Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

12 Agosto 2012 | 03h08

Há esperança?

Ainda que alguns dos réus do mensalão sejam punidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF), achamos que isso não vai resolver em nada o problema da corrupção no Brasil. Primeiro, é improvável que alguém vá para a cadeia e, depois, porque o vício está tão arraigado nos Poderes públicos, seja no Executivo, no Legislativo ou no Judiciário, que para onde se olha se enxerga logo deslavado desvio de dinheiro público. Ele se apresenta multiforme: na distribuição de pastas, nos cargos comissionados, nas verbas para projetos de deputados, governadores e prefeitos, no inchaço de salários, etc. E ao lado da impunidade com que contam os malfeitores há uma Justiça que usa dois pesos e duas medidas. Basta ver o caso Collor, que por muito menos foi apeado do poder, e agora, nesse mensalão, o sr. Lula da Silva está ileso, quando, de fato, ele foi o maior beneficiário do esquema. Certamente porque Collor não contava com o apoio popular que Lula desfruta. Por isso não vemos mobilização popular, muito menos indignação, como no episódio Collor. Além disso, advogados medalhões que atuaram contra Collor agora defendem a "quadrilha" do PT. Como não conseguiu ainda impor controle à imprensa, em caso de absolvição não tenham dúvida de que o PT vai tentar com mais força, apoiado no eventual triunfo no STF. Mas para se ter alguma esperança de que tudo isso possa um dia mudar é preciso começar pela aplicação da Lei da Ficha Limpa e fazer urgentemente uma reforma política para acabar com essa proliferação de partidos que só servem para o vergonhoso jogo de barganhas e chantagens, que o governante de plantão, por mais bem-intencionado que seja, tem de enfrentar para formar a chamada base de apoio. Na verdade, uma "base alugada", sem a qual, temos de admitir, não se consegue governar.

RUBENS MUNIZ FERRAZ

rferraz4@uol.com.br

São Paulo

Máquina de poder

Na prática, o que está em julgamento no STF não são somente os personagens envolvidos no mensalão, e sim a máquina corrupta de poder instalada por Lula e pelo PT.

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI

fransidoti@gmail.com

São Paulo

Missão histórica

Em vez de a CPI do Cachoeira encobrir o julgamento do mensalão - desculpem, petralhas, continuarei chamando-o assim -, como sonhou Lulla, é o julgamento do mensalão, em parceria com a Olimpíada, que está sepultando a CPI do Cachoeira. Em tempo: se não houve mensalão, como diz Lulla, o maior beneficiário do esquema, como explicar os carros fortes transportando elevadas quantias para cima e para baixo e as retiradas de dinheiro vivo na boca do caixa por parlamentares e seus assessores às vésperas de votações importantes para o governo no Congresso? Mesmo que não haja condenações - o que não acredito -, o julgamento já está cumprindo sua missão histórica: consolidar definitivamente na mente coletiva nacional a repulsa às práticas políticas do PT, marcadas principalmente pelo total desprezo à ética - sua falsa bandeira do passado - e à democracia.

JORGE MANUEL DE OLIVEIRA

jmoliv11@hotmail.com

Guarulhos

O povo no banco dos réus

O ex-presidente Lula diz que o mensalão não existiu, foi invenção da mídia. No STF, advogados defendem freneticamente os seus clientes, alguns beirando o histerismo. Ninguém ousa falar de José Dirceu. Pelo andar da carruagem, ninguém será condenado, por isso deveriam prender o povo brasileiro, que financiou todo esse escândalo, sumiu com bilhões de recursos públicos que poderiam ter sido usados na educação e na saúde. Mas, dada a irresponsabilidade desse mesmo povo, foram parar em bolsos, caixas, malas e cuecas de gente muito séria, de ilibada reputação e honestidade. Uma comédia pastelão, que o mundo todo, incrédulo, está acompanhando. Só falta os réus moverem ação contra os ministros do Supremo.

JOÃO HENRIQUE RIEDER

rieder@uol.com.br

São Paulo

Instância errada

A tomar como verdade tudo o que o pelotão de advogados contratados para defender os mensaleiros afirma, a Nação, cabisbaixa, deve um pedido de desculpas aos 38 réus injustiçados, exigindo a condenação imediata do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, por injúria, difamação e calúnia, e a mudança de foro onde estão sendo julgados para o tribunal eclesiástico onde são julgados os que estão à espera de canonização.

PETER CAZALE

pcazale@uol.com.br

São Paulo

Lamentável engano

Ninguém se espante se após o término do julgamento pelo STF do malfadado mensalão descobrirmos, aparvoados e, alguns, indignados, que tudo foi um lamentável engano urdido pela direita contra cidadãos probos e honestos. Quem viver verá... (Espero, sinceramente, estar enganada.)

EUNICE MARIA BASTOS

eunicemariabastos@gmail.com

Mogi das Cruzes

Cochilos da História

Brilhante, como sempre, Nelson Motta em Nina e Carminha em Brasília (10/8, A8), sobre a sorte que tivemos em nos livrarmos de José Dirceu. A História está cheia de exemplos de como um simples cochilo leva os povos a permanecerem adormecidos, por longos anos, sob regimes ditatoriais, populistas e desagregadores de costumes, leis e direitos individuais. E o pior: aproveitando o sagrado direito do voto democrático para depois usurparem tudo o que levou anos e anos para conquistar. Lembrem-se de Hitler, Mussolini, Chávez, Morales... No Brasil, tivemos a sorte da denúncia de Roberto Jefferson, mas não escapamos, em 2003, da eleição de outro populista, cujo legado tantos transtornos ainda nos traz. Nesse caso, bastou um cochilo da oposição - e vejam o que nos reservou até o momento. Que o nosso país possa livrar-se dessa desconstrução democrática, em breve!

JOÃO M. VENTURA

joaomv@terra.com.br

São Paulo

Os reais pingos nos is

Nelson Motta foi, de fato, brilhante. Resumiu em poucas linhas o vergonhoso escândalo do mensalão, que tem mais de 50 mil páginas de denúncias. E ainda pôs José Dirceu e Roberto Jefferson nos seus devidos lugares.

JOSÉ MARQUES

seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

Serviço prestado

Também réu, não se pode negar, porém o ex-deputado Roberto Jefferson, denunciante do mensalão, prestou inestimável serviço ao Brasil.

JOB MILTON FIGUEIREDO PEREIRA

cadeca@oi.com.br

Carmo do Rio Claro (MG)

 

CAIXA DOIS

Formação de caixa dois não é mais crime, pelo que depreendemos das defesas dos réus do mensalão. Isso quer dizer que empresas e pessoas físicas podem fazer o seu, sem temer a Receita Federal. Se vale para eles, vale para todos! Liberou geral!

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

A JURISPRUDÊNCIA DA BANDIDAGEM

Pela forma como os senhores advogados de defesa na Ação Penal n.º 470, do mensalão, estão, em sua maioria, destituindo do devido valor as evidências do “caixa dois”, perguntamos: estaria criada uma jurisprudência para a bandidagem lavar dinheiro “desviado” a seu bel prazer? Estaríamos transformando, principalmente, espertos políticos e seus partidos que utilizaram deste expediente em angelicais contravenientes? É o que estamos a assistir no julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) pelos doutos paladinos do Direito, os senhores advogados de defesa. Se assim for, todos os cidadãos terão os mesmos direitos? Resta-nos a atenção redobrada dos senhores Ministros em esclarecer essa manobra perspicaz dos ditos “doutores” da lei.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

BASTA

Pode estar liberado pelo Supremo Tribunal Federal o uso de caixa dois, por precedência jurídica e pelo princípio de que todos somos iguais pela Constituição. Srs. fiscais, cuidado, agora, para não serem acusados de discriminação com pena de prisão por impedir cidadãos deste país do uso de caixa dois e ser tratados diferentemente dos cidadãos membros do PT, inclusive nosso ex-presidente. E agora? Srs. empresários, passem isso adiante, temos de dar um basta no que está acontecendo em nosso país. P.S.: Os funcionários públicos em greve já ganham salários e benefícios muito melhores do que os do setor privado. A conta é nossa!

Nelson Piffer Jr. pifferjr86@gmail.com

São Paulo

*

CRIME

Para mim caixa dois sempre foi crime, mas depois de ver os argumentos dos advogados dos ratos do mensalão afirmarem com todas as letras que caixa dois não é crime, espero que o Supremo confirme que não é crime, mesmo e libere geral, para que todos pratiquem e diminua um pouco a velocidade altíssima do impostômetro, já que caixa dois não pode ser declarado e nem contabilizado pela Receita Federal.

Jose Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

JULGAMENTO ENROLADO

O julgamento do mensalão no STF está se tornando um festival de advogados tentando "enrolar" na defesa de seus clientes. Os argumentos sempre tocam no supérfluo e nunca chegam no essencial: de onde veio o dinheiro tão fartamente distribuído a companheiros da base aliada. No final de tudo, ninguém sabia de nada, os contratos de empréstimos, mesmo sem garantias normais, foram corretamente elaborados, os valores que circularam em cuecas, malas, e retirado dos caixas dos bancos Rural, BMG e outros, foram "sobras de campanhas", alguns eram funcionários "mequetrefes" obedecendo ordens, e ninguém pode ser responsabilizado. Ou seja, insistem em argumentar que o "mensalão" não existiu e todos são inocentes. Parece que o dinheiro mesmo é secundário. Não é! Trata-se de um monstruoso roubo de dinheiro que deveria ser aplicado na saúde, educação, segurança e demais áreas de responsabilidade do governo. O crime em pauta é roubo e deve ser julgado assim!

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

*

REVELIA SALVADORA

Está tomando forma no julgamento do mensalão uma nova jurisprudência, a condenação dos falecidos José Janene e José Augusto Dumont. Sem dúvida a culpa do mensalão será imputada aos dois defuntos mensaleiros, para salvar a reputação de "honesto" do ex-presidente Lula, com o seu monstruoso eleitorado, que não acredita na imprensa. Só com uma condenação na justiça, vão começar a desconfiar que realmente Lula é uma farsa.

José Francisco Peres França josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

*

BEATIFICAÇÃO

Assistindo à defesa dos mensaleiros, a Igreja já está agilizando a visita do santo padre o papa após o julgamento pelo Supremo para a beatificação dos santos. Nunca e em tempo algum, a Igreja beatificou tantos de uma só vez. Está faltando só a comprovação do milagre, que foi transformação de milhões em merrecas para o caixa 2.

Luiz Carlos Tiessi tiessilc@hotmail.com

Jacarezinho (PR)

*

JOSÉ DIRCEU E ALI BABÁ

A defesa de José Dirceu protocolou no Supremo Tribunal Federal um apelo derradeiro contra os argumentos da Procuradoria-Geral da República nos autos do mensalão. Os advogados do ex-ministro-chefe da Casa Civil – réu pelos crimes de formação de quadrilha e corrupção ativa – tentam, nesse texto, refutar ponto a ponto os indícios apontados pela acusação. Eles sustentam que trechos do memorial entregue pela Procuradoria aos ministros da Corte contêm "omissões incompreensíveis". Se não existiu nada e tudo e invisível, para que o nobre Dr. Oliveira um Digenio, advogado do Dr. Roger, o grande canalha que estuprava as pacientes – não podemos esquecer isso nunca – está tão preocupado? Porque, dizia minha avozinha Ana Maria, quem deve teme e quem teme tem medo. É muito dinheiro para ser escondido, mesmo com o uso de cuecas, sacolas, dossiês, flats, etc. Que a justiça tarde, mas seja feita, afinal sete anos já se foram.

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

A ESCOLHA DOS MINISTROS

Os ministros do Supremo Tribunal Federal são bombardeados maciçamente pela opinião da maioria absoluta dos cidadãos brasileiros. Mas poucos pensam ou conhecem o nosso sistema político, errado, para ser nomeado um ministro para compor a corte do STF. Tudo já começa errado na escolha por afinidade política ao presidente da República, quem escolhe. Quando, na realidade deveria existir um rígido concurso para testar seu profundo conhecimento jurídico e confirmação de uma ilibada conduta pessoal. Somente assim um ministro do Supremo poderá ter autonomia e liberdade para decidir corretamente de acordo coma sua consciência e competência, garantindo a honra da corte, a constituição e a defesa da democracia. Como os ministros poderão fazer justiça se já entraram devendo favores aos poderes constituídos?

Benone Augusto de Paiva benone2006@bol.com.br

São Paulo

*

PREVENDO O FUTURO

A greve generalizada dos servidores públicos federais pode parecer uma atitude fora de hora, contra o governo do PT que sempre demonstrou ser um aliado. Por que a greve exatamente agora? Por ser ano de eleições municipais, que teoricamente alicerçam a eleição de 2014, valendo "tudo"? Ou será o clima de desconfiança do funcionalismo público com o julgamento do mensalão podendo definir novos rumos na política nacional com a mudança da coligação PT/PMDB no poder pelo PSDB e seus aliados em 2014? Não seria então agora o momento exato de encostar o governo na parede, conseguir os reajustes salariais e reestruturação do serviço público para não correr o risco de perder o bonde e tentar a cartada com outro partido no poder? Dilma sabia que mais dia, menos dia a bomba da administração anterior iria explodir, e já acenderam o pavio. O mito Lula nasceu e vai morrer no Brasil, sem influência no restante do planeta, muito pelo contrário, foi totalmente moldado pelo comunismo agonizante de Fidel Castro, pela política bolivariana de Hugo Chávez e Evo Morales, e pelo desprezo de Nestor e Cristina Kirchner. Presidente Dilma, peça aos grevistas em seu nome e em nome de Lula para que parem as greves, pois o momento é inadequado. Não se surpreenda com a resposta!

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

ORIGEM DAS GREVES DOS BARNABÉS

A atual onde de greves no serviço público brasileiro, tem origem nos idos da última década do século passado, mas precisamente em 1993, quando ocorreu o chamado Consenso de Washington, que pregou o chamado Estado Mínimo. Para que isso ocorresse, os servidores públicos concursados, teriam de ser paulatinamente substituídos por trabalhadores terceirizados.A fórmula encontrada para tal estratégia, foi a abulia de reajuste salarial desses barnabés, excetuando-se algumas minorias privilegiadas. Tal política agora explode com o desespero da massa de servidores públicos, urgindo que se faça uma reestruturação de vencimentos para todas as categorias, sob pena da máquina pública nacional entrar em crise sistêmica, que inviabilizará todo e qualquer projeto de desenvolvimento nacional.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

A ESCOLA DE LULA

O País está refém dos grevistas. Não poderíamos esperar outra coisa mediante a escola e os ensinamentos de Lula junto dos sindicatos e seu PT, insuflando para tal comportamento e, com isso, conseguir tumultuar vários setores.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

GREVE GERAL

As greves e operações-padrão que trancam estradas, provocam caos nos aeroportos e portos e transformam a vida daqueles que circula pelo nosso país,poderão contribuir para a estagnação da economia brasileira. Sem a experiência de seu antecessor nas negociações sindicais ,a "presidenta" Dilma Rousseff enfrentará dificuldades para lidar com essa situação. Nesse seguimento o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva era bem mais experiente, até por que, durante décadas de sua vida produtiva ele procurava parar nosso país com as greves que, diga-se de passagem, sempre fora a sua especialidade.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

UM PRESIDENTE NÃO PODE CEDER A PRESSÕES

Não da que reclamar do que está acontecendo com o funcionalismo federal! O direito de greve é sagrado numa democracia, desde que respeitado o direito das pessoas de irem e vir. No Brasil não é diferente, como deixa claro a constituição. Dessa forma, até mesmo funcionários públicos podem recorrer a ela. Porém, isso não quer dizer que toda paralisação é justa, como nos casos de atendimento essenciais para que o país não fique paralisado, seja por falta de energia, combustíveis, fiscalização, segurança e atendimento médico. Vejam no caso atual em que o governo federal está totalmente inerte, de mãos atadas com as inúmeras paralisações em todo país, que começaram com a dos professores das universidades federais, há cerca de três meses. Agora são portos, aeroportos e tantos outros seguimentos do funcionalismo que resolveram paralisar grande parte dos serviços públicos essenciais que são prestados a população. Os prejuízos são incalculáveis, e quem vai acabar pagando a conta no final, adivinhou? Policiais federais só emitem passaportes para quem vai viajar nos próximos dias para o exterior. Mercadorias, grande parte delas perecíveis estragam nos portos porque não há fiscais. Policiais rodoviários provocam congestionamentos gigantescos nas estradas com as "Operações Padrão". Não custa lembrar que nos últimos anos o gasto médio por servidor saltou de R$ 2.840 no fim de 2002 para R$ 7.690 até o momento, hoje da um aumento de 170%, num período em que a inflação ficou em 70%, qual outra categoria de trabalhadores da iniciativa privada tiveram tantos ganhos em seus vencimentos? Desconheço algum. Há sim, servidores como professores-doutores das universidades federais e pesquisadores realmente recebendo salários aviltantes (salário inicial de R$ 7.627, máximo de R$ 12.225), o que é um salários muito baixo para as funções que exercem, já o restante do funcionalismo os salários são em sua maioria muito acima de média. Para se ter uma idéia que nem todos tem do que reclamar, um delegado da polícia federal começa ganhando R$ 13.368 e pode chegar a R$ 19.699. Que categoria profissional no Brasil pode contar com salários gordos assim? Para se ter uma idéia do tamanho do rombo dos cofres do governo se os reajustes forem efetivados, a despesa anual da união com o pagamento de pessoal aumentará a folha em R$ 92,2 bilhões, segundo cálculos do Ministério do Planejamento. Do total, R$ 60 bilhões se referem as reivindicações dos servidores civis do executivo. O fato é que a presidente Dilma Rousseff e seus ministros vão precisar de muita habilidade e firmeza para fazer os sindicatos, alguns deles "oportunistas de plantão", entenderem que não se pode fazer milagres em períodos de crises. Por outro lado, o governo não tem dinheiro sobrando no meio desta crise mundial, que rondam nossas fronteiras. Ou seja: prudência e caldo de galinha não faz mal, para ambos os lados. Só pra lembrar, durante os 8 anos do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, quase todas as categorias do funcionalismo federal tiveram ganhos salariais bem acima dos demais trabalhadores.

Turíbio Liberatto Gasparetto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

A PETROBRÁS E SUAS BOMBAS

A crise econômica da Petrobrás, com prejuízos que afetam a credibilidade da empresa em si e, mais ainda os acionistas que acreditaram na seriedade da empresa, que se ufanaram do eldorado negro, estão vendo suas ações se diluírem ante a total incapacidade administrativa que desde a entrada de Lula e sua turma no poder,transformaram a estatal num quintal de sustentação de projetos de sustentação do poder. Dá-se como certo o aumento dos combustíveis nas bombas. Sempre foi assim. Quando uma crise se estabelece nos balanços contábeis, aparece a solução imediata. Bomba no consumidor. Aumento dos combustíveis,que, pior certo irá desafogar as contas jóia da coroa. Como efeito cascata virão os aumentos de preços dos alimentos, num país onde tudo é transportado por rodovia. Inevitável a subida da inflação. Guardadas as devidas proporções, numa economia familiar, quando o superávit é atacado pelo déficit, procura-se cortar despesas supérfluas, no caso da PeTrobrás, o excesso de apaniguados da estrutura partidária, os nababescos salários e uma mais eficiente fiscalização nos contratos da empresa. Há gordura em excesso e que pode ser derretida, só não pode é (mais uma vez) a "bomba estourar no nosso tanque (do carro)".

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

POLITICAGEM

A Petrobras não deveria ser envolvida em politicagem. Na era Lula foram muitas encenações políticas (poços de pré-sal, recordes na extração, pedras fundamentais – que até hoje não funcionam) com a participação da petrolífera só para eleger um poste ou desviar a atenção da mídia para os constantes malfeitos. Agora, para não prejudicar o partidão nas eleições, o reajuste nos combustíveis ao consumidor será postergado para após o pleito eleitoral, enquanto a Petrobras, devido à importação, amarga com pesado prejuízo no fornecimento de gasolina/diesel. A Petrobras, a exemplo da Vale, bem que poderia ser privatizada para ter autonomia, deixar de ser um cabide de empregos e deslanchar.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

PERDAS DA PETROBRÁS

Aparentemente o ex-presidente Lula tem razão em culpar Dilma. O enorme prejuízo da Petrobrás com o plano das 4 refinarias das quais 3 estão paralisados e a quarta atrasada 4 anos, a encomenda de inúmeros petroleiros e desistência dos mesmos e outras más decisões, foram tomadas quando Dilma era presidente do conselho da empresa, portanto, responsável máxima pelas decisões. Assim, as colocações e criticas da Sra. Foster, atual presidente da empresa sobre os erros do anterior Gabrielli, deveriam ser dirigidas a Dilma, responsável e superior hierarquicamente. Portanto, não se pode criticar Gabrielli. Entretanto o “malandro” sabe que quem deu as ordens para Dilma foi ele.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

PETROBRÁS C/L E S/L

Petrobras C/L (com Lula): é autossuficiente em petróleo, ações em alta, fotos em jornais com mãos sujas de petróleo – só enganação e mentiras. Petrobrás S/L (sem Lula): importação de petróleo, ações em baixa, aumentos à vista, prejuízos evidentes – realidade sem enganação e menos mentiras.

Carlos Roberto Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

*

NO VERMELHO

A nossa outrora respeitada mundialmente, Petrobrás, apresentou um prejuízo considerado neste período que passou, desde o início do governo Lula ali foram alocados cerca de 4000 novos funcionários, escolhidos, apadrinhados, sindicalizados, caracterizado por nada saberem mas com salários e diárias de fazer inveja a qualquer executivo possuidor de conhecimentos e riquíssimos currículos, esta mesma empresa que em 1964 não aparecera nenhum interessado em adquiri-la em leilão, esta mesma que, saneada pelos militares, fora moralizada, recebendo 200 milhas marítimas a mais em nosso território (ações do governo desta época) teve abrangido seu espaço para pesquisa e produção de petróleo e pré sal ,para lhe dar autossuficiência , nos tornarmos assim, depois de instalar na Petrobrás uma república sindicalista fez de nossa maior empresa um feudo inexpugnável de maracutaias e negociatas, com casos explícitos de nepotismo e favorecimentos ilícitos na distribuição de verbas para prefeituras, ONGs ligadas ao PT/PMDB, patrocínios estranhos e caros, salários a diretores beirando os 200mil quando na verdade sequer trabalham honestamente, cargos políticos apadrinhados ou a seus indicados, pode demorar mas uma hora faltará recursos necessários a uma empresa que queira possuir solidez no mercado, hoje ainda trabalha com alguma seriedade e eficiência plantada no passado, observa-se hoje extravagância de seus respeitados e sérios (?) diretores, e olhem que a dois anos passados desapareceu 4milhões de uma conta, que foi esquecido, talvez mascarado por contadores que usam os números com propriedade "os números não mentem, mas os mentirosos operam os números" dizem os ingleses, a tão propalada CPI da Petrobrás? Cadê? Não estava na hora de estudar as ações dos Gabriellis e Dutras? Durante o governo Lula todas as vezes que se avizinhava mais uma notícia de escândalos a Petrobrás descobria imediatamente um novo poço,um alvoroço se formava, eram muitas coincidências, até os analfabetos desconfiavam, a preocupação e os holofotes noticiosos mudavam de direção e agora? A Olimpíada está aí, o que Lula plantou estamos colhendo, vergonha apenas, e nas estatais, o que foi plantado e semeado?

Julio Jose de Melo julinho1952@hotmail.com

Sete Lagoas (MG)

*

‘O DESAFIO É A NOSSA ENERGIA’

Se desafio é a energia da Petrobrás, então já acabou a pilha.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

DEFESA REFORÇADA

Conforme matéria do Estadão (10/8), o ministro da Defesa, Celso Amorim, deseja ampliar os gastos com as Forças Armadas para proteção do País contra riscos de agressão de grandes potencias (EUA) e alianças militares (Otan) que é no mínimo extravagante para não dizer outra coisa. Como cidadão, eu acho que o ministro Amorim deveria equipar as Forças Armadas para melhorar a proteção das nossas fronteiras contra o narcotráfico, e também investir no Departamento de Engenharia e Construção do Exército (DEC), que mostrou capacidade e eficiência na reforma da pista principal do aeroporto de Cumbica, entregando a obra à Infraero antes do prazo previsto, e ainda devolvendo R$ 150 milhões economizado na obra. Investir no Departamento de Engenharia do Exército que no momento toca 34 obras em vários Estados, é fundamental para o desenvolvimento do País, e um desafio à crescente promiscuidade entre negócios públicos e privados.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

O PATRIÓTICO MINISTRO

Como chanceler foi só uma simpatia pelo regime bolivariano. Hoje como o ministro da defesa, Celso Amorim, já divide com seu ídolo Hugo Chávez, o temor de que o Brasil poderá atacado por uma grande potencia estrangeira “EUA”. Será que, se promovido amanha a presidente da republica, esse grande patriota petista ordenará a troca do lema de nossa bandeira de “Ordem e Progresso” para “Pátria Socialismo ou morte”?

Peter Cazale pcazale@uol.com.br

São Paulo

*

O VERDADEIRO INIMIGO

O que realmente preocupa não é a fala de boneco de ventríloquo do ministro Celso Amorim, mas o pensamento estratégico da cúpula militar brasileira que o tem no colo.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte santo de Minas (MG)

*

CABELOS EM PÉ

Para justificar a ampliação dos gastos com as Forças Armadas – pretensão legítima, face ao estado calamitoso em que essas se encontram – o ministro da Defesa, Celso Amorim, alegou a existência de ameaças vindas de “grandes potências e alianças militares”, argumento digno de uma UNE de cabelos brancos. Parafraseando Charles Maurice de Talleyrand-Périgord, ao se referir aos Bourbons: “Não aprendeu nada, não esqueceu nada”.

Alexandru Solomon alex101243@gmail.com

São Paulo

*

MAIS DOIS SHOPINGS IRREGULARES

O Ministério Público Estadual (MPE) investiga o recebimento de "propinas" pelos fiscais da sub-prefeitura do Butantã, relativas a obras irregulares nos shoppings Butantã e Raposo, semelhante ao que foi divulgado de outros shoppings (Higienópolis, Paulista, etc.). Pelo visto o ex-diretor de aprovação de obras, Hussain Saab Aref, fez escola e inúmeros pupilos na prefeitura paulistana. Será que conheceremos o nome de todos os funcionários envolvidos e as punições aplicadas? Desde que não demore mais de sete anos o julgamento, como ocorre com o conhecido "mensalão", continuarão recebendo outras tantas "propinas". O poder público está infestado de "bandidos" – ladrões e corruPTos – há anos, só agora perceberam? Precisamos acabar com a impunidade para evitar que se proliferem ainda mais desvios do erário. O povo está cansado de pagar uma carga tributária tão elevada, em razão de tamanha "roubalheira", que precisa ser extirpada de vez e os responsáveis severamente punidos. A palavra "shopping" foi escrita com apenas uma letra "P", levaram uma, era da "propina"!

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

LULA EM CAMPANHA

Finalmente. Acabou o jogo preliminar. Agora, sim. Vai realmente começar a campanha eleitoral em São Paulo: Lula foi liberado pelos médicos para participar da campanha do candidato Fernando Haddad. É indiscutível o carisma de Lula. O homem é danado com um microfone nas mãos. O jogo é para profissionais da política. Quem for podre que se quebre ou saia de campo. Agora é a hora de o eleitor saber quem tem serviços prestados ao Brasil e quem apenas é rei do lero-lero.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

FARSA

Lá vem a mídia inventando que o ex-presidente Lula da Silva está liberado para subir nos palanques. As palavras de seus médicos, que o diagnosticaram com cura total do câncer que o acometeu nove meses atrás (que é o tempo necessário para um parto normal), só pode ser invenção da mídia. É inútil esta comunicação, assim como é igualmente inútil a necessidade de o ex-presidente ter de se submeter às condições climáticas deste inverno seco e calorento que está a afligir a plebe brasileira, mormente aqui, no Nordeste, onde a prática da propaganda política corre solta por alto-falantes instalados sobre veículos de quatro rodas, que estampam rostos e números dos inúmeros candidatos aos cargos de prefeito e vereadores. E é inútil, repito, pois que todos os postulantes são de partidos da “base aliada”; assim, para que fazer propaganda deste ou daquele candidato, se todos já estão cooptados? Talvez aí pelo Sul e Sudeste a coisa seja um pouco diferente, mas convenhamos que mais cedo do que se possa imaginar, não haverá resultado de mensalão que consagre uma eleição, pois parece que a farsa já está também consagrada e cooptada.

Carlos Leonel Imenes climenes@ig.com.br

Jucurutú (RN)

*

GRANDE NEGOCIADOR

Lula está inteiraço e vendendo saúde, conforme ele mesmo afirmou. Que ótimo, né? Então poderia aproveitar toda essa energia, e com sua liderança convidar toda a chefia sindical para uma reunião e colocar em prática o seu dom de "grande negociador" ajudando por um fim nessas greves anárquicas que somente trazem prejuízos para o Brasil. Que tal, "presidente"?

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

OLIMPÍADA 2012-2016

A presidente Dilma Rousseff, durante uma recepção na abertura dos Jogos Olímpicos na capital inglesa, afirmara que: "faremos melhor no Rio de Janeiro". Essa deselegância põe em cheque a competência de quem nos governa, porque subestima um país, cuja fibra é inegável nesses séculos, basta ver as decisões inglesas durante a 2ª Guerra Mundial; então a nossa presidente menospreza a recepção obtida e os trabalhos desse povo? Além de tudo, afirmara que o Brasil é contra uma intervenção militar na Síria. Ora, o povo brasileiro foi ouvido sobre este assunto? Que coisa horrível para os brasileiros!

Alberto Nunes albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

*

SALDO

O resultado pífio da participação brasileira, demonstra claramente uma administração desastrosa (sempre o PT): o dinheiro não foi para o atleta, perdeu-se em roubalheira e o triste resultado esta aí.

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.