Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

22 Abril 2012 | 03h04

Mocinhos e bandidos

Por 17 anos o crime grassou, garboso e longevo como um rei, nas terras de Goiás, com mocinhos bobos fingindo reprimir bandidos ladinos com pseudoatuações e simulações de enfrentamento, à moda de moleques com revólver de espoleta. É o que afirma um juiz impressionado com os tentáculos da perigosa organização-polvo, auxiliada por ao menos 43 rêmoras fardadas e dezenas de baiacus infiltrados em funções públicas ou como informantes no Judiciário. Ainda assim, o contraventor preso é defendido por não representar perigo para a sociedade nem ter cometido crime hediondo. Quando tais crimes serão considerados hediondos? Talvez os maias tenham a resposta...

FLAVIO MARCUS JULIANO

opegapulhas@terra.com.br

Santos

Subornos da Delta

Fernando Cavendish, amigo íntimo de Sérgio Cabral e dono da Delta, construtora que presta serviço pesado ao governo, disse a sócios que é fácil ganhar licitações subornando políticos. Com quaisquer R$ 6 milhões, bravateou, ele tinha entrada ágil em qualquer negócio com parlamentares, até sem licitação. Isso deixa o governo federal em situação bastante incômoda e suspeita, uma vez que essa empreiteira detém enorme número de obras do PAC, não? Falou demais e já percebeu seu erro, mas o pior é que não disse nenhuma inverdade - é assim que a banda toca no Brasil. Corruptos e corruptores abundam. Mas, sr. Cavendish, para ter 100% de sucesso faltou combinar isso também com a sociedade!

MYRIAN MACEDO

myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

Dilma sabia

A Delta é a principal executora do PAC e tem uma joint venture com Carlos Cachoeira. Então, o governo de Dilma Rousseff, a "mãe do PAC", está envolvido nesse escândalo. Certamente a presidente já foi orientada por Lula a alegar desconhecimento, como o então presidente fez com o mensalão. E ele mentiu, sim, porque José Dirceu disse que não fazia nada sem ordens do chefe.

JOSÉ FRANCISCO PERES FRANÇA

josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

O maior destruidor do PT

Corrupção - a maior e mais evidente obra de Lula e, por isso mesmo, o seu principal legado. Não só à "presidenta", mas ao País. Um dia me darão razão... É só aguardar!

JOÃO GUILHERME ORTOLAN

guiortolan@gmail.com

Bauru

PODER JUDICIÁRIO

Mensaleiros comemoram

Enquanto os "ministros" do Supremo Tribunal Federal (STF) baixam o nível, lavando sua roupa suja em público, os mensaleiros comemoram o não julgamento dos seus crimes. E se, porventura, vier a ser marcada a data, algum "ministrinho" com certeza ainda pedirá vistas do processo, para a pizza ficar no forno por mais alguns anos.

CARLOS ROBERTO G. FERNANDES

crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

Baixíssimo clero

A "discussão" entre os ministros Cezar Peluso e Joaquim Barbosa, do STF, é o retrato do que o Brasil tem sofrido: meros precários despreparados para trabalho de tal magnitude. Aliás, como sói acontecer neste país inteiro: somente gente incompetente, figuras fracas e deploráveis a assumir cargos de importância, o que explica o desastre que virou o País nos últimos anos. Mormente em se tratando dos comandados e dirigidos com indicações pessoais pelo maior apedeuta jamais visto nestas plagas. Assim, só podia dar no que deu: ignorância, burrice, mau-caratismo... A porta para o crime foi escancarada com louvas e gala pelas bestas do apocalipse. Na falta da Justiça, cadê a polícia?

RONALDO PARISI

rparisi@uol.com.br

São Paulo

Baixaria e crime

Chamar seu colega de tribunal de ridículo, brega, caipira, corporativo, desleal, tirano, pequeno e manipulador de resultados de julgamentos é fichinha perto da acusação de racismo. Pergunto aos ministros Barbosa e Peluso: vai ficar por isso mesmo?

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

Cavalheiros apequenados

Seria fastidioso relacionar os grandes nomes da ciência jurídica nacional que ornamentaram o Supremo Tribunal Federal. Para toda a comunidade jurídica - e quiçá para o povo brasileiro -, soa pedestre, rasteiro, incompatível com a liturgia da Corte Suprema o embate entre os ministros Cezar Peluso e Joaquim Barbosa. Este, acusado de se dar a propagandas políticas num botequim carioca, retrucou que "ele se acha". Divergências são sempre admissíveis, mas essas ombradas rudes, mais próprias das profundezas das periferias, chocaram.

AMADEU R. GARRIDO DE PAULA

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

BRASIL-ARGENTINA

Petrobrás

Os argentinos acabam de pedir mais investimentos da Petrobrás no seu país. Eles querem mais investimentos para depois nacionalizar a Petrobrás, como fizeram com a espanhola Repsol. Ou alguém tem alguma dúvida?

KÁROLY J. GOMBERT

gombert@terra.com.br

Vinhedo

Boas relações...

Indagado sobre os perigos de a Petrobrás continuar investindo na Argentina, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, respondeu que não tem problema, porque até hoje tivemos boa relação com aquele país. Detalhe importante: ele disse até hoje. E no futuro? Seriam essas relações melhores do que com a Espanha, pátria-madre da Argentina? Não podemos esquecer que as tais boas relações com o Brasil se equiparam a dor de cotovelo e, para os argentinos, não passamos de macaquitos, lembram-se? Sob a batuta de Cristina Kirchner, eu não investiria nem numa empanada!

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

Inocente ou desinformado?

Então, o ministro Lobão considera as relações do Brasil com a Argentina sólidas?! Sr. ministro, é sério ou eu ouvi errado?

LUIZ RESS ERDEI

gzero@zipmail.com.br

Osasco

 

CPI – MOTIVOS OCULTOS

Aproveitando a viagem da presidenta Dilma Rousseff aos EUA, o presidento Lula reuniu seu "ministério" e, visitando o presidente do Senado no Hospital Sírio-Libanês, organizou e pôs pilha na CPI do Cachoeira, mesmo sem avisar sua presidenta marionete. Na minha leitura do fato, vejo dois motivos: o primeiro, largamente divulgado pela imprensa, que seria de desviar a atenção do julgamento do mensalão (que elle segue jurando que nunca existiu) e, ao mesmo tempo, dar o troco no pessoal que ajudou a demonstrar a corrupção no seu governo. O segundo motivo seria começar a desmontar a popularidade (77%, acredite quem quiser) da presidenta, pois ninguém me convence de que elle não vai tentar, nos próximos dois anos, através de fogo amigo, inviabilizar a reeleição da presidenta para retornar, nos braços da massa ignara, como o salvador da Pátria. Quem não o conhece que o subestime. Aguardem e verão que esse foi só o primeiro movimento, mas a ópera segue.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

DIRCEU E A CONVERGÊNCIA DE PROPÓSITOS

Um fato deixa de ser mera coincidência quando muitos outros eventos o encaixam no contexto de muitas outras ocorrências! Exatamente o que está acontecendo com a casualidade de José Dirceu ser o consultor da empresa Delta, tão envolvida nos escândalos de corrupções com o governo federal! Todos os antecedentes deste indivíduo corroboram para o desempenho de tal empresa, tão nefasto para o País! Parece ter havido uma perfeita convergência de propósitos!

Eugênio José Alati eugeniojosealati@yahoo.com.br

Campinas

*

ENGANA TROUXA

Ao "plantar" nas entranhas da CPI do Cachoeira abomináveis figuras como Vaccarezza, Protógenes, Renan, Jucá, Collor e que tais, a gentalha detentora do poder está "tirando sarro com a cara" dos brasileiros probos, que repudiam com veemência os corruptos e o corruptores de todos os matizes. Eis-nos diante de mais uma peça do teatro do absurdo, cujo enredo nem Kafka teria concebido.

Ulisses Nutti Moreira ulissesnutti@uol.com.br

Jundiaí

*

CACHOEIRA, OS POLÍTICOS E A DELTA

"Mano, a casa caiu grandão".

Flávio Cesar Pigari flavio.pigari@gmail.com

Jales

*

DOA A QUEM DOER

A declaração que Lula fez em 18/4 – depois da suposta recuperação do câncer – é uma verdadeira piada, quando disse a aliados que "CPI tem de ser feita, doa a quem doer". Isso faz lembrar aquela outra declaração sua, nos tempos em que arrotava seriedade: "Vamos ter de cortar na carne", referindo-se à corrupção. Se tivesse cortado de verdade, o PT sumiria do mapa, juntamente com quase que o Congresso Nacional inteiro...

Conrado de Paulo conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

*

ADVOGADO MENSALEIRO

Não bastasse a ação dos lulopetistas para abafar o julgamento do mensalão, notícias dão conta de que o ex-ministro da Justiça da época do escândalo, hoje defensor de mensaleiros, Márcio Thomaz Bastos, também advogado do bicheiro Carlos Cachoeira, tenta manobras jurídicas no Supremo Tribunal Federal (STF) para livrar réus como José Dirceu e José Genoino do julgamento deste ano. Esperamos que os ministros do Supremo tenham o bom senso de não aceitar argumentos de uma figura que era parte do governo e que, na época, forneceu toda a sorte de defesa e proteção aos mensaleiros. O Sr. Márcio Thomaz, aos olhos da sociedade, não difere em nada das figuras que defende. É tão perverso quanto!

M. Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

PERGUNTAS QUE NÃO QUEREM CALAR

Quando o Zé Dirceu vai por os pingos nos is? Qual o tamanho do penico do Ciro Gomes? Cabe no Brasil? Quando vai diminuir o "tsunami" de impostos cobrados no Brasil? O Lula precisa voltar à política para o Brasil voltar a crescer? Será que ele está confundindo o País com o PT? Fazer indicação para cargos não é crime, mas e fazer uso indevido disso também não é crime? Quando teremos ministérios necessários, ministros responsáveis e indicados por mérito? Não é preciso atender às necessidades do País para ele ocupar o lugar que pretende?

Sebastião Hetem sebahetem@ig.com.br

Taiúva

*

MENSALÃO

As impressões que os meios de comunicação têm nos deixado nesses últimos dias, sobre o mensalão, são catastróficas. Parece-nos que um grupo formado por deputados, senadores, ministros, juízes e empresários corruptos e corruptores se uniram para dar continuidade a tudo aquilo que é ilegal para o nosso país. Se atentarmos para os últimos acontecimentos, todos nós chegaremos à conclusão de que o objetivo único do grupo é melar o julgamento do mensalão, que está prestes a ocorrer no Supremo Tribunal Federal (STF). Nós, brasileiros, não vamos nos esquecer jamais dessa gente que está envolvida com o mensalão, e muito menos daqueles que os defendem desde o ano de 2005. Queremos lembrar que o povo acredita, sim, que os envolvidos no processo do mensalão não foram por acaso, sabiam o que estavam fazendo. O que realmente não entendemos é hoje o Genoíno e o João Paulo Cunha fazerem parte do governo. Não usamos antolhos, estamos e ficaremos sempre acordados para ver o STF passar o Brasil a limpo.

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

MENSALÃO, PRESCRIÇÃO...

O processo civil e penal são feitos de prazos, cuja inobservância geram consequências extintivas de direito; para as partes e seus advogados, menos para os magistrados. No âmbito dos Tribunais, sequer há prazos fixados na lei para os julgamentos. Não se ignorando o assoberbamento de nossas Casas de Justiça, poder-se-ia criar, pelo menos, prazos para que fossem julgados imediatamente, em qualquer instância, os processos em que a prescrição da pretensão punitiva ou da execução da pena estejam iminentes. Esses processos teriam obrigatória preferência sobre todos os demais, ressalvados os de "habeas corpus". Algum parlamentar se atreverá a apresentar um projeto de lei nesse sentido?

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

PRESSÕES NO STF

O mensaleiro e réu no processo do mensalão, deputado João Paulo Cunha (PT/SP), fez uma romaria pelos gabinetes dos ministros do STF, certamente é um dos enviados pela chefia para pressionar e intimidar os seus ministros , porque o julgamento do mensalão parece que acontecerá ainda nesse semestre. Ele por enquanto, só conseguiu ser atendido pelo seu coleguinha de partido, o ministro Toffoli, que deverá alegar estar impedido de julgar o mensalão, por ter sido advogado dos petistas e assessor de um dos réus no processo, José Dirceu. E, quando indagado pelos jornalistas, se estava lá com o ministro Toffoli por causa do julgamento, mentiu dizendo que fora entregar o relatório final da comissão de juristas que estuda mudanças no Código Penal. Mas, foi desmentido pelos jornalistas que foram checar com o deputado Alessandro Molon (PT-RJ) , que é o relator da comissão que trata das mudanças do Código Penal, se ele agendara alguma reunião com ministros do STF, para entregar o tal relatório da subcomissão, o deputado Molon disse que não. Lembro-me, quando do escândalo do mensalão, o deputado João Paulo mentiu também, pressionado pelo jornalistas declarou que sua mulher fora ao banco pagar uma fatura da TV a cabo, mas a mentira não se sustentou , e a verdade acabou vindo a tona, ou seja, ela foi ao Banco Rural receber R$50mil na boca do caixa. O deputado João Paulo (PT/SP), que com todas as acusações, infelizmente preside a CCJ da Câmara, pediu também audiência para mais quatro ministros:Celso de Mello, Ayres Brito, Marco Aurélio de Mello e Luiz Fux, mas não conseguiu ser atendido por enquanto. Os assessores do demais ministros quando questionados pelo jornalistas do jornal O Globo,se foram procurado pelo deputado petista, negaram. Vamos ficar atentos com todas essas manobras vindas das raposas, que são os advogados dos réus, e pressões dos petistas envolvidos, que estão sim preocupadíssimos com esse julgamento, já que a pressão da população com suas cartas em todos os jornais , nas redes sociais , além da imprensa são intensas, e esse julgamento no STF não poderá livrar a cara desses marginais.

Agnes Eckermann agneseck@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

MEMBROS DO SUPREMO

Gostaria de solicitar que os ministros e ministras do Supremo Tribunal Federal entrassem no link www.passeatavirtual.net.br, onde está acontecendo a Passeata em Defesa do Julgamento do Mensalão. É uma passeata virtual, onde cerca de 600 brasileiros e brasileiras estão comparecendo para pedir um direito de todo o povo brasileiro, que é o julgamento desse histórico processo ainda no decorrer do presente ano.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

EM FAVOR DOS BRASILEIROS

Depois de sete anos de espera, pela complexidade da ação do mensalão, esperamos que um único ministro do STF, Ricardo Lewandowski, apresente imediatamente o seu parecer, até meados de maio/2012, para finalizar o esperado julgamento, em favor do Brasil, dos brasileiros.

Antonio de Souza D’Agrella antoniodagrella@yahoo.com.br

São Paulo

*

O MENSALÃO JÁ ERA?

Como não é possível admitir a demora de cinco anos para a revisão de processo cujos crimes de natureza semelhante, foram cometidos em muito curto espaço de tempo, há a impressão, já expressa, de que o Ministro Lewandowski não elimina a possibilidade de prescrição. Desejável é que não contribua para tal, como está parecendo acontecer. Importante lembrar que o processo iniciou-se há sete anos quando os crimes foram denunciados. Alternativamente, podem os réus contar com a aposentadoria de dois ministros, que seriam substituídos por novos indicados pelo poder executivo, certamente mais favoráveis. Igualmente, tal situação traria benefícios se condenados a penas reduzidas quando poderiam recorrer, entrando inexoravelmente no período de prescrição dos crimes cometidos. Outra situação que parece encontrar-se em preparação seria o desqualificação dessa corte, para alguns dos réus. Assim, há uma nuvem escura no horizonte do que poderia demonstrar que ainda há justiça no país, mesmo para políticos bem situados junto ao governo. O que a sociedade deseja é um julgamento justo, como demonstração de que poderá contar com esse poder. Que sua reputação possa ser reconstruído, após tantos deméritos ocorridos nos últimos tempos.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

SURTO DE HIPOCRISIA

Leitores, missivistas, o público em geral, parte da mídia, hipocritamente, estão analisando os escândalos políticos como se fossem briga de torcidas organizadas de futebol, católicos versus evangélicos. Há que se exigir do STF um violento e abrangente expurgo dessa podridão que enriqueceu via mensalão, via contraventor, seja de que partido for, seja oposição ou situação. Essa palhaçada de tentar encobrir seus próprios crimes, acusando outros criminosos, com advogados usando argumentos risíveis como "as gravações são ilegais", "o que foi falado estava fora de contexto" tem que acabar e mandar todos nadar até a África. O STF tem de entender que está insuportável essa situação e sua conduta não pode cair em descrédito.

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

São Paulo

*

A CPI E A LAMBANÇA

É desonroso ouvir que Lula está apostando na atual CPI contra seus adversários políticos para "anular" os efeitos do mensalão de seu governo e fazendo até o uso de um hospital, até então mui respeitado por todos os paulistanos, como comitê político do PT. Querer confirmar que o dito mensalão foi uma farsa é o mesmo que sugerir que o STF e o MP sejam farsantes, como bem escreveu Dora Kramer nesse jornal. Torcemos para que a CPI ajude a confirmar a lambança política que foi o mensalão do governo Lula encabeçado pelo então ministro defenestrado José Dirceu que na ocasião disse que poria os pingos nos "is "e que nada fazia sem o consentimento de seu chefe, e ate agora só esta a fim de se livrar da pecha de líder da maior maracutaia já vista em um governo. Esperamos que se faça justiça, doa a quem doer!

Leila E. Leitão

São Paulo

*

UMA LUZ NO FIM DO TÚNEL

Em meio ao "tiroteio político-jurídico" da apuração pela CPI, das irregularidades ocorridas com entes públicos, notórios banqueiros de jogos proibidos e grandes empreiteiras, um dado salutar emerge nesse policialesco noticiário: os juros celestiais que ainda praticamos tende a diminuir. Se tivermos competência de administrar nossa pujante economia, sem grandes desvios gerenciais e com maior transparência possível, temos tudo para termos um futuro radiante pela frente. Urge que nós, opinião pública, unidos com a mídia responsável, pressionemos que nossas lideranças a cumprirem o seu papel, no sentido de transformar este país na grande nação que tanto sonhamos.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

DELTADUTO E CACHOEIRAPLUS

Interesses contraditórios originaram a CPI do Cachoeira, apesar de que as pretensões da situação e da oposição, nas apurações de malfeitos, irão terminar na satisfação dos interesses do povo, graças ao acompanhamento da imprensa. As águas da Cachoeiraplus molharam os caixas de muitos governadores e dezenas de integrantes da Coisa Pública deste país. E as propinas que correram pelo Deltaduto foram satisfazer os desejos de quantos dizem falar em benefício da população brasileira e no interesse do povo. Como os interesses de situação e oposição, mais cedo ou mais tarde, vão colidir, a grande imprensa, então, mais uma vez, aparecerá como o barco da salvação dos interesses do povo, acompanhando os fatos e expondo-os aos eleitores. Vê-se, então, que os desejosos de que existisse um "habeas mídia" estão errados e não desejam ver expostos fatos graves e de interesse nacional. O desenrolar da CPI será uma novela de horário diurno integral, com muitos comentários e muitos descontentamentos.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

CABO DE GUERRA

O cabo de guerra já começou... puxa pra lá, puxa pra cá. Cada um para o seu time... e a sociedade, onde fica? Tudo bem, é a democracia, mas o jogo de interesses pode ficar em primeiro plano? Mas nesse cabo de guerra, como em qualquer outro, um ganha e o outro fica na lama... a diferença é que a regra desse é um pouco diferente dos demais. Aqui fica-se na lama por quatro anos, a sociedade, se não souber escolher, e o time perdedor, aguardando loucamente uma nova partida. Puxa... puxa... puxa...

Fernando Aguiar gravadora@moradafm.net

São Sebastião

*

PARA 2013

Num ano em que teremos eleição importante, que vai eleger todos os prefeitos das cidades e um número enorme de vereadores, vão realizar uma CPI, apurar as ligações do empresário Carlinhos Cachoeira com políticos, banqueiros, magistrados, comerciantes, receita federal, industriais, enfim, uma gama enorme de pessoas importantes do País. Eu garanto que em 2012 a CPI não vai revelar absolutamente nada. Ela ficará "parada" até terminar as apurações. No ano que vem, quem sabe, irão apurar alguma coisa.

Olympio F. A. Cintra Netto ofacnt@yahoo.com.br

São Paulo

*

ELEIÇÃO, A GRANDE NEGOCIATA

A aproximação das eleições leva os políticos a uma frenético movimentação. Diz a tradição que o exercício do mandato público e de cargos temporários deve ser um ônus e não um bônus. Os escolhidos emprestam parte do seu tempo e principalmente a sua competência para a causa pública e, terminado o compromisso, volta à origem. Mas a prática infelizmente estabelecida é diferente. Todos se apegam e não querem mais sair. Lutam por reeleições, nomeações subseqüentes e toda forma de continuísmo. O apego é tão grande que se transformam em profissionais da política. Muitos, na verdade, nem profissão têm... Com toda essa clientela faminta, a montagem das coalizões e esquemas pré-eleitorais, em vez de um nobre momento da política, transforma-se num sórdido balcão de negócios. E o mais triste é que a moeda de pagamento está nos cargos da administração pública, que são previamente loteados e distribuídos aos cabos eleitorais, parentes, financiadores de campanha e outros participantes do processo. Por conta disso, a máquina pública fica inchada de "profissionais" que caem de paraquedas em postos para os quais não têm a menor afinidade. Muitos não têm nem a obrigação de trabalhar. Infelizmente esse é um processo que ocorre nos municípios e se repete nos estados e na União. O loteamento de cargos tem sido o responsável por grande parte da ineficiência da máquina e, principalmente, pelos casos de corrupção. É um problema que exige profunda reflexão e a busca da mais urgente solução...

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

CANDIDATO JOSÉ SERRA

Qual a sua análise, perante o eleitor paulistano, com o apoio do prefeito Kassab a sua candidatura, depois da aprovação pelos vereadores, em primeira votação, do projeto de sua autoria, concedendo um terreno da Prefeitura para abrigar o Instituto Lula, sem a participação do paulistano, através de uma audiência pública? Com certeza não é a vontade do povo paulistano, demonstrada pelo clima de contrariedade dos manifestantes durante a sessão na Câmara.

Agostinho Antonio de Lima Costa agostinhoantonio@bol.com.br

Campinas

*

A QUE PONTO CHEGAMOS...

Manifestantes dos Revoltados Online foram até a Câmara Municipal de São Paulo na quarta-feira protestar, pacificamente, contra a concessão (99 anos) do terreno público para o Instituto Lula, que é privado. Estes políticos se acham importantes, autoridades e impunes. Além de chamarem de vagabundos, chegaram ao absurdo de achar que podem agredir fisicamente o povo, que como cidadãos foram até lá para manifestar sua indignação com o que estão fazendo estes políticos com o dinheiro do esforço do povo, para por a economia em ordem, jogando tudo na lata do lixo. Se não bastasse para estádios particulares vem agora para agradar o maior gastador e amigo de desviadores de verba pública suada. Agora os defensores e participantes das quadrilhas vão nos agredir fisicamente também? Vejam no Facebook vídeos com os vereadores Aguinaldo Timóteo, Carlos Apolinário, Police Neto e o agressor Roberto Trípoli.

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

*

PÁRIAS PAULISTANAS

Após tumulto, Câmara de São Paulo aprova terreno de R$ 20 milhões para o Instituto Lula. Isso contribui para que o cidadão saiba que seus vereadores não têm compromisso com seus eleitores e sim com seus próprios bolsos. Afagando o "homi" estão esperando o troco do outro lado. Que tristeza, logo em São Paulo, a maior cidade da América Latina, também infestada dos piores párias, incluindo Kassab.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

TERRENO DOADO A LULA

O Brasil recebeu imigrantes que, vencendo o desafio do clima, língua, costumes e preconceitos conseguiram, com trabalho árduo contribuir para o desenvolvimento desta terra. Por isso, é inaceitável que descendentes de imigrantes apoiem um partido cujos militantes enriquecem em seus cargos indicados sem terem feito qualquer esforço. E para coroar essas injustiças e inversão de valores, o péssimo prefeito de São Paulo da um golpe nos paulistas, doando um valioso terreno a quem nada edificou com esforço próprio, nem ao menos os milhões gastos com seus marqueteiros ganhou com seu suor. Kassab é o artífice desta fatalidade, que veio sendo construída sob as vistas de uma oposição incompetente que não teve coragem de banir da vida pública elle e seu partido, que transformaram o estado Brasileiro em uma banca de negócios desonestos.

Fábio Haddad fhscale@ig.com.br

Campinas

*

INSTITUTO OU MUSEU

O tão sonhado pelo petismo da criação do Instituto Lula parece que num futuro bem próximo poderá se tornar realidade no centro de São Paulo. Generosamente a câmara municipal da capital paulista aprova a doação de um terreno aonde hoje é conhecida como região da Cracolândia. Compreende-se pela criação de um instituto em nome de um ex-presidente, que esta entidade ofereça ao País ideias e debates, alem de um rico centro de documentos para pesquisa principalmente para as futuras gerações sobre o histórico político e de realizações deste ex-mandatário do País. Mas o que me preocupa, até pelo histórico oportunista e demagógico do PT, é que este futuro instituto vá sonegar informações sobre a gestão do Lula. Por exemplo: estará presente nos anais desta entidade que o Fome-Zero, Banco do Povo, PPPs, e outros projetos anunciados com pompa não vingaram?! Que o mensalão existiu?! Que a corrupção nesta era foi de ruborizar o maior dos vis?! Que o PT, alem de aconchegar camaradas corruptos, ainda lutou para evitar cassações de mandatos de aliados que praticaram ilícitos contra nossas instituições?! E ainda que a maioria das múltiplas promessas não foi ou iniciada ou concluída?! Com todo respeito, não acredito na importância deste possível Instituto Lula. Provavelmente será mais um local para encontro de amigos, com as despesas, lógico, pagas pelo erário, do que uma fonte límpida de relatos da história recente deste País...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

REI DA ESPANHA

O seu país está em grave crise, com dívidas e desemprego nas nuvens, mas o cara resolve dar uma espairecida. A atitude é uma afronta, diante da agonia de seus súditos. Ficam patentes a fraca personalidade, a irresponsabilidade e a insensibilidade, mas ainda é pouco e ele vai caçar animais de grande porte. Um turismo de horror. Ser rei é isso? Que vergonha!

Sérgio Barbosa sergiobarbosa@megasinal.com.br

Batatais

*

CAÇADOR DE ELEFANTES

Que tal o povo espanhol dar a monarquia o mesmo fim, que o seu chefe, pretendia dar aos pobres elefantes de Botsuana? Rei Juan Carlos, o maior agitador republicano da Espanha. Viva a República!

Denis Veiga Junior denisveiga@uol.com.br

São Paulo

*

O REI E O REIZINHO

Em 1.º de maio de 2006, o presidente da Bolívia, Evo Morales, invadiu o campo de produção de gás da Petrobrás de San Alberto, no sul do país, e anunciou a nacionalização do setor de hidrocarburetos – gás e petróleo. Como Cristina Kirchner acaba de fazer com as instalações da YPF-Repsol, espanhola na Argentina, o Estado boliviano na época, também passou a ter o controle acionário (51%) da empresa e desapropriou os bens brasileiros na Bolívia. Lula, que era o nosso presidente em 2006, assimilou o pé no traseiro do amigo Morales e, pior, solidarizou-se com a Bolívia reconhecendo a soberania de seu subsolo, sem questionar ou defender os direitos adquiridos pelo Brasil nos tratados negociados com o país do presidente cocaleiro. O ex presidente, se ainda não lê jornais, poderia de alguma forma acompanhar o assunto Repsol, para aprender com a Espanha do rei Juan Carlos, de como um país deve defender os seus direitos perante a comunidade internacional.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

REPSOL X ARGENTINA

A Argentina está seguindo a ritualística comunista que significa surripiar o que os outros fizeram, e daí para frente, destruir o que já está feito, e a URSS é o exemplo. Começou de fato com o "peronismo nazista", e não por coincidência o "casal 20" argentino é também peronista. Até os anos 30, a Argentina era nação de Primeiro Mundo, basta visitar Buenos Aires, uma espécie de "museu urbano" como Roma ou Atenas.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

ABSURDO

Edson Lobão, ministro de Minas e Energia, que até agora nada fez de útil ao Brasil, manifestou-se favorável à intervenção da Argentina na "YPF", alegando ser questão de soberania. E se fosse contra a Petrobrás? Absurdo, melhor seria se tivesse ficado calado.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

MATRIZ ENERGÉTICA (FLEX)

Prá quem tem problemas com petróleo, Cristina parece funcionar muito bem a álcool.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

BANCOS PRIVADOS CEDEM

Quando os bancos privados atendem a um pedido da presidente Dilma e reduzem as suas taxas de juros, que, fatalmente irá minguar os estratosféricos lucros auferidos nos últimos exercícios, é porque alguma coisa está ocorrendo debaixo do edredom. É bem verdade que também os bancos estatais estavam obtendo lucros exorbitantes em função das altas taxas de juros. A redução dos juros bancários proposta pelo governo visa a alavancar o PIB (Produto Interno Bruto) via aumento do consumo pela corrida ao crédito bancário que, fatalmente, levará a população a aumentar a inadimplência, fazendo com que a ''nova classe média'', via empréstimos bancários, na verdade, passe a ostentar um padrão social incompatível com o que o governo dá em contra partida com a saúde, educação, transportes e segurança pública, enquanto as obras emPACadas fazem a cada dia mais milionários que devem ser gratos a quem teve a iniciativa de trazer para o Brasil a Copa de Futebol de 2014 e a Olimpíada de 2016.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

O INFORTÚNIO DOS BANCOS BRASILEIROS

Aqui, no Fórum do Estadão, o Sr. Ney José Pereira (leitor) fez algumas colocações interessantes, sendo que ao final explícita: "que tal a imprensa falar sobre algo que não saibamos, nós digam alguma novidade!". Afinal devemos concordar. Em muitos casos basta de redundância, e em outros há um notável esquecimento do prosseguimento de cobertura para que a sociedade possa manter seu espírito vigilante. Mas ao que o Sr. Pereira se refere são temas ou tópicos sobre a economia brasileira em relação ao resto do mundo ou traduzida a uma medida do que se ganha ao que se perde; se é bom ou ruim e para quem, afinal, são muitos interesses que intermedeiam essas situações. Falemos de uma de suas arguições. Coloca-nos que temos US$ 366 bilhões em reservas em "países quebrados", um ledo engano, temos em países de primeira linha tais quais Letras do Tesouro Norte Americano, portanto dólar; euros e ouro; rendendo em média perto de 0,5% ao ano (ou menos) enquanto aqui a Selic agora está em 9% ao ano. Porém falemos do que ocorreu do primeiro ao terceiro mandato de Lula (2003 a 2011), onde os dados estão consolidados às reservas, e por vários fatores, esta foi de fato evoluindo, e se isso é bom ou ruim há de se questionar. Bom por acumular capital, ruim por não empregá-lo (excedente) num país como o nosso diante de tantas carências. Para manter as reservas de US$ 360 bilhões o governo gasta o equivalente ao superávit primário, o dinheiro destinado ao pagamento de juros da dívida pública, isto já ocorria quando as reservas atingiram US$ 180 bilhões, e aos US$ 200 bilhões a luz vermelha ascendeu. Muito pouca gente deu importância a esse fato; e de fato o Sr. Pereira tem razão em dizer. Com segurança não existe uma resposta confiável que defina qual o nível de reservas que uma nação deva ter, e isto varia segundo suas políticas econômicas calcadas em programação e planejamento econômico de médio e longo prazo, ou seja, em premissas cabais que o Brasil não possui. Nós temos apenas como ação das autoridades ministeriais os "pacotes ou puxadinhos" que saem pelo espernear circunstancial de um ou outro setor da sociedade, além do evidente corporativismo e clientelismo que toca a máquina pública desta republiqueta de socialistas privilegiados mancomunados com os cumpanheiros capitalistas. O ex-diretor do Banco Central, o competente economista Alexandre Schwartsman denomina de bolsa-banqueiro, que é a mais conhecida e adulada pelo governo que utiliza da cantilena de que a dívida externa do país foi paga no governo Lula. Trata-se da soma supracitada e que aumenta cada vez que o Banco Central sai ao mercado comprando dólares no combate à entrada de capital especulativo; pois é essa a essência da questão da sobre valorização do real. Justifica-se que o montante de quase US$ 370 é necessário para enfrentar a crise internacional. Qual? A marolinha? Em 2008 o país possuía pouco mais de US$ 210 bilhões e foi o suficiente para atravessar os momentos mais difíceis da crise. O custo atual é pouco superior a US$ 50 bilhões/ano para manter essa "poupança" a juros reais negativos, dos quais quase 50% são completamente desnecessários em qualquer sentido face ao custo gerado. Talvez disto venham os títulos honoríficos ao ex-presidente lula, ou ainda os convites e retribuições a peso de ouro a "professar palestras" onde expõe baboseiras aos tolos que lhe dão ouvidos; pois falar e ouvir o que lhe seja inútil, é prevaricar-se da própria inteligência. Assim o mundo se curva aos sólidos fundamentos econômicos brasileiros e da politicalha econômica petista – em 2010 o custo médio de carregamento da dívida interna da União foi de 0,8499% ao mês (10,69% ao ano), com ganho real positivo para os investidores de 0,9915% ao mês (12,57% ao ano), depois de incluída a deflação média/mês do IGPM de 0,1416% ao mês (1,7125% ao ano). No mesmo ano as reservas de US$ 248,1 bilhões (médias) foram remuneradas com juros reais negativos de 3,8% ao ano (juro zero e inflação americana de 3,8% ao ano). Prêmio "Honoris Causa" pelos grandes especuladores internacionais; - o Brasil pagou juros reais positivos de 12,57% ao ano e recebeu pelas aplicações das reservas juros reais negativos de 3,8% ao ano. Um ganho real para o mercado financeiro internacional de 16,37% ao ano (Fonte: MF). Quanto ao que os Bancos gastam e se registra em seus balanços conforme comenta o Sr. Pereira, estão implícitos -as férias ou fóruns para o Judiciário; publicidade, contribuição para Partidos Políticos etc.. Então vejamos, em todos os tipos de mídia, somente quatro Instituições bancárias brasileiras ranqueadas entre os 30 maiores anunciantes (atenção: verba somente através de agências) gastaram em 2011 R$ 3,1 bilhões; pouco menos que as Casas Bahia (R$ 3,3 bilhões) a primeira colocada; ou ainda três vezes mais que a poderosa Ambev; quatro vezes mais que a Petrobras. Desta forma talvez se explique porque um Banco exigiu a saída de uma jornalista do Jornal da TV Cultura quando criticou os Bancos pelo cerceamento que fizeram não concedendo extratos das cadernetas de poupanças aos correntistas para possíveis processos relativos aos expurgos nos Planos Econômicos, ocorridos no final dos anos 80 e início dos 90. Talvez explique também como e porque o STF aceitou adiar sine die o julgamento desses processos que se arrastam a mais de vinte anos, e isto a pedido de algum estafeta do Banco Central que agiu a mando da Fenaban sob a medíocre e estapafúrdia alegação que se forem condenados ao ressarcimento, e como já foram em milhares de sentenças em instâncias inferiores, a soma poderia alcançar (produto do roubo – R$ 105 bilhões), e isto seria arriscado por instar uma crise no mercado. Raros foram os meios de comunicação (mídia jornalística) a cobrir esta arbitrariedade junto ao STF, onde existem milhões de brasileiros com interesses em jogo. Ou seja, a Justiça apenas decorre, em seu julgamento, por concordância do réu que detém poder econômico para fazer o que quiser além "chutar valores", pois nem mesmo se sabe quantos processos existem em tramitação, quanto mais a determinar valores, portanto quem está definindo o montante é quem expropriou e sabe quanto. Pobres Bancos, tão desafortunados. Em declaração do Sr. Jorge Hereda – presidente da Caixa Econômica Federal a um jornal paulista e citando a consultoria Economática; no ano passado o setor bancário foi o de maior volume de lucro entre as empresas de capital aberto. Abocanharam 39,4% das 344 empresas avaliadas (Bovespa). Que desafortunados... somos nós os brasileiros a mercê dessa politicalha e notório jogo de interesses.

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

DÓLAR CORTIÇA

Depois do dólar convênio, dólar turismo, dólar flutuante etc., parece emergir um novo dólar, o dólar cortiça. Este flutua, todavia, por ser de cortiça, não afunda, apenas sobe, reproduzindo o bordão das armas de Paris: Fluctuat nec mergitur – ou seja, flutua, mas não afunda. Pergunta inocente: Esse fato embute algum custo para nosotros?

Alexandru Solomon alex101243@gmail.com

São Paulo

*

O GOLPE DAS SACOLINHAS VENCEU

Creio que eu e as demais pessoas que enviam e-mail a este jornal criticando a questão das sacolinhas, estamos perdendo nosso tempo e passando por chatos, mesmo apenas reclamando nossos direitos, mas nos desgastando para muitos que acreditam nessa safadeza inventada pelos supermercados em conjunto com o governador Alckmin e sob a leniência do Procon, que deveria mudar a sigla para Proapas. Somos poucos e até agora não apareceu político algum para nos apoiar, como também a ausência da justiça que poderia entrar com alguma medida acabando com essa palhaçada. A própria mídia apenas publica nossos reclamos sem emitir opinião favorável, mas essa tem a desculpa de receber milhões em propaganda de supermercados. A solução para acabar contra abusos aos nossos direitos seria mudar a forma de pensar da maioria de nossa população que não passa de cordeiros aceitando tudo de cabeça baixa.

Laércio Zanini arsene@uol.com.br

Garça

*

ESCLARECIMENTO

Gostaria que me explicassem a questão das sacolinhas plásticas de supermercados, sobre a sua retirada de circulação. Perguntei ao gerente da Zaffari Supermercados e ele disse ser uma resolução da Apas para melhoria do meio ambiente. Concordo plenamente em atuar a favor do nosso planeta, mas esta questão eu não compreendi. Vou me explicar: todo mundo que eu conheço utiliza as sacolinhas de mercado para jogar o lixo de casa. Agora com esta nova norma teremos de comprar sacos de lixo que são de plástico. Não há como jogar o lixo em outro material que não for este. Para mim consumidora foi como trocar seis por meia dúzia. O certo ao meu ver era desenvolver, como já tive o prazer de ver, uma sacolinha biodegradável. O Brasil é o país que mais se paga imposto, além dos impostos sobre tudo, inclusive alimentos, vamos ter de pagar por sacolas e sacos para lixo. Desculpem, mas não aceito a explicação acima, deste modo não vejo nenhum benefício, a não ser aos mercados que não fornecerão mais sacolas e venderão mais sacolas e sacos para lixo.

Tânia Gorodniuk taniagorodniuk@gmail.com

São Paulo

*

RECICLAGEM E EDUCAÇÃO

Um país como o nosso, onde os professores são muito mal pagos, trabalham muitas horas, com salas lotadas, com muitos analfabetos funcionais, e eles mesmos sem a devida formação, não compreende por que temos de pagar pelas "sacolas plásticas". É um assalto a mais. Temos de comprá-la para as mais variadas funções. Nossa educação tem nível muito baixo, por várias razões, entre as quais a reciclagem! O que tenho visto sobre a Rio+20 é calamitoso. Estamos nos transformando no país dos mais caros do mundo, pior, embrutecido! Fazemos reciclagem no nosso prédio, mas já vimos que o lixo é todo misturado!

Maria de Mello nina.7mello@uol.com.br

São Paulo

*

AS MALDITAS SACOLAS PLÁSTICAS

A demagogia dos políticos em vésperas de eleição não surpreende os brasileiros mais idosos, conhecedores profundos dos golpes baixos e covardes dados por políticos na ânsia de obter o voto dos incautos e recursos dos empresários de maneira tão vil e desrespeitosa com o seu povo, como agiu tristemente o governo do estado de São Paulo, no que se refere a proibição de fornecimento das sacolas plásticas pelos empresários de supermercados aos consumidores. É tão clara a ma-fé dessa atitude, nada tendo a ver com a preservação do meio ambiente que, porque não foi estendido a todos os empresários industriais a proibição do uso plástico? A indústria sim, tem um peso enorme na agressão ao meio ambiente, e, no entanto, estão sorrindo dos consumidores pelo castigo recebido e imensamente agradecido pela sua proteção que certamente se reverterá em ajuda de custo nas eleições.

Benone Augusto de Paiva benone2006@bol.com.br

São Paulo

*

MUDANÇA DE HÁBITO

Desde os anos oitenta tenho uma rotina em que as compras do mês são feitas religiosamente no Hipermercado Carrefour, e devido a este golpe das sacolas plásticas, em que o Carrefour encabeça juntamente com o Procon que neste caso mudou de lado, estarei deixando esta rotina e passarei a fazer minhas compras em um pequeno supermercado que inteligentemente não aderiu a este golpe contra o consumidor, somos forçados a utilizar as caixas de papelão infectadas, que ficam armazenadas em gigantescos galpões, onde proliferam todos os tipos de insetos nocivos, cada caixa distribui no mínimo um casal de traça, e que depois desta pratica começou a aparecer em minha residência, portanto, como não serei o salvador do planeta e nem tenho tal pretensão é que mudarei esta rotina. Não salvo o planeta, mas defendo a saúde da família.

Jose Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

UMA EXPLORAÇÃO

Como o objetivo dos supermercados é explorar os seus clientes, em razão da formação de cartel, as sacolinhas não fornecem mais, em breve estarão cobrando o aluguel dos "carrinhos" utilizados para as compras, na sua maioria malcuidados e até "contaminados" pela falta de asseio e limpeza. Fiquemos atentos até poderão cobrar o estacionamento do veículo de seus clientes, durante o período das compras, como já fazem os bancos. É o que chamam de "poder econômico", com plena anuência dos nossos intere$$ados e medíocres governantes. Quanto maiores os lucros, melhores as ajudas para as eleições que se aproximam, bem o povo... O povo que se lixe, como sempre! "Brasil, país rico, governantes corruPTos, elite nobre, povo e aposentado pobre".

Maria Teresa Amaral mteresa0409@estadao.com.br

São Paulo

*

A POLUIÇÃO BIODEGRADÁVEL

A expressão "biodegradável" poderia ser entendida como a "degradabilidade da vida", mas não é. O sentido lato dessa palavra é para dar significação às substâncias e materiais que não permanecem indestrutíveis ou àquelas que se decompõem no ambiente pela ação de bactérias e microrganismos. Quando não se degrada, polui. Mas, quando se decompõem, poluem também. E, nesse caso ainda é pior, pois a decomposição pode se tornar alimento, e o seu o excesso em ambiente limitado, mata por eutrofização... Assim, a eutrofização, também conhecida por eutroficação é a redução ou falta de oxigênio num biótopo hídrico, causada pelo excesso de nutrientes gerados pela eutroficação de biodegradáveis. Experimente colocar grandes quantidades de alimentos em seu aquário e observe o resultado... Portanto, é necessário cuidados e conhecimento no uso dessa palavra. Com a intenção de combater a biodegradabilidade do ambiente, nós consumidores de supermercados (somente de supermercados !) fomos acusados de poluidores do ambiente e condenados a não ter o direito do uso pago de sacolas plásticas para transferência e portabilidade de nossos alimentos. Em contrapartida, os grandes monopólios dos alimentos nos oferecem "grátis" o seu lixo (caixas de papelão) pelo qual os supermercados tem a obrigação de descartar conforme Resolução Conama 257 de 30/06/1999, que define em seu Art 1º É responsabilidade dos fornecedores procedimentar a destinação final e descarte de seus produtos (incluindo embalagens), pois a degradação ao tempo pode provocar riscos ao ambiente, aos mananciais, poluir as águas e causar danos à saúde animal. Ora, com esse "passa-moleque" os supermercados fogem do cumprimento da Resolução Conama e ainda nos responsabiliza pela compra de outras sacolas plásticas que eles vendem, para embalar suas caixas de papelão que serão recolhidas e levadas pela Prefeitura Municipal para os respectivos lixões. E, não há seleção. São caixas de detergentes, inseticidas e outras diversas, contendo resíduos que contaminarão nosso alimento e poluirão o ambiente, num verdadeiro ciclo vicioso criado por aqueles que não estão preocupados com o meio-ambiente, mas que certamente priorizam suas margens de lucros cada vez maiores. Ora, diriam os menos informados: os supermercados compravam as sacolas. Sim, compravam. Mas não nos davam de graça, pois seu custo estava embutido na formação de preço de venda de seus produtos! Agora, o custo da separação ecológica e do descarte de resíduos sólidos conforme Cadri (Certificado de Autorização para Descarte de Resíduos Industriais) da Cetesb e a Lei 12.305 (Política Nacional de Resíduos sólidos – PNRS) de 02/08/2010, os donos de supermercados querem repassar para nós, como prêmio por concordarmos pacificamente com a utilização de seu lixo (caixa de papelão). Notem o que cita a referida Lei do PNRS: Art. 1º Esta Lei institui a Política nacional de Resíduos Sólidos, dispondo sobre seus princípios objetivos e instrumentos, bem como sobre as diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos, incluindo perigosos (como caixas de inseticidas e de detergentes), às responsabilidades dos geradores (supermercados) e do Poder Público e aos instrumentos econômicos aplicáveis § 1o Estão sujeitas à observância desta Lei as pessoas físicas (proprietários de supermercados) ou jurídicas (supermercados), de direito público ou privado, responsáveis, direta ou indiretamente, pela geração de resíduos sólidos (caixas de papelão) e as que desenvolvam ações relacionadas à gestão integrada ou ao gerenciamento de resíduos sólidos. Claro! Se trago o lixo do supermercado na forma de caixa de papelão, tenho a obrigação legal de comprar no mesmo supermercado uma sacola plástica para embalar a caixa de papelão que trouxemos com nossos alimentos e que não nos serve para nada! Amo muito tudo isso diria um comercial conhecido! Quem ganha com tudo isso? Os donos de supermercados. E, garante que não é pouco... "Cansei de ver triunfar as nulidades! Cansei de ver agigantarem-se o poder nas mãos dos maus". Cansei de ver o desrespeito às Leis do meu País. E, por isso conclamo todos a se rebelarem contra essa oferta (caixa de papelão contaminada) para a portabilidade de seus alimentos, deixando que as caixas deles se amontoem nos espaços dos supermercados e os contaminem de ratos, insetos e doenças transmissíveis pelo ar putrefato que se formará. Assim a autoridade municipal e os donos de supermercados saberão quanto prejuízo causarão à população, e se ainda houver tempo, tomarão as devidas providências. De nossa parte, devemos apenas conduzir nossas compras (sem caixa de papelão do lixo) diretamente para dentro de nossos carros, e assim as transportar para nossas residências. Com as compras acomodadas em seu carro, deixe o carrinho transportador no estacionamento para eu eles venham buscá-lo. Já em casa, peguemos uma sacola resistente para facilitar o deslocamento, portemos nossas compras e as coloquemos na dispensa... Façam isso e verão o resultado!

Silvio Marques de Oliveira silvio@polirh.com.br

São Paulo

*

MAIS ESSA...

Habitantes da República de Macunaíma sofrem. Como se não bastasse ver nos supermercados idosos carregando incômodas caixas ou sacolas contaminadas, com 20 ou mais quilos de compras, até o estacionamento ou sua residência, ainda temos de ouvir no serviço de som das lojas um comercial, no mínimo imoral, dos fabricantes de sacolas descartáveis, nos chamando de idiotas, enquanto fazem proselitismo da ação das grandes redes de supermercados em benefício da ecologia. Até quando temos de engolir tamanha podridão? Não custa muito para entender que todo esse jogo sujo, não passa de interesse financeiro de empresários corruptos com o aval dessa megaquadrilha que há nove anos tomou conta do poder. Vale dizer aos menos avisados, que durante a campanha eleitoral da dona Dilma a família Diniz ofereceu um chá das cinco para a candidata, não foi suficiente para abrir a torneira do BNDES, mas serviu para o governo fazer vista grossa para essa pouca vergonha.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.