Fórum dos Leitores

MENSALÃO

O Estado de S.Paulo

12 Junho 2012 | 03h06

Pressão

O ataque à imprensa independente continua, cada dia mais duro. O advogado e ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos, petista de carteirinha, veio a público em programa de televisão dizer que a imprensa tomou partido e tenta influenciar o Supremo Tribunal Federal (STF) no caso do julgamento do mensalão. Nós assistimos, hoje, a um grande esforço dos envolvidos no mensalão para tentar atacar não só a imprensa, como também os próprios juízes do Supremo. Vale lembrar que o ex-ministro teve grande influência na nomeação de 8 entre os 11 ministros daquela Corte. As afirmações do sr. Bastos são indecorosas e falsas. O jurista quer endossar palavras de José Dirceu e do próprio Lula, para quem "nunca existiu mensalão", e tenta passar a ideia de que, se os réus forem julgados culpados, os ministros teriam sido influenciados pela pressão da imprensa. Não é a imprensa, mas a grande maioria dos brasileiros honestos e decentes que quer acabar com a grande impunidade nos meios políticos do País.

MARIA TEREZA MURRAY

terezamurray@hotmail.com

São Paulo

Plebiscito

Gostaria de saber deste partido dos trabalhadores (minúsculas) se ele tem autorização para falar em nome da população. Ainda acredito na democracia, então, se querem falar em nome da população, sejam honestos e convoquem um plebiscito. O povo, na realidade, deseja uma imprensa livre.

JOÃO RICARDO SILVEIRA JALUKS

jr.jaluks@estadao.com.br

São José dos Campos

Ouvido de juiz

Parece-me que Márcio Thomaz Bastos se aliou à banda dos que querem amordaçar a imprensa, responsabilizando a mídia pelo clamor popular que, segundo ele, tem influência decisiva no veredicto dos juízes do STF. Ou seja, ele questiona a capacidade desses juízes de não se deixarem influenciar. Mas o juiz experiente, no exercício de seu ofício, está habituado a ouvir mentiras e supostas verdades e sabe muito bem selecioná-las.

DÉCIO CELIDONIO

decioml@uol.com.br

Atibaia

Bateu o desespero

Chegou a hora da verdade do mensalão. Primeiro foi o Lula, pressionando e chantageando um ministro do STF. Depois veio o ex-ministro da Justiça e defensor de alguns envolvidos no mensalão dizendo que a mídia está pautando o STF (Meu Deus!). Finalmente veio o "chefe da quadrilha", em reunião, sábado, no 16.º Congresso Nacional da União da Juventude Socialista (UJS), ligada ao PCdoB, conclamar a massa a sair às ruas em defesa da sua inocência no caso, ou seja, a pressionar a máxima autoridade jurídica do País para livrá-lo de punição. Ninguém vai reagir a essa desordem?

MAURÍCIO LIMA

mapeli@uol.com.br

São Paulo

Preferências

Zé Dirceu quer a "juventude socialista" nas ruas. O cidadão prefere político corrupto na cadeia.

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

Bengaladas

Já que ninguém no Judiciário se manifestou sobre o atentado contra a democracia cometido por José Dirceu no Congresso Nacional da União da Juventude Socialista, nem se cogitou de qualquer punição a ele, por sua incitação ao desrespeito à lei, só nos resta rezar pelo milagre da ressuscitação de Yves Hublet para desferir no insensato chefe da quadrilha do mensalão diversas e bem merecidas bengaladas corretivas.

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

Dirceu e Collor

Uma lembrança para aquele José Dirceu que usou o Congresso da UJS para pedir aos estudantes que saiam às ruas em sua defesa durante o julgamento do mensalão: Collor de Mello pediu aos estudantes que usassem o verde e amarelo para defendê-lo do impeachment. Deu no que deu.

LEÔNIDAS MARQUES

leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

ELEIÇÕES MUNICIPAIS

No trio da Marta

Fernando Haddad enfrentou um enorme dilema nesse fim de semana. A sua chance de aparecer ao lado de Marta Suplicy e, com isso, tentar "turbinar" sua campanha a prefeito de São Paulo era comparecer à Parada Gay, no mesmo trio elétrico de Marta. Mas, se tivesse ido, lembraria o episódio do kit gay, lançado quando de sua passagem pelo Ministério da Educação, e perderia de vez qualquer chance de voto dos evangélicos. E arderia no fogo do inferno com seus 3% de intenções de voto...

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

Entre Haddad e o ego

Seria Marta Suplicy uma mulher de princípios ou apenas uma garotinha mimada que não aceita ser contrariada (preterida)? Dona Marta, a política não é uma questão de ego, e, sim, do que é melhor para o povo.

JOSÉ CARLOS BARBUIO

grupo.tabapua@terra.com.br

São Paulo

ECONOMIA

Feijão-preto

Já não chegava estarmos importando etanol dos Estados Unidos, que é bem caro, agora também importamos feijão-preto da China, que é mais barato que o brasileiro? Chegamos ao fundo do poço, e ainda vemos o ministro da Fazenda, Guido Mantega, dizer que a economia vai muito bem, obrigado, e que a pseudoinflação está sob controle.

JOSÉ CLAUDIO CANATO

jccanato@yahoo.com.br

Rio Claro

Made in... China

Falta importar caipirinha, couve e carne-seca. Eis a feijoada, um prato bem brasileiro.

FAUSTO FERRAZ FILHO

faustoferrazfilho@hotmail.com

São Paulo

Feijão é chique

Alô, novos ricos! Agora comer feijão-preto é chique, é importado! Abra o olho, dona Dilma!

MILTON BULACH

mbulach@gmail.com

Campinas

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadão.com.br

HONRA

Em 1990 rejeitei convite do Alto Comando do Exército para receber a Comenda do Rio Branco, junto com a Medalha do Pacificador. Motivo: não aceitaria nenhuma homenagem que tivesse algum vínculo com o presidente Collor, posteriormente cassado por corrupção. Por que o vínculo? Porque o presidente da República é o chefe supremo das Forças Armadas. Em 2011, tal honraria foi conferida à primeira dama D. Marisa outra "grande personalidade" do governo Lula. Senti-me de alma lavada por não ter aceitado aquela homenagem. Em contraposição, recebi honroso convite do Estadão para participar de campanha publicitária, com a inserção de uma foto, em página inteira, o que aconteceu em 10/6/2012, na página B12. Gostaria de, publicamente, agradecer ao Estadão, único jornal que leio desde os meus cinco anos (já faz 75!) e à Mccann-Erickson, pelo magnífico trabalho realizado por sua equipe formada por Irceu, Ricardo Lívio e Miro,fotógrafo.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

‘O DIREITO DE ROUBAR’

Nenhum país sério que zele pela preservação das práticas democrática, permitiria o que acontece com o mensaleiro José Dirceu. O pré-condenado que já ocupou o cargo de ministro da Casa Civil no governo do atual presidente ad-hoc Luiz Inácio Lula da Silva, comete impunemente crime de incitação pública quando conclama jovens estudantes universitários no Rio de Janeiro a saírem às ruas em baderna organizada para defender o chefe da quadrilha do mensalão dos 38 pares de algemas que os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) já tem reservadas. José Dirceu afirma que "não faço nada que não seja de comum acordo e determinado por ele (Lula)". Tanto José Dirceu quanto o molusco eneadáctilo e apedeuta deveriam ser enquadrados na Lei de Segurança Nacional por incitação à desordem social pública. O que essa gente do PT imagina é que o Brasil é uma "casa da mãe Joana", ou seria a "casa do pai Lula?". O incrível, fantástico, extraordinário é o script tramado pelos petistas que estão reescrevendo uma novela até aqui inimaginável : "O direito de roubar".

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

PT, QUE VERGONHA!

No início assumiram-se ostensivamente como éticos. Depois passaram a negar tudo. Pediram desculpas, dizendo-se traídos. Inventaram desculpas esfarrapadas e, por fim, pressionam as autoridades. Como não funcionou agora se valem de porta-vozes poderosos para, quem sabe, por meio de recados marotos e convocações de parceiros, intimidarem pessoas. Esta é a triste realidade que vivemos.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

O FAVOR INDECOROSO

Apenas complementando o filósofo e professor de Ética da Unicamp, sobre a questão sobre da "origem do favor" nos governos, a coisa não começa em Roma, começa na antiguidade "Adâmica" onde se instalou o sistema de "cacique e pajés", cuja moral e ética era e continua sendo mentir para governar. Há uma confusão na era capitalista que se credita ao capitalismo, que é um mero sistema de produção. As nações "capitalistas" produzem pelo capitalismo, mas se governam pelo "feudalismo", que foi apenas uma melhoria política do tribalismo anterior, ainda defendido pelos comunistas. O melhor livro "científico" sobre a pajelança de governos que conheço, é o O Príncipe, de Maquiavel, de fato trata a forma científica de mentir para governar, que ainda é o sistema global de governos, e também administração de negócios. O Brasil é um rosário contínuo de ditaduras começando pela portuguesa das "cortes" (alguns países na Europa sempre deram mais valor às cortes do que à nação, entre eles França, Espanha e Portugal). No Brasil, a República foi apenas um passa-moleque ditatorial à ditadura imperial, como estamos agora em plena vigência de outro passa-moleque que foi a Constituição de 88, feita por comunistas e coronelistas. Conseguiu-se unir no Brasil, o que é ruim com o que é péssimo, e isso que vemos apenas é a ponta de um iceberg monstruoso, que felizmente parece que começa a se "derreter" nas próprias monstruosidades. Algo parecido com a URSS, que apodreceu no pé sem sequer ter sido amadurecida. Tomara que assim seja.

O sr. Lula é apenas um "caudilho falante dos comunistas e coronelistas", que está de fato morrendo pela boca, literalmente.

Ariovaldo Batsita arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

SALÁRIO DE MÉDICOS

Mostra-se verdadeira discípula de Maquiavel a Presidente Dilma ao assinar a medida provisória de n.º568, que diminui pela metade os salários dos novos médicos federais com carga horária de 40 horas semanais. Sim,pela metade,como se já ganhassem muito. Mas como provavelmente não haverá médicos brasileiros que queiram trabalhar por tal remuneração, que mal paga as despesas pessoais, abrem-se as portas para aqueles de países bolivarianos e de Cuba, cujas formações não são monitoradas pelos nossos órgãos competentes.Tudo já estaria planejado:basta a combinação da aplicação de prova de proficiência de nível duvidoso para tais estrangeiros, junto com o possível desinteresse dos médicos brasileiros e está armada mais uma arapuca para o povo .Ganha um doce quem adivinhar para onde irá o dinheiro desta estúpida economia salarial...

José Eduardo Zambon Elias zambonelias@estadao.com.br

Marília

*

NA CONTRAMÃO DA SAÚDE

Atualmente o Brasil conta com 1,8 médico para cada grupo de mil habitantes. Os países desenvolvidos têm mais do que isso. Há falta crônica de médicos em algumas regiões do Nordeste e do Norte. Com essa política de saúde como o povo brasileiro será saudável? Contraria a vontade da ONU que deseja o bem-estar da humanidade.

Paulo Dias Neme profpauloneme@terra.com.br

São Paulo

*

PANELAÇO

A exemplo do povo argentino, em prol do julgamento do mensalão e contra o avanço da corrupção, não seria oportuno um panelaço nacional? Deixo a dica...

Ruth de Souza Lima e Hellmeister rutellme@terra.com.br

São Paulo

*

REFORMA POLÍTICA

Estou cada vez mais convencido de que o julgamento do mensalão poderá ser o gatilho que detonará a Reforma Política, a mãe de todas as reformas que tanto necessitamos. Por mais que os envolvidos diretamente no processo e seus cúmplices tentem escamotear os fatos que motivaram o feito judicial - estes que vêm de longa data -, a realidade e o julgamento serão atentamente acompanhados pela opinião pública que exigirá uma radical mudança de costumes políticos entre nós.

José de Anchieta Nobre de Almeida José de josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

MINISTROS DO LULA NO STF

Deu no jornal Metrô de segunda-feira: o ministro Lewandowski está levando 176 dias para prolatar o resumo do mensalão. É um ilustre recordista em lentidão no STF. O que pensar ?

Orlando Cesar O. Barretto ocdobarr@usp.br

São Paulo

*

TAPA NA CARA

A entrevista dada pelo dr. Thomaz Bastos vem de encomenda e explica com perfeição o modo de gestão imposto neste governo. Até parece ter sido ditada. Desconsidera, em absoluto, qualquer sombra do que se possa identificar como comportamento ético, subordina os interesses públicos a uma prevalência de interesses privados, ideológicos e trata a todos os que não compartilham de seus ideais como idiotas plenos. Afirmação como "a imprensa deve vigiar, mas, somente até certo ponto" é reproduzir o engodo do discurso petista, ter participado na escolha de seis entre onze ministros da Corte e se dispor a representar denunciados no golpe do mensalão é esbofetear a face do mais ingênuo leigo pagador de impostos e alertar que este julgamento, a ser feito com inacreditáveis sete anos de atraso, ainda, trará consequências eleitorais. Demonstra que vestiu a fantasia de outro boneco do ventríloquo, já que este está calado por força de ter sido exposto como é de fato, na mídia todinha. Condenar a imprensa, ou a mídia, como palavra de ordem, por supostos linchamentos a condenar crimes bárbaros é ofender a razão e os direitos da população em ver as injustiças serem devidamente punidas. As pessoas se chocam ao ver o crime hediondo ser cometido, seja jogar criança pela janela, meter uma bala na namorada, assim como, também, ver seus eleitos representantes a roubar o dinheiro público na forma de mensalidade. Na falta total de defesa e representação por aqueles que eleitos estão sendo pagos para isso, órfãos pela omissão de qualquer força política organizada de contraposição ao assaque imoral em prática, a sociedade brasileira aplaude e dá loas ao trabalho incansável da imprensa e a todo e qualquer gesto que relembre a defesa dos valores que sustentam uma sociedade justa. A arrogância e a prepotência petista se baseiam na crença de que sua impunidade será eterna, e, a crer que todos os demais possam ser confundidos com sua militância ignorante e servil . Numa coisa estão certos, o julgamento do mensalão, de fato, trará consequências eleitorais aos seus pares, ainda que tardias .

Ronaldo Parisi rparisi@uol.com.br

São Paulo

*

PERDEU A LIÇÃO

Márcio Thomaz Bastos faltou a aula em que ensinava Sobral Pinto: "A advocacia não se destina à defesa de quaisquer interesses. Não basta a amizade ou honorários de vulto para que um advogado se sinta justificado diante de sua consciência pelo patrocínio de uma causa. (…) O advogado não é, assim, um técnico às ordens desta ou daquela pessoa que se dispõe a comparecer à Justiça. (…) O advogado é, necessariamente, uma consciência escrupulosa ao serviço tão só dos interesses da justiça, incumbindo-lhe, por isto, aconselhar àquelas partes que o procuram a que não discutam aqueles casos nos quais não lhes assiste nenhuma razão".

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

TUDO POR DINHEIRO

O advogado Márcio Thomaz Bastos ,que defende Carlinhos Cachoeira, disse que a imprensa está fazendo pressão contra seu cliente. Quando um ex-ministro da Justiça faz declarações dessa natureza,presumo que fica explicado por que a corrupção corre solta em nosso País...

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

ABSURDOS

Thomaz Bastos falando do clamor popular sobre julgamentos: "A imprensa tomou partido do mensalão"," influenciada pela mídia... o caso dos Nardoni foi um exemplo típico de julgamento que não houve um justiçamento" e sobre o da Daniela Perez". o julgamento se tornou uma farsa". Acreditem, esse foi o cara nomeado pelo Lula para ser ministro da Justiça. Só faltou dizer que as cadeias não deviam ter grades nem fechaduras.

Miguel Pellicciari emepe01@uol.com.br

São Paulo

*

LEVANDO VANTAGEM

Não pelos eventuais 3 milhões de pessoas na Parada Gay na cidade de São Paulo. Cada um faz como quer. Agora, juntar 3 milhões de pessoas para uma parada para moralizar eventuais casos de corrupção, nada. Na cabeça do povo não há nada disso,não existe nada disso,esse que é o grande problema. Se qualquer um pudesse estar participando dessas "mutretas" e auferindo alguns troquinhos estariam "topando" o negócio, ou não? Certamente estariam. Sem generalizar, quem não gosta de "levar vantagens?". É, de fato, acredito eu , um problema social/nacional. É um problema a ser estudado por sociólogos e antropólogos. Mas, por favor, não me chamem o sociólogo Fernando Henrique Cardoso, conhecido por muitos, aí, já será demais. Para esse tipo de análise, não serve, comprovadamente. Quanto aos antropólogos, esqueçam, são sonhadores e não servem para nada. São analistas do passado. Nem para a História servem.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

PASSEATA

Gostaria der ver tanta gente numa passeata contra a corrupção, os desmandos públicos e as mentiras perpetradas por esse governo como a quantidade de gente que compareceu na Avenida Paulista, no domingo, na parada gay.

Carlos e. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

TUDO EM FAMÍLIA

Por que será que a Controladoria-Geral da União (CGU) recomendou que em casos de investigação de funcionários públicos (como no de Ricardo Marini Moesch, diretor do Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico do Ministério de Turismo), que esses permaneçam no cargo, não se devendo aceitar pedidos de férias, afastamento ou exoneração? Não seria muito mais lógico que uma apuração rigorosa seja realizada sem sua interferência ou tentativa de cobertura de rastros? E que medidas punitivas sejam aplicadas no limite máximo da lei, para servir de exemplo aos demais funcionários públicos em cargo de confiança e responsabilidade que abusam e favorecem parentes e amigos? Ou será normal que esteja tudo em família?

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

*

INVESTIGADO

Deu problema? É só pedir exoneração do cargo, é o que aconteceu com o Diretor de Turismo, Ricardo Martini Moesch, fora mantido no cargo mesmo sob investigação, afinal ele só favoreceu a entidade dirigida por parentes, o Instituto Marca Brasil (IMB), nome bonito e pomposo, de sua mãe e esposa, que bonzinho! A exoneração visa preservar a sua "imagem" profissional, então se é isso está tudo bem, não é mesmo? Que desastre tem sido o desgoverno dos PeTralhas, será que a desonestidade e a corrupção só vão acabar quando essa "corja" deixar o desgoverno do País, será? Ainda nos resta uma esperança.

Maria Teresa Amaral mteresa0409@estadao.com.br

São Paulo

*

MAIS CORRUPÇÃO!

Quando dizemos que em matéria de política e políticos o País está atolado na lama da corrupção, roubos, desvios e superfaturamentos, somos criticados por petistas, peemedebistas e etc. É uma manobra e uma manipulação atrás da outra. Agora é a vez do diretor do Departamento de Estruturação e Articulação do Ministério do Turismo, Ricardo Martini Moesch, investigado por aprovar e liberar verbas da pasta para uma entidade que tinha a mãe dele em cargo de direção e a mulher como advogada. Liberou ao Instituto Marca Brasil, a bagatela de R$ 25,7 milhões e mesmo sob suspeita é mantido no cargo pelo ministro da pasta Gastão Vieira (PMDB-MA).

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

UNE

Mais um duto de corrupção, entre vários outros, ligados aos "ministérios" para escoar descaradamente o dinheiro publico para fins particulares e/ou para as bases de apoio a um governo que nada vê e que só toma providências após a imprensa não chapa branca colocar às claras. A União Nacional dos Estudantes (UNE), desde que Lula a captou, nos envergonha; além de não defender os interesses dos estudantes e das causas justas gasta nosso dinheiro a bel prazer em despesas fajutas comprovadas por notas fiscais frias. Mais um presente do PT aos brasileiros tolos.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

MENSALÃO DA UNE?

Baseado nos noticiários, pode estar "pintando" aí

um escândalo de grandes proporções que poderia

ser chamado de "Mensalão da UNE". Uma possível CPI talvez explicasse o estranho silêncio da classe estudantil diante de todas as mazelas do governo nos últimos tempos.

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

O GRANDE APRENDIZADO DA UNE

Os integrantes da UNE devem ser aprovados, com louvor, no fim do ano - lógico, pelo PT - como bons alunos que estão aprendendo rápido as lições de falcatruas. São os futuros políticos integrantes do PT e do PCdoB, que vão "impulsionar" este país para frente, certamente, em direção ao abismo. Brasil, país composto de cidadãos malditos, é composto de 90% de espertos e somente 10% de pessoas honestas, cônscias de suas responsabilidades, coerentes com seus ideais e de boa índole. O resto, realmente, o resto é resto de podridão, sem-vergonhice na cara, oportunista e corrupta em função do sangue que lhes corre nas veias, pelo DNA de cada um.

João Roberto Gullino jrgullino@oi.com.br

Petrópolis

*

A UNE VIROU CHIQUEIRO

A União Nacional dos Estudantes (UNE) da qual participei no final da década de 60 não mais existe. Hoje, comprada por Luiz Inácio Lula da Silva e transformada em chiqueiro do PT, é comandada por outro ramo da mega quadrilha, o jurássico PC do B. E como se a desmoralização da outrora séria entidade estudantil não bastasse, seus atuais dirigentes ainda se dedicam a assaltar os cofres públicos.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

UNE ENXOVALHADA

Na condição de militante da UEE/SP, instância da UNE em seu momento trágico de clandestinidade, na década de 70, em que cumpria manter essas entidades vivas apesar da prisão, perseguição e do exílio de seus diretores e no qual convivemos não só com torturas, mas também com mortes dos jovens que resistiam em suas trincheiras democráticas do movimento estudantil, como Honestino Guimarães , Gildo Macedo Lacerda e outros sacrificados, assassinados friamente pela ditadura militar, nossa dor ainda não foi de todo suprimida, ao ver, hoje, a canalhice presente na UNE, objeto de ação do Ministério Público Federal, segundo comentou O Estado de São Paulo.

Amadeu Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

FAXINA DE CORRUPTOS

Nos anos 60, quando eu e muitos colegas fazíamos parte da União Nacional dos Estudantes (UNE) essa entidade era respeitada pela sua luta contra a ditadura de Getúlio Vargas. Era um reduto de intelectuais honestos que participavam e lutavam de peito aberto pelo bem da Nação brasileira. Lembro-me do Largo São Francisco, em São Paulo, onde para nos defendermos dos ataques da guarda civil montada durante os protestos, jogávamos bolinhas de gude no asfalto para os cavalos da guarda escorregarem e não nos alcançarem. Vejo hoje com tristeza a degradação da UNE, desde a ascensão do governo petista ao poder, essa entidade tornou-se uma faculdade de preparo para futuros corruptos e corruptores do Brasil. Haja vista a recente investigação do Ministério Público, que essa entidade vem sofrendo pelo mau uso das verbas públicas. Esperamos que o Ministério Público vá fundo nas investigações, para que possamos logo eliminar esses prováveis corruptos da nossa sociedade.

Valdy Callado valdypinto@hotmail.com

São Paulo

*

ELEIÇÕES BANALIZADAS

É degradante o rumo que a campanha para prefeito de São Paulo vem tomando, aliás, a exemplo das últimas eleições que conspurcaram o País. Como foi destacado, mais de uma vez, é uma verdadeira briga de foice para arregimentar siglas exclusivamente em função do tempo que cada uma delas dispõe no horário eleitoral gratuito. Um ato cívico de fundamental importância para o futuro da cidade, como são as eleições para prefeito e para vereadores é banalizado e transformado em reality show, com direito a marqueteiro e tudo mais. Em suma, o candidato aparece na telinha e não apresenta os seus objetivos e o respectivo planejamento que pretende adotar para governar a cidade, mas desfila uma série de clichês, todos costumeiramente adotados em eleições anteriores e lá vêm saúde, educação, transporte, segurança, meio ambiente, etc. Uma vez eleito o etc. vem em primeiro lugar. Em 7/6 o Estadão publicou mais uma matéria sobre as coligações e pela qual ficamos sabendo de disparates do naipe, PSDB procura fechar com PP, entrando na negociação a Secretaria da Habitação, mas, Maluf, sempre ele, ainda iria conversar com PT e PMDB. O prefeito de Recife foi escanteado na sua pretensão de reeleger-se sacrificado que foi pelo PT para que um candidato da sigla ganhasse algum tempo na TV, na eleição de São Paulo. Em termos de democracia isso tem sentido? Claro que não. Assim, se José Serra for eleito, a cidade vai ser governada por uma equipe formada por elementos ligados a Serra, Paulo Maluf, o senador Nascimento do PR e o atual prefeito Kassab; e a perspectiva de tal ocorrência não é nada auspiciosa. Mas será que valerá a pena, para um candidato como Serra, disparado na intenção de votos, por alguns minutos no horário em que a população desliga a TV, ou vai para os canais a cabo? Ou seria melhor sozinho do que mal acompanhado? Se eleito Haddad do PT, a cidade na verdade vai ser governada por Lula e sua equipe, justo ele que nunca morou e nem se interessa por ela. Assim vai ser para todos os outros candidatos que detêm certo potencial de ser eleito. Não aprovo a senadora Marta Suplicy, por não considerá-la uma boa representante de São Paulo no Senado, mas é lógico que fez bem ao se negar a participar do "Haddad´s Show" encenado por Lula na homologação da candidatura de seu pupilo, já que foi ditatorialmente impedida de concorrer à indicação do partido. Parece que o ex-presidente se considera um espécie de Papa da Nação, nomeando seus cardeais ao seu gosto em todos os rincões brasileiros. Diante dessas chapas tipo minestrone as perguntas que restam são, votar em quem, porquê e para quê?

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

COMPANHEIRA

A companheira e Senadora Marta Suplicy preferiu não entrar em canoa furada e dar uma parada em São Paulo no domingo. Nitidamente demonstrou o desprezo pela candidatura Haddad e pelo rumar da carruagem não servirá de pano de fundo para acompanhar o enterro e sepultamento de uma candidatura fadada ao insucesso. Eis o modo da política brasileira que sempre é refratária aos anseios da sociedade.

Yvette Kfouri Abrão abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

DONA MARTA

Não sou petista,não votei nessa senhora para a Prefeitura de São Paulo,mas reconheço que ela fez um governo bem interessante. Isso posto, não posso me furtar em elogiá-la pela atitude madura e convincente quando nega apoio a candidatura de um desconhecido, imposto pelo ex e talvez ainda atual presidente da República. Mesmos os mais inocentes em política conseguem separar o joio do trigo e afirmar que para o partido e para a disputa democrática a senhora Marta é a melhor opção do PT para São Paulo. Quando motivos escusos levam o sr. Lula a impingir em São Paulo alguém sabidamente incapaz de agregar,comprovadamente

inexpressivo na política e na administração, deixando rastros por onde passou no governo federal, devemos colocar as barbas de molho, pois algo de podre e malfeito está escondido sob o tapete.

Renato Queiroz rqtarruda@hotmail.com

São Paulo

*

BOA ESCOLHA, D. MARTA!

Cara senadora Marta Suplicy, gostaria de poder elogiar Sua Excelência pelo que tenha feito, dada sua longa data na política. Mas não vi ainda razão para tal. Infelizmente só me resta elogiá-la pelo que não fez: "Não dizer amem ao rei", na forçada candidatura do PT em São Paulo. Parabéns!

Benedito Antonio Turssi turssi@ecoxim.com.br

São Paulo

*

EDUARDO SUPLICY

Se o senador Eduardo Suplicy, em vez de se desapontar pela não inclusão do seu projeto de Renda Mínima no programa de governo do candidato a prefeito de São Paulo, senhor Fernando Haddad, se desapontasse pelo desprezo demonstrado pelo ex-presidente Lula em relação à dona Marta, sua ex-mulher, o petismo adquiriria um viés inédito de honradez.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

AO JEGUE COM CARINHO

Acostumados que estamos com as mesmices dos acontecimentos políticos-administrativos e judiciários do nosso País, nosso Estadão nos brinda com a emotiva e humana reportagem de Gilles Lapouge, no caderno Aliás (J8,l0/6),sobre as criaturas mais dóceis no reino animal,que serve (serviu) o homem nestes últimos quatro milênios. A oração de Francis Jammes, tão bem citada por Lapouge,nos emociona, e, com sinceridade de "jumento", nos leva às lágrimas.Valeu nosso domingo,dia do Senhor,que usou um jumentinho para carregá-lo até Jerusalém.

Aloisio Arruda De Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

*

JEGUE EM PARIS

Em relação ao excelente e ecológico artigo de Gilles Lapouge, Ode ao jumento, tomo a liberdade de lembrar que em Paris, em 1906, um pequeno asno chamado Kuigno ajudou eficientemente Santos Dumont a rebocar o pioneiro avião 14-bis, pendurado em um cabo de aço, para testes prévios de estabilidade, no Campo de Bagatelle.

Paulo Miguel de Campos Petroni angelapetroni@bol.com.br

São Paulo

*

PRAZER LITERÁRIO

Deslumbrante o texto de Gilles Lapouge,Ao Jegue, com Carinho.Creio que nunca alguém conseguiu escrever com tanta ternura sobre esse animalzinho;poucos também o viram com tanta ternura. É coisa de mestre saber montar essa elegia a respeito de tal tema.É um prazer indescritível poder ler tão bela literatura na manhã de domingo.Parabéns, mais uma vez, ao francês. Gostaria de ver nos próximos dias algum resenhista, crítico literário ou catedrático de nossas universidades, acrescentando o que já foi escrito em nossa literatura sobre o tema. Não pode ser esquecido o magistral conto de Guimarães Rosa:O Burrinho Pedrês. Inigualável também na mensagem que se depreende da trama. O caráter do burrinho humanizado é um exemplo de dignidade que ele humildemente deixa de lição. Gostaria de ver mais os textos roseanos dissecados para que os brasileiros conhecessem essa genialidade ainda desconhecida da maioria dos brasileiros.

Mírian Gonzalez Hashimoto miha@uol.com.br

São Paulo

*

‘DILEMA CAOLHO’

Foi com alegria e prazer que li o artigo Dilema caolho (B2, 10/6) no Estadão. Alegria por saber que existem ainda pessoas que pensam, que refletem, que analisam antes de sair escrevendo suas colunas. Sexta-feira, não me lembro, li uma matéria de um professor da PUC onde ele enaltece a genialidade da Dilma, e chega a propor que seja a ela concedido o título de economista do ano. Sim, a economista do ano e isso dito por um professor de economia da PUC. No domingo leio, repito, com alegria e prazer o artigo de Suely, o qual mostra de forma direta, objetiva e equilibrada os grandes e reais problemas que estamos enfrentando hoje no Brasil. Peço permissão para me estender um pouco e tecer alguns comentários:

1. O crescimento recente foi obtido por meio do "multiplicador" do crédito e pela introdução do crédito consignado.

2. A entrada dos bancos pequenos - que estão quebrando - levou a um "afrouxamento" na concessão do crédito e os grandes bancos proporcionaram liquidez a estas instituições acreditando que as mesmas fossem sérias e estivessem fazendo adequadas diligências de crédito. Isso faz lembrar o que aconteceu nos EUA.

3. A renda não cresceu o suficiente e, portanto, o limite de crédito foi atingido rapidamente, e a inadimplência aumentou consideravelmente, motivo que está levando os bancos pequenos a fecharem as portas e levando os bancos grandes a aumentarem suas provisões.

4. A política de valorização cambial atingiu em cheio a indústria, desestimulado o investimento e levando a um forte decréscimo na produção industrial.

5. O emprego cresceu sim, mas foi o emprego de baixa qualidade e baixa produtividade. O setor de serviço é muito abrangente e engloba desde telemarketing até centro de pesquisa de física quântica. Infelizmente o "serviço" que cresceu no Brasil foi o do telemarketing, cujo seus operadores possuem especial habilidade em conjugar os verbos no gerúndio.

Temos hoje uma indústria pouco competitiva, desatualizada, uma agricultura desestimulada e uma população endividada. Como crescer, em curto prazo, nessas condições? Impossível, vão ser necessários reformas importantes, investimento público relevantes e bem focados - fazer estádio de futebol, transposição de rio, e coisas do gênero tem efeito multiplicador muito limitado -, resolver o problema do endividamento - posto que não vai ter renda para pagar dívida e consumir - e, aí sim, abrir oportunidade para o investimento privado. Perseguir a política de jogar os juros no chão, imaginando que, com isso, que o consumo e o investimento vão ser estimulados é um erro grosseiro. Primeiro que as famílias não têm renda para, ao mesmo tempo, pagar as dívidas e aumentar o consumo, e os bancos não vão ser loucos de serem complacentes na gestão do risco de crédito. Segundo que nenhum empresário investe sem ter uma clara certeza da sustentabilidade do consumo. Vamos ter momentos interessantes pela frente, muito semelhantes àqueles vividos nos anos 70, 80 e 90. Do fundo do coração, tomara que eu esteja errado e o professor da PUC certo !

Luiz Fernando Soares Brandão lsbrandao@uol.com.br

São Paulo

*

MESSI X NEYMAR

No jogo amistoso entre Brasil (3) e Argentina (4), o melhor do mundo, Lionel Messi deu um show a parte, fez três gols. São em jogos de maior expressão que o craque faz a diferença! Contra o Santos na final do mundial, o Barcelona venceu por 4 x 0, com dois gols de Messi. Infelizmente o craque Neymar nos comparativos está em ampla desvantagem! O tango está melhor que o samba e o pagode. Messi canta; eu quero tchu, eu quero tcha, tchutcha, e tchutchou cinco gols nos brasileiros em dois jogos.

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

*

BRASIL X ARGENTINA

Bom jogo do jovem da seleção brasileira, apesar dos 4x3 dos portenhos. A única decepção foi Neymar não sair do 0 e Messi dar-lhe uma lição de como fazer 3 gols.

Antônio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

 

*

PENA QUE NÃO É BRASIELEIRO

Messi não faz malabarismo circense, lambreta acrobática, pedalada acelerada, nem drible carretilha. Faz gols! Um atrás do outro! É,disparado,o melhor do mundo!Pena que jogue de azul e branco.

Js Ðecol decoljs@globo.com

São Paulo

*

MANO A MANO

Sou só mais um entre os milhões de técnicos de futebol brasileiro, mas uma coisa eu sei: não dá para deixar Lionel Messi, eleito o melhor jogador do mundo, sem marcação especial e, ainda mais, com nossa defesa jogando em linha. Resultado: três lindos gols do grande craque argentino e mais uma derrota da seleção canarinho.

Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br

São Paulo

*

GANSO

A meu ver, ridícula, desnecessária e deplorável a má vontade do técnico Mano Menezes com o jogador Paulo Henrique Ganso. Foi mais sensato e inteligente Ganso operar agora e voltar a atuar logo em jogos importantes para o Santos e para a própria seleção. Se o talentoso Ganso jogasse no Corinthians, Mano não apelaria para este brega show particular de estrelismo. Isso está cheirando a futuras e esfarrapadas desculpas para eventuais fracassos da seleção.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

CRIME PREMEDITADO

É preciso ser muito ingênuo para acreditar que o crime não foi premeditado. Primeiro a mulher contrata um detetive para confirmar suas suspeitas. De posse das provas, Elize parte para o próximo passo, matar o marido. Depois do crime dá um jeito de se livrar do corpo de uma forma macabra, tudo porque a mulher estava possuída pelo ódio. Como se sabe não há crime perfeito. Há sim pessoas idiotas que acham que podem enganar os outros. As evidências estão postas, as provas são mais do que robustas. O motivo do crime: ciúme? Ninguém tem o direito de tirar a vida de seu semelhante. Que a justiça aja rapidamente, que a assassina aguarde sua sentença presa e que no júri popular suas lágrimas não sirvam para convencer bobos de plantão. Pobre filha do casal, tinha um lar e será condenada a ser criada sem seus pais por uma fraqueza humana e pela prepotência do ser humano de achar que pode ser dono das pessoas.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

O BRASIL EM PRÉ-GUERRA CIVIL

Vivemos num país, cada dia, mais estranho. Ao mesmo tempo em que se destaca a democracia, o Estado e seus agentes abrem mão de seus direitos e negligenciam nas suas obrigações. Autoridades e encarregados de segurança agora passaram ao absurdo de aconselhar o povo a instalar alarmes, câmeras, grades e outros meios próprios de presídio de segurança máxima, já que não recebe o mínimo da proteção do Estado. Tudo isso depois da campanha de desarmamento que só conseguiu desarmar e fragilizar ainda mais o cidadão, pois os bandidos continuam portando verdadeiros arsenais e agora, de quebra, ainda têm a certeza de que suas vítimas não têm com que reagir. O sobressalto que hoje vivemos e o número de vítimas que o País contabiliza são pré-indicativos de uma guerra civil. É um quadro crítico, que não se coaduna com uma nação que se encontra entre as principais economias do mundo e se dá ao luxo de empregar milhões na realização de uma Copa do Mundo. É preciso devolver às pessoas a segurança e a liberdade de ir e vir. O Estado, como instituição, não pode abrir mão do seu "imperium" e nem transferir suas obrigações para o cidadão. Garantir a segurança pública é sua obrigação e, para isso, existem a justiça e todo o aparelho policial. Governantes, congressistas e autoridades relacionadas à área têm de se empenhar no encontro de fórmulas que restabeleçam o equilíbrio perdido. A sociedade de hoje é obrigada a conviver com valores duvidosos ou negligenciados. A legislação penal é antiga, desatualizada e acrescida de muitas benesses aos criminosos e contraventores. Precisamos, urgentemente, restabelecer a autoridade e a eficácia da estrutura judicial e policial. Ter a certeza de que quem comete ilícitos vai pagar por eles, e acabar com o sonho, a demagogia e a loucura daqueles que, a título de modernizar ou redemocratizar, têm jogado a autoridade e os princípios do Estado brasileiro na lata do lixo...

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

LEGÍTIMA DEFESA

A matéria sobre a idosa que matou o bandido (C4,11/6) resgata uma expressão há muito esquecida: "legítima defesa". É esse direito que a sociedade brasileira vem perdendo embalada na ficção do politicamente correto. A sociedade não reage e é refém do crime. Arrastões, invasões, sequestros e violência gratuita ocorrem sem reação e beneficiam sem custo nem risco os seus protagonistas. Só o armamento, instruído, da população, em legítima defesa, pode devolver o estado de direito e a justiça há muito perdidos pela sociedade de mansos e conformados em que nos tornamos. É preciso reagir. Parabéns à octogenária gaúcha por sua coragem e indignação que eliminou um bandido e deu uma lição a todos nós!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

 

*

VALDÍVIA

Vítima de um sequestro relâmpago, o jogador de futebol Valdívia,não perdeu a vida por um milagre e não pensou duas vezes, pegou a família e partiu para o Chile, sua pátria, onde tem segurança. Recentemente estive em Santiago (Chile) e ao chegar ao hotel o recepcionista deu-me as boas-vindas e logo foi dizendo "aqui você não precisa andar com medo, não temos a violência que há no Brasil". Está dando vergonha de ser brasileiro, um país que tinha tudo para dar certo, mas infelizmente mal governado, refém da corrupção, de maus políticos e de um judiciário que não prende ninguém,chegamos a essa situação em que o cidadão de bem está acuado pelos marginais , muitas vezes , sem saber, condenado à morte . As nossas residências estão sendo invadidas e as nossas famílias assassinadas pelos facínoras, não podemos nem mais ir a um restaurante, onde corremos o risco de um arrastão. Não temos mais para aonde ir e ninguém faz nada. O Valdívia foi para sua terra em busca de segurança para si e para a sua família ,ele pode, enquanto nós, vamos continuar por aqui, em pânico, convivendo diariamente com a barbárie que assola todo o País.

Carlos Dos Reis Carvalho carlosrc19@hotmail.com

Avaré

*

CIGARRO X GENIALIDADE

Há poucos meses Chico Anísio, agora Ivan Lessa. Perdas irreparáveis, tristes e evitáveis. Nos telejornais ambos foram dados como vítimas de enfisema pulmonar, mas por que não dizer a verdade. Foram mortos pelo cigarro, por esta maldita e absurda droga, dita legal, mas extremamente imoral. Nas imagens de Ivan Lessa vemos sempre uma névoa, um cinzeiro lotado de bitucas ou um cigarro acesso à mão. Fora estas vítima ilustres, conheço inúmeras outras não conhecidas. Trabalhadores e pais de família. Mortos ou sucumbindo, alguns pelo dito enfisema, outros por carcinomas e gangrenas. Gostaria imensamente que a imprensa notificasse o grande público da verdade: Chico Anísio e Ivan Lessa sofreram e morreram vítimas do vício do cigarro. Cigarro destrói vidas e talentos. Como profissional de saúde me sinto na obrigação de fazer esse manifesto. Quero ser um contraponto a autoentitulada cadeia produtiva do tabaco. Essa organização que objetiva pressionar órgãos públicos na manutenção da indústria do vício, como vimos no estabelecimento de limites à aplicação de aditivos ao tabaco.

João Marcos Fernanes jmf.dentista@bol.com.br

Jandira

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.