Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

18 Setembro 2012 | 03h08

O chefe da 'quadrilha'

Os brasileiros sempre desconfiaram que Lula sabia, sim, do mensalão. Agora que um dos principais envolvidos no maior crime de corrupção da história política do nosso país, o empresário Marcos Valério, confirmou que Luiz Inácio Lula da Silva, além de ter pleno conhecimento, era o mandante de toda a safadeza governamental, o julgamento em curso no Supremo Tribunal Federal (STF) acabou ficando capenga, pois Lula nem chegou a ser citado nos autos. O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, tem a obrigação moral de iniciar imediatamente outro processo, que apresente o ex-presidente exclusivamente como réu, pois, como todo mundo sabe, ele foi o principal e maior beneficiário desse vergonhoso crime.

VICTOR GERMANO PEREIRA

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

Recado dado

Garantiram ao publicitário Marcos Valério que, se segurasse a bronca, preservando o "santo homem", nada lhe aconteceria e acabaria tudo em pizza. Agora, diante da iminente condenação pesada, ele reavalia sua posição e manda o recado, por intermédio de terceiros, de que pode falar o que todo mundo já sabia, o óbvio: quem era, e continua sendo, o verdadeiro chefe da "quadrilha".

GATTAZ GANEM

gattaz@globo.com

Carapicuíba

Silêncio eloquente

É eloquente o silêncio de Lula a respeito da existência da tal fita de Marcos Valério. Será que é uma recaída na doença que afetou a sua garganta ou é o temor de vir a pingar a gota d'água que vai transbordar o pote até aqui de mágoa de Valério?

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

Nenhuma novidade

Na verdade, essas novas declarações de Marcos Valério acerca do mensalão não são novidade nem para as emas que pastam placidamente no Planalto... Todavia não há como provar que Lula tenha sido o criador e incentivador do mensalão e a coisa toda ficará apenas no testemunho oral. Lula segue o exemplo de Hitler - segundo os historiadores, nunca foi encontrada nenhuma ordem mais comprometedora assinada por ele; em suas reuniões Hitler apenas "sugeria" e os seus aloprados cumpriam essas sugestões, arcando com as responsabilidades. Somente no futuro, quando as brumas do petismo tiverem sido varridas destas plagas, é que saberemos das verdadeiras histórias ocultas atrás de tantas figuras sinistras.

NESTOR R. PEREIRA FILHO

rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

Mensalão e Watergate

Nixon foi expelido da Casa Branca sem que um único centavo de dólar estivesse envolvido...

RENATO GUIMARÃES

renatogjr@yahoo.com

Campinas

Mequetrefes

A revista Veja desta semana - leitura obrigatória para todos os brasileiros que desejam ver corruptos atrás das grades - prestou um grande favor à Nação brasileira ao publicar as seguintes palavras do sr. Marcos Valério: "Não podem condenar apenas os mequetrefes. Só não sobrou para o Lula porque eu, o Delúbio e o Zé (Dirceu) não falamos". E agora, Lula vai continuar afirmando que o mensalão não existiu, que é "invenção das elites"?

FÁBIO ZATZ

fzatz@uol.com.br

São Paulo

Chute o balde, Valério!

O cada vez mais defenestrado Partido dos Trabalhadores (PT) não vale o silêncio de Marcos Valério. A única forma de o operador do mensalão se redimir perante a sociedade brasileira, por ter sido um dos protagonistas do maior esquema de corrupção do País, é revelar tudo o que sabe desse imbróglio nefasto. Aliás, a sua confissão pública será também a sua garantia de vida - e a de sua família -, pois, se ele for assassinado, como o foram Celso Daniel e Toninho de Campinas, ex-prefeitos petistas, todos os brasileiros saberão quem foram os mandantes da sua execução. Chute o balde, Marcos Valério!

TÚLLIO MARCO S. CARVALHO

tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

Tiro de misericórdia

Será que foi mesmo preciso o tiro de misericórdia da revista Veja para tornar evidente o que todos já sabiam? Só para relembrar a Marcos Valério, Celso Daniel e Toninho de Campinas foram mortos porque sabiam demais. Quem sabe o conselho do jornalista não seria a saída: "A melhor maneira de preservar o segredo é eliminando-o?". O partido dos trambiqueiros ainda acha que a culpada pelo escândalo do mensalão é a Veja?

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

ADMINISTRAÇÃO KASSAB

Dinheiro em caixa

O Estado de S. Paulo erra no texto 60% do caixa gasto de 1 vez, publicado na edição de 8 de setembro, ao afirmar que a Prefeitura teria um superávit de R$ 5,5 bilhões em caixa no final do mês passado. Apesar de alertada repetidas vezes, a reportagem do jornal insiste em chamar de superávit os recursos mantidos pela Prefeitura. Do saldo bruto que existia no final de agosto, de R$ 8,7 bilhões, mais de R$ 7,5 bilhões já estavam reservados para compromissos assumidos. Assim, havia um saldo líquido de R$ 1,2 bilhão para ser aplicado nos meses subsequentes, como, por exemplo, pagamento da folha de pessoal. Além disso, parcela expressiva desses recursos se referia a receita de alienação de Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepac) das operações urbanas recentes (recursos vinculados). O saldo de caixa atual já baixou de R$ 8,7 bilhões para R$ 7,6 bilhões e continuará sendo reduzido até o final do ano. Trata-se aqui de demonstrar a boa forma de gerir os recursos públicos. Outro erro da reportagem é dar a entender que esse dinheiro será usado na terceira fase do Programa Mananciais, cujo investimento é dividido entre os governos municipal, federal e estadual.

RUBIA FORMAGGI, chefe da Assessoria de Comunicação da Secretaria de Finanças

rubiaformaggi@prefeitura.sp.gov.br

São Paulo

N. da R. - Até 6 de setembro a Prefeitura tinha em caixa disponíveis em aplicações financeiras, como mostram os registros do sistema NovoSeo, R$ 8,7 bilhões. Descontados compromissos assumidos com fornecedores e terceiros, o saldo era de R$ 5.542.978.133,96. Sobre o Programa Mananciais, os investimentos do governo estadual (19%) e do federal (11%) estão citados na reportagem.

CORREÇÃO

No editorial Assim não pode (16/9, A3), onde se lê que Dilma "deixou claro que, ao contrário de seu sucessor, estava disposta à tolerância zero com a politicagem rasteira do toma lá dá cá", o correto é antecessor.

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadão.com.br

LULA, O CHEFE DO MENSALÃO

A revista Veja desta semana não deixa dúvidas de que os corruptos Fernando Collor de Melo e seu tesoureiro, o falecido trambiqueiro PC Farias, são uns batedores de carteira de rodoviária, ladrões de galinhas, quando comparados a Luiz Inácio Lulla da Silva e José Dirceu (Os segredos de Valério - "Não podem condenar apenas os mequetrefes. Só não sobrou para o Lula porque eu, o Delúbio e o Zé não falamos"). Que toda a verdade venha à tona sobre a corrupção dos petistas do governo Lulla, incluindo todos os nomes dos empresários que colocaram dinheiro no caixa 2 petista, para que também sejam responsabilizados, pois ajudaram a vitaminar a máquina da corrupção instalada no gabinete da Presidência da República. Quanto a Lulla da Silva, que o Ministério Público Federal, com coragem e longe de covardias de conveniência, peça sua inclusão no julgamento do mensalão como autor intelectual e operador ativo do escândalo. Justiça já!

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

São Carlos

*

MENSALULÃO

Alguém ainda tem dúvida de que o mensalulão é uma realidade e existiu mesmo? Só o "réu ausente", o principal responsável, alega que não existiu. Só ele. Embora negue, precisa ser condenado ou, no mínimo, ter os seus direitos políticos cassados. O presidente Collor por muito menos teve cassados os seus direitos políticos, merecidamente. Será verdade o que a revista Forbes divulgou e confirmou - que Lula é a 14.ª maior fortuna entre os brasileiros, que atinge montante superior a R$ 4 bilhões? Ninguém contesta, nem o pretenso "milagreiro" afortunado? Sabe-se que "quem cala consente", então esse valor precisa ser confiscado e repatriado ao Tesouro do País, salvo prova em contrário, não é mesmo? Pior é que continua agindo como cabo eleitoral de candidatos medíocres do seu partido. Vamos esperar o "cara" gastar essa fortuna e permitir que esse bando de ladrões continue nos roubando acintosamente, como nos últimos 12 anos? Se alguns brasileiros tiveram dúvidas da idoneidade, da isenção e da lisura dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), agora sabem da real representatividade deles, "lavando a alma" dos brasileiros com a condenação da maioria dos envolvidos. E é condição vital que não fique de fora o seu principal responsável, o mensalulão. Também é de bom alvitre que todos os "mensaleiros" tenham os seus passaportes, diplomáticos ou não, apreendidos para evitar surpresas. Lugar de corruPTo é na cadeia.

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

O HOMEM ENGANOU TODO MUNDO

Sr. Lula, está na hora de procurar o seu pai de santo.

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

*

EFEITO EXPLOSIVO

As declarações publicadas pela revista Veja desta semana, atribuídas ao mensaleiro Marcos Valério, podem surtir um efeito explosivo nos meios políticos, por colocar em risco a cabeça do ex-presidente Lula no turbilhão do caldeirão fervente do mensalão, ele que sempre insistiu em dizer que o mensalão era obra de ficção, que não viu nem sabia de nada. Marcos Valério sabe o grau de risco que corre. Em janeiro de 2002, Celso Daniel, então prefeito do município paulista de Santo André, pretendeu denunciar uma manobra espúria com dinheiro público engendrada pelo PT, estando envolvidos cabeças coroadas do partido. No dia 18 de janeiro de 2002, foi encontrado morto a tiros, com sinais evidentes de tortura. O maior escândalo político-financeiro da história do Brasil parece se tornar maior ainda. O STF terá de aumentar seu estoque de algemas.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

É HORA DE O PEIXÃO CAIR NA REDE

Marcos Valério viu que a proteção prometida de nada valeu. Jogou tudo no ventilador na entrevista a uma revista de abrangência nacional. Todos nós sabíamos que o ex-presidente Lulla foi o idealizador, mentor e mandante do mensalão. Só não foi processado porque seus asseclas encontraram um jeito de blindá-lo. Mas agora essa blindagem acabou e é chegada a hora de colocá-lo na cadeia, o lugar onde todos os seus comparsas vão passar algum tempo. Pensem muito bem antes de votar nos candidatos do PT...

Carlos Alberto Ramos Soares de Queiroz soares.queiroz@terra.com.br

São Paulo

*

POBREZA ESPIRITUAL

Esse tipo de denuncismo, em que diz que pairam informações, mas sem provas efetivas, apenas do "diz-que-disse" ou coisa parecida, é no mínimo coisa de gente pequena em busca de mensagens e recados popularescos. Refiro-me ao saber ou não saber do ex-presidente Lula a respeito do mensalão. Aqui não importa se sabia ou não, o que importa é que é muito barato e miúdo esse tipo de meia-informação em revista semanal de grande circulação. Bem fez o ministro Guido Mantega em sair do jantar, como fez muito melhor a presidente Dilma Rousseff em ter cancelado sua ida ao jantar promovido pela editora responsável pela revista. Ou é ou não é. Coisa de gente pobre de espírito esse tipo de informação. A bem da verdade, já cansou.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

CULPADO OU INOCENTE

Conforme temos acompanhado nos noticiários, não existe a menor chance de incluir o nome do ex-presidente Lula no atual julgamento do mensalão. Mas também não há como ignorar o seu efetivo envolvimento nesse esquema criminoso, tal a quantidade de indícios. Pouco a pouco o cerco se fecha em torno dele. É inadmissível que insistam em manter seu nome fora desse processo encabeçado pelo STF. Se num momento qualquer da história futura ficar 100% comprovada sua culpa, o Judiciário terá de arcar com as consequências de um erro monumental e que jamais se apagará de nossa memória. Da mesma forma, se for inocente. Assim, só existe uma maneira de resolver este impasse, qual seja investigando profundamente, doa a quem doer. Agora é a hora.

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

REI MOMO

Quem viu na página A1 do Estadão de 15/9 (sábado) a foto de um ridículo e despudorado Rei Momo, em época longínqua do carnaval, não sendo um inveterado folião, haverá de ter sentido uma triste sensação de viver num país de Terceiro Mundo. É uma agressão aos brios desta Nação, que merece um pouco mais de compostura de personagem que, infelizmente, no passado, representou-a ante o mundo.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas

*

A FOTO

A foto na primeira pagina do Estadão me deixou em dúvida: é a do Rei Momo ou a do Rei Bobo?

Vidal dos Santos vidal.santos@yahoo.com.br

São Paulo

*

APELO À IMPRENSA

Espero que a foto que o Estadão divulgou sábado (15/9) em primeira página, mostrando o ex-presidente da República e ex-chefe dos mensaleiros travestido de Rei Momo fora de época, não ultrapasse as nossas fronteiras. Chega de ridículo! O Brasil e seu povo não merecem isso. Esse tremendo mau caráter, protagonista da mais descarada falta de ética e moral que assola o nosso país nos últimos dez anos, deveria ser banido definitivamente da mídia. Imprensa brasileira, esqueça esse crápula para o bem do País.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

CAMPANHA CARNAVALESCA

O que faz Lula fantasiado de Rei Momo, se estamos em pleno mês de setembro? Com coroa de papel dourado plantada na cabeça, bigode tingido e sorriso rasgado, eis Lula - da Bahia para o mundo em página de capa do jornal - caracterizado para o carnaval que é a campanha petista para as eleições de 2012. Creio que, ao ler uma reportagem de certa revista que está esta semana nas bancas, o sorriso vai desaparecer e Lula vai bufar!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

ACABOU A FESTA

Após a acusação de Valério, Lula não está mais sorridente e suas mãos estão se agarrando com força.

Luigi Vercesi rscivole@terra.com.br

Botucatu

*

O REI DO MENSALÃO

O Estadão de sábado publicou, em belo colorido, a foto do grande rei... do mensalão. Só falta, agora, seu devido enquadramento pela Procuradoria-Geral da República.

Carlos Rolim Affonso profrolim@globo.com

São Paulo

*

QUESTÃO DE TEMPO

Brilhante o artigo Tempo bom para peixes pequenos, de Aloísio de Toledo César, publicado no Estadão no dia 15/9/2012, página A2. A condenação dos "peixes pequenos" do esquema mensalão já é um bom sinal de que o Brasil está mudando. Todo pescador sabe que uma boa pescaria exige muita paciência e boa isca. O peixe graúdo, que foi salvo pelo Ministério Público no processo do mensalão, ainda vai cair na rede. É apenas uma questão de tempo.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

PEIXÃO

Acrescento ao artigo Tempo bom para peixes pequenos, de Aloísio de Toledo César (15/9, A2): mesmo que o Ministério Público condene todos os 38 réus do "mensalulão", engolfando na mesma rede peixes grandes e pequenos, terá cometido crime imperdoável por deixar escapar com vida o réu-mor, o peixão maior que se safou da pescaria: o safo barbudo. Uma vergonha!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

CULPA

Excelente o artigo do desembargador Aloísio de Toledo César. É uma lição deveria mesmo ser reproduzida nas aulas das faculdades de Direito. Brilhante ao citar os romanos na definição de responsabilidades delituosas como culpa in vigilando e culpa in eligendo, isto é, culpa pela omissão no dever de acompanhar a conduta e quem lhe é subordinado e culpa pela escolha errada. Isso me fez lembrar que quando caiu um avião da Japan Air Lines o presidente da companhia não jogou a culpa em ninguém nem disse que nada viu e nada sabia sobre a manutenção da aeronave, e, sim, por ter vergonha na cara, assumiu toda a responsabilidade e pediu demissão.

José Gilberto Silvestrini jsilvestrini@hotmail.com

Pirassununga

*

DESRESPEITO

Quem assistiu pela TV à leitura do relator Joaquim Barbosa em 17/9/2012 ficou indignado com o péssimo comportamento de dois aspones sentados às costas do ministro. Conversando e rindo em local tão

respeitável, os pulhas pouco se incomodaram. Cheira até a uma estratégia para desviar a atenção da exposição do ministro. Merecem demissão por justa causa e um belo pontapé bem abaixo da capinha.

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

DERRAME INDÉBITO

A ministra Carmen Lúcia, do STF, comparou o crime de lavagem de dinheiro à corrente sanguínea. "Este item me chama atenção pela importância. Nesse tipo de esquema delitivo, o dinheiro é para o crime o que o sangue é para a veia. É preciso que haja entidades criminosas para irrigar, e essa irrigação é feita com dinheiro", afirmou. Em minha carta O Excesso enche os olhos (enviada à imprensa em 27 de junho de 2012) entre outras coisas eu disse: "a máquina administrativa está empanturrada de dinheiro com essa elevadíssima carga tributária. Não existe controle nenhum e tudo fica muito à vontade". É isso aí: menos dinheiro para roubar, controle rígido dos gastos públicos e gente séria na administração publica é a receitar para estancar o "derrame indébito".

Nei Silveira de Almeida neizao1@yahoo.com.br

Belo Horizonte

*

AMANHÃ

A renovação da crença em um futuro melhor renasce e escuda-se na firmeza do ministro Joaquim Barbosa, relator do Processo Penal n.º 470- "Mensalão" - que corre no Supremo Tribunal Federal. Na coragem e dignidade do preclaro Ministro revive a esperança dos que vislumbram higienização nos poderes da República e aponta diretrizes aos que laboram nos Tribunais de Justiça. O ministro Joaquim Barbosa é da raça negra. Cumpriu seus cursos superiores da graduação e pós-graduação nas melhores escolas do Brasil e do exterior, com resultados revelados na sua trajetória de vida profissional e, hoje, na Suprema Corte do país. A ele não houve necessidade de acenos com "cotas" nas universidades ou outras facilidades enganosas que iludem incautos para satisfação dos vendedores de ilusões, na volúpia de poder e caminhada eleitoreira. O tempo elucidará esse devaneio e cobrará da Nação o preço de manter essa futura legião de malformados. O ministro Joaquim Barbosa aponta horizontes e é uma bandeira para todos brasileiros, independentemente da situação socioeconômica, raça ou religião, sobretudo, para os afrodescendentes aos quais se propõe, subrepticiamente, um novo jugo e estimulam o reviver do racismo e a anteposição de classes sociais. O ministro abre caminhos largos, inclusive, o da esperança de fortalecimento dos órgãos executivos, legislativos e judiciais. Abre, ainda, caminho para acordar a dignidade de um povo, adormecida.

Lígia Maria lmfiora@uol.com.br

São Paulo

*

JOSÉ DIRCEU

Opções para José Dirceu após o julgamento do mensalão. Se absolvido: 1) Continuar a dar palestras pelo mundo a R$ 100 mil cada, metendo o pau nas elites e continuar a sua vida de milionário. 2) Chamar o Lula para fundar o PM (partido dos mensaleiros) e começar tudo de novo em 2014. Se condenado: 1) Fugir para Cuba, virar professor de escola pública, comprar um Chevrolet 52 conversível e usufruir das benesses de um regime que sempre quis implantar por aqui. 2) Ir para a cadeia pensar na vida.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

NÃO QUEREMOS ESSA DISPUTA

As eleições deste ano estão tomando rumos violentos e perigosos não só em São Paulo, mas em todo o País. Em São Paulo, particularmente, a religião voltou ao centro do debate, assim como ocorreu em 2010, na época do pleito para a Presidência da República entre os candidatos José Serra e Dilma Rousseff. O assunto é mais presente na capital entre os dois candidatos primeiros colocados nas pesquisas de intenção de voto, mas a região metropolitana e o interior estão sendo contaminados pelas discussões sobre o tema - algo muito perigoso e violento, como temos assistindo ultimamente em países como a Líbia, onde foi morto o embaixador americano Christopher Stevens, durante ataque ao prédio do consulado dos EUA na cidade de Benghazi. Já no Egito, uma multidão invadiu a embaixada americana, rasgando e queimando a bandeira. Na Líbia o ataque vitimou mais três outros americanos, além do embaixador, e a onda de violência se espalha a cada dia, tudo por causa da produção de um filme que mostra o profeta Maomé representado de maneira caricata como tolo, promíscuo e falso religioso, ou seja, uma obra de ficção "insana" de quinta categoria, mas que não justifica a barbárie que estão fazendo com a matança de pessoas inocentes e indefesas, que precisou da interferência da secretária de Estado Hillary Clinton e do presidente Barack Obama, pedindo aos líderes árabes que "contenham a violência em seus países contra as embaixadas dos EUA, que o governo americano não tem" absolutamente nada que ver com o filme. No Brasil, a Constituição federal de 1988 preconiza um Estado laico, e políticos e partidos políticos não podem de jeito nenhum ultrapassar tais limites usando a população como bode expiatório para suas pretensões políticas. O período de campanha eleitoral deveria ser utilizado na discussão de ideias destinadas a melhorar a vida das pessoas, e não em altercações sobre a fé. Aqui, no Brasil, ninguém quer saber de "guerra santa", já chegam os problemas que temos a ser resolvidos. A fé é assunto particular e que diz respeito somente à seara íntima de cada cidadão. O que está acontecendo na capital deve ser debitado de uma grande parcela dos dirigentes das próprias igrejas que parecem não ter se acostumado ao Estado "laico e democrático" escrito num dos capítulos da Constituição brasileira, e que todos devem respeitar. Enquanto se discute a crença do candidato A ou se o concorrente B é apoiado pela denominação religiosa C, os temas verdadeiramente importantes para a população, como saúde, educação, segurança, saneamento, transporte e habitação, só para não ampliar a lista ao infinito, são negados do debate público. Não estamos preocupados em entrar na seara religiosa e discutir a fé de cada cidadão. É preciso deixar bem claro que, em outubro, os eleitores irão às urnas para definir quem vai conduzir o futuro dos munícipes pelos próximos quatro anos e vão escolher o líder de qualquer uma das dezenas de denominações religiosas existentes em São Paulo ou no Brasil. Gastar tempo em polêmicas e debates que não sejam voltados para a administração pública é coisa de político picareta que não tem proposta clara para a população, é desrespeitar a oportunidade de melhorar as cidades que a democracia proporciona em nosso querido país. José Serra tem experiência e credibilidade de sobra para não cair nesta armadilha. Guerra santa, aqui, não!

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

ASSUNTOS INEXPLORADOS

Dois assuntos que considero importantes na campanha eleitoral da capital até agora não foram explorados: 1) A maior causa dos buracos e desníveis das ruas da capital é devido à péssima qualidade do serviço de restauro executado pelas concessionárias de gás, telefonia, água e luz da cidade. São Paulo é, com certeza, uma das piores cidades no mundo nesse quesito, boa parte por culpa dessas concessionárias. O asfalto tem ondulações graves e buracos que derrubam motos, ciclistas e provocam acidentes. De nada adianta recapear inúmeras ruas, se elas estarão destruídas no dia seguinte. Sugestão: a Prefeitura precisa criar um padrão de qualidade mínimo para o restauro do asfalto, aumentando a fiscalização e adotando medidas severas (com multas e punições) contra a concessionária que não seguir esse padrão. 2) A despoluição dos Rios Tietê e Pinheiros, que hoje são a maior vergonha do paulistano.

Ricardo Acedo Nabarro ricnab@gmail.com

São Paulo

*

MUNDO EM CHAMAS

O mundo islâmico está em chamas. Os EUA e Israel, e seus países acólitos, estão pagando por um fanático, tanto quanto um Muhammad Atta, da Al-Qaeda, por ter feito com filme blasfemando o profeta Maomé. Do que eu preciso para atirar uma pedra em você? Motivo. E eles, EUA e o Estado Sionista, em sua arrogância mesquinha e idealismo mentiroso, dão-lhe de sobra. Pode-se dizer que o mundo cristão trava uma batalha com os muçulmanos, os bárbaros dos liberais. A História começou na região, é bíblico o solo onde sangue é derramado há séculos, é central e o ponto nevrálgico do globo. As riquezas petrolíferas e de gás cegaram as potências e para a sua sobrevivência, vão à guerra. Nada mais natural. Ditadores outrora apoiados pelos europeus e americanos caíram; mas Assad, da Síria, não é facilmente derrubado. Ele não foi uma invenção dos ocidentais. Assad é um regionalista sectário militarizado, que acabou sendo apadrinhado por potências radicais - Rússia, China, Irã. Países que desconhecem a democracia e os valores burgueses.

Luiz Fabiano Alves Rosa fabiano_agt@hotmail.com

Curitiba

*

EXTREMISMOS

Difícil saber qual a pior forma de extremismo. Se a dos islâmicos que reagiram com violência porque brincaram com sua crença religiosa (evidentemente não foi só por isso...) ou a dos brasileiros que são enganados diariamente e não reagem diante de mais nada. Sinceramente, se é para ficar com um dos dois, prefiro o primeiro.

Hermínio Silva Júnior Hermínio hsilvajr@terra.com.br

São Paulo

*

A IRUPÇÃO DO VULCÃO MUÇULMANO

A inocência, a imprevisão e as meras coincidências são circunstâncias absolutamente estranhas ao xadrez político internacional. Nesse terreno das intrigas e da inteligência do Dr. Satan os fatos aparentemente insólitos são planejados como parte de estratégias sofisticadas. O Oriente Médio ingressar numa incontinência explosiva às vésperas das eleições americanas, provavelmente como o maior problema da administração Obama, em desfavor dos democratas, não é um providencial maná caído no comitê central da campanha de Mitt Romney.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

PRIMAVERA ÁRABE

O espírito beligerante que encerra infindáveis disputas entre os povos árabes, desde o início da primavera, agora tem nova cor, o ataque religioso. A fúria demonstra uma forte antipatia pelo capitalismo americano e qualquer coisa que se relacione com o imperialismo. Sem um divisor de águas e uma intervenção nas regiões mais agudas da crise, a exemplo da Síria, aqueles responsáveis pelas vendas de armamentos poderão estar sendo vítimas da própria ambição, quando a primavera se voltar no inverno contra as artimanhas da dominação. E, se não cessar imediatamente a luta intestina entre povos árabes e seus governos, derramamentos de sangue tornarão a sociedade globalizada enfraquecida e porão a cidadania em risco pelos ataques diários de grupos terroristas.

Yvette Kfouri Abrao abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

NOVOS TEMPOS

Começou a Primavera Anglo-saxã?

Sérgio Luís Salvador sergiosalva@ibest.com.br

Serra Negra

*

TUDO É OFENSIVO AO ISLÃ

É bom lembrar que, tecnicamente, basta ser não muçulmano para ser ofensivo ao islã, e isso as minorias cristãs em países muçulmanos já sentem na pele. A escolha do "infiel" é entre a conversão ou a morte. Chegam ao Ocidente cristão em busca de qualidade de vida que nunca terão em sua civilização fracassada, e como são ainda minoria, se contentam em exigir que sejam tratados com respeito. De uma forma ou de outra, sabem que seus direitos fundamentais estão garantidos por um governo secular. Poderiam ao menos conclamar seus irmãos de lá a darem tratamento recíproco à minoria cristã, mas vivem a certeza de que não fará diferença, aqui serão sempre bem tratados, pois é da índole cristã evoluiu para isso. São chamados oportunísticamente de cruzados, mas vivem como cordeiros à espera do abate.

Antonio Cavalcanti da Matta Ribeiro antoniodamatta@ig.com.br

São José dos Campos

*

A OPERAÇÃO DA ROTA

O editorial de sábado a respeito da ação policial em Várzea Paulista, região de Jundiaí, colabora para estabelecer alguma confusão sobre vários conceitos fundamentais a respeito da defesa da sociedade, bem como tenta plantar no imaginário do leitor supostas e inexistentes violações de direitos humanos de também suposta titularidade dos piores celerados do mundo (Comportamento lamentável, 15/9, A3). De início, nada na apurada ação policial aponta para suposta execução de vítimas indefesas. Antes, os que não reagiram estão vivos, tal como bem afirmou o Sr. governador Geraldo Alckmin. A aplicação das teorias jus-humanistas em geral, tal como no caso presente, depende muito mais da compreensão do seu alcance e da aceitação por parte daqueles que sofrem a ação repressiva do Estado (no caso, legítima - reitere-se) do que da resistência predetermindada de marginais, confessos assassinos, em não voltar para a prisão de forma alguma. E, nessa resistência armada, tanto melhor (no seu peculiar modo de pensar, é claro) se puderem levar consigo agentes da lei ou pessoas honestas para as raias do inferno - o que, felizmente, não veio a ocorrer no citado episódio. Quem sabidamente não respeita a vida alheia por não valorizar sequer a sua própria, perdida para sempre pela deformação de uma mente que nada de bom ostenta, não raro a repetir comportamentos atávicos, certamente não invocará a seu favor qualquer aplicação das citadas teorias, vistas pelos facciosos do crime como sinal de debilidade e leniência do Estado. O que se transforma em senha para encorajamento e repetição de suas ações tão danosas e custosas a todo tecido social. Cumprimento a Polícia Militar do Estado de São Paulo por sua coragem e determinação em proteger a todos os cidadãos honestos.

Flavio Capez flaviocapez@uol.com.br

São Paulo

*

CUMPRIMENTOS À ROTA

O Estadão que me desculpe, mas num país em que cerca de 50 mil pessoas são assassinadas todos os anos, fazer drama por conta de bandidos fortemente armados, que estavam num "tribunal de execução", e que foram surpreendidos e mortos pela Rota, é cuspir no rosto da população vítima destes facínoras. Finalmente, aparece um político que trata bandido como bandido. Foi o tipo de complacência com os fora da lei demonstrada pelo editorial, que nos levou a situação trágica e absurda que vivemos hoje em todo Brasil. Parabéns, Alckmin, e parabéns, Rota!

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

'COMPORTAMENTO LAMENTÁVEL'

Criticar negativamente a declaração do governador Geraldo Alckmin a respeito da atitude da Rota em Várzea Paulista (15/9, A3) é muito fácil. Ele opinou, não se omitiu, não se ausentou. É um governador que está sempre presente e acompanhando de perto os acontecimentos bons e maus que ocorrem no Estado de São Paulo tendo como meta encontrar as melhores soluções.

José Millei j.millei@hotmail.com

São Paulo

*

ROTA

Sugiro que o governador do Estado faça uma cerimônia no Palácio dos Bandeirantes para entregar agradecimentos oficiais do Estado, do município e - especialmente - do povo paulistano pela correta e eficientíssima atitude do pessoal da Rota, que desbaratou um "tribunal de execução" e fez o que realmente tem de ser feito quando há reação de vagabundos armados: mandar bala. É por aí mesmo, a equação é: vagabundo + arma + reação = Rota resolvendo a situação.

Antonio C. de S. Queiroz Cardoso acardoso@acardoso.com

São Paulo

*

'DROGAS, TRÁGICA LIDERANÇA'

O professor Carlos Alberto Di Franco (Drogas, trágica liderança, 17/9, A2) nos alerta que no Brasil, pelo menos 2,8 milhões fumaram, inalaram ou injetaram cocaína nos últimos 12 meses. Não é possível saber quantos políticos essas vítimas elegem, mas quando (ou se) o Congresso tiver coragem de votar o novo Código Penal, saberemos quem é bancado pelo crime organizado, ao apoiar leis brandas para os bandidos. Em seguida, é só cassar - ou caçar em legítima defesa.

Moacyr Castro jequitis@uol.com.br

Ribeirão Preto

*

CARTÕES DE CRÉDITO

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, que completará 12 anos no governo, dentro de três meses, afirmou em entrevista ao Estadão que as taxas de juros cobradas pelos cartões de crédito são "escorchantes". Ele não sabia? Só agora ele se apercebeu? Então está certo mesmo, porque quem paga as contas dele é o povo, daí fica difícil saber, não é mesmo?

Maria Teresa Amaral mteresa0409@2me.com.br

São Paulo

*

ELE NÃO SABIA

Segundo Mantega, os juros do cartão de crédito são "escorchantes", tal qual eram os juros do cheque ouro e do cartão ouro do Banco do Brasil até alguns dias atrás. Bem, quem é o "dono" e administra o BB?

Carlos Roberto Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

*

JUROS 'ESCORCHANTES'

Exmo. ministro Mantega, essa retórica nós já conhecemos, e não é de hoje (página B3 do caderno de Economia, Estadão de 16/9). Isso chama-se agiotagem de "luxo"! Por que não aproveitam que reduziram a tarifa de energia elétrica para 2013 e reduzem o ICMS ("escorchante") que incide sobre as tarifas de telefonia? Isso, sim, é "escorchante" também, 25% de ICMS mais PIS e Cofins. E temos as taxas de telefonia e "banda larga" mais caras do planeta. E o que é que nós, consumidores, temos que ver com o PIS e Cofins da telefonia? Não estamos pagando uma mercadoria, e, sim, um serviço. Aliás, tudo neste país é escorchante, não acham? É só pesquisar um pouquinho.

César Roberto Alves Moreira caesar.joi@terra.com.br

Joinville (SC)

*

INFLAÇÃO

Manchete na primeira página de Economia do Estadão de 15/9: Banco Central libera compulsórios e injeta R$ 30 bilhões na economia. E a inflação, como vai ficar?

Olympio F. A. Cintra Netto ofacnt@yahoo.com.br

São Paulo

*

COMPULSÓRIO

Redução do compulsório para diminuição do spread bancário? Só rindo!

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

GREVE DE BANCÁRIOS

Anualmente é infalível a greve de bancários. Ao contrário de nações evoluídas, onde greves são decretadas por 24 horas, aqui é por tempo indeterminado. A reivindicação dos sindicatos todos nós queremos: reajuste ao dobro da inflação dos últimos 12 meses, 10%! Os banqueiros oferecem a inflação e algo mais, cerca de 6%, o que poucas categorias conseguem. De nada adiantara a greve, que só prejudica o povo, pois jamais banqueiros e governo federal concederão algo além desses 6%, que já são a inflação e algo mais.

Pablo Vigo Contreras muamar@r7.com

Rio de Janeiro

*

A PROMESSA DE ENERGIA MAIS BARATA

O que não se faz para tentar eleger um prefeito. O Lu$a mandou a presidente Dilma anunciar a redução no preço da energia elétrica, com a finalidade de prestigiar os candidatos do PT às prefeituras de todo o Brasil, principalmente de São Paulo. E eu pensei que fosse para agora, no entanto será somente para 2013. Vou anotar na minha agenda para não me esquecer de conferir.

Wagner Monteiro wagnermon@ig.com.br

São Paulo

*

TARIFAS DE ENERGIA

Não será com descontos nas tarifas de energia que poderá ser limpa esta barra tão suja do PT, além de que, este desconto nada mais é do que o direito do cidadão, que foi lesado durante oito anos pelas elétricas e o governo. E o pior é que, se é para 2013, por que anunciar agora em plena campanha eleitoral? Isso se chama uso da máquina em benefício do partido. Pena que não temos oposição com espírito de luta. Esta presidente também é uma fanfarrona, ou será que acredita nas profecias Maias, pode prometer tudo, pois o mundo vai acabar em dezembro de 2012?

Jose Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

NÃO BASTA

Somente o governo federal reduzindo seus tributos sobre a energia elétrica não é suficiente. O encargo mais pesado vem dos Estados, que é o ICMS, normalmente cobrado pelas maiores alíquotas. Até mesmo os prefeitos municipais conseguiram ter sua fatia sobre a energia elétrica, por meio da cobrança da Contribuição de Iluminação Pública (CIP), no valor que quiserem. E energia elétrica é o bem mais essencial depois da água e não tem opção de concessionárias locais ou de se fazer um poço no quintal.

Heitor Vianna P. Filho bob@intnet.com.br

Araruama (RJ)

*

O SACRIFÍCIO SERÁ NOSSO

Governo vai pagar indenização por redução na conta de luz (Estado, 12/9, B1). O sacrifício foi e será de todos, sendo inacreditável qualquer pagamento de indenização. Este dinheiro, R$ 21 bilhões, deve ser investido em outros setores carentes no País. Não podemos ressuscitar os "apagões" de mais de dez anos atrás, pois as deficiências de geração e transmissão continuam. Nós só queremos a redução do preço da energia elétrica, mais nada. O mesmo deve ser formalizado em outros setores, por exemplo: um botijão de gás de cozinha custando R$ 38,00 até R$ 50,00! O governo deve ser diplomático com o Paraguai, quanto aos seus direitos de 50% da energia elétrica de Itaipu, ao contrário ficaremos às escuras e o bolivariano Chávez não tem como ajudar, pois nem a sua participação na obra da refinaria Abreu e Lima ele é digno de pagar, um tostão. Basta de fazer política suja denegrindo o legado do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e a memória de sua esposa. Não temos vergonha na casa!

Jürgen Detlev Vageler vatra_ind@yahoo.com.br

Campinas

*

'E AGORA, JOSÉ?'

E agora, José? (15/9, A2) Estamos diante dos mesmos equívocos da pajelança economês, principalmente implantada como pajés nos governos. Todo investimento demanda retorno, até mesmo quando "público"; retorno demanda "custos", e só se desvirtua na política burra de que dinheiro público é "casa de mãe Joana". Cada nação tem seu custo de produção, que significam na realidade seus respectivos governos. A energia elétrica no Brasil poderia ser a melhor e mais barata do mundo, no entanto nem é melhor e é talvez a mais cara do mundo. Essa é a cara do custo Brasil, ou de seu governo, e não apenas na energia, em tudo o mais que aqui se produz. Um país mais próximo de miserável, com um governo mais próximo do mais caro do mundo. É isso aí.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

FAZ PARTE DA HISTÓRIA

Dilma Rousseff volta a criticar Fernando Henrique Cardoso pela ocorrência do "apagão" de energia elétrica no seu governo. Em termos de importância para a imagem e saúde moral deste país, Dilma participou do governo que foi responsável pelo maior "apagão" de nossa História - o mensalão, que continuará respingando lama para todos os lados, enquanto o seu PT estiver no poder e, a Lei da Ficha Limpa e a justiça não derem um basta.

Alberto Bastos Cardoso de Carvalho albcc@ig.com.br

São Paulo

*

HERANÇA BENDITA

Fernando Henrique debocha de Lula dizendo que ele deixou uma herança maldita para Dilma. Não é elegante comparar pessoas, mas podemos comparar governos. Em 8 anos de governo FHC mais 9 e meio de governos do PT (Lula e Dilma), foram criados 18 milhões e oitocentos mil empregos. No período Lula foram 15 milhões e Dilma, até agora, 3 milhões. FHC criou 800 mil. Outro dado muito interessante: FHC proporcionou ao cidadão brasileiro o "apagão" de energia. Dilma está proporcionando a redução nas tarifas de energia elétrica, permitindo que os brasileiros a usem mais e melhor. Digam-me, então, quem deixou uma herança maldita?

Jeferson Malaguti Soares cmbh1434@hotmail.com

Ribeirão das Neves (MG)

*

QUEM ACREDITA?

Como acreditar nas promessas de um partido que foi contra o Plano Real em sua implantação; que negou veementemente a existência do mensalão; que se uniu ao Sr. Paulo Maluf, a quem sempre declarou ser seu pior inimigo; que em oito anos de governo sempre disse que não sabia de nada; que cometeu erros absurdos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem); que irresponsavelmente, sempre jogou a população pobre contra os ricos, brancos contra negros ou moradores do Nordeste contra os do Sudeste; que tem uma senadora que teve de receber um ministério com verba de R$ 5 bilhões para apoiar um membro de seu próprio partido; que anunciou um crescimento do PIB de 4% em 2012 e que não deve passar de 1,6%; e agora promete uma redução na conta de energia de 16,2%, mas só depois das eleições, em 2013! Infelizmente, o histórico deste partido não me permite acreditar em nada do que eles falam, pois os fatos não permitem!

Luiz Claudio Zabatiero zabasim@ig.com.br

São Paulo

*

DE NOVO FHC?

Caríssima Sra. presidente Dilma e vice Sr. Lulla, peço, como contribuinte e pagador de todas as despesas boas, e na maioria ruins, o seguinte: 1) A redução da tarifa de energia não é virtude ou motivo de rojões, é uma enorme obrigação entre tantas e já está, aliás, muito atrasada. Então não a vendam como uma grande vantagem. 2) Não sou ignorante ao ponto de aceitar isso como benefício, será muito melhor me devolverem o que me cobraram a mais indevidamente. Como fica? 3) Finalmente, e por favor, FHC encerrou suas atividades em 2002, foi honesto e correto com o Sr. Lulla e esquentou a cama para vocês. Parem com esse TOC, isso está mais para ciúmes! Deixem o homem falar e escutem o que ele diz. O PT é intocável e altamente vulnerável a críticas?

Edson Gomes edsoncontec@uol.com.br

Lençóis Paulista

*

AGRESSÕES

Dilma Rousseff, sempre impulsionada e manipulada por Lula, nunca perde uma chance para alfinetar o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, alegando que na sua gestão amargamos oito meses de racionamento de energia elétrica, que ela afirma ter causado prejuízos a empresários. Porém nunca mencionou o grande feito graças ao qual o País está hoje dessa forma. Graças a FHC o País conseguiu erradicar a inflação que corroía a população e o entregou a eles num índice jamais visto até então. Como também nada mencionam sobre o gigantesco índice de corrupção que assola o País implantado a partir da vigência do PeTelulismo no Brasil,que causa prejuízos a toda a população.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

'CHOQUE ELÉTRICO'

Celso Ming foi direto ao ponto no seu Choque elétrico (12/9, B2). Há muito o setor elétrico estava em curto-circuito com tantos e tantos encargos, taxas e até com impostos absurdamente calculados sobre impostos. A sacudida foi mais do que oportuna. O serviço estará completo se a presidente Dilma entrar com coragem num processo de fortalecimento estrutural das agências reguladoras e acabar de vez com a possibilidade dos governos que a sucederem ficarem tentados - como ocorreu inúmeras vezes - a intervir, iniciando com aparelhamentos, nas regras setoriais. Esse é um setor em que no mundo todo é o preferido dos investidores institucionais (fundos de pensão), não pelos grandes ganhos, mas pela garantia de perpetuidade segura das aplicações. A qualidade dos serviços fica garantida pois estará associada ao perfil dos investidores que, neste caso, não procuram ganhos fáceis mas segurança nas inversões de longo prazo.

Nilson Otávio de Oliveira noo@uol.com.br

São Paulo

*

FEIRÃO DO IMPOSTO

Interessante e de extrema importância foi o evento batizado por "Feirão do Imposto" realizado neste sábado (15/9). Espalhado por 200 cidades de 15 estados, foi criado exclusivamente para chamar a atenção para a inescrupulosa carga tributária brasileira. No Rio e em São Paulo, vários produtos foram expostos com dois preços: com e sem tributos.

Quem teve esta feliz ideia foi a Confederação Nacional dos Jovens Empresários que pode coletar assinaturas para exigir do governo a diminuição dos impostos cobrados do contribuinte de forma exorbitante. Uma das melhores estratégias para evidenciar estes abusos aconteceu em Goiânia. Lá os organizadores fizeram um sorteio onde os consumidores compraram um carro sem o valor dos impostos. Resultado: o vencedor pagou R$ 14.280 pelo veículo - o equivalente a 37% a menos do que o preço disponível no mercado. Isso tudo nos constrange e nos faz olhar para a dura realidade da atual legislação tributária e, o que é pior, nos adverte para o que nos espera adiante. O brasileiro suplica por menos impostos. O governo anseia por mais tributos. É nítido o choque que há entre as necessidades do nosso povo e os interesses do governo. Se o problema é a manutenção da máquina pública, a solução é mexer no bolso do contribuinte aumentando sua carga tributária, cujo peso já se tornou insuportável ao cidadão brasileiro. Simples assim. Já passou da hora de termos uma Revolução Tributária. É imperativo que se faça. E, que venha logo, antes que o Brasil, diante da ilimitada ganância de seus gestores, desça, de vez, a ladeira dos reais valores da ética, do bom senso e da justiça.

José Maria Cancelliero assessoriajp@cpp.org.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.