Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

22 Setembro 2012 | 03h06

Ministro bom

Lewandowski vê mensalão como dinheiro para campanha (21/9, A1). Entende, candidamente, que era um acordo de financiamento de campanha eleitoral, portanto, não caracterizaria compra de votos de parlamentares. Todo cidadão brasileiro informado sabe que dinheiro de campanha, grande parte dele, acaba no bolso de alguém. Fico imaginando como um ministro do STF pode ser tão ingênuo como meu neto: ambos acreditam ainda em Papai Noel!

EDUARDO A. DE CAMPOS PIRES

eacpires@terra.com.br

São Paulo

Inocência

O ministro Ricardo Lewandowski, quando sabatinado no Senado visando à sua investidura no STF, demonstrou saber jurídico, reputação ilibada e, presentemente, julgando o mensalão, acrescentou ao seu currículo mais uma qualidade, qual seja, inocência, ao crer que o dinheiro do valerioduto pago a políticos da base aliada teve como destino o caixa 2 de campanha eleitoral. Inocentes somos nós, pobres brasileiros!

CLOVIS CORRÊA FILHO

correathome@terra.com.br

São Paulo

Mensalão x Lewandowski

Um juiz pode ser tão previsível?

M. DO CARMO Z. LEME CARDOSO

mdokrmo@hotmail.com

Bauru

Incongruências

É difícil entender certas incongruências. O ministro Lewandowski, em sua votação, afirmou: "Era um acordo de financiamento de campanha", contrariando o voto do relator e concordando com as premissas do ex-presidente e, consequentemente, com os advogados de defesa dos réus, de que se tratava de caixa 2. Questionado por jornalistas, o mesmo ministro declarou: "Não estou entrando nesse mérito, se é ou não caixa 2. Não é necessário entrar neste tipo de elucubração". Tenho 81 anos, mas ainda não estou senil. Teria o ministro esquecido suas alegações ao proferir voto?

RUBENS STOCK

rsstock@uol.com.br

São Paulo

Ótica

Diz o jargão forense que "de cabeça de juiz tudo se pode esperar". Lewandowski vê os recursos do mensalão como financiadores das campanhas de parlamentares. Não é crível que o douto ministro possa ter essa percepção, mesmo dadas as provas robustas dos autos do rumoroso processo, tão bem demonstradas pelo relator, ministro Joaquim Barbosa.

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

Questão de lógica

Se o mensalão foi só "dinheiro para campanha", então por que apenas deputados federais eleitos receberam? Não há notícia de que algum candidato a deputado federal não eleito o tenha recebido. A atitude do excelso ministro relator Joaquim Barbosa me orgulha e dá esperança de dias melhores para o povo brasileiro.

ROBERTO CESAR S. LEONTSINIS

roberto.leontsinis@terra.com.br

Sorocaba

Caixa 2

Alguma coisa está muito errada. Para o ministro Ricardo Lewandowski, parte dos acusados "só" fez caixa 2. Se minha empresa fizer isso, serei autuado e acusado criminalmente, certo? Então, por que essa diferença de tratamento? Eles são melhores do que eu e mais 190 milhões de brasileiros?

GERALDO ROBERTO BANASKIWITZ

geraldo.banas@gmail.com

São Bento do Sapucaí

Princípios contábeis...

... geralmente inaceitáveis. Experimente um empresário, quando confrontado com um auditor fiscal, explicar que as discrepâncias na contabilidade da empresa são apenas caixa 2. Que os recursos "mal contabilizados" serviram para pagar, digamos, dívidas de jogo. Seguramente não haverá autuação, senão seria golpe.

ALEXANDRU SOLOMON

alex101243@gmail.com

São Paulo

Primavera brasileira

Se a Alemanha de 1933 tivesse a equipe dos ministros do Supremo brasileiro de hoje, o nazismo nunca teria existido! Prestem atenção: o gigante já acordou! Os bronzes da tirania, no Brasil, já não rouquejam. Os monstros que o escravizavam já entre nós não vicejam. Pra frente, Brasil!

MOUSSA SIMHON

pacenge@gmail.com

São Paulo

BLOG DO BOSCO

Mais uma mordaça

Enquanto em Brasília juízes de verdade punem o crime organizado que se infiltrou no coração do poder com o objetivo de subverter a nossa democracia, outros, nos confins do nosso grande Brasil (Macapá), apostam na ignorância da sociedade, tentando amordaçar a imprensa para que eleitores não tenham o sagrado direito de conhecer o que mais deveriam saber sobre os candidatos: o seu passado. De magistrados que se põem à disposição de interesses particulares na tentativa de transformar a nossa democracia numa ditadura, para encobrir a verdadeira face de criminosos que tentam se passar por bons políticos, o Brasil está farto. Fora, mordaça e seus seguidores!

PETER CAZALE

pcazale@uol.com.br

São Paulo

TRANSPONDO BARREIRAS

Pedido ao governador

Gostaria de entender o que acontece com a Associação para Integração do Deficiente Físico (Ciedef). No governo estadual de José Serra foi cedida uma sala no Complexo Esportivo do Ibirapuera para nossa associação (www.ciedef.org), entidade filantrópica que visa à integração e ao esporte de competição, com 21 anos de atividades ininterruptas. Nós contribuímos para vários atletas, o mais famoso deles, Daniel Dias. Agora disseram que a cessão foi irregular, querem tomar a sala de volta e não podemos utilizar as dependências. Peço, como ex-presidente e ex-atleta, que o atual governador assine o processo de cessão (protocolado em 7/3/2012, sob o n.º SPDOC 22346/12, na Casa Civil do governo do Estado de São Paulo) da sala e das dependências para que possamos utilizá-las e, quem sabe, fazer surgirem novos atletas.

SERGIO H. BOUDAKIAN

contato@transpondobarreiras.com.br

São Paulo

ESCLARECIMENTO

Reitor da USP

Diferentemente do que foi publicado em 16/9 a respeito de debate eleitoral na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, o reitor da USP, João Grandino Rodas, não fez, durante seu mandato, nenhuma interpretação da Lei Eleitoral, nem determinação alguma a esse respeito, a quem quer que seja.

ADRIANA CRUZ, assessora de imprensa da USP

acruz@usp.br

São Paulo

 

CAIXA 2

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski, ao afirmar que o mensalão era caixa 2, e não compra de votos no Congresso, dá mais uma demonstração de que deve muitos favores à família Lula da Silva, que tem um incontrolável complexo de inferioridade, misturado a uma inveja doentia em relação ao ministro Joaquim Barbosa.

José Francisco Peres França josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

*

O ÓBVIO

Ministro Lewandowski, como negar o óbvio, tão bem exposto pelo ministro Joaquim Barbosa? Suspeito de seus interesses, acima dos da Justiça e, principalmente, do Brasil. O tempo das vedetes já passou, espero.

André C. Frohnknecht anchar.fro@hotmail.com

São Paulo

*

OS JUÍZES ESTÃO NUS

Sinto desde já um frio na espinha só em pensar que um dia não muito distante, durante dois longos anos, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski estará presidente do STF! Aliado como está com a quadrilha no julgamento do mensalão, não fica difícil imaginar o estrago que esses dois anos poderão fazer na justiça brasileira. Infelizmente! Mas, dos males, o menor. Hoje a população brasileira está tendo a oportunidade de conhecer quem é quem na nossa mais “alta corte”. Os juízes estão nus!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

QUANDO VAI CAIR A FICHA?

O ministro Joaquim Barbosa, relator do processo do mensalão, aquela “falácia da imprensa brasileira”, condena muito bem fundamentado os envolvidos na compra descarada de apoio político. Já o “revisor”, aliás, cumprindo literalmente este papel, se sente no direito de revisar a pena imposta pelo seu colega, e de acordo com interesses, claramente declarados, absolve aqueles que interessam politicamente. Uma pergunta para o sr. Lewandowski: antes do final do julgamento será que cairá a sua ficha e ele entenderá que está só, aliás, mal acompanhado por outro ministro que, via de regra, acompanha o seu voto, e não o da maioria dos seus colegas? Quem ficará marcado pelos brasileiros como conivente com a maracutaia, bando de aloprados e condescendente com a corrupção? Não é preciso responder, já imaginamos as “respostas”.

Renato Camargo natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

*

TOFFOLI

Alguma dúvida sobre qual vai ser o voto do ministro Dias Toffoli? Pergunte ao ministro Lewandowski.

Eduardo Henry Moreira henrymoreira@terra.com.br

Guarujá

*

RESPEITO

Não me furto ao desejo de manifestar-me, declarando a minha admiração e, principalmente, grande respeito que tenho pelo senhor ministro Joaquim Barbosa. Se alguém, neste País, merece ser chamado de V. Excia., sem dúvida alguma, com todos os méritos, é o senhor ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal do Brasil.

E. Parente Ramos parenterf@gmail.com

São Paulo

*

HOMENAGEM

Sugiro a alguém de coragem, idêntica à do homenageado, que erga uma estátua a Joaquim Benedito Barbosa. Fico muito orgulhoso de ser brasileiro e tê-lo, neste nosso país, tão sofrido e tão vilipendiado. Se Os Estados Unidos têm o Barack Obama, nós temos a versão moderna, do Águia do Supremo.

Paulo Bogaciovas tarsobogaciovas@globo.com

São Paulo

*

MENSALÃO

Nem tudo está perdido! No passado, tivemos o nosso querido Rui Barbosa e hoje temos o ministro Joaquim Barbosa, que eu considero o segundo “Rui Barbosa” brasileiro.

Donato Castilho Vaz donatocastilhovaz@hotmail.com

Penápolis

*

MÉRITO

O excelentíssimo senhor ministro Joaquim Barbosa está mostrando o que é ter mérito para pertencer ao Supremo Tribunal Federal (STF). Lula o nomeou a fim de fazer média com a população em geral e a negra, em especial, como mais uma “cota” a ser preenchida pelo primeiro negro a ascender ao cargo. Esqueceu-se de que competência, caráter, etc. não são influenciáveis por nomeações!

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

JOAQUIM BARBOSA

Ao me referir a Joaquim Barbosa, eu sempre irei usar Ministro e Dr. com letras maiúsculas, pois é o mínimo que posso fazer para honrar a sua importância perante a história deste País. A sua imagem altiva, lendo o processo 470, com lucidez e clareza de raciocínio, demonstrando uma vontade férrea e incansável para cumprir o seu dever, apesar de suas limitações físicas pelos problemas na coluna. Independentemente de como os seus pares venham a votar, Joaquim Barbosa já cumpriu o seu papel, porque nunca antes precisamos tanto de tal postura, decência e respeito às pessoas de bem que ainda acreditam num futuro melhor. Seu nome já está gravado, para sempre, na história deste País.

João Magro Ventura joaomv@terra.com.br

São Paulo

*

SOCIALIZAÇÃO

Na síntese de Dora Kramer (Estadão, 21/9), o PT saiu inadimplente das eleições de 2002 e mesmo assim foi avalista, sem lastro, de empréstimos no Rural e no BMG. Obviamente, a sociedade ficou com o prejuízo em benefício do partido dos trabalhadores. Sínteses como essa são muito bem-vindas para que os brasileiros avaliem melhor os partidos ao depositarem seus votos nas eleições.

Rubens Stock rsstock@uol.com.br

São Paulo

*

O SOCORRO DO AUXÍLIO-RECLUSÃO

O deputado João Paulo Cunha (PT-SP), condenado pelo STF por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e peculato disse que não entregará o mandato “de mão beijada” e que vai brigar para não ser preso e ficar na Câmara até o final de seu mandato, em 2014. O deputado alega que não sobreviverá sem seu contracheque de R$ 26,7 mil. O ministro Marco Aurélio de Mello disse em entrevista que, uma vez decretada pelo Supremo, a extinção do mandato é automática. Como não poderia deixar de ser, o presidente da Câmara, Marco Maia também petista disse que a palavra final é do plenário da Câmara e não do Supremo. Ocorre que para um deputado perder o seu mandato é preciso que um partido político faça o pedido, que a Mesa Diretora defira e que o requerimento siga os trâmites normais. Se o pedido for feito às pressas, leva seis meses, sem pressa, mais de um ano. Isso posto, não há motivo para tanta preocupação, o deputado será beneficiado pelo espírito de corpo da corporação e pela prescrição do rito de Marco Maia. E graças às brechas da lei, o deputado chegará ao final de 2014 tranquilamente recebendo seu rico dinheirinho. Lembro ao deputado que caso fique preso, poderá se socorrer do auxílio-reclusão que a partir de 1º/1/2012 de acordo com a Portaria nº 02, de 6/1/2012 o salário foi reajustado em R$915,05. Um belo salário considerado o que milhões de brasileiros recebem trabalhando.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

REGRAS DO JOGO

A declaração de José Genoino comparando sua experiência do mensalão à da ditadura – sendo que nesta a tortura seria no pau de arara e no atual processo o instrumento de tortura seria a caneta –, apesar de infeliz, fez-me enxergar o perfil de comportamento do atual assessor do Ministério da Defesa: em ambas as situações, Genoino “desafiou” ou “desdenhou” da democracia. Na ditadura, junto a seus companheiros de guerrilha, pretendia implantar o comunismo no Brasil. Com o mensalão, junto a companheiros de partido, pretendia atentar contra o livre exercício do Poder Legislativo, prejudicando o andamento democrático. E, em ambas as situações, encontrou resistência, primeiramente dos militares, com assentimento do povo que não queria o comunismo, e agora do STF, com o povo brasileiro igual e fortemente por trás. Quanto à “tortura” da caneta que diz vir sofrendo, faz parte do jogo que insistiu em continuar jogando.

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

CASA DA MOEDA

O suposto réu do mensalão Marcos Valério afirma, mesmo que informalmente, que o dinheiro usado pelo PT, para comprar parlamentares chega a casa de 350.000.000, e eu acredito nele. Agora a pergunta é: Nos seis primeiros meses do governo Lula, quem era o diretor da Casa da Moeda? Jogo a pergunta para a autoridade competente e vamos ver no que vai dar.

Celia Henriques Guercio Rodrigues celitar@hotmail.com

Avaré

*

LULA E O MENSALÃO

Em uma matéria publicada por uma revista um dos réus da roubalheira do PT Marcos Valério falou que o ex-presidente Lula sabia de tudo, isso para mim não é novidade, pois ele sempre soube de tudo apenas nunca admitiu, pois é um direito dele (lula) e uma qualidade de nunca saber de nada, pois este escândalo que aconteceu em seu governo se a justiça não fosse tão injusta e também os próprios políticos não tivessem recebido tantos favores do então presidente Lula este teria sido cassado, pois o Collor foi por muito menos. Por que então ele não foi cassado? Simples o apoio popular o salvou, pois em caso de queda ele Lula ia falar que quando um “pobre” chega ao poder a elite política derruba o que não e verdade uma vez que o Lula não é mais pobre há muito tempo. Para não ser punido deve-se agir rápido. Quem sempre fez barulho ou fazia barulho em escândalos políticos era a UNE que tinha como líder na época do governo Collor Lindbergh Farias que fez muito barulho na época apenas para se promover e entrar na política e ser mais um que quando chegar lá seja na Câmara Municipal, estadual ou federal esquece seus princípios, aquele moço hoje e senador pelo o estado do Rio de Janeiro. As caras pintadas liderados pelo Lindbergh Farias defendiam o impeachment do presidente Collor o que aconteceu mais tarde, o líder da UNE foi promovido a político e conseguiu seu maior sonho que e ter suas despesas pagas pelo os contribuintes e acima de tudo ter poder, pois na política não se briga por objetivo coletivo se subjetivo, ah eu já ia esquecendo na época do mensalão o ex-presidente Lula liberou aproximadamente R$ 40 milhões para a UNE reformar todo seu prédio no Rio de Janeiro.

Paulo Rodrigues de Moura paulorodriguesmoura@hotmail.com

São Paulo

*

DILMA E O MENSALÃO

Está provado que o mensalão existiu. O Zé Dirceu está cada dia mais perto de ser condenado por formação de quadrilha e mais uns crimes do mensalão. Está ficando cada vez mais claro que o Lula sabia, sim, e participava ativamente de tudo que acontecia no governo Lula. E a toda-poderosa presidente Dilma? Onde fica nessa história toda? Ela foi importantíssima figura no governo Lula, tanto é que o Lula se empenhou em elegê-la presidente justamente para dar continuidade a tudo isso que esta aí! É uma grande injustiça com a companheira Dilma que ela não tenha sido lembrada ainda no processo do mensalão.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

NIÓBIO, QUEM SE INTERESSA?

Aproveitando que as coisas se estão clareando para o povo pagante brasileiro via Justiça, e parece que pela primeira vez veremos políticos julgados e atrás das grades, talvez esteja na hora de investigar a questão do nióbio, metal cuja produção no mundo é quase toda do Brasil. Muitos sabem que grande quantidade é contrabandeada, mas ninguém teve até agora coragem de investigar. Se voltarmos ao depoimento de Marcos Valério à CPI dos Correios, rememoraremos, entre outras observações que ele fez, a afirmação de que levou “o pessoal do BMG ao José Dirceu para negociar nióbio” e que “o grosso do dinheiro” vem do seu contrabando. Esperamos que as autoridades tenham a coragem de verificar quem está por trás de mais uma das grandes roubalheiras nacionais.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

URNAS OU BURLAS ELETRÔNICAS?

Há anos internautas vêm denunciando na rede a fragilidade da segurança das urnas eletrônicas e a necessidade de se instalar nelas um sistema que imprima o voto registrado, para que o eleitor tenha consigo a prova de seu voto. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) alega que isso implicaria em quebrar o sigilo do voto e também em elevado custo operacional, resposta que é um tapa na cara da gente visto que alto custo nunca foi impedimento para o superfaturamento nas licitações pouco lícitas praticadas pelo governo. Dificuldade técnica não existe pois os caixas eletrônicos bancários já nos dão recibo impresso de nossa operação... Washington Novaes, em seu artigo Urnas abertas para fraudes (21/9, A2) confirma que o mundo todo diz que nosso sistema é vulnerável. E tanto é verdade que só no Brasil foi adotado este sistema. Caramba! Eu abro mão do sigilo de meu voto com o maior prazer para ter a certeza de que a maquineta está realmente registrando o voto que digitei para o meu candidato!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

URNAS, FRAUDES E PESQUISAS

O artigo Urnas abertas para fraudes mostra a fragilidade do sistema e nossa impotência para fazer valer nosso singular voto. Enquanto lia, vi nas entrelinhas a semelhança das pesquisas de intenção de voto com os resultados nas urnas, lembrando que antes das urnas eletrônicas o resultado das eleições trazia algumas surpresas. Parece tudo tão amarradinho... Os institutos de pesquisa posando como infalíveis e os defensores desta urna rejeitada no mundo inteiro dizendo que elas são seguras. Podem até ser, mas para quem?

Lucília Simões lulu.simoes@hotmail.com

São Paulo

*

DESCONFIANÇA

Nunca confiei nas urnas eletrônicas, por diversos motivos como: denúncias de inúmeros eleitores em comunidades inteiras que votaram em determinado candidato e verificaram que seus votos não foram computados. Essa denúncia foi feita pela Rede Bandeirantes. O TSE atribuiu o sumiço dos votos à conhecida estupidez do povo brasileiro e recusou-se a qualquer investigação. Outro motivo é a completa desconfiança de especialistas em informática que garantem a facilidade de se fraudar o sistema. O fato de todos os países do mundo desaprovarem o sistema, principalmente os mais desenvolvidos deve ter feito o TSE se regozijar de sua imensa esperteza e superioridade. Todo mundo está errado. Só eu estou certo. Vivas! Mas o que realmente me deixou com a pulga atrás da orelha foi a velocidade com que o sistema, dito antifraudes, foi aprovado e implantado pelos nossos honestíssimos e confiáveis parlamentares, pouco afeitos a desvios de conduta. Este Jornal publicou recentemente um comentário do redator, dizendo que os políticos não gostam de aprovar coisas que os prejudiquem . Por que então, aprovar um sistema que inviabiliza a fraude eleitoral, hábito useiro e vezeiro em todos os cantos deste país e com tanta velocidade? É óbvio que o interesse era a impossibilidade de recontar votos, evitando questionamentos posteriores e principalmente, de alterar os dados diretamente na urna. O excelente e esclarecedor artigo de Washington Novaes coloca este suspeitíssimo sistema em cheque. Quando teremos a palavra do TSE e principalmente, o repúdio da população?

Lizete Galves Maturana lizete.galves@terra.com.br

Jundiaí

*

O DESAGRAVO DE LULA

O desagravo é figura inserida no estatuto da OAB (lei 8.906/94), sendo o instituto destinado a exaltar e defender o advogado cuja atuação em favor de seu cliente foi impedida ou obstaculada por autoridades. Trata-se de instituto destinado a colocar os fatos nos seus devidos lugares e tem como fundamento uma verdade legal e fática, o que não ocorre no caso do ex-presidente Lula. Eis que tudo leva a conclusões de que foi ele o grande chefe do mensalão, tendo sido nomeado por Marcos Valério, em entrevista à Revista Veja. Nada poderá apagar a verdade e nada mais existirá que possa possibilitar o processo de endeusamento do Lula, porque tudo que não é real e verossímil cai e desnuda o agraciado. Então, o desagravo do Lula servirá mesmo para o exercício da badalação de políticos e partidos, que têm como finalidade precípua extrair algum proveito da aventura que se fará na mídia.

José Carlos de C. Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

CARTA DO PT E PRB PRÓ-LULA

Homines sunt ejusdem farinae.

Luigi Vercesi luigiapvercesi@gmail.com

Botucatu

*

PESQUISAS ELEITORAIS EM SÃO PAULO

A já famosa enquete que a Rádio Jovem Pan realizada a cada eleição tem se mostrado sempre muito mais acurada que as pesquisas eleitorais "encomendadas" aos "Institutos" tradicionais. Diante da divergência chego a conclusão que a pesquisa dos famosos "Institutos" está sendo feita da seguinte forma: Entrevistador: Em quem você votaria hoje para prefeito de São Paulo? Entrevistado: Pra prefeito "tá russo mano"! E o entrevistador anotada mais uma intenção de voto para o Russomano.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

SEM BASE

Se Russomano levar a Prefeitura de São Paulo, só terá base de governo se negociar com PT e PMDB. Então, podemos concluir que o melhor negócio para os candidatos a vereador dos dois partidos é a vitória de Russomano, e não de Haddad e Chalita, pois é dando que se recebe.

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

FUNDAMENTALISMO

Muito se tem falado à respeito de religião em virtude de um certo apoio que a Igreja Universal do Reino de Deus presta ao candidato Celso Russomano primeiro colocado nas pesquisas eleitorais à prefeitura paulistana. Mas o que está acontecendo nesse momento é que os adversários políticos do referido candidato aplicam lhe atos e atitudes fundamentalistas, agindo como que verdadeiros fanáticos. Disso ninguém fala? Só esses fundamentalistas não percebem que quanto mais combatem mais ficam para trás. O povo não gosta disso.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

CURRAIS ELEITORAIS

Dom Odilo P. Scherer condena "currais eleitorais" (primeira página do Estadão de 21/9) e "manipulação da religião para fins políticos". Ué, e o que a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a Igreja Católica fazem? Você acredita em Papai Noel? Acorda, Brasil!

Celso Nascimento celso@directasa.com.br

São Paulo

*

ESTADO LAICO

Fui criado no catolicismo, mas considero que a igreja católica deveria rever, em face das leis do Brasil atual, e do próprio respeito à cidadania, sua interferência em assuntos políticos. Apesar de dizer que não se imiscui em política partidária, promove um debate (se é que aquilo foi um debate) entre os candidatos. A troco de quê? Seus ministros deveriam atentar para o fato de que nosso país é laico, e mandar ler bilhetes e mensagens de caráter político nas missas é algo que atenta contra isso.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo

*

NÃO SE DISCUTE

Por que um religioso (seja lá qual for) pilota uma discussão sobre política? Por acaso a Igreja aceita que nós, laicos, discutamos o celibato, a pedofilia, ou assuntos de ordem filosófico-teológica sobre os dogmas monoteístas? Não. A República é laica, essa discussão não faz sentido. A crença – ou a não crença – de cada um é uma questão de foro íntimo. Ponto final.

Marly N. Peres lexis@uol.com.br

São Paulo

*

VERGONHA

É uma vergonha para as pessoas de fé e de boa vontade verificar que "religiões" se tornaram verdadeiros currais eleitorais de pastores e políticos inescrupulosos, useiros e vezeiros da palavra supostamente divina. O mal sempre enganou o bem, entretanto é de bom alvitre tomar cuidado, vamos pelo certo para não dar errado.

Alberto Nunes albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

*

‘A NOSSA GUERRA SANTA METROPOLITANA’

O jornalista e professor Eugênio Bucci (20/9, A2) deveria se ater mais aos fatos, as fontes de dados e a historia, antes de emitir a sua opinião. Obscuro é o texto deste senhor! Falta à lógica da Fé e da razão! Tenha coragem de dizer "quem são os vários sujeitos ocultos do seu texto"! O Estado é laico, mas o povo não! Ainda não foi decretado uma lei para que eu não tenha crenças e valores, professor! É a partir dela que tenho a convicção de que um aborto não é um pretexto – como cita no seu texto, mas sim um crime contra vida! Afinal, escolho pessoas para administrar o Estado laico! Logo me importa sim com quais valores e crenças irá governar. Algumas até acreditam que uma imprensa livre é uma bobagem, professor. Mas claro, o senhor também tem o direito de votar nela ou não! Simples assim...

Alecsandro A. de Souza alecsandro@mandic.com.br

São Paulo

*

SERRA E HADDAD

O José Serra já disputou inúmeras eleições para deputado federal, prefeito, governador, senador e presidente. Renunciou à prefeitura, cargo que agora pleiteia. Repudiou o FHC nas ultimas eleições presidências, humilhando-o, ao fazer propaganda utilizando-se de foto do Lula. Apesar do julgamento do mensalão estar prejudicando sua candidatura, o jovem Fernando Haddad, que disputa sua primeira eleição, está empatado tecnicamente com o idoso Serra. Se não fosse o “fenômeno” Russomano, que me parece ser um caso de voto de protesto semelhante aos casos de Cacareco e Tiririca, o Haddad iria ao 2º turno com o Serra e o venceria de acordo com as simulações atuais. Caso o Serra não vença, sua carreira política estará encerrada e a do Haddad estará apenas começando.

Valdenice Santana dos Santos santosvaldenice@ig.com.br

São Paulo

*

OS VENTOS DA MUDANÇA POLÍTICA

O horário gratuito de propaganda eleitoral na TV chega a superar o Jornal Nacional em pontos de audiência. Essa a grande novidade dos últimos tempos. Nos últimos anos, aumentou o número de eleitores que buscam avidamente nos jornais e revistas as informações sobre o movimento político-eleitoral. E agora, além de atentarem para o horário gratuito de rádio e TV, ainda estão aí, à sua disposição, os e-mails e as redes sociais, que ganham impulso na difusão da mensagem eleitoral. Seu bom direcionamento está conduzindo a sociedade ao sonhado estágio de consciência e participação, fundamental para o bom exercício do voto. Ainda existem, à disposição, os acervos dos jornais e revistas. Basta o eleitor neles pesquisar o passado do candidato e, encontrando algo que o desabone, mudar o voto. As pesquisas eleitorais vêm demonstrando que o povo parece agir mais livre e por vontade própria, pouco se importando com partidos e legendas políticas. Está nascendo uma nova mentalidade, com todas as condições de passar o país a limpo e formar uma nova classe política, mais preocupada em discutir e resolver os problemas da comunidade e livre do nefasto voto de cabresto e da infame compra de votos. É preciso aproveitar os ventos que sopram por mudanças e, com eles, mudar para melhor a nossa política e o país. O eleitor precisa ter motivos para voltar a acreditar que político é sério, honesto e trabalhador e, a partir daí, com a arma do seu voto, expulsar do meio todos os enganadores, corruptos e mistificadores...

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

POLÍTICAGEM E DEMAGOGIA

Amigo leitor, nos dias atuais, ainda temos que conviver com políticos puramente demagogos. Infelizmente, a política por demagogia ainda conquista votos, pois muitos eleitores, são movidos por brinquedos, abraços, apertos de mãos, até beijos no rosto... Gestos que somos obrigados a ver e presenciar durante campanhas. Os políticos ainda acreditam (apesar de ultrapassada), na forma demagoga de conquistar os votos, saindo desenfreado pelas periferias com equipes remuneradas a cada quatro anos. Podemos observar, nos cavaletes colocados nas rotatórias das avenidas, fotos maravilhosas de candidatos, com pessoas idosas, usam crianças, pessoas famosas, etc. Fotos com aperto de mãos, até com beijos, gestos de punhos levantados de vitória. Cavaletes inúteis e de alto custo, sem propostas de trabalhos, sem comprometimento com o futuro de seu governo e com o povo. Muitos candidatos, gastando fortuna com suas propagandas visuais, fortuna que ninguém sabe de onde vem, pois não existe questionamento por parte dos que são iludidos pela demagogia. É isso aí, bom atendimento à saúde, boa educação, infraestrutura para o futuro em abastecimento de água, esgoto, despoluição de rios, que se dane. Tudo pelo imediatismo, pelos quatro anos de poder a si e aos seus... Salve-se quem puder!

Valdir Agnese valdir.agnese@yahoo.com.br

São Paulo

*

CHUVA

Depois de mais de 60 dias sem chuva e com a umidade relativa do ar no mínimo, todos, sem exceção, inclusive as árvores e os animais, começaram a cantarolar uma música do passado, mas que vem em boa hora. Pois dizem que recordar e viver. Tomara que chova três dias sem parar...

Kaled Baruche kbaruche@bol.com.br

São Paulo

*

MEIO AMBIENTE

Após dois meses desaparecida, ela voltou. Seja bem-vinda, abençoada chuva, e não suma mais assim! Como Fred Astaire, no famoso filme Dançando na chuva, eu também dancei! Foi um misto de saudades, prazer e preocupação. Conclusão: o meio ambiente “ainda” não é levado a sério! Vamos todos sofrer pela conivência e silêncio! Protestar e boicotar são nossas armas, mas (...).

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

*

DESASTRE FLORESTAL

Embora todos tenhamos críticas às muitas mazelas da política brasileira, não podemos negar que o país esteve, e ainda está, na vanguarda em muitos aspectos, em termos de proteção social, com leis que beneficiam o trabalhador, a criança, o idoso, os índios, as mulheres e em futuro breve , os homossexuais; por que não? Temos ainda alguns discutíveis, como cotas raciais, Bolsa-Família, Leve-Leite, Prouni e outros. Mas nas questões do meio ambiente estamos totalmente desprotegidos e, com certeza, na vanguarda do atraso. Aquele nosso ar ufano, ao falarmos de nossas florestas e até nosso hino, que afirma que "nossos bosques tem mais vida", estão condenados à transformar-se em carvão; de eucalipto. Não sou um especialista no assunto, mas leio jornais, frequentei (e continuo frequentando) os bancos escolares, tenho acesso à internet e estou estupefato com a atitude ignorante dos membros da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara Federal, que alteraram a medida provisória do Código Florestal. Quem não sabe, por exemplo, que a cultura cafeeira, desenvolvida com base na destruição das matas nativas e na produção intensiva, desde o final do século 18 até meados do 19, levou à perda de qualidade do solos até torná-los improdutivos e, praticamente, extinguindo a atividade agrícola da região? Qual de nossos bravos parlamentares não sabe que o micro-clima do Vale do Paraíba e baixada fluminense alterou-se, passando a ter seis meses de seca e seguidos por chuvas torrenciais no verão, que provocam erosão e assoreamento dos rios. É este o progresso que desejam? É esta a herança que querem deixar? O que serão no futuro a Floresta Amazônica, o Pantanal, os cerrados e a "morta" Mata Atlântica? Desertos? Lixões? Francamente, proteger desmatadores?! Qual é a lógica? Financiamento de campanha talvez? Peço por favor, e encarecidamente, que o Estadão divulgue o nome destes maus brasileiros, que se escondem sob a denominação "comissão de meio-ambiente". Entendo que até aqueles que combateram as modificações da MP merecem críticas, pois tendo o conhecimento, a razão e a ciência ao seu lado, foram incapazes de esclarecer e motivar a sociedade em torno de uma causa tão nobre. E tão urgente. Membros da nefasta comissão: Leonardo Monteiro (PT), Márcio Macedo (PT), Marina Santanna (PT), Fernando Ferro (PT), Fernando Marroni (PT), Zé Geraldo (PT), Paulo Piau (PMDB), Pedro Paulo (PMDB), Leandro Vilela (PMDB), Valdir Collato (PMDB), Márcio Bittar (PSDB), Ricardo Trípoli (PSDB), Antonio Carlos Mendes Thame (PSDB), Marco Thebaldi (PSDB), Rebecca Garcia (PP), Paulo Cesar Quartiero (DEM), Bernardo Santana de Vasconcellos (PR), Givaldo Carimbão (PRB), Giovani Cherini (PDT), Miro Teixeira (PDT), Oziel Oliveira (PDT), Antonio Roberto (PV), Antonio Sirkis (PV), Arnaldo Jordy (PPS), Arnaldo Jardim (PPS), Penna (PV), Sarney Filho (PV), Paes Landim (PTB), Lauriette (PSC), Felipe Bornier (PSD), Homero Pereira (PSC), Irajá Abeu (PSD), Antonio Bulhões (PSD).

Ilan Rubinsteinn ilanrubi@uol.com.br

São Paulo

*

A CBF E O PALMEIRAS

Deplorável, torpe e indigna excrescência do Diretor de Seleções da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Andrés Sanches, torcendo para que o Palmeiras seja rebaixado. É o cúmulo da boçalidade de um cidadão que um dia foi presidente do Corinthians, além de desmerecer um tradicional, vencedor e respeitado clube brasileiro. Triste sina do torcedor: seleção ruim, técnico incompetente e diretor da CBF destemperado.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

REFORÇOS

Segue um alerta para o time do Palmeiras, que está precisando de reforços para não cair para a segunda divisão: não contrate o jogador Neymar, porque ele adora cair.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

FELIPÃO, ‘VADA A BORDO’!

Abandonou o arqui-inimigo à deriva. Isso é inadmissível. E ainda têm torcedores pedindo sua volta à Seleção. Arre! Sai pra lá, Satanás!

Rubens Q. M. Costa rubensquintao@hotmail.com

Santos

*

AGORA PÉROLA TRICOLOR

Se para os amantes do bom futebol a contratação do Ganso pelo São Paulo merece aplauso, parte da crônica esportiva torce o nariz como se as recentes contusões que este correto profissional sofreu venham a impedir a recuperação do seu ótimo futebol. É bom lembrar que o Ganso com seus apenas 23 anos de idade já ganhou vestindo a camisa do Santos importantes títulos, porque também suas qualidades técnicas são raras hoje no mundo do futebol. Como exemplo, é bom lembrar que no ano 2000, mesmo o Ronaldo Fenômeno, já com os seus 26 anos de idade, sofrendo uma gravíssima lesão, (nada comparado ao do novo atleta do tricolor), jogando pelo Inter de Milão, disputou, o que muitos nem acreditavam, a Copa do Mundo no Japão, em 2002, sagrando-se campeão mundial, e também artilheiro daquela memorável competição para alegria da torcida brasileira. Não deixa de ser um recado para aqueles pessimistas que duvidam também hoje que o Ganso possa até voltar à seleção brasileira! Porque, quem é craque em qualquer função e atividade não perde seu talento! E em se tratando de Paulo Henrique Ganso, assim como ocorreu com Ronaldo, também é um profissional disciplinado e altamente determinado, e a volta do seu refinado e produtivo futebol é questão de tempo...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

PAULO HENRIQUE GANSO

Trocar a camisa 10 do rei Pelé no Santos pela 8 do tricolor merece que nota? Foi bom enquanto durou. Seja bem-ido,Ganso!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

CHELSEA, SELEÇÃO, GANSO...

Quem assiste a Copa da Uefa, viu o Chelsea jogar e o Oscar marcar dois gols, foi o que bastou para a mídia o eleger um astro do time inglês. Melhor ter calma, porque é cedo ainda para se firmar e os dois gols marcados contra a Juventus foram normais, graças um desvio num e noutro girou até sem olhar chutando uma bola que foi na gaveta como poderia ir bater na torcida. Os gols do Oscar serviram para gastar tempo num programa esportivo da Band, onde estranho é ver o respeitável Dr. Osmar de Oliveira que deveria se tocar e parar de servir de gozação para a apresentadora que passa bom tempo falando em "catito", por faltar assuntos. Na semana, duas seleções "meia-boca" de Brasil e Argentina formadas sem boleiros de fora, mostraram um joguinho mais que chinfrim e o time do Mano só ganhou com um gol impedido e outro de pênalti aos 45 do segundo tempo, que duvido se fosse na área verde-amarela o juiz teria apitado e salvou o time e o Mano de uma baita vaia geral. Quanto ao Neymar , bateu o pênalti e marcou aliviando-o de uma atuação medíocre quando já começara a ser vaiado e recebera aplausos apenas das "neymaretes" histéricas. Quanto ao Ganso, sei não, o tricolor fez um investimento de risco já que o santista teve os dois joelhos operados afora sofrer seguidas contusões musculares e basta essa condição física sem garantia real e lembrar que nenhum time grande europeu se interessou nele por considerar o santista "bichado", na gíria do" futebolez" .

Laércio Zanini arsene@uol.com.br

Garça

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.