Ministério da Fazenda, onde foram "negociar" com o governo a possibilidade de redução dos spreads bancários, o valor cobrado além do custo do dinheiro para eles. Os mais utilizados em favor próprio foram: cobrar (dívida do governo), atrasar (pagamentos do governo), rediscutir (a cobrança de tarifas ao governo), pleitear (ajuda do governo), reduzir (tributos do governo) e mudar (escancarar o cadastro dos clientes). Banco não perde para ninguém, o governo devia saber. Na verdade empurram tudo para terceiros, no caso os clientes e o governo. O lucro enorme será preservado, quem viver verá.

Antonio do Vale adevale@uol.com.br

São Paulo

*

JUROS ANORMAIS

Como aquele soldado que não atirou por dez razões, a primeira das quais porque não tinha bala, o editorial do jornal O Globo (13/4) enumera várias razões por que os juros bancários são tão anormalmente altos no Brasil, a primeira das quais a escassez do crédito frente à demanda. E por que a oferta de crédito é tão baixa e a demanda, tão alta? Porque o salário (mínimo) abaixo do devido, com sua cadeia de transmissão para os demais salários, não leva a uma repartição eficiente do produto entre o capital e o trabalho, diminuindo os lucros (dos quais provem o crédito) e exacerbando a necessidade de empréstimos. Enquanto o Brasil não aprender a pagar ao trabalho aquilo que lhe é funcionalmente devido (a "produtividade-padrão") não se chegará a um equilíbrio geral do processo econômico que leve ao pleno desenvolvimento. Mas enquanto isso, devemos reconhecer, como diz o editorial, que "juros de 50% com inflação de 6% são uma aberração" e ponto final. O Sr. Murilo Portugal que me desculpe, mas compromete a sua biografia com a defesa do insustentável.

Rogério Antonio Lagoeiro de Magalhães lagorog@uol.com.br

Teresópolis (RJ)

*

DESVIO NO FGTS

Os bilhões que o governo investe nas grandes obras por este Brasil a fora tem lá seu preço para os contribuintes. Uns com uma parcela maior que outros mais no geral quem para a conta é o contribuinte. Vejamos o caso do FGTS, o governo faz uso do nosso FGTS para realizar grandes sobras que também tem grandes desvios de verba pública, além de favorecer os políticos, os benefícios se estendem a seus parentes também. Quem tem conta do FGTS é roubado pelo o governo duas vezes: como contribuinte normal e no FGTS. Eu jamais, se pudesse escolher, escolheria a Caixa Econômica Federal para depositar o meu FGTS.

Paulo Rodrigues de Moura paulorodriguesmoura@hotmail.com

São Paulo

*

INOCÊNCIA

O senador Demóstenes Torres compareceu ao Senado e afirmou: "Sou inocente e vou provar isso. Fique tranquilo, sou inocente". Que alívio!

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

DEMÓSTENES TORRES

Diz sua excelência, nobre senador, que vai provar a sua inocência! Realmente não há provas suficientes e as que foram ao ar nada mais são do que falsificações grosseiras de má-fé. Se ele não pede a exoneração do cargo é porque o Cachoeira tem muito poder e o jogo corrompe a todos que estão em volta. Só mesmo sendo muito idiota para acreditar na inocência deste falso.

Károly J. Gombert gombert@terra.com.br

Vinhedo

*

QUEM VALE

As gravações que incriminam o senador Demóstenes Torres, foram obtidas quando a Polícia Federal investigava o contraventor Carlinhos Cachoeira, portanto, de acordo com o senador outrora ilibado e agora emporcalhado, as gravações não valem para incriminá-lo. Ora senador, eu não sei se as gravações valem ou não valem e devem ou não devem ser anuladas, o que eu sei e com a maior certeza, é que o senhor e esse tipo de argumento, não valem absolutamente nada para o povo brasileiro.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

MENSALÃO II

O senador Demóstenes Torres, se fosse ator nos EUA ganharia o Oscar, por ter enganado tanta gente por tanto tempo. Mas, se fosse senador nos EUA, estaria preso, mesmo sem ser ainda julgado e com o agravante de ser um homem público, acarretando uma pena maior. Mas não vai ganhar o Oscar nem ser preso, apenas comer uma pizza preparada por Lula, comprada por Cachoeira e servida por Márcio Thomaz Bastos.

José Francisco Peres França josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

*

HIPOCRISIA

Infelizmente estão querendo calar com autoritarismo nunca visto, todos os opositores aos desmandos do PT. É uma hipocrisia falar dos jogos de azar como contravenção penal, dos quais o governo já faz uso, inclusive com maracutais nos sorteios da Mega Sena. Onde estão a turma do mensalão e tantos escândalos deste desgoverno sem punição? Agora vem a OAB querendo a "cabeça" do Demóstenes Torres. Essa turma de pelegos da OAB não tem credibilidade para cobrar nada. Presta um péssimo serviço à nação brasileira. E o STF, está a serviço do PT? Como é difícil ser brasileiro...

Duarte Eustaquio dos Santos duarteeustaquio@ig.com.br

Belo Horizonte

*

DESILUSÃO

Que desilusão com o senador Demóstenes Torres, ele que se julgava estar no mesmo patamar do senador Pedro Simon. Agora só falta descobrirem algo do senador gaúcho para concluirmos de que não existem mais homens como antigamente!

Mayr da Cunha mayr.cunha@hotmail.com

São Paulo

*

HOMEM COMUM

Demóstenes não é Sarney...

Tarcisio da Luz Stelmachuk rtls@bol.com.br

Curitiba

*

FICHA LIMPA

Se o País houvesse adotado a Lei da Ficha Limpa à mais tempo, talvez esse clima de revanche (entre os partidos) com medo de cair de novo não aconteceria pois os acusadores teriam segurança e a consciência tranquila para fazerem seus julgamentos.

Flávio Cesar Pigari flavio.pigari@gmail.com

Jales

*

ÁGUAS DE ABRIL

Em tempos de terremotos, marolinhas e tsunamis, quem imaginaria a devastação que uma cachoeira é capaz de causar.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

QUEM PAGA A CAMPANHA ELEITORAL?

Mais que a promiscuidade de políticos e administradores com Carlinhos Cachoeira, as escutas da Polícia Federal (Estado, 12/4) revelam o real sistema de financiamento das campanhas eleitorais. Em praticamente todos os estados e municípios existem rumores de que, empreiteiros de obras, pavimentadoras e fornecedores (inclusive os da merenda escolar) custeiam os candidatos que, eleitos, tornam-se seus reféns e cometem as mesmas ilegalidades flagradas pelos grampos entre a Delta Construções e o governo do Distrito Federal. Diz-se que empresas ou empresários construíram casas para políticos em paralelo às obras públicas contratadas, contemplaram administradores e servidores com veículos (até importados) e outras benesses de tamanho relativo à vantagem ilegal auferida em licitações viciadas, superfaturamento e outros crimes. Pode ser que parte desses "informes" seja mera invenção de adversários políticos. Mas tudo isso, mesmo assim, merece apuração. Além da severa fiscalização das verbas públicas, há que verificar a evolução patrimonial dos envolvidos. A sociedade precisa se apressar na busca de um meio seguro, honesto e digno de custear as campanhas eleitorais. Os candidatos que, uma vez eleitos, exercerão o poder, não podem ser mantidos como presas dos esquemas fraudulentos que cacifam a campanha para depois poderem roubar o cofre público. A Justiça Eleitoral tem sido rigorosa na fiscalização das finanças eleitorais mas os episódios ultimamente conhecidos demonstram que precisamos de algo mais. O mais indicado seria o financiamento público e a impossibilidade de doação direta a partidos e candidatos. As empresas poderiam, no máximo, doar ao fundo público eleitoral, que distribuiria os recursos proporcionalmente, como já se faz na partilha do horário eleitoral de rádio e TV. Precisamos ter a certeza de que, ao votar, elegeremos administradores públicos, não simples lacaios de esquemas que roubam o dinheiro destinado à Saúde, Educação, Saneamento e demais serviços públicos e essenciais...

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

QUASE...

O Estadão por pouco deixou de citar a Delta, construtora que não tem negócios só com o governo do Distrito Federal, mas com a maioria das obras do PAC. Para quem não se lembra, a Delta é a empresa do Sr. Fernando Cavendish, grande amigo de Sergio Cabral, governador do Rio de Janeiro. A Delta doou, só no ano passado, entre PT e PMDB, R$ 2,3 milhões para a campanha de 2010. Ela também ganhou da Infraero, sem licitação, a construção de um terminal do aeroporto de Guarulhos. Aliás, a dispensa de licitação é uma constante em contratos de obras do governo com a Delta. Dizem as más línguas que José Dirceu é o "consultor" de Cavendish. Que são amigos, é fato de domínio público. Dirceu deve ser um ótimo consultor, já que a Delta multiplicou em 1091% o seu faturamento, em apenas nove anos. De fato, nesta CPI que se iniciará, o PT tem bastantes motivos de preocupação. Infinitamente mais do que qualquer membro da Oposição!

M. Cristina da Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

AGNELO NA DEFESA

Pela numeração no esquema de Carlinhos Cachoeira, se fosse um time de futebol, pelo número dado a Agnelo Queiroz (01), ele seria o goleiro.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

CACHOEIRA DE MALFEITOS

Apesar de todas as nossas mazelas que a mídia despejam diariamente em seus noticiários, uma coisa é esperançoso: a liberdade de divulgação de tais fatos poder estar acontecendo e, portanto termos a esperança de podermos começar a sanar tais vulnerabilidades, face a indignação da esmagadora maioria de nossa população sente. Urge, entretanto, que nós opinião pública irmos adiante, pressionando lideranças públicas e privadas no sentido de dar um basta nessa cachoeira de atos antiéticos que tanto nos denigre e engessa a o processo civilizatório da Nação brasileira.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

LIBERDADE AMEAÇADA

Em seu discurso de posse a presidente Dilma defendeu a liberdade de imprensa: "Prefiro o barulho da imprensa livre ao silêncio das ditaduras. Lutamos contra o arbítrio e a censura, somos naturalmente amantes da mais plena democracia". Não vamos deixar que cobrem propina por aquilo que a Constituição nos dá de graça: a liberdade de expressão, a liberdade de opinião, a liberdade de informação. Conquistas essas que custaram o esforço de gerações de brasileiros que lutaram pela democracia. Portanto, o sonho acalentado de José Dirceu e Lula de transformarem o Brasil numa ditadura está longe de acontecer. A sociedade civil, a imprensa, a Justiça, OAB e demais órgãos apoiaram o discurso da presidente e quem tem a caneta nas mãos é ela. Quem não está conseguindo dormir é a dupla de malfeitores (Dirceu x Lula), eles querem transformar o país num partido único e assim o passo estará perto da ditadura. Nesse assunto Venezuela, Bolívia, Argentina e Nicarágua estão sedimentando o caminho. Faz-se necessário um grande trabalho de conscientização da mídia a respeito do sonho do chefe da quadrilha, segundo o Procurador da Justiça e de seu chefe-mor, aquele que lhe deve milhares de favores.

Luciana Lins lucianavlins@gmail.com

Campinas

*

PT AMEAÇA IMPRENSA

O Partido dos Trabalhadores(PT), faz uma clara ameaça de controlar a Imprensa. Essa mesma imprensa que um dia o colocou no poder. É criatura querendo destruir o Criador.

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

BRASÍLIA INQUIETA

Dois fatos que estão para acontecer, estão inquietando politicamente Brasília: primeiro, a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara vai convocar a ex-ministra da Pesca Ideli Salvatti para dar explicações sobre a compra de 28 lanchas que, por denúncias publicadas no Estadão, estão apodrecendo no estaleiro, compra esta que rendeu ao PT a propina de R$ 1.500,OO mil para financiar a campanha da referida ex-ministra ao governo do seu Estado (Santa Catarina). Pergunta-se: ela irá de lancha pelo Lago Paranoá? Outro fato preocupante: a CPI-Cachoeira está correndo o risco de fracassar, rolando água abaixo, visto que integrantes do PT e do PMDB estão querendo praticar defenestração dos seus apoios, para evitar que membros dos seus partidos venham a ser envolvidos nas investigações da referida CPI. Que Deus proteja Brasília de outras "cachoeiras"!

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

*

IDELI AOS TUBARÕES

Todo bom regime para emagrecer nos induz a comer peixe.Observando a "circunferência" de D. Ideli pode-se observar que a mesma deve ter comido muuuito "tubarão.

Celia Henriques Guercio Rodrigues celitar@hotmail.com

Avaré

*

CAROCHINHA

Explicação de pescador é conversa prá boi dormir.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

PEIXES E LANCHAS

O Ministério da Pesca conseguiu o milagre da multiplicação de peixes e colheita de lanchas.

João Henrique Rieder rieder@uol.com.br

São Paulo

*

VISÃO FUTURÍSTICA

Alberto Frega, gestor (!) da lambança das lanchas, está coberto de razão: o delito "não vai dar em nada". E a Ideli, cujo único mérito para ocupar o cargo que ocupa foi ter perdido a eleição para o governo de Santa Catarina, continuará a fazer nada nessa inacreditável sinecura das Embromações Institucionais. Pobre Brasil!

Nelson Penteado de Castro pentecas@uol.com.br

São Paulo

*

RECEITA DA CORRUPÇÃO

1-Acabar com cabresto do STF, ié, nenhum ministro do STF pode ser indicado pelo presidente, para não ter o cabresto de quem o indicou e também para não ter nenhum juiz que não tenha sido aprovado em concurso para o Judiciário. 2-Acabar com o voto obrigatório. 3-Acabar com a reeleição, ié, nenhum político tem o direito a reeleição de vereador à presidente ele "trabalha" 4 anos e os próximos 4 anos vai cuidar da sua vida particular, tendo o direito a voltar à vida pública apos o rodízio 4X4.

Carlos Roberto Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

*

LULA-DILMA MUDA VOCABULÁRIO

Mesmo criticando os governos Lula e Dilma, tenho de tirar o chapéu para a dupla petista por um feito extraordinário: mudar nosso vocabulário, quando o "presidento" Lula determinou que corrupto será denominado "aloprado" e corrupção será classificada como "malfeito", como deseja a "presidenta" Criatura.

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

Garça

*

APROVAÇÃO

O índice de aprovação da presidente nos envergonha, na medida em que mede o despreparo intelectual do nosso povo. Fossem listadas as obras "malfeitas", orientações políticas, tudo mal gerenciado, (em parte por nomeações absurdas), o emocional manterá tal índice?

André C. Frohnknecht anchar.fro@hotmail.com

São Paulo

*

MUITA SORTE

É mais fácil encontrar vida em Marte do que os 77% que aprovam o governo Dilma. Essa pesquisa deve ser refeita na porta dos hospitais do SUS, nas delegacias de polícia, na porta das faculdades. Aí, sim, o índice verdadeiro pode aparecer - podem ser os 23% que faltam na primeira. E de sorte Dilma não pode reclamar. Demóstenes deu uma aliviada no Ministério Pau-de-galinheiro. É só não abusar...

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

ESTRANHA APROVAÇÃO

Semana passada institutos de pesquisas de opinião pública indicava índice elevado de aprovação da presidenta Dilma. Como isso é possível? Quais os fatores desta elevada aprovação? Os problemas que estão aí não diz respeito a ela? A realidade mostra uma situação diferente: SAÚDE, humilhante; EDUACAÇÃO, humilhante; INFRAESTRUTURA, humilhante; INVESTIMENTOS, ridículos; GESTÃO, primária; CORRUPÇÃO, nos mesmos lugares se repetindo com a maior naturalidade possível. Não é feito nada para impedir a repetição! ARRECADAÇÃO, para onde estão indo os recursos arrecadados a mais, ano a ano? Tudo isso não é da conta da presidenta!

Luiz Carlos Luizcarlos.rocha2@gmail.com

São Paulo

*

HERANÇA DO LULA

Será que a alta popularidade conferida a Dilma "77%", ocorre pelo fato de a chefe de Estado não ter se suicidado depois de perceber o tamanho do abacaxi deixado pelo seu antecessor , ou pelo fato de após de 15 meses de mandato não ter realizado nenhuma obra verdadeiramente relevante?

Amâncio Lobo Amancio lobo@uol.com.br

São Paulo

*

DILMA 77%

A popularidade (sucesso, fama, etc.) da presidente Dilma Rousseff (PT) bateu novo recorde, 77% dos entrevistados aprovam seu governo. Ainda bem que toda unanimidade é burra! Eu faço parte dos 33% que reprovam seu governo. Acredito que os 77% dos entrevistados não lêem jornais e revistas e também não ouvem rádios e não assistem telejornais, onde cotidianamente são expostas as mazelas do país. A saúde, educação, segurança, transportes e toda infra-estrutura, etc. está em ruínas. Mas eu sou parte da minoria (33%), o país vai bem, deve ser a mídia que me engana e eu não enxergo isso. Viva a copa de 2014, viva a transposição do Rio São Francisco, etc. tudo muito atrasado e com bilhões super faturados. Viva a China que exporta seus produtos de forma desleal e está destruindo as indústrias e os empregos no país, etc. Conclusão: em um país onde o bandido e assassino, o cangaceiro lampião tem sua imagem em miniatura como uma das mais vendida do nordeste como lembrança, eu me rendo ao "meu" povo! (ia bada badu, Dilmaaaa).

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

*

NA CONTA DA VIÚVA

A ministra da Cultura, Ana de Holanda, que segundo sua assessora de imprensa, Christina Abelha, prestou-se a informar aqui no Estadão, que ela recebe tanto quanto ou mais que a Secretária de Estado dos EUA - Hilary Clinton será a medianeira para doação pelo erário público federal de R$ 14,4 milhões para a construção de Memorial para Lula no ABC. Na verdade o convênio já havia sido assinado em 2010 no próprio Governo apedeuta se auto- homenageando no maior e melhor sentido bolivarista, chavista, populista ou de engana estúpidos e cretinos. Isto é "curtura" por isso a bem remunerada, pelo que nada faz de útil na área cultural, mas sim para amigos e familiares - Ana de Holanda completa a formalidade da doação daquilo que não se vê nenhum empresário chorão reclamar de que seja custo Brasil ou Brasília. Para eles a folha de pagamento e câmbio é o que importa. Segundo Paulo Okamoto, o mesmo de tantos outros carnavais escandalosos da república da mãe Joana, e que organiza a implantação do memorial "em vida" de Lula, diz que todo projeto custará entre R$ 40 a R$ 60 milhões, e se não obter convênios com setor privado irá recorrer ao setor público. Que seja pelo menos no setor público sustentado pelos contribuintes de São Bernardo.

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

O STF CONTRA POUPADORES

Era de estranhar muito que nosso questionável Supremo Tribunal Federal julgasse, como estava previsto para o último dia 12 de abril, todos os processos referentes aos planos econômicos das eras dos "ilustres" Sarney e Collor de Mello que abocanharam enormes fatias de correções de nossas poupanças. O presidente atual do Banco Central, Alexandre Tombini, ajoelhou-se perante os banqueiros de plantão em nosso país e entrou com pedido de mais um adiamento do julgamento destes processos pelo plenário do STF alegando que "por conta da atual crise econômica mundial nossos bancos, tendo que liberar nosso dinheiro, poderiam entrar em crise financeira?! e o relator destes processos o ministro do STF acatou de maneira inquestionável este pedido esdrúxulo e descabido. É mais uma estocada do lullopetismo contra cidadãos honestos que foram roubados por governos ilusionistas. Muitos destes poupadores, inclusive, já faleceram, sem regatar aquilo que lhes era devido por bancos cada vez mais ricos! Onde os ministros do STF querem chegar com todos estes adiamentos questionáveis, até agora ninguém conseguiu de fato descobrir, mas que existem fatos estranhíssimos por detrás disto tudo, ah, existem sim, e em um dado momento todos nós iremos descobrir as causas. Isso é vergonhoso para a justiça brasileira e para o País como um todo!

Boris Becker borisbecker@uol.com.br

São Paulo

*

'O BRASIL E A SEGURANÇA NUCLEAR'

Foi muito importante o Estadão publicar o pronunciamento do vice-presidente da República (7/4/2012, A2) na 2ª Cúpula de Segurança Nuclear que aconteceu em Seul, Coreia em março de 2012. Finalmente um membro responsável do governo brasileiro coloca para o mundo a posição do Brasil com clareza cristalina e baseada no cumprimento dos tratados e acordos internacionais e da constituição brasileira e suas leis dela derivada. Foi aproveitada a oportunidade para reafirmar a posição brasileira nas relações internacionais relacionadas às incertezas das Nações Unidas com as atividades nucleares em desenvolvimento na Coreia do Norte e no Irã. Espero que com essa posição oficial do Brasil, os especuladores e marqueteiros calem-se pois a posição brasileira não é a de nenhum político, grupo ou partido e significa simplesmente os interesses da nação ratificados pela sociedade brasileira.

Antonio Didier Vianna, engenheiro nuclear, PhD didier@zitecengenharia.com.br

Rio de Janeiro

*

GREVE DA COPA

A Fifa está preocupada (e com razão) com a greve dos operários das obras que todos nós consumidores vamos pagar e sem direito de reclamar. O analfa/irresponsável/incompetente jogou essa bomba de Copa em cima do povo brasileiro, que não vai ver o seu time nem passar das oitavas. Essa greve tem motivo e todos nós sabemos de sua origem: encarecendo as obras, vai sobrar mais grana aos corruptos. A esta altura, a melhor resposta do povo será sem dúvida uma greve geral, um boicote a todos os jogos, mostrando assim estar inconformado em arcar com mais esse pesado ônus que lhe está sendo imposto, não só a essa corja de interesseiros, como também à Fifa, que manda e desmanda e fixa até o preço das entradas e quer levar boa grana do incauto povo brasileiro. Vamos ver os jogos pela TV!

Italo Poli Junior polijau@terra.com.br

São Paulo

*

PROMOTORIA E LEI AMBIENTAL

Se dependermos dos Promotores Públicos e dos ambientalistas, o Brasil deixará de ser uma potência agrícola e pecuária, para ser uma fonte de pobreza, desemprego e de completo descaso para com a população rural. O campo padecendo, padecerão as cidades. Seguido isso, todos já conhecem a história. Os que reclamavam que vivíamos numa ditadura militar, não percebem que hoje vivemos na ditadura da promotoria, baseada no histerismo do "politicamente correto". Os promotores de hoje, são atores frustrados que não conseguiram se sobressair nos palcos e nas telas e acabam por utilizar a estrutura do MP para se promover midiaticamente. É claro que não são todos os promotores que se encaixam nesse padrão, mas acredito que os bons acabam levando a fama pelos ruins. Digo tudo isso, para parabenizar o Dep. Paulo Piau e principalmente o Dep. Aldo Rebelo (hoje ministro) pelo novo Código Florestal, que alivia a sanha predatória dos promotores e ambientalistas sobre o sofrido produtor rural brasileiro.

David B. do Nascimento davidbatistadonascimento@hotmail.com

Itapetininga

*

AINDA AS SACOLAS PLÁSTICAS

Os supermercados deixaram, desde 4/4/2012, de fornecer sacolinhas plásticas a seus clientes. Não adianta veicular matérias na TV, onde se mostra que nos países de Primeiro Mundo também se age assim. 1. O preço das sacolinhas está embutido nas compras que fazemos nos Supermercados; 2. A população utiliza essas sacolas para acondicionar o lixo doméstico. De ora em diante, terá de comprar e pagar por elas, embora já esteja pagando e de hoje em diante não mais recebendo. Onde colocará o lixo? 3. Quase tudo o que se compra em Supermercado vem embalado em material poluente: bolachas, sorvetes, feijão, arroz, açúcar, etc. Será que somente as retiradas de circulação poluem o ambiente? 4. Chegaremos aos dias em que, comprando um par de sapatos, teremos de levar sacolas de casa, ou sair com um pé em cada mão, pois as lojas de calçados não mais embalarão as nossas compras, ou então teremos de pagar pela embalagem? 5. Por que tanto cinismo em relação ao tema, colocando a questão como ambiental, quando na verdade os donos de Supermercados (tão pobrezinhos, coitados!) não mais querem arcar com esse custo, de resto já repassado ao comprador? 6. Será que os donos de Supermercados não estão precisando trocar seus helicópteros e querem "fazer caixa"? 7. Creio que seria mais honesto e sincero por parte dos donos de Supermercados e de quem deu-lhes guarida, dizer que não mais estão dispostos a pagar pelas sacolinhas? Ou será que todo mundo pensa que a população é composta de moluscos?

Adilson Lucca Sabia adilsonsabia@gmail.com

São Paulo

*

SACOLAS ÓRFÃS

As sacolas plásticas são as vilãs. Ecologicamente são culpadas pela poluição e que levam séculos para se dissolverem. As sacolas plásticas são reutilizadas com diversas finalidades domésticas, inclusive para embalar lixo e coleta de fezes de cachorros nas ruas. São vilãs e estão sendo banidas dos supermercados, enquanto ninguém comenta o uso das garrafas pet, embora demore muito mais séculos para se dissolver que as sacolas, além de rara reutilização domiciliar. As pets são muito mais poluidoras que as sacolas, mas a indústria de refrigerantes é forte, tem "meios" e jamais irá permitir o seu banimento enquanto as sacolas são órfãs...

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

EXPLORAÇÃO

Os (des)governos medíocres e incompetentes permitem abusos e exploração do povo, onde está o pulso firme dos nossos governantes em permitir aos supermercados que por livre arbítrio conseguem abolir as chamadas e conhecidas "sacolinhas plásticas", a embalagem tradicional e mais racional para a diversidade dos produtos que comercializam. Se as "sacolhinhas plásticas" não eram biodegradáveis, deviam ser, basta substituí-las por outras biodegradáveis, uma mera e simples substituição, porém não satisfeitos com os elevados lucros dessa atividade, ainda querem mais lucros, eliminando o mínimo necessário para que os seus clientes possam acondicionar as suas compras, que todo comerciante deve oferecer gratuitamente. Seria o mesmo que um fabricante de veículos excluir um "parafuso de roda" para aumentar o seu lucro em detrimento da segurança do usuário. A persistir a atual situação, com certeza arcarão com uma diminuição em suas vendas, além de uma "petição pública" poderão sofrer por via judicial uma ação coletiva, que denegrirá a imagem desses estabelecimentos.

Maria Teresa Amaral mteresa0409@estadao.com.br

São Paulo

*

BOICOTE AOS SUPERMERCADOS!

Há anos faço minhas compras em um supermercado que constantemente fornecia sacolas de papelão porque diziam ser pela ecologia, etc. Conscientizações espontâneas da população diziam. No entanto agora que foi proibido o fornecimento das sacolinhas de "plástico", qual não foi minha surpresa que nesse mesmo supermercado agora cobram pelas sacolas de "papelão", anteriormente fornecidas de graça. Essa é mais uma comprovação que essa lei foi aprovada para livrar o bolso dos supermercados que pagam pelas embalagens e não em prol da ecologia. Agora mais do que nunca continuarei com meu boicote. Nos supermercados apenas comprarei o necessário e nada de supérfluos.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

O ENGODO DAS SACOLINHAS

O que ninguém quer enxergar é que o fim das sacolinhas plásticas nos supermercados tem um objetivo claro: vender sacos de lixo. Esqueçam o discurso de "ecologia e impacto ambiental". Se esse engodo fosse a verdadeira preocupação, porque proibiram a distribuição das sacolas biodegradáveis? As sacolas eram distribuídas de graça e a grande maioria terminava como saco de lixo. Como o nosso sistema de coleta de lixo está 40 anos atrasado e depende dos sacos de lixo, agora teremos que comprá-los... e notem como estão caros! O lobby da indústria de plásticos e supermercados nos enfiou mais esse sapo goela abaixo e os maiores prejudicados são justamente os mais pobres, para quem o custo dos sacos representa uma parcela considerável do orçamento mensal. Brasil, o país dos impostos, tarifas, multas, pedágios, estacionamentos de shopping, roubalheiras e rasteiras em geral... e nós continuamos um rebanho de tontos que só dizem sim.

Peter Christian Steinhoff peter@idee.com.br

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.