Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2012 | 03h07

Mensalão

A defesa dos acusados insiste na tese de que houve "apenas caixa 2". Tal não foi a interpretação do atual ministro da Justiça, José Eduardo Martins Cardozo, que em fevereiro de 2008 declarou: "O mensalão existiu. Vou ser claro: teve pagamento ilegal de recursos para políticos aliados? Teve. Ponto final. É ilegal? É. É indiscutível? É. Nós não podemos esconder esse fato da sociedade e temos que punir quem praticou esses atos". Isso foi publicado. Esperemos que se faça justiça!

JOÃO ALFREDO CASTELO BRANCO

telobra@ibest.com.br

São Paulo

Contos de fadas

Os advogados dos mensaleiros têm apresentado argumentações fantasiosas para defendê-los, do tipo mula sem cabeça, saci-pererê, Branca de Neve. Os ministros do STF só acreditavam nessas coisas até os 8 anos. Menos mal...

MÁRIO A. DENTE

dente28@gmail,com

São Paulo

Bando de santinhos

A julgar pela defesa dos réus do mensalão, eles são homens probos, todos profundamente inclinados ao bem maior do Brasil, cometendo ilícitos apenas para elevar a Pátria à posição de nação desenvolvida, ética, feliz e rica - caminho meio esquisito esse escolhido por eles! Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF)decidirão se vão levar em conta falas tão patéticas e desprovidas de senso, dando ao Brasil cara de paisinho de Quinto Mundo, ou se julgarão pelos fatos incontestáveis apresentados pela acusação do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, aí, sim, elevando o País ao nível de país sério que busca o bem maior de seu povo. Ou cadeia, aqui, é mesmo só para ladrãozinho de rua?

MYRIAN MACEDO

myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

Estorvos da sociedade

Está nas mãos dos ministros do STF o futuro dos 36 envolvidos na Ação Penal 470 - para quem não sabe, o julgamento do mensalão - e a esperança de justiça de milhões de brasileiros. O conjunto probatório das falcatruas apresentado pelo procurador-geral da República contra os mensaleiros é convincente, irretocável e, acima de tudo, mostra como agiam os integrantes da "quadrilha". Portanto, a Suprema Corte não deverá, assim espero, dar ouvidos ao discurso falaz dos advogados dos "santinhos do pau oco", que tivemos o desprazer de ouvir nas cinco primeiras defesas apresentadas. Acatando as denúncias contundentes do Ministério Público, o STF fará História se aplicar uma punição exemplar aos lesa-pátria, como pediu Roberto Gurgel: cadeia neles. E assim, dando continuidade ao trecho da música Vai Passar, de Chico Buarque, citado ao final do libelo, quem sabe seremos agraciados com o fim da, como diz o refrão, "ai que vida boa/ ô lerê, ai que vida boa/ ô lará", pelo menos desses 36 estorvos da sociedade.

SÉRGIO DAFRÉ

sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

Retórica x fatos

A tentativa do advogado de José Dirceu de desqualificar a denuncia proferida pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, é vazia de argumentos e preponderantemente retórica, uma peça teatral. É, enfim, a mais atrevida e escandalosa afronta à inteligência dos brasileiros.

JOÃO MARCOS FERNANDES

jmf.dentista@bol.com.br

Jandira

Erro de estratégia

A defesa de Dirceu recorreu a testemunhos de Dilma e Lula, diz o Estadão de ontem. Para quê, se ele nunca sabia de nada do que ocorria à sua volta? Se, eventualmente, depusesse, certamente seria considerado falso testemunho. Afinal, Lula é coerente no que faz: pediu desculpas aos brasileiros pelo mensalão, alegou que havia sido traído e depois voltou atrás, dizendo que o mensalão nunca existiu. Se isso não é ter duas caras, não sei mais nada!

JOSÉ MILTON GALINDO

galindo52@hotmail.com

Eldorado

Piada sem graça

Quando estava afastado do PT após o escândalo do mensalão, Delúbio Soares dizia em tom de deboche que o fato iria virar "piada de salão". Hoje, após perambular pelos porões do PT em busca de socorro, numa jornada melancólica, o ex-tesoureiro todo-poderoso é apenas uma frágil figura patética quase a implorar a misericórdia da Suprema Corte. Para ele a piada acabou mal.

ROBERTO CABRAL

cabralhoje@bol.com.br

Maringá (PR)

PETROBRÁS

Perdas

Será que as perdas divulgadas já chegaram ao fundo do poço?

HELGA BELL

helga.rod.bell@hipernet.com.br

São Paulo

Causas do prejuízo

No editorial As perdas avassaladoras da Petrobrás (7/8, A3), que trata da reação do mercado às declarações da presidente da empresa, sra. Graça Foster, é mencionado mais uma vez como uma das causas do prejuízo o alegado desalinhamento dos preços dos derivados de petróleo no mercado interno em relação aos preços vigentes no mercado internacional. A produção interna de petróleo responde por algo em torno de 80% do nosso consumo. É óbvio que o custo de produção é algumas vezes inferior ao do mercado, cujos preços são pesadamente influenciados pelos royalties cobrados pelos países produtores. Internamente, nesses países o consumidor paga preços muito inferiores aos cobrados pela Petrobrás no Brasil. Além disso, nossa gasolina e nosso óleo diesel têm características físico-químicas diferentes dos combustíveis vendidos na Europa, nos EUA, no Japão e outros países, onde o teor máximo de enxofre permitido oscila entre 5 e 25 partes por milhão, ante 3 mil na gasolina brasileira - que recebe etanol, reduzindo seu poder calorífico - e 1.800 no diesel mais vendido no País. A Petrobrás, na verdade, não sofre prejuízo com o alegado desalinhamento de preços, apenas ganha um pouquinho menos. As causas do prejuízo são, evidentemente, as demais mencionadas no oportuno editorial.

MARIO GERMANOS

mario@germanos.ws

São Paulo

OLIMPÍADA

Aplausos

Creio que medalhas olímpicas têm apenas efeito midiático, o orgulho deveria restringir-se a competir, estar presente. Esforços individuais extraordinários, qualidade e dedicação esbarram na necessidade de recursos vultosos e apoio técnico, o que no Brasil poucos conseguem. Todos os atletas que lá estão, ou estiveram, merecem nosso reconhecimento e aplausos. Para mim, é secundária a obtenção de mais uns centímetros, segundos, pontos, etc... Parabéns a todos pelo esforço!

ANDRÉ C. FROHNKNECHT

anchar.fro@hotmail.com

São Paulo

 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

CADÊ O PETRÓLEO DO PT?

O "petróleo é nosso" do FHC foi o do fim do cabide empregos, quebra do monopólio da Petrobrás, a profissionalização da empresa com gente de mercado, o das regras claras para os leilões das áreas de exploração, a criação da agência reguladora para o setor, etc. E essas importantes ações pela credibilidade conquistada viabilizaram a chegada de investidores estrangeiros que aplicaram bilhões de dólares como parceiros da Petrobrás, possibilitando a empresa a quase dobrar sua produção nos oitos de governo do PSDB. Já o petróleo é nosso do lulismo foi e continua uma farsa! A prometida autossuficiência na extração do produto foi para saco! Hoje estamos importando bilhões de dólares por ano de gasolina! Os investimentos espetaculosamente anunciados não saíram do papel, porque também com as novas e absurdas regras para o pré-sal os investidores fugiram, e a Petrobrás está sem recursos para atingir seus objetivos. As novas refinarias anunciadas para o Maranhão e Ceará estão suspensas também por falta de caixa. A de Abreu Lima, em Pernambuco, palco da demagogia e populismo de Lula, que já deveria estar pronta, e talvez se conclua somente em 2014, e de um orçamento inicial de US$ 2,3 bilhões em 2005, passou por enquanto para os superfaturados US$ 20,1 bilhões... E como resultado dessa enganação e desse primarismo administrativo petista, a Petrobrás teve um prejuízo de R$ 1,3 bilhão no último trimestre de 2012. Coisa rara na história da companhia... Não estou nem citando que as ações da empresa na bolsa de valores despencam, e que na esteira desta perversidade contra a Petrobrás, outrora orgulho do brasileiro, o governo petista também afunda a produção do etanol, por que tem desprezado a criar estímulos para este importante setor energético que emprega milhões de trabalhadores. E não por outra razão, que empresas produtoras do etanol estão quebrando, e a importação deste combustível hoje é elevada, complicando mais ainda a balança comercial. Se não bastassem tantas indignações, hoje esta gente do PT está sendo julgada no Supremo Tribunal Federal (STF) pelo maior escândalo da história da Nação: o tal do mensalão...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

COM GRAÇA

O prejuízo da empresa foi consequência de um período sem graça no governo do presidento Lula. Vamos ver agora com a presidenta Dilma...

Carlos Vollet aincarnado@terra.com.br

Lins

*

LAMBANÇAS E MENTIRAS

Essas lambanças e declarações ridículas e mentirosas sobre a Petrobrás que foram ditas na era Lula por ele e por seu pupilo José Gabrielli, na época presidente da empresa, tiveram a intenção de autopromover Lula e alavancar o crescimento do PT. Mas, como mentiras têm pernas curtas, aguardem: em breve teremos novas revelações e surpresas.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

DITADURAS

A Petrobrás chegou aonde chegou graças à "ditadura militar", e vai voltar ao que era graças à "ditadura socialista do poder ou do pudê"!

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

'AS PERDAS AVASSALADORAS DA PETROBRÁS'

No editorial de 7/8 (página A3) que tratou da reação do mercado às declarações da presidente da Petrobrás, Sra. Graça Foster, é mencionado mais uma vez como uma das causas do prejuízo da Petrobrás o alegado desalinhamento dos preços dos derivados de petróleo no mercado interno em relação aos preços vigentes no mercado internacional. A produção interna de petróleo responde por algo em torno de 80% de nosso consumo. É obvio que o custo de produção é algumas vezes inferior ao do mercado, cujos preços são pesadamente influenciados pelos royalties cobrados pelos países produtores. Internamente nesses países o consumidor paga preços muito inferiores aos praticados pela Petrobrás no Brasil. Além disso nossa gasolina e nosso óleo diesel tem características físico-químicas diferentes dos combustíveis vendidos na Europa, América do Norte, Japão e outros, nos quais o teor máximo de enxofre permitido oscila entre 5 e 25 partes por milhão, contra 3 mil partes na gasolina brasileira, que recebe etanol reduzindo seu poder calorífico e 1.800 partes por milhão no diesel mais vendido no Brasil. A Petrobrás não sofre prejuízo com o alegado desalinhamento de preços, apenas ganha um pouquinho menos. As causas do prejuízo da empresa são, evidentemente, as demais mencionadas no oportuno editorial.

Mario Germanos mario@germanos.ws

São Paulo

*

NO REINO DO FAZ-DE-CONTA

Milhares de frases no decorrer do tempo se tornaram famosas não só pelo seu autor, como também pelo seu conteúdo filosófico, de cunho moralista e até mesmo pedagógico. No dia 4 de maio de 2006, no discurso de posse na presidência do STF do ministro Marco Aurélio Mello, no auge do governo do presidente Luiz Ignácio Lula da Silva, afirmou: "O Brasil se tornou um país do faz-de-conta. Faz de conta que não se produziu o maior dos escândalos nacionais, que os culpados nada sabiam". Já se passaram seis anos, a ciranda de escândalos continua fornecendo matéria farta para a mídia, falada e escrita. A Petrobrás, a joia da coroa, o maior cabide de empregos do governo, dá um prejuízo de R$1,3 bilhão somente num trimestre, mas façamos de conta que são pequenos acidentes de percurso. Dezenas de milhares de candidatos às próximas eleições municipais estão impedidos de concorrer, mas fazem as suas campanhas regularmente. Afinal, "faz de conta que estamos impugnados". O que se tem visto na defesa dos mensaleiros é que nos estão colocando chapéu de Eremildo, o idiota. O Brasil lembra a obra de Charles Lutwidge Dodgson (Lewis Carrol), Alice no País das Maravilhas, com o nosso "Dilma no país dos políticos impunes", obra de Luiz Ignácio da Silva (Lula). Mera coincidência.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

VIDA EM MARTE

John Grotzinger, cientista-chefe da missão do Curiosity, espera que se obtenham indícios de vida passada em Marte e também a causa de seu "declínio inexorável, enquanto o nosso (planeta) prosperava e florescia". Em tempo de vacas magras, como o atual, não deveriam ter torrado essa grana toda - US$ 2,5 bilhões só no jipinho -, sendo que ambas as respostas encontram-se bem acessíveis e de graça na Ciência Política: Marte já teve vida inteligente; em algum momento de sua História, a então próspera civilização marciana optou por uma administração petista.

Jurandir Leite dos Santos jurandir.leite@bol.com.br

Caraguatatuba

*

O JULGAMENTO

O Dr. Jose Lins Mendes de Oliveira Lima, digníssimo advogado de José Dirceu na Ação Penal 470, afirmou que seu cliente é inocente, baseando-se nos autos do processo, os mesmos autos nos quais o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, se apoiou para acusá-lo, e a outros 37 réus, por diversos crimes. Como julgá-los, ou melhor, contestá-los, se são tão poucos os que têm o privilégio de acesso aos autos? O julgamento transcorre no Supremo Tribunal Federal, estando hoje no quinto dia. Pois bem, os ministros integrantes do STF que darão seus votos (condenatórios ou não) fazem parte dessa elite de privilegiados e devem ter opiniões formadas. Esperam os cidadãos lúcidos deste país que as opiniões formadas sejam frutos da imparcialidade, atributo indispensável ao exercício de tão magnífico cargo, e que as argumentações que se seguem pelas assertivas dos digníssimos advogados dos réus lhes sirvam tão somente para clareamento.

Carlos Leonel Imenes climenes@ig.com.br

São Paulo

*

O PODEROSO CHEFÃO

O advogado de José Dirceu está equivocado. Ninguém falou que seu cliente é "quadrilheiro". Foi dito e repetido no STF que seu cliente foi o chefe da quadrilha do mensalão. O que é bem diferente. Ou não!

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

ABSOLVIÇÃO OU CONDENAÇÃO

Para os advogados de defesa dos cinco primeiros réus da Ação Penal 470, todos são "santinhos" e in- corruptíveis. Tentam desqualificar as acusações do procurador-geral da República e negam que houve o mensalão para caracterizar crime de caixa 2, cuja pena estaria prescrita. Para o cidadão de bom senso que ouviu o procurador e os advogados, é impossível admitir que o STF dê absolvição aos mensaleiros.

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

*

UMA PÁGINA NA HISTÓRIA

Os réus têm o direito à defesa, seus advogados, a obrigação de defendê-los o melhor possível. Os maiores medalhões da advocacia lá estão, a que custo? Quem paga? E no foro íntimo, será que estes advogados não imaginam o desserviço que prestam ao Brasil? Uma página fundamental para a nossa historia está sendo escrita, teria um profissional ético e patriota aceito defender esta súcia?

André C. Frohnknecht anchar.fro@hotmail.com

São Paulo

*

QUEM PAGA?

Gostaria de saber quem, realmente, está pagando os altos ganhos dos famosos advogados que defendem os mensaleiros. Seriam os contribuintes? Como informou o procurador Gurgel, o dinheiro da viúva é usado, sem cerimônia, pelos petralhas e seus assalariados, os políticos "da base".

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

*

'BUONA GENTE'

Os advogados de defesa dos quadrilheiros do mensalão estão querendo nos convencer de que eles são todos ingênuos - tutti buona gente! Será?

Benedito Raimundo Moreira br_moreira@terra.com.br

Guarulhos

*

CIRCO

O povo brasileiro quer saber se os honorários dos ilustres advogados que representam os 38 réus serão pagos pelo caixa 2, já que seus clientes são humildes trabalhadores, sem bens e dinheiro aplicado. Enfim uns coitadinhos, uns santinhos, e nós, os palhaços desse circo.

M. Helena Borges Martins m.helena.martins@uol.com.br

São Paulo

*

HONORÁRIOS

A "paga a advogado" será em "não-contabilizado"? Dá até rima; pena que não dê cadeia...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

MENSALEIROS, ADVOGADOS & CIA.

A pizzaria está aberta, todos os advogados parecem que vão seguir o mesmo caminho, ou seja, manja aquela história em que a mulher ou o marido são pegos no flagra na cama com outro e espantados vão naquela "não é o que você está pensando". É a saída que os advogados acharam para tirarem seus clientes quadrilheiros, mensaleiros, etc. como participantes da maior safadeza "nunca antes produzida neste país".

L. A. B. Moraes labmoraes@uol.com.br

Santos

*

CONTA SALGADA

Com que dinheiro esses advogados estão sendo pagos? Está mais do que claro que o mensalão existiu e foi bom para todos os participantes. A maioria dos réus está sem ocupação definida, sem cargo publico, ou seja, desempregados e sendo defendidos por bons e caros advogados. É dinheiro que está sobrando. Mas quem paga essa conta mesmo, somos nós, brasileiras e brasileiros!

Arcangelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

*

MENSALÃO NÃO EXISTIU

Para Ahmadinejad, o tirano do Irã, o Holocausto não existiu. Para os russos e chineses, o massacre na Síria não existe. Para Lulla e os advogados dos réus, o mensalão não existiu. É brincadeira, é cinismo ou é mesmo loucura?

Alberto Nunes albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

*

QUEM ACREDITA?

O "mensalão" não existiu. Palavra do Papai-Noel, com todo o apoio do Saci-Pererê e da mula-sem-cabeça.

Eduardo Henry Moreira henrymoreira@terra.com.br

Guarujá

*

DÍVIDA

"Sou teu devedor pelo resto de minha vida", escreveu José Dirceu para seu advogado. Que pena, o advogado vai ficar sem receber...

Ary Nisenbaum aryn@uol.com.br

São Paulo

*

A DEFESA DOS RÉUS DO MENSALÃO

Francamente, considerando os honorários pagos aos advogados que, segundo o jornalista Claudio Humberto, são superiores aos orçamentos de metade dos municípios brasileiros, a decepção foi grande. Para quem esperava um debate de feras, que conseguisse jogar por terra as acusações feitas pelo procurador-geral da República, teve de se contentar com o voo da galinha. Poucas frases de efeito e nenhuma sustentação oral que merecesse destaque. Quem teve a oportunidade de assistir Oswaldo de Lia Pires num tribunal do júri, realmente saiu decepcionado com o que viu. A defesa dos advogados dos réus do mensalão no dia 6 de agosto fez-me lembrar de uma citação de Mahatma Gandhi "o que mais me impressiona nos fracos é que eles precisam humilhar os outros para sentirem-se fortes"

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

DEBOCHE

A defesa dos réus no mensalão beira o deboche jurídico e democrático. Não se surpreendam se no final sair algemado algum ministro do Supremo (menos o Toffoli, é claro).

Roberto Castiglioni rocastiglioni@hotmail.com

Santo André

*

VERDADEIRO OU FALSO?

Com a palavra os advogados de defesa dos réus do mensalão (ainda posso chamar assim, senhores censores do PT?). Um festival de argumentações na tentativa de descaracterizar o crime, a metodologia das investigações, praticando bullying contra o procurador geral da República. Agem como se fossem infalíveis, como emissários da verdade absoluta, como doutrinadores declamando os dogmas, faltando apenas prometer as profundezas do inferno a quem deles divergir. Estarão cometendo perjúrio? São os anti-heróis?

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

STF AO VIVO NA TV

No dia 2 de agosto teve início um novo programa de TV, em edição nacional, em que todos os atores são conhecidos, foi intitulado de "mensalão", a maior vergonha do País, iniciou em 2003, mas só começou a ser escrito em 2005. Decorridos sete anos, alguns comparam a uma nova versão de Ali Babá e os 40 ladrões, agora com 39 (trinta e nove), que negam peremptoriamente as suas participações, incluído o "mandante", que afirma de "pé junto" que nunca existiu tal caso. Claro que ninguém acreditou e acredita no maior mitômano da face da Terra. Pela gravidade dos delitos, todos os participantes devem ter punições severas e exemplares, devem perder os seus cargos, mandatos, direitos políticos, além de ser obrigados a devolver os valores apropriados ou recebidos e cumprir as penas da condenação. O "mandante" e o "chefão" Zé corromperam muita gente e principalmente congre$$i$ta$, mas, até o momento, ambos continuam enganando a maioria do povo com as chamadas bolsas a$$i$tenciai$. Durante toda a (indi)gestão PeTista a corrupção caminhou a pa$$o$ largos, até os dias de hoje, contaminando todos os órgãos e funcionários públicos, inclusive muitos cidadãos e até empresas privadas. Se o Superior Tribunal Federal (STF) não fizer justiça, condenando todos os envolvidos, com certeza continuarão ludibriando milhões de brasileiros. E, dependendo da decisão, aplaudiremos ou nos decepcionaremos para sempre. O povo brasileiro espera recuperar a dignidade e a honra perdidas. Só se comenta e se fala nisso!

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA DO SUPREMO

Admiro muito a capacidade que teve o Arnaldo Jabor de expressar a ansiedade do povo brasileiro nestes dias que assiste o julgamento dos "mensaleiros". Sei que não terão os senhores Ministros do STF outra oportunidade, igual a esta que se lhes oferece, de marcar sua passagem pela Alta Corte do País honrando aquela que é, sem dúvida, a mais nobre das funções públicas que se pode aqui desempenhar.

Caiuby Luciano Gomes caiubylgomes@yahoo.com.br

São Paulo

*

BOI DE PIRANHA

Os petralhas transformaram o delúbio - delúbio com letra minúscula, porque ele também é minúsculo - em boi de piranha. Será que os dez ministros da nossa Suprema Corte vão embarcar nessa? Os advogados estavam tremendo diante do plenário, quantas caras de pau! Será que essa turma toda, advogados e os bandidos do PT, pode imaginar que eles enganaram a nós brasileiros?

Paulo Francisco Siqueira dos Santos paulof.santos@hotmail.com.br

Santa Rita do Passa Quatro

*

TESOUREIRO INCOMPETENTE

Pegar empréstimo legal no banco pra fazer caixa 2 e pagar conta de outros partidos? Delúbio Soares deve ser o tesoureiro mais incompetente do mundo!

Ricardo Marin s1estudio@ig.com.br

Osasco

*

ADORMECIDOS

A pátria adormecida continuará a ser subtraída se algum juiz sério continuar cochilando no julgamento, pois, os dois que votam a favor dos mensaleiros estão bem atentos e prontos a cumprir as tarefas de que foram incumbidos pelo chefe geral do mensalão. É muito cedo para achar que estes delinqüentes sejam absolvidos, apenas pelas primeiras alegações da defesa, eles tem que refutar as acusações mesmo, mas basta o denunciante e participante do mensalão ficar firme e manter tudo que disse desde o primeiro dia, que os argumentos dos advogados cairão por terra e o único que deve ser absolvido será mesmo o denunciante, Sr Roberto Jéferson por livrar o Brasil deste câncer maligno da corrupção.

Jose Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

RASGANDO A CONSTITUIÇÃO

Convenhamos, foi um escárnio o flagrante dos ministros do STF (não digo os nomes deles para não poluir meu texto) dormindo durante a sustentação dos advogados de defesa dos réus do mensalão. A meu ver foi um tremendo desrespeito não só aos advogados, mas, também, ao público e ao próprio tribunal. Não consta, por sua vez, que os advogados dos acusados tenham dormido ou cochilado durante a longa e cansativa peça acusatória do procurador-geral, Roberto Gurgel. A soneca coletiva dos magistrados deixa a forte impressão de que os ministros dorminhocos fazem pouco caso dos argumentos dos defensores dos acusados. Melhor dizendo, os advogados perdem tempo e saliva, porque os réus já chegaram condenados ao julgamento. Se assim for, os ministros simplesmente estão rasgando a Constituição e fazendo um colossal papelão.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

SONO

O Estadão de ontem (7/8), em sua primeira página do primeiro caderno, publica duas fotos tiradas no plenário do STF na sessão de segunda-feira, durante o julgamento do nefasto mensalão, no momento em que um dos advogados de defesa de um dos réus falava. Fotos estas de dois ministros que, mutatis mutandis, sugerem e nos fazem lembrar de um brocardo jurídico que vem a calhar: "dormentibus non succurrit ius" - o direito não socorre os que dormem. No caso, seria o direito de julgar, de votar de acordo com os argumentos apresentados anteriormente pela acusação e pela defesa, na hora da letargia.

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

*

ALGO EM COMUM

Não é raro que um texto traga em seu corpo as mesmas marcas que aponta em outro objeto. Penso ser o caso do artigo de Sérgio Telles - Assunto incontornável (4/8, D10). Depois de nos fazer crer que o presidente Lula mentiu em relação ao que ainda não foi julgado no STF - teria o colunista uma prova guardada em casa? -, vem a menção a Derrida, muito apropriada..., que apontaria para o caráter narcísico e onipotente presentes na soberania dos políticos; eu acrescentaria, e dos colunistas.

Marcelo Silva Souza souza.marcelosilva@gmail.com

São Paulo

*

NÃO VAI MUDAR

É, ouvido o procurador-geral da República por quatro horas, é de perguntar como é que essa gente ainda não foi presa? E o Lula? Ao Roberto Jéfferson, que não salvou o Brasil como egoisticamente imagina, faltou coragem para incriminá-lo (agora, tardiamente, querendo o fazer seu advogado)? As quatro horas utilizadas pelo procurador-geral não deveriam ser igualmente divididas aos defensores (que buscam protelar o julgamento certamente), sem a concessão de uma hora para cada qual? Ou então dobrar o tempo dos advogados que ficariam, no todo, com oito horas? Uma hora para ouvirmos que não houve o mensalão, que não houve desvio, que os acusados são uns santos, anjos de candura... Pobre Brasil, pobre Justiça brasileira. E pior: isso não vai mudar nunca com os políticos que por aí estão.

Horácio Roque Brandão horobran@gmail.com

São Paulo

*

CÂNCER

Parabéns, deputado Roberto Jefferson, por sua coragem ao avisar que "vai acabar com seu câncer"; eu mesmo acabei com um, há já 12 anos. Entretanto, ameaçar "acabar com José Dirceu e o PT" é muita pretensão, Excia! Eles são imortais e capazes de acabar com V. Excia, comigo e com o Brasil...

Celso Colonna Cretella cpropano@gmail.com

São Paulo

*

RÉU AUSENTE

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) é o grande ausente no banco dos réus no julgamento do mensalão. A legislação obriga os bancos a informarem ao Coaf todas as operações efetuadas em dinheiro vivo - depósitos ou saques - em valores acima de R$ 10 mil. Examinadas as transações, o órgão envia as que julgar suspeitas para o Ministério Público (MP) investigar. No caso do mensalão, o Coaf, escondeu as informações e não as repassou ao MP. Mensalão, violação da conta bancária do caseiro Francenildo Costa, saques em dinheiro de R$ 1,5 milhão feitos por dois aloprados do PT para comprar um dossiê falso contra os tucanos. Tudo isso aconteceu, mas o Coaf não viu.

Carlos Iunes canhoba12@gmail.com

Bauru

*

DEBATE

Li os artigos dos professores Fernando Henrique e Gaudêncio Torquato, neste último domingo (5/8/2012, A2). Ambos acreditam que o momento é propício para avanços. Mas tenho de concordar com a tese do analista Torquato de que não se pode apagar a cultura política de maneira abrupta. Os "ismos" de nossa cultura política não permitirão supor que o julgamento do mensalão seja capaz de alterar padrões políticos de comportamento. O otimismo do nosso bom ex-presidente FHC esbarra nessa triste constatação: a apropriação da res publica não vai parar com o julgamento do mensalão. Gaudêncio tem inteira razão. Parabéns ao Estadão por propiciar uma visão plural e democrática sobre os nossos costumes políticos. Que belo confronto de ideias.

Gustavo Pedrosa gustavojrpedrosa@gmail.com

São Paulo

*

REFORMA POLÍTICA

Independentemente do resultado do julgamento do mensalão, um fato emerge da atual apuração desses maus feitos em nossa gestão pública. Falo da conscientização entre nós da urgente necessidade de uma profunda reforma política, a mãe de todas as reformas. Sem ela não evitaremos os futuros desvios de conduta acontecidos e, principalmente, não teremos condições de ter uma máquina pública que preste serviços eficientes para a população, que é a nossa grande tragédia nos dias que correm.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

AÇÃO PENAL 470 E POPULISMO

O primeiro e mais polêmico ponto de discórdia no julgamento da Ação Penal número 470 a cargo do Supremo Tribunal Federal (STF) foi o voto do Ministro Revisor Ricardo Lewandowski onde se pretendia o desmembramento do processo, a fim de que a maioria dos réus não mais fossem julgados pelo STF. O Ministro Joaquim Barbosa, por seu turno, acusou Lewandowski de agir com deslealdade ao arguir a aludida questão de ordem, já que o assunto haveria sido suficientemente debatido entre os ministros anteriormente. Barbosa, em assim se manifestando, desrespeitou o sagrado direito de opinião do seu colega de toga. Hábil e suficiente seria tão-somente votar contra, como fez a maioria dos demais ministros. Ocorre que, a despeito de a questão de ordem suso ser indigesta e um tanto desnecessária, à luz do intento da Nação em ver o coloquial "mensalão" julgado de uma vez por todas, não há como se obscurecer a opinião, o ponto de vista e o entendimento alheios acerca de assuntos tão polêmicos, quanto mais em relação à temática de tamanha importância. Veja-se: não seria pacífico a todo e qualquer jurista que, em se tratando de matéria de ordem pública, qual seja, a competência de um órgão judicante, é consenso na doutrina e na jurisprudência que ela pode ser arguida, analisada e reexaminada a qualquer tempo, porquanto a decisão prolatada por um órgão incompetente acarreta nulidade absoluta? O intuito de Lewandowski, posto isso, foi o de evitar que, tecnicamente, o STF concedesse doravante azo a banalizações sobre a sua competência, diante de situações análogas. Mesmo que se reconheça que a vontade popular anda no sentido de que o julgamento ocorra o quanto antes e que episódios, em tese ilícitos tais, sofram reprimenda exemplar, não há como não se reconhecer que o STF está sim, ao menos em tese, sendo compelido a julgar e a condenar os réus do "mensalão", para não reste com saia justa diante da opinião popular. Posto isso e diante do panorama que se formou, não há como, ao menos, deixar-se de respeitar a opinião de Lewandowski e reconhecer que ele, juntamente com o ministro Marco Aurélio, a par de impressões leigas e apressadas sobre suas posturas, foram, na verdade, juristas autênticos em não temer pelas suas opiniões, palavras e votos, ao contrário, e não se faz aqui referência aos demais e dignos ministros do STF, daquelas recorrentes figuras públicas oportunistas que, assim como os políticos populistas, sempre fundaram seus discursos no aliciamento das classes sociais de menor aptidão crítica.

Roger Spode Brutti roger.brutti@gmail.com

Torres (RS)

*

CRUZ VERMELHA

A corrupção no Brasil está sendo tão incentivada pela frouxidão das leis e pela impunidade garantida que corruptos brasileiros conseguiram até desviar dinheiro arrecadado nas contas abertas pela Cruz vermelha brasileira para ajudar as vítimas da Somália - uma no HSBC na conta do CICV (Comitê Internacional da Cruz Vermelha) e outra no Banco do Brasil. No HSBC sabe-se que até 30 de julho o valor depositado e surrupiado foi de R$ 139.022,75. Na conta do BB - filial do Maranhão - não se sabe nem quanto foi depositado...mas o dinheiro também sumiu pois a Cruz Vermelha Internacional não o recebeu. Que espécie de avaliação a Cruz Vermelha Internacional estará fazendo da Cruz Vermelha brasileira neste momento ? Segundo o suíço Felipe Danoso que trabalha no Comitê Internacional da Cruz Vermelha, ao ser perguntado do destino do dinheiro arrecadado, ele afirmou: "Não temos essa resposta. Na chamada Família Cruz Vermelha temos princípios rigorosos. Nessa política de arrecadação de fundos para vítimas é totalmente baseada na transparência e na responsabilidade. Infelizmente nós não temos acesso às contas e não fiscalizamos a Cruz Vermelha Brasileira ou nenhuma outra. Somos órgãos distintos. Mas não importa. A situação é inaceitável". É ou não é para chorarmos de vergonha?

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

NADA ESCAPA

No Brasil da corrupção desenfreada, onde a moral e a ética estão em completa escassez principalmente entre os homens públicos, até o dinheiro da tão importante "Cruz vermelha" não escapou das mãos pesadas dos larápios. Mais uma vergonha atirada na cara do povo brasileiro.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

ELEIÇÃO X VESTIBULAR

Assisti via televisão ao primeiro debate entre os candidatos a prefeito para a cidade de Belo Horizonte e tenho lido diariamente sobre o programa de governo dos mesmos. Leio também noticias da situação política de outros Estados, principalmente da região sudeste. Parece que estava vendo o mesmo filme por várias vezes, visto que, sempre se repetem a mesma fala. Os candidatos parecem atores, com jogo de cena, onde prometem acabar com falta de leitos nos hospitais, aumento do efetivo policial, para acabar com a insegurança da população, e a contratação de professores, além de construir novas escolas. Este filme, já vi várias vezes e já está ficando chato de olhar para estas reprises. Sugiro que se acabe com as eleições no nosso país. A maioria dos nossos eleitos não estão lá para defender nossos direitos, mas para se juntar a outros mal intencionados gerando aí uma quadrilha de bandidos, além de que, a maioria da população não é politizada, elegendo políticos do naipe de Jader Barbalho, Valdemar Costa Neto, Fernando Collor, Paulo Maluf e muitos outros que dispensam comentários. Sugiro que o candidato em vez de eleito pelo voto, seja aprovado através de um teste de vestibular, onde, quanto maior a importância do cargo, mais difícil será a prova escrita dissertativa. Após o candidato passar no teste escrito, o mesmo será sabatinado por entidades sérias (OAB, CRA, Crea, etc..) para comprovar que o mesmo tem a capacidade a capacidade intelectual para a tomada de decisões. Acabaríamos com as indicações para cargos importantes feitas pelo presidente da República, governadores, senadores, deputados federais, prefeitos, e teríamos executivos que estariam presidindo alguma empresa estatal pelo mérito e pelo conhecimento, onde as decisões tomadas seriam mais produtivas e inteligentes. Teste escrito, substituindo a eleição para a escolha de nossos políticos, difunda esta idéia.

Elcio Elieser Salomão elcio@tecnosys.inf.br

Belo Horizonte

*

SONÍFERO

Os debates têm algo de bom. Obrigam as pessoas a desligar a TV, a dormir mais cedo e sem pesadelos.

Fausto Ferraz Filho faustofefi@ig.com.br

São Paulo

*

INIQUIDADES

A propaganda política já é por demais enfadonha. Lula, por decisão médica, está liberado para falar. Devemos estar preparados, pois já sabemos o que nos espera. Que seu governo foi o maior da história, que o mensalão é intriga da oposição, que os adversários tem inveja dele, e que seu candidato é o melhor de todos, e mais blá blá blá. Socorro!

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

E A VEREANÇA?

Em ano eleitoral, como este, voltam-se as atenções todas para a escolha dos candidatos à prefeitura municipal. Não se pode, porém, deixar de lado a análise dos pleiteantes à vereança. Cabe ao vereador, representante da população, elaborar leis municipais que atendam a suas necessidades e bem estar, trazer soluções para os problemas apresentados pelos munícipes, fiscalizar os atos e as contas da prefeitura. Portanto, sejamos conscientes, não votemos em fulano ou beltrano por ser amigo de sicrano. Esta frase pode até parecer engraçada, mas traduz a triste realidade da escolha de um candidato. Tentemos conhecer mais a fundo os aspirantes ao cargo de vereador, seu passado, sua atuação na vida pública e privada, seus compromissos e comprometimentos. Vamos eleger gente limpa, competente e honesta, para uma São Paulo melhor!

Clea Correa Cléa cleacorrea@uol.com.br

São Paulo

*

A VIOLÊNCIA EM SÃO PAULO

Neste ano, a Polícia Militar (PM) teve mais agentes mortos que o número de cidadãos inocentes que ela matou, sem soar como justificativa mas mostrar que ao matar ou morrer, seus componentes tem revelado falta de investimento em treinamento adequado a atividade de risco que exercem. Não por intenção criminosa. As mortes de policiais em confronto com bandidos não causam manifestações da sociedade como as feitas quando a PM mata civis e quanto a policiais corruptos, seu numero na PM é de um índice baixíssimo e perde de muito longe para o dos políticos, dos quais a mesma população que os critica também reelege esses. Este ano em especial, recrudesceu a violência como sempre acontece quando é de eleições e fica a pergunta: por que esse aumento? Não há uma explicação que responda de forma clara essa pergunta, mas numa situação específica isso não é difícil: aquela quando populares de alguma região fazem protestos por algum motivo, como morte de um local pela polícia ou por atropelamento, interrompem o trânsito e causam anarquia no local e principalmente ao queimar ônibus de transporte urbano que nada tem a ver com o "motivo" do evento. Agora, como explicar que grupos de moradores sem qualquer sentido de organização para qualquer atividade de grupo, de imediato após eventos como os citados sabem exatamente como montar protestos com cenas de violência como queimar ônibus? Nesses casos a explicação é simples: há indivíduos espalhados pelos bairros interessados em tumultuar a cidade e treinados o suficiente para aproveitar o momento e esses, sim, chamam os moradores para criar confusão, porque lhes interessa isso as portas de uma eleição. E porque dos madrugadores incêndios de ônibus? Qualquer policial de delegacia do bairro de tal ocorrência sabe disso e também identifica e prende o(s) agitador(es) e só não o fazem para não criar problemas ao governo. A receita para acabar com protestos violentos como os citados é de imediato o comparecimento da polícia e prender e identificar todos sem usar de violência gratuita, mas, se necessário, descer a borracha nos mais violentos e identificar o elemento organizador da anarquia.

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo

*

SALVADOR DA PÁTRIA

Um novo salvador da Pátria na Olimpíada de Londres faz o Brasil saltar dez posições no quadro de medalhas. O milagre desta vez é o crucifixo de Arthur Zanetti na prova das argolas. Deus é mesmo brasileiro! Apesar de toda a subcultura que acontece neste país tupiniquim ainda somos a sexta economia do mundo. É muito dinheiro para pouca cultura. Somos como estes laboriosos caipiras do campo que mal sabem escrever mas andam de caminhonete cabine dupla, enquanto muitos dedicados doutores da cidade tem um carrinho mil para se deslocar entre os vários empregos. Deus é pai!

Luiz Antônio da Silva lastucchi@yahoo.com.br

Ribeirão Preto

*

PAÍS DO FUTEBOL

No país do futebol é assim. Ouro inédito pode valer até R$ 180 mil para cada jogador de futebol olímpico do Brasil. Quanto receberão a judoca Sarah Menezes e o ginasta Arthur Zanetti? Melhor seria se ambos reivindicassem um "Bolsa-Olimpíada".

Gilberto Martins Costa Filho marcophil@uol.com.br

Santos

*

SUCESSO NA OLIMPÍADA

Há uns 15 anos, a Grã-Bretanha iniciou um projeto para aumentar o desempenho do país nos esportes, como a Olimpíada. Criaram uma loteria com o objetivo de gerar recursos para incentivar o esporte. Foi tudo bem definido: "projetos" podiam incluir criação de infraestrutura, programas de desenvolvimento de diferentes esportes e tudo mais que precisava para obter melhores resultados a médio prazo. E cada projeto tinha que ser bem detalhado, incluindo metas a serem atingidas, com datas e valores: não alcançando uma meta, o projeto seria encerrado. Tudo seria fiscalizado cuidadosamente, até a obtenção dos resultados. Deu certo? Vejam só dois casos - ciclismo e remo - em que hoje a "GB" domina no esporte mundial (6 ouros de 8 possíveis em ciclismo de pista e 1.º e 2.º no Tour de France, pela primeira vez em mais de 100 anos). Se for comparar o numero de medalhas, a população do país (é válido?) vai bem: Inglaterra tinha até ontem quase metade das medalhas de ouro do Estados Unidos e da China: os EUA tem 6 vezes a população, e a China 30 vezes. Há pouco tempo para obter resultados, antes de 2016, mas poderiam aproveitar para as "autoridades" brasileiras que estão em Londres ver como os Ingleses fizeram este programa. Afinal, estão custando caros os seus passeios. A propósito, porque o governador do Rio vai lá 3 vezes, se a próxima Olimpíada é da cidade do Rio, não do Estado.

Julian White julwhite@yahoo.com

Campinas

*

MEDALHAS MINGUADAS

O Brasil está entre os maiores países do mundo em extensão, em população, detentor do maior volume de água doce do mundo, um dos maiores produtores de alimentos, está entre os dez mais ricos... Porém, quando se olha na sua classificação conquistada na Olimpíada, estamos lá em baixo! Que tristeza! Medalhas minguadas conquistadas por alguns atletas dedicados e com treinamentos por conta própria. Lá em cima só estão os dirigentes das federações que a cada dia ficam mais ricos e se tornam donos das entidades e dos pequenos recursos repassados pelo governo que não tem uma política e organização desportiva a altura da grandeza desse país. Quando será que teremos um governo e uma grande equipe de atletas preparados para representar condignamente nosso querido Brasil?

Benone Augusto de Paiva benone2006@bol.com.br

São Paulo

*

NÃO FOI O DIA DA MAURREN MAGGI

Pena que amanhã não será um lindo dia da mais louca alegria que se possa imaginar. Amanhã, mesmo redobrando a força pra frente, que não cessa, não há como vingar. Acabou. Mais uma atleta brasileira fora dos Jogos Olímpicos.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

NUNCA DESISTA DE SEUS SONHOS E IDEAIS

Ser um vencedor é um dom, é mérito para poucos, desistir e fracassar antes mesmo da disputa, como podemos perceber o sol nasce para todos, mas poucos ficam a sombra. Porém, para aquelas pessoas que acreditam na vitória mesmo que ela se mostre difícil, e muitas vezes impossível, não deve perder a esperança, isso foi o que fez o atleta, ginasta de São Caetano Arthur Zanetti, conquistando o ouro olímpico na modalidade das argolas, mesmo diante de feras quase imbatíveis, como o chinês Chey Yi Bing, e o italiano Matteo Morandi, e tantos outros que competiram com ele na mesma modalidade, um feito inédito para o Brasil até então. Isso mostra para outros atletas que nada se conquista se não acreditar em si mesmo. Arthur Nabarrete Zanetti, garoto prodígio do ABC paulista de apenas 22 anos 1,56 de altura, mostrou ser um novo herói para uma nação que sofre suas agruras nos esportes olímpicos, mas por falta de investimento e de seriedade dos nossos governantes em todos os níveis de governo, seja a nível federal, estadual e municipal, com algumas exceções como é o caso da cidade de São Caetano, que em suas administrações sempre priorizaram o esporte como uma de suas metas de investimento, e que vem colhendo o que planta e suas conquistas em todos os níveis de esportes. A vitória conquistada por Zanetti, mostra também outros fatores decisivos de um atleta de sucesso, como coragem, ousadia e experiência. Treinou com afinco, dedicação, perseverou na superação de erros e falhas, abriu mão de muitas coisas como jovem que é para se dedicar a um sonho, o do ouro olímpico, e teve sua recompensa, talvez pelo destino ou algo divino difícil de ser explicado em palavras. Nascido em São Caetano do Sul em 16 de abril de 1990, Zanetti entrará para o rol das personalidade que jamais serão esquecidas pelo povo sofrido do Brasil. Como Senna, Garrincha, o fenômeno Ronaldo e o maior de todos o Rei Pelé. O jovem com codinome "superação" Zanetti, é exemplo e modelo não apenas para nossos jovens que estão se acabando nas drogas, mas, para todos que acreditam que somos capazes de vencer por méritos, por persistência, por vontade própria, pela honestidade e acima de tudo quando agimos com o ímpeto da vontade e perseverança, ele "Jesus", o criador sempre estará ao nosso lado nas conquistas e nas derrotas, mas sempre nos ensinando que nunca, "nunca podemos perder a esperança" que um dia a vitória vira com sua ajuda. Parabéns ao jovem Zanetti que soube com maestria aproveitar a chance de subir ao pódio mais alto para um atleta que é o de ganhar uma medalha de ouro em um olimpíada. Você nos fez ter ainda mais orgulho de sermos brasileiros com muito orgulho e amor no coração. Temos orgulho de ter um jovem vencedor como você em nossa cidade !!!

Turíbio Liberatto Gasparetto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.