Fórum dos Leitores

MERCOSUL

O Estado de S.Paulo

29 Junho 2012 | 03h09

Chávez no grupo

Considerando que a falta de aprovação do Congresso paraguaio era a única razão para a Venezuela de Hugo Chávez ainda não ter entrado no Mercosul, é óbvio que Caracas se aproveitaria da crise aberta com a destituição de Fernando Lugo. É até possível que os demais bolivarianos tenham pressionado o Mercosul pela suspensão do Paraguai para dar um jeitinho e, enfim, aprovar a entrada da Venezuela no grupo. Força, Paraguai!

WILSON SCARPELLI

wiscar@estadao.com.br

Cotia

Tapetão

O Paraguai pôr em prática a sua Constituição é golpe. Aproveitar a suspensão temporária do Paraguai no Mercosul para, no tapetão, incluir a democrática Venezuela no bloco é democracia?

CARLOS NORBERTO VETORAZZI

cnorbertovetorazzi@yahoo.com.br

São José do Rio Preto

'Impasse democrático'

Como brasileiro, sinto-me injuriado e envergonhado com a atitude deste governo petista: quando interessa aos líderes bolivarianos da América do Sul, mudam-se leis e o País se alinha a ditadores como Castro, Morales e Chávez. Mas quando o Paraguai, por imensa maioria de seus representantes no Congresso, vota pelo impedimento de seu presidente, o Brasil fala em "impasse democrático" com o vizinho. Deixem Federico Franco tocar a vida, porque o país age dentro dos seus limites constitucionais. Antidemocrática, sim, foi a exclusão do Paraguai da reunião do Mercosul por esses irresponsáveis bolivarianos. Num bloco que de nada serve ao Brasil, apenas à Argentina, melhor fará o Paraguai ficando de fora mesmo.

UBIRATAN DE OLIVEIRA

Uboss20@Yahoo.com.br

São Paulo

Lobo ou cordeiro?

Quem não critica os crimes de Fidel e Chávez não tem o direito de vestir a camisa da democracia.

HELENA R. COSTA VALENTE

helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

AMÉRICA LATINA

Lição

É claro que a deposição de Fernando Lugo não fortalece as instituições democráticas sul-americanas, já tão castigadas no passado. Nem contribui para a nossa imagem diante da comunidade internacional. Mas o episódio deixa uma lição: com certeza, outros líderes do continente pensarão melhor, de agora em diante, antes de quebrar contratos internacionais, ignorar propriedades particulares, insuflar invasões desordenadas e, sobretudo, pressionar órgãos públicos, principalmente os judiciais. Quem está no poder deve zelar pela ordem e nunca promover a bagunça, essencialmente porque a principal vítima da desordem é o próprio governante. Lugo acaba de aprender isso, e da maneira mais amarga.

JOÃO PACHECO DE S. A. FILHO

imobiliaria.projeto@terra.com.br

Jaú

Solução paraguaia

O Paraguai inventou uma solução parlamentarista aplicada no sistema presidencialista. É isso o que está na Constituição deles. Talvez a maior vantagem desse sistema seja dar uma saída legal e política aos grandes impasses nacionais, que no nosso presidencialismo acabam em crises ou golpes. Será que o Paraguai não descobriu a fórmula contra o mal maior do presidencialismo, a sua dificuldade em resolver grandes impasses políticos? A solução paraguaia merece ser levada a sério e estudada. Cientistas políticos brasileiros, manifestem-se.

HUMBERTO ESTEVES MARQUES

emarques@centroin.com.br

Rio de Janeiro

'Gabinete paralelo'

Fernando Lugo montou um "gabinete paralelo" para fiscalizar o governo do novo presidente paraguaio. E quem é que vai financiar essa peripécia? Dilma vai entrar com quantos bilhões?

MYRIAN MACEDO

myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

ECONOMIA

PAC Equipamentos

Será que o novo PAC da dona Dilma, de autoria do ministro Guido "empacotador" Mantega, que prevê tolerância de até 25% a maior nos preços de alguns produtos de fabricação nacional que serão adquiridos pelo governo, em detrimento de similares importados, não caracteriza privilégio ou subsídio indireto?

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

É festa!

Já há fornecedores - de alfa a zeta - e políticos sorridentes, com seus guardanapos amarrados no pescoço (ou na cabeça?), aguardando para devorar o butim!

CARLOS ALBERTO ROXO

roxo_7@terra.com.br

São Paulo

PETROBRÁS

Manipulada

Após ler os artigos de 27/6 de Celso Ming, Realismo na Petrobrás (B2), e de Rolf Kuntz, A Petrobrás sem Lula (B12), só resta perguntar quando será que o aparelhamento, a ilusão e a complacência serão eliminados da Petrobrás, que era orgulho dos brasileiros e passou a ser, nos últimos nove anos, a manipulada PTroLulabrás? E o que dizem sobre isso seus sacrificados acionistas?

SILVANO CORRÊA

scorrea@uol.com.br

São Paulo

Gasolina mais cara

A Petrobrás precisa de otimização de gastos e redução da corrupção. Já temos o combustível mais caro do mundo, e não vamos engolir mais um aumento.

ROGÉRIO PROENÇA RIBEIRO

roger_fani@hotmail.com

Araras

SACOLAS PLÁSTICAS

Abomináveis

Com a obrigação judicial de os supermercados terem de voltar a fornecer as abomináveis sacolas plásticas aos clientes, chega-se à triste conclusão de que não apenas a famigerada bancada ruralista do Congresso Nacional está contra o meio ambiente, mas o Poder Judiciário também.

ANTONIO AUGUSTO BARELLA

aabarella@hotmail.com

Valinhos

Não pegou

O assunto das sacolinhas já tinha virado puro deboche. É vidente que a preocupação dos supermercados era puramente econômica, pois, se assim não fosse, eles substituiriam as tradicionais sacolas pelas biodegradáveis. Se a moda pegasse, já me via saindo do shopping carregando compras numa caixa de papelão originalmente utilizada no transporte de latas de óleo de cozinha, gentilmente cedida pela loja.

FREDERICO FONTOURA LEINZ

fleinz@terra.com.br

Rio de Janeiro

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

INSENSATEZ

Durante gerações, convivemos no Brasil com incríveis índices de inflação. As autoridades econômicas desse passado enfrentavam o problema por meio da criação de planos e pacotes que só agravavam o cenário. O abismo foi evitado por meio de medidas econômicas e monetárias consistentes e corajosas, apoiadas por um governo atormentado pela crise -talvez sua força motriz- que se seguiu a constrangedor processo de impeachment presidencial. Hoje, o problema não é propriamente a ameaça inflacionária, mas os efeitos da tragédia financeira global da qual nenhum país está livre. Para combatê-los, a equipe econômica do governo repete os erros do passado e impõe uma sucessão de pacotes espasmódicos, reconhecidamente inócuos - estímulo ao crédito e ao consumo numa sociedade esgotada pelas dívidas e, recentemente, um esquema artificial de investimento. Estamos perdendo uma excelente oportunidade de adotar medidas econômicas estrategicamente coerentes, preferindo a miopia de procedimentos açodados destinados a fins eleitorais.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

PREVISÕES

Como sempre Guido Mantega, ministro da Fazenda, manifesta suas previsões otimistas que mais se assemelham a de um "cartomante". Quando disse que já vê recuperação da economia brasileira... Só ele a vê por enquanto, não é?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

PIBINHO

Vocês já ouviram falar no Pibinho? Não, não é nenhum novo personagem do Mauricio de Souza. É sim, o pífio crescimento, que o nosso titubeante governo, "Consultor desprezado para solucionar a crise na Europa"(SIC), e o solerte Ministro "Mantega", estão perpetrando, para este e o próximo ano. Haja incompetência.

Ulysses Fernandes Nunes Junior Ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

RETOMADA DO CRESCIMENTO

Em lugar da distribuição de estímulos a esmo, só tem uma única e mesma via para a retomada econômica no mundo e no Brasil: a da reordenação do crescimento dentro de uma nova equação de repartição. E, dentre todos, o Brasil é hoje o país com melhores condições para iniciar o processo. A crise global é o resultado do "curto-circuito" da repartição causado pela exponencial elevação da produtividade e dos lucros e relativa estagnação do salário básico (mínimo), ao longo das décadas que a precederam. No mundo todo, desde Reagan, no Brasil desde sempre, embora mitigado nos tempos recentes. Excesso de dinheiro na mão de quem não tem o que fazer com ele, e falta na de quem precisa, só podia dar em excesso de alavancagem do consumo pelo crédito e consequente inadimplência. Então, é hora de recuperar os salários reais no mundo inteiro, digamos, na emergência dobrá-los, para depois buscar a gradação à produtividade-padrão de cada economia nacional. E o Brasil dispõe da tecnologia para fazê-lo, sem inflação nem desorganização da economia, testada no sucesso do Plano Real: assim como, em prazo curto (os quatro meses da URV), o Plano Real conseguiu realinhar os preços relativos e dar fim a um processo inflacionário agudo, trata-se agora de usar metodologia semelhante para realinhar os preços relativos das diferentes economias a esses novos referenciais salariais. É claro que durante o período de ajuste, os mesmos quatro meses do Plano Real, os tesouros nacionais teriam que cobrir, a fundo perdido, o impacto nas folhas de pagamento das empresas. Depois os recursos viriam do próprio desbloqueio da imensa riqueza represada pela crise. E o custo de implantação não tem nada de assustador; para, por exemplo, dobrar o salário mínimo brasileiro (de R$600 para R$1200), com extensão linear, como de direito, do mesmo adicional a todos os 60 milhões de trabalhadores brasileiros, sairia por (4meses x R$600 X 60 milhões de trabalhadores) = R$ 144 bilhões. Apenas 20% de nossas reservas em dólares para criar um mundo de prosperidade

Rogério Antonio Lagoeiro de Magalhães lagorog@uol.com.br

Niterói (RJ)

*

REDUÇÃO DE Q.I

A redução do IPI é proporcional à inteligência de muitos brasileiros que acreditam em duendes, pois com o aumento de carros e a estagnação de construção de rodovias o certo seria que os brasileiros comprassem um videogame de última geração com CD de corrida, além disto, carro não é para os pobres. O governo quer colocar paletó em quem não tem nem cueca. A falta de visão administrativa é um caso de miopia contagiante e como dizia o estudante "O Brasil é um país abastardo com um futuro promissório", vamos pensar na construção de baixo para cima. Parece difícil, mas com um mapinha consegue se entender.

Manoel José Rodrigues manoel.poeta@hotmail.com

Alvorada do Sul (PR)

*

PAC EQUIPAMENTOS

De uma coisa eu tenho certeza, as ambulâncias irão superlotar ainda mais os pátios das mais de 5 mil prefeituras esparramadas por esse Brasil afora.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

MOTONIVELADORAS E AMBULÂNCIAS

O investimento anunciado pelo governo para comprar motoniveladoras e ambulâncias servirá apenas para enferrujar nos pátios de estacionamentos, porque nas prefeituras deste país raramente se encontrará alguém apto para operá-las; e quanto às ambulâncias nada adiantará, porque o SUS está falido. Seria melhor investir no SUS com equipamentos para toda a rede hospitalar para depois comprar ambulâncias.

Alberto Nunes albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

*

PAC

Mais uma vez nosso dinheiro saindo pelo ralo nesse País composto pela maioria de políticos corruptos que o comandam imunes. Mediante as declarações da ministra do Planejamento Miriam Belchior, "madrasta" do PAC, que disse as obras podem atrasar,como se não estivessem totalmente atrasadas.Com um detalhe porém,os pagamentos à Delta Construções estão rigorosamente em dia. Ainda a ministra afirmou que cada um dos contratos será analisado e se houver problema serão paralisados. Por que não paralisá-los de vez uma vez já que é de pleno conhecimento que os problemas existem e são generalizados?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

MENSALÃO

No período 1964/1985, os presídios brasileiros eram excelência em ressocialização. Neles entraram sequestradores de embaixador estrangeiro, corruptos e criminosos de toda estirpe. Entretanto, desses presídios também saíram prefeitos, governadores, ministros, deputados, senadores e dois presidentes. Felizmente, a partir de 2 de agosto de 2012, vários destes ex-presidiários ressocializados e denunciados serão julgados no chamado "escândalo do mensalão".

José Laerte jose_laerte@live.com

Goiânia

*

QUAL É A IDEIA DELES?

Li no Fórum dos Leitores algumas cartas de simpatizantes do PT, reclamando pelo fato do julgamento do Mensalão dar-se em ano eleitoral. Só mesmo a convicção da condenação dos mensaleiros pode ensejar tal afirmação. Assim, qual seria a sugestão desses leitores? Tapar o sol com a peneira, fingir que nada aconteceu? Julgamentos criminais não deveriam ter mesmo nada a ver com administradores públicos. É uma vergonha! Mas quem fez a mistura de crime com política não fomos nós.

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

CELERIDADE DOS JUDICIÁRIOS

O Paraguai, estritamente dentro de seus preceitos Constitucionais, promove o impeachment do seu presidente em 72 duas horas. Já o Brasil leva 7 anos para iniciar o julgamento do Mensalão, que deveria ter gerado o impeachment de Lula. Considerando que Justiça que tarda é falha, qual país está certo e qual está errado?

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

DEBATE SOBRE O ALCANCE DA LEI DE ANISTIA

Importante e interessante o debate sobre o alcance da Lei de Anistia. Estaria ela restrita aos efeitos penais ou passaria uma borracha jurídica sobre todos os demais efeitos dos atos praticados, matéria abordada por cultos juristas (Pedro Estevam Serrano e Célio Borja, em O Estado de São Paulo, A13, 28/6)? De nossa parte, a solução vem da consideração do valor jurídico tutelado. Essencialmente, a anistia é pacificadora, visa desarmar os espíritos e propiciar a paz social. Nesse sentido, tem caráter penal e é ampla e recíproca, como já decidiu o STF. Parece-nos que também abrange o campo administrativo. Já no caso da tutela da intimidade da pessoa humana, de previsão constitucional, cuja reparação se reflete sob a forma de danos morais, não há bem jurídico a ser tutelado em favor do ofensor. Não se apagam, no coração daqueles que amavam os mortos e torturados, os excessos praticados por animais torturadores. Se um ou outro (a maioria já se foi), como o Cel. Ustra, foi condenado a pagar a miserável quantia de R$ 100 mil (dadas as proporções do dano que causou), deveria estar feliz. A vida de quem estava à sua mercê não custou mais de dois carros médios.

Amadeu Garrido amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

INDENIZAÇÕES

Independentemente de a Justiça decidir se, embora com a validade da Lei da Anistia, caberá ou não direito à indenização por danos morais (julgamento final na ação Cível, contra o Cel. Ustra, durante o período militar), será que tudo se resume em vantagens pecuniárias? Os governos (dinheiro do povo) já pagaram milhões em indenizações e continuam pagando outros milhões a título de pensões aos "perseguidos" ou mortos pelos agentes públicos durante o período de exceção. Agora as ações indenizatórias estão se voltando para os agentes (até agora, um). Com a decisão favorável de uma juíza, já se pode vislumbrar uma cascata de ações desse tipo. Só estaria faltando as ações contra os guerrilheiros e terroristas da época, a serem impetradas pelas famílias dos militares e civis mortos na época. Será que tudo se resume em dinheiro? Advogados é que não faltam. A história não poderia apenas ser contada e registrada?

Éllis A. Oliveira elliscnh@estadao.com.br

Cunha

*

A LEI DA ANISTIA VIOLADA

Dispõe a Lei da Anistia, de forma clara e irretorquível, que ela é "ampla e irrestrita", valendo, por conseguinte, não só para a esfera penal, como, também, para a área civil. Assim, com certeza, o decisório da magistrada Cláudia de Lima Menge, da 20ª. Vara Cível da Capital deste Estado, condenando o coronel Brilhante Ustra em R$ 100.000,00, por dano moral, será reformado na instância superior, porque, ao admiti-lo, o diploma legal relativo à anistia seria rasgado definitivamente e até militares mortos pela outra ala ideológica poderiam reivindicar indenizações por dano moral contra os autores ainda vivos e participantes das contendas.

Não deveria importar ao caso se o Coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra estava ou não em São Paulo, por ocasião da morte do jornalista Luiz Eduardo da Rocha Merlin, porque é princípio geral do Direito que "in claris cessat interpretatio", ou seja, a lei clara dispensa interpretações. E a condenação em danos morais, nada mais, nada menos faz que contorne a lei inserindo nela interpretação incabível e inconciliável com o seu espírito e fins (interpretação teleológica). São por razões como tais que é importante a atuação dos tribunais superiores.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

DITADURA CIVIL-MILITAR BRASILEIRA

A Comissão da Verdade, instituída para revelar fatos obscuros da história recente brasileira, ainda não se pronunciou sobre a mudança do nome do período de ditadura militar para ditadura civil-militar. É comprovada a participação de diversas entidades da sociedade civil, grupos religiosos, empresários, latifundiários, políticos, o cidadão comum, entre outros, na instauração e manutenção do regime ditatorial brasileiro. O imenso trabalho da Comissão não pode resumir-se aos grandes personagens ignorando os milhões de brasileiros que apoiaram esse período infame da história brasileira.

Daniel Marques danielmarquesvgp@gmail.com

Virginópolis (MG)

*

TRANSFORMAÇÃO DA CASA DA MORTE

A transformação da Casa da Morte, de Petrópolis, em um Centro de Memória, Verdade e Justiça não pode ser abandonada. Governos, Organizações sociais, pessoas jurídicas e, até, físicas devem colaborar de alguma maneira. A anistia penal imposta pela ditadura não pode cercear um julgamento ético e moral da sociedade. Pelo menos isso. Nenhum crime hediondo supera a tortura até a morte. A covardia no mais alto escalão. Um abaixo-assinado sem limite de tempo condenando a tortura devia ser iniciado na inauguração da Casa, além de fotos dos torturadores e torturados.

Antonio Negrão de Sá negraosa1@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

HORA DO BRASIL

Perfeita a análise de Eugênio Bucci. A Hora do Brasil, não serve para absolutamente nada. A não ser para que os ilustres parlamentares ouçam seus próprios nomes e suas vozes em horário nobre. E, para o (des)governo do PT fazer propaganda de seus (des)feitos. Tudo isto enfiado garganta abaixo da população, sem nenhuma outra opção. Criado por uma ditadura, manteve-se, ao longo do tempo, sem nenhuma flexibilização. Servindo sempre aos mandatários em poder de mando. Nunca - excetue-se o período Eugênio Bucci - houve a menor preocupação em se criar um noticiário de qualidade. O que sempre houve foi a divulgação de "notícias chapa branca" tanto do Executivo, quanto do Legislativo (neste caso autopromoção dos parlamentares), e do Judiciário. É triste, e lamentável, mais esta atitude do PT. Cada vez mais, este partido mostra a que veio. Não passam de ditadores enrustidos.

Geraldo Roberto Banaskiwitz geraldo.banas@gmail.com

São Bento do Sapucaí

*

A VOZ DO ALÉM

As emissoras de rádio continuarão obrigadas a apresentar a vetusta, inútil e chatíssima "1 hora de audiência zero" no mesmo horário das 19 horas. Como os feitos do governo federal e do Congresso não são portadores de alguma forma de interesse, seria oportuna (ou tardia) a abolição desta escravatura.

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

PT A 'VOZ DO BRASIL'

Eugênio Bucci está coberto de razão no seu A "Voz do Brasil"contra a paciência do Brasil (A2,28/6). Apesar de carcomido, decadente, desacreditado e morto, ocorre que o PT associa a "Voz do Brasil" ao Lula da mesma forma que na década de 30 associava-se o programa ao Estado Novo de Getúlio Vargas. Daí a resistência do PT em não sepultar o cadáver.

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br

São Paulo

*

DIREITOS CERCEADOS

Algumas emissoras de rádio são absolutamente obrigadas a transmitirem a Voz do Brasil às 19 horas em ponto. Outras não. Mas para um bom observador, isso é fichinha perto de outras obrigatoriedades a que estão sujeitos vários segmentos da mídia, sendo muitas vezes cerceados em seus direitos a transmitirem a verdadeira informação.

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

VOZ DO BRASIL

Em pleno século 21, setenta anos após a infeliz imposição de sua obrigatoriedade às emissoras de rádio do País,está mais do que na hora de calar essa "Voz do Brasil", arcaica,autoritária e getulista e deixar o espaço livre para algo de interesse dos ouvintes.Chega de blá-blá-blá rouco,rançoso e velhaco.A "Voz do Brasil"não tem sentido nem vez. (28/6,A2)

J.S. Ðecol decoljs@globo.com

São Paulo

*

CPMI DA CAÇA AO PERILLO

Que coisa patética tornou-se a CPI do Cachoeira! Delta, Cavendish, Cabral, Agnelo, Pagot e mesmo o próprio contraventor saíram do foco, que se fixou em Marconi Perillo e a venda de sua casa. Parece que era mesmo verdade que esta CPI só aconteceu por vingança de Lula contra o governador, como se dizia por aí. Os depoimentos beiram o ridículo, com decoradores explicando papéis de parede e um tipo que se diz jornalista, absolutamente confuso e contraditório, fazendo acusações sobre as quais não consegue mostrar uma só prova. O relator, por sua vez, chega até a ser cômico, tamanho é seu despreparo e confusão mental. Na "plateia", deputados e senadores dão um show de primarismo, grosseria, pouca inteligência e bajulação do governo. É uma coisa horrorosa de se ver. Remete-nos àquele sentimento de "vergonha alheia", o constrangimento que se sente ao ver alguém se expor ao ridículo. O nome desta CPMI deveria ser alterado para "CPMI da Caça ao Perillo", muito mais adequado ao (sem) rumo das investigações. Enquanto isso, o governo federal continua a dar contratos para a famigerada Delta. Durma-se com um barulho desses!

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

MAIS LOROTAS NA CPI

Pelo que vejo nas CPIs, não precisa de cadeia no Brasil. Basta dar um cargo público para o meliante que este vira santo na hora!

Ricardo Marin s1estudio@ig.com.br

Osasco

*

DESCASO

Enquanto a cidade de São Paulo vive um clima de medo provocado pelo PCC, o senhor Secretário da Segurança Pública foi à Buenos Aires ver o seu time jogar. Essa atitude demonstra a falta de compromisso de um servidor com a população e com os policiais. Se tivéssemos um governador, ele seria demitido.

José Alberto Lakatos albertolakatos@gmail.com

São Paulo

*

VIDA EM RISCO

Mais um hediondo crime de homofobia ocorre em território nacional. Irmãos gêmeos, confundidos com um casal gay, ao saírem abraçados de uma noite de festa em Camaçari, na Grande Salvador, no último domingo, foram brutal e covardemente agredidos por um grupo de intolerantes, assassinos em potencial, que escudados e encorajados pelo grupo, continuam a ameaçar a vida e a dignidade humana na prática do bullying, a qualquer hora, em qualquer lugar. José Leonardo da Silva, uma das vítimas do crime hediondo (é inacreditável), recebeu várias pedradas na cabeça, não resistiu e morreu. Seu irmão Leandro, com sequelas psicológicas para o resto de sua existência, como seus enlutados familiares, teve afundamento na face e recebeu alta do hospital.

No exato instante em que a oficialização da união entre duas pessoas do mesmo sexo é fato real e irreversível no mundo, a discriminação e a intolerância contra minorias, principalmente contra homossexuais (há discriminação contra índios, negros, pobres, favelados, judeus, etc.), cresce em território nacional. Custam a entender que a sexualidade é um direito privado inatacável. Opção sexual diz respeito à individualidade de cada ser humano. Gay não é sinônimo de falta de caráter e decência. É instinto biológico do prazer sexual diferenciado. Há que se respeitar, portanto, as diferenças. O que causa espécie é que boa parte desses homofóbicos intolerantes, muitas vezes sob o efeito de álcool e outras drogas, são jovens de classe média e mesmo classe alta, alguns estudantes de nível universitário, cuja orientação e educação familiar revelam-se, da porta pra fora, desprovida de princípios de direitos humanos e conduta cidadã. Comportam-se como violentos e ensandecidos assassinos, da mesma forma que grupos radicais de torcidas de futebol. Os que cometeram o grave crime de homofobia e contra a vida dos irmãos gêmeos terão agora o que merecem como frios assassinos: o rigor da lei, o cárcere, o ostracismo e o repúdio social. A delegada Maria Tereza Santos Silva, responsável pela apuração do fato disse tudo: "Estamos em pleno século XX, matar uma pessoa porque é homossexual é um absurdo". Absurdo que precisa, pois, mesmo que o crime de homofobia ainda não tenha sido tipificado na lei penal brasileira, por falta de vontade política e descaso, ser punido com o máximo rigor, como crime hediondo, intolerável sob todos os aspectos. Ninguém pode ser vítima de tratamento degradante por discriminação de raça, cor, sexo, sexualidade, credo, condição social ou cultural. Aos pais e responsáveis que ensinem aos filhos, sob pena de omissão e conivência com tais crimes, que homofobia e outros tipos de intolerância descabidos são graves violações de direitos humanos. Que a sociedade brasileira aprenda e se conscientize, de uma vez por todas, sob os males de tal prática abominável. Intolerância discriminatória é crime inaceitável. Prisão aos quadrilheiros intolerantes. Preconceito fútil e descabido tem limites.

Milton Corrêa da Costa milton.correa@globomail.com

Rio de Janeiro

*

POLÍCIA

Polícia recupera relógio roubado de jogador do Palmeiras, Daniel Carvalho, que foi abordado por criminosos no dia 20 de junho. Relógio foi encontrado em favela e uma pessoa foi detida.Saiu no G1. Dona Polícia, quando roubarem o relógio de gente comum,recupere também!

Mauricio Villela mauricio@dialdata.com.br

São Paulo

*

CÓDIGO PENAL

Enquanto os senhores juristas do Senado criam propostas de primeira necessidade como legalizar o plantio, o porte e uso de drogas em público, liberação total do aborto, excluir a corrupção do rol dos crimes hediondos e transformar abuso de animais em crime com pena de até quatro anos de prisão, sendo que um menor de idade homicida cumpre no máximo três anos, e as forças policiais estão empenhadíssimas em prender cidadãos violentos e de alta periculosidade nas tais das "blitz" da lei seca, o cidadão comum pagador de impostos continua sendo agredido, aterrorizado, assaltado, sequestrado, caçado e assassinado pelas ruas, restaurantes, shoppings, cinemas, caixas eletrônicos e em suas próprias casas por marginais homicidas e impunes que portam fuzis, pistolas militares, metralhadoras, granadas, dinamite, coletes à prova de bala e até carros disfarçados como viaturas policiais. Onde estão as propostas sobre maioridade penal, pena de morte para latrocínio e homicídio torpe, prisão perpétua para corruptos? Estão faltando homens comprometidos com a lei e a ordem nesse país. Falta coragem para vossas excelências? Façam um referendo popular sobre estes temas e conheçam os verdadeiros anseios da população brasileira que não aguenta mais a desordem, a insegurança, a impunidade e a violência sem limites que assolam este país "como nunca antes na história".

Mario A. Pereira de Barros marioweb@gmail.com

São Paulo

*

APOSENTADORIAS EM DISCUSSÃO

As novas regras para aposentadorias de trabalhadores da iniciativa privada e servidores públicos, que estão sendo gestadas no Congresso Nacional, fazem parte de uma realidade onde a longevidade humana e as crises na economia, obrigam-nos a repensar o futuro dessa fase outonal da existência da massa assalariada da sociedade. Corrigir as distorções e adequar a remuneração de todos os assalariados, deve ser a estratégia que tais reformas devem alcançar.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

SUSTENTABILIDADE

Fala-se muito em sustentabilidade e natureza. Algo que virou fashion,moda e argumento de vendas para as empresas em geral.Todas querem ter o famoso ISO 14.001 que cuida dessa parte em relação ao meio ambiente.Uma coisa ninguém fala nem faz. As auditorias da ISO, em geral, são avisadas às empresas que auditam pelo menos um mês antes, ou seja, as empresas maquiam as eventuais falhas chamadas de não conformidades para não perderem esse forte argumento de venda.O correto seria essas empresas aparecerem de repente, não mais que de repente, e pegarem todos com a maior cara lavada de que muitas coisas estão erradas e são feitas na base do quebra galho. E o já famoso e famigerado: "Façam o que eu tenho na ISSO, mas não da maneira que eu faço enganation". Além disso, exemplos práticos e verdadeiros. Tomo café no Starbucks do Center 3 em São Paulo e eles sim estão fazendo algo pela natureza e que precisa ser mostrado a todos.Eles fornecem em práticas embalagens a borra do café para se jogar nas plantas e nas árvores como adubo. Isso sim merece toda a nossa atenção e marketing. Falar é preciso, mas fazer é muitíssimo mais importante. Parabéns a quem faz, parabéns ao Starbucks.

Antonio Jose G.Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

PLANETA RIO+20

Existe alguma estatística de resultados práticos da última Rio-92 em relação à Rio+20? Isto, após 20 anos! Não podemos ser "ambiciosos" sem dinheiro e pouco querer para forjar um desenvolvimento sustentável. Exemplificando: o que faremos com a poluição dos mares em destruição pelo nosso esgoto e lixo, bem como os vazamentos na extração de óleo e gás? Só o sério cuidado garantirá a alimentação humana com peixes. Possuir sem limite é nosso fim! O Índio é o único e último símbolo da preservação ambiental terrestre, e na Rio+20 foi exposto ao ridículo popular durante seu protesto na cidade do Rio de janeiro.

Apaziguar os índios com "conversa política" tornou os povos indígenas numa triste atração turística, sem "cachê"!

Jürgen Detlev Vageler vatra_ind@yahoo.com.br

Campinas

*

SACOLAS OXIBIODEGRADÁVEIS

É mentira a posição de alguns supermercados que falam em preservação ambiental na venda das sacolas plásticas, pois as atuais sacolas são de plástico que contribuem para um mundo melhor, já que fabricadas com material oxibiodegradável, que se degrada num curto espaço de tempo, sem deixar resíduos nocivos ao meio ambiente. Essa associação paulista de supermercados ao querer mais lucro com a venda das sacolas deve respeitar os direitos dos consumidores e distribuir a todos, na quantidade necessária, sem limites, as sacolas como sempre foram dadas em todos os supermercados durante centenas de anos. Mas agora querem vender, é um absurdo. A justiça e o Ministério Público foram corretos ao determinar o retorno da distribuição grátis a todos.

Grupo de Proteção Ambiental do Litoral Paulista grupoprotecaoambientallitoral@gmail.com

*

EBX - EIKE BATISTA

Com a desvalorização de suas ações e a perda de bilhões na Bolsa, o x da questão do grupo EBX,de Eike Batista,acendeu o alerta vermelho( B22,28/6). Quando o sinal matemático da multiplicação (x) vira o de subtração (-),é chegada a hora de levar a sério as promessas ao mercado,arregaçar as mangas e tirar o petróleo do fundo do poço em vez de coelhos da cartola.Xeque-mate?

J.S. Ðecol decoljs@globo.com

São Paulo

*

A BOLHA ESTOUROU

Tenho 70 anos, já vi coisas do arco da velha, mas nunca tinha

assistido a uma deterioração tão rápida.

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

*

MÁGICO

As empresas "X" do Eike Batista, que fizeram com que ele se tornasse um dos homens mais ricos do mundo, o tornaram também num excelente "mágico", que consegue transformar "papel" em "dinheiro" mais capacitado do universo

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

LAMENTÁVEL ESQUECIMENTO

A Câmara Federal fez bem em homenagear Cauby Peixoto e Ângela Maria. Mas creio que os deputados deveriam ter estendido o merecido tributo a outros dois fabulosos e veteranos artistas, os Agnaldos, o Rayol e o Timóteo.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

FÓRUM RUY BARBOSA

Quanto ao projeto do Fórum Trabalhista Ruy Barbosa (Metrópole, 27/06), discordo do seu autor, o arquiteto Décio Tozzi. Quando se utiliza de dinheiro público para uma obra, o arquiteto deve, sem descurar do aspecto estético e inovador, atentar primordialmente para o enfoque funcional e de otimização do aproveitamento da área disponível. Se o arquiteto Tozzi tivesse se preocupado mais com isto e menos em "construir o fórum como uma praça pública inserida na cidade", com "a cidade penetrando no edifício" e em fazer um prédio que fosse "a metáfora da metrópole", poderia ter projetado uma torre adicional no hall de entrada. Não quis fazer um hall "nobre", mas acabou por projetar um hall monumental, desperdiçando espaço importante e precioso. Resultado: depois de apenas oito anos da inauguração do fórum, o TRT já se vê obrigado a procurar outro prédio para instalar as novas varas criadas.

Ibraim Calichman ibraim@calichman.com.br

São Paulo

*

UNICAMP

Quero parabenizar o Conselho Universitário da Unicamp (CONSU), pela decisão da aquisição da gleba Argentina no valor de R$150 milhões, que permitirá a ampliação da Universidade nos próximos 215 anos. A Região Metropolitana de Campinas poderá contar agora com grandes ampliações do HC, ou quem sabe teremos, num futuro não tão distante, todas as faculdades dentro de uma só, para orgulho da comunidade universidade e da cidade de Campinas.

Reginaldo de Paula reg.paula@hotmail.com

Campinas

*

IRÃ

Esse povo da tal "CONIB" (Confederação Israelita do Brasil) andou publicando em meia página do Estadão de 20/6 um anúncio tentando jogar o pacífico e acolhedor povo brasileiro contra o Irã e seu dirigente. Sabe o que mais? Eu dou razão a esse povo da CONIB. O Irã tem que ser como o Estado Judeu (portanto, confessional) de Israel: "democraticamente" tratar de maneira distinta judeus e não judeus, bombardear e matar velhos, mulheres e crianças que não são judeus, invadir e colonizar terras que não lhe pertencem, destruir casas, plantações e oliveiras milenares que não são "judias", manter encarcerados sem culpa formada centenas ou milhares de indivíduos (inclusive crianças) porque não são judeus, e, principalmente, ser uma potência nuclear não signatária de tratados de não proliferação nuclear.

Mauro Fadul Kurban, diretor-secretário da FEARAB-SP (Federação de Entidades Árabe-Brasileiras do Estado de São Paulo) fearabsp.mauro@bol.com.br

*

LIÇÕES BRITÂNICAS

A imagem da rainha Elizabeth II, cumprimentando um ex-terrorista do IRA, hoje vice-premier da Irlanda, é emblemática. Prova como a democracia, o pior regime já inventado, exceto todos os demais - segundo definição de Churchill -, tem os melhores mecanismos para lidar com os embates na política.Aprender as lições dessa postura filosófica cabe como uma luva no momento turbulento que vivemos por aqui.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

O 1000.º GOL DE PELÉ

No próximo dia 30 completará 40 anos do milésimo gol do Pelé pelo Santos FC ,que aconteceu em 30/06/72 com a autoria do seu 3º. gol na vitória por 6 a 1 sobre o Boston Astros (EUA). No dia 02/10/74, Pelé se despediu do Santos FC totalizando 1091 gols em 1115 jogos, em 18 temporadas, médias de 0,98 gols por jogo e 60,6 gols por ano. Pelo Santos FC, em jogos no exterior contra clubes e seleções estrangeiras, Pelé fez 361 gols em 343 jogos, média de 1,05 gols por jogo. O Santos F.C. é o único clube no mundo que tem um jogador que fez mais de 1000 gols em defesa de suas cores. Na sequência se encontram Willy Van Der Kuijler, com 685 gols pelo PSV, da Holanda, Roberto Dinamite com 644 gols pelo Vasco da Gama, Eusébio com 638 gols pelo Benfica, de Portugal e Zico com 509 gols pelo Flamengo. O Messi concluiu sua 8ª. temporada pelo Barcelona com 253 gols em 329 jogos, médias de 0,77 gols por jogo e 31,6 gols por temporada. E ainda há quem queira fazer comparações.

Junios Paes Leme junios.paesleme@ig.com.br

Santos

*

O QUE SENTE UMA PESSOA QUANDO ENVELHECE

Várias vezes eu estava na companhia de pessoas jovens que me viam encabulada porque eu desistia de fazer alguma coisa, explicando que era por causa da idade. Aconteceu que me foi posta a pergunta: Como é quando a pessoa envelhece, o que sente? Então expliquei que quando tinha que ser vendedora em balcão, o senhor que organizava esse evento tinha 40 anos e eu 58 anos. Nunca tinha me sentido idosa, ninguém, até aquele momento, me considerou velha, mas ele falou com todas as letras. " Para esse serviço precisamos de alguém jovem." Tenho que confidenciar que me senti muito ferida e desorientada. Pensei que não me conhecia ou não me dei conta que eu tinha envelhecido. Ou eu era uma piada ? Eu caminhava até 75 anos e fazia longos e lindos passeios, nadava 1000 metros era tão forte, tão segura, pronta para vir e trabalhar cedo, me vestir rápido, sem disfarce de maquiagem, praticando diversos esportes e sem saber o que era tomar remédios. Era boa a vida. Depois de um belo aniversário de 80 anos a minha vida mudou, pois comecei a sentir mudanças no corpo. Com 81 anos tive que fazer uma operação no coração e fui premiada com dois stents. Fui submetida a diferentes perguntas; claro que não era habituada. Está tingindo os cabelos? Tem dentadura? Etc. Fui surpreendida. Quando eu negava, as enfermeiras respondiam "deixa eu ver". Sentia-me chocada e humilhada. Será que eu não sabia o que estava acontecendo comigo que está comigo ou eu não era confiável? Tudo que me acontecia, que sentia que me incomodava ou doía, os médicos, enfermeiros e funcionários administrativos respondiam: "é da idade". Às vezes pensava em darwinismo e acreditava que eu sou uma amostra da evolução natural da espécie. Então entendi que a velhice vem como um ladrão bem esperto e não dá nem pra ouvir os passos, bem quietinho, escondidinho, não se ouve, sente, ou vê. E você não pensa como é ruim esse ladrão, e quantos estragos pode nos causar. Quando você acorda pelos diversos incômodos que sente, é tarde de mais, a velhice se apossou de você e começa uma luta com essa senhora ou ladrão de salvar o corpo com as doenças que você descobre. Como tudo na vida, uns se salvam e prolongam a vida e outros têm um triste fim. Por isso é raro ver um velho alegre e dinâmico, mas alguns se salvam!

Muitas vezes, quando eu tinha 20 anos, voltava para casa e encontrava minha mãe deitada e dizendo que doía o corpo todo, eu não entendia e pensava que eu voltava para casa cansada do trabalho ou estudo e ela me recebia queixando-se. Agora eu a entendo e também entendo muitas coisas ! Essa é a velhice.

Ana Calmanovici maiara.cardoso@unibes.org.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.