Fórum dos Leitores

ELEIÇÕES MUNICIPAIS

O Estado de S.Paulo

09 Outubro 2012 | 03h11

Obrigado, Haddad

Agradeço imensamente a Fernando Haddad por admitir que sua candidatura é parte do "projeto nacional" do PT. Agradeço por escancarar que a meta de sua candidatura não é a administração municipal, para nela atuar com empenho e dedicação pela melhoria da qualidade de vida dos paulistanos. Agradeço por esclarecer que, para ele e seus colegas de partido, a Prefeitura não é um fim almejado em si mesmo, mas tão somente um meio, um caminho para chegar ao objetivo maior do "projeto nacional": a hegemonia e a perpetuação do partido no poder, em todas as suas instâncias, federal, estadual e municipal - o que no passado se buscou por meio do mensalão e hoje se articula de formas talvez mais sutis, porém não menos nefastas. Agradeço por tudo isso e torço para que tão cândida e sincera confissão de intenções alerte o máximo possível de eleitores para que reflitam e se questionem sobre as consequências de um eventual governo Haddad para todos nós, como paulistanos, paulistas e brasileiros.

FLAVIO CALICHMAN

ibracal@uol.com.br

São Paulo

Slogan de campanha

"Haddad é de um novo tempo" - o que pune a corrupção daqueles que o apoiam.

ROBERTO TWIASCHOR

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

Mensalão

Em São Paulo, 29% do eleitorado acompanhou o voto do ministro revisor da Ação Penal 470 no STF, Ricardo Lewandowski...

VAGNER RICCIARDI

vbricci@estadao.com.br

São Paulo

Diferenças

Para cumprir o dever cívico, o relator do mensalão, ministro Joaquim Barbosa, é tietado, distribui autógrafos, recebe elogios e tira fotos com eleitores, conforme o nosso Estadão de ontem (caderno especial, H20). Na mesma página, Lewandowski preferiu a entrada pela porta dos fundos. Na página H21, José Dirceu muda o local de votação e leva "tropa de choque" e José Genoino, irritado com o assédio, grita: "Vocês (os repórteres) são uns urubus". Homens com H e homens com h.

WILSON LINO

wiolino@yahoo.com.br

São Paulo

Inexperiência

Na eleição anterior, José Serra apostou numa nova figura política, Gilberto Kassab, e deu no que deu... Nesta é Lula que aposta na mesma proposta. Será que o eleitor paulistano estará novamente disposto a deixar sua cidade nas mãos da inexperiência? Melhor dizendo, em alguém com experiência de seguidos fracassos à frente de um ministério?

JOSÉ EDUARDO ZAMBON ELIAS

zambonelias@estadao.com.br

Marília

Competência

Muitos são votados. Poucos são escolhidos pela competência.

FAUSTO FERRAZ FILHO

faustoferrazfilho@hotmail.com

São Paulo

Segunda chance

O bom desta eleição para a Prefeitura da cidade de São Paulo é comprovar que o PSDB, que ultimamente tem navegado em mar turbulento, não naufragou, pois parte do eleitorado reconhece os valores do candidato e, além de lhe dar uma segunda chance, ainda elegeu novos vereadores. Chegou a hora de o PSDB partir unido para uma luta honesta e convincente, pois seus eleitores sabem distinguir o joio do trigo e torcem pela vitória.

JOSÉ MILLEI

j.millei@hotmail.com

São Paulo

Olho vivo!

Parabéns a José Serra! A população votou em quem tem a maior capacidade para administrar a cidade. Uma pena que Haddad tenha ido para o segundo turno bem ao estilo do PT, com mentiras, dizendo que o Celso Russomanno iria aumentar as tarifas de transporte para os pobres. Serra que se cuide, pois o partido dos dossiês falsos e das mentiras agora vai inventar de tudo para prejudicá-lo. Espero que o eleitorado veja que o mensalão pode chegar à nossa cidade e abra os olhos!

LUIZ CLAUDIO ZABATIERO

zabasim@ig.com.br

São Paulo

Toma lá, dá cá

Russomanno ganhará um ministério? Dilma quer atraí-lo, logo, essa possibilidade não é remota.

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

Reflexão

Sr. Russomanno, quem demoliu a sua candidatura foram os petralhas. Reflita bem antes de manifestar apoio no segundo turno.

ADEMAR MONTEIRO DE MORAES

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

Respeito e coerência

Russomanno, seu patrimônio eleitoral é respeitável. Se apoiar quem mais mentiu para prejudicá-lo, vai mostrar que é mais um oportunista visando migalhas. Respeite a si próprio e construa um futuro político!

JULIUS BOROS

Cotia

Primeiro turno

Michel Temer disse que o primeiro turno fortaleceu a aliança entre PT e PMDB. Se procurar no Código Penal com cuidado, não é bem aliança...

LUIZ RESS ERDEI

gzero@zipmail.com.br

Osasco

No Recife

A partir da vitória no Recife do candidato apoiado pelo governador Eduardo Campos (PSB), presenciamos o orto de um estadista. O novo protagonista virá satisfazer a necessidade de ocupar os espaços do PT e do PMDB, um extinto pela avidez com que aparelhou o Estado e o outro, pela obsolescência dos seus quadros...

CAIO AUGUSTO BASTOS LUCCHESI

cblucchesi@yahoo.com.br

São Paulo

Em Belo Horizonte

A mentirada de Patrus Ananias (PT) afirmando a parceria com Lula na criação desse parasitismo chamado Bolsa-Família (que nasceu Bolsa-Escola no governo FHC), da redução dos custos de passagens dos ônibus metropolitanos (que nunca houve) e da criação do restaurante popular (que foi criado por Sérgio Ferrara), aliada ao descaso da sra. Dilma Rousseff por sua própria terra natal, barrando a liberação da verbas para, entre outras aplicações, a revitalização do anel rodoviário, resultou na eleição do adversário (Marcio Lacerda, do PSB) já no primeiro turno.

NEI SILVEIRA DE ALMEIDA

neizao1@yahoo.com.br

Belo Horizonte

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadão.com.br

SOB A LUZ DO MENSALÃO

É chegada a hora de o eleitor de São Paulo demonstrar se é ou não conivente com a corrupção. Porque, no segundo turno desta eleição, além de José Serra, do PSDB, está Fernando Haddad, do PT, candidato bancado politicamente por Lula, o pai do mensalão. É certo, também, que os moradores da capital clamam por outras prioridades, como transporte público eficiente, mais creches, mais segurança e qualidade no ensino, etc. E nesse quesito, incluindo ainda a infraestrutura, o partido que Fernando Haddad representa, em dez anos de governo federal, com Lula e Dilma, nada fez. Foi zero à esquerda. Ora, o partido do candidato petista, que foi ministro da Educação e em cuja gestão somente auferiu trapalhadas nos exames do Enem, sem nenhum avanço que permitisse melhora na educação dos nossos filhos, também aconchega escancaradamente José Dirceu, José Genoino, Delúbio Soares, etc., que estão sendo inapelavelmente condenados no Supremo Tribunal Federal (STF) por formação de quadrilha e desvios de recursos públicos. E o que esperar, então, para a cidade de São Paulo, se esse lamaçal institucional todo não é motivo de indignação e repulsa para a maioria dos eleitores de São Paulo? Votar em Haddad é concordar com Lula, de que o mensalão é uma farsa das elites, da oposição e da imprensa, mandar às favas o respeito às nossas instituições e, principalmente, aos suados recursos dos contribuintes.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

'QUESTÃO DE HONRA'

O ex-presidente da República Lula teria declarado que vencer o PSDB em São Paulo é "uma questão de honra". Esse senhor e seu partido sabem o que é honra?

Ana Lúcia Amaral anamaral@uol.com.br

São Paulo

*

PROJETO PARA SÃO PAULO

Lula foi claro: vencer a eleição em São Paulo é "questão de honra". Realmente, esse é o grande projeto do PT para a cidade de São Paulo. Tomara o eleitor paulistano reflita sobre isso.

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

VALEM MAIS QUE MIL PALAVRAS

Que imagens marcantes a eleição nos ofereceu. Joaquim Barbosa sendo festejado pelos eleitores. Zé Dirceu cercado por seguranças com os olhos esbugalhados. Genoino esbravejando contra a imprensa e Lula com olhar desconfiado e os cabelos desgrenhados. Estão colhendo o que plantaram.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

CONFUSÃO

O velho ditado explica por que o Sr. Dirceu compareceu à sua Junta Eleitoral "escoltado" por militantes de seu "partido". Será que ele confundiu o Estado de Direito onde vivemos e no qual tem a chance de ser condenado pelo STF com outros tipos de regimes políticos onde "tropas de choque" liquidavam toda e qualquer oposição ideológica, política e/ou de opinião? Viva a imprensa livre, sem coação! Viva a democracia, sem mensalão!

Milton L. Gorzoni gorzoni@uol.com.br

São Paulo

*

A PERPETUAÇÃO DA IGNORÂNCIA

Ao afirmar que o povo não está preocupado com o mensalão, e, sim, com a queda do Palmeiras para a segunda divisão, o ex-presidente Lula não só está subestimando a inteligência do povo que ele tanto defende, como, pior que isso, parece desejar que esta ignorância, se é que existe, se perpetue. Cuidado, presidente. As pessoas estão muito mais bem informadas do que o senhor imagina.

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

RENDIÇÃO AO POPULISMO

A afirmação de Lula de que o povo está mais interessado em se o Palmeiras irá para a segunda divisão do que no resultado do julgamento do mensalão, após a apuração dos votos que deu a Haddad a condição de ir para o segundo turno, vem mesmo ressaltar o total descaso do PT para com o povo de São Paulo. Ao generalizar, de forma grosseira, o que é a sua cara, Lula demonstra o desprezo pela população pensante de São Paulo, que jamais daria um voto de confiança a um partido espúrio como o PT. Infelizmente, a falta de uma postura firme por parte do PSDB e de Serra poderá nos fazer engolir um candidato que nem sequer deu conta da sua pasta quando ministro da Educação, com todos os problemas relacionados ao Enem. É até provável que, dispondo da máquina e do dinheiro público Lula e Dilma, consigam eleger Haddad. Ganhar a Prefeitura de uma cidade como a nossa, de olho nas eleições daqui a dois anos, é, sem dúvida, o sonho dourado de quem poderá, à nossa custa e à custa de desvio de verbas, permanecer no poder. Infelizmente, a São Paulo de um passado tão glorioso acabará se rendendo ao populismo e nós, paulistanos, seremos tragados pelo poder que emana de um partido de bandidos para quem tudo é permitido: de queima de arquivo à mais vergonhosa corrupção dos últimos tempos.

Rosangela de Lima Gatti rosedelimagatti@yahoo.com.br

São Paulo

*

A RESPOSTA PALMEIRENSE

Sabem o que poderá fazer diferença no segundo turno para eleger o prefeito de São Paulo? Os palmeirenses! Primeiro, porque estão sabendo que Lula, no dia da eleição, quando questionado sobre o eleitor ser influenciado pelo "mensalão", fez gozação dizendo que o paulistano estava mais preocupado com o Palmeiras cair para a segunda divisão. Portanto, palmeirenses, deem uma resposta a este medíocre que só escapou do "mensalão" graças ao PSDB poupar um político mineiro. Em segundo lugar, Serra é torcedor palestrino. Respondam nas urnas a esse desaforo!

Laércio Zanini arsene@uol.com.br

Garça

*

SOBERBA

Ridícula e soberba a declaração de "Deus" sobre o povão estar mais preocupado com a queda do Palmeiras para a segunda divisão do que com o julgamento do mensalão. Como palmeirense há mais de 60 anos, não tenho dúvidas de que alguém mudaria de time se o mesmo caísse para a segunda divisão, como aliás já aconteceu, inclusive com o timão dito como favorito de "Deus", já que os conhecidos antigos delle falam que "Deus" sempre foi vascaíno fanático, que também já caiu. Portanto, tem muita gente decente neste país que está verdadeiramente acompanhando o julgamento do mensalão, que, aliás, existiu, sim, e nas barbas delle, ou será que elle não sabia de nada mesmo? Eu não tenho dúvidas.

Antonio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

LULA SEM LIMITES

Está muito claro que a candidatura de Haddad é uma tentativa de vingança pessoal do ex-presidente Lula contra a elite paulistana e para provar ao Brasil e ao mundo que não está acabado politicamente e seu poder é inquestionável. Mas sempre existe um porém: a elite paulistana tem suas prioridades e uma delas com certeza não é se preocupar com Lula ou Haddad, pois tem coisas mais importantes a tratar aqui e principalmente no exterior. Provar que politicamente ainda é influente impondo uma candidatura de difícil aceitação, e eventualmente ela sendo vencedora, achar que é o "cara", é muita pretensão. No final do julgamento do mensalão, ele será o personagem principal, que não participou do julgamento graças à bondade de Roberto Jefferson, que preferiu uma vingança pessoal contra José Dirceu e preservou o mandato de Lula, um grande erro, o mesmo que cometem Delúbio, Genoino e Marcos Valério mantendo-se calados e confiando em penas brandas. Finalmente, para que Haddad chegasse ao segundo turno, Lula não pensou duas vezes convocando a "sua" presidenta e a sua ministra preferida para participarem ativamente da campanha de Haddad com discursos, carretas e caminhadas. Esse é Lula, sem limites para ousar e para se vingar, pois todo o PT se curvou à sua vontade, provando que está sendo usado por Lula como um rolo de papel higiênico, que um dia vai acabar... Devagar, mais vai!

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

INDIGNAÇÃO

O ex-presidente Lula talvez não saiba que o povo paulista não só está atento, sim, ao mensalão, como também sabe que alguns ministros têm a indicação do governo petista (aos amigos tudo, aos inimigos, o rigor da lei), e está envergonhado do ministro Lewandowski, mas orgulhoso de ser representado por um ministro de caráter como o Sr. Joaquim Barbosa. O povo brasileiro está ligado nesse julgamento e quer, no mínimo, que a justiça seja feita.

Valter Barbosa da Silva valternikas10@hotmail.com

São Paulo

*

E A ÉTICA, SR. LULA?

Os jornais de São Paulo repercutiram a seguinte declaração do ex-presidente Lula: "O povo não está preocupado com isso (o julgamento do mensalão). Está preocupado se o Palmeiras vai cair para a segunda divisão ou se o Fernando Haddad vai ganhar" (Estadão, 8/10/2012). A declaração demonstra o desprezo pela ética que deveria nortear a postura de qualquer cidadão e, em especial, aquele que teve ou ainda tem a responsabilidade de liderança política. Aliás, a postura do Sr. Lula tem sido assim desde os primeiros momentos em que a imprensa começou a noticiar o tal "mensalão". Lula negou no início, para depois afirmar ter sido traído e, agora, menospreza os princípios e os valores republicanos que deveriam ser preservados. Até quando suportaremos ouvir o Sr. Lula tentar impor à nação brasileira os seus "valores", ou melhor, a desvalorização dos preceitos constitucionais que exigem do homem público um comportamento probo? Até quando o ouviremos defender alguns dos seus "companheiros" que, segundo o Supremo Tribunal Federal, são acusados e estão sendo condenados pela prática de diversos crimes, tais como corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, desvio de dinheiro publico, entre outros? A ética deveria ser a busca constante dos homens que exercem liderança política, porque eles, graciosamente, receberam do povo a confiança através dos votos, numa ação genuinamente democrática. Mas, ao que nos parece, o Sr. Lula não deve ter lido o Art. 85, inciso V da Constituição federal, que diz: "São crimes de responsabilidade os atos do Presidente da República que atentem contra a Constituição Federal e, especialmente, contra: a probidade na administração;" Ou seja, deve ser incorruptível e no exercício do cargo não permitir a improbidade. A responsabilidade de um ex-presidente deve levá-lo a cuidar com responsabilidade na emissão de declarações que venham a ferir a ética. No interior costuma-se dizer: em boca fechada não entra mosca. Se não há algo de positivo, de construtivo a ser dito, então, Sr. Lula, boca fechada!

Arlecio F. Costa taniaramos@ibbp.org.br

São Paulo

*

POVO SÓ LIGA PARA FUTEBOL

Lula só demonstra mais o seu desdém pela população brasileira ao dizer que o povo só liga pra futebol. Realmente, Sr. Lula, se o povo não ligasse tanto para futebol, sua popularidade seria baixíssima. Só para lembrar: o Sr. vai ou não vai desmascarar a "farsa"?

Ricardo Marin s1estudio@ig.com.br

Osasco

*

STF GARANTE TRANQUILIDADE DO POVO

O povo pode não estar preocupado com o mensalão, porque a justiça está cumprindo com honra seu papel, condenando essa corja de corruptos envolvidos no maior escândalo da história da República. Quem deve estar preocupado é o Lulla. A esperança do povo é de que um dos condenados dê com a língua nos dentes e entregue o chefe da quadrilha. O resultado catastrófico do PT nas urnas é uma clara demonstração do que os eleitores pensam do mensalão.

Humberto Boh hubose@gmail.com

São Paulo

*

PARADOXO

Enquanto no Recife os nordestinos, que consideram Lula "o pai", deixaram seu candidato falando sozinho, aqui, em São Paulo, o eleitorado petista carregou Gugudaddad para o segundo turno das eleições. Não importou se estão assistindo ao julgamento do mensalão, onde os crimes de petistas estão sendo expostos magistralmente pelo ministro Joaquim Barbosa; não importou o fato de Fernando Haddad ter sido o pior ministro da Educação que tivemos neste país; não adiantou o conhecimento do fato de que Haddad esteja tentando aprovar a adoção de uma cartilha, conhecida como kit gay, nas escolas brasileiras; o eleitorado do PT parece absorver na íntegra o discurso petista, os impropérios ideológicos de Lula fomentando a luta de classes, quando alega que só o PT governa para os pobres, concluindo que José Serra e os tucanos não gostam de pobres e não governam para os pobres. É realmente um paradoxo: Cidade Tiradentes, a região de São Paulo que deveria ser umas das mais gratas à administração Serra/Kassab pelo fato de estarem levando uma linha do metrô ligando a Estação de Vila Prudente a este distante bairro, preferiu mesmo assim votar no petista. Seus moradores, que hoje amargam um trajeto de ônibus de até duas horas, farão o mesmo percurso em 30 minutos, mas mesmo assim votaram no Haddad. Eu pergunto: que benefício lhes fez Marta Suplicy durante sua gestão? Talvez tenha plantado lá algumas palmeiras, pois era sua especialidade. Portanto, para entender tamanha ingratidão, só mesmo acreditando na tese de lavagem cerebral. Mas é lastimável ver paulistanos com tamanho grau de alienação!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scruba@gmail.com

São Paulo

*

BRIGA DE RUA

Enfrentarmos um segundo turno tendo o PT na disputa não é nada. Difícil mesmo é suportar por mais alguns dias os seus militantes, que atacam, ofendem, ridicularizam e xingam quem não vota no PT e ainda transformam a disputa num vale-tudo de ofensas e calúnias contra o opositor. O PT transforma qualquer disputa em briga de rua de cais de porto.

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

A DESVANTAGEM DO EX-PRESIDENTE

A eleição para prefeito em São Paulo demonstrou que nós, paulistanos e paulistas, somos inteligentes e não nos iludimos com as declarações de quem no Planalto tinha bem próximos e ao seu redor "cumpanheiros" que já estão condenados por corrupção pelo STF. Se não sabia de nada, teria sido líder e observador incompetente. Se sabia, foi conivente com tudo o que está no processo do mensalão. Isso posto, dizer que "derrotar o PSDB e

fincar estacas do PT em São Paulo é uma questão de honra" não faz o menor sentido. Honra, dignidade e retidão, do quê? Por ter vários petistas já condenados por corrupção no mensalão, apagões em vários Estados, ações da Petrobrás em queda, infraestrutura atravancando a economia do País, importando etanol de milho dos EUA e feijão preto da China, usinas eólicas prontas para fornecer energia, mas sem linhas de transmissão, estradas federais esburacadas ou inacabadas, portos e aeroportos inadequados que não atendem à demanda, etc. A lista de malfeitos é infinita. Os políticos corruptos do PT agem nas esferas federais, estaduais e municipais...

Evaristo Ribeiro Filho evaldib@uol.com.br

Barueri

*

APOIO

Independentemente de Haddad receber apoio do PRB, de Russomanno, e do PMDB, de Chalita, no segundo turno, isso não quer dizer que o eleitor que votou nesses candidatos no primeiro turno venha a votar nos petralhas no segundo turno. A grande maioria do eleitor paulistano está bem consciente de que, se os petralhas assumirem a Prefeitura de São Paulo, vai haver a mesma roubalheira do dinheiro público, o mensalão, como aconteceu no governo do padrinho do candidato. A corrupção está no DNA do PT.

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

*

QUEM SERÁ?

Não sei qual o partido que o candidato Russomanno vai apoiar, mas será aquele em que as duas partes concordam, e o caso está resolvido.

Moisés Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

*

CURRAL ELEITORAL

É realmente impressionante: "padinho" mandou, o rebanho vota! Mesmo sendo a maioria desse eleitorado oriunda das Regiões Norte e Nordeste, abandonadas pelo timoneiro, ele mesmo nordestino, mas sem dúvida muito mais preocupado com a cereja do bolo do poder, São Paulo, e com seu ódio e ressentimento pessoais. Sem comentários.

Marly N. Peres lexis@uol.com.br

São Paulo

*

RUSSOMANNO

Dona Dilma quer o apoio de Russomanno para a candidatura de Haddad. Deve fazer com Edir o que Lula fez com Maluf: dê um pulo na casa do bispo, troque um abraço, um aperto de mãos e não se esqueça de oferecer um polpudo dízimo durante o mandato. Ah, não permita a presença de fotógrafos...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

INTERESSES POLÍTICOS

Agora se inicia uma nova etapa no andamento, comportamento e condução das eleições no segundo turno, onde os partidos que se atacaram e digladiaram mudam repentinamente seu comportamento agressivo e começam a querer fazer as pazes com a finalidade de obter o porcentual de votos dos derrotados no primeiro turno. Inclusive prometendo secretarias, chefias, subprefeituras, cargos em geral, etc. E os que foram taxados de inimigos, difamados e desmentidos, agora se tornarão aliados, parceiros e amigos.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

PADRINHOS PODEROSOS

Já podemos imaginar, com a chegada de Haddad ao segundo turno nas eleições paulistanas, quantos ministérios e boquinhas que Lula e Dilma terão de providenciar para que os partidos perdedores se "rendam livremente" para apoiar o candidato petista de apadrinhamento poderoso. Sozinho, ele jamais chegará à Prefeitura da maior cidade brasileira.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

PALANQUE

Vamos ver agora se nossa presidente vai aparecer e lutar pela eleição do Haddad, uma das coisas mais indecentes de nossa política, pois infelizmente ela é presidente de todos os brasileiros, e não só de uma legenda. Deveria ser proibida de apoiar esse indecente PT.

Agostinho Locci legustan@gmail.com

São Paulo

*

HONESTIDADE

Nosso lema é Non Ducor Duco! Vamos exercê-lo em plenitude mostrando aos vermelhos de plantão, a turma do mensalão, ladrões do PT, sem vergonhas de Lulla e cia. toda que aqui, na nossa amada cidade, São Paulo, eles não terão oportunidade de meter o bico. Vamos lá, meus amigos! Hora de trabalho para todos nós! São Paulo vai continuar sendo a cidade comprometida com a seriedade e honestidade que é a sua marca. Serra, estamos com você!

Deborah Marques Zoppi dmzoppi@uol.com.br

São Paulo

*

HADDAD FALA EM ÉTICA E MORAL

Não sei se é piada ou coisa séria o ventríloquo do Lula falar que no segundo turno vai abordar todos os temas, inclusive ética e moral. Será que eu estou escutando bem ou ele está de gozação? Com Lula por trás de sua candidatura, Haddad fala em ética e moral? Só se for em sonho. Esse cara vai empregar toda a tropa do PT que a Dilma trocou e detonar o Estado de São Paulo (não só a Prefeitura). Não precisamos de enganadores.

Mustafa Baruki mustafa-baruki@bol.com.br

São Paulo

*

SEGUNDO TURNO

Se a eleição para o segundo turno fosse hoje, o Sr. Haddad ganharia com aproximadamente 55% dos votos, contra 30% do Serra. Porque digo isso? Ora, a maioria dos votantes do Celso Russomanno tem um perfil e uma distribuição geográfica no mapa de votos totalmente coincidente com a do petista. O que pode fazer o Serra? Que tal escrever uma carta aos paulistanos, comprometendo-se a cumprir integralmente seu mandato, registrada em cartório e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE)? Também refrescar a memória de todos sobre o mensalão do PT e do Lula, e se queremos o PT tomando posse de São Paulo.

Jorge Gonella jorgegonella@hotmail.com

São Paulo

*

ESTÁ FÁCIL EXPLICAR

Que a assessoria de Serra tenha competência em explicar ao povo que a "alta rejeição" do candidato foi plantada pelo PT, pois Serra evitou apenas que os petistas depusessem suas patas na cidade e no Estado de São Paulo. E o fará de novo no 2.º turno, facilmente, pois concorre com um medíocre. Já ver a carinha triste do Russomanno não tem preço.

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

SUGESTÃO AO CANDIDATO SERRA

Historicamente a cidade de São Paulo tem presença marcante em todos os momentos políticos do País desde os tempos do império. Paralelamente durante a sua história teve a sorte de ter prefeitos de envergadura brilhante, para citar alguns: Prestes Maia, Faria e Lima e Olavo Setúbal. Foram personalidades marcantes que nos legaram grandes realizações, algumas pertinentes à época em que governaram e outras que perduram até os dias atuais. Não quiseram o poder, porém administrar uma metrópole. Todavia, não precisaram ser presidentes da República. Deixaram a sua marca registrada para sempre. A saída do posto de prefeito para tentar voos mais altos é responsável por parte do alto percentual de rejeição à atual candidatura para o retorno ao posto de prefeito. Fica então a pergunta: Qual a dificuldade em desde já, na própria campanha para segundo turno, declarar apoio ao postulante de Minas Gerais para a Presidência e, desta feita, recuperar a desconfiança do eleitorado sobre nova retirada do posto? O momento exige sacrifícios por parte de alguns, pois a turma do mensalão está à espreita para apenas deter o poder a qualquer custo, pois administrar para estes não faz parte de qualquer plano de governo. Procure ser talvez o melhor prefeito e doravante faça parte desta galeria de prefeitos notáveis citados. Boa sorte à candidatura e para todos os paulistanos de bem.

Luiz Felipe de Camargo Kastrup lfckastrup@gmail.com

São Paulo

*

PESQUISAS ALOPRADAS

Após a apuração, vamos examinar alguns números interessantes, comparando o resultado final versus a última pesquisa do Ibope. Serra (30,75% x 26% = 4,75). Haddad (28,98% x 26% = 2,98). Russomanno (21,60% x 26% = 4,40). 4). Chalita (13,60% x 13% = 0,60). A quem interessa a manipulação da margem de erro que constantemente é usada por alguns institutos? Os eleitores politizados sabem o que está acontecendo neste país, mas a imensa maioria é facilmente enganada pelos donos do poder.

Alberto Bastos Cardoso de Carvalho albcc@ig.com.br

São Paulo

*

COMO ACREDITAR?

Não houve nenhum instituto de pesquisas que se aproximou ao resultado das eleições no município de São Paulo, como explicar? Deviam ser proibidas, confundem os eleitores, mais parecem encomendadas para outros fins, prá que servem? Que tal fazer uma "pesquisa" por que erram tanto? Como acreditar?

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

BRANCOS E NULOS

Chama a atenção a porcentagem de votos em candidato nenhum (brancos e nulos), de 13%, na eleição para a Prefeitura paulistana. Em nível tão alto não pode ser apenas reflexo de desinteresse, mas sim, de clara rejeição e protesto, com relação à qualidade e capacitação dos candidatos.

Ulysses Fernandes Nunes Junior twitter: @Ulyssesfn

São Paulo

*

A VONTADE DO PAULISTANO

Se fosse respeitada a vontade da maioria dos eleitores de São Paulo, a coligação Abstenções + Brancos + Nulos estaria no 2º turno.

Neil Ferreira neil.ferreira1804@gmail.com

São Paulo

*

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

Aqui, em São José dos Campos, vamos infelizmente, suportar novamente uma prefeitura petista, que, como da outra vez, com a prefeita Angela Guadagnin, a bailarina da pizza, tivemos todas as secretarias compostas por petistas vindo de fora da cidade, a maioria de São Bernardo do Campo. Vieram, rapinaram e foram mandados embora pelo voto. E numa demonstração de como será esse governo petista, o único jornal da cidade, que já está comprado pelo partido, fez campanha abertamente para o candidato petista e, pasmem, no dia 7 de outubro à 5h da manhã, a manchete da primeira página foi: Com 59% dos votos, Carlinhos é eleito hoje prefeito de S. José. Isso com certeza, eles já sabiam melhor do que ninguém, influenciaria no voto da camada da população mais pobre e desinformada, já que houve farta distribuição gratuita do jornal pelas ruas da cidade. É assim que o PT ganha uma eleição, com 50,99% de enganação.

Luciana Bonadio Becker luccker@msn.com

São José dos Campos

*

EM PORTO ALEGRE...

Ao ser questionada por Lulla em quem teria votado, Dilma respondeu que "o voto é secreto". Ao fazer essa afirmação para seu mentor/criador, ficou implícito que não votou em Adão Villaverde, o candidato do PT à prefeitura de Porto Alegre. Seria um caso de fidelidade ao seu partido de origem (o PDT) ou simplesmente votou no melhor?

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

OS FICHAS-SUJAS

Por incrível que pareça, vários fichas-sujas não tiveram os seus processos julgados antes de 7 de outubro e conseguiram se eleger no primeiro turno. Outros (também sem julgamento) estão indo para o segundo turno, daqui a três semanas. A meritíssima juíza que preside as eleições declarou que até dezembro próximo (?) os seus processos estarão julgados. Ora, primeiro, os processos dos que já perderam não tem urgência, até não precisam ser julgados, já o foram nas urnas. Depois, que se pare tudo na Justiça, que os juízes se mobilizem para julgar, nestas três semanas que nos separam da próxima votação, os processos restantes, que não devem ser muitos. É um absurdo sem tamanho o julgamento desses processos ultrapassar o 28 de outubro, data do segundo turno. Esperar votar para depois julgar? Afastar um corrupto eleito, com processo dormindo em um Fórum qualquer, após sua vitória em dois turnos? Só no Brasil... Seremos objeto de chacotas em todo o planeta... O juiz que tenha sob sua guarda um processo de qualquer ficha-suja tem plena e total noção de sua responsabilidade para com o povo brasileiro. E tem competência para examinar, julgar e despachar esse processinho em um dia só. Que o faça sem tardança. O Brasil precisa dessa rapidez, para poder começar a funcionar... Vamos acordar, Justiça brasileira. Como dizem, o tempo "ruge"...

Domingos Perocco Netto dperocco@ig.com.br

Itatiba

*

SUJEIRA

Entre os muitos mortos e feridos (derrotados) poucos foram os sobreviventes (eleitos) nestas eleições. A democracia "ainda" é algo a se conquistar (igualdade de disputa). Em todo o País, a unanimidade foi para a sujeira, ruas e avenidas abarrotadas de papéis (santinhos dos candidatos). Além de feio, dá a impressão de abandono! Os bueiros ou galerias já estão entupidos! Muitos foram os eleitores ou transeuntes que escorregaram, eu mesmo notei diversas quedas! Enfim, que as "sujeiras" não tenham espaço no Executivo e no Legislativo!

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

*

AONDE CHEGAMOS

Temos de refletir sobre tudo isso que aí está. No último domingo, 54.434 vereadores foram eleitos e vão ocupar pelos próximos quatro anos, uma cadeira no Poder Legislativo de 5.566 municípios brasileiros. Foram nada menos que 418.553 postulantes que disputaram uma cadeira proporcionalmente no Legislativo. Também foram eleitos prefeitos e seus vices em milhares de cidades do País. São eles os responsáveis pela elaboração das leis municipais, como por exemplo, a lei orgânica uma espécie de "Constituição municipal", com as diretrizes que devem ser seguidas pelos Poderes Executivos e Legislativo e também pelos moradores da cidade. A Câmara, ao contrário do que algumas pessoas pensam, é um local de trabalho onde o vereador a cada ano percebe que precisa se dedicar cada vez mais, esmerando-se no trabalho parlamentar e na qualidade de porta-voz da população. Hoje em dia, os vereadores fazem a ponte entre população e o prefeito, além de fiscalizar o trabalho do Executivo. O vereador tem inúmeras outras atividades, porém, só há políticos incompetentes, corruptos, etc. Ou tudo isso junto por força do voto quando há o corrupto e o corruptor. Alguém os elegem. Não importa a qual cargo, entram em cena fatores subjetivos de peso relacionados ao caráter e índole dos que o sufragam. Quanto mais destrutivos e malévolos, indo da ganância mais descarada a planos de dominação absoluta mais desenfreada, maior força dada aos estelionatários eleitorais. A corrupção e o caldo nojento no qual estes prosperam indefinidamente. A tal se refere à velha e boa frase de Rui Barbosa, em discurso no Senado em 17/12/1914: "De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça; de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto". Hoje mais do que isso, ele tem medo. os "maus" se apossaram de tal poder, nesta etapa democrática, que dificilmente sabemos mais com quem estamos falando, mesmo velhos conhecidos. O mau eleitor é como o torcedor comum quanto a torcida organizada: não há argumento que o leve à razão, sabe que está errado, mas justifica os atos da "barra pesada" do seu time. Recusa-se a refletir e age por instinto e impulso, componentes perigosos da paixão, geradores da ira e da irracionalidade. Já que antes tarde do que nunca aprovou-se a ficha limpa para candidatos. Há que providenciar, com urgência, consciência limpa para os eleitos que reelegeram centenas de políticos que poderão nem tomar posse em janeiro pelos crimes que carregam em seus currículos. Que se aprove a ficha limpa para os maus eleitores. Vamos ter segundo turno em dezenas de cidade do País. Não seja um deles!

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

AGNALDO TIMÓTEO

Finalmente! Agnaldo Timóteo não foi eleito. E nem deu um placê. Seus eleitores desencantaram, é claro.

Pedro Luís de Campos Vergueiro pedrover@matrix.com.br

São Paulo

*

DECEPÇÃO NA AMÉRICA LATINA

É certo que a vontade do povo é soberana, mas ler que na Venezuela o boquirroto, déspota, Hugo Chávez venceu as eleições é uma grande decepção na América Latina. Talvez a vitória tenha sido em nome dos famintos e desinformados que não conseguem ver o que esse tirano vem fazendo com o país e com a vida das pessoas. Aguentar Chávez até 2019 é o maior castigo imposto aos cidadãos que vivem alienados e são ameaçados caso não concordem com as ordens de seu opressor.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

DEMOCRACIA ESPECIAL

Tenho 70 anos de idade, sou engenheiro e estudante de Filosofia, porém o meu nível intelectual não conseguiu entender o que o ministro Antonio Patriota quis dizer com que a Venezuela é uma democracia especial.

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

*

INVEJA

Lullinha, que inveja do excesso de democracia na Venezuela!

Guto Pacheco daniguto@uol.com.br

São Paulo

*

A SEMANA DO JULGAMENTO

Como está programado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para até amanhã o julgamento do José Dirceu, o principal articulador do mensalulão e outros mensaluleiros, no caso de condenação, disseram que fomentarão um movimento "político" contra a sua prisão. Será verdade? Se algum movimento ocorrer, que segurança terá a população brasileira? Será que as Forças Armadas estariam de prontidão, ou não passa de uma ameaça verbal de desabafo? Fiquemos espertos.

Maria Teresa Amaral mteresa0409@2me.com.br

São Paulo

*

DIAS TOFFOLI

Que o ministro Dias Toffoli decida-se, nesse importante momento histórico, se deseja, enquanto ministro do STF, reafirmar-se como tal ou se prefere reassumir sua antiga função de mero advogado do PT, escamoteando a realidade, ainda que dos autos, como fez o ministro Lewandowski na parte do seu voto em que absolveu os réus José Dirceu e José Genoíno, utilizando-se de argumentos que ferem até mesmo uma mediana inteligência humana. Enquanto ministro do STF, seu compromisso é com a nação brasileira. Dignificando-a o senhor estará dignificando-se ao mesmo tempo. O contrário também é verdadeiro. Cuide-se, ministro!

Thereza A. Whitaker thereza.a@terra.com.br

São Paulo

*

'A QUEM INTERESSA O PROJETO SARNEY?'

A resposta à questão levantada no título do artigo A quem interessa o projeto Sarney?, do brilhante professor Miguel Reale Júnior (6/10, A2) é translúcida: aos políticos que buscam fazer do Estado um butim, como os mensaleiros. A pressa do senador Sarney em levar o projeto de Código Penal à votação, apesar das críticas de juristas e de entidades como a OAB, é um escárnio aos legítimos interesses da sociedade.

Luiz Carlos de Medeiros medeiros0208@gmail.com

São Bernardo do Campo

*

POBREZA TEÓRICA

O projeto do código Penal do Sarney é um absurdo e notável pobreza teórica. Os atos de terror nos movimentos sociais dos sem terra ou sem teto serão lícitos. O homem endoidou de vez ou está senil? E esse senhor é o presidente do Senado do nosso país... Socorro!

Edward Brunieri patricia@epimaster.com.br

São Paulo

*

OLHO ABERTO

É bom ficar de olho bem aberto, pois não duvido nada se após aprovado o novo Código Penal, não aparece algum artigo assim: "Art. XXX: É expressamente proibido publicar qualquer matéria pejorativa referente à família Sarney, mesmo que os fatos sejam verdadeiros. Parágrafo único: O jornal Estadão, por tentar burlar a lei, ficará eternamente sob censura". Até quando vamos aturar isso? Será que vamos ter de começar um abaixo-assinado para o Poder Judiciário se manifestar sobre esse absurdo?

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

O PROJETO SARNEY

Não é difícil entender a quem interessa o absurdo projeto proposto pelo presidente do Senado José Sarney. Ao lulopetismo, é óbvio. É mais uma dessas aberrações que visam a instalar no Brasil aquilo que já existe na Venezuela, a descriminalização de grupos e organizações apoiados pelo governo com o objetivo de subverterem a ordem democrática, invadindo e destruindo propriedades legalmente adquiridas, dando ares de legalidade a grupos como MST e assemelhados que poderiam, se aprovado esse projeto proposto por Sarney, tomarem tudo que lhe fosse conveniente, sem receio de responderem pelo ilícito que cometeram. Talvez ressentido pelo fato de ter um dos seus "José Dirceu", condenado pela maioria dos juízes do STF, Sarney - um amigo da mordaça - tenta agora sua última cartada a favor da quadrilha com quem tão bem conviveu, fazendo a sua parte nesse projeto de poder idealizado pelos liberticidas do PT, que não sossegam enquanto não transformarem o Brasil numa República socialista-sindicalista. Fora, Sarney e Cia.

Peter Cazale pcazale@uol.com.br

São Paulo

*

DE PORTAS ABERTAS

Se as autoridades brasileiras quiserem mesmo produzir um novo Código Penal com novas características e que venha a suprir as necessidades pretendidas pelo povo, é preciso que se faça de portas abertas e debatendo-se com a sociedade civil organizada. Caso contrário, haverá sem dúvida alguma um desrespeito aos princípios básicos e democráticos do nosso imenso Brasil.

Antonio Rochael Jr. antoniorochael@gmail.com

Iguape

*

CRÍTICAS EXCESSIVAS AO PROJETO DO CÓDIGO PENAL

De fato algumas críticas ao projeto de reforma do Código Penal são muito oportunas e contribuem para a melhoria da redação. Contudo, o que gera perplexidade é a circunstância de nunca se ter criticado o atual Código Penal que vigora há mais de 70 anos. A prova desse paradoxo é o que se vende nas livrarias jurídicas. Ou seja, vende-se muito pouco sobre temas como "Críticas ao Código Penal", mas vendem-se bastante títulos como "Decorando o Código Penal para Concursos e Exame da OAB". O mais estranho é que desejam, em geral, o arquivamento do projeto em discussão para se "fazer um novo trabalho". Com a devida vênia, mas parece mera ciumeira para assinar o novo anteprojeto. Isto é, querem "derrubar" o atual projeto, pois almejam uma vaga na "próxima Comissão". Afinal, se querem algo novo, basta apresentar o texto com as Emendas à Comissão de Reforma do Senado, sem necessidade de arquivar o projeto em andamento. E assim os senadores decidirão no Senado a redação final para remeter à Câmara. O anteprojeto atual tem o mérito de reunir todos os tipos penais em um único código. Atualmente, temos crimes confusos e esparsos como os crimes contra a ordem econômica, os crimes tributários e outros. Basta citar os crimes cometidos no âmbito das atribuições da Comissão de Valores Mobiliários e do Cade que raramente são apurados penalmente em razão de "permissões legais", mas ninguém questiona. Contudo, estão preocupadíssimos com o furto de doce no supermercado, porém nada se fala com relação aos crimes tributários e os acordos milionários com a Receita sem passar pelo crivo do Judiciário, Polícia e Ministério Público, tudo previsto em lei externa ao Código Penal. Outros querem um Código Penal que atenda a gregos e troianos, o que é impossível. Sempre haverá alguém achando pena de um ano excessivamente alta e outro achando excessivamente baixa, isso para o mesmo delito. Outro ponto curioso é que, enquanto faltam advogados privados no Direito Penal, parece que sobram nas faculdades para criticar o atual projeto. Costuma-se dizer que nas faculdades apaixona-se pelo Direito Penal, mas depois de formado casa-se com o Direito Civil. Até mesmo, no Exame da OAB há preferência pelo Direito Penal, mas depois, na prática, os advogados abandonam o Direito Penal. O Direito Penal, apesar de excludente na prática, tem a façanha de movimentar toda sociedade para "dar palpite", o que não se verifica em temas como processo penal, processo civil, direito empresarial e outros. Isto é importante, pois o cidadão sabe que pode ser responsabilizado penalmente, embora acredite mais que o Direito Penal é aplicável ao vizinho e nunca a ele mesmo. Entretanto, mesmo que o crime fique na cifra oculta (que não é apurado), se for mexer na redação do tipo penal gera polêmica. Mas ninguém pergunta: "Quantos processos sobre este tema tivemos nos últimos cinco anos?" E verão que há discussões estéreis e meramente acadêmicas, pois nos últimos cinco anos não se teve processo sobre aquele crime. A rigor, a maior parte das críticas ao projeto de reforma do Código Penal é de setores acadêmicos e que desconhecem o dia a dia do Direito Penal Brasileiro, pois vivem na redoma das faculdades e com no máximo uma "causa criminal" por mês e normalmente em crimes com clientes mais ricos e que cometem crimes inteligentes (exceção no cotidiano penal). Afinal, quantas faculdades de Direito no Brasil prestam assistência jurídica na área criminal, ou na área de execução penal? Se a "academia" está realmente preocupada com o Direito Penal, deveria ter em suas estruturas de núcleo de prática jurídica real e escritórios modelo o atendimento na área de direito penal, e não apenas na área de direito civil. Quantas ONGs temos no Brasil que prestam assistência jurídica na área criminal e execução penal como ocorre nos Estados Unidos, como a ONG "Inocência"? Se a área acadêmica está preocupada com o sistema de justiça criminal deveria fazer pesquisas nesta área e estimular os alunos a fazerem, porém, não as de decoreba ou mero resumo de posições da internet ou de "manuais". Mas, sim com pesquisas de campo, com estatísticas, com análises de casos reais e base no Direito Comparado. No entanto, o que se vê no dia a dia e que chamam de "pesquisa jurídica" apenas resume e copia outros trabalhos e nada de novo conclui ou propõe. O discurso é de que o projeto do novo Código Penal é conservador. Ora, mas qual trabalho de pesquisa propôs alguma mudança radical no atual Código Penal? Quantas "associações jurídicas" fizeram manifesto pelo fato de não se existirem "casas de albergado no Brasil"? Quantas "associações jurídicas" fizeram protesto pela falta de informação sobre a "progressão de regime em outros países"? Quantas associações jurídicas protestaram pela falta de obras explicando o "Código Penal e a Execução Penal em outros países?" Muito estranho este movimento contrário ao novo Código Penal e ainda partindo de profissionais da "academia" (teóricos) e que antes nada apresentaram para mudar o atual Código Penal. Talvez, em vez de protestos, sugere-se que então apresentem um modelo de novo Código Penal para que o Senado possa usar como emenda ou como "substitutivo" na atual votação. Por fim, os senadores estão pedindo sugestões para a reforma do Código Penal e quem quiser participar basta acessar o site do Senado, telefonar ou enviar uma carta pelo correio. Afinal, cabe ao legislador decidir o texto normativo, e não ao meio jurídico.

André Luis Alves de Melo, promotor de Justiça andreluis_melo@yahoo.com

Belo Horizonte

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.