Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

22 Agosto 2012 | 03h07

Delação premiada

O sr. Carlos Augusto Ramos acertou sua defesa com novo advogado, o dr. Ricardo Sayeg, que defende a tese da delação premiada. Se aceitar, o contraventor Cachoeira pode-se transformar em "herói" nacional e marco de uma nova era para a Nação. Como é sabido que o réu sempre teve o hábito de gravar seus encontros desde a época do caso Waldomiro Diniz, nos primórdios do desgoverno Lula, vai ser difícil alegar que "não sabia" ou encontrar outras evasivas. O perigo é iminente, essa mudança é estratégica e vai fazer muita gente tremer. São tantos os políticos e órgãos públicos envolvidos que é de vital importância preservar a vida do delator, para evitar o que aconteceu com o legista do caso Celso Daniel. Estamo-nos aproximando de um momento histórico para acabar de vez com a corrupção, a roubalheira, os desvios do erário. Com certeza o Palácio do Planalto e a cúpula do PT vão desmoronar de tanta preocupação. São provas reais e comprovadas. A Ação Penal 470 vai ser "fichinha" para condenação. A mentira e a enganação estão prestes a chegar ao fim... Ou estamos sonhando?

LUIZ DIAS

lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

Mensalão fatiado

Os bacharéis do lado de baixo do Equador não têm mais o que inventar e chegaram a fazer petição para dizer aos julgadores como devem julgar (20/8, A4). E o pior é que o STF ainda perdeu tempo examinando essa excrescência. Os advogados são detentores de poderoso lobby que atua nas Casas Legislativas para que nossas leis criminais sejam suaves, mas agora foram bem mais longe!

JOSÉ ELIAS LAIER

joseeliaslaier@gmail.com

São Carlos

'Jus sperniandi'

A defesa dos réus do mensalão é contrária à proposta do relator do processo, Joaquim Barbosa, de dividir o julgamento por "capítulo", personagens e crimes, conforme a lógica seguida pela denúncia do procurador-geral. Por esse sistema, cada ministro se pronuncia sobre o capítulo/personagens/crimes na sequência determinada pelo relator, até o final, ao invés de cada um proferir o voto de uma vez só. Alegou a defesa que esse método configura uma "aberração", um "julgamento de exceção", uma afronta ao "devido processo legal". Como, se o entendimento de cada ministro sobre cada um dos réus já está firmado e os votos estão prontos? Que diferença pode fazer a metodologia adotada no julgamento, fatiado ou numa tacada só, no veredicto de cada juiz sobre o caso? A meu ver, nenhuma. O máximo que pode acontecer é cada ministro alterar a formatação de seu voto, não seu conteúdo. Assim como 3+2=5 e 2+3=5. Logo, a defesa, no caso, parece ter tão somente exercido o seu jus sperniandi.

LUIZ F. GUIMARÃES FERREIRA

luizfgf.adv@gmail.com

São Paulo

É muita apelação!

Desde o início do processo do mensalão (desculpe-me o PT, Ação Penal 470), os advogados dos réus sempre tiveram a mais ampla liberdade para defenderem seus clientes. Na fase atual, todo o País está vendo pela TV os ingentes esforços deles para transformá-los em bons e virtuosos cidadãos, se não verdadeiros santos. Usam todos os argumentos possíveis, desde sólidos arrazoados jurídicos até "pérolas" como a que comparou José Genoino às vítimas dos campos de concentração nazistas. Mas diante do trabalho infatigável, da competência e da integridade moral do ministro Joaquim Barbosa (a quem nós, cidadãos comuns, já estamos devendo muito), estão ficando atordoados e impacientes porque os fatos não estão ocorrendo como eles pensavam e queriam. Daí a reação de que fala a matéria de 20/8, A4. Falar em "aberração" ou "julgamento de exceção" é tentar comparar inútil e indevidamente o STF atual ao Tribunal de Segurança do Estado Novo ou à Justiça Militar da ditadura. Os advogados não discriminaram as disposições legais que estariam sendo tão aberrantemente infringidas. Na verdade, a petição deles foi uma tentativa impertinente de interferir e influir nos assuntos internos da nossa mais alta Corte. Contando com a ajuda de eventuais cavalos de Troia! Pena que não tenhamos mais advogados como Sobral Pinto, que antes de discutir honorários com seus clientes precisava ser convencido da justeza de seus pleitos. Para ele, a advocacia não era apenas mais uma profissão destinada a fazer a fortuna e a fama dos que - competentes - a abraçavam.

ELIAS DA COSTA LIMA

preussen@uol.com.br

São Paulo

Aposentadoria de Peluso

É incrível! As leis no Brasil nos últimos 30 anos foram tão manipuladas, adicionaram tantos adendos e há tantas brechas que muitos réus jamais pagarão por seus crimes, dada a facilidade que um bom advogado encontra para defendê-los. Mas não existirá nenhuma brecha nesse emaranhado de leis esdrúxulas e contraditórias que permita que o ministro Cezar Peluso, que fará 70 anos no início de setembro, se aposente após o julgamento do mensalão? Não há nada que possa reverter essa necessidade tão premente de aposentadoria, principalmente quando a perspectiva de vida dos brasileiros cresce a cada ano? Um indivíduo de 70 anos hoje em dia é considerado saudável e útil para o trabalho. Por que um ministro do STF não pode?

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

70 anos no curso do voto

O STF, ao optar por apreciar por capítulos o processo do mensalão, não cindiu o julgamento, que é um só. Assim, se o ministro Cezar Peluso proferir seu voto em relação aos primeiros tópicos examinados pela Corte, terá dado início à sua atividade intelectiva sobre o processo como um todo, a qual deverá ser concluída, não obstante completar a idade prevista para a aposentadoria compulsória no curso do voto. Consequentemente, poderá julgar os demais acusados, ao contrário do que sustentam os que temem o seu pronunciamento. A unicidade do ato processual está retratada na jurisprudência sobre a ação rescisória, cujo prazo de dois anos para propositura começa da última decisão proferida no processo, e não de cada uma delas.

AMADEU R. GARRIDO DE PAULA

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

Mostra a sua cara

Independentemente do resultado, o mensalão é importante por mostrar ao mundo que Lula não é o líder que muitos pensavam.

LAERT PINTO BARBOSA

laert_barbosa@ig.com.br

São Paulo

CENSURA

Há 1.117 dias

Enquanto até Mianmar, país com longo histórico de opressão e ditadura, tido como um dos piores lugares do mundo para jornalistas, acaba de abolir a censura à mídia, o Estadão nosso de cada dia continua amordaçado há mais de 1.100 (!) dias. Até quando?

J. S. DECOL

decoljs@globo.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

ELEIÇÃO MUNICIPAL

Começou o horário eleitoral gratuito no rádio e na televisão. E o Datafolha publicou a sua última pesquisa eleitoral dando Celso Russomanno (PRB) em primeiro lugar, com 31% das intenções de voto; em segundo, José Serra (PSDB), com 27%; e Fernando Haddad (PT), com 8%, em terceiro lugar. O candidato líder na pesquisa tem pouco tempo no horário eleitoral (2min11s), enquanto Serra e Haddad têm o mesmo tempo (7min39s). Como Celso Russomanno está num partido fraco, sem estrutura, sem poder financeiro e só tem 2min11s no horário eleitoral gratuito, é de imaginar que ele caia nas pesquisas. Vamos aguardar para sentir como reage o eleitor.

Olympio F.A.Cintra Netto ofacnt@yahoo.com.br

São Paulo

*

A FESTA DA CORRUPTOCRACIA

Começou a grande festa da corruptocracia brasileira, o horário eleitoral gratuito! Os partidos irão mostrar toda a sua capacidade de utilizar recursos não contabilizados para encomendar musiquinhas que irão definir quem vencerá as eleições. Tribunal de Contas, TSE e STF são todos impotentes para acabar com a farra do caixa 2, que no Brasil não é crime. Viva a ignorância! Viva a incompetência! Viva a corruptocracia brasileira!

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

JOGUEM FORA NO LIXO

O horário eleitoral, que de gratuito nada tem, porque dá compensação fiscal às emissoras para dedução do "prejuízo" no Imposto de Renda, é uma aberração imposta ao País, tal qual o voto obrigatório. Em plena democracia, conquistada a tão duras penas, merecem ser abolidos e atirados no lixo da história do Brasil. Sem demora!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

QUANTO CUSTA?

Barack Obama e Mitt Romney já gastaram mais do que toda a campanha presidencial de 2008 em mídia, incluindo aí a parte do leão, que é a TV. Alguém saberia dizer quanto custa esta nossa propaganda eleitoral gratuita (sic) nas redes de TV aberta?

Ulysses Fernandes Nunes Junior twitter: @Ulyssesfn

São Paulo

*

RUSSOMANNO, O GENÉRICO

Paulista e paulistano não vota mais em PT para governar São Paulo e muito menos em seus genéricos. E hoje vemos Celso Russomanno se aproveitando dos votos dos eleitores de Marta Suplicy, que, revoltados, se recusam a votar em Haddad. Foi assim que ele empatou com José Serra, virando genérico de candidato petista! Tal como Lula, Russomanno também fez aliança com Paulo Maluf, que é procurado pela Interpol. Em matéria de jornal do mês de julho, Russomanno ironizou dizendo que trabalha quietinho, enquanto PSDB e PT se atacam, e foi mesmo tentando passar despercebido que ele, Russomanno, usou de seu mandato na Câmara para fazer a defesa de seu sócio na empresa ND Comunicações, acusado que é de crime contra a ordem tributária nacional. Foi bem quietinho que ele providenciou que uma funcionária de sua produtora de TV fizesse parte da folha de pagamento da Câmara dos Deputados... Quietinho também Russomanno permitiu que parentes seus gozassem férias utilizando sua cota de passagem aérea. Quantas coisas mais Russomanno fez e faz bem quietinho, vendendo depois o discurso falso de que faz a defesa do consumidor? Só se o consumidor for ele mesmo!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

PLANO B

Quem vê de fora enxerga mais, os eleitores da capital que detestam o PT não se devem deixar enganar: está na cara que o candidato Celso Russomanno é o plano B do PT, evidente que o Lula não conseguirá eleger outro poste, principalmente pelos respingos do mensalão, sua moral está bastante abalada, então partiram para o plano B. Se eleger o Celso, o PT sairá ganhando, visto que o mesmo pertence à base aliada e estaria da mesma forma governando São Paulo, e isso ninguém quer.

Jose Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

PARA O PT O PAULISTA É UM IDIOTA

Basta ver a propaganda eleitoral do partido para ver que eles continuam tratando o paulista como se fossem um bando de imbecis e idiotas. São Paulo está no Primeiro Mundo e só não avançou mais ainda porque este partidinho tem atrapalhado em muito. Nem sequer são capazes de utilizar os 30% do dinheiro que deixamos para a União, para melhorar a vida dos demais brasileiros de forma eficiente, desperdiçando em desvios e más gestões (R$ 400 bilhões por ano). Petistas amadores, aqui não, o Brasil não pode dar-se a este luxo e nós, paulistanos, não somos imbecis e idiotas, mas estamos vendo que existe alguém tocando o terror armado em nossas ruas.

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

*

O MAIOR MINISTRO?

Ontem (21/8), logo após o almoço, liguei a tevê e o que vi: a figura indesejada do ex-presidente Burla (ele ainda é), o maior boquirroto que já existiu neste país, pedindo para o paulistano votar em Fernando Haddad, que, segundo ele, foi o maior ministro da Educação que o País já teve. Ver sua figura falando tamanha indecência, por pouco não vomitei. Só mesmo os ignorantes de pai e mãe para seguir conselho desse batoteiro.

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo

*

BANANAS À POPULAÇÃO

Fernando Haddad manifestou-se alegando que a Prefeitura de São Paulo está sem comando, visto o que ocorreu na Secretaria de Habitação com o caso Hussain Aref e o prefeito Gilberto Kassab nem sequer o substituiu, alegando de nada saber. Concordamos plenamente e consideramos absolutamente correto o pronunciamento de Haddad, por este ter sido um dos maiores escândalos da cidade. Porém o candidato nada comentou com respeito ao Brasil quando "estava" - entre aspas, porque o consideramos estando ainda - sob comando de Lula e ter acontecido o maior escândalo do País, o "mensalão", sobre o qual ele se manifestou alegando desconhecer a trama. Ou seja, como ele disse uma vez, "sifu".

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

MENSALÃO PAULISTANO

Pergunta para PT-Haddad: "Você irá implantar o Mensalão Paulistano orquestrado pelo Lula?"

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br

São Paulo

*

CAIXA 2

Como o caixa 2 não é crime, podemos concluir que nas próximas eleições serão usados os tais recursos não contabilizados para eleger os picaretas de sempre, que já tomam posse devendo favores para quem financiou a campanha "por fora". Francamente, não entendo esse carnaval todo com o mensalão, quando está claro que tudo continua igual: os mesmos esquemas, só mudou o terceiro escalão da picaretagem.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

BRASÍLIA X SÃO PAULO

O candidato Haddad promete a São Paulo apoio e verbas de Brasília. Esta soma teria um alto custo agregado: a gestão ineficiente. Um bom exemplo é o projeto federal Crack, é possível vencer, que em 8 meses gerou 79 leitos. O dinamismo de São Paulo não permite embaixadinhas para a arquibancada.

Helena Rodarte Costa Valente helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

NOCIVAS ALIANÇAS POLÍTICAS

Não é lamentável que José Serra, um homem cujo passado comprova ser um indivíduo capaz e inteligente, seja tão mal assessorado politicamente na presente campanha para prefeito de São Paulo? Em primeiro lugar, deveria dispensar todo e qualquer palpiteiro e levar sua campanha de forma autônoma, sem assessores incompetentes ou mal informados. Senhor Serra, use a inteligência que Deus lhe deu. Pense: seria compensador ganhar minutos na televisão em troca de alianças, como por exemplo, mesmo ainda que só cogitada, com indivíduos como Paulo Maluf, procurado pela Interpol pela prática comprovada de peculato e lavagem de dinheiro? Já pensou no prejuízo que lhe está dando o apoio de Gilberto Kassab, que, a meu ver, disputa com Pitta a primazia de ser o pior alcaide que já passou por São Paulo? Acorde, Serra. O senhor já deveria saber que vale mais estar só que mal acompanhado. As atuais pesquisas confirmam. É necessário dar uma guinada em sua campanha, para que não tenhamos Russomano ou Haddad, Deus nos livre, como próximo prefeito de São Paulo.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

ALÉM DOS BEIJOS E PASTÉIS

Se realmente José Serra quiser perder a corrida para a Prefeitura da cidade de São Paulo, presumo que é só ele aparecer na foto abraçado com Kassab. Aí, mesmo se ele comer todos os pastéis da feira livre e beijar todas as criancinhas do mundo, não ganhará as eleições.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

CANOA FURADA

Em 2010, o candidato à Presidência da República José Serra e o seu vice, o banqueiro Índio, embarcaram numa canoa que naufragou. Agora Serra é candidato à Prefeitura de São Paulo, apoiado pelo prefeito Gilberto Kassab. Sendo assim, a canoa furou antes do tempo.

Geraldo Nunes Sebastiani suelymoliterno@yahoo.com.br

Guarujá

*

COMO AS FRALDAS

Sugiro nestas eleições e nas próximas, não reeleger nenhum político. Vamos votar somente em novos nomes, porque político é que nem fralda, tem de trocar com frequência e pelo mesmo motivo.

Arcangelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

*

VALOR AO VOTO

Senhores eleitores, valorizem o seu voto, exijam do seu candidato (vereadores, deputados, senadores) compromisso público e em cartório de que não aceitaram exercer nenhum cargo diferente daquele para o qual vocês deram o seu voto, indo para cargos no Executivo e abrindo vaga para o suplente provavelmente desconhecido.

Aurélio Batista Paiva aureliobpaiva@gmail.com

Brasília

*

CONDENADOS PELO MENSALÃO

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa merece nossa admiração, não só pela sua coragem de relatar o fabuloso esquema chamado "mensalão", mas, também, pela dignidade de seu voto condenando os principais culpados. Aliás, todos que tiverem seu envolvimento comprovado deverão ser condenados, talvez assim, quem sabe, recuperamos nossa autoestima diante de tanta patifaria que acontece nos bastidores do governo e Congresso. Precisamos de um grande choque de austeridade a fim de imbuir nos futuros agentes públicos o respeito as nossas instituições e aos nossos cofres.

Odiléa Mignon cardosomignon@gmail.com

Rio de Janeiro

*

A FOTO DE CAPA

Parabéns ao Estado e a quem soube captar essa cena, estampada na primeira página do jornal de ontem (21/8/2012) - foto dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa e Ricardo Lewandowski! Ela deve ser guardada com carinho, pois significa um documento histórico, um marco regulatório dos embates entre aqueles que querem um país sério, honesto, trabalhador e os que insistem na desordem, na roubalheira e na vida fácil, à custa dos que laboram e pagam impostos. É por isso, que sou leitor do Estadão desde os tempos de meu avô. Mais uma vez, parabéns!

João Magro Ventura joaomv@terra.com.br

São Paulo

*

FELIZ FLAGRANTE

Quanto ao ministro Ricardo Lewandowski não sei! Fotos são fotos, assim como fatos são fatos: fotos e fatos estampam e refletem a realidade. Agora, quem pode sentir-se ofendido é o STF em seu conjunto, ou seja, a instituição e seus membros, porque a primeira não existe sem os segundos - e vice versa! Mas que a foto de primeira página do Estadão de ontem (21/8), em substituição a seu título Condenação, poderia ser intitulada Drácula, prestes a dar o bote, e sua vítima, isso poderia mesmo! Não poderia, senhores leitores? E essa simples substituição de títulos diria, em resumo, tudo... Nada mais restaria a ser dito! O STF, que deveria ser o guardião da Constituição, hoje é, mais que a de Lula, a cara e a feição do PT. E tenho já quase que a convicção de que, terminada a pantomima do julgamento do mensalão e com a nomeação de mais dois ministros pela presidente, acabará por vir a ser quase que o próprio "partido que rouba e não deixa roubar" (sic Zé Dirceu). E lá se irá, mais uma vez, a nossa jovem democracia!

João Guilherme Ortolan guiortolan@gmail.com

Bauru

*

OBSESSÃO

Eu já sabia. O Estadão apenas apresentou a prova fotográfica do Lewandowski como "obsessor encarnado" do ministro Joaquim Barbosa (capa, 21/8/2012).

Celso Vicente Fiorini celsofiorini@ig.com.br

São Paulo

*

A CARTILHA 470

O PT é realmente um partido ímpar: quando é réu, culpa o promotor, a mídia, os juízes por eles mesmos indicados, a maioria entre os amigos. Dizem que todo mundo faz é comum, só caixa 2, e, pior, sempre optam por, ao invés de admitirem seus erros e fazerem um mea-culpa, tentam censurar a mídia e proibir o termo "mensalão", quando deveriam proibir a prática. Agora, depois de Haddad ter gasto dinheiro público no chamado kit gay ou, como eles preferem, "cartilha da diversidade", jogada no lixo por pressão e por ser absolutamente descabida, mesmo assim ainda querem (os petistas) processar o procurador-geral da República por colocar no site da procuradoria uma cartilha do mensalão, ou Ação Penal 470, se assim preferirem. Não adianta tentar esconder o mensalão e o maior processo de corrupção da história do Brasil, e deixar para as próximas gerações modelo de como não se deve fazer política. Queiram os petistas ou não, com cartilha ou não, soubemos como um partido fundado para combater a corrupção e dar voz aos trabalhadores pode acabar como o mais corrupto de todos. É o único com quase toda sua direção indiciada (e bem provavelmente condenada) por corrupção, apesar da proverbial impunidade da justiça brasileira.

Márcio M. Carvalho mmcoak@hotmail.com

Bauru

*

REGULAÇÃO DAS GREVES

O PT sempre incitou e concitou às greves enquanto estava fora do poder, mas, na atualidade, demonstra que não sabe lidar com elas, da mesma forma que não sabe gerenciar satisfatoriamente a coisa pública. A regulamentação do direito de greve está com mais de duas dezenas de anos de atraso, o que está bastante a gosto dos sindicatos e dos grevistas por eles dirigidos. E os grevistas prejudicaram, sobremaneira, a população nos diversos segmentos cujos atendimentos lhe foram negados, como saúde, segurança e educação, mas podem obter aumentos de até mais que quinze por cento, colocando em difícil situação a iniciativa privada, onde os reajustes não passaram de 7%. E o pior é que todos os brasileiros é que pagam a conta, porque o suado dinheiro de nossos tributos vai para pagar um fatura criada pela altivez e inconsequência sindical e que vem, ainda, demonstrar que o desafio sempre traz bom proveito àqueles que bateram os pés contra aos apelos governamentais. Quem ganhou na queda de braços? O governo é que não foi!

José Carlos de C. Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

HIERARQUIA DAS GREVES

Se o governo vai cortar o ponto dos grevistas, deveria começar pelo do ministro do Trabalho.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

MÃOS AMARRADAS

No dia 20/8, policiais federais que trabalham na fronteira com o Paraguai ficaram de mãos amarradas para protestar por melhores salários. Neste protesto alguns poderiam ter usado, e até ficariam melhor com, algemas! Só entende essa minha colocação quem já foi para o Paraguai de ônibus de excursão.

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

*

DILMA PRIVATIZANDO...

Depois de pelo menos dez anos de críticas do PT sobre as privatizações, a presidente Dilma dá uma guinada em busca de parceiros privados para o investimento em infraestrutura. Através do Programa de Investimento em Logística (PIL), pretende aplicar R$ 133 bilhões em ferrovias, rodovias, portos e energia. Ao buscar a parceria privada, convencido de sua importância e despido de suas reações políticas, o governo desce do palanque ideológico e parece estar rumando para a modernização do Estado. A prática do Estado empresário é característica dos regimes autoritários e de esquerda que ruíram com o fim da União Soviética. O Brasil sempre teve um sistema híbrido, que se justificava na época de indução ao desenvolvimento. A economia nacional, organizada desde o final do império e abolição da escravatura, teve início com investimentos privados nacionais e estrangeiros em ferrovias, eletricidade e outros setores básicos. Para alavancar o progresso e ter controle estratégico, o governo passou a aplicar nesses setores, construindo sistemas telefônicos, usinas hidrelétricas, ferrovias e depois rodovias. Com o passar dos anos e a instabilidade política tanto externa quanto interna, todo o setor acabou estatizado e assim funcionou até os anos 90, quando ocorreram as privatizações de FHC. Num país onde a infraestrutura básica já está implantada e em funcionamento, mesmo que com problemas, não há razão para o Estado ainda se manter como empresário operador. O mais aceitável é que atue como poder concedente e fiscalizador. Sua missão deve ser a de induzir ao investimento, buscar parceiros competentes no setor privado e fiscalizar rigorosamente a prestação do serviço. Dilma não deve dar atenção às críticas. Se conseguir exorcizar os fantasmas que o PT lançou sobre as privatizações e torná-las eficientes, seu mandato terá valido a pena e passará marcado positivamente para a história...

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

RODOVIAS FEDERAIS

Semana passada tive a infeliz ideia de utilizar a BR 265 no trecho que liga a cidade de Lavras - MG até a cidade de Ubá - MG. O que se vê ali, é o total abandono de nossas rodovias e um tapa na cara dos brasileiros que pagam seus impostos! Colisões frontais e tombamentos de caminhões e carros em curvas traiçoeiras, vimos inúmeras, e muitas, muitas cruzes ao longo da rodovia, colocadas por familiares, para aqueles que se foram em decorrência da indecência e descomprometimento dessa nossa classe política! Não encontramos uma viatura da policia federal e muito menos um posto policial ao longo de 253 km de rodovia federal. Ai de quem ousar utilizar aquilo que eles chamam de acostamentos. Reze muito para seu carro não quebrar ou ter um pneu furado, pois não terá como trocá-lo! Nossos políticos não trafegam em nossas rodovias, utilizam aviões e, portanto, estão distantes, muito distantes, da verdadeira realidade da infraestrutura, que inexiste neste país, em todos os setores! Dinheiro surrupiado pelos políticos em paraísos fiscais, traduzidos em morte e desgraça para milhares de famílias brasileiras. Como caracterizar esse crime, que mata milhares de brasileiros inocentes e trabalhadores, praticado por esse bando de vagabundos e ladrões aninhados nas casas que deveriam ser da representatividade do povo brasileiro? Esse crime teria que ser caracterizado como hediondo, pois o ato desses senhores elimina vidas, milhares delas! Espero que os inocentes turistas que virão para dois eventos do naipe dos que serão realizados neste país de mentira acordem e desistam dessa infeliz ideia!

Armando Favoretto Junior malhamania@dglnet.com.br

São José do Rio Pardo

*

INFRAESTRUTURA E A MODERNIDADE

Está na hora de esse governo de uma maneira geral definir qual será nosso caminho: 1) modernização - fazer privatizações como Fernando H. Cardoso há 15 anos; 2) estar moderno: educar o povo como a Finlândia há 30 anos; 3) ter modernidade: ter um status socioeconômico e educacional como a Suécia há 50 anos; 4) ser mordernoso: estar na moda por instantes, tal como Serra, Lula, Cabral e durar meses; 5) como Dilma quer ser lembrada. Escolha qualquer das opções.

Jose G.Santinho msantinho@uol.com.br

Campinas

*

FINANCIANDO A ESTATIZAÇÃO

Faltou apenas um show pirotécnico na apresentação do projeto de investimentos em infraestrutura preparado pelo governo e reclamado há muito por economistas e empresários. O plano foi bem recebido, com poucas restrições. Ainda não tinham terminado as palmas quando a imprensa informou sobre a preferência da ala "estatista" do Planalto em manter uma estatal no controle das empresas dos novos aeroportos (Estado, 18/8, A3). Se o governo busca expertise, gerenciamento e recursos para as novas obras tão necessárias, não pode imaginar que empresas de elevado gabarito e experiência no setor, vão submeter-se a ser minoritárias de estatais. Somente as irrelevantes na área , como as que ganharam as concessões de Guarulhos, Viracopos e Brasília aceitariam tal condição. O que preocupa nessa nova fase de "privatizações" é que o governo pretende construir fórmulas que permitam à iniciativa privada financiar e ainda gerenciar as obras de novas empresas sob o comando do estado. Ou seja, o governo busca financiadores da estatização que ele não tem condições de realizar. Isso explica, também, a falta de empenho em dotar as agencias reguladoras de condições para o eficiente exercício de seus mandatos, como se tem verificado frequentemente. Não era isso que a iniciativa privada e o público imaginavam.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

ESTATAL NO COMANDO

Se a situação econômica estivesse boa, com altos: PIB de mais de 5%, arrecadação e exportações de manufaturados baixas, menos reclamações de preços de energia, carga tributária reduzida, melhor infraestrutura, menos queixas de malfeitos e importações de manufaturados, o governo não lançaria a cada semana um plano fantasioso (tipo pré-sal e maior produtor de etanol) sem compromisso de concretização, próprio dos governos petistas, como parcerias em ferrovias, rodovias, etc. Isso tem dois enfoques: marketing e reconhecimento de que o governo como empresário é incompetente, corrupto e malfeitor, pois só coloca políticos como gestores. Apesar disso, coloca uma estatal, a EPL, no comando geral, podendo também ser sócia e dar consultoria. O nome "consultora", aliás, traz tristes memórias.

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

*

PLANO NACIONAL DE LOGÍSTICA INTEGRADA

O Plano Nacional de Logística Integrada (PNLI) de R$ 133 bilhões lançado pela presidente Dilma é um grande desafio para que o País possa sair do atraso nessa área. Conforme especialistas na área de grandes construções, somente o trem bala que ligaria Campinas,São Paulo e Rio de Janeiro - o custo não entra do PNLI -, custaria algo de R$ 60 a R$ 70 bilhões, que é praticamente o dobro das estimativas do governo. Uma sugestão bem mais em conta, seria a duplicação e eletrificação da velha linha "existente" e a adoção de um trem comum, mas moderno - tipo dos intercity europeus -, que seria bem mais útil e também ajudaria a desafogar o transporte de carga da Via Dutra. Atualmente existem trens de alta velocidade (TAV) ou trem bala, em 12 países - os EUA não têm o menor interesse -, e a quase totalidade operam no prejuízo. Como cidadão brasileiro, espero que o governo decida da melhor maneira possível, sem se deixar levar pelo conhecido entusiasmo petista do "vamo-que-vamo".

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

A VERDADE TARDA, MAS NÃO FALHA

Quando FHC privatizou os "elefantes brancos" que só causavam prejuízos e eram cabides de empregos, o PT foi contra. Mas o tempo mostrou a razão e aquelas empresas privatizadas transformaram-se em empresas lucrativas, geradoras de empregos sadios e renda. A Embraer é um ótimo exemplo. Mas o PT segui contra, e criticava. Agora, Dilma, em só canetada, privatiza as rodovias e as ferrovias e com um detalhe importante; 80% do que se gastará será financiado pelo BNDES. Legal, né? Damos as estradas e as ferrovias e ainda damos o dinheiro para as obras, dinheiro este que pertence ao povo, que depois irá pagar pedágios escorchantes para usar tais rodovias. E as empresas serão exploradas para usarem as ferrovias. Deste jeito, o Custo Brasil virou Custo do Brasileiro. E quem garante que estes 133 bilhões serão suficientes? Todos sabem que no Brasil qualquer obra começa valendo 10 e acaba, quando acaba, valendo 100. Mas fica para o PT a oportunidade de jogar sobre os empresários a responsabilidade de arrumarem e construírem as estradas e ferrovias para a Copa do Mundo. É a confissão de incompetência. Temos o dinheiro, e o BNDES confirma isto, mas não sabemos fazer, não temos no PT gente competente para tocar obras, fazerem licitações limpas, administrar o dinheiro, e a Dilma, sabedora disto preferiu entregar à iniciativa privada. Oxalá não estejamos criando um monstro devorador de milhões. Diz o PT que o país está atrasado 10 anos neste setor. Ora, então porque Lula, em 2 mandatos, 8 anos e Dilma, já com 2 anos, nada fizeram? O Brasil perdeu uma década para concluir que a privatização é o caminho e que FHC, mais uma vez, estava certo.

Odair Picciolli odairpicciolli@moradadoscolibris.com.br

Extrema (MG)

*

DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO

Em meio ao atual momento do estágio de certa forma equilibrada de nossa economia, um dado que nos assusta é a divulgação da situação da educação entre nós. Sabendo-se da estreita relação entre processo de desenvolvimento e educação de qualidade, os dados medíocres divulgados são bastante preocupantes. Urge, assim, que nossas lideranças tanto públicas como as da iniciativa privadas se unam, no sentido de dar um salto de qualidade no setor, sob pena de vermos nosso potencial de crescimento sustentado ser engessado com sérios riscos para o futura da nação brasileira.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

MODESTAS SUGESTÕES

A evidente constatação de que o governo não sabe o que fazer com os resultados aviltantes do ensino no País nos leva a perguntar modestamente: quais os motivos para não ser convocado um grupo de excelências; como professores experientes, pedagogos, doutores em educação para que sejam apontados os problemas existentes e para que se elaborem diretrizes, metas, partindo de alguns simples questionamentos, tais como: o que se espera que o aluno saiba no final de cada ciclo já existente? Quais as habilidades necessárias para que esse mesmo aluno tenha qualificação para as séries seguintes? A partir daí se estabelecer as técnicas, os conteúdos conceituais e principalmente os diferentes passos a serem alcançados levando em conta a etapa seguinte de cada conteúdo. Tudo muito fácil assim, porém ha de se contar: 1º com professores capazes, muito bem assistidos por supervisão Pedagógica, que estejam engajados no programa, que conheçam as etapas do desenvolvimento dos alunos, e que dominem os conteúdos muito além de seus alunos; (muito professor da rede publica de educação não tem a menor ideia do quê e o porquê do que está há ensinar). 2º Abastecer o Ministério da Educação, o MEC, de técnicos competentes e principalmente de um "Ministro" com totais conhecimentos na área; chega de pelegos e de políticos sem o menor conhecimento de causa que estão dominando os cargos nesses últimos 10 anos de desgoverno. Do jeito que está não há a menor possibilidade de sairmos dos níveis miseráveis de ensino, aprovando analfabetos e jogando até o nível Superior um monte de infelizes que não entendem o que escrevem ou o que leem. E o que é mais grave, muitos irão voltar para as Escolas só que agora para "ensinar"...

Leila E. Leitão

São Paulo

*

METAS PARA A EDUCAÇÃO

Tarde demais. Perdemos muito tempo. A grande diferença em relação aos países do primeiro mundo é praticamente intirável. Para estabelecer metas plausíveis para a educação, o Brasil precisa, antes de mais nada, subir muitas posição no Índice de Desenvolvimento Humano que atualmente está em constrangedores 0,72, 84ª posição entre 187 países.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

O ESTADO DA EDUCAÇÃO

Apenas a "cara" dos ministros petistas que perambulam pela área há dez anos!

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

POVO FELIZ

Uma carta que li no Fórum dos Leitores ontem, intitulada Somos Felizes, me trouxe à lembrança o acontecimento que passo a narrar. Trabalhei 14 anos no Grupo Fiat, no qual entrei bem no início de sua implantação aqui no Brasil, e nesse começo vinham italianos ás centenas participar desse processo de implantação. Bem, certo dia um dos diretores da empresa que aqui se encontrava, ao qual eu estava subordinado, e que desenvolveu comigo uma relação de mútua confiança e amizade, me perguntou, dizendo: - "Explica-me uma coisa que não entendo no brasileiro. É um povo que em sua maioria é notadamente ignorante, ganha um salário irrisório, massacrado por uma carga tributária cruel, submetido a uma taxa de juros exorbitante, passa por imensas dificuldades, tem uma assistência médica medíocre, administrado por políticos incompetentes e ladrões, mas a gente passa por cada um de vocês, cumprimenta e pergunta "Como vai?". E a resposta vem acompanhada de um largo sorriso, envolta em uma aura de felicidade: - Tudo bem! "Pode me explicar?", insistiu ele. E, infelizmente, eu não soube explicar. Na realidade eu quis lhe perguntar: "O senhor já ouviu falar do bobo alegre?". Mas, preferi não depreciar tanto o nosso povo infeliz diante de um estrangeiro.

Nei Silveira de Almeida neizao1@yahoo.com.br

Belo Horizonte

*

FAVELAS EM CHAMAS

Os incêndios em favelas que tanto sofrimento e danos trazem aos desabrigados e a todos nós, moradores de São Paulo, já poderiam ser coisa do passado se a Defesa Civil do município, no início da administração do prefeito José Serra, não tivesse desativado o excelente programa de implantação de Brigada de Incêndio em favelas, que foi desenvolvido em parceria com o IPT, o Corpo de Bombeiros, a Defesa Civil Municipal e mais algumas entidades, programa que chegou a ser implantado em quatro favelas, uma em cada zona da cidade e em um cortiço do Bom Retiro. A atual administração Kassab, o seu partido e os partidos aliados, está sendo obrigada a cumprir uma lei municipal de autoria do vereador Jatene que obriga o município a cuidar da proteção contra incêndio nas favelas, mas infelizmente não teve humildade, sabedoria e competência para aproveitar o programa desenvolvido na administração petista, e resolveu criar um outro programa que os fatos estão demonstrando que não está evitando os incêndios nas favelas conforme foi divulgado nos dias 17 e 18 de agosto de 2012. Os estudos realizados pelo Projeto Brasil Sem Chamas do Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação (MTCI), durante a implantação do programa anterior, comprovaram por meio de metodologia científica que o valor que o município gasta para implantar aquele modelo de programa em uma favela, equivale a 10% do valor que o mesmo município gasta, toda vez que ocorre um incêndio onde há a queima de 20 barracos. Outro dado impressionante constatado pelo Projeto Brasil Sem Chamas, que continuou apoiando o programa com a reposição dos extintores, mesmo após a Defesa Civil Municipal se retirar da parceria, mostrou que nas quatro favelas e no cortiço, onde o programa anterior foi implantado, desde sua criação, até a data do estudo em 2010, todos os princípios de incêndios que surgiram naquelas comunidades, os próprios membros da brigada de incêndio atuaram nos primeiros minutos evitando que o princípio se tornasse um grande incêndio.

Paulo Chaves de Araujo, ten. cel. res. Corpo de Bombeiros de São Paulo e pesquisador em proteção contra incêndio pcachaves@uol.com.br

São Paulo

*

TITE CONTRA A MALANDRAGEM

O técnico do Corinthians, Tite, perdeu uma boa chance de ficar calado. Após a derrota no clássico contra o Santos, Tite errou feio ao usar discurso falso moralista e criticar a forma de jogar de Neymar e a "malandragem" usada no futebol. É preciso saber ganhar e saber perder. Os árbitros erram demais, a favor e contra todas as equipes. O Corinthians já foi beneficiado N vezes pela arbitragem e se Neymar jogasse no seu time, Tite nada diria e até elogiaria sua malandragem. A atitude de Tite foi irresponsável e antiética ao criticar publicamente um atleta de um clube rival, apenas porque seu time perdeu um jogo.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

TITE, RENÊ SIMÕES E NEYMAR

Que peninha, Tite! Sempre admirei sua conduta leal e educada no trato com o próximo! Porém, no domingo, pós-jogo Santos x Corinthians, você me decepcionou ao atacar severamente o craque Neymar, fazendo comparações idênticas a usada pelo Renê Simões: "Esse menino é um monstro!". Será? Tite, eu não sou corintiano, mas sempre admirei sua conduta equilibrada e digna de ser imitada. Mas no domingo você extrapolou e colocou tudo a perder, fez igual ao Renê Simões, só veem perigo neste grande craque, Neymar. Porém, eu gostaria de saber o que você e o Renê Simões teriam a dizer do goleiro Bruno, presidiário e ex-flamengo. Se vocês fizeram tamanha e negativa descrição do santista, por que não falaram desse outro jogador? Qual dos dois são mais perigosos? Seria muito importante você comentar também a maneira desleal com que o Neymar vem sendo cassados pelos seus adversários e o que diria dos seus agressores? É só assistir a um vídeo.

Benone Augusto de Paiva benone2006@bol.com.br

São Paulo

*

O LULA DO ESPORTE

O Neymar está virando no esporte um Lula na política, ou seja, para vencer utiliza de todos os meios possíveis, mentindo, enganando, simulando e jogando as torcidas umas contra as outras, como Lula faz com o povo do nordeste com o sudeste. Enquanto não nos indignarmos com atitudes como estas no esporte, continuaremos sendo um pais de terceiro mundo e assistindo a cenas de violência entre as torcidas. A irresponsabilidade deste garoto chegou a um ponto inaceitável, ta no hora de colocarmos ordem, ética e profissionalismo no futebol brasileiro, não foi a toa que o Neymar foi vaiado nos jogos olímpicos!

Luiz Claudio Zabatiero zabasim@ig.com.br

São Paulo

*

ESTAMOS DELIRANDO?

O nosso ex-presidente se mete em tudo, só que onde se mete só dá "m...", é preciso citar alguns exemplos? Acha que sabe e pode tudo, mas não sabe nada, acreditem, tem cabimento se intrometer na Confederação Brasileira de Futebol (CBF)? Quer interferir na permanência de Andrés Sanchez e do Mano Menezes no comando da seleção, será que é por isso que o nosso futebol está indo para o "brejo", de pentacampeões já chegamos a 13º no ranking mundial. Onde há corruPTos as decisões só visam aos intere$$e$ escusos. Conseguiu que o PT o transformasse em um "líder", que culpa temos nós, brasileiros, em pagar a conta que está nos deixando? Enquanto é tempo deve se afastar ou fugir da mídia para evitar uma execração pública, se não acredita é só esperar para ver o seu triste fim e da sua tropa, depois de julgados e condenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que dará um grande exemplo para a sociedade brasileira com a observância das nossas leis e constituição, devolvendo-nos a dignidade e honra perdidas, preservando e fortalecendo a nossa combalida democracia, ou estamos delirando?

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

TATU CHEIRA TATU

Está certo, a CBF, que sempre foi um antro de corrupto, segundo a justiça Suíça, está consultando o Lulla para saber se o Mano Menezes deve ou não continuar como técnico da Seleção Brasileira de Futebol. Tatu cheira tatu, eles se merecem. Vide mensalão!

Antonio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

INVESTIMENTO DEMAIS

Na minha opinião, os governos (seja o federal, o estadual ou o municipal) investem dinheiro demais no esporte. No fundo, esse dinheiro investido beneficia apenas os atletas, não o País. Ou seja, é um dinheiro mal aplicado. Esse dinheiro que financia o treinamento dos atletas brasileiros poderia ser muito melhor gasto se fosse aplicado em outras coisas mais úteis ao país, como o aparelhamento das polícias, das forças armadas e da justiça, a melhoria da infraestrutura urbana e a construção de abrigos para moradores de rua. Afinal de contas, qual é a relevância real de o Brasil conquistar muitas medalhas olímpicas? Em que isso vai beneficiar realmente o País? Ficam aqui as observações, que espero que sensibilizem o governo federal quanto à inutilidade do investimento público no esporte, não obstante a pressão que a mídia exerce no sentido de nos convencer do contrário.

Erico Tachizawa ericotachizawa@ig.com.br

Rio de Janeiro

*

A EDUCAÇÃO FÍSICA E O 'BOMBARDEIO' OLÍMPICO

A história da Educação Física no Brasil nos traz vários momentos que fizeram-na ser vista como algo fundamental para formação dos alunos e outras vezes vista como algo supérfluo em uma sociedade que prima(va) pela formação "intelectual". Trago esta reflexão do papel da Educação Física escolar, em um momento em que os olhos do mundo e dos líderes deste país se voltam para os dois grandes eventos que iremos realizar, a saber: Copa do Mundo de Futebol 2014 e a Olimpíada do Rio 2016. E por que o faço? Porque, indubitavelmente vem à avalanche de cobrança em cima das escolas, dos professores de Educação Física, dos clubes e de todos que atuam com o esporte no país. Mas vou focar minha reflexão na escola. Em um estudo recente divulgado pelo Instituto Cidadania, o qual é administrado por ex-atletas como Ana Moser, "Magic" Paula, Raí, Joaquim Cruz, entre outros, o mesmo nos traz um "retrato" do Esporte no país, em que pese à veracidade dos dados, o instituto cobra dos governos o investimento no esporte dentro da escola. Quero salientar que defendo o esporte na escola, sou a favor de oportunizarmos o esporte para mais de 23 milhões de crianças e adolescentes que vivem neste país, mas na contra mão do que defende o instituto e muitos ex-atletas e mesmo professores de Educação Física, as aulas de Educação Física escolar que hoje (após muitas lutas) estão dentro do currículo escolar como componente curricular e em iguais condições com outras disciplinas (matemática, português, artes, química, física, etc.), não sendo assim, o espaço que o esporte necessita para ser desenvolvido no país. E por quê? Por que a escola é para todos, para os gordinhos, magrinhos, habilidosos, deficientes, negro, branco, para meninos e meninas e não apenas para os poucos que se destacam no esporte. Não podemos deixar de mostrar para a sociedade o equívoco que se estará fazendo, colocando no professor de Educação Física que atua na escola a responsabilidade de formar nossos medalhistas de ouro! Entendo a escola como um espaço fundamental para esta busca, mas ao contrário do que muitos pensam, o esporte na escola deve ser desenvolvido e oferecido no horário contrário dos estudos dos alunos, ou seja, se o garoto ou garota estuda no período da manhã, deverá praticar esporte no período da tarde e vice versa. Basta olharmos para os números recentes do Ideb (índice que mede a qualidade da educação básica no país), para verificarmos o quanto temos que avançar em todas as direções e não apenas utilizarmos do discurso do Esporte para tentarmos diminuir as desigualdades sociais e criar medalhistas olímpicos. Em recente entrevista dada por Joaquim Cruz ao jornal O Estado de S. Paulo, o mesmo deixa claro que seria papel da Educação Física escolar desenvolver o esporte, inclusive tece críticas à inserção do componente curricular em questão, estando este dentro da grade horária da escola e não fora do horário como o mesmo e muitos de nós cursamos. Portanto, deixemos claro e não confundamos Educação Física escolar com Esporte e como já dizia um proeminente autor da área, seja o quer for Educação Física, esporte é que não é! Para finalizar deixo claro que o Esporte é uma das manifestações corporais passiveis de estudos pelos nossos alunos, juntamente com as lutas, danças, brincadeiras, circo, pipa, entre tantas outras. E se queremos tornar nosso país uma potencia olímpica, devemos envolver toda a sociedade neste projeto, desde o Ministério do Esporte, Defensoria Pública, Ministério Público, etc., e não apenas os "iluminados" que dizem entender de esporte.

Hugo Cesar Bueno Nunes, professor mestre em Educação Física nuneshugo@live.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.