Fórum dos Leitores

PETROBRÁS

O Estado de S.Paulo

09 Agosto 2012 | 07h48

Só no Brasil...

Lula, na Presidência, aproveitou-se da boa-fé do eleitor, deixando-se fotografar com as mãos sujas de petróleo, como se a partir dali nossos problemas energéticos estivessem sanados. Pura balela, enganação que agora está sendo revelada pela nova diretoria da Petrobrás, que, obrigada por acertos contratuais, mostra a realidade dos poços secos. E, referindo-se ao etanol, a sra. Graça Foster acabou de descobrir a roda. Só falta agora se acertar com os produtores do biocombustível, que não são bobos e sabem aproveitar-se dos subsídios governamentais, sempre em benefício próprio.

ALOISIO ARRUDA DE LUCCA

aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

Poços secos

Ante os R$ 2,7 bilhões gastos pela Petrobrás na exploração de 41 poços secos, por mero erro estratégico, concluímos que a mão suja de petróleo que Lula exibia, todo produzido de uniforme e capacete, não passava de dramatização midiática. Mais uma prova de que o governo do PT, em matéria de gerenciamento da coisa pública, só é eficiente em verbosidade ardilosa, desperdício e desvios do dinheiro do povo. Um dos nossos maiores patrimônios, infelizmente, a Petrobrás está chegando ao fundo do poço... seco!

LEILA E. LEITÃO

São Paulo

Erro estratégico?

Será que a administração perigosa e inconsequente do sr. José Sergio Gabrielli, que se apropriou da gestão da Petrobrás para fazer jogo político, não merece ser investigada por uma CPMI?

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

CPI abortada

Em 2009, quando a Petrobrás já apresentava claros sinais de fraqueza por causa do seu aparelhamento, indo em busca de socorro financeiro, a oposição sugeriu uma comissão parlamentar de inquérito para investigar a estatal. Sugestão, aliás, que foi prontamente recusada por sindicalistas ligados à CUT e outros movimentos subordinados ao governo federal, que classificaram uma CPI da Petrobrás como manobra antipatriótica e irresponsável, tal como declarou Lula à época. Graças à blindagem exercida pelo PT para que não fossem identificadas as causas do déficit da gigante brasileira de petróleo, hoje temos a estatal no vermelho do ParTido, importando bilhões de dólares por ano de gasolina e com prejuízo de R$ 1,3 bilhão, o primeiro em mais de dez anos. Pela falta de respeito com que trata esse bem que pertence a todos brasileiros, o PT provavelmente só devolverá a estatal quando for decretada a sua falência. Aí, sim, poderemos chamá-la novamente de "nossa Petrobrás". Sugestão de um acionista da empresa: fora, PT!

AMÂNCIO LOBO

amancio lobo@uol.com.br

São Paulo

Memória

A Petrobrás vem dando prejuízos há muito tempo. Quem não se lembra da venda de nossa refinaria a Evo Morales, da Bolívia, por US$ 112 milhões - refinaria essa em que investimos US$ 200 milhões -, e que o então presidente Lulla comemorou? Um presidente antipatriota!

ALBERTO NUNES

albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

Mensalões

 

Além do câmbio, do reajuste de preços e dos poços secos, não foi mencionado um quarto fator que contribui para esse lamentável prejuízo na maior empresa do País: o apadrinhamento político nas estatais. Parece que a presidente Graça Foster até tentou arrumar a casa, mas encontra resistência enfática de deputados e senadores que ainda têm feudos na Petrobrás, na BR e na Transpetro. Talvez essa seja a briga mais difícil. Afinal, quanto os partidos arrecadam com desvios nas estatais e nos ministérios? Quantas decisões são tomadas para favorecer seus indicados? Com certeza, o equivalente a muitos mensalões!

HERMÍNIA FARIA GUIMARÃES

herminiafaria@hotmail.com

Rio de Janeiro

Sem surpresa

O editorial As perdas avassaladoras da Petrobrás (7/8, A3) fala em "surpreendente prejuízo" de R$ 1,3 bilhão na Petrobrás. Desculpem-me, mas isso não é surpresa alguma, pois há tempos essa empresa vem sendo vitimada pelo empreguismo incompetente, que é, sim, fato gerador de prejuízos. O "custo Petrobrás" é absurdamente elevado, causado por inúmeros equívocos. Não tivesse sido privatizada, a Vale hoje amargaria enormes prejuízos também, pois estaria sendo administrada nesse modelito dos "companheiros", cuja incompetência não é segredo para ninguém.

ADEMAR MONTEIRO DE MORAES

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

Vermelho

Ainda bem que a Vale foi privatizada sob o governo FHC, senão estaria no vermelho petista!

EDGARD GOBBI

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

Desenvolvimento travado

Como disse o professor Jared Diamond no New York Times, reproduzido pelo Estadão (3/8, A17), os países só se tornam ricos e poderosos se, além de recursos naturais abundantes, tiverem instituições sólidas e respeitadas. Entidades assim, atreladas exclusivamente aos interesses do Estado, infelizmente, são tudo o que não temos, como demonstrou mais uma vez o editorial de 7/8. A gasolina brasileira, apesar da sua baixa qualidade, é uma das mais caras do mundo. O mesmo ocorre com a eletricidade e a telefonia. É mais que evidente que os problemas setoriais não decorrem apenas de conjunturas adversas. Há algo de muito errado na estrutura e na gestão desses setores (estatais e agências reguladoras). Se houvesse da parte de nossas lideranças políticas um mínimo de interesse em se aproximar dos consumidores, dos contribuintes ou das pessoas que depositam suas economias na compra de ações dessas empresas, as atitudes seriam totalmente diferentes. Proporiam incondicionalmente um consistente programa de privatização ou, se a ideologia for mais forte, tomariam providências para distanciar as empresas estatais dos interesses conflitantes com a boa gestão. É incrível, mas com um pouco só de vontade, com medidas simples, moralizadoras e apartidárias, poderíamos dotar o País da única coisa que lhe falta para deslanchar: instituições sérias. Como está é uma temeridade investir em infraestrutura no Brasil. Por isso o País está travado.

NILSON OTÁVIO DE OLIVEIRA

noo@uol.com.br

São Paulo

Aumento da gasolina

Aposto que logo após as eleições municipais o governo aumenta o preço dos combustíveis. Agora poderia prejudicar os candidatos do PT e do PMDB. Proprietários de veículos, preparem-se!

NELSON PIFFER JR.

pifferjr86@gmail.com

São Paulo

 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

POLICIAIS FEDERAIS PARADOS

No momento em que os policiais federais iniciam um movimento geral de paralisação no País, a população brasileira questiona a falta que faz uma regulamentação do direito de greve do servidor público, um projeto que está parado no Senado Federal há mais de 23 anos. Quando trabalhadores do setor privado entram em greve, em poucos dias o Tribunal Regional do Trabalho analisa a validade ou não do movimento grevista. Por que o mesmo não acontece com os servidores públicos? Na verdade, o governo federal está mais preocupado em trocar afagos com o presidente Hugo Chávez, da Venezuela, do que acabar com a humilhação da população que usa os serviços públicos.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

SERVIDORES FEDERAIS EM GREVE

O que é isso, brasileiro? O que está acontecendo? Que insatisfação é essa se, segundo pesquisa CNI/Ibope, a aprovação pessoal da presidenta Dilma Rousseff subiu de 72% para 77%, superando a do ex-presidente Lula no mesmo período?

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

COVARDIA

Ato grevista protagonizado pela Polícia Rodoviária Federal, que ontem pela manhã interrompeu o tráfego de veículos na BR-232, rodovia que liga o Recife ao Agreste e Sertão de Pernambuco, causando congestionamentos monumentais, é um flagrante exemplo da falta de compromisso com que as otoridades públicas brasileiras tratam os contribuintes, aos quais devem o salário que recebem. Fazendo pose de "bicho macho", alguns agentes rodoviários, acobertados pelo "poder de polícia", caracterizado pelo uniforme que vestiam, pelas armas que traziam na cintura e pelos talões de multas que carregavam nas mãos, resolveram usar os Postos de Controle Rodoviário para boicotar o trânsito, deixando apenas um via para fluxo de veículos, em cada sentido da rodovia, acarretando irritação e transtornos para os motoristas que deram o azar de ser apanhado pelo covarde ato grevista. Fazer greve assim á fácil! Será que esses caras teriam "peito" para, sem uniformes, armas e talões de multas, fazer um bloqueio semelhante, fora dos postos de Polícia Rodoviária?

Júlio Ferreira julioferreira.net@gmail.com

Recife

*

PARALISAÇÕES

Se perguntar não ofende: Por que senadores e deputados não fazem greves reivindicando aumento salarial?

Wilson Lino wiolino@yahoo.com.br

São Paulo

*

A REMUNERAÇÃO LÁ E CÁ

A semelhança entre nossos policiais federais e os agentes do FBI e da Scotland Yard é uma só: a remuneração. Isso mesmo, a média remuneratória na Polícia Federal (PF) é hoje de R$ 9 mil mensais para agentes, o que anualmente corresponde a R$ 117 mil. Na Scotland Yard inglesa e no FBI, a mesma média é de R$ 90 mil por ano, tudo incluído. E os nossos ainda ficam um tanto acima. Esse fato, facilmente verificável, não é divulgado nem contestado pelos policiais federais.

Lauro Moreira Nunes muamar@r7.com

Rio de Janeiro

*

A DEFESA DO GOVERNO

O ministro Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência da República, quando exercia uma secretaria da prefeitura de Santo André, na gestão do Celso Daniel, carregava malas repletas de "dinheiro não contabilizado" oriundo de cobranças de propinas, cuja finalidade era financiar o esquema de poder do PT. Seu passado nebuloso não autoriza pronunciamentos pseudomoralizadores, como quando afirma que o governo Dilma não será afetado pelo julgamento do mensalão em qualquer hipótese. O julgamento desse rumoroso processo ainda está em fase de depoimentos, sendo, portanto, prematuro desde logo sair em defesa do governo, alardeando a imunidade do mesmo em razão dos fatos. Lembro ao ministro que muita água ainda pode rolar sob a ponte. O tiro pode sair pela culatra.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

GILBERTO CARVALHO E O MENSALÃO

Como o ex-secretário de governo e amigo pessoal do finado ex-prefeito Celso Daniel e hoje ministro de Dilma Rousseff, Gilberto Carvalho, pode pretender que dissociemos o mensalão do PT do governo Lula/Dilma, se ele foi arquitetado pelo próprio governo Lula como projeto político para se manter indefinidamente no poder? Todos temos plena convicção de que Lula deveria estar entre os acusados do mensalão - ops, da Ação Penal 470 -, mas Lula-teflon se livrou desta apenas se desculpando, se dizendo traído e, em seguida, negando a existência do mensalão, numa coerente incoerência bem à moda de Lula. Hoje, o ex-presidente se preocupa com as versões de que a condenação de Dirceu seja boa (ou má?) para o PT... De uma coisa tenho plena certeza: sua condenação e dos demais acusados fará um bem enorme para todo o Brasil, porque é necessário e imperativo que a Justiça se faça para que este país consiga dar o primeiro passo no sentido de se livrar da corrupção epidêmica.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

'CORSA PRETO'

Gilberto "Corsa Preto" Carvalho recebeu ordens da presidenta para não se intimidar com o julgamento do mensalão e "seguir trabalhando rigorosamente"...

Jorge João Burunzuzian burunlegal@hotmail.com

São Paulo

*

SINISTRO

O ministro Carvalho diz que o caso mensalão não atrapalhará o projeto do PT. Este indivíduo não deve ser chamado "ministro", e, sim, "sinistro". É uma figura estranha, que já declarou até morrer por Lula. Bizarro! Ninguém esqueceu ainda do seu protagonismo no caso Celso Daniel, o antes, o durante e o depois. É uma figura tenebrosa!

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

TESTEMUNHOS

Nem o mais inocente dos cidadãos acredita que a presidente, Dilma Rousseff, e o ex-presidente Lula agirão como testemunhas de defesa do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. Em primeiro lugar, a presidente não será louca de dar o seu testemunho e colocar em risco os 75% de aprovação pela população, não se sabe de onde, em prol de uma causa indefensável e praticamente perdida. O ex-presidente, cujo plano sórdido foi tramado na soleira do gabinete presidencial, embora negue isto com veemência não dará a cara para bater novamente, pois sabe e tem "paúra" que a sujeira escondida em baixo do tapete poderá subir e causar um grande estrago em seus planos futuros, ou seja, voltar ao planalto e desfrutar das maravilhas do poder. E, pressupor inocência do ex-ministro, denunciado como chefe da quadrilha do mensalão, só pelo fato de ambos desconhecerem qualquer ato ilícito praticado pelo réu, não tem consistência, pois o procurador-geral da República apontou com muita propriedade, as travessuras de José Dirceu e se por ventura, esses testemunhos fossem dados, com certeza seriam falsos. Portanto, essa história não passa de um plano repugnante para tentar confundir incautos cidadãos, que constantemente são enganados.

Sérgio Dafré sergiodafre@bol.com.br

Jundiaí

*

COMO QUERÍAMOS DEMONSTRAR

Os defensores de ex-sócios e ex-funcionários do empresário apontaram-no como "operador" do mensalão. Este é mais um forte reforço à incapacidade dos advogados de derrubar a tese da existência do mesmo e de sua criminosa administração. Quer o Planalto queira ou não, o mensalão está grudado no governo como carrapato e não há como desgastá-lo mais do que está. Como queríamos demonstrar (CQD).

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

BOLSA MENSALEIRO

Os réus do mensalão estão sendo defendidos por hábeis advogados e julgados por um STF nomeado pelo Poderoso Chefão. Os advogados alardeiam inocência dos injustiçados réus de tal forma que temo, dentro em breve, também à custa da viúva, a exemplo da bolsa-presidiário, bolsa-guerrilheiro e outras, tenhamos de arcar, sob a forma de indenização permanente, com o ônus da bolsa mensaleiro.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

LULA E SEU GRANDE LEGADO

O Supremo Tribunal Federal (STF), ao julgar o mensalão, não estará apenas julgando José Dirceu, Delúbio Soares, Roberto Jefferson e Lula e seus companheiros. O STF, com esse julgamento, vai assinalar se nós, brasileiros, ainda podemos acreditar na honra, na honestidade e na ética ou se o ex-presidente conseguiu transformar a principal norma de conduta da sua administração, onde "os fins justificam todo e qualquer meio", num comportamento comum e normal da maioria da sociedade brasileira.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

Sao Paulo

*

OS TORPES E A TORPEZA

A seleção de sumidades em direito criminal que se aglomera na sala do plenário do Supremo Tribunal Federal tenta, a todo custo, abafar, esconder ou negar crimes de seus clientes. Tenta ocultar, principalmente, tudo o que se refira à lavagem de dinheiro continuadamente levada a cabo pelos 38 réus - se a Procuradoria-Geral da República eliminou três em sua denúncia, foi por moto próprio - caracterizando, por isso mesmo, insolentes formações de quadrilhas. A ditosa seleção de sumidades tenta fazê-lo, apenas. Como? Justificando a vilania que foi o desvio de somas vultosas dos cofres da União e outros quejandos mais, oferecendo em troca e como contraponto, a torpeza do uso indiscriminado de um asqueroso e sórdido "caixa 2" levado a cabo por seus clientes, como se isso fosse a coisa mais pura e natural do mundo. Como se estivessem eles, os seus procurados, praticando, inocentemente, um simples joguinho conhecido como "Banco Imobiliário"... Uma barganha, digamos. Mas omitem, na oferenda, que tal crime (o "caixa 2") já está prescrito! Sua pena ou condenação máxima seria de 5 anos. Daí que... Enfim, tudo seria como se o colégio advocatício de defesa dos réus dissesse: oferecemos, confessamos e concordamos que "os recursos não contabilizados" (que absurdo) correram livres e soltos pelos corredores, salas e plenário da Câmara Federal. Mas, em contrapartida, o STF tem que concordar que não há provas a respeito da lavagem de dinheiro, principalmente. Resumindo: estão "emparedando" o Tribunal guardião de nossa Carta Magna! Pobres sumidades tão decantadas pelos cantos escuros e pequenos dos escaninhos desta grande nação. Néscios, quando lhes convém, fingem ignorar um simples aforismo latino que lhes arrasaria toda e qualquer argumentação! Ei-lo: Nemo creditur turpitudinem suam allegans (Ninguém pode alegar a seu favor a própria torpeza). Para os menos avisados, a interpretação do aforismo, em bom português, seria a seguinte: fiquem os réus e seus procuradores com suas torpezas menores e já prescritas (os "caixas 2"), porque nós - a Corte do STF - julgaremos as torpezas maiores (as lavagens de dinheiro, as formações de quadrilha, as corrupções ativas e passivas, as evasões de divisas, os peculatos , as gestões fraudulentas, etc). Só nos resta, então, prezadíssimos leitores, confiar em nossa Corte máxima e nos homens que a compõem. Mesmo que, para lavarmos nossas almas, o resultado da análise detalhada dos fatos e atos em exame que estão encerrados na Ação Penal 470 dê a vitória por um único voto à República e ao legítimo Estado de Direito, à serenidade ética, ao nosso sagrado amor à pátria e, acima de tudo, para que tenhamos certeza de que o STF é composto por homens de bem, mais de que por ministros capazes e técnicos em suas decisões. Caso contrário, mais dias ou menos dias, poderemos acordar sob o tacão de uma ditadura sindicalista lulopetista!

João Guilherme Ortolan guiortolan@gmail.com

Bauru

*

ÍCONES DO MENSALÃO

Em São Paulo, Mário Zan, "o sanfoneiro do IV Centenário". Em Brasília, Chico Buarque, "o bardo do mensalão".

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

PROVAS

No mensalão os advogados de defesa tentam desqualificar a acusação por falta de provas. Ora, em terra de gente azul só é necessário provar que se é verde, já que ser azul é regra... O político brasileiro torna-se corrupto (azul) por natureza, e tem de provar que é honesto (verde) e não vice-versa... Tem muita gente azul nesse julgamento.

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

CRIMINOSOS INOCENTES

Se alguém aparecesse por aqui sem nunca ter visto ou lido nada sobre as falcatruas que aconteceram durante o governo Lula e que se tornaram esta ação do mensalão e visse a performance dos advogados de defesa no plenário do STF pensaria que somos um país muito injusto e que pessoas de comportamento ilibado, verdadeiros guardiães da justiça e da honestidade estão sendo julgados sem razão. Todos são pessoas inocentes que nunca fizeram nada de errado e que jamais puseram suas puras mãos naquela dinheirama toda. As ações ilegais e desonestas, a farra com dinheiro público, os crimes de corrupção ativa e passiva, a lavagem de dinheiro jamais foram cometidas pelos julgados cujas almas são nobres e puras. Todo cidadão tem direito a defesa, mas tudo tem um limite. Ouvir estes advogados pagos à peso de ouro fazerem suas defesas sendo tão veementes quanto a honestidade e ao comportamento honestíssimo de seus clientes é um escárnio para todos os brasileiros honestos. A julgar pelas falas dos defensores não há nenhum criminoso ali e chegaríamos a uma situação onde todos estes crimes não foram cometidos por ninguém.

Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com

São Paulo

*

PALHAÇADA

Ela era uma mequetrefe, ela queria ser bailarina, Carminha e Nina também seriam processadas por formação de quadrilha, ele foi a Lisboa, a turismo, comer uma bacalhoada, são alguns dos inacreditáveis argumentos usados pelos doutos advogados dos réus do mensalão. Estou chegando à conclusão de que esse processo não merecia mesmo ser julgado no Supremo Tribunal Federal. Deveria ser julgado por um júri de programa de televisão de baixo nível. A defesa dos réus tem sido uma verdadeira comédia tão ridícula, que não cabe na sisudez do nossa Suprema Corte. Acho que, por muito menos dinheiro, comediantes como o Tiririca fariam a mesma defesa dos réus. Será que os ministros do Supremo estão achando graça nessa palhaçada?

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

OFENDER PARA DEFENDER?

Mequetrefe, funcionária de terceira categoria?! Srs. advogados, a que ponto chegaram para defender o indefensável, aquilo que todos viram e ouviram pela televisão?!

Cecilia M. Dale cecilia54dale@gmail.com

São Paulo

*

SONHO DE ADOLESCENTE

Sabe aquele sonho em que você fica invisível e apronta todas? Pois eu, depois de velho, estou novamente querendo ficar invisível, com um único propósito: alfinetar a bunda de advogados e políticos mentirosos, seja em CPI, julgamento no STF ou em campanha política. Uma utopia delirante, mas muitos "traseiros" iriam virar peneira.

Sérgio Barbosa sergiobarbosa@megasinal.com.br

Batatais

*

STF E CONCURSO PÚBLICO

Uma coisa é certa: se depois desse teatro de tamanha envergadura no trato da coisa pública concernente à justiça o STF blefar e nada acontecer aos mensaleiros, somente nos resta a última e a melhor alternativa para o País, o fechamento do Supremo Tribunal Federal, a exclusão de novas indicações e a efetiva convocação de concurso público para novos integrantes desse tribunal. Ora, se o juiz é indicado para tão importante cargo, com todas as vantagens vitalícias, por aquele infrator que faz parte da quadrilha, o juiz não o livrará? Ora, contem-me outra!

Alberto Nunes albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

*

NOSSA CONFIANÇA NA JUSTIÇA

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, falando do mensalão e afirmando que uma quadrilha formada para a prática de peculato, falsidade ideológica, evasão de divisas, lavagem de dinheiro, corrupção ativa, corrupção passiva, gestão fraudulenta, está à solta no Brasil, nos deixou confiante na Justiça brasileira. Senti nas palavras de Gurgel, a mesma firmeza, a mesma coragem e a mesma certeza que tive quando ex-procurador-geral da República Antônio Fernando de Souza, no ano de 2006, falando sobre os réus do mensalão, disse: "O comportamento dos denunciados nos crimes supracitados é típico do submundo do crime". As afirmativas do ex-procurador-geral da República Antônio Fernando e do atual procurador-geral da República, Roberto Gurgel, nos fizeram lembrar de Maximin Isnard, parlamentar francês que teve a coragem de gritar para que toda a França ouvisse: "Nós nos encontramos entre o dever e a traição, entre a coragem e a covardia, entre a estima e o desprezo. Nós reconhecemos que eles são culpados, se não os punirmos, é porque... É a longa impunidade dos grandes criminosos que transforma o povo em carrasco... Eu lhes digo que é preciso vigiar. As nações que dormem, ainda que por um instante, acordam acorrentadas... Se queremos ser livres, é necessário que só a lei governe".

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

A FALA DO MINISTRO MELLO

O ministro do STF Celso de Mello, referindo-se ao julgamento de 36 acusados que estão sendo julgados pelo tribunal como envolvidos no famigerado processo mensalão, conforme noticiou o Estadão ontem (8/12), disse: "a prova para a condenação tem que ter o direito ao contraditório". Disse mais: "é diferente em CPI" (ao considerar que prova de CPI não vale). Este princípio ao contraditório não existe e nunca existiu - os investigados são convocados a só prestarem informações. Tanto isso é verdade que o próprio STF dá ao convocado em CPI o direito de ficar calado, como normalmente tem acontecido. É uma preliminar que, ab initio, anula todo processo do mensalão e que foi ignorada até agora, tanto pelo relator do processo, pelo procurador-geral da República, como também por todos os defensores dos réus que falaram até agora. Pergunto: o ministro Celso de Mello não irá, com sua jurídica interpretação, causar uma revolução judicial, anulando todo o processado realizado até agora, se seu voto seguir essa orientação? Diz o brocardo jurídico: actus ab initio nullus non potest validari (o ato nulo em seu inicio não pode ser validado).

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

*

AÇÃO PENAL 470

Usar dinheiro público de caixa 2 para corromper e comprar o apoio de parlamentares é apenas um crime mequetrefe?!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

MINISTROS DO SUPREMO DORMEM

A propósito das eloquentes fotografias da primeira página da edição de terça-feira de O Estado de S. Paulo, surgiu-me a seguinte dúvida: neste nosso Brasil, qualquer trabalhador, caso venha a ser flagrado dormindo no horário do serviço, pode ser demitido por justa causa. E os meritíssimos juízes do Supremo Tribunal Federal?

Marcos Rodrigues Maximino mrmax@marcosmaximino.psc.br

São Paulo

*

O SONO DE JOAQUIM BARBOSA

Defesa de mensaleiros é conversa mole para boi dormir.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

COMO É QUE PODE, ZÉ?

O Fundo Monetário Internacional (FMI) e os bancos estão exultantes com a esquerda brasileira? Como é que pode? Onde está o PT? Por que o povo não está no poder? O Lula manda? (...) Que lembrança! "É Jango é Jango, nós vamos jangar!" (Miguel Gustavo). Dançamos... Dividir pra dominar! Desde as forças terríveis... Novamente? Não e não! Lula representou a esperança... Como a esquerda e a direita! Como Prestes, o Cavaleiro da Esperança! Como Lacerda ("Ainda resta uma esperança!")... Porém, Lula parece que usou a esperança! Seus marqueteiros, como os de FHC, usaram a esperança como ópio do povo... (...) O PT contra o PT! A esquerda contra a esquerda... "A esquerda brasileira só se une na cadeia!" (Darcy Ribeiro). Como pode? Fritaram o Plínio Arruda Sampaio, Helio Bicudo, Marina Silva, Gabeira, Vladimir, Heloisa Helena, Chico Alencar, etc. (...) Depois fritaram a oposição e se juntaram com os oportunistas... Base aliada! Sarney, Maluf... (...) Onde estão os "companheiros"?! Os sobreviventes de esquerda, da luta armada, deveriam estar perguntando. Quem foi quem? Quantos Cabos Anselmos existiram?! Quantos se "venderam"? Quem são os aliados? Quem são os maiores inimigos? São os adversários ideológicos ou os amantes da grana?! Está todo mundo atônito... Quem é quem? Cadê a coerência dos líderes?! Trocaram O Capital pelo capital?! O Zé Dirceu, por exemplo, sempre disse que era amante de Cuba, e agora namora na mansão da Rua Cuba! (...) Ah, traíras! Sim! Há traíras! Ex: como foi que se soube de tudo o que se passou na dissidência do grupo de Marighela com o PCB, se só haviam comunistas presentes?! Pobres buchas de canhão... E o Brasil? Dominado! Sempre dominado, porque dividido!

Luiz Fernando D'Ávila lfd_avila@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

O SILÊNCIO DA CONSTITUIÇÃO

Nossa Constituição, assim como nosso direito, ajudam a fundamentar verdadeiros atentados à democracia. Outro dia no STF, todos os advogados que defendem mensaleiros estrelados, num clássico exemplo de conluio advocatício, produziram peças rigorosamente semelhantes, durante horas, foram atentamente ouvidos , sem que nenhum ministro contestasse essa "coincidência". Anteontem, no julgamento do contraventor Carlinhos Cachoeira, sua amante, que mesmo sendo avisada pelo presidente da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI), senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), que ela comparecia na condição de investigada, em razão da abertura de inquéritos contra ela pelo Ministério Público Federal, por suspeitas de lavagem de dinheiro e corrupção ativa, mesmo assim ela cinicamente afirmou que iria exercer seu direito constitucional de permanecer calada, e assim permaneceu. Ela foi simplesmente dispensada, deveria ter sido presa. Imaginem se um batedor de carteiras disser a um delegado de Distrito Policial que vai exercer o direito de ficar calado, vai levar borrachadas até dizer o que nem fez.

João Henrique Rieder rieder@uol.com.br

São Paulo

*

MELHOR FIGURINO

A CPI do Cachoeira vai fazer água, pois praticamente nasceu morta. Não há o menor interesse dos integrantes dessa comissão em aprofundar investigações sobre os passos da Delta, a maior contratada das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC)? Os R$ 300 milhões a empresas fantasmas ter crescido a partir da atuação no governo do Rio de Janeiro, também não interessou a nenhum deputado ou senador? O mesmo destino teve a mulher de Cachoeira que foi poupada pela comissão e nada precisou explicar. Aplausos à senadora Kátia Abreu que chamou às falas a madame e essa se calou. Pensando bem, sem querer ser machista, a senadora deveria vestir calças e seus pares saia, ficaria melhor o figurino.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

BOCA NO TROMBONE

A "musa" da CPI do Cachoeira, Andressa Mendonça, entrou muda, viu, ouviu e saiu calada. Presumo que, ao contrário dela, a sociedade brasileira não deverá se calar nunca!

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

O ENGANO DA GASOLINA

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse nesta quarta-feira que há possibilidade de aumento no preço da gasolina neste ano, mas que a decisão ainda não está tomada. "Existe a possibilidade, não existe a decisão", disse o ministro a jornalistas, ao acrescentar que há necessidade, por parte da Petrobrás, de que haja aumento. No último mês de junho, foi anunciado um reajuste de 7,8 %preços da gasolina e de 3,94% no do diesel. Em seguida, o governo zerou tributos sobre os combustíveis, para evitar que o aumento chegasse às distribuidoras e aos consumidores. O possível aumento a ser realizado ainda não está definido e está sendo discutido pelo Ministério da Fazenda e pelo Ministério de Minas e Energia, segundo Lobão, para que primeiro se chegue a um número antes de se tomar a decisão. Claro que esse ético e nobre governo vai autorizar o aumento após as eleições, para nós, otários pagadores de impostos, sermos lesados? E o Manteiga ainda diz que nao ia ter aumento... Engana-me que eu detesto.

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

IMPORTANDO COMBUSTÍVEL

Lulla comemorou a nossa autossuficiencia em petróleo, alardeou como grande feito de seu governo, como nunca antes na história deste país e agora a Agência Nacional de Petróleo (ANP) vem nos dizer que as importações de gasolina tiveram um acréscimo de 315%, de janeiro a maio deste ano, acarretando um dispêndio de cerca de US$ 1.4 bilhão (5/8, A3)? Com relação ao etanol, o País já teve de importar 1.45 bilhão de litros, produzidos a partir do milho, para atender ao mercado. E a nossa cana, aonde foi parar? Nosso líder máximo, como nunca antes se viu personagem tão sábio, em tempo algum, mentiu na ocasião em que falou sobre o assunto ou errou feio.

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

PETROBRÁS NO BREJO

Dia 30 de julho o Estadão publicou matéria sob o título de Sem etanol e com o consumo em alta, importação de gasolina cresce 315%, através do qual podemos conhecer como um governo, que age prioritariamente sob a ótica política, vem conseguindo levar a Petrobrás e setor de combustíveis para o brejo. Relembrava aquela publicação que, ao manter o preço da gasolina a um preço inalterado no país, enquanto importa cada vez mais o produto do exterior, coube à Petrobrás amargar com os prejuízos vultosos da diferença. Essa é a política do governo, que por tabela, já que desgraça pouca é bobagem, tornou o etanol não competitivo. Tivemos como resultado o fechamento de usinas produtoras de álcool e, em consequência dessa verdadeira estupidez, o país que lançou o Fiat 147 em 1979 com motor a etanol, tornou-se, atualmente importador de 1,45 bilhões de litros do produto. Cabe recordar que naquele ano o então prefeito Reynaldo Emygdio de Barros determinou a aquisição de uma frota daqueles veículos, incorporando-os à grande frota de veículos da Prefeitura do Município de São Paulo, na época composta de cerca de 5 mil veículos e máquinas com motores de combustão interna, exatamente para incrementar e desenvolver a nova tecnologia automobilística do País. Embora os primeiros anos fossem difíceis, daquela data até os dias atuais a tecnologia brasileira chegou aos veículos com motores flex. E é inadmissível que depois de 33 anos o governo federal consegue praticamente enterrar o uso do etanol, que vem sendo praticamente utilizado para ser adicionado à gasolina, já que como combustível puro tornou-se antieconômico. As refinarias que a Petrobrás haviam projetado e algumas já em construção tiveram seus organogramas alteados por falta de capital da empresa. E agora a Petrobrás anunciou um prejuízo de monta no trimestre, no valor de R$ 1,3 bilhão, fato que não ocorria há 11 anos. Cumpre finalmente rememorar que tal política foi implantada ainda no governo Lula, enquanto o ex-presidente saía pelo mundo tentando fornecer o etanol brasileiro para os países do planeta. Hoje poderia dizer o que declarou o então governador de São Paulo, Orestes Quércia, que em eleição da época disse ter falido o Banespa, mas eleito o seu sucessor, ou seja, afundei a Petrobrás, mas elegi Dilma.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

41 POÇOS SECOS E 38 RÉUS

A herança maldita de Lula, começou quando o ex-"operário" subiu a rampa do Palácio do Planalto, ai só aconteceu os desmandos, pilhagem do dinheiro público, incompetência, tentativas de calar a imprensa, etc. Enfim, a Constituição foi picada em pedacinhos, para que a corrupção endêmica fosse legalizada, resultando nas duas maiores "obras" do governo Lula: o mensalão e a quase falência da Petrobrás, que foi usada para tudo, menos para refinar e prospecção de petróleo - aliás não poderia mesmo, o pré-sal é a maior mentira que Lula pregou aos brasileiros.

José Francisco Peres França josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

*

PETROBRÁS

Pela "cara" da presidente da empresa, percebe-se que a situação na estatal está mesmo "muito feia"!

Haroldo Rocha haroldoerocha@ig.com.br

São Paulo

*

A ESPERA DOS ACIONISTAS

Nós, acionistas da Petrobrás, estamos estarrecidos com os resultados negativos da companhia. Como imaginar uma empresa com o conselho de administração do peso que tem, dentre os membros o próprio ministro da Fazenda, detentora de um monopólio, com todas as etapas do processo produtivo sob seu domínio, que estabelece seus preços na bomba de combustíveis conforme o somatório de suas necessidades de custo e despesas, apresentar um prejuízo, e dessa magnitude? Não bastaram os efeitos da mega oferta de ações e agora os resultados decrescentes apresentados nos primeiros trimestres de 2011 comparados a 2012, e o fatal prejuízo do 2T2012, para dilapidar o patrimônio dos investidores no curto e no médio prazos, assim como impedem ou pelo menos retardam os programas de investimentos da companhia, que em condições normais são assegurados também pela geração de caixa. Não refresca em nada, para os acionistas, achar culpados pelos catastróficos resultados, Sérgio Gabrielli ou Graça Foster. O que importa é a reversão do quadro atual de imediato e sem delongas, aumento da produção e garantir lucratividade. Essa senhora, em cinco meses de comando, parece um elefante em cristaleira. Sua capacidade de fazer declarações inconvenientes é fantástica, provocando a oscilação dos preços dos papéis. Uma hora procura culpar seu antecessor, em outra, informa a redução da produção da companhia, visando a trabalhar na zona de conforto, sempre mostrando sua incapacidade de gerir a companhia. Ficar calada e trabalhar é o melhor remédio. Bom seria se o controle da companhia deixasse as mãos públicas e passasse às mãos privadas, com certeza seria toda reestruturada, encerrando os excessos de empregados e suas mordomias, reduzindo as despesas desnecessárias e custos, estabelecidas metas de produção e rentabilidade, tornando-se mais eficiente. Esse dia pode chegar.

Wilson Paes Junior wilson.2011.2@globo.com

Limeira

*

ANATEL TAMBÉM DEVE SER INVESTIGADA

Fica evidente que o caso das empresas prestadoras de serviço de telefonia móvel vêm sistematicamente aproveitando da boa vontade do consumidor. Não acontecem apenas quedas temporárias de sinal, falta de antenas de transmissão etc. Existem outros meios pelo qual se aproveitam para ganhar um extra. Meu celular vive me avisando existir mensagem na caixa postal e quando acesso, não existe mensagem nenhuma, mas na fatura recebo cobrança por acesso a mesma. Isso é ou não enganar o consumidor? Acho que as operadoras até hoje deitaram e rolaram em cima dos consumidores porque não houve por parte da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) nenhuma vontade de fiscalizar, mas aposto que se fizermos um levantamento no número de funcionários dependurados nessa agência reguladora, vamos nos surpreender. Cabide de emprego em órgãos federais é o que não faltou nos dez anos de governo petista. A Anatel também deveria ser investigada na CPI que será aberta no Congresso.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

COTAS NAS UNIVERSIDADES

O mesmo Senado onde a maioria dos seus parlamentares é refém das facilidades que o Palácio do Planalto lhes oferece há dez anos agora aprova um projeto estúpido que reserva 50% das vagas nas universidades públicas para estudantes das escolas públicas. Um absurdo! Os elevados recursos dos contribuintes que sustentam essas universidades devem privilegiar o estudante mais competente, independentemente da sua raça ou cor, ou ainda situação social e econômica. Porque, pela excelência dessas universidades, que têm os melhores docentes, é que a sociedade espera que saiam formados os futuros cientistas e profissionais para atender com competência nossas urgentes prioridades de que tanto necessita o mercado de trabalho! A instituição de cotas é um retrocesso, e não o caminho concreto que permita que o nosso país seja desenvolvido num futuro próximo. Esses lotados no Planalto e no Congresso deveriam saber que somente se estimula a competição pelo mérito, e não por cotas... A única cota que esses pseudoeleitos pelo povo conhecem de cor e salteado é a cota árdua que o povo carrega nas costas para sustentar mais de 60 mil dirigentes do Executivo e Legislativo pelos 5.565 municípios do País, e em troca nos remetem o pior dos serviços públicos! Um verdadeiro caos! Se esses parlamentares fossem sérios e preocupados com o futuro dos nossos milhares de estudantes, deveriam urgentemente melhorar a pré-escola, o fundamental e o ensino médio. O resto é demagogia ou picaretagem pura.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

OUTRAS MINORIAS

Parabéns aos senadores pelo projeto que aprova cotas raciais nas universidades, resgatando injustiças históricas. Entretanto, as cotas deveriam contemplar outras minorias, também injustiçadas. Índios, cafusos, ciganos, judeus, como ficam?

Arsonval Mazzucco Muniz arsonval.muniz@superig.com.br

São Paulo

*

VESTIBULAR DISCRIMINATIVO

Bons tempos aqueles em que para entrar numa faculdade o candidato precisava, por seus méritos, demonstrar domínio dos conhecimentos suficientes para mostrar sua capacidade em frequentá-la. Não se descriminavam classes sociais, cor de pele ou antecedentes escolares. Mérito era mérito sem politiquice barata. Hoje se instala no Brasil o "vestibular discriminativo" onde aqueles que também pagam impostos e portanto são iguais perante a lei são considerados cidadãos sem direitos.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

INCOERÊNCIAS ABSURDAS

Será que com o Senado aprovando cota de 50% em universidades federais para quem cursou o ensino médio integralmente em escolas públicas, sendo que desse porcentual metade será destinada a alunos cuja "renda seja até 1,5 salário mínimo", ou por "critério racial conforme porcentual de negros e pardos". Ou seja, a partir de agora considerar-se-á "raça, cor e condição social" para ter direito a frequentá-las, então isso não podemos interpretar como fomentar o "racismo"? Em vez disso, por que não investiram na educação essas somas vultuosas de dinheiro que foram destinadas para trazer dois eventos ao País, a Copa e a Olimpíada? Só corrupção e interesses!

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

A DEMAGOGIA DE PAULO PAIM

Nunca pensei que um senador, no fundo usando do cargo para esmolar votos para o seu partido, chegasse ao ponto de declarar que o branco descansa o dia todo enquanto o preto (sic) e o pobre trabalham de dia para pagar universidade e estudar à noite (Estado, 8/8, primeira página). Alguém precisa avisar esse senhor de que os únicos brancos que descansam o dia todo são aqueles que sustentamos com os impostos escorchantes que pagamos. Alguns até nem precisam comparecer à repartição para receber no fim do mês. Os demais brancos trabalham muito e estudam muito para chegar aonde chegaram, pois aqui fora não é como na ilha da fantasia em ele vive, onde as nomeações são políticas, e não por mérito e capacidade. E que aqui fora ninguém se aposenta com salário integral. Nem aqui, nem no resto do mundo. Mas já que o tema são cotas, por que esse senhor não deixa a demagogia de lado e propõe cotas de 50% para negros e pobres no Senado e na Câmara? Dê o exemplo, sr. Paim!

Hermínio Silva Júnior hsilvajr@terra.com.br

São Paulo

*

A GRANDE INCOMPETÊNCIA BRASILEIRA

A maior prova da incompetência de governos brasileiros está sendo oferecida pelo Senado, ao aprovar cotas em universidades para alunos de escolas publicas. Não que não seja justo dado que são jovens com menos recursos e mal formados. Mas demonstra como o país paga o erro fundamental de não melhorar significativamente a escola básica, para que alunos possam avançar por seus próprios meios, alcançando as universidades por competência, o que é privilégio de apenas 14% dos jovens. Essa medida aumentará significativamente as reclamações de universidades que tem que ensinar analfabetos funcionais, o que é inacreditável e inaceitável. Não há a percepção no governo de que um esforço para a melhoria do ensino básico tornaria o povo mais culto, com melhor saúde, melhor profissionalmente e com maior renda, com maior liberdade de escolhas sem depender de "bolsas". O Brasil nunca será uma grande Nação, como pretende nossa presidente, enquanto não melhorar a cultura do povo.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

RETROCESSO

É um retrocesso o Senado Federal ter aprovado a obrigatoriedade do diploma para jornalistas. Trata-se de uma decisão que defende meramente os interesses corporativistas e a reserva de mercado, em detrimento da sociedade como um todo. Isso sem falar na baixa qualidade dos cursos de jornalismo e na democratização da informação com a internet e as novas mídias. No passado, não existiam faculdades de jornalismo e os grandes jornalistas contavam com sólida formação humanista e cultural e aprendiam o ofício na prática. Mestres do jornalismo brasileiro como Nelson Rodrigues, Narciso Kalili, Roberto Freire, Ivo Patarra, Armando Nogueira e tantos outros jamais pisaram os pés em uma sala de aula de jornalismo. O bom jornalismo exige competência, ética e boa formação cultural e não diploma.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

OLIMPÍADA DE LONDRES

O Brasil conquistou a primeira medalha de ouro na vela em Jogos Olímpicos na categoria 470. Agora, sem ouro na vela, a conclusão da novela 470 é aguardada ansiosamente (a Ação Penal 470, o mensalão).

Alexandru Solomon alex101243@gmail.com

São Paulo

*

O SONHO DE MAURREN MAGGI

O maior motivador do homem é a "guerra", mas a guerra tem de valer alguma coisa para a nação que compete. A frustração dos atletas nessa Olimpíada é a mesma do povo brasileiro, que se sente na guerra errada, lutando por uma pátria dominada pela corrupção, pela bandalheira, pela incompetência, pela impunidade, etc. Vamos esperar que na próxima Olimpíada por aqui, tenhamos de fato uma Nação a defender, e não um bando de quadrilheiros.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

BRASIL, VITÓRIAS SEM BRILHO

A seleção do Mano Meneses vai a final sem mostrar a qualidade esperada de uma equipe composta toda ela de "cobras criadas" e jogando contra o vento como se diz aqui no interior. Nesses cinco jogos iniciais contra equipes com jeitão de amadora, em dois jogos o Brasil teve a ajuda de arbitragens ruins como foi contra Honduras, quando o juiz marcou um pênalti inexistente a favor e mais duas expulsões de hondurenhos com uma dessas errada, porque foi efeito de malandragem do Neymar e mesmo assim o placar foi um apertado 3 x 2. O jogo contra a Coréia, com vitória de 3 x 0, parecerá no futuro ter sido um jogo fácil para quem não o assistiu, mas três lances irregulares foram decisivos para esse placar: nos primeiros momentos da partida e dentro da pequena área, o Juan com um chute quase arrancou a cabeça de um coreano, que o juiz deixou passar em branco e teria que marcar jogo perigoso ou mesmo pênalti. Depois veio a segunda irregularidade, com Sandro ao fazer falta não marcada no desarme de um coreano e a seqüência do lance originou o primeiro gol. Na volta do segundo tempo, o mesmo Sandro fez um pênalti escandaloso também não marcado e minutos depois saiu o segundo gol que acabou com o animo coreano. Essa atuação do juiz tcheco favoreceu o Brasil pode-se afirmar sem erro que não apitou lances decisivos por covardia ou mediocridade pura e simples, mas fica duvida se contra a Coreia ele apitaria. O Brasil já garante uma prata, mas manchada pela falta de brilho e ajuda desnecessária de juízes. Contra o México creio que dá para ganhar, porque é um time não acostumado a jogar na retranca, mas...

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo

*

SISTEMA PRISIONAL, CAPACITAÇÃO E OPORTUNIDADES

O acusado tem dez passagens pela Fundação Casa, não voltou à prisão depois da "saidinha" ou tem várias condenações, mas está em liberdade. Isso virou informação banal no noticiário sobre sequestros-relâmpago e outros crimes. É prova de que o sistema falhou e o Estado pode até ser considerado co-autor do crime, pois colocou na rua seu autor, que deveria estar preso. O Estado e a Sociedade têm o dever de instituir um sistema eficiente de encaminhamento e recuperação dos seus cidadãos que se desviaram para o crime e a delinqüência. É sua obrigação cobrá-los dos agravos cometidos e, ao mesmo tempo, conduzi-los para a recuperação através de estudo e profissionalização, amparo psicológico e inclusão no mercado de trabalho. Pouco ou nada adiantará manter as forças policiais prendendo cada dia mais, se os presos não são devidamente encaminhados. Os estudiosos que tanto têm lutado pela chamada "humanização da pena", deveriam se mobilizar para conseguir a eficiência estatal. Em vez de atuar no varejo pela libertação e impunidade dos cometedores de crimes, o grande caminho é pressionar os governos para tirar do papel e colocar em prática os muitos conceitos e métodos de recuperação já existentes, e fazer com que os estabelecimentos penais sejam, efetivamente, casas recuperadores e ressocializadores. Os altos níveis de criminalidade preocupam e exigem a mais rápida e eficiente solução. O problema não se resolverá só com repressão policial e nem com o sonho libertário. É preciso muito mais do que prender. O sistema precisa ser eficiente para oferecer ao apenado as reais alternativas de capacitação e oportunidade de volta à sociedade sem ter de novamente cair no mundo do crime. A geração que conseguir isso, terá seu nome marcado com destaque nas páginas da história...

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

VISÃO ESTRATÉGICA

Parece que o ministro Celso Amorim começou a padecer do mesmo mal que atormenta seu ídolo bolivariano, o ditador Hugo Chávez. Em uma conferencia em São Paulo sobre Defesa o ministro da defesa que defende o socialismo do século 21, reconheceu que o Brasil precisa aumentar os gastos em defesa, afirmando: não se deve desconsiderar, as ameaças extrarregionais "pág. A9". Pergunto-me, que ameaças seriam essas? As mesmas que povoam os pesadelos de Chávez, ou seja o império? É incrível a capacidade que o ministro tem de enxergar ameaças remotas, ignorando a ameaça real que nosso vizinho que se diz descendente de Bolivar, representa com seu arsenal russos e sua disposição em iniciar uma guerra em nome do paraíso bolivariano. É sempre assim, quando um inimigo imaginário se torna comum, a verdadeira ameaça é sempre vista como aliada.

Peter Cazale Pcazale@uol.com.Br

São Paulo

*

ELOGIO A UM HOSPITAL PÚBLICO

Na contramão de toda crítica que se lê normalmente, hoje minha intenção é elogiar o Hospital Municipal Vereador José Storopolli (conhecido por Vermelhinho do Parque Novo Mundo), pelo ótimo atendimento prestado a meu padrasto, quando de sua internação para tratamento de um enfarto, de 8 de maio a 6 de julho, quando teve alta. Ele recebeu toda atenção possível por parte dos médicos e enfermeiras, especialmente do Dr. Armenio Benon Terzian e da enfermeira Mara. O tratamento dispensado a ele foi muito humano e fez com que nos sentíssemos gratos por tudo.Quando usualmente lemos somente ataques ao sistema de saúde, é muito agradável encontrar um sistema municipal (onde não se gastou sequer um real) que valorize tanto o ser humano. Deixo aqui registrado nosso agradecimento a toda equipe do hospital.

Elizabeth Fonseca Balido bethbalido@uol.com.br

São Paulo

*

JORGE AMADO, 100 ANOS

Para mim, Jorge Amado é não mais que um autor folhetinesco. Se foi traduzido pra 49 idiomas, isso só se deve, única e exclusivamente, por obra e arte dos interesses da antiga URSS em divulgar sua ideologia. Autor medíocre, já seria um elogio condescendente demais.

Conrado de Paulo conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.