Fórum dos Leitores

DELTA

O Estado de S.Paulo

14 Junho 2012 | 03h09

Inidônea

A Controladoria-Geral da União (CGU) declarou a Delta Construções inidônea e proibiu novos contratos da empresa com órgãos públicos. A campeã das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) já recebeu R$ 4 bilhões do governo desde 2001, uma montanha de dinheiro. Independentemente de "futuras" licitações da quais a empresa estará fora, é importante divulgar as informações sobre todas as obras contempladas pela Delta: prazos de entrega, seu estágio atual e, para os casos de obras inacabadas, como ficarão ou serão geridas daqui para a frente, até a sua conclusão. Essas informações se justificam em respeito aos contribuintes deste país e são a oportunidade para o governo confirmar a propalada gestão de excelência nos projetos incluídos no famoso PAC.

RENATO DE REZENDE PIERRI

Renato.pierri@cerp.com.br

São Paulo

'Pente-fino'

Contratos da Delta em andamento vão passar, agora, por um "pente-fino". Pergunto: Quem fará esse levantamento? Uma comissão de governistas coordenada pelo PT? E cadê a responsabilidade da gerentona do PAC?

VAGNER RICCIARDI

vbricci@estadao.com.br

São Paulo

MONTE CARLO

Escutas ilegais

Mais uma operação da Polícia Federal corre o risco de virar pó. As escutas telefônicas da Operação Monte Carlo, que desmontou o grupo de Carlinhos Cachoeira, foram consideradas ilegais por um desembargador, e só é preciso mais um voto no Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1), de Brasília, para ir por terra todo o trabalho investigativo, dificultando a atuação do Ministério Público. O magistrado Tourinho Neto sustenta que as escutas só podem ser usadas de forma excepcional e que o delegado errou ao basear o seu pedido em denúncias anônimas. Ora, diante das circunstâncias do caso concreto, o juiz de primeiro grau entendeu suficientes os argumentos apresentados, tanto é que houve a autorização judicial. Ambos os juízes fizeram uso do princípio do livre convencimento motivado, mas não nos podemos esquecer de que o Direito existe para servir à sociedade, e uma decisão favorável à impunidade seria desastrosa. Vamos torcer para que, no final do julgamento, os bandidos que podem contratar os melhores advogados não batam palmas mais uma vez.

DALILA DE MELLO C. VIEIRA

dalilamelloc@hotmail.com

Alfenas

Houve crime?

A nós interessa apenas saber se o sr. Cachoeira cometeu de fato as ações criminosas. Com o seu voto, o desembargador Tourinho Neto prejudica a sociedade brasileira como um todo. Cabe ao sr. Cachoeira um julgamento justo, com direito à defesa, como todas as pessoas que cometem crimes.

VITÓRIO F. MASSONI

suporte@eam.com.br

Catanduva

CPI

Novela mexicana

Os governadores Marconi Perillo (PSDB-GO) e Agnelo Queiroz (PT-DF) foram à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cachoeira com o crachá de santos e, depois de muita lorota, cinismo e declarações de fazer inveja a novelas mexicanas, receberam um atestado, por ora, de puros e inatacáveis. Devem ter saído de lá direto para o Vaticano...

VICENTE LIMONGI NETTO

limonginetto@hotmail.com

Brasília

Lula fez escola

Pelo que se viu na CPI, até agora, a situação é esta: praticamente todos os partidos se atolaram na lama da corrupção e, por isso, seus membros fazem teatro em público para o povão e se acertam nos bastidores. Parece que o tom é "o meu governador é menos corrupto que o seu!". E Lula fez escola: ninguém sabia que Cachoeira era bicheiro. Mas para que se preocupar? Vêm aí o Natal, o carnaval, a Copa do Mundo, a Olimpíada, e, daqui a alguns dias, ninguém mais se lembrará de nada e todos os corruptos serão reeleitos. Pobre país!

JOSÉ MILTON GALINDO

galindo52@hotmail.com

Eldorado

Picuinhas

Inaceitável o comportamento de nossos representantes na CPI, que põem as picuinhas de seus companheiros, colegas e, principalmente, partidos políticos acima, mas muito acima, dos interesses da Nação.

SEBASTIÃO HETEM

sebahetem@ig.com.br

Taiúva

SEGURANÇA

Arrastões em São Paulo

Segundo o secretário de Segurança Pública de São Paulo, Antonio Ferreira Pinto, até o fim do ano 7 mil policiais militares (PMs) hoje em funções administrativas passarão a combater diretamente a criminalidade. Isso dá uma ligeira noção de como funciona a máquina de segurança pública no Estado. O governador Geraldo Alckmin promete aumentar o efetivo da PM com a formação de novos praças, enquanto 7 mil deles cumprem funções burocráticas. Pelo visto, o que falta é planejamento para oferecer mais tranquilidade à população. Por outro lado, é preciso também que a sociedade e a imprensa se mobilizem no sentido de pressionar os parlamentares no Congresso Nacional para promoverem mudanças no Código Penal e na Lei das Execuções Penais. As pessoas de bem que trabalham e pagam impostos estão cansadas de tanta tolerância com bandidos.

SÉRGIO LUIZ CORRÊA

seluco@uol.com.br

Santos

Rendidos

Em São Paulo não podemos mais ir a um restaurante, a um shopping, a uma farmácia com tranquilidade. E o problema da segurança pública não é falta de recursos, pois, se abrem mão de R$ 400 milhões em impostos para construir um estádio de futebol (Prefeitura), gastam R$ 70 milhões numa arquibancada que depois vai para o lixo (governo do Estado) e muitos bilhões para realizar uma Olimpíada (governo federal), está claro que dinheiro há, e muito. As polícias têm de ser mais bem equipadas; os policiais, receber melhores salários; e é necessário muito trabalho de inteligência contra a bandidagem. Nós temos de sair às ruas, bater panela, pintar as caras, só não podemos continuar rendidos.

SÍLVIO SCHAEFER

excess@netpoint.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

AGNELO QUEIROZ

Agnelo Queiroz ofereceu a quebra de seus sigilos bancário e telefônico, já que sabe que nada poderá ser encontrado por lá para refutar as acusações de seu vertiginoso enriquecimento. Gostaria muito de conseguir do governador do Distrito Federal a autorização das mesmas quebras de sigilos de seus familiares e laranjas, onde, certamente, estarão as provas dos desvios de dinheiro público.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

O MELHOR EMPREGO

Realmente o melhor emprego do mundo é ser político no Brasil. O patrimônio do governador do DF, Agnelo Queiroz (PT), aumentou 12 vezes em 12 anos. Jovens, não percam seu tempo estudando, queimando neurônios, procurando algum conhecimento ou aprendizado, comecem já, neste ano, se candidatando nas eleições municipais. Para quê estudar se um semianalfabeto vira milionário e até recebe titulo de dr. Honoris Causa? O que você tem de fazer para obter esse título? Se graduar, fazer mestrado e doutorado, e ainda assim é bem capaz de não conseguir. Vá para a política. Basta saber ler e escrever. Nem 1.º grau precisa. Não viu o Tiririca. Fez um intensivo de 40 dias, aprendeu a ler e escrever, para passar no teste do TSE e está lá, na Câmara, ganhando um caminhão de dinheiro por mês + mordomias, pagas por nós.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

LULA, PERILLO E A PRESIDÊNCIA

O leitor Ferdinando Perrella tem razão ao dizer que nasce um novo presidenciável do PSDB - Marconi Perillo. Na história greco-romana, os governantes eram heróis de guerra, não figuras insípidas e enjoativas maquiadas por marqueteiros, com sua presença assemelhada a manequins de shoppings e discursos anódinos, tão cuidados que se tornam inexpressivos. Lula pode estar gerando, sob o efeito bumerangue de sua vingança pedestre, outra candidatura ao Planalto. Nosso combativo metalúrgico parece vaticinado a fazer presidentes da República.

Amadeu Garrido amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

INDIFERENÇAS

Ao contrário dos outros que foram depor na CPMI de Carlinhos Cachoeira, Marconi Perillo decidiu fazer sua campanha para os próximos pleitos eleitorais,só lamento que a posição do senador Álvaro Dias quando fala de mazelas feitas por componentes de seu partido. Ele faz declarações mais amenas,quando, na realidade, o que interessa ao País e ao seu povo é a moralidade independente da sigla do partido.

Virgilio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

O CONTADOR DE HISTÓRIAS

Antes de começar o depoimento do governador Perillo na CPMI do Cachoeira, tinha certeza de que ele diria que usaria seu direito constitucional de ficar calado. Mas não, preferiu contar histórias da carochinha. Os parlamentares presentes ficaram todos embevecidos. Nem perguntaram nada para não quebrar o encanto!

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

NÃO HÁ NADA ERRADO AQUI

O acompanhamento das oitivas dos dois governadores na CPMI do Cachoeira nos força a ter que concordar com Lula, ou seja, a corrupção no Brasil é uma farsa. A honestidade impera. A corrupção não emperra. A situação de "jus esperneandis" que era característica do PT passa a se espalhar por todos os neobobos que achavam que alguma ou muita coisa estava errada. Quando pensávamos que nossa corte maior condenaria o mensalão, ficamos frustrados com a possibilidade dessa teia de renda negra que se espalha pelos corredores palacianos cair por cima dos nossos magistrados maiores e turvar suas visões.

Geraldo de Paula e Silva Geraldo geraldodepaula@ibest.com.br

Rio de Janeiro

*

CPI X MENSALÂO

Estamos assistindo em Brasília ao circo dos horrores.Uns querendo ferrar aos outros e todos juntos na mesma linha de aos inimigos tudo e aos amigos nada. O PT querendo mostrar que o PSDB está junto com Cachoeira e o PSDB mostrando que o Mensalão é filho legítimo do PT. Na verdade, o foco já foi e já era, mostrar quem se beneficiou. Podemos já sem nenhuma dúvida, dizer que isso não vai dar em nada, pois se não mudarem as leis que só dão oportunidade aos larápios e canalhas de se ajuntarem, nada vai mudar e tudo vai ficar como antes no quartel de Brasília.Vontade política? Ah, isso nem passa perto deles.

Antônio José G.Marque a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

FESTAS JUNINAS

Estamos em pleno período junino, época de grande alegria no nordeste e também em Brasília, tudo devido às "quadrilhas". Aliás, o que não falta no planalto é quadrilha, e, enquanto algumas dançam, como a do Cachoeira, outras florescem, e assim, nossos alegres representantes vão pulando de quadrilha em quadrilha. Enquanto isso quem realmente "dança" é o povo.

Nestor Rodrigues Pereira Filho rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

*

NINGUÉM ME AGRADA

Ao assistir pacientemente à CPI do Cachoeira, no dia do governador de Goiás, fica clara a diferença entre os petistas e os psdbistas, os petistas nitidamente querendo culpá-lo a qualquer custo. A postura petista sempre debochada e deselegante chega a dar nojo, e eu posso dizer a vontade porque não gosto do PSDB e acho que ambos são governos extremamente caros, só pensam em arrecadar, não deixam empresários e indústrias crescerem, emperram o Brasil, que anda por conta de seus empresários e trabalhadores que são loucos. Afinal, empreender no Brasil é um perigo.

Roberto Moreira Da Silva rrobertoms@uol.com.br

Cotia

*

5 MINUTOS DE FAMA

Já que a TV invadiu nossos lares com programas de qualidade duvidosa, agora nos flashes das notícias do dia somos obrigados a assistir ao desenrolar da CPI no Congresso, que, na realidade, não deixa de ser um espetáculo deprimente, pois a maioria dos parlamentares não são objetivos nas perguntas e nota-se, o que eles desejam mesmo, é de serem focalizados por mais tempo na TV.

José Millei j.millei@hotmail.com

São Paulo

*

TRABALHO EM VÂO

Ora, nosso ex-ministro da Justiça escondia dinheiro no exterior e teve de pagar o devido para ficar "limpo"; permaneceu então no cargo, devido ao sr. Lula, este amante da ética e da moralidade pública. Não poderia mesmo apreciar o trabalho útil da imprensa.

André C. Frohnknecht anchar.fro@hotmail.com

São Paulo

*

LIBERDADE DE IMPRENSA

Impedir a liberdade de imprensa é algo tão retrógrado que se torna inimaginável. Principalmente porque os únicos beneficiados por tal ato seriam grupos de pessoas que temem que verdades venham à tona.

Maria Do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com

Bauru

*

UNE

Desde a década de 50, não conheci a UNE como outra coisa, está apenas nadando de braçadas no comunismo que ajudou implantar e que sempre defendeu com dinheiro público.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

DESCARCTERIZADA

A UNE está corrompida, perdeu a personalidade, é chapa branca, é pau mandado que José Dirceu está chamando às falas, quer que atue em seu beneficio para que seja inocentado no julgamento dos mensaleiros. Outrora a UNE, independente, se manifestava com frequência, mas desde algum tempo está de bico calado, mesmo diante dos maiores escândalos de corrupção, a exemplo do que aconteceu em 2005, passível até de impeachment. Agora José Dirceu, apavorado, cobra contrapartida, quer apoio da classe estudantil, enquanto a população, enojada com a generalizada impunidade, clama por justiça, por punição aos malfeitores.

Humberto Schuwartz Soares

Vila Velha (ES)

*

ESTAMOS TODOS BEM

Com frequência significativa, lê-se que o Brasil continua muito bem-visto lá fora, como se o conforto e a felicidade do povo brasileiro dependesse apenas disso. Pessoas endividadas, comércio a passos de cágado, etanol e até feijão preto importados, lixo hospitalar chegando às toneladas, mercadorias chinesas a preços que destroem as indústrias nacionais, corrupção, suborno, desvios, superfaturamento de obras, enriquecimento ilícito, políticos desonestos, bicheiros e traficantes dando as cartas, insegurança para ir a um boteco. Mas somos bem-vistos pelo mundo. Que bom!

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

ETANOL X FEIJÃO PRETO

Quem diria! Quando Lula era presidente bastava uma crise em qualquer parte do mundo para que ele e todos os petistas fizessem o maior estardalhaço com a descoberta de um poço do Pré Sal, agora estamos importando etanol dos Estados Unidos, quiçá gasolina e óleo diesel, começamos a importar feijão preto da China, logo vamos importar cebola, batata, leite, caipirinha etc. Viva o governo Lula e Dilma! Acorda nação brasileira!

José Noel Terra jnt@pocos-net.com.br

Poços de Caldas (MG)

*

ECONOMIA PARA O BREJO

Não param de sair notícias negativas sobre a economia nacional: emprego e salário na indústria registram queda em abril, afirma IBGE. E aí Lula, será que a sua substituta vai nos deixar uma herança maldita, pois não está sabendo administrar o Brasil, ou será que foi você quem nos deixou uma herança maldita? A verdade em breve vai aparecer.

Maria Carmen Del Bel Tunes Goulart carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

HORA DE DECIDIR

A fase de discursos já passou. O PIB continua caindo, a indústria também. Déficit nas contas externas piorando. Endividamento familiar aumentando, mais empresas falindo. Quando o governo vai agir? O que o governo precisa fazer é dirigir a economia e não jogar migalhas para alguns setores. A presidente nos deve dizer como vamos arrumar a economia para chegar aos próximos anos. Ou mesmo, ao próximo. Sabendo que o Brasil não tem expressiva participação na economia mundial, vemos que nossas mazelas a resolver são, principalmente, internas. Precisamos de decisões corretas e permanentes, e não decisões pontuais e incertas. Nesses assuntos ouça os técnicos e não os políticos. Eles falam nas prometidas reformas e na necessidade de investir. Não adianta "exigir" que a iniciativa privada invista sem um plano de governo para se sentirem seguros. Não adianta "pretender" realizar investimentos governamentais, pois está provada a incapacidade gerencial do governo. Nas obras de governo as únicas alternativas são a privatização e as concessões, tanto quanto possível. Há dinheiro para investimentos no Brasil e no mundo, só não há mercados para ele e onde há, não há planos competentes de governos para recebê-lo. Se não decidir agora, presidente, será tarde demais. A Índia acaba de perder o "grau de investimento" por problemas como os nossos. Vamos no mesmo caminho?

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

A CULPA É APENAS DO GOVERNO?

A divulgação de dados sobre nossa economia tem alguns pontos que precisam de melhores explicações por parte dos especialistas, no caso, alguns economistas. A crise mundial atinge algumas das principais economias do mundo e causa muita preocupação, quando se vê o alto índice de desemprego e a redução de salários e outros direitos dos trabalhadores. Mas também atinge a produção, exportações e importações. Por outro lado, o Brasil sofre as repercussões dessa crise, como não poderia deixar de ser. Mas há uma questão interessante, ou seja, a grande preocupação dos governos atingidos procurando repor o que o sistema bancário perdeu. Por quê? Quem pode responder? E como explicar também as criticas às medidas adotadas pelo governo brasileiro, como no caso da queda da nossa produtividade pelo segundo ano consecutivo. A culpa é apenas do governo?

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

MODELO TRIBUTÁRIO

O governo continua batendo na tecla errada de tributar o salário e isso se comprova facilmente com o montante da primeira devolução do imposto sobre a renda.Mantendo preços elevados,inflação acima da média e tributação exagerada,tudo isso afugenta os investimentos e mantém a distância extremamente perigosa entre os poucos ricos e os muitos sobreviventes da era de uma economia globalizada.

Yvette Kfouri Abrão abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

ECONOMIA RETROCEDE NA GESTÃO DILMA

A atual presidente é vítima e cúmplice ao mesmo tempo da herança maldita de Lula que não foi capaz em oito anos de mandato de qualificar e priorizar seus quase 40 ministérios para alavancar investimentos em infraestrutura, educação e pesquisas científicas, etc... A cumplicidade de Dilma com esse retrocesso é fácil explicar: a presidente era peça chave no ministério de Lula, portanto não demonstrou predicados suficientes desde lá para tamanha tarefa. E em seus 18 meses de gestão comete os mesmo erros, como a escolha de péssimos colaboradores, e igual ao seu antecessor nos momentos de turbulência econômica no lugar de olhar para debaixo de seu nariz, prefere culpar os americanos e o grupo de países da zona do euro, pelas dificuldades da nossa economia. Perdida dentro de uma floresta que quase não existe mais, Dilma está desmatando mais ainda a indústria brasileira, despreza a pérola de outrora do etanol não tomando medidas para incentivar investimentos e a produção deste importante setor energético. A Petrobrás estaciona sua produção, patina da desejada autossuficiência de extração, devido exigências absurdas de compras de equipamentos com conteúdo nacional, só permitido a governos como esse petista, sem visão estratégica de mercado. Por outro lado essa história do Pré-Sal que poderia já atrair muito investimento privado, perde seu encanto porque o Lula criou regras retrógradas para o setor afugentando potenciais interessados. Juntando a isso, o alto custo de mão de obra, impostos a perder de vista, e com setores estratégicos como portos, aeroportos, estradas, ferrovias, etc., em frangalhos, produzir no País fica cada vez mais caro, e assistimos os investidores estrangeiros em retirada... E a presidente que teimava em dizer que em 2012 deveríamos ter um crescimento do PIB de até 5%, mesmo sabendo que renomados especialistas em macro economia afirmavam que o potencial máximo para 2012 seria de 3%, tem encontrado dificuldade para enxergar a velocidade da desaceleração em curso, e o resultado deste desastre administrativo federal, é que em 2011 crescemos apenas 2,7%, e neste ano um provável e medíocre em torno de 2%. E para piorar, a cada pesquisa que sólidos institutos divulgam os frágeis números da nossa economia, Dilma tem preferido enveredar para artifícios paliativos desonerando impostos de alguns privilegiados setores no intuito de convidar o já super endividado consumidor brasileiro de ir às compras. O resultado é que essa triste constatação, já está diminuindo a oferta de empregos! E para atender só a 1,7 milhão de jovens que por ano atingem idade para o mercado de trabalho exigiria no mínimo um crescimento de 4% do PIB. Por aí, já dá para perceber que o nosso futuro econômico é sombrio porque fomos incapazes de aproveitar a bonança econômica mundial, que principalmente o governo Lula degustou! Não conseguimos preparar terreno para tocar a nossas prioridades estruturais, e como prova o PAC, menina dos olhos de Lula, e da Dilma, considerada a mãe deste projeto, passados seis anos de sua implementação, quase nada foi concluído! A transposição do Rio São Francisco que já consumiu mais de R$ 8 bilhões, ou o dobro do inicialmente programado, têm suas obras inconclusas, e boa parte dos trechos abandonados. E no Nordeste do Lula, em que a forte estiagem castiga milhares de famílias, falta água para o consumo básico, porque também, o governo petista havia prometido em 2003 que construiria 1 milhão de cisternas, e também as abandonou. Se a situação é de um tsunami, ou marolinha, não nos interessa. O que sabemos é que assim a Nação não pode continuar! E precisamos urgente de um choque de boa gestão!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

JUROS

Uma explicação governamental é devida. Por que os juros do parcelamento do imposto de renda são tão altos? O acréscimo a título de juros no pagamento da 2.ª parcela é de 10%. Dez por cento! Juros desse montante são verdadeiras agiotagens, usuras. Afinal, rendimentos da caderneta de poupança jamais atingiram esse patamar; ao revés, esses rendimentos foram até reduzidos em nome da desindexação da economia. Como entender coisas tais, tão díspares? Daí o pedido de explicações.

Pedro Luís De Campos Vergueiro pedrover@matrix.com.br

São Paulo

*

RIO+20

Rio+20 em meio a um Brasil cheio de preocupação em reflorestar matas ciliares e reservas de fazendas enquanto suas cidades se afogam em esgotos a céu aberto e lixões sanitários. Parece que quando se fala em meio ambiente se esquece do meio urbano com suas imundices e poluições sonoras. Existe de tudo e nada se faz. Onde estão os investimentos urbanos para melhorar a vida das pessoas que vivem nas cidades? Só se fala em plantar mato para criar bicho? Penso que os brasileiros urbanos estão sendo esquecidos, nosso problema urbano é muito maior que o desmate da Amazônia. Existe uma explosão de favelas e ocupação de encostas e mananciais por uma urbanização desordenada e virulenta! Não é só em São Paulo, mas para todo o Brasil. Acho que temos de botar em pauta o lixo antes das emissões de carbono, estamos nos afogando no lixo. As cidades sujam mais água do que consomem. Basta essa comparação para ver que existe um modelo urbano a ser modificado urgentemente.

João Bráulio Junqueira Netto jonjunq@gmail.com

São Paulo

*

LULA E SEU PAPEL DE EX

Lemos na imprensa do Rio de Janeiro que "Lula durante a Rio+20 vai oferecer um jantar no Palácio da Cidade para os presidentes africanos". Afinal quem é presidente (a) do Brasil? Lula não pode utilizar as dependências do Palácio do Governo para receber intimamente os presidentes africanos. Lembramos que sua casa como cidadão comum fica em São Bernardo do Campo, no Estado de São Paulo e é bom que dê barretadas com o seu próprio chapéu, ou as expensas cairão sobre as costas dos cidadãos fluminenses. Realmente está difícil de o Lula entender o seu verdadeiro papel de "ex".

Leila E. Leitão

São Paulo

*

VACINA PIONEIRA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

A criação da vacina brasileira contra a esquistossomose, no momento que o mundo discute o meio ambiente na Rio+20, é emblemático. A solução dessa endêmica patologia que atinge 200 milhões de pessoas em todo o planeta, fruto de situações de falta de saneamento básico, tem tudo a ver com a estratégia que teremos de trilhar, no caso investimentos em pesquisa, infraestrutura e educação, para o futuro sustentável do País, tema central da mega conferência que estamos sediando.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

ESPERANÇA

É com enorme alegria que a população brasileira recebeu a notícia de que a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em parceria com a Ourofino Agronegócios, concluiu a primeira fase da vacina contra a esquistossomose, - chamada barriga d'água -, e estará no mercado dentro de quatro anos. Essa doença parasitária afeta 200 milhões de pessoas no mundo e em 74 países ela é endêmica, inclusive no Brasil. No mundo atual, os grandes laboratórios têm interesse somente em fabricar medicamentos para uso permanente em doenças como artrite, colesterol, pressão arterial... Que proporcionam maiores retornos financeiros. Por outro lado, certas doenças chamadas "negligenciadas", - pois não trazem retorno financeiro - , como doença de Chagas, hanseníase (lepra) e esquistossomose são praticamente abandonadas segundo entrevista do pesquisador dr.Eduardo Martins (Fiocruz). Infelizmente, os laboratórios internacionais se esquecem da sua função social e visam somente "grana". Parabéns de coração a Fiocruz!

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

ALGO MUDOU?

Brasil abre Rio+20 querendo manter conquistas da Eco92 porque, de lá pra cá, o mundo fez pouco ou nada para garantir desenvolvimento com sustentabilidade. Crise global severa faz com que a atenção de dirigentes esteja voltada mais para o "pão nosso de cada dia" que para as garantias de vida eterna.

Sergio Salgado de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

HIPOCRISIA

A Rio+20 vai ser um festival de blá, os países pobres e/ou emergentes vão culpar os países desenvolvidos pela atual situação do planeta, os países desenvolvidos simplesmente se calarão, pois realmente têm uma boa parcela de culpa, mas não podem parar, pois na economia globalizada eles são o motor do crescimento. O mais importante para que no futuro não falte alimento, água e as condições de vida não sejam desumanas é o crescimento populacional. É preciso um controle de natalidade mundial parecido com o modelo chinês - uma família, um filho. Para que essa proposta seja analisada e discutida, é preciso o aval da igreja, dos líderes religiosos que ninguém ousa enfrentar pois significam apoio e voto, isso em qualquer país. Sem um controle do crescimento da população mundial em três décadas a fome e a sede vão se encarregar da triste tarefa de dizimar boa parte da população mundial. Rio+20, boa sorte e bastante água mineral, pois o blá vai secar as gargantas.

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

MÉDICOS OU ESCRAVOS

Por que será que o governo petista de Dilma Rousseff está pegando tão pesado em cima da classe médica com essa MP 568, cujo texto prevê que os médicos que atualmente mantém a jornada de 20 horas semanais no serviço público, ao ingressar na carreira, tenham de cumprir 40 horas semanais recebendo o mesmo valor? Estará o governo, com esta medida, forçando que a classe médica aceite a regularização dos diplomas de médicos brasileiros formados em Cuba, Bolívia e Argentina cuja validação está sendo impedida pelos péssimos resultados obtidos por eles nos exames? Será? Afinal é sabido dos altos salários que funcionários públicos das Assembleias Legislativas brasileiras, como manobristas, copeiros e outros do gênero ganham. Por que então os salvadores de vidas no Brasil são tão crucificados desde sempre, e mais ainda agora, com esta MP 568? Eles já ganham mal.. e não há motivo para aceitar ganhar menos ainda pelo dobro de horas trabalhadas.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

A SAÚDE PEDE SOCORRO

A cena percorreu o País e mostra a triste realidade sem disfarces. Uma médica tomou uma atitude extrema levada por justa indignação, diante do caos instalado no pronto atendimento da instituição de saúde a qual presta serviços. Seu desabafo diante das câmeras foi a única forma que encontrou para protestar contra a superlotação dos hospitais públicos. Naquele momento, tomando para si a responsabilidade de manifestar-se (com toda a razão), personificou o padecimento sem fim do cidadão e o descaso do Estado para com um povo que é desrespeitado diariamente em seus direitos mais elementares. A Contribuição Provisória sobre a Movimentação Financeira (CPMF) vigorou no Brasil de 1997 a 2007, e destinava-se especificamente ao custeio da saúde pública, da Previdência Social e do Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza. No início, a lei estipulava que a totalidade da arrecadação seria destinada exclusivamente ao Fundo Nacional de Saúde. Porém, a partir de 1999 a CPMF passou a destinar parte de seus recursos à previdência social. No seu fim, a previdência social e a erradicação da pobreza recebiam aproximadamente entre 26% e 21% da arrecadação, respectivamente. Durante todo o tempo de vigência da mencionada lei, o atendimento à saúde no País teve poucos avanços. O contribuinte brasileiro viu seus suados impostos esvaindo-se pelos ralos da incompetência (principalmente dos ocupantes de altos cargos) e do gigantismo da máquina administrativa. A inércia governamental atingiu níveis absurdos, emperrada num emaranhado de procedimentos burocráticos, transformando as verbas provenientes da arrecadação tributária (via contribuinte) numa evidente demonstração de malversação dos parcos recursos públicos. De lá para cá, pouca coisa mudou. A saúde vai muito mal das pernas. Pode-se com toda a propriedade assegurar que se assemelha a um paciente terminal sem perspectivas de recuperação. É desalentador constatar que não se vislumbra qualquer providência efetiva para se mudar a situação. O usuário do sistema público de saúde padece e implora por atendimento. E não espera por excelência nos procedimentos médicos (similares aos praticados nos hospitais particulares de referência), apenas deseja ser atendido. O cidadão almeja apenas e tão somente o respeito à sua dignidade, sem ter que esperar por horas na dolorosa e interminável fila da omissão. Mas a realidade é cruel. A cena se repete em todos os hospitais públicos do País. Pacientes são espalhados pelos corredores, consultórios, salas de cirurgia e em qualquer cômodo onde se possa acomodar um leito ou uma maca. As condições de higiene são precárias, os equipamentos deterioram-se por falta de manutenção, a carência de medicamentos e materiais para procedimentos mais simples é evidente. O quadro agrava-se à medida que os médicos migram para o sistema privado de saúde, em que o atrativo maior é o salário compatível com a função, aliado a melhores condições de trabalho. Dessa forma, as vagas não são preenchidas e o povo (mais uma vez) sofre com a irresponsabilidade governamental. O calvário diário do contribuinte brasileiro na busca pela assistência médica da rede pública não tem limites. As senhas para atendimento são insuficientes, obrigando os usuários do sistema a pernoitarem na fila, na maioria das vezes à mercê das intempéries. E quando finalmente o paciente se vê diante do tão requisitado profissional de saúde, eis que o tempo de consulta resume-se num monólogo breve e superficial, pois a alta demanda exige celeridade. Há muito que fazer para se reverter essa situação. Isso requer investimentos vultosos, constantes e pontuais. As prioridades na área da saúde deveriam prevalecer sobre as demais necessidades urgentes do País ante a gravíssima situação atual, que transformou o sistema em inoperante e obsoleto. Essas medidas emergenciais não contemplam - infelizmente - a irreversível e contraditória sangria dos cofres públicos para organizar e sediar a mais importante competição esportiva mundial. Resta aos indefesos contribuintes brasileiros torcer para que as longas madrugadas sejam amenas e a paciência torne-se fiel parceira nos momentos mais difíceis. E que nossos governantes tenham a devida consideração com esse povo sofrido e passem a cumprir o estabelecido pela Constituição Federal. Mesmo que isso seja uma utopia.

José Luiz Boromelo strokim@bol.com.br

Marialva (PR)

*

O GOLPE DAS SACOLINHAS VENCEU

Creio que eu e as demais pessoas que enviam e-mail a este jornal criticando a questão das sacolinhas, estão perdendo tempo e passando-se por chatos, reclamando direitos e nos desgastando contra muitos que acreditam nessa safadeza inventada pelos supermercados em conjunto com o governador Alckmin e sob a leniência de um PROCON que nada fez para justificar sua existência. Fazem isso porque somos uma população ovina acostumada a apanhar sem reagir. Quero ver os supermercados e seus comparsas, autores dessa safadeza, tomarem a mesma atitude contra seus fornecedores, dando um prazo generoso de um ano a esses para trocar as embalagens de seus produtos por outras recicláveis. Prazo que não foi dado aos consumidores que são a razão de sua existência.

Laércio Zanini arsene@uol.com.br

Garça

*

ATITUDE

Enquanto aqueles supermercados famosos e de "categoria" aumentam o preço dos produtos com frequência e sem controle algum dos setores competentes, aboliram o fornecimento das sacolinhas plásticas para acondicionar os produtos que vendem, com a promessa de repassar a redução dessa despesa, o que até o presente momento não ocorreu. Estranho é que os comerciantes do Mercado Municipal de Santo Amaro, além de conceder o desconto nas compras para os clientes que levam sacolas ou outras embalagens, ainda fornecem embalagens ao cliente que não levam sacola retornável, pobrezinhos... Isto que é atitude comercial!

Maria Teresa Amaral mteresa0409@estadao.com.br

São Paulo

*

SACOLINHAS DESCARTÁVEIS

Gostaria de entender o porquê dos representantes do povo na Assembleia Legislativa de São Paulo não fazerem a vontade de mais de 54% da população que quer a volta das sacolinhas descartáveis gratuitas nos supermercados. Afinal, se o plástico é tão poluente, por que podemos comprar as tais sacolas entre R$ 0,07 e R$ 3,15, afinal, pagando elas poluem menos? Segundo, os saquinhos para frutas e verduras continuam, a garrafa PET continua, embalagens de xampus, cremes, óleo, desodorantes, assim como as sacolas em farmácias, padarias, etc. Até quando o povo vai ser tratado como animal, tirando-lhe o direito de levar suas compras em embalagens limpas e gratuitas, até quando as leis irão beneficiar a empresários para aumentar seus lucros, afinal o custo das embalagens não foi descontado dos preços dos produtos. É uma vergonha, num país democrático, imporem regras de forma ditatorial ao povo! Onde estão os órgãos de fiscalização, cadê os Procons?

Luiz Claudio Zabatiero zabasim@ig.com.br

São Paulo

*

VALDÍVIA

É terrível para qualquer pessoa enfrentar o mesmo ocorrido com o Valdívia. Pouca gente se lembra quem foi seu introdutor no Brasil... Lembram-se? Ainda se recordam o mesmo ocorrido com o cônsul americano no final da década de 60? Quem foi o responsável, ou o grupo responsável? Esses responsáveis conseguiram fazer um crime tão hediondo como esse tornar-se corriqueiro nos dias atuais. Esse tipo de crime ocorre normalmente onde esses bandidos desrespeitadores dos direitos humanos não encontram repressão policial com amparo da justiça a altura do necessário. Valdívia, eu no seu lugar jamais ficaria num lugar onde não sinta existir segurança adequada, você está defendendo sua vida e da família, é seu direito.

Benone Augusto de Paiva benone2006@bol.com.br

São Paulo

*

NÃO VOLTE, NÃO

Valdívia, não volte mais para o Brasil, não! Fique aí no seu país que é muito mais seguro e civilizado do que aqui. Aí as leis são contra os bandidos. Aí tem polícia nas ruas. Aí bandido fica preso. Aí não tem prisões superlotadas. Aí os governos garantem o direito dos cidadãos à segurança. Aí as pessoas podem passear nos parques sem perigo. Aí se pode parar nos semáforos sem medo. Aí não tem arrastões em residências e nem em restaurantes. Aí não tem sequestros. Aí o Estado te respeita. Não volte, não.

Ari Giorgi arigiorgi@hotmail.com

São Paulo

*

VERGONHA

Os estrangeiros falam o que querem do Brasil e não podemos retrucar. Padre Antonio Vieira (português) disse que "no Brasil conjuga-se o verbo roubar em todos os modos e em todos os tempos"; De Gaulle (francês) disse que "o Brasil não é um país sério"; Larry Rohter (jornalista americano) chamou o, na época, presidente do Brasil, o senhor Luis Inácio da Silva de "bêbado"; e, agora, Valdívia (jogador de futebol chileno) diz que "no Brasil se mata por R$ 50,00". Ficamos possessos, nossos brios vão à lona, mas cá entre nós: podemos reclamar? Alguém falou mentira, usou apenas de um mero propósito para ofender a nossa moral? Sinceramente, estou mais uma vez envergonhado, mas sentindo o meu sangue verde/amarelo fervilhar nas veias e colocando no ar a pergunta: Quando vamos acabar com isso?

Nei Silveira de Almeida neizao1@yahoo.com.br

Belo Horizonte

*

AVISO IMPORTANTE

Aviso a bandidagem em geral, desde terça-feira voltaram a normalidade as atividades referentes aos arrastões em bares e restaurantes em São Paulo. Pois o reforço do efetivo da Polícia Militar já foi desativado, devendo retornar em operação somente por ocasião de nova data especial a ser comemorada.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

INCORRIGÍVEL

Além de ter dado prejuízo de R$170 milhões ao erário por desvios de verbas quando da construção do TRT de São Paulo, o ex- juiz Nicolau dos Santos Neto (também conhecido pela alcunha de Lalau) cumpre pena de 26 anos em prisão domiciliar , mas ainda nos custa R$ 500 mil anuais pelo pagamento de vigilância em sua mansão no Morumbi, conforme noticiou o Estadão (12/6). Confirmando mais uma vez o mau caráter que molda sua criminosa personalidade, ainda tem a ousadia de instalar câmeras em sua residência com o propósito de vigiar os policiais que cumprem o dever de mantê-lo sob vigilância, segundo o que prescreve as normas de sua sentença condenatória. Durante o processo de investigação de seus crimes, "sua excelência" sempre se mostrou acintoso, certo de que não haveria punição alguma sobre ele, em razão de seu cargo. Este fato recente mostra despeito à pena que lhe foi imposta pela justiça, evidenciando mais uma vez o seu caráter de criminoso incorrigível. E nós, como sempre, pagando a conta pelos crimes desses malfeitores.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

PEDÁGIO URBANO

Mais uma vez se colocou no tubo de ensaio a possibilidade de instalar pedágio urbano na cidade de São Paulo. Esta medida elitista só prejudica os assalariados, que não tem como repassar mais este custo para alguém. Os governos arrecadam cada vez mais e pela sua incompetência administrativa quer jogar a sua responsabilidade sobre o usuário. E o brasileiro bonzinho e rico, comparativamente com muitos outros países que pagam bem menos impostos, prefere apenas bater no peito e, com um copo de cerveja na mão e a barriga pronunciada, dizer que o seu time é o melhor do mundo. Ou participar de passeata na Avenida Paulista, que só contribui com o agravamento deste estado de coisas. Assim, preferi sair desta cidade-mãe que é São Paulo, e vir para Ribeirão Preto. Convido às pessoas que puderem a não terem medo de ser feliz aqui no interior.

Luiz Antônio da Silva lastucchi@yahoo.com.br

Ribeirão Preto

*

JEGUES

Que magnífica matéria essa "Ao jegue, com carinho", publicada no caderno Aliás em 10/6/2012. Parabéns ao autor, Gilles Lapouge e também à tradutora Terezinha Martino. A última frase resume e diz tudo: "Como não chorar?". Parabéns ao Estadão também.

João de Braz João@cto.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.