Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

01 Junho 2012 | 03h24

CPI do Cachoeira

CPI decide convocar Perillo e Agnelo, mas poupa Cabral é manchete do Estadão de ontem (A1). Na realidade, essa "notícia" é bem requentada. Há dias o deputado federal Cândido (?) Vaccarezza (PT-SP) já havia anunciado ao Brasil, no que se refere a Sérgio Cabral na CPI: "Você é nosso e nós somos teu" (sic). Falou e disse. O Brasil decente engole mais essa.

NELSON PENTEADO DE CASTRO

pentecas@uol.com.br

São Paulo

O amigão Cabral

Apesar do grosseiro erro de português, a mensagem de Vaccarezza não só chegou ao destinatário certo, o governador do Rio de Janeiro, como confirmou o que quis dizer: "Você é nosso e nós somos teu". A CPI convocou os governadores Marconi Perillo (GO) e Agnelo Queiroz (DF) e deixou de fora o amigão Cabral. Absurdo! Esse senhor está tão ou mais enrolado que seus companheiros. É corporativismo puro. Vergonhoso!

JOSÉ MARQUES

seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

Bananas

Não se iluda o brasileiro com CPIs. Nelas a verdade não é um fato objetivo, mas um atributo do poder, dos partidos políticos majoritários. Só apuram meias-verdades. A outra metade fica sob o tapete. Assim, não saberemos das práticas escusas entre a Delta e Sérgio Cabral, isento de se explicar perante os "fiscais" desta republiqueta. Podemos ser dos Brics, atravessar uma salutar fase econômica, com baixo índice de desemprego e melhores salários, mas as bananas ainda são o símbolo da pátria política.

AMADEU R. GARRIDO DE PAULA

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

Guardanapo na cabeça

Diante da dispensa de convocação de Sérgio Cabral, acho que essa CPI do Cachoeira está mais para colocar guardanapo na cabeça, como fizeram alguns secretários do Estado do Rio no restaurante em Paris onde jantaram acompanhados de Cabral e Fernando Cavendish, dono da Delta.

PANAYOTIS POULIS

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

Blindados

Depois do "você é nosso e nós somos teu" de Vaccarezza, seguido pela convocação dos governadores Marconi Perillo (PSDB) e Agnelo Queiroz (PT) e da exclusão por unanimidade de Sérgio Cabral (PMDB), ficou comprovado a blindagem patrocinada pelo PT e pelo PMDB. Já o ex-presidente Lulla... Deixa pra lá, que a coisa só piora se falarmos dele.

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

Briga de gente grande

Oba, a briga agora é de gente grande! Estou adorando. Pode ser o início de um Brasil decente. Se tiver pizza, pode estar envenenada.

DIODI OKAMOTO

diodiookamoto@gmail.com

São Paulo

Instituições

Que as nossas instituições se apresentem. Por muito menos o governador José Roberto Arruda (DF) foi preso e Fernando Collor perdeu o mandato de presidente e os seus direitos políticos.

NILSON OTÁVIO DE OLIVEIRA

noo@uol.com.br

São Paulo

COMISSÃO DA VERDADE

Luta armada

Difícil comentar, em curto espaço, o artigo de Alfredo Sirkis (31/5, A2). Tem ele plena razão ao pedir o exame dos acontecimentos de 50 anos atrás à luz do contexto histórico, para compreender os motivos que fragilizaram o governo João Goulart. Pois é esse mesmo contexto que explica por que a dita resistência armada nunca logrou mobilizar a população. Senão, vejamos. Data de 1959 a revolução cubana e de 1961 a construção do Muro de Berlim. Eram acontecimentos recentes, de repercussão mundial, quando Goulart foi deposto. Trabalhei em Berlim no fim da década de 1960 e pude testemunhar a ferocidade da ditadura soviética naquela cidade. Note-se, também, que o treinamento de guerrilheiros comunistas no Brasil teve início antes de março de 1964, o que prova que as intenções totalitárias de parte da esquerda não nasceram como reação, eram, antes, um plano. Em 1966, dois anos antes do AI-5, seguiram-se atentados à bomba em locais públicos que vitimaram civis, a começar por um jornalista, aterrorizando e insuflando a população contra seus mentores. Enfim, uma luta armada de inspiração ideológica maoista e financiamento cubano não poderia ter conquistado, como de fato não conquistou, nenhum apoio popular num país razoavelmente industrializado e com classe média consolidada.

CELSO L. P. MENDES

socelta@uol.com.br

São Paulo

Os dois lados

Enfim, uma manifestação qualificada, equilibrada e sensata sobre a Comissão da Verdade. Sirkis mostrou o que a esquerda não quer aceitar: o golpe não ocorreu por acaso, a radicalização também foi responsabilidade dos grupos armados revolucionários, crimes brutais foram cometidos por ambos os lados e não dá para "revogar" a anistia. É isso.

MILTON AKIRA KIYOTANI

miltonak@gmail.com

São Paulo

CESAR TÁCITO COSTA

Coerência e honestidade

Faltou algo importante na bela matéria que o Estadão publicou sobre Cesar Tácito Costa: sua extraordinária coerência. Cesar era vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de São Paulo em 1961, durante a greve da categoria (a primeira e única que deu certo). O presidente era Ewaldo Dantas Ferreira. O Estadão e A Gazeta já haviam dado o aumento salarial pretendido pelo sindicato, mas a greve deveria ser geral para causar impacto - como causou - porque os jornalistas, na ocasião, recebiam menos que o salário mínimo operário. Uma vergonha! Cesar, já em posto importante na redação do Estado, aderiu à greve e, para espanto de muitos, até fez piquetes conosco. Tinha a coerência e a honestidade necessárias a um homem de bem: se era da diretoria do sindicato e este decretara greve, então, que fôssemos à greve! Conviver com Cesar Tácito no sindicato foi, para a então jovem jornalista, aprendizado e exemplo. Lamento a sua morte e envio ao Estadão e à família o meu grande abraço.

REGINA HELENA DE PAIVA RAMOS

reginahpaiva@uol.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

GOVERNADORES CONVOCADOS

Tudo conforme combinado. Os petistas e aliados convocam Marconi Perillo para depor na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cachoeira e, de prêmio, oferecem a cabeça de Agnelo Queiroz, que já está rifado pelo partido. E pensar que essa gente poderia fazer diferente quando chegasse ao poder. Ledo engano. Estão mostrando a que vieram. Querem sangue, violência e blindagem aos corruptos dos partidos aliados. Essa cambada deveria ser obrigada a trabalhar, mas a população segue calada e surda diante dos desmandos. A reação da população levou-me ao que Maiakovski disse há mais de cem anos. "Na primeira noite, eles se aproximam e colhem uma flor de nosso jardim. Não dizemos nada. Na segunda noite, já pisam nas flores, matam nosso cachorro e não dizemos nada. Até que um dia, eles entram em nossa casa, rouba-nos a lua e conhecendo nosso medo, arranca-nos a voz da garganta. E porque não dissemos nada, já não podemos dizer nada". Assim estamos, submetidos aos caprichos da ruína moral dos poderes governantes, que aniquilam as instituições e deixam aos cidadãos o direito ao silêncio porque a palavra, já está se tornando inútil. Pelo visto está faltando pouco.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

FIDELIDADE ACIMA DE TUDO

Perillo e Agnelo foram convocados. Cabral ainda não. Pelo visto o "santo" de Vaccarezza é forte.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

E CABRAL, NÃO?!

Cabral você não é nosso, mas eles são teu... Como explicar a dispensa do governador carioca da CPI do Cachoeira? E aquelas fotos com gravata na cabeça com a tchurma lá em Paris, numa demonstração de terceiro-mundismo total? Quem deveria ser convocado, então, eu? Até o meu filho mais novo de 9 anos se espantou e me perguntou: Papai, o Cabral não vai depor na CPI?! O que digo pra ele? Vai se acostumando, meu filho, porque vives ou sobrevives no Brasil. Ou melhor explicar que CPI significa Central de Pizzas Indigestas? Deus do céu, realmente, "elles são teu, mermão"...

Renato Camargo natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

*

CORRUPÇÃO E FESTA

Impostos superelevados + politicagem = corrupção. (Sobram bilhões para o "aparelho" gastar em Paris ou Miami).

Neusa Longo neusa.igor@uol.com.br

São Paulo

*

EU, TU, ELES

Cabral, quer dizer que realmente a turma do PT conseguiu tirar você do armário? Era só o que faltava, chocante revelação!

Celia H. Guercio Rodrigues celitar@hotmail.com

Avaré

*

SILÊNCIO NA COMISSÃO

Na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira, o senador Demóstenes Torres disse: "Até por uma questão de lealdade, vou adotar a lei do silêncio". Como perguntar não é ofensa, senador, lealdade a quem o senhor se refere?

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

MAIS UM CALADO

Até tu, Demóstenes?!

Ricardo Marin s1estudio@ig.com.br

Osasco

*

O SILÊNCIO DOS INOCENTES

Na CPI do Cachoeira o ator principal, dirigido por um ex-ministro da Justiça, entra mudo e sai calado. Embora sem a graça dos filmes mudos essa tragicomédia (ou pornochanchada) brasileira é séria candidata a um Oscar de desfaçatez ou de escárnio.

José Roberto de Jesus zerobertodejesus@gmail.com

Capão Bonito

*

INVESTIGAÇÃO INCONSTITUCIONAL

A defesa de Carlinhos Cachoeira diz que a investigação, as escutas feitas pela Polícia Federal sobre Cachoeira, é inconstitucional, portanto pedirá sua anulação. Ora, a Constituição não poderá anular a verdade, mesmo que esta seja inconstitucional. A movimentação de Cachoeira, de Demóstenes e outros foram divulgadas e são verdadeiras, como poderá ser anulada uma verdade? Caberá então a criação de uma jurisprudência para dizimar qualquer dúvida.

Alberto Nunes albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

*

CONSEQUÊNCIAS DAS INTERCEPTAÇÕES TELEFÔNICAS

Intenções, por mais reprováveis que sejam, expressas em palavras interceptadas pela Polícia Federal, pronunciadas por Carlinhos Cachoeira e os que com ele se relacionavam, no campo judiciário devem morrer na praia. No campo do direito e, especialmente, do direito penal, as intenções são absolutamente irrelevantes. Somente quando elas se materializam adquirem importância jurídica. Dizer que irá praticar um crime não diz nada. Já iniciar sua prática configura o ilícito enquanto tentativa; consumá-lo complementa o ciclo, cada fase com a respectiva pena. A situação é distinta no campo da ética parlamentar. Demóstenes Torres pode ser responsabilizado pelo que falou, não pelo que fez, com a perda do mandato.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

UMA PONTINHA

Quer dizer que Cachoeira pagava a conta do Nextel (R$ 50,00) do ilustre senador e os fogos de artifício das festas da dona Demóstenes? Tá bom, me engana que eu gosto... Isso é a minúscula pontinha do grande iceberg que se chama Brasil. Quero ver tudo, e não só as quireras.

Jorge Zaven Kurkdjian zavida@uol.com.br

São Paulo

*

CPI DEMÓSTENES TORRES

Ao assistir pela internet a um pedaço do depoimento na Comissão de ética do Senado do Sr. Demóstenes Torres, que estava sendo inquirido pelo senador Collor, notei que na realidade Collor estava fazendo perguntas e respondendo ao mesmo tempo, de modo que o senador Demóstenes só precisava concordar ou discordar. Vossa Excelência para cá, Vossa excelência para lá! Que palhaçada, que hipocrisia, tudo não passa de uma farsa nojenta que dá asco e repulsa. Saber que estes são nossos representantes regiamente pagos e ainda roubando descaradamente nosso dinheiro. Sinceramente fiquei com nojo e desliguei a internet após dez minutos porque não aguentava mais. Na realidade esta é mais uma CPI que vai terminar numa enorme pizza o que todos nós já sabemos de antemão. As excelências ali presentes poderiam ocupar seu tempo precioso com outras atividades mais produtivas para o País, se é que tem capacidade para tal, coisa que duvido cada vez mais.

Károly J. Gombert gombert@terra.com.br

Vinhedo

*

TODA VERDADE VIRÁ À TONA

O procurador regional da República Manoel Pastana encaminhou ao Ministério Público Federal de Goiás representação pedindo investigação sobre a origem do dinheiro pago pelo empresário Carlinhos Cachoeira a seu advogado, Márcio Thomaz Bastos. Se essa investigação for em frente, teremos mais uma história envolvendo um ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) envolvido com dinheiro sujo! Parecem ser reais as previsões a respeito de que toda a verdade virá à tona neste período que antecede a entrada na Era de Aquários.

José Carlos Costa policaio@gmail.com

São Paulo

*

MÁRCIO THOMAZ BASTOS

Por paradoxal que pareça, será que um eminente jurista, da envergadura de Márcio Thomaz Bastos, não diferencia o inocente do contraventor, e visa unicamente aos honorários?

Conrado de Paulo conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

*

VIDA NACIONAL

Lula, Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Carmem Lucia, Demóstenes Torres, Carlos Cachoeira, Marconi Perillo, Agnello Queiróz, Sergio Cabral, Jose Dirceu, Delúbio Soares, Collor, Jose Sarney, Renan Calheiros, Romero Jucá, Candido Vaccarezza, Rui Falcão, etc., etc., etc. Poderia ficar horas enumerando nomes que não nos passam nenhuma confiança e diria, usando um termo mais delicado, nos dão certa ânsia. De toda essa turma, o mais esperto e que envolveu todo mundo nesta trama é o Sr. Carlos Cachoeira, portanto lanço Cachoeira para presidente do Brasil e todos os nossos problemas estarão resolvidos. Como esta CPI vai virar uma gigantesca pizza, nossa esperança está depositada STF e em vossa excelência ministro Joaquim Barbosa, saiba que os cidadãos decentes do Brasil inteiro estão a seu lado e assim dando os trâmites por findos, vamos iniciar o julgamento do mensalão o mais rápido possível.

Henrique Schnaider hschnaider@terra.com.br

São Paulo

*

CPMI DA LAMA

O ex-presidente Lula ainda não caiu na real de que não é mais presidente e de que o mensalão existiu, sim, só pra ele e seus aliados é que não passou de uma fantasia da imprensa e da população brasileira, eis o motivo da pressão sobre o STF (leia-se ministro Gilmar Mendes ). O que ele e seu partido PT deveriam fazer é deixar que esta CPMI do Cachoeira, que está mais pra CPMI da Lama, funcione, pelo menos esta, pois outras viraram pizza durante seus oito anos de governo, e onde estão a ética e a moral tão faladas pelo PT, que agora quer blindar os governadores aliados, e focando somente em Marconi Perillo (PSDB/GO)? Quais os motivos da não convocação de Cabral, o que ele tem a falar do recado do Vaccarezza, e da insistência do relator Odair Cunha (PT/MG) em blindar os governadores amigos e aliados é! Lula, as coisas não podem azedar, segundo o companheiro Vaccarezza (PT/SP). O que se vê é que teremos certeza de mais uma pizza enorme, pois o rolo compressor do Planalto está bem preparado com polpudas verbas para as emendas dos deputados aliados que são a maioria desta CPMI que mais parece uma CI - Cantina Italiana, é lamentável que o povo que paga altos impostos, vejam seu dinheiro neste lamaçal, nesta CPMI que já nasceu com fim determinado e onde tem um grande mestre da honestidade como parceiro o senador Collor, quem diria Lula. Tomara a população mude de opinião nas próximas eleições, não se deixem se levar por promessas de político que falam muito em ética, e aliás será que o Conselho de Ética do PT vai analisar o bilhete do deputado Cândido Vaccarezza (PT/SP) para o governador Cabral? Ou isso não merece uma reunião do grupo "ético" do PT? "Nunca na história deste país" o povo ficou tão indignado, ex-presidente Lula...

Di Magalhães dimagalhaes_pr@hotmail.com

Curitiba

*

A MARCHA DO MENSALÃO

Apesar de em 2006 ter livremente admitido a existência do maior golpe político/financeiro levado a efeito no País, para garantir e assegurar o integral apoio dos partidos que integravam suas bases, agora, passados apenas seis anos, sua memória, distorcida pelo avanço da insidiosa doença que o acometeu, não se lembra mais da fraude, do ataque aos cofres públicos, como sempre se esquivou, alegando não ter acontecido. Como a mentira tem pernas curtas, e temendo o resultado fatídico para seu partido, e confiando nos diplomas frios e inócuos recebidos, atreveu-se a pressionar, a convencer o ministro Gilmar Mendes, a postergar e deixar a questão para o ano de 2013. Além de corrupção ativa, se caracteriza , a ofensa moral, o desrespeito ao STF, a compra ilegal de favores (pela permuta), que em flagrante, redundaria em prisão. É este o camarada que castiga, zomba e ri dos brasileiros, há dez anos e que infelizmente continuará rindo, pois para enfrentá-lo, não temos eleitores,não temos votos, não temos liderança, nem comando, nem Tiradentes.

Walter Gastaldi waltergastaldi11@hotmail.com

Londrina (PR)

*

LINGUAJAR INADEQUADO

Lula, ao proferir palestra no 5.º Fórum Ministerial de Desenvolvimento, profere estas palavras: "Tem muita gente que gosta de mim, mas tem outras que não gostam". Parece-nos infantil o modo como o ex-presidente se expressa. Já que cumpriu o seu mandato de oito anos, ao invés de preocupar-se somente em fazer política, poderia dispor seu tempo útil em dedicar-se um pouco mais à leitura, o que lhe faria muito bem. Não fica bem a um ex-chefe de Estado utilizar-se de linguajar chulo e por vezes, infantil em seus pronunciamentos.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

NÃO AJUDA

"Tem muita gente que não gosta de mim", disse Lula e ele está com toda razão. Só não é maior o número de pessoas que não gostam devido aos inúmeros "favores" que foram concedidos com cargos públicos e assistencialismo, os quais teriam motivos de sobra para também não gostar, pela falta do retorno dos direitos do povo em educação, saúde, moradia, saneamento, etc. Para quem conseguiu instituir no País a mentira, a desonra e o desrespeito ao cidadão brasileiro, esperava o quê? Que peninha... Quem não ajuda, que não atrapalhe!

Maria Teresa Amaral mteresa0409@estadao.com.br

São Paulo

*

LULA E O MENSALÃO

Lula disse "tem gente que não gosta de mim". Pra quem não lê jornal, ele está bem informado. Sua aprovação recorde no fim de governo, fez ele perceber, que não foi por sua causa exclusivamente. Tanto é verdade que Dilma tem aprovação recorde já no início do seu governo. Também não é porque ela está fazendo um mandato espetacular, e, sim, porque a economia anda sozinha. Se o mercado está bom como esteve nos últimos anos no mundo todo, também esteve bom para o Brasil. O boom de investimentos da China fez o mundo trabalhar para vender produtos para eles e os outros comprarem dela. Não é o Brasil de Lula e Dilma que levou o mundo ao êxito. Aqui Lula e seu partido "PT" são os reis do gogó. Tanto é verdade que vou citar alguns exemplos após dez anos de governo petista. Saúde, educação, estradas, correios continuam do mesmo jeito, ou seja, caaaaaaos, vergonha. O PAC é a maior mentira aplicada a população. A maior parte das obras são obrigações de todo governo, todos governos anteriores já falavam que faziam mas não colocavam nome, coisa de marketing. Ah, as únicas obras que andam são de empresas particulares, privadas, não é o governo que gerencia. Portanto, seu medo procede, esta ilha da fantasia que ele criou, o mensalão promete mostrar o outro lado da moeda

novamente, como um líder usa a população e o poder para alcançar a elite, que ele tanto fala mal, mas comprou um triplex com salário do partido? (Tadinho do Collor e seu Fiat Elba...) o filho ganhou paitrocínio bom, os amigos ganharam consultorias, que beleza... Quer enganar quem?

Tiago Homem de Melo de C. E. Silva tihmcs@ig.com.br

Campinas

*

NÃO AGUENTO MAIS!

Com depressão fico eu, de ler todos os dias no meu café da manhã, estes escândalos e ver a cara destes corruptos no Estadão.

Moussa Simhon pacenge@gmail.com

São Paulo

*

SAUDADE DO NINHO

Será que parlamentares e ministros de Estado têm a mesma facilidade para marcar entrevistas com a presidente, Dilma Rousseff, como tem o senhor Luiz Inácio Lula da Silva? A saudade do ninho está matando o ex-presidente que não vê a hora de subir a rampa novamente e ocupar o trono que foi dele por oito anos de deslumbramento de, "guru", no poder. A presidente, Dilma, por sua vez deverá tomar muito cuidado com esses encontros, pois os devaneios recorrentes de seu antecessor poderão levá-lo a cometer atos impensados, como a tentativa de suborno do ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes e ricochetear no Palácio da Alvorada. A direção do PT deve avisá-lo, pois com certeza se esqueceu, que ele não é mais o "cara" e que deixe a sua sucessora fazer carreira solo, no qual, tem alcançado algum sucesso.

Sérgio Dafré Sergio_dafre@hotmail.com.br

Jundiaí

*

FOMENTANDO A CRISE INSTITUCIONAL

Quando Dilma apelou ao presidente do STF Ayres Britto no sentido de que ele impedisse o deflagrar de uma crise institucional originada pelo mau hábito de Lula de manipular todos os cordéis para atingir os seus fins - seja através de que expediente for - achei que fosse para que ele tentasse, com seu jeito ponderado de ser, baixar os ânimos inflamados de ambas as partes. Acontece que não foi bem o que aconteceu. Lula e seus seguidores estão com o nariz mais empinado que antes, e curiosamente quem amenizou o assunto para o lado de Lula foi a imprensa. Digo curiosamente porque temos a imprensa como um órgão teoricamente livre de censura e imposições por parte do governo. Agora, diante deste quadro insólito, concluo que a partir de hoje estão oficializadas as visitinhas de Lula aos ministros do STF para, tomando um café, deliberarem amistosamente o destino da quadrilha dos mensaleiros. Alerta: Quando a mídia transforma o já conhecido inconveniente, narcisista e verborrágico Lula em vítima e um ministro togado do STF em mentiroso vilão, estendem a vilania a toda a instituição. Isso, sim, é que é fomentar uma crise institucional!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

A PREOCUPAÇÃO DO PLANALTO

Além de o Estadão ter fontes fidedignas e a Carta magna reservar ao jornalismo a sigilo dos meios informativos, seria irresponsabilidade da presidenta se não se preocupasse com a atuação desesperada e condenável do ex-presidente, frente ao ministro Gilmar Mendes, do STF. Bem fez a direção deste prestigioso e centenário órgão de imprensa em manter a informação e reafirmando-a diante da negativa ofertada à imprensa nacional pelo Planalto. Na verdade, o episódio deve servir de lição ao ex-presidente, especialmente para que ele saiba que não é onipotente e nunca sujeito a críticas ou restrições de ordem ética e moral. Eis que, ainda, o caso deverá acelerar o julgamento do mensalão, de tal sorte, ainda, que eventuais julgadores suspeitos deveriam apresentar suas razões de suspeição, diante de fatos ventilados na imprensa nacional. Se há medos, há verdades que comportarão apenações adequadas.

José Carlos de C. Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

O PAPEL DE CADA UM

Nunca é tarde para aprender: jornalista é uma coisa, assessor de imprensa é outra. Ao acusar o Estadão de "contrariar a prática do bom jornalismo", a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República revela que não entende a diferença. O Estadão cometeria, sim, o pecado de que é acusado se, em vez de se lançar a campo para investigar, simplesmente telefonasse para um assessor de imprensa da presidência da República para dele ouvir as três indefectíveis palavras: "não há crise". Papel de jornalista é investigar; papel de assessor de imprensa é transmitir a opinião da instituição a que serve. Faz bem, por isso, o assessor da presidência ao declarar que não há crise, pois se empenha, desse modo, em evitar que a crise prospere. E faz muito melhor o Estadão em ir procurar a notícia onde ela realmente se encontra, pois assim cumpre sua missão fundamental, que é manter seu leitor bem informado.

Odilon Toledo odilonto@terra.com.br

Belo Horizonte

*

PANOS QUENTES

Estão todos agora querendo pôr panos quentes no caso Gilmar x Lula. O ministro do STF, Ayres Britto, disse "que prolongar este debate não é bom para ninguém". Outro ministro, Marco Aurélio Mello, disse que "é legítimo e normal" que o ex-presidente manifeste sua opinião sobre quando acha viável o julgamento do mensalão. Até aí, posso concordar. Mas, o foco é e não fujamos dele: é também legítima e normal a coação sofrida por Mendes?Foi tudo um probleminha entre amigos, onde passar dos limites é aceitável?Não se tratou de um desrespeito a uma autoridade? Fosse eu , uma pessoa "comum", a ameaçar assim um ministro do STF ou um guarda de trânsito, na tentativa de comprá-los, teria o mesmo tratamento, passariam a mão na minha cabeça, não seria um desacato?Não se trata mesmo de um País sério. Por isto, esta bagunça: vale tudo aos poderosos! O negócio é mesmo tomar um chazinho para acalmar os ânimos, como cinicamente sugeriu o presidente da Câmara, Marco Maia, outro que também passou dos limites ao julgar Gilmar Mendes, acusando-o, em outras palavras, de ser um mentiroso. E como os membros do STF estão deixando "para lá", esta fama grudará no ministro Gilmar.

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

PERSEGUIÇÃO

Perseguição implacável e impecável aos seus desafetos, começando com o Arthur Virgilio (sumiu), Demóstenes (vai sumir) e agora Mendes (assumiu).

Sinclair Rocha sinclairmalu@uol.com.br

São Paulo

*

DESMENTIDO

Até o momento eu não li e não vi o desmentido do ex-presidente Lula, com relação ao dito pelo Ministro Gilmar Mendes. E olhe que já teve algumas oportunidades públicas para tanto. Como diz o velho ditado, "quem cala consente".

Pedro Sergio Ronco sergioronco@uol.com.br

Ribeirão Bonito

*

CAUDILHO

O Lula tem raiva da liberdade e medo da imprensa ameaçando a reprodução da libertinagem. Nada é mais desnecessário que esse cavaleiro de tristíssima figura assombrando a direita e a esquerda.

José Moacyr Brunhek moabek@hotmail.com

Santos

*

A QUESTÃO DE FUNDO

O pano de fundo na realidade, é a baixaria dos três poderes que se tornou a política brasileira. A lama se torna notícia do dia em todos os meios de comunicação, onde os fatos de governos acabam de fato sendo de segundo plano, até por motivos óbvios de ser segundo plano mesmo.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

PÚBLICO

O excelente artigo do "orlandino" Eugênio Bucci, Chocante é o que foi falado em público (31/5, A2), lembrou-me Machado de Assis, que disse: "O maior pecado, depois do pecado, é a publicação do pecado", apud "Migalhas n.º 209" (Editora Migalhas, 2008).

Francisco Antonio Diniz Junqueira fadjunqueira@hotmail.com

Ribeirão Preto

*

CALENDÁRIO MAIA

A equipe econômica do governo bate cabeça tentando tirar coelhos de uma cartola sem fundo, enquanto uma nuvem negra se aproxima. Com uma inflação emplacando 5%, o Banco Central leva os juros para 8,5%. O minério de ferro, grande item de exportação, tem seu preço deteriorado pela redução da demanda da China, que está colocando o pé no freio, preocupando ainda mais a economia mundial. O mercado de trabalho permanece forte, mais em função das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), principalmente aquelas direcionadas para os eventos esportivos de 2014 e 2016. Por incapacidade gerencial, o governo tem reduzido o ritmo de investimentos, o que não faz para conter os gastos. O consumo despencou, causado pela inflação e pela inadimplência que compromete 1/3 da renda familiar. Fábricas acumulam estoques e já é notado encalhe de produtos nas lojas. Vem da Mercedes Benz os primeiros sinais de uma crise que há algum tempo vem dando sinais de sua chegada. A divisão de caminhões no ABC afastará 1,5 mil empregados até novembro, sem prejuízo dos salários e vantagens dos trabalhadores. As medidas do governo pouco reagiram, as vendas caíram 8,1% e a produção, 30%. Em 50 anos é a primeira vez que a empresa adota a suspensão de contratos. Quem sabe a previsão do calendário maia se referia ao desgoverno PT/Lula/Dilma?

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

ARMADILHAS BANCÁRIAS

Todo cuidado é pouco porque os bancos não vão abrir mão tão facilmente dos enormes lucros que eles conseguem à custa dos juros altos praticados há décadas em todo o Brasil. Taxas e tarifas que já eram debitadas aleatoriamente estão sendo incrementadas e reajustadas nas contas correntes dos clientes, e isso representa um faturamento absurdo se analisarmos da seguinte forma: um grande banco tem cerca de 30 milhões de correntistas, imagine R$ 1 por semana sendo debitado, somados são R$ 4 por mês vezes 30 milhões de correntistas são R$ 120 milhões de receita para os cofres deles. Quem vai reclamar na justiça R$ 4? Teoricamente poucos ou quase ninguém, e apostando nisso é que o sistema financeiro age livremente praticando e lucrando em cima dos consumidores. Outras formas são as vendas casadas, empurram seguros, previdências, capitalização e outras taxas fantasmas em cima de empréstimos, renovação de cheque especial, de cartões de crédito e tudo mais. Tudo isso sempre foi praticado, mesmo sendo contra a lei a que o Código de Defesa do Consumidor proíbe esta prática. Entretanto, recomendamos a quem esteja sendo afetado com estes procedimentos que registre uma reclamação no Banco Central do Brasil apontando os débitos indevidos e solicitando desta instituição interferência junto ao seu banco. Se muitos consumidores reclamarem exigindo providências certamente vai inibir e quem sabe reduzir a volúpia do lucro eletrônico tão bem aplicado em cima do nosso rico dinheirinho.

Emanuel Gonçalves da Silva soscomercial@sosdividas.com.br

São Paulo

*

FESTA DO CAQUI

À medida que os bancos reduzem os juros, pressionados pelo governo, aumentam as suas taxas de serviços, que normalmente não sabemos a que se referem, a menos se formos a uma agência para descobrir. Lembro-me que quando era jovem, minha mãe tinha conta no extinto Banco Mercantil de São Paulo e mensalmente recebia em seu extrato a informação dos juros creditados em sua conta referente ao saldo médio mensal de sua conta corrente. Pode ser uma enorme surpresa para os mais jovens, mas é que os banqueiros naquela época eram mais, digamos, comedidos. Pagavam juros sobre o seu dinheiro que utilizavam para emprestar a terceiros. Hoje, ao tirar o extrato da minha conta corrente, constatei que até o dia 15 deste mês, ainda mantinha em minha conta 38,22% dos meus vencimentos recebidos no inicio do mês. Pois, com a referida quantia, supondo-se que o banco emprestou a correntistas que utilizaram o cheque especial, já no negativo, conseguiram faturar no mínimo 4 vezes o que me cobraram em taxas de serviços. Ora, além de faturar com o numerário que deixei na minha conta, ainda se acham no direito de garfar uma quantia nada pequena de minha conta a título de taxas de serviços? E ainda cumpre ressaltar que hoje pagamos nossas contas em casa, ou através dos caixas eletrônicos, o que permitiu ao banco diminuir substancialmente o número de funcionários e o tamanho das agências, gerando uma economia que certamente compensa o investido em informática, já que banqueiro não dá ponto sem nó. O que não se entende neste imbróglio é porque o Banco Central não intervém e acaba com essa verdadeira "festa do caqui".

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

MINISTRO DÁ PRAZO PARA BANCOS BAIXAREM JUROS

Dos contribuintes para o ministro Mantega: "O senhor tem um mês para reduzir os impostos em 40%".

Renato Gentile Rocha rerocha65@gmail.com

São Paulo

*

BRASILEIROS, COMPREM!

Alguns anos atrás estava numa reunião com alguns diretores de bancos e alguns empresários, e um deles contava muita garganta, pois tinha ótimas linhas de crédito, e um dos diretores lhe chamou a atenção, dizendo, "meu caro, se quebra por falta de crédito, também se quebra por excesso de crédito". Poucos anos se passaram e esse empresário quebrou. Atenção, Dona Dilma, Sr. Guido Mantega e brasileiros, cuidado com "comprem" casas, apartamentos, automóveis, geladeiras, etc., etc., "baixamos os juros e aumentamos os prazos e as linhas de créditos".

L. A. B. Moraes labmoraes@uol.com.br

Santos

*

PORCENTAGENS...

"...estamos 300% preparados (para enfrentar a crise)", anuncia a presidente. É preciso lembrar-lhe que 300% de zero é zero. Ou seja, com todo esse tremendo preparo, o Brasil é o país que tem o menor crescimento do PIB (Mantega já admite até os mesmos 2,7% do ano passado) entre os Brics e inúmeros outros países em desenvolvimento. Isto com a maior taxa de juros e maior inflação dentre todos eles. Realmente, precisamos de menos palavrório vazio e mais competência.

Nelson Penteado de Castro pentecas@uol.com.br

São Paulo

*

ISRAEL X IRÃ

E notório o ódio entre Israel e Irã, como também e notório o exagero de Israel de falar pelo o mundo, uma vez que Israel adotou o habito de falar que o Irã e uma ameaça mundial isso não verdade. O Irã pode ser uma ameaça apenas a Israel e Israel precisa falar apenas por si próprio. E as armas de Israel? Bem as armas de Israel (exceto arsenal nuclear) que tem e os contra o do Irã não falam nada, nada mais e do que uma copia atualizada de alguns caças de fabricação americana, e evidente que Israel só vai atacar o Irã com a anuência America uma vez que Israel sabe que o Irã não e o Líbano onde apenas para mostrar força Israel guerreou contra o grupo Hezbolah e matou mais de mil civis. Já o Irã também tem lá seu arsenal até que moderno, pois tem a Rússia e a China, pois ambos têm interesse no Irã já que o Irã tem o ouro negro (petróleo) que tem muito valor principalmente para os chineses. Síria, uma boa demonstração e exemplo para Israel e a vizinha Síria, pois as armas Sírias são provenientes da Rússia ou da China, agora imagine essas armas nas mãos do: Hezbolah, Hamas e Al-Qaeda. Apesar de o Hezbolah ser Xiita e Al-Qaeda e Hamas Sunita e não compartilharem da mesma ideologia, ambos com o mesmo objetivo. Podem se unir em um possível ataque de Israel ao Irã, daí a região vai se transformar em um mar, só que de sangue.

Paulo Rodrigues de Moura paulorodriguesmoura@hotmail.com

São Paulo

*

A OMISSÃO DO BRASIL

Na Síria, milhares de civis inocentes estão sendo massacrados pelo regime do sanguinário ditador Assad, que não respeita os direitos humanos. Mulheres e crianças são mortas pela ditadura síria, de forma cruel e covarde. Enquanto vários países já condenaram o governo sírio e expulsaram seus diplomatas, o que fez o Brasil até aqui? Nada. Cruzou os braços. É revoltante a omissão e pusilanimidade do chanceler Antônio Patriota, repetindo o que fez com a Líbia de Kadafi agora com a Síria, deixando o povo sírio ser trucidado pelo tirano e jogado á sua própria sorte. Patriota não tem a menor condição de permanecer no cargo e a presidente Dilma se desmoraliza se nada fizer. De acordo com a ridícula política externa de avestruz que o Brasil vem adotando, se Hitler e o nazismo ainda estivessem aí, certamente Patriota iria dizer "deixa pra lá, não é problema nosso, eles que se virem". Lamentável.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

VERÍSSIMO

É engraçado ver L. F. Veríssimo (A maior metáfora do mundo, 31/5) censurar (sem metáforas) a divisão de classes que havia dentro do Titanic, responsável em grande parte pelas chances menores que os viajantes do porão tiveram de escapar com vida, ao mesmo tempo em que abomina o gosto de uma rádio francesa por tocar o "Ai se eu te pego", uma música que em sua essência simboliza a maneira de viver e de pensar de grande parte dos viajantes do porão do navio Brasil. Ah, esses intelectuais são um porre!

Hermínio Silva Júnior hsilvajr@terra.com.br

São Paulo

*

BULLYING NO CÓDIGO PENAL

O Conselho Federal de Psicologia recebeu com preocupação a notícia trazida na matéria Bullying e Perseguição entram no Código Penal, publicada na terça-feira (29), fruto de propostas de alteração no Código Penal Brasileiro em tramitação no Senado. Nós psicólogas e psicólogos, consideramos que criminalizar atitudes agressivas apresentadas por jovens e crianças é abrir mão, enquanto sociedade, pais e educadores, da tarefa que nos cabe de educar para o respeito à diferença, à diversidade, à convivência em sociedade. É preciso olhar a agressão, a humilhação, o constrangimento não sob a ótica jurídica ou patológica e sim sob a ótica educativa e do desenvolvimento humano. Acreditamos na aprendizagem, na vida e na possibilidade de crianças e adolescentes aprenderem formas de viver centradas nos valores humanos e na convivência social. E precisamos lutar por isso.

Humberto Verona, presidente ascom2@cfp.org.br

Brasília

*

DESCRIMINALIZAÇÃO DO USO DE DROGAS

Moro há dois anos em frente a uma boca de fumo. Só adolescentes vêm fumar aqui, crianças de classe média, todos bem de vida. O traficante gritava com genuíno entusiasmo que "se drogar ia deixar de ser crime", pelo que sou totalmente contra, pois nenhuma medida institucional que torne o uso de drogas socialmente aceitável ou tolerada pode ser incentivada. A medida pode ser inócua, já que todos usuários são menores, mas está claríssimo que isso só incentiva o consumo de uma droga tremendamente nociva. Parafraseando Ulysses Guimarães, tenho ódio e nojo dos autores desse projeto. Ódio e nojo. Francamente, desconfio de alguns poucos veículos que publicam com destaque qualquer referência aos interesses pela liberalização de tóxicos. Quem defende não precisa encarar maconheiros tossindo, berrando e enchendo o ar respirado por bebês a poucos metros de distância, como acontece comigo todo dia, ou já é um deles. Esses drogados são hediondos. Ninguém gosta de maconheiros. Ninguém.

Alberto Tihiro Suzuki albertosuzuki@ig.com.br

São Paulo

*

BRASIL GOLEIA AMERICANOS

Pronto, bastou meter 4 X 1 na seleção americana e já festejarem como maravilhoso o time do Mano, o técnico que até o dia anterior era criticado pela mesma mídia que agora o incensa. Os apressados parecem não ter percebido que a fraquinha seleção americana perdeu quatro ou cinco chances claras de gols e fosse apenas um "cent de dólar" melhor, talvez hoje estariam pedindo sua cabeça. Sendo os EUA tecnicamente muito inferior, também não precisava que o juiz costa-riquenho, fraquíssimo e entusiasmado por apitar tal jogo, desse um pênalti duvidoso e dois gols dos Brasil com jeito de impedimento. É dessa forma que costumamos perder títulos, no entusiasmo inicial de vitórias enganadoras.

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo

*

SALÁRIO DOS PROFESSORES

Existem decisões políticas que realmente ficam difíceis para o povo entender. Um exemplo é o caso do aumento dos professores das Universidades e Institutos Federais. Em julho de 2011 ficou acordado com o Ministério da Educação (MEC), um minguado aumento de 4% sobre o Salário Base que deveria ser aprovado pela Câmara Federal em agosto para começar a ser pago em março de 2012. A decisão do aumento empacou na Câmara e não apareceu até agora um só deputado para tocar no assunto. O interessante é que, quando se trata de aumento nos salários dos parlamentares o vapt-vupt funciona. Afinal, o Brasil é só deles ou de todos os brasileiros? Responda-nos quem puder.

Leônidas Marques - leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

GREVE NAS UNIVERSIDADES FEDERAIS

Em assembleia, os docentes da Universidade Federal do ABC decidiram pela adesão ao movimento grevista. Quiçá a paralisação da "Queridinha do Lula" deflagre alguma preocupação de nossos governantes para com as já históricas condições precárias de nosso ensino público.

André Eterovic, professor da Universidade Federal do ABC eterov@gmail.com

Santo André

*

PROFISSÃO: PROFESSOR

É fundamental que recuperemos a imagem da profissão perante a sociedade... "Governos e organismos meritocráticos enfatizam talento, educação formal e competência, em lugar de diferenças existentes, tais como classe social, etnia, ou sexo." Nas últimas décadas, o Brasil fez importantes avanços na educação básica, sendo o mais importante deles a universalização do acesso. Entretanto, imensos desafios ainda permanecem para a sociedade no tocante à educação das crianças. Entre eles, o maior desafio é, sem sombra de dúvida, a melhoria da qualidade da educação básica pública. Há um consenso em afirmar que a qualificação dos professores é o fator que mais influencia na capacidade dos alunos de aprenderem. Educar depende, em altíssimo grau, do comprometimento, da competência e da dedicação dos recursos humanos envolvidos. O principal desses recursos humanos é o professor. O professor tem que dominar o conteúdo que ensina, estar habilitado a conduzir atividades em sala de aula para que os alunos aprendam, precisa ser selecionado de acordo com a sua competência e, ainda, ser estimulado a um contínuo aperfeiçoamento para progredir em uma carreira meritocrática. O magistério público, atualmente, é uma das carreiras menos atraentes, e apresenta dificuldades para atrair bons profissionais em função do baixo salário inicial; da falta de perspectiva na carreira; das dificuldades materiais e do local de trabalho; e da desvalorização cultural e social da profissão. Além disso, há pesquisas indicando que os melhores professores abandonam a carreira de magistério nos primeiros cinco anos, justamente pelos motivos acima apontados. É fundamental que recuperemos a imagem da profissão junto à sociedade e a autoestima dos docentes para atrairmos e mantermos os melhores professores dentro da carreira. A proposta reside em desenvolver uma campanha nacional de valorização dos professores, para que voltem a ganhar o status que tinham no início do século 20 e aquele verificado, hoje, nos países com os melhores desempenhos nas avaliações mundiais. Países como Singapura e Inglaterra fizeram (e fazem continuamente) grandes esforços de marketing e relações públicas para projetar a profissão na sociedade. A Inglaterra conseguiu em cinco anos, a partir de reformas estruturais e massiva divulgação, levar a profissão de professor da 90ª posição entre as profissões mais desejadas dos estudantes de ensino médio para o 5º lugar.

Antônio Dias Neme antonio.neme@superig.com.br

São Paulo

*

‘PRESIDENTA’

Gostaria de saber se um servidor público com poderes para editar ou promulgar decretos, portarias, notas oficiais, etc., pode utilizar nesses documentos de palavras que não pertençam ao nosso léxico. Isso não equivaleria a utilizar nesses instrumentos legais palavras estrangeiras ou de outras línguas, como, por exemplo, o inglês, japonês, eslovaco, russo, suahyli, paquistanês ou qualquer outra? Peço que os juristas me esclareçam se esses documentos seriam legalmente válidos se contiverem, v.g., a expressão "a presidenta da República", etc. etc.

Flávio Rivero Rodrigues flaviorivero@estadao.com.br

Pindamonhangaba

*

ABERRAÇÃO OFICIAL

Depois da Lei 12605, sancionada pela presidenta dona Dilma Rousseff, no dia 3 de abril, em que determina o emprego obrigatório da flexão de gênero para nomear profissão ou grau de diploma, a Língua Portuguesa foi, definitivamente, para o beleléu. Daqui pra frente nossa língua passa a ser a Língua Brasileira.

Sergio S. d Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte santo de Minas (MG)

*

FLEXÃO DE GÊNERO

Realmente, com todo respeito às mulheres, mas é falta do que fazer. A lei sancionada pela presidenta Dilma, assim é que ela quer ser chamada agora, obriga as instituições de ensino público ou privado a flexão do gênero correspondente à pessoa diplomada. Chega a ser ridículo. Então uma mulher que fez um curso de torneiro mecânico vai ter de ser chamada de torneira mecânica? É, esta é o QI da presidenta do País. Pobre país.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.