Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

06 Agosto 2012 | 03h05

E agora mais essa!

Advogados do PT querem proibir o uso do termo mensalão, alegando conotação pejorativa, e sugerem substituí-lo por Ação Penal 470. Como se o maior esquema de corrupção já concebido e executado neste país pudesse ser desvinculado de tal conotação... Será que acreditam poder, por meio de estratagemas verbais, atenuar a gravidade dos crimes agora em julgamento? De que artimanhas malandras ainda se valerão, na tentativa de inocentar os "cumpanheros"? Aguardem! O julgamento mal começou...

MARIA CECILIA LUCARELLI

lucarellicecilia@hotmail.com

São Paulo

Mordaça

A intenção de proibir o uso do termo mensalão demonstra bem o perfil repressivo e ditatorial do PT, querendo assim, mais uma vez, coibir a liberdade de expressão da mídia e da população sobre a óbvia existência do escandaloso esquema de corrupção.

MARCO AURÉLIO REHDER

marcoarehder@yahoo.com.br

São Paulo

Labéu

De nada adianta querer proibir a palavra mensalão. Ela já está gravada na testa dos testas do PT e correligionários.

FERNANDO PASTORE JUNIOR

ferandopastorejr@gmail.com

São Paulo

Dissimulação

Qual a diferença entre mensalão e Ação Penal 470? Nenhuma, a não ser a necessidade de dissimular e encobrir o efeito incriminatório do maior golpe contra a democracia, arquitetado mafiosamente pelo governo lulopetista.

SILVANO CORRÊA

scorrea@uol.com.br

São Paulo

Perspectiva histórica

As pessoas do governo que participaram do mensalão chegaram ao poder pela força da democracia e do voto do povo, e fizeram o que fizeram. O que teria sido do País se tivessem tomado o poder pela força das armas?

MARIO BUENO SAMPAIO

mariosampaio2@hotmail.com

Guapiara

Ao mestre, com carinho

Uma dúvida: essa proibição que os advogados do PT querem impor à imprensa se refere tão somente à ação em julgamento no STF, não ao esquema criminoso utilizado pelos participantes. Sendo assim, este pode continuar sendo carinhosamente chamado de mensalão, certo?

HERMÍNIO SILVA JÚNIOR

hsilvajr@terra.com.br

São Paulo

Mais apropriado

Caso a Justiça aceite o pleito do PT e proíba a utilização do termo mensalão - o que será absurdo e ridículo -, para ser mais justo, lógico e condizente com o caso deveria pelo menos alterar o número dessa ação penal para 171!

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

Censura

O PT quer censurar o termo mensalão? Tudo bem. Usemos, então, peculato, roubo de dinheiro público, corrupção ativa e passiva e formação de quadrilha. Realmente, fica mais bem explicado.

M. CRISTINA ROCHA AZEVEDO

crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

No popular

Realmente os dirigentes do PT têm razão. Mensalão não define claramente o crime cometido e deve ser mudado para algo que seja imediatamente identificado: corrupção ativa! Grande parte do povo não sabe o que significa mensalão, mas, com certeza, saberá o que quer dizer corrupção ativa. E não há como a gestão de Dilma Rousseff não ser atingida pelo mensalão, eis que se trata do mesmo governo, ou seja, é a continuação. A criatura é sujeito de seu criador. Aqui se fez, aqui se paga.

JOÃO MENON

joaomenon42@gmail.com

São Paulo

Mensalão 2

Na sequência do julgamento do mensalão é inevitável que se convoque a CPI da Delta, que representa, de certa forma, a continuidade do mesmo tipo de "esquema" no governo petista.

JOÃO PAULO HADDAD RIBAS

jpribas@terra.com.br

São Paulo

PETROBRÁS

Algo muito errado

Na condição de monopólio e há anos líder no setor, pela primeira vez, depois de mais de uma década, a Petrobrás apresenta prejuízo. A visão governamental do pré-sal não favoreceu em nada a modernização da estatal. Além disso, investidores e acionistas desacreditam do seu potencial. A atual gestão refez muitas previsões e deixou mais dúvidas sobre o desempenho da empresa. De qualquer sorte, ter prejuízo numa atividade assegurada como monopólio pela Constituição federal indica que algo de muito errado existe e precisa ser dito aos milhões de brasileiros que fazem uma avaliação equivocada sobre o futuro do petróleo no Brasil.

YVETTE KFOURI ABRÃO

abraoc@uol.com.br

São Paulo

Prejuízo maior

O magnata americano Paul Getty disse certa vez que o melhor negócio do mundo é uma empresa de petróleo bem administrada. E, acrescentou, o segundo melhor negócio do mundo é uma empresa de petróleo mal administrada. Ainda assim, a Petrobrás consegue ter um prejuízo de R$ 1,3 bilhão! Incompetência, roubalheira ou ambas? Com esse desgoverno e suas reiteradas mentiras, o prejuízo deve ser bem maior!

PAULO F. SIQUEIRA DOS SANTOS

paulof.santos@hotmail.com.br

Santa Rita do Passa Quatro

Política de terra arrasada

Finalmente esse péssimo governo lulopetista está conseguindo acabar com a Petrobrás, a maior empresa brasileira e uma das maiores do ramo no mundo, que desde 1999 não apresentava prejuízos. E depois ainda dizem que estatizar não é bom... Ainda bem que a Vale foi privatizada e hoje paga ao governo muito mais do que este recebia quando ela era estatal. Fora, PT e seus incompetentes e corruptos!

CARLOS E. BARROS RODRIGUES

cebr2403@gmail.com

São Paulo

IMPOSTÔMETRO

Carga pesada

Dia 2 de agosto o Impostômetro ultrapassou a marca de R$ 900 bilhões - 16 dias antes que em 2011. É muito imposto, não aguentamos mais! E ainda dizem que não estamos em crise... Só não há crise para o desgoverno, que continua gastando muito e mal, enquanto os direitos dos cidadãos estão a cada dia piores.

MARIA TERESA AMARAL

mteresa0409@2me.com.br

São Paulo    

 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

FISCALIZAÇÃO

O Conselho Nacional de Trânsito se rendeu aos protestos dos motoqueiros e adiou a fiscalização da lei que regulamenta a profissão de motociclista. A fiscalização valerá partir de fevereiro de 2013. É isso que dá colocar pessoas incompetentes, que desconhecem os problemas que enfrentam os motoqueiros, para fazer as leis. É verdade que há muitos baderneiros andando de moto no trânsito, mas há muitas pessoas honestas que trabalham para sustentar suas famílias. Infelizmente, os motoqueiros só foram ouvidos depois que pararam o trânsito. Um a zero para o CNT.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

MOTOBOYS

Os motoboys farão assembleia para deliberarem sobre a obrigatoriedade dos cursos para que possam exercer a profissão. Muitos estão contra tais cursos. Como cidadão paulistano digo que esses cursos devem mesmo serem feitos, pois vemos que os

citados motoboys não respeitam as leis de trânsito, nos ameaçam quando nos distraímos e não deixamos o espaço entre os carros ou nos desviamos de um buraco e os fechamos. Aqui está a grande questão, pois se trata de uma questão da vida destes profissionais que arriscam as vidas sobre rodas nesta cidade. Jamais deveria ser permitido que um veículo de duas rodas, que sempre está em velocidade superior a dos carros, por razões óbvias, possa trafegar entre as faixas. Se uma motocicleta é tratada como veículo, pois paga impostos e taxas como tal, deveria trafegar na faixa e não entre elas, oferecendo risco a todos.

Carlito Sampaio Góes carlitosg@estadao.com.br

São Paulo

*

MEDO

A sensação de medo dominou a sociedade. O medo é notório em todos ao sair e chegar na própria casa, sacar dinheiro em bancos ou em caixas eletrônicos, andar sozinho nas ruas, parar em semáforos, etc. Olhamos para todos os lados desconfiados de tudo e todos, pois não estamos seguros em lugar algum! Tudo isso é reflexo da impunidade, de leis da época da minha tataravó. Este país precisa punir os bandidos, seja ele menor de idade ou não. Até o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) precisa ser revisto. Todo criminoso, independentemente da idade tem de ser preso por um longo tempo e todos devem trabalhar para pagar as despesas da hospedagem; como alimentação, água, energia e segurança. Como todo trabalhador faz! Conclusão: até quando a sensação de medo vai permanecer em nossas vidas?

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

*

'ESTADO DE VIOLÊNCIA'

Quem mata as pessoas é o crime; as armas são meros instrumentos, desenvolvidos pelas pessoas para a sua defesa. A ausência de políticas públicas de combate ao crime enseja a sua prevalência e o morticínio. Apenas o crime organizado age estrategicamente, sem qualquer embaraço. Aos governadores cabe estabelecer as políticas de combate ao crime e, a nós, cidadãos conscientes, desmistificar conceitos equivocados.

Antônio José Ribas Paiva advarp@uol.com.br

São Paulo

*

SEGURANÇA

Não quero desmerecer a memória do cidadão vitima de episódio de violência que a todos horrorizou. Nem amenizar a culpa dos policiais que dela participaram. Mas há detalhes que devem ser lembrados antes de levantarmos os mal calibrados brados acusatórios com que a mídia, parte da opinião pública e toda uma multidão de "achadores", vociferam demonizando os PM's envolvidos. Aí incluindo o oportunista procurador do Ministério Público Federal, inebriado pelo poder de seu múnus. É sabida a virulência mortífera da reação da bandidagem, especialmente a envolvida no tráfico de drogas à ação da polícia. Ultimamente os jornais dão-nos conta de ataques surpresa com grossa artilharia, policiais assassinados covardemente, exibições de poder diante da ação policial, pela noite, pela madrugada, em veículos potentes armados com alto poder de fogo. Há que reconhecer que os policiais envolvidos na atual guerrilha urbana - guerra civil ?- se sintam extremamente tensos e até, aceitemos,humanamente, com medo. Uma das ações da polícia são as barreiras policiais com abordagem a carros que pareçam suspeitos. Pelo abuso criminoso de películas escurecedoras impedindo que se tenha uma melhor visão e percepção do interior dos veículos, cada abordagem é um momento de extrema tensão em vista da extrema violência com que a bandidagem reage a qualquer ação policial. Todos os relatos dão-nos a certeza de que a conduta da vítima foi responsável pela criação de alta tensão emocional que desencadeou a tragédia. Todas as circunstâncias e atitudes da vítima tipificavam o modus operandi da bandidagem. Carro com vidros escurecidos, dirigido em alta velocidade, desobediência à ordem de parada na barragem policial, fuga desenfreada colocando-se em situação de risco próprio e de outros motoristas e os policiais que o perseguiam. Finalmente parado, parece não ter havido o mínimo cuidado em demonstrar que não era bandido, como por exemplo, levantar as mãos. A conduta geral, irresponsável e, permitam-me, delituosa, desencadeou o infeliz final. Afinal, morador de São Paulo, publicitário, é de presumir que soubesse o ambiente da cidade e o ambiente tenso que se vive nestes tumultuosos dias e noites. Com sua conduta assumiu riscos vários, inclusive uma ação menos feliz dos policiais. Como disse no início, não quero desmerecer a memória do cidadão vítima ou desrespeitar a dor dos seus familiares. Mas temos o dever de avaliar, com um mínimo de discernimento, o desenrolar dos fatos que levaram a tão trágico final. E, levados pelo clamor da habitual política de criticar a polícia - pelo que faz e pelo que não faz - condenar a ação dos agentes envolvidos. Afinal, lembrando Ortega e Gasset, a "história do homem é ele e suas circunstâncias". Só isso

Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br

São Paulo

*

ATAQUE INJUSTIFICÁVEL

A preferência dada pelos sicários da classe média para aterrorizarem e expropriarem os moradores do bairro do Brooklin é devido às facilidades das rotas de fugas pelas marginais, o que não se dá com outros bairros da cidade paulistana. Ora, se a fuga e a movimentação desses invertebrados morais com suas vítimas nos bancos eletrônicos não esbarram em obstáculos geográficos, deveria fenecer sob obstáculos criados por uma instituição policial que não deveria se conformar em demonstrar inteligência mais rudimentar que a de jovens de classe média, que passaram a integrar o teatro do medo das pelejas violentas a que se submete diuturnamente o cidadão paulistano.

Amadeu Roberto Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

JOVENS DELINQUENTES

Excelente trabalho da Polícia Civil na prisão desses jovens de classe média que praticavam sequestros relâmpagos. Lamentamos pelos pais que se esforçaram para proporcionar uma boa educação para os mesmos. Acho que fatos dessa natureza são reflexos da sociedade atual. A competitividade e a necessidade de construir carreiras faz com que as vezes as pessoas se dediquem demais ao trabalho e convivam menos com a família. Até os berloques modernos como celular e internet fazem com que as pessoas não se desliguem do trabalho. Isso acaba por prejudicar a transmissão dos valores éticos. Tenho ouvido cada vez mais, principalmente entre os mais jovens, a palavra inglesa "loser". Nas gerações anteriores ninguém era chamado de "perdedor" - cada um levava sua vida de acordo com seus parâmetros e suas capacidades. Por outro lado, o fato de alguns desses jovens serem universitários, não quer dizer nada, pois segundo pesquisas recentes, é crescente a chegada de analfabetos às universidades , e, em algumas instituições de ensino, para o jovem ser aprovado são necessárias duas condições: que ele respire e pague as mensalidades.

Nestor Rodrigues Pereira Filho rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

*

INVESTIGAÇÃO

Li no Estadão em 31/7,no caderno Metrópole, que o M.P. Estadual está em choque com a Defensoria Pública e o M.P. Federal, quanto ao "aumento da violência excessiva" da nossa Policia Militar nas abordagens feitas, em especial ao caso do publicitário Ricardo Prudente de Aquino. Em que pese lamentarmos a morte de inocentes, não podemos esquecer que o primeiro erro foi cometido pelo jovem ao não parar na blitz, o que provocou toda a reação da polícia. Nada justifica sua morte, mas o que eu lamento é que em nenhum momento o ilustre representante do M.P. Federal Sr. Matheus Baraldi Magnani, lamentou a morte dos mais de 10 policiais militares ao longo dos meses de junho e julho. Aliás nem ele, nem os Defensores dos Direitos Humanos e nem a nossa Imprensa escrita ou falada. Eu também sou contra qualquer tipo de violência, mas não podemos esquecer que estamos num País que não possui um programa federal contra a violência urbana, não possui um Sistema de Inteligência Integrado entre os Estados, possuem leis que protegem os bandidos e que seus policiais estão entregues a sua própria sorte quando saem para trabalhar. E o pior é que existem pessoas que acham que somos Primeiro Mundo. Que pena!

Sergio Bradaschia Penteado penteado.sergio@ig.com.br

São Paulo

*

POLÍCIA MILITAR

Estão crucificando a corporação da Polícia Militar paulista e ao seu comandante. Geral mas o fato é que a vítima, o tal publicitário, fugindo loucamente pelas ruas de um bairro, em hora avançada da noite, recusou-se de maneira temerária ao comando de "pare" de uma viatura caracterizada e de luzes tipo giroflex piscantes, ou seja, sem sombra de dúvida uma autoridade constituída para tanto, e não só fugiu como ainda aumentou mais ainda a velocidade ao se ver perseguido por mais viaturas colocando a vidas de outros em risco além da dele mesmo !

Porque hein ? Porque fugiu ?Já diz o bom e velho ditado, "quem não deve não teme" e digo mais, quando a polícia manda parar o carro, quem não deve, para sem temor ! ...

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

São Carlos

*

CRÍTICAS

Vejo leitores criticando a agressividade dos PMs, que estão tentando se defender dos criminosos abundantes. Mas não vejo criticando a situação criminal: juízes renunciando aos cargos por serem ameaçados por bandidos que estão julgando; necessidade de lei "abrindo" os ganhos de políticos e servidores, ganhando muito acima do teto; a criminalidade ascendente no País pelas leis frouxas; PMs mortos por bandidos; menores criminosos presos em flagrante e soltos em seguida; nas épocas de eleições em SP - onde PT e aliados são minoria- arrastões, queima de ônibus, etc.; o mensalão levando sete anos para ser julgado, mas o "cappo de tutti i cappi" não está incluído (e tem alta aprovação do povão Zé Mané). O Brasil precisa ser re-descoberto, com outra classe de políticos, aos quais se aplicam as mesmas leis dos cidadão - e havendo "recall" e voto só de alfabetizados e facultativo.

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

*

VIOLÊNCIA

Só de uns tempos para cá que a imprensa começou a dar espaço para os reclamos da população que pede o fim da violência e da impunidade. Isto depois de décadas de espaços generosos aos defensores dos Direitos Humanos, à proteção da bandidagem e à desqualificação do trabalho da polícia. A imprensa brasileira segue como co-responsável pela situação de insegurança que impera no País por não pautar matérias no sentido de pressionar sistematicamente nossos parlamentares a promover mudanças no Código Penal e no Estatuto da Criança e do Adolescente. A imprensa brasileira sempre analisou a questão da violência urbana como fator de desigualdade social, com viés político-partidário, quando se sabe que isso é desprovido de fundamento. Se assim fosse, a Índia, por exemplo, seria o país de maior índice de criminalidade do mundo.

Sérgio Luiz Corrêa seluco@uol.com.br

Santos

*

PELAS PRÓPRIAS MÃOS ...

Nenhuma surpresa nos casos recentes de tiros desferidos contra bandidos por civis. Nada mais que a consequência direta da impunidade e da falta de segurança publica que o Estado deve à população e que atingiu o limite da tolerância . Cansada de sofrer ataques, roubos e assassinatos à luz do dia e em qualquer hora ou lugar, os cidadãos já concluíram que alguém tem de tomar atitude contra os criminosos que varrem as cidades brasileiras, cada vez com maior violência e certeza de que dominam a sociedade desprotegida . Da mesma forma, não será surpresa que cada vez mais a sociedade maneje suas atividades profissionais e econômicas sem depender do sistema de governo que explora o cidadão de todas as formas possíveis, ao ponto de já ter destruído a produtividade, a educação, a saúde e a levado ao absurdo a exploração da sociedade via sistema financeiro . Comprar nos EUA e na Europa custa muito menos, mesmo com a defasagem cambial, paga-se para comer e vestir vergonhosas três vezes mais por aqui. O Brasil vive duas realidades, a das ruas e a das propagandas enganosas do governo que lotam os meios de comunicação . São crime . A justiça feita pelas próprias mãos inaugura novo capitulo na forma da sociedade encarar a política e, com perdão pelo palavrão, os políticos .

Ronaldo Parisi rparisi@uol.com.br

São Paulo

*

COINCIDÊNCIA OU NÃO...

... nas épocas eleitorais na cidade e no Estado de São Paulo há um crescimento da violência, bem como sempre aparecem aqueles que querem culpar exclusivamente o governo do Estado por essa situação. Porém, coincidência ou não, esquecem-se da responsabilidade do governo federal petista, que nesses oito anos não age para impedir a entrada de drogas e armas, nem faz força para aprovar uma lei penal mais severa, com a redução da menoridade. Ao contrário, sancionou mudanças como, por exemplo, a proibição da prisão preventiva para aqueles pegos em flagrante por receptação, quadrilha e outros crimes com pena até quatro anos, que fomentam os delitos mais violentos.

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

*

ACIDENTES

Os acidentes automobilísticos causados por motoristas bêbados e irresponsáveis clamam para que deixem de ser tratados com tanta benevolência. Bastaria modificar o parágrafo único para § 1.º e acrescentar o §2.º: No homicídio culposo cometido na direção de veiculo automotor, sob o efeito de drogas ou álcool: Pena reclusão de seis a vinte anos.

Deixando para o Judiciário analisar as circunstâncias, as modalidades e espécies de culpa, pois desta forma a pena teria como limite a culpa consciente.

Roberto Nascimento robenasya@yahoo.com.br

São Paulo

*

TRÂNSITO

Segundo a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), todo dia são concedidos habilitações a mais de 60 motoristas paulistanos, considerados zero em matéria de educação para o trânsito. São pessoas identificadas como descontroladas, agressivas e desobedientes. Em outras palavras: são criminosos em potencial sem quaisquer condições emocionais e psicológicas para pegar o volante. Como tragédias são iminentes, o alerta vem também do departamento de psicologia da USP quando sugere ao Detran revisão urgente de seus métodos para a concessão da Carteira (CNH). A situação torna-se ainda mais grave e mais preocupante se levarmos em conta o número desses desequilibrados mentais que, neste momento, estão recebendo, em todo o país, a famigerada habilitação.

Marcelo de Lima Araujo marcelodelimaaraujo@yahoo.com.br

Mogi das Cruzes

*

SACOLINHAS

Cada vez mais nos conscientizamos que vivemos no país do desrespeito às leis e da impunidade, pois o que mais se vê são atos ignorando decisões judiciais fazendo com que a Justiça seja cada vez mais desmoralizada. Como é o caso dos supermercados que já deveriam estar distribuindo sacolinhas biodegradáveis gratuitamente aos seus clientes.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

DE GRAÇA?

Estranho terem a ingenuidade de crer que possa haver algo gratuito nos mercados. Qualquer sacola bio ou não degradável tem seu custo, obviamente, incluso no preço das mercadorias. A estratégia de cobrar alguma sacola fornecida é apenas para impressionar os ingênuos. Mesmo as caixas de papelão dadas para embalar as compras são também, obviamente, pagas pelas mercadorias que condicionam. Trata-se de mero pormenor, mas é "pelo dedo que se conhece o gigante".

Benedicto A. dos Santos Silva beneassilva@gmail.com

São Paulo

*

MULTAS

Acho que estas grandes organizações como Pão de açúcar, Extra e Carrefour deveriam ser multados com valores compatíveis com seu porte por não fornecerem sacolas bio degradáveis no prazo estabelecido pela Justiça, pois não estão acima da lei, fosse alguém pobre, já estariam sendo multados, neste país que a indústria da multa é atuante, mas somente com os mais pobres.Este assunto está indo longe demais.

José Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

IMAGINA SE FOSSE MAIS SÉRIO?!

Em um país como o Brasil,onde uma simples medidas em que decidem sobre a utilização ou não das sacolas plásticas faz tanto barulho,o que pensar quando tiver que decidir problemas mais complexo como o mensalão por exemplo?

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

FEITIÇO CONTRA O FEITICEIRO

Vamos ver se em última instância após os recursos, os supermercados ficam mesmo obrigados, a fornecer sacolas biodegradáveis e de papel. Já que levantaram a questão ambiental, que ajudem a arcar com a solução. Como o consumidor vai pagar por isto de qualquer maneira, esta é a decisão mais coerente.

Ulysses Fernandes Nunes Junior Ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

EDUCAÇÃO

Nenhum país conseguiu se desenvolver sem fazer maciço investimento na educação. "Alguns dizem que o Brasil investe pouco em educação, como se essa fosse a razão de todos os nossos males. Não é verdade. Nosso setor público investe entre 4% e 5% do PIB em educação, valor parecido com o investido pelos países ricos. O gasto é malfeito - vai muito para as universidades e muito pouco para o ensino básico" . Fiquei indignado quando li o artigo de opinião do senhor Maílson da Nóbrega, que se intitula Sobre o aumento de gastos públicos na educação. Segundo ele o aumento do percentual do PIB a ser gasto em educação pelo governo brasileiro, que prevê passar de 5,1 par 10% do PIB em uma década, aprovado pela comissão especial da Câmara não passa de "um enorme equívoco", pois "não é o volume de gastos que melhora a educação". Nesse ponto e, somente nesse ponto, ele tem meia razão. Para justificar o seu ponto de vista, grande equívoco do economista, ele compara o porcentual atualmente gasto pelo Brasil com o de outros países como a China, por exemplo. Diz o articulista "Quem faz fé no mérito desse aumento de gastos deveria examinar o caso da China. Lá se despendem menos de 4% do PIB". Intencionalmente, ele não mostra o valor desse porcentual comparado ao do Brasil. Eu fiz as contas por ele, vejam só o PIB do Brasil em 2011, segundo dados do Bando Mundial, ficou em US$ 2.087.889.553.822. 5,1% desse valor representam US$ 106,4 bilhões. No mesmo período, o PIB da China foi de US$ 5.878.629.246.677. Agora, vejam bem, os 4% desse segundo maior PIB do mundo, fica em US$ 335,1 bilhões. Quem investe mais Brasil ou China? Outro país que o economista compara com o nosso país é o Japão, terceira maior economia do mundo, que investe apenas 3,3% do seu PIB (quantos Japões caberiam dentro do Brasil?), esse percentual equivale a US$ 181,4 bilhões. Concordamos quando ele afirma que "não é o volume de gastos que melhora a educação." De fato, não é, mas aumentar o investimento e planejar os gastos, e, principalmente fiscalizar, é essencial para se ter uma educação de qualidade. Em nosso país, boa parte dos investimentos públicos são escoados pelos esquemas de corrupção, são os "valeriodutos", os "mensalões",os esquemas "cachoeiras" que corroem a dignidade deste país. Em vários municípios o dinheiro do Fundeb é gasto pela prefeitura sem nenhuma fiscalização. Quando o conselho do Fundeb funciona, precariamente, concentra suas ações, basicamente, nos 60% destinados a pagamento de salários; sobre os outros 40%, destinados, ao pagamento do pessoal de apoio e investimentos em infraestrutura paira uma nebulosa de notas frias e preços superfaturados que fogem ao controle dos conselheiros. Os Tribunais de Contas e os MPs parecem coniventes com tudo isso.

Como fica claro, mostrar somente o porcentual sem comparar quanto isso equivale em dinheiro é querer adequar dados a um ponto de vista maldoso. Existe uma verdade quase lugar-comum entre os corredores das escolas: nenhum país conseguiu se desenvolver sem fazer maciço investimento na educação.

Antônio Dias Neme antonio.neme@superig.com.br

São Paulo

*

SALÁRIOS DOS PROFESSORES

Quero em nome da maioria dos professores aposentados do Estado, o mais rico do País, o "aumento" salarial proposto pelo governo e já constando em holerite para pagamento em 7 de agosto. Sou aposentado há mais de 20 anos, depois de ter trabalhado 36 anos no Estado, habilitado por três faculdades, concursado, para o exercício da função tive, na terça, um aumento salarial de R$ 107,57, enquanto parlamentares que estiveram nas mãos dos nobres professores, não dizem as riquezas que possuem. É por isso, senhor governador, que a nossa Educação continua podre, com os professores mal pagos e desmerecidos.

Antonio Rochael Jr. antoniorochael@gmail.com

Iguape

*

ELITISTA

Toda a vez que se fala em educação no Brasil o governo responde com universidades. Muitas foram abertas nos últimos anos, assim como um grande programa foi estabelecido para o envio de estudantes a universidades no exterior. O tratamento dado à educação no Brasil é extremamente elitista. Por isso e por falta de educação de base, 85% dos jovens brasileiros não atingem as universidades, a imensa maioria. Sobram vagas em ótimas escolas como a PUC-SP, onde 600 vagas não foram preenchidas em 2012. Os estudantes brasileiros têm dificuldades também no ensino médio onde, segundo as escolas, há a necessidade de "alfabetização" de grande parte deles. Igualmente o setor de escolas técnicas, comparativamente semelhantes às dos países mais desenvolvidos, não consegue formar operários em padrão europeu porque os nossos não tiveram boa base escolar. Quando a presidente Dilma tenta encontrar um meio que não seja o PIB para definir uma grande Nação, esquece-se que seu governo ignora o fator cultural dos povos das grandes nações e que esse fator não se obtém por meio de universidades, mas nas boas escolas básicas, que são minoria no Brasil. Esquece que a melhoria cultural do País ensejaria uma melhor renda das famílias, melhor saúde, melhores avaliações de seus políticos, enfim, liberdade de escolha o que evitaria a submissão aos "favores dos governos". Ensejaria, ainda, uma produção industrial e artística de melhor qualidade. Para se tornar uma grande Nação, o Brasil precisa abandonar o modelo de educação elitista, forçado por formadores de opinião encontrados nas elites e adotar uma boa educação de base, como fazem países desenvolvidos, que traga cultura a todo o povo e não só a alguns. Reduziríamos em muito os analfabetos funcionais que são a grande maioria no País.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

PENSÕES

Em pleno século 21da alta tecnologia e vantagens eletrônicas,o governo estadual cria dois recadastramentos para idosos que recebem seus benefícios de aposentadoria e pensão.Bem poderia ter informatizado tudo e conferido ao usuário um cartão digital no qual ele faria constar os próprios dados e evitasse que ele ficasse confinado numa sala minúscula ou que aguardasse filas em banco,tudo isso contribui para demonstrar que o governo não cuida da terceira idade.

Yvette Kfouri Abrão, pensionista abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

PENSÕES

Sobre as pensões pagas pelo INSS é oportuno perguntar: dos R$ 60 bi/ano (urbanos e rurais) e dos R$40 bi/ ano (servidores públicos) qual o número de beneficiados em cada classe?

Gustavo Guimarães da Veiga gjgveiga@hotmail.com

São Paulo

*

VIÚVAS

Quantas viúvas receberiam suas pensões com o salário de um só senador? Ou de um só deputado?

Maria Do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com

Bauru

*

IDENTIDADE DOS BAIRROS

A reportagem Empreendimentos mudam identidade dos bairros de SP, da jornalista Valeria França mostra a necessidade da população de cada bairro estar atenta para que esta identidade não seja perdida e/ou alterada . São exemplos como os moradores dos bairros tombados do Pacaembu , do Alto da Lapa , do Jardim da Saúde nos tem dado , por meio de suas associações de bairro . Associações estas que congregam os moradores e simpatizantes e que têm conseguido manter a identidade de seus bairros , mesmo com as dezenas de ameaças que diuturnamente estão sujeitas . A união dos moradores é a única ação fadada a manutenção desta identidade .

Pedro Ernesto Py pedro_py@uol.com.br

São Paulo

*

QUE BELEZA!

Propina para todos os lados! Como é bom ser apadrinhado por políticos dentro das nossas instituições! É uma orgia interminável com os recursos dos contribuintes! É o que demonstra o Estadão sobre as liberações de obras irregulares nas construções de shoppings em São Paulo, gente do 2.º escalão da prefeitura recebia por fora de R$ 15 mil a 120 mil. O tal de Hussaim Aref Saab, que era o chefe desta quadrilha, e que foi exonerado pelo Kassab, comprou enquanto era servidor do município 125 imóveis por conta das gordas propinas! Isso sem falar nas possíveis contas bancárias em paraísos fiscais... Agora, que esta gente do 2.º escalão não fica com todo esse dinheiro eu não tenho dúvida! Têm muitos vereadores que certamente levam a parte maior desta propina! Esses do 2.° escalão no jargão dos traficantes, funcionam mulas dos edis... A facilidade é tanta para desviar recursos do erário, que nesta próxima eleição municipal vamos ter nas 5.565 cidades brasileiras mais de 400 mil candidatos famintos para ganhar um cargo público! E que mesmo gastando milhões em suas campanhas, sabem que recuperam se eleitos, esses valores multiplicados sabe Deus, por quanto! Tudo é puro reflexo desta era petista em que se prospera a corrupção a olhos vistos...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

OSASCO

Li num portal na entrada de Osasco: "Quem ama cuida". E por que não cuidaram?

Kleber Amancio Costa kleber.amancio@uol.com.br

São Paulo

*

UM NEGÓCIO DA CHINA...

A estação General Osório do Metrô Carioca, em Ipanema, instalou uma réplica do que serão os novos vagões das composições em teste atualmente e que substituirão, gradativamente, os atuais trens em operação. Passageiros sentados, só os preferenciais, no total de 5 pessoas de cada lado do vagão. Demais usuários que percorrerão trajetos como Ipanema - Pavuna, em aproximadamente 1 hora e Ipanema - Estação Saens Pena em cerca de 40 minutos, viajarão em pé e apertados nos horários de pico de tráfego. Não conheço acomodação similar ao redor do mundo. Compramos na China, aguardamos meses com esperança e reclamaremos agora em pé. Os usuários mais antigos ainda lembram das estações refrigeradas, trens silenciosos e limpos, capacidade de passageiros e utilização civilizados. Hoje assistimos correrias, artimanhas e estratégias mirabolantes para viajar sentado e muito, muito, sofrimento. E a população trabalhadora pagando seus impostos religiosamente. Como veremos, os médicos angiologistas terão muitos novos pacientes com tantos passageiros de pé agarrando-se nos mastros deste nosso Metrô Carioca...

Márcio Mourão mmvip007@gmail.com

Rio de Janeiro

*

VOTO NULO

Começou, de novo, a campanha para o voto nulo. Não acredite, seja um cidadão e deixe de fazer parte de "um país de tolos" e "de vira-latas". Essa é a estigma que surgiu durante a nossa colonização e depois se reafirmou com a Proclamação da República. Faz parte da ideologia medieval de que somos todos negros, índios, nativos e uns bastardos incompetentes que sobraram dos cruzamentos de europeus que violentaram a nossa gente. Como disse Darcy Ribeiro: "somos ainda um povo, em ser." Dá mais um tempinho aí, para que ocorra a nossa emancipação social e sejamos reconhecidos como povo brasileiro.

Sinésio Müzel de Moura sinesiomdemouara@hotmail.com

Campinas

*

VAMOS PARTICIPAR!

Os debates entre candidatos a prefeito na TV mostram um desespero quando faltam menos de dois meses para o pleito eleitoral.A eleição passa por muitos fatores mas o principal é a vontade soberana do povo. O povo vota muito pelo coração e não se sabe o resultado das urnas senão quando terminam as apurações.Este clima de insegurança leva a promessas impossíveis e mentiras eleitoreiras.O Brasil caminha para uma democracia estável. Basta o povo tomar consciência do valor do seu voto e como pode ser mudado o destino da nação com a participação popular e consciência de um voto conseqüente.Vamos participar! Ler jornais, conversar amigavelmente com os vizinhos e debater com moderação.É sadio o debate sobre questões de segurança pública, moradia, saúde, educação, e outros temas.Todos somos responsáveis!Voto não tem preço, tem conseqüências!O voto pode decidir o futuro do Brasil.

Paulo Roberto Girão Lessa paulinhogirao@uol.com.br

Fortaleza

*

ANATEL

A Anatel alegou, entre outras coisas, também o Dia dos Pais para liberar a venda de novos chips pelas operadoras proibidas de vender. Legal. Os filhos darão aos pais uma linha de telefonia móvel que...não funciona. E o pior é que a Anatel sabe disso. Filhos, quem não gosta do pai, taí um bom presente para ele.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

TELEFONIA MÓVEL

A Anatel parece que acordou um pouco tarde demais.E pelo andar da carruagem não deve passar de susto.Os serviços são de péssima qualidade em ambos os casos.Os preços são de esfolar ou até escalpelar.Ha lugares onde morros derrubam as linhas de transmissão de voz ou de dados.Há cidades ou lugarejos que é impossível usar um celular.Depois de feito o rodoanel em São Paulo,apareceram pontos cegos.Imagine os lugarejos dos sertões Brasil afora,não ha como se comunicar de maneira nenhuma.Há um cheiro de politicagem no ar,principalmente se pensarmos que as eleições estão próximas.Num período não muito distante vimos um "mensalão" que começa a ser julgado em agosto próximo.Teremos outro referente a Anatel?

Maria de Mello nina.7mello@uol.com.br

São Paulo

*

COME ME IRRITAR COM OS VIZINHOS

Não há nada mais revigorante que acordar ao belo som de uma marreta sendo golpeada ininterruptamente sobre o chão! Gloria in Excelsis Deo, por ser despertada em pleno domingo às 6h30 da manhã por esta orquestra! E quanta generosidade demonstram por mim meus vizinhos, ao se preocuparem com minha saúde não me deixando dormir até mais tarde! Estou desconfiada de que estou vivendo algo semelhante ao que viveu Jim Carrey no filme "The Truman Show": The Vivian Show! Onde todos resolveram reformar suas casas concomitantemente: vizinhos dos lados, da frente, dos fundos. Seria isso um complô e estão todos se divertindo às minhas custas? A minha sorte é a de que pelo menos por enquanto, o papagaio do vizinho da esquerda e o cachorro da vizinha da direita deram uma pausa em seus assovios e latidos. Porque a minha vontade era a de apertar o pescocinho de um e amarrar um barbante na boca do outro! Minha vizinha é tão gentil a ponto de lavar a sacada de sua casa e parte do meu quintal ao mesmo tempo! Mas acho que ela tem um pouquinho de medo de mim, porque desde o dia em que comentei ser espírita kardecista, ela passa enfrente de casa quase correndo… Outra sutil, mas significativa diferença, é o modo como (não) me cumprimentam. Uns são simpáticos, outros me olham e não movem um músculo para me saudar e outros ainda o fazem com um discreto: "Vi uma caixa de churrasqueira elétrica na sua lixeira e gostaria de saber o que achou dela, porque estou pensando em comprar uma." Tem uma família na rua de trás de casa, que me faz lembrar da relação do personagem Howard com sua mãe na série "The Big Bang Theory". Um grita de um lado, o outro responde gritando do outro, a mãe motiva sua filhinha lhe chamando por apelidos carinhosos como "porta". Ali a criatividade não tem fim neste quesito! Como acordam bem tarde, sua vida é noturna e já cheguei a acordar assustada durante a madrugada com suas discussões. Reclamei e ainda tive que ouvir: "A casa é minha e grito quanto quiser." - Compreendo perfeitamente que a casa seja sua, mas os meus ouvidos não! Cheguei ao extremo de comprar protetores auriculares! Sim, meu caro leitor, aquele mesmo que você já deve ter usado ou visto trabalhadores usando nas fábricas. E pasme, por incrível que pareça, ainda assim o barulho é perceptível por aqui! Outro dia, meu vizinho da esquerda resolveu pintar as calhas de sua casa e para minha surpresa a tinta escorreu em meu muro e no piso do meu quintal. Da janela o vi checando a "besteira" que tinha feito e imaginei que iria se oferecer para limpar a sujeira que fez. Doce ilusão! Adivinha para quem sobrou o trabalho sujo? Para a curva de rio aqui, é claro! E para embelezar ainda mais o muro, na hora em que o estava esfregando, a pintura de uma parte que já estava estufada caiu.

E é por essas e por outras que descobri que o lugar ideal para eu morar é em uma fazenda! Lá sou amiga do rei! Vizinhos me irritam!

Vivian Cristina Schlinz Rubio Baratto vivian_sbo@yahoo.com.br

Americana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.