Fórum dos Leitores

ECONOMIA

O Estado de S.Paulo

02 Maio 2012 | 03h06

Juros baixos, quando?

A atual crise mundial terá como consequência uma generalizada redução dos juros. Mas o Brasil não tirará disso grande benefício, porque não soube fazer a lição de casa. Continuaremos a pagar os juros mais altos do mundo, dado que o governo, em vez de agir na parte que lhe cabe nesse processo, prefere "gritar" com os bancos, numa aparente transferência de responsabilidades. Os bancos já fizeram pequenos ajustes pontuais e convenientes, mas a taxa do cheque especial no Banco do Brasil ainda era de 94% ao ano em 27/4. Se o Executivo resolvesse o que lhe diz respeito e reduzisse os impostos e o compulsório, obteríamos uma boa redução dos spreads. Temos, ainda, custo de captação elevado, pois o mercado compete com o governo, além de inflação alta, comparada com o mundo desenvolvido. Juros de cheque especial e de cartão de crédito são elevadíssimos e os usuários não têm "educação financeira" para buscar linhas de crédito mais baratas. Também a obtenção de cheque especial em outros países é bem mais difícil do que no Brasil. Verifica-se, portanto, que há muito que o governo pode fazer além de pressionar os bancos, isso não é suficiente.

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo

Sem saída

Pesquisa do Estadão mostrou o absurdo que os brasileiros pagam de juros aos bancos. Aliados aos escorchantes impostos, o brasileiro está sempre em má situação, daí a grande inadimplência existente. E nossos patrícios são sempre iludidos, ora pelos bancos, ora pelos governantes. Pelo visto, estamos sem saída mesmo.

CARLOS E. BARROS RODRIGUES

ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

CORRUPÇÃO

Cabritos na horta

Ao acompanhar o efeito devastador da tromba-d'água no curso da cachoeira, rolando governo abaixo, deparo com cabritos na horta. Como conceber o controle da CPI do Cachoeira nas mãos dos petralhas, se eles estão tão envolvidos no escândalo quanto o governador goiano? Haja vista o esforço que estão fazendo para tirar o invólucro lamacento de Agnelo Queiroz. Sendo propósito governista concentrar a artilharia em Marconi Perillo e não focar as investigações sobre a Delta, a principal empreiteira das obras eleitoreiras de Lula (PAC), o resultado é simplesmente duvidoso. Lula não devia meter-se nisso, em razão de seus inúmeros maus exemplos: como maior beneficiário do mensalão, ao mentir várias vezes à Nação e pelos reiterados desrespeitos à Constituição e ao TSE, para impor, como preposto, seu terceiro mandato, conforme nos mostram as evidências. Plagiando, perguntar não ofende: esse senhor pode ser considerado um estadista?

VICENTE MUNIZ BARRETO

dabmunizbarreto@hotmail.com

Cruzeiro

Falta de transparência

Como poderá existir transparência na CPI do Cachoeira, se não incluírem a Delta nas investigações? Se a presidente realmente luta contra a corrupção, que o demonstre, determinando à base a inclusão de todos os envolvidos.

ANDRÉ C. FROHNKNECHT

anchar.fro@hotmail.com

São Paulo

Resultado anunciado

Se realmente vai ser uma CPI direcionada, parem tudo! Poupem o dinheiro gasto e proclamem o resultado já anunciado. Estamos cansados de fingir que temos esperanças de que tudo se esclareça. Basta!

M. DO CARMO Z. LEME CARDOSO

mdokrmo@hotmail.com

Bauru

Doa a quem doer

A CPI do Cachoeira é um monstro que está prestes a engolir o seu criador-mor, pois tudo indica que ele recebeu favores do contraventor para sua candidatura. E esmagará a sua sucessora, visto estar provado que o esquema se alimentava do PAC de forma grotesca. Já existe político dizendo que, além de ser um tiro no pé, essa CPI forçará o Supremo Tribunal Federal (STF) a julgar o mensalão já neste primeiro semestre, eis que a Suprema Corte precisará mostrar à Nação que está incorporada na luta contra a corrupção e a favor da moralização pública. O povo clama por justiça e exige que se combata a corrupção. Doa a quem doer!

JOSÉ CARLOS COSTA

policaio@gmail.com

São Paulo

Segredos de Maia

O que nós não sabemos e o presidente da Câmara dos Deputados sabe? Por que Marco Maia (PT-RS) disse que a CPI do Cachoeira será explosiva? Ora, só será explosiva caso as investigações atinjam algum figurão lotado no Palácio do Planalto metido nesse lamaçal da Delta e do contraventor goiano. O que não me parece impossível, porque a Delta é a empreiteira que mais obras tem em execução no PAC. E é bom que se diga: com José Dirceu como consultor ou interlocutor da empresa junto ao governo Dilma Rousseff. Explosiva com denúncias de mais gente da oposição envolvida não faz sentido, porque nada poderá ser mais surpreendente que o caso Demóstenes Torres, já amplamente divulgado. Por tais razões, Maia deve mesmo ter na manga do colete informações suficientes para detonar a credibilidade do governo a que serve, ele sabe das coisas. Pois se o mensalão, infelizmente, não explodiu seu partido, quem sabe o tal Cachoeira afogue todos na banheira da corrupção...

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Doses homeopáticas

Os vazamentos não param. Agora surgiu o nome do ministro do STF Gilmar Mendes, que teria trabalhado com o senador Demóstenes Torres para levar à Suprema Corte ação da Celg, segundo a Polícia Federal (PF). Pelo andar da carruagem, os Poderes de Estado, que pareciam independentes, estão atolados até o pescoço nas falcatruas da corrupção que assola o País. Pouca gente vai ficar de fora. Terão a cara livre apenas os que mandam na PF, pois ela só vai liberar escutas de desafetos. A serem verdadeiras tais denúncias, dá para se ter uma ideia do final do mensalão. Em quem confiar quando se vê a República desmoronando? E a quem recorrer quando se fica sabendo, a cada dia, que em todos os Poderes há pessoas envolvidas? A PF é que dirá quando chegaremos ao fundo do poço, com os seus vazamentos em doses homeopáticas. A conferir.

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

 

DILMA NA TV

Na véspera do Dia do Trabalho, a presidente Dilma Rousseff falou sobre o direito mútuo de ter um emprego e trabalhar. Falou muito de futurologia da educação, saúde e tudo mais que é um direito de todo cidadão brasileiro, um dia com certeza será melhor. A poucos dias da última redução da taxa Selic para 9% ao ano, até o Banco do Brasil (BB) e a Caixa Econômica Federal (CEF), bancos públicos, se dispuseram a dar um bom exemplo ao setor financeiro, baixando as escorchantes taxas de juros que vinham cobrando, e agora querem e reclamam a mesma redução dos juros cobrados pelos bancos privados - como perceberam tarde demais, geraram uma grande inadimplência. O PT divulga no presente o que farão, se é que farão no futuro, para usufruírem de imediato os dividendos eleitoreiros, dos quais se acham beneficiários da "popularidade" encomendada. Realmente o que intere$$a é o voto, enquanto o humilde eleitor é enganado e se satisfaz com promessas e assistencialismo. "Brasil, país rico, governantes corruPTos, elite nobre, povo e aposentado pobres".

Luiz Dias lfd.silva@uol.com.br

São Paulo

*

NEM TUDO É FESTA

Nesse 1° de maio, dia que se comemorou o Dia do Trabalho, em vez de festa, indignação. Mesmo sendo feriado nacional, os números do impostômetro continuam acelerados com nos dias úteis, e, o que é pior, parte do dinheiro arrecadado que deveria ser destinada a beneficiar a sociedade, está direcionados a corruptos que corroem os cofres da União. Nossa "presidenta" Dilma Rousseff veio em cadeia nacional para dar seu recado; a maior parte de seu discurso foi ocupado para criticar os banqueiros pela alta taxa de juros cobrado em nosso país, como se o governo se eximisse de qualquer culpa pelos juros cobrados pelos bancos, quando, na verdade, as taxas de juros só são exorbitantes porque o governo permite.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

FAXINA GERAL

Em seu discurso em homenagem ao dia 1.º de Maio, a presidente declarou que não tolerará os malfeitos e nem os malfeitores... Diante desta declaração, é de esperar que apure os desmandos do seu antecessor e faça realmente uma faxina geral em seus 38 ministérios. Caso contrário, passará para a história como a eminência parda que serviu tão somente para acobertar os desmandos do PT.

José Carlos Costa policaio@gmail.com

São Paulo

*

1.º DE MAIO

Se o trabalho enobrece, no Brasil, certamente, a roubalheira enriquece.

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

NADA A COMEMORAR

O que nós, aposentados, temos a comemorar no Dia do Trabalho? Evidentemente, nada, só temos a lamentar este terrível governo que diante de pesquisa encomendada possui 64% falsos de aprovação, quem deve ter motivos para festas são estes sindicatos pelegos como a CUT e Força Sindical que sobrevive pela exploração dos trabalhadores, através deste imposto sindical que só serve para sustentar desocupados. Lamentável, senhora guerrilheira, que provavelmente nunca trabalhou, como seus dois antecessores, por isso a não valorização dos velhinhos aposentados que tem de voltar a trabalhar se quiser viver com dignidade. Lamentável, dona Dilma, a senhora já mostrou que governa para os mais favorecidos, que são os políticos e banqueiros. Enquanto o Partido dos trabalhadores for governo, o trabalhador não terá nada para comemorar.

Jose Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

NOVO MINISTRO DO TRABALHO

Se a presidente Dillma de vez em quando se aconselhasse com empresários de peso em vez do "chefão", com certeza tomaria mais cuidado com as nomeações baseadas apenas em conchavos emocionais/ partidários. Qualquer empresário que se preze e ame sua empresa jamais contrata parentes, amigos íntimos, neto de ex-companheiros e principalmente com quem dividiu cela. A escolha de Brizola Neto para ministro do Trabalho pode vir a dar muito trabalho à presidente, principalmente porque com aquela cara de bebê chorão como administrará o desemprego que começa a subir? Dillma não tem jeito de dar colinho para ninguém quando a coisa pega. A não ser que ela goste dos embates constantes pela falta de competência, aí quem sabe sua "inteligência" aparece não é? Qualquer incompetente diante de um bando de jumentos aparecerá como a cereja do bolo. Enfim, vá lá saber o que se passa nas cabeças palacianas, mas com certeza quando a coisa não dá certo já sabemos quem paga a conta.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

QUEM MANDA É CARLOS LUPI

Está mais do que claro que essa nomeação de Brizola eto para o Ministério do Trabalho não passa de uma sórdida "jogada de marketing político...", com o propósito de sensibilizar uma parcela do eleitorado que ainda é fiel à memória de Leonel Brizola. O fato é que a "armação" de colocar "Brizolinha" no cargo antes ocupado pelo presidente do PDT, Carlos Lupi, atende aos interesses do "dono da legenda", no sentido de colocar na posição alguém que, por falta de experiência política e liderança pessoal, poderá ser facilmente manipulado, permitindo que "Lupinho", mesmo após ter sido defenestrado da chefia do Ministério do Trabalho, por conta de seu envolvimento em "maracutaias", poderá, mesmo que por "debaixo dos panos", voltar a mandar e desmandar na pasta, através do "preposto" que conseguiu nomear, em claro conluio com a presidente Dilma. Saudades do tempo em que os presidentes brasileiros, quando ainda não eram reféns de "arrumadinhos partidários", tinham autonomia para escolher seus ministros...

Júlio Ferreira julioferreira.net@gmail.com

Recife

*

BRIZOLA NETO

Nossa presidente continua trocando o ruim pelo pior! Agora nomeia Brizola Neto(?) para o MT, e ainda convida o Lupi para a nomeação... Quem é Brizola Neto? Será que é só porque é filho da Neuzinha Brizola? Vamos de mal a pior!

Alcyr Cascardo alcyrcascardo1@hotmail.com

São Paulo

*

FANTASMA DE CASTELO

Quando quer - e na hora que quiser -, Lula vai ao Palácio do Alvorada para dar conselhos a Dilma Rousseff. O último desses conselhos o "mestre" deu em almoço: nomear um novo ministro do Trabalho antes das comemorações do 1.º de Maio. Apesar de estar fora da Presidência, o homem mantém a obsessão pelo poder e dá provas de que continua mandando no País. Isso demonstra que nossa presidente - ao contrário do que muita gente imagina - é insegura e tem asas curtas. Nos Estados Unidos, quando na entrega do bastão, os ex-presidentes somem de cena. Vão escrever livros de memória e passar seus últimos anos de vida no rancho brincando com os netos. Aqui, no Brasil, eles deixam o comando do País e continuam vagando pelo corredores do Poder como fantasmas de castelo. Até quando?

Sérgio Luiz Corrêa seluco@uol.com.br

Santos

*

BARGANHA

Com a indicação do deputado Brizola Neto para ministro do Trabalho, fica confirmada a barganha desse desgoverno da Dilma, onde ela sugou os cofres públicos do governo do Rio Grande do Sul com a anuência do Alceu Colares, onde ela só recebia e nada fazia, como faz agora na Presidência da República, pura incompetência.

Paulo Francisco Siqueira dos Santos paulof.santos@hotmail.com.br

Santa Rita do Passa Quatro

*

BOLSA FURADA

O PT roubou o Bolsa-Escola criado por FHC, mudou de nome para Bolsa-Família, para dizer que o programa social era do partido. E deu certo! Porque o Lula foi reeleito, e ainda elegeu a Dilma graças ao apoio desta gente que acredita ser do Lula a ideia deste programa. E como os investimentos em infraestrutura nesta era petista não avançam por total incompetência de gestão, nada melhor para a cúpula do PT, continuar lançando, ou incrementando Bolsas por ai. O dinheiro é do contribuinte mesmo... Além da Bolsa-Pescador, e recente Bolsa-estiagem para trabalhadores rurais do nordeste, a presidente a cada dia mais acostumada ao estilo Lula de governar, ou seja, que a cada crise em seu governo lançava um pacote populista, agora aumenta o valor do Bolsa-Família, para quem têm crianças até cinco anos de idade. E dependendo do andamento da CPI do Cachoeira, é capaz da Dilma até dar aumento acima da inflação, e retroativo, para os aposentados que ganham mais que um salário mínimo. Na realidade, um governo sério diuturnamente deve perseguir as grandes questões nacionais, e no Brasil, todo mundo sabe que é a educação, saúde, e a caótica infraestrutura. Mas, como o PT, pela angustia de seguir no poder, somente prioriza as urnas, certamente a este nosso surrado País, faltará recursos um dia para carregar tantas bolsas a tiracolo...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

A CURVA DO RIO

O PT já tentou varias vezes culpar a mídia por seus escândalos. O PT já tentou varias vezes usando o eufemismo de "controle social da mídia" censurar a imprensa e nunca conseguiu porque a opinião publica brasileira espera mais da mídia para controlar o governo do que da fraquíssima oposição. Agora o PT, usando uma CPI do Cachoeira, tenta desmoralizar tanto mídia da revista Veja e políticos como Demóstenes e Perillo até juízes como Gilmar Mendes. Acontece que mesmo nesta CPI, que seria moldada para investigar a oposição, existem digitais governistas, pois este rio tem o Cachoeira e a Delta e muitas conexões com assessoria de José Dirceu, obras do PAC, envolvimento de Cabral, e de Agnelo em Brasília. Sem dúvida quanto mais for apurado, se a maioria governista deixar, mais será demonstrado de que governistas estão neste escândalo até a tampa desta feita junto com parte da já pequena oposição e a imprensa mais uma vez sairá dela fortalecida exercendo o poder de vigilância e representando a opinião publica.

Márcio M. Carvalho mmcoak@hotmail.com

Bauru

*

DEMÓSTENES

Em todas as fotos que Demóstenes aparece, depois que foi descoberta sua ligação com Cachoeira, ele carrega a expressão de indubitavelmente culpado. Por outro lado, o que chega até a dar pena, ele não consegue esconder que está terrivelmente arrependido. Só que, não devemos esquecer que dura lex sed lex, ou seja: a lei é dura, mas deve ser aplicada. Certamente, ele conhecia esse lema, como advogado que é.

Iracema Palombello cepalombello@yahoo.com.br

Bragança Paulista

*

E OS OUTROS?

Até o presente, apenas o Demóstenes e o Perillo estão sendo "investigados" pelo Ministério Público e com justa razão, mas quando o Sergio Cabral - governador do Estado do Rio de Janeiro, irá fazer parte dos investigados? Certamente ele terá muito a explicar. Nassau, Paris, Bahia, etc., etc...

Jose Roberto Marforio bobmarforio@gmail.com

São Paulo

*

O HOMEM E SEUS ATOS

No Brasil, separa-se a vida pública da vida intima, como se uma nada tivesse a ver com a outra, em nome a "privacidade". Porém o procedimento vai contra a lógica: se o indivíduo tem comportamento reprovável em sua vida íntima, é de se esperar que não seja correto na vida pública. Um político é figura pública e, como tal, não pode ter "cantos escuros" de sua vida resguardados daqueles que o elegeram ou a quem pede votos. Se o político é pedófilo, bate em mulher, dá calote no banco, é um devasso contumaz, enriqueceu misteriosamente, não paga a pensão aos filhos e ex-mulher ou foi demitido dezenas de vezes dos empregos, é óbvio que isto nos ajuda a formar uma opinião sobre ele. Questões de caráter e comportamento pesam, sim, na escolha dos nossos representantes. A imprensa deveria fazer como nos outros países, e parar de proteger os candidatos e políticos de si mesmos. Nos Estados Unidos ou na Inglaterra, na França ou na Itália, no Japão ou no Canadá, as figuras públicas têm sua vida devassada, justamente para que os cidadãos saibam com quem estão lidando. É hora de pararmos de separar o homem se deus atos.

M. Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

MARACUTAIAS

É impressionante a cara de pau de nossos políticos. Até bem pouco tempo atrás, o senador Demóstenes Torres era o paladino da moralidade. A Delta, uma das maiores construtoras vencedoras de licitações. Os administradores do Estado do Rio de Janeiro em estonteante jantar nababesco à luz de velas e entorpecidos pelos vinhos franceses, posaram de forma despudorada, debochando acintosamente das populações fluminense e brasileira. Figuras expoentes da alta administração, despudoradamente, dando a interpretação de formação de quadrilha. A CPMI deve intimar todos esses desavergonhados para na frente da Nação, prestar contas desses nocivos e perdulários atos. É o que o povo, mormente, o fluminense aguarda.

Sebastião Paschoal s_paschoal@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

GÁVEA

"Terra à vista!", e Cabral descobriu o Brasil. "Olhem o PAC!", e a Delta descobrirá Cabral.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

PARIS, JE T'AIME!

Nas suas fanfarronices, até onde o dinheiro pode comprar, o protótipo do pirata inglês Tomás Cavendish, que viveu no século 16 e que assaltou a vila de Santos,esse,o nosso Cavendish, diz que de acordo com o grau de patifaria do político ele tem um preço, que pode ser 30 milhões e até 6 milhões. Essa é a chave para tocar obras, de preferência sem licitação, com aditivos posteriores para aumentar os custos.A política brasileira chegou a um estágio de falência moral que cenas como as que foram mostradas por jornais e revistas onde o séquito do governador do Rio, secretários do governo e o próprio negociador de obras esbaldam-se no que há de mais requintado na "Cidade Luz". Cabral, como todo político dessa safra é esperto e estando blindado pelo Planalto, sabe que está imune. Graças a pressão da mídia,Cavendish abandonou obras importantes do PAC e até demitiu-se da presidência da Delta. O enriquecimento rápido e ilícito é a ordem do dia desse governo de corruptos e corruptores.Pode até não ser intencional, mas que a CPI mista do Cachoeira está embaçando o julgamento do Mensalão, lá isso está.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

CONTA PRÓPRIA

A Delta Construtora divulgou em nota que o seu diretor Cláudio Abreu, envolvido nas denúncias de ligação da construtora com o Carlinhos Cachoeira, agiu por conta própria. Vem cá. Quer dizer que na Delta Construtora os diretores, subalternos agem sem o conhecimento da presidência? Fazem o que querem? Alguém acredita nesta nota? Por acaso o Sr. Fernando Cavendish tem perfil de ser o marido enganado, que é o último a saber. Com certeza pegaram este diretor para bode expiatório, é o bagrinho da história para livrar a cara dos tubarões. A Delta deve estar de gozação com a nota que distribuiu.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

POLÍTICOS NÃO APRENDEM

É incrível mas verdadeiro, "os políticos brasileiros não aprenderam nada no passado". Nunca antes neste país um senador da república foi tão serviçal de criminosos quanto o sr. Demóstenes Torres, as evidências estão a disposição de todos. Agora entendemos melhor porque os tucanos nunca fizeram oposição para valer contra os petistas quando deixaram o Poder. As estreitas ligações com os suspeitos de "malfeitos" eram fortes e viriam a tona em qualquer momento e assim, deixaram passar o esquema do mensalão. Antigamente o SNI bisbilhotava a vida de todo mundo para o governo, hoje deve ter outro nome, porém sempre tem as fichas nas mãos.

Odiléa Mignon cardosomignon@gmail.com

Rio de Janeiro

*

GOVERNANTES

A igualdade de tratamento deve ser uma questão básica por parte da imprensa. Como no caso que deu origem à chamada CPI do Cachoeira, onde uma das insinuações é de que a Empreiteira Delta, envolvida nas acusações, teve inúmeros contratos com o governo federal, principalmente em relação ao PAC. Mas surgem também informações de que o governo Serra, em São Paulo, também teve muitos contratos com essa empresa. Dai a necessidade de que se façam investigações de modo a não deixar dúvidas quanto as regras implementadas nos referidos contratos. E o tratamento e divulgação tem de ser com o mesmo destaque. Para evitar os comentários muito comuns no sentido de desvirtuar procedimentos deste ou daquele governante. A verdade tem de prevalecer sempre, não a acusação leviana.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

PARAÍSO DA CORRUPÇÃO

Como bem resumiu o articulista Marco Antônio Villa (Meu Brasil brasileiro, 30/4, A2), o Brasil é mesmo um pais estranho, onde os políticos de ontem, banidos por corrupção, voltam triunfantes hoje. Essa situação me faz imaginar em que grau de corrupção o País está hoje mergulhado para elevar a categoria de arauto da ética e da lisura um ex-presidente que foi legalmente interditado de governar por alta corrupção. E, pior, tudo sob o olhar indiferente de um povo sem memória.

Peter Cazale Pcazale@uol.com.br

São Paulo

*

'MEU BRASIL BRASILEIRO'

Gostaria de acrescentar 2 (dois) detalhes ao artigo do Prof. Marco Antonio Villa: 1) parodiando o Rasputin que teria dito aos jovens: "pecai para obter a graça do perdão": num país tão caro de se viver, onde o governo vê sua população só, exclusivamente, só como contribuinte sangrando-a cada dia mais, onde quase todas as concessionárias de serviços dão-se, também, ao direito de imitá-lo, poderíamos dizer: sonegai para obter a graça da sobrevivência; e 2) pelas "graças" que o ex e o atual governo nos tem oferecido, mais de "dez graças", pode-se concluir que não há mais razão na existência dos partidos políticos e nem mesmo para bandeiras ideológicas; se os interesses devem ser de todos os brasileiros - ricos, pobres, miseráveis, brancos, negros, amarelos, índios etc. - para que servem os partidos? para que servem as ideologias? ou todos têm de desfrutar as benesses que o país oferece ou chegaremos à distorção do sentido das palavras do Hino Nacional tornando-nos, de fato, na Pátria Amada Salve, Salve-se quem puder. E não falta muito para a esbórnia coletiva.

Régis D. C. Fusaro rxfusaro@hotmail.com

São Paulo

*

A PÁTRIA AMADA, IDOLATRADA, JÁ ERA

Deixei o Brasil em 1952, quando me casei. Morei em diversos países e nos últimos 20 anos na Europa. Quando meu marido faleceu, resolvi voltar ao meu querido país, do qual guardava imagem maravilhosa. Infelizmente, completamente irreal. Minha odisseia começou no Consulado Brasileiro e continua em Curitiba. Tenho enfrentado uma burocracia verdadeiramente incompreensível, incrível ineficiência em todos os setores, tanto públicos como privados. Uma juventude que não respeita nada e ninguém. Como disse o professor Marco Antonio Villa em seu artigo no Estadão de segunda-feira (Meu Brasil brasileiro): "É o meu Brasil brasileiro, terra de samba e pandeiro." Infelizmente, estou velha demais para sambar.

Beatrix Nogueira Behn beatrixbehn@yahoo.com

Curitiba

*

TERRA DE TRABALHADORES

Professor Marco Antonio Villa, o Brasil é terra de samba e pandeiro, mas é também terra de homens e mulheres que trabalham duro. Em troca, recebem um salário ainda mínimo, fila no SUS, sufoco no transporte público, bóia sempre fria e ameaça de desemprego. Somente três sambam e tocam : o Executivo, o Legislativo e o Judiciário. E quem acompanha é o empresariado.

Fausto Ferraz Filho faustoferrazfilho@hotmail.com

São Paulo

*

A CORONELADA AINDA MANDA

O professor historiador da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR) ou está desinformado ou está desinfomando. FHC é uma comunista "neoliberal decepcionado com a falência soviética" que foi vastamente avacalhado pela velha guarda comunista tupiniquim, entre os quais, os neguinhos do PT. A Constituição de 1988 foi um "passa-moleque" dos comunistas de gabinete, pois os de "campo" sempre foram brucutus idiotas, e fizeram uma sociedade espúria com a coronelada do poder, cuja sede de corrupção está no nordeste, e Collor presidente foi apenas um percalço de caminho. Até mostrou isso mesmo quando eleito presidente pela mera ignorância e incompetência do "Idid Admin de Garanhuns" ou o "Antonio Conselheiro Lula", e o que se vê é a mera continuidade da sacanagem comunista começada nos finais dos anos 50, e recomeçada nos anos 90. Estamos seguindo na linha comunista soviética, ainda que falte um Stalin, mas a questão é os "neguinhos comunistas" fizeram sociedade com "profissionais da corrupção", e estão tendo que ser mantidos na "linha", isto é, quem manda ainda é a coronelada. Talvez o professor não soubesse disso, e, se sabia...

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

'REFLEXÃO DOMINICAL' DE JOÃO UBALDO

Esse nosso brasileiro e baiano porreta, em sua crônica no último domingo, no Caderno 2 do Estadão, excedeu seu humor direto e sarcástico ao mesmo tempo e em grande estilo do vernáculo. Seu estilo gozador trás à reflexão a nossa comezinha sem-vergonhice galhofeira e a nossa escandalosa omissão de espírito público e de zelo pelo nosso destino. É para rir e também para chorar a comiseração e leniência do povão em geral com a desonestidade de cada um, e dos outros, políticos e civis. Parece mesmo que fomos irremediavelmente treinadas para ser cordeirinhos temperados à mesa dos malandros. É triste mesmo, caro João Ubaldo: "Eles, os malandros, não são "eles", eles são nós, porque é de nós que eles saem! Bravo!

Enoch Bruder enoch.bruder@grupogen.com.br

São Paulo

*

'CERCANDO A TEIA DA CORRUPÇÃO'

Muito interessante o artigo de Gaudêncio Torquato (Cercando a teia da corrupção, 29/4, A2), no que se refere às causas da corrupção gostaria de lembrar que a nossa Constituição (TÍTULO III, CAPÍTULO VII, SEÇÃO I, Art. 37, ITENS II E V) permite a indicação para cargos de confiança e em comissão nas organizações do Estado (federais, estaduais e municipais), o que estimula os partidos (Quadrilhas?) lotearem politicamente as organizações do Estado, tornando-as ineficazes, ineficientes e corruptas. A Constituição (TÍTULO II, CPÍTULO V, Art. 17) permite a criação de partidos praticamente sem compromissos com a democracia: Não selecionam candidatos, Não têm propostas de reformas, Não têm propostas de aperfeiçoamento democrático,etc., Mas têm conseguido o aumento de Ministérios e o loteamento das organizações do estado para que suas alianças sejam premiadas: Escancaramos as organizações do estado para incompetentes e salafrários e queremos que a Polícia combata a corrupção. Nós, da sociedade civil (sindicatos, associações de profissionais e empresariais, organizações religiosas, etc.), que pagamos as contas, o Judiciário, o Legislativo e o Executivo, como assistimos o crescimento da voracidade sem nos manifestarmos, somos cúmplices!

Darcy Andrade de Almeida dalmeida1@uol.com.br

São Paulo

*

COTAS NAS UNIVERSIDADES

Sobre a reportagem STF decide a favor das cotas raciais em universidades brasileiras, é lamentável que o Brasil não copie o modelo anglo-americano de financiamento do ensino superior, o que a China já faz desde 1998. A gratuidade indiscriminada favorece os que podem pagar, que utilizam boas escolas de base para que seus filhos estudem de graça nas universidades públicas, onde os professores ganham várias vezes mais que os do ensino fundamental e médio. Os pobres estudam em escolas de base públicas, em boa parte ruins, e trabalham para pagar o ensino superior em faculdade particular de segunda linha, limitando-os no mercado competitivo. Quem pode, que pague e contribua para que outro estude; quem não pode, que receba bolsa reembolsável e pague quando puder. Nos países que adotaram este modelo, as desigualdades sociais diminuíram muito, pelo simples fato de que os recursos para investimentos para a multiplicação das vagas é muito maior. Por que será que nós brasileiros temos essa estranha mania de não copiar dos EUA o que é bom? Tem isso que ver com aversão ideológica ou é só burrice mesmo?

Lincoln Scorsoni lincoln-scorsoni@bol.com.br

São Paulo

*

SUPREMA PERPLEXIDADE

O Brasil não é mais uma nação de um só povo. Agora somos um conjunto de povos de diferentes raças e cores, com diferentes direitos. A polêmica e paradoxalmente fundamentada decisão do STF, além de causar suprema perplexidade, pode ser um sinal de que o Tribunal foi atingido pelo Princípio de Peter, segundo o qual em toda hierarquia os membros tendem a ser promovidos até atingir seus níveis de incompetência...

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

COTAS RACIAIS

Pergunto: não seria o caso de criar-se também uma cota nas universidades para pessoas do sexo feminino? Ou não teriam sido estas, nunca, objeto de discriminação? Teriam os ministros do STF agido politicamente na decisão que decidiu pela homologação das cotas para pessoas não pertencentes à raça branca, com medo de que o respectivo voto refletisse sobre o patrono Lula da Silva?

Fabio Gabriel Giannoni u235@globo.com

São Paulo

*

A JUSTIÇA DO STF

Contrariando as constantes afirmativas de que o STF não se curva às exigências populares, o julgamento das cotas raciais mostrou que se não houver interesses de poderosos em jogo, ele pode ser sim, bem populista. Do alto de suas torres de marfim decidiram conceder um agradozinho ao povão e votaram a favor daquilo que julgaram ser de seu interesse , legalizando as abjetas cotas, contrariando a Constituição, que diz que todos devem ser considerados iguais. O fato de que a maioria negra, barrada em vestibulares de faculdades públicas é oriunda das escolas, também públicas, não lhes causa nenhuma estranheza. E com belíssimas frases de efeito, com o conteúdo de bolas de festa, apresentam-se a nós com sua verdadeira face, sua subserviência ao poder. Mantenham-se as desigualdades, acabe-se com as elites, desde que sejam as intelectuais, nivele-se o ensino por baixo. Pessoas semianalfabetas, formadas por professores despreparados, grevistas contumazes, vindas de escolas abandonadas pelo poder público, poderão agora, quem sabe, ao menos aprender ler e entender o que lêem ao ingressar na universidade. Já os brancos pobres continuarão a perpetuar a desigualdade e a frequentar escolas que não ensinam e sem nenhuma possibilidade de se aprimorar em uma faculdade pública. Quanto ao STF, será que julgará o mensalão com tanto espírito público, preocupando-se com o que pensa o povo? Será que podemos de novo contar com 10X0? E, se assim for, para que lado?

Lizete Galves Maturana lizete.galves@terra.com.br

Jundiaí

*

O CONVENIENTE CONSENSO DO STF

O editorial de O Estado (Justiça com lentes coloridas, 28/4, A3) foi ao ponto principal ao registrar que os países que solucionaram seus desafios educacionais corrigiram as distorções sociais do ensino básico e médio. Algo completamente distinto da demagogia de criação de cotas raciais negras para a Universidade. A impressão emanada da unanimidade do STF foi a de que, depois de lamentáveis motins ocorridos em alto mar, a Corte Suprema brasileira, já conduzida por um comandante poeta e admirador dos serenos e coloridos entardeceres, optou por uma tranquila navegação de cabotagem, aplaudida pelo grupo racial que a aplaudia da costa.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

DECISÃO UNÂNIME

O grande Nelson Rodrigues afirmava: "Toda unanimidade é burra". O STF vem de provar quão verdadeira é a afirmação rodrigueana.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas

*

SITE DO MEC EXALTANDO LULA

Enquanto o ministro Aloizio Mercadante - aquele do dossiê falso contra o economista José Serra - faz elogios ao ex-presidente Lula - a ser homenageado por Universidades Federais do Rio de Janeiro, leio (A20, 28/4/2012) que quase 1 milhão de crianças de 6 a 14 anos estava fora da escola em 2010 - 3,3% da população nesta faixa etária. Será que não falta vergonha às "otoridades"?

Edivelton Tadeu Mendes etm_mblm@ig.com.br

São Paulo

*

TRADUÇÃO

O ministro da Educação fez um elogio ao Lulla, eu o traduzi segundo a cartilha do ex-ministro Fernando Haddad, cria do "cara": "O MEC está onrado pelo reconhecimento ao prezidente, que foi seguramente o prezidente que maiz fazeu pela educação no paiz". Segundo o ex-ministro da Educação, "nois pega o peiche" era correto.

Carlos Roberto Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

*

EDUCAÇÃO E CRESCIMENTO

Causa preocupação saber que 32% das escolas estaduais na cidade de São Paulo enfretam falta de professores. Se os mestres fossem mais bem remunerados não aconteceria essa barbaridade. Um país somente evolui através de uma educação de boa qualidade. Basta observar as potências econômicas.

Paulo Dias Neme profpauloneme@terra.com.br

São Paulo

*

SOCIALISMO DE RESULTADOS

Diante do grito das urnas francesas, a Europa da dupla Merkosy se apressou em relativizar a austeridade em favor do crescimento. A orquestração de importantes autoridades nesse sentido, na ultima semana de abril, chegou a suscitar a esperança de que finalmente uma brisa estava começando a soprar em direção a políticas inovadoras de solução da crise. Qual nada! Já na véspera do 1.º de maio, tudo de concreto que esses "jurássicos" anunciaram, na intenção de engambelar o populacho, são mais 200 bilhões de euros para financiar investimentos, no mesmo padrão keynesiano dos anos trinta. O que se recusam mesmo a reconhecer é que essa crise se caracteriza como uma crise da repartição (crescimento exponencial da produtividade e dos lucros e relativa estagnação do salário ao longo de décadas), que só pode ser resolvida pela reordenação do crescimento dentro de uma nova equação em que se aumente a participação do salário na renda nacional. Enquanto a demanda estiver reprimida pelas dívidas acumuladas e pelos salários abaixo do necessário para o equilíbrio lucro-investimento, a crise não se resolve. Por incrível que pareça, s salvação do capitalismo passa agora a ter maior chance com a vitória dos "socialistas", que embora também não saibam muito bem o que fazer, carregam cacoetes ideológicos mais adequados para o momento.

Rogério Antonio Lagoeiro de Magalhães lagorog@uol.com.br

Teresópolis (RJ)

*

NOVA ESPANHA

A economia espanhola implodiu em 2009, com o colapso da sua bolha imobiliária - montada de forma idêntica ao que está sendo engendrado em São Paulo por Gilberto Kassab e José Police Neto com o planejamento estratégico SP2040, a concessão urbanística Nova Luz, e operações urbanas desenfreadas. Agora, é a crise da dívida que agrava a situação do desemprego de ¼ da população e atinge ao sistema bancário espanhol (B9, 28/4) que é o que acontecerá no Brasil caso a especulação imobiliária continuar levando a melhor como acontece até então em São Paulo - e com riscos de se disseminar no Brasil. O quadro espanhol foi claramente delineado na revista Veja de 3/8/2011 (Que crise é essa?) e, desde então, as mesmas políticas se aprofundaram na capital paulista: portanto, qualquer semelhança na evolução não seria mera coincidência em termos de história econômica que deve ser levada em conta. O capital especulativo viria para a especulação imobiliária, que recebe a vista, lucrar, com os nefastos projetos imobiliários de nosso prefeito e câmara de vereadores; tal capital imobiliário é atraído com as participações milionárias dessa prefeitura em feiras imobiliárias europeias, pagas pelo contribuinte, e com a falta de outros países dispostos a acolhê-lo. Se estourar a bolha imobiliária por aqui, quem ficaria com o prejuízo são os bancos que financiam o mercado imobiliário a longo prazo, alem da indústria de insumos, e dos futuros trabalhadores desempregados e compradores inadimplentes. As eleições municipais de 2012 são um alento para impedir essa previsão sombria - desde que os aliados de Kassab e de Police Neto sejam definitivamente alijados da cidade; se isso não acontecer, poderemos nos transformar em uma Nova Espanha.

Suely Mandelbaum, urbanista suely.m@terra.com.br

São Paulo

*

PODER PÚBLICO

Atento ao noticiário a respeito da construção/reforma do estádio do Palmeiras, e não posso deixar de manifestar minha incredulidade para com a Prefeitura de São Paulo, representada na pessoa do sr. Gilberto Kassab. Em recente visita às obras, reconheceu, também como engenheiro civil que é, a necessidade de se alterar o alvará concedido, para possibilitar a demolição, também, da curva de arquibancadas. Essa alteração eliminaria a construção, pasmem, de uma nova sobre a existente, uma vez que foi constatado o comprometimento da sua estrutura. Pois bem, hoje leio que passado o tempo considerado hábil para a concessão dessa alteração, a construtora houve por bem iniciar a construção a fim de garantir a segurança da Nova Arena. E aí cabe a pergunta deste cidadão, usuário e torcedor palmeirense, o do por que da ausência de comprometimento e bom senso do poder municipal?

Adilson Mencarini adilsonmencarini@uol.com.br

Guarulhos

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.