Fórum dos Leitores

INSEGURANÇA PÚBLICA

O Estado de S.Paulo

23 Outubro 2012 | 03h07

Indignação

Até quando nossos jovens serão assassinados sem que se tomem providências? Neste fim de semana trágico, mais de uma dezena de assassinatos na capital paulista, dentre eles o da jovem Caroline Silva Lee, de 15 anos, morta a tiros durante roubo em Higienópolis. Quantas vidas serão ceifadas para que vejamos um policiamento efetivo e constante nas ruas? Ausência de policiamento preventivo e falta de iluminação pública são fatos que precisam ser revistos pelas autoridades. Enquanto isso não ocorrer, vamos continuar a ver nossos jovens, nossos amigos perdendo a vida.

ARI FRIEDENBACH

afriedenbach@gmail.com

São Paulo

Tolerância zero

O assassinato da adolescente em Higienópolis poderia ter sido evitado se o carro utilizado pelos criminosos, roubado dias antes pelos próprios, tivesse sido localizado e os bandidos, capturados. É a isso que se dá o nome de tolerância zero e é isso que as autoridades precisam entender. Ou seja, investigar qualquer tipo de crime com a mesma veemência.

LUCIANO HARARY

lharary@hotmail.com

São Paulo

Higienópolis pede socorro!

Quase todos os restaurantes do bairro já foram assaltados. Arrastões todas as semanas, sequestros em plena luz do dia e, na madrugada de domingo, o bárbaro assassinato da estudante Caroline Silva Lee foi a gota d'água. Ontem moradores do bairro, reunidos em massa no local do crime, na Rua Sabará, disseram basta e programaram manifestação de protesto, a ser realizada no próximo sábado à tarde, na Praça Buenos Aires. Compareçam!

ARSONVAL MAZZUCCO MUNIZ

arsonval.muniz@superig.com.br

São Paulo

Código de Hamurabi

O leitor sr. Daniel Arjona de A. Hara (Violência em São Paulo, 22/10) critica a existência no Brasil de uma mentalidade arcaica baseada no Código de Hamurabi (sic). Ora, diz a História Geral que Hamurabi organizou a Babilônia com seu conjunto de leis escritas. Não é exatamente disto que precisamos, que ponham ordem nesta babilônia?

HERMÍNIO SILVA JÚNIOR

hsilvajr@terra.com.br

São Paulo

Terrorismo

Assistindo, horrorizados, ao número crescente de assassinatos de PMs a sangue frio, fica a impressão de que o governo estadual perdeu totalmente o controle sobre a segurança pública, estando refém de grupos extremamente bem organizados, possuidores de estrutura tanto material como humana, cujo objetivo é desafiar, desmoralizar e demonstrar força superior à das Polícias Militar e Civil. Pergunto, então, se não é chegada a hora de tratar essas ações como "atos terroristas". Tais assassinatos, como ordens de fechamento de estabelecimentos comerciais e explosões de caixas eletrônicos, me parecem caracterizar bem a intenção de levar o terror à população. Evidente que há implicações políticas envolvidas numa mudança de enfoque desse tipo, mas é necessário que o governo dê um basta e volte a ter o controle da segurança.

HELEO POHLMANN BRAGA

heleo.braga@hotmail.com

Ribeirão Preto

Substituição do técnico

Temos visto sucessivas substituições dos técnicos dos times de futebol quando não logram sucesso nas suas empreitadas. A regra deve valer também para o governador do Estado em relação à grave situação da polícia. Parece evidente e necessária a substituição do seu técnico (secretário) de Segurança Pública. O Estado está perdendo o jogo para o PCC.

MAURIMAR CHIASSO

mbc@aasp.org.br

Mogi das Cruzes

CORRUPÇÃO

Nome aos bois

José Genoino, em sua entrevista ao Estadão (21/10, A10), declarou que nunca entregou ninguém e que em sua defesa não aponta o dedo a companheiros. O que significa isso para bom entendedor? Que ele admitiu tudo o que aconteceu na Ação Penal 470, mas não deu o nome aos bois.

CARLOS E. BARROS RODRIGUES

ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

Reações

Sintomáticas as reações do "cumpanheiro" Genoino a algumas perguntas da repórter do Estado (21/10). Por exemplo: "Nunca entreguei ninguém". Quer dizer que há alguém a entregar?! Outro: "A missão do Haddad é vencer a eleição. E vai vencer. Ponto". Haddad, então, é "pau-mandado"?

WILSON LUIZ DA SILVA

wildasilva@gmail.com

São Paulo

A maior traição

Mesmo tendo simpatia pelo sr. José Genoino, embora não a tenha por seu partido nem por sua ideologia, e mesmo considerando que ele talvez tenha sido mesmo o laranja no mensalão, não posso ignorar o fato de que a sua assinatura consta em ilícitos desse infeliz episódio da História política brasileira recente. Também não posso admitir que o sr. Genoino tenha transitado tanto tempo como cordeiro no meio de lobos sem ser devorado. Fica difícil, então, acreditar em sua inocência ao ler sua entrevista ao Estado, no domingo. Mesmo porque nela o sr. Genoino deixa muitas perguntas sem resposta. E quando diz que nunca entregou ninguém e para se defender não precisa prejudicar ninguém, fica claro que há alguém a ser entregue, há uma história a ser contada, como bem diz a entrevistadora. Com essa entrevista, o sr. Genoino colocou sobre si a obrigação de contar essa história, considerando o fato de que a maior lealdade de um homem público de bem deve ser para com a verdade dos fatos e o interesse maior de seu país, que não necessariamente coincide com os interesses de um determinado grupo ou partido político, sobretudo se esse partido lança mão de práticas criminosas, como abundantemente comprovado no julgamento em curso no STF. Se não contar essa história, o sr. Genoino estará praticando a maior traição, que é a traição à verdade e à História de seu país.

JORGE MANUEL DE OLIVEIRA

jmoliv11@hotmail.com

Guarulhos

Empáfia

No primeiro governo Lula, José Genoino andava pelos corredores do poder, com a empáfia de sempre. Continua o mesmo. Dispara contra o STF, que "ousou" julgá-lo e condená-lo.

FAUSTO FERRAZ FILHO

faustoferrazfilho@hotmail.com

São Paulo

Choradeira

É comum os criminosos se declararem inocentes antes e depois do julgamento. Parabéns ao STF. Pena que não pegaram o verdadeiro chefe da quadrilha. Ainda.

MARCIO AMATUZZI

marcioamatuzzi@uol.com.br

Cotia

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadão.com.br

O NOVO E O VELHO, PARA LULA

Lula, a metamorfose ambulante, como ele mesmo já se definiu, deu mais uma prova de que sua palavra vale tanto quanto moeda de R$ 2. Se aqui, em São Paulo, ao apoiar Fernando Haddad (PT), o seu discurso é pelo "novo", pela "mudança", em Diadema (SP), cidade sob a gestão do PT há 12 anos, o discurso muda radicalmente: no domingo, Lula esteve nesta cidade vizinha a São Paulo e discursou contra o novo, contra a mudança, apoiando a reeleição de Mário Reali, acentuando que nunca se deve trocar "o certo pelo duvidoso". É justamente isso que os eleitores paulistanos também pensam, Lula! Obrigada!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

CERTO PELO DUVIDOSO

Eleitores paulistanos, sigam o que disse Lula no discurso que fez em Diadema, no ABC, no domingo (21/10): "Vocês viram o que aconteceu com a Carminha na novela Avenida Brasil: ela trocou o certo pelo duvidoso. Temos de votar em pessoas que têm história. Colocar alguém que não administrou nem a própria cozinha da sua casa não é bom". O recado está dado: votem na experiência comprovada, currículo e conhecimento adquiridos ao longo de anos de prática em várias gestões como prefeito e governador. Votem em quem sabe fazer bem feito, e não no calouro duvidoso. Votem em José Serra!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

PAPAGAIADAS LULÍSTICAS

Cínico, arrogante e prepotente, o ex-presidente Lula defende que São Paulo precisa mudar o comando que hoje está com o PSDB. Lula defende o novo, que, no caso, é Haddad, mas entra em contradição em Diadema, ao afirmar que "não se deve trocar o certo pelo duvidoso". O PT controla a cidade de Diadema há 12 anos e, de acordo com Lula, é para continuar. Mas em São Paulo é preciso trocar só porque o partido não é o PT? Pegando o conselho do ex-presidente ao pé da letra, o eleitor deveria dar um basta em Lula, que também é uma velha raposa, que não se enxerga e está em declínio. E pensar que há eleitores que engolem as papagaiadas lulísticas.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

QUANTA INCOERÊNCIA!

Lula está tão desmedido em sua gana para vencer todas as eleições com qualquer poste por ele escolhido que não percebe suas enormes incoerências a ponto de afirmar, em relação ao candidato da vez, que o "novo" é importante num palanque e desmentir dizendo que é perigoso trocar o velho pelo novo. Esse senhor perdeu o senso do ridículo e faz muito tempo. Nada de novo em seus falsos valores: aquele que não controla sua fala é dominado por ela.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

OS POSTES DE LULA

Não consigo mais ler as sandices de Lula, mas recebi a informação de sua última declaração de que "de poste em poste o Brasil vai ficar iluminado". Obviamente, tal frase foi "bolada" por seus marqueteiros, já que ele não tem imaginação para tal, porém, se seus assessores lessem um pouco mais, por certo teriam conhecimento da peculiar frase do escritor escocês Andrew Lang, que se adapta melhor aos postes de Lula: "Alguns usam estatísticas como os bêbados usam os postes - mais para apoio que iluminação". Além disso, há que se considerar que os postes de Lula são entregues ao povo cheios de "gatos" para roubar a energia dos cidadãos.

João Roberto Gullino jrgullino@oi.com.br

Petrópolis (RJ)

*

GAMBIARRAS

Lula, sobre a indicação de "postes" como candidatos: "De poste em poste que o Brasil vai ficar iluminado". Quer dizer que os últimos apagões não são culpa do PT, mas das gambiarras que os petistas ligaram aos postes?

Vidal dos Santos vidal.santos@yahoo.com.br

São Paulo

*

SANDICES

O que Lulla diz em palanque não se escreve, mas se contesta. Ao comparar José Serra a Jânio Quadros e Fernando Collor, é de estranhar, para quem já foi até à casa do Maluf para pedir apoio. Se vivo fosse, Jânio Quadros com certeza faria parte do governo petralha, assim como Collor faz parte há pelo menos quatro anos. Se bobear, Lulla e o PT já fizeram parceria até com o diabo, ou será o contrário? O diabólico Lulla já fez conchavo até com as piores figuras da República.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

LULA, COLLOR E... MALUF

No mais duro ataque que já fez ao adversário de seu candidato em São Paulo, o ex-presidente Lula comparou José Serra (PSDB) a Jânio Quadros e Fernando Collor na noite de sábado, dizendo que, assim como eles, o tucano não termina seus mandatos. Dá para confiar num cara desses? Quando o Collor o apoiou Lula, este nunca falou nada contra. Ele, que fez acordo com o Maluf, ainda fala dos outros? Se toca, Lula! É bom colocarmos as barbas de molho, pois Haddad ganhando, o Lula vai governar e trazer a cumpanheirada para pegar uma boquinha em Sampa.

Kaled Baruche kbaruche@bol.com.br

São Paulo

*

FOI TUDO E NÃO FOI NADA

O Sr. da Silva, em matéria veiculada com o título No palanque, Lula compara Serra a Jânio e Collor (20/10), afirma que Collor não ocupou nenhum cargo do Executivo, chegando a ser tudo nem ser nada. Sem ter nenhuma admiração pelo presidente cassado, gostaria que o Sr. da Silva esclarecesse: Foi vereador onde? Ocupou a prefeitura de que cidade, e quando? Governou que Estado do Brasil, e em que período? Foi senador da República em que década? Pelo que consta, após uma pífia passagem pela Câmara federal, foi eleito presidente após quatro tentativas, sem "saber de nada" na hora mais difícil de sua administração. Ora, parece que também "foi tudo e não foi nada".

José Felipe Donnangelo felipiva@uol.com.br

São Paulo

*

MENTIROSO

Lulla se esqueceu de que as pessoas normalmente julgam o próximo como si mesmas. Esse ditado nunca foi tão verdadeiro! Lulla diz que Serra é igual ao Jânio e a Collor. Na realidade, Lulla imitou o Jânio dando apoio a Cuba e tornou-se amigo de Collor e de Maluf, que tanto criticou. Que Lulla tome cuidado para o seu nariz não crescer, como acontece com os mentirosos. Até agora, Serra agiu com seriedade.

João Ricardo Silveira Jaluks jr.jaluks@hotmail.com

São José dos Campos

*

BOBAGENS

Creio que Lula precisa tomar direitinho os remédios para controlar o câncer. O ex-presidente tem extrapolado o bom senso. Não se cansa de dizer tolices. Nem todos são obrigados a achar graça das sandices e pavonices de Lula. Na ânsia de atingir Serra, o trêfego difama e desrespeita os ex-presidentes Jânio Quadros, que já não pode se defender, e Fernando Collor. Seguramente, os janistas se lembrarão na hora de votar da torpe afirmação de Lula. Por sua vez, o hoje senador Fernando Collor, na disputa presidencial, foi o candidato mais votado em São Paulo, vencendo inclusive Lula.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

CARA DE PAU

Serra renunciou ao mandato de prefeito em 2006, e foi eleito governador do Estado de São Paulo no mesmo ano. Como Lula gosta de enfatizar na sua eleição de 2006, Serra também foi julgado e absolvido pela população naquele ano. O que o molusco não explica, e seus eleitores não enxergam quão mentiroso é o seu guru, é que Lula, durante toda a sua carreira política, antes de se tornar alguém, foi o maior inimigo de Paulo Maluf, Fernando Collor, José Sarney, Renan Calheiros, Jader Barbalho e outros tantos corruptos sacramentados da política brasileira e que hoje desfilam ao seu lado como grandes aliados. Vai ter cara de pau assim lá adiante!

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

UMA DERROTA HISTÓRICA

O primeiro município que o PT conseguiu eleger um prefeito foi na cidade de Diadema (SP), em 1982, e agora, em 2012, depois de 30 anos, pode ter uma derrota histórica, o que mostrará a maturidade do povo diademense. Aguentou enquanto pôde e agora destaca as qualidades e deveres mínimos que os nossos políticos precisam ter, abominando os péssimos exemplos do PT, para não dizer muito o mensalulão, parabéns. O paulistano vem sendo enganado com pesquisas "encomendadas", quando tem a mesma oportunidade de riscar da política brasileira o ParTido que envergonhou e envergonha o País e o povo. As últimas pesquisas não refletem a realidade, exibem números fictícios que contrastam pela quantidade de eleitores indecisos, brancos e nulos, que passam de 20%. A capital do Estado locomotiva do País precisa extirpar o ar "sujo" da PolíTica nacional, para continuar respirando o ar "puro" da serra, ou já se esqueceram do Maluf, do Pitta, da Erundina e da Martaxa?

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

PAULISTANOS, É ISSO MESMO?

Não dá mesmo para entender como Haddad, sempre com o pretexto do "novo", está com mais votos que Serra no eleitorado mais conservador de São Paulo, segundo Datafolha, quando se observam alguns fatos. A notícia de que Lula pede no Amapá voto para ex-preso por um "novo Brasil" - preso este suspeito de desvio de verbas federais - parece-lhes o quê, "novo"? E a notícia de que Lula apoiou o manifesto contra o Supremo Tribunal Federal (STF) - que está tentando livrar a sociedade de elementos que roubaram o Estado -, chamado até de "golpista e sujo" pelos petistas, acende nos conservadores a chama do senso de justiça? Ou quando a propaganda de Haddad apresenta a mentira de que Serra odeia pobres, quando o que mais fez em todas as suas gestões foi coisas para pobres, traz aos conservadores o sentimento de "verdade"? Ah, não! Não acredito que os conservadores queiram trazer para São Paulo práticas tão desprezíveis quanto as da mentira, falta de escrúpulos e defesa de corruptos. Não acredito que paulistanos vão agora aplaudir atitudes de desrespeito à nossa mais alta Corte do País, justamente no momento em que o STF está nos trazendo uma fagulha de esperança num Brasil mais limpo sem a sujeira da corrupção! Duvido que os paulistanos ignorem que por trás de Haddad estão figuras que fizeram mais do mesmo, em associação ao que há de mais atrasado como Sarney, Collor, Renan Calheiros, Maluf, ou seja, a "velha" banda corrupta que não nos permite deslanchar como país de Primeiro Mundo. Não acredito, reitero, que o paulistano arriscará com Haddad simplesmente por dizer representar "o novo", carregando consigo todo o aparato do "velho": além das práticas espúrias comprovadas no STF, dos aliados coronéis, tem o Dirceu e Palocci operando sua campanha, um já condenado no Supremo, o outro afastado da Casa Civil por falta de decoro. E o que dizer da comum e aviltante prática de passada de mão na cabeça de corruptos? Foi o que mais vimos nestes 11 anos de PT... Tudo isso quando se tem um candidato "ficha limpa" com a competência de um Serra? Que tal, primeiro, permitir a Haddad que aprenda a fazer um Enem direito e a concluir obras que começou, e, em seguida, que se desfilie do "velho" e depois lhe damos a chance de enfrentar o enorme desafio que é São Paulo? Isto é, se ele fizer um estágio aqui com Serra!

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

QUADRILHA COM CNPJ

Não sou jurista e muito pouco entendo dessa área. Mas, assistindo ao vivo o julgamento da Ação Penal 470, sobre a leitura dos votos coincidentes dados pelas ministras Rosa Weber e Carmem Lúcia, ao julgar improcedente a ação que pede a condenação dos réus José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares, entre outros, por formação de quadrilha, pude entender que: para caracterizar formação de quadrilha se faz necessário que os quadrilheiros tenham CNPJ. Ministras, não nos chamem de idiotas. Respeito é bom e se faz necessário mesmo numa sociedade governada pelo PT e composta em sua maioria por bolsa-família.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

SANGUE

O relator do mensalão, ministro Joaquim Barbosa, deixou claro: para alguns juízes que fazem parte do julgamento do mensalão, há denominação "quadrilha" só quando há derramamento de sangue. Assaltos praticados por "colarinhos brancos", mesmo quando, em bando, assaltarem os cofres da União, não poderão ser enquadrados como quadrilha. Pobre Brasil!

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

FORMAÇÃO DE DUPLA

Ao inocentar Zé Dirceu e demais cumpanheros da acusação de formação de quadrilha, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli, aliás num recorde em termos de sentença (menos de um minuto), sugiro que os dois sejam julgados por formação de dupla. Vergonhosa, claro, mas cada um escolhe o seu preço...

Renato Camargo natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

*

O QUE É QUADRILHA?

Se um grupo de pessoas que se reúne para cometer um crime não for chamado de quadrilha, o que é então?

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

CAMINHOS DO CRIME

"Não entendo quem escolhe o caminho do crime, quando há tantas maneiras legais de ser desonesto" (Al Capone). Caminho seguido por Lewandowski e sancionado na base de arenga afinada por Toffoli, Rosa Weber e, inacreditável e lamentavelmente, por Cármen Lúcia, que salientaram não haver provas de que eles concorreram ou planejaram de forma organizada para um crime. Ora, isso está claro para qualquer estúpido e até bem descrito nos testemunhos dos próprios acusados dados à Justiça. É a essência do mensalão e como salientou ministro Luiz Fux em vigorosa intervenção de caráter e competência. Desejavam S. Exas. que fundassem uma S/A, devidamente registrada Junta Comercial? Trata-se da mais vigorosa e escorchante busca nas entre linhas da legislação para desmerecer a peça acusatória no que toca à acusação de quadrilha. O que é estranho é que em análise e sentenças anteriores promulgadas pelas supracitadas foram imputados vários crimes já ratificados pelo plenário do STF e que foram praticados pelo mesmo e denunciado grupo, agindo concomitantemente ao longo de dois anos. Como não definir isso como quadrilheiros? Como propalar que não atuaram como organização que deliberadamente "forçavam vontades políticas" ao Congresso via corrupção a quem esses quadrilheiros representavam? Leia-se, ao governo Lula. Tal impunidade tolerada nos faz pressupor até cumplicidade, se isso não for por certo nisso se transforma ou resulta.

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

DATA VENIA

As ministras Carmem Lúcia e Rosa Werber esqueceram que, antes da eleição de Lula em 2003, os partidos que se aliaram ao PT exigiram a contrapartida em dinheiro. Daí começam a associação das três ou mais pessoas para formação da quadrilha ao procurarem o Sr. Marcos Valério. A associação para os crimes citados pelo ministro relator, Joaquim Barbosa, começam aí. São, sim, uma quadrilha, que só foi interrompida com a denúncia do Sr. Roberto Jefferson, caso contrário, continuariam, e os Srs(as) talvez passassem a ser figuras decorativas na Ré(s)publica! Ainda dá tempo de reverem suas posições!

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

INDIGNO

Ministro Dias Toffoli. O conteúdo de seus votos, em especial naquele de formação de quadrilha, e favorável ao seu ex-chefe José Dirceu, mostra do acerto da Magistratura Estadual Paulista em reprová-lo A integrá-la e por duas vezes. Curioso, para não dizer outra coisa, foi o Senado reconhecê-lo com "notável saber jurídico".

Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

*

O RECUO DAS MINISTRAS DO STF

A respeito das ministras do STF que não consideram quadrilha o grupo montado por Zé Dirceu, e tratando-se de mulheres, o caipira tem uma forma peculiar de pensar quando sente nessas um recuo e que as regras da boa educação não permitem transcrevê-lo, mas penso como ele. Assisti a uma ministra do STF que, seguindo a outra, em vez de atuar em seu papel na defesa do bem público, pasmo, a vi trabalhando mais como advogada do bando liderado por Zé Dirceu e encerrou seu parecer inocentando 13 integrantes do que o relator ministro Joaquim Barbosa chamou claramente e com razão de "quadrilha", pelo menos a mim, leigo num direito que parece feito a capricho mais para inocentar criminosos que defender o Estado. O revisor Lewandowski achou as parceiras ideais e inesperadas em sua ajuda na defesa desse grupo, que, segundo a ministra, não pode ser chamado de "quadrilha" porque tinha apenas o objetivo político de servir de apoio ao governo Lula, como que legitimando esse bando apenas como um que juntou-se para uma ação que deduzindo-se sua forma de pensar poder-se-ia chamar de "nobre". Quiçá não venha o Estado ter no futuro de indenizar todos eles, porque foram ofendidos ao serem considerados "quadrilheiros". Para as duas ministras que defendem o termo "quadrilha" apenas quando sua ação é permanente, elas estão esquecidas de que não chegou a isso graças à denúncia de um de seus membros e que serviu de base para abertura do processo do "mensalão", e, não fosse isso, eles estariam atuando desde sempre! Parabéns, ministras! Soubessem os réus que teriam duas advogadas dentro do próprio STF, não pagariam fortunas a outros profissionais do Direito.

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo

*

DIVERGÊNCIA

Para mim, a maior juíza do Brasil é a ministra Carmem Lúcia, do STF. A firmeza dela sempre me convence, até quando inicialmente minha opinião é divergente. É o caso do delito de formação de quadrilha, no julgamento do mensalão.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo

*

ABSOLVIÇÕES

Mesmo uma pessoa leiga sabe dos absurdos cometidos pelo José Dirceu e o Genoino, se percebe nitidamente a má intenção dos ministros Lewandowski e do ministro Dias Toffoli, que descaradamente desrespeitam o povo brasileiro. Viva o ministro Joaquim Barbosa!

Valter Silva valternikas10@hotmail.com

São Paulo

*

JOSÉ GENOINO

José Genoino, réu no julgamento do mensalão, declarou ao Estado que nunca entregou ninguém na sua vida, nem no "pau de arara" (21/10, A10). Parabéns para ele. Mas a pergunta que não quer calar é a seguinte: o que isso tem a ver com a montanha de dinheiro surrupiada dos cofres públicos, objeto do julgamento do mensalão pelo STF?

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

ELE SABIA

Na entrevista do senhor José Genoino ressalta um fato: a ideologia petistas não tem caráter. Em ato falho este senhor diz que para se defender não entrega ninguém. Se há alguém que pudesse (diria eu devesse) ser entregue, significa que ele, José Genoino, sabia e sabe que havia algo errado. Portanto dois pontos devem ser salientados: 1) havia coisa errada no "mensalão" e seus desdobramentos, e ele sabia disso, mas não falou nada e nada fez. Não venha, então, dar uma de inocente e dizer que não sabia de nada; e 2) para o PT e seus participantes todos os meios justificam os seus fins, que a rigor são contra a sociedade e a favor da minoria engajada no PT. O dinheiro usado nas negociatas do mensalão era público, e foi usado por poucos, para poucos (alguns escolhidos), e para fins escusos. Lamentável o caráter deste senhor.

Abel Cabral abelcabral@uol.com.br

Campinas

*

GENOINO, O HONESTO

"Nunca entreguei ninguém..." nem o irmão com dólares na cueca! Para um petista, acostumado com grandes mentiras, uma mentirinha a mais ou a menos, que diferença faz?

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

'NUNCA ENTREGUEI NINGUÉM...'

Eu estava lendo essa declaração do Sr. Genoino, achei muito legal quando ele fala que nunca entregou ninguém na vida, ele tem esse bom caráter, mas, com referência à acusação de que ele é acusado, nada tem a ver entregar ou acusar os seus parceiros, porque, se ele tivesse já feito isso, já estaria em outro mundo.

Hildebrando Soares Peixoto hulp.comercio@gmail.com

São Paulo

*

OUTROS TEMPOS

"Nunca entreguei ninguém na vida. Nem no pau de arara". As circunstâncias do Araguaia eram outras: os guerrilheiros formados por Genoino e seus companheiros buscavam implantar um regime ditatorial no Brasil. A circunstância atual é que ele e seus companheiros de partido cometeram atos de barbarismo contra a democracia, sendo por ela beneficiados com direitos plenos à defesa, desonrando-a. Caso o Sr. Genoino não tenha percebido, ele foi declarado culpado pela Suprema Corte de Justiça brasileira. Não há mais fórum onde se defender. O Sr. deve aceitar a pena que lhe for imposta para pagar seus crimes, indicando arrependimento e, na medida do possível, reparar seus erros para com a sociedade. Esta revolta em aceitar a condenação remete-o a seus tempos onde a lei era feita pelo Sr. mesmo e, por mais que o Sr. e seus companheiros queiram, não voltam mais!

Vitório F. Massoni suporte@eam.com.br

São Paulo

*

OMERTÁ

Na hipótese de Genoino, José Dirceu e Delúbio serem presos, será que beijarão a boca do ex-presidente Lula a caminho da prisão?

Maurício Rodrigues de Souza mauriciorodsouza@globo.com

São Paulo

*

RETROVISOR

O Sr. José Genoino deu entrevista publicada na pagina A10 do Estadão de domingo, alegando que a Justiça trabalha com o "retrovisor" e a política, com o "para-brisas". Essa alegação vinda de um petralha refere-se ao julgamento do mensalão, ocorrido em 2005. Agora, a Comissão da Verdade imposta pelos petralhas para julgar fatos ocorridos com os militares e os subversivos há 40 ou 50 anos é válida? Ou seja, contra o PT não vale, já contra os outros é lindo e bem feito. O PT só engana o povo brasileiro e ainda recebe votos. Uma vergonha!

Antonio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

MINISTROS DO STF

Quem acompanha o julgamento do mensalão toda semana, só pode considerar reprovável e contrária aos interesses do País a postura do ministro Lewandowski, revisor do processo, que vem se contrapondo sistematicamente aos votos consistentes e de alta qualidade do relator Joaquim Barbosa, como se o revisor estivesse ali para defender os réus. Barbosa está à frente desse processo há cinco anos e o conhece profundamente, portanto, seus votos deveriam ter maior respeito de Lewandowski, a exemplo do que ocorre com os demais ministros, que lhe têm dado vitórias incontestáveis. Lewandowski só vota, em regra, com o relator, quando este absolve algum acusado. Agora mesmo, no dia 18, Barbosa condenou 11 réus, entre eles Dirceu, Genoino e Delúbio, e absolveu 2 por formação de quadrilha, enquanto o revisor absolveu todos, quando, inclusive, se aproveitou de uma votação de formação de quadrilha em item anterior, rejeitada pelas eminentes ministras Rosa Weber e Carmem Lúcia, fazendo-lhes rasgados e veementes elogios em função de seus votos, como se assim o fizesse com a intenção de sensibilizá-las a repetirem agora seus votos, o que não acreditamos, pois o item em exame engloba o grupo político, Dirceu, Genoino e Delúbio, e os grupos operacional e financeiro, encabeçados por Marcos Valério e Kátia Rabelo, inteiramente diferente do item anterior, e de extrema gravidade. As ministras referidas são de muita competência e trabalham com independência em sua votações.

Luiz Nunes de Brito rosahollmann@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

*

VIOLÊNCIA EM SÃO PAULO

É revoltante ler na mídia que os supostos (somos obrigados a escrever supostos, por força da lei baseada nos direitos humanos para bandidos) canalhas que cometeram o latrocínio contra a garota de 15 anos na noite de sábado passado, na terra de ninguém, que é a cidade de São Paulo, riram e debocharam da vítima, por ela ter reagido. Daqui a uma semana os três facínoras estarão andando soltos, cometendo novos crimes, pois as nossas leis são baseadas na teoria Lewandowski. Enquanto isso os eleitores, segurando orgulhosos seus atestados de otários nas mãos (leia-se título de eleitor), caminham para votar na escória política do Brasil, formadas pelos partidos marxista-leninistas de após Revolução de 31de março de 1964. Votar em Lulas, Dilmas, Dirceus, Serras, Haddads, Fernandos Henriques, Al e suas camarilhas é o mesmo que votar nos bandidos que roubam, estupram e matam cidadãos de bem a cada minuto por este país afora. O Brasil não é uma democracia, mas, sim, a verdadeira patifaria!

Roberto Stavale bobstal@dglnet.com.br

São Paulo

*

PARABÉNS

Parabéns aos "pacifeiros" e demais utopistas, em sua maioria jornalistas engajados ideologicamente, sociólogos de gabinete, ONGs de fachada, atores (plim, plim!) e políticos demagogos que posteriormente se revelaram em toda sua imensa corrupção ao urdirem no passado recente o Estatuto do Desarmamento, que deixou aos cidadãos o papel de ovelha no matadouro diante de bandidos armados até os dentes. Parabéns, também, ao advogado e ex-deputado do PT Luis Eduardo Greenhalgh, por ser o "pai" do Estatuto na companhia do então ministro da Justiça, Marcio Thomaz Bastos. Os bandidos agradecem, já aos pais que devem enterrar aos seus filhos assassinados só resta chorar e clamar por uma justiça fraca, falha, tardia e que não freia a sanha de quem nos mata por puro prazer de ver o tombo da vítima indefesa.

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

São Carlos

*

O POLICIAL, O CRIME E A SEGURANÇA

São Paulo vive situação contraditória. A polícia é acusada de truculência e, ao mesmo tempo, seus policiais - inclusive de folga e aposentados - são assassinados por criminosos que agem a soldo do crime organizado. Mesmo assim, São Paulo é o 25º Estado onde menos se mata, segundo o Mapa da Violência 2012, registrando 10 homicídios para cada 100 mil habitantes. Existem 24 Estados onde o número de mortes é proporcionalmente maior. O Rio de Janeiro tem 30 e Alagoas registra 73 homicídios para cada grupo de 100 mil habitantes. Setores defendem o agravamento das penas para os criminosos que atacam policiais e autoridades. É um caminho, mas a solução é mais complexa e demanda outras providências. Não está exclusivamente na ação policial e na atribuição das penas aos envolvidos. A polícia tem prendido e a Justiça condenado mas, a partir daí, começam os percalços que levam à consolidação do caos já iniciado pela falta de estrutura social que levou o indivíduo a tornar-se criminoso. As penitenciárias abrigam 1,7 preso por vaga. Isso reduz a qualidade de vida nas prisões e traz tensões. Os apenados acabam protegidos pelas organizações criminosas, que cobram sua volta à delinquência depois de conseguida a liberdade. É preciso repensar o sistema carcerário. Essa estrutura, custeada pelos impostos pagos pela sociedade, deve estar efetivamente voltada para a recuperação do detento, oferecendo-lhe oportunidades de estudo e qualificação e nele despertar o desejo de mudar de vida. As penas impostas pelo Judiciário têm de ser rigorosamente cumpridas e o apenado precisa ter a certeza disso. Não há que se reforçar nem abrandar aquilo que a lei penal estabelece. Questão de justiça, que deve ser igual para todos.

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

BRASILEIRO É MUITO PIO

É impressionante a eficiência dos órgão públicos municipais ou estaduais, do Rio de Janeiro. Quando ocorre um problema o órgão responsável, municipal ou estadual, se apressa em dizer que "o porgão fiscaliza com regularidade e não constatou nenhum problema" ou quando é questão de segurança pública, mesmo quando os moradores afirmam não haver policiamento, o comandante do batalhão da Polícia Militar (PM) local se apressa em dizer que o logradouro é policiado. Agora mesmo temos o caso da senhora idosa que veio a óbito em um hospital em São João de Meriti por ter tomado café com leite intravenoso. E o órgão público se apressou em dizer que fiscaliza o hospital regularmente. Fiscaliza mesmo? Apuração feita por um órgão constatou diversas irregularidades no referido hospital, mas o órgão público fiscalizador mantém a versão dele. É impressionante. Nenhum órgão reconhece sua incapacidade e incompetência, que é o realmente o que são, incapazes e incompetentes. Alguém vê fiscal na rua? Buracos, água jorrando por tubulações rompidas ou esgoto vazando, ficam assim dias e dias. Nem quando você comunica atendem de pronto. E tem a coragem de dizer que fiscalizam. Só quando o problema é exibido na TV. E o povo acredita. Brasileiro é muito pio. Acredita em tudo.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

SAÚDE PÚBLICA, UM ABANDONO

O que me surpreende é que diante de tanta barbaridade na área da saúde, aplicações de glicerina, sopa, café com leite na veia de pacientes, por estagiários e/ou auxiliares de enfermagem, ocasionando óbitos, o Ministério da Educação não manda avaliar as milhares escolas de enfermagem espalhadas por esse Brasil afora, o Ministério da Saúde não toma nenhuma providência e nem dá satisfação à população sobre as ações e/ou medidas que estão sendo tomadas. Os Conselhos de Medicina e de Enfermagem (existe?) não tomam frente sobre o assunto, o Ministério Publico não aparece em defesa do pobre dependente do SUS, que está nas mãos de irresponsáveis. Que país é este? Que população é esta que morre assassinada, recebe esmolas e idolatra aqueles que estão cometendo os maiores horrores em nossa Pátria? Onde andam os deputados? Descansando das exaustivas 3ª, 4ª e 5º feiras?

Nei Silveira de Almeida neizao1@yahoo.com.br

Belo Horizonte

*

PERDEMOS O BONDE?

Recente trabalho "Consumidor ano 2050" elaborado pelo banco HSBC (Estadão, 20/10) traz uma boa e uma má notícia. A boa notícia é que nesse período os países emergentes, notadamente a China, Índia, Filipinas, Peru e México terão um crescimento espantoso na renda per capita, com um imenso aumento da classe média. A má notícia é que o Brasil não terá um futuro tão brilhante, estaremos muito abaixo desses países. Enquanto a renda deles crescerá tremendamente, sendo que o Peru, considerado a "estrela" do grupo a taxa será de 5% ao ano, no Brasil não chegaremos a 3%. Nossa renda per capita atingirá US$ 13.500,00, inferior à da República Dominicana e El Salvador e pior, será menos da metade da renda per capita do Chile e da Argentina. O motivo dessa grande derrota anunciada é que nossa população envelhece rapidamente e teremos então menos pessoas produzindo, situação à muito prenunciada por economistas. Não estamos aproveitando a época atual, em que essa situação é inversa. A energia de que dispomos atualmente não está sendo aproveitada para a construção de um país forte e competente. Nada importante está sendo feito para melhorar a nossa cultura, a infraestrutura precária, a tributação que nos sufoca, a indústria mais competitiva e nossos acordos comerciais são com países pobres, atrasados e não com potencias que nos ajudariam a crescer. A orientação ideológica de nossos governantes nos levará a continuarmos subdesenvolvidos e então, não mais liderando a America do Sul como antes. O que se observa no mundo real é a vitória final do capitalismo que fez mais pelo socialismo do que o próprio socialismo. Está claramente o pragmatismo dos governos se sobrepondo aos ideólogos primitivos.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

'DESPEDIDA, APÓS 45 ANOS'

Li, e acuso saber, que não mais terei (21/10, B20), aos domingos no Estadão, os artigos do Sr. Ethevaldo Siqueira. Saiba ele que, às segundas-feiras, nas aulas de Física, seus artigos eram motivo de discussão. Desejo-lhe coragem, saúde e perseverança, para continuar, como citou, sua trilha de sucesso! Obrigado, pelo artigos, nos 45 anos!

Edivelton Tadeu Mendes etm_mblm@ig.com.br

São Paulo

*

ETHEVALDO SIQUEIRA

Pela mesma razão que lamentamos o compulsório afastamento do ministro Cezar Peluso, isto é, pela falta que já faz à inteligência jurídica do País, fico agora a lamentar pela falta que fará aos nossos conhecimentos de tecnologias modernas com a aposentadoria do grande jornalista Ethevaldo Siqueira. Temos de respeitar a implacabilidade do tempo que nos leva a desacelerar o frenético ritmo da vida, mas - queiramos ou não - fica sempre aquela sensação de que perdemos algo valioso. Ethevaldo Siqueira acumulou e nos passou tanto conhecimento sobre tecnologias eletrônica, informática, comunicações, entre outras, que gostaria, egoisticamente falando, continuar a tê-lo ainda por muito mais tempo publicando sua coluna para enriquecer a minha leitura dominical. De qualquer forma, ficam aqui os votos de muito sucesso na nova fase de sua vida e que continue colocando no papel suas análises e sempre respeitados pontos de vista sobre tecnologias modernas, sem as quais, o mundo ficaria mais difícil ainda do que já é.

Edson P. Pinto epinto2008@gmail.com

Santana de Parnaíba

*

O COMBUSTÍVEL NÃO ACABOU

Vou sentir a falta da coluna do Ethevaldo Siqueira no Estadão após a sua despedida neste domingo. Não me lembro desde quando adquiri o hábito de ler suas matérias, mas era uma das colunas que sempre gostava de ler por dois motivos. O primeiro seria o próprio conteúdo técnico das matérias que expunha, com a devida clareza, do que acontecia em nosso mundo tecnológico. O segundo motivo é que o Ethevaldo não tem papas na língua e fala e escreve o que pensa. Sua visão crítica perspicaz é algo raro de se encontrar hoje em dia em matérias jornalísticas, não caindo em muro de lamentações e nem em ufanismo consumista. Por um lado, fico triste pelo Ethevaldo deixar a sua coluna no Estadão após 45 anos de um legado respeitoso, mas por outro, fico contente por saber que o combustível não acabou e continuará em outros meio com seu entusiasmo pela causa, que é muito maior que muita gente mais jovem.

Marcelo Kenji Miki marcelomiki@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.