Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

27 Agosto 2012 | 03h05

Mensalão e CPI

Depois de sete anos conseguimos que os mensaleiros fossem a julgamento. Os acusados dos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha finalmente estão no banco dos réus, mas não temos certeza de sua punição. O que constatamos agora é que esses crimes e muitos outros afins continuaram a ser perpetrados e muitos dos protagonistas são os mesmos ou dos mesmos partidos. Essa CPI do Cachoeira é a ponta de um iceberg enorme. O que incomoda é que o bicheiro já fazia parte do esquema desde o começo (o famoso vídeo da propina nos Correios, com Waldomiro Diniz), escapou praticamente ileso por muito tempo e continuou a agir em vários governos, juntamente com a construtora Delta e seus fantasmas. Os valores agora divulgados são infinitamente maiores. Sempre dinheiro público desviado. Há esperança de desvendar todo esse emaranhado de corrupção?

MARIA TEREZA MURRAY

terezamurray@hotmail.com

São Paulo

Piada de salão

Parabéns a Delúbio Soares, o único que estava correto ao prever o final do mensalão: piada de salão. A foto da festa dos advogados de defesa no Estadão de 24/8 mostra bem a realidade da Justiça brasileira. Afinal, fica provado que quem pode pode. Ponto final. Vamos cuidar de outras coisas ainda com alguma esperança. E dizem que Deus é brasileiro...

PLÍNIO ZABEU

pzabeu@uol.com.br

Americana

Clamor público

Do jeito que as coisas vão, perde-se um precioso tempo com o julgamento do mensalão e perde-se também toda e qualquer expectativa de imparcialidade na votação final. Pobre Brasil!

RUTH DE SOUZA L. HELLMEISTER

rutellme@terra.com.br

São Paulo

Cansados de impunidade

Lamentável ouvir o ministro Ricardo Lewandowski afirmar que "um juiz não pode se pautar pela opinião pública". Ele se esqueceu de que é a opinião pública - formada em grande maioria por gente honesta, trabalhadora, pagadora de impostos escorchantes e de seus salários - que está cansada de ver políticos corruptos não pagarem por seus crimes.

FÁBIO ZATZ

fzatz@uol.com.br

São Paulo

Peça pra sair

Não estar preocupado com a repercussão de seu voto é demonstração cabal de desinteresse pelo país onde ocupa cargo de grande importância. Devia, então, apresentar sua exoneração desse posto e sair pela porta dos fundos.

PEDRO LUÍS DE C. VERGUEIRO

pedrover@matrix.com.br

São Paulo

Tréplica

Muito estranho ministro do STF pretender ter direito a tréplica em julgamento, quando tal procedimento, nessa oportunidade, é inerente à defesa do réu.

PEDRO MASCAGNI FILHO

p.mascagni@uol.com.br

São Paulo

Justiça cega

Todos nós sabemos que, na esfera pública, políticos e parlamentares protagonizam os esquemas de corrupção com o apoio de assessores e laranjas que se encarregam de dar aparência de legalidade aos negócios escusos. Agora vemos o cisma no julgamento do mensalão, relator e revisor entrando em rota de colisão. Já se esqueceram do famigerado desvio de verbas na construção do prédio do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) aqui, em São Paulo? Vem à tona com um acordo de pagamento de dívida entre a União e o advogado de Luiz Estevão, que aceitou quitar 20% e financiar o saldo em 96 meses, quando o ex-senador tem bens (1.200 imóveis) suficientes para pagar à vista o que usurpou dos cofres públicos. Moral da história para os que têm memória curta: políticos e parlamentares são sempre os vilões da história, assessores, pretensos empresários e tesoureiros de campanha atuam como coadjuvantes. Logo, não fará nenhum sentido o Supremo inocentar os mentores dos esquemas e punir apenas os que não gozam de foro privilegiado.

MARCOS ABRÃO

m.abrao@terra.com.br

São Paulo

Crediário

O Brasil deve ser o único país no mundo onde quadrilhas roubam dinheiro público e depois devolvem ao cofres públicos a grana surrupiada em suaves prestações - 96, no caso TRT-SP.

VIRGÍLIO MELHADO PASSONI

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

Estevão e Lalau

A notícia do acordo entre o governo e Luiz Estevão causa arrepios nas pessoas de bom senso. Ele deverá repor apenas R$ 468 milhões, parcela do que foi constatado como verbas desviadas das obras de construção do TRT-SP. O fato chama a atenção por dois motivos, pelo menos: o montante que devolverá e o fato de estar livre, enquanto outro acusado, o juiz Lalau, cumpre pena em casa. Se ambos são culpados, deveriam estar juntos, e não em casa, mas na prisão. E por que não estão? Critica-se tanto a classe política e não se faz o mesmo quando o caso envolve um grande empresário. Por que essa diferença?

URIEL VILLAS BOAS

urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

Sonhando

O último livro da divina Cecília Meireles, escrito quando já estava internada para tratamento do câncer que a derrotaria, intitula-se Escolha o seu Sonho, como a crônica que assim abre a obra: "Devíamos poder preparar os nossos sonhos como os artistas, as suas composições". Após divagar por seus próprios sonhos, conclui: "Ah!... (que gostaria você de sonhar esta noite?)". Refletindo sobre o que venho lendo nos jornais nos últimos dias, respondo à minha musa carioca: Cecília, gostaria de sonhar esta noite com o povo brasileiro recuperando, enfim, seus valores morais e saindo às ruas para, com ira santa, se insurgir irrevogavelmente contra os corruptos, corruptores, demagogos, empresários sem escrúpulos, quadrilheiros, milicianos, traficantes, assaltantes de cofres públicos, sanguessugas, assistencialistas, fisiologistas, nepotistas, patrimonialistas, procrastinadores da justiça, absolvedores de criminosos, censores da liberdade de expressão, divisores da sociedade em castas raciais, sexuais e econômicas, deseducadores, agitadores, burocratas insaciáveis, grevistas irresponsáveis, invasores de terras e próprios públicos e privados, órfãos de ideologias tiranizantes e tantas outras harpias que - mea culpa, mea maxima culpa -, por ação ou omissão, temos, apaticamente, deixado conduzir nossos destinos. Mas amanhã, ao despertarmos, será o primeiro dia do resto de nossa vida - tempo de dar um basta em tanta esbórnia!

GIL CORDEIRO DIAS FERREIRA

gil.ferreira@globo.com

Rio de Janeiro

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

GUERRA DE EGOS NO STF

Eu nem reclamo da atitude do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski, revisor do julgamento do mensalão, por considerar os envolvidos até agora inocentes, porque sempre ficou claro ao observador consciente a guerra ferrenha entre egos do ministro relator Joaquim Barbosa e ele. O que me deixou pasmada foi a atitude do presidente do STF, ministro Carlos Ayres Britto, de se acovardar diante da atitude de Lewandowski, que num verdadeiro chilique exigiu a tréplica ameaçando se ausentar do recinto, quando o regimento interno da casa aceita apenas réplica do relator, então exigida por Joaquim Barbosa! Ayres Britto se apequenou ao aceitar a tréplica do revisor. Lamentável atitude para um presidente que precisa ter coerência e assertividade diante desse julgamento.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

JUIZ OU ADVOGADO?

Ricardo Lewandowski é juiz ou advogado de defesa do PT? A pizza já foi para o forno!

Maurilio Pereira mauriliopereira@uol.com.br

São Paulo

*

QUE VEXAME!

"Nunca antes" se viu cena como a de quinta-feira no STF. Lewandowski fazendo o papel de advogado de defesa do João Paulo Cunha. Aonde chegamos (ou ainda chegaremos)? Um ministro da Suprema Corte agindo como defensor de corrupto. Que vexame.

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

MENSALÃO VIROU PIADA?

Do que gargalham "God" e os "poderosos" advogados dos mensaleiros (foto de capa, Estadão, 24/8)? Será das pessoas que acreditaram na coerência do voto do juiz revisor? De algo que talvez, nós simples mortais, não saibamos e não queremos imaginar?

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

NO 'BANANÃO', O CRIME COMPENSA!

Transcorridos uns seis anos de investigações do Ministério Público e da Polícia Federal, o conceituado ministro do STF, Ricardo Lewandowski, revisor do processo (de costas para os autos, os documentos que comprometem os delinquentes do "Mensalão"), considerou como inocentes, entre eles, os réus Marcos Valério, o deputado federal João Paulo Cunha, etc. Neste surreal contexto, passo a compreender, com a maior naturalidade, porque milhões de pessoas país afora, acreditam e reverenciam o Papai Noel, o Saci Pererê, a Mula sem cabeça e o lobisomen da sexta feira de lua cheia. O doutor Ministro Lewandowski, por efeito colateral, veio reforçar a tese de que, nesse país "bananão", condenação e cadeia, são privilégios dos 3 "P": pobre, preto e prostituta. Em outros termos: o crime compensa! Meus sentimentos são de profunda indignação, de revolta e nojo...

Gilberto Araújo gilberto.araujo2077@yahoo.com.br

Belo Horizonte

*

ENTRE MENTIRAS, TAPAS E BEIJOS

Acho que de 90% a 95% da população brasileira conhece a piada do menino que ganhou o apelido de Luiz Inácio porque andava mentindo muito. E não é que para consagrar o apelido do garoto o Sr. Luiz Inácio Lula anda aparecendo na TV mineira, em uma propaganda política de apoio à candidatura de Patrus Ananias à prefeitura de Belo Horizonte, dizendo que quando assumiu a presidência, chamou o Patrus para ajudá-lo a desenvolver um programa para erradicar a pobreza no País e juntos criaram o Bolsa-Família, quando o Brasil inteiro sabe que esse programa assistencialista, gerador de parasitas e de elevado cunho eleitoreiro, nasceu, ou melhor, foi abortado na gestão de FHC do PSDB. Enquanto isso, a peça em cartaz, O Mensalão, no grande teatro do STF vai cumprindo a sua trama muito bem urdida, de um lado um esbraveja, acusa e pede a condenação, um outro lado ameniza, não reconhece as provas incriminatórias e absolve; e o povo muito mais atento ao embate Nina x Carminha, nada percebe e também nem desconfia que ao final da CPI do Cachoeira, o seu principal protagonista certamente adotará nova alcunha: Carlinhos Goteira.

Nei Silveira de Almeida neizao1@yahoo.com.br

Belo Horizonte

*

MARTA SUPLICY E FERNANDO HADDAD

Em São Paulo, nem Lula nem Dilma fazem a cabeça dos eleitores. Sem o apoio de Marta Suplicy, a campanha de Fernando Haddad está condenada à morte. Após ser preterida para a disputa, ela dará o ar da graça de graça? Aguardam-se os próximos capítulos...

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

NEM COM REZA FORTE

Presidenta Dilma pede à Dona Marta para socorrer "painho" na campanha de Haddad. Depois do abraço em Maluf, acho que nem com reza forte...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

O SOFÁ DA SALA

Após os humilhantes resultados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), são tomadas medidas que se assemelham a aquele marido traído que "tira o sofá da sala". O Ministério da Educação (MEC) irá mudar o sistema de avaliação para "melhorar" a nota do ensino médio. Ao contrário de medidas pedagógicas que melhorem os problemas de ensino /aprendizagem, muda a avaliação utilizando instrumentos existentes que medem avaliações distintas utilizando as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e abandonando as notas do "Índice de Desenvolvimento da Educação Básica". Medidas tomadas sem a menor circunspecção que comprovam que o atual ministro da Educação na verdade até pode entender de Economia.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

ERRO FEIO

Sem saber que direção tomar a fim de evitar que a Educação no Brasil continue ganhando as últimas colocações, o ministro da Educação, Aloísio Mercadante propõe uma mudança na fórmula que calcula o do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Em vez de usar a Prova Brasil, o MEC vai usar os dados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) que mostrou avanço na aprendizagem dos alunos. Ocorre que o exame do Enem não mede a aprendizagem do EM, ele mede o desempenho dos alunos que buscam uma vaga no ProUni, pois nem todos os alunos fazem faculdade ao terminar o EM. A mudança ora proposta vai mascarar os números, apesar de o governo negar essa hipótese. O ministério da Educação erra e erra feio, pois o problema está na raiz, se não há professores qualificados para ensinar, os alunos continuarão a patinar na aprendizagem. Em muitas escolas, os alunos passam quase o ano inteiro sem ter professor para todas as matérias sem contar as demais dificuldades que encontram ao longo do curso. Mais uma medida tomada às pressas e feita por quem não entende nada de educação. A mudança proposta pelo MEC em breve, terá a forma de uma equação bem simples. Aos alunos, bastará saber contar até 10 e escrever o nome completo. Assim o Brasil alcançará em pouco tempo as primeiras posições no ranking Educação. A quem esse governo pensa que engana? Mas que retrocesso!

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

O ILUSIONISTA

O ministro da Educação, mestre do ilusionismo, quer esconder os resultados tímidos no ensino fundamental e estagnação no ensino médio, entre 2009 e 2011. Já que , como seus antecessores de mesmo partido, não consegue alcançar o resultado correto, prefere mudar a fórmula. C.Q.D. (Caramba, Que Disparate!).

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

A SOLUÇÃO SEMPRE ESTEVE NA CARA

Se os ministros da educação dos governos petistas fossem menos ideólogos e menos teóricos, já teriam copiado o eficiente método de ensino adotado pelas escolas militares existentes no país.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

MAQUIAGEM

Maravilhosa e genial a saída do Ministério da Educação e Cultura (MEC) comandado por Aloísio Mercadante, que resolveu mudar o sistema de avaliação para melhorar as notas do ensino médio. Ou seja, ao invés de melhorar o nível de ensino, manipulam meios para maquiar as notas. Ou seja, é tão ilusório que seria o mesmo que preferir pagar um salário mínimo em moedas de R$ 1 para ficticiamente mostrar volume, em vez de pagar em notas de R$ 100.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

NOVO ENSINO MÉDIO

Gostaria de sugerir ao Excelentíssimo Ministro Sr. Dr. Aloísio Mercadante, que criasse um programa para que os alunos do ensino médio possam lecionar para os alunos do ensino fundamental. E aos que acham isso absurdo, afirmo como professor de Física que, com a nova reorganização de disciplinas do MEC, terei de ensinar Biologia, se quiser continuar no meu emprego. Como tudo o que sei de Biologia aprendi no ensino médio, e segundo o Sr. Dr. Mercadante, eu sou qualificado para continuar em meu emprego. Porque um aluno de concluiu o Ensino Fundamental não pode dar aulas para os não concluíram? Veja só, Excelentíssimo Ministro, com ações como esta podemos incentivar os alunos a serem professores e economizar milhões dispensando os professores do ensino fundamental. Vamos, ministro, vamos resolver o problema da educação no Brasil, incentivar os alunos a serem professores, porque se isso for para a frente, haverá um professor a menos no ensino médio público, eu.

Renato Alexandre realexo@hotmail.com

São Paulo

*

IRREVOGÁVEL

Na Educação, a única coisa irrevogável é a proverbial incompetência lullopetista.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

MANIFESTO AO MEC

Devido o baixo rendimento no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), há um movimento por determinadas disciplinas, as que têm como ponto de partida as notas do exame, Português e Matemática, e entre os "especialistas", um coro em subjugar disciplinas "desnecessárias", como Filosofia, Sociologia, História, principalmente, em favor destas outras duas mencionadas. Em outras palavras, diminuir ainda mais a carga horária dessas disciplinas "tampão" e aumentar o número de aulas de Português e Matemática, como se essas duas fossem suficientes para o pleno desenvolvimento intelectual do indivíduo. Hoje em dia, devido à globalização e a exigência de um conhecimento universal, para melhor compreensão do mundo no qual o sujeito está inserido, qualquer leitura de jornal, revista, artigo, até uma simples charge, ou assistir a um filme, sem bases filosóficas, sociológicas e históricas, prevalecerá o desconhecimento, alienação, a perda do lúdico, e o distanciamento do sujeito de assuntos políticos, filosóficos e sociológicos, ali presentes, tolhendo-lhe a imaginação, as causas, problemas, discussões presentes com raízes no processo histórico da humanidade, esclarecimento tão necessário para revertermos nossa situação de país subdesenvolvido. Mas a ideia é criar indivíduos despossuídos de senso crítico, sendo treinados para suprir o mercado de trabalho, que exige mão de obra barata, e não qualificada, e muito menos um funcionário crítico ciente de sua situação de exploração. Enquanto isso, os colégios privados treinam os futuros empresários, médicos, advogados, cientistas, porque, além de privilegiarem a meritocracia, não tem a mesma visão estreita dos nossos governantes, e docentes jurássicos.

Luiz Fabiano Alves Rosa fabiano_agt@hotmail.com

Curitiba

*

E A REMUNERAÇÃO?

A informação de que o acesso a carreira de professores públicos do ensino fundamental no Brasil será feito através de um exame unificado é emblemática. Falta agora que a remuneração seja igualmente unificada, para que essa grave deficiência de infraestrutura que é a educação, seja corrigida para o bem de todo o processo de desenvolvimento do Brasil.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

GREVE NA EDUCAÇÃO

Quem distrai o povo ou o diverte tem mais valor do que quem o instrui...

Carlos Jose Benatti cjbenatti@globo.com

São Paulo

*

O DILEMA DO SALÁRIO

Prezada presidenta Dilma, minha proposta pode estar um pouco avançada em relação ao tempo político atual, não só para o Brasil como para o mundo, mas tem toda uma solida fundamentação teórica que desenvolvi e ninguém quer saber dela justamente porque pode estar avançada demais para o tempo presente ou é a teoria econômica que continua impressionantemente atrasada. Mas agora a senhora vai ter que escolher, ou faz algo muito inusitado pára salvar a continuidade do desenvolvimento com inclusão social, ou devolve isso para a direita continuar com seus governinhos modernizantes para um terço da população, como sempre foi antes do Lula despertar essa esperança. A continuidade não pode mais depender da "intuição", mas depende de um grande avanço conceitual. A inquietação salarial que aflora no serviço público deita raízes lá embaixo, no grosso da população e até na tropa e não será com percentuais que vai poder ser resolvida. É preciso reordenar o crescimento dentro de uma nova equação de repartição, que corrigi-la de uma vez nossa desigualdade secular e leve os salários ao seu equilíbrio funcional. É esse o capitalismo do século 21 que pode começar no Brasil. A proposta é a seguinte: dobre o salário mínimo e limite os salários superiores à incorporação linear do mesmo valor absoluto (+ R$ 600 para todos, do peão ao ministro do STF). Não vai ser só um choque na desigualdade pela desigualdade em si, mas a construção de uma base econômica que permitirá o integral desenvolvimento da economia. Uma pirâmide pode ser tão mais alta quanto maior sua base. Proponha um Plano Real para o salário que reakibhe os preços relativos em torno dessa nova referência salarial. Está na hora de provocar a mediocridade nacional com uma proposta desse porte.

Rogerio Antonio Lagoeiro de Magalhães lagorog@uol.com.br

Niterói (RJ)

*

NÃO DÁ PARA ENTENDER

O atual governo federal que criou o Programa Farmácia Popular e distribui 21 medicamentos que deveriam ser gratuitos, ao se conveniar com as farmácias privadas para vender esses tais medicamentos com 90% de desconto, gasta por esta estranha forma de gestão a exorbitância de R$ 500 milhões à mais porque os preços pagos estão acima dos encontrados no mercado, como publicou o Estadão em 20/8/2012. Oras, o governo que é importante cliente da indústria farmacêutica, pode muito bem fazer estas compras a preços bem menores! E por esta razão não se justifica jogar no lixo do desperdício mais R$ 500 milhões, como se o dinheiro do contribuinte estivesse dando em árvores... E como prova a reportagem, se este convênio com as farmácias privadas esta sendo danoso aos cofres públicos, que se distribuam esses medicamentos nos postos de saúde espalhados no País, já que sua estrutura instalada pode muito bem atender a população, com já vem ocorrendo há muito... E com a economia destes absurdos R$ 500 milhões, muitos outros importantes medicamentos poderiam ser adquiridos e colocados gratuitamente na rede pública para o bem da população! Qualquer administrador mequetrefe sabe disso, mas os do Planalto... Deixa prá lá!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

SUSTO NAS IMPORTAÇÕES

Só agora a indústria têxtil percebeu que "está ocorrendo um surto de importações de roupas", desde 2007, causando-lhe grandes prejuízos? No curto prazo, as indústrias serão apenas escritórios de importação com costureiras, tecelões e outros potenciais consumidores, apenas olhando as vitrines, sem poder de compra. A reportagem sobre o pedido de cotas para importação (24/8, B1) surpreende, pois: 1) não constam entre os produtos escolhidos, os artigos de cama, mesa, banho, tapetes. 2) É citado que "uma camisa que entra de forma desleal mata desde a plantação do algodão até a confecção". Então o problema não é só a importação, é a Receita Federal e Polícia Federal dormindo no ponto. 3) O Itamaraty vê com receio o impacto para a imagem do Brasil no exterior caso as barreiras sejam adotadas. Honesto seria o Itamaraty se preocupar com a imagem do Brasil para os brasileiros, cada vez mais desapontados com este governo.

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

SÉTIMA ECONOMIA

O Brasil passa Inglaterra: Brasil (6.ª) e Inglaterra (7.ª economia do mundo). Transmiti, hoje, essa notícia a uma professora amiga. Riu. Pena que lhe faltassem dentes. Talvez, se voltássemos à sétima economia, teríamos mais sorte. Não é cabalístico o número sete?

Lígia Maria Venturelli lmfiora@uol.com.br

São Paulo

*

PLANO DE LOGÍSTICA

Após o lançamento do Plano Nacional de Logística Integrada (PNLI ) na área de rodovias e ferrovias, o governo já estuda um novo programa aeroportuário. Na última concessão ou privatização dos aeroportos de Viracopos, Guarulhos e Brasília, a participação pública da Infraero e de fundos de pensão chegou a 49%, e não conseguiu atrair grupos privados com experiências na administração de grandes aeroportos, o que causou certa frustração ao governo. Conforme as notícias, o governo federal estuda a participação majoritária da Infraero, e certamente os grupos privados competentes se afastarão, pois conviver com os hábitos estatais não é fácil e em especial com o PT.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

GALEÃO DE FORA

É notório, mais do que sabido pela imprensa, que os nossos aeroportos, com destaque para os internacionais, precisam há muito de uma faxina geral tanto na sua organização funcional como também no quesito meritocracia, onde o compadrio sindicacalista-partidário prevalece diante de tudo e de todos. Uma boa notícia foi a decisão entre outras privatizações inspiradas no governo Fernando Henrique Cardoso, a de alguns aeroportos, com referência especial ao Galeão. Uma péssima notícia foi a desistência da privatização, e o País espera que as outras anunciadas não dêem marcha a ré pelo fato do PT feito uma guerra contra as privatizações de FHC. Uma gestão incompetente se assemelha a um barata dentro de um galinheiro, não tem como encontrar uma saída. A privatização dessas empresas custaria quantas demissões ao partido e aos sindicatos, e partidos aliados? "Primeiro os meus..."

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

ASSALTO AO PLANO DE TRANSPORTES

É o jeito petista de privatizar, privatizam-se as responsabilidades, mas a mamata dos mensalões continuam em poder da gang. É claro que esses 133 bilhões é só para inglês ver, nunca sairão nem depois da Olimpíada em 2016, até porque o "poste" se Deus quiser, ainda que já se tenha dúvidas que seja de fato brasileiro, já será apenas história das calendas!

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

GRANDE MENTIRA

Dilma foi apontada como "mãe do PAC". Ela criou dois filhos (PAC 1 e PAC2), que não vingaram e agora adotou outro: a parceria com a iniciativa privada. Ops, 1) ela ganhou a Presidência por ser uma grande administradora! Assim lula convenceu o eleitor desinformado. Não se cobram dela os fracassos anteriores? Ops 2) o PAC e a Delta andaram de parceria. A Dilma, como o ex-chefe, também não sabia de nada? E a nova parceria vai pelas mesmas corredeiras, até cair na cachoeira? E a oposição não diz nada? Não faz nada? Vai endossar tudo novamente em nome da governabilidade? Por favor, Arthur Virgilio, volte à vida pública imediatamente e teremos uma boca para contrapor à grande mentira que assola este país.

Gilberto Linhares Alves gjlinharesalves@hotmail.com

Mogi das Cruzes

*

HERANÇA DE LULA

Na gestão de Lula, de 2002 a 2010, devido ao uso com fins políticos, a produção de petróleo da Petrobras cresceu 45%, enquanto a admissão de servidores concursados foi de 75% e o de terceirizados 175%. Em consequência à real exposição da situação da Petrobras pela presidente Graça Foster, mexeu com o ego de Lula, a qualquer momento será substituída. Por oportuno, lembro que estão sendo privatizadas ferrovias e rodovias pelo governo Dilma. Será benéfico que o faça também com a Petrobras. A petrolífera deixará de ser cabide de empregos, deslanchará, dada a maior lucratividade elevará os dividendos aos acionistas e o governo também será di retamente beneficiado, a exemplo do que ocorreu com a Vale, redundará em maior arrecadação. Outro detalhe, a privatização gerará recurso que, se corretamente utilizado, amenizará a precariedade dos fundamentos básicos governamentais (saúde, educação, transportes, segurança, saneamento básico, etc.).

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

AS RAZÕES DA CRISE ECONÔMICA

Toda vez que o assunto da crise da economia mundial vem a tona acabou sempre me perguntando como o problema de liquidez bancaria causado pelo setor de subprime acabou atingindo a economia real. Analisando a seqüência dos eventos que complicaram a situação aparece em primeiro lugar a concessão de ingentes créditos para compra de imóveis com juros reduzidos a clientes que não ofereciam as necessárias garantias reais apostando na validade das garantias evolutivas (os próprios imóveis). Quando os clientes se tornaram insolventes os bancos começaram a penhorar e vender os imóveis gerando um sensível aumento da oferta este fato acabou abalando o mercado. A perda de valor dos imóveis acabou impedindo os bancos de recuperara o capital. Juntando a esta perda aquela ligada aos títulos tóxicos relacionados com os mútuos subprime acabou criando-se um clima de desconfiança entre os bancos que pararam de se socorrer mutuamente iniciando assim uma enorme crise de liquidez seguida da insolvência e da criação de um circulo vicioso de falta de confiança que determinou a queda do mercado acionário. Parece também que o excesso de poupança de inteiros países destinado a aplicações de baixo custo tenha contribuído a explosão do endividamento de famílias e empresas. Se esta avaliação é correta o mundo precisa voltar a um crescimento mais equilibrado da renda e do consumo e a um aumento de oferta dos bens imateriais como a instrução e a saúde, integrando as políticas monetárias com uma intervenção ativa sobre as políticas fiscais estabilizando o ciclo econômico permitindo um crescimento menos elevado, mas sustentável favorecendo a demanda do consumo e dos investimentos. Para achar soluções viáveis é necessário entender que o sistema produtivo depende da coexistência de dois mundos paralelos, a economia real e o setor financeiro do qual aparentemente depende. Entretanto este paradigma não é totalmente verdadeiro e na realidade a economia financeira vive como um parasita com a linfa da economia real, pois as empresas sadias podem viver e crescer sozinhas capitalizando-se com o resultado das operações produtivas não distribuídas.

Franco Magrini framagr@ig.com.br

Cachoeira Paulista

*

BR-367

A rodovia BR-367, no trecho entre Almenara e Salto da Divisa, no Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais, é uma vergonha. A incompetência do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e do DER/MG em manter a estrada em boas condições de tráfego torna o trecho em estado de abandono. O Dnit, cujo escritório mais próximo é em Teofilo Otoni, desconhece como a estrada se encontra. Quanto ao DER/MG, a CRG de Jequitinhonha vive perambulando em carros pela estrada, mas não fazem nada. As pontes de madeira estão com tábuas soltas, quebradas, cabeças de pontes com valetas. O absurdo é ainda maior porque os funcionários do DER/MG vivem passando pela estrada, não se sabe fazendo o que, e não consertam. Animais continuam a solta pela estrada. Vivemos o perigo diariamente de ter que andar na contramão por causa de buracos e mais buracos. É uma covardia o que fazem. Ninguém do DER/MG vem dar explicações. As Câmaras Municipais enviaram protestos e até Moção de persona non grata foi feita pela Câmara de Jacinto a várias "autoridades", inclusive para a presidente Dilma, o governador do Estado, dirigentes de órgãos, nem isso adiantou. Enquanto isso, em Brasília, uma licitação do projeto, ainda o projeto meu Deus, se arrasta. Todos aqui na região se perguntam qual o interesse desta estrada não estar pavimentada até hoje, se são das empreiteiras "comendo" o dinheiro público, Gontijo, órgãos públicos, políticos... São absurdos como a publicação no site do DER/MG de mais de 25 milhões para reparos no trecho entre Jequintinhoa/Jacinto e quando se questiona dizem que a ordem de serviço não foi assinada, mas está no site como se os serviços tivessem sido executados. Sobre o DER de Jequitinhonha é impressionante a incompetência do órgão que não mantém a estrada em boas condições, mesmo tendo a região poucas estradas sem pavimentação. Enquanto isso sofremos os prejuízos.

Rodrigo Almeida Campos rodrigoalmeidacampos@yahoo.com.br

Jacinto (MG)

*

HISTÓRICO AMBIENTAL DO TERRENO

Com o crescimento sem planejamento das hoje grandes cidades como São Paulo, ficaram os problemas que certamente ainda vão ficar entre a população sabe-se lar por mais quantos séculos, principalmente a contaminação do solo que não é difícil de ser identificada, no entanto precisa querer e principalmente investir para só então fazer negócio, pois com pouco investimento podemos fazer um bom negocio, ou ao menos um negocio seguro que aqui me refiro a nós que pretendemos comprar aquele apartamento dos sonhos , para que realmente seja dos sonhos e não dos pesadelos devemos tomar alguns cuidados como por exemplo, a palavra parece estranha mais e muito importante (Histórico Ambiental do Terreno). Este histórico consiste basicamente em uma investigação sistêmica com técnica de pericia Ambiental do terreno nos últimos anos evidentemente ninguém faz isso antes de comprar um aparamento daí compra um apartamento que foi construído em um terreno onde há vinte anos funcionava uma indústria que fabricava ou trabalhava com produtos químicos e que deixou aquele local contaminado e que certamente trará muita dor de cabeça e depreciação no valor dos imóveis ali construídos. A cidade de São Paulo e suas regiões têm muitos terrenos nesta situação (contaminados) o mais recente que foi divulgado na nos jornais JT e no O Estado de S. Paulo, já com sua construção concluída foi um conjunto de prédio em São Bernardo do Campo no ABC paulista, onde certamente os hoje proprietários tivessem tido um Histórico Ambiental deste terreno não teriam comprado apartamento naquele local. No momento em que os clientes começarem a ter uma visão mais perceptiva e critica nos seus próprios interesses tudo tende a mudar e pode ser que um dia as construtoras venham a colocar em suas respectivas obras um documento do terreno que venha a dar ou garantir segurança aos moradores que comprar apartamento naquele local.

Paulo Rodrigues de Moura paulorodriguesmoura@hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.