Fórum dos Leitores

REESTATIZAÇÃO DA YPF

O Estado de S.Paulo

18 Abril 2012 | 03h07

Fanfarronices

A exemplo dos "hermanos" Hugo Chávez e Evo Morales, Cristina Kirchner quer, com fanfarronices como a expropriação de petroleiras (no caso da YPF, privatizada sob os aplausos do marido dela) e a "invasão" das Ilhas Malvinas, desviar a atenção dos argentinos para o verdadeiro problema daquele país: sua incompetência e seu despreparo para governar.

PAULO RIBEIRO DE CARVALHO JR.

paulorcc@uol.com.br

São Paulo

Reação

Uma pergunta que se faz necessária sobre a apropriação da YPF pelo governo populista argentino: a Espanha, suas classes sociais e empresariais vão deixar barato mais esta bravata de Cristina Kirchner de se apoderar da maioria das ações da petrolífera? Ou vão comportar-se como o povo brasileiro, que se omitiu na "doação" da refinaria da Petrobrás ao governo boliviano?

ALOISIO ARRUDA DE LUCCA

aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

Cabidão

A intervenção da presidente argentina ao reestatizar a companhia petrolífera Repsol-YPF, expropriando 51% da participação acionária da empresa espanhola, não se trata apenas de um ato político edulcorado de nacionalismo exacerbado. A Repsol era detentora de 57,43% das ações e 25,46% pertencem ao Grupo Petersen, que, apoiado pelos Kirchners, não gastou nada. Ao Estado argentino caberia minguado 0,02%. A produção da Repsol, tanto de petróleo como de gás natural, vinha decaindo desde 2009, enquanto controlava 60% do mercado de combustíveis da Argentina. A empresa foi acusada de não investir na produção e de ser responsável pelo aumento das importações de combustíveis. No início de abril a Petrobrás teve sua concessão em Neuquén suspensa pelo governo dessa província. No governo de Néstor Kirchner (2003-2007) foi reestatizado o Correo Argentino. Seguiu-se a expropriação das Aerolíneas Argentinas, em 2009. A nacionalização de empresas na Argentina obedece a um programa dos Kirchners desde que assumiram o governo. O governo de Madri considera a medida discriminatória porque só inclui a Repsol, diz o ministro da Indústria espanhol. Fatalmente a Repsol se transformará num cabide de empregos, a exemplo da nossa Petrobrás.

JAIR GOMES COELHO

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

Na telona

A vida de Cristina Fernández de Chávez, ops, de Kirchner, será filmada em breve. Título do filme: Evita...nvestir na Argentina.

LUIZ HENRIQUE PENCHIARI

luiz_penchiari@hotmail.com

Vinhedo

Autonomia?

Cristina Kirchner, mais uma da "esquerda sul-americana" vivendo de marketing. O amanhã dirá!

TANIA TAVARES

taniatma@hotmail.com

São Paulo

CÚPULA DAS AMÉRICAS

Entre iguais...

Ao declarar, na Cúpula das Américas, que as alianças entre países latino-americanos e países desenvolvidos da Europa e EUA devem ser entre iguais, será que a presidente Dilma Rousseff deu uma passadinha pela Oração aos Moços, de Rui Barbosa, quando ele diz: "Tratar (...) desiguais com igualdade seria desigualdade flagrante, e não igualdade real"?

PAULO ROBERTO GOTAÇ

prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

Pueril

Nenhum líder de nenhum país, por mais estranho, atrasado ou superado que seja, deveria ser excluído de uma reunião de cúpula dos líderes das Américas. Mas daí a deixar que a participação ou não de Cuba se tornasse o assunto principal de um fórum com a participação de 30 líderes americanos e, por causa do impasse nesse assunto, outras reuniões desse tipo correrem o perigo de nunca mais se realizarem é, no mínimo, criancice.

VICTOR GERMANO PEREIRA

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

Picadeiro

Mais um cirquinho armado, agora na Colômbia. Se Barack Obama não ficar esperto, vai dar gasolina para os adversários incendiarem a sua candidatura à reeleição. Para os demais paisecos ali reunidos, o interesse era apenas ver, de fato, o circo pegar fogo.

ARIOVALDO BATISTA

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

CORRUPÇÃO

Hillary desinformada

Pelo jeito, não é só o Lula que não lê jornais, a sra. Hillary Clinton também não lê. Por isso fala besteira quando afirma que a presidente Dillma "está estabelecendo um padrão mundial na questão de transparência e luta contra a corrupção". Informo à sra. Hillary que dona Dillma somente fez algumas faxinas por pressão da mídia e da população. Mas a corrupção continua a mil em nosso país: casos das lanchas do Ministério da Pesca, Cachoeira, etc. Precisamos retornar as marchas, pois quem realmente deseja e luta pelo fim da corrupção somos nós, os brasileiros honestos.

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

Hilária!

Desculpem o trocadilho, mas Hillary Clinton é hilária ao dizer que Dilma está estabelecendo "um padrão mundial" contra a corrupção, enquanto a presidente procura o seu tutor para lhe pedir que não se empenhe muito em estimular a criação da CPI do Cachoeira - que vai tratar justamente de corrupção - para não respingar no seu governo. Hillary deveria informar-se melhor antes de abrir a boca.

EDUARDO BIRAL

elbiral@ig.com.br

São Paulo

Abominação

Recuar para preparar os novos passos é notável. Recuar para proteger indecências é abominável.

MARISA DA SILVEIRA CRUZ

marisa.s.cruz@gmail.com

Cotia

CORREÇÃO

No artigo ICMS - guerra fiscal e reforma tributária (17/4, A2), de Ives Gandra da Silva Martins, no primeiro parágrafo o correto é "à Casa Legislativa dos Estados", em referência ao Senado.

*

UMA ROUBADA

Mesmo depois de a presidente Argentina estatizar a petrolífera que pertence à espanhola Repsol, Lobão, o nosso ministro de Minas e Energia, diz que a Petrobrás poderá continuar investindo naquele país. A Argentina está quase quebrada, nem tem ideia de como irá indenizar a empresa espanhola e mesmo assim o Brasil se aventurará nessa roubada? Não nos esqueçamos de que meses atrás a Petrobrás já perdeu seu investimento na exploração de petróleo na região de Neuquen e, como a Argentina não tem dinheiro para pagar a empresa espanhola pela quebra de contrato, aposto que "nossos socialistas" muito bonzinhos investirão em peso naquele país, mesmo correndo riscos de entregarem tudo de bandeja no futuro. A Espanha já sinalizou que lutará com unhas e dentes pela sua empresa, coisa que no Brasil é muito mais fácil. Já fizemos várias doações à Bolívia, Venezuela, Equador, Paraguai, Cuba e por aí vai. Mas são todos "socialistas", irmãos do mesmo sistema! O povo brasileiro ainda agradece pela oportunidade da "doação".

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

LOBO BOM

Sobre a possibilidade de a Argentina expropriar a Petrobrás, como fez com a Repsol, nosso ministro de Minas e "Energia", energicamente, como de seu feitio, declarou que isso seria um ato de soberania dos irmãos argentinos, e não deveria ser contestado.

Um verdadeiro convite à intervenção. Não é à toa que lá ele é chamado de "El Corderón"...

Nelson Carvalho nscarv@gmail.com

São Paulo

*

O 'PTRÓLEO' É NOSSO!

Evo expropriou patrimônio do povo brasileiro. Cristina expropria patrimônio espanhol. Seguindo os exemplos, não seria oportuno o povo brasileiro expropriar a Petrobrás, que o PT pensa ser propriedade dele?

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

São Paulo

*

DILMA-LULA/CRISTINA-CHÁVEZ

Até nos exemplos a Argentina imita o Brasil. Agora os hermanos portenhos também têm seu boneco de ventríloquo.

Peter Cazale pcazale@uol.com.br

São Paulo

*

SÓ DEMAGOGIA

Essa decisão estapafúrdia da presidente Cristina Kirchner nacionalizar a petrolífera espanhola YPF, é uma clara demonstração de que a Argentina está sem governo. Completamente perdida no comando da Casa Rosada, Cristina no descontrole da sua gestão, primeiro tenta distrair o povo argentino, desafiando os ingleses sobre o controle das Ilhas Malvinas. E agora com a nacionalização da YPF, compra briga com o governo espanhol. Isso sem falar das múltiplas dificuldades que vem impondo aos produtos brasileiros exportados para Argentina.

Pois é: dizem que o povo argentino é politizado, mas desde Perón, ou seja, há mais de 60 anos que não conseguem eleger um bom presidente...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

MISTURA EXPLOSIVA

Esta agora da senhora presidente Cristina Kirchner, expropriar a YPF. Acaba sendo uma mistura explosiva: você tem uma pitada de Lula, uma dose de Hugo Chávez e um punhadinho de cocaleiro. Para quem já tem uma mira laser apontada para os britânicos, agora é encarar touro bravo! E nós, brasileiros, temos que ficar de prontidão. Muito provavelmente vai sobrar para nós. Vamos esperar alertas para ver.

João Camargo democracia.com@estadao.com.br

São Paulo

*

VIZINHANÇA DO BARULHO

Nós, brasileiros, estamos muito bem, obrigado, de vizinhos. Ao norte a pujante Venezuela com o extraordinário Chávez no comando. Ao sul a fantástica Argentina kirchneriana metendo os pés pelas mãos e agora se indispondo com a Espanha, como se não bastasse apenas com a Inglaterra. Só falta mesmo agora mais a oeste a Bolívia declarar guerra aos Estados Unidos da América. Aí, sim, que a coisa ia pegar. Mas pior que tudo isso mesmo é que tem gente aqui dentro, que manda simpatizar com tudo isso. É o fim.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

DISFARCE

O Sr. Antonio Brufau, presidente da Repsol espanhola, declarou que a expropriação de 51% da YPF pelo governo argentino é uma ação visando a disfarçar a crise econômica e social que assola o país. Se for verdade, estamos diante de uma situação análoga à que precedeu a invasão das Malvinas na ditadura, transplantada agora para um governo populista e sem rumo.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

NA FORÇA

Recentemente a presidente argentina declarou que pretende recuperar as Ilhas Malvinas pela via diplomática, e não pela força. Agora, sem mais nem menos, sem perguntar a ninguém, resolve apropriar-se da empresa petrolífera espanhola YPF. Se eu fosse inglês ficava esperto...

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

VENTOS IDEOLÓGICOS DE VOLTA

Sem se entrar no mérito nas razões da expropriação-reestatização de uma empresa petrolífera na Argentina, volta ao palco das discussões da geopolítica, o tema das privatizações, ocorridas nos idos dos anos 90, no furor do neoliberalismo financeiro, hoje em crise sistêmica. Quanto a nós, urge que nossas lideranças públicas e privadas saibam gerenciar com equilíbrio e equidade, esses tumultuados novos ventos ideológicos que se aproximam, para que não tenhamos de interromper o atual processo exitoso de nosso desenvolvimento econômico, fundamental para a Nação brasileira.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

BRASIL E ESPANHA

A Argentina estatiza empresa de petróleo espanhola. A grande diferença entre a Espanha e o Brasil no mundos dos negócios petrolíferos entre os governos é que a Espanha defende os direitos de seu povo e promete retaliar a Argentina, e o Brasil dos ranços "socialistas" deu de mão beijada aos bolivianos, venezuelanos, cubanos e que tais o dinheiro do povão. Realmente ninguém defende nossos reais interesses quando se trata dos "cumpanheiros".

Leila E. Leitão

São Paulo

*

PERDERAM O JUÍZO

O que deu na presidente Cristina Kirchner? Baixou o espírito do Fidel Castro de 53 anos atrás, quando estatizou tudo na ilha de Cuba? O que está havendo com los hermanos? Perderam o juízo? Será que a presidente pensou com a cabeça ou com... deixa pra lá. Bem, é bem capaz dos presidentes das republiquetas da América do Sul, subversivos, guerrilheiros, terroristas e alguns cumpanheros apoiarem a medida. Do jeito que o continente sul-americano está, com presidentes ditatoriais, não duvido nada.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

PROFÍCUA REESTATIZAÇÃO

Foi à medida tomada pela presidenta da Argentina, a Cristina Kirchner, que não aceitou mais a privatização do se campo petrolífero por um grupo estrangeiro que, segundo ela, "faltou com as metas sociais esperadas". Vejo como um direito que assisti ao país cedente do seu patrimônio, retomá-lo integralmente. Há algum tempo ocorreu inclusive com o Brasil, que foi "vítima", do presidente boliviano Evo Morales, que restitui seu complexo petrolífero, o que acho justíssimo, ora, ninguém é obrigado assistir sua economia enriquecer investidores estrangeiros e seu povo empobrecer. Não adianta os grupos de países capitalistas intimidarem dizendo que tal país perde credibilidade por causa da reestatização. Vamos acabar com essa visão explorativista arcaica. Até recomendo ao nosso governador Eduardo Campos "convidar" ao grupo privado que gerência a Celpe, devolver este patrimônio e mandá-los "investir" noutras paragens.

Fernando Arábia Poeta_arabia@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

A CÚPULA DAS AMÉRICAS

Parecia que estava vivendo um pesadelo da época da URSS. Com tanto país importante, com toda a América quase livre, li nos jornais que a presidente Dilma ampliou o triste coro quando tiveram a pachorra de dizerem que sem Cuba a Cúpula das Américas está vazia. Para um país que se diz democrata, qualquer tipo de apoio a um ditador que trata seu país como um fazendeiro nos tempos feudais, está de gozação. Peço um mínimo de respeito a quem tem um pouco de cérebro no País, e para terminar, esses ditadores têm por hábito não cumprir acordos e se acham melhores que os outros, portanto concordo com os Estados Unidos e o Canadá de não aceitarem nenhuma nação onde a democracia não é plena.

Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br

Cotia

*

O FRACASSO DE CARTAGENA

O cirquinho era tão ruim que nem Tiririca salvaria.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

UM CERTO 'HABEAS MÍDIA'

A proposta do novo presidente do Tribunal Regional Federal (TRF-3) de São Paulo de criação de um certo "habeas mídia" - bicho cuja morfologia ainda não é conhecida - mais me parece um novo capítulo no já extenso rol de tentativas de se restringir o trabalho da imprensa livre no Brasil, em nova afronta à Constituição federal. Que S. Exª me desculpe, mas essa de impor "limites" (sic) ao poder de uma "certa imprensa" (?) parece estar vindo de encomenda para fortalecer o time de magistrados ao qual a ínclita Drª Eliana Calmon se referiu como "bandidos de toga", verdadeiros bandoleiros travestidos de juízes, useiros e vezeiros em praticar seus crimes achando-se semi-deuses, acima do bem e do mal, isso até que uma "certa imprensa" os desmascare e exponha seus malfeitos perante a Nação. Não fosse a imprensa livre, com todas as suas falhas e imperfeições, a situação seria muito pior e os tais bandidos "togados" poderiam continuar, livres, leves e soltos, exercendo seus poderes tranquilamente dentro de um "certo judiciário".

Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br

São Paulo

*

JURIDIQUÊS

Gostei da defesa que S.Exa., o desembargador Newton de Lucca, do Tribunal Regional Federal (TRF-3), fez sobre a criação de um "Habeas mídia", em favor de quem vier a sofrer "lesão em seu patrimônio jurídico indisponível por intermédio da mídia" (14/4, A12). Que se acrescente, então, mais um item ao artigo 5º, da Constituição federal e as garantias individuais estarão ampliadas. Alegrou-me também ler as palavras loas, suspicácia, trapeiro, despicienda, niquices etc, vocábulos que valorizaram a entrevista concedida ao jornalista Fausto Macedo, e que me obrigaram a ir ao dicionário.

Gildo V. Muchiuti gvmuchiuti@gmail.com

São Paulo

*

HABEAS ETC.

A vingar o habeas mídia, o próximo será o habeas corrupção.

Lazar Krym lkrym@terra.com.br

São Paulo

*

JUSTIÇA SUCATEADA

A reportagem sobre a posse do novo presidente do TRF3 faz suscitar novamente o debate sobre a situação também de completo sucateamento daquela corte, a exemplo do que ocorre com a Justiça do Estado de São Paulo há vários anos (hoje em estado quase terminal, a caminhar para a completa paralisia). Quando ingressara eu na advocacia privada e bem antes de compor o Ministério Público de São Paulo (MPSP), pois, era comum os advogados utilizarem a frase "A Justiça Federal é uma desgraça..." para referirem-se à letargia de seu funcionamento. Um dos motivos para tanto só me dei ao trabalho de descobrir muitos anos depois. Sabe o leitor por que razão muitas das decisões definitivas de mérito, em primeira Instância ou em grau de recurso, demoram 10, 20, 30 anos ou mais para o seu proferimento? Uma das razões parece ser exatamente o tamanho ridiculamente dimensionado da Corte em questão, notadamente em segunda Instância, a qual possui apenas 45 (quarenta e cinco) desembargadores. A Justiça estadual paulista possui exatamente oito vezes mais do que este contingente de magistrados somente na sua segunda Instância para realizar o mesmo trabalho, e mesmo assim a sensação de anomia por parte dos jurisdicionados paulistas é muito grande, o que dá uma dimensão ainda mais incrível ao problema. Será que vale a pena, por exemplo, o país investir tanto em Justiças Trabalhistas e deixar tão desfalcado o maior Tribunal Regional Federal do Brasil? Espera-se que a imprensa passe a cumprir seu papel denunciador quanto ao tema, para que as autoridades dos três poderes da República pelo menos venham a admitir um esforço maior para enfrentar mais esta situação tão descalabrosa. Quanto à ideia, por fim, do mesmo desembargador De Lucca em criar-se a figura jurídica do chamado habeas media, ela tem lá alguma razão de ser, já que não temos entre nós a secular tradição norte-americana da liberdade de expressão, tão institucionalizada por lá. E note-se que nem mesmo nos EUA ela é totalmente absoluta, cedendo passo, por exemplo, às restrições frente a segurança nacional americana e outras situações a envolver também bens jurídicos mais importantes. Entre nós, convém não desprezar o fato de que os veículos de imprensa no país não são como O Estado e Folha. Estão, sim, em mãos de coronéis, caciques políticos, pessoas inescrupulosas, chantagistas (sobretudo em cidades menores) e empresas supostamente ligadas a seitas ou religiões, não contando o cidadão sequer com um mísero órgão de autocontrole ético-profissional como deveria existir, nos moldes de um Conar da publicidade - exemplo de experiência bem-sucedida. Não se trata de censura prévia, abolida do país desde outubro de 1978, nem tampouco de limitar-se a atividade investigativa jornalística, mas sim de dotar o cidadão de mecanismos de defesa, tal como existe em qualquer outra profissão (médicos, dentistas, farmacêuticos, advogados, contadores, etc.), a incluir também normatização da qualidade do trabalho. Encerrando o tema, tem-se que: a) nem mesmo advogados renomadíssimos, do nível de um Manoel Affonso Ferreira, cujos serviços são normalmente contratados por veículos de comunicação, deixam de reconhecer o óbvio: nenhum direito constitucional é invencível - nem mesmo o da liberdade de expressão. A jurisprudência constitucionalista brasileira é pacífica quanto à análise caso a caso da colidência entre o interesse da mídia e outros direitos constitucionais individuais (proteção da honra, intimidade, dentre outros), nunca deixando de indicar qual deverá prevalecer no caso concreto. É o que ocorre em qualquer lugar civilizado do mundo, embora isto em muito contrarie os interesses comercia is das empresas jornalísticas; b) acessos irregulares a dados de gravações telefônicas ou a dados de inquéritos sigilosos e vazados para a imprensa normalmente não podem fundamentar um julgamento judiciário por ilegitimidade da sua obtenção. Podem, quando muito, ajudar no julgamento político dos investigados, feito pela sociedade. Daí o necessário cuidado para não se destruir impunemente vidas alheias.

Flavio Capez flaviocapez@uol.com.br

São Paulo

*

A CPI E O CONCEITO DO LEGISLATIVO

Depois da operação abafa, caso surta ela efeito, o Poder Legislativo consumará, então, o seu desprestígio perante a nação brasileira. Carlinhos Cachoeira vem para o Distrito Federal e a CPI, onde se apurariam os envolvidos com ele, vai para a lata do lixo, ficando o povo deste país sem saber quais os corruptos que estão envolvidos com o contraventor. Todos os brasileiros não querem cientificar-se somente sobre Demóstenes Torres. Querem saber sobre os outros, da situação e oposição, que receberam propinas e que não merecem os respectivos mandatos. No estágio em que se encontra a montagem da CPI do Cachoeira, como é conhecida, não é possível que o povo aceite um retorno ou um abafa para acomodar e ocultar nomes de políticos que receberam milhões de votos dos brasileiros. Como diria um grande jornalista deste país: "é uma vergonha"!

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

O DESTINO DAS CPIS

"Sabe-se como uma CPI começa, mas nunca se sabe como ela termina". Não é verdade. No Brasil, todo mundo sabe como uma CPI termina...

Ricardo Marin s1estudio@ig.com.br

Osasco

*

CACHOEIRA EM BRASÍLIA

Uma das suítes do palácio já está preparada para ele.

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

*

E OS OUTROS?

Carlinhos Cachoeira é o bandidão do Centro-Oeste. E os megamalfeitores das outras regiões do Brasil, quando aparecerão? É só procurar que se acha.

J. Treffis jotatreffis@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

CACHOEIRA

Que cachoeira é essa que está provocando tantas quedas ao longo de um Brasil desvalido? Um oceano derramando em um abismo? Abismo que caminha em passos largos, lentos, manchando de borrões de tinta o mapa de nosso país. Até quando a voracidade desta água tormentosa respingará no pobre povo desta nação? A dúvida, o espanto, a inquietação fazem morada em nosso coração...

Cacilda Amarao Melo cacilda09@uol.com.br

Sao Paulo

*

CPI

O PT está prevendo que essa Cachoeira não vai provocar uma marolinha, mas sim, um tsunami. A base aliada deve embarcar nas lanchas de Da. Ideli e navegar longe dessas ondas ameaçadoras.

Vidal dos Santos vidal.santos@yahoo.com.br

São Paulo

*

SÓ BARULHO

Como ocorreram nas investigações que apuravam denúncias contra Edmar Moreira, Carlos Lupi, Antônio Palloci , José Dirceu, José Genoíno e tantos outros, essa CPI que estão querendo criar para apurar as denúncias contra Demóstenes Torres e Carlinhos Cachoeira também irá virar fumaça. Mais alguns dias e todo esse barulho acaba! Torres e Cachoeira voltarão a suas atividades normais, ou seja: trabalhando para o desenvolvimento e a grandeza da nossa pátria amada.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

TORRES

Precisaram de dois aviões para derrubar duas torres em Nova York, mas apenas uma cachoeira para derrubar duas Torres em Goiás.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

O PAC E A DELTA

O que há de novo no áudio mostrado na tevê em 15 de abril de 2012 se há quase um ano a revista Veja denunciou o crescimento da Delta e sua intimidade com o poder? Talvez sirva para explicar o trabalho sério da revista e o ódio que alguns sentem dela. O empresário Fernando Cavendish, presidente do Conselho de Administração da Delta revelou o que pensa a respeito dos políticos "Se eu botar 30 milhões de reais na mão de políticos, sou convidado para coisas para 'c…'. Pode ter certeza disso!". E disse mais. Com alguns milhões, seria possível até comprar um senador para conseguir um bom contrato com o governo: "Estou sendo muito sincero com vocês: 6 milhões aqui, eu ia ser convidado (para fazer obras)." Esse deve ser o pensamento de muito cidadão cheio de dinheiro. E os fatos estão aí, mostrando que as pessoas realmente se vendem. Só depende do preço. Não por acaso, a Delta é a empresa que já recebeu cerca de R$ 4 bilhões de reais e toca o maior projeto do governo Dilma, o PAC (Programa de Ajuda aos Corruptos).

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

DELTA

O procurador-geral da República precisa ir fundo no casa da Delta, o maior recebedor do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Essa empresa é famosa no Rio de Janeiro, onde o governador privilegia os mesmos. Como no Brasil onde se mexe fede e a empresa já está mostrando que adora corromper, o nosso rico dinheirinho precisa e deve ser bem gasto sem ninguém levando por fora ou por dentro. Espero que isso se esclareça e a coisa fique bem clara, para que acabem de uma vez por todas com os aproveitadores e manipuladores dos nossos políticos.

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

A DELTA E A COPA

A presidente Dilma Rousseff deve ficar atenta ao episódio e às consequências possíveis da gravação de afirmação de Fernando Cavendish em que o empresário, em baixo nível de linguagem, repetiu PC Farias ao escancarar o jogo sombrio de uma empreiteira, no caso a Delta. Isso porque estas empresas, entre tantas obras que conquistou nos últimos anos, junto com a Odebrecht e Andrade Gutierrez, é responsável pela modernização do Maracanã, Estádio Mário Filho. Portanto a obra vincula-se diretamente à Copa do Mundo de 2014 e seria um desastre para o Brasil que não ficasse pronta a tempo.

Francisco Pedro do Coutto pedrocoutto7@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

*

DE CANIÇO E SAMBURÁ

A Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara aprovou a convocação da atual ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti. Nesta semana a Comissão de Ética da Presidência abriu um procedimento para investigar a compra de 28 lanchas ao custo de R$ 31 milhões, inadequadas para o órgão, estando a maior parte fora de operação. A princípio Ideli transfere a responsabilidade da operação ao seu antecessor, Altemir Gregolin, que também faz parte do PT. Dilma Rousseff estará escolhendo, nesta semana os componentes da Comissão da Verdade . Qualquer comissão que se instale sob que título for, contará sempre com a maioria de petistas e aliados, o que sem dúvida é sempre uma garantia de impunidade para os denunciados, indultados sem restrições ad aeternum. Por que a Iatech Boating foi escolhida para o fornecimento das lanchas? Simplesmente por que a empresa havia doado em 2010 R$ 150 mil para o PT de Santa Catarina, para bancar parte da campanha de Ideli ao governo de Santa Catarina. O Brasil passa por uma fase sui generis em que os réus são seus próprios juízes por via política.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

SÓ PARA AGRADAR

Em sua última manifestação antes de viajar, a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, disse que a presidente Dilma "criou um padrão para o mundo" em sua luta contra a corrupção. Creio que a secretária quis agradar nossa presidente, pois esqueceu, surpreendentemente, que Dilma foi ministro e braço forte do ex-presidente Lula durante oito anos, e que essa grande onda de corrupção começou com o mensalão, e se propagou com políticos e ministros "herdados" por ela do governo anterior. Portanto, se Dilma tivesse criado um padrão de combate (sic), teria sido para tentar minimizar um padrão de "malfeitos" (corrupção mesmo) criado no governo Lula, do qual ela participou ativamente. Além do mais, quem mais tem atuado nessa luta tem sido o Ministério Público, com pouco (ou nenhum) apoio do Executivo. Mas diplomacia inteligente é isso mesmo: quando não há posições conflitantes, distribui confete para ganhar amigos e parceiros!

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

*

SENSO DE HUMOR

Hillary Clinton demonstrou um senso de humor apurado, ao afirmar que Dilma impôs um padrão mundial anticorrupção. Ora, se fosse realmente assim, Ideli não teria des"lancha"do no seu (des)governo, Cachoeira seria um ponto turístico em Foz do Iguaçu, Demóstenes, o nome de algum político grego e o Mensalão, aquele dos recursos não contabilizados, obra de aloprados, etc e tal, estaria sendo julgado pelo STF. Pelo andar da carruagem, mais "advogados" entrarão com representações e o julgamento... bom, se houver, vamos ver o que será "decidido". Isso tudo sem contar que Boi Barrica, aquela operação que investigou fatos não "ocorridos" também, teria sido concluída, as notícias poderiam ter sido veiculadas pelo Estadão e o eterno presidente do Senado, teria que aguentar sua "azia" ao ver seu nome e demais familiares citados diariamente nas páginas policiais... ops, digo políticas. Realmente a esposa do ex presidente que ficou famoso, não necessariamente pelo seu governo, está muito "bem" informada ou tem uma veia cômica e irônica, das mais destacadas. O que ela disse, equivaleria a dizer que seu marido instituiu o sexo oral... (in)seguro.

Renato Camargo natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

*

AVANÇANDO

A declaração de Hilary Clinton sobre o Brasil é por demais sugestiva. E deveria servir de meditação para muitos que ainda não entenderam a atual situação do Brasil em nível internacional. Diz ela que "é difícil imaginar um Conselho de Segurança que não inclua o Brasil com todo o progresso que o país vem realizando e as oportunidades que oferece ao seu povo". Por certo uma secretária de Estado do atual governo dos Estados Unidos tem informações suficientes para fazer tais afirmações. E deveria motivar a muitos brasileiros descrentes a agir de forma positiva. É claro que temos ainda muitas questões a serem implementadas, tanto em termos de produção e comércio interno e externo, como também no campo social. Mas estamos avançando, e isso é inegável. E vamos avançar mais ainda, pois o Brasil já é a sexta economia mundial, e isso não acontece por acaso.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

SALVATORE CACCIOLA

Cacciola sai da prisão e vai dar risada da juíza e do povo brasileiro, por ter sido solto. Só na pizzaria brasileira, mesmo.

Tânia Pinotti tkita@uol.com.br

São Paulo

*

ROUBAR É PRECISO

Lamentável e ridículo o Salvatore Cacciola ter a pena extinta? Isso é uma demonstração de que no Brasil todos os que têm bons advogados e muita grana ficam sempre livre e leves. Então podemos deduzir que no Brasil todos têm seu preço, basta ter cacife para cobrir, uma vergonha.

Kaled Baruche kbaruche@bol.com.br

Belo Horizonte

*

MST, MOVIMENTO DOS SEM-TRABALHO

"O primeiro ano do governo Dilma foi o pior para a criação de assentamentos dos últimos 16 anos. Agora em abril, o Ministério do Planejamento cortou mais de 60% do orçamento do Incra, o que deve inviabilizar os programas de assistência técnica e educação. Não podemos admitir que a burocracia do governo corte as verbas relacionadas à melhoria da produtividade e à educação, compromissos sempre tão reforçados nos discursos da presidenta Dilma - afirma Alexandre Conceição, da Direção Nacional do MST." (Agência O Globo). Na realidade, discursos não representam muita coisa neste país de lideranças descomprometidas com problemas que não sejam os seus próprios, de suas famílias e de seus sucessores, na certeza que têm dos efeitos colaterais das "Bolsa família, Bolsa emprego, Pró-Unis (que dão dinheiro aos proprietários de algumas escolas sem alunos e professores bem formados), Minha Casa Minha Vida (esta, retrato de nossa vida capenga e dependente de promessas não cumpridas). Mas creio que a presidente Dilma sabe de tudo sobre a existência de MST e seus desdobramentos. Fornecer terras e subsídios a quem não se compromete em apresentar resultados decorrentes dessas medidas, não deveria acontecer. Quem supervisiona e fiscaliza as concessões de terras que deveriam ser produtivas? Quem são os donos atuais do que já se concedeu há anos atrás? Quantos Agrônomos estão no programa de assistência aos "sem terra", para que se conheça de fato da eficiência dos métodos de cultivo e do lucro deles decorrente? Mais dinheiro ao Incra, sem prestação de contas? Ou apenas engodo para os "sem terra" e para os brasileiros que sustentam o governo com sua renda? Nenhum centavo a mais, presidenta! Mais escolas, sim!

José Jorge Ribeiro da Silva jjribeiros@yahoo.com.br

Campinas

*

BADERNEIROS

O MST não passa de um grupo de desordeiros. Onde já se viu invadir o prédio onde fica o Ministério do Desenvolvimento Agrário! Não há seguranças por lá? Se foi tão fácil assim, eles só podem ter tido ajuda de alguém de lá de dentro. A presidente Dilma precisa agir com firmeza e mandar enquadrar esses baderneiros. Se as famílias não têm terras para trabalhar, quem financia condução para o grupo chegar a Brasília tem dinheiro. E de onde saiu esse dinheiro? Do suor dos trabalhadores que financiam essa corja de vagabundos e malfeitores. Cadeia é o que eles merecem.

Luciana Lins lucianavlins@gmail.com

Campinas

*

ABRIL VERMELHO

Os movimentos sociais e a pastoral da terra pressionaram e pressionam constantemente todos os governos no decorrer de décadas com o objetivo de se implantar uma verdadeira reforma agrária que satisfaça por completo todos os anseios dos camponeses deste país continental. Todos os movimentos que tenham esses objetivos são válidos e justos. Não importam quais sejam e não importa o que façam seus membros. Por outro lado, a reforma agrária nunca será uma realidade concreta e absoluta enquanto a luta for contra o latifundiário seja ele produtivo ou improdutivo, se cumpre ou não com a função social da terra, mas isso não quer dizer que não deve haver um limite de hectares por pessoa. É notório que a maioria das terras deste país, exceção do sul do país, ainda são públicas e, sucessivamente, sem qualquer regularização fundiária, portanto improdutivas do ponto de vista jurídico, pois não é função do Estado, em uma democracia, produzir alimentos. Não obstante, este deveria ter a responsabilidade de colonizá-las e regularizá-las para evitar a grilagem e a especulação imobiliária. Os projetos de colonização, em sua grande maioria, são feitos por empresas particulares, que compram áreas públicas a preços irrisórios ou simplesmente "grilam" para posteriormente regularizá-las e vendê-las a agricultores com ou sem terra. Alguns especuladores, transvertidos de colonizadores, adquirem extensas áreas de terra do governo e, após algum tempo, por não cumprirem as exigências legais, essas mesmas áreas acabam sendo desapropriada para fins de reforma agrária. Isso tudo é um contra-senso, pois ao invés de fazer reforma agrária em terras públicas, o que é mais racional e barato, o governo vende as terras por preços irrisórios e depois desapropria por preços elevados, tornando assim a sonhada reforma agrária algo cada vez mais distante de ser concretizado. E assim, inicia-se um ciclo vicioso. São anos de luta na tentativa de se implantar a distribuição de terras no Brasil, mas infelizmente este é um país de muita terra, de muita burocracia e de muitos agricultores sem terra, os quais acabam ficando a mercê da sorte acampados nas margens das rodovias sem qualquer condição mínima de saúde e dignidade, sem justiça social e fundamentalmente sem perspectivas de um dia ter uma vida melhor para eles e seus próprios filhos. Atualmente há pouco espaço para reforma agrária no sul do Brasil. A solução está em se implantar projetos de colonização agro-ecológica na região Amazônica, especialmente nas regiões de cerrado e transformar aquele vasto e inóspito território em um local povoado e sob a posse do Brasil. Lá tem muita terra para muitos agricultores sem terra, basta coragem e determinação do atual governo, que deveria copiar programa do governo Vargas com a marcha para o oeste. Por outro lado, os com terra vivem sem tranquilidade para produzir, os quais não conseguem se quer regularizar a suas áreas devido à burocracia e o sucateamento dos órgãos responsáveis como é o caso do Incra, o que sucessivamente desmotiva seus funcionários, por ficarem rodeados de documentos amarelados, equipamentos arcaicos e salários defasados. Assim, cresce o descontentamento dos movimentos sociais em busca da paz, da justiça e da tranquilidade no campo, mas infelizmente um não vive isolado do outro, pois sem justiça não há paz e sem paz não há sonho de um mundo melhor para as futuras gerações de agricultores, se é que elas existirão.

Roberto Ballico robertoballico@yahoo.com.br

Curitiba

*

SEMANA DO BASEADO NA USP

A Universidade de São Paulo (USP) conta hoje com mais de 75 mil alunos em diversos cursos. Diariamente estão ocorrendo fatos culturais, de pesquisa, estudantis e sociais de extrema relevância. Mas o O Estado de S. Paulo preferiu dedicar 1/4 de página para noticiar a "Semana do Baseado", que "juntou" 60 participantes para enrolar um cigarrinho e assistir cineminha, na hora de aula "gratuita" paga pelo Estado, ou seja, paga por nós!

Arlindo Carneiro Neto arcane@ig.com.br

São Paulo

*

VESTIBULINHO

Sobre a notícia de que a Justiça condena a União e o governo paulista por vestibulinho em escolas, cabe levantar a questão de que atualmente a escola privada só quer aquele aluno pronto, que não demande desafios ou esforços para o processo de ensino-aprendizagem. Nos bastidores, uma vez que é ilegal e politicamente incorreto, a direção da maioria das escolas privadas, algumas grandes e com fartos recursos, nada faz para a inclusão de alunos com distúrbios de aprendizagem ou deficiências, descansando no limbo deixado pelo poder público, que via de regra, mal consegue garantir o direito à educação apenas nos espaços escolares públicos. Aluno que optou pela escola privada e, mais à frente, adquiriu uma deficiência - ninguém está isento - ou apresentou uma dificuldade maior de aprendizagem, está , a bem da verdade, desassistido e com poucas opções de migrar para outra escola, já que todas demonstram estar à vontade para incluir ou não.

Mônica Abate Guglielmi nicabate@yahoo.com.br

São Paulo

*

BOLSISTAS

É elogiável o interesse de nosso governo em enviar expressivo número de estudantes universitários aos EUA, conforme divulgado antes e durante a visita de Hillary Clinton. Entretanto, pouco ou nada se falou sobre a vinda de professores estrangeiros para nossas universidades, processo não menos importante que o primeiro. Os Estados Unidos são um exemplo claro da eficácia deste processo, e buscam ativamente mantê-lo e incrementá-lo em suas universidades. No Brasil, a Universidade de São Paulo deve muito ao grupo de cientistas europeus que para aqui se transferiu no pós-guerra. Ouso mesmo dizer que a influencia daquela mentalidade se estende até o presente. Com a palavra os professores da USP - e o governo!

Silvestre Paiano Sobrinho spaiano@uol.com.br

Belo Horizonte

*

UTI SARNEY

Jose Sarney, após sentir dores no peito foi internado e submetido a uma cirurgia em um dos mais famosos hospitais do País, o Sírio-Libanês, em São Paulo. Por que ele não ficou no Hospital de Base de Brasília, como ficara na época o presidente eleito Sr. Tancredo Neves do qual ele era vice? Muito estranho mesmo, não acham?

Nancy Endo nancyendo@yahoo.com

São Paulo

*

TRATAMENTO MÉDICO

Por que eles não se tratam em Cuba?

Herminio Antonio Sbarro hasbarro@uol.com.br

São Paulo

*

O SÍRIO E AS AUTORIDADES

O Sírio-Libanês virou palco para teatralizações envolvendo doenças e sentimentalismos. Agora é a vez do "recuperado" mas ainda fragilizado Lula segurar a mão do mais fragilizado ainda Sarney. Que coisa deplorável este hospital estar emprestando às autoridades seu espaço para estas explorações midiáticas, quando deveria preservar de exposições pessoas acometidas de males, sejam estas pessoas "comuns ou incomuns". Já está beirando ao ridículo e à desmoralização deste que é um grande hospital. Quanto às autoridades, bem, estas se aproveitam de qualquer mínimo detalhe para se promoverem.

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

SAÚDE!

Só haverá justiça social no País quando cada capital brasileira for dotada de um Hospital Sírio-Libanês, como já ocorre em Macapá e São Luiz do Maranhão.

Gilberto Martins Costa Filho marcophil@uol.com.br

Santos

*

RIDÍCULO E DESRESPEITOSO

Até quando o outrora respeitadíssimo Hospital Sírio-Libanês vai continuar a ser cenário de fotografias artísticas, artificiais e com a visível pretensão de manipular de emoções do distinto público, de políticos sem o menor pudor ou escrúpulo? Longe de provocar o efeito desejado, conseguem apenas enojar os (e)leitores. Longe de enaltecer as qualidades da medicina do hospital, o tornam apenas ridículo e desrespeitoso com os demais doentes.

M. Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

GULAG

No Brasil, a pena máxima para corrupção é a internação na UTI do Sírio-Libanês.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

VISÃO EMPÍRICA(*)

Dela ninguém escapa, é a única coisa certa da vida. Não que se fique torcendo para que algumas pessoas recebam logo a sua visita, mas é inevitável. E o senador José Sarney já começa a se deparar com os primeiros sinais. E fiquei aqui me remoendo sobre quando isso acontecer. Meus 64 anos de janela me trazem à visão as quilométricas filas que esse inexplicável povo brasileiro fará para chorar sobre e beijar o seu caixão (vide Antônio Carlos Magalhães, Leonel Brizola, etc), seja no Palácio do Planalto, como no Palácio dos Leões. Render-se-ão homenagens mil ao homem que se enriqueceu levando o Maranhão aos piores níveis de desenvolvimento sociais e econômicos do país enquanto governador, legou à nação as maiores taxas inflacionárias de todos os tempos enquanto presidente da República e esteve à frente de inúmeras falcatruas, tais como cartões corporativistas, nepotismos, etc; enquanto senador. E, Satanás que se cuide, porque certamente esse senhor vai avacalhar com o inferno, quando por lá aportar. (*) Derivado de experimento ou de observação da realidade (Dicionário Aurélio).

Nei Silveira de Almeida neizao1@yahoo.com.br

Belo Horizonte

*

CONJUNTOS HABITACIONAIS EM ÁREAS ALAGADAS

O site UOL postou ontem (17/4) reportagem sobre os conjuntos habitacionais entregues pelo governo estadual que foram construídos em locais alagados e/ou em áreas de difícil acesso ao morador. Dos tantos que deparamos por aí, destacamos um existente no município de Bertioga, na Rodovia Rio-Santos próximo ao trevo com a Rodovia Mogi-Bertioga, sentido Guarujá. Aquelas que seriam moradias destinadas a famílias de baixa renda, foram construídas durante o último governo Alckmin. Hoje em completo Estado de abandono, onde existe alguma coisa parecido com portaria ou serviço de segurança, pago não sabemos por quem, para evitar alguma invasão. O local ficou conhecido como "Vila do Sapo"... tem tudo a ver. Como o município conta com centenas de famílias sem moradia, por que não recuperar esse espaço? Com a palavra, o governo do Estado e a prefeitura de Bertioga.

Gilberto Scandiuzzi gilberto.carbosal@uol.com.br

São Paulo

*

RODOANEL NORTE

Mesmo hoje, lendo no jornal, o que será feito dos animais remanescentes na Serra da Cantareira? Estou chorando, porque toda a beleza deles será perdida para sempre. E o desmatamento e o açoreamento dos grandes rios só trarão para os seres humanos doenças e destruição. A ganância de alguns não os faz perceber que cedo ou tarde a Natureza se vingará.

Mika Krok mikakrok@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.