Fórum dos Leitores

POLÍTICA ECONÔMICA

O Estado de S.Paulo

27 Maio 2012 | 03h07

Felicidade de pobre

Cortar impostos e ampliar o crédito são medidas bem-vindas, mas não vão resolver a precária situação. Só servem para iludir a cadeia produtiva menos esclarecida e o consumidor, que após a sexta prestação não consegue cumprir os compromissos assumidos. E logo atrás vem o fornecedor, levando tudo sem devolver o que já foi pago, ou protesta o coitado na Serasa. A inadimplência cresce mais e mais! Fator determinante: o alto custo Brasil, que o governo teima em ignorar. Reforma tributária e fiscal é mais que necessária, com atenção especial ao consumidor e ao produtor, que, esses, sim, geram empregos e riqueza, aumentam a arrecadação pública, sofrendo com todo tipo de imposto. Temos uma política propagandística de indução psicológica em que o povo não acredita mais (só não entendo por que não se revolta!). É a mais pura "felicidade de pobre": todos ficam felizes no primeiro momento e depois... O mundo já sabe o que acontece.

JAIME E. SANCHES

sanches.quel@gmail.com

São Paulo

Sinal de alerta

Inadimplência, vaias, greves, a ficha do povo começou a cair!

JOSÉ MARQUES

seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

R$ 10 bilhões para o BNDES

Muito fácil fazer demagogia com o dinheiro do povo e usar banco público para fazer marola, pois o caixa está sempre disponível!

GILBERTO PRADO

boas@terra.com.br

São Paulo

Incompetência geral

Tenho alguns anos de janela nesta vida e já vi diversos planos de governo para dominar a inflação gritante e ações governamentais para estimular a economia. Mas as ações do ministro Mantega são, no mínimo, hilárias. Baixar o imposto sobre veículos populares para aumentar o consumo e esvaziar os pátios das fábricas (inadimplência dos financiamentos por volta de R$ 10 bilhões, conforme as notícias veiculadas)?! Sempre a mesma conversa, com resultados pífios. Parece-me que o governo está perdido há muito tempo. Aproveitou ao máximo a herança de Fernando Henrique Cardoso e a maré alta de desenvolvimento mundial. E agora que a "marolinha" está crescendo, roda que nem barata tonta. Não adianta a gerentona tentar acalmar os mercados com conversas que não fazem mais efeito nem acusar setores como se fossem responsáveis apocalípticos pelo que está em andamento. Eles são incompetentes para elaborar um plano de longo prazo - aliás, para administrar o que quer que seja. Também, eu quero o quê, de um governo aparelhado por sindicalistas, na maioria semianalfabetos, com ideologia do início do século passado? Bem feito para nós que votamos nesse povo. Neste ano vamos pegar nas armas do voto para mudar os rumos deste país. Basta disso tudo que está aí!

LUIZ FRANCISCO A. SALGADO

lfa.salgado@gmail.com

São Paulo

Poder paralelo

República sindicalista, o sonho do Lula: um verdadeiro poder autônomo, paralelo ao Estado brasileiro. Os sindicatos não precisam prestar contas, não pagam impostos, mas cobram! Gastam como querem, cometem estelionato ao enviarem milhões de boletos bancários desordenadamente para quem tiver CNPJ/MF e usam milhões de reais para tentar desestabilizar a confiança dos eleitores de governos legítimos que contrariem seus propósitos políticos.

ROSALVO LOPES DA SILVA

rosalvo.lopes@terra.com.br

São Paulo

CORRUPÇÃO

Collor na CPI do Cachoeira

A classe política do Brasil realmente é uma loucura. Imaginem o senador Fernando Collor afirmando que o procurador-geral da República prevaricou... Partindo do Collor é, no mínimo, hilário. Mesmo que possa ser verdade, mas não é, Collor ainda acredita ter credibilidade.

JOSE ROBERTO MARFORIO

bobmarforio@gmail.com

São Paulo

Muito hilário

Collor é muito hilário em suas declarações, tentando se manter na mídia. Agora acusa o dr. Roberto Gurgel de atuação criminosa, prevaricando no caso Cachoeira... Se conselho valesse, seria ótimo que o nobre senador se preocupasse mais com Alagoas, Estado que o elegeu. Assim talvez pudesse ser útil, pois até hoje só causou dor de cabeça a todos nós, brasileiros.

JOSÉ PIACSEK NETO

bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

Governadores

Não entendo por que os governadores temem tanto essa CPI. Basta ir lá, não responder a nenhuma pergunta, chamar o povo todo de palhaço, e ser "absolvido" nas próximas eleições.

RICARDO MARIN

s1estudio@ig.com.br

Osasco

Garcez x Perillo

Não estou querendo defender ninguém só constatando um fato. Curioso o que ocorre na CPI. O ex-vereador Garcez cala-se diante das perguntas dos parlamentares, mas no momento de complicar o governador Marconi Perillo entrega sua versão de mão beijada... Muito interessante.

HELEO POHLMANN BRAGA

heleo.braga@hotmail.com

Ribeirão Preto

Silêncio

Essa CPI é mesmo muito peculiar. Todo mundo reclamando e xingando o Cachoeira por não falar nada e todo mundo torcendo para que ele não falasse nada.

CARLOS AUGUSTO PEREIRA LIMA

guto@fazendamutuca.com.br

Mococa

Com o silêncio de Carlos Cachoeira, os parlamentares ficaram irritados ou... aliviados?

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

Se o Cachoeira abrisse a boca, grande parte dos integrantes da CPI iria ficar em maus lençóis.

RONALD MARTINS DA CUNHA

ronald.cunha@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

Instruído, Cachoeira protagoniza o silêncio dos inocentes úteis.

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI

fransidoti@gmail.com

São Paulo

 

ACERVO ‘ESTADÃO’

Cumprimentamos O Estado de S. Paulo pelo lançamento do Estadão Acervo e pela bela iniciativa de digitalizar e pôr a disposição os 137 anos de circulação do jornal na internet. À frente da Associação A Mão Branca de Amparo aos Idosos, uma instituição que acaba de completar 100 anos, sabemos o que representa poder compartilhar uma história de séculos servindo a comunidade. Infelizmente, a Mão Branca não foi notícia no Estadão em 1912, mas a missa que comemorou nosso centenário foi motivo de nota publicada por vocês no dia 25 de março de 2012. Desejamos poder estar nas páginas do jornal, novamente, daqui a mais 100 anos, quando certamente estaremos dando continuidade à nossa obra em prol da saúde, do bem-estar e da dignidade dos idosos.

Elizabeth Zogbi, presidente amaobranca@amaobranca.org.br

São Paulo

*

‘A PROVÍNCIA DE SÃO PAULO’

A capa promocional de A Província de São Paulo, de 4 de janeiro de 1875, que cobriu a edição de 23/5 do Estadão, traz uma bela crônica francesa. Um lugarejo tosco, abandonado, sem "encantos e mistérios", levava o nome de Neuvy-dos-Bosques. Julio Sandeu, seu autor, observa que "Neuvy" ainda passava, mas "dos Bosques" contrastava em demasia com aquela paragem de fim de mundo. Uma jovem de preto, que havia perdido toda a família e estava de passagem pelo desolado lugarejo, foi objeto da curiosidade geral e o acontecimento do dia. O cronista diz não conhecer nada mais pérfido e falacioso que nomes pomposos dados ao que não os justificam: lugares e pessoas dificilmente são o que prometem. Angélicas são demônios. Algo a ver com nossos edifícios de menos de 50 metros quadrados de área útil com imaginativos nomes estrangeiros? Por que os jornais não reservam mais espaços para crônicas diárias?

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

ANÚNCIO DE 1930

A edição de 24 de maio de 2012 do suplemento Estadão Acervo, na página 6, nos relata uma história que, se não tivesse um personagem vivo, passaria por um conto de fadas. O jornalista Ethevaldo Siqueira, colunista do Estadão, nos comoveu com sua história familiar iniciada pela publicação de um anúncio em 1930. Acreditamos, sim, Ethevaldo, pois muitas coisas nos acontecem sem que tenhamos a mínima noção de sua origem, diferentemente de seu caso, que você conseguiu determiná-la.

Henrique Massarelli hermassa@uol.com.br

São Paulo

*

POR QUE LEIO O ‘ESTADÃO’

Todos opinam, também eu vou opinar! Sou velho assinante do Estadão, tenho 87 anos e sou engenheiro civil formado pela Escola Politécnica da USP, Turma de 1948, há 64 anos. Eu leio o Estadão porque é a melhor enciclopédia brasileira para estudar a história de nosso país desde 1875. E, ainda, um dos seus mais famosos colaboradores também era engenheiro civil, Euclydes da Cunha, autor das reportagens Os Sertões e construtor da ponte sobre o Rio Pardo, em São José do Rio Pardo, Estado de São Paulo. Longa vida ao Estadão!

Braz Juliano bjuliano@uol.com.br

São Paulo

*

DIREITO AUTORAL E O ‘ESTADÃO’

Grandioso passo dado pelo Estadão, possibilitando, via internet, a memória nacional em forma de fatos importantes e inesquecíveis, inclusive os pertinentes à época da censura. Todos os brasileiros irão copiar e reproduzir partes dos trabalhos muito bem postos, porque se trata de se abastecer em conhecimentos, notícias e fatos notáveis. Trata-se de conhecimento próprio do leitor ou pesquisador, da mesma forma como se faz quando se extraem cópias reprográficas de livros ou de CDs, sem que tal proceder possa ser tipificado como delito. O novo Código Penal bem faz em eliminar o delito, quando se extraem cópias de livros ou de CDs, para utilização própria e pessoal, eliminando-se do diploma legal o tipo penal atualmente existente no Código Penal em vigor, como violação de direito autoral. Na verdade, o desenvolvimento da cultura só ganhará com o avanço jurídico, da mesma forma os autores que verão, sem intuito comercial, as suas obras serem lidas e analisadas.

José Carlo de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

A AGONIA DA SECA

Francamente, o PT está negando água para os flagelados da seca do nordeste. Caso contrário, Lula e Dilma já teriam construído o 1 milhão de cisternas prometido em 2003, que infelizmente, como muitas outras promessas, foram abandonadas. E o que mais revolta é que agora o governo pomposamente diz que está contratando 2,6 mil caminhões-pipas para tentar minimizar a sede destes pobres brasileiros. É uma zombaria contra esse povo! Ainda enchem a boca e afirmam que vão oferecer R$ 1 bilhão em crédito subsidiado para os pequenos agricultores que perderam suas plantações e amargam R$ 12 bilhões em prejuízos, número apresentado pelo próprio ministro da Dilma Fernando Bezerra. Se tivessem construído o 1 milhão de cisternas, conforme promessa, o que seria até uma verdadeira e melhor reforma agrária, esse povo não estaria sendo humilhado, sem condições de ter água potável para necessidades básicas e ainda produzir o mínimo para seu sustento. Mas não, estes lotados no Planalto, que só se aproximam do povão para pedir votos, preferiram tocar uma obra faraônica e de duvidosa eficiência como a transposição do Rio São Francisco, que até aqui esta orçado, com todos os superfaturamentos possíveis, em R$ 8,2 bilhões, ou seja, oito vezes mais que o custo para a construção das citadas cisternas! E pasmem: boa parte desta obra do Velho Chico está completamente abandonada. Dizer o que desta gente que está no poder?!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

COMO A AÇÃO HUMANA SECOU O MAR ARAL...

Espero que os meus descendentes nunca ouçam falar de um Rio São Francisco, que já foi o 21.º entre os principais rios do mundo, com apenas parte do seu volume original, por causa da transposição das suas águas para outras bacias hidrográficas do Nordeste, com o objetivo precípuo de irrigar projetos de agricultura de sobrevivência.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

SECA, VERGONHA NACIONAL

Com tantos pacotes de bondes da presidenta Dilma e do ministro Mantega, aquele que adora escorregar, já passou da hora de se abrirem poços em todos os lugares e até – por que não? – tirar água do mar usando salinômetros que existem há décadas e podem tirar o sal da água e ela ser usada em agricultura e bebida aos animais. Isso não é caro e poderia dar incentivos fiscais às grandes empresas no Nordeste. Mas isso não interessa, não dá Ibope e o povão que se exploda! Levam um caminhão de vez em quando, até os animais morrerem e os moradores, idem. Qual será o fim disso? Há quanto tempo existe essa vergonha nacional que nenhum presidente se interessa em resolver, mas, sim, se interessam por obras caríssimas do PAC que não saem do papel. É ridículo e nada patriota.

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

TORTURA

O povo Nordestino está sofrendo com a seca justamente na área em que seria feita a transposição do Rio São Francisco e todos sabemos que as obras se encontram paradas e que foi consumida uma cachoeira de recursos públicos. Perguntar não ofende: será que essa empresa Delta não era responsável pelas obras? O que dizem o pai e a mãe do PAC? Não sabiam de nada? Este chavão está muito manjado e é uma frase muito criativa do nosso doutor honoris para se eximir de qualquer culpa. "Não sei de nada" já não cola mais, principalmente neste caso, pois a Delta foi criada justamente para fazer a festa com os recursos do PAC, e enquanto isso nosso povo continua sendo torturado, pois a tortura continua num grau maior do que durante o governo militar, ou será que o sofrimento destes sertanejos não é tortura? E os hospitais com corredores abarrotados de pessoas doentes mal cuidadas pelo SUS, e morrendo todos os dias cada vez mais, isso não é tortura? E os aposentados sendo lesados, também não são? Ora, dona presidenta, seu choro não impressiona ninguém bem informado e o dia de chorar é dia 2 de Novembro.

Jose Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

A ECONOMIA BRASILEIRA

A presidenta Dilma foi enfática: "Posso assegurar para vocês que estamos 100% preparados, 200% preparados, 300% preparados". No mesmo dia o ministro da Fazenda, Guido Mantega, após se enrolar com os porcentuais de redução do Imposto sobre produtos Industrializados (IPI) – confundiu porcentual com pontos porcentuais? –, anunciou medidas para estimular o consumo das classes C e D, zerando IPI de carros populares e o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de empréstimos para pessoas físicas. A dúvida é; se o governo está "até 300 % preparado para enfrentar crises", quanto por cento estaria o governo disposto a aceitar de inflação e inadimplência?

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

BENEFÍCIO PARA QUEM PAGA

O governo federal reduziu o IPI para os veículos, agora falta os governos estaduais reduzirem o ICMS e extinguirem definitivamente o injustificável IPVA! Um imposto que não se justifica, pois não retorna em nenhum beneficio para quem os paga.

Arcangelo Sforcin arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

*

RECONHECER JÁ É ALGUMA COISA

Em seu artigo de 22 de maio, Celso Ming disse que o governo começa a reconhecer que o fator determinante por trás da paralisia da produção industrial... é o custo Brasil. Já é alguma coisa. O Brasil está melhorando. Antes, as coisas demoravam 50 anos para dar certo (Petrobrás), depois, 40 (ITA. CTA, Embraer) depois 20 (Embrapa, Etanol). Quem sabe, portanto, daqui a apenas 10 anos tenhamos efetivas reduções de juros e impostos!

Marcelo da Rocha Azevedo xelcon@xelcon.com.br

São Paulo

*

CONSELHO DO MÊS: POUPANÇA

Um valioso conselho econômico é todo mês, independentemente do valor do salário auferido, poupe um pouquinho, digamos 10%. Escolha um banco e deposite. A princípio gera tranqüilidade, afinal ninguém sabe o dia de amanhã, mas também a possibilidade de realizar sonhos (por exemplo: a compra à vista de uma geladeira, viagem nas férias... Lembre-se do amanhã, são ridículas as aposentadorias não vinculadas aos Três Poderes). Poupar é benéfico ao poupador e útil ao país. Infelizmente no Brasil o governo incentiva o gasto, abomina poupança, daí a carência de poupança externa, a eterna dificuldade para fechar as contas públicas, a volumosa dívida interna e a permanente rolagem.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

O BRASIL PERDE A DIGNIDADE

O editorial publicado na página A3 de 21/5/2012 resume de forma brilhante nossa vergonhosa subserviência diante das autoridades argentinas no trato do comércio entre os dois países. O governo brasileiro, com sua miopia e mansidão, insiste em uma política perniciosa ao Brasil que aceita bovinamente todas as barreiras impostas pelo governo argentino aos produtos brasileiros. O sr. Guilhermo Moreno, que aqui esteve, encontrou portas abertas na Fiesp e foi recebido em Brasília com toda doçura pelo Itamaraty. Esse senhor, odiado na própria Argentina, é o encarregado de executar os serviços sujos orientados pela presidente Cristina Kirchner não deveria sequer ser recebido pelo primeiro escalão do nosso governo. Há muito tempo assistimos estupefatos a leniência com que o Brasil tolera os abusos da Argentina que, além de rasgar acordos com incrível frequência aumentando deliberada-

mente sua perseguição aos produtos fabricados no Brasil, consegue arrancar novas vantagens do governo brasileiro. A vassalagem do nosso governo incluindo alguns empresários, foi a causa principal por acostumar a Argentina a desrespeitar o Brasil seguidamente. De que adianta sermos a sexta economia no mundo se nossa participação no mercado global é de apenas 1,5% sabendo que a maioria é commodities sujeitas a grandes oscilações? Qual é a razão de insistirmos tanto neste Mercosul que nunca deu certo e só nos atrapalha na hora de fechar acordos com novos mercados? Sim, atrapalha porque o Brasil preso ao Mercosul, não cresce e, além de tudo, têm que carregar nas costas os três inexpressivos sócios sendo que a Argentina que, além de nos criar grandes problemas, prejudica o Brasil em novas negociações por ser um pais não confiável acostumado a rasgar acordos e com fama de caloteiro. Por fim, espero que a presidente Dilma Rousseff entenda que está muito mal assessorada com gente incompetente conduzindo o Itamaraty e o ministério de comércio exterior e, com isso, compromete seriamente o crescimento do nosso pais. Perceba também que a população brasileira está envelhecendo antes do Brasil se tornar um pai rico capaz de suportar o enorme custo social e, portanto, não podemos perder tempo com benesses a outros povos e sim olhar para o futuro e agir com responsabilidades.

Wilson Sanches Gomes sancheswil@hotmail.com

Curitiba

*

MAROLA

Na época do cara, "a marolinha", a vaca estava no brejo. Agora, no governo da marionete, a vaca está enterrando o chifre. Vem aí o tsunami.

Carlos Roberto Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

*

NOTA ZERO

Já não gostei do ato de o Executivo municipal doar um imóvel para o museu de Lula, o que os vereadores aprovaram. Agora vem essa palhaçada de dar ao ex-presidente o título de Cidadão Paulistano. Afinal, o que essa figura fez por nossa capital? Absolutamente nada. Pelo contrário, só atravancou, com as greves que promoveu como sindicalista, o andamento de nossa cidade. Que ele seja cidadão de São Bernardo do Campo até poderíamos engolir. Mas cidadão paulistano é demais. Nota zero para esses vereadores paulistanos, que deveriam trabalhar em coisas que a cidade necessita, e não ficar dando títulos e mudando nomes de rua.

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

CIDADÃO RESSENTIDO

O tempo passa e, pelo visto, o ex-presidente Lula continua atado às suas obsessões de "elites e mensalão". Como ele já declarou que não gosta de ler nada, ele deveria pedir para algum amigo ler em voz alta o editorial do Estadão Prisioneiro do ressentimento (23/5) para que ele pudesse refletir os "disparates" que ele insiste em repetir – vítima de preconceito das elites, mensalão – como em seu discurso na Câmara Municipal de São Paulo, quando recebeu o título de Cidadão Paulistano. Com todo respeito ao ex-presidente, nunca é tarde para evoluir e abandonar de vez o orgulho da própria ignorância.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

ESPERTEZA E SABEDORIA

Lula não aprendeu porque optou pela esperteza em detrimento da sabedoria.

Wagner de Brito Pio financeiro@relojoariacentral.com.br

Varginha (MG)

*

RESSENTIMENTO DE QUÊ?

O editorial do Estadão ressalta o discurso de Lula na Câmara Municipal de São Paulo (para receber um título de cidadão paulistano) eivado de ressentimento contra "parte da elite" paulistana que não vota em Marta Suplicy, apesar de ela ter criado os CEUs, porque, segundo ele, não quer que os outros sejam "pelo menos iguais" aos privilegiados da classe A... Discurso envenenado de ressentimento contra uma terra que só lhe proporcionou oportunidades de chegar aonde chegou... Afinal, ressentimento de que ou de quem tem o ex-presidente que a vida sortuda que teve não conseguiu abolir? Lula aproveitou o ensejo para mais uma vez negar o mensalão qualificando-o como um golpe contra si que acabou gorando. O editorial explica que se conspiração houve foi por iniciativa de alguns oposicionistas no sentido de salvar seu governo que bem merecia ser deposto. Agora, à parte do editorial, eu, como paulistana que nunca vi o ex-presidente fazer por São Paulo nenhum elogio e nem mesmo um benefício (e portanto não concordo com a entrega do título do cidadão paulistano) acrescento que creio nas palavras de Lula quando ele afirma que houve um golpe, creio, sim, mas do governo do PT contra a democracia. Afinal, através do mensalão o PT assegurou a permanência dos petistas no Palácio do Planalto indefinidamente, porque através das "mesadas" pagas aos parlamentares conseguiu a sonhada maioria no Congresso. O golpe existiu, sim, senhor Lula da Silva, e o golpista foi seu governo.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

DESELEGANTE

Só mesmo um cidadão de "segunda classe" para vomitar ressentimento de pau de arara ao receber o imerecido título de Cidadão Paulistano, conferido pelos vereadores, elite da cidade! Mais uma vez, perdeu a chance de ficar calado, e agradecido. Que deselegante!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

‘PRISIONEIRO DO RESSENTIMENTO’

Cumprimentando pelo feliz editorial de 23 de maio (Prisioneiro do ressentimento), gostaria de perguntar ao novo Cidadão Paulistano, sua Excelência "o cara" de pau: a que elite o ex-presidente Luiz Inácio se refere? A elite que sempre acordou cedo para trabalhar e estudar ou a que nunca trabalhou, estudou e seu deu bem na vida? A elite que se esforçou para ter conhecimento, se formar, ler para entender a história e ganhar o pão que cada dia ou a que ficou nos bares da vida para subir nela e ganhar muitos pães? A elite que quando fica doente vai ficar na fila de um hospital particular ou do SUS (o melhor do mundo) ou a elite que vai para o melhor hospital de São Paulo e é atendido de pronto pelo melhor e mais caro medido do Brasil? A elite que pega seu carro e metrô para ir trabalhar ou a elite que tem carros, motoristas e seguranças? A elite que, depois de 35 anos acordando cedo, trabalhando, recolhendo para o INSS, se aposenta e depois que alguns anos vê sua aposentadoria diminuindo ano a ano ou quem recolheu menos bem menos e hoje desfruta de diversas aposentadorias, sendo uma delas só porque ficou descansando na prisão um ou dois dias? A elite que sai de férias quando muito uma vez por ano, pega taxi ou vai de condução para os aeroportos cheios, enfrenta filas enormes, para caro um vôo ou a elite que esta sempre de férias, vai para os aeroportos de helicóptero, fica na sala VIP e viaja com muito conforto, isso, quando não vai de jatinho particular? Enfim, a elite empreendedora, empresarial, trabalhadora que sempre esta e estará de braços abertos para acolher todos os que aqui querem viver para compartilhar com os nossos ideais de que todos somos irmãos ou para quem aqui veio se tornou elite e que só sabe transmitir rancor?

Eduardo Santalucia santaluc@uol.com.br

São Paulo

*

ELITES

Lula sofre de obsessão do "elitismo", fato que não é bem definido. O que é elite para ele? São os que não o apoiam, que não se curvam à vossa majestade? São os que estudaram? São os que trabalham e produzem de verdade? Quer elite pior do que a dos Sarney, dos Calheiros e agora até do Collor? Então que ele seja mais claro e menos demagógico nos seus discursos, pois pelo que consta ele e seus descendentes vivem num elitismo a que poucos têm acesso, a começar pelo atendimento no Hospital Sírio-Libanês.

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

MAIS VELHOS E SOFRIDOS

Nunca consigo escrever, mas admiro ao extremo o Estado e amei o editorial sobre o Lula (Prisioneiro do ressentimento). Se todas as pessoas de bem se unissem neste Brasil, esse analfabeto confesso não teria tido a mínima chance. É que a "elite" está sempre muito ocupada... Nós, a tal da elite, somos culpados pela nossa omissão! Merecemos! Então, nem nós nem ele estamos mais sábios, mas, com certeza, mais velhos e mais sofridos... Por favor, continuem sábios vocês!

Isabel Franco ifranco@klalaw.com.br

São Paulo

*

BONS TEMPOS

"Doutor Honoris Causa" e "Cidadão Paulistano". Bons tempos aqueles em que os títulos definiam as pessoas...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

ENGANAÇÃO

Pois é, meus amigos, o sr. Lula da Silva acaba de ganhar mais um titulo, desta vez da Câmara Municipal de São Paulo – aquela mesma entidade que aprovou projeto do prefeito Kassab do PSD, dando ao referido sr. Lula um valioso terreno em local de grande valor e valorização na nossa cidade para ali construir um tal de Museu Democrático, que na verdade nada mais será do que um museu em homenagem ao mortal sr. Lula da Silva, com disfarce de local democrático e que sem sombra de dúvidas será esse prédio – se construído – decorado e ornamentado pelo sr. Lula e "habitado" por tantos quantos forem seus cumpanheiros de PT. Em face desse disparate à custa de nosso suado dinheiro, que nos é sacado diretamente no bolso, diariamente, enviei reclamação aos dignos senhores promotores públicos que cuidam e protegem, até nas sombras da noite, o bem público, para que suas Excelências tomem as de vidas medidas judiciais cabíveis para não se consumar esse assalto ao patrimônio do povo, sem a menor justificativa. Quem desejar homenagear o tal cidadão Lula, que o faça à sua custa, e não com o suor do nosso sofrido e espoliado povo. Mas neste momento, era a que queria me reportar, me vejo na Roma Antiga, no Senado Romano, ouvindo o grande Cícero em sua Oração I , em contundente reclamo! A clamar a seus pares sobre as astúcias e artimanhas de Catilina, que sempre em seus discursos e possibilidades de manifestação procurava enganar o povo e a todos os ouvintes. As palavras de Lula da Silva na Câmara Municipal de São Paulo, acusando as elites e a burguesia, além de demonstrarem imenso ranço de raiva, ódio, complexo de inferioridade intima e recalque, me fez lembrar as palavras de Cícero, dentre outras: "...que lascívia de olhos, que atrocidade de mãos..." Assim o grande tribuno Cicero se referiu àquele L. S. (Lucius ergius) Catilina que no tudo, em especial aos gestos pessoais, se assemelhou ao nosso L.S. (Lula da Silva). Muito interessante a semelhança de ambos L.S. et L.S. Lucius Sergius e L.S. Lula da Silva. Por favor, confiram, leiam Cicero, a história e a internet estão à disposição.

Ubiratan de Oliveira uboss20@yahoo.com.br

São Paulo

*

NÃO CONFUNDA

Diante da diatribe do novel Cidadão Paulistano, os verdadeiros cidadãos deveriam nomeá-lo doutor horroris causa (espero que Ele não confunda novel com Nobel).

Ilmar Mello de Carvalho ilmarcarvalho@gmail.com

São Paulo

*

FILHO INGRATO

Ao atacar mais uma vez paulistas, paulistanos e a da cidade que o acolheu, o mais novo cidadão paulistano Lula não parece ser um filho genuíno dessa terra hospitaleira que a todos recebe de braços abertos.

Peter Cazale Pcazale@uol.com.Br

São Paulo

*

QUE VERGONHA!

Lula Cidadão Paulistano. Esse é um dos principais motivos pelo fato do município de São Paulo não estar com o seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e sua administração pública em um nível muito melhor do que se apresenta. O Executivo e o Legislativo de São Paulo gostam de se apresentar mentirosamente ante os eleitores paulistanos no único intuito de fazer uma política rasteira e enganadora de grande parte de eleitores mal informados ou de muitos que não tem tempo para acompanhar as tristes mazelas politiqueiras colocadas em práticas pelo prefeito e pela maioria dos vereadores inescrupulosos. O prefeito e os vereadores que lhe concederam esse título de Cidadão Paulistano poderiam explicar publicamente qual foi o ato exuberante feito ao município pelo então presidente, Luiz Inácio Lula da Silva? Um cidadão que nem se quer pertence ao município e sempre abriu celeuma de malquerência de São Paulo contra os nordestinos e outras regiões? Vendo tais atitudes dos políticos municipais, sinto vergonha da representação que eles estão expondo os paulistanos, eu não considero Lula um cidadão paulistano.

Benone Augusto de Paiva benone2006@bol.com.br

São Paulo

*

O BANQUETE DO PT

Segunda notícia no Estadão de 19/5 (sábado), aconteceu encontro em restaurante português na capital paulista, reunião de grupo do PT, entre eles a presidente Dilma, o seu conselheiro Lula e esposa, Gilbeto Carvalho, Fenando Haddad e outros da trupe petista, saborearam pratos especiarias da cozinha portuguesa ao valor de até R$ 338, e o interessante que tudo foi pago pelo Instituto Lula. Gostaria de saber, eu, como autônomo, sou artista plástico e estou buscando patrocínio para uma exposição, se o Instituto Lula patrocinaria um coquetel/convite, ou se paga somente contas de banquetes de companheiros?

Di Magalhães dimagalhaes_pr@hotmail.com

Curitiba

*

QUEM PAGA O ALMOÇO?

O prefeito Gilberto Kassab doa um enorme terreno para o Instituto Lula e depois Lula paga a conta de restaurante para Dilma, candidatos, petistas e mensaleiros. Provavelmente, o dinheiro que banca as mordomias de Lula vem da EBX, da JBS Friboi, do BTG Pactual, da Delta, da OI, do BMG, etc. Todas essas empresas estavam no mínino no vermelho, quando Lula subiu ao poder, mas hoje, com a ajuda do BNDES/Lula, são empresas cujos donos estão bilionários.

José Francisco Peres França josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

*

INSTITUTO LULA

Já começou gastando por conta do contribuinte, comeu bacalhoada – devia ser pizza. O instituto não está funcionado ainda e já gastam dinheiro para encontros políticos.

Irma Takeda irmatakeda@hotmail.com

São Paulo

*

AVALIAÇÕES ESDRÚXULAS

O terreno cedido ao Instituto Lula está avaliado em mais de R$ 4.500,00/m² (A13, 19/4 e 18/5); tal terreno está localizado em área com menor valorização comercial quando comparada a diversas outras áreas do bairro Santa Ifigênia onde se desenvolve pujante comércio; ainda mais, tal terreno foi desapropriado e a seguir abandonado pela prefeitura tornando-se local de estacionamento e de depósito de lixo clandestinos o que redunda em contaminação do terreno altamente depreciativa de seu valor. Nessas condições, por que o Consórcio Nova Luz em seu Estudo de Viabilidade Econômica avalia quase todos os terrenos do bairro por abaixo de R$ 2.000,00/m²? Por que o terreno de Lula vale muito mais que os terrenos da população que querem desapropriar? Considerando essas avaliações discrepantes, está assim comprovado que a concessão urbanística da Nova Luz é um plano de confisco de terrenos em proveito da especulação imobiliária – legalizado pelo Legislativo e Executivo paulistanos?

Suely Mandelbaum, urbanista suely.m@terra.com.br

São Paulo

*

O QUE É RELEVANTE

""Parabéns" aos 37 nobres vereadores da Câmara Municipal de São Paulo que foram responsáveis pela aprovação à concessão de área com 4.300m² avaliada em R$ 20 milhões para instalação do Instituto Lula, que representará um ônus ao Município durante "apenas" os próximos 99 anos, faltando somente a sanção do Excelentíssimo Sr. prefeito Kassab, autor da ideia, no início deste ano por simples interesse político... na verdade, a imagem que nos fica é que o município não tem problemas e/ou necessidades mais relevantes com o que se preocupar e que precisam ser votadas com urgência... as eleições municipais estão chegando...!

Gentil Henriques Duarte Filho gentilduarte@uol.com.br

São Paulo

*

CPMI DO CACHOEIRA

À medida que avança a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira, mais claro fica que o tiro no próprio pé foi disparado mesmo é pelo PT. No início, insuflados pelo ex-presidente Lula, para tentar "liquidar" o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB/GO), nota-se agora que, se outros fatos começarem a vir à tona, tal como as contas da Delta Construtora, certamente muitos e muitos petistas estiveram juntos nesta jornada a ser desvendada, ou melhor, escancarada. Como é quase impossível voltar atrás, o negócio será a utilização de uma palavra muito em voga nos dias de hoje, que é a tal da "blindagem". Não será impossível vermos oponentes de hoje na CPMI estarem amanhã andando de braços dados, como se nada houvesse acontecido antes. Não será uma grande surpresa e quem viver verá.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

NÃO TEM JEITO

É bastante impressionante o valor das "doações" recebidas pelo PT em 2011. Para ter ideia da magnitude da coisa, o PT recebeu R$ 51 milhões, 20 vezes o valor doado ao PSDB, por exemplo. Os maiores doadores são empresas prestadoras de serviços ao governo, ou empresas como a JBS, que tem seu enorme e meteórico crescimento umbilicalmente ligado aos governos do PT, e que é futura compradora da Delta, além de ter como sócio o BNDES. É muita promiscuidade! Todavia, tal fato parece não chamar a atenção, nem despertar qualquer suspeita em nossos bravos e briosos homens do Ministério Público. Não dá para acreditar que este país tenha jeito!

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

TUDO POR DINHEIRO

A Constituição assegura a todos os cidadãos, sejam ladrões de galinhas ou cruéis facínoras, o direito de defesa, afinal a justiça é "igual" para todos. Porém, ver o Dr. Márcio Thomaz Bastos, atuando como defensor de Carlinhos Cachoeira, na CPMI, que investiga o contraventor é revoltante, porém revela como estávamos desamparados juridicamente no governo do ex-presidente Lula. Agora, com o ilustre jurista na defensoria do bicheiro, talvez possamos entender um pouco mais por que, o escândalo do mensalão se tornou exemplo de impunidade. Verdadeiro cancro da sociedade, o contraventor vinha atuando há tempos com negócios ilícitos e, sabe Deus, quantos milhões destinados à saúde, ao transporte e à educação foram surrupiados e quantos ainda estarão camuflados em paraísos fiscais. Com esse dinheiro que foi desviado, com a conivência de políticos inescrupulosos, daria para comprar medicamentos essenciais, aumentar o número de leitos hospitalares e remunerar melhor o corpo médico, medidas, que se adotadas, evitariam mortes absurdas que ocorrem nas intermináveis filas de espera do SUS, pelo precário atendimento prestado. Por isso, esse indivíduo e seus asseclas, deveriam ser levados a júri popular e não a uma comissão de inquérito fajuta, subserviente aos interesses suprapartidários, só desta maneira esses lesas-pátrias receberiam penas exemplares.

Sérgio Dafré Sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

CONSTITUIÇÃO MADRASTA

Que belo presente o País recebeu do seu ex-ministro da Justiça orientando seu cliente Carlinhos Cachoeira (ou seria Cascata?) a ficar mudo durante a CPI. E que belo exemplo de cortesia, cidadania, "puxasaquismo" deram vários parlamentares elogiando o ex-ministro da Justiça que, naquele mesmo momento, fazia justiça com as próprias mãos (ou seria com o bolso?) ajudando a esconder do País as miseráveis respostas do bandido que defendia. Um espetáculo inesquecível, baseado na Constituição, que algumas vezes é injusta e madrasta! E que belo desempenho do Cascata, olhando de maneira cínica para os que insistiam em questioná-lo! Um show de malfeitos (pra usar a palavra da moda) executado por canastrões de cores e partidos e moral diversificados. E o pior é que a gente paga esses atores! E quem a gente não paga nos rouba!

Regina Helena de Paiva Ramos reginahpaiva@uol.com.br

São Paulo

*

O PAÍS NÃO É SÉRIO

Tinha razão a nobre senadora Kátia Abreu, que se insurgiu contra aquele circo de periferia. Senadores da República e congressistas expondo-se ao ridículo diante do sorridente "Carlinhos Cachoeira". E ainda mais defendido e representado, orgulhosamente, por um ex-ministro da Justiça do Brasil.

Marco Antonio R. Nunes nunesmarcelao1@ig.com.br

Pindamonhangaba

*

SILÊNCIO

O silêncio do Carlinhos Cachoeira deixou a CPMI frustrada, bem como a população, que desejava ver o contraventor "careca" e usando o uniforme de presidiário da Papuda. Quem sabe na próxima visita dele o clima melhora!

Márcio Rosário daril_old@hotmail.com

Leme

*

MUDEZ CONSTITUCIONAL

Essa é para a posteridade. Um espetáculo transmitido por quase todos os canais de TVs do Brasil, tomou conta de Brasília no dia 22. Mais de uma dezena de carros da Polícia Federal percorreu algumas avenidas da cidade para fazer chegar numa das Comissões Parlamentares de Inquéritos (CPI), um cidadão atacado pelo vírus da Constituição federal chamado mudez. Recebido com aperto de mãos por alguns parlamentares o homem, cuja mudez está sendo monitorada por Márcio Thomaz Bastos, deu as cartas e jogou de não. Debochou e humilhou o quanto quis da maioria dos "parlamentares" que ali estavam. Apenas uma voz de indignação se fez ouvir, o da senadora Kátia Abreu (PSD-TO), o resto parecia que estava todo de rabo preso. A pergunta que não quer calar: Que palhaçada é essa, quanto se sabe de antemão que a pessoa inquirida não vai falar nada? Quem paga todo esse gasto? E, finalmente, que país é este?

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

MISTÉRIO

Cachoeira, por que te calas?

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

SODOMA E GOMORRA

Diante dos últimos acontecimentos em nosso país, envolvendo a classe política e a iniciativa privada, que tem se misturado de forma homogênea, estando uma ligada à outra para encobrir rombos, roubos e toda forma de falcatrua, lembrei-me claramente do texto bíblico no qual a podridão da sociedade chegou até os céus provocando a ira divina! Espero que haja ao menos um cidadão que possa se interpor para evitar a destruição para a qual caminhamos.

Leandro Capozzielli capooffice@gmail.com

São Paulo

*

AINDA AS SACOLINHAS

A pesquisa Datafolha revelou o sentimento do consumidor em relação ao banimento das sacolas plásticas nos mercados. Chega a 69% o índice de insatisfeitos. A Plastivida empresa que encomendou a pesquisa deveria prosseguir pesquisando junto ao consumidor se ele votaria em Kassab, em Alckmin, ambos apoiadores dos donos de supermercados, numa próxima eleição, e quanto ao Procon e o Ministério Público, esses órgãos atuaram em defesa de quem ao apoiar a farsa das sacolinhas? Com um percentual que beira aos 70% a Associação Paulista de Supermercados (Apas) insiste em que o resultado da pesquisa apenas reflete o início da mudança de comportamento do consumidor. Resposta pronta e previsível de quem nada tem a dizer ao consumidor tão maltratado e ignorado pelos lobistas de supermercados. Muitos municípios deixaram de cumprir o acordo e o fazem com base na lei federal e em respeito ao consumidor, mas em São Paulo a pseudopreocupação com o ambiente continua fazendo a cabeça dos mais desinformados. Brasil, um país de tolos!

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

MENOS SACOLAS, MENOS LIXO NAS RUAS

Brasileiros não gostam de fazer mudanças de hábitos. As sacolinhas plásticas não são a solução do meio ambiente, mas desde que foram proibidas a cidade está menos emporcalhada por elas, pois não eram apenas usadas para o lixo, eram jogadas fora indiscriminadamente, já que eram "gratuitas". Elas entopem bueiros e inundam a cidade, as pessoas não têm critérios em jogar lixo, seja ele qual for, nas ruas. Com menos sacolinhas, menos resíduos. O comodismo e o egoísmo é que estão falando mais alto contra essa mudança. Mudar pode ser saudável, ficar culpando supermercados não me parece inteligente. Nunca vi campanha contra juros bancários em enxurradas de cartas – sacolinhas parece que incomodam mais que juros.

Francisco Xavier Fernandez fcoxav@gmail.com

São Paulo

*

DESCASO COM A HABITAÇÃO

Enquanto centenas de pessoas, famílias de baixa renda aguardam pela casa própria, existem conjuntos habitacionais do Minha Casa, Minha Vida que são gerenciados pelas prefeituras, através da Cohab, com obras totalmente paradas na periferia de Curitiba. Moradias de espécie de sobradinhos que deveriam ser entregues ano passado, segundo promessa da própria Cohab, e até hoje estão lá sem terem sido terminadas. As construtoras foram embora, não concluíram as casas, e muitas construções já estão se deteriorando pelo tempo. São três conjuntos, localizados na Rua Pres. João Goulart, bairro Tatuquara, Curitiba. São: Boa Esperança 2, Moradias Cerâmica, e Boa esperança 3. Por que a prefeitura de Curitiba, o governo federal e a Caixa Econômica não fiscalizam essas obras, não cobram das construtoras, que acabam, sim, agindo de má-fé com o poder público, com o dinheiro público e com os brasileirinhos que mais precisam desses subsídios de habitação? Por que o Ministério Público do Estado e federal não denunciam estes construtores e o próprio governo? E os vereadores de Curitiba, deputados, inclusive do PT, até quando vão consentir com tamanha irresponsabilidade, calando-SE diante de tais problemas?

José Florencio Espindola joseflorencioespindola@ovi.com

Curitiba

*

A TRANSFORMAÇÃO DO BAIXO AUGUSTA

Parabéns ao Estado pela excelente matéria no Divirta-se nº 115-25/5 a 31/5/2012 a respeito do processo de transformação do trecho da rua chamada de Baixo Augusta. As oito páginas dessa publicação, de interesse público, falam sobre a "gentrificação – fenômeno triste que rouba a alma dos lugares mais bacanas de uma cidade". O Baixo Augusta está morrendo. A simples substituição das áreas ocupadas pelo comercio, cultura e lazer por condomínios residências não constroem uma cidade solidária. É necessário encontrar um equilíbrio. Encontrar a forma de preservar as zonas com tradição de vida urbana noturna e de diversidade cultural. Como arquiteto e urbanista entendo que somente com um projeto urbano específico possa garantir o caráter da Rua Augusta. O plano diretor de São Paulo prevê a implantação de áreas de intervenção urbana (AIUs) que sendo aprovadas por lei possam estabelecer o desejável mix funcional. Não estamos contra as habitações,pelo contrário, mas é possível, através do plano, garantir que os pavimentos térreos sejam ocupados com áreas destinadas ao comercio e aos serviços, funções urbanas tradicionais à rua. Os atuais parâmetros urbanísticos não garantem a qualidade desejada. É oportuna a citação na matéria do que vem acontecendo em nossa Vila Madalena e também no bairro Soho em Nova York. Outras cidades no mundo já implementaram esta solução. Relembrando o arquiteto Edgar Graeff: "o encontro é a vizinhança, o contato, a comunicação entre vizinhos; é o entendimento, a aproximação e a cordialidade entre pessoas que vivem no mesmo sítio, na mesma cidade, no mesmo bairro, na mesma rua, no mesmo edifício. As cidades morrem quando já não oferecem condições ao encontro. O encontro é fundamental para o estabelecimento de laços entre pessoas. O encontro permite não apenas a diferenciação e qualificação do espaço urbano. Ele possibilita – e isso é mais importante – a sua apropriação, a apropriação da própria estrutura espacial e da vida urbana".

José Magalhães Junior, arquiteto e urbanista josemagalhaesjunior@gmail.com

São Paulo

*

O KASSABÃO E A LULLOTECA

Na edição de sexta-feira (25/5, página E6), ficamos sabendo que o Ministério Público Estadual (MPE) pede a suspensão imediata da cachoeira de dinheiro público, ou seja, nosso, que o também nosso digno prefeito Gilberto Kassab doou a uma entidade privada, no caso, um clube de futebol, o Corinthians, para fazer o seu estádio, a ser intitulado em homenagem ao doador. Pelo visto, a estátua do nosso gestor, prevista para ser colocada na entrada, periga não sair. Agora, falta só alguém tipo MPE fazer o mesmo com relação à Lulloteca, museu do Lulla, tipo o do Sir Ney no Maranhão, obra para a qual nosso digno prefeito doou expressiva parcela do patrimônio público, no caso um grande terreno na capital, contando com total apoio dos nossos impagáveis vereadores. Também ali, sem dúvida, haverá local para uma estátua ao nobre doador. Oremos.

Nelson Carvalho nscarv@gmail.com

São Paulo

*

HOSPITAL PÚBLICO PARA ANIMAIS

Graças a Deus! Esperamos que não demore a ser implantado o Hospital Público de Cães e Gatos. Parabéns ao jornal O Estado de S. Paulo por ser o primeiro no País a noticiar o fato. São Paulo sempre na vanguarda. Parabéns a Gilberto Kassab e ao vereador Roberto Tripoli e equipe. Mas esperamos que o projeto não fique somente na possibilidade. Por favor, agilizem o projeto, pois nossos animais merecem e todos nós, que respeitamos nossos irmãos menores. Ademais, a iniciativa tem uma grande importância social. Parabéns a todos os que estão colaborando.

Manoela Martins manoelamartins@ig.com.br

São Paulo

*

CAÇA-VOTOS

Hospitais públicos para "gente" não funcionam, e agora Kassab inaugura "hospital para cães e gatos". E por que não para pássaros, jacarés, cobras, pulgas e capivaras? O que não se inventa para "caçar votos", e com dinheiro público, que está na "casa da mãe Joana"!

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.