Fórum dos Leitores

INSEGURANÇA PÚBLICA

O Estado de S.Paulo

19 Agosto 2012 | 03h09

'Mulher-bomba'

Mais um assalto cinematográfico em São Paulo, em plena luz do dia. É a demonstração clara de que a política de segurança do atual governo paulista chegou ao limite da mediocridade. Espero que a população demonstre sua insatisfação com esse quadro caótico nas próximas eleições. Não podemos ficar impassíveis diante de tamanha agressividade dos marginais em nosso Estado.

FRANCISCO M. BORGES

frankmartins_br@yahoo.com.br

Campinas

INFRAESTRUTURA

Desenvolvimento

Há motivos para acreditar que finalmente está nascendo o novo Brasil, com o velho chegando ao fundo do poço. A nítida ruptura do governo Dilma Rousseff em relação ao modelo lulopetista é o sinal mais forte, com a faxina no início do mandato e, agora, com o plano de desenvolvimento privatizante. Se as eleições provarem o declínio político de Lula, então a imagem do Cristo decolando, que foi matéria de capa da revista britânica The Economist, poderá, de fato, se confirmar.

GILBERTO DIB

gilberto@dib.com.br

São Paulo

Incoerências

O governo federal não perdeu tempo e já criou uma nova estatal, a EPL, apelidada de "faz-tudo", para planejar e comandar as novas privatizações do setor logístico, englobando as áreas de rodovias, ferrovias, hidrovias, portos e aeroportos. Podemos deduzir, então, que o Ministério dos Transportes deverá ser extinto, certo? A propósito, o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, falando em nome do governo Dilma, declarou que este não pretende renovar parte das concessões de rodovias à iniciativa privada realizadas pelo presidente Fernando Henrique Cardoso. Será que essa decisão não oculta a intenção de beneficiar empresas, digamos, amigas, que terão de pagar "pedágio" para participar das novas licitações...?

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

Abominação

A presidente Dilma, na apresentação do Programa de Investimentos em Logística (PIL), fez questão de ressaltar que se trata de uma concessão, não privatização. O PT abomina tanto o setor privado porque já se acostumou a conviver com a ineficiência dos "Juquinhas", como o ex-presidente da Valec, e dos fazedores de fortuna em seus quadros.

EDGARD GOBBI

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

Fim de um pesadelo

PAC 1, PAC 2, projetos de poder de um governo que passa à iniciativa privada a parte executiva. Afinal, não era possível administrar os desvios de verbas e a execução dos projetos...

LUIZ RESS ERDEI

gzero@zipmail.com.br

Osasco

Vive la différence!

Nos tempos sombrios da privatização, o fato de o BNDES financiar consórcios vencedores era "entreguismo", ou coisa pior. Agora, com o PIL - ah, essas siglas - redentor, o BNDES tornará a financiar com juros "amistosos" e dinheiro do Tesouro, num doce conúbio, ou orçamento paralelo. Como se trata de "concessão", vale até elogio.

ALEXANDRU SOLOMON

alex101243@gmail.com

São Paulo

Quem quer bacalhau?

Como diria Abelardo Barbosa, o Chacrinha, no Brasil nada se cria, tudo se copia. Dona Dilma e o PT resolveram tardiamente "conceder" para não privatizar, ou seja, copiaram, apenas alterando o nome para não dar crédito do que é bom e necessário ao Brasil, muito menos reconhecer o mérito de quem teve a coragem de primeiro fazer.

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

Nota da cola

Dez anos lendo a cartilha errada, o governo federal decidiu colar do melhor estudante - Fernando Henrique Cardoso - e chamar o setor privado, para ver se ainda consegue uma nota decente. Chamem de concessão, privatização ou qualquer outro nome, o fiasco das obras de infraestrutura durante a administração petista não pode ser ocultado. Estradas, ferrovias, hidrovias, portos e aeroportos já poderiam estar em estágio adiantado, não fossem a miopia, a incompetência, a falta de humildade e o ciúme doentio das inteligentes realizações da chamada "herança maldita".

FLAVIO MARCUS JULIANO

opegapulhas@terra.com.br

Santos

O PT não é mais aquele

E faz tempo! O que as pessoas medianamente inteligentes já há muito haviam descoberto agora está mais nítido do que nunca. Tudo o que o PT dizia que não fazia ele faz. Eles diziam que não roubavam e não deixavam roubar. Aí caixa 2 virou coisa comum, corriqueira e nada reprovável. Até Lula admitiu isso naquela desastrada entrevista em Paris. E inúmeros prefeitos, governadores e políticos petistas foram apanhados com a boca na botija, muitos foram processados e perderam o mandato. Demonizaram os tucanos por causa das privatizações e agora a presidente vem com esse plano de grandes privatizações, agora batizadas com novo nome: concessões. Os petistas nunca vão admitir que as ideias esquerdistas, que falharam por todo o mundo, não servem para nós e não funcionam, que os ensinamentos dos grandes gurus da esquerda foram catastróficos em muitos países - é só ver os exemplos da Rússia, dos países do Leste Europeu, de Cuba, da Coreia do Norte. A China só é o que é hoje porque se abriu ao capitalismo. A sua política de contenção das liberdades individuais está fadada a cair, mais cedo ou mais tarde. E o partido esquerdista que quando estava sendo formado não admitia pessoas que usassem mocassim em suas reuniões era de vidro e se quebrou. Nunca mais será o mesmo.

MARIA TEREZA MURRAY

terezamurray@hotmail.com

São Paulo

Comutatividade

O PT é mesmo um partido diferenciado. O mensalão deve ser chamado Ação Penal 470 e as privatizações que os petistas estão fazendo preferem denominá-las como concessões. Mas a ordem dos fatores não altera o produto.

VIRGÍLIO MELHADO PASSONI

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

Manobra diversionista

Será que esse novo pacotão de infraestrutura, que Dilma lançou com nomes subterfugiados para despistar as privatizações, conseguirá desviar a atenção dos brasileiros dos descalabros apontados no julgamento do mensalão? Acho que mais uma vez o tiro saiu pela culatra... Nem a CPI do Cachoeira nem os pacotes do governo conseguirão tal façanha!

LEILA E. LEITÃO

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

O MENSALÃO E O SANTO GRAAL

Depois de tudo o que já se ouviu falar a respeito do Mensalão do PT - que agora os juízes do Supremo Tribunal Federal (STF) são obrigados a chamá-lo de "Ação Penal 470" -, ainda poderemos assistir a um "festival de absolvições" (como bem advertiu um advogado de um réu) nesta farsa que se intitula Julgamento do Mensalão. Esse crime contra o patrimônio público até me faz lembrar ocultismo e alquimia, pelo que existe nele de inexplicável, pois, passados sete anos, ainda é um mistério indecifrável. Para uns, o patrão daqueles ladrões que assaltaram o País, há sete anos, não sabia de nada, mas para outros (e aí eu me incluo) ele foi o mandante de toda a tramoia. No entanto, foi poupado de qualquer acusação. E como se não bastasse, para tornar o caso mais misterioso ainda, aqueles que têm a função de julgar agem como autênticos Cavaleiros Templários no sentido de proteger o verdadeiro culpado: o chefe da gangue. Na verdade, Mensalão ou Ação Penal parece fazer parte de algum código secreto, como aquele que sugere a existência do Santo Graal. Eu acho até que se o STF julgasse o Mensalão com base nos atos consistentes do Código Da Vinci (que tentou desvendar o mistério do Santo Gral), o relatório do STF para este julgamento poderia ter a seguinte redação final: 1) que Maria Madalena teria fugido para Portugal, e não para a França (como foi sugerido), levando consigo seu filho no ventre; 2) que seus descendentes foram trazidos para o Brasil por Pedro Alvares Cabral, no ano de 1500, para fugirem da perseguição; e 3) que o filho de Madalena não era de Jesus, mas, sim, fruto de uma relação amorosa entre ela e o apóstolo Judas. Dessa forma o julgamento do mensalão poderia ser dado como encerrado, concluindo-se, afinal, que os descendentes remanescentes da família do "falso" Santo Gral são, na verdade: Lula da Silva, José Dirceu e toda aquela corriola de gente ruim do PT que roubou o país no esquema do Mensalão. Certamente nenhum brasileiro ia duvidar de um relatório onde todos os réus no processo já demonstraram habilidades de pirata, costumes anarquistas, dons de fora-da-lei e instintos de traidor, por traírem o povo. O que mais estes lesa pátria do PT ainda têm escondido para envergonhar o Brasil, não se pode antecipar, mas não espero coisa melhor desses traficantes de influência da política que governaram e que governam o meu País, há quase dez anos, em regime de arrastão.

Francisco Ribeiro Mendes Mendes.brasilia@gmail.com

Brasília

*

INJUSTIÇA

Quanta maldade existe no mundo! Como pode esse advogado do Jefferson querer comprometer a moral ilibada do Santo Inácio? Ninguém, mentalmente capaz, acredita que o senhor Lula, com sua conduta irrepreensível, tem alguma coisa a ver com essa sujeira toda que é o mensalão. Como presidente, ele não tinha a menor obrigação de saber o que ocorria com o seu partido dentro do seu próprio governo. Afinal, estava ocupado demais tentando (e conseguindo), segundo ele, transformar o Brasil em uma grande potência, capaz de despertar a inveja de todos os outros países. Depois, com a humildade que lhe é peculiar, ele estava certo de que todo o apoio conseguido nessa nobre missão era fruto de seu grande carisma, sua capacidade de liderança e sua honestidade no trato com a coisa pública. Isso só pode ser intriga da oposição! Esse pobre homem vai conseguir provar sua inocência e voltar aos braços do povo! Alguém duvida disso?

Iara Moraes iaramoraes1@hotmail.com

Bragança Paulista

*

FOCO NA APOSENTADORIA

O STF volta a negar pedido para incluir Lula como réu do processo do Mensalão. É óbvio. É melhor não mexer em vespeiro nessa altura do campeonato. Quem é que vai querer melar uma gorda e tranquila aposentadoria? Lógico que estou falando dos senhores ministros, quase todos chegando lá!

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

SAFO

O ex-presidente Lula é um exímio safo: safou-se da ditadura, sem ser preso de verdade, sem tortura , não precisou fazer cirurgia plástica em Cuba, não precisou fugir para Argélia e muito menos para o Chile e não precisaram simular um suicídio por enforcamento para enterrá-lo em Perus. Safou-se também de sua obra-prima, o mensalão, com a ajuda dos tucanos, que não pediram o impeachment. Lula é um gato de sete vidas, mas, o caminho para o fim, dessa durabilidade felina, tem um nome: mensalão.

José Francisco Peres França josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

*

LULA NO MÁRMORE

Em verdade vos digo, Inri Cristo, é mais fácil acabar a lenha do inferno do que ver o "safo" julgado pelos 11 do STF... nem Mano escalaria um time tão leniente.

Stanislaw Cordeiro ratles2@hotmail.com

São Paulo

*

MENTIRA DE PRESIDENTE

Em todas as nações do mundo, o povo espera sempre de seu presidente a verdade quando se manifesta sobre temas ou assuntos nacionais. No Brasil, nunca foi diferente. É de se conferir os exemplos de Getúlio Vargas, que não mentiu, mas se suicidou pela mentira de subalternos; de Fernando Collor de Mello, que foi impedido de continuar no governo da República, e de tantos outros que tiveram as penalidades respectivas pelos atos mentirosos. Entretanto, Lula faltou com a verdade no caso do mensalão (ação penal 470). Ficou bastante clara a sua omissão da verdade, porque está a sofrer acusação constante, inclusive do advogado de Roberto Jefferson, e não a revida, embora exista a ocorrência de crime e delito contra a honra. É mais um choque para o povo deste país, especialmente porque sempre negou o fato ou o conhecimento dele. Porém, doravante, Lula terá que suportar a indicação de mandante do mensalão, além de ter que arcar com a acusação de ter faltado com a verdade sobre sua atuação no escândalo, o que, sem dúvida, será usado pela oposição e por todos os brasileiros que respeitam a ética e a verdade na boca de seus dirigentes.

José Carlos de C. Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

ELE NÃO SABIA?

Em mais um capitulo da novela "Eu não sabia", agora a defesa de Roberto Jefferson - o homem que salvou o Brasil de Jose Dirceu - afirma que Lula ordenou o mensalão. Embora absurda, a tese não é de todo sem sentido, quando se observa o comportamento do ex-presidente, que ultimamente vem tentado da maneira mais primitiva, demover os ministros do STF, da ideia de levarem o julgamento até as ultimas consequências, ora tentando constranger ministros, como no caso de Gilmar Mendes , quando pessoalmente tentou ligá-lo ao contraventor Carlinhos Cachoeira, ora ameaçando colocar nas ruas sua tropa de choque na tentativa de jogar a massas contra a Justiça e a sociedade, impondo aos juízes do caso, o único veredito que interessa aos 38 mensaleiros, o de inocentes. Ficasse a situação restrita somente aos réus, comandados pelo então chefe da Casa Civil, hoje tido como chefe da quadrilha, poderia se dizer que o ex-presidente foi na melhor das hipóteses omisso, quando ignorou o fato de que, na sua antessala eram costurados os mais espúrios acordos para compra de votos a seu governo. Mas quando Lula partiu para o ataque tentando inviabilizar o maior processo de corrupção de que se tem noticia, acabou deixando suas digitais. Por uma questão de respeito aos companheiros que tanto lhe ajudaram, Lula assumir sua culpa. Quanto ao STF, nunca o respeito ao ordenamento jurídico e a continuidade de uma democracia, dependeu tanto de tão poucos.

Peter Cazale pcazale@uol.com.br

São Paulo

*

PRIMEIRO-MINISTRO

Que Lula sempre soube da existência do mensalão, não há a menor dúvida. Que ele tenha "ordenado" o mensalão como afirmou ontem no STF, o advogado de Roberto Jefferson, parece estranho, porque na época que o mensalão foi criado quem ordenava alguma coisa no governo Lula era o "primeiro ministro" José Dirceu.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

RESPINGOS

O advogado Roberto Jefferson declarou para quem quiser ouvir que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não só sabia do esquema ou do mensalão, como foi o mandante e nisso, claro, só não acredita que já morreu. Tudo acontecendo ao lado do seu gabinete, e um valor tão alto, claro que o Lula deu uma de surdo e mudo, pois senão ia perder o mandato. Mas isso se Deus quiser ainda vai respingar na cara dele, mesmo mudo.

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

 

*

LULA SE SAFOU

Termo safar-se. Pelo Google obtive as seguintes respostas: Livrar-se de estorvos; Furtar, Roubar, surrupiar; Esquivar-se de obrigações e trabalhos; Fugir, Escapar, Livrar-se, Separar-se de obrigações. Será que o Lula se safou, como dizem?

Rubens Stock rsstock@uol.com.br

São Paulo

*

DIGITAIS CONHECIDAS

Como de costume quando ainda Presidente, toda vez que eclodia um escândalo em seu governo, Lula convocava a imprensa anunciando a descoberta de novos poços petróleo, na tentativa de desviar a atenção da opinião publica. Analisando o modus operandi do ex-presidente, um expert em greves, me pergunto: quem ganha com a disseminação dessas greves que tentam disputar na mídia parte das atenções da sociedade com o julgamento do mensalão? Seriam essas grevistas uma massa de manobra que, sob ordens do PT, tentam desviar a atenção da população do julgamento do mensalão, mudando de direção os holofotes sobre o STF que, sem a atenção da sociedade, talvez pudesse ser mais leniente com os acusados concedendo-lhes até o tão esperado titulo de inocentes? Em ultima analise , se os réus forem inocentados, e os sindicatos em greve deixarem de atormentar a sociedade, fingindo estarem satisfeitos com qualquer proposta de reajuste, mesmo que magra por parte do governo, quem se beneficiaria com isso? A resposta é simples, aquele que sem ruborizar, ainda continua negando a existência de mensalão.

Amâncio Lobo Amancio lobo@uol.com.br

São Paulo

*

RÉU OCULTO

Se alguém não entendeu a permanência de Toffoli no julgamento do Mensalão, a explicação é elementar, meu caro Watson. Como homem de Lula e exclusivamente comandado por ele e não pelo PT, sua saída, seria equivalente a um prejulgamento de Lula, principal réu (oculto/sic) neste julgamento. E temerária, mas perfeitamente compreensível, com a devida clareza, a permanência de Toffoli.

Ulysses Fernandes Nunes Junior twitter: @Ulyssesfn

São Paulo

*

ESTÁ PROVADO

Lula diz que não sabia de nada, mas, diz que foi traído, embora não diga por quem. Zé Dirceu diz que não há provas contra ele. José Genuíno e João Paulo Cunha também dizem que não sabiam de nada. Somente restaram dois para pagar o pato; Delúbio e Marcos Valério. Delúbio teve uma idéia luminosa, por amor a causa petista, por iniciativa própria, resolveu comprar trinta e tantos parlamentares para votarem a favor do governo e tramou com Marcos Valério uma maneira de levantar empréstimos, que nunca seriam pagos, no Banco Rural e no Banco do Brasil. Carros fortes levam a dinheirama toda para a empresa de Marcos Valério e ele entregava, à medida que chegam os carros fortes, tudo a Delúbio que por sua vez distribuía aos parlamentares. Os deputados também não sabiam de nada, mas, coincidentemente, esfregando as mãos, recebiam como sinal a bolada antes das votações das leis que interessavam o governo, e se eles fizessem tudo direitinho dias depois recebiam o restante. Da para acreditar numa baboseira dessas? Penso eu que ministros do Supremo Tribunal Federal também não. Mas que houve essa dinheirama toda rolando por ai houve, está mais que provado.

José Carlos de Castro Rios jc.rios@globo.com

São Paulo

*

MENSALÃO

O assunto é atual. Para quem sempre teme as soluções políticas no Brasil, a recusa do desmembramento do processo valeu bastante. Se tivessem conseguido o intento poderíamos já antever o resultado: Piada de salão, como afirmou o "nosso" Delúbio (o nosso é coisa do Lula que declarou ter coisas mais importantes a fazer que acompanhar o julgamento) ou então a tradicional pizza. A decisão mostra que podermos realmente ter alguma esperança no sentido de combater a corrupção sem igual havida no tempo de Lula que só não teve o mandato cassado devido à total inércia e incapacidade da pseudo oposição capitaneada pelo psdb e o então pfl (com minúsculas mesmo).

Plínio Zabeu pzabeu@uol.com.br

Americana

*

A RAZÃO DE LULA

Sobre o mensalão, Lula nunca viu, ouviu ou soube algo. Portanto, para ele, nada deve ser julgado, muito menos do que não 'existe'... Os ministros de todos os tribunais superiores são escolhidos a dedo pelo chefe maior deste coitado Brasil... E, por conseguinte, se não for frustrado o início do julgamento, os 'escolhidos' não decepcionarão seu chefe ou ex-chefe. Discorrerão na base da tergiversação. Encontrarão o mais adequado meio jurídico legal, mas amoral, para esquivarem-se. O moral seria ascender por carreira e não por escolha... A mulher de Cezar deve estar dando gargalhadas na cova...

Edgar Granata egargrata@gmail.com

Porto Alegre

*

O CHEFE

Acredito que todos aposentados, como eu, que, sendo prejudicados pela política de perseguição adotada pelo governo Lula, estão torcendo para que sobre um pouco para ele no julgamento do mensalão, visto que o advogado do Roberto Jefferson relatou o que todos já tinham certeza, que ele era o chefe do mensalão, Senhores Ministros do Supremo Tribunal Federal não nos desapontem, pois estamos de olhos em vocês, em suas decisões, se o mensalão realmente existiu logicamente alguém foi o seu patrocinador.

Jose Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

DEPOIS DO MENSALÃO

Alem de verificar como a justiça no Brasil está funcionando, nada mais tão importante acontecerá depois do julgamento do mensalão. Dirceu, Genoino, Delúbio e os outros principais implicados já foram alijados do comando político do país e foram prejudicados em suas carreiras. O PT é hoje um novo partido, assim como perdeu com membros afastados da vida pública, perdeu com a saída de muitos políticos importantes, devido a condução de Lula para um governo que incluiu forte corrupção e atividade sindicalistas prejudiciais. Como não há oposição bem estruturada, pouco se tirará proveito político de uma condenação dos réus, além do que já ocorreu. Qualquer resultado também não resolverá o problema da corrupção no país. O "mensalão" é um produto da corrupção e ela existe na maioria das câmaras de vereadores e de deputados estaduais do país, dessa ou de forma semelhante. O julgamento também não resolverá o problema do "declínio do homem público". É a sociedade que precisa reagir ao "novo político" atual, sem honra, sem moral, sem patriotismo. O cidadão brasileiro precisa deixar de ter "nojo" de política, senão nada muda. O julgamento do mensalão não terá nenhum efeito espetacular na política brasileira, a sociedade poderia mudá-la.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

AS RUAS NUAS

Fernando Gabeira diz falar das ruas por onde anda (O Brasil depois do mensalão, Opinião, 17/8). Esses ouvidos e bocas são diferentes daqueles de uma cidade pequena, do interior paulista, mas ouso fazer contrapontos a suas palavras. Um deles é o questionamento se a oposição está na pasmaceira por falta de criatividade ou por medo do que virá do julgamento do mensalão. Da mesma forma que em 2005 a erupção das revelações de Roberto Jefferson parou quando desvendou a origem mineira e tucana do mensalão, via Eduardo Azeredo, hoje a oposição pode estar contabilizando o que resvalaria nela caso ocorra a imputação de pena aos réus. Ou é simplesmente a perda da empolgação com o futuro, experiência que o próprio articulista pode relatar, em função de seu passado guerrilheiro.

Adilson Roberto Gonçalves priadi@uol.com.br

Lorena

*

PARADOXO POPULAR

O instituto Datafolha realizou uma pesquisa após uma semana do início do julgamento do Mensalão pelo STF e ouviu 2.592 pessoas e divulgou os seguintes resultados: 73% das pessoas ouvidas, consideram o Mensalão um caso de corrupção e esperam pela condenação dos envolvidos; 43% não acreditam que haverá condenação e 50% não se deixarão influenciar pelo resultados do julgamento na hora do próximo voto, em outubro. Dora Kramer, analisando estes dados, em seu artigo publicado no Estadão em 14/8/2012, e lembrando que o PT ganhou duas eleições presidenciais, sendo uma delas ainda sob o eco da CPI, concluiu que "a população exige rigor da Justiça, mas não é tão rigorosa assim na hora de votar. Um dado para se pensar antes de reclamar dos políticos e dos juízes". Discordo de Dora Kramer, pois como 73% das pessoas ouvidas concordaram que o Mensalão é um caso de corrupção, isso significa que as pessoas ouvidas pelo Datafolha estavam informadas do assunto e sabemos também que, 73% (número meramente ilustrativo) dos eleitores do Lula nunca ouviram falar do Mensalão, pois estes mal sabem assinar o próprio nome e residem nos Estados brasileiros que apresentam os piores índices no Ideb, mas onde mais se distribuem bolsa-votos. Na minha opinião, se a pesquisa tivesse sido realizada nos Estados do Norte e Nordeste, o resultado teria sido bem diferente, assim como se o Brasil fosse dividido em dois países, sendo um formado pelos Estados do Norte e Nordeste (Brasil 1) e o outro pelos Estados do Sul, Sudeste e Centro-Oeste (Brasil 2), o Lula jamais teria sido reeleito e Dilma também não teria sido eleita no Brasil 2. A população do Brasil 2 está acompanhando atentamente o julgamento do Mensalão e está cobrando rigor do Poder Judiciário e segundo a última pesquisa Ibope/TV Globo/Estado, o candidato do PT à prefeitura da cidade de São Paulo, mesmo tendo como cabo eleitoral o ex-presidente Lula, tem apenas 6% das intenções de voto dos eleitores, o que significa também mais rigor na hora de votar. Nós queremos o fim da impunidade e o fim da corrupção. Muda Brasil!

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

NOSSO FOCO É O MENSALÃO

Ontem ouvi um comentarista levantar a hipótese de que este acúmulo de greves de funcionários federais aparentemente tornando refém a presidente Dilma talvez não passe de uma grande orquestração dos sindicatos sob ordem do PT para desviar a atenção da população do julgamento do mensalão. Hoje um amigo me lembrou que José Dirceu há algum tempinho fez um apelo midiático às suas hostes para que invadissem as ruas das cidades brasileiras para garantir que o resultado do julgamento não lhe fosse desfavorável. Pronto, charada matada... o braço sindical do PT atendeu ao chamamento, o povo está meio disperso do assunto julgamento pois temos a CPI do Cachoeira, as Olimpíadas , a inflação e o movimento grevista que se alastrou pelo Brasil inteiro...Espero que os réus,seus advogados de defesa e os ministros do STF não imaginem que estamos distraídos em meio a tamanha barafunda...porque temos plena consciência de que A GREVE É ARMAÇÃO, NOSSO FOCO É O MENSALÃO

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

FARISEUS PETISTAS

Enrubescidas em seu estranhíssimo pudor, pudicas vestais petistas queixam-se que sua pureza é ofendida quando a mídia apelida de "mensalão" a safada malandragem quadrilheira ora em julgamento no STF. Ameaçam ir à Justiça para que o termo "mensalão" seja proibido, substituído pelo número do processo - AP 470. Acho que cabe lembrar-lhes o bardo de Stattford on Avon: "Se a rosa tivesse outro nome não teria igual perfume?" Francamente sensibilizado ao ver o impoluto e sem jaça lulopetismo, maravilha fatal brasileira - como nunca na história deste país - assim vilipendiado e a sua honra e honestidade postas em causa, ofereço novos nomes para a infâmia: "Bolsão do Lulão", "Molha a mão", "Nossa grana, seu voto". Podem usar sem pudor. Alguma dúvida, perguntem ao Lula; embora não tenha recebido nenhum PhD em Shakespeare, ele sabe do que se trata.

Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br

São Paulo

*

JURISPRUDÊNCIA DA SANTIDADE

São todos "santinhos" os advogados de defesa do mensalão, lá no STF, querem firmar jurisprudência da santidade dos réus! Só tem "santinho"... quanta perplexidade popular! O povo só pode, como Cássia Eller, cantar implorando: "eu só peço a Deus um pouco de malandragem!". Será que os poderosos chefões da base aliada Lula, Sarney, Maluf, Dirceu, etc. vão ensinar?! Então, ao povo só resta cantar e perguntar com vontade, como Noel Rosa: "e onde está a honestidade? E onde está a honestidade?!

Luiz Fernando D'ávila lfd_avila@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

QUEREM CANONIZAR OS RÉUS

O bate-boca que constantemente acontece entre os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), principalmente Joaquim Barbosa e Ricardo Lewandowski (relator e revisor do processo do mensalão), deixa claro que a maioria deles está apostando no caos regimental. É muito blábláblá em defesa da vida, da honra e da liberdade dos acusados no processo. Já começamos a sentir que a qualquer momento, ministros se unirão para pedir a canonização dos réus. Parece-nos que é só o que está faltando. Se continuar assim, certamente, num futuro bem próximo, chafurdar-se-ão não só os ministros, mas também o povo que sempre acreditou na justiça.

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

BLÁ BLÁ BLÁ

Voto de Joaquim Barbosa será sucinto se comparado ao de Lewandowski.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

A DEPENDER DO STF

Mensalão: desse jeito nois toffolidido.

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

*

ISONOMIA

Todos comentam porque o ex-presidente Lula não figura entre os réus do Mensalão. Realmente é uma coisa totalmente inexplicável sob qualquer ponto de vista, político ou jurídico. Baseados nessa terrível falha processual, todos os outros réus, sem nenhuma exceção podem pedir que sejam excluídos do processo, invocando o princípio da isonomia, pois afinal a Constituição é clara ao afirmar, no caput do artigo 5º que "Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza".

José Carlos Werneck jc_werneck@hotmail.com

Brasília

*

QUEM SAI GANHANDO

Tempos atrás o ex-presidente apedeuta declarou que era fácil achar o culpado de algum ato ilícito, era só descobrir quem sai ganhando com a tramoia. Usando esse mesmo raciocínio, fica óbvio que o apedeuta era quem saia ganhando no caso do mensalão, então, nada mais justo que chamá-lo a depor e aplicar o rigor da lei.

José Carlos Costa policaio@gmail.com

São Paulo

*

CONVOCAÇÃO FALHA

O STF foi falho no ato das convocações... faltaram o Tiririca (palhaço de profissão) e o Lulla, o dono do circo, pois vendo a defesa dos indefensáveis, temos a certeza de que o STF foi transformado em um verdadeiro circo, esperamos que o final do espetáculo seja favorável aos espectadores - nós, os brasileiros.

Carlos Roberto Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

*

A VERDADEIRA HERANÇA MALDITA

Depois de todos esses anos vendo o presidente Burla (ele é) reclamar de uma herança maldita deixada por FHC, concordo com ele. É verdade, o governo FHC deixou mesmo uma herança maldita: a reeleição. Não houvesse reeleição, hoje o Lula seria conhecido apenas como o presidente do "mensalão" e passível de processo, não teria sido reeleito, não elegeria a sua Criatura e o PT seria um partido de fundo de quintal. O "cara" é ingrato demais com FHC!

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo

*

O BRASIL REDESCOBERTO

Lula julga haver redescoberto o Brasil com diz no "nunca antes neste país". E quase o leva de volta à situação de 500 anos atrás: ignorância, atraso, capitanias hereditárias, sesmarias onde os amigos do rei tinham muitas vantagens (exploravam minas de prata e ouro (mensalão) e nenhuma cobrança. Mas para o "rei" pagavam, sempre, o "quinto".

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

*

INDICIADO E RÉU É O SER HUMANO

Palavras ditas depois da condenação: "O que está sendo julgado são os crimes, não as pessoas. Nunca vi isso" (Folha de S.Paulo: Voto por condenação "era esperado", diz defesa do empresário" - 17-8-2012). Se nunca viu, então não é freqüentador das barras dos tribunais criminais e entendeu mal os livros que leu. Ou então escorregou num momento de insensatez. Qualquer pessoa sabe que indiciado e réu é um ser humano a quem é atribuído a prática de conduta prevista em lei como crime. Assim, pego, o indivíduo é que é julgado, e não o crime. O crime está tipificado na lei e não precisa ser julgado. E, no entender do Ministro relator, está caracterizado no processo que Ramon Sollerbach praticou os crimes de corrupção ativa e peculato e por isso deve vir a cumprir pena privativa da liberdade de locomoção.

Pedro Luís de Campos Vergueiro pedrover@matrix.com.br

São Paulo

*

FRIGIDEIRAS E CALDEIRÕES

É sabido que João Paulo Cunha, ex-presidente da Câmara, é candidato à prefeitura de Osasco. Envolvido na turma do mensalão, já recebeu se primeiro voto, o do relator, estando a passos cadenciados em direção a fornalha onde aço é mole. Difícil de entender uma legislação que denuncia o cidadão, acata as denúncias, leva-o ao tribunal. recebe o primeiro voto de condenação do relator e vai sair por aí a cata de votos. Dos onze, apenas um até agora pediu a condenação, mas seria uma campanha de seriíssimo risco ou a turma do "Brasil pra baixo", já sabe até o sabor da pizza? Nem o Cândido, do Voltaire, seria tão otimista. Qual o cartão de visitas que o candidato apresentará a seus eleitores? Quem não é? É sabido que são gastas grandes fortunas numa campanha como a da prefeitura paulista. De Onde um, como outros candidatos arrecadam tanto dinheiro, a maioria deles sabendo que vai acabar no caldeirão da Maga Patalójica. São os venenos da democracia de que ela própria se alimenta. Alguém já disse que a democracia é uma questão de coordenadas entre paralelos e meridianos. Depois do Fiat Lux, jamais se coordenaram.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

NOVO CÓDIGO DA CORRUPÇÃO MODERNA

Art. 1º - Para comandar uma boa corrupção seja chefe (chefe nunca é acusados de nada, não vi, não sei, não conheço, e põe a culpa nos subalternos).

Art. 2º - Nunca seja ministro ou secretário do chefe (são os primeiros a serem acusados e destituídos a bem da moralidade e da República).

Art. 3º - Pertença a um partido político de preferência o PT ou aliados (conhecem como ninguém a cartilha da malandragem, os meandros da Lei e tem os melhores defensores). Nunca seja da Oposição.

Art. 4º - Prefira sempre cargos eletivos (uma vez eleito, se flagrado, tem a possibilidade de ser absolvido pelos pares e em ultima hipótese ser julgado em foro privilegiado).

Art. 5º - Nunca confesse nem admita participação no ato (mesmo que gravado, filmado ou fotografado, negue tudo com firmeza seja convicto ao negar).

Art. 6 º - Quando formar uma quadrilha certifique-se da qualidade e capacidade dos outros membros (nada de companheiro frouxo, indeciso ou raciocínio lento).

Art. 7º - Se Apanhado em delito flagrante, (negue, suba na mesa, chame a polícia, não a que está presente mas outra para contra por, chore, fale dos filhos, fale da moral e da honra."Isto funciona").

Art. 8º - Nunca fale no celular para tratar de negócios escusos (nem celular, nem fixo, nem fax, email jamais, nunca use bancos, agências de propaganda ou contas no exterior, isto dá quebra de sigilo telefônico, bancário e telemático).

Art. 9º - Jamais entre em litígio com as imprensas, falada, televisiva, impressa ou eletrônica (porem se acontecer terá a prerrogativa de silenciá-la vide manual Sarney).

Art. 10º - Se por um azar vier a ser denunciado, não se desespere tudo foi caixa 2, pagamentos de dívidas de campanha sempre a cada dois anos (terá Foro Especial que lhe dará no mínimo 7 anos para se defender e com certeza ouvirá na Ementa crime prescrito, ou ABSOLVIDO por unanimidade.

Parágrafo Único: O presente código moderno, já entrou em vigor, estando nulo os códigos anteriores.

Subscrito pelos Mensaleiros da era moderna.

Eugênio Iwankiw Junior iwankiwjr@hotmail.com

Curitiba

*

QUEM PAGA O PREJUÍZO

Lembram quando o PT apregoava e infernizava o governo FHC sobre as oportunas privatizações que fizeram o País avançar, entre outras importantes reformas, que o patrimônio público fora vendido a preço de banana?! Então, não seria correto agora questionar o PT, neste momento que a Dilma finalmente abandona o armário das burrices do lulopetismo, e anuncia sem se ruborizar, um grande projeto de privatizações, qual foi o mega prejuízo que o partido de Lula causou ao País com sua retrógrada maneira de administrar nesses 10 últimos anos, no qual com o caos instalado da infraestrutura vem inviabilizando um crescimento sustentado e expressivo, impedindo à sociedade melhor distribuição de renda e bem estar social?!... Isso sem falar que os governos petistas só não causaram mais frustrações e desperdício com o dinheiro do contribuinte, porque alem das privatizações na época citada, Fernando Henrique conseguiu com a criação do Real, reduzir drasticamente a inflação, e com a Lei de Responsabilidade Fiscal, moralizar as contas públicas! E ainda introduziu para minorar os problemas sociais nas camadas mais pobres o Bolsa-Escola, que levianamente o Lula mudou o nome para Bolsa-Família... De qualquer forma essa atitude da presidente Dilma de jogar a toalha da ineficiência petista no lixo, e entregar à iniciativa privada a responsabilidade de colocar os investimentos em infraestrutura nos eixos é para ser aplaudida... Porém, pelo absurdo viés antiprivatista do PT, jamais e em tempo algum vamos recuperar tal prejuízo...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

DILMA E AS MENINAS

A presidente Dilma, sob os efeitos da Olimpíada, assim se manifestou sobre os problemas do País: "Não quero boxear pessoas. Acho que tenho que boxear todas as coisas que atrapalham o crescimento do País" (Estadão, 15/8, B1). Presidente, boxear significa, esmurrar e vencer por pontos conseguidos ou por nocaute quando a vitória é conseguida por derrota provocada por inconsciência do nocauteado. É um esporte muito violento. Preferiria que a presidente abandonasse a idéia de boxear e seguisse as meninas do vôlei, que pararam São Paulo e que conquistaram a medalha de ouro aplicando alguns dos principais fundamentos do vôlei: bloqueio eficiente, saque forçado, defesa precisa e ataque ousado. Foram notáveis. Portanto presidente, para tirar o País da difícil situação econômica, social e política em que se encontra, seria oportuno e muito importante bloquear a corrupção que ocorre diariamente no Senado, Congresso, câmaras municipais, Judiciário e em vários órgãos públicos, atacar as obras projetadas mas não executadas, principalmente na infraestrutura e educação do país e defender os direitos de todos brasileiros sem qualquer discriminação, imitar as meninas do vôlei, trará progresso, ainda que sem medalha.

Evaristo Ribeiro Filho evaldib@uol.com.br

Barueri

*

ÉTICA ESPORTIVA

A presidente Dilma pretende falsificar a posição do País na Olimpíada 2012 elevando nossa posição de 22ª a 14ª. Talvez seja o mau hábito de seus subordinados em órgãos de estatística do governo que a faz perpetrar tamanha enormidade.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas

*

MAU COMEÇO

Num péssimo começo, como guardiães até 2016 da Bandeira Olímpica, símbolo maior dos jogos, Eduardo Paes (prefeito do Rio) e Artur Nuzman (presidente do Comitê Olímpico Brasileiro) acintosamente desrespeitaram o protocolo que acabaram de assinar em Londres. Comprometeram preservar e cuidar da Bandeira até 2016, sem expô-la nem manuseá-la da forma como estão fazendo. Infelizmente no Brasil, numa referência contaminante, os maus exemplos vêem de cima. Daí o Zé Povinho ignorar princípios sadios.

Humberto Schuwartz hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

ONDE FOI PARAR TODA A GRANA?

A participação pífia do Brasil nos jogos de Londres foi um choque de realidade nos devaneios da administração petista que não investiga nada, por exemplo como foi gasto o dinheiro público investido nos últimos anos. O desempenho medíocre de nossos atletas diante das alardeadas expectativas positivas do governo federal, serviu para mostrar que só impetuosidade patrioteira, com o consequente gasto descontrolado de dinheiro do povo, não basta para pavimentar o caminho ao Olimpo esportivo. Fico imaginando quanto dinheiro público entrara pelo ralo com os dois próximos eventos a serem realizados no Brasil, Copa do Mundo de 2014 e Olimpíadas na cidade maravilhosa (Rio de Janeiro!). O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) gastou nada menos que R$331 milhões em 2009 e 2012 para financiar a preparação dos atletas que representaram o país em Londres. O valor é R$ 101 superior ao repassado no período entre 2005 e 2008, visando aos jogos de Pequim. O montante é resultado da chamada lei Piva, que destina 2% da arrecadação das loterias federais ao comitê. Mas que ninguém precisa prestar contas de nada quando sabemos que no Brasil a corrupção come quase 20% de tudo que é arrecadado por ano no país. Desse total dos 2% não está incluída a injeção de recursos do governo federal que patrocina esportistas por meio de estatais e concede a chamada Bolsa Atleta, ou da prefeitura do Rio, que doou R$ 10 milhões que também ninguém não sabe onde o dinheiro foi parar, "no bolso de quem?", com isso, a verba para os atletas brasileiros chegou a R$ 2 bilhões, porém o país ficou apenas em 22° lugar no quadro de medalhas atrás de países bem a quem da situação por que passa o Brasil, só podemos chamar isso de "vergonha nacional". As 17 suadas medalhas obtidas pelos atletas brasileiros tornaram a performance do país equivalente á da competição anterior, na qual o Brasil subiu 15 vezes no pódio. Colocando-se esse nosso desempenho em Londres sem perspectiva, porém, o resultado é ainda pior. Se o quadro de medalhas fosse um ranking de triunfos em relação ao número de atletas inscritos, o Brasil não seria o 22° colocado, mas o 51°, apesar do ufanismo dos dirigentes petistas que comemoraram, o que é lamentável e vexatório!

Turíbio Liberatto Gasparetto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

SELEÇÃO

Com o vitória no jogo contra a Suécia, até que Mano Menezes poderia dizer, parodiando Zagallo: "Vocês vão ter que me engolir!"

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

OLIMPÍADA

A mentalidade brasileira acha que no fim tudo dá certo e que se por enquanto não deu certo é porque ainda não se chegou ao fim. Os dirigentes pensam que quando chegar 2016 o Brasil deu um salto de qualidade tão grande - maior do que o do João do Pulo ou da Maurren Maggi - que vai deixar o mundo boquiaberto com a nossa criatividade e com a nossa competência. Vai ser a melhor olimpíada de todos os tempos, dizem. Agora se isto não acontecer ai se tenta enganar o mundo com a nossa malandragem que mais uma vez deu demonstração com o gari no fechamento das olimpíadas de Londres. Isto sem falar da obsessão para mostrar as nossas favelas, como se subdesenvolvimento fosse uma virtude. Depois querem que os brasileiros sejam bem reconhecidos no exterior.

Luiz Antônio da Silva lastucchi@yahoo.com.br

Ribeirão Preto

*

ESPORTES NA BASE

A Olimpíada acabou. O Brasil terminou na 22ª posição, com 3 ouros, 5 pratas e 9 bronzes. Para um país que pouco investe na base ou formação de atletas, o resultado foi bom! O Brasil precisa de governantes com visão para os esportes. Investimentos nessa área tiram as crianças e adolescentes da ociosidade, que além de proporcionar uma vida saudável, afastam os mesmos da Internet e Vídeo Games, consequentemente das drogas e alcoolismo precoce! Automaticamente a saúde e segurança terão menos ocorrências e gastos! A visão do esporte para quem governa é relacionada somente para os grandes eventos e obras, tipo Copa de 2014 e Olimpíada de 2016. Conclusão: educação esportiva na base é a grande questão!

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

*

MARIN

Ele demonstra ser mais um falsário, ao afirmar que fracasso de Mano Menezes é página virada, quando havia dito, peremptoriamente, que Mano seria despachado se não conseguisse ganhar na Olimpíada.

Conrado de Paulo conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

*

2016, O QUE FALTA

Terminada a Olimpíada de Londres, com desempenho brasileiro ainda modesto face as nossas potencialidades, urge que a de 2016 no Rio tenhamos melhores pontuações. Para tanto a preparação para tal evento, não deve se restringir apenas nos equipamentos e infraestrutura necessários para viabilizar os jogos mas também no setor de preparação dos futuros esportistas que participarão desses jogos e isso só se alcança via massificação da educação, infelizmente ainda, uma das nossas maiores vulnerabilidades.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

OLIMPÍADA 2016, SHOWBOL 2014, CARNAVAL

Depois do resultado pífio do Brasil, na Olimpíada 2012, de Londres, começam as campanhas da Copa 2014 e da Olimpíada 2016. As 2 perguntas que se faz agora são: Como ganhar a Copa 2014? Como melhorar a posição do Brasil, no ranking das medalhas na Olimpíada 2016? Aos 87 anos, como ex-jogador do esporte amador " football". na minha longínqua juventude, chamo hoje esse antigo e saudável esporte de showbol. Agora, é um espetáculo circense, big business, onde o dinheiro está acima do esporte. As firulas circenses dos artistas da bola não são de atletas. A cor de seus cabelos, seus penteados, suas encenações são mais de palhaços de circo que de atletas. Para se formar atletas do porte olímpico do nadador Phelps dos EUA ou do corredor Usain Bolt da Jamaica é preciso muita seriedade e dedicação! Assim, respondendo à primeira pergunta, para ganhar a Copa 2014 é preciso introduzir profundas reformas nas entidades que exploram o showbol! Mais espaço para os atletas e menos espaço para os cartolas, que exploram o big business! Ainda, afastar as tais Escolas de Samba do verdadeiro "football". Essas escolas são locais de malandragem, sustentadas por bicheiros e traficantes! Nada têm de entidades esportivas e culturais! Quanto à segunda pergunta, para melhorar o ranking das medalhas, na Olimpíada 2016, é preciso incentivar todos os esportes amadores e dar menos exposição ao tal showbol, onde os participantes só pensam em dinheiro ! É preciso ressuscitar o espírito do francês Pierre de Frédy, o Barão de Coubertin, o incentivador das Olimpíada Moderna: "O importante não é ganhar, é competir (1894)"! Sonhar com uma bela medalha no peito e não com carrões e iates!

Braz Juliano bjuliano@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.