Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

11 Outubro 2012 | 03h08

Certificado de origem

Agora é oficial: o Supremo Tribunal Federal (STF) está expedindo seu Certificado de Origem n.º 1: o PT recebeu o diploma de corrupto, por maioria absoluta de votos. Nunca antes na História deste país um partido político mereceu tal distinção, aliás, merecidíssima. O candidato petista Fernando Haddad já poderá usá-lo na campanha do segundo turno na capital paulista.

JAIRO SILVESTRE DOS SANTOS

jairo-silvestre@uol.com.br

Jundiaí

Mensalão dos petralhas

Espetacular o caderno especial do Estado sobre o mensalão. Vou guardar para daqui a quatro anos mostrar aos meus netos (mais quatro anos e eles estarão votando) as patifarias desse ParTido que pensa que pode ganhar alguma eleição aqui. Fora, PT!

PAULO CORRÊA LEITE

paulocleite@bol.com.br

São Bernardo do Campo

O início do fim

Com o resultado de ontem e de anteontem, podemos finalmente visualizar o início do fim para o PT, o partido "ético". Obrigado, Roberto Jefferson, por ter acendido o estopim.

JAMES F. SUNDERLAND COOK

sunderland2008@gmail.com

São Paulo

Momento delicado

Estamos em momento importante para saber se o PT é realmente o partido que proclama ser. Será que vai expulsar os condenados corruptos ou eles são maiores que o PT? Isso sem esquecer a importância que esse partido tem para o País. Momento delicado, até vergonhoso, para quem se proclama o dono da ética e da moral.

MANUEL JOSÉ FALCÃO PIRES

manuel-falcao@ig.com.br

São Paulo

Supremo desrespeito

O criminoso José Dirceu diz que vai lutar para provar sua inocência; o mandante Lula, que o julgamento foi hipocrisia. Porém o Supremo - e seu título já indica isso - é a última instância de Justiça neste país e suas decisões, como dizem muitos, não se discutem, cumprem-se. Ora, a fala desses dois indivíduos revela o desrespeito que têm por essa instituição. Se Lula tivesse nomeado seis ministros do estilo Lewandowski - sobrenome que suspeito ser de origem polonesa e traduziria por "levando o quê" - e cinco Toffolis, então poderia ficar tranquilo, pois imporia o que quer que seja decidido. Felizmente para a Nação, há ainda esperança de todos os bandidos irem para a cadeia, porque o resultado da Ação Penal 470 proferido pelo STF certamente vai percolar às instâncias inferiores. Apesar de meus 78 anos de idade e muitos de decepção com os políticos, cito as palavras de Sólon, o sábio grego, há 2.600 anos, ao ser perguntado no que consiste a ordem. Resposta: no fato de que o povo obedeça aos governantes e que os governantes obedeçam à lei. É o que o Brasil precisa.

ALBERTO MARTINEZ

alberto.martinez@terra.com.br

São Paulo

'Sou, mas quem não é?'

Para Lula, condenação é hipocrisia. Como é triste ver alguém como Lula e Dirceu, com o passado de lutas que têm (das quais vivem falando para se desculpar), apelarem para o "todos fazem a mesma coisa"! Parecem crianças que, quando apanhadas num malfeito, apontam para o irmão: "Não fui só eu, ele também fez!". Lula age assim quando ordena aos petistas que batam na tecla do mensalão tucano.

ESTHER BRITO M. DE AZEVEDO

lmma@terra.com.br

São Paulo

Lei da vantagem

Então o "grande capo" achou hipocrisia a condenação dos petralhas?! Vejam que os valores dessa gente se resumem à lei da vantagem política e financeira. Pouco importam os anseios e os valores morais do povo, que é quem paga a conta. Esse homem deveria calar-se, pois se a investigação avançar poderá não nos surpreender.

BASÍLIO JOSE BERNAL

bernal@roloflex.com.br

São Paulo

Ainda há tempo...

O ex-presidente Lula pronuncia-se após este momento único, marcante e sublime da nossa democracia com frase intestinal, sua marca de governo, acusando o STF de hipócrita. Lula deveria portar-se com a dignidade do cargo que ocupou. Talvez a hipocrisia possa estar no fato de ele ter ficado de fora das condenações... Se essa foi a razão, há tempo para que ele se ponha à disposição do Ministério Público e ofereça as provas contra si mesmo. A democracia é lenta, mas caminha.

JACI MANOEL DE OLIVEIRA

jaci.oliveira@terra.com.br

São Paulo

Day after

Já no day after da condenação a reação dos envolvidos é tão ou mais importante que o próprio julgamento. Lula dizer que é hipocrisia e Dirceu colocando-se como inocente são provas de que eles continuam aplicando a mesma estratégia que gerou o mensalão: a mentira, a demagogia e a prepotência. Basta!

GILBERTO DIB

gilberto@dib.com.br

São Paulo

Linchamento e espoliação

Soltar frases de efeito não empana a justeza inerente ao julgamento de Dirceu. Antes de dizer que foi linchado - seja lá por quem tenha sido - deveria raciocinar melhor. Pois a realidade inequívoca revelada pelo STF no julgamento do mensalão, tendo em vista a quantidade estonteante de dinheiro que circulou, comprou, seduziu, etc., é que, na verdade, o povo é que foi linchado e espoliado.

PEDRO LUÍS DE C. VERGUEIRO

pedrover@matrix.com.br

São Paulo

Dirceu e a democracia

Após a condenação José Dirceu afirmou que ao voltar de Cuba para o Brasil lutou pela democracia. Após a estada em Cuba com seu amigo Fidel, veio para implantar a magnífica democracia cubana. Por sorte o Brasil não é uma ilha!

AIRTON MOREIRA SANCHES

moreira.sanches@uol.com.br

São Paulo

Uma ditadura por outra

O sr. José Dirceu afirma que lutou pela democracia. Parece mais que lutou contra a ditadura para instalar outra ditadura. Pense nisso. Parabéns ao Estadão pelo caderno especial sobre o mensalão.

RICARDO FERREIRA

fredrfo@gmail.com

São Paulo

Carreata da honestidade

Sugiro às pessoas honestas que organizem uma carreata a Brasília para aplaudirem pessoalmente os ministros que demonstraram que ainda existe justiça no nosso país, em especial Joaquim Barbosa, que lavou a alma dos brasileiros e nos encheu de orgulho.

JOSÉ GILBERTO SILVESTRINI

jsilvestrini@hotmail.com

Pirassununga

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

ULGAMENTO DO MENSALÃO

Parabéns STF pelo brilhante gol marcado, condenando os corruptos do mensalão e devolvendo a esperança aos brasileiros honestos, que trabalham e pagam seus impostos em dia. Hoje acreditamos na Justiça brasileira e temos certeza que o Brasil é um país democrático. Mas não podemos parar por aí, depois do mensalão temos que atacar a CPI do Cachoeira, pois ali também houve muito dinheiro público desviado. Precisamos deixar bem claro para os políticos e empresários desonestos que os brasileiros não toleram a corrupção.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

PARABÉNS À JUSTIÇA BRASILEIRA

A novela do mensalão é bem longa, lembra "O Bem Amado". Tem de tudo: amor, ódio, paixões, moças bonitas, dinheiro, desavenças, sujeições, traição, até exemplos importantes de competência, imparcialidade e justiça. Dos astros dessa novela destacam-se o autor Roberto Jefferson, o diretor José Dirceu, o coordenador Ayres Britto. No mensalão o bem amado é representado pelo ex-presidente Lula, nada cola nele, "apenasmente" tenha ficado devendo, pois não soubemos quem o traiu, deixou-nos na dúvida. Dirceu controlou um esquema que movimentou bilhões de reais em compra de votos de parlamentares, caixa 2 e corrupção ativa. Quanto ao ódio, foi generalizado: o ministro Ricardo Lewandowski odeia seu colega Joaquim Barbosa, Dirceu nutre ódio mortal por Jefferson, entre os mensaleiros muitos nem se cumprimentam. Sujeição foi a parte negativa dos ministros Lewandowski ao ex-presidente Lula e Dias Toffoli ao seu ex-chefe Dirceu. Simplesmente deprimentes, ambos mancharam suas togas pretas. Em contrapartida, houve exemplo de dignificante altivez e cabal demonstração de competência do ministro Joaquim Barbosa: seu trabalho foi pautado por um detalhado estudo dos diversos aspectos do complexo processo, elaborou um irretocável relatório, que certamente ficará nos anais do Direito brasileiro. O revisor até que tentou, mas não foi capaz de desqualificá-lo. Outro destaque foi a ministra Cármen Lúcia: muito lúcida, calma, ponderada, apresentou seu voto, boa parte dele de improviso, explicando os motivos técnicos que o basearam. Finalmente restou a justiça, inicialmente devida ao relatório do brilhante procurador-geral da República, Roberto Gurgel, que soube separar o relevante do prolixo, permitiu que verdadeiros acadêmicos do Supremo, como Celso de Mello, dessem verdadeiras aulas de Direito, ensejando aos outros ministros votar de maneira consistente, consciente, coerente, sempre amparados nos autos, na legislação e até no bom senso. O destaque especial coube ao presidente Ayres Britto, seguramente o melhor ministro para dirigir reuniões desse quilate: conduziu os trabalhos sem que em momento algum perdesse a coordenação, mesmo quando aparteou o ministro Lewandowski, que, visivelmente contrariado, tentou polemizar. Mas Ayres Britto com pequeno argumento não só convenceu, como ainda provocou desculpas de Lewandowski. Resumindo, o Direito do Brasil está de parabéns, um exemplo de competência e maturidade. Foram punidos os culpados com total justiça e imparcialidade, um senhor exemplo de democracia. Gostaríamos que outros pilares da República experimentassem tal sucesso, notadamente a segurança.

João Henrique Rieder rieder@uol.com.br

São Paulo

*

HERÓIS E HEROÍNAS

O julgamento da Ação Penal 470 no STF não tolerou os crimes, a falta de ética e a impunidade, após condenar figuras importantes da política e do empresariado. Portanto, deixamos de ser um povo que somente considerava heróis figuras do meio esportivo ou artístico, não se preocupando com as falcatruas que foram tomando corpo, tornando os antigos e conhecidos trapaceiros como principiantes diante dos que foram se entregando de corpo e alma às práticas delituosas, para o seu próprio benefício, dos seus achegados, ou por uma causa presumidamente nobre. Assim como eu, muitos cidadãos que querem o bem para este país, estão orgulhosos pela atitude independente dos nossos heróis e heroínas, que passo a nomear: Cezar Peluso, Ayres Britto, Joaquim Barbosa, Celso de Mello, Marco Aurélio Mello, Gilmar Mendes, Cármen Lúcia, Luiz Fux e Rosa Weber. Espero que este fato histórico seja imediatamente incluído nos livros escolares, fazendo parte integrante do currículo escolar no próximo ano.

Alberto Bastos Cardoso de Carvalho albcc@ig.com.br

São Paulo

*

SURPREENDENTE

Quem duvidava da retidão, lisura e isenção dos ministros do Supremo Tribunal Federal por causa de suas escolhas e indicações, teve a confirmação do porquê lá se encontram. Foram inúmeros os elogios ao ministro Joaquim Barbosa, que motivou aos demais. Salienta-se a decisão da ministra Cármen Lúcia ao condenar os mensaluleiros José Dirceu, José Genoino e Delúbio por corrupção ativa, quando deixou claro que a tese do caixa 2 também é crime. Decepção causam os ministros Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli, que continuam vestindo a camisa do PT na defesa dos seus companheiros réus da Ação Penal 470. Que satisfação surpreendente tem o povo brasileiro do dever cumprido pela Suprema Corte... Nem tudo está contaminado e perdido!

Maria Teresa Amaral mteresa0409@2me.com.br

São Paulo

*

VOTOS DE CABRESTO

O julgamento do mensalão está demonstrando que os ministros Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli decidem de acordo com comprometimentos políticos. Em resumo, que são votos de cabresto!

Eugênio José Alati eugeniojosealati@yahoo.com.br

Campinas

*

PAGAMENTO FEITO

Temos dois futuros ministros da Justiça quando forem para a compulsória. Obedientes, dedicados, fiéis. A fatura da nomeação já está paga.

Gilberto Magnani gilmagnani@hotmail.com

Santos

*

ENGANADO

Para Toffoli, Dirceu foi enganado por quadrilha de atrevidos malfeitores. Será que ele também é vítima da Bancoop?

Pedro Galuchi pgaluchi@gmail.com

São Paulo

*

NOVO PRESIDENTE DO STF

A eleição do ministro Joaquim Barbosa para ocupar o honroso cargo de presidente do STF é um raro momento de fortalecimento das instituições democráticas. Pessoa humilde, mas com esforço incomum, demonstra toda a sua competência na análise de casos complexos, cujo exemplo maior é o mensalão. O Brasil hoje aplaude a nomeação de seu filho mais modesto que, corajosa, independente e soberanamente, expulsou a corrupção do dicionário clássico da política brasileira.

Carlos Henrique Abrão abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

BARBOSA E ISABEL

Até hoje desdenhada pelos intelectuais de academia como se fora uma figura menor da História, é fato que quando a princesa Isabel faleceu, em Paris em 1921, essa mulher moderna, versada em química, poliglota, cristã fervorosa, favorável ao voto feminino, à educação pública e gratuita e visceralmente antiescravocrata, a primeira mulher senadora do Brasil, teve a presença chorosa de milhares e milhares de parisienses a homenageá-la, acompanhando seu féretro pelas ruas, enaltecendo sua coragem e moral ao abrir mão de todo um reino em nome de uma causa nobre, a liberdade, acabando com três séculos de uma ignomínia no Brasil chamada escravidão, que vitimou 12 milhões de seres humanos! Morreu no injusto exílio por isso, pobre, e por aqui, país de ingratidão total, quase esquecida! Para mim, a posse do negro, talvez bisneto de escravos, Joaquim Barbosa como presidente do mais alto tribunal desta Nação, um homem íntegro, de moral, de cultura soberba, corajoso e de caráter ímpar, talvez seja o tardio reconhecimento de quão à frente de seu tempo estava aquela mulher...

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

São Carlos

*

TASSO GENRO

Muito sensata e corajosa a entrevista do ex-ministro do governo Lula, ex-presidente do PT e atual governador do Rio Grande do Sul. Discordo da crítica à imprensa brasileira. Esta se limitou a noticiar os fatos. Recordo que o presidente José Genoino, o tesoureiro Delúbio Soares e o secretário Silvio Pereira se envolveram no mensalão. Como, então, não falar no PT? Além disso, o Partido dos Trabalhadores apresenta uma estrutura rígida e disciplinada, que se percebe por exemplo quando Lula escolhe a sucessora sem ouvir o partido e repete a dose com os candidatos a prefeito do Recife e de São Paulo. Ao PT o que é do PT.

Cloder Rivas Martos closir@ig.com.br

São Paulo

*

PARA LULA, CONDENAÇÃO É 'HIPOCRISIA'

Sem dúvida, é "hipocrisia" na pequenez de sua mente. Se Lula possui força nos poderes da Justiça brasileira, ancorada na Carta Magna de 1988, então trabalhe para condenar o PSDB mineiro, porém no calendário das eleições presidenciais. Evidentemente, Lula foi o grande ausente no Supremo Tribunal, talvez salvasse os srs. Dirceu, Genoino e Delúbio. Acabou a "mamata" do caixa 2 e outras roubalheiras de dinheiro para o PT e para si mesmo. Não me telefone mais pedindo voto, o dr. Pochmann possui a inteligência e a honradez que o ex-presidente dispensa, e aprenda a pronunciar o nome dele. É ridículo.

Jürgen Detlev Vageler vatra_ind@yahoo.com.br

Campinas

*

ERA UMA VEZ UM PARTIDO...

"Foi hipocrisia", disse Lula a respeito da condenação dos petistas no mensalão. Ele se referia aos santinhos do pau oco José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares. Ignorante como é (esperteza nada tem que ver com sapiência), o ex-sapo barbudo talvez nem saiba que "a hipocrisia é a homenagem que o vício presta à virtude" (François duc de la Rochefoucauld). Ou seja, "todo hipócrita finge emular comportamentos corretos, virtuosos e socialmente aceitos" (sic). Comportamentos que pessoas como Lula, o típico hipócrita, não têm e, por não darem valor ou crédito a tais comportamentos, nem sequer pleiteiam efetivamente ter. Mesmo porque, ao contrário de pensar ter, ele, Lula, tem absoluta certeza de que não os tem. À moda da sincera simplicidade do caboclo, eles raciocinam assim: "que me importa se a mula é manca, o que eu quero é rosetá!". Ou seja, bem ou mal, ética ou antieticamente, responsável ou irresponsavelmente, honesta ou desonestamente, sórdida ou generosamente, o importante é ter "pudê" e, exercendo-o, tirar de seu exercício o maior proveito possível para si e sua turba. Mesmo que "a mula seje manca"... "Hipocrisia é a pretensão ou fingimento de ser o que não se é"! E, em razão de suas pequenezas, as maiores revoltas e obsessões dos hipócritas são seus sentimentos de quase obrigação de ter de aplaudir os virtuosos. Causa-lhes dores e ódio o não desvencilhar-se dessa fatal obrigação, por mais esforços que despendam nessa tentativa. Entre tantos outros recordes que o PT detém, o mais significativo é o de ser a aglomeração que mais hipócritas agrega nesta nossa bendita Ilha de Vera Cruz! Apesar de o número de mentirosos não ficar muito atrás dos contumazes hipócritas e, por isso mesmo, esquizofrênicos. Resta agora à presidente Dilma iniciar um novo ciclo de governo. Sua Excelência pode até iniciar uma nova etapa usando o velho jargão dos inícios dos contos infantis: "Era uma vez um partido político que gritava pelos quatro pontos cardeais destes nossos Brasis (há tantos por aí) que não roubava e nem deixava roubar..."

João Guilherme Ortolan guiortolan@gmail.com

Bauru

*

O CÚMULO

Li, estarrecido, que o sr. Lula afirmou que o julgamento do mensalão no STF foi "hipocrisia". E quando o sr. Lula disse que não sabia de nada, quando o golpe foi denunciado, como chamar essa declaração? Das duas, uma: ou o sr. Lula é débil mental ou mentiroso. Acredito que não seja débil mental, portanto, é mentiroso! E sua declaração, sim, é o cúmulo da hipocrisia.

Luiz Roberto Lima de Moraes lrl.moraes@bol.com.br

Jundiaí

*

MENTIRA

Se Lula fosse sincero, teria de se rejubilar com a decisão do STF. Afinal, ele demitiu Dirceu assim que o caso veio à tona e estimulou sua cassação pela Câmara dos Deputados, dizendo que "não sabia" e que tinha sido "enganado". Agora, sua revolta com a decisão do STF e seu apoio aos petralhas condenados escancara que estava mentindo. E muito, aliás...

Wilson Scarpelli wiscar@estadao.com.br

Cotia

*

EXPERTISE

Finalmente alcançamos o mesmo nível do "deus" do PT! De hipocrisia ele entende...

Ricardo Marin s1estudio@ig.com.br

Osasco

*

ESCLARECIMENTO

O "cara" definiu como uma hipocrisia a condenação dos petistas (só dos petistas) no mensalão. Será que ele quer dizer o quê? Vamos ajudá-lo a escolher: foi uma aleivosia, deslealdade, falsidade, farsa, fingimento, impostura, perfídia, traição ou tredice? Pode escolher. Seria melhor que esclarecesse, pois, a maioria dos ministros que condenaram foi indicada pelo próprio "cara". Há momentos em que devemos nos calar, enfiando a viola no saco do analfabetismo. Segundo Delacroix, "a hipocrisia em certas situações é mais escrupulosa do que a própria virtude".

Luiz Carlos Cunha luiz.cunha@terra.com.br

São Paulo

*

PONTO FINAL

Desde 12 de agosto de 2005, quando fez um pronunciamento formal à Nação declarando que fora traído por práticas inaceitáveis e pediu desculpas ao povo brasileiro em seu nome e em nome do seu governo, que Lula vem tentando desconstruir essa declaração e negar a existência do mensalão. O Supremo Tribunal Federal acaba de pôr um ponto final nessa questão, decidindo que Lula falou a verdade apenas naquele pronunciamento, momento em que se achava acuado e com medo, e que vem mentindo ao longo destes sete anos, acreditando na força do dito que uma mentira repetida muitas vezes se torna verdade. O povo brasileiro agradece esse esclarecimento.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

SEM COMPOSTURA

Mais uma vez o ex-presidente Lula perdeu a compostura e a oportunidade de ficar calado, para não se tornar um aleive, um caluniador da mais alta Corte de Justiça do País, ao comentar em conversa reservada que a condenação dos petistas no mensalão foi uma "hipocrisia", como relata a repórter Vera Rosa. Classificar a decisão em tela como hipocrisia é o mesmo que classificar os ministros que nela votaram com a pecha de dolo, traição e fraude. E o "de cujus" (falecido politicamente) vem dar palpite em matéria jurídica, da qual é totalmente jejuno! Nunca é demais um presidente da República ser um doutor ou um professor universitário, srs. Lula!

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

*

MAU PERDEDOR

Lulla, contestar o STF não condiz com pessoa educada e boa perdedora. Cale a boca. Vá chorar com a sua quadrilha.

Ângelo de Agostini angedemari@gmail.com

Campinas

*

CHULO

O sr. Luiz Inácio precisa ser "ensinado" a não se dirigir ao STF com palavreado chulo, muito usado em seus discursos, na certeza de que sua prepotência dure eternamente.

Rosali Asta Silva rosali.astasilva@terra.com.br

São Paulo

*

LEMA

Ao dizer que a condenação dos seus três mosqueteiros do mensalão "foi hipocrisia", resta saber a quem Lula se referia. Talvez até a ele mesmo, por deixar seus parceiros assumirem sozinhos o entrave. Considerando que o lema é "um por todos e todos por um", acho que nesse caso vale só o "todos por um", não é?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

DESAFIANDO A JUSTIÇA

Por muito menos, quaisquer manifestações contrárias, palavras ofensivas ou atos que juízes de primeira instância venham a entender como desrespeito, ou qualquer outro modo pelo qual os mesmos magistrados venham a sentir-se confrontados, o cidadão comum sente o peso da canetada e vai preso imediatamente. Em qualquer órgão público, o aviso intimidatório está ali explícito: prisão e multa para quem ofender o funcionário - quase sempre nós somos os ofendidos -, numa atitude típica de autoritarismo oficial. Mas não é o que estamos vendo atualmente, com as decisões do Supremo Tribunal Federal, instância máxima do nosso sistema judiciário, onde os julgados e seus padrinhos políticos, vociferam abertamente contra as condenações, num desrespeito total aos srs. ministros e à Instituição Maior. Afinal, somos todos iguais perante as leis ou não?

Aloisio Arruda De Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

*

GRANDE TEATRO

A cada sessão do STF no julgamento do denominado "mensalão" fica a impressão de que estamos diante de um grande teatro. Os juízes têm a responsabilidade de aplicar a lei, e não suas decisões pessoais, mas o que se vê são debates e discussões que em alguns momentos ultrapassam os limites que se esperam de uma Corte Suprema. E mais, há como que esforços para que a opinião pública seja usada como mecanismo de pressão, o que não é admissível num regime que se diz democrático. E tudo leva a crer que teremos decisões finais que não correspondem às atitudes de todos os que estão sendo acusados. E que esses procedimentos não se repitam quando do julgamento do "mensalão mineiro", desta feita envolvendo militantes tucanos.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

VÍTIMA DE HIPOCRISIA E PERSEGUIÇÃO?!

Só pode ser uma piada o Partido dos Petralhas afirmar ser vítima de hipocrisia e perseguição. Quando é que o chefe de Dirceu, Delúbio e Genoino será convocado para explicar sua participação no maior escândalo de corrupção ocorrido neste país? A sociedade deve não somente cobrar que os réus cumpram suas respectivas penas, como também a devolução dos milhões de reais roubados. Obrigado a Joaquim Barbosa e a todos os juízes do Supremo que votaram pela condenação dos mensaleiros. Cabe a nós, brasileiros honestos e trabalhadores, lutar para tornar a corrupção um crime hediondo, levando aqueles que a praticam a cumprir rigorosas penas de cadeia.

Fábio Zatz fzatz@uol.com.br

São Paulo

*

GRAMSCISMO

Se for para a cadeia, Dirceu terá a chance de escrever seus próprios "cadernos do cárcere", como fez Antonio Gramsci, o inspirador das doutrinas da hegemonia, provável teoria finalística do fracassado mensalão.

Gilberto Dib www.dib.com.br

Sâo Paulo

*

'ZÉ FINI!'

Mesmo que seja em regime semiaberto, não importa, José Dirceu será preso, entre outros, por crime de corrupção ativa, o que significa dizer que foi reconhecido o esquema do mensalão, para que não paire nenhuma dúvida neste Brasil inteiro. Finalmente, neste dia 9/10/2012, sete longos anos depois, pudemos assistir ao vivo e em cores à condenação dessa sinistra figura e sua quadrilha. Foi julgado dentro das normas constitucionais pela mais alta Corte deste país e o todo-poderoso homem do governo Lula, em sua soberba, foi condenado por ter articulado o maior esquema de corrupção já ocorrido no Brasil, aquele mesmo sujeito que com o dedo em riste a todos acusava e até mesmo capitaneou, junto com Lula e o PT, o impeachment do Collor. Que ironia! O povo brasileiro saberá reconhecer o significado deste dia para o futuro da Nação e jamais esquecerá o esforço e o mérito de todos aqueles que foram os responsáveis pela qualidade jurídica, profundidade, lisura, isenção e transparência deste julgamento histórico e emblemático, já que daqui para a frente podemos esperar viver num país onde a impunidade deixa de ser sentida como regra, passando a balizar os limites e os valores com que deverá conduzir-se qualquer brasileiro, rico ou pobre, poderoso ou não. Honras, portanto, à atuação impecável de todos os protagonistas dessa epopeia que se iniciou pela Procuradoria-Geral da República, através do procurador Antonio Fernandes de Souza, prosseguiu com S. Exa. o dr. Roberto Gurgel e, em seguida, com o grande ministro relator, Joaquim Barbosa. E cada um dos demais ministros que, a seu tempo e sua hora, deu seu recado, mostrando com clareza ao povo brasileiro a forma como se devem pautar na vida pública os homens públicos eleitos ou nomeados para servir ao povo, e não dele se servir. Os ministros do STF permitiram-nos sentir, quem sabe pela primeira vez, uma dose maior de confiança e de um sentimento que há tanto nos parecia impossível experimentar: o do fim da sensação de impunidade e a dignidade que isso nos traz como cidadãos brasileiros! Como cidadã, mãe de três filhos e avó de dois netos, eu vos agradeço do fundo do coração.

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

*

VIVA O STF!

Zé Dirceu, agora condenado pelo STF, se faz de vítima e invoca o tempo em que, a serviço de Havana e Moscou, praticava guerrilha e terrorismo. Clandestina e anonimamente, covardemente dissimulados em meio à população, esses "camaradas", hoje "companheiros", puseram muita gente inocente sob suspeição e muitos pagaram caro por isso, outros foram vítimas de suas ações terroristas. Longe de serem considerados heróis, eles estão mais para mercenários. As indenizações milionárias que recebem hoje, como benesses do poder, bem demonstram o quanto eles amam o Brasil. Na verdade, quem lutou e restabeleceu a ordem democrática no País foi a população ordeira, liderada por eminentes políticos como Ulisses Guimarães, Teotônio Villela, Franco Montoro, Tancredo Neves e muitos outros. Sem anonimato, sem clandestinidade, com mobilizações históricas e pacíficas. Hoje no poder, a "companheirada" mostra a que veio: corrupção, destruição das instituições e sucateamento físico e moral do Brasil. Parabéns ao STF, há luz no fim do túnel.

Carlos Eduardo Stamato dadostamato@hotmail.com

Bebedouro

*

QUE É ISSO, COMPANHEIRO?

Disse José Dirceu em seu blog: "Lutei pela democracia e fiz dela minha razão de viver. Vou acatar a decisão (do STF, mas não me calarei. Continuarei a lutar até provar minha inocência". Por partes: primeiramente, ao revés do que afirma, Dirceu não lutou por democracia alguma no Brasil. Quem o fez, nos idos do regime militar, foram Tancredo Neves, Ulysses Guimarães, Teotônio Villela, Franco Montoro e outros, até chegarmos à transição, em 1985 - quando o PT de Lulla e Dirceu votou contra a eleição de um civil no Colégio Eleitoral. Nos idos do regime militar, ao invés de cerrar fileiras com os supracitados, Dirceu preferiu ir para Cuba, país com o qual tem muitas afinidades, a começar pelo regime político. Ali, entre uma e outra "aula" de guerrilha urbana e rural, Dirceu aperfeiçoou os seus conhecimentos de "democracia" com seu guru Fidel Castro, retornando furtivamente ao País tempos depois, de forma tão clandestina que nem sequer sua própria mulher sabia a sua verdadeira identidade. Ao assegurar à Nação que vai "acatar a decisão" (do STF), Dirceu parece estar fazendo um tipo de concessão à Suprema Corte. Dá a impressão de que, a contrario sensu, pudesse "não acatar" a sentença de nosso Pretório Excelso. Por fim, alguém precisa informar ao advogado Dirceu que a palavra do STF é definitiva e o momento de provar inocência é o da defesa, antes do julgamento - não depois. É assim que se faz nas democracias.

Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br

São Paulo

*

NOTA OFICIAL DE JOSÉ DIRCEU

"Dediquei a minha vida ao PT e ao Brasil". Verdade parcial. Ao PT exclusivamente, não importando os meios, mas sim os fins. O sr. Dirceu imaginou um modelo de Brasil em que o Poder Judiciário se submetesse a seus interesses e a imprensa fosse submissa. Felizmente, desta vez o povo exigiu um julgamento isento e justo, e foi atendido.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

ESPERNEIO

José Dirceu, após sua condenação pelo STF, resolveu espernear. Em nota à imprensa, lembra seu passado de luta em favor da democracia. A piada não poderia ser maior. Nunca lutou pela democracia. Lutou, sim, por outra ditadura, aquela que ele aprendeu em Cuba. Ele esqueceu de citar, em seu currículo, o esquema de extorsão às companhias de ônibus de Santo André, junto com o ex-seminarista Gilberto Carvalho, que resultou na morte do prefeito Celso Daniel, ainda hoje não esclarecida. Esqueceu, também, de citar sua atual especialidade: tráfico de influência. Salutar a condenação desse elemento altamente nocivo ao País. Falta ainda colocá-lo atrás das grades.

Celso Battesini Ramalho leticialivros@hotmail.com

São Paulo

*

DEMOCRATA, COMO ASSIM?

"Lutei pela democracia e fiz dela minha razão de viver" - assim José Dirceu reagiu, defendendo-se da condenação pelo Supremo. Como assim? Quando um democrata, ao ser deportado, pediria asilo político num país comunista? Esse mesmo país, Cuba, que estava armando e treinando brasileiros dos grupos guerrilheiros à época da ditadura? E como esse mesmo democrata, usando palavras do ministro Celso de Mello, participaria de esquema que "fere as regras do Estado de Direito e a essência da democracia, (...) quando ao comprar partido e políticos frauda a vontade do eleitor, asfixiando o exercício pleno da oposição política, sem a qual não existe democracia"? Dirceu pode-se dizer tudo: socialista, comunista, badernista, mas democrata, tenha dó!

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

NOVA PLÁSTICA

José Dirceu ficou indignado com a sua condenação. Na minha opinião ele deveria voltar para o seu padrinho em Cuba, fazer uma nova plástica e, quem sabe, ler um pouco e aprender sobre o conceito de democracia. Após 30 anos, com muita sorte, poderia retornar ao Brasil.

Gilberto Reis gidipri@terra.com.br

São Paulo

*

MELHOR EM QUÊ?

"Mensalão não apaga o que Dirceu fez pelo País, diz ex-colega de cela". Faltou dizer o que ele fez pelo Brasil, a não ser como homem forte de Lula, inclusive no episódio mensalão. Ele era estudante, protestou contra o regime, assim como milhares de outros estudantes. Foi preso em Ibiúna com outros estudantes e depois sentenciado a 14 meses de prisão. Seu cárcere pouco durou, pois foi liberado na troca pelo embaixador americano Charles Elbrick, sequestrado por grupo de esquerda. Foi para Cuba onde fez curso de guerrilha. Voltou ao Brasil em 1975 e foi viver com identidade falsa no interior do Paraná até a anistia, em 1979 (10/10, H8). Portanto, nesse período nada fez de bom ao Brasil. Depois virou político, como tantos outros. Em que ele foi melhor que as centenas, milhares de políticos, após a democratização de 1985?

Éllis A. Oliveira elliscnh@hotmail.com

Cunha

*

DIRCEU E COMPANHEIROS

Quando da ditadura militar, Dirceu foi condenado a 14 meses de reclusão por subversão e cumpriu apenas alguns dias. Na era PT a condenação será bem maior, cerca de 20 anos. Seus companheiros de luta também estão condenados, ficou de fora apenas o mais malandro - vai aproveitar a vida enquanto a companheirada passa férias onde o filho chora e a mãe não vê. Lula é, de longe, o mais esperto da quadrilha: ele faz e os companheiros pagam por ele. O STF mostra sua independência, justiça e coragem, sinalizando que qualquer outro político que quiser pôr a mão no cofre estará sujeito a grandes penalidades. Parabéns ao STF pelos oito grandes e corajosos ministros e pelo início do fim da corrupção neste país.

Eugênio Iwankiw Junior iwankiwjr@hotmail.com

Curitiba

*

O BARULHO DOS INOCENTES

Dirceu diz que "acata a decisão, mas não vai se calar". Às vezes o problema é que, em certas coisas, quanto mais se mexe, pior fica. No momento Dirceu está sendo julgado pelo mensalão, mas podem existir outros assuntos pendentes a serem investigados, denunciados e ir a julgamento. Ele devia, isso sim, calar-se, recolher-se e deixar a coisa correr. Outros condenados que também estão inconformados porque achavam que não seriam atingidos podem decidir "botar a boca no trombone" e acabar piorando muito mais a situação. Exemplo disso é Marco Valério, que já deu sinais de inconformismo. O julgamento ainda não terminou, vamos ver como é que fica.

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

MARMOTA DOS DERROTADOS

Dirceu disse que acatará a decisão do Supremo, mas não se calará: "Fui prejulgado e linchado. Não tive, em meu benefício, a presunção de inocência". Agora, "Zé", é muito tarde, você e seu advogado tiveram todo o tempo desde 2003 para preparar a defesa e, por conseguinte, provar sua inocência, se existisse. Preferiram achar que Delúbio tinha razão e que o mensalão seria uma simples piada de salão. Não faltou "presunção de inocência", o que faltou foi erro de cálculo quando assumiram o poder, achando que eram donos das consciências e do dinheiro público. Zombaram da ética e da moral e se julgaram acima de qualquer regra legal. Cabeça erguida, como manda o chefe Lulla, para sua turma é mais uma marmota dos derrotados.

Leila E. Leitão, São Paulo

*

LEMBRANDO JEFFERSON

Ministro mentor e mandante do mensalão: "Sai daí, Zé!".

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

... E AGORA, JOSÉ?

O ex-guerrilheiro, ex-deputado, ex-ministro José Dirceu alega em sua defesa no julgamento e condenação por corrupção ativa, e o será também por formação de quadrilha, não haver nos autos nenhum documento que o incrimine. Ora, faça-me o favor! O que ele queria? Nota Fiscal Paulista com meu CPF anexado aos autos? Aliás, se ele não emitiu a nota fiscal da compra de parlamentares, comete crime de sonegação fiscal, apenas mais um para a sua longa "capivara". Avise-se ao dr. Joaquim Barbosa!

Marcos Mendonça marcao58@yahoo.com.br

São Paulo

*

A CONSCIÊNCIA DOS INDECENTES

Engraçado que um presidente de partido, condição mais que suficiente, ache sua condenação injusta por distribuir dinheiro público a partidos da base do governo, em várias noites escuras. Quais provas queria que apresentassem? Nota fiscal eletrônica, recibo ou duplicata referentes a dinheiro sujo, caixa 2? Fotos da distribuição criminosa, como da Carminha e Max se amassando? Testemunhas?

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

JURISPRUDÊNCIA

Até as pedras de Brasília, que sempre souberam do envolvimento do ex-ministro José Dirceu no mensalão, devem estar pulando de alegria com sua condenação. Está criada jurisprudência no País. Não precisa mais ser apanhado com provas contundentes para mostrar o delito, testemunhas ocultas, indícios levarão bandido para a cadeia. O Brasil, que sempre nos pareceu injusto quando o crime era cometido pelos bandidos de colarinho branco sem jamais serem punidos, hoje está mais limpo. Apesar da visão contrária dos ministros Lewandowski e Toffoli, parabéns aos juízes do STF, que a partir de agora dão um norte à nossa democracia. De agora em diante existe justiça para todos no Brasil. Resta saber de quanto tempo será a pena, para espantar novos predadores do dinheiro público!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

BATMENSALÃO

E o Batman e o Robin não foram capaz de livrar o Coringa!

Guto Pacheco daniguto@uol.com.br

São Paulo

*

CONDENAÇÃO INJUSTA

Foi injusta a condenação de José Genoino (PT) pelo STF. Mensaleiros e culpados notórios, como Zé Dirceu, Delúbio Soares, Roberto Jefferson, Valdemar Costa Neto, etc., foram correta e merecidamente condenados pelo STF. Mas esse não é o caso de Genoino, que é um homem de bem, simples, honesto, lutador, idealista, corajoso e que entrou de gaiato nessa história. Como ex-presidente do PT na época, Genoino estava na hora errada no lugar errado e acabou sendo condenado pela prática de crimes que não cometeu. Seu passado é nobre, como ex-guerrilheiro no Araguaia contra a ditadura militar e ex-professor de História do Colégio Equipe. O STF está dando um ótimo exemplo à Nação brasileira ao condenar políticos corruptos no escândalo do mensalão, mas é preciso separar o joio do trigo, e não se podem condenar pessoas inocentes como José Genoino.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

CRIME E IMPUNIDADE

José Genoino, mensaleiro condenado, pediu afastamento de seu cargo de assessor no Ministério da Defesa, "boquinha" que Lula arrumou com Celso Amorim. Esse senhor recebia dois salários, como deputado federal e como assessor. Ele se diz injustiçado, mas crime e impunidade é com ele, que na década de 70 dava aulas em cursinho em São Paulo sem ter habilitação para isso, foi coautor no caso dos dólares na cueca, com seu irmão, então deputado estadual, morou muitos anos em hotel no centro da cidade e agora vai para presídio de segurança máxima.

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

*

O PIOR CEGO

É simplesmente incrível a miopia petista. Após ser condenado no STF e deixar o (des)governo, José não tão Genoino diz que é "vítima de ficção que se tornou realidade". Está repetindo o discurso do chefe-mor do mensalão, que até agora foi poupado de condenação. O que está faltando para ligar o elo perdido? Se os Zés estão sendo condenados por corrupção ativa, alguém, aliás, muito "desinformado", deve ter coordenado tudo isso. Seria de bom tamanho que todos os brasileiros pudessem ter a exata noção da corrupção engendrada, como nunca antes na História deste país! Alguém conhece o autor dessa horrorosa frase?!

Renato Camargo natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

*

CARTA DA FILHA DE GENOINO

O senador Eduardo Suplicy chorou no plenário ao ler carta escrita pela filha de José Genoino, conforme saiu na imprensa. Por que a filha de Genoino nunca reclamou do excesso de verbas direcionadas, do excesso de poder, das arrumações de empregos e cargos sem pudor? Se Genoino andava quilômetros a pé para ir à escola no Ceará, descontou tudo isto com aviões e ambientes refrigerados à custa do erário! Não tenho pena alguma desses mensaleiros e mensalistas, fizeram muito bem em antecipar a justiça divina! O franciscano Suplicy, com sua imagem de bom velhinho, também deveria comentar sobre o presente enviado a sua ex, a senadora que mendigou votos para ser eleita e abandonou o cargo no emprego, na maior falta de respeito ao seu eleitorado, assumindo um ministério de presente em troca de ajuda, ficou parecendo atos de fisiologismo ou prostituição política. Os homens da capa preta, para fechar com chave de ouro, deveriam exigir todo dinheiro que foi desviado neste mensalão. Os meninos do Ceará (o mesmo Ceará de Genoino, que emocionou o senador chorão), que ainda caminham descalços atrás de escola, água, comida e esperança, agradeceriam imensamente!

Mauricio Villela mauricio@dialdata.com.br

São Paulo

*

CHORO

O sr. Suplicy deveria chorar pelos pais que perderam os filhos porque o hospital público não tinha remédios; pelos estudantes da escola pública que não têm uma educação adequada, pois os professores recebem um salário de fome; pelos que perderam os entes queridos na violência que o Estado não consegue inibir... E tantas outras mazelas decorrentes da corrupção causadas pelos que deveriam lutar para diminuir as injustiças sociais do Brasil.

Abelardo Fraga Jr. abelardo@afdatalink.com.br

São Paulo

*

GENOINO

Genoino está pagando por tudo o que fez durante a guerrilha do Araguaia. Basta rever o que disse o coronel Lício Augusto Maciel na Câmara dos Deputados em 26 de junho de 2005. Certamente a carta dele é mais uma mentira que vai seguir outras tantas.

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

MUDOU O JOGO

Não eleito nas últimas eleições para a Câmara dos Deputados, o então candidato derrotado José Genoino, do PT, foi literalmente encostado no Ministério da Defesa em troca de sua lealdade ou coisa parecida ao PT, ao ex-presidente Lula e também como cabo eleitoral da então candidata à Presidência, a atual presidente Dilma. Vale ressaltar ainda que essa "boquinha" foi dada com total anuência do então ministro da Defesa Nelson Jobim, que não muito depois perdeu o cargo, quando julgou seus pares como sendo todos idiotas ou coisa parecida. Quanto ao ex-deputado e agora ex-assessor, é bom que saiba que seu tempo passou e se não soube aproveita lo a contento o problema é inteiramente seu. E de pouco vale mostrar-se raivoso e não aceitar críticas de outros, como aconteceu no domingo passado, dia de eleições municipais. Criticar outros sempre foi fácil, agora as coisas mudaram.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

INSIGNIFICANTE

O julgamento do mensalão vai aos poucos colocando as pessoas nos seus devidos lugares. Em 2005, quando estourou o caso, Delúbio Soares fez uma avaliação da crise no PT, disse que o julgamento do mensalão não iria para a frente e vaticinou: "Nós seremos vitoriosos, não só na Justiça, mas no processo político. É só ter calma. Em três ou quatro anos, tudo será esclarecido e esquecido, e acabará virando piada de salão". Demoramos sete anos para ver a justiça ser feita, tempo suficiente para Delúbio repensar seus conceitos, apanhar seus cacos e recolher-se à sua insignificância.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

SER PETISTA

Se eu fosse petista, após a condenação criminal pelo Supremo Tribunal Federal, no processo do mensalão, de José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares, eu me desfiliaria do Partido dos Trabalhadores (PT). Eu só permaneceria no PT se esses corruptos criminosos, integrantes da cúpula partidária, fossem sumariamente expulsos da agremiação. Não existe meio termo nesse caso, pois, se um militante toma conhecimento dos crimes praticados pelos membros da direção da agremiação na qual milita e não exige a expulsão desses criminosos nem se desvincula dessa legenda, torna-se cúmplice moral desses bandidos e endossa os crimes por eles praticados, com dinheiro público. Sem essa expulsão sumária, ser petista, a partir de agora, é ser um pária.

Túllio Marco Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.