Fórum dos Leitores

INSEGURANÇA PÚBLICA

O Estado de S.Paulo

22 Outubro 2012 | 07h06

Morte de policiais

Já não está na hora de acabar com esses assassinatos de policiais militares? Embora as autoridades estaduais se queiram eximir, a responsabilidade é inteiramente delas. O que está acontecendo em São Paulo é reflexo da eterna mania brasileira de fazer o serviço pela metade, ou nem isso. O Carandiru foi demolido, os presos foram retirados das delegacias, mas os novos presídios não passam de edições da antiga desorganização, onde os presos flanam livremente pelas galerias sem ter o que fazer, a não ser tramar mais e mais delitos e ameaçar os guardas. Estive recentemente numa cidade do interior que recebeu um desses novos presídios e perdeu totalmente a antiga tranquilidade: nas proximidades dos hotelecos que surgiram para atender os visitantes dos presos é constante a presença de automóveis "tunados", com o som no último volume, e gente bebendo. Isso sem falar no tráfico e na criminalidade geral crescente. Se foi grande o investimento para a construção desses novos presídios, por que não os fizeram direito, com celas suficientes, mais pessoal qualificado para controlar presos e visitas, mais equipamentos, oficinas de trabalho, instrutores, etc.? Se os presídios não forem devidamente controlados, será impossível deter essa onda de assassinatos, pois basta uma dupla de debiloides, uma moto e a certeza da impunidade, gerada pelo empurra-empurra entre polícia e Justiça.

NESTOR R. PEREIRA FILHO

rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

SOS SP

Quando o crime organizado brinca de tiro ao alvo e mata mais de 80 policiais de folga, à paisana, é chegada a hora de convocar o bravo Exército Brasileiro. Basta!

J. S. DECOL

decoljs@globo.com

São Paulo

Violência em São Paulo

Parabéns ao Estadão pela esclarecedora, todavia tenebrosa, série especial sobre a epidemia de homicídios que flagela São Paulo. Exemplar o jornal mostrar a violência e a incompetência policiais, sob a forma dos esquadrões da morte, atrás da escalada dos homicídios. O especial deve ser lido pela grande parte da população que ainda apoia uma polícia violenta e homicida. Isso porque ainda existe no Brasil uma mentalidade arcaica, baseada no Código de Hamurabi, segundo a qual "bandido bom é bandido morto". Trata-se de uma concepção jurássica de fazer justiça com as próprias mãos. Resultado: essa atitude desacreditou as instituições, levou à barbárie e, sobretudo, rebaixou a polícia e o Estado ao nível desses mesmos delinquentes.

DANIEL ARJONA DE A. HARA

haradaniel734@gmail.com

Cotia

CORRUPÇÃO

Condenados se rebelam

Os srs. José Dirceu e José Genoino fazem pouco da inteligência alheia. Se histórico fosse prova de inocência, não haveria criminosos, pois quando do primeiro crime seriam inocentados, perpetuando seu histórico limpo e, portanto, tornando-os para sempre inimputáveis. A realidade é que o poder tende a corromper qualquer cidadão de passado impecável, como se demonstra diuturnamente ao redor deste nosso planeta. A diferença entre o nosso país (em particular neste caso) e outros é que aqui, apesar de condenados, os que detêm (ou detinham) poder continuam a ameaçar o Estado e o regime democrático com sua arrogância, achando-se no direito de seguir manipulando os Poderes da República e o próprio povo. Simplesmente desqualificar o julgamento do mensalão pelo Supremo Tribunal Federal (STF) não torna criminosos inocentes, ao contrário, confirma a sua desqualificação para qualquer função pública.

FILIPPO PARDINI

filippo@pardini.net

São Paulo

Julgado nas urnas

Sr. Genoino, o povo de São Paulo já o julgou na eleição de 2010, quando não o reelegeu deputado federal. O STF (e a Justiça de Minas) só aplicou o Código Penal.

GATTAZ GANEM

gattaz@globo.com

Carapicuíba

Outra História, de arrepiar

Sinto arrepios ao imaginar qual seria a História deste país se os Josés (Dirceu, Genoino, etc.) da chamada esquerda armada tivessem vencido a luta. O julgamento do mensalão expôs o projeto de poder que ambicionavam, podado nos anos 60 pelos militares e agora, legítima e democraticamente, pelo STF. Os fatos trazidos a público pela Justiça desnudam o Lula carismático, pouco democrático e com outras intenções, permitindo seu julgamento pelos brasileiros, mesmo distante das barras dos tribunais.

HONYLDO R. PEREIRA PINTO

honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

CENSURA

Em andamento

Segundo o deputado federal José Guimarães (PT-CE), irmão do réu do mensalão José Genoino, após as eleições os petistas vão retomar a discussão sobre a regulamentação da comunicação no País. Só para relembrar, o deputado em questão teve um assessor preso no aeroporto com uma pasta de dinheiro vivo e US$ 100 mil na cueca. Pelas regras dos debates, já se percebe que a censura está em andamento, visto que a participação de jornalistas não tem sido aceita. O que incomoda os petistas é que seus podres não podem vir à tona. A imprensa só é bem-vinda quando fala bem deles, quando os critica é golpista e deve ser censurada. Vamos mal se a moda pegar.

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

GRUPO EBX

Patrimônio e investimentos

A respeito da matéria Eike tem 72,5% do patrimônio nos EUA (14/10, B12), informamos que o patrimônio do Grupo EBX que deu origem à estrutura internacional da holding foi gerado no exterior. Essa estrutura tem como principal objetivo atrair parceiros estratégicos e acessar fontes de financiamento estrangeiro para os negócios do grupo no Brasil. O EBX realiza expressivos investimentos produtivos no Brasil, que apoiarão nos próximos anos o crescimento do País nos setores de logística, energia, indústria offshore, petróleo e mineração. Os investimentos do grupo somam US$ 15,7 bilhões em apenas dois anos, com benefícios para toda a sociedade, como a criação de riqueza, aumento de arrecadação de impostos e a geração de 20 mil postos de trabalho.

NILSON BRANDÃO JUNIOR, gerente-geral de Relações com a Imprensa e Gestão de Conteúdo

maria.fernanda@ebx.com.br

Rio de Janeiro

N. da R. - O Estado procurou a empresa por duas semanas para saber justamente qual o objetivo do uso de holdings offshore na estrutura societária das companhias de capital aberto do Grupo EBX. A reportagem mostrou que parte do capital das controladas de Eike Batista está no exterior, mas ressaltou que esse tipo de prática não é irregular.

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

O 'GRAND FINALE' DO MENSALÃO

Na última sessão do julgamento do mensalão, o ministro Ricardo Lewandowski mudou seu voto, o que resultou em mais um empate na Corte. Infelizmente, remete-nos ao velho filminho que tem acontecido na Câmara dos Deputados e no Senado nos últimos anos. Existe sempre a ala do contra e a ala a favor, mas que, no final, não passavam de encenação, o que levou sempre à absolvição dos "bandidos do colarinho branco". Quantos deixaram de ser cassados nos últimos anos é um dos exemplos. Como farão o desempate no julgamento do mensalão será o divisor de águas. Se o presidente do tribunal, Carlos Ayres Britto, fará uso do regimento interno, que permite ao presidente o desempate, ou como tem feito até agora, quando prefere ouvir todo o colegiado. Tem agido ultimamente como Pilatos, que preferiu lavar as mãos. Se assim for, o grand finale com certeza será a favor da quadrilha! E não adianta querer nos fazer crer que o que vimos não foi coisa de quadrilha.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

O REVISOR E AS MINISTRAS

O ministro Ricardo Lewandowski, ao fundamentar seu voto para absolver de formação de quadrilha os réus a serem julgados no último item do "mensalão" (incluindo Zé Dirceu), baseou-se, usando artimanha bizarra, nos pareceres de suas colegas Rosa Weber e Carmem Lúcia, que, anteriormente, haviam inocentado outros réus pelo mesmo crime. Fugiram um pouco, as duas ministras citadas, salvo melhor juízo, para tipificar o crime de formação de quadrilha como o diz a Constituição federal, incluindo "ameaça à paz social". Ao fazer isso, o ministro revisor as obriga, praticamente, a votar com ele, já que deverão mostrar coerência e ele, também para isso, volta atrás no voto em que condenara outros políticos pelo crime de formação de quadrilha. Nós, mulheres, estávamos orgulhosas das duas ministras e queremos ver como farão para que não se sintam obrigadas, pelas artimanhas de Ricardo Lewandowski, a absolver esses réus do "mensalão", denunciados pelo Ministério Público e pelo ministro relator, pelo crime de formação de quadrilha.

Eni Maria Martin de Carvalho enimartin@uol.com.br

Botucatu

*

RABO PRESO

Tenho 85 anos. Já fui serventuário da Justiça e sempre achei que, com um pouco de minha ajuda, com a modernização e com a competência e seriedade de muitos, a nossa Justiça chegaria a um ponto em que jamais se poderia duvidar da sua liberdade e altivez. Para minha decepção, vejo que a justiça está dividida. É para mim difícil acreditar que chegamos a esse ponto. Um ilustre Joaquim Barbosa, por mérito, é eleito relator da Ação Penal 470 (mensalão) e, com honestidade, competência e lucidez, dá seu voto dentro do maior espírito de justiça, aliás, satisfazendo a maioria do povo brasileiro, que já havia feito esse julgamento antes. Eis que o cidadão Ricardo Lewandowski, que tem o rabo preso com o "cumpanhero", acha que o respeitável Joaquim Barbosa não sabe nada de justiça e tenta anular completamente tudo o que foi julgado. Se tudo der certo e meu corpo aguentar, vou me mudar para o Paraguai.

Mario Teixeira de Camargo mt.camargo@hotmail.com

São Paulo

*

A CULPA É DO MOTORISTA

Incrível a atitude do ministro Lewandowski. Reconhece que houve o mensalão, porém ninguém é responsável pelo roubo. Não há patrões nem mordomos. Talvez apenas o motorista e, quem sabe, o lavador do carro.

J. Treffis jotatreffis@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

CONTRA A PAZ PÚBLICA

É lamentável a falta de entendimento (?) do revisor quando absolve os réus do mensalão, alegando não haver formação de quadrilha ou bando, pois Dirceu & Cia. não atentaram contra a paz pública para praticar os crimes. Ora, senhor ministro, neste país, a paz pública não existe há muito tempo. Como pode um cidadão ter paz, se não tem segurança, é escorchado pelos impostos, não tem um serviço de saúde à altura da dignidade de um ser humano, não vê a "Justiça" prender os poderosos (que são os maiores criminosos), não tem um sistema de educação que realmente prepare nossas crianças e jovens para serem verdadeiros cidadãos. O que o Sr. pensa que causam os atos de vandalismo contra trens, ônibus, repartições públicas, etc.? É a falta de dignidade de quem ocupa altos cargos na administração pública (Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário), pela impunidade que reina neste país, onde uma pobre mulher que surrupiou apenas um pote de margarina para satisfazer a vontade de sua filha é jogada na cadeia, onde mofa por vários meses, enquanto os que detêm o poder nas mãos formam uma verdadeira quadrilha para assaltar os cofres públicos (portanto o bolso dos brasileiros), com a finalidade espúria de procurar manter-se no poder a qualquer custo. Os poderes constituídos nesta Nação têm o dever moral e constitucional de dar o exemplo aos cidadãos brasileiros, exercendo suas funções com a dignidade que seus cargos exigem. Procure, Sr. ministro, e os que acompanharem seu voto de absolvição dessa verdadeira quadrilha, sentir o pensamento e o sentimento do povo. Quanto ao artigo mencionado pelo Sr., publicado no O Estado de S. Paulo na edição de quinta-feira (18/10), também o li, pois sou assinante do jornal, mas me pergunto que interesses são ali defendidos, pois no formato da matéria, salvo melhor juízo, a mesma foi paga. Espero que leia este desabafo e que acompanhe os outros leitores em suas manifestações.

Walter Simões waltersimoesdx@hotmail.com

Santos

*

FACCIOSIDADE

Absolver Valdemar Costa Neto é demais, não é não, senhor ministro Lewandowski? É por essas estranhas decisões que o Brasil se consagrou por longos anos como o país da impunidade.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

ENJOO

Data vênia: antes de vomitar, meus parabéns, Lewandowski!

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

A CREDIBILIDADE DO JUDICIÁRIO

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) tiveram sua maior e mais longa exposição com o julgamento do mensalão. Ficou evidente que dois deles, Lewandowski e Toffoli, destoaram de forma incompreensível dos demais, em vários quesitos, e isso não foi coincidência. Todos sabem a ligação estreita que os dois mantiveram com membros do PT no passado, e foi grave distorção ética não ter sido dada a devida consideração a este fato, por todos os ministros, antes do julgamento. Por mais que a instituição, como um todo, e os juízes, em particular, jurem neutralidade e isenção, isso nem sempre é possível, como ficou claro aos olhos do público. É imperativo que o Judiciário lide com esta questão de outra forma no futuro, se é que dá valor a sua credibilidade.

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

BATE-BOCA

Não somos juízes, muito menos pretendemos nos comparar a eles, porém não somos desonestos, burros, idiotas, muito menos parciais para agirmos de forma tendenciosa, insensata e inescrupulosa, como está agindo o revisor do mensalão, o ministro Ricardo Lewandowski, que, além de discordar praticamente em tudo do relator, o ministro Joaquim Barbosa, chegando até a ameaçá-lo, como vimos pela televisão. É preciso passar um pente fino nas suas decisões. Inclusive agora que, misteriosamente, mudando seu voto, absolve réus anteriormente condenados por ele.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

A INOCÊNCIA DE JOSÉ DIRCEU

Lewandowski absolve todos os réus acusados de formação de quadrilha (Estado, 18/10). O ministro Lewandowski justifica a "inocência" dos quadrilheiros usando firulas jurídicas que não convencem nem quem acredita em coelho da páscoa. Conta outra, ministro.

Vitório F. Massoni suporte@eam.com.br

São Paulo

*

VERGONHA NACIONAL

Os deputados federais, como se a Nação não precisasse mais deles, ou, que tenham chegado à conclusão de que são inúteis para a Câmara dos Deputados, regulamentam em causa própria o frescor de quatro dias de descanso. Ou seja, doravante, somente terão a obrigação de trabalhar em Brasília de terça a quinta feira. Para esta reivindicação, não precisaram fazer greve, e tampouco houve a intervenção de sindicatos! Apenas, como péssimos legisladores que são, mandaram às favas os votos que receberam nas urnas, e assim também a nossa Constituição, que diz que "todos são iguais perante a lei"... O que não é esta realidade para um trabalhador comum, que no mínimo é obrigado a trabalhar de segunda a sexta feira... Mas, perante a lei dos 513 membros da Casa, que um dia o Lula, os chamou de picaretas, só que desta vez também se incluem os seus camaradas petistas, esses parlamentares afrontam a Nação, mesmo recebendo altos proventos, verbas especiais, e em muitos casos até os ditos mensalões. O País não pode se silenciar perante esta excrescência institucional! Isso é mais do que decoro parlamentar! A Câmara com esse exemplo deplorável dá mostras que não tem responsabilidade, e tampouco estatura moral para representar o povo brasileiro. É bom lembrar que o povo acordou com as caras pintadas, e derrubou um presidente! Recentemente, reuniu 3 milhões de assinaturas que redundou na Lei da Ficha Limpa. E agora, finalizando o julgamento, o Supremo implacavelmente está condenando representantes da Câmara dos Deputados, que somente se prestaram a votar projetos no governo Lula, em troca de recursos desviados no erário. Portanto, por que não uma mobilização também da sociedade para colocar no devido lugar a indiferença desses 513 deputados que se lixam para a população?! A hora é esta...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

O ENGANO DE FHC

O engano de Fernando Henrique Cardoso foi provavelmente motivado pelo fato de que falamos, em geral, com uma visão do o meio em que vivemos, quando ele disse: "Se a população não fosse tolerante, não elegeria tantos políticos corruptos" (revista Veja, 17/10). O meio político é tolerante, a população, não. Esta não sabe, apenas, não tem cultura e vota porque é obrigada, porque vai ganhar algo com isso ou mesmo, porque tem esperança em melhorar de vida. O fato real, incontestável, é que a imensa maioria do povo é inculta e os eleitores não têm como selecionar capacitação, moral, honestidade, mesmo nos pequenos centros. Sua cultura atinge apenas o futebol, a novela das oito e as fofocas do bar. Assim, quem elege os corruptos indicados pelas elites políticas é um povo inculto que faz a maioria composta de 10% de analfabetos, cerca de 70% saindo da escola de base analfabeto funcional (não entende o que lê), só 8% da população com ensino superior e 14% saem também de faculdades, igualmente analfabetos funcionais. Como pode esse eleitorado votar bem, escolher candidatos, se a grande maioria nem sequer sabe o que significa corrupção? Para que soubesse, governos precisariam esforçar-se mais na qualidade da educação elementar, com o que certamente ficaria dispensado de enganar o povo com Copas do Mundo, com Bolsas-Família, com dezenas de serviços de apoio comunitário, e as pessoas poderiam ter melhores salários, melhor saúde, melhor educação dos filhos e contribuir para uma nação de melhor qualidade. Estamos tentando construir uma democracia sobre esse meio em que vivemos, o que é praticamente impossível. Somos apenas um pobre Estado sul-americano, com um grande território.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

VOTAR É PRECISO

Não votar é uma omissão cívica e nada mais do que isso. O sujeito deste ato está e estará fadado a não se meter em nada; porém já se meteu pela forma que o escrutínio é apurado e apontado no Brasil e onde o voto de um nordestino analfabeto vale tanto quanto o de cento e cinquenta universitários cariocas ou paulistas. A omissão é chamada de neutralidade em bom dicionário; porém em civismo é explícita covardia, pois o voto é elemento fulcral na ação democrática e republicana. Isso (render-se à omissão) significa apoiar aquele que, obviamente, vencerá. Para ele - o covarde, não importa o resultado, e aos participes do processo eleitoral, sejam de uma corrente ou outra, sequer se importam em saber a opinião de quem se acovarda nas sobras da quirela. Pessoalmente, entendo que se nem participar deseja tal elemento no processo eleitoral, não lhe caberá direito algum em criticar qualquer candidato, ou governante, nem mesmo os mensaleiros, pois como omisso ele sempre apoia os vencedores dos escrutínios - é um derrotado moral, pois elege a todos governantes e depois crítica a quem notadamente ajudou a preferir. Ora não sabe que de seu ato surtirá efeitos positivos e/ou negativos em sua vida e aos demais cidadãos? Não tem respeito próprio e nem ao próximo. Ele nunca terá razão em qualquer situação ou pleito, afinal não opinou! Quem não participa não está habilitado frente aos que se expuseram pelos interesses comuns a todos da sociedade, ou seja, exerceram sua cidadania. Ser cidadão não é somente, cobrar direitos, mas ter obrigações; e escolher quem representará o povo ou evitar que fichas sujas o façam, sendo assim é uma grande obrigação de cada um de nós. Hélio Bicudo proclamou recentemente que no Brasil de hoje é um crime quase que hediondo a não participação cívica. Rui Barbosa, no século passado nos legou que a "maior é a vergonha não é a derrota, mas sim aquela de não ter lutado" - acrescento que a pior é de ser taxado de covarde, como não votar e cacarejar sob qualquer estereótipo estúpido e infame de que na democracia não há saída contra a politicalha. Muito desses omissos ou anuladores profissionais, devassos da prática republicana e até por maioria dizem "estou bem, o resto que se dane". Há milhões de pessoas com esse comportamento no Brasil. Pois quando as coisas vão mal pedem ajuda ao "resto que antes mandaram se danar". Assim no Brasil impera o egoísmo em uma raça dividida, explorada por agiotas, sem solidariedade entre cidadãos, onde não se encontra honestidade nos homens públicos. Nutrimos a falta de consciência cívica e moral que vagabundos exploram e se beneficiam, assim impuseram como a bandeira no Planalto central. É hora do basta, seja agora ou não, mas pelo voto é que esses canalhas entraram e é por ele que devem sair; e quão maior descrença se impuser às práticas democráticas e republicanas estaremos sim fazendo com que essa gentalha, seja de um partido ou outro, de uma região ou de outra, permaneça no poder de nossa Pátria. Solidariedade, cidadania e dignidade no seio de nosso povo é o que mais precisamos.

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

BARBAS DE MOLHO

O apoio de Gabriel Chalita (PMDB) à candidatura de Fernando Haddad (PT) à Prefeitura de São Paulo poderá lhe render um Ministério no governo Dilma Rousseff. Presumo que Aloizio Mercadante pode colocar suas barbas de molho...

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

PERGUNTAS PARA HADDAD

1)Por que, de 2008 para cá, a verba destinada às universidades federais cresceu 142% (mais de R$ 1,2 bilhão para R$ 2,9 bilhão) e, mesmo assim, as instituições têm hoje 178 obras paralisadas ou canceladas? Onde foi parar tanto dinheiro? 2) O recém-empossado ministro da Educação, Aloizio Mercadante, admitiu que o número de 633 creches do Proinfância apregoados e em funcionamento, na verdade, não passa de 292... e sua explicação para o atraso é de que "demoramos seis meses para licitar e em torno de dois anos para construir um creche". Pergunto eu: em dois anos e meio, quantos estádios de futebol foram construídos para a Copa do Mundo? E quantos deles não terão função social alguma depois que a febre da Copa passar? Parece que construir creche requer uma engenharia sofisticada demais, visto o tempo que demanda para o projeto sair do papel.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

COTAS DE 50% PARA ENSINO PÚBLICO

Uma nova modalidade de "transferir riqueza" para quem já é rico. Haverá uma enxurrada de "alunos ricos" nas escolas públicas, que mesmo que ruim e mal administrada, o aluno rico compensará a lambança com cursinhos particulares, que colocarão os alunos ricos das escolas públicas, em vantagem com os próprios alunos pobres. Burrice em cima de burrice, foi assim que a URSS faliu, e fazemos a mesma coisa na ditadura socialista do "pudê"! Conseguimos o que é ruim, que é comunismo, se associar com o que é pior, o coronelismo do "pudê", todos juntos, transformam o erário em Casa da Mãe Joana.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

MULTAS E MULTAS

Perguntar não ofende: será que, se empresa aérea envolvida na recente interdição da pista do Aeroporto de Viracopos fosse, ao invés de norte-americana, venezuelana ou cubana, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) aplicaria a multa de R$ 2,8 milhões?

Paulo Ribeiro de Carvalho Jr. paulorcc@uol.com.br

São Paulo

*

VIRACOPOS

O problema, semana passada, no Aeroporto de Viracopos não foi causado pela ausência de guindastes e equipamentos afins, para retirada da pista do cargueiro avariado. O problema de Viracopos sempre foi a ausência de uma segunda pista, lacuna inaceitável num aeroporto de tal envergadura. É curioso constatar que esse aspecto nunca foi abordado pelas autoridades, e nem o será, por motivos óbvios.

Nelson Carvalho nscarv@gmail.com

São Paulo

*

REFORMA URGENTE

Tempos atrás, quando havia suspensão de voos em Cumbica, periódicos de Campinas exaltavam a condição do Aeroporto de Viracopos, que era subutilizado. Diziam que Viracopos era o mais importante aeroporto de São Paulo e que Cumbica fora construído à revelia da população, etc., etc. O que não sabiam (as autoridades, sim) é que Viracopos tinha somente uma pista. Faltava estrutura para suportar grande tráfego. Agora todos sabem. Reforma urgente! Que a Copa do Mundo vem aí. Que sejam construídas mais duas pistas e um estacionamento igual ao de Congonhas.

Francisco Cardoso de Oliveira advfcardoso@gmail.com

Campinas

*

PAÍS RICO

O bicho vai pegar em 2014. Fomos escolhidos em outubro de 2007 para sediar a Copa do Mundo em 2014, mas avançamos em quase nada. Há poucos dias mesmo tomamos um susto que serve de alerta. Um dos mais importantes aeroportos do País, Viracopos, ficou paralisado durante 48 horas e isso foi suficiente para refletir em todo o Brasil. Dilma e Lula, a mãe do PAC e o pai da corrupção, serão os culpados pelo desleixo, deixando tudo para a última hora a fim de, a toque de caixa, extrapolar os já vultosos gastos, inicialmente previstos, por causa da premência em executá-los. A ineficiência brasileira em solucionar problemas é gritante. Estamos às vésperas da Copa do Mundo e a paralisação de um dos nossos principais aeroportos, obstruído por 46 horas, comprometeu toda a malha aeroviária. O custo no transporte para exportação dos produtos agrícolas brasileiros, em relação aos norte-americanos, é 30% maior. Os crescentes malfeitos, culminando com o Mensalão, sob as barbas da nossa principal liderança política, com sua aquiescência e proteção, finalmente estão em vias de branda punição, quando deveria ser exemplar para desestimular a corrupção. O nióbio é um raro componente para ligas especiais, sem o qual não se fabricam turbinas, naves espaciais, aviões, mísseis, centrais elétricas, aparelhos de ressonância magnética usados na área da saúde e super aços e o Brasil detém 98% das reservas mundiais, mas é exportado clandestinamente num claro indício de cumplicidade com os "amigos" do poder, enquanto o Canadá, com apenas 2%, explorado racionalmente, dispõe de serviços básicos de qualidade (educação, saúde, infraestrutura, segurança e etc.), além de uma carga tributária civilizada. Para arrecadar e não conflitar com as lideranças sindicais entulha as ruas e rodovias de veículos, mas não adéqua as ruas e rodovias para comportar o tráfego. É crescente o déficit da nossa previdência, em parte devido aos beneficiários que jamais contribuíram. A fértil imaginação na criação de autênticas esmolas disseminadas aos mais humildes, consta do projeto para se manter no poder, dispensando, como aconteceu na última década, ausência de austeridade e projeto de governo. A imposição de cotas para ingresso nas universidades públicas é um cabal atestado da péssima qualidade no ensino público básico. Nossas crianças não têm, a exemplo de países adiantados, escola em tempo integral, daí a punição aos pais ou empregadores que dão serviços às crianças ou então, sem atividade, descambam para a marginalidade. Somos um país onde não se respeita o direito de propriedade, onde os invasores, com freqüência, danificam o patrimônio alheio e não são punidos e quando o são, o são apenas simbolicamente. Apesar dos pesares somos um país rico. Damo-nos ao luxo de, sem plano de governo, a título de cabide de empregos, manter 37 ministérios e uma porção de secretarias ao nível de ministério. O Brasil é pessimamente administrado, com uma carga tributária beirando a 40%, mas carente de tudo. No entanto os nossos líderes são probos em administrar suas próprias finanças, daí o rápido enriquecimento de quase todos eles.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

ITAQUERÃO

É revoltante que os custos das obras de construção do estádio Itaquerão tenham triplicado em apenas dez meses, já atingindo a absurda quantia de R$ 385 milhões. É inaceitável que o dinheiro público seja desperdiçado dessa forma, na construção de um estádio de futebol de um clube privado, no caso, o Corinthians. O dinheiro do povo não pode ser jogado no lixo. Quantas escolas, hospitais e creches não seriam construídos com esse dinheiro? É um grave crime que estão praticando contra o povo brasileiro e os cofres públicos. O ex-presidente Lula deveria ser pessoalmente responsabilizado por tal crime. Obra superfaturada e mau uso de dinheiro público, para fins privados. Lamentável.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

DINHEIRO MAL INVESTIDO

O estádio Fonte Nova, na Bahia, entra no primeiro mundo das arenas (caderno de Esportes, reportagem de Almeida e Paulo Favero, 14/10/2012). Creio que uma grande parte do dinheiro da população será investida nesse estádio, que será feito num lugar que precisa muito investir na saúde e na segurança (Salvador). Deveriam pensar melhor e gastar o dinheiro da população com o que realmente seria importante para a cidade e o Estado.

Jonas Machado Silva jonas_santosfut2011@hotmail.com

São Sebastião

*

REFORMA TRIBUTÁRIA

O editorial Qual reforma tributária (16/10, A3) parece concluir com uma constatação melancólica e frustrante no sentido de que a reforma - em termos estruturais, como seria desejável - jamais será feita, na percepção de O Estado. Isso é correto porquanto o nó górdio está no ICMS, assunto dominado pelos governadores que não querem - e não podem, sob pena de suicídio político -, perder receitas. O pano de fundo não é um mal federalismo brasileiro, ao contrário da excelência do federalismo americano, estrutura mais relevante de seu sistema constitucional. É a inexistência de um federalismo, que, nas terras situadas acima do Rio Grande, consumiu por anos os neurônios de seus políticos mais inteligentes, como se vê de O Federalista. E, no Brasil, o federalismo não passa de um agregado de estados-membros, incriterioso e antropofágico.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

IMPOSTOS X O QUE NOS É OFERECIDO

A seguir, uma lista dos dez principais impostos no Brasil, que respondem por 86% da arrecadação (fonte: RFB 2010 e jornal Estadão): 1º) ICMS: 21,09%; 2º) IR: 17,53%; 3º) INSS: 17,41%; 4º) Cofins: 11,43%; 5º) FGTS: 5,07%; 6º) CSLL: 3,74%; 7º) IPI: 3,06%; 8º) PIS: 2,49%; 9º) ISS: 2,25%; e 10º) IOF: 2,18%. Como podemos pensar em abrir uma empresa ou um comércio neste país? E o que temos em troca do governo? Temos o mensalão (quero ver devolverem o dinheiro) e, agora, aprovado pelos deputados federais, eles não vão mais trabalhar às segundas e sextas-feiras! Pode uma coisa dessa?

Nelson do Nascimento Cepeda fazoka@terra.com.br

São Paulo

*

REDUÇÃO DO IPI

Aproximando-se do final do prazo de redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para autos, começamos a perceber uma propaganda mais direcionada e também a percepção de que o povo brasileiro, lamentavelmente, mesmo tendo condições de ir a lojas e comprar seu carro "novinho", não é capaz de uma análise do atual quadro da economia nacional. Não consegue enxergar que: a economia vai mal (muito mal); que a arrecadação federal cai mensalmente; que as medidas "populistas" do governo não estão mais fazendo efeito; que o governo não tem como não manter o atual "benefício". E, portanto, para que correria, se nada vai mudar? O consumidor precisa ter um pouquinho de sensibilidade e tirar proveito de situações como a que se apresenta. Segurem seu ímpeto e serão beneficiados um pouco mais à frente. É esperar e conferir.

Haroldo Eustaquio Rocha haroldoerocha@ig.com.br

São Paulo

*

NOVAS EXIGÊNCIAS PARA RECOLHER MENOS IPI

Para atingir novas metas de economia de combustíveis, estabelecidas pelo governo, bastará que indústria automobilística acabe com o motor bicombustível flex, passando a produzir motores a gasolina e a álcool com taxas de compressão diferenciadas.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

O PREÇO DOS COMBUSTÍVEIS

O preço de custo de um litro de gasolina é R$ 1,25 já o seu preço de venda ao consumidor é R$ 2,80. Essa diferença de R$1,55 por litro se deve a impostos, taxas e lucros envolvidos. O que espanta é que toda vez que se fala em aumento de preço da gasolina, o consumidor é sempre o escolhido para pagar a conta. Esquece-se completa e convenientemente daquela diferença de R$ 1,55 que poderia ser enxugada para remunerar melhor a Petrobrás, e ainda mantendo o preço final, sem onerar ainda mais o consumidor, como acontece em outros países menos ávidos de taxas, tributos e lucros.

Gustavo Guimarães da Veiga gjgveiga@hotmail.com

São Paulo

*

'CABRESTO NA PETROBRÁS'

Sobre a opinião Cabresto na Petrobrás (18/10/2012), acrescento que vivemos uma situação paradoxal. O Brasil é praticamente autossuficiente na produção de combustíveis, mas o consumidor final paga caro para abastecer. Consequentemente, o preço dos transportes acaba puxando para cima os índices inflacionários. De qualquer forma, não duvido que haja aumento no preço dos derivados de petróleo, logo após 28 de outubro (data do segundo turno das eleições).

Luciano Nogueira Marmontel automat_br@ig.com.br

Pouso Alegre (MG)

*

MONTADORAS NO BRASIL

O ministro do Comércio Exterior, Fernando Pimentel, acaba de anunciar que, em mais três anos, o Brasil terá mais cinco montadoras de veículos. Pelo andar da carruagem, em pouco tempo até as reservas indígenas terão suas montadoras. Lá pelo ano de 2025, nós brasileiros estaremos andando nos carros do ano e da moda, comprados por preços estratosféricos, e comendo risoto de arruelas, chapas de aço a milanesa e feijoada feita de sucatas de carros abandonados por falta de pagamento. Quem viver verá!

Roberto Stavale bobstal@dglnet.com.br

São Paulo

*

PROMESSA AMEAÇADA

Prometer pelo simples fato de usar uma das principais armas do governo, cimento da demagogia petista a presidente Dilma, recentemente ocupou horário em rede nacional de televisão, no dia 7 de setembro, para fanfarronar uma redução média de 20% no preço da energia elétrica, sendo 16,2% para os consumidores residenciais. Estávamos a um mês do primeiro turno das eleições municipais. Segundo o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), isso vai depender das geradoras quanto à renovação das concessões que o governo quer antecipar, e que vencem entre 2015 e 2017. Nem todas acolherão a proposta do governo, o que tornará inviável o cumprimento da bondade da presidente, o que pode trazer inflação e transformar em mais uma embromação eleitoreira a proposta, pois já se ouvem rumores de aumento da energia elétrica e dos combustíveis, o que alimentará mais ainda a inflação, que já está fazendo estragos no orçamento das famílias. Entretanto, pela desenvoltura da dupla Lula/Dilma nas urnas, nada como mais uma novela global, futebol e carnaval e povo se sentirá como "pinto no lixo".

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

INFLAÇÃO

Aumentos proibitivos percebemos quando passamos semanalmente, no meu caso, no caixa dos supermercados. Reconhecer que há produtos importantes para uma alimentação saudável que estão até 20% mais caros. Onde andarão os senhores que calculam os índices da inflação que dizem estar abaixo dos 5%? Não vai demorar muito para que esse desgoverno populista seja cobrado pelos cidadãos da "nova classe média" que se verão como enganados pelas lindas palavras jogadas ao vento por aqueles que se julgam donos da verdade e que incentivaram que os mesmos se endividassem. Não irá demorar muito!

Leila E. Leitão

São Paulo

*

GOVERNOS CRUÉIS

Segundo pesquisa recente, há cerca de 2 milhões de famílias altamente endividadas somente na cidade de São Paulo. Boa parte dessas famílias é constituída de aposentados do INSS que foram incentivados pelo então presidente Lula a contrair empréstimo consignado perante o BMG (aquele do Mensalão...), para, simplesmente, comprar. O incentivo consumista visava a fazer com que o país evitasse que a "marolinha" que afetava a economia mundial o atingisse. Saiu Lula entrou Dilma e o incentivo ao endividamento das famílias continuou. E agora o que se vê? A alegria e o sorriso dos paulistanos se foram. O que se vê são "carrancas" por todo canto traduzidas por mal comportamento seja no trânsito, na fila da padaria, dos supermercados, etc. Pois é, além de todas as mazelas éticas que o PT introduziu no país desde que assumiu o poder, podemos acrescentar mais essa. A de tirar a alegria dos paulistanos e por extensão do povo brasileiro que agora não sabe como sair da enrascada do endividamento em que foi metido com o incentivo dos governos Lula e Dilma. E não adianta toda essa campanha pela redução dos juros encetada por Dilma; os bancos privados nunca perdem! Os estatais sim, mas aí quem paga o prejuízo é o cidadão que paga impostos, né? Além disso, perde, na verdade, a sociedade por ter colocado no poder um pessoal "bom de bico" mas muito ruim de serviço. Que o diga as obras faraônicas do emPACado programa do PT. O Nordeste não tem água mas muita gente tem muito dinheiro no bolso (ou nas cuecas!).

Rubens Salvador Valneiros rvalneir@gmail.com

Barueri

*

CADASTRO POSITIVO

Hoje, com a maior facilidade, estelionatários têm acesso a todas as informações cadastrais de qualquer cidadão: clonagens, cópias de documentos, cadastros falsos - feitos, quem sabe, até com a ajuda de pessoal interno de bancos e financeiras. Com a aprovação do Cadastro Positivo e sua fácil e irresponsável divulgação, o risco para o cidadão honesto, cumpridor de suas obrigações será incrivelmente maior do que os benefícios que poderá receber. Além dos inconvenientes acessos de telemarketing e e-mails de instituições "interessadíssimas" nos honestos.

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

FLEXIBILIZAÇÃO DO DÓLAR

Prezada presidenta Dilma, venho por meio desta mensagem defender maior flexibilização do dólar, principalmente para baixos valores. Uma vez, na época do péssimo governo Fernando Henrique, em que havia uma pressão para voltar a controlar o valor do dólar em relação ao real numa discussão na Gazeta Mercantil, enviei um e-mail para a redação do jornal criticando estas intenções e salientando a importância da flexibilização do dólar. Houve respostas positivas ao e-mail, publicado pela Gazeta Mercantil, inclusive de pessoas da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Neste e-mail eu comparava a flexibilidade do dólar com o sistema de suspensão dos veículos: as molas dão flexibilidade e os amortecedores reduzem os impactos. As intervenções do Banco Central funcionam como os amortecedores e a flexibilidade da moeda funciona como as molas. A fixação do valor do dólar equivale ao enrijecimento do sistema de suspensão, tornando a direção perigosa e desconfortável. O mecanismo de suspensão absorve os impactos externos, comparáveis às crises e tensões internacionais. Posteriormente, um dos principais ministros do FHC participante da reunião do Copom/CVM fez uma comparação semelhante, mas inadequada, como se a flexibilidade do dólar fosse equivalente a um colchão de água ou de mola (onde a economia do Brasil poderia despencar sem danos?). De fato, o governo FHC fez nossa economia despencar e a flexibilidade do dólar ajudou a amortecer os impactos. Recomendo que seu governo dirija a economia mantendo maior flexibilidade do dólar, especialmente para cair ajudando a combater a inflação sem aumento de juros num momento de recessão mundial, de forma a tornar nossa economia resistente aos impactos e tensões externos.

Raphael Fonseca prof.raphael@ig.com.br

São Paulo

*

UM PRÊMIO PELA A INAÇÃO DO GOVERNO

Correu o mundo a notícia vinda da Índia, de que o Brasil recebeu o Troféu Dodô para segunda vez, da Convenção da Diversidade Biológica (CBD), um braço da ONU, pelo Meio Ambiente, que estão reunidos na Índia. O troféu Dodô é a réplica de um pássaro já extinto há quatro séculos e que vivia nas Ilhas Mauricio. As razões para a premiação estão na falta de preocupação do governo brasileiro com a biodiversidade e o desmatamento, principalmente na Amazônia, que é o grande habitat das espécies da nossa biodiversidade. Triste prêmio, para quem não cuida da natureza e da sua biodiversidade.

Jose Pedro Naisser @Globalecologist

Curitiba

*

UM APELO URGENTE

O depoimento a seguir é de minha amiga Viviane Suzin. Essa mãe precisa urgente de uma reforma na sua casa, se não o filho dela vai para um lar de adoção. Vou contar um pouco da história dele. O Breno é um bebê de 1 ano e 5 meses que conheci no Hospital Incor, em São Paulo. Passou pelo Hospital Santa Marcelina em Itaquaquecetuba, São Paulo. Ficou 2 meses de alta no hospital, mas não pode ir para casa, porque a família é muito pobre, a casa é inadequada para ele, tem rachaduras e infiltração, mofo, e a maior problema é com a energia elétrica. O Breno não pode ficar sem oxigênio porque satura muito baixo. Conheci essa família quando meu filho, Cauê Suzin, foi internado, ele e o Breno praticamente foram internados juntos. Eu e a mãe dele passamos meses juntas na UTI. Meu filho fez transplante de coração e, como estava com os órgãos muito comprometidos, em abril deste ano acabou falecendo, e o Breno continua lutando para viver. A mãe dele está desesperada porque não pode levá-lo para casa. A mãe conseguiu, com a Secretaria da Saúde, o oxigênio e outros materiais de que o Breno precisa, mas o maior problema é a casa. Lá, no lar, a Betânia vai poder visitá-lo a cada 15 dias. Depois, se ela conseguir a reforma da casa, vai poder levá-lo para casa, vai poder cuidar e ficar com ele. Na sexta-feira (19/10), depois de a Band fazer uma reportagem, conseguiram que ele voltasse ao Incor para passar por especialistas e fazer exames. Mas precisamos dar condições de moradia a ele, para que, quando tenha alta novamente, fique com a mãezinha dele, e não vá para o abrigo. O Breno nasceu com Tetralogia de Fallot, um defeito cardíaco congênito, e nasceu com atresia de coanas, uma obstrução nasal (não tem os furinhos do nariz). Ele está com encefalopatia (problemas no cérebro) e pneumopatia (problema nos pulmões). O nome da mãe: Betânia de Jesus Glabalos. Criança: Breno Henrique Glabalos Santos. Endereço: Estrada Valter da Silva Costa, 570 - Bairro Viela da Paz - casa 7, Vila Sônia, Itaquaquecetuba, São Paulo. Celular da Betânia: (11) 96039-1287. A Betânia é uma pessoa pobre, humilde, eu gosto muito dela, nunca abandonou o Breno, ela merece ficar com ele. Nossos governantes deveriam roubar menos o dinheiro dos nossos impostos e ajudar essa mãe, dar condições para ela ficar e cuidar do seu filho, e ajudar as outras que estão nessa mesma situação.

Viviane Suzin vivianesuzin@tnnet.com.br

Concórdia (SC)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.