Fórum dos Leitores

MERCOSUL

O Estado de S.Paulo

02 Agosto 2012 | 03h07

Vitória garantida

Parabéns ao Brasil, à Argentina e ao Uruguai. Deu certo a estratégia de garantir a vitória do ditador Hugo Chávez, de novo, para a Presidência da Venezuela. Chávez ganharia de qualquer forma, mas com a bandeira do Mercosul fica bem mais fácil. Hermanos hasta la muerte!

ANTONIO FAVANO NETO

a.favano.nico@uol.com.br

São Paulo

Porta dos fundos

Hugo Chávez entrou no Mercosul pela porta dos fundos da América do Sul: Brasília. Ele e seu companheiro Evo Morales mostram como é fácil pôr de quatro este gigante deitado eternamente em berço esplêndido - de bruços.

MOACYR CASTRO

jequitis@uol.com.br

Ribeirão Preto

O que fica sob a boina

De agora em diante, o Mercosul desfilará de boina vermelha. O problema maior é que debaixo desse boné estão a mentalidade tão ao gosto dos "barbudinhos do Itamaraty" - na inspirada definição do saudoso Roberto Campos - e suas consequências.

ALEXANDRU SOLOMON

alex101243@gmail.com

São Paulo

Normalidade democrática

Discursando na "posse" de Hugo Chávez no Mercosul, a presidente brasileira disse que logo que o Paraguai volte à "normalidade democrática" participará, de novo, das deliberações do bloco. A pergunta é simples e direta: qual dos dois países vive em normalidade democrática, o Paraguai, onde está funcionando normalmente a imprensa e os Poderes Legislativo e Judiciário, pela ampla maioria de seus membros, legitimaram o processo de impedimento do presidente anterior e a posse do vice; ou a Venezuela, onde esses dois Poderes, assim como a imprensa, estão funcionando subordinados ao governo Chávez?

ÉLLIS A. OLIVEIRA

elliscnh@estadao.com.br

Cunha

Brincando de aviãozinho

A inclusão da Venezuela no Mercosul, ato caracterizado por cenas teatrais e pirotécnicas, com direito a brincadeira de aviãozinho de Chávez, ao simbolizar uma vaga negociação com a Embraer, cujo desfecho, certamente, repetirá a farsa das quatro refinarias do Nordeste costuradas por Lula, não foi tão tranquila como esperavam os principais protagonistas. O Paraguai, ao destituir, dentro dos rituais legais, um presidente trapalhão e incompetente, foi punido com o afastamento do grupo e, em manobra escusa, substituído pela Venezuela, cujo governo é pródigo em ações antidemocráticas, como a interferência explícita nos Poderes da República. Urge que o que está por trás dessas estripulias diplomáticas venha a público, em nome da mesma cláusula democrática supostamente infringida pelo Paraguai.

PAULO ROBERTO GOTAÇ

prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

Estripulias

Dá gosto ver a alegria estampada no rosto da presidente Dilma brincando de aviãozinho com o caudilho venezuelano, tal qual crianças endiabradas! Depois de brincar de refinaria com a PDVSA e dar um passa-moleque no Paraguai, nada como brincar com um contrato que pode chegar a US$ 904 milhões, que, ao fim e ao cabo, serão bancados por nós, contribuintes. Ou passa pela cabeça de alguém que a "República bolivariana" soltará a grana? Cumprir contratos não faz parte dos ideais dos donos do falido Mercosul...

NELSON PENTEADO DE CASTRO

pentecas@uol.com.br

São Paulo

Cheque voador

Dizem que o povo brasileiro tem memória curta, mas uma empresa como a Embraer não poderia ter! Espero que não receba um cheque voador. Será que já esqueceu a obra com a Petrobrás em Pernambuco, aquela refinaria que o BNDES afiançou?

MOISES GOLDSTEIN

mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

Vendidos

Por 30 dinheiros - ops, quero dizer, 22 aviões e alguns mil réis numa usina - fomos vendidos ao integrar a Venezuela ao Mercosul, enquanto bilhões estão sendo desviados e desperdiçados em falcatruas de dirigentes despreparados para tocar qualquer coisa maior do que o empório da minha esquina.

RUTH PENNA MOREIRA

ruthmoreira@uol.com.br

São Paulo

Comércio bilateral

Após essa democrática entrada da Venezuela no Mercosul, espero que não se torne obrigatório comprar produtos deles. Aliás, seria bom alguém nos informar o que eles fabricam.

HARRY RENTEL

harry@citratus.com.br

Vinhedo

MENSALÃO

O dia D

Começa o julgamento. É hoje ou nunca mais... Vamos aguardar!

VIRGÍLIO MELHADO PASSONI

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

Respeitável público...

... a lona já foi erguida, o espetáculo vai começar, só espero que não sejamos os palhaços.

HELCIO SILVEIRA

heldiasilveira@gmail.com

São Paulo

Enfim o julgamento

Estou convicto de que o mensalão do PT existiu, os acusados pela Procuradoria-Geral da República são culpados e faltam alguns envolvidos não denunciados, em especial o big boss, the godfather. Estou convicto de que, ainda que o juiz Toffoli não se declare impedido, o STF julgará com todo o rigor, baseando-se tão somente nos autos. Estou convicto de que o povo brasileiro e a imprensa nacional e estrangeira acompanharão tudo com muito interesse. Vejo com imensa satisfação a divulgação dessa ação penal nos principais telejornais e na imprensa em geral. Acredito que os acusados serão declarados culpados, não cumprirão pena de prisão, mas serão definitivamente afastados da vida pública, abominados por todos, e o sorriso irônico e debochado e as juras de inocência serão engolidos em seco. Que assim seja.

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

A saúva do século 21

O artigo Falácias e enganos acerca do mensalão (1.º/8, A2), do renomado jornalista e escritor José Nêumanne, é o relato da consolidação da corrupção imposta por Lula da Silva via mensalão. A oposição, também corrupta, optou por sangrar o "sapo barbudo" e foi destruída pela prepotência e pela briga de Serra e Aécio. Enfim, ou o povo acaba com Lula ou Lula acaba de vez com o Brasil.

JOSÉ FRANCISCO PERES FRANÇA

josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal Estadão.com 

JULGAMENTO HISTÓRICO

Fica cada vez mais evidente que o julgamento pelo STF do processo do mensalão entrará para a História do País não apenas pelas suas peculiaridades, mas também pelas consequências que deve provocar. Falo do desencadeamento, em razão de tal fato, da tão necessária reforma política - a mãe de todas as reformas entre nós -, que mais do que os resultados da decisão judicial poderá evitar, no futuro, os eventuais desvios de conduta da gestão pública, Já agora em julgamento.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

NÃO PODE AMARELAR

A revista britânica The Economist qualificou como um progresso o fato de o mensalão ir a julgamento pelo Supremo Tribunal Federal: "Cadeia para políticos corruptos ainda pode ser algo improvável, mas não impensável". Lembra ainda que o Lulla foi reeleito um ano depois que estourou o escândalo do seu governo... E diz que o julgamento de 38 pessoas acusadas de envolvimento no maior escândalo dos anos recentes no Brasil é uma raridade. Esperamos, nós e a The Economist, que o STF não amarele.

Carlos Roberto Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

*

EM QUEM CONFIAR?

Estes são os juízes que foram preparados para julgar a ação penal 470, mais conhecida como mensalão: Joaquim Barbosa, Carlos Ayres Brito, Cármen Lúcia, José Antonio Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Cezar Peluso. Todos indicados para o STF pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em seguida aparecem Luiz Fux e Rosa Weber, indicados pela sucessora de Lula, a presidente Dilma Rousseff. Completando a lista temos Gilmar Mendes, Celso de Mello e Marco Aurélio Mello, indicados por Fernando Henrique Cardoso, José Sarney e Fernando Collor de Mello. Agora é só esperar e ter paciência para ficar sabendo nas mãos de quem está a ordem para o pedido de vista do processo. Uma hipótese que suspende o julgamento. Eu estou apostando nas mãos de Toffoli ou nas de Peluso. Você, que também vem sendo enganado todo esse tempo, aposta em quem?

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

E SE DER EMPATE TÉCNICO?

Se no julgamento do mensalão der empate técnico, quem vai desempatar? O ilibado Toffoli? É ruim, hein?

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

TOFFOLI

Afinal, esse indivíduo foi colocado no Supremo para quê? E por quem? Até parece que está lá para ser juiz de alguma coisa...

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

UBI SOCIETAS IBI LEX

Se, mesmo como amigo dos principais atores do mensalão entre eles Lula e José Dirceu, para quem advogou, o ministro Dias Toffoli não se sente impedido de participar do julgamento, a sociedade brasileira, saturada com os níveis endêmicos de corrupção e impunidade, declara-o impedido de participar desse julgamento de cartas marcadas, sob pena de vê-lo como defensor de todos os crimes denunciados pelos procuradores Antonio Fernando de Souza e Roberto Gurgel, como formação de quadrilha, corrupção ativa e passiva, peculato, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e gestão fraudulenta de instituição financeira, todos devidamente catalogados pela Polícia Federal. Ubi societas ibi lex.

Peter Cazale pcazale@uol.com.br

São Paulo

*

LEI DA 'OMERTÁ'

Meu pai costumava me alertar que, em ações contra o poder central, nada se poderia esperar do STF porque, pela maneira como esse tribunal é constituído, ele se transforma na "guarda pretoriana" dos interesses dos governantes. Eu tinha esperanças de que isso se tivesse modificado com o tempo, mas o fato de o ministro José Antonio Dias Toffoli não se declarar impedido de participar do julgamento do mensalão torna clara a lei da "omertá", ou seja, chegou a hora de o ministro pagar seu débito com o chefão.

Sérgio Cunha sermeg2000@yahoo.com.br

São Paulo

*

JUDICIÁRIO

Se a cúpula do Judiciário não permanecer estritamente vinculada à sua função precípua - aplicar sob o mais dolorido esforço interpretativo e sob o mais severo compromisso de imparcialidade o Direito Penal, produto de mais profunda ciência aos casos ocorrentes -, o edifício de todas as instituições jurídicas nacionais padecerá de um terremoto inédito na História jurídica brasileira. Antes de iniciado o julgamento, as placas tectônicas já claudicam, em face da insólita insistência do jovem ministro Toffoli em examinar fatos que protagonizou como advogado. Seja qual for o pronunciamento, o Brasil sairá do episódio com sua saúde abalada, interna e externamente.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

DESMORALIZAÇÃO

Se Toffoli participar do julgamento do mensalão você acredita na idoneidade e na lisura do processo? Eu, não! Se assim for, vão se desmoralizando, a cada dia, os Poderes constituídos do Brasil. Inclusive o STF.

Orivaldo Tenorio de Vasconcelos professortenorio@uol.com.br

Monte Alto

*

AMIZADES

A relação de amizade entre Lula e Toffoli será do tipo daquela "amigos, amigos, negócios à parte"? Mas será que justiça combina com negócios? Uma coisa é certa, não se faz justiça com desonestidade, e sinceridade é o sintoma que permeia uma verdadeira amizade.

Carlos Leonel Imenes climenes@ig.com.br

Jucurutú (RN)

*

O QUE ESPERAR?

O que podemos esperar do julgamento do mensalão quando temos a participação do ministro José Antonio Dias Toffoli, sabendo que ele foi advogado do PT e assessor do ex-ministro José Dirceu? Não obstante, sua namorada, a advogada Roberta Rangel, tem como cliente o ex-deputado Professor Luizinho. Acorda, Brasil!

Anízio Menuchi amenuchi@uol.com.br

Praia Grande

*

IMPEDIMENTO CAFÉ-COM-LEITE

No julgamento, Toffoli não pode apenas uma coisa: tentar justificar seu voto como "não-contabilizado".

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

MEDO

Como diria Roberto Jefferson, ''sai daí Toffoli!"

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

TRISTE IRONIA DA HISTÓRIA

A um dia do início do julgamento do mensalão - o maior caso de corrupção política do País até agora -, o ex-deputado e presidente nacional do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), Roberto Jefferson, autor da denúncia que deu início ao caso, está internado no hospital com a maligna notícia acerca de sua doença. Praga de Zé Dirceu?

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

38 'INOCENTES'

É incrível que um ministro do Supremo que não conseguiu nem ser aprovado em concursos prestados para juiz, que foi advogado do PT, amigo de José Dirceu, cuja companheira é advogada de alguns mensaleiros, alçado ao cargo por Lula, apesar de todas as evidências, não se julgue impedido de atuar nesse julgamento. Incrível ver tantos inocentes juntos denunciados por formação de quadrilha declararem que não existem provas que os condenem. Como se os bandidos, ladrões, assassinos, vigaristas e afins deixassem suas assinaturas, com firma reconhecida, nos delitos praticados. As evidências não bastam? Seria incrível que um sério procurador-geral da Republica, sr. Fernando de Souza, que em toda sua vida profissional não cometeu deslizes, condutas impróprias ao ofício, suspeitas ou evidências de envolvimentos com ilícitos, ao final de sua brilhante carreira manchasse sua biografia com denúncias vazias, acusando sem provas, injustamente, tantos "inocentes" como "quadrilheiros", formados no núcleo do governo para, dentre outros crimes, desviar recursos públicos. Se diante das evidências, comparados os históricos de vida profissional e tudo já divulgado, colocados numa balança, acusador de acusados, alguém com um mínimo de bom senso teria dúvidas do resultado? Só nos falta ver todos esses "injustiçados" serem absolvidos e o procurador, condenado. Os "inocentes" clamam por um julgamento técnico. A grande maioria dos brasileiros, por um julgamento lógico diante dos fatos, ético e moral diante de tanta imoralidade.

Heloisa A. Martinez heloisa_martinez@hotmail.com

Mogi das Cruzes

*

DEFESA DE DIRCEU

Apesar de todas as provas contrárias, José Luiz Oliveira Lima, advogado de José Dirceu, nega incondicionalmente que, à época do mensalão, seu cliente soubesse de empréstimos e repasses para compra de votos de parlamentares, usando para isso o testemunho sem nenhuma confiabilidade de Delúbio Soares, que, segundo ele, sempre disse que Dirceu não tinha conhecimento de assuntos financeiros do Partido dos Trabalhadores. Será que é só isso que esse advogado regiamente remunerado tem para apresentar em defesa do chefe da "quadrilha" do mensalão?

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

PROSÓDIA

Se o mensalão não existiu, por que um ex-presidente apoiaria alguém para participar do julgamento dessa, como diria o advogado cara de pau de Zé Dirceu, "peça de ficção"? O PT tem certeza que somos um país de imbecis! Pena que o artigo de José Nêumanne (1.º/8, A2) não chegue a atingir inteiramente seu alvo mais direto, pela impossibilidade daquele de interpretar texto escrito com categoria em excelente vernáculo...

Doca Ramos Mello ddramosmello@uol.com.br

São Sebastião

*

COMEMORAÇÃO

Os 38 envolvidos no tal mensalão, depois de mais alguns dias, com as discussões entre os senhores ministros - coisa chata de assistir - poderão, finalmente, comemorar o encerramento de uma batalha. Aí restará a obrigação de ir até o chefão para agradecer a nomeação de magistrados tão competentes. Estarão, assim, livres de ver na imprensa constantes menções ao seu nome ligado a um tal mensalão que nunca, jamais existiu.

Olímpio Areias Bicalho olimpio@lpnet.com.br

Botucatu

*

LIXO A SER VARRIDO

Dia 2 de agosto de 2012 poderá representar para História deste país um marco importante não somente para nosso Judiciário, que inicia o julgamento do mensalão, mas para o fortalecimento da ética e dos bons costumes dentro das nossas instituições, desde que, é bom deixar bem claro, aqueles que realmente fizeram parte dessa "quadrilha" que desviou milhões de reais do erário sejam duramente punidos. A corrupção tem sido um cancro dos mais nocivos para nossa sociedade! E como vem de cima para baixo, ou seja, praticado por servidores públicos, e em sua maioria eleitos pelo povo, gera um efeito multiplicador e um legado dos mais desprezíveis e nefastos. A corrupção é um lixo que não se decompõe! A não ser que uma ação conjunta e efetiva do Executivo, Legislativo e o Judiciário privilegie diuturnamente a busca pela legalidade e a dignidade pública. Mas, pelo jeito, esse é um sonho distante no Brasil, principalmente porque o Executivo e o Congresso, com a total cumplicidade do Planalto, carregam a bandeira das excrescências e esparramam o pior dos legados pelos 5.565 municípios, que a cada dia mais demonstram total desprezo às boas condutas! Em conluio com verdadeiras máfias que se infiltram feito cupins dentro das nossas instituições, desviam descaradamente recursos de setores os mais prioritários, como obras de infraestrutura, merenda escolar, saúde, educação, etc., sem que sejam condenados... E esse caso do mensalão é apenas um deles! Porque nestes últimos dez anos de gestão petista muitos outros milionários desvios continuaram ocorrendo à luz do dia e da nossa Constituição. Na atual CPI do Cachoeira/Delta, por exemplo, o governo vem impedindo uma investigação mais profunda porque sabe que boa parte de seus camaradas e aliados está atolada até o pescoço nesse lamaçal. Por essa razão é que esse julgamento do mensalão, que se inicia hoje no Supremo, vem em boa hora e se espera da Corte uma decisão implacável sobre esses criminosos! E, certamente, será um duro recado aos administradores públicos e fornecedores dos governos, de que o crime contra as nossas instituições não compensará mais! Oxalá, até o final do mês de agosto, quando o STF deverá concluir seu trabalho, as cicatrizes da corrupção fiquem bem marcadas no rosto desses vis e nas páginas da nossa briosa imprensa, para que as futuras gerações também tomem conhecimento desses horrores praticados por cidadãos que não merecem nem suas calças, que dirá terem o direito de ver nascer o sol. O PT de Lula, signatário, avalista, ou como queiram, dessa estupidez institucional, o melhor que seus membros podem fazer, se tiverem um mínimo de civilidade que prometeram lá atrás, é fechar as portas do partido, assim como Getúlio e Jânio Quadros deixaram num mês de agosto seus governos! Porque o petismo prometeu conscientemente durante anos o que jamais em tempo algum estava preparado para cumprir: a valorização da ética e o combate à corrupção. E deu no que deu, no lugar do céu, entregam sem ruborizar o inferno das indignações! E que Deus, ilumine os ministros do Supremo Tribunal Federal...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

E O ARQUITETO?

Entre os 38 réus do mensalão, faltou o arquiteto Lula.

Yoshitomo Tsuji y.ts@hotmail.com

São Paulo

*

INCLUSÃO DE LULA

Exemplar a atitude profissional do advogado de Roberto Jefferson ao insistir na integração processual de Lula na ação penal 470, porque, sem dúvida, foi o artífice maior do propinoduto, com a finalidade de aquisição de opiniões e de votos no Legislativo e demais entes e entidades necessários ao comando desejado pelo partido político que insiste em se dizer democrático. Muitas situações inconvenientes ocorreram neste país por culpa exclusiva da intocabilidade de Lula, como se fosse Deus. Então, acostumou-se a agir de acordo com a sua democracia, impondo condições e situações que poderiam ter sido evitadas se tivéssemos uma oposição competente e destemida. Mas a sua debilidade até estimulou a forma de agir do sindicalista-presidente. Por fim, se Dias Toffoli fica, por que Lula não entra? A diferença é de grau: um é suspeito e o outro, suspeitíssimo!

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

GALHOFADA TUPINIQUIM

O Brasil é o país da zombaria, do faz de conta, do astronauta de Lula que vai ao espaço plantar feijão, da festança quando a base ardia em fogo, do foguete no Maranhão que pega no tranco e mata dezenas de pessoas e da proposta de reconstituição de um acidente aéreo feita por um senador mineiro. Agora vamos rezar para que o STF, no julgamento do mensalão, não absolva José Dirceu e prove que Lula era realmente o poderoso chefão, senão teremos uma nova galhofada tupiniquim.

José Francisco Peres França josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

*

FORTUNA

Segundo a revista Forbes, Lula tem uma fortuna estimada em cerca de US$ 2 bilhões. Ministério Público, Receita Federal, Polícia Federal, Tribunal de Contas da União e Justiça Federal se omitiram diante da notícia desse inexplicável enriquecimento de alguém que por dois mandatos consecutivos ocupou o cargo de presidente da República. Que o julgamento do mensalão, nessa suposta "hora da verdade", inspire e compile os citados órgãos a investigar, esclarecer e, principalmente, tomar as medidas legais cabíveis, caso seja confirmado o maior escândalo de enriquecimento ilícito, nunca antes acontecido na História deste planeta.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

MEU MAIOR MEDO É ACORDAR SEXTA-FEIRA...

... ou no final do julgamento do maior escândalo de corrupção deste país, o mensalão, com a total absolvição daqueles que todos já os têm como culpados. Meu Brasil não merece e não suporta mais tanta corrupção!

Cecilia M. Dale cecilia54dale@gmail.com

São Paulo

*

CEM MIL DE ONDE?

A mulher do empresário Carlinhos Cachoeira, Andressa Mendonça, depositou na terça-feira a fiança no valor de R$ 100 mil, determinada em medida cautelar expedida pelo juiz federal Mark Yshida. O mandado foi motivado por suposta "oferta de vantagem indevida" por Andressa ao juiz federal Alderico Rocha, com a intenção de que Cachoeira fosse beneficiado na ação penal. Não seria o caso de verificar de onde saíram esses R$ 100 mil, já que a origem dos R$ 15 milhões de honorários do superadvogado Márcio Thomaz Bastos ninguém ousa questionar?

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

AGORA ENTENDI...

... Cachoeira trocou Andrea por Andre$$a.

J. Maurício Ávila jotamavila@hotmail.com

São Paulo

*

BEBENDO DA MESMA CACHOEIRA

O advogado Márcio Thomaz Bastos sem dúvida navega nas fronteiras entre o legal, o moral e o ético. Já demonstrou isso advogando informalmente para os acusados do mensalão, mesmo tendo sido ministro da Justiça e tendo sob sua responsabilidade inclusive a Polícia Federal e ainda, segundo a imprensa, ser responsável pela indicação de vários ministros do Supremo Tribunal Federal. No entanto, no caso do bicheiro Cachoeira, figura já popular em CPIs desde a dos Correios, que resultou no mensalão, Bastos superou seus próprios recordes anteriores de cara de pau e defendeu ou tutelou, segundo alguns, o bicheiro nos inquéritos e processos em que ele se envolveu. Não me parece que o dr. Márcio necessitasse de clientes como esse, pois certamente sua banca não é das menos qualificadas. Mesmo assim, o causídico abiscoitou R$ 15 milhões, conforme a imprensa, dinheiro de origem, no mínimo, duvidosa. Isso em qualquer país sério seria vedado a alguém com os contatos dele na função de ministro e de padrinho de ministros do Supremo. Agora, quando a lama já ultrapassa o pescoço, o dr. Márcio abandona o navio e descobre só agora que estava numa roubada. É importante que isso ocorra para que nos possamos dar conta de como funcionam os contatos e acertos no âmbito político e judicial em Brasília, e possamos prestar atenção em futuros Demóstenes e também futuros Thomaz Bastos, que de forma diferente beberam da mesma fonte ou cachoeira.

Márcio M. Carvalho mmcoak@hotmail.com

Bauru

*

RENÚNCIA

Não adianta mais, o ministro Márcio Thomaz Bastos já deitou na cama!

Gustavo Guimarães Da Veiga gjgveiga@hotmail.com

São Paulo

*

SÓ DEUS SALVA A AMÉRICA

Quem pensa que o crime organizado, do PCC, do Comando Vermelho, entre outros, é o que dá razão a tanta insegurança no nosso país está redondamente enganado. O verdadeiro crime organizado iniciou-se quando os brasileiros desinformados votaram em Lulla, no PT e depois em Dilma. Os noticiários dizem tudo, por incrível que possa parecer, temos até um ministro na Suprema Corte que fez e faz parte dessa "quadrilha" comandada por Lulla. O julgamento do mensalão ganha de um picadeiro. Terça-feira a figura do ditador Hugo Chávez veio a Brasília a convite de Dilma, trouxe até seus boinas-vermelhas para intimidar todos nós, brasileiros, com a Venezuela no sem futuro Mercosul, e o Uruguai, a Bolívia e o nosso Brasil. Só Deus salva a América, a não ser que apareça outro e saudoso marechal Humberto de Alencar Castelo Branco.

Paulo Francisco Siqueira dos Santos paulof.santos@hotmail.com.br

Santa Rita do Passa Quatro

*

HOMENAGEM OU DESVIO DE FOCO?

Os empresários do setor do biodiesel farão uma homenagem ao presidente Lula justamente no dia em que se inicia o julgamento do mensalão. Certamente, os associados da União Brasileira de Biodiesel e Bioquerosene (Ubrabio) e da Associação de Produtores de Biodiesel do Brasil (Aprobio) não leram o artigo Custo Brasil, custo Lula (6/7, B2), escrito por Carlos Alberto Sardenberg, em que Lula se apresentou triunfante dizendo sem meias palavras que a Petrobrás não queria construir refinarias, ainda que a empresa apresentasse um plano pífio de investimentos em 2008. Resumindo: das quatro refinarias prometidas, a Petrobrás informou em junho que apenas uma continua no plano e com data para terminar. Afora esses problemas, houve aumento de custo e não se tem o dinheiro e o óleo da venezuelana PDVSA. Ou seja, todas as metas de produção foram reduzidas. Lula será homenageado para quê, mesmo? Ou será uma estratégia para desviar o foco do assunto que tomou conta do País e do mundo?

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

UMA FOTO MUITO REVELADORA

Se examinarmos com um olhar mais atento a foto dos quatros mandatários que se reuniram em Brasília no dia 31 de julho, podemos concluir com grande margem de acerto o que realmente pensavam na hora de ensaiar os sorrisos. O presidente do Uruguai, sr. José Mujica, embora com remorso por ter de apoiar a vergonhosa conspiração liderada pelas duas damas contra um país amigo, prefere reforçar sua imagem de humilde presidente pobrezinho que é fiel a seus princípios de um bom e exemplar comunista. O gorducho Hugo Chávez, com sorriso quase infantil brincando com um aviãozinho, rouba a cena ao se comportar como o verdadeiro líder regional com dinheiro para ajudar a todos, inclusive comprar aviões da Embraer. Se olharmos mais atentamente a foto, percebemos sua real intenção, ou seja, aproveitar-se da conhecida leniência do governo brasileiro para perpetrar seu projeto político bolivariano, impondo goela abaixo tudo o que é ruim para os atuais membros do Mercosul. Não podemos esquecer que as digitais de Hugo Chávez estavam bem visíveis na invasão das refinarias da Petrobrás na Bolívia. Lula ficou quieto e ainda disse que a Bolívia era soberana e estava certa, confirmando o que disse Chávez a Evo Morales na ocasião: "No hay problema, Brasil es cagón". Também não podemos esquecer que o acordo assinado com Lula sobre a construção da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, nunca foi cumprido, tendo a Petrobrás de arcar com todo o investimento. Lula, de novo, silenciou. Hugo Chávez não perdeu tempo e se apoderou do potencial do Brasil para alardear que, com a entrada da Venezuela, o Mercosul se tornaria a quinta potência mundial. Na foto ainda vemos a esperta Cristina Kirchner, com seu eterno luto para enganar seu povo, aproveitando-se ao máximo da oportunidade de convocar uma reunião secreta na embaixada argentina para pedir mais dinheiro ao poderoso novo sócio. Por último, vemos nossa presidente, Dilma Rousseff, esboçando um sorriso de vingança com uma profunda frustração por se esquecer de convidar para a foto seu amiguinho Fernando Lugo. Seria uma ótima oportunidade de tirar uma foto especial dos dois mostrando a língua para o presidente do Paraguai, sr. Frederico Franco.

Wilson Sanches Gomes sancheswil@hotmail.com

Curitiba

*

MERCOSUL

Providenciada a entrada da Venezuela no Mercosul (1.º/8, A10), Chávez acertou a compra de seis aviões Embraer-190, no valor de US$ 271,2 milhões. Também assinou a opção de mais 14 aviões, que pode elevar o contrato para US$ 904 milhões. Foi a taxa de entrada no Mercosul? E da Argentina, o que ele vai comprar? Ou já tinha crédito desde a eleição de Cristina Kirchner? Chávez tinha uma parceria com o governo brasileiro para a construção da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, só que, com cerca de 50% das obras em andamento, ele não destinou nenhum dinheiro, da parte que lhe cabe, para a construção. A coisa vem sendo postergada e o governo brasileiro, tocando a obra. Por isso é bom que a Embraer se cuide e só entregue as aeronaves quando tiver certeza de que receberá o pagamento. Nós, brasileiros, não estamos dispostos a arcar com novos prejuízos, tal como foi feito com dívidas perdoadas por Lulla, que fez caridade com o dinheiro alheio, ou com a tomada das instalações da Petrobrás, na Bolívia, pelo presidente sindicalista cocalero, Evo Morales, sob o olhar complacente do ex-presidente.

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

MANOBRA ARRISCADA

Depois de comprar meia dúzia de aviões da Embraer - que espero não ter sido a prazo - o "coronel" Hugo Chávez reuniu-se com a dona Dilma para comemorar o "atropelamento ilegal" que, juntos, tiveram a coragem de perpetrar contra o Paraguai. Cercados pelos alegres cortesões oficiais de praxe, o líder da "revolução bolivariana" na América Latina não disfarçou seus instintos bélicos ao tentar um "brinde" para comemorar sua nova parceria. Segurando na mão uma miniatura de um avião da Embraer, simulou uma colisão com outra miniatura que estava nas mãos da dona Dilma. O gesto me soou mais a um crash crash catastrófico do que um tintim celebrativo. Lembrei-me do Boeing 737-800, do voo 1907 da Gol, que bateu num Legacy nos céus da Amazônia.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

AGORA É OFICIAL

A Venezuela é muito bem-vinda como o mais novo integrante do Mercosul. É um país vizinho, irmão, com economia forte e sua admissão no bloco sul-americano agregará valor e fortalecerá bem mais o Mercosul. Gostem ou não de Hugo Chávez, o fato é que ele é passageiro, enquanto a Venezuela é uma nação permanente e tem muito a contribuir para o avanço e a prosperidade do Mercosul.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

CONTO DO VIGÁRIO

Espero que a Embraer não caia no mesmo conto do vigário a que foi forçada a aderir a Petrobrás no caso da refinaria no Nordeste e se proteja bem no contrato da venda dos aviões à Venezuela. O histórico não é bom e já levamos tunga da Bolívia também, a Petrobrás ficou com o prejuízo. Não estamos aqui para financiar esses tiranetes sul-americanos com nosso esforço e trabalho. Dona Dilma que seja tão enérgica quanto dizem que é, pois Lula deixou que tirassem vantagem de nós.

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

*

CHÁVEZ

Que maravilha! Ele comprou seis aviões. Mas, e agora? Como se faz para receber?

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

*

VAI FUNCIONAR?

Conforme a declaração da presidente Dilma Rousseff, a entrada da Venezuela no Mercosul tornou o mercado comum o quinto produto interno bruto (PIB) do mundo. Na teoria, está tudo muito bem, porém, na prática, será que o Mercosul vai funcionar? Argentina por exemplo, impõe tantas restrições às exportações brasileiras que deixam os exportadores brasileiros sem saber a quem apelar. E no Hugo Chávez, dá para confiar? A estatal venezuelana PDVSA até hoje não cumpriu os 40% do custo do projeto da construção da Refinaria Abreu e Lima - contrato de 2005 -, em parceria com a Petrobrás. Em suma, a integração comercial com os nossos vizinhos sul-americanos não é simples nem garantida.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

OPORTUNISMO BARATO

O País, preocupado com a possibilidade de a inflação disparar pela falta de alimentos e produtos causada pela paralisação e "piquetes" dos caminhoneiros, com a greve dos professores e funcionários federais, ansioso pelo início do julgamento dos mensaleiros, aflito com a novela das 9, acompanhando a Olimpíada, e eis que somos brindados com a visita do caudilho bufão Hugo Chávez, saudável como sempre, prometendo (dá para crer?) comprar avião, vender petróleo (ué, não somos mais autossuficientes?), investir, etc. Discursos demagógicos, hipócritas, populistas e mentirosos, em especial sobre a "democracia" venezuelana, quase que na calada da noite. Há algo a esconder?

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

PAÍS PARADO

Enquanto o Brasil permanece parado nas estradas, nas universidades, na saúde... o que faz a presidente? Comemora com um sorriso de orelha a orelha, em Brasília, a entrada (ilegal e indevida) da Venezuela no Mercosul, ao lado de outros companheiros terceiro-mundistas, e compra do Google a rede social Orkut para cadastrar os usuários do Bolsa-Família. Disse que pretende inserir os beneficiários do programa na vida virtual para que postem fotos e façam novos amigos. Que lindo! Está enganado quem acha que o ano por aqui só começa depois do carnaval. Ainda não começou.

Maria Eloiza Rocha Saez m.eloiza@gmail.com

Curitiba

*

POR ESSA NINGUÉM ESPERAVA

Não foi justo a gente não apoiar o Paraguai no Mercosul e deixar entrar a Venezuela. Só que o Paraguai foi mais esperto do que se esperava, juntando-se aos Estados Unidos comercialmente. Presidente, é melhor a senhora tomar consciência e ver a "caca" que fez.

Sonia Maria Salzano soniasalzano@gmail.com

Descalvado

*

TROCA DE NOME

Com a entrada do caudilho Hugo Chávez no Mercosul, será melhor trocar a letra c pela letra d no nome da instituição.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

PÓ, REFRESCO E FUNDAMENTALISMO

Será verídica a notícia de que o refrigerante mais popular do mundo, a Coca-Cola, foi obrigado a descontinuar a venda e a produção na Bolívia, onde a coca em folha tem mais importância para o grande estadista boliviano, ou melhor, cupincha bolivariano Evo Morales? É o fundamentalismo cocaleiro em pauta. Negócio bom como esse só na culta e politizada América Latina.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

UMA GUERRA BRASILEIRA

Segundo critérios adotados por organismos internacionais, a Síria encontra-se em meio a uma guerra que provocou a morte de 19 mil pessoas nos últimos 16 meses. No mesmo espaço de tempo, sem atrair igual atenção desses organismos internacionais, cerca de 60 mil pessoas foram assassinadas no paraíso tropical do Brasil. Dentre os mortos, muitos representantes da lei, caçados por pistoleiros nas ruas, em suas casas ou em seus postos de trabalho. Assim, para cada sírio morto em situação de guerra, pelo menos três brasileiros foram executados no mesmo período, neste (tido como) pacífico nirvana da América do Sul. Enquanto essas estatísticas chatas procuram deslustrar o quadro de felicidade geral da Nação e contradizer o mito do povo cordato, a legislação penal vem, de forma coerente com o futuro de paz a que estamos destinados, sendo progressivamente abrandada ao longo dos anos, em que pese o efeito colateral indesejado de estimular a ousadia e a reincidência de criminosos organizados, desorganizados e juvenis, principalmente. Mas isso é passageiro, todo mundo sabe que o brasileiro é bonzinho. Ironias à parte, em qualquer país civilizado a ocorrência de fatos que fazem parte do dia a dia no Brasil, como o ataque à instituição polícia e o assassinato de policiais, é ou seria motivo para a deflagração de crises institucionais, com a adoção de medidas emergenciais ou, no mínimo, a demissão de autoridades consideradas negligentes, incompetentes ou, de alguma forma, coniventes. O Paraguai, de quem não se esperava nada, deu o melhor exemplo de como se deve punir a omissão criminosa diante da violência. No colosso Brasil, no entanto, os que se servem da máquina parasitária do governo não se contentam em expropriar quase 40% da riqueza nacional, sem devolver segurança satisfatória ou serviços de qualidade aos cidadãos. Procuram, na verdade, o afrouxamento das leis que os eximirá de maiores responsabilidades, como as de realizar custosos e tediosos programas (como a construção de presídios) que visem a melhorar minimamente a caótica situação da segurança pública. Se é lamentável a atuação dos governantes, lamentável também tem sido o papel de parte da imprensa, última trincheira na qual se abrigam as esperanças dos brasileiros honestos. Diante do morticínio crescente, que coloca o país no topo da violência mundial, ela prefere investir contra os poucos estratos da polícia que vêm dando resposta à altura à criminalidade, postura que aumenta a angústia e a sensação de insegurança da população. Incompreensivelmente, a imprensa vem supervalorizando falhas operacionais de uma polícia que conseguiu drástica redução dos índices de criminalidade, como a PM do Estado de São Paulo, e propagando visões anacrônicas e politicamente corretas, professadas por acadêmicos ou supostos especialistas em questões de segurança, mas totalmente desvinculadas da realidade que o povo enfrenta nas ruas. É desanimador ver um grande jornal brasileiro, como o Estado de S. Paulo, dar destaque a notícias que estigmatizam o trabalho da polícia. Por essa visão esdrúxula, a segurança pública poderia prescindir do aparato policial, pois passaria a ser mero desígnio da quadrilha dominante. Nesse contexto, seria providencial comunicar aos cidadãos comuns que as guerras de facções passaram a se constituir no principal vetor dos homicídios, pois esses cidadãos desavisados e desprotegidos continuam se considerando as vítimas preferenciais de uma matança indiscriminada. O fato é que, embora muitas autoridades teimem em ignorar, o povo nas ruas sabe que estamos em guerra, em função do risco que qualquer um corre ao sair de casa e do assombroso número de vítimas contabilizadas diariamente. E numa guerra é inevitável a ocorrência de situações extremas que escapem de qualquer controle, sobretudo de quem se sinta isolado na linha de frente, como é o caso da polícia. Nesses casos, o instinto de sobrevivência sempre vai se sobrepor ao manual de operações. Finalmente, se estamos em guerra, é preciso que cada um defina com muita clareza de que lado está. Não dá pra ficar teorizando ou especulando impunemente, como muitos "especialistas", nem dá pra ficar brincando de observador neutro, como parece ser o caso de governantes e legisladores e da própria imprensa.

José Benedito Napoleone Silveira nenosilveira@aim.com

Campinas

*

NOSSO SONHO OLÍMPICO

O assunto agora são os Jogos Olímpicos de Londres. É hora de se envolver com a elite do atletismo que luta para superar a perfeição. Uma vitrine de jovens obstinados a voltarem à sua terra como heróis. Os números são espetaculares: cerca de 10.500 atletas de 192 países e 13 territórios. Talvez não seja oportuno comentar as expectativas do nosso povo. Mas, sejamos francos, a educação brasileira está longe de ser tratada como prioridade. Ainda não vemos a valorização do ensino, dos professores e muito menos do esporte. A maioria desse seleto grupo de atletas é apoiada pela família. Alguns, nem isso. É sabido que todos superaram enormes limitações. Poucos são patrocinados por empresas. Mas está lá a nata do esporte brasileiro. Homens e mulheres que embarcaram na luta pelo ouro olímpico portando o que há de mais genuíno em nosso DNA: coragem, persistência e garra bem afiada. Alheios à lógica e à matemática, permanecemos otimistas. Segundo a presidente Dilma, "quase a metade dos atletas brasileiros que disputarão os Jogos Olímpicos de Londres recebem auxílio financeiro de forma direta do governo federal." Vamos ver. De qualquer forma, a cada quatro anos nós, brasileiros, teimamos em acompanhar os Jogos Olímpicos como se fossem um sonho dourado. Esperamos que desta vez seja diferente. Se depender de torcida, nossos atletas podem se preparar para trazerem muitas medalhas para a nossa terra. O Brasil tem o compromisso de fazer bonito - de correr, de suar, de marcar presença de forma especial. Afinal, os próximos Jogos Olímpicos serão aqui. Em 2016 o mundo voltará seus olhos para o nosso país. Vai, Brasil!

José Maria Cancelliero monica@cpp.org.br

Piracicaba

*

É RUIM, HEIN!

Neste país, onde se gastam milhões em desperdícios diversos, como viagens, estadias, cartões corporativos, passeios e outros encobertos, agora os petralhas autorizam mais R$ 698 milhões para a Copa. O que seria plausível para nações do Primeiro Mundo, onde nada falta e o povo vive bem. Contudo, para nós, onde a população não tem hospitais, nem médicos, nem remédios, não tem casas, vive em favelas, cortiços, com pouquíssimas escolas, à mercê de bandidos e assaltantes, é um verdadeiro disparate, um imenso desprezo para com os trabalhadores e aqueles que constroem o nosso progresso. A prioridade dos petralhas é a gastança desmedida e inútil. Na falta de inteligência, supriram-na pela insensatez.

Walter Gastaldi waltergastaldi11@hotmail.com

Londrina (PR)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.