Fórum dos Leitores

GREVE FEDERAL

O Estado de S.Paulo

24 Agosto 2012 | 03h07

Reação correta

A determinação da presidenta Dilma Rousseff de punir exemplarmente os grevistas, apurando o nome deles, veio a tempo e hora, porque não se pode conviver com tantas provocações e tantos danos ao sofrido povo deste país. Também a punição veio afastar o absurdo pacto narrado pelos sindicalistas de que, mesmo que a greve durasse meses, os dias descontados dos vencimentos seriam, no máximo, sete, embora não houvesse nada escrito sobre a matéria, como bem comentou o Estadão. Proceder assim é enganar o povo e tripudiar sobre a disciplina e o dinheiro público. Não há como aceitar tamanhos privilégios que os servidores da República enfeixam em suas mãos. O exemplo deles é profundamente maléfico para quem trabalha na iniciativa privada. Daí que a presidenta fez muito bem em enfrentar a desordem, a baderna e a celeuma com atos de disciplina e de justiça, em benefício do povo brasileiro - que, aliás, nunca foi objeto do pensamento dos grevistas e dos sindicalistas.

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

Privilegiados

Nós, os contribuintes, não somos os patrões desses funcionários em greve? Então, vamos demiti-los já! Chega de terem apenas direitos. Ou seriam privilégios?

FRANCISCO DA COSTA OLIVEIRA

fco.paco@uol.com.br

São Paulo

Desalento

Pena que no Brasil o funcionalismo não seja tão operante como o sindicalismo.

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

Batata assando?

Invasão do Planalto, greves do funcionalismo público federal, ex-sinistro-chefe da Casa Civil apoiando os abusos desses grevistas... Será que alguém que prometeu assar coelhinhos está assando a batata da Dilma? Sorte dos bichinhos e azar nosso!

CESAR ARAUJO

cra01290@gmail.com

São Paulo

Armação ilimitada

Agora já está mais do que evidente que esse pipocar de greves do funcionalismo federal é uma armação para desviar o foco do julgamento do mensalão, que está tirando o sono do PT. Ainda bem que não está dando certo, posto que não se fala em outra coisa nas ruas, no ambiente de trabalho, nas filas de ônibus, de trens, postos de saúde e por aí afora. Ou seja, o tiro está saindo pela culatra.

JOSÉ MARQUES

seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

MENSALÃO

Pizzandowski

O ministro do STF Ricardo Lewandowski absolveu o deputado/candidato/mensaleiro João Paulo Cunha (no Estado de 23/8 Cunha já dizia que seria inocentado...) de todas as acusações. É o primeiro indício de que o revisor do mensalão será o protagonista do festival de absolvições.

JOSÉ FRANCISCO PERES FRANÇA

josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

João Paulo Cunha

Ficou evidente pelo voto do ministro revisor que os que estão dentro do círculo do poder serão inocentados. Nossa Justiça não é cega nem caolha, vê bem com os dois olhos. Sua balança é usada para pesar os interesses dos poderosos e agir de acordo com a vontade deles. A espada anda enferrujada por falta de uso.

OSCAR SECKLER MÜLLER

oscarmuller2211@gmail.com

São Paulo

Revisor ou defensor?

Assistindo à leitura do voto do ministro Ricardo Lewandowski, ocorreu-me séria dúvida: ele é revisor do processo ou advogado de defesa de João Paulo Cunha?

HONYLDO R. PEREIRA PINTO

honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

Deu a lógica

Como se esperava, dada a sua afinidade com o PT de Lula, Lewandowski absolveu, em nome da impunidade neste país, João Paulo Cunha. Pelo jeito, o ministro deve ter feito uma investigação paralela, para desprezar, no mínimo, o trabalho do procurador-geral da República Roberto Gurgel. Na realidade, a máxima do petismo de que quem tem amigo não morre pagão e tampouco será condenado, mesmo que seja corrupto, ronda a aura de Lewandowski...

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Gratidão

Pois é, no voto do ministro Lewandowski, um não petista e um petista de baixa densidade foram condenados. Coube-lhes o evidente papel de bois de piranha para o restante da boiada petista passar incólume pelo julgamento do ministro que veio de São Bernardo. Quando chegou a vez do deputado João Paulo, cevado componente do núcleo duro político petista, foi ele absolvido pelo ministro, como interessa ao petolulismo. Está dado o tom do juiz Lewandowski - e a gratidão à amiga de sua mãe a quem deve a toga no STF. Um doce para quem souber quem é a amiga da mãe do ministro responsável pela sua indicação para a Suprema Corte.

ALEXANDRE DE MACEDO MARQUES

ammarques@uol.com.br

São Paulo

Eles sabem das coisas...

Pronto! Lewandowski mostrou serviço e justificou a indicação recebida para o posto no STF por favor de Marisa Letícia. Vai condenar os peixinhos e livrar os bagrões. Surpresa? Nenhuma! Os petistas anunciaram a absolvição de João Paulo Cunha por Lewandowski como fato consumado.

M. CRISTINA ROCHA AZEVEDO

crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

Amigos de fé

Não à toa se quer a suspeição do ministro Dias Toffoli em julgar o caso do mensalão. Pois se Lewandowski, amigo-vizinho de Marisa Letícia, esposa de Lula, absolveu João Paulo Cunha - fica evidente que absolverá também José Dirceu e todos do núcleo político da empreitada -, imaginem o que Toffoli fará, sendo amigo de fé, irmão, camarada. Como vai condenar amigos? O julgamento ainda não chegou ao fim, mas não é precipitado afirmar: como é duro político brasileiro ir para a cadeia! Os pequenininhos vão, mas os grandões... Afinal, Marcos Valério e sócios mais o diretor do Banco do Brasil desviaram essa dinheirama toda apenas para proveito próprio ou a grana serviu a um projeto político? Se serviu a um projeto político, que políticos foram favorecidos e quais operaram o esquema? Não vai aparecer um nome? E o dinheirinho que a mulher de Cunha retirou do banco? Lewandowski, resolva-se: era do PT, lícito, ou tinha origem criminosa? Eta, Brasil velho de guerra!

MYRIAN MACEDO

myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

LEWANDOWSKI VAI LEVANDO

O fato de o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski ter seguido o voto do ministro relator Joaquim Barbosa e condenado Marcos Valério, seus sócios e Henrique Pizzolato, ex-diretor de marketing do Banco do Brasil, não significa que as concordâncias entre ele e o ministro Joaquim Barbosa se manterão. Lewandowski vai condenar todos que não estejam abrigados sob a sigla do PT, principalmente aqueles que fizeram parte do núcleo duro do partido. Para ele, todos esses mensaleiros são anjos de candura e estão sendo acusados por algo que nem existiu... Pior de tudo é ver a presença do ministro Dias Toffoli durante o julgamento, carente que é não só de notório saber jurídico, como também da mínima isenção para participar do julgamento de seus amigos mensaleiros. Triste constatação!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

A VEZ DOS 'CHEFÕES'

Nenhuma surpresa pela absolvição de João Paulo Cunha (aquele que mandou sua esposa ao Banco Rural pagar um boleto de televisão a cabo e de lambuja recebeu R$ 50 mil de prêmio) por Lewandowski, o amigo de dona Marisa Letícia. E esperemos pelas suas demais absolvições, quando chegar a vez dos "chefões" do mensalão. Ainda bem que o plenário dos STF é feito de pessoas com maior clareza no campo da ética e que são desobrigados de seguir qualquer um dos dois ministros: relator ou revisor. Nem todos seguem o ditado "uma mão lava a outra".

Leila E. Leitão

São Paulo

*

JOÃO PAULO CUNHA

Li que, mesmo se condenado, o petista João Paulo Cunha demorará a "cumprir" a pena, podendo ainda postergar com recursos. Será que por isso é candidato na eleição deste ano? Se eleito, ainda poderá apelar dizendo "vejam, o povo (oras o povo) me escolheu, então estou absolvido". Haja estômago para este tipo de estelionato!

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

NINGUÉM SERÁ PRESO

O ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos afirma que, independentemente da condenação dos "mensaleiros", conforme Ação Penal 470, ninguém será preso no corrente ano. Por quê? E diz mais: que o processo só será concluído em 2013, tem cabimento? Será que é para dar tempo aos condenados fugirem do País, com asilo político em outros países (Cuba, por exemplo)? O STF não vai permitir, vai? Há precedentes: a concessão do habeas corpus ao médico Roger Abdelmassih, condenado a 278 anos, que está foragido no Líbano, vivendo bem e sem problemas. Agora chegou a vez de a Suprema Corte mostrar ao povo brasileiro a isenção, a idoneidade e a lisura dos seus ministros, que representam a última instância do nosso Judiciário. Agilizando o cumprimento das penas, inclusive prisões, ainda neste ano, para evitar "surpresas".

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

ZEBRA

Lewandowski virou entregowski e já condenou quatro. É isso, juiz, sempre é tempo para mudar de ideia. Cadeia nesta turma! Quem sabe ainda chegamos ao chefão. Acho que Joaquim Barbosa abriu a porteira, e quem insistir em ficar no curral vai para o matadouro. Mais alguns julgando assim e a vaca foi pro brejo.

Odair Picciolli odairpicciolli@moradadoscolibris.com.br

Extrema (MG)

*

SATISFAÇÃO GARANTIDA

Quanto ao julgamento do mensalão, qualquer que seja o resultado, ninguém poderá nos tirar a satisfação de saber que essa gente carregará para sempre essa nódoa no currículo.

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

USURPADORES

Os diálogos sobre os milhões, bilhões e trilhões de reais que rolam dentro do julgamento dos réus do mensalão, que corre no STF, são de enlouquecer qualquer cidadão, até mesmo o mais abastado. É imensurável a quantidades de vezes que ouvimos os ministros do STF falarem do dinheiro que foi movimentado pela turma na forma de empréstimo, aplicações, distribuições, transferências, saques, repasses, resgates etc... A impressão que isso nos deixa é de que vai chegar o dia em que a produção da Casa da Moeda do Brasil mal vai dar para sustentar a gulosice desses corruptos e corruptores que estão destruindo nossa pátria. Perco o sono só em pensar na quantidade de milhões de reais que vai ser gasto pelo STF para julgar esses usurpadores do nosso dinheiro. Acorde, Justiça brasileira.

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

JOAQUIM BARBOSA

O espetacular trabalho do relator do mensalão, ministro Joaquim Barbosa, juiz da mais alta corte do País, de origem negra, é a prova viva de que as cotas nas universidades são produto de um infeliz equívoco. A cor da pele não deveria ser critério para aprovar a entrada de alunos na universidade. Na minha opinião, o principal critério deveria ser a condição econômica dos candidatos. Sejam brancos, pretos ou amarelos, o que deveria interessar seria a condição econômica de cada um. O preparo de Joaquim Barbosa é indiscutível e sua inteligência e sagacidade são indiscutíveis. Lewandowski rendeu-se aos argumentos de Joaquim. É um ícone e orgulho da raça negra brasileira.

Mario Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

A VERGONHA DO SÉCULO

Fez bem ao ego de brasileiro ver o digníssimo ministro Joaquim Barbosa elucidar ponto por ponto do julgamento do século, na verdade a vergonha do século, pois é inaceitável um partido dito no passado ético fazer uma canalhice dessas, usando e abusando de dinheiro público e, na maior cara de pau, dizer que é tudo mentira. E o cabeça-mor, Lula, o surdo mudo, com todo respeito aos verdadeiros, conseguiu se safar é uma vergonha.

Mustafa Baruki baruki@bol.com.br

Belo Horizonte

*

JUSTIÇAMENTO, E NÃO JUSTIÇA

Como cidadão brasileiro, eu gostaria de manifestar o meu protesto quanto à maneira que está sendo conduzido o julgamento da Ação Penal 470, comumente conhecida como o Mensalão. Sinto que o julgamento já começou com sérias infrações. Primeiro, a escolha das datas: esta sendo conduzido próximo de uma eleição e um dos ministros, Cezar Peluso, pode ter que sair antes que o julgamento se esgote, ou seja, a escolha do inicio do julgamento foi, na minha opinião, errônea. Segundo, estão sendo julgados réus sem e com foro privilegiado juntos, uma verdadeira salada de frutas, o que já fere a nossa Constituição. Sinto que o julgamento está sendo essa salada de frutas cítricas, iniciado em dada não adequada, por pressão da mídia, que por sua vez já condenou os réus do mensalão como culpados. Ou seja, a Corte demonstra estar se curvando ao apelo midiático, o que é um fato muito grave. Terceiro, vemos um relator emocionalmente instável, que a qualquer manifestação contrária à sua, se diz "ofendido" e que prefere votar fatiadamente, correndo o risco de quorum de votação diferente, dando como uma das suas justificativas "dor nas costas". Testemunhamos um presidente fraco, que permite que um ministro atropele ou interrompa o outro enquanto este expõe o seu ponto de vista. Vemos, também, que os ministros do STF não estão preparados para votar o caso, pois não têm metodologia previamente estabelecida para um caso tão complexo. Estão achando o "caminho enquanto o percorrem". E o mais temeroso de tudo é que estamos assistindo a uma verdadeira "queda de braço" entre os ministros na mais alta Corte do País. Vence que faz o bullying maior, neste caso, o ministro Joaquim Barbosa, que até teve o destempero de chegar a "ameaçar" sair do caso, caso a Corte não aceitasse a metodologia que quer impor, goela a baixo. Entendi que o ministro relator não teve o profissionalismo e a gentileza de avisar o ministro revisor da maneira que iria votar, só avisando o presidente, que por sua vez também omitiu esse fato de o ministro revisor e dos demais ministros. Esse julgamento ultrapassou o limite do tolerável. É inaceitável que alguns réus sejam julgados por quorum diferentes. Isso fere a nossa Constituição e mostra atitude beligerante e parcial aos réus, por parte do ministro relator. Não estou vendo a justiça ser feita, mas um justiçamento em andamento, nos moldes da inquisição medieval, mancha moral da humanidade. Se a mais alta corte do País está correndo o risco de ferir a nossa Constituição, tendo réus julgados por quorum diferentes, e não oferecendo recurso de defesa, então acredito que o mais certo seria ter esse julgamento cancelado e remarcado para outra data mais adequada, pois caso contrário não teremos um julgamento justo. Presto as minhas homenagens ao ministro Lewandowski, pela sua decência, coerência e elegância, e ao ministro Marco Aurélio, pela leveza e inteligência que traz a esse julgamento tão controverso.

Olegário Abreu Oliveira oligarioabreu@hotmail.com

São Paulo

*

A APOSENTADORIA DE PELUSO

Para nós, pessoas normais e dotadas de simples bom senso, custa-nos entender a confusão feita pela questão "tempo e voto" do ministro Cezar Peluso. Ora, se o ministro dedicou seu tempo à leitura de todo o processo do julgamento, se está habilitado a proclamar seu voto, por que o dia 3 de setembro (quando se aposenta) tornou-se tão emblemático? Por que não criar um recurso para que o ministro antecipe seu voto ou para que lhe seja permitido acompanhar esse processo até o final? Acho que o respeito à conduta do ministro, a seu currículo, a seu caráter e a seu desempenho durante tantos anos mereceriam uma apreciação conjunta da Corte em conceder-lhe esse direito, dada a extrema importância desta Ação Penal 470, ora em curso. Quaisquer outras firulas interpretativas soam de extremo pernosticismo e má-fé por parte das pessoas "normais".

Regina Ulhôa Cintra reginaulhoa@uol.com.br

São Paulo

*

O VOTO DO MINISTRO

Se Peluso não votar, a pizza é de marmelada.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

PELUSO X TOFFOLI

Se o ministro Toffoli pode ser julgador num processo envolvendo pessoas de um grupo do qual ele mesmo fazia parte, por que o ministro Peluso não pode antecipar seu voto? Se, como dizem, para Toffoli era apenas uma questão de foro íntimo participar, para Cezar Peluso nem isso o exclui.

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo

*

RUSSOMANNO E AS IGREJAS

Lamentável que o candidato a prefeito de São Paulo Celso Russomano diga que quer ver uma igreja em cada quarteirão da cidade. É um mix de fundamentalismo, ignorância e picaretagem. Por aí se vê a que ponto chegamos, ou seja, no fundo do poço. Russomanno quer o voto dos evangélicos e os bajula. O fato de ele hoje ter 31% das intenções de votos apenas escancara como os paulistanos estão idiotizados e sem o menor senso crítico ou consciência política. Triste.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

RUSSOMANNO, A TERCEIRA VIA

De fato, a política paulistana, e quem sabe a do próprio Estado, esteja passando por um processo laboratorial onde os caciques que sempre comandaram os seus rituais morubixabas políticos estão perdendo espaço para novos valores ou novos métodos menos arcaicos. É bem verdade que ainda é cedo para fazer qualquer prognóstico sobre o resultado final, a ligação logística de Celso com a Igreja Universal do Reino de Deus e seu bispo, Edir Macedo. Sente-se que o povo quer mudar. Se o governo está um desastre em matéria de gestão, a oposição do PSDB e demais oposicionistas agem como o Gasparzinho (HQ), o fantasminha camarada, que jamais é visto. Alguma transformação o eleitor brasileiro fará, de modo geral a capital de São Paulo. Poderia ou não a hegemonia política cair nos braços do PT de Lula, e Dilma e Russomano. Alea jacta est.

Jair Gomes Coelho renatotto@hotmail.com

Vassouras (RJ)

*

DEUS COMO PREFEITO?

Não sei por que a maioria dos candidatos à Prefeitura de São Paulo está se agarrando em religiões em vez de gestão eficiente. Será que o povo paulistano vai querer Deus como prefeito ou vai optar por quem pode resolver nossos problemas? Um fala como se fosse padre em dia de comunhão, o outro quer uma igreja em cada quarteirão. E para a gestão de uma cidade que recebe a cada dia mais emigrantes vindos de todo o País esses candidatos propõem o quê? O povo quer emprego, saneamento básico, casa, comida na mesa e menos tempo pra ir e vir do trabalho. Para começar a resolver nossos problemas, São Paulo precisa parar de crescer, senão não vai adiantar se agarrar a religiões e credos. Isso é realidade, o resto é marketing baixo e rasteiro.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

LULA PÕE HADDAD À VENDA

O maior estelionatário político do Brasil, o mais hipócrita dos hipócritas, o institucionalizador da corrupção nestas plagas, o maior sem vergonha moral e ético do mundo, o molusco mais escorregadio de todos, a mais lamentável figura que se tornou pública neste país tenta vender em São Paulo mais um de seus embustes. O boquirroto-mor anuncia seu apoio ao títere sentado em seu colo afirmando ter sido ele "o melhor ministro da Educação que o País já teve". O cara não tem mesmo vergonha na cara, como também não terão aqueles que comprarem o brinquedo de luxo de Lula. Que nesta República de bananas são muitos...

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com

São Paulo

*

GAROTO PROPAGADOR DE ILUSÕES

Já se não bastassem os desencontros e atropelos do nosso ex-presidente - a saber: enxovalhar o STF exigindo adiamento do julgamento dos corruptos do mensalão:se juntar à figura mais procurada pela Interpol, ressuscitando um fóssil político de passado pra lá de duvidoso e até apoiando Hugo Chávez, para permanência eterna no poder da Venezuela, vem agora o ex-presidente (que não desconfia de que é ex) ser mestre-sala da escola de samba onde o Haddad é porta-bandeira, num desfile de mediocridades atrás do governo paulistano! Quando ministro da Educação, Haddad foi responsável, não assumido, pelo declínio do saber nas escolas brasileiras! Pelos fracassos de todas as edições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), sempre acompanhado de escândalos - vazamento de gabaritos, venda e roubo de provas, questões tendenciosas refletindo um proselitismo de 2ª categoria ou erradas; responsável pela edição de cartilhas "falando mal" e "guia para tentar ser gay" e outras baboseiras indignas de um Ministério da Educação. É esse o candidato do PT! Pelo menos, através das pesquisas o paulistano (e os paulistas de modo geral que sempre carregaram o Brasil nas costas) repudia tal candidatura e parece que vai dar uma banana ao "tudo que meu mestre mandar faremos todos".

Ney Julião Barroso nejubar@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

NÃO VINGOU

Parece que o casamento entre Lula, Maluf e Haddad não decolou, o eleitor paulistano não gostou nada de saber que o líder do povo, Lula e o acusado de lavagem de dinheiro em paraísos fiscais, Maluf, se aliarem para destruir o tucano Serra, o tiro saiu pela culatra, tanto é verdade que Celso Russomano é quem vem tomando a dianteira na corrida da prefeitura paulista. Agora resta saber qual será o desfecho dessa maratona a cadeira da cidade mais importante do país. Será que o Serra terá a incrível missão de não deixar Russomano levar no primeiro turno? Vale lembrar que paulistano adora uma surpresa, o todo poderoso PT não deve ficar calado e nem imóvel diante desse cenário, os companheiros de plantão tentarão alianças alternativas para mudar esse quadro? Parece que sim, o PT não quer perder essa disputa. E o José Serra! Será que dessa vez não vai roer a corda e sair da cadeira antes do fim do mandato, afinal, qual o foi o último que ele foi até o fim? A prefeitura paulista ele saiu, o estado de São Paulo ele largou, esta complicado ficar até o fim, a cadeira do candidato tem formiguinhas? O lindinho do PMDB, Gabriel Chalita não decolou, ele se intitula com a terceira via, (se fosse importado seria a quarta via), lá na frente os grandes estão brigando e se engalfinhando, as mulheres ficam enlouquecidas em vê-lo, suspiros, gritos de lindo, mas voto que é bom, nada. Já a turma do legalize curte uma onda interminável, a candidata que defende a venda de maconha em bares como cerveja, já ganhou vários simpatizantes, adeptos, eleitores e usuários, é a Soninha "Brow", "woohoo" pode crer é a Soninha. Hahaha, o fato é que o ex-repórter do Aqui Agora está ganhando essa parada e a corrida esta caminhando para um "sendo bom para ambas as partes", na sabatina realizada pelo site UOL, o candidato foi evasivo em algumas perguntas e chamado de afilhado de Maluf (eita, olha ele aí de novo)! Reza, filho! Na boa, eu não queria ser paulistano no dia das eleições, saber qual é a melhor escolha é dureza, se "Serro", se "Lulo ou Malufo", se "fumo", ou fica "Russo, Mano", quem sabe até um anjo "Gabriel" passe voando por cima disso tudo? Boa Sorte a todos e que vença o melhor!

Wilson Balaions balaions2001@hotmail.com

São Paulo

*

DOR DE COTOVELO

Lula é ignorante quando insinua que José Serra "não gosta de cumprir mandato". Serra nunca abandonou um cargo público. Ele deixou um cargo em razão de ter sido "promovido" para outro cargo (ele deixou de ser prefeito para ser governador). E a promoção foi em decorrência do seu ótimo trabalho prestado ao povo e reconhecido pelo povo, que o elegeu. Afirmar que Serra não cumpriu um mandato é pura dor de cotovelo.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

ESTÁ CHEGANDO A HORA DA VERDADE

Está aproximando o prazo sobre a prorrogação ou não, do incentivo, para automóveis que é dado pelo governo, redução do IPI, imposto sobre produtos industrializados, alíquota sobre veículo zero-quilômetro. Será um excelente teste para avaliar como anda o setor automotivo, verdadeiramente. Em julho, o segmento obteve o melhor resultado da história para o mês, o que levou os estoques para níveis mais aceitáveis, mas o resultado foi "maquiado" pelos incentivos. A tendência é de venda recorde também para agosto. A previsão para o ano é alta de 4% a 5% nas vendas em relação a 2011, para 3.77 milhões a 3,81 milhões de unidades, mesmo com o fim do benefício fiscal, que deve provocar aumento nos preços. A expectativa da associação nacional dos fabricantes de veículos automotores (Anfavea) baseia-se em cenário de manutenção do emprego, de leve recuperação da capacidade de endividamento das famílias e de queda na inadimplência. Apesar do otimismo, ninguém sabe ao certo como o consumidor vai se comportar a partir de setembro, e queda significativa pelas montadoras. O problema é que a cadeia automotiva tem grande relação com outros setores da economia. Por isso, o retorno a resultados ruins poderá ter o efeito de uma ducha de água fria sobre a recuperação do país. É esperar pra ver!

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

IMPOSTÔMETRO

Uma entidade empresarial paulista mandou construir um veiculo onde colocou equipamentos para a constatação do andamento dos valores cobrados dos contribuintes, os impostos. Denominado de Impostômetro, ele circula por várias cidades de nosso Estado. Num primeiro momento o fato tem sua razão de ser, pois efetivamente, pagamos muitos impostos. Mas surge uma questão que exige resposta. Saber que estamos pagando é importante, mas qual o nosso conhecimento da finalidade onde tanto dinheiro é usado? É um assunto que nunca mereceu a devida atenção. O município, o Estado e o governo federal cobram valores fixados através de vários tipos de determinações legais, que passam a fazer parte dos orçamentos. E fica uma pergunta no ar que precisa ser respondida que é até onde é exercida a cidadania, com pessoas ou mesmo Entidades representativas questionando não apenas o valor mas a que o imposto está sendo destinado? A conclusão a tirar é de que o Impostômetro é uma boa ideia, mas por que não se faz uma campanha de conscientização para que haja mais participação e acompanhamento do uso de tanto dinheiro, o que por certo vai diminuir os problemas como o atendimento à saúde, a educação, ao transporte coletivo, à segurança pública entre outros? E que pode inclusive diminuir o risco de outros "mensalões"?

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

GREVE DOS SERVIDORES FEDERAIS

A queda de braço entre o governo e os funcionários públicos atingiu níveis nunca vistos neste país. Chega até ao ponto de o mandatário maior da nação ter que usar a porta dos fundos do Palácio do Planalto como rota de fuga. Para a "presidenta" Dilma pode ser mais um desafio a enfrentar na sua trajetória política, mas para a população que não está acostumada a isso, choca. O Estado não pode continuar parado e, pelo andar da carruagem, os próximos passos serão o bloqueio do Palácio da Alvorada, Granja do Torto, etc., sucessivamente. Será que não é melhor pensar em uma saída mais consciente e adequada ou o Planalto pretende colocar as Forças Armadas nas ruas de todo o país contra seus funcionários mantenedores e votantes? O certo é que uma atitude tem que ser tomada de forma equilibrada e produtiva para todo o país. O Brasil pede uma solução lúcida para a situação. Será que o governo tem que ser sempre contra o povo? No ano que vem seremos vitrine para todo o planeta com a Copa das Confederações.

João Coelho Vítola jvitola@globo.com

Brasília

*

DESORDEM E CORRUPÇÃO

Estamos assistindo como os funcionários públicos fizeram dos brasileiros os seus reféns e estão levando ao caos setores fundamentais como os da saúde e da educação. Tudo isso se deve à má administração que o PT implantou na República. Estamos assistindo no mensalão como a falta de ética tomou conta da Nação! Toda essa inversão se deve ao PT há mais de nove anos no do poder! Este partido trágico está invertendo os dizeres de nossa bandeira, de ordem e progresso para desordem e corrupção!

Eugênio José Alati eugeniojosealati@yahoo.com.br

Campinas

*

DIREITO À VIDA

Os grevistas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deveriam ser substituídos imediatamente por oficiais médicos do Exército brasileiro. Também deveriam ser processados por tentativa de homicídio ou omissão de socorro, pois estão impedindo a liberação dos produtos necessários para salvar e prolongar vidas humanas. Isso, após a demissão sem justa causa do serviço público. Estabilidade e direitos adquiridos por concurso público não permitem que um funcionário se transforme em criminoso. O governo federal está em um beco com uma única saída, que sai direto no brejo...

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

CARTÃO VERMELHO

Quando a greve - direito legítimo dos trabalhadores - atinge os limites do absurdo, fragilizando as fronteiras nacionais, provocando o colapso no abastecimento de medicamentos e transtorno nos aeroportos, entre outros pontos vitais do País, deixa de ser reivindicação legítima por melhoria salarial e se torna uma afronta ao Direito e à Constituição. Greve abusiva é falta grave. Cartão vermelho!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

TERCEIRO MUNDO

Analisando a situação de nosso amado país, perdemos a esperança de ser Primeiro Mundo: servidores federais fazem greve, e alguns só trabalham (polícia rodoviária) prejudicando deliberadamente os contribuintes, mas continuam recebendo; Judiciário leva dezenas de anos para julgar processos; IDH e Ideb baixos; impostos altos; processos são abertos em menos de 10% dos crimes; drogas por todo o País (coca, crack e políticos); incompetência de governos e eleitores; cipoal tributário; leis contraditórias; governo incompetente como empresário, e transfere suas obrigações à iniciativa privada, mas continua cobrando os impostos; excesso de sindicatos, CUTs e organizações dos sem terra; ensino, saúde pública e segurança catastróficos; quarto país mais desigual da América Latina; burrices como ECA, além de habeas corpus e liminares, de penas só de 1/6, não há prisão perpétua, impunidade geral como norma; e continua nos próximos mil capítulos...

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

*

GREVES, CULPA DA DILMA

A presidente Dilma defende punição exemplar dos grevistas, o que não é justo nem uma atitude honesta. Não é justo porque categorias tem direitos não respeitados e não é honesto porque a culpa das greves como estão é do governo. A Constituição de 1988 garantiu o direito de greve ao funcionário público, a ser regulamentada por lei . Há 2,5 anos encontra-se no Palácio do Planalto uma regulamentação a ser aprovada. Conforme informações do palácio ao Senador Aloísio Nunes, o Planalto não teve tempo, ainda, para tratar do assunto. Os milhares de cidadãos brasileiros prejudicados com paralisação nas rodovias, falta de aulas nas escolas, falta de serviços em aeroportos e fronteiras e até, falta de medicamentos para câncer em hospitais, não estão informados sobre essa questão e atribuem suas dificuldades aos grevistas. Não sabem que Da. Dilma não teve tempo para cuidar deles, não obstante, teve tempo para assistir a abertura da Olimpíada em Londres e outras atividades não tão importante quanto minimizar as dificuldades dos seus concidadãos. Resta a eles, enquanto eleitores e quando solicitados a opinarem em pesquisas sobre o desempenho da presidente, lembrarem-se deste assunto. E ainda, prepararem-se para as próximas greves que certamente virão em 2013.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

CORTE DO PONTO DOS SERVIDORES

Em qualquer nação civilizada, servidores públicos não podem realizar greves que prejudiquem diretamente a população, que é quem paga os seus salários. Somente no Brasil, e principalmente no governo do PT e do ex-presidente Lula, que nomeou vários sindicalistas para cargos no governo, que as greves tomaram proporções que saíram fora do controle, deixando a população do País sem poder usufruir plenamente dos serviços públicos. Agora, vem a tona o acordo feito entre o seu governo e as lideranças sindicais, de que o corte do ponto somente seria de sete dias caso a duração da greve fosse por mais dias, ou seja, o desconto é parcelado em suaves prestações. Ora, um acordo destes é um descalabro e uma afronta a toda a população brasileira, principalmente o presidente do País ser conivente com tal ato (apesar de ele alegar nunca saber do que acontecia ao seu redor). A presidente Dilma, não só tem razão, como tem o apoio da população no corte do ponto dos grevistas e não deveria parar por aí, tem que demitir toda esta corja que mama nas tetas do governo, que é o que acontece há mais de oito anos. Ah, para aqueles que estão sem receber o salário do mês, peçam para os seus sindicatos pagarem, pois, dinheiro eles tem de sobra.

Darci Trabachin de Barros darci.trabachin@gmail.com

Limeira

*

SANGUE AZUL

A presidente Dilma tem razão quando diz que os sangue azul que tem os maiores salários, atrapalham as negociações com o planejamento. Porém, da tiro no pé, ela e seus ministros são os sangue azul que receberam os maiores reajustes. Quem cria felino, ele cresce e ataca o dono. FHC criou os sangue azul, bem aceitos por Lula e Dilma, quando revogaram o justo texto do Art. 37,X, da CF/88, que dizia: A remuneração dos servidores públicos civis e militares, se fará na mesma data sem distinção de índice, e criaram o egoísta e desumano Art. 39, §1°, que dá tudo para as elites e nada para os barnabés, que estimula esse egoísmo classista do qual ela está reclamando. Admite a desigualdade de classe: o juiz que é especializado receba R$ 10 mil, o auxiliar R$ 3 mil, que o índice de reajuste seja o mesmo.

Jurailde Barbosa juraildebarbosa@hotmail.com

Taguatinga (DF)

*

DILMA INFLUENTE

A revista Forbes considera a Dilma Rousseff a terceira mulher mais influente no mundo. Será que eles conhecem seu histórico?

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@ig.com.br

São Paulo

*

A PODEROSA

A revista Forbes, mais precisamente um determinado redator da revista, classificou a presidente Dilma Rousseff como sendo a 3ª mulher mais influente do mundo. Também classificou a presidente da Petrobrás como uma mulher poderosa, apesar do prejuízo que a empresa vem apresentando. E o povo brasileiro, que elegeu Dilma, está em qual classificação? Seríamos o terceiro povo mais poderoso do mundo?

Alberto Nunes albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

*

DILMA ROUSSEFF

Ela está se achando, pois está acreditando na revista Forbes, que a meu ver está mal informada, ainda não sabem da saída pelos fundos, por medo de encarar os velhinhos aposentados do Brasil, poderosos não agem assim, velhinhos que em suas vidas produziram muito mais que ela e o criador do Mensalão. As informações sobre o Brasil saem bastantes distorcidas para enganar a opinião internacional.

Jose Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

ORGULHO E PENA

Tenho pena de um mundo que tem uma nulidade feminina como sua 3ª mulher mais "poderosa". Tenho pena também dos que se orgulham dessa fantasia.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas

*

A FORTUNA DE LULA

A revista Forbes publicou que a fortuna de Lula é de US$ 2 bilhões. Será que existiu o mensalão negado por ele? Será que existe corrupção no Brasil?

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

CURIOSIDADE

Há alguns dias li num jornal de grande circulação reportagem que quantificava e criticava a evolução patrimonial da família e da presidente da Argentina, Cristina Kirchner, desde o mandato de seu falecido marido Nestor Kirchner, também presidente da Argentina. Não seria interessante e de direito que o povo brasileiro soubesse sobre a mesma questão envolvendo nossos presidentes desde o tempo dos militares? Minha principal curiosidade é sobre a evolução incontestável do patrimônio da família e do nosso ex-presidente Lula. Alguém já quantificou esta evolução desde seus tempos de líder sindical?

Fabio Antonio Mitidieri fabio.vfm@uol.com.br

São Paulo

*

DEPOIS DE 20 ANOS

O ex-senador Luiz Estevão, que condenado está por 36 anos de prisão, finalmente irá devolver ao erário R$ 80 milhões, como parte dos R$ 468 milhões (valor corrigido) desviados por ele e seus comparsas durante a construção da sede do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo! Projeto mais conhecido como o prédio do Lalau, referência ao apelido do juiz Nicolau dos Santos Neto, que era presidente do tribunal em 1992, e também protagonista deste crime. Sem tirar o mérito e a importância desta devolução deste numerário desviado dos cofres públicos, o que nos indigna mais é esta demora da nossa justiça, de condenar mesmo com todas as evidências comprobatórias um cidadão da classe média alta, e ainda sendo um ex-senador da república! Se fosse um cidadão comum que tivesse assaltado um banco ou um supermercado, imediatamente estaria preso, e a decisão judicial consagrando sua pena seria bem mais célere do que este citado, ocorrido há 20 anos. Ou, será que para nossa justiça desviar recursos públicos é um crime menor do que assaltar um banco, por exemplo?! E é o que mais parece neste País, em que políticos, empresários corruptos ou corruptores, pela impunidade reinante nesta ilha dos poderosos, estão imunes a marchar dentro dos preceitos da nossa Constituição! Quem sabe agora com o julgamento do mensalão finalmente venha a prevalecer que todo cidadão brasileiro é igual perante a lei e a nossa Carta Magna...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

FRAUDE NA CÂMARA DE SP, SEM CULPADOS

Se alguém tinha dúvidas de como acabaria a sindicância para investigar as fraudes nas marcações de presença dos vereadores na Câmara de São Paulo - flagradas pelo Estadão, quando foi fotografado praticando o ato ilícito o assessor parlamentar José Luiz dos Santos, o tal "Zé Careca" -, informamos que já está concluída e concluiu-se que "não houve violação nem culpados", pois o ato originou-se por "falha técnica" no painel. A explicação é para nós, trouxas, idiotas e ignorantes que neles votamos.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

A FUNÇÃO E O FOCO DO MINISTÉRIO DO TURISMO

De uns dias para cá, tem sido veiculado em meios impressos importantes e caros, anúncios do Ministério do Turismo, informando realização de obras de infraestrutura em diversas localidades. Pergunto: essa é a função do Ministério do Turismo? Isso não é desvirtuamento de foco? Ou é mais um caso de pura incomPeTência de governo e quem sabe de desvio de verbas. Para que existe outros Ministérios tais como: das Cidades, Meio Ambiente, Ministério ligado a Infraestrutura, Integração Nacional. E mais, políticos que conseguem verbas para municípios realizar obras dessa natureza. Eles não existem para realizar obras de infraestrutura? Para que também o Turismo se meter a fazer ou dizer que faz tais obras? Precisa o Ministério do Turismo se preocupar com pavimentação de ruas, revitalizações, reformas, ampliações, readequações, (isso cheira desvio de verbas), ou deveria focar nas suas funções básicas visto que o Brasil recebe muito menos turistas que qualquer pais europeu? Não deveria aplicar melhor seus recursos? País que tem como ponto turístico favela do Rio de Janeiro e se orgulha em mostrá-la como obra única de turismo é brincadeira de mau gosto e falta de senso crítico.

Fernando Pastore Junior fernandopastorejr@gmail.com

São Paulo

*

DROGAS EM DEBATE

A notícia da página C4 de ontem (Lei que libera drogas no País terá debate online) mostra que no Brasil a esculhambação é institucionalizada. Se for para um absurdo desses ser aprovado, que abram os portões de todas as prisões, que liberem o cruzamento das fronteiras e que todas as polícias sejam extintas. É uma vergonha para o País que o presidente da Câmara dos Deputados receba uma comitiva propondo uma excrescência dessas, munida de uma lista de assinaturas de 101.375 nomes, que "malemá" elege um deputado federal por São Paulo.

Frederico d'Avila fredericobdavila@hotmail.com

São Paulo

*

PREOCUPANTE

Preocupante a matéria Lei que libera drogas no País terá debate online, posto que submeter um assunto dessa natureza à consulta pública assemelha-se a oferecer balas para crianças. Está óbvio que há interesses outros por trás dessa liberação. O que leva juristas, congressistas, elementos eclesiásticos e outros a uma decisão como essa? O que há de "oculto" ou de "acerto" para descriminalizar as drogas? E que tipo de mídia será utilizada para aprovar essa lei? Eu costumo ler jornais, me informo também via net, e entendo que 90% (talvez um pouco mais) dos crimes praticados no País têm como origem, ou pano de fundo, o narcotráfico, aliás, esse dado estatístico foi veiculado inclusive pela televisão. Ora, liberar a produção para "consumo próprio", permitir quantidades "toleráveis" no caso de porte de tais produtos, ao meu ver, significam duas coisas: 1) a falência do sistema que deveria combater o crime organizado; e 2) total descaso das autoridades competentes com a população infanto-juvenil brasileira. A regulamentação dessa lei é um presentaço ao narcotráfico, pois será esse um grande latifundiário, composto por pequenos minifúndios. Mais do que isso, o "usuário", que já é o financiador maior dessas organizações criminosas, terá ainda privilégios concedidos pela "União" no que se refere a apoio psicológico, tratamento clínico, medicamentos, etc., conforme descreve o projeto dessa lei. Cabe perguntar: Por que razão não se dá o mesmo atendimento de saúde e psicologia ao trabalhador, aos aposentados, às gestantes, às donas de casa, enfim, aos que produzem, pagam impostos, taxas e sofrem com a péssima qualidade do serviço público em geral? Por que pesos e medidas tão diferentes, e qual a razão para beneficiar o crime dito organizado? Quanto "alguns" estão ganhando para beneficiar essa "gente"? Tomando por base ações dessa natureza, e lembrando que na Terrae Brasilis o "menor" não se pode trabalhar, mas pode se procriar, votar e não ser responsabilizado por seus atos, associando-se esse(s) jovem(s) ao universo das drogas, que tipo de pessoas viverão no País do futuro? Nestes últimos jogos olímpicos, quantas medalhas trouxeram os atletas brasileiros? Com as "drogas" descriminalizadas nas Terras de Santa Cruz, quantas medalhas trarão? Convém a essas pessoas saber que uma nação se constrói com educação, trabalho, responsabilidade, ética, moral, tecnologia e justiça, e não com "baseadinhos" e "pozinhos mágicos".

Carlos Nelson Horrocks carloshorrocks@yahoo.com.br

São Paulo

*

PROGRESSÃO DE PENA

Há presos precisam da compreensão daqueles que podem a eles estender as mãos. Se erraram uma vez, pode perfeitamente ser a última. Não é negando-lhes o sagrado direito aos benefícios carcerários que os representante do povo - este que detém o poder originário - lhes concederam mediante o processo legislativo com participação de especialistas nas áreas de psiquiatria, psicologia e sociologia, é claro - com vistas a uma política recuperativista -, que iremos combater as drogas e a criminalidade em geral. Estaremos, sim, ao negar tais benefícios, com o ego superengrandecido, entretanto contribuindo para que o problema se agigante cada vez mais. Não se olvide que o sistema de progressão de pena tem reabilitado mais de 90% dos detentos engajados no sistema, devolvendo-os à sociedade como cidadãos na acepção literal da palavra. Tem-se , entretanto, como padrão natural o de divulgar somente os aspectos negativos de uma política de interesse público, enquanto que os pontos positivos que é a maioria esmagadora conforme dito anteriormente não é divulgado isto porque somente o negativismo e a desgraça dão o verdadeiro ibope. Não . Com a visão canhestra de castigar o preso negando-lhe o sagrado direito à progressão de pena ou a redução prevista pela nova lei de drogas quando ele o adquire através de seus méritos pessoais, tais como bom comportamento carcerário e o trabalho no interior do presídio, é exercer uma retaliação, uma atitude vingativa e covarde, características dos verdadeiros hipócritas e dos pseudoarautos defensores da sociedade. É, ao contrário, estar contribuindo para a perpetuação do tráfico de drogas e dos demais crimes, um mal que assola a nossa juventude. Ora, como alhures vem ocorrendo em algumas das varas criminais e de execução da capital paulista e adjacências, negam sistematicamente aos egressos o sagrado direito à progressão de pena, bem como à redução da pena prevista pela nova política antidrogas, bem como o regime mais brando. Em algumas varas de execução penal leva-se mais de seis meses só para juntar uma petição de progressão de regime ao processo, quando o preso reúne os requisitos objetivos e subjetivos para obter o benefício. Lavam-se as mãos e joga-se essa responsabilidade para o tribunal, que leva no mínimo três anos para julgar, em face do extraordinário acervo de processos para decisão. Porém quando ela vem o preso já cumpriu quase a totalidade de sua pena, o que é, no mínimo, ausência de bom senso e causa de mais revolta. É perpetuar a violência, valendo aqui o velho jargão "violência gera violência". Se a prisão perpétua fosse a solução, não teríamos 6 milhões de presos nos Estados Unidos da América, encarcerados até o fim da vida e a população carcerária sempre aumentando.

Jose Baeta Neves Filho drjosebaeta@gmail.com

São Paulo

*

DIPLOMA DE JORNALISMO

Depois de ler o artigo O nosso diploma não era para isso, de Eugênio Bucci (23/8, A2), gostaria de saber do professor Bucci se ele é favorável à não obrigatoriedade do diploma de jornalismo para dar aula sobre a matéria no ensino superior.

Guilherme Maurício Monteiro guilherme.mauricio@ig.com.br

Praia Grande

*

'NOSSO DIPLOMA NÃO ERA PARA ISSO'

Penso que o curso de jornalismo deveria ser de pós-graduação, pois é importante que o jornalista tenha uma boa base de formação intelectual em outras áreas de graduação antes de se habilitar em jornalismo.

Marcus Bastos marcusbbm@yahoo.com.br

São Paulo

*

LIVROS - SE NÃO LÊ-LOS, COMO SABÊ-LOS?

Na boa discussão de A.P. Quartim de Moraes (Uma alternativa à mercantilização do livro-II (23/8, A2), faltou uma avaliação de quais são os verdadeiros custos de um livro. Acabamos de lançar nossa III Coletânea, com 150 páginas, a um custo de R$ 5 o exemplar, incluindo arte, capa colorida com orelhas, diagramação, revisão, registro ISBN e impressão, isso com uma tiragem de mil exemplares. Por que um livro desse porte vai ser vendido a mais de R$ 20? Talvez falte cultura industrial a nossa indústria cultural.

Adilson Roberto Gonçalves, presidente da Academia de Letras de Lorena priadi@uol.com.br

Lorena

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.