Fórum dos Leitores

OUTONO ÁRABE

O Estado de S.Paulo

15 Setembro 2012 | 03h06

Radicalização

A violência das manifestações contrasta com os valores de liberdade que motivaram a Primavera Árabe. O medíocre filme não mereceria atenção, não fosse a notoriedade que ganhou por causa do radicalismo das reações. Com todo o respeito aos islâmicos, essa radicalização só prejudica os que encontram legítima inspiração divina e fé nos escritos sagrados.

GILBERTO DIB

gilberto@dib.com.br

São Paulo

De punições

Os atentados no Oriente Médio continuam em grande escala. E o que causou a morte do embaixador americano na Líbia já provocou reações e ameaças contra seus autores, como fica claro na declaração do presidente Obama: "Vamos garantir que seja feita justiça para esse ato terrível". Será que Obama está dando a entender que o irresponsável que produziu e exibiu um filme ofensivo à honra do profeta Maomé também será punido? Não se podem apoiar os atos terroristas, mas também não é coerente agir de forma a punir apenas um dos lados. O mundo precisa de paz, chega de tanta violência causada pela falta de diálogo entre as várias tendências políticas. Só assim serão evitados atos como esse na Líbia.

URIEL VILLAS BOAS

urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

A barbárie do fanatismo

A morte do embaixador americano John Stevens, na Líbia, suscita reflexão sobre o fanatismo islâmico e seu extremismo cético ao rebater quaisquer críticas ou discordâncias com violência desmedida. Que o filme contra o profeta Maomé é polêmico e ofensivo ninguém discute. Mas, em vez de bombardear embaixadas e matar inocentes, os árabes poderiam aprender a dialogar, lidar com as críticas de maneira mais civilizada e debater os temas que lhes desagradam com um mínimo de bom senso. Tal ato bárbaro apenas reforça - uma vez mais - a selvageria do Oriente Médio, conduzida pelo interesse macabro de algumas nações islâmicas que usam a sua religião e a ignorância geral do povo para promover o derramamento de sangue e a violência extremista. Qualquer cidadão de bem deve condenar veementemente os fatos ocorridos.

SÉRGIO ECKERMANN PASSOS

sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

Inversão de valores

Por que cargas d'água o governo do país da liberdade de expressão precisa se desculpar por essa mesma liberdade, ao mesmo tempo que suas embaixadas são invadidas e seus diplomatas, mortos justamente pelos mesmos "ofendidos" que diariamente maculam seus símbolos, difamam seus valores, instituições e tradições, mas não aceitam sequer uma piada sobre suas crenças, quando saem depredando, perseguindo, matando, etc... Quanta inversão de valores! Onde vamos parar?

ARIEL KROK

arielkrok@gmail.com

São Paulo

Revolta islâmica

A passividade e a acomodação do Ocidente ante as demandas de imigrantes que se recusam a se adaptar culturalmente às sociedades para as quais emigram, mais as declarações "luva de pelica" para toda sorte de barbaridade perpetrada por esses selvagens me fazem lembrar muito o comportamento adotado pré-2.ª Guerra Mundial. Essas nações governadas por fascistas religiosos estão a procurar a bomba atômica com enorme persistência, ao que o Ocidente assiste passivamente. A melhor defesa é o ataque. Passividade já mostrou no passado os riscos envolvidos. O Ocidente deve dar um basta a esses religiosos fanáticos e adotar como linha de conduta a frase do latino Publius Vegetius: "Se queres a paz, prepara-te para a guerra".

JOSÉ SEVERIANO MOREL FILHO

zzmorel@uol.com.br

Santos

ELEIÇÕES MUNICIPAIS

Coroinhas eleitorais

O primoroso artigo Reféns do fanatismo (14/9, D10), de Milton Hatoum, expressa exatamente o que penso sobre este campeonato ridículo de coroinhas em que se transformou a corrida eleitoral em São Paulo: candidatos a prefeito de uma cidade que se pretende cosmopolita, metrópole do mundo, reduzidos a papagaios de pirata de padres, pastores e bispos, salvo poucas e honrosas exceções. Há um candidato que disse que gostaria de ver uma igreja em cada quarteirão. Eu tenho outras preferências: que tal uma escola em cada quarteirão?

DENIS VEIGA JUNIOR

denisveiga@uol.com.br

São Paulo

Se correr o bicho pega...

Infelizmente, nem se pode culpar o povo, o analfabetismo funcional, etc. Na realidade, o povo quer mudanças, mas está naquela do "se correr o bicho pega, se ficar o bicho come". Aqui, em Belo Horizonte, fica difícil diante de tantas mentiras fazer escolhas, seja para prefeito, seja para vereador. O que os candidatos dizem que são e foram, do que são capazes e o que fizeram dá a impressão de que o Superman não é mera ficção. Em São Paulo, o povo querendo correr do PT e do PSDB, está optando por Celso Russomanno, do PRB (segundo mostram as pesquisas). Mas este que já foi acusado de exercício ilegal de advocacia, falsidade ideológica, está com os bens da sua empresa bloqueados e é apoiado pelo bispo(?) Edir Macedo, da Igreja Universal. Mas, e a ficha limpa?

NEI SILVEIRA DE ALMEIDA

neizao1@yahoo.com.br

Belo Horizonte

Esclarecimento

Foi curiosa a interpretação dada pelo Estadão ao relatório de exame oftalmológico do paciente J. M. S, reproduzido nas páginas do jornal (Caminhoneiro sofre de catarata, aponta exame, 13/9). O paciente em questão teve seu caso exposto pela campanha do PT à Prefeitura de São Paulo. No horário eleitoral os petistas afirmaram que ele esperava havia dois anos para realizar uma cirurgia de catarata na rede municipal. Havia duas mentiras na afirmação: nem o paciente esperava havia dois anos por atendimento, nem a cirurgia recomendada para ele era a de catarata - como fica claro no próprio relatório médico que foi divulgado pelo Estadão. Basta ler o documento divulgado pelo jornal: o médico constatou que o problema principal do paciente é o pterígeo, não a catarata - apesar de essa doença ter sido detectada "em nível intermediário", segundo a reportagem. A conduta prioritária, definida por escrito e publicada pelo Estadão, é uma cirurgia para tratar do pterígeo. Esse é o fato. Passados 60 dias dessa cirurgia, o médico estabelece que deverá ser feita uma "reavaliação" para constatar se há, ou não, a necessidade de nova intervenção. A bem da saúde pública, cumpre esclarecer que, ao contrário do que disse o PT no horário político, não há filas para a realização de cirurgia de catarata em São Paulo. A rede municipal realiza cerca de 14 mil intervenções desse tipo por ano, o que dá uma média próxima de 40 por dia.

FÁBIO PORTELA, assessor da campanha do PSDB

portela78@gmail.com

São Paulo

 

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

TRINDADE

Dona Marta Suplicy sempre se superando: "Lula é Deus, eu sou a pessoa que faz e Dilma é bem avaliada". Amor próprio e autoestima igual a zero. Submissão, desvario, insensatez, desatino, nota dez. O grau de afecção é preocupante.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

O DEUS DE MARTA SUPLICY

Os exageros da ex-senadora e ministra da Cultura, Marta Suplicy, que se rendeu aos apelos de Lula para ajudar Fernando Haddad na campanha à Prefeitura de São Paulo e por isso ganhou um Ministério, ao dizer que Lula é um "deus", passaram do limite do tolerável. Que "deus" é este que conta mentiras, ilude os pobres, enriqueceu do dia para a noite, negou a existência do mensalão, o qual está fazendo um estrago na imagem do partido que conduzia a bandeira da ética, caiu na armadilha de Maluf, tudo por interesse, e não consegue se desligar da cadeira de presidente? Que deus é este que não conseguiu fazer as reformas de que o Brasil precisava durante seus dois mandatos, que submete os trabalhadores à maior carga tributária do mundo, que apoia a corrupção e os corruptos, que prega o ódio entre as pessoas e a vingança? Dona Marta, a senhora está muito enganada, Deus é um ser supremo muito acima das características do seu "deus". Este que a senhora cultua no inferno tem aos montes. Vade retro!

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

VALE-TUDO

O que o PT está fazendo para alavancar a candidatura Haddad na capital de São Paulo é assustador. Não há limites para os expedientes pouco éticos de que lançam mão para colocar seu candidato no segundo turno com Russomanno, aparentemente já consolidado como líder nas intenções de voto. É de causar espécie tomar conhecimento da falta de respeito e pouco caso com que Dona Dilma dispensou sumariamente Ana de Hollanda do Ministério da Cultura para "presentear" Marta Suplicy pelos votos que Lula não conseguiu até agora transferir para o inexpressivo Haddad, mas que talvez a senadora o faça. Seria bom que a presidenta levasse em conta uma das frases mais marcantes evocadas na noite do dia 4 de setembro pela primeira dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, em seu discurso na convenção do Partido Democrata: "Ser presidente não muda quem você é; ser presidente revela quem você é". Taí, Dona Dilma, este episódio revelou exatamente quem a senhora é e como age quando tem um objetivo a ser alcançado, no mais puro estilo "os fins justificam os meios", ou seja, do "vale-tudo".

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

*

ACABOU A BIRRA

Depois que ganhou o Ministério da Cultura, Marta Suplicy deixou a birra de lado, aderiu à campanha de Haddad e, como se não bastasse, com muita subserviência, começou a chamar Lula de deus! Nessa hora é que pondero como é bom ser agnóstica.

Eni Maria Martin de Carvalho enimartin@uol.com.br

Botucatu

*

JUDAS

A ex-senadora Marta Suplicy disse que o ex-presidente Lula é um "Deus". Creio que, depois de receber um Ministério em troca de apoio ao candidato Fernando Haddad, ela não exagerou no palavreado. Afinal, em troca de um punhado de moedas, Judas Iscariotes fez coisa muito pior.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

O LEMA FRANCISCANO PERVERTIDO

O falecido deputado Roberto Cardoso Alves foi o primeiro a usar a expressão "é dando que se recebe", para justificar as trocas que fazia na Câmara dos Deputados. Era deputado pelo PMDB. Mas o lema puro de São Francisco de Assis era a doação desinteressada, tanto que a ordem religiosa faz votos de pobreza. Então, mais uma vez, os políticos deturparam lemas religiosos, éticos e morais em benefício de suas pretensões e desejos. Aos poucos, vai-se vendo que Lula, Dilma e todos os pregadores de moral do PT estão realizando, em seu próprio benefício, a política deturpada. E assim, mais uma vez, se pergunta: como acreditar em políticos e em nossas maiores autoridades?

José Carlos de C. Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

DEUS E O DIABO

Se elle é o deus para ela, qual será o diabo della?!

Paulo Celso Biasioli pcbiasioli@yahoo.com.br

Limeira

*

O SAFO EM CAMPANHA

Considerado por muitos como o réu ausente no julgamento do mensalão, Lula continua livre, exercendo, através de sua servidora-presidente, todo tipo de pressão, inclusive na compra de apoio da senadora Marta Suplicy, oferecendo como pagamento o Ministério da Cultura em troca de apoio da camarada petista a seu indicado Fernando Haddad. O modus operandi de Lula na sua corrida por São Paulo deveria qualificá-lo não para ser o padrinho político de um pretendente a prefeito de uma cidade grande, mas para ser um forte candidato a explicar perante o Supremo Tribunal Federal (STF) por que tem o ímpeto de comprar apoio político quando o assunto é a continuação do PT no poder, como na ação penal 470, da qual se safou. Enquanto isso, ele promete morder a canela de quem ousar acordá-lo de seu sonho de tomada da capital mais rica do País.

Peter Cazale pcazale@uol.com.br

São Paulo

*

A ESSÊNCIA DO PT

A ministra da Cultura não ia bem. Que fosse substituída. Então, a troca é feita por uma senadora, sexóloga, que cede a sua cadeira a um vereador que já conhece os caminhos severos da Justiça. Isso é o petismo. Durante o feriadão de 7 de setembro, o MST, conhecido por suas barbáries, bloqueou por duas horas uma rodovia, em Sarandi (RS) e cobrou pedágio. O governo daquele Estado é petista e, se não aprovou o ato, também nada fez para puni-lo. Nada disso, entretanto, se compara ao novo método de ensino introduzido nas escolas com a impressão e distribuição do "kit gay" intitulado Mamãe, como eu nasci?. O texto, ilustrado com desenhos de forte apelo sexual, não educa, leva o aluno a uma situação de constrangimento na sala de aula, trazendo sérias distorções no relacionamento interescolar. Premiada por Dilma com a Cultura, e sendo sexóloga, a ministra Marta poderá dar novos rumos a esse "manual", quer dizer, o lixo. Isso é o petismo na sua essência. A ministra Marta Suplicy, na sua idolatria xiita, julgou que depois de tantos títulos hour concurs o apedeuta poderia ser considerado um Deus, no maior sacrilégio já proferido contra a Santa Igreja Católica Apostólica Romana. Só se for Baal.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

OS TENTÁCULOS DE LULA

Ao melhor estilo "cara de pau", tão típico do PT, a presidente Dilma nem procurou disfarçar o toma lá dá cá ao nomear Marta Suplicy para o Ministério da Cultura dias após a entrada da senadora paulista na campanha de Fernando Haddad à Prefeitura de São Paulo. A essa manobra tosca juntam-se outros momentos pouco auspiciosos da presidente, protagonizados depois da publicação do artigo do ex-presidente FHC no Estadão, no qual ele relaciona o conjunto de heranças pesadas que Dilma recebeu do antecessor, seu padrinho político Lula. Ela emitiu uma nota em tom raivoso contra FHC, em resposta ao seu artigo, e usou um pronunciamento oficial em rede nacional para lançar diatribes contra o governo tucano, valendo-se de seu posto para atacar a oposição num discurso claramente contaminado pelo clima eleitoral. Isso tudo quer dizer o quê? Que, em momentos agudos, Lula dá ordens no Palácio do Planalto, e Dilma as segue cegamente. O livre arbítrio político de Dilma na Presidência é limitado - a influência nefasta que sofre dos tentáculos de Lula é inquestionável. Para o desespero de Lula, e sorte do Brasil, o sopro de independência que areja o quadro institucional brasileiro vem do Judiciário, por intermédio do STF, prestes a condenar os mensaleiros petistas.

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

*

CUSTO DE CAMPANHA

Um vereador da cidade de São Paulo, que gasta R$ 8 milhões na campanha, com o salário de R$ 15.031,76 que os vereadores paulistanos vão passar a receber a partir de janeiro de 2013, vai levar 44 anos e alguns meses para recuperar o seu investimento inicial. Ou esse cidadão quer se eleger por diletantismo ou, o mais provável, digo mais evidente, é que ele vai recuperar seus R$ 8 milhões com várias maracutaias do tipo mensalão do Lula.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

POLÍTICOS NA TV

A melhor comparação que meus neurônios fizeram sobre os políticos, sua imagem e seus argumentos e promessas na TV é a de uma mulher mequetrefe, antes, e deslumbrante, depois do salão de beleza: nem parece a mesma criatura. Os políticos são o mesmo, ao contrário: deslumbrantes na campanha e, eleitos, mequetrefes na ética e no desempenho, parecidos com o das moradores do baixo meretrício.

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

*

VOTO NÃO TEM PREÇO, TEM CONSEQUÊNCIA

Os debates entre candidatos a prefeito na TV mostram um desespero quando faltam menos de dois meses para o pleito eleitoral.A eleição passa por muitos fatores mas o principal é a vontade soberana do povo. O povo vota muito pelo coração e não se sabe o resultado das urnas senão quando terminam as apurações. Este clima de insegurança leva a promessas impossíveis e mentiras eleitoreiras. O Brasil caminha para uma democracia estável. Basta o povo tomar consciência do valor do seu voto e como pode ser mudado o destino da nação com a participação popular e consciência de um voto consequente. Vamos participar! Ler jornais, conversar amigavelmente com os vizinhos e debater com moderação. É sadio o debate sobre questões de segurança pública, moradia, saúde, educação, e outros temas. Todos somos responsáveis! Voto não tem preço, tem consequências! O voto pode decidir o futuro do Brasil.

Paulo Roberto Girão Lessa paulinhogirao@gmail.com

Fortaleza

*

O POVO TEM MEMÓRIA

Para desmentir o sito "o povo não tem memória", peguei um folheto do candidato a vereador Sr. Jamil Murad - no qual tem o lema "sempre ao lado do povo" - e várias propostas mirabolantes para a cidade. Na verdade, esse senhor, quando deputado federal pelo PCdoB, foi quem abandonando o povo, pequenas, médias e grandes empresas, fez o projeto do imposto Cofins, mensal e trimestral de tanta indignação. Ele pensou só no governo e em como aumentar a carga tributária. Eleitor, não se engane, lembre-se disso.

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

*

A LIBERDADE DO ELEITOR

Em época de eleição vale tudo. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tem vinculado comercial na mídia dizendo para que o eleitor não venda ou troque seu voto. Infelizmente, muitos eleitores se vendem mesmo! Contudo, na atualidade, comprar ou manipular um eleitor dá trabalho e custa caro. O que a maioria dos políticos adotou é a estratégia de conquistar os líderes das diversas religiões. Hoje a "fé", com raras exceções, é algo extremamente comercial. Muitos líderes religiosos vão negociar alguma vantagem, do tipo: cargos ou indicação de empregos e benefícios em suas festas religiosas. Por isso você, que é eleitor, não seja manipulado pelos interesses do seu "líder" religioso. Sua própria opinião, convicção e racionalidade podem fazer a diferença. Em 7 de outubro, seja livre!

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

*

O CRIME ORGANIZADO E A SOBERANIA NACIONAL

A polícia desmontou o que seria um tribunal do crime organizado em Várzea Paulista. A existência de "tribunais" e a organização sistemática de facções dedicadas ao crime, constituem grave violação ao "imperium" estatal. O Estado, como detentor da soberania, não pode admitir a ação paralela de grupos ou facções sobre o seu território e especialmente a prática de ações que lhes são privativas, como a justiça, a segurança pública e outras. Só têm o direito de julgar e, mesmo assim, dentro do ordenamento jurídico nacional, aqueles que, via concurso, receberam essa atribuição do Estado. Só podem funcionar organizações constituídas por indivíduos em pleno gozo de seus direitos civis e submissas às leis. Tudo o deixar de atender a esses requisitos básicos, não pode subsistir numa sociedade organizada. Infelizmente, o Estado Brasileiro foi leniente durante o chamado período de redemocratização e fez vistas grossas ao surgimento do poder paralelo. A Polícia Militar (PM) desfez o "tribunal" de Várzea Paulista. Mas a tarefa não é apenas sua. O crime organizado precisa de uma ação estatal firme e de caráter nacional. O governo, por todos os seus órgãos, tem o dever de agir para desmontar os esquemas, libertar suas vítimas, ressocializar os criminosos e, com isso, recuperar a sua soberania que, pela própria natureza, é indivisível. Todo governo ou governante que, por desídia ou interesse eleitoral, aceita o poder paralelo dentro de sua jurisdição é, no mínimo, conivente, e não merece o respeito da população...

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

'PÁTRIA MINHA, TÃO POBRINHA'

A foto da primeira página do Estadão de 12/9 é o retrato do Brasil: o caixão do menino morto, massacrado por uma gangue de traficantes e o menino sem camisa, pobre, desolado, chorando, marcado por toda a vida pela perda sem explicação. Trágico. Comovente.

Luiz Antonio D'Arace Vergueiro luiz-vergueiro@hotmail.com

São Paulo

*

CHACINAS SEM FIM

Nunca antes neste país se matou tanto por tão pouco. As pessoas, dependendo de onde moram, o que fazem, se são vizinhos de alguém perigoso? Têm sua pena de morte decretada? E ainda me vêm com aquelas histórias de Unidade de Polícia Pacificadora (UPP)? Melhorou para poucos, mas piorou para muitos. Como podemos ainda conviver com milícias, com policiais travestidos de marginais, e a maldita corrupção no meio policial? Onde estão as nossas autoridades, que, após uma chacina como a do Rio de Janeiro, vêm falar um monte de mentiras e coisas sem pé nem cabeça? Qual é, quando será o fim disso? Mexer com o vespeiro, mas sem acabar com ele, é nada ou menos zero. Sergio Cabral, acorde! Lula já se mandou e nunca você teve tanta grana e apoio para acabar com essa matança desenfreada que nem no Iraque existe. Ninguém merece viver de medo e ser uma encomenda de bandido. Mexa-se, pois seu tempo já acabou e a enganação, também.

Mustafa Baruki mustafa-baruki@bol.com.br

São Paulo

*

CONVÊNIO COM O FBI JÁ

O crime no Brasil chegou a um nível impensável que demonstra que as delegacias e todo o sistema de segurança estão falidos e incapazes de deter ou minorar os brutais assassinatos, as explosões dos caixas eletrônicos, os sequestros, o tráfico de drogas, etc. Quem deseja conhecer este nível de barbaridade basta assistir ao programa Brasil Urgente que o Datena apresenta diariamente na TV. Alterar o Código Penal é uma medida que não mudará este quadro. Cabe, isso sim, aperfeiçoar o corpo policial e dotar as delegacias e Secretarias de Segurança de equipamento moderno como o existentes nos Estados Unidos. O governo brasileiro já fez convênios com vários organismos internacionais em diversas áreas do conhecimento para aperfeiçoar os seus quadros. Penso que agora é urgente que o Brasil estabelecesse um convênio com o Federal Bureau of Investigation (FBI), que a partir de um programa de mais de um ano aperfeiçoasse milhares dos nossos policiais para que eles ficassem preparados para combater os criminosos e estivessem aptos para investigar e descobrir os chamados "crimes insolúveis". Ao lado deste aperfeiçoamento dos quadros, a nossa polícia precisa receber aparelhos de alta tecnologia que tornasse nossa polícia uma polícia moderna e científica. Basta que haja vontade política.

Antonio R. de Almeida ribercor33@hotmail.com

São José do Rio Preto

*

DESIGUALDADE E VIOLÊNCIA

A violência, de uma forma geral, tem uma causa, que nunca se comenta, e culpado indireto (o político corrupto, que se elege apenas para a prática do peculato, consequentemente causando essas desgraças). O cara que está assaltando e matando lá no farol é aquele garoto que poderia ter um estudo melhor, uma moradia melhor. Esquecem-se de que até o esporte pode mudar os valores dessas crianças, e, não tendo nada disso, elas seguem por caminhos errados, e na contrapartida disso pagamos o preço. Cômodo metralhar o cara que rouba as jóias no Morumbi - não estou dizendo que isso é correto, isso é consequência. Enquanto essa injustiça social persistir, isso nunca terá fim... Percebo que algumas coisas começam a mudar, pois os caras viram que estavam atirando no próprio pé, que é preciso repartir o bolo em vários pedaços sem muita ganância. Mas ainda falta muita coisa, inaceitável que uma cidade como São Paulo tenha inúmeras favelas e crianças nos faróis pedindo esmola, dormindo nas ruas, quando deveriam estar dentro de um convívio escolar, tendo uma oportunidade de trabalho, pois muitos estão nessa condição, como disse, e o preço que se paga por isso é muito alto. E afeta até quem não tem nada com o peixe, porque os inocentes estão pagando com a vida numa simples tentativa de assalto impulsiva desses garotos que não têm nenhuma perspectiva de vida e não têm nada a perder.

Valter Barbosa da Silva valternikas10@hotmail.com

São Paulo

*

JUQUINHA

Não entendo essa Justiça brasileira que mandou anular as gravações em inquérito da Polícia Federal sobre o ex-presidente da Valec, Juquinha. Se as gravações são de conversas reais, evidências concretas de roubo de dinheiro público, por que não poderão ser utilizadas contra Juquinha? Que se puna quem utilizou meios ilegais na obtenção de provas para que, da próxima vez, se cerque de cuidados para que as escutas sejam consideradas legais. Não é possível tapar o sol com uma peneira da "ilegalidade", fazendo de conta que as conversas detalhando as fraudes em licitações da Ferrovia Norte-Sul nunca tivessem existido.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

QUEM TEM PADRINHO NÃO MORRE PAGÃO

Mais uma da nossa Justiça "injusta e parcial" no País, beneficiando apadrinhados de políticos corruptos, como foi o caso da mesma declarando nulas as interceptações e escutas telefônicas da Operação Trem Pagador, da Polícia Federal, que levaram à prisão o ex-presidente da Valec Engenharia José Francisco das Neves, o Juquinha, ligado à família do presidente do Senado, o senador José Sarney. Os desvios podem chegar à bagatela de R$ 1 bilhão!

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

SOBRE PREFERÊNCIAS E PRETERIÇÕES

STF derruba nomeação de juiz feita por Dilma (Estado, A15, 13/9). Para bom entendedor seria o mesmo que dizer: ponha-se no seu lugar! É "óbvio e ululante" que a presidenta deve ter (e tem) suas várias opções em vários campos, atividades e sentidos em que as opções - ou preferências - podem, ad libitum, ser exercidas. Há, entretanto, mais que razões preferenciais de cunho íntimo, obrigações impostas não só pela Constituição ou por leis complementares, mas, também e até, pelas sequências de manifestações que se repetem com constância e emolduram o que se convencionou classificar como usos e costumes. Ou então pela tradição, se preferirem. Diz a reportagem sob o título acima que o Supremo Tribunal Federal (STF) tirou da presidenta "o poder discricionário de promover juízes federais para os tribunais regionais federais" (sic). É que, preterindo o juiz Aluísio Gonçalves de Castro Mendes, cujo nome constava da lista de promoções por merecimento por três vezes consecutivas, Sua Excelência preferiu nomear o juiz federal Marcelo Pereira da Silva, que fazia parte da mesma lista apenas pela segunda vez seguida. Assim, por unanimidade, os ministros do STF, tiraram dos presidentes da República, doravante, o privilégio de nomear para os TRFs os juízes de suas preferências, como vinha sendo até então. Nos círculos mais íntimos do poder, diz-se que a preterição de Castro Mendes houvera sido em decorrência do fato de ele "contar com o apoio do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ)... (que) já questionou a sexualidade da presidenta...", dentre outras considerações a respeito de sua história pregressa. Assim, ficou resolvido em plenário do STF, que a nomeação do juiz federal é obrigatória quando o seu nome constar da lista de promoções pela terceira vez consecutiva. Por isso mesmo, em suas ponderações o ministro Gilmar Mendes admitiu que a decisão possa tirar do(s) futuro(s) presidente(s) o(s) seus(s) poder(es) de nomeações para todos os tribunais federais de segunda instância. Quisera eu que tal proibição também se estendesse ao próprio STF. É preciso e imperativo que a presidenta se conscientize a respeito da realidade de que ela governa o Brasil para todos os brasileiros e não só para o PT e muito menos para o seu chefe, Lula. Sua Excelência está aonde se encontra para promover o bem da nação e não para satisfazer suas preferências e a dos que lhe são caros, quaisquer que sejam essas preferências. "Punto e basta!"

João Guilherme Ortolan guiortolan@gmail.com

Bauru

*

ELIANA CALMON

Peço "vênia" para congratular-me com minha nobre conterrânea ministra Eliana Calmon, pela lucidez e brilhantismo. Sabedor da sua honradez, brio, inteligência, serenidade, invulgar cultura, notável saber jurídico, inexcedível retidão no cumprimento do dever e alto "Espírito de Brasilidade", rogo a Deus que multipliquem mulheres guerreiras como Vossa Excelência para que os órgãos entidades e instituições possam encontrar remédios, complementos e suplementos capazes de encurtar os caminhos entre o desejável e o alcançável. Aceite o meus sinceros e efusivos parabéns. Sua Excelência é portadora dos mais valiosos caracteres para ser a 2ª mulher, presidenta do Brasil. O Brasil te ama, ministra Eliana Calmon.

Vasco Vasconcelos vasco.vasconcelos@brturbo.com.br

Brasília

*

GUERRA RELIGIOSA

Visitei o Egito recentemente, e a situação dos católicos nos países árabes com maioria muçulmana é um exemplo de que guerra religiosa efeito colateral de remédio. A Nigéria, onde católicos são mortos como caça, muitos fanáticos aproveitam essa dita confusão e bronca em relação a Maomé para matar católicos, pelo prazer de matar, pois infelizmente a estupidez e a ignorância se misturam e aproveitam essa confusão generalizada para praticarem esses atos inaceitáveis. Já passou da hora de guerras religiosas, cada um tem direito ao seu credo, seja onde for, e ninguém deve se meter com isso. Faz parte da democracia.

Mustafa Baruki mustafa-baruki@bol.com.br

São Paulo

*

PÓLVORA

A edição de quinta-feira (13/9) é mais uma que eu considero "para colecionador". Inicio destacando a percepção e lucidez do Demétrio Magnoli e concordo em gênero, número e grau quanto à periculosidade do candidato à presidência dos EUA (O homem mais perigoso da Terra, página A2). Mitt Romney faz parte da "tradicional" escola republicana daquele país, afronta, critica e impõe políticas contrárias às vocações de outras nações. Não é bom para a atual condição mundial ter um líder de uma grande nação como são os EUA com a paupérrima formação política do sr. Romney (um lobo em pele de cordeiro). Como pensar não faz mal a ninguém, também não faz sentido fanáticos exacerbados assassinarem diplomatas da envergadura de Christopher Stevens, e mais dois membros do corpo diplomático norte-americano. Cabe lembrar que o "líder" iraniano está alinhando forças similares à doutrina ditatorial, religiosamente fundamentalista e fanática, cabendo a hipótese de um "acerto prévio" para prática de atos que afrontem ideologia democrática e ecumênica. Portanto, na minha modesta opinião, o povo norte-americano, elegendo o republicano Romney, estará pondo no pavio de um barril com muita pólvora, muito mais que um palito de fósforo aceso.

Carlos Nelson Horrocks carloshorrocks@yahoo.com.br

São Paulo

*

A TERRA MAIS PERIGOSA PARA O HOMEM

Pela primeira vez devo dizer que o recente artigo de Demétrio Magnoli, articulista de política internacional que mais admiro no Brasil, é quase incompreensível. Para ele Romney é o homem mais perigoso da Terra porque defende uma contraposição ao dumping chinês, um ataque ao Irã e a manutenção dos gastos militares dos EUA. Bem, nem vou discutir a tendenciosa posição do articulista o qual deliberadamente opta por: ignorar que há excesso de condescendência internacional direcionada à China, "motor do mundo"; crer reiteradamente, sabe-se lá por que, no Oriente Médio como a nova fonte primaveril de democracia mundial - as recentes investidas no Iêmen, Egito e Líbia foram fruto do acaso de um vídeo, é claro; e omitir do seu leitor que os EUA têm uma posição militar global com número de flancos, ameaças e responsabilidades dezenas de vezes maiores que qualquer outro corpo militar do mundo em toda História. O.k., ao final do texto Magnoli revela que o grande perigo de Romney, ou ao menos o maior, é que ele mente para agradar seu público. Surpreendente para um candidato a presidente, não? Lembro de todas as verdades ditas pelo último candidato vindo de Chicago quatro anos atrás... Mas a contradição que salta aos olhos é que, seguindo a "lógica" inicial do autor, o mundo de uma China ainda mais atuante com sua economia crescente de base escravocrata e manipuladora, um Irã nuclear e um EUA com poder militar relativizado com Rússia, Coréia do Norte, aiatolás etc sempre batendo à porta da paz global seria um mundo menos perigoso. Mesmo? Se Mitt Romney de fato cresse em tudo o que diz seria uma catástrofe. Verdade? Toda essa deturpação apenas para ter o prazer ver um, até agora, incipiente candidato manter seu posto e criar, quem sabe, o bolsa família dos EUA em seu segundo mandato? Votaria em Obama se fosse americano, mas por falta de opção. Não ignoro as dificuldades de se ser um grande líder americano neste momento da História, no entanto, o último eleito assumiu o cargo dizendo que daria conta do recado bradando ao mundo Yes, we can!. Palavras verdadeiras? Gostaria muito, como leitor, estudioso e admirador, de ver um artigo de Magnoli tratando dessas questões sugerindo soluções - já que ele, no melhor estilo Barack, não se ocupou de propor saídas palpáveis para os problemas internacionais apontados. Pois as propostas de Romney, conforme descritas no artigo, indicam um contexto não mais perigoso para a humanidade que o de um mundo cujas complexidades geopolíticas têm sido regidas apenas pelo sorriso e carisma de um homem que salvou os ativos podres do Lehman Brothers como qualquer outro faria.

Thiago Oliveira Santos thiagoos@yahoo.com

Goiânia

*

'O HOMEM MAIS PERIGOSO DA TERRA'

Aos poucos vamos entendendo que o capitalismo, o maior sistema de produção que a humanidade jamais teve em mãos, continua administrado e governado pelo feudalismo medieval nas nações capitalistas lideradas pelos EUA, e pelo tribalismo comunista liderado hoje pela China, ontem pela falida URSS. Os pajés de ontem eram os religiosos, os de hoje, os economistas, e tudo continua como antes na terra de Abrantes, caciques e pajés deitando e rolando em cima da carne seca, apenas com a tecnologia da Era Capitalista de produção. Os EUA se fizeram de trabalho e nacionalismo constitucional da lei de Monroe, a América para os americanos, está no desvio pós guerra fria do assistencialismo idiota de empurrar elefantes e jumentos morro acima, todos começam a rolar morro abaixo, inclusive os "gringos". Desenvolveu-se no mundo a falácia de direitos sem deveres, a corrupção e bandidagem viraram virtudes, onde manda quem paga. Na guerra fria os "direitos" eram exigidos nas armas, hoje, nos escritórios cheios de whisky e mulheres bonitas! Mudaram-se os pajés religiosos de ontem, economistas e políticos de hoje, mas os caciques continuam os mesmos. A Guerra do Vietnã foi um "varada" militar de pensar que armamento vence guerra, não havia guerrilheiros nas matas, estavam nas cidades misturados com civis comuns, usando túneis cavados por décadas de submissão militar do povo vietnamita, que os idiotas comunas brasileiros comandados pelo não menos idiota Amazonas, quiseram refazer no Bico do Papagaio, e deu no que deu, hoje esses idiotas das guerrilhas tupiniquins são indenizados e aposentados por fazer bulhufas pela nação! No Oriente Médio, os americanos continuam fazendo merdas, está lá Israel cuja função é "garantir" o domínio militar sobre o petróleo, e fazem de forma formidável, não têm um único poço, e poderiam ter todos, mas a burrice da pajelança americana ao invés de apenas apoiar o "cabo de guerra", demagogicamente dão mostras da burrice política, fazendo guerras idiotas que sequer vencem, adicionam pepinos para os próprios americanos. E tudo isso seria resolvido fácil e economicamente por Israel, que apenas quer ter sua nação, cujo povo espalhado pelo mundo, acaba mandando no capitalismo internacional. Israel não precisa de poços, porque os judeus acabam sendo donos deles, como pensava Hitler, senão acabar com esse povo, acaba dominando todos os outros.A questão é simples como água, nenhum colmeia de abelha, altamente tecnológica e urbana, precisa negociar com colmeia de outros lugares, cada uma vive do que seu espaço físico lhe permite, e são assim há milhões de anos, simplesmente acatam e obedecem leis, que o homem insiste em fazê-las ruins, e sequer obedece a ruindade de leis que ele mesmo faz. Essa é a herança da pajelança ancestral iniciada com Adão e Eva, e que ainda governa e administra o Mundo até hoje, apenas a religião hoje é a do dinheiro, cujos pajés são os economistas, fazendo mais besteiras do que os religiosos de ontem. E o tal Romney tivesse a idéia de Monroe, nada a criticar, contudo, parece mais um cacique imbecil rodeado de pajés da economia mais imbecis ainda. Nenhuma nação do mundo se faz ou se garante sem força militar, que além da garantia, promove a evolução científica, e não é sua obrigação promover a evolução moral e ética, que é realmente da elite dominante, principalmente das cortes dos caciques e pajés. Estamos na Era Capitalista, com administração e governos da Era Medieval ou pré-medieval, de elites da pajelança de mentir para governar. Onde as leis são leis, por que segredos de Estado? Alguma sociedade de animais na Terra, exceto o homem, tem segredos de Estado?

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

LONDRES 2012

Na Olimpíada deste ano, o Brasil ganhou 17 medalhas (3 ouros), ocupando a 22ª colocação no quadro geral. Nas Paralimpíadas, conquistou 43 medalhas (21 douradas), classificando-se em 7º lugar. Os atletas com toda sorte de limitações e deficiências físicas provaram que não têm limites em sua determinação, garra e superação. Merecem aplausos de pé. Já os outros...

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

DIFÍCIL É DERRUBAR PRECONCEITOS

A Paralimpíada de Londres chegou ao fim. Histórica para nós, brasileiros. Jamais vimos uma seleção de atletas tão brilhante representando a nossa terra em Jogos Paraolímpicos. O quadro de medalhas Top 10 das Paraolimpíadas 2012, confirma: o Brasil conquistou um honroso sétimo lugar por trazer na bagagem 21 medalhas de ouro, 14 de prata e 8 de bronze. O nadador Daniel Dias, com apenas 24 anos, tem uma história impressionante. Com seis ouros em seis provas individuais Daniel volta ao Brasil como maior atleta paralímpico da história do País. Consagração de quem riscou ainda na infância uma palavra do dicionário: limitação. Conquistas suficientes para colocar o nadador entre os maiores do esporte brasileiro. Após esta Paralimpíada, é certo que a divisão entre olímpicos e paralímpicos não tem mais o mesmo sentido. Está aí a definição do próprio Daniel: "Sou um atleta. Ponto final". Não foi só ele que brilhou. Há outros atletas igualmente exemplares. Entretanto, é sabido que mais de 24 milhões de brasileiros que possuem algum tipo de limitação física - 14,5% da nossa população - enfrentam toda a sorte de dificuldades. A falta de inclusão e acessibilidade seja a maior de todas. Se voltarmos estes números para a Educação, vemos que apenas 17,5% das escolas brasileiras dispõem de dependências próprias para portadores de algum tipo de deficiência física, incluindo banheiros. Na rede pública, esse índice cai para 14,6%. Nas particulares, no entanto, o índice chega a 29,7%. Na verdade, a inclusão social do portador de deficiência física é um processo basicamente cultural. Implica uma ação coletiva contra o preconceito e a discriminação, assegurando-lhe respeito e o total cumprimento dos fundamentos essenciais dos direitos humanos. É preciso agir para que realmente o processo aconteça. Já passou da hora de olhar para o problema, fornecer soluções e usar os mais adequados recursos, buscá-los onde estiverem, sem limites de esforços. Participar do processo de inclusão social dos deficientes físicos é, antes de tudo, um exercício de cidadania. É preciso que as potencialidades sejam ressaltadas, e não os limites. Esses brasileiros brilhantes cumpriram bem a sua missão. Segundo o comitê brasileiro paraolímpico, para que o recorde de medalhas em 2012 seja superado daqui a 4 anos, é preciso conquistar novos investidores para apoiarem os atletas e tornar a acessibilidade um tema mais discutido em nosso país. Como cidadãos conscientes, resta-nos, agora, fazermos a nossa parte.

José Maria Cancelliero monica@cpp.org.br

Piracicaba

*

AS COTAS PARA OS EXCEPCIONAIS

Como pai orgulhoso e inabalado de uma moça com síndrome de down, quero cumprimentar o Estado pelo abalizado editorial O irrealismo das cotas (13/9, A3), que deve ser lido na íntegra para que equívocos não se consumem. O editorial não é contrário ao aproveitamento de deficientes nas atividades produtivas, mas favorável ao ajustamento dos percentuais, à verificação concreta dos setores onde possa se dar esse aproveitamento e denuncia a nefanda intermediação dos que cobravam (ou cobram?) comissões para cada portador de necessidades especiais contratado. Essa conduta deve ser especificamente criminalizada e classificada como crime hediondo.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

LEI DO DESCANSO DOS CAMINHONEIROS

Sou um ex caminhoneiro dos anos 50. Hoje, sou um pequeno empresário no ramo dos transportes. Já dirigi mais de 20 horas seguidas, sob efeito de remédios. A saúde e segurança são muitas vezes deixadas de lado. Por conta disto, gostei da lei que regulou a jornada de 4 horas de trabalho, e 30 minutos de descanso para os caminhoneiros. Minha sugestão era que esta lei fosse estendida para as rodovias municipais e estaduais e não somente nas federais. Os números de acidentes no trânsito de hoje são inaceitáveis. Que esta lei venha a nos ajudar.

Emanuel Fausto de Barros simoneguedes@hotmail.com

Guaratinguetá

*

PALMEIRAS NA SEGUNDA DIVISÃO

Missão quase impossível livrar o Palmeiras do rebaixamento. Quem não se lembra do interino Jorginho assumindo a função de técnico, fazendo o time jogar o fino da bola. Mas não, a diretoria precisava de um técnico medalhão, que tivesse nome e com um salário estratosférico; contrataram o ranzinza Muricy, que começou a afundar o Palmeiras. Não dando certo, foram atrás do super medalhão o arrogante Felipão, e deu no que deu. Repatriem o Jorgino o mais rápido possível para dirigir a equipe em 2013 na série B; caso contrário, corre o risco de ir parar em 2014 na série "C".

Carlos dos Reis Carvalho bigcharles020@gmail.com

Avaré

*

PIOR DO QUE ESTÁ FICA, SIM

Por essa nem eu esperava, com a demissão de Felipão, se as coisas já estavam ruins, podem ficar ainda piores. Domingo, no jogo do contra o Corinthians no Pacaembu, o Palmeiras vai apresentar seu novo uniforme, mais conhecido popularmente como "Tomara que Caia", se perder do Timão, vai cair, sim, e disputará a Libertadores na segundona.

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.