Fórum dos Leitores

ELEIÇÕES MUNICIPAIS

O Estado de S.Paulo

21 Agosto 2012 | 03h09

Pergunta aos candidatos

Estamos às voltas, mais uma vez, com as eleições municipais - para prefeito e vereador -, em outubro próximo. Minha pergunta a qualquer candidato a prefeito na cidade de São Paulo: o senhor tem alguma proposta concreta para melhorar o trânsito da nossa cidade, baixar o IPTU, acabar com a indústria das multas e melhorar o transporte público? Se for ficar só nas promessas, pegue o seu chapéu e vá embora, porque nossa cidade não pode esperar mais.

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

Promessas eleitorais

A julgar pelas promessas dos candidatos a prefeito de São Paulo, todos os nossos problemas estarão resolvidos, qualquer que seja o eleito. Basta pedir a São Pedro para que faça chover dinheiro, e muito, e pronto: tudo resolvido. E ainda sobra algum, que ninguém é de ferro (os políticos). Como disse um famoso político do passado, promessa de político dura, no máximo, três meses.

EVERARDO MIQUELIN

everardo.miquelin@ig.com.br

São Paulo

'A São Paulo que balança'

Pela minha idade, não sou mais obrigado, mas tenho comparecido e votado em todas as eleições. É um direito meu. E contra o PT eu voto até em mim.

JOSÉ ERLICHMAN

joserlichman@gmail.com

São Paulo

Poluição visual

A população precisa ficar atenta e começar também a denunciar, pois candidatos a prefeito e vereador na cidade de São Paulo estão desrespeitando a Lei Cidade Limpa e pondo em risco a vida dos cidadão paulistanos. Por falta de criatividade, agora colocam grandes cavaletes com propaganda política nas calçadas, impedindo o trânsito dos pedestres e forçando-os a circular pela rua, ou colocando-os no meio da rua, causando acidentes de trânsito. Vamos marcar quem são esses candidatos para não votarmos neles. Afinal, se eles não respeitam as leis e põem a nossa vida em risco, jamais serão bons administrador ou legisladores para a nossa cidade. E a Prefeitura, por favor, atue: recolha os cavaletes e multe os infratores!

LUIZ CLAUDIO ZABATIERO

zabasim@ig.com.br

São Paulo

Vereadores

Não se deve votar em ninguém, muito menos para vereador, em troca de favores, sejam lá de que tipo forem. A função do vereador é legislar e fiscalizar o Executivo (prefeito), aprovando projetos para o bem da comunidade, e não para beneficiar individualmente quem quer que seja. Comece escolhendo um partido mais honesto. Candidato tem de ter ideal comunitário, verifique qual é o ideal do seu. Vereador que aceita cargo no Executivo (secretaria) trai o eleitor, não merece seu voto. Aliás, nem merece ser vereador.

CESAR MALUF

malufcesar@googlemail.com

São José do Rio Preto

GREVES FEDERAIS

Aumento x impostos

Mais uma vez o (des)governo federal se manifesta equivocadamente ao propor aumento de 15,8% para grevistas. O resultado desse ato incoerente e irresponsável será mais impostos e mais greves: torna-se fácil para o "servidor público" reivindicar simplesmente cruzando os braços. Com esse proceder, ele deixa de ser "servidor" e passa a ser "servido" com mais vantagens, regalias, mordomias, sextas partes, quinquênios e outras benesses que o trabalhador brasileiro da iniciativa privada nunca teve. Ora, comparem-se os rendimentos dos servidores federais com os dos meros mortais pagadores de impostos da Terra Brasilis. Na hora de votar pense também nisso. (Terra Brasilis = Neverland.)

CARLOS NELSON HORROCKS

carloshorrocks@yahoo.com.br

São Paulo

Os insaciáveis

Até quando o povo brasileiro será refém dessas hostes de grevistas que tudo e todos paralisam? A sra. Margaret Thatcher desmontou, na Inglaterra, o poder dos sindicatos que atravancavam o seu país. Quando é que a nossa presidente terá (e usará) o mesmo punho de ferro daquela dama? Ou para sempre sofreremos com o caos provocado pelas infinitas greves de gente (fora as exceções que confirmam a regra) de categorias já muito bem pagas, mas permanentemente insaciáveis?

ROGER CAHEN

rcahen@uol.com.br

São Paulo

Chantagem sindical

Muito oportuno, o editorial de ontem O que perdemos com as greves (A3) descreve o que o País perde com a chantagem sindical praticada pelos servidores em greve. A presidente Dilma Rousseff deveria, sim, adotar como exemplo as atitudes tomadas pela então primeira-ministra Margaret Thatcher, a "Dama de Ferro" que com muita coragem e determinação enfrentou os sindicatos que na época dominavam a Inglaterra. Não só "enquadrou" os movimentos sindicais, como transformou seu país numa democracia moderna. A tolerância atual com os sindicatos e seus movimentos grevistas poderá levar o Brasil ao caos e à bancarrota. E se isso ocorrer, quem vai pagar os salários do setor público, os sindicatos?

KÁROLY J. GOMBERT

gombert@terra.com.br

Vinhedo

Consequências

Presidente Dilma, é preciso, com urgência, uma lei que regulamente as greves do funcionalismo público. Só assim grevistas e sindicatos poderão sofrer consequências quando a greve for ilegal. E os funcionários públicos que não estão satisfeitos com o seu salário devem pedir demissão, procurar emprego na iniciativa privada e correr os riscos que todos nós, pobres mortais, corremos.

CLEO AIDAR

cleoaidar@hotmail.com

São Paulo

Parasitas

Quando na oposição, os petistas eram especialistas em provocar greves e fazer barulho visando à tomada do poder. Uma vez no poder, mostram seu despreparo e sua inapetência para lidar com a explosão de greves do funcionalismo - inchado e cevado nos mandatos de Lula da Silva a fim de garantir votos, cuja conta, para variar, vem agora para nós, os contribuintes otários, e para o restante da população, que, além de sustentar, fica refém dessa horda de parasitas do dinheiro público.

PAULO RIBEIRO DE CARVALHO JR.

paulorcc@uol.com.br

São Paulo

Maquiavelismo

Criando o problema e vendendo a solução: seriam essas greves que afrontam a sociedade e desafiam os Poderes constituídos parte de um plano maquiavélico para trazer de volta ao poder aquele que mais entende desse assunto?

PETER CAZALE

pcazale@uol.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadão.com

DÍVIDAS

Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), um terço dos brasileiros está endividado e a maioria não tem como honrar seus compromissos. Depois de seguir os conselhos do mago da economia - doutor honoris causa -, incentivando o consumo, os brasileiros agora vão precisar dos dotes do "Ronaldo" das finanças, que de monitor de zoo ganhando R$ 650 hoje é empresário e fazendeiro.

Carlos Roberto Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

*

A INADIMPLÊNCIA PETISTA

O governo estimulou, quase obrigou, as pessoas a saírem às compras. Deu no que deu. Um terço dos compradores não consegue pagar suas dívidas. Neste momento, seria justo e salutar que o generoso caixa dois do PT saísse em campo para ajudar quem realmente precisa, e não somente os marajás que certamente estão com sobras abundantes em suas contas nos bancos muy amigos.

Geraldo Siffert Junior siffert18140@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

A CORRIDA ARMAMENTISTA DO CONSUMO

Excelente a entrevista com o brilhante Eduardo Giannetti da Fonseca no caderno Aliás de domingo (página J4). Mas o economista e filósofo deveria ter questionado a inteligência dos consumidores (emergentes ou não) que pagam cinco ou dez vezes mais por um produto de grife!

Luiz Magalhães lemaga@gmail.com

Sao Paulo

*

A INCERTEZA DA INFLAÇÃO

Está bem tensa a expectativa sobre os rumos do crescimento da economia brasileira e a taxa de inflação. Eu tenho a sensação de que somente após a eleição de outubro é que haverá mais serenidade para acreditar nas tendências. Ainda este mês é quase certo de que o Banco Central baixará a taxa da Selic de 8% para 7,5% ao ano, numa clara demonstração de que acredita que a taxa de inflação refluirá. É que o Índice Geral de Preços - mercado (IGP-M) apurado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) na segunda prévia de agosto (e que serve para o reajuste dos alugueis) aumentou de 1,11% para 1,38% em comparação com igual período de julho. Pesou o crescimento dos preços agropecuários que foi de 2,35% para 5,43%. É um fato que está sendo considerado não recorrente. Quer pela influência climática e pela logística. Animadora em termos inflacionários é a redução dos preços industriais que desaceleram de 1,13% para 0,65% e da construção civil de 0,91% para 0,36%, principalmente em virtude da mão de obra que oscilou de 1,26% par 0,43%. Preocupante em termos sociais porque indicam mudança na curva de produção e de emprego. Os pequenos e médios empresários estão já estão com problemas de vendas e cobrança. O negócio será convencer os bancos de que em 2013 as coisas estarão melhores e que poderão ser mantidos os créditos para sustentação da atividade. Os anúncios de concessões para a iniciativa privada ainda privam de maiores detalhes. Já li que o governo quer criar algumas empresas para "controlar" os privados. Também foi ventilado que o governo quer controlar a taxa de lucro em torno de 6% ao ano, além do menor preço e do maior investimento. Enfim são coisas para produzirem efeitos daqui a dois anos, pelo menos. Na Bolsa de Valores continua a propagação otimista. Um exemplo é de que preço alvo da ação da Petrobrás é de R$ 30,00. Eu sempre preferi saber qual o lucro por ação para poder avaliar se o seu preço é ou não conveniente. Coisa difícil de saber no Brasil.

Hélio Mazzolli mazzolli@terra.com.br

Criciúma (SC)

*

PETRÓLEO BRASILEIRO S.A.

Em 2006, praticamente 61% dos cidadãos brasileiros elegeu Luiz Inácio Lula da Silva presidente da República, que indicou Dilma Rousseff para o Ministério de Minas e Energia, que indicou Sergio Gabrielli para presidente da Petrobrás. Em 2010, praticamente 56% dos cidadãos brasileiros elegeu Dilma Rousseff "presidenta" da República, que indicou Edson Lobão para o Ministério de Minas e Energia, que manteve Sergio Gabrielli como presidente da Petrobrás. Apurados os desmandos da gestão perigosa e inconsequente de Sergio Gabrielli, com quem este deveria compartilhar a responsabilidade pelo enorme prejuízo que causou durante sete anos?

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

A PETROBRÁS QUE PREOCUPA

Como dizem muitos, e é a pura verdade, a Petrobrás realmente é a nossa galinha dos ovos de ouro, mas, se bem administrada - o que não aconteceu no governo do presidente Lula -, as verdades aparecem: prejuízo de R$ 1,3 bilhão no semestre anterior; vários poços secos bravamente mostrados com mãos sujas de óleo e exibidos como descobertas; um marketing fenomenal; e pedras fundamentais lançadas sem continuidade de projetos. A atual presidente da estatal, Graça Foster, luta com muita eficiência para não deixar a empresa cair mais ainda e cancela projetos como o antes orçado em R$ 4,75 bilhões - em Pernambuco, indo rapidamente a R$ 42 bilhões num piscar de olhos -, deixando a classe política, parte interessada nesses investimentos, chateada. O fim da farra parece ter sido decretado pela nova presidente, é a mão de ferro de sua nova diretoria se solidificando nesta outrora saneada e altamente rentável empresa governamental. Cuide bem dela, dona Foster, faça de tudo para destruir a República sindicalista instalada que fez de nossa maior empresa um feudo inexpugnável para maracutaias vinculadas a negociatas com casos explícitos de nepotismo e favorecimentos ilícitos, na distribuição de verbas para prefeituras e ONGs ligadas ao PT e PMDB, funcionários em altos postos da Petrobrás ligados a empresas com negócios com a Petrobrás - caberia aí até uma CPI, que certamente os políticos participantes dos favores não levariam avante. Portanto, nosso Brasil, antes conhecido mundialmente pelo futebol e pelo café hoje se destaca pela corrupção. Torço para que o caminho tomado pela senhora Graça Foster seja uma saída estratégica e que coloque a empresa novamente nos trilhos. E parabéns ao ilustre senador Aécio, pelos esclarecimentos feitos em sua crônica e em total falta de sincronia com a do advogado de José Dirceu, este que, aliás, deve ter participado destas mudanças na empresa, pois era o chefe da Casa Civil do presidente Lula quando efetivou mudanças na Petrobrás.

Julio Jose de Melo julinho1952@hotmail.com

Sete Lagoas (MG)

*

DESAFOROS

Oportuno o ótimo artigo de Suely Caldas no Estadão de 19/8 (B2), sobre a Petrobrás (A Petrobrás com Graça e Gabrielli). Serve bem o caso para mostrar que a piada que o segundo melhor negócio é uma empresa de petróleo mal administrada serve para mostrar como este nosso país é rico e, mesmo com tanto desaforo, ainda assim conseguimos crescer, apesar disto que aí está e não devido ao que aí está. Além destas barbaridades, todas relatadas no seu artigo, tem muito mais, em menor escala de valor monetário, mas igualmente imoral a quantidade enorme de doações que a empresa fez a ONGs neste período relatado, e tantas outras coisas que não só prejudicaram os acionista, o País, mas inclusive os dedicados funcionários que muitas vezes devem ter sido obrigado a práticas não recomendáveis. Na verdade, aproveito o ensejo para sugerir um texto semelhante sobre a Embrapa, já que todos os dias lemos notícias e artigos sobre o aparelhamento, a desmontagem e a perda de importância desta joia da pesquisa que já foi referência mundial no setor, uma lástima a situação em que se encontra.

André Meyer andremeyer2010@gmail.com

São Paulo

*

'A PETROBRÁS COM GRAÇA E GABRIELLI'

Cumprimentos pelo artigo. Como sempre, claro e objetivo. Vou colecionar e repassar aos amigos, e claro fazendo o devido crédito.

Santiago santiago@cervix.com.br

São Paulo

*

O CARA

Leio com frequência os artigos de Suely Caldas no Estadão aos domingos. O artigo do dia 19/8/2012 foi interessante e instrutivo. Para ser 100% isenta, com deve ser um bom jornalista, Suely deveria citar quem teve a visão e o mérito de colocar a Dilma no Palácio do Planalto.

Álvaro Ximenes de Carvalho Ximenes@eltman.com.br

São Paulo

*

GREVE DOS SERVIDORES FEDERAIS

Aqui, no Brasil, se alguém perguntar a uma criança o que ela deseja ser quando crescer, a resposta será "funcionário público federal". A resposta está correta, pois terá um salário em dobro, se comparado com o setor privado, poderá fazer greve "remunerada" quando desejar, e por tempo indeterminado - a lei do direito de greve do funcionário público está parada no Senado Federal há mais de 23 anos -, terá estabilidade no emprego e bem lá na frente, aposentadoria integral. Será essa a causa da falta de trabalhadores qualificados na indústria brasileira?

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

GREVE, UM BURACO NEGRO

A greve, como fato jurídico, garantia constitucional e disciplinado em lei ordinária, não pode deixar de ser solucionado, a tempo e modo, por acordo ou julgamento. Os prejuízos imensos ao País já acarretados pela parede dos servidores públicos foram bem relatados no editorial de O Estado (O que perdemos com as greves, 20/8, A3). É que a lei e a competência da Justiça do Trabalho, segundo jurisprudência, não alcançam o serviço público. O vazio decorre de um equívoco, a ser prontamente desfeito, sob pena de sucateamento de expressiva parcela da riqueza nacional.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

MINHA PROPOSTA

Minha proposta para o aperfeiçoamento do controle das contas do governo federal é bastante simples, não exige maiores reengenharias ou qualquer outra palavra erudita. Consiste em acabar, por fim, eliminar os cargos em comissão, DASs e FGs. Simples assim! Tal medida iria reduzir grandemente as despesas do governo federal com a folha de pagamento dos servidores, além de favorecer a meritocracia e acabar com a politicagem na administração pública federal. A partir do momento em que somente servidores de carreira ocuparem cargos no governo federal, nós, servidores federais, teremos isonomia e tratamento digno, pois os governantes não terão os puxa-sacos e servidores indicados, que só servem aos interesses daqueles que estão ocupando o poder temporariamente. Pensem nesta proposta, pois acredito que em momentos de crise é que as mudanças devem acontecer.

Uriel Raghiant Filho, servidor público federal uriel_raghiant@hotmail.com

Campo Grande

*

AS GREVES E A INAÇÃO DO MP

Há uma diferença crítica entre "patrão" e "chefe". Aquele tem interesses distintos, algumas vezes antagônicos (mas nem sempre) aos dos seus funcionários, ao passo que este é apenas um funcionário mais graduado, porém funcionário que é, tem os mesmos interesses de seus comandados, e é exatamente porque o Estado não possui a figura do patrão e apenas a do chefe, que tem os mesmos interesses dos demais funcionários, que vicejam as greves abusivas e desafiadoras do funcionalismo público. O que sabemos que acontece é que os chefes no funcionalismo público, longe de coibirem as greves de seus funcionários, dissimuladamente as estimulam, porque eles também são beneficiados com os aumentos abusivos e indecorosos pretendidos. O pano de fundo é o sistema absurdo de estabilidade concedido aos funcionários públicos, que na prática equivale a uma carta branca para eles escarnecerem não apenas do próprio Estado, que é o seu empregador, mas de todo o povo brasileiro, que é quem eles deveriam servir, e quem paga a conta de todo esse luxo e fausto nababesco em que vivem esses baderneiros irresponsáveis. Ocorre que existem mecanismos dentro do estatuto do funcionalismo para disciplinar esses vagabundos que querem trabalhar cada vez menos, ganhar cada vez mais e desfrutar apenas de "direitos" sem ter nenhuma obrigação. O Estado, nas suas esferas federal, estadual e municipal, pode por exemplo, transferir os funcionários líderes desses movimentos traidores para unidades distantes, e os funcionários são obrigados a aceitarem a transferência e caso se recusem, podem ser legalmente demitidos. Exemplificando: o líder grevista da Polícia Federal que esteja lotado no Estado do Rio de Janeiro, ou Brasília, pode ser transferido para o Acre, ou o Amapá. O líder grevista do Estado que esteja sediado, digamos, na capital, São Paulo, pode ser transferido para Presidente Venceslau, por exemplo, e um líder grevista da Prefeitura de São Paulo que esteja lotado no centro da cidade pode ser transferido para a unidade da prefeitura de Engenheiro Marsillac. Desde que o Estado aja com vigor e determinação, e transfira os líderes grevistas, essas greves acabarão imediatamente. Ou seja, existem instrumentos para lidar com essa corja de bandidos irresponsáveis, sem ferir a lei. E os "chefes" dentro da máquina burocrática do Estado brasileiro não tomam as medidas que estão ao seu alcance porque eles se beneficiam com essa baderna, ficando comodamente por trás dos bastidores, simplesmente aguardando que os grevistas triunfem nas suas demandas abusivas e cínicas, porque eles também participarão do botim. E o Ministério Público (MP) teria a obrigação de acionar o Estado para forçá-lo a utilizar esses instrumentos para coibir essa bagunça, e não fazem nada. Claro, porque logo depois eles lançarão mão do mesmo método de chantagear o povo brasileiro em proveito próprio, exatamente como os demais funcionários públicos. Nesse contexto, toda e qualquer campanha publicitária do estado brasileiro visando a coibir a sonegação neste país estará fadada ao insucesso, porque o cidadão pensante, que trabalha, que sustenta este país - e os funcionários públicos - e que não conta com nenhum desses privilégios inaceitáveis e acintosos que os funcionários públicos desfrutam, só pode contar com a sonegação como instrumento de defesa, porque ele sabe que pagar impostos neste país significa apenas sustentar todo esse luxo e fausto dessa corja de bandidos vagabundos que odeiam o trabalho honesto, são, produtivo.

Fabio Monteiro de Barros Faria fabio.faria3@gmail.com

São Paulo

*

TERROR EXPLÍCITO

Sequencial dos anos eleitorais: fogo em favelas (até dois por dia), praticar tiro ao pombo aos policiais de São Paulo e colocar fogo em ônibus para assustar a população e assaltarem com grandes grupos sistematicamente em lugares de lazer para a sociedade, pararem os transportes públicos com frequência para provocarem atrasos e insatisfação na população, greves gerais. Terror eleitoral explícito. Será braço armado partidário?

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

*

FORA DILMA!

Sair pelos fundos, este será de agora em diante o procedimento da presidente, depois de cometer a injustiça dos vetos na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), os aposentados e trabalhadores devem intensificar o clamor popular iniciado em Brasília pelos sindicatos de aposentados pelo "Fora Dilma", ela que ocupa um cargo muito acima de sua capacidade. O meu está aqui: "Fora Dilma!". Espero que tome grandes proporções, como o que nos livrou temporariamente do "Fred Collor", que voltou ao Senado, ainda com algum veneno.

Jose Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

ABRINDO A GARGANTA

Quando o ex-presidente Lula ainda era líder sindical, ele sempre dizia que, para melhorar nosso país, seria necessário alguém gritar. Presumo que, após os oito anos de seu governo, os gritos terão de ser mais altos, até porque, pelas dimensões das cachoeiras, gritos baixos não serão ouvidos.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

E OS APOSENTADOS?

O Brasil está praticamente parado em virtude das greves dos servidores públicos. Infelizmente os aposentados não podem também fazer greve para pleitear aumento de seus benefícios que são pagos pelo governo com impostos arrecadados da população e, lógico, dos próprios aposentados. Só poderiam protestar, mas isso não leva a nada, pois sempre foram ignorados pelo governo e continuarão sendo. Esquecem as autoridades do governo, que lá foram colocadas por nós, através do voto, de que os aposentados já deram a sua contribuição para o crescimento do País. A maioria dos governantes eleitos não tem compromissos reais para com a população e, infelizmente só passamos a conhecê-los, verdadeiramente, após tomarem posse do cargo para o qual foram eleitos. Por que essa indiferença, por que o abandono dos idosos? Quando há greve no serviço público, são os que mais prejudicados e desamparados ficam.

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

SOMOS FELIZES

Dizem que o brasileiro é um povo feliz e que ama seu pais. Pode ser verdade, mas é incrível, também. Basta sair um pouco deste "paraíso" para constatarmos que a única razão de tanta felicidade é a ignorância e a ilusão. O brasileiro ganha mal e para consumir precisa de empréstimos ou parcelamentos. Come mal, também. Por mais que o PT tenha convencido alguns que hoje o "brasileiro come carne todos os dias", sabemos que não é assim. O preço da carne, mesmo a de segunda, permite que uma família brasileira de classe média consuma, no máximo, alguns poucos quilos de carne por mês. Os preços do peixe e do frango tampouco tornam as coisas mais fáceis. Frutas são quase artigos de luxo. Sobra pouco para lazer, roupas e outros artigos. Restaurantes, cinema, teatro, viagens, são coisa que freqüentamos pouco. Não temos Saúde de boa qualidade. Mesmo aqueles que podem pagar um Plano de Saúde privado, sofrem agruras. Consultas "para o mês que vem" - como se as doenças pudessem esperar! - falta de vagas em hospitais, medicamentos caros, mau atendimento, são "normais". Ir ao dentista é quase um luxo. Pagamos caro pela Educação de nossos filhos. Uma boa escola custa muito. As escolas púbicas não passam de depósitos de gente. Sofremos no trânsito caótico, temos estradas péssimas, aeroportos precários e o transporte público é de causar vergonha. Nossa Justiça é omissa, lenta, leniente e, de novo, cara. Sem um bom e caro advogado, simplesmente não temos acesso a nenhum tipo de Justiça. Assassina-se 50 mil pessoas por ano e podemos nos sentir sortudos se nunca tivermos sido alvo de violência. Sequer a Suprema Corte é garantia de Justiça! Vivemos cercados pela corrupção, imersos nela. Do vereador ao ministro, poucos têm uma "ficha limpa" a apresentar. Pagamos quase a metade do que ganhamos com nosso trabalho para um governo que não nos vê, nos ouve ou considera. Ajudamos a sustentar milhões de pessoas que precisam de "bolsas" para comer e não têm qualquer ocupação. Ajudamos as famílias de presos. Ajudamos ONGs e sindicatos. Ajudamos atletas. Ajudamos animaizinhos em extinção. Ninguém, todavia, nos ajuda. Convivemos, nas ruas, com turbas de seres completamente drogados, que não são tratados, recolhidos , nem punidos. Eles são protegidos, e nós não. Diante de um "noia", sempre seremos cidadãos de segunda classe. Temos um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) sofrível e decadente. Nem sequer nos esportes conseguimos nos destacar. Não há motivo para tanta felicidade. Na comparação com cidadãos de outros países, saímos sempre perdendo. Vivemos mal! Quando isso será dito, admitido e, talvez, remediado?

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

ELEIÇÃO 2012 - HORÁRIO ELEITORAL

Cmeça o horário eleitoral gratuito de rádio e televisão. Usada em campanha há 60 anos nos EUA e 50 no Brasil, a televisão é a grande vedete do período e consome o maior volume dos recursos. Com o tempo que cada partido dispõe, formam-se as alianças mais esdrúxulas entre agremiações e lideranças sem qualquer afinidade política ou ideológica. O pacto Lula-Paulo Maluf em São Paulo é exemplo. Em algumas cidades, alianças são conhecidas como "arcas", tamanha a diversidade de bichos nelas embarcados. Agora a internet também é parte importante do processo. Mesmo com restrições impostas pela justiça eleitoral, o horário gratuito é o principal instrumento nas grandes e médias cidades. As campanhas estão profissionalizadas e transformam os candidatos em produto de marketing. Nos EUA dos anos 50, alertava-se que "escolher um candidato não é o mesmo que comprar uma caixa de sabão". Ressalvados época e contexto, o alerta ainda é válido para nós, brasileiros. A escolha daqueles em quem votar não pode e nem deve ser submissa ao apelo publicitário; eles devem ter propostas que coincidam com nossos interesses e, além disso, serem éticos, honestos e trabalhadores. Se, depois de optar por um candidato, o eleitor tomar o cuidado de pesquisar o escolhido na internet, saberá se ele tem problemas e, em caso positivo, ainda poderá mudar. Com esse simples zelo, cada um de nós estará ajudando a construir um Brasil melhor.

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

QUITAÇÃO COM A JUSTIÇA ELEITORAL VIA INTERNET

Para várias finalidades, principalmente concursos públicos e posse dos vencedores, é necessário apresentar prova de ter votado ou justificado nas últimas eleições gerais. Ora, com todo o recurso de que dispõe o Tribunal Regional Eleitoral (TER), por que não é possível ao interessado, ao invés de ter de se dirigir pessoalmente a uma repartição pública, emitir um comprovante de quitação via internet? Evidentemente, melhor seria que os próprios órgãos públicos deixassem de exigir essa prova, ou o fizessem por conta própria, junto ao TRE. Com a palavra, as autoridades responsáveis.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo

*

'ARRUMADINHO' HUMBERTO COSTA E JOÃO PAULO

Daqui a pouco começam as brigas entre Humberto Costa e João Paulo, um tentando jogar sobre o outro a culpa pelo fracasso da chapa petista na disputa pela prefeitura da capital pernambucana, popularmente conhecida como "chapa fusquinha" (o motor vem atrás). Afinal, esses dois nunca foram parceiros, pois sempre brigaram intensamente na disputa pela liderança do PT pernambucano. Todos sabem que essa "trégua" não passa de um "arrumadinho" visando montar o que eles pensavam ser uma chapa imbatível para a disputa pela prefeitura do Recife. Como o plano não está dando certo, conforme mostram os números das pesquisas eleitorais, seguramente a "guerra" entre eles recomeçará a qualquer momento.

Júlio Ferreira julioferreira.net@gmail.com

Recife

*

GRANDE SEMELHANÇA

Depois de tanta lenha no fogo do mensalão, resolveram fatiar o julgamento. Sente-se que a cobertura vai derretendo a esperança de uma condenação rigorosa e teme-se que a sentença virá embalada em "papelão". Não lembra uma pizza? Daquelas bem ruins...

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

SALAMES

Os advogados de defesa dos réus do dito "mensalão" estão "entendendo" que as diversas sentenças não deverão ser "fatiadas". É bom que os nobres causídicos saibam que o que serve para "fatiamento" são salames, por exemplo, e isso, com absoluta certeza, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) não são. Salames, no sentido "pejorativo", ao menos por aqui, em minha terra, são pessoas atabalhoadas que só causam e fazem trapalhadas, exatamente como foram e são os réus do tal mensalão.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

FATIADO DIGERE MELHOR

Certo está o relator Joaquim Barbosa quando sugere fatiar o julgamento dos 37 réus do mensalão. Apesar de o amigo de Lula, o revisor Ricardo Lewandowski, não ter concordado, o presidente do Supremo, que brilha com sua liderança na condução dos trabalhos, conseguiu convencer os ministros de que este sistema fatiado seria a melhor para o evento. E é porque nós, leigos, com o fatiamento do julgamento, vamos digerir melhor do porquê de os 37 réus serem ativos protagonistas deste lamaçal petista. E se desta forma o julgamento sofrer algum atraso, e o relator deixar por último, como se pretende, o bloco que inclui o José Dirceu, Delúbio Soares e José Genoino, que foram os mentores chefes desta quadrilha, e mesmo que o Cezar Peluso, não tenha mais condições de votar por causa de sua aposentadoria em 3 de setembro, as contundentes evidências deste crime de desvios de recursos públicos que serão ratificados pelo relator até lá, dificilmente impedirão que os outros ministros condenem os citados acima. Fatiado ou não, o mensalão será o símbolo do objetivo maior que é o fim da impunidade neste país!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

STFATIADO

Men-sa-lão fa-ti-a-do: cul-pa-dos ou i-no-cen-tes?

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

ENSAIO PARA A PIZZA

Segundo a mídia, o ministro Lewandowski, do Supremo, deverá pedir a condenação da maioria dos réus, mas o destino dos nomes mais emblemáticos no processo do mensalão ainda é incerto. Já começo o ensaio para a pizza. Não precisa ser gênio para saber quais são estes nomes mais emblemáticos. Até o recém nascido sabe quais são. Como sempre vai sobrar para os bagrinhos. Os graúdos ficam de fora. Mas, esperava-se o quê? Se depois que o STF declarou o ex-presidente Lula, chefe do esquema, inocente nesta questão, isto é, não pode mais ser julgado, salvo se surgirem provas consistentes e que não tenham sido apresentadas antes, é que o processo contra o ex-presidente Lula pode ser reaberto, esperam que algum graudão seja condenado? O STF declarou inocente uma pessoa que fez um pronunciamento público, através da TV e do rádio pedindo desculpas aos brasileiros, por causa do mensalão. Agora me respondam: qual o motivo de alguém pedir desculpas, se é inocente? Só pede desculpas, obviamente, quem tem culpa, se não tem vai pedir por quê? E foi o que o ex-presidente Lula fez. E ainda acreditam que é inocente. É, devem acreditar em Papai Noel, Bela Adormecida, etc. Mas o problema disso tudo passa pela maneira como é composto o STF. Indicação do presidente da república. Jamais deveria ser, mas...

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

DECISÃO POLÍTICA DA NAÇÃO

O ministro do STF Ricardo Lewandowski ainda não se conscientizou de que o principal papel daquela corte é realmente político, uma vez que a Constituição federal foi uma decisão política antes de ser um documento jurídico! Em especial, no caso do mensalão onde aqueles ministros estarão julgando o futuro político da nação, ou seja, se seremos um país onde prevalecerá a ordem ou a corrupção!

Eugênio José Alati eugeniojosealati@yahoo.com.br

Campinas

*

IMPLICÂNCIA

Excelentíssimo ministro Lewandowski, data vênia, se a intenção de sua excelência é a de desconstruir o mensalão, pode crer, mais um pouquinho de implicância e o terá conseguido.

Celia Henriques Guercio Rodrigues celitar@hotmail.com

Avaré

*

O MINISTRO CONTRA A IMPUNIDADE

Diante da constelação estelar de imortais que compõe o "STF" e da fogueira de vaidades ali existente, o ministro Joaquim Barbosa parece ser de todos os juízes, o mais humano, o que melhor representa os anseios de uma sociedade farta de tanta corrupção, impunidade e expressões ininteligíveis. Em desacordo com alguns colegas que veem na punição dos réus uma injustiça , e contra um pelotão de 36 bacharéis bem pagos especializados em transformar réus em vitimas, o ministro Barbosa parece travar uma luta desigual contra essa maioria portadora da carteira da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que nada tem a perder além de sua reputação. Se existe algo que pode animar o ministro cada vez mais solitário em sua luta por justiça, é lembra-se de que existem 190 milhões de brasileiros a seu lado torcendo a favor de um Brasil melhor.

Peter Cazale pcazale@uol.com.br

São Paulo

*

TOFFOLI, PEDE PARA SAIR!

O ministro Toffoli, amiguinho dos mensaleiros Lulla e José Dirceu, réu condenado em processo no Amapá e candidato não aprovado em concurso público para juiz estadual. Hoje, ministro do STF. Coisas do Brasil e dos petralhas. Deveria ter brio na cara e pedir para sair.

Icaro Martins de Oliveira icaro_cafe@hotmail.com

Osasco

*

A EXPOSIÇÃO DO STF

Nunca a Suprema Corte esteve tão exposta como no caso do mensalão. Farpas têm sido trocadas pelos ministros diante da TV numa clara demonstração de que há dois times em debate. Especulações daqui e dali sobre em quem cada ministro vai votar e a falta de entendimento entre as excelências deixa claro uma coisa, o STF que até então parecia uma casa de "superiores inatingíveis" está mostrando que em todo lugar o urubu é preto. Ministros foram desafiados pelos petistas, caso o voto não seja do agrado dos envolvidos, haverá reação nas ruas. Pensando bem tudo isso poderia ter sido evitado não fosse o chefe-mor, Lula, quando comandava o governo ter tido a brilhante ideia, ou foi seduzido por seu ministro da Casa Civil, José Dirceu, de que para conseguir apoio do Congresso o governo teria de comprá-lo. A essa altura dos acontecimentos não importa quem mandou ou quem teve a ideia, o fato é que o mensalão existiu. Em breve o STF dirá se a compra de apoio é uma transação legal ou ilegal. E a partir da decisão um novo Código Penal deverá ser escrito ou quem sabe uma nova Constituição.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

TUMULTOS

Dando continuidade a seus esforços para retardar ao máximo o julgamento do mensalão, agora vem o sr. Márcio Thomaz Bastos dar valiosa contribuição para o descrédito de nossas instituições, a desconstrução da ordem jurídica e o desejado tumulto do processo. Para o cidadão comum, parece que a artimanha pretendida pelo sagaz advogado, o não fatiamento do processo é matéria já discutida no plenário do STF, posta em votação pelo ministro presidente Ayres Britto, e derrotada. Esse advogado, Sr. Bastos, deveria entender que o STF não é filial de seu escritório de advocacia.

Nelson Penteado de Castro pentecas@uol.com.br

São Paulo

*

O PT E A SUA CONCEPÇÃO DE VALORES

Para o PT, as consistentes acusações feitas pelo procurador geral da República sobre o maior escândalo de corrupção jamais visto na historia brasileira, o famoso mensalão, não passam de uma farsa urdida pela imprensa e a oposição. Já a acusação do ex-diretor do Denit Luiz Antonio Pagot, defenestrado do Ministério dos Transportes por suspeitas de corrupção, contra o ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, de "ter ouvido de um procurador de uma empreiteira que dinheiro de obras do Rodoanel teria sido desviado para uso em campanhas eleitorais" (20/8, A9), está revestida de credibilidade! Nota-se que para o partido da empulhação, um "disse me disse", "ouvi gente falando", um "ouvi de uma pessoa", sem nenhuma comprovação de idoneidade da fonte, tem mais mérito que a conclusão de uma autoridade pública, profissional e constituída, que se baseou em análise detida de um processo repleto de documentos e provas contra os acusados. Infelizmente, tais constatações, que de incoerência não têm nada, somente descortinam o viés autoritário e a ardil manipulação da maioria da população ingênua e mal informada. Esse é o tal partido da ética, da transparência, do povo, que hoje vive protagonizando torpezas nas páginas dos jornais e tentando enganar com suas mudanças semânticas e outros embustes toda sociedade brasileira.

José Carlos Saliba fogueira2@gmail.com

São Paulo

*

LIGANDO OS PONTOS

O advogado de Roberto Jefferson e outros advogados de réus do mensalão jogaram Lula no centro do caso escandaloso. Também o ministro do STF Marco Aurélio Mello disse que o ex-presidente é "safo", evidenciando sua participação. O próprio José Dirceu, companheiro de todas as horas, disse que Lula não dá cheque em branco para ninguém, que sabe de tudo que acontece. Se, por ingenuidade, alguém duvidar que o líder mor do PT não só sabia da compra de parlamentares como era um dos cérebros dessa empreitada ilegal é só lembrar que ele tem vasta experiência em trabalhar com dinheiro fruto de desvio público. Pois não era o dinheiro público que enchia as malas que Gilberto Carvalho, hoje ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, levava para José Dirceu a fim de turbinar as campanhas de Lula - coisa que se descobriu por ocasião do assassinato de Celso Daniel? Isso vem de muito longe! Vamos lá, Brasil, é só ligar os pontos!

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

CARTA DE AGRADECIMENTO

Caro Roberto Jefferson, esteja seguro disto, uma grande parte dos brasileiros se curva em agradecimentos a você, que nos livrou do maligno Zé Dirceu, porém a história demonstrou que você se enganou por excesso de zelo tentando proteger o País, não levou o Lula ao impeachment e hoje percebemos que, após o desastroso mandato, ficamos com um escombro moral inadministrável. A recuperação deste legado será longa, trabalhosa e triste.

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

*

A VIOLÊNCIA PERSISTE

Em menos de duas semanas dois casos semelhantes ocorreram em operações da Polícia Militar (PM) nas favelas. Indiscutivelmente, tanto a polícia militar como a civil percorrem um momento favorável na história das violências no Rio de Janeiro. No entanto, favorável não quer dizer agradável, muito menos ideal. As duas mortes recentes do adolescente e da jovem no final de semana são exemplos claros de que não basta boa propaganda e discursos inflados quanto ao progresso da segurança, mas atuação firme e frequente na formação de policiais para que não aconteça novamente tristes perdas.

Pedro Beja Aguiar pedrobejaaguiar@gmail.com

Rio de Janeiro

*

TORCEDORES ASSASSINOS

Como se não bastassem os atos de violência, perpetrados por perigosos narcotraficantes, que ameaçam permanentemente a paz social, como no caso da Favela do Rola, em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio, colocando sob constante risco de vida moradores da localidade e policiais que ali intervém, torcedores de futebol (bandidos arruaceiros) acabam de protagonizar, no último domingo (19/08), antes da partida entre Vasco e Flamengo, pelo Campeonato Brasileiro, no bairro de Tomás Coelho, subúrbio do Rio, mais um violento episódio onde, no confronto mortal, previamente agendado em redes sociais, foi assassinado o torcedor vascaíno Diego Martins Leal, de 29 anos. O conflito começou momentos antes do jogo, quando torcedores do Flamengo desceram de um ônibus, vindo de Resende, no Sul Fluminense, e ao passarem por um grupo de torcedores do Vasco, concentrados num porto de gasolina localizado na Rua Silva Vale, resolveram saltar para confrontar. Diego foi morto no interior de um bar. Um torcedor do Flamengo ficou ferido. O primo de Diego presenciou o crime. "Deram cinco disparos, e ainda deram facada nele. É uma violência que não acaba, briga de torcida organizada. Tinham marcado pelo Facebook", destacou. Cerca de 60 suspeitos de participarem da briga foram detidos e levados para a 44ª DP (Inhaúma). O principal suspeito foi também identificado e preso pela Polícia Militar, sendo ainda apreendidos fogos de artifício. Num outro confronto entre torcedores, no bairro de Jacarepaguá, seis deles foram feridos, sendo dois a tiros. Sete suspeitos foram presos. Esta é, pois, a ameaça real e concreta que a população pacífica está sujeita, em razão dos combates mortais, que tornaram-se rotina fora dos estádios, empreendidos entre facções criminosas que mancham o futebol pentacampeão do mundo, que irá sediar a Copa de 2014. Profundamente lamentável que pseudotorcedores, bandidos de carteirinha, que almejam não torcer ou apoiar de forma civilizada seus clubes, extravasem instintos tão vorazes e assassinos. Estamos falando de marginais que vestem camisas de tradicionais clubes, que usam arma de fogo e ferramentas próprias para o crime, não de torcedores que efetivamente amam seus clubes. Só resta saber agora se da porta pra fora de casa os pais (responsáveis) têm ciência da participação de seus filhos em tais grupos criminosos e o que fazem para monitorá-los e orientá-los. Depois não adianta alegar que foram surpreendidos pelos lamentáveis episódios de sangue, vandalismo e afronta à ordem pública. Tais jovens são tão bandidos quanto os narcotraficantes o são, agindo também acobertados pelo anonimato do grupo. A sociedade brasileira permanece, portanto, sob a ameaça dos valentões homicidas integrantes de "torcidas organizadas para o crime". Até quando?

Milton Corrêa da Costa milton.correa@globomail.com

Rio de Janeiro

*

O CRIME COMPENSA

Cumprimento o leitor sr. Eduardo A. de Campos Pires (Guerra Perdida, 20/8) por repetir mais uma vez o que as pessoas lúcidas e de bem estão cansadas de saber, ou seja, que as leis que temos dão aos criminosos cada vez mais diretos. Já o cidadão de bem tem cada dia mais os seus direitos subtraídos e seus deveres somados. Basta ver alguns casos recentes de pessoas que tiveram sua casa invadida, reagiram, chegaram a matar o ladrão e agora se encontram situadas perante a Lei como criminosos. Deveriam simplesmente ter deixado o criminoso agir à vontade. Talvez até ajudado. Quem sabe, oferecido um jantar à luz de vela ao meliante. Tais leis absurdas explicam perfeitamente a facilidade com que os alguns escolhem o caminho do crime como seu ganha pão, ganha carro importado e ganha apartamento de luxo. O velho chavão de que o criminoso rouba para comer não se aplica mais e não convence mais ninguém. Fica uma dúvida no ar: será que essas leis que protegem um lado só não são criadas ad hoc para permitir que parasitas em simbiose com a sociedade aufiram ganhos vultosos? Não há mais dúvida que aqui o crime compensa. Mesmo que um ou outro criminoso seja escolhido de vez em quando como boi de piranha para provar o contrário.

Hermínio Silva Júnior hsilvajr@terra.com.br

São Paulo

*

CAÇA ÀS BRUXAS GLOBALIZADA

O atual imbróglio diplomático geopolítico envolvendo Julian Assange, fundador do WikiLeaks, é emblemático. Está em jogo entre outros mega interesses, o liberdade da imprensa planetária, fato que ninguém pode negar. Urge assim que as lideranças governamentais das nações cheguem a um denominador comum, no sentido de dar solução a essa problemática, posto que, com a realidade de comunicação virtual de nossos tempos, a opinião pública globalizada não mais aceita ficar a reboque de eventuais interesses corporativos nem sempre éticos, das grandes transnacionais ou governos que têm interesse em tal caça às bruxas.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

ASSANGE DISCURSA

Perguntar não ofende: por que o "artista" não se refugiou na Embaixada de seu próprio país? Será que o burro não entende que está sendo "puxado" pelo Equador para ser "controlado" pelos energúmenos comunas que ainda restam no mundo? Que tal o artista entrar também nas nações comunistas e mostrar o podres também de lá?

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

CONDENAÇÃO À MORTE

Julian Assange diz que se for extraditado para os EUA será condenado à morte. Verdade ou não, uma coisa sabemos: se a imprensa mundial deixasse de falar nele, ele morreria em poucos dias. Cientistas teriam então um cadáver para estudar o caso mais extremo de narcisismo da História.

Mario Silvio Nusbaum mario_silvio@hotmail.com

São Paulo

*

WIKILEAKS

Terrorismo cibernético, violação de privacidade, divulgação de documentos secretos obtidos por hackers. São as acusações contra Julian Assange, refugiado na Embaixada do Equador, de Rafael Correa, um grande "democrata". Golpe de mestre de Assange: uma mão lava a outra... Um vira vítima, o outro, benfeitor. No mundo moderno conectado, apoiar Julian Assange é apoiar um ladrão, e amanhã o alvo pode qualquer um, até você!

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

SEMELHANÇA

Assange está para Correa assim como Zelaya esteve para Lulla. "Estadistas" de meia-tigela, coisas de republiquetas...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.