Fórum dos Leitores

MENSALÃO DO PT

O Estado de S.Paulo

05 Agosto 2012 | 03h05

Pátria-mãe tão distraída

Na sexta-feira, ao final do segundo dia do julgamento da maior roubalheira que este país já viu, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, encerrou os trabalhos de maneira emocionante, citando o trecho de uma música de Chico Buarque: "Dormia a nossa pátria-mãe tão distraída, sem perceber que era subtraída em tenebrosas transações..." Quem poderia imaginar que uma música feita para criticar o regime militar pudesse encaixar-se tão bem para ilustrar a maior falcatrua cometida no Brasil, arquitetada justamente por um partido que sempre se rotulou como o mais honesto? Que sirva de lição para o povo que errou em 2002 e continuou errando em 2006 e 2010. Errar é humano, persistir no erro é burrice.

MARIA ELOIZA ROCHA SAEZ

m.eloiza@gmail.com

Curitiba

Inocência privilegiada

Para o PT, a massacrante prova testemunhal colhida e exposta pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, que espanca fortemente quaisquer dúvidas quanto à materialidade e autoria do deplorável episódio do mensalão, não supera a presunção de inocência privilegiada que torna os donos do poder criaturas especiais. Quando convém a um tipo de argumento canhestro e grotesco, testemunha não é prova. Nem mesmo o são abalizados laudos periciais. Prova é sinônimo de papel, fotografia, coisas desse tipo. Se assim fosse, nossos presídios não estariam abarrotados.

AMADEU R. GARRIDO DE PAULA

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

Máscaras caídas

O criminoso esquema do mensalão jamais foi descrito com tantos detalhes e provas como na voz do procurador-geral da República. É de imaginar o tamanho dos desfalques feitos nos cofres públicos antes, durante e depois do escândalo. O pior é que boa parte dos mentores desse crime, de alguma forma, ainda continua com a faca e o queijo na mão. Por isso mesmo, dificilmente o julgamento vai derrubar qualquer um dos acusados. Mas se apenas fizer cair a máscara do PT, já estará de bom tamanho.

JOSÉ MARQUES

seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

Promessas de juiz

Os ministros do STF prometem que vão cumprir suas obrigações e responsabilidades, próprias do cargo que ocupam, independentemente de quem os indicou, e julgar os acusados do mensalão com todo o rigor e imparcialidade. E a pergunta do povo inocente, e já totalmente incrédulo com a Justiça brasileira quando envolve amigos do rei, é a seguinte: é para acreditar ou será mais uma grande frustração nacional?

VAGNER RICCIARDI

vbricci@estadao.com.br

São Paulo

Absolvição só pelos autos

A hipótese de votos não condenatórios de mensaleiros como pagamento de dívida pelo cargo de ministros nomeados por Lula ou Dilma Rousseff simplesmente não existe. Isso equivaleria a um mensalão no Judiciário.

LAZAR KRYM

lkrym@terra.com.br

São Paulo

Penas rigorosas

Esperamos que a nossa Justiça Maior condene os culpados no processo do mensalão, com penas rigorosas, cadeia incluída, além dos confiscos necessários. Caso contrário, teremos certeza da impunidade no Brasil e a confirmação do descrédito popular.

ANTONIO DE SOUZA D'AGRELLA

antoniodagrella@yahoo.com.br

São Paulo

'Libertas quae sera tamen'

Espero que os ministros do STF incorporem o espírito de Tiradentes e julguem o mensalão pensando no futuro do Brasil.

WALTER MENEZES

wm-menezes@uol.com.br

São Roque

A única saída

Depois da leitura da acusação feita pelo procurador-geral da República, se os réus do mensalão não forem condenados, resta-nos o Aeroporto Internacional de Guarulhos como única saída.

JOÃO PAULO GARCIA

jotapege88@yahoo.com.br

São Paulo

Como Nuremberg

Assistindo pela TV à leitura da acusação dos réus do mensalão pelo procurador-geral da República, a sensação foi a mesma de estar vendo os réus no tribunal de Nuremberg. Incrível a semelhança quando a câmera focava pessoas dentro do plenário rindo das acusações! Espero que o desfecho também seja idêntico.

JOSÉ SERGIO TRABBOLD

jsergiotrabbold@hotmail.com

São Paulo

Livre-pensar

1) Eles tomaram posse em janeiro de 2003 e o esquemão já começou em março de 2003? Já imaginaram se não tivessem sido denunciados em 2005? 2) Ouvindo as acusações do procurador-geral da República, sr. Gurgel, se eu fosse acionista do Banco do Brasil, entrava na Justiça com processo por perdas e danos. 3) Que o PT é só marketing já sabemos. E agora, com o mensalão, vemos como o marketing faz parte do seu DNA. 4) Esses incomPeTentes só são capazes de produzir corrupção e vão acabar levando este país à falência.

TANIA TAVARES

taniatma@hotmail.com

São Paulo

PETROBRÁS

Prejuízo de R$ 1,3 bilhão

Ninguém engana todo mundo o tempo todo. Prova disso está na desastrosa administração do PT na Petrobrás.

EDGARD MARQUES FILHO

ed.marques@terra.com.br

Barueri

PTbrás afunda

Ao optar por um gerenciamento de viés político da Petrobrás, os resultados demonstrados foram queda de produtividade e de lucratividade, implicando perda do valor da empresa orgulho nacional e perda para os acionistas. Não nos podemos esquecer dos milhares de brasileiros que apostaram a sua aposentadoria e investiram o seu futuro econômico em ações dessa empresa. De que adianta colocar a cenoura na frente do investidor, acenando com possibilidades de novas jazidas de petróleo no pré-sal, se não se sabe administrar o que se tem em terra?

SERGIO HOLL LARA

jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

Explicações

Como pode uma empresa de petróleo monopolista como a Petrobrás ter prejuízo?! Incompetência, corrupção, interferência política? O governo deve-nos uma satisfação, dona Dilma!

CECILIA M. DALE

cecilia54dale@gmail.com

São Paulo

 

 VITÓRIA ANTECIDADA?

Muito suspeito esse sentimento dos petistas de terem largado na frente no primeiro dia do julgamento do mensalão. Levando em consideração que até agora a única evidência é que provavelmente o ministro Peluso não poderá dar seu voto porque irá se aposentar antes do final do julgamento, chegamos à conclusão de que a “quadrilha” já tem computado antecipadamente votos a favor e contra. No caso de empate técnico, o desempate deverá ser dado pelo atual presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Carlos Ayres Britto, que já se coloca desde já no pódio desse imbróglio e seu voto na mira de todos. Será que a “quadrilha” já sabe do resultado dos votos a favor e contra e por isso já se sente vitoriosa? A população que está atenta com certeza saberá até o final quem está a serviço de quem nessa corte. O povo brasileiro que paga seus altíssimos salários ou a quadrilha que quer golpear nossa Constituição? Estamos de olho!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

PROCESSO MOROSO

Assistindo à sessão inicial do mensalão, conseguimos entender a extrema morosidade que caracteriza a nossa Justiça. Todas as participações em vez de serem claras e objetivas, mais parecem uma aula chata e repetitiva, quando o expositor procura derramar sobre nós todo seu saber jurídico, mostrando que entende muito do assunto e, pior, mencionando casos semelhantes de outros colegas para mostrar que não está errando por conta própria. Como sabemos da didática, o máximo que alguma pessoa tem é sua atenção presa ao que escuta por no máximo 20 minutos, após isso dá um sono danado e aí ou o assistente cochila mesmo ou muda a atenção para as contas a pagar e outras amarguras de sua vida.

Geraldo Siffert Junior siffert18140@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

CONDENAÇÃO

Não basta o procurador-geral da República pedir a condenação dos réus do mensalão, é imprescindível que peça também o ressarcimento aos cofres públicos desses milhões que foram desviados pela “quadrilha” do mensalão. "O Supremo não é um órgão de opinião pública", dissera certa vez um ex-ministro dessa instituição. Mas, por qual razão os tribunais recorrem ao júri popular?

Alberto Nunes albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

*

MARCOS VALÉRIO

O advogado Marcelo Leonardo, que defende Marcos Valério, anunciou que vai usar recente decisão do TCU para provar que o acusado agiu corretamente ao ficar com as bonificações de publicidade que sua agência veiculou para o Banco do Brasil. O fato de a fonte ser legal não significa que o uso posterior do dinheiro seja legítimo. Não tem cabimento qualquer agência ficar com o bônus da empresa que pagou a publicidade. Isso porque a agência já recebeu a comissão estabelecida e também cobra pela produção dos anúncios. Os bônus são, na realidade, descontos que as empresas de comunicação concedem aos grandes anunciantes. Banco do Brasil, um deles. Bônus para as agências? Por quê?

Francisco Pedro do Coutto pedrocoutto7@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

*

OCUPADO

O homem que certo dia disse que ia se dedicar integralmente para provar que o mensalão nunca existiu agora tem mais o que fazer? Será medo de ser chamado de mentiroso?

Ricardo Marin s1estudio@ig.com.br

Osasco

*

FOLHETIM

Após sete anos de ensaios e definição dos personagens, o novelão do "mensalulão” finalmente começou ao vivo e em cores para todo o País. Ao longo das próximas semanas saberemos quem são os mocinhos e bandidos da trama maquiavélica de corrupção e compra de votos parlamentares no governo Lula. Em cena, o diretor-geral e grande elenco deixam o Brasil em suspense. Quem será condenado e quem será absolvido? Haverá final feliz ou infeliz? Não perca os próximos capítulos.

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

DÚVIDAS

O que intriga no mensalão não é mais sua ontologia, se existiu ou não; nem sua autoria, Lula sabia ou não, mas sua teleologia: o que eles queriam, qual a sua intenção ou finalidade? O que o PT queria ao comprar votos? Apenas mais orçamento para o PAC ou para o Bolsa-Família? Um terceiro mandato para seu líder? Ou algo muito maior, uma mudança mais drástica no regime de poder, algo mais gramscista? Não creio que o julgamento revelará, mas essa é a pergunta que ficará para a História...

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

DILMA

Seguindo a escola do "mestre Maluf", daqui um pouco Lula vai "esconjurar" o erro de ter escolhido o "poste", como Maluf escolheu seu "Pita"! Com as besteiras que começam a aparecer no governo, a culpa vai ser do "poste"!

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

SUPER-HERÓIS

Cada um dos ministros do STF, com sua longa toga preta, se assemelha ao “Batman”, o paladino da Justiça. O que a sociedade brasileira espera dos onze “super-heróis” jurídicos, no processo do mensalão é tão somente que mandem os infames e asquerosos bandidos dessa maquiavélica trama de corrupção e poder pra cadeia, como faz, sem piedade, “o guardião de Gotham City”. Quem pratica malversação de dinheiro público que, dentre outras infâmias, tira merenda escolar da boca de crianças famintas, merece a mais dura das penas e um remorso permanente e corrosivo numa cela.

Túllio Marco Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

*

SENTENÇA INEVITÁVEL

Leitura linear, provas, testemunhos, desvendamento total do esquemão corrupto e corruptor, nomes, dias, horas e locais, petistas, base governista e bancos, vejam só. O mensalão do Lula foi descoberto, registrado e dissecado em detalhes pelo promotor Roberto Gurgel, que falou por mais de cinco horas a fio e explicou como e por quem, demonstrou tudo e todos , não vejo como os maravilhosos e caros advogados dos réus poderão se aventurar em entrelinhas dessa Legislação podre. É tão óbvio, “lulante” e visível que só pode resultar em cadeia para todos. Senão, é golpe. A ver o que os ilustríssimos desbravadores das alíneas das regras espúrias da justiça processual, feita para isso, poderão fugir às responsabilidades e entregar seus clientes ao cadafalso, grana recebida, caso perdido. O número da verba roubada, desviada, embolsada ou assacada no caixa não foi contabilizada, mas, na sentença, deverão ser considerados todos os numerários desviados com devidos juros e correção, assim como faz a Receita Federal contra os cidadãos usuais. Que os ministros se matem entre si, se torturem nas vaidades incontroláveis, porém mal entendidas, falam mal, saudades de Cícero, o orador, então, que os ilustríssimos doutores se excedam em argumentos vãos, vagos e meramente recorrentes, que o povão afinal, veja a justiça sendo feita, antes tarde do que nunca . E, na antessala do tribunal, outra pesquisa encomendada: a gerentona quer mais, muitos mais, quer tchu e quer tchá ! Setenta e cinco por cento, tá barato. Já divulgou mais, a peso de ouro, como sempre. Mas o estrategista de plantão não recomenda forçar a mão, afinal, números são números e se pode modificá-los a qualquer hora. A pérola do bolo será indicar o beneficiário do esquemão corrupto. A quem o mensalão de Lula, muito bem pago com dinheiro de todos nós, beneficiou? Quem lucrou com isso tudo? Se o mensalão foi de Lula, onde está sua condenação? Nossos ministros terão a coragem dos brasileiros heróis de antanho? Terão a decência de defender a verdade pura e simplesmente?

Ronaldo Parisi rparisi@uol.com.br

São Paulo

*

PESADELO

Era uma sexta-feira de suave inverno. Fim de tarde rosado, que me fez pensar que a linda Éos (a Aurora do mito grego) deve ter uma irmã tão suave quanto ela. Entretida com a leitura e o céu, não sei bem quando adormeci. Sonhei. No meu sonho, tinha uma gente muito feia, por dentro e por fora. Gente grosseira, descarada, que mau gosto! Imperdoável, o mau gosto – pode até ser que não se o discuta, mas tampouco se o perdoa. E naquele meu sonho tinha um bando todo de gente dessa espécie. De uma desfaçatez que beirava o insulto. Mas também tinha gente boa, limpa, determinada. Papo vai, papo vem, a coisa complicou entre os dois lados, e virou um tremendo bate-boca. A bem dizer, uivos. Pois no meu sonho as pessoas tinham se transformado em lobos.

Ali já não havia governo. E assim mergulhados no inevitável estado de natureza, estavam todos dispostos a matar um ao outro. Não forçosamente por maldade ou crueldade, mas para se defender, ou prevenir uma agressão. E no meu sonho entendi que, afinal, não é a natureza do lobo a cruel, mas sim o estado de natureza. “Pelo direito de legítima defesa, as desordens dos malvados obrigam os melhores dentre eles à força e ao engodo, que são as virtudes da guerra...” Ainda bem que tinha Hobbes, no meu sonho. Agora sim, ficava mais claro: os lobos estavam em guerra. Bom, para encurtar a história deu um rolo danado e toda uma matilha foi para a cadeia, perdeu os bens, e a agremiação à qual estavam filiados teve a licença cassada. E aí um deles, ensaio de Rasputin, arrancando os cabelos implantados no alto do cocuruto, e arrancando também a máscara costurada por cima de sua verdadeira face em Cuba, acabou por bradar que não era chefe de quadrilha coisa nenhuma; que ele só levava a fama e fumava os charutos ; que ia contar tudo, até porque ali, preso, não podia ser sequestrado e morto. Mas, ai ! Acordei. Tristeza imensa, desencanto sem fim. Será que um dia vamos acordar de nosso pesadelo acordado?

Marly N. Peres lexis@uol.com.br

São Paulo

*

SE NÃO FOSSE A IMPRENSA...

...e, em especial um grande jornal como o Estadão, não teríamos assistido ao debate entre os ministros Barbosa e Lewandowski, do STF, e nem saberíamos que último, revisor do caso conhecido como mensalão, somente no início do julgamento adotou a tese do desmembramento para se julgar os réus da AP-470. Então, o seu relatório ficaria oculto e a sua manifestação mais ainda. Eis que, então, o povo brasileiro precisa saber que, se não fosse a imprensa e jornais como o Estadão, ficaria na doce ilusão de que, como afirmava Lula, o mensalão nunca existiu. A grande imprensa, pois, provou que o ex-presidente Lula faltou com a verdade e trouxe à tona o maior escândalo com verbas públicas da História do País, para a análise do povo, sempre enganado e ludibriado por aqueles mesmos que levantam a bandeira de sua defesa.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

ELIANA CALMON

A ministra juíza de alto nível de coragem e autocrítica preveniu seus colegas do STF que também estarão sendo julgados por seus patrões - os cidadãos lúcidos - a respeito do que fizerem de certo e errado, no polêmico caso do mensalão. Tem plena razão! Cuidem-se, juízes, pois também serão julgados! Esperem e verão - em pleno inverno.

Sagrado Lamir David david@powerline.com.br

Juiz de fora (MG)

*

DELÚBIO SOARES

No artigo Creio em Deus, no povo e na justiça, publicado na coluna Opinião Pública do jornal Diário da Manhã, de Goiás, em 3/8, o professor Delúbio Soares tenta se defender da acusação de ter participado no esquema do chamado mensalão do PT ou que o mesmo não passou de “manipulação midiática”. Afirma que “não houve dinheiro público, um centavo sequer, envolvido nos fatos que ocasionaram o atual processo. Não houve a compra de partidos políticos, de senadores ou de deputados para que votassem matérias de interesse do governo”. Mais adiante diz: “Há nos tribunais de todo o Brasil, mofando em tranquilas prateleiras ou dormitando em gavetas providenciais e obsequiosas, processos como a Ação Penal 470 (mensalão), tratando de recursos não contabilizados em campanhas eleitorais. Não somos os únicos, nem os primeiros, nem os pioneiros.” Diante dessas afirmações, gostaria de fazer algumas perguntas: se o dinheiro não teve origem na arrecadação de impostos, taxas etc., quem foi o magnânimo super bilionário que contribuiu montantes tão fartamente distribuídos? Como e onde ele declarou tais contribuições? Se nos tribunais existem processos iguais ao mensalão de “recursos não contabilizados”, por que não foram adiante com a aplicação da lei anticorrupção? Será que não ser o único, o primeiro ou pioneiro justifica cometer o mesmo “crime”? Será que no Brasil um erro justifica outro e assim todos devem ser absolvidos? O professor apela para Deus, ao povo e à Justiça. Nós, espoliados contribuintes, queremos apelar ao bom senso e à legislação que deve ser igual para todos, especialmente mais dura com os que desviam dinheiro do povo para os próprios bolsos, ou para os interesses de seu partido. Aproveitando o embalo para tirar “das gavetas” onde diz o autor que “estão mofando” processos similares, aplicando a todos envolvidos a mesma punição pelo assalto ao dinheiro do sacrificado brasileiro!

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

*

RENÚNCIA

“Kofi Annan é um homem de grandes qualidades, um brilhante diplomata e uma pessoa muito honesta. Por isso, é uma grande perda", disse Putin, de acordo com a agência de notícias AFP (Estadão.com/Internacional/2.8.12). Para pessoas do quilate de Kofi Annan não há mais espaço neste mundo. Alguém duvida?

José Jorge Ribeiro da Silva jjribeiros@yahoo.com.br

Campinas

*

ONU FRACASSA

Desde o Iraque, 2003, vem perdendo legitimidade, apesar de ser o único órgão internacional ainda viável para o mundo não cair num espiral de violência. A ONU resolve quando o problema é no seu quintal, como foi nos Bálcãs nos anos 90. Fracassou no Iraque, no Afeganistão, não consegue parar a violência na Síria e na África a situação é ainda pior. O que os olhos não veem parece, no primeiro momento, não existir. E os ditadores caídos no processo da Primavera Árabe foram porque o povo pegou em armas e não pelas as boas ações da ONU em nome da paz e autonomia dos povos.

Luiz Fabiano Alves fabiano_agt@hotmail.com

Curitiba

*

PREJUÍZOS À VISTA

Lamentável a escolha de Dilma Rousseff que transformou Chávez, um doutor Honoris Causa no desmonte de democracias e expert na estatização de empresas estrangeiras, em nosso parceiro no Mercosul. Em 2006, a invasão da Petrobrás levada a cabo por Evo Morales que custou ao povo brasileiro mais de U$ 300 milhões, teve como mentor nosso novo sócio. De passagem pelo Brasil para assinar sua entrada “ilegal” no Mercosul, o déspota bolivariano, talvez sensibilizado pela declaração de Lula de que : “sua vitória será a nossa vitória", acabe dando uma força ao amigo, recomendando ao STF moderação no julgamento dos mensaleiros, fazendo coro com o mantra petista, de que o mensalão foi um golpe da mídia, ou na versão bolivariana, uma armação do império “EUA” . De costas para o povo , Dilma segue em suas parcerias temerosas que poderão nos trazer ainda mais prejuízos em nome de uma ideologia que não tem mais espaço na democracia brasileira. Não me sinto representado por esse governo petista.”

Peter Cazale pcazale@uol.com.br

São Paulo

*

CHÁVEZ

Uma reportagem do New York Times (27/7), conforme relatado em Notas & Informações do Estadão (31/7-A3), diz que Chávez

e quase toda a cúpula do poder venezuelano abaixo dele está envolvida numa grande rede sul-americana de narcotráfico. Chávez, o bufão bolivariano, veio ao Brasil para a cerimônia de

entrada de sócio pleno do Mercosul, sob o beneplácito de Dilma

e Cristina Kirchner, da Argentina e do, não muito a favor nem contra, presidente do Uruguai. Teriam esses três países, Brasil, Argentina e Uruguai, um serviço secreto verdadeiramente competente para informar aos seus presidentes a respeito de Chávez e de seus apaniguados sobre o que diz o New York Times? O Mercosul já vinha patinando, passa a correr agora, maior perigo ainda, caso o "bufão" queira, por meio dele, comercializar mercadorias ilícitas. Que Deus, que sempre pensamos ser brasileiro, nos ajude. O Paraguai, alijado temporariamente do Mercosul, como punição por ter afastado seu presidente, conforme manda sua Constituição, deveria, a partir de agora, buscar outras plagas para o comércio exterior e não se deixar contaminar pelo socialismo do século 21. Como pode Dilma prestar-se a esse tipo de enredo que denigre a nossa imagem perante outras nações com as quais comercializamos?

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

LONDRES 2012

A Olimpíada de Londres nos transmite muitas lições,talvez a mais importante é que precisamos melhorar e muito nossos atletas para que concorram e ganhem medalhas.Necessitamos de uma boa infraestrutura essencial para a competição. E, por oportuno, a conscientização de que o esporte não pode ser preocupação exclusiva do patrocínio oficial,com recursos públicos,mas as empresas devem ter benefícios fiscais para ingressarem em definitivo, empunhando a bandeira em prol da completa profissionalização dos nossos atletas.Sem tais ingredientes,em 2016, correremos o sério risco de amargamos poucas medalhas.

Carlos Henrique Abrão abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

FUTEBOL FEMININO

Incrível como as meninas da seleção olímpica justificam a cor de suas camisetas... Amarelam sempre.

Gilberto M. Costa Filho marcophil@uol.com.br

Santos

*

CUSTOS COM ESPORTE

Queiram ou não os mais diversos esportes praticados no Brasil têm de uma maneira ou outra um custo social por meio de despesas governamentais ou por leis de incentivos fiscais. A pergunta que cabe nesse momento com a Olimpíada de Londres, qual é a razão principal do baixo desempenho brasileiro nessa Olimpíada e nas anteriores? Qual é o custo disso? Existe uma conta "per capita" por atleta ou por tipo de atividade esportiva? Como é esse negócio? Com certeza tem gente competente que conhece esses números. Eu, sinceramente, nunca os vi!

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

MARINA SILVA

Aldo Rebelo estava em Londres com a viagem paga pelo dinheiro de quem? Marina parecia uma princesa. Ela é muito melhor do que todos os políticos e políticas do PT juntos.

Lourdes Migliavacca lourdesmigliavacca@yahoo.com

São Paulo

*

OLIMPÍADA

Dona Dilma após a abertura da Olimpíada de Londres, de forma muito arrogante, pronunciou que "no Rio faremos melhor". E, para isso, está liberando muito dinheiro público para obras superfaturadas. Será que os turistas ficarão satisfeitos apenas em verem algumas belas mulatas sambando? Com certeza já conquistamos a medalha de ouro no esporte mais jogado no Brasil pelos políticos: Corrupção. E viva o Mensalão!

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

DESINTERESSE

Olimpíadas nunca interessaram muito aos brasileiros. Até mesmo o que se poderia dizer de maior interesse, que seriam o futebol e o vôlei, tem baixa audiência. E isso se acentuou mais ainda nas ultimas décadas. Não é a toa que a Globo, principal emissora, não disputa mais essas transmissões. Os Jogos Olímpicos ficaram muito profissionais e muito informatizados na parte que deveria ser mais humana e artística.

Heitor Vianna P. Filho bob@intnet.com.br

Araruama (RJ)

*

OLÍMPIADA 2016

Será que o COI vai acatar a proposta brasileira de inserir em 2016 a nova modalidade na qual nos sobressaímos mundialmente? Na qualidade de país sede e proponente, creio que o estatuto olímpico possibilita estudar e, às vezes, aprovar a sugestão, e o Brasil tende a brilhar na nova modalidade. Poderemos não obter medalha de ouro, mas somos fortes candidatos ao pódio. Há alguns anos temos juízes e destacados desportistas despontando com brilhantismo. Não garanto que seremos imbatíveis, mas não devemos menosprezar os adversários e com um bom preparo psicológico, com certeza, seremos favoritos. Gente, aqui não se brinca, corrupção é coisa séria. Acho que não vai ter pra ninguém. Só vai dar Brasil em 2016.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

ANTIPATIAS

Em tempos de Olimpíada nada melhor do que falar de esporte. Acho extremamente antipática aquela propaganda de certo cartão de crédito em que dois indivíduos de baixa estatura são olhados com rancor por um grandão quando informam que pretendem formar uma dupla de vôlei de praia. Tudo bem que o tal cartão pretenda abolir o uso do papel moeda, cobrando para isso um porcentual de cada compra realizada, já que raros estabelecimentos dão desconto quando pagamos em dinheiro. O irritante é que o povão é altamente influenciável e, assim, várias pessoas vão deixar de praticar algum esporte por achá-los inadequados ao seu porte físico. Tudo bobagem - o que realmente importa é a diversão, e o povo está perdendo a capacidade de se divertir. Quando um jovem começa a praticar algum esporte, sua preocupação, e também dos pais, é a possibilidade de profissionalização ou de benefício físico. O que realmente importa é o prazer da atividade. A profissionalização tira toda a beleza do esporte. Veja por exemplo o vôlei. No princípio era um esporte feminino, já que foi criado numa escola para moças. Quando foi profissionalizado, passou a requerer jogadores cada vez mais altos, desestimulando assim jogadores de menor estatura. Outro exemplo é o futebol americano que mais parece um cruzamento do rúgbi com sumô, tal o tamanho dos jogadores, cuja maioria acaba com os joelhos lesados por terem que correr apesar do elevado peso corporal. Na verdade, se quisermos achar atletas realmente amadores, o último local indicado seria numa Olimpíada, onde valem mais as vaidades nacionais, quando cada país procura mostrar que é melhor do que os outros, como se isso importasse.

Nestor Rodrigues Pereira Filho rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

*

LIBERTADORES DA AMÉRICA

E agora, sr. José Maria Marim, como o novo presidente da CBF, o sr. não poderá decepcionar a esperança daqueles que gostam do futebol organizado. A competição sul-americana Libertadores da América está precisando urgentemente de uma nova reestruturação, os presidentes de clubes e federações só reclamam quando o seu clube está levando chicotadas em alguns países sul-americanos. O presidente da CBF, juntamente com os das federações e clubes precisam procurar a Conmebol e forçar uma nova organização onde pelo menos os visitantes sejam tratados com civilidade e respeito pelo torcedor local, seja lá qual for o país. Nada adianta fazer igual alguns presidentes de clubes botando a boca no mundo após o seu clube ser agredido ou prejudicado. Unam-se agora, todos e partam para um novo regulamento rigoroso e disciplinador ou então deixe rolar a vontade do mais agressivo e passe a contemplar o trem da alegria da Olimpíada de Londres.

Benone Augusto de Paiva benone2006@bol.com.br

São Paulo

*

FALTA DE COMANDO DA PM

A defensora publica joga no ar que existe falta de comando na PM, critica o uso de armas pela corporação e não para por aí. Como cidadão eu pergunto como foi que a senhora chegou a essa conclusão, pois pra dizer que há falta de comando é preciso estar intrinsecamente ligada ao dia a dia de batalhões. Com quais armas a senhora queria que a PM entrasse em confrontos? Flecha, tacape, cassetete...? Onde é mesmo que a senhora mora? Como cidadão, acho que não é esse planeta. Pois até na Inglaterra, pasmem, a policia já está se armando nas grandes metrópoles.

Roberto Castiglioni rocastiglioni@hotmail.com

São Paulo

*

SALÁRIOS

A média salarial anual de um policial da Scotland Yard da Inglaterra é de £.30 mil. Isso resulta em R$ 90 mil. O subsídio médio do agente da Polícia Federal é de R$ 9 mil mensais. 13 subsídios resultam em R$117 mil. Portanto, nossos agentes da PF já têm média anual remuneratória maior do que o do pessoal da Scotland Yard e também do FBI dos EUA.

Lauro Cardoso dos Santos muamar@r7.com

Rio de Janeiro

*

PRECISA MUDAR

É necessário acabar com super salários de todos servidores públicos, na esfera dos poderes. Ninguém poderia ganhar mais do que o presidente da República, portanto, essa diferença deverá retornar aos cofres públicos imediatamente.

Antonio de Souza D. Agrella antoniodagrella@yahoo.com.br

São Paulo

*

CASO DE POLÍCIA?

“Recebi hoje a notícia de que por determinação do Governo do Estado os postos fixos da Polícia Militar dos Campos Elíseos e de Bonfim Paulista serão fechados. Falei agora a pouco com o coronel Antônio César e ele confirmou a informação. Peço ao governador Geraldo Alckmin que não faça isso, nós já estamos vivendo um problema grave de segurança pública e o fechamento das unidades é um retrocesso. É lamentável que o governador permita esse fechamento. Já falei com a Célia, secretária do Alckmin, pedindo para que ele me retorne com urgência. Preciso da sua ajuda, preciso da ajuda de todos de Ribeirão para fazermos uma corrente para que isso não aconteça”. Assinado Dárcy Vera, prefeita de Ribeirão Preto. Coincidência ou não, o universo Conspira... Minha mãe ligou do outro lado do mundo para mim, ela mora em Israel e perguntou preocupada sobre as notícias que chegam do lado de lá sobre a falta de segurança em Ribeirão Preto. Moro em São Paulo, mas amo essa cidade como minha e vou constantemente para lá. Chega agora no final da tarde e me deparo com esse relato da prefeita de Ribeirão. O que é isso? Será que dormi e acordei num universo paralelo? Basta! Um basta a propaganda política que mais parece um programa do Bozo, sempre rir. Fala-se muito e nada se faz. Quem quer faz antes de ser e não espera ser um político para fazer. Senti-me enojada com os debates que tenho presenciado pela mídia, um desrespeito a minha inteligência. Um atacando o outro, você fez, você não fez... E o amor ao bem-comum, cadê? Farei pela primeira vez algo que não gosto mas não tenho escolha, anularei o meu voto aqui em São Paulo e a partir de hoje não mais acreditarei em alguém que se diz interessado em governar uma cidade, um Estado ou um país. Triste! Muito triste! Eu só tenho uma coisa a dizer para todos esses que falam, mas não fazem nada, são palavras ao vento: não sou perfeita, sou humana, tenho defeitos, mas também possuo qualidades e desde pequena fui ensinada a fazer o bem sem olhar a quem. Ensinaram-me que a vida é sábia, aqui se faz e aqui mesmo você recebe pela sua escolha, pela sua ação. Portanto, para esses que me fizeram chorar, porque não se importam com vidas que vivem à mercê do descaso público, muitas vezes do descaso de quem está mais próximo, haverá uma cobrança, não minha, não dessas pessoas que sofrem, mas de alguém que não irá perguntar o porquê, apenas executará a sentença, a vida! Termino este relato triste, de coração partido, porque sinto o que muitos hoje estão sentindo, assim como a nossa querida prefeita Dárcy Vera, um descaso à nossas necessidades básicas, direitos nossos adquiridos ao nascer pela Constituição brasileira. Usarei a única arma que tenho a palavra, a escrita. Se você acha que chegou a hora de dar um basta, faça algo inteligente em prol do bem e do amor. Ribeirão é apenas uma entre milhares de cidades com problemas, a minha São Paulo está jogada às traças, cada dia mais difícil de viver. E os impostos? Estes são os únicos que estão muito bem! Declaro luto por tempo indeterminado.

Tânia Gorodniuk taniagorodniuk@gmail.com

São Paulo

*

MILITARES NA BERLINDA

Deixei passar o tempo, meu grande conselheiro, para comentar, de modo ameno, o artigo do presidente da OAB-RJ, publicado em jornal do Rio de Janeiro no dia 19 de julho. Não me cabe responder a cada uma das assertivas do ilustre advogado, mas apenas a algumas críticas por ele feitas, pois estranhamente, mais uma vez, os militares por ele atingidos permaneceram em silêncio – e quem cala consente... --, o que me leva, sem nenhuma procuração, a tentar entender as palavras escritas pelo articulista. Causaram alvoroço e revolta, segundo ele, os refrãos cantados pelos recrutas do Exército nas ruas da Tijuca, em dia de treinamento, como se as toscas músicas significassem injúrias provocativas de certo passado que não deixou saudades na maioria dos militares inativos, injustamente depreciados pelo advogado. Os jovens se excederam, talvez, em cantar aqueles versos agressivos fora do quartel, mas não devem ser confundidos com a imagem dos torturadores que habitaram o nefasto prédio onde a rapaziada hoje se prepara. Por outro lado, os cadetes da Aman escolheram o general Emílio Médici como paraninfo da turma que lá se formou porque o general foi comandante daquela Academia Militar e um brioso oficial, sem nenhuma mácula na carreira militar. Uma homenagem apenas. Quem viu na homenagem alguma afronta à sociedade está equivocado. Quanto à alteração dos currículos das escolas militares, defendida com ênfase pelo advogado, ela está sendo feita há muito tempo, atualizando procedimentos e doutrinas desgastados pelo tempo, sem perder de vista que a honrosa missão das Forças Armadas é defender o Brasil e seu bondoso povo. Talvez o presidente da OAB-RJ não conheça profundamente as Forças Armadas nem tenha convivido com alguns de seus integrantes. Daí, por certo, a injusta e inamistosa maneira como a elas se referiu. Tal procedimento, a meu ver, só contribui para aumentar o distanciamento entre a sociedade civil e os militares brasileiros, que não devem ser responsabilizados eternamente por atos cometidos por uma minoria que, num passado distante, julgava erradamente estar servindo à Pátria.

Augusto Cesar Geoffroy, capitão de mar e guerra reformado augustogeoffroy@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

*

MACONHA

Estudo da Organização Mundial da Saúde informa que 3% da população brasileira faz uso regularmente de maconha e que 1,5 milhão de brasileiros fuma maconha diariamente. É um dado real que não pode ser ignorado e jogado embaixo do tapete. Embora nocivo - como é o consumo do cigarro e do álcool - o consumo da maconha é uma realidade social e uma questão de saúde pública. Não faz sentido criminalizar uma conduta que faz mal apenas para o usuário e que não causa qualquer dano a terceiros. Já passou da hora de o Brasil adotar a política de redução de danos com relação a maconha, que deve ser tratada como assunto de saúde pública e não como questão policial.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

CRACOLÂNDIA

De maneira inconformada manifesto a minha decepção e de tanta gente com nossos governantes, que de modo absolutamente omisso e irresponsável, deixam prosperar inúmeras e funestas "cracolândias" nas grandes cidades brasileiras e agora migrando para o interior, quando assistimos a seres humanos na condição de autênticos "zumbis" perambulando em meio ao lixo, doenças, drogas e a galopante contaminação da sociedade em seu entorno.

Será que um país com nosso porte econômico, não poderia estabelecer programas específicos direcionados a essa gente sofrida e em processo de autodestruição? Para campanhas políticas, sustentação de Assembleias municipais, estaduais, Congresso e Câmara, nunca haverá falta de recursos. Por que para se tratar algo já epidêmico não há um direcionamento decente e que venha tratar dessa catarse social. Com a palavra nossos ilustres homens públicos.

João Batista Pazinato Neto pazinato51@hotmail.com

Barueri

*

NOVOS PLUG E TOMADAS ELÉTRICAS

As novas normas da ABNT nos estão fazendo engolir novas tomadas e plugues elétricos de dois e três pinos, que servem tanto em rede 110v como em rede 220v, logo podem causar curto-circuito e quebra no equipamento, caso não se tome cuidado com o tipo de rede do mesmo a ser usado. Só que as pessoas que ditaram essas normas, são aqueles executivos que não sabem nada na prática como funciona, principalmente no Brasil. Ficam atrás de escrivaninha e não sabem como é o dia a dia de uma cozinha, de uma mecânica, etc., nos quais são usados vários equipamentos de diversas voltagens e que a cor da tomada ou a indicação escrita vai saindo, naquele corre-corre diário, e aí os equipamentos de 220 v são colocados em tomada de 110 v e vice versa e pronto queima de aparelho - prejuízo. Por que não foi feita a norma para plugues e tomadas de 220 v terem de espessura maior para que não coubesse nas tomadas de 110 v ou variasse a localização do pino terra? Com a palavra a ABNT.

Martino Malandrino martino.mnetto@terra.com.br

Bauru

*

GOLPE

As companhias aéreas nacionais depois de tornarem o espaço dos assentos em suas aeronaves ergonomicamente inviáveis, anunciam que os passageiros daqui para a frente, poderão comprar lugares sem ninguém ao lado. Em algumas fileiras dos seus aviões, serão vendidos apenas os lugares no corredor e na janela, deixando a poltrona do meio vazia. É claro que para esses lugares onde as pessoas terão diminuída a sensação de terem virado sardinhas em lata, os preços sofrerão um proporcional acréscimo.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.